PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO"

Transcrição

1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO Pró-reitoria de Desenvolvimento Humano e Social - PRODHS

2 Equipe Responsável Ana Paula Fassina - PRODHS Cristiane Tagliari Correa - PRODHS Jean Abilio Silva - PRODHS Neri Jorge Golynski PRODHS Joaquim Valverde NeaD/Câmpus Camboriú Silma Battezzati NeaD/Câmpus Camboriú

3 SUMÁRIO 1. JUSTIFICATIVA 3 2. APRESENTAÇÃO DO CURSO 4 3. OBJETIVO GERAL 5 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 5 5. PÚBLICO ALVO 6 6. MÓDULOS E COMPONENTES CURRICULARES DO CURSO 6 7. MÉTODO DE OFERTA MÉTODO DE OFERTA DOS MÓDULOS 1 E MÓDULOS 1 E 2 OFERTADOS EM CADA UNIDADE DO IFC MÓDULO 1 E 2 OFERTADOS POR MEIO DE SEMINÁRIO INTEGRADO PARA TODOS OS SERVIDORES MÉTODO DE OFERTA DO MÓDULO AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 9 9. CERTIFICAÇÃO CONDIÇÕES DE VIABILIDADE OBJETIVOS E EMENTA DOS COMPONENTES CURRICULARES DO CURSO DE INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO REFERÊNCIAS 17

4 1. JUSTIFICATIVA Desenvolver e articular competências e esforços individuais de maneira a constituir uma organização de ensino como o IFC é um desafio, porém também é tarefa inspiradora. A sociedade por razões históricas, políticas, econômicas, culturais, entre outras há muito reconhece a importância das instituições de ensino profissional, científico e tecnológico para seu desenvolvimento e prosperidade. Prova disso é o fortalecimento gradativo que essas instituições tiveram durante todo o século XX no Brasil e, principalmente, a recente unificação no formato de Institutos Federais de Educação em Contudo, que necessidades sociais essas instituições têm como missão atender? Necessidades de quem, está sob sua responsabilidade suprir? Por quais meios ou atividades pode atendê-las? A fim de engajar e articular servidores em torno da missão do IFC, parece ser importante criar momentos que aprofundem a percepção institucional e de seus servidores sobre essas questões, tal como o Curso de Iniciação ao Serviço Público para servidores do IFC. É possível ainda perceber, principalmente entre servidores ingressantes, a necessidade de aperfeiçoar a visibilidade acerca dos direitos, deveres e responsabilidades previstas nas legislações que regem a carreira do servidor público federal. Ainda que tais servidores já tenham tido acesso a algum desses direitos em função do concurso público por eles prestado, é relevante identificá-los de forma a viabilizar a progressão na carreira e o acesso aos direitos relacionados à saúde, afastamentos, licenças etc. Isso traz como decorrência uma maior motivação para o trabalho e a possibilidade de que o servidor planeje sua carreira da forma a atender suas expectativas de crescimento pessoal. Além disso, existem recomendações, deveres e proibições que caracterizam a atuação nas funções públicas federais, cuja observância é essencial não só para evitar processos administrativos disciplinares como para fortalecer o comprometimento ético e social dos serviços prestados. Tudo isso torna relevante desenvolver um módulo de introdução à carreira do servidor público federal, que está dividido em Regime Jurídico Único, Plano de Carreira dos Cargos Técnico Administrativos em Educação PCCTAE e Plano de Carreira e Cargos de Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico carreira EBTT. Por fim, além de conhecimentos relativos à responsabilidade social do IFC e acerca do respectivo plano de carreira na instituição, é possível identificar necessidades básicas de capacitação relacionadas à integração do servidor à sua função específica na instituição, às rotinas de trabalho e aos respectivos setores de exercício. Cada parte do IFC, seja ela um serviço de apoio ou uma atividade-fim, possui funções, procedimentos e rotinas específicos que, se acessíveis e compreensíveis ao novo servidor, podem assegurar ele que contribua melhor e mais rapidamente 3

5 para a obtenção de resultados para a organização. Para além disso, cada setor ou unidade do IFC possui documentos que referenciam e orientam sua constituição e suas atribuições (Estatuto e Regimento) e as prioridades do setor para um determinado período de tempo (Planejamento Estratégico e Plano de Desenvolvimento Institucional). É relevante que tudo isso seja conhecido por aqueles trabalham no IFC para que possam desenvolver, com mais motivação, suas ações profissionais cotidianas com eficácia e efetividade. 2. APRESENTAÇÃO DO CURSO A capacitação do servidor do Instituto Federal Catarinense é um processo que envolve um itinerário de formação que se inicia com seu ingresso na instituição e envolve diversas linhas de desenvolvimento conforme legislação sobre o tema Decreto de junho de 2006 e Decreto de fevereiro de A Iniciação ao Serviço Público é a linha de desenvolvimento direcionada à integração dos servidores ingressantes na instituição ou daqueles que não tiveram oportunidade de participar de ações desse tipo. Segundo o Decreto 5.825, I Iniciação ao Serviço Público: visa ao conhecimento da função do Estado, das especificidades do serviço público, da missão da IFE e da conduta do servidor público e sua integração no ambiente institucional. A linha de desenvolvimento de Iniciação ao Serviço Público é constituído por 3 módulos: 1º) Módulo de Introdução à Organização; 2º) Módulo de Introdução à Carreira do Servidor; 3º) Módulo de Atividades Tutoradas. O Primeiro módulo trata sobre o desenvolvimento histórico, a natureza e a missão de uma Instituição de Ensino como o IFC. O segundo, visa tornar o servidor capaz de identificar seus principais direitos e deveres como servidor público federal e de atualizar acerca dos debates regionais e nacionais de cada categoria. E, por fim, o terceiro módulo visa garantir a integração do novo servidor à infraestrutura da unidade, às pessoas que nela trabalham e às funções que irá exercer. 3. OBJETIVO GERAL: Desenvolver habilidades profissionais básica de maneira a integrar servidores à missão do Instituto Federal Catarinense, a seus processos e condições de trabalho, aos demais servidores e à infraestrutura de suas unidades do IFC. 4

