PLANO DO CURSO - RONDA ESCOLAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DO CURSO - RONDA ESCOLAR"

Transcrição

1 ANEXO III PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE PLANO DO CURSO - RONDA ESCOLAR CAMPO GRANDE- MS 2015

2 PLANO DE CURSO 1. DA IDENTIFICAÇÃO Curso: RONDA ESCOLAR - PROJETO ESCOLA SEGURA (PROESEG) Modalidade: Presencial Duração do curso: Semanal Período do curso: 27/07 a 07/ Carga horária: 40 h/a Período Letivo: 02 Semanas, sendo uma semana para cada turma Número de alunos: 434 Guardas Civis Municipais (Efetivo Operacional e Escolar) Número de alunos por turma: 217 Guardas Civis Municipais Frequência das aulas: de segunda a sexta-feira Local de funcionamento: Auditório I - FACOM/UFMS 2. DO OBJETIVO O curso proposto tem por objetivo contribuir de forma teórica e prática na formação dos Guardas Civis Municipais, capacitando-os para atuarem no patrulhamento comunitário escolar junto à comunidade como um todo. Propõe ampliar o modelo de atuação da Guarda Municipal de Campo Grande-MS no que diz respeito a sua atuação nas Escolas da Rede Municipal de Ensino, compreendendo a complexidade deste ambiente, criando um grupamento destinado a desenvolver ações de prevenção à violência, drogas, e criminalidade. 2

3 Pretende-se, para atuarem na promoção de uma cultura de segurança, bem estar e paz, constituindouma estratégia prioritária e diferenciada nas escolas, por meio de ações inerentes ao policiamento comunitário escolar. Diante disto, o Curso de Ronda escolar tem por objetivo: Desenvolver uma visão ampla de proteção integral das instituições de segurança pública em relação aos órgãos de educação. Em consonância com o procedimento administrativo nº 165/2015, levados a 27ª Promotoria de Justiça, por intermédio do ofício nº 238/GAB/SEMSP, de 30/06/2015, subscrito pelo Sr. Valério Azambuja, Secretário Municipal de Segurança Pública, que regulamenta a situação da segurança em torno das escolas municipais, praças, terminais de ônibus e demais áreas de uso comum, apresentando um plano de ação de ronda ostensiva e a efetiva execução, preferencialmente nos horários de entrada e saída de alunos. A Secretaria Municipal de Segurança pública promoverá curso de capacitação para agentes de abordagem nos terminais e locais de circulação pública, em parceria com a Polícia Militar Comunitária, Conselho Tutelar e de Direitos, Ministério Público, Polícia Civil e Sociedade civil organizada. 3. DA REALIZAÇÃO DO CURSO Atribuição da Gerência De Capacitação Profissional a) Planejar e executar o curso proposto; b) Responsabilizar-se pelo controle das planilhas de hora aulas do curso; c) Disponibilizar ao final o certificado de conclusão de curso e o histórico escolar aos alunos aprovados; d) Disponibilizar auditório para aula inaugural e para a solenidade de conclusão de curso; e) Realizar a coordenação pedagógica; 3

4 f) Oferecer instalações com toda infraestrutura para a realização do curso com salas de aula climatizadas; g) Disponibilizar ao professor, computadores, multimídia e meios auxiliares para a realização das aulas; h) Promover a avaliação dos docentes; i) Apresentar em até 05 (cinco) dias, a Ata final de curso. 4. DA METODOLOGIA a) Estudos de caso, resoluções de problemas, vídeos-formação, grupos de vivência/observação, dentre outros, ou seja, atividades que auxiliem o desenvolvimento de uma prática reflexiva; b) Aulas presenciais expositivas e dialogadas e/ou aulas em forma de trabalhoestudos na qual o discente apresentará tarefas pedagógicas de acordo com o conteúdo programático da disciplina, anexo único deste plano, devidamente instruído pelo professor, de forma individual ou grupos, proporcionando reflexões teóricas e práticas. 5. DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM O aproveitamento das atividades desenvolvidas em cada disciplina será avaliado de acordo com o plano de aula do professor, aprovado pela Coordenação do Curso. 6. DA FREQUÊNCIA DO CURSO a) É obrigatória a frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) das aulas ministradas por disciplina, aferidas em documento próprio, lista de presença. Somente será certificado o aluno que tiver a frequência mínima exigida; 4

