ÍNDICE. Pré-Diagnóstico concelhio do Concelho de Ribeira de Pena

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. Pré-Diagnóstico concelhio do Concelho de Ribeira de Pena"

Transcrição

1 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 1/130 ÍNDICE Pré-Diagnóstico concelhio do Concelho de PARTE I - Enquadramento Geral 1. Introdução 7 2. Pobreza e Exclusão Social em torno de uma definição 8 3. As autarquias como palcos privilegiados para a resolução destes problemas Rede Social Contextualização Metodologia a adoptar 17 PARTE II Caracterização Geo-demográfica 1. História de Breve Caracterização do concelho de Demografia População Densidade Populacional Evolução Populacional Evolução da População por Sexos Evolução da População Por Grupos Etários Natalidade e Mortalidade Níveis de Instrução da População Taxa de Analfabetismo Taxa de Abandono Escolar 57

2 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 2/ Emigração/Imigração 61 PARTE III Caracterização Habitacional do Concelho 1 Família e Habitação 65 2 Alojamentos 68 3 Edifícios 71 PARTE IV Caracterização Sócio-económica do Concelho 1 Actividade Económica 75 2 Taxa de Desemprego 81 PARTE V Caracterização Socio-cultural do Concelho 1 Qualidade de vida 88 2 Protecção Social 91 3 Serviços Públicos e de Segurança 95 4 Transporte e Comunicação 96 5 Desporto 96 6 Turismo 97 7 Cultura Festas e Romarias no Concelho 103 PARTE VI Considerações Finais 1 - Algumas Questões para reflectir Identificação dos Principais Problemas Análise SWOT Conclusão Bibliografia 129

3 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 3/130 Índice dos Quadros Quadro nº1 - Caracterização Genérica da Sub-região do Tâmega Quadro nº2 - Caracterização Genérica do Concelho de Quadro nº3 - Distribuição da população por freguesias Quadro nº4 Evolução da População residente no concelho de (1996/2002) Quadro nº5 População residente entre 1991 e 2001 por freguesias Quadro nº6 - População residente e população presente entre 1991 e 2001 por freguesias Quadro nº7 - Evolução da população residente e presente no Norte e no Tâmega Quadro nº8 - Evolução da população residente por sexo Quadro nº9 - Evolução da população residente por sexo Na Região Norte e na Subregião do Tâmega Quadro nº10 - Evolução da população residente por grupo etário Na Região Norte e na Sub-região do Tâmega e Quadro nº11 - Número de nados vivos e de óbitos por freguesia Quadro nº12 Nível de Instrução da População por sexo no concelho de, do Tâmega e da Região Norte em 2001 Quadro nº13 - Estabelecimentos de Ensino, segundo o Ensino Ministrado em 2002/2003 Quadro nº14 - Estabelecimentos de Ensino Pré-escolar 2003/2004 Quadro nº15 - Estabelecimentos de Ensino do 1º Ciclo 2003/2004 Quadro nº16 - Alunos Matriculados, segundo o Ensino Ministrado, em 2002/2003 Quadro nº17 - Alunos Matriculados, segundo o Ensino Ministrado, em 2003/2004 Quadro nº18 - Pessoal Docente, segundo o ensino Ministrado, em Quadro nº19 - População Residente Segundo as Migrações (relativamente a 31/12/99), por Concelho de Residência Habitual (2001) Quadro nº20 - População Residente Segundo Zonas de Proveniência (relativamente a 31/12/99), por Concelho de Residência Habitual em 12/02/2001 no Tâmega Quadro nº21 - População Residente em 1991 e Quadro nº22 - População Residente, Famílias Clássicas, Famílias Institucionais e Núcleos Familiares Na Região Norte, Tâmega e Quadro nº23 - N.º de Famílias e Dimensão Média das Famílias Quadro nº24 - Número de Famílias Clássicas Residentes e Famílias Institucionais por freguesias do concelho em 2001

4 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 4/130 Quadro nº 25 - Número de Alojamentos Quadro nº26 - Alojamentos Colectivos/ Alojamentos Clássicos em 1991/2001 por Zona Geográfica Quadro nº27 Alojamentos Familiares/colectivos por freguesias em 2001 Quadro nº28 - Edifícios em 1991 e 2001 Por zona Geográfica Quadro nº29 - Nº Médio de Alojamentos por edifícios Quadro nº30 - População economicamente activa/população economicamente activa e empregada por Região e Sexo Quadro nº 31 - Códigos de Actividade Quadro nº32 - Sectores de actividades Quadro nº33 - População activa e emprega por CAE e por região Quadro nº34 - População activa empregada por sector de actividade Quadro nº35 - Comparação da Taxa de Desemprego em 1991 e 2001 por região Quadro nº36 - População desempregada por Sexo e Região Quadro nº37- População desempregada em 1991 por Sexo e Região Quadro nº38 - Indicadores de Qualidade de vida por Região Quadro nº39 - Indicadores de Qualidade de vida por Região Quadro nº40 N.º de Pensionistas por região demográfica em 2001 Quadro nº41 - Estabelecimentos da Segurança Social por Região Quadro nº42 - Indicadores de Saúde Pública por Região Quadro nº43 - Estabelecimentos de serviços Públicos e Comércio em Quadro nº44 - Transportes e Comunicações em Quadro nº45 - Infra-estruturas ao nível do desporto em Quadro nº46 - Alojamentos Turístico em Quadro nº47 - Infra-estruturas de Cultura e Lazer Quadro nº48 - Festas e Romarias realizadas no Concelho de Quadro nº49 - Feiras realizadas no Concelho de

