RELATÓRIO SINTÉTICO DAS ATIVIDADES DE AUDITORIA BIÊNIO: FEVEREIRO/2011 A JANEIRO/2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO SINTÉTICO DAS ATIVIDADES DE AUDITORIA BIÊNIO: FEVEREIRO/2011 A JANEIRO/2013"

Transcrição

1 ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ Auditoria Administrativa de Controle Interno RELATÓRIO SINTÉTICO DAS ATIVIDADES DE AUDITORIA BIÊNIO: FEVEREIRO/2011 A JANEIRO/2013 Equipe Gestora: Maria José de Oliveira Fernandes Auditoria Chefe de Controle Interno José Zelízio de Alencar Libório Auditor de Controle Interno Ticiana Porfírio Pinto Auditora de Controle Interno Fortaleza (CE), janeiro de 2013

2 Relatório Sintético das Atividades de Auditoria Biênio fevereiro/2011 a janeiro/2013 Página 2 ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ Auditoria Administrativa de Controle Interno RELATÓRIO SINTÉTICO DAS ATIVIDADES DE AUDITORIA Biênio: fevereiro/ janeiro/ APRESENTAÇÃO 1. O Controle é um processo estruturado que busca contribuir para que as atividades realizadas ocorram com razoável segurança, em estrita conformidade com as leis, normas e regulamentos, visando, em especial, a mitigar riscos, aperfeiçoar processos e procedimentos e auxiliar na tomada de decisões estratégicas. 2. Ressalte-se que existência de uma estrutura formal de órgão de controle interno não exime os gestores e demais colaboradores de suas responsabilidades por controles eficazes no execício de sua atividades, pois o controle é uma necessidade que se impõe a todas as ações e fluxos operacionais, administrativos e de gestão de uma entidade. 3. Seguindo essas premissas, a Auditoria Administrativa de Controle Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará tem como objetivo precípuo contribuir, de forma efetiva e diferenciada, para a consecução dos objetivos institucionais, para a melhoria dos serviços, para a racionalidade dos gastos públicos e combate ao desperdício, à medida que oferece resposta aos gestores quanto à adequação dos controles. 4. A necessidade da implantação de um Sistema de Controle Interno para o Poder Público está definida nos artigos Nº. 70 e Nº. 74 da Carta Magna de 1988, nos artigos Nº. 67 e Nº. 68 da Constituição do Estado do Ceará e no artigo Nº. 59 da Lei Complementar Nº. 101/2000, denominada de Lei de Responsabilidade Fiscal.

3 Relatório Sintético das Atividades de Auditoria Biênio fevereiro/2011 a janeiro/2013 Página 3 5. Por seu turno, as atribuições e competências da Auditoria Administrativa de Controle Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará estão previstas no artigo 9º da Lei Estadual Nº / alterada pela Lei Estadual Nº / e na Resolução Nº. 86/2009 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). 6. Uma das relevantes funções do Sistema de Controle Interno prevista nesses marcos legais e regulatórios é a Auditoria Interna Governamental, que tem por finalidade: a) avaliar os controles internos administrativos em todas as áreas do universo de sua atuação como órgão de controle interno do Poder Público; b) verificar e avaliar o cumprimento dos princípios constitucionais da Administração Pública; c) avaliar a gestão contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial quanto à economicidade, eficiência, eficácia e efetividade no uso dos recursos públicos; d) avaliar o cumprimento das metas estabelecidas nos planos estratégicos de governo. 7. Para desempenhar com eficácia o papel de fiscalizar, assessorar e orientar, a Auditoria Administrativa de Controle Interno deve sempre contar com recursos humanos qualificados e apropriada estrutura de recursos materiais, com vistas a proporcionar meios para consolidar no Poder Judiciário do Estado do Ceará o Sistema de Controle Interno. 8. As premissas e diretrizes aqui apresentadas se constituem o escopo deste Relatório, no qual se consolidam informações sobre as atividades realizadas pela Auditoria Administrativa de Controle Interno relativamente ao biênio fevereiro/2011 a janeiro/2013, refletindo o empenho da equipe no cumprimento de sua missão institucional e visão de futuro, a seguir: Missão: Contribuir para a garantia da excelência nas atividades administrativas do Poder Judiciário do Estado do Ceará, atuando para o fortalecimento dos controle internos. Visão de Futuro: Ser reconhecida como referência em termos de controle interno no âmbito do Poder Judiciário.