6 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS OU PERFIL DO EGRESSO Ao final do curso os servidores participantes estarão ambientados às dependências da unidade e aos demais servidores, terão visibilidade sobre suas atribuições e sobre as implicações das diretrizes nacionais, institucionais e setoriais para exercê-las. Estarão familiarizados com as condições de desenvolvimento na carreira profissional e capacitados para desempenhar as rotinas de trabalho na instituição. Em termos de competências profissionais, os servidores estarão capacitados a: Avaliar o desenvolvimento histórico do IFC e da Rede de Ensino profissional, científico e tecnológico no Brasil e as implicações para o trabalho na instituição; Avaliar a missão do IFC e as decorrências para o trabalho do servidor na instituição; Identificar e avaliar os objetivos estratégicos da instituição e as decorrências para o trabalho no setor; Avaliar principais direitos, deveres relativas à carreira pública federal de maneira a viabilizar seu desenvolvimento profissional; Identificar, caracterizar e avaliar a dimensão ética da atuação do servidor público no IFC; Caracterizar o IFC como instituição de educação básica e superior, as modalidades de cursos e ações que realiza, os resultados que têm obtido e os desafios para seu desenvolvimento; Comunicar-se oficialmente por meio do uso das tecnologias e documentos adequados, de maneira a respeitar a língua culta e a identidade institucional; Organizar, manter e processar documentos institucionais de maneira a viabilizar sua preservação, fácil localização e eficiência dos processos administrativos do IFC; 5. PÚBLICO-ALVO Servidores do IFC, em especial aqueles em estágio probatório ou que não tiveram acesso a ações de iniciação ao serviço público. 5

7 6. MÓDULOS E COMPONENTES CURRICULARES DO CURSO CURSO DE INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO MÓDULOS COMPONENTES CURRICULARES Carga Horária Módulo 1 Introdução à Organização Subtotal Módulo 1 Módulo 2 Introdução à Carreira 1.1 Histórico e Responsabilidade Social do IFC 12h 1.2 IFC hoje: Constituição e Retrato Atual da Instituição 1.3 Princípios da Administração Pública e Ética no Serviço Público 12h 12h 36h 2.1 Regime Jurídico Único Lei 8.112/90 12h Carreira PCCTAE* 4h 2.3 Carreira EBTT* 4h 2.4 Desenvolvimento do Servidor no IFC 4h Subtotal Módulo 2 20h* Módulo 3 Atividades Tutoradas Subtotal Módulo Integração dos Servidores e ambientação às Dependências da Unidade 3.2 Atribuições Setoriais e Objetivos Estratégicos relativos ao Setor 3.3 Comunicação Institucional: noções básicas 4h 3.4 Organização e Manutenção de Documentos: noções básicas 8h 12h 4h 28h Seminário de Integração dos Servidores do IFC 16h Carga Horária Total 100 horas * O Servidor participará apenas do curso relativo à sua carreira (PCCTAE ou EBTT), totalizando 20h para o Módulo 2. 6

8 7. MÉTODO DE OFERTA DO CURSO 7.1 MÉTODOS DE OFERTA DOS MÓDULOS 1 E 2 Os Módulos 1 e 2 Curso de Iniciação ao Serviço Público serão ofertados na modalidade semipresencial, com etapas em EaD e etapa presencial a ser ofertada em cada unidade do IFC, como descrito na tabela abaixo: 1ª Etapa 2ª Etapa 3ª Etapa EaD Vídeo de Apresentação do Componente Curricular (1 hora) EaD Material disponibilizado no Ambiente Virtual de Aprendizagem (carga horária a definir) PRESENCIAL Aula expositiva e dialogada em cada câmpus (4 horas) Vídeo, a ser disponibilizado em espaço virtual, apresentando o formato do curso, os assuntos a serem abordados no componente e o objetivo da ação, de maneira a fomentar a participação e o engajamento nas demais etapas do curso Material pedagógico estruturado no ambiente virtual de aprendizagem (AVA) que orientará o servidor a desenvolver os objetivos do curso de forma a prepará-lo para a participação ativa no momento presencial. Aula presencial, em cada unidade do IFC, com fala de um ou dois ministrantes e momento para debate a participação dos servidores, com base na reflexão que cada um fez nas etapas anteriores. Vale ressaltar que alguns componentes curriculares, devido à natureza dos assuntos abordados, podem não apresentar todas as etapas descritas acima. 7.2 MÉTODO DE OFERTA DO MÓDULO 3 Para os servidores em estágio probatório, além da reflexão acerca da missão e histórico da instituição e da carreira do servidor, sua efetiva integração requer a ambientação inicial aos ambientes de trabalho e dependências da unidade, aos demais servidores que já trabalham nela e às atribuições e rotinas do cargo que ocupará. Para garantir essa última parte da Introdução ao Serviço 7