5 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 5/130 Índice dos Gráficos Gráfico nº1 - Distribuição de áreas em km2 por freguesias no concelho de. Gráfico nº2 - Distribuição da População por Freguesias em Percentagem em 2001 Gráfico nº3 - Densidade Populacional por Hab/km2 Gráfico nº4 - População residente segundo grupos etários Concelho de Gráfico nº5 - Índice de Dependência dos idosos Concelho de Gráfico nº6 - Evolução entre 1991 e 2001 Por zona Geográfica Gráfico nº7 - Taxa de Natalidade e Mortalidade e Nupcialidade por zona Geográfica Gráfico nº8 - Índice de Envelhecimento/Taxa de Crescimento Natural Gráfico nº9 - Número de óbitos por sexo e por região Gráfico nº10 - Número de nados vivos por sexo e por região Gráfico nº11 - Indicadores demográficos por Região Gráfico nº12 - Taxa de Analfabetismo em 1991 e 2001 Gráfico nº13 - População Residente Analfabeta com 10 anos ou mais Gráfico nº14 Abandono Escolar por anos escolares Gráfico nº15 Percentagem de alunos face ao Sucesso/Insucesso 1º Ciclo Gráfico nº16 Percentagem de alunos face ao Sucesso/Insucesso 2º Ciclo Gráfico nº17 Percentagem de alunos face ao Sucesso/Insucesso 3º Ciclo Gráfico nº18 Percentagem de alunos face ao Sucesso/Insucesso Secundário Gráfico nº19- Profissões dos Pais/Encarregados de Educação Gráfico nº20 - Núcleo Familiares residentes nas Freguesias do concelho de Gráfico nº21- Número de alojamentos Colectivos em por Zona Geográfica Gráfico nº22 - Número de Alojamentos Clássicos em por Zona Geográfica Gráfico nº23 Nº de Edifícios por Freguesias Gráfico nº24 População Economicamente Activa por Sexo e Região Gráfico n.º 25 - Distribuição da população activa pelos sectores de actividade em Ribeira de Pena Gráfico nº26 - Distribuição da população activa pelos sectores de actividade no Tâmega Gráfico nº27 - Distribuição da população activa pelos sectores de actividade no Norte Gráfico nº 28 - Distribuição da População desempregada por sexo e por região Gráfico nº29 - População Desempregada à procura de novo emprego por Sexo e Região Gráfico nº30- População Desempregada à procura do 1º Emprego por Sexo e Região

6 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 6/130 PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Um bom diagnóstico é o garante da adequabilidade das respostas às necessidades locais, bem como da eficácia de qualquer projecto de intervenção. In Guerra, Isabel; Amorim Alexandra, Construção de um Projecto, U.M 47, PROFISS/ISSS, p. 6.2

7 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 7/ INTRODUÇÃO Este relatório inicial pretende dar a conhecer da situação territorial e sócio-económica do concelho de no âmbito do programa Rede Social. O programa Rede Social foi criado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 197/97, de 18 de Novembro, tendo como objectivo central combater a Pobreza e a Exclusão Social numa perspectiva de promoção do desenvolvimento social. Posto isto, a Rede social surge como uma ferramenta de trabalho fundamental para a realização de um plano estratégico integrado e sistemático que visa a articulação de esforços e de recursos dos vários agentes locais do concelho, canalizando a sua intervenção para o desenvolvimento local, pondo de parte as perspectivas sectoriais de acção. Nesta medida a Rede pretende ser um palco de intervenção social entre os vários parceiros de forma a desenvolverem projectos de acção articulados de maneira a poder evitar acções isoladas e por vezes sobrepostas. O processo de implementação da rede pressupõe a adopção de uma metodologia de planeamento integrado transversal a todas as etapas de trabalho: no pré-diagnóstico, no Diagnóstico Social concelhio, no Plano de Desenvolvimento Social (PDS) e no Plano de Acção. A Rede Social do concelho de neste momento encontra-se na primeira fase do programa, no Pré-diagnóstico. Este pretende ser um documento de preparação à etapa que se segue, através deste pretende-se realizar os levantamentos de forças, fraquezas, oportunidades e ameaças do concelho de de modo a permitir delinear estratégias e possíveis intervenções concertadas. No fundo trata-se de uma recolha e sistematização de informação relativa ao concelho em causa tendo por base uma análise mais quantitativa. Para a recolha dos dados recorreu-se a variadas fontes nomeadamente a Câmara Municipal de, Instituto Nacional de Estatística (INE), Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), Segurança Social. Cabe ainda acrescentar, que esta primeira fase está sujeita a constantes correcções e aperfeiçoamentos conduzindo deste modo ao Diagnóstico Social Concelhio