5 b) As faltas serão apuradas pele Gerência de Capacitação Profissional, e nos casos de não justificadas, serão encaminhadas para a Corregedoria, fins de apuração. 7. DA APROVAÇÃO NO CURSO a) Obter no mínimo de 75% (setenta e cinco por cento) de frequência em cada uma das disciplinas; e b) Ter aproveitamento nas disciplinas, conforme critérios estabelecidos em plano de aula do docente. 8. DO QUADRO DAS ATIVIDADES PRESENCIAIS DATA GCM-MS 27 de julho de 2015 até 1ª turma - Período letivo para as aulas presenciais 31 de julho de de agosto de 2015 até 2ª turma - Período letivo para as aulas presenciais 07 de agosto de de agosto de 2015 Fechamento da Ata de Conclusão do Curso, e certificação. 5

6 9. DA MATRIZ CURRICULAR GRADE CURRICULAR RONDA ESCOLAR Área de Estudos Disciplina Funcionamento do Conselho Sistemas, Instituições e Gestão 01 Tutelar: Integrada em Segurança Pública Carga Horária 02 Violência, Crime e Controle Social Violência na Escola e formas de combate: 03 Estrutura e funcionamento da rede municipal de ensino: 4 h/a 01 Procedimentos relacionados à Polícia Judiciária Cultura e Conhecimentos Noções sobre Estatuto da 02 Jurídicos Criança e do Adolescente (ECA) 03 Noções sobre Código de Trânsito Brasileiro (CTB): Comunicação, Informação 04 Tecnologias em Segurança Videomonitoramento: Pública 05 Cotidiano e Práticas Reflexivas Psicologia e comportamento infanto-juvenil: 4 h/a 06 Primeiros socorros e os principais em acidentes no 6

7 GRADE CURRICULAR RONDA ESCOLAR Área de Estudos Disciplina ambiente escolar Carga Horária Conduta profissional no atendimento escolar e a atuação frente a grupos vulneráveis: Enfrentamento ao combate das drogas, violência e criminalidade PROESEG 09 Policiamento Comunitário 4 h/a 10 Funções, Técnicas e Procedimentos em Segurança Pública Procedimentos Operacionais da ronda escolar PROERD 11 Atividade Complementar Palestra do Programa PROCEVE - Programa para conciliação e prevenção da violência e da evasão escolar TOTAL 40 h/a 7

8 11. DO REGIME ESCOLAR Horário do corpo discente e docente O regime de trabalho do curso será de 08 (oito) tempos de aulas, com duração cada de 50 (cinquenta minutos), conforme Quadro de Trabalho Semanal (QTS) a ser providenciado pela Gerência de Capacitação Profissional; O dia letivo está estruturado da seguinte forma: HORÁRIO 07h30min às 08h20min 08h20min às 09h10min 09h10min às 09h20min 09h20minàs 10h10min 10h10min às 11h00min 11h00min às 13h30min 13h30min às 14h20min 14h20min às 15h10min 15h10min às 15h20min 15h20minàs 16h10min 16h10min às 17h00min ATIVIDADE 1ª aula 2ª aula Intervalo 3ª aula 4ª aula Almoço 5ª aula 6ª aula Intervalo 7ª aula 8ª aula A semana letiva será dimensionada, a critério da Gerência de Capacitação Profissional, de forma a conciliar as atividades durante o Curso; Não será admitida em nenhuma hipótese a falta do docente durante as atividades de ensino, observado a tolerância de 05 (minutos) minutos de atraso para o inicio de cada hora aula a ser ministrada; 8

9 O Docente que não puder comparecer as atividades de ensino deverá obrigatoriamente designar substituto devidamente capacitado, avisando a Gerência de Capacitação Profissional de forma antecipada. 12. DO CORPO DOCENTE a) O Corpo Docente para as atividades presenciais será composto pela Coordenação de Curso, não fazendo jus a vantagem pecuniária sobre cada hora aula de atividade. b) Poderá ocorrer a substituição de professor que não venha atingir percentual mínimo desejável, em avaliação interna feita pela Unidade junto ao corpo discente; c) Todos os Docentes antes de iniciar as atividades de ensino das disciplinas sob sua responsabilidade deverão encaminhar a Gerência de Capacitação Profissional os respectivos Planos de Aulas a serem ministrados, ou seja, do início ao término das referidas atividades, inclusive o material didático a ser disponibilizados ao corpo discente. 13. DO UNIFORME Os discentes deverão estar devidamente uniformizados para o ingresso no ambiente escolar. 14. DO REGIME DISCIPLINAR As faltas escolares e disciplinares relacionadas ao curso, serão apuradas pela Gerência de Capacitação Profissional, e encaminhadas a Corregedoria, se for o caso. 9