9 Público, será desenvolvido o Módulo 3 Atividades Tutoradas que apresentará formato específico. Haverá um momento inicial em que os servidores ingressantes terão acesso a um vídeo de abertura e apresentação do curso e uma segunda etapa de acesso a materiais no espaço virtual de aprendizagem intermediado por momentos de tutoria presencial das chefias imediatas em relação aos ingressantes. A frequência e a duração dos encontros de tutoria poderão variar para cada componente curricular. A tabela abaixo esquematiza essas duas etapas. 1ª ETAPA 2ª ETAPA EaD Vídeo de Apresentação do Componente Curricular EaD + Tutoria Presencial Disponibilização de material EaD de apoio + Encontros de tutorial presencial com chefia imediata (1hora) Vídeo a ser disponibilizado em espaço virtual que apresente em linhas gerais as atribuições e os objetivos estratégicos para o setor em que o servidor ingressou (carga horária a definir) Material pedagógico estruturado no ambiente virtual de aprendizagem (AVA) que oriente o servidor a desenvolver os objetivos do curso mediado por momentos de tutoria presencial entre as chefias imediatas e os servidores ingressantes 7.3 SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO O Curso de Iniciação ao Serviço Público, a fim de garantir a efetiva integração dos servidores em torno de assuntos fundamentais para o desenvolvimento institucional, contempla em seu módulo quarto, o Seminário Anual dos Servidores do IFC. Essa ação periódica será realizada de forma presencial em alguma cidade do Estado que viabilize o deslocamento dos servidores e ocorrerá por 2 dias a serem previamente estabelecidos no calendário acadêmico da instituição. Em sua primeira versão, o evento tratará de tópicos fundamentais relativos à função social do Instituto Federal Catarinense, seus desafios para o crescimento e fortalecimento como instituição, bem como buscará viabilizar a integração dos servidores e das diversas unidades do IFC entre si. 8

10 8. AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Os processos de capacitação institucionais consistem em processos de ensino e aprendizagem que precisam ser avaliados continuamente para que possam trazer, cada vez mais, benefícios para o IFC. A relevância dos temas propostos, a eficiência dos métodos utilizados e o impactos dos resultados da capacitação para a instituição pode ser prevista por aqueles que planejam as ações de capacitação. No entanto, a confirmação dessas estratégias como recurso útil para o desenvolvimento do IFC pode ser obtida apenas após avaliação cuidadosa dos processos de capacitação por parte dos envolvidos. Para isso, servidores, ministrantes, gestores e comunidade avaliarão continuamente as ações de capacitação executadas anualmente de acordo com: (1) a eficiência e eficácia das ações; (2) atendimento à missão do IFC e a seus objetivos estratégicos; (3) o engajamento e envolvimento dos servidores com a ação. A avaliação do processo de capacitação será feita pelos: Próprios servidores estudantes durante os cursos, por meio de feed-back imediato aos ministrantes; Servidores estudantes logo após os cursos, por meio de formulário específico a ser disponibilizado online; Ministrantes por meio de formulário específico; Servidores e gestores das unidades do IFC para o 9. CERTIFICAÇÃO Para cada componente curricular do curso de Iniciação ao Serviço Público será emitida, pela respectiva unidade do IFC, declaração de participação referente à carga horária do componente. A emissão de certificado válido para progressão por capacitação e para outros fins poderá ser requerida pelo servidor à Coordenação de Eventos da PRODHS, mediante apresentação das declarações de participação nos componentes curriculares do Curso de Iniciação ao Serviço Público. 9

11 10. CONDIÇÕES DE VIABILIDADE Para ministrar os cursos da linha de desenvolvimento INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO, a PRODHS constituirá uma equipe de profissionais ministrantes com comprovada experiência nas áreas abordadas. Os servidores do IFC e da rede federal de ensino terão preferência para ministrar tais cursos; porém, caso seja necessário, outros profissionais podem ser contratados para atender às necessidades relativas ao ingresso do servidor. As propostas de curso e seu formato de execução, elaboradas pelos ministrantes em parceria com a PRODHS, podem ser adaptadas de acordo com as necessidades locais de cada unidade do IFC. A fim de executar os cursos, são necessárias algumas condições mínimas a serem oferecidas pela unidade onde as ações realizadas, apresentadas na tabela abaixo. Aspectos MINISTRANTES DOS CURSOS SERVIDORES PARTICIPANTES INFRAESTRUTURA CERTIFCAÇÃO RESPONSÁVEL LOCAL Insumos necessários Diárias e deslocamento servidor aos locais dos cursos, caso os ministrantes sejam servidores públicos; Recursos financeiros, caso seja necessário contratar empresa ou palestrante para ministrar o curso pretendido; Liberação do servidor para participar do curso de capacitação; Diárias e deslocamento do servidor até o local do curso, caso seja necessário; Salas e equipamentos necessários para a realização do curso (mesas e cadeiras, lousa, projetor de slides, ar condicionado) Em cada unidade em que for realizado Servidor(es) do local responsável(eis) pela capacitação a fim de divulgar, realizar inscrições, certificações e organizar o ambiente para realização da capacitação; 10