8 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 8/ POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL EM TORNO DE UMA DEFINIÇÃO. Morrer de fome é característico e algumas pessoas que não têm alimentos suficientes para comer. Não é característico de não haver alimentos suficientes para comer. Amartya Sem, Pobreza e Fomes, Lisboa Terramar, 1999, p. 11. A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas vidas a um ritmo acelerado. Não se pode esconder a pobreza e muito menos ignorá-la. Actualmente, ela é sentida como uma ferida no coração de cada sociedade. O conceito de Exclusão Social é mais recente entre nós e tende a ser associado sempre ao conceito de pobreza. Apesar de estes dois conceitos estarem intrinsecamente ligados e até serem complementares entre si, tratam-se de conceitos perfeitamente distintos. Quando estás a decidir seja o que for, põe diante dos teus olhos o mais pobre dos pobres que encontraste e pergunta a ti mesmo e essa decisão vai ajudá-lo. Se a resposta for afirmativa, então toma sem hesitar essa decisão. (Pintassilgo:1997:54). Neste medida o conceito de pobreza assenta em pressupostos de cariz excessivamente economicista e monetarista das condições de vida dos indivíduos ou do grupo onde se encontram inseridos. O conceito prende-se com a privação de recursos materiais que afectam as populações mais vulneráveis como sendo desempregados ou mal remunerados, entre outros, tendo como pano de fundo um processo de pauperização dos indivíduos ou dos grupos. Como o sociólogo Eduardo Rodrigues defende, A pobreza será a forma mais extremada da desigualdade social, facilitando o alargamento do fosso entre os grupos socais, ou seja, promovendo o aumento da polarização social. Por seu lado a Exclusão Social associase a um processo de cariz mais estrutural onde ocorre uma quebra dos laços sociais o que se traduz por sua vez numa forte dependência do assitencialismo do Estado. Assim sendo a exclusão social resume-se a um processo de ruptura com a sociedade civil. Este processo pode conter dois momentos distintos. Num primeiro momento, marcado pela ausência de recursos básicos (Recursos económicos, culturais, sociais e simbólico) que influenciam as

9 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 9/130 camadas da população mais marginalizadas, nomeadamente os toxicodependentes, os semabrigo, os desempregados de longa duração, imigrantes, entre outros, num segundo momento esta quebra é encarada como consequência de processos de estigmação/marginalização que afectam grupos sociais específico, como as minorais étnicas. Os excluídos são os indivíduos ou familiares que acumulam um conjunto de riscos, de dificuldades ou handicaps que os conduzem à pobreza económica, ao enfraquecimento dos laços familiares e sociais, ao descrédito social e mesmo à perda de laços identitários. (Townsend:1997:34-35). Tendo plena consciência que não existe uma receita milagrosa para o flagelo da pobreza e da exclusão social, contudo existem métodos e formas que quando accionados podem minorar este flagelo. Não sendo a pobreza uma realidade estática decorre em larga medida de um processo de caracter social, económico e político. O caminho para combater este fenómeno tem várias etapas, e confronta-se com alguns constrangimentos necessitando para tal de respostas diversificadas. Estes fenómenos ultrapassam o caracter meramente económico da noção de pobreza e tendem a incluir para além deste, as manifestações sociais e psicológicas das exclusões, manifestadas em vários tipos de privações nomeadamente a ausência de educação, degradação das condições de habitação, deteoriração das condições de saúde, perda de apoio familiar, o não envolvimento na vida social, a falta de oportunidades de trabalho, ausência de qualificação profissional carência de hábitos de higiene, situações de deficiência, focos de violência e marginalidade, tráfico de drogas, e formas diversas de mendicidade entre outras. Estes são resultado de uma alteração no processo de socialização, que tende a desqualificar socialmente grupos particularmente desfavorecidos, e igualmente um processo cumulativo de vulnerabilidades nas mais variadas áreas, nomeadamente na saúde, na habitação, no emprego, na educação, e na formação, daqui resulta portanto que este fenómeno seja encarado como um fenómeno multidimensional. Sendo a pobreza um fenómeno multidimensional que exige sempre uma resposta também multidimensional. Estes fenómenos sociais como já foi dito anteriormente tendem a afectar particularmente aqueles que estão mais expostos, isto é: os jovens com baixas qualificações, reformados com

10 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 10/130 baixas pensões, famílias com baixos rendimentos, desempregados, imigrantes, toxicodependentes, sem-abrigo, entre outros. Tendo plena consciência que estes fenómenos sociais podem resultar de vários factores e que tocam diferentes sectores da sociedade como o económico, o social, o cultural, o ambiental torna-se cada vez mais premente articular e compatibilizar todas as políticas sectoriais de nível local, regional e nacional de forma combatê-los eficiente e eficazmente. Torna-se cada vez mais impossível olhar com indiferença para o facto de uma grande maioria da população humana de manter afastada dos resultados do progresso e do desenvolvimento económico. A realidade e a grande conclusão a que podemos chegar, é que o crescimento económico por si só não diminui mas antes pelo contrário, aumenta o número de pobres. Acreditar hoje que as respostas crescimentistas serão uma possível resposta a problemas de pobreza e exclusão social entra em verdadeiro colapso. Tal como defende Elza Chambel, Comissária Regional do Sul da Luta Contra A Pobreza, Um pobre não tem apenas carências de bens materiais, está razoavelmente fora de jogo, sentese inútil e sem referências e como tal é excluído e exclui-se socialmente, não faz uso dos direitos sociais e não exerce, inúmeras vezes o direito de cidadania. (Chambel:1997:47). Podemos concluir dizendo que, não obstante a todos os esforços feitos no sentido de minorar este problema, a pobreza, esta continua a dizimar a vida de milhões de pessoas. Entrar no ciclo da pobreza é como uma espiral que vai danificando a possibilidade de a superar. Assim esta assume-se como cumulativa na medida que o pobre, para além de não ter rendimento para viver não tem habitação, emprego, acesso a saúde ou a banca de crédito. É um processo hereditário porque as crianças que nascem no meio da pobreza carregam consigo um estigma que as rotula para uma pobreza ainda maior. E por último, figura-se como autodestruidora/humilhadora ao permitir que a pessoa pobre fique apreensiva em relação aos serviços públicos, sente receio da humilhação, e caba por perder a auto-estima e a sua dignidade enquanto pessoa. Enfim, por tudo isto, temos plena consciência que o fenómeno da pobreza e da Exclusão Social é um processo complexo e multidimensional que afecta grupos sociais que vivem situações de desarticulação relativamente ao funcionamento da sociedade. A existência de bolsas de pobreza e de situações sociais graves, conduz a implementação de acções socais