10 15. DA ADMINISTRAÇÃO DO CURSO Gerente de Capacitação Profissional: Ronnie Aparecido Gonzaga 15.2 Coordenador de Curso: César Augusto de Oliveira / Marciana Marques Araújo Dias Coordenador de Ensino: Ana Maria do Nascimento Rocha / Débora Lopes Michelan. 16. DAS PRESCRIÇÕES DIVERSAS a) As despesas decorrentes da participação serão de responsabilidade dos discentes, os quais não terão direito à indenização ou ressarcimento de gastos de qualquer natureza; b) Os casos omissos de serão solucionados pelo Gerente de Capacitação Profissional. Campo Grande, MS, 21 de Julho de Ronnie Aparecido Gonzaga GCM 3ª Classe Mat /01 Gerente de Capacitação Profissional/SEMSP 10

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos necessários à sistematização do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR Este projeto visa investir na melhoria da infraestrutura escolar, por meio de construção, ampliação e reforma, bem como dotá-las com equipamentos e mobiliários

Leia mais

PROJETO ESCOLA SEGURA É A GENTE QUE FAZ PROESEG

PROJETO ESCOLA SEGURA É A GENTE QUE FAZ PROESEG PROJETO ESCOLA SEGURA É A GENTE QUE FAZ PROESEG Campo Grande MS 2011 01- JUSTIFICATIVA A Prefeitura Municipal de Campo Grande com sua Secretaria Municipal de Governo e Relações Institucionais e a Guarda

Leia mais

7- Atividades Complementares (CH60)

7- Atividades Complementares (CH60) 7- Atividades Complementares (CH60) As atividades complementares no curso de Fisioterapia estão dispostas na nova matriz curricular para os ingressantes a partir do ano de 2008. Visando a garantir a flexibilidade

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O PROJETO DE FORMAÇÂO HUMANA E PROFISSIONAL PARA O ADOLESCENTE APRENDIZ

REFLEXÕES SOBRE O PROJETO DE FORMAÇÂO HUMANA E PROFISSIONAL PARA O ADOLESCENTE APRENDIZ 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA REFLEXÕES

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO 1 Anexo I da Resolução do Conselho Superior nº 46/2011, de 13/09/2011. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO DOS CURSOS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ACRE POLÍCIA MILITAR DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO EDITAL Nº 001 / PMAC / DEI/ 2015 1º CURSO DE SWAT OPERATIONS / PMAC/ CPO-I

GOVERNO DO ESTADO DO ACRE POLÍCIA MILITAR DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO EDITAL Nº 001 / PMAC / DEI/ 2015 1º CURSO DE SWAT OPERATIONS / PMAC/ CPO-I GOVERNO DO ESTADO DO ACRE POLÍCIA MILITAR DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO EDITAL Nº 001 / PMAC / DEI/ 2015 1º CURSO DE SWAT OPERATIONS / PMAC/ CPO-I O Comandante Geral da PMAC, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO

PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA FACIIP REGULAMENTO Capitulo I Do Programa Art.1 O presente regulamento do Programa de Monitoria estabelece as regras para o exercício da monitoria por alunos regularmente matriculados

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA DE UBERLÂNDIA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE CATÓLICA DE UBERLÂNDIA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE CATÓLICA DE UBERLÂNDIA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU Sobre normas gerais Art.1º- Os cursos de especialização lato sensu, oferecidos pela Faculdade Católica

Leia mais

Programa de Atividades de Monitoria

Programa de Atividades de Monitoria Programa de Atividades de Monitoria CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DA MONITORIA Art. 1º A atividade de monitoria é desenvolvida por discentes para aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 63/2009 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de Especialização, denominado

Leia mais

REGULAMENTO DE PROJETOS DE ENSINO

REGULAMENTO DE PROJETOS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGULAMENTO DE PROJETOS DE ENSINO Normatiza a apresentação, aprovação, tramitação, coordenação, execução, acompanhamento,