4 Relatório Sintético das Atividades de Auditoria Biênio fevereiro/2011 a janeiro/2013 Página 4 2. ATIVIDADES DE AUDITORIA 9. As atividades de auditoria têm como suporte os Planos Anuais das Atividades de Auditoria, aprovados pelo Excelentíssimo Desembargador Presidente do TJCE, os quais são balizadores das ações de controle ao longo dos períodos considerados, destacando-se que são passíveis de alterações para se adequarem a novos cenários e atenderem a demandas extraordinárias de órgãos internos e externos. 10. As atividades de auditoria realizadas no biênio fevereiro/2011 a janeiro/2013 estão especificadas a seguir, destacadas por tipo e por exercício a que se referem Atividades de Gestão, Acompanhamento e Assessoramento a) elaboração dos Planos Anuais de Auditoria e dos Relatórios Anuais de Atividades de Auditoria; b) análise e certificação das Prestações de Contas do FERMOJU e do TJCE; c) acompanhamento da Execução Orçamentária; d) análise e certificação dos Relatórios Quadrimestrais da Gestão Fiscal; e) monitoramento das recomendações formuladas em relatórios de auditoria; f) análise e pareceres sobre projetos básicos e termos de referência; g) emissão de pareceres sobre atos administrativos; h) participação nas reuniões do Comitê de Gestão e Programação Financeira; i) participação na Comissão Mista de Orçamento e Fiscalização Financeira; j) análise de cálculos pertinentes a verbas trabalhistas indenizatórias; k) emissão de despachos para liberação de valores retidos em contratos de terceirização, conforme Resolução 98 do CNJ; l) monitoramento do Portal da Transparência; m) apoio aos Órgãos de Controle Externo. 11. Destaque-se a adesão dos gestores no sentido de se reportarem às recomendações insertas nos relatórios de auditoria, inferindo-se êxito no propósito de conscientizá-los quanto à necessidade de adoção de controles eficazes em suas áreas de atuação, ocasionando, assim, melhoria dos processos e procedimentos operacionais, administrativos e de gestão, possibilitando, ainda, minimizar riscos na execução das atividades da administração pública.

5 Relatório Sintético das Atividades de Auditoria Biênio fevereiro/2011 a janeiro/2013 Página Atividades de Auditorias Planejadas Auditorias de Processos 12. No biênio em foco foram realizadas 24 auditorias operacionais ou de regularidade, compreendendo objetos e recursos vinculados às Secretarias de Finanças, de Administração, de Gestão de Pessoas e Consultoria Jurídica e ao Fundo Especial de Reaparelhamento e Modernização do Poder Judiciário (FERMOJU) Auditorias de Contratos 13. Realizados trabalhos de auditoria em 36 contratos, 34 aditivos e dez apostilamentos, em serviços de engenharia; locação de mão-de obra e de veículos; serviços de manutenção; aquisição de bens e serviços de informática; fornecimento de energia elétrica, entre outros Auditorias Especiais e Preventivas 14. Foram realizadas 23 atividades especiais de auditoria, envolvendo trabalhos de auditorias extraordinárias; compartilhadas com o CNJ; permanentes e concomitantes no âmbito das Secretarias de Administração, de Gestão de Pessoas, de Tecnologia da Informação, Judiciária e na Consultoria Jurídica. 15. Para atender às determinações das Resoluções 114/2010 do CNJ, que dispõe sobre obras de engenharia, e a 3550/2010, do Tribunal de Contas do Estado do Ceará, sobre Tecnologia da Informação, este Controle Interno recrutou para seu quadro de pessoal dois servidores com adequado conhecimento técnico para desenvolverem trabalhos preventivos nestas áreas, com atividades já iniciadas em caráter experimental. 3. ATIVIDADES COMPLEMENTARESDE CONTROLE 16. Para despertar cada vez mais o interesse e o compromisso dos gestores e servidores do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará para a prática de ações de controle, a Auditoria Administrativa de Controle Interno tem interagido com esses públicos no sentido de promover maior aderência aos controles por meio de palestras e de reuniões de trabalho, possibilitando salutar clima de intercâmbio de ideias.

6 Relatório Sintético das Atividades de Auditoria Biênio fevereiro/2011 a janeiro/2013 Página Palestras sobre Controle na Administração Pública 17. Por iniciativa da Auditoria Administrativa de Controle Interno e apoio de órgãos do TJCE, foi promovido em 2011 o I Ciclo de Palestras sobre Controle na Administração Pública, com cinco eventos versando sobre questões de controle no setor público. Renomados expoentes das áreas de controle da União e do Estado do Ceará foram os expositores que compartilharam com os presentes seus conhecimentos e experiências. 18. As palestras foram exitosas em termos de público e contaram com as presenças de representantes dos Tribunais de Contas do Estado e dos Municípios, da Controladoria e Ouvidoria Geral do Estado, do Tribunal Regional do Trabalho, da Procuradoria Geral de Justiça e da diretoria do Fórum Clóvis Beviláqua. 19. Ressalte-se que, na palestra da Secretária de Controle Interno do CNJ, este Controle Interno foi referenciado como sendo um dos mais atuantes e eficientes dos Tribunais do País", e acrescentou que na atual gestão o Tribunal de Justiça do Estado do Ceará se tornou um dos grandes parceiros do CNJ. 20. É oportuno lembrar que as citações corroboram com a visão de futuro desta Auditoria Administrativa de Controle Interno que é a de ser reconhecida como referência em termos de controle interno no âmbito do Poder Judiciário. 21. Ainda para disseminar a cultura do controle e da transparência, promoveu-se em agosto de 2012, em parceria com a Ouvidoria Geral do Poder Judiciário do Estado do Ceará, palestra abordando o teor da Lei Federal (Lei de Acesso à Informação), de 18 de novembro de 2011, conduzida pelo Controlador e Ouvidor Geral do Estado do Ceará Intercâmbios de Conhecimentos 22. Em face do bom relacionamento que deve existir entre os órgãos de controle na disseminação de conhecimentos, no biênio em referência seis servidores deste Controle Interno foram treinados pelo CNJ, em Brasília, em atividades de auditorias compartilhadas e simultâneas em Folha de Pagamento e em contratos das áreas de Tecnologia da Informação (TI) e em Obras Públicas. 23. Por decorrência, este Controle Interno promoveu, em setembro de 2012, seminário para capacitar servidores da Secretaria de Tecnologia da Informação do TJCE, ocasião em