11 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 11/130 importantes por parte de alguns actores sociais de desenvolvimento social, no sentido de vitalizar determinados territórios, onde estes fenómenos são cada vez mais prementes e cada vez mais encarados como verdadeiras epidemias. A consciencialização para a necessidade de agir e lutar contra estas epidemias que atingem de diferentes maneiras cada um de nós, desencadeou um especial interesse por parte do Ministério da Segurança Social e do Trabalho e em particular do Instituto de Solidariedade e Segurança Social, para a criação de um projecto que permitisse atenuar estes problemas sociais, assim como apelar para a activação de agentes de resposta e solução na concretização destes problemas. E neste contexto que surge o programa Rede Social. Este programa assume-se essencialmente como meio de racionalizar formas de intervenção social e de articulação das diferentes instituições (podendo ser elas públicas ou privadas) e parcerias locais dentro de uma perspectiva territorializada. Este programa nacional caracteriza-se por ter uma componente territorial de intervenção, pois é a nível local que os problemas surgem, e é como base neles que deverão ser encontrados as soluções para os resolver, de forma integrada e ajustada às reais necessidades e problemas dos indivíduos e/ou famílias envolvendo para tal todas as entidades que actuam em determinada comunidade e as sinergias locais existentes. 3 - AS AUTARQUIAS COMO PALCOS PRIVILEGIADOS PARA A RESOLUÇÃO DESTES PROBLEMAS Tal como já foi referido anteriormente, a Exclusão Social é um fenómeno social complexo, não se limitando apenas a questões de rendimentos insuficientes, as suas causas são múltiplas e manifestam-se nas mais variadas áreas como: a habitação, acesso a serviços básicos, educação, cultura entre outros. Tendo cada vez mais plena consciência de todas as alterações da sociedade moderna, e porque se pretende que este século XXI seja mais justo e solidário, torna-se premente desenvolver políticas e estratégias de intervenção social que tenham por base o princípio da complementaridade, e na conjugação de esforços e parcerias que permitam um combate eficaz a este flagelo da pobreza.

12 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 12/130 O concelho de tem vindo a desenvolver algumas experiências de trabalho em parceria, nomeadamente através da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, do Rendimento Mínimo Garantido e do Projecto Vento Solidário - Projecto de Luta contra a Pobreza, (que tem como objectivo a atribuição de apoios a recuperação de habitação para os agregados familiares mais carenciados do concelho de ). Tem-se verificado através destas experiências, a partilha de iniciativas, bem como a rentabilização de esforços como formas adequadas para a consciencialização dos problemas e por consequente para a resolução dos mesmos. Sendo as autarquias o poder mais próximo das comunidades locais, este vem-se afirmando progressivamente e assumindo papel de relevo na resolução dos problemas concretos das populações, na medida em que, as autarquias locais se caracterizam-se como espaços privilegiados de expressão das necessidades e aspirações dos cidadãos, sendo por este motivo quem melhor poderá controlar os recursos endógenos, as carências e as próprias especificidades de cada comunidade. As tarefas das autarquias de hoje são muito mais exigentes do que outrora, no sentido de promover a qualidade de vida das populações tornando-se premente o incentivo da participação democrática no processo de desenvolvimento. O poder local é cada vez mais chamado a intervir nos mais diversos domínios. Desde à cultura, ao desporto, ao ambiente, são áreas que giram à volta das actividades autárquicas. As Autarquias, dada a sua estreita ligação que mantém com as populações que as situam quer a um nível institucional e territorial, não podem voltar as costas aos problemas que mais afectam as comunidades locais. Conforme é reconhecido publicamente pelas próprias populações e pelas diferentes forças políticas e sociais, apesar dos seus recursos financeiros limitados e da sua imposta autonomia administrativa, as autarquias locais estão conscientes dos seus diferentes consagrados na própria constituição e na legislação ordinária e sabem muito bem da resolução dos problemas do país. (Ribeiro, 1992:41) A vontade e a necessidade de responder de uma forma mais imediata e mais eficaz às necessidades locais, conduzem ao estabelecimento de grandes diálogos com associações existentes e as comunidades locais.