Leia mais

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS DE GUANAMBI Distrito de Ceraíma, s/n - Zona Rural - Cx Postal

Leia mais

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão ANEXO II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica de

Leia mais

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL SECRETARIA DE NAVEGAÇÃO AÉREA CIVIL Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR EDITAL Nº 04/2016 SENAV/SAC-PR A Secretaria de Navegação

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº. 582/10/GS/SEDUC-MT. Dispõe sobre critérios e procedimentos a serem adotados para o processo de atribuição de classe e/ou aulas e o regime

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 Dispõe sobre a regulamentação de Curso de Formação Inicial e Continuada ou Qualificação Profissional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O

Leia mais

RESOLUÇÃO 26 /2016 RESOLVE. Art. 1 - Aprovar o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização, denominado Gestão em Segurança Pública.

RESOLUÇÃO 26 /2016 RESOLVE. Art. 1 - Aprovar o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização, denominado Gestão em Segurança Pública. RESOLUÇÃO 26 /2016 Aprova o Curso de Pós-graduação Lato Sensu, na modalidade de Especialização, com a denominação de Curso de Especialização em Gestão em Segurança Pública O COLEGIADO ACADÊMICO DA FACULDADE

Leia mais

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Histórico. 4.1.3 - Objetivos Específicos

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Histórico. 4.1.3 - Objetivos Específicos 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Histórico A Universidade Federal de Uberlândia, num esforço coletivo liderado pela atual gestão vem trabalhando na excelência de ensino,

Leia mais

O regime adotado pela Faculdade Metodista Granbery é o seriado semestral. A matrícula é feita por períodos e renovada semestralmente.

O regime adotado pela Faculdade Metodista Granbery é o seriado semestral. A matrícula é feita por períodos e renovada semestralmente. INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS 1. CURRÍCULO Para cada curso de graduação é organizado um currículo. O currículo abrange uma sequência de disciplinas/módulos hierarquizados(as) por períodos letivos, cuja

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Ciência da Computação Modalidade: ( X ) bacharelado ( ) licenciatura Local de funcionamento: Coração Eucarístico 01 PERFIL DO CURSO O curso de Ciência da Computação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 493/09 ALTERA A LEI MUNICIPAL Nº 302/05 - PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07 BACABAL-MA 2012 PLANO DE APOIO PEDAGÓGICO AO DOCENTE APRESENTAÇÃO O estímulo à produção intelectual do corpo docente é uma ação constante da Faculdade de Educação de Bacabal e para tanto procura proporcionar

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA FORMA INTEGRADA BELO HORIZONTE, OUTUBRO

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA. Parte 1 (solicitante)

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR. Luiz Antonio Miguel Ferreira Promotor de Justiça/SP.

EVASÃO ESCOLAR. Luiz Antonio Miguel Ferreira Promotor de Justiça/SP. EVASÃO ESCOLAR Luiz Antonio Miguel Ferreira Promotor de Justiça/SP. 1. Introdução. 2. Causas da evasão escolar. 3. Formas de intervenção. 4. Quando intervir para evitar a evasão escolar. 5. Procedimento

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (lato sensu) CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA R E I T O R I A Rua Esmeralda, 430-97110-060 Faixa Nova Camobi Santa

Leia mais

PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO

PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO Pró-reitoria de Desenvolvimento Humano e Social - PRODHS

Leia mais

Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos

Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos APRESENTAÇÃO As Atividades Complementares (AC) são práticas curriculares de caráter independente, interdisciplinar e transversal que visam

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS /IBMEC REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo

Leia mais

EDITAL UTRAMIG Nº 02/2015 CHAMAMENTO PÚBLICO DE DISCENTES PARA INGRESSO NO CURSO TÉCNICO DE RECURSOS HUMANOS DA UTRAMIG-UNIDADE UBERLÂNDIA

EDITAL UTRAMIG Nº 02/2015 CHAMAMENTO PÚBLICO DE DISCENTES PARA INGRESSO NO CURSO TÉCNICO DE RECURSOS HUMANOS DA UTRAMIG-UNIDADE UBERLÂNDIA GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL FUNDAÇÃO DE EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO DE MINAS GERAIS UTRAMIG EDITAL UTRAMIG Nº 02/2015 CHAMAMENTO PÚBLICO DE