12 11. OBJETIVOS E EMENTA DOS COMPONENTES CURRICULARES DO CURSO DE INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO 1 Módulo: INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO Componente: HISTÓRICO E RESPONSABILIDADE SOCIAL DO IFC Servidores em estágio probatório ou que ainda não tiveram acesso ao curso de iniciação ao serviço público na instituição Avaliar o desenvolvimento histórico e a responsabilidade social do IFC; Carga-horária: 12h Vagas: 40 Ementa: Histórico da rede de educação profissional e tecnológica; Desenvolvimento histórico e constituição dos Institutos Federais; Origens e constituição do IFC; Expansão do IFC; Necessidades sociais atendidas pelo IFC; 2 Módulo: INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO Componente: IFC HOJE Servidores em estágio probatório ou que ainda não tiveram acesso ao curso de iniciação ao serviço público na instituição Carga-horário:12h Vagas: 40 Identificar principais características do IFC atualmente, as atividades prestadas, a distribuição pelo estado e o impacto do IFC para a comunidade; Ementa: Estatuto e Regimento do IFC; organograma institucional; tipos de cursos ofertados pelo IFC; distribuições dos cursos pelas regiões; característica multicampi; quantitativo de alunos e servidores; noções do orçamento institucional; principais projetos de ensino, pesquisa e extensão; resultados e impacto da IFC para a comunidade; desafios atuais do IFC; 11

13 3 Módulo: INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO Componente: PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO Servidores em estágio probatório ou que ainda não tiveram acesso ao curso de iniciação ao serviço público na instituição - Identificar e avaliar princípios da administração pública com base para a atuação do servidor na instituição; - Distinguir entre administração pública gerencial da administração pública patrimonialista e burocrática; - Avaliar dimensão ética das condutas dos servidores na instituição; - Identificar conflitos de interesses; - Avaliar decorrências éticas de sua conduta; - Demandar à CE para orientações, esclarecimentos e denúncias. Carga-horário:12h Vagas: 40 Ementa: princípios da administração pública; administração pública gerencial; administração pública patrimonialista; administração pública burocrática; ética no serviço público; código de ética; comissão de ética: competências e funções; processo de apuração da ética; conflito de interesses no serviço público. 4 Módulo: INTRODUÇÃO À CARREIRA Componente: REGIME JURÍDICO ÚNICO E LEI Servidores técnico-administrativos em estágio probatório ou que ainda não tiveram acesso ao curso de iniciação ao serviço público na instituição - Avaliar principais direitos e deveres legais relativos aos técnicosadministrativos e atualizar-se com os debates atuais de classe Carga-horário: 12h Vagas: 40 Ementa: lei 8.112; Lei do Plano de Carrreira dos TAE; afastamentos; licenças; aposentadoria; previdência complementar do servidores; tipos de progressões; avaliação de desempenho; estágio probatório; 12

14 5 Módulo: INTRODUÇÃO À CARREIRA Componente: PLANO DE CARREIRA DOS TÉCNICOS-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO Servidores técnico-administrativos em estágio probatório ou que ainda não tiveram acesso ao curso de iniciação ao serviço público na instituição - Avaliar principais direitos e deveres legais relativos aos técnicosadministrativos e atualizar-se com os debates atuais de classe Carga-horário: 4h Vagas: 40 Ementa: lei 8.112; Lei do Plano de Carrreira dos TAE; afastamentos; licenças; aposentadoria; previdência complementar do servidores; tipos de progressões; avaliação de desempenho; estágio probatório; 6 Módulo: INTRODUÇÃO À CARREIRA Componente: PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO DO ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Servidores docentes em estágio probatório ou que ainda não tiveram acesso ao curso de iniciação ao serviço público na instituição - Avaliar principais direitos, deveres relativas à carreira docente e atualizar-se com os debates atuais de classe; Carga-horário: 4h Vagas: 40 Ementa: Lei 8.112; Plano de Carreira do Magistério EBTT; afastamentos; licenças; aposentadoria; previdência complementar do servidores; tipos de progressões; avaliação de desempenho; estágio probatório; 13

15 7 Módulo: INTRODUÇÃO À CARREIRA Componente: DESENVOLVIMENTO DO SERVIDOR NO IFC Servidores docentes em estágio probatório ou que ainda não tiveram acesso ao curso de iniciação ao serviço público na instituição - caracterizar processo contínuo de construção das ações de desenvolvimento dos servidores; - identificar os diferentes tipos de ações de capacitação existentes no IFC; Carga-horário: 4h Vagas: 40 Ementa: política e plano anual de capacitação; processos de trabalho para construção coletiva do plano; incentivos à capacitação; cursos de capacitação; diretrizes para o dimensionamento; política de avaliação de desempenho; 8 Módulo: ATIVIDADES TUTORADAS Componente: AMBIENTAÇÃO ÀS PESSOAS E À ESTRUTURA FÍSICA DAS UNIDADES DO IFC Servidores docentes em estágio probatório ou que ainda não tiveram acesso ao curso de iniciação ao serviço público na instituição - Integrar o servidor ingressante às dependências e aos demais servidores da respectiva unidade IFC; Carga-horário: 8h Vagas: 40 Ementa:visita aos ambientes da unidade de exercício; apresentação aos servidores que já trabalham na unidade; confraternização entre os servidores da unidade; 14

16 9 Módulo: ATIVIDADES TUTORADAS Componente: ATRIBUIÇÕES SETORIAIS E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS RELATIVOS AO SETOR Servidores docentes em estágio probatório ou que ainda não tiveram acesso ao curso de iniciação ao serviço público na instituição - Identificar e avaliar os objetivos estratégicos institucionais como orientador dos planos setoriais de ação; - Avaliar as implicações dos objetivos estratégicos para a atuação do servidor; Carga-horário: 12h Vagas: 40 Ementa: Planejamento estratégico; Plano de Desenvolvimento Institucional; objetivos institucionais relativos ao setor; lei ou diretrizes nacionais para o setor; atribuições do servidor; 10 Módulo: ATIVIDADES TUTORADAS Componente: ORGANIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE DOCUMENTOS: NOÇÕES BÁSICAS Servidores docentes em estágio probatório ou que ainda não tiveram acesso ao curso de iniciação ao serviço público na instituição - Processar, organizar e manter documentos institucionais de maneira a viabilizar a preservação, localização e eficiência dos processos administrativos; Carga-horário: 4h Vagas: 40 Ementa: Sistema de tramitação de documentos; classificação e arquivamento de documentos; Manual de Gestão de Documentos do MEC (Portaria 1.042/2012) 15

17 11 Módulo: ATIVIDADES TUTORADAS Componente: COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL: NOÇÕES BÁSICAS Servidores docentes em estágio probatório ou que ainda não tiveram acesso ao curso de iniciação ao serviço público na instituição - comunicar-se dentro e fora da instituição por meio do uso das tecnologias e documentos adequados, de maneira a respeitar a língua culta e as identidade institucional; Carga-horário: 4h Vagas: 40 Ementa: Identidade visual institucional; redação oficial; usos e modelo de documentos; procedimentos para divulgação; institucional; 12 SEMINÁRIO DE INTEGRAÇÃO DOS SERVIDORES DO IFC Servidores do IFC Desenvolver a percepção acerca da responsabilidade social do IFC, seu histórico e plano de carreira TAEs e magistério EBTT, de maneira a integrar os servidores entre si. Carga-horário: 16h Vagas: 500 Ementa: responsabilidade social do IFC, histórico da rede federal e educação profissional, histórico do IFC, Plano de Carreira dos TAEs e do Magistérios EBTT. 16

18 12. REFERÊNCIAS BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de Outubro de Diário Oficial da União [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 5 de out Disponível em: < Acesso em: 17 de mar. de BRASIL. Decreto nº 1.171, de 22 de junho de Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal. Disponível em: < acesso em 17 de mar. de IFC. Planejamento Estratégico do Instituto Federal Catarinense 2013 a Disponível em: < gico_di> IFC. Plano de Desenvolvimento Institucional 2014 a Disponível em: < BRASIL. Lei n , de 12de janeiro de Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação. Disponível em: < acesso em 17 de mar. de BRASIL. Lei nº , de 29 de dezembro de Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Disponível em: < acesso em 17 de mar. De BRASIL. Lei n , de 28 de dezembro de Plano de Carreira e Cargos de Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico. Disponível em: 17

19 < acesso em 17 de mar. E BRASIL. Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990 Regime Jurídico Único. Disponível em: < acesso em 17 de mar. de BRASIL.Lei n 8.159, de 8 de janeiro de Política nacional de arquivos públicos e privados. Disponível em: < acesso em 17 de mar. de BRASIL.Manual de Redação da Presidência da República. Disponível em: < Acesso em 17 de mar. de

MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO

MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO O Servidor em Cargos Técnico-Administrativos em Educação possui peculiaridades

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 5 CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 7 CAPACITAÇÃO

Leia mais

3. EIXOS DE DESENVOLVIMENTO (*):

3. EIXOS DE DESENVOLVIMENTO (*): PAC UFSCar 2016 1.INTRODUÇÃO A Política de Capacitação da UFSCar estabelece as diretrizes para capacitação de servidores com vistas ao desenvolvimento de um processo de educação continuada e permanente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 Dispõe sobre a regulamentação de Curso de Formação Inicial e Continuada ou Qualificação Profissional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O

Leia mais

Proposta de Curso de Especialização em Gestão e Avaliação da Educação Profissional

Proposta de Curso de Especialização em Gestão e Avaliação da Educação Profissional Proposta de Curso de Especialização em Gestão e Avaliação da Educação Profissional A Educação Profissional analisada sob a ótica de sua gestão e de sua avaliação de modo a instrumentalizar gestores educacionais

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA. Parte 1 (solicitante)

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional

Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP) tem como objetivo

Leia mais

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011.