13 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 13/130 Mas, não podemos deixar de fazer referência ao poder do Estado como coordenador no desenvolvimento local do país, que surge da necessidade de colmatar as desigualdades territoriais e as assimetrias regionais desencadeadas ao longo da história. Torna-se necessário dotar o Poder Local com meios técnicos e recursos humanos capazes de dar resposta aos verdadeiros problemas locais. Hoje em dia, é cada vez maior a importância atribuída ao Poder Local. O Poder Local tem sido um forte impulsionador dos processos de desenvolvimento nas comunidades locais. Torna-se cada vez mais patente o esforço e o empenhamento desempenhado pelas Câmaras Municipais em dotar os municípios de infra-estruturas básicas necessários à promoção da qualidade de vida das pessoas. Grande parte das responsabilidades dos destinos das regiões está dependente dos seus agentes (que podem ser públicos, privados, associativos ou voluntários) aos quais, em conjunto, cabe a responsabilidade de prever o futuro da região onde se inscrevem. As Autarquias neste processo tem um papel primordial, cada vez mais estas, reivindicam maior autonomia face ao poder central. Novos desafios são colocados às Autarquias que não passam apenas pela criação da rede de água ou de esgotos, mas antes desafios que exigem resoluções mais eficazes. Estes novos desafios requerem melhores planeamentos, desenvolvimento de projectos com metodologias mais participativas que não se limitem apenas às esferas materiais mas também às esferas imateriais. Estes novos desafios desencadeiam também uma maior solicitação da intervenção autárquica ao mesmo tempo que exigem ao Poder Local formas inovadoras de organização e de adequação aos problemas das próprias comunidades locais. Surge assim, nas Câmaras e nas Juntas de Freguesia uma necessidade de reorganização, procurando no seu interior os recursos, os meios e as pessoas que mais serão capazes de dar resposta aos novos desafios que enfrentam. Enquanto tal, o desenvolvimento local não passa só pelas melhorias das infra-estruturas e dos equipamentos, com o auxílio do Diagnóstico Social, desenvolver as potencialidades existentes na região de maneira a proporcionar uma melhoria do bem-estar da comunidade local em questão.

14 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 14/ REDE SOCIAL CONTEXTUALIZAÇÃO O concelho de, não fugindo muito ao cenário nacional, é pautado por alguma complexidade geográfica e sócio-demográfica. Caracteriza-se pela existência de alguns estrangulamentos e fraquezas de cariz territorial e social nem sempre com uma resolução simples, dificultado por vezes pelo trabalho isolado que vai sendo desempenhado pelos vários agentes socais do concelho. Foi atendendo a esta problemática, que surgiu o programa Rede Social, de âmbito nacional, de maneira a promover estratégias integradas e sustentadas de forma a minorar os problemas ao nível concelhio. Este programa nacional caracteriza-se por ter uma componente territorial de intervenção, pois é a nível local que os problemas surgem, e é com base nele que deverão ser encontradas as soluções para os resolver, de forma integrada e ajustada às necessidades e problemas dos indivíduos e/ou famílias envolvendo para tal toas as entidades que actuam no concelho. A Resolução do Conselho de Ministros (RCM) n.º 197 de 18 de Novembro de 1997 define a Rede Social como Fórum de articulação e congregação de esforços entre as diferentes entidades públicas ou privadas que livremente aderiram tornado-se parceiras com objectivo de combater a pobreza e a exclusão social tendo em vista a promoção do desenvolvimento social. Assim sendo, a Rede Social deverá ser vista como um espaço de afirmação de parcerias que levarão ao surgimento de um plano estratégico bem estruturado e realizado onde serão identificados e elencados os recursos existentes no concelho, quer públicos quer privados. Neste sentido torna-se premente promover a territorialização da intervenção social, nomeadamente através da criação de redes de parcerias e da partilha de responsabilidades a fim de permitir mobilizar os recursos e as competências existentes, e contribuir para a promoção de projectos de acção colectivos. Deste modo, quando se fala em Rede Social fala-se de uma nova maneira de trabalhar onde se faz um apelo à participação de todos os intervenientes locais e à congregação dos recursos de todos, onde todos possam estar informados sobre o que se está a fazer e que caminhos tomar para a resolução de problemas concretos locais.

15 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 15/130 A participação apela a um compromisso entre todos os intervenientes de um processo e muito especialmente a quem se destina. (Guerra:1999:4.3). A consciêncialização pessoal e colectiva para os problemas sociais torna-se premente, visto que estes devem ser encarados como um problema de todos e para todos. Remetendo-nos para a Resolução de Ministros n.º 197/97 de 18 de Novembro, Acção Social tal é defino no ponto 6, deve incidir a sua acção no apoio a grupos sociais mais vulnerais, a situações de pobreza e exclusão social nomeadamente a famílias carências sendo que a realidade do nosso concelho, é que muitas destas famílias para além de possuírem más condições de habitabilidade possuírem também um conjunto de handicaps económicos, sociais e culturais que se revém em problemas como a falta de emprego, famílias monoparentais problemas de alcoolismo, violência doméstica, entre outros. Por todos estes motivos, estas famílias usufruem do Rendimento Social de Inserção (RSI) anteriormente denominado de Rendimento Mínimo Garantido (RMG). Posto isto, o grande desafio que se coloca à Rede Social em será colmatar um conjunto de problemas: Pobreza e exclusão social; Existência de problemas sociais não identificados; Inexistência de uma articulação entre os parceiros com intervenção no mesmo território; Duplicação de esforços e recursos por parte dos parceiros com os trabalhos individualizados. Tendo presente todos estes problemas a Rede Social, definiu como objectivos estratégicos os seguintes: Implementação de uma nova cultura de parceria efectiva e dinâmica (e não sectorializada); Desenvolvimento de dinâmicas de planeamento estratégico (através nomeadamente dos Diagnósticos, Plano de Desenvolvimento Social e do Plano de Acção); Garantia de uma maior eficácia e rapidez no conjunto de respostas aos problemas locais;