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (Presencial)

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (Presencial) REGULAMENTO GERAL DAS PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (Presencial) O presente Regulamento, aprovado pelo Colegiado do Curso, em 18 de maio de 2012, conforme Ata expedida, tem como objetivo estabelecer

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) CAPÍTULO I - DA NATUREZA E OBJETIVOS CAPÍTULO II - DA DIREÇÃO CAPÍTULO III - DA

Leia mais

FACULDADES DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO Nº 02, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2013

FACULDADES DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO Nº 02, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2013 FACULDADES DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO Nº 02, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2013 Estabelece as diretrizes para a oferta de disciplinas em regime de dependência e adaptação no âmbito dos cursos

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 Aprovar ad referendum do Conselho Universitário- CONSUN, o Regulamento para a Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade do Contestado - UnC. A Presidente do Conselho Universitário

Leia mais

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011.

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E NATUREZA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E NATUREZA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E NATUREZA Art. 1º O Estágio é um componente curricular do processo de formação acadêmica,

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de MECÂNICO DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de MECÂNICO DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS O componente curricular denominado Atividades Acadêmico-Científico- Culturais foi introduzido nos currículos

Leia mais

EDITAL. 1.2.1-integrar as noções de ética e de direitos humanos às estratégias gerenciais aplicadas na resolução de problemas de segurança pública;

EDITAL. 1.2.1-integrar as noções de ética e de direitos humanos às estratégias gerenciais aplicadas na resolução de problemas de segurança pública; UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIENCIAS HUMANAS REDE NACIONAL DE ALTOS ESTUDOS EM SEGURANÇA PÚBLICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DEFESA SOCIAL E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA. Parte 1 (solicitante)

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL,

FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL, PÓS-GRADUAÇÃO 2012 Especialização: Direito e Processo do Trabalho Ênfase: Direito Constitucional do Trabalho A FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL, Instituição de Ensino Superior, aprovada

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010.

RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010. RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010. Revoga a Resolução de nº 05, de 16 de junho de 2010, que define as atribuições do cargo de Pedagogo da rede municipal de ensino de Governador Valadares e as

Leia mais

1.2. O acompanhamento de Editais e comunicados referentes a este Processo Seletivo é de responsabilidade exclusiva do candidato.

1.2. O acompanhamento de Editais e comunicados referentes a este Processo Seletivo é de responsabilidade exclusiva do candidato. EDITAL Nº 11/2015, de 28 de abril de 2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA SERVIDORES PÚBLICOS DE ENSINO PARA INGRESSO NO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO, DO PROFUNCIONÁRIO CURSOS A DISTÂNCIA

Leia mais

MANUAL DO ACADÊMICO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE

MANUAL DO ACADÊMICO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE MANUAL DO ACADÊMICO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE 2015 2015 MISSÃO: Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU À DISTÂNCIA

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU À DISTÂNCIA REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU À DISTÂNCIA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu à distância da FAZU - Faculdades Associadas de

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA DE REALENGO FACULDADES SÃO JOSÉ

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA DE REALENGO FACULDADES SÃO JOSÉ SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA DE REALENGO FACULDADES SÃO JOSÉ PROGRAMA NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA RIO DE JANEIRO 2010 Rua Marechal Soares de Andréa, 90 Realengo Rio de Janeiro/RJ CEP:

Leia mais

PROGRAMA E-TEC BRASIL CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COORDENAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA A DISTÂNCIA

PROGRAMA E-TEC BRASIL CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COORDENAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA A DISTÂNCIA PROGRAMA E-TEC BRASIL CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COORDENAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA A DISTÂNCIA O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul de Minas, campus Muzambinho, disponibiliza

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013 Regulamenta os critérios de concessão, no âmbito da UFBA, da gratificação por encargos de cursos e concursos e dá outras providencias.