7 Relatório Sintético das Atividades de Auditoria Biênio fevereiro/2011 a janeiro/2013 Página 7 que foram repassados os conhecimentos recebidos do CNJ, constituindo-se reconhecimento de boas práticas na gestão pública. 24. Por demanda deste Controle Interno e interveniência da Controladoria e Ouvidoria Geral do Estado do Ceará, em 2011 o TJCE celebrou com o Governo do Estado do Ceará um Acordo de Cooperação Técnica para a promoção e integração institucional por meio do intercâmbio de informações, desenvolvimento de tecnologias de controle e de competências profissionais Apoio ao Controle Externo 25. A convite da Secretaria de Controle Interno do CNJ, a Auditora Chefe de Controle Interno do TJCE proferiu, em setembro de 2011, palestra sobre o tema O Controle Interno na Justiça Estadual, como parte dos painéis do I Encontro das Unidades de Controle Interno do Poder Judiciário Estadual, sedimentando a troca de conhecimentos e colaboração com o controle interno daquele Conselho e dos demais Tribunais de Justiça presentes. 26. Destaque-se que duas servidoras deste Controle Interno foram requisitadas pelo CNJ para compor equipe de auditoria em inspeção no judiciário do 1º e 2º graus do Estado de São Paulo, cuja contribuição foi reconhecida pela Corregedora Nacional de Justiça por meio da Portaria Nº 118, de 05/09/2012, do CNJ, o que foi ratificado em forma de elogio público às servidoras pelo Pleno do TJCE, conforme Portaria Nº 1.749, de 01/11/ Ressalte-se que, como atribuição normativa, esta unidade de Controle Interno presta apoio e assessoramento aos órgãos de controle externo em suas visitas de inspeção aos órgãos do judiciário cearense, bem como monitora o atendimento de suas demandas junto às unidades administrativas do TJCE Seminários Internos de Auditoria 28. Para nivelar a equipe sobre os procedimentos de auditoria, integração, postura de abordagem e melhoria na comunicação escrita, foi realizado em dezembro de 2011 o I Seminário Interno de Auditoria, quando foram discutidas ações e procedimentos para aprimorar as atividades de auditoria, entre os quais: a) pesquisa Percepção dos Auditados sobre os trabalhos da Auditoria Interna; b) apresentação de fatores que contribuem para uma redação eficiente; c) repasse de conhecimentos adquiridos em treinamento realizado pelo CNJ;

8 Relatório Sintético das Atividades de Auditoria Biênio fevereiro/2011 a janeiro/2013 Página 8 d) redefinição e padronização dos papéis de trabalho; e) nova sistemática de acompanhamento das recomendações de auditoria. 29. Quanto à pesquisa de Percepção dos Auditados, entende-se como recompensados os esforços deste Controle Interno na busca da melhoria da qualidade dos trabalhos, pois 86% do universo pesquisado reconheceram como efetivas as atividades de auditoria, com evidência para a proficiência técnica e a confiança, ambas com aprovação de 96%. 30. Esses resultados denotam que disseminar entre os gestores e servidores a necessidade de controles eficazes é um imperativo a perseguir, e revela que os trabalhos de auditoria têm gerado frutos que sedimentarão no TJCE, em bases sólidas, a cultura do controle. 31. Prosseguindo com a integração da equipe e o repasse de conhecimentos, em dezembro de 2012 foi realizado o II Seminário Interno de Auditoria, oportunidade em que foram abordados os seguintes principais temas: a) avaliação das atividades já realizadas e planejamento para 2013; b) repasse de conhecimentos adquiridos em cursos externos; c) tendências da auditoria pública no cenário nacional; d) indicadores de desempenho e novas técnicas de auditoria; e) auditorias experimentais em Tecnologia da Informação e em Obras Públicas; f) vulnerabilidades e potencialidades da equipe de auditoria; g) discussão sobre versão preliminar do Manual de Procedimentos de Auditoria Atividades Estruturantes 32. Ensejando estruturar adequadamente a Auditoria Administrativa de Controle Interno, de sorte a dotá-la das condições necessárias ao regular desempenho de suas atribuições e competências, algumas ações de cunho estruturante foram realizadas no biênio a que se refere este relatório, como as exemplificadas a seguir: a) Acordo de Cooperação Técnica entre o TJCE e o Estado do Ceará, visando ao intercâmbio de informações por meio de sistema de controle de auditoria; b) Portal da Auditoria na Intranet, para acesso de informações sobre controles internos; c) Regulamento Geral de Controle Interno, enviado à Secretaria Especial de Gestão e Planejamento do TJCE para adequação, validação e divulgação;

9 Relatório Sintético das Atividades de Auditoria Biênio fevereiro/2011 a janeiro/2013 Página 9 d) Projeto de Reestruturação do Controle Interno, encaminhado à Secretaria Especial de Gestão e Planejamento do TJCE para os fins devidos; e) Manual de Procedimentos de Auditoria, definindo procedimentos e padrões de auditoria, uniformizando papéis de trabalho e fornecendo orientações e diretrizes para as atividades de auditoria. 4. CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS 33. Para o exercício eficaz de suas atividades, o cumprimento de sua missão institucional e o apoio aos órgãos de controles internos e externos, capacitar é uma imperiosa necessidade. 34. Assim, afora os eventos já referidos, que se constituem por si oportunidades de capacitação, buscou-se propiciar novas oportunidades de treinamento, envolvendo conhecimentos nas áreas de auditoria, controles, gestão de contratos e projetos, planejamento, contabilidade pública, entre outras, totalizando no biênio considerado aproximadamente 600 horas/aula em cursos internos e externos. 35. Destaque-se o esforço de autodesenvolvimento da equipe deste Controle Interno, tendo em vista os cursos de especialização em Auditoria e em Controladoria cursados por nove servidores, a conclusão por um servidor de mestrado em Engenharia de Transportes e a aprovação de servidora no mestrado em Economia para o Setor Público, em realização pela Universidade Federal do Ceará/CAEN. 5. CONSIDERAÇÕES GERAIS Controles Internos 36. As ações desenvolvidas refletem a evolução do processo de consolidação do sistema de controles internos administrativos do Poder Judiciário e o fortalecimento das relações institucionais com outros órgãos da Administração Pública. 37. Enfatize-se a importância das ações realizadas para fortalecer as relações institucionais com órgãos de controle interno de Tribunais de Justiça, da Controladoria e Ouvidoria Geral do Estado do Ceará, bem como com o Tribunal de Constas do Estado do Ceará e Secretária de Controle Interno do CNJ.

10 Relatório Sintético das Atividades de Auditoria Biênio fevereiro/2011 a janeiro/2013 Página 10 Monitoramento 38. É relevante argumentar sobre a importância de que se reveste o acompanhamento pelos gestores das recomendações deste Controle Interno visando efetividade nas suas implementações, porquanto os resultados das ações certamente refletem melhorias nos processos operacionais, administrativos e de gestão. Gerenciamento de Riscos 39. Um Sistema de Controle é composto de cinco elementos relacionados entre si e presentes em: a) apresentação de fatores que contribuem para ambiente de controle; b) ambiente de controle; c) atividades de controle; d) avaliação e gerenciamento de riscos; e) informação e comunicação; f) monitoramento. 40. Entre estes, são de essenciais importâncias a disseminação da cultura do controle e do gerenciamento sistemático de riscos, como prevenção de ocorrências de perdas resultantes de falhas, deficiências ou inadequações de processos internos, pessoas e sistemas. 41. Por fim, restam agradecimentos especiais à equipe de auditoria, pelo denodo na busca da qualidade dos serviços, ao Presidente do TJCE, pelo apoio decisivo às nossas ações, e a todos que contribuíram para a consecução dos objetivos deste Controle Interno no referido biênio. Fortaleza (CE), 15 de janeiro de Maria José de Oliveira Fernandes Auditora - Chefe de Controle Interno José Zelízio de Alencar Libório Auditor de Controle Interno Ticiana Porfírio Pinto Auditora de Controle Interno

PLANO ANUAL DE AUDITORIA

PLANO ANUAL DE AUDITORIA PLANO ANUAL DE AUDITORIA PAA 2015 Novembro/2014 O controle interno não fiscaliza o gestor, mas fiscaliza para o gestor, evitando que possíveis erros sejam detectados a tempo. Severiano Costa Andrade -

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO PARA O PERÍODO DE 2014 A 2017 NOVEMBRO - 2013 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO Unidade Auditada: UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Município - UF: Recife - PE Relatório nº: 201315715

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E S 31 MATRIZ DE INDICADORES e S Indicador 1 - Visão Visão: Ser reconhecido como um dos 10 Regionais mais céleres e eficientes na prestação jurisdicional, sendo considerado

Leia mais

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA - MI NORMA DE AUDITORIA (NOR-902)

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA - MI NORMA DE AUDITORIA (NOR-902) COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - MI NORMA DE AUDITORIA (NOR-902) FOR-101/01 NORMAS ESPECIAIS CÓDIGO: 900 FOLHA Nº:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campinas

Prefeitura Municipal de Campinas Prefeitura Municipal de Campinas Criada pelo Decreto Municipal nº 17.301 de 29 de março de 2011 Estrutura: Coordenadoria Setorial Administrativo e de Expediente Departamento de Controle Preventivo Coordenadoria

Leia mais

CONTROLE INTERNO Apresentação: Joilson Alves Pinheiro

CONTROLE INTERNO Apresentação: Joilson Alves Pinheiro Fale Conosco E-mail: controleinterno@unemat.br Telefone: 65-3221-0064 / 0033 I CICLO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CONTROLE INTERNO Apresentação: Joilson Alves

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

- PLANO ANUAL DE AUDITORIA -

- PLANO ANUAL DE AUDITORIA - TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA NÚCLEO DE CONTROLE INTERNO - PLANO ANUAL DE AUDITORIA - NÚCLEO DE CONTROLE INTERNO EXERCÍCIO 2014 NOVEMBRO 2013 INTRODUÇÃO O Plano Anual de Auditoria do Núcleo

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT 2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT 2016 2016 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Interna PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT 2016 BRASÍLIA 2015 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE AUDITORIA PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios RESOLUÇÃO N.º 004/2010 Dispõe sobre a produção de normas e procedimentos para realização de auditorias internas e inspeções na Associação Matogrossense dos Municípios - AMM. A Presidência da Associação

Leia mais

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 08/2014

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 08/2014 RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 08/2014 Altera o indicador de desempenho organizacional constante no Anexo I da Resolução Administrativa nº 06/2010 e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD

RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD Estabelece o Regimento e o Organograma da Unidade de Auditoria Interna da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO, da Universidade Federal do

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 076 de 13 de setembro de 2012

RESOLUÇÃO nº 076 de 13 de setembro de 2012 RESOLUÇÃO nº 076 de 13 de setembro de 2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade da criação do controle interno nos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, bem como no Ministério Público e Tribunal de Contas,

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO. Darcy Siqueira Albuquerque Júnior Auditor Governamental da CGE/PI Março / 2011

O CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO. Darcy Siqueira Albuquerque Júnior Auditor Governamental da CGE/PI Março / 2011 O CONTROLE INTERNO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO Darcy Siqueira Albuquerque Júnior Auditor Governamental da CGE/PI Março / 2011 1 CONTROLE INTERNO É TEMA NOVO??? Desde Quando??? 2 Fundamento do controle interno

Leia mais

D E S P A C H O. Alinhamento Estratégico:

D E S P A C H O. Alinhamento Estratégico: D E S P A C H O Em atendimento ao solicitado às fls. 30 do referido processo, encaminhamos abaixo, as razões comprobatórias de vantajosidade da contratação pretendida. Alinhamento Estratégico: O elevado

Leia mais

Contas Anuais como procedimento de controle: tendências e perspectivas no âmbito do TCEMG

Contas Anuais como procedimento de controle: tendências e perspectivas no âmbito do TCEMG Contas Anuais como procedimento de controle: tendências e perspectivas no âmbito do TCEMG Heloisa Helena Nascimento Rocha (TCEMG) Pampulha (BH) Oscar Niemeyer PLANO ESTRATÉGICO 2004-2008 1 Reformular rito

Leia mais

RESOLUÇÃO N 08/2013 TCE, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO N 08/2013 TCE, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO N 08/2013 TCE, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados em auditoria operacional no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte. O TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

A importância do Controle Interno no Poder Judiciário. Tribunal de Justiça do Ceará. Glaucia Elaine de Paula

A importância do Controle Interno no Poder Judiciário. Tribunal de Justiça do Ceará. Glaucia Elaine de Paula A importância do Controle Interno no Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Ceará Glaucia Elaine de Paula 21/10/2011 A importância do Controle Interno no Poder Judiciário Constituição Federal Artigo 37

Leia mais

INFORMATIVO GERAL CURSO ELABORAÇÃO DE PROJETOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS. 1. Apresentação

INFORMATIVO GERAL CURSO ELABORAÇÃO DE PROJETOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS. 1. Apresentação INFORMATIVO GERAL CURSO ELABORAÇÃO DE PROJETOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS 1. Apresentação Com as relações comerciais globalizadas é imperativo que as organizações tenham foco onde pretendem chegar. Para tanto,

Leia mais

4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL

4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL 4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL 4.1. Planejamento Estratégico No trimestre em curso, houve a implementação do módulo de Planejamento Estratégico no SIAP (Sistema Interno de Administração

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

A ESTRATÉGIA DO TRT-3ª REGIÃO

A ESTRATÉGIA DO TRT-3ª REGIÃO A ESTRATÉGIA DO TRT-3ª REGIÃO Plano Plurianual 2010-2014 Considerando o caráter dinâmico do processo de planejamento estratégico, o monitoramento e as revisões periódicas vêm auxiliar a Administração,

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Auditor No que diz respeito às Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público, a Demonstração Contábil cuja apresentação é obrigatória apenas pelas empresas estatais

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES PRINCÍPIOS E DIRETRIZES JUNHO, 2013. Sumário 1. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA

Leia mais

Projeto Normas de Auditoria Governamental Aplicáveis ao Controle Externo Brasileiro: elaboração, aprovação, edição e disseminação.

Projeto Normas de Auditoria Governamental Aplicáveis ao Controle Externo Brasileiro: elaboração, aprovação, edição e disseminação. Projeto Normas de Auditoria Governamental Aplicáveis ao Controle Externo Brasileiro: elaboração, aprovação, edição e disseminação. SUMÁRIO EXECUTIVO 1 Área do Projeto Auditoria Governamental. 2 Objetivos

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União LOGO Sumário da Apresentação Origens... Um pouco sobre Governança O papel da Unidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais LEI COMPLEMENTAR Nº.132, DE 02 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre a criação e extinção de cargos em comissão de livre provimento e exoneração sem aumento da despesa e dá outras providências. O povo do Município

Leia mais

Anexo I.a Instrução Normativa nº 19/2008 NOME DA ENTIDADE: CÂMARA MUNICIPAL DE SERTANEJA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO.

Anexo I.a Instrução Normativa nº 19/2008 NOME DA ENTIDADE: CÂMARA MUNICIPAL DE SERTANEJA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO. Anexo I.a Instrução Normativa nº 19/2008 NOME DA ENTIDADE: CÂMARA MUNICIPAL DE SERTANEJA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO Exercício de 2007 1. Implantação do Sistema e Histórico Legal Na qualidade de responsáveis

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 022/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 022/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 022/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CGU-REGIONAL/MT

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CGU-REGIONAL/MT PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CGU-REGIONAL/MT METODOLOGIA DE TRABALHO E USO DE FERRAMENTAS DE TI APLICADAS À AUDITORIA Outubro/2013 1. ESTRUTURA

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 100, DE VINTE E SEIS DE ABRIL DE 2006.

RESOLUÇÃO N. 100, DE VINTE E SEIS DE ABRIL DE 2006. RESOLUÇÃO N. 100, DE VINTE E SEIS DE ABRIL DE 2006. Dispõe sobre a estrutura do roteiro básico destinado à elaboração de Relatórios de Informação Técnica das prestações de contas anuais das entidades e

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013.

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Auditoria Interna do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A AUDITORIA DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PRODAF

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A AUDITORIA DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PRODAF TERMO DE REFERÊNCIA PARA A AUDITORIA DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PRODAF Introdução 1. O Estado do Piauí celebrou com o Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID, em 22 de outubro de 2010, o Contrato

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14 ANEXO I PSI Índice 1. FINALIDADE... 4 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. FREQUÊNCIA DE REVISÃO... 4 4. PORTAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 4 5. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 5.1. Segurança da Informação... 4 5.2. Confidencialidade...

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre orientações às unidades envolvidas na elaboração do Relatório de Gestão da ANAC referente ao exercício de 2014. O DIRETOR-PRESIDENTE DA AGÊNCIA

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO CSJT.TST.GP Nº 24, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO CSJT.TST.GP Nº 24, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO CSJT.TST.GP Nº 24, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014. Institui a Política Nacional de Responsabilidade Socioambiental da Justiça

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 009/2009 Página 1 de 8 SUMÁRIO EXECUTIVO

SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 009/2009 Página 1 de 8 SUMÁRIO EXECUTIVO SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 009/2009 Página 1 de 8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO AUDITORIA INTERNA SUMÁRIO EXECUTIVO Tema: DESPESAS COM SUPRIMENTO DE FUNDOS NA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

S Í N T E S E R A I N T - 2 0 1 4

S Í N T E S E R A I N T - 2 0 1 4 Universidade Federal de São Carlos AudIn - Auditoria Interna Rodovia Washington Luis, Km 235 Caixa Postal 676 - CEP: 13.565-905 São Carlos-SP Brasil Fone: (016)3351-9782 - Fax (016)3361-2081 E-mail: auditoria@ufscar.br

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO-RESERVA EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO-RESERVA EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO-RESERVA EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO EDITAL Nº 1 DO CONCURSO PÚBLICO 1/2013 CAU/BR - NORMATIVO ANEXO II RELAÇÃO DE EMPREGOS,

Leia mais

Experiência: Modelo de Gestão de Capacitação da Presidência da República - Pool de Capacitação

Experiência: Modelo de Gestão de Capacitação da Presidência da República - Pool de Capacitação Experiência: Modelo de Gestão de Capacitação da Presidência da República - Pool de Capacitação Casa Civil Diretoria de Recursos Humanos Responsável: Selma Teresa de Castro Roller Quintella, Diretora de

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO SISTEMA CECRED

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO SISTEMA CECRED POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO SISTEMA CECRED VERSÃO 01 MAIO DE 2015 SUMÁRIO Capítulo 1 Objetivo do documento... 3 Capítulo 2 Público - Alvo / Aplicabilidade... 5 Capitulo 3 Responsabilidades...

Leia mais

SEMINÁRIO REGIONAL DE DISSEMINAÇÃO DO URBEM-CNM

SEMINÁRIO REGIONAL DE DISSEMINAÇÃO DO URBEM-CNM SEMINÁRIO REGIONAL DE DISSEMINAÇÃO DO URBEM-CNM PROJETO O Projeto de Integração e Institucionalização da Lei Geral na gestão Municipal é uma parceria firmada entre o SEBRAE e a CNM: Objetivo de institucionalizar,

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09 LEI N.º 741/2009 EMENTA: Dispõe sobre a instituição do Sistema de Controle Interno SCI do Poder Legislativo Municipal, cria o Órgão Central do SCI e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

NOÇÕES DE GESTÃO PÚBLICA

NOÇÕES DE GESTÃO PÚBLICA WELTOM A. DE CARVALHO NOÇÕES DE GESTÃO PÚBLICA TEORIA 140 Questões Gabaritadas da FCC por Tópicos (2013 2004) A apostila abrange o conteúdo programático cobrado em alguns concursos púbicos, organizados

Leia mais

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE O foco da Cartilha Função de Compliance é integrar as atividades de compliance com as boas práticas de governança corporativa e de Gestão de Riscos, os quais os bancos têm buscado

Leia mais

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS 1624/2014 Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região 2 A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o que consta no PA nº 0008096-80.2014.5.04.0000,

Leia mais

Melhorando a governança: Umaexperiênciapráticade evoluçãoinstitucional. Novembro de 2015

Melhorando a governança: Umaexperiênciapráticade evoluçãoinstitucional. Novembro de 2015 Melhorando a governança: Umaexperiênciapráticade evoluçãoinstitucional Novembro de 2015 CONCEITO DE GOVERNANÇA A governança pública é a capacidade que os governos têm de avaliar, direcionar e monitorar

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO Av. Agamenon Magalhães, 1.160 - Graças - 52010-904 Recife - PE Telefone: (81) 3194.9296 Fax (81) 3194.9301

Leia mais

Programa 1081 Gestão e Manutenção do Tribunal de Contas

Programa 1081 Gestão e Manutenção do Tribunal de Contas Ação 1196 Implementação do Programa de gestão de pessoas por competência Função 1 - Legislativa Subfunção 12 - Administração Geral Desenvolvimento de atividades em gestão de pessoas por competências tendo

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO

PLANO ANUAL DE TRABALHO PLANO ANUAL DE TRABALHO EXERCÍCIO DE 2013 PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA Av. Visconde de Taunay, 950 - Tel: (42)3220-1340 - Ponta Grossa - Paraná Apresentação A A instituição Com a edição da Lei

Leia mais

ITAUTEC S.A. GRUPO ITAUTEC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E DE GESTÃO D RISCOS

ITAUTEC S.A. GRUPO ITAUTEC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E DE GESTÃO D RISCOS ITAUTEC S.A. GRUPO ITAUTEC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E DE GESTÃO D RISCOS (Aprovado em RCA de 03.11.2010) Página 1 de 5 ÍNDICE 1. REGIMENTO 2. OBJETIVOS 3. COMPOSIÇÃO 4. FUNCIONAMENTO 5.

Leia mais

Governança Corporativa Gestão de Riscos

Governança Corporativa Gestão de Riscos Governança Corporativa Gestão de Riscos Introdução As constantes mudanças no âmbito global têm fomentado a necessidade do aprimoramento dos controles executados pelas organizações e do ambiente de riscos,

Leia mais

Regimento de estágio não obrigatório

Regimento de estágio não obrigatório PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO - CEA Regimento de estágio não obrigatório Faculdade de Ciências Contábeis Maio 2009 1 CONTEÚDO Apresentação 3 Definição

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL Valinhos 2013 Introdução: A finalidade deste manual é aprimorar a relação entre a Santa Casa de

Leia mais

Comitês do Banco BMG. Comitês Existentes

Comitês do Banco BMG. Comitês Existentes Comitês do Banco BMG Introdução Os Comitês representam coletivamente os interesses do Banco BMG, nos diversos segmentos de sua organização. É política do Banco BMG, manter o controle permanente de seus

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

Dispõe sobre a Gestão de Riscos e o Sistema de Controles Internos do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região.

Dispõe sobre a Gestão de Riscos e o Sistema de Controles Internos do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região. RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 087/2015 Dispõe sobre a Gestão de Riscos e o Sistema de Controles Internos do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região. CERTIFICO que o Tribunal Regional do Trabalho da 18ª

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

O Advogado-Geral Adjunto do Estado, Dr. Roney Luiz Torres Alves da Silva, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: Aprovo.

O Advogado-Geral Adjunto do Estado, Dr. Roney Luiz Torres Alves da Silva, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: Aprovo. O Advogado-Geral Adjunto do Estado, Dr. Roney Luiz Torres Alves da Silva, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: Aprovo. Em 25/08/2010 Procedência: Imprensa Oficial do Estado de Minas Gerais (IO-MG)

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO SEMESTRAL DE ATIVIDADES RELATÓRIO SEMESTRAL DE ATIVIDADES Goiânia julho/2015 1 SUMÁRIO 1) Apresentação. 2) Atividades Administrativas. 3) Atividades Pedagógicas. 4) Atividades em Projetos Especiais. 5) Conclusão. 1) Apresentação

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

1. Regular com ressalvas a gestão do(s) seguinte(s) responsável(is)

1. Regular com ressalvas a gestão do(s) seguinte(s) responsável(is) Presidência da República - Controladoria-Geral da União - Secretaria Federal de Controle Interno Certificado: 201203442 Unidade Auditada: UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Exercício: 2011 Processo: 00205.000276/2012-33

Leia mais

PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2014

PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2014 I INTRODUÇÃO: PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2014 O presente PAAI Plano de Auditoria Interna para o exercício de 2014 da SGCI Secretaria Geral de Controle Interno da Câmara Municipal de Domingos

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 20/11/28 Página 1 de 14 - MONITORAMENTO, MEDIÇÃO E MENSURAÇÃO DE DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 20/11/28 Emissão Inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R

Leia mais

Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012

Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012 Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012 Institui a Política de Segurança da Informação da Câmara dos Deputados e dá outras providências. A MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências.

LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências. LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER que

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 18/05/2016 16:38:00 Endereço IP: 200.198.193.162

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 24/05/2016 12:51:35 Endereço IP: 187.4.152.90 Designação

Leia mais

Página 1 de 5 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 02/2002 Aprova o Regimento Interno da Coordenação de Controle Interno da UFPB. Legislação correlata:

Leia mais

Curso: Photoshop. Público-alvo: Servidores públicos municipais que trabalham com editoração de imagens e Curso de Informática Básica.

Curso: Photoshop. Público-alvo: Servidores públicos municipais que trabalham com editoração de imagens e Curso de Informática Básica. Curso: Photoshop Compreender os recursos e a funcionalidade do programa Photoshop, edição, geração e tipos de imagem, camadas, efeitos e filtros, como ferramentas de apoio no desenvolvimento das atividades

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING O Código de Conduta Ética é um instrumento destinado a aperfeiçoar os relacionamentos da organização e elevar o clima de confiança nela existente. Este Código tem

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA EXERCÍCIO DE 2014 -PAINT/2014

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA EXERCÍCIO DE 2014 -PAINT/2014 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA EXERCÍCIO DE 2014 -PAINT/2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE BRASÍLIA - IFB NÚCLEO DE AUDITORIA INTERNA PLANO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

Revisado em Agosto de 2015

Revisado em Agosto de 2015 Confidencial Este documento é propriedade intelectual da TWG/Virgínia, contém informações confidenciais e não deve ser lido por pessoas não autorizadas. Se você não está autorizado a lê-lo, devolva-o ao

Leia mais

Reestruturação da CPE

Reestruturação da CPE SEAP Secretaria de Estado da Administração e Previdência DRH Departamento de Recursos Humanos Reestruturação da CPE Fevereiro de 2010 Secretaria de Estado da Administração e Previdência pág: 1 Contextualização:

Leia mais

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DE CURSO INTRA-UNIDADE

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DE CURSO INTRA-UNIDADE PROJETO PEDAGÓGICO I. PERFIL DO GRADUANDO O egresso do Bacharelado em Economia Empresarial e Controladoria deve ter sólida formação econômica e em controladoria, além do domínio do ferramental quantitativo

Leia mais

ANEXO ÚNICO O PROGRAMA. Programa de Modernização Fiscal do Estado da Paraíba PROFISCO-PB

ANEXO ÚNICO O PROGRAMA. Programa de Modernização Fiscal do Estado da Paraíba PROFISCO-PB LEG/SGO/CSC/IDBDOCS: 1954645 ANEXO ÚNICO O PROGRAMA Programa de Modernização Fiscal do Estado da Paraíba PROFISCO-PB I. Objetivo 1.01 O objetivo do Programa é apoiar a modernização da gestão fiscal do

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CONTRATAÇÃO DE AUDITORIA TÉCNICA CONTÁBIL DE PEE & P&D (PROJETOS ANTIGOS) TIPO TÉCNICA E PREÇO

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CONTRATAÇÃO DE AUDITORIA TÉCNICA CONTÁBIL DE PEE & P&D (PROJETOS ANTIGOS) TIPO TÉCNICA E PREÇO ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CONTRATAÇÃO DE AUDITORIA TÉCNICA CONTÁBIL DE PEE & P&D (PROJETOS ANTIGOS) 1 OBJETO: TIPO TÉCNICA E PREÇO Prestação de serviços regulares e especiais de auditoria independente,

Leia mais

Lei 141/2012 - Comentários

Lei 141/2012 - Comentários Lei 141/2012 - Comentários Áquilas Mendes Prof. Dr. Livre-Docente de Economia da Saúde da FSP/USP e do Departamento de Economia da PUC-SP agosto/2012 BREVE CONTEXTO DA LEI 141/2012 CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 00217.000181/2008-02 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 3.477 DATA: 14 de agosto de 2008. SÚMULA: Altera e acresce dispositivos da Lei nº 3.025, de 18 de janeiro de 2005, alterada pela Lei nº 3.264, de 19 de setembro de 2006, que Dispõe sobre a reestruturação

Leia mais

RESOLUÇÃO-TCU Nº 217, DE 15 DE OUTUBRO DE 2008.

RESOLUÇÃO-TCU Nº 217, DE 15 DE OUTUBRO DE 2008. RESOLUÇÃO-TCU Nº 217, DE 15 DE OUTUBRO DE 2008. Dispõe sobre a Política Corporativa de Segurança da Informação do Tribunal de Contas da União (PCSI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

A ATUAÇÃO DA AUDITORIA INTERNA E DA CGU E O PROCESSO ANUAL DE CONTAS. Novembro - 2011

A ATUAÇÃO DA AUDITORIA INTERNA E DA CGU E O PROCESSO ANUAL DE CONTAS. Novembro - 2011 A ATUAÇÃO DA AUDITORIA INTERNA E DA CGU E O PROCESSO ANUAL DE CONTAS Novembro - 2011 1. A Auditoria Interna 1.1 Como é a distinção entre Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal e o Controle

Leia mais

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA/97/032 Coordenação do Programa de Modernização Fiscal dos Estados Brasileiros - PNAFE Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR entre a República Federativa do Brasil e o Banco

Leia mais

PLANO PLURIANUAL 2016-2018

PLANO PLURIANUAL 2016-2018 FUNÇÃO - Ser órgão de excelência, com reconhecimento social, que valoriza as profissões de enfermagem. Programa 01 - Implementar o Projeto Estratégico Setorial do Departamento de Fiscalização DEFIS. Área

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA INDIVIDUAL

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA INDIVIDUAL GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA INDIVIDUAL ESPECIALISTA EM GESTÃO AMBIENTAL PARA APOIAR A UEP NA GESTÃO TÉCNICA DOS COMPONENTES 1 E 2. UNIDADE

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO. PROJETO DE LEI N o 7.927, DE 2014 (do Tribunal Superior do Trabalho)

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO. PROJETO DE LEI N o 7.927, DE 2014 (do Tribunal Superior do Trabalho) CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADO POLICARPO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 7.927, DE 2014 (do Tribunal Superior do Trabalho) Dispõe sobre a criação de cargos de

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESSENCIAIS DA FUNÇÃO

ATRIBUIÇÕES ESSENCIAIS DA FUNÇÃO PERFIL DE CARGO S 1- DADOS DA VAGA Cargo: Analista Função: Analista de Cooperativismo e Monitoramento Unidade Estadual: Sescoop- Maranhão Carga Horária: 40h/ semanais Salário: R$ 1.663,00 (hum mil seiscentos

Leia mais