16 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 16/130 O programa assenta em vários princípios de acção que deverão, e poderão, ser aplicados no concelho. Falamos no Princípio de Subsidiariedade que se materializa através da procura de respostas próximas das populações racionalizando sempre que possível os recursos locais agir localmente ; O Princípio da Integração na medida de encontrar intervenções integradas para os problemas multidimensionais apelando à participação dos vários sectores e agentes sociais; O princípio da Articulação desenvolve-se através da promoção de acções concertadas entre as várias entidades, de projectos e medidas impedindo lacunas e sobreposições de acções; Cabe ainda acrescentar que a viabilidade destes princípios depende em boa medida da efectiva participação e implicação de todas as entidades e populações locais, é nesta medida que assenta o Princípio da Participação;. Por último, o Princípio da Inovação traduz-se na adopção de metodologias de trabalho flexíveis descentralizadas e desburocratizadas que motivem a participação das comunidades locais.

17 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 17/ MEDOLOLOGIA A ADOPTAR A metodologia é um instrumento que nos vai permitir fazer a selecção dos métodos e técnicas a ter em conta mediante o nosso objecto de estudo, de maneira a atingir os objectivos inicialmente propostos. A grande questão que se coloca será: Num estudo tão generalista, como poderemos definir o principal objectivo deste trabalho? A resposta vem de encontro aos objectivos traçados pelo Pré-diagnóstico. Isto é, neste primeiro estudo exploratório pretende-se fazer uma primeira aproximação e compreensão da realidade do concelho de, assim como dos seus reais problemas, necessidades e recursos disponíveis. No fundo, tem em vista travar um primeiro contacto com o espaço alvo de modo a captar indicadores que permitam caracterizar esse espaço. A metodologia adoptada permitiu-nos conhecer com maior detalhe as variadas áreas e problemáticas sentidas no concelho, mediante a observação e análise de indicadores quer qualitativos quer quantitativos. Assim num primeiro momento, recorremos à pesquisa indirecta, isto é, à análise documental e a informações já existentes sobre o concelho. Uma das fontes utilizadas para o efeito foram algumas publicações do Instituto Nacional de Estatística referentes aos Censos de 1991 e 2001 para podermos proceder a uma análise comparativa. Através da sua análise permitiu-nos construir instrumentos de síntese, nomeadamente gráficos e tabela referentes à caracterização sócio-demográficos e residencial do concelho, que foram sendo interpretados e analisadas à medida que iam sendo introduzidas à medida que se construía o Prédiagnóstico. Deste modo, foram tratados indicadores desde a densidade populacional, evolução da população desde 1981 até aos últimos censos (2001); assim como a sua caracterização ao nível do sexo, o grupo etário, nível de instrução, educação, a tipologia familiar, alojamentos e edifícios, cultura e condições sociais; e indicadores como a saúde, economia e turismo. Paralelamente, foram também analisados dados sobre as condições de vida da população residente perante a actividade económica, passando pela visualização da distribuição da população economicamente activa e empregada por grupo de actividades económicas.

18 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 18/130 Cabe ainda acrescentar, a que esta base de dados foram acrescentados alguns conceitos que na nossa opinião se mostraram pertinentes permitindo desta forma contextualizar melhor os nossos leitores, com o recurso a visualização de quadros e gráficos onde se interligam várias variáveis com os totais por cada área geográfica. Os áreas tratadas para este primeiro diagnóstico foram as seguintes: o concelho de, o Tâmega e a Zona Norte a fim de podermos realizar uma análise comparativa. Posto isto, cabe ainda salientar que a caracterização socio-demografica feita ao nível do concelho nos permitiu realizar a primeira impressão relativamente aos recursos, fragilidades e prioridades de intervenção no concelho. Para tal utilizamos a chamada análise SWOT (Strengths, Weaknesses, Opportunities and Threats) que em português se designada por Análise F.0.F.A. (Forças, Oportunidades, Fraquezas, Ameaças). Com esta análise pretende-se aportar vários problemas detectados no concelho quer na sua vertente mais positiva quer na negativa, sendo este o principal objectivo pretendido com este Pré-diagnóstico Social e, posteriormente, para a realização do Diagnóstico Social e dos Planos Estratégicos de Acção. Até ao momento esta recolha de informação descrita em cima foi da responsabilidade do Núcleo Executivo. A realização deste Pré-diagnóstico Social Concelhio decorreu entre Novembro de 2004 e Fevereiro de 2005.

19 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 19/130 Tabela 1 Discriminação da população Alvo Grupos População Alvo Discriminação Total Parceiros constituintes da CLAS de Ribeira de Pena Entidades do Concelho de Município de Presidente Dr. Agostinho Pinto; Santa Casa da Misericórdia de Provedor João Pereira; Irmandade Nossa Senhora Misericórdia de Cerva Provedor Joaquim Albertino da Costa; Centro Distrital de Solidariedade e segurança Social de Vila Real (Dra. Armandina Cruz) Centro de Saúde de Ribeira de Pena (Dr. Paulino Rodrigues) Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Risco de (Prof. João Leite) Instituto de Emprego e Formação Profissional de Basto (Dr. Joaquim Carvalho Oliveira) Agrupamento Vertical das Escolas de (Prof. Ana Paula da Costa) Agrupamento Vertical das Escolas de Cerva (Prof. Carlos Neto); Guarda Nacional Republicana de ; Guarda Nacional Republicana de Cerva. 410 Entidades

20 Pré-Diagnóstico Social Concelhio 20/130 Grupos População Alvo Discriminação Total Parceiros constituintes da CLAS de Ribeira de Pena Juntas de Freguesias Junta de freguesia de Alvadia; Junta de Freguesia de Salvador; Junta de Freguesia de Limões; Junta de Freguesia de Canedo; Junta de Freguesia de Cerva; Junta de Freguesia de Santo Aleixo; Junta de Freguesia de Santa Marinha 47 Freguesias Grupos População Alvo Discriminação Total Parceiros constituintes da CLAS de Ribeira de Pena Párocos do Concelho de Reverendo Pároco da freguesia de Alvadia; Reverendo Pároco da freguesia de Limões; Reverendo Pároco da freguesia de Cerva; Reverendo Pároco da freguesia de Salvador; 44 Párocos Grupos População Alvo Discriminação Total Parceiros constituintes da CLAS de Ribeira de Pena Entidades associações Concelho e de Associação Portuguesa de Apoio à Vitima APAV de Vila Real (Dra. Elisa Brites) Centro Social Paroquial de Limões (Pároco Joaquim Costa) Grupo Desportivo de Ribeira de Pena (Manuel Costa) Associação de pais e encarregados de Educação) Grupo de tecelagem de Limões (Maria Ester) Associação Pisão Louredo (Daniel Cardoso); Agrupamento 689 da CNE (Escuteiros) 413 Entidades

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO SEGURANÇA SOCIAL DE VILA REAL INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO A SEGURANÇA SOCIAL DE VILA REAL A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

MAPA 7. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PONTA DO SOL E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 7. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PONTA DO SOL E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 5. PONTA DO SOL O concelho de Ponta do Sol foi fundado no início do século XVI, em consequência do elevado desenvolvimento económico resultante da actividade açucareira. Com uma área de 43,80 Km2 e uma

Leia mais

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO CONCELHO DE FAFE Com este documento pretende-se, antes de mais, efectuar uma breve e sucinta caracterização do Concelho de Fafe seguido de

Leia mais

Caracterização Diagnóstica da Região Norte. Nós Críticos: sinalização e consequências

Caracterização Diagnóstica da Região Norte. Nós Críticos: sinalização e consequências Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 INCLUSÃO SOCIAL FERNANDA RODRIGUES Estrutura da Apresentação Inclusão Social vs Exclusão

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL AGUIAR DA BEIRA 2011 INDICE I-Enquadrammento----------------------------------------3 II-Metodologia--------------------------------------------4 III-Do Diagnóstico ao Plano------------------------------5

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017»

Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017» Regulamento Interno» Pré-Diagnóstico» Diagnóstico» PDS» Diagnósticos 2014» PDS 2015-2017» A Rede Social foi criada através de uma Resolução do Conselho de Ministros, e 18 de Novembro de 1997, num contexto

Leia mais

ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL

ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL 1. TERRITORIAL 2. DEMOGRÁFICO 3. VIÁRIO Revisão do Plano Director Municipal de Vila Nova de Famalicão - II. Enquadramento Regional - DEZEMBRO 2004 1 Índice de Figuras Figura

Leia mais

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005)

PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão (2003-2005) V Articulação O PDS deve integrar orientações de outros programas a nível nacional, regional e localmente com os diversos planos, projectos, serviços e sectores específicos do Município, criando sinergias

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002 44 7. Segurança Social 7.1 Invalidez, velhice e sobrevivência No concelho de Vidigueira, em 2002, os beneficiários de todos os regimes de pensão correspondiam a cerca de 39,3% da população residente, em

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Atlas das Cidades de Portugal Volume II 2004 01 de Abril de 2005 METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Apesar das disparidades ao nível da dimensão populacional

Leia mais

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas Introdução A Freguesia de Odivelas é uma realidade complexa que a todos diz respeito, uma realidade que deve ser alvo de uma intervenção de todos que nela participam para que seja executado um trabalho

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança Parte 6.6.1 Caracterização da população toxicodependente no concelho de Bragança (Dados

Leia mais

Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão. Março de 2010 UTAD. Desenvolvimento Rural

Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão. Março de 2010 UTAD. Desenvolvimento Rural Março de 2010 UTAD Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão Desenvolvimento Rural Nuno Novais nº34001 Cláudio Lourenço nº 33999 André Ferreira nº34842 Luís Resende nº35462 Introdução O

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO CENTRO DE ALOJAMENTO DE LONGA DURAÇÃO 1 Introdução A experiência da AANP, decorrente quer da intervenção e acompanhamento diários

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Regulamento Interno. Preâmbulo

Regulamento Interno. Preâmbulo Regulamento Interno Preâmbulo A Resolução de Conselho de Ministros 197/97 de 18 de Novembro define a Rede Social como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre das autarquias

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII.

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII. ÍNDICE Capitulo I A Rede Social em 3 Plano de Desenvolvimento Social 5 Capítulo II Metodologia 7 Capítulo III Diagnóstico da situação 10 Diagnóstico Social Síntese 21 Capítulo IV Definição de Estratégias

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 U n i d a d e d e S a ú d

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011 Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 211 Cristina Maria Magalhães Dinis Técnica Superior de Sociologia Julho de 213 Gabinete de Reabilitação Urbana Departamento

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

II Convenção Sou de Peniche

II Convenção Sou de Peniche II Convenção Sou de Peniche Apresentação Junho 2008 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1. Caso de Peniche 2. Avaliação e Diagnóstico 3. Factores Críticos 4.Recomendações de Politicas e Acções II Convenção Sou de Peniche

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO Intervenção do Ministro da Solidariedade e da Segurança Social na Conferência sobre o Quadro Estratégico Europeu 2014-2020 «Os Fundos Comunitários: Passado e Futuro» Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Escola Nacional de. Saúde Pública

Escola Nacional de. Saúde Pública Escola Nacional de Saúde Pública 6º CURSO DE MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA (2002/2004) MÓDULO DE INTRODUÇÃO À PROMOÇÃO E PROTECÇÃO DA SAÚDE CUIDADOS CONTINUADOS DE SAÚDE E APOIO SOCIAL - UMA REFLEXÃO - Elaborado

Leia mais

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Escola Básica e Secundária de Velas Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ao abrigo do Decreto-Lei N.º74/2004, de 26 de Março com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

INDICADORES ESTATÍSTICOS

INDICADORES ESTATÍSTICOS INDICADORES ESTATÍSTICOS Indicadores Ano Unidade Estrutura Territorial Área 28 Km 2 27 332,4 92 9, Concelhos - Freguesias 28 nº 47-31 38-426 Lugares 28 nº 947 26797 Cidades Estatísticas 28 nº 15 151 Densidade

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

4. Visão e objectivos estratégicos

4. Visão e objectivos estratégicos A visão que se propõe para o futuro do Município da Sertã consubstancia-se em VENCER O FUTURO, CONSTRUINDO UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Esta visão, sustentada na contextualização sócio-económica e ambiental

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

2.1. Estrutura e Dinâmica da População e Famílias

2.1. Estrutura e Dinâmica da População e Famílias 2.1. Estrutura e Dinâmica da População e Famílias O Diagnóstico Social Concelhio, enquanto ferramenta essencial para o conhecimento e caracterização da realidade local, assume particular importância na

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Acta Constituinte Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal ( Resolução do Conselho de Ministros, 197/97 de 17 de Novembro, com as alterações introduzidas pela Declaração de Rectificação nº10-0/98

Leia mais

Projecto Integrado da Baixa da Banheira

Projecto Integrado da Baixa da Banheira Projecto Integrado da Baixa da Banheira 1. INTRODUÇÃO O Projecto Integrado da Baixa da Banheira nasce de uma parceria entre a Câmara Municipal da Moita e o ICE tendo em vista induzir as Associações da

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

Consultores de Políticas Comunitarias

Consultores de Políticas Comunitarias Documento de Trabalho para a Programação 2014-2020: RESUMO DO DIAGNÓSTICO SOCIOECONÓMICO DA ZONA DE COOPERAÇÃO 16 de outubro de 2013 1. RESUMO DA ANÁLISE DO CONTEXTO ECONÓMICO, SOCIAL E TERRITORIAL DA

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Parceiros Estratégicos: Hospital Particular do Algarve CONFERÊNCIA TURISMO 2020 PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Turismo e Fundos Comunitários. Que futuro? O caso do Algarve

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

15 de Dezembro de 2011_FF/DASAJ

15 de Dezembro de 2011_FF/DASAJ !"#!$! %&' ( 1 O Conselho Local de Ação Social de Évora, adiante designado por CLASE, é um órgão local de concertação e congregação de esforços, que emana da REDE SOCIAL e preconiza no seu objeto, assegurar

Leia mais

A Escola e o Poder Local O Conselho Municipal de Educação Ana Albuquerque Escola Secundária Fr. Rosa Viterbo - Sátão

A Escola e o Poder Local O Conselho Municipal de Educação Ana Albuquerque Escola Secundária Fr. Rosa Viterbo - Sátão A Escola e o Poder Local O Conselho Municipal de Educação Ana Albuquerque Escola Secundária Fr. Rosa Viterbo - Sátão Em Portugal, o sistema educativo tem-se caracterizado por uma forte tendência centralizadora

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

Recorda-se aqui o quadro de referência das tipologias de serviços de acção social abrangidas por este estudo.

Recorda-se aqui o quadro de referência das tipologias de serviços de acção social abrangidas por este estudo. 10. ACÇÃO SOCIAL Quadro de referência de serviços e equipamentos de proximidade Recorda-se aqui o quadro de referência das tipologias de serviços de acção social abrangidas por este estudo. Incidência

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA ÍNDICE 1- DIAGNÓSTICO SÍNTESE: IDEIAS-CHAVE 1.1 - DINÂMICA POPULACIONAL 1.2 EDUCAÇÃO

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 26 de Setembro de 2003 Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 PORTUGAL A análise dos movimentos pendulares

Leia mais

Território e Coesão Social

Território e Coesão Social Território e Coesão Social Implementação da Rede Social em Portugal continental 2007 a 2008 (4) 2003 a 2006 (161) 2000 a 2002 (113) Fonte: ISS, I.P./DDSP/UIS Setor da Rede Social Desafios relevantes no

Leia mais

4. OPÇÕES METODOLÓGICAS E ESTRATÉGIA DE PESQUISA

4. OPÇÕES METODOLÓGICAS E ESTRATÉGIA DE PESQUISA Diagnóstico Social do Concelho de Arcos de Valdevez 4. OPÇÕES METODOLÓGICAS E ESTRATÉGIA DE PESQUISA Fotografia 4.1. Ponte de Vilela Diagnóstico Social do Concelho de Arcos de Valdevez 63 Conforme enunciado

Leia mais