Leia mais

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL SECRETARIA DE NAVEGAÇÃO AÉREA CIVIL Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR EDITAL Nº 005/2014 SENAV/SAC-PR A Secretaria de Navegação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM Regulamento de Atividades Complementares Curso de Enfermagem Capítulo I- Disposições Gerais Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade regrar as Atividades Complementares para o curso de Enfermagem

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU agosto / 2010 1 REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Sumário TÍTULO I - DA NATUREZA E DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

PORTARIA C. FARM - 02/2004 Coordenadoria do Curso de Farmácia REGULAMENTO DE MONITORIA

PORTARIA C. FARM - 02/2004 Coordenadoria do Curso de Farmácia REGULAMENTO DE MONITORIA PORTARIA C. FARM - 02/2004 Coordenadoria do Curso de Farmácia O coordenador do Curso de Farmácia, tendo em vista deliberação do Colegiado de Curso e a Resolução CONSU 02/2004, de 29 de abril de 2004, resolve:

Leia mais

Pelo exposto e considerando a relevância do tema, contamos com o apoio e compreensão de V. Exª e ilustres Pares para aprovação do Projeto

Pelo exposto e considerando a relevância do tema, contamos com o apoio e compreensão de V. Exª e ilustres Pares para aprovação do Projeto Vitória, 22 de junho de 2012 Mensagem nº 150/2012 Senhor Presidente: Encaminho à apreciação dessa Casa de Leis o anexo projeto de lei que propõe a criação de cargos para contratação temporária, Funções

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Curitiba, 13 de março de 2015. Orientação referente aos Programas de Ampliação

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação Programa úmero de Ações 13 1060 Brasil Alfabetizado e Educação de Jovens e Adultos Objetivo Indicador(es) Garantir acesso e permanência de jovens e adultos a programas educacionais que visam atender as

Leia mais

Diretoria de Educação e Tecnologia do Campus Currais Novos 3412-2018 dagetcn@cefetrn.br www.ifrn.edu.br

Diretoria de Educação e Tecnologia do Campus Currais Novos 3412-2018 dagetcn@cefetrn.br www.ifrn.edu.br GOVERNO FEDERAL Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RN CAMPUS CURRAIS NOVOS Curso Superior de Licenciatura em Química Manual do Estudante 2009.2 Diretoria de Educação e Tecnologia do

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO CURSOS DE EXTENSÃO: Caracterizados como um conjunto articulado de ações pedagógicas, de caráter teórico e/ou prático, presencial ou à distância,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 50/2013 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização, denominado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão

Leia mais

CURSISTAS A ESCOLA E A CIDADE: EDUCAÇÃO INTEGRAL

CURSISTAS A ESCOLA E A CIDADE: EDUCAÇÃO INTEGRAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS DEPARTAMENTO DE EMPREENDEDORISMO E GESTÃO EDITAL ESTABELECE NORMAS DO PROCESSO SELETIVO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº. 124, DE 27 DE ABRIL DE 2009 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

CARGO, VAGA, LOCAL DE TRABALHO, CARGA HORÁRIA E REMUNERAÇÃO. Carga horária semanal. N. de vagas. 01 40 hs. PRÉ-REQUISITOS PARA O CARGO

CARGO, VAGA, LOCAL DE TRABALHO, CARGA HORÁRIA E REMUNERAÇÃO. Carga horária semanal. N. de vagas. 01 40 hs. PRÉ-REQUISITOS PARA O CARGO EDITAL N. 003/2013 DO CENTRO DE DEFESA DA CIDADANIA PROCESSO DE SELEÇÃO PARA A CONTRATAÇÃO DE TÉCNICO SOCIAL ADVOGADO, PARA ATUAÇÃO NO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA. Regulamento do Estágio Supervisionado I e II

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA. Regulamento do Estágio Supervisionado I e II UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA CURSO DE ZOOTECNIA Regulamento do Estágio Supervisionado I e II Presidente Prudente 2009 DOS OBJETIVOS Art. 1º. O Estágio Supervisionado do curso de graduação em Zootecnia

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado Regulamento do Estágio em Biomedicina I Caracterização Art.1. Estágio Supervisionado é disciplina oferecida aos acadêmicos regularmente matriculados a partir do quinto

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE Nº 236, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2009. APROVA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS CURSOS E EVENTOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, DA UEPG.