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

PLANO INSTITUCIONAL DE CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

PLANO INSTITUCIONAL DE CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PLANO INSTITUCIONAL DE CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. O objetivo primordial do Plano Institucional de Capacitação de Recursos Humanos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013 Regulamenta os critérios de concessão, no âmbito da UFBA, da gratificação por encargos de cursos e concursos e dá outras providencias.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 18/2014/CONEPE Aprova criação do Programa de Pós-Graduação em Administração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO.

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO. RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015 A DIRETORIA EXECUTIVA DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA APO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso XIV do Parágrafo Segundo da Cláusula Décima Quinta

Leia mais

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Considerando que o Ensino Médio é para a maioria dos cidadãos a última oportunidade de uma educação formal em Biologia, a

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 16/2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 16/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 16/2015 Ementa: Estabelece procedimentos para autorização de funcionamento de cursos técnicos e de

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DE JOVENS E ADULTOS

PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DE JOVENS E ADULTOS PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DE JOVENS E ADULTOS 1 Justificativa A proposta que ora apresentamos para formação específica de educadores de Jovens e Adultos (EJA)

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

Assunto: Orientações para a Organização de Centros de Atendimento Educacional Especializado

Assunto: Orientações para a Organização de Centros de Atendimento Educacional Especializado Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L 6º andar - Gabinete -CEP: 70047-900 Fone: (61) 2022 7635 FAX: (61) 2022 7667 NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 9/2010 Data:

Leia mais

ESTATUTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE BRASIL CAPITULO I. Da Apresentação

ESTATUTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE BRASIL CAPITULO I. Da Apresentação ESTATUTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE BRASIL CAPITULO I Da Apresentação Art. 1º O presente Estatuto orienta a organização, as competências e o funcionamento do da Biblioteca Virtual em Saúde Brasil (BVS

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DECRETO Nº 4.059, DE 1º DE OUTUBRO DE 2008 CRIA OS NÚCLEOS DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2016 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2016 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2016 (*) Define Diretrizes Operacionais Nacionais para o credenciamento institucional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de INFORMÁTICA II - FERRAMENTAS PARA ESCRITÓRIO. Parte 1 (Solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de INFORMÁTICA II - FERRAMENTAS PARA ESCRITÓRIO. Parte 1 (Solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

Fanor - Faculdade Nordeste

Fanor - Faculdade Nordeste Norma 025: Projeto de Avaliação Institucional Capítulo I Disposições Gerais A avaliação institucional preocupa-se, fundamentalmente, com o julgamento dos aspectos que envolvem a realidade interna e externa

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL I) Apresentação Este documento descreve as diretrizes e parâmetros de avaliação de mestrado profissional em Administração,

Leia mais

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 07/04 Define o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelece diretrizes e normas para seu funcionamento.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA Planejamento Estratégico 2012-2016 Março de 2012 2 Planejamento Estratégico DEPARTAMENTO DE GENÉTICA 1. Missão O Departamento

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em. na modalidade presencial

Projeto Pedagógico do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em. na modalidade presencial Projeto Pedagógico do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Ambiental e Geografia do Semiárido na modalidade presencial Projeto Pedagógico do Curso de Pós- Graduação Lato Sensu em Educação Ambiental

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES 152 AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES Silvana Alves Macedo 1 Reginaldo de Oliveira Nunes 2 RESUMO O processo da Auto-Avaliação Institucional ainda é um

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Outubro de 2008 1 INTRODUÇÃO A Política de Desenvolvimento Social formaliza e orienta o compromisso da PUCRS com o desenvolvimento social. Coerente com os valores e princípios

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE OUTUBRO 2000

PADRÕES DE QUALIDADE OUTUBRO 2000 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE FARMÁCIA PADRÕES

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA. Parte 1 (solicitante)

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG 1 Introdução Texto para discussão Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG Como resultado da coleta de subsídios para aperfeiçoamento da gestão da carreira de Especialista em Políticas

Leia mais

Programa de Gestão Estratégica da chapa 1

Programa de Gestão Estratégica da chapa 1 Programa de Gestão Estratégica da chapa 1 Apresentamos a primeira versão do programa de gestão estratégica da chapa Construindo Juntos um ICT de Excelência. Esse documento é fruto de uma construção coletiva,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos necessários à sistematização do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

EJA PARA OS PRIVADOS DE LIBERDADE Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância. Parte 1

EJA PARA OS PRIVADOS DE LIBERDADE Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância. Parte 1 EJA PARA OS PRIVADOS DE LIBERDADE Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e Adultos Código / Nome do Curso Educação de Jovens e Adultos

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online PSICOPEDAGOGIA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na Modalidade

Leia mais

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 30, DE 26 DE JANEIRO DE 2016

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 30, DE 26 DE JANEIRO DE 2016 Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 30, DE 26 DE JANEIRO DE 2016 Amplia o Programa Idiomas sem Fronteiras. O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o art.

Leia mais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular do

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Curitiba, 13 de março de 2015. Orientação referente aos Programas de Ampliação

Leia mais

INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS

INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS O Incentivo à Qualificação é um benefício, na forma de retribuição financeira, calculado sobre o padrão de vencimento percebido pelo servidor,

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE FÍSICA EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na Modalidade

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

ANPAD; Um representante da comunidade científica indicado pela Diretoria Artigo 5º ANDIFES. - São atribuições do Comitê Gestor: da

ANPAD; Um representante da comunidade científica indicado pela Diretoria Artigo 5º ANDIFES. - São atribuições do Comitê Gestor: da Regulamento do Curso de Mestrado Profissional Nacional em Administração Pública em Rede (PROFIAP) Artigo Capítulo 1º I - Objetivos administrativa produtividade tem O Mestrado avançada como objetivo Profissional

Leia mais

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL CONLHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Homologado em 22/4/2005, publicado no DODF de 25/4/2005, p. 21. Portaria nº 142, de 18/5/2005, publicada no DODF de 19/5/2005, p. 23. Parecer n 74/2005-CEDF Processo

Leia mais

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E OPERACIONALIZAÇÃO Art. 1º - O Plano de Carreira do Pessoal Técnico-Administrativo da Fundeste,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos da LDB 9394, de 20 de dezembro

Leia mais

Reunião Plenária do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCE Região Centro Oeste

Reunião Plenária do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCE Região Centro Oeste Reunião Plenária do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCE Região Centro Oeste Educação à Distância no Território Nacional: desafios e perspectivas Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 78/2006 INSTITUI O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NEAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, E APROVA SEU REGULAMENTO.

RESOLUÇÃO CONSEPE 78/2006 INSTITUI O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NEAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, E APROVA SEU REGULAMENTO. RESOLUÇÃO CONSEPE 78/2006 INSTITUI O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NEAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, E APROVA SEU REGULAMENTO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 5/2014

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 5/2014 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 5/2014 Dispõe sobre a reorganização da Rede Nacional de Certificação Profissional - Rede Certific. OS MINISTROS DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no

Leia mais

MBA EM GESTÃO PÚBLICA

MBA EM GESTÃO PÚBLICA EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO PÚBLICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 051/2015 DE 19 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 051/2015 DE 19 DE JUNHO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 051/2015 DE 19

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015 (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação

Leia mais

REUNIÃO DO FÓRUM NACIONAL DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE - REGIÃO NORDESTE

REUNIÃO DO FÓRUM NACIONAL DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE - REGIÃO NORDESTE REUNIÃO DO FÓRUM NACIONAL DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE - REGIÃO NORDESTE Política Nacional de EAD e a Colaboração inter Sistemas Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br EAD: dispositivos

Leia mais

RESULTADOS ALCANÇADOS

RESULTADOS ALCANÇADOS Política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão 2.1. Coerência das políticas de ensino, pesquisa e extensão com os documentos oficiais. Objetivos Ações Realizadas RESULTADOS ALCANÇADOS

Leia mais

POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE. - Não seja portador de Preconceito -

POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE. - Não seja portador de Preconceito - POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE - Não seja portador de Preconceito - 2014 1 OBJETO As Políticas Institucionais de Acessibilidade Não seja portador de preconceito tem como objetivo promover ações

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E PLANO DE ESTUDOS

PROGRAMAÇÃO E PLANO DE ESTUDOS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL PROGRAMAÇÃO E PLANO DE ESTUDOS CURSO ORÇAMENTO PÚBLICO Brasília 2014 PROGRAMAÇÃO E PLANO DE ESTUDOS: LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I Seção I DISPOSIÇÕES GERAIS Da finalidade Art. 1 - As Atividade Complementares integram a grade curricular dos Cursos de Comunicação Social em conformidade

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA Art 1º - O Conselho de Desenvolvimento do Território CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC é composto por entidades

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSOS. Decanato de Gestão de Pessoas Diretoria de Capacitação, Desenvolvimento e Educação Coordenadoria de Capacitação

CATÁLOGO DE CURSOS. Decanato de Gestão de Pessoas Diretoria de Capacitação, Desenvolvimento e Educação Coordenadoria de Capacitação (Foto: UnB Agência) CATÁLOGO DE CURSOS Aula de Libras (Foto: UnB Agência) Biblioteca Central (Foto: UnB Agência) 2016 A (Procap) vinculada à Diretoria de Capacitação, Desenvolvimento e Educação (Dcade)

Leia mais

MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO

MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA COORDENAÇÃO DE INTERAÇÃO SERVIÇO ESCOLA-EMPRESA MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO COLINAS

Leia mais

Modalidade Semipresencial Edital Simplificado de Abertura nº 02/2016

Modalidade Semipresencial Edital Simplificado de Abertura nº 02/2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ (FIOCRUZ) Inscrição de discentes para o Curso de Especialização em Acompanhamento, Monitoramento e Avaliação na Educação em Saúde

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Autor(a): Alessandra Barbara Santos de Almeida Coautor(es): Alessandra Barbara Santos de Almeida, Gliner Dias Alencar,

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento da Faculdade Católica do Tocantins (Facto), mantida

Leia mais

PROCESSO DE AUTO AVALIAÇÃO FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS - QUADRO RESUMO

PROCESSO DE AUTO AVALIAÇÃO FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS - QUADRO RESUMO AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO INSTITUCIONAL 3.1 Objetivos e Metas Específicos para Avaliação e Acompanhamento do Desempenho Institucional O Programa de Avaliação Institucional resulta de um

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC. Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2

I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC. Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2 I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2 INTRODUÇÃO O Programa Nacional Mulheres Mil - Educação, Cidadania e Desenvolvimento

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA Padrões de Qualidade para Cursos

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

INFORMATIVO CURSO DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA, FINANCEIRA E CONTÁBIL NO SIAFE-RIO (EXOFIC-01 E EXOFIC-02)

INFORMATIVO CURSO DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA, FINANCEIRA E CONTÁBIL NO SIAFE-RIO (EXOFIC-01 E EXOFIC-02) GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA INFORMATIVO CURSO DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA, FINANCEIRA E CONTÁBIL NO SIAFE-RIO (EXOFIC-01 E EXOFIC-02) 1. OBJETIVO Atualizar, aperfeiçoar

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CHAPECÓ

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CHAPECÓ FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CHAPECÓ CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 517 de 12 de junho de 2013, publicada no DOU em 13 de junho de 2013. Diretor da Faculdade: Silvana Marcon Coordenador Núcleo

Leia mais

Centro de Ciências Humanas e Naturais Secretaria de Ensino a Distância Curso de Licenciatura em História Ead

Centro de Ciências Humanas e Naturais Secretaria de Ensino a Distância Curso de Licenciatura em História Ead Centro de Ciências Humanas e Naturais Secretaria de Ensino a Distância Curso de Licenciatura em História Ead REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE HISTÓRIA-EAD

Leia mais

Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação

Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação Projeto Básico (pdf) A Gerência de Sistemas GESIS, da Gerência Geral de Gestão do Conhecimento e Documentação- GGCON, tem como objetivo Implantar

Leia mais

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Informática Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel Belo Horizonte - MG Outubro/2007 Síntese

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Comunicação e relações interpessoais no ensino médio

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Comunicação e relações interpessoais no ensino médio MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES CEPED/RS CAPACITAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011

FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011 FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011 Apucarana, dezembro de 2006 FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17/2004

RESOLUÇÃO Nº 17/2004 RESOLUÇÃO Nº 17/2004 Dispõe sobre Estágios na Faculdade de Ciências Biológicas e de Saúde de União da Vitória, da Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas de União da Vitória e da Faculdade de Ciências

Leia mais

Ensino Médio/Ensino Integral Esforços da Secretaria da Educação de São Paulo Maio/2013 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO 1

Ensino Médio/Ensino Integral Esforços da Secretaria da Educação de São Paulo Maio/2013 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO 1 Ensino Médio/Ensino Integral Esforços da Secretaria da Educação de São Paulo Maio/2013 1 Pilares do Educação: Compromisso de São Paulo ( Decreto nº 57.571, de 2 de dezembro de 2011) Valorizar e investir

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO Considerando o objetivo de formação de docentes em que a atividade prática de prestação de serviços especializados é relevante à sociedade, torna-se necessário

Leia mais

Gestão Estratégica de Negócios

Gestão Estratégica de Negócios INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão Estratégica de Negócios Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Santa Rita do Sapucaí MG Setembro de 2013

Leia mais

Considerando a necessidade de planejar e organizar o trabalho a ser desenvolvido por estes servidores no âmbito da Universidade Federal de Uberlândia;

Considerando a necessidade de planejar e organizar o trabalho a ser desenvolvido por estes servidores no âmbito da Universidade Federal de Uberlândia; DESPACHO DECISÓRIO Nº 001/2014/FACED/UFU Define diretrizes e orientações para organização do trabalho e atuação dos servidores técnico-administrativos no cargo de tradutor e intérprete de Linguagem de

Leia mais

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V.

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V. REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP SEÇÃO I Da Estrutura Organizacional e Funcionamento da Subseção I Da Direção Subseção II Das Gerências Executivas Subseção III Do

Leia mais

O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso

O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso Introdução * Sonia Pires Simoes O projeto pedagógico Institucional representa a linha pedagógica que a Instituição norteia para gerenciamento

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DE MEDIADORES PARA O CURSO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E SAÚDE AMBIENTAL

PROCESSO DE SELEÇÃO DE MEDIADORES PARA O CURSO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E SAÚDE AMBIENTAL EDITAL Nº. 003/2012 PROCESSO DE SELEÇÃO DE MEDIADORES PARA O CURSO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E SAÚDE AMBIENTAL 1. APRESENTAÇÃO A Escola Estadual de Saúde Pública Professor Francisco Peixoto de Magalhães

Leia mais