RESOLUÇÃO CEPE Nº 236, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2009. APROVA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS CURSOS E EVENTOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, DA UEPG. RESOLUÇÃO CEPE Nº 236, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2009. APROVA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS CURSOS E EVENTOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, DA UEPG. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

NORMAS DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA (NPEEB)

NORMAS DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA (NPEEB) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL NORMAS DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA (NPEEB) 1ª

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA CUMPRIMENTO DOS CURRÍCULOS DOS CURSOS DE ENSINO MÉDIO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

DIRETRIZES GERAIS PARA CUMPRIMENTO DOS CURRÍCULOS DOS CURSOS DE ENSINO MÉDIO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRETRIZES GERAIS PARA CUMPRIMENTO DOS CURRÍCULOS DOS CURSOS DE ENSINO MÉDIO I. INTRODUÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Compete à Unidade de Ensino Médio e Técnico (Cetec) orientar as unidades de ensino, expedindo

Leia mais

CANDIDATURA A DIRETORA-GERAL. Isabel Cristina Adão. Plano de Trabalho para a Gestão 2013-2015

CANDIDATURA A DIRETORA-GERAL. Isabel Cristina Adão. Plano de Trabalho para a Gestão 2013-2015 CANDIDATURA A DIRETORA-GERAL Isabel Cristina Adão Plano de Trabalho para a Gestão 2013-2015 APRESENTAÇÃO A comunicação triunfa, o planeta é atravessado por redes, fax, telefones celulares, modems, Internet.

Leia mais

3.1 Anexo I: Gestão de Projetos de Investimentos em Saúde em Saúde; 3.2 Anexo II: Vigilância Sanitária.

3.1 Anexo I: Gestão de Projetos de Investimentos em Saúde em Saúde; 3.2 Anexo II: Vigilância Sanitária. Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2009 CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA VAGAS REMANESCENTES DE CURSOS DA EAD/ENSP/FIOCRUZ INSERIDOS NO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB/SEED/MEC) A Educação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular Supervisionado do da

Leia mais

EDITAL CEAD Nº 10/2012

EDITAL CEAD Nº 10/2012 EDITAL CEAD Nº 10/2012 Dispõe sobre as normas de seleção de tutores a distância para as disciplinas dos 1º e 2º semestres de 2013 para o Curso de Graduação em Letras Inglês na modalidade a distância da

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Visita técnica é atividade complementar dos componentes curriculares dos cursos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº001/2011 Autoriza a criação do Curso de Especialização em Saúde da Família UnA-SUS/UERJ. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe atribui o parágrafo

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº XXXX DE XX DE XXXXXX DE 201X ALTERA A LEI Nº 6720, DE 25 DE MARÇO DE 2014, QUE INSTITUI PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC : Formação Básica em Desenho Técnico Auxiliado por Computador

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC : Formação Básica em Desenho Técnico Auxiliado por Computador MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de TIC. Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de TIC. Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão de TIC Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Pró diretoria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação;

Leia mais

PORTARIA SMED N 073/2012. Dispõe sobre a transferência e utilização de recursos financeirosàs Caixas Escolares da Rede Municipal de Educação.

PORTARIA SMED N 073/2012. Dispõe sobre a transferência e utilização de recursos financeirosàs Caixas Escolares da Rede Municipal de Educação. PORTARIA SMED N 073/2012 Dispõe sobre a transferência e utilização de recursos financeirosàs Caixas Escolares da Rede Municipal de Educação A Secretária Municipal de Educação, no uso de suas atribuições

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades do Núcleo de Atendimento Psicopedagógico

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares, conforme regulamento do Centro Universitário UNIVATES, abrangem quatro categorias: ensino, pesquisa, extensão e profissional, devendo

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de INFORMÁTICA II - FERRAMENTAS PARA ESCRITÓRIO. Parte 1 (Solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de INFORMÁTICA II - FERRAMENTAS PARA ESCRITÓRIO. Parte 1 (Solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Bom trabalho a todos! Mantenedores

APRESENTAÇÃO. Bom trabalho a todos! Mantenedores APRESENTAÇÃO Os tempos modernos conduzem-nos a novos contextos e a sociedade brasileira, de maneira justa, cobra-nos ações que venham ao encontro de um cenário que requer um repensar sobre as possibilidades

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME Nº 02/2011 Dispõe sobre o processo de avaliação, recuperação, promoção, colegiado de classe e recursos de ato avaliativo para o Ensino

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N.º 3629, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2003. (Com alterações impostas pelas leis n. os 3.636, de 17 de dezembro de 2003; 3.727, de 27 de janeiro de 2005; 3.816, de 27 de dezembro de 2005; 4.048, de 07 de março

Leia mais

COMANDO OPERACIONAL DE BOMBEIROS DIVISÃO OPERACIONAL. ORDEM DE SERVIÇO NR 3026/2012 Div. Op.

COMANDO OPERACIONAL DE BOMBEIROS DIVISÃO OPERACIONAL. ORDEM DE SERVIÇO NR 3026/2012 Div. Op. COMANDO OPERACIONAL DE BOMBEIROS DIVISÃO OPERACIONAL ORDEM DE SERVIÇO NR 3026/2012 Div. Op. REGULA O TREINAMENTO BÁSICO DE COMBATE A INCÊNDIO FLORESTAL E SISTEMA DE COMANDO DE OPERAÇÕES (SCO) DO 1º AO

Leia mais

EDITAL Nº 01/2014 EDITAL Nº 01/2014 DO PROCESSO SELETIVO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CUIABÁ INGRESSO EM 2015/1

EDITAL Nº 01/2014 EDITAL Nº 01/2014 DO PROCESSO SELETIVO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CUIABÁ INGRESSO EM 2015/1 CUIABÁ CUIABÁ CUIABÁ CUIABÁ UNIDADE PARCELAS MENSALIDADE (R$) TURNO VAGAS DURAÇÃO DO CURSO EDITAL Nº 01/2014 EDITAL Nº 01/2014 DO PROCESSO SELETIVO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CUIABÁ INGRESSO EM 2015/1

Leia mais

GOVERNO MUNICIPAL FARIAS BRITO AINDA MELHOR ASSISTÊNCIA SOCIAL

GOVERNO MUNICIPAL FARIAS BRITO AINDA MELHOR ASSISTÊNCIA SOCIAL EDITAL Nº 001/2016 A Secretaria Municipal de Assistência Social, no uso das atribuições, torna público o presente Edital, que estabelece instruções destinadas à realização deste Processo Seletivo Simplificado

Leia mais

2. - Os cursos objetos deste Artigo são destinados a portadores de diploma de nível superior, devidamente reconhecido ou revalidado.

2. - Os cursos objetos deste Artigo são destinados a portadores de diploma de nível superior, devidamente reconhecido ou revalidado. R E S O L U Ç Ã O N. 83/2011 - CONSUN APROVA A ALTERAÇÃO DA RESOLUÇÃO N. 26/2010 - CONSUN QUE ESTABELECE AS NORMAS PARA A PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA PUCPR. (*) O Presidente do Conselho Universitário no

Leia mais

O Colégio Seta é mantido pelo Colégio Seta S/C LTDA., estabelecida a Rua Antonio Agu, 361 Osasco Centro, Cep 06013-006.

O Colégio Seta é mantido pelo Colégio Seta S/C LTDA., estabelecida a Rua Antonio Agu, 361 Osasco Centro, Cep 06013-006. 1. Identificação 1.1. A Escola O Colégio Seta tem sede em Osasco, São Paulo à Rua Antonio Agú, 361 Centro Cep 06013-006, Tel/Fax 3681-9695, CNPJ 48.890.693.0001-61, inscrito na DEO sob o número 130928.

Leia mais

CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU

CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU (Versão Professor) Botucatu - SP Junho 2015 SUMÁRIO

Leia mais

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE CNEC FACULDADE CENECISTA DE RIO BONITO FACERB REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE - NAE

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE CNEC FACULDADE CENECISTA DE RIO BONITO FACERB REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE - NAE FFACERB - FFACULLDADE CENECISTTA DE RIO BONITTO ENTIDADE MANTENEDORA: CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE Credenciada pela Portaria 57/09 MEC Publicada no D.O.U. em 14/01/2009 Av. Sete de Maio,

Leia mais

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, de Lisboa. Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, de Lisboa. Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina Universidade de Humanidades e Tecnologias, de Lisboa. Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO PROFISSIONALIZANTE MBA EXECUTIVO INTERNACIONAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS Florianópolis

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO CULTURAL CAPÍTULO IV - DA ORGANIZAÇÃO, PLANEJAMENTO E CONTROLE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO CULTURAL CAPÍTULO IV - DA ORGANIZAÇÃO, PLANEJAMENTO E CONTROLE REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO CULTURAL CAPÍTULO I - DO CONCEITO, FINALIDADES E OBJETIVOS CAPÍTULO II - DAS ÁREAS, CAMPOS E ATIVIDADES CAPÍTULO III - DAS ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais