O ENSINO DAS VARIANTES LINGUÍSTICAS EM LÍNGUA ESPANHOLA: UMA ANÁLISE SOBRE SUA IMPORTÂNCIA NA APRENDIZAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ENSINO DAS VARIANTES LINGUÍSTICAS EM LÍNGUA ESPANHOLA: UMA ANÁLISE SOBRE SUA IMPORTÂNCIA NA APRENDIZAGEM"

Transcrição

1 O ENSINO DAS VARIANTES LINGUÍSTICAS EM LÍNGUA ESPANHOLA: UMA ANÁLISE SOBRE SUA IMPORTÂNCIA NA APRENDIZAGEM Tatiana Stéfani dos Santos¹ 1 Profa. Ms. María Teresita Campos Avella² 2 RESUMO: Este artigo analisa, a partir de pesquisas bibliográficas, a importância do ensino das variantes da Língua Espanhola para um melhor aprendizado desta língua e com o intuito de buscar uma estratégia motivadora de abordagem do tema. Este trabalho contempla um estudo feito sobre algumas das variantes semânticas, lexicais, fonéticas e fonológicas, a partir de uma pesquisa bibliográfica, uma análise do livro didático Hacia Español utilizado no meio acadêmico e uma análise sobre falas gravadas de nativos hispanos. A pesquisa e as análises evidenciaram a importância desse aprendizado e a falta de meios de pesquisa disponíveis para os alunos que necessitem de mais informações sobre o tema e de materiais que abranjam de maneira criativa as variantes linguísticas da Língua Espanhola. Palavras-chave: variantes linguísticas; Língua Espanhola; ensino de língua Espanhola. RESUMEN: Este artículo analiza, a partir de una búsqueda bibliográfica, la importancia de la enseñanza de las variedades de Lengua Española para un mejor aprendizaje de esta lengua y con el intuito de buscar una estrategia motivadora de abordaje del asunto. Este trabajo contempla un estudio hecho sobre algunas de las variedades semánticas, léxicas, fonéticas y fonológicas, a partir de una búsqueda bibliográfica, un análisis del libro didáctico Hacia Español utilizado en medio académico y un análisis sobre hablas grabadas de nativos hispanos. La búsqueda y los análisis evidenciaran la importancia de ese aprendizaje y la falta de medios de búsqueda disponibles para los alumnos que necesitan de más informaciones sobre el asunto y de materiales que abarquen de manera creativa las variedades lingüísticas de la Lengua Española. Palabras-clave: variedades lingüísticas; Lengua Española; enseñanza de lengua Española. 1 Acadêmica do curso de Especialização em Letras (Língua, Literatura e Tradução em Espanhol) da Universidade Tuiuti do Paraná 2 Professora do curso de Especialização em Letras (Língua, Literatura e Tradução em Espanhol) da Universidade Tuiuti do Paraná e orientadora do artigo.

2 1 INTRODUÇÃO Como estudante e professora de língua espanhola pude observar que embora os alunos brasileiros (de todo os níveis) alcancem um nível lingüístico satisfatório, alguns aspectos ainda lhes são estranhos. Isto me impulsionou a buscar explicações para a falta de motivação e para a falta de alguns conhecimentos pendentes muito importantes para a aprendizagem da língua espanhola, neste caso específico, as variantes linguísticas do espanhol. Em minha opinião, este é um elemento que poderia ser muito importante para atrair os estudantes a um conhecimento profundo da língua que aprendem, neste caso, a Língua Espanhola. Este tema envolve não somente as variantes semânticas, lexicais, fonéticas e fonológicas, mas também a questão do pluralismo cultural e a formação de identidades culturais, como por exemplo, um dos elementos que pode comprovar isso é o uso do pronome vos, que além de variante, distingue certas regiões e apresenta diferenças de prestígio dependendo da região de uso. No Paraguai, por exemplo, apesar de já aparecerem em propagandas, o voseo ainda é considerado vulgar pela elite assim como no Chile; e na Argentina, não há nenhum preconceito quanto ao uso, sendo utilizado até mesmo nos meios de comunicação e na literatura. Ou seja, por mais que se saiba da existência deste fenômeno linguístico (quando ele é ensinado, pois foram observadas poucas referências sobre tal fenômeno linguístico), este conhecimento é totalmente superficial em cada um nos níveis de ensino de ELE. Dadas essas observações, foi constatada a importância da aprendizagem das variantes da língua espanhola para o completo aprendizado da mesma e a partir desta constatação surgiu a questão de como ensinar as variantes da língua espanhola de maneira motivadora, proporcionando um ensino mais completo da mesma. Para refletir melhor essa questão, pensaremos primeiro em como é realizado o ensino de língua espanhola no Brasil, os conceitos sobre os diversos tipos de variação linguística e a importância do ensino dessas variantes.

3 2 O ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA NO BRASIL Segundo pesquisas bibliográficas, Irala (2004) em seu texto A opção da variedade de Espanhol por professores em serviço e pré-serviço, nos diz que a ascensão do ensino da Língua Espanhola na década de noventa trouxe reflexões sobre assuntos de ordem teórico-práticas, como a falta de material didático e de corpo docente. Superadas estas questões iniciais, surgiu o questionamento sobre a adequação dos objetivos propostos com a inserção do novo idioma e a opção de qual variedade deveria ser adotada como parâmetro no ensino da Língua Espanhola. Embora a ciência linguística tenha evoluído, a questão da gramática normativa, como unificadora, ainda povoa o pensamento de muitos docentes. Por sua formação acadêmica, o professor deve possuir conhecimentos gerais de Linguística e o entendimento de que não existem variantes inferiores: toda variação no uso de uma língua é lógica, complexa e regida por regras gramaticais. O que leva à escolha de uma como superior às demais são considerações culturais ou políticas (LOBATO, 1986, p.26). 3 Dada esta citação se pode dizer que, na verdade, cada uma das variantes está condicionada a fatos sociais e históricos do país ou região a que se referem e que uma não poderia ser melhor que outra, pois correspondem ao país de onde proveem e do fato de como elas surgiram. A noção de prestígio que a variedade peninsular tem, está também presente no panorama histórico da América Espanhola e é preservada inclusive por hispano-americanos. Ao investigar a variedade de Espanhol ensinada na cidade de São Paulo, Bugel (1998) constatou que muitos professores, até mesmo os nativos latino-americanos, renunciaram suas variantes para chegar numa língua padrão mais próxima do espanhol peninsular. Porém, Bartaburu (2002) nos mostra que nem o espanhol peninsular é padronizado, devido aos movimentos migratórios constantes ao longo da história que desencadearam várias línguas como o Basco, o Galego e o Catalão. 3 Trecho retirado do livro Sintaxe Gerativa do Português, 1986.

4 Portanto, é perfeitamente comum que haja particularidades específicas no espanhol da América, que podem ser de diversos domínios como o fonético, morfológico, sintático e léxico. Porém, o prestígio que o espanhol peninsular possui sobre as variantes americanas é reflexo da própria língua materna, como nos relata Bagno (1999, p.30), É nosso eterno trauma de inferioridade, nosso desejo de nos aproximarmos, o máximo possível, do cultuado padrão ideal, que é a Europa. Com esta citação, Bagno quer nos mostrar que o responsável pelo prestígio europeu sobre os demais foi a própria história, mais exatamente na época da colonização quando as colônias eram sujeitadas as metrópoles. Porém hoje, muitos séculos depois, a história deveria ser diferente. Principalmente quando estamos no Brasil, um país imerso no continente americano, onde o ensino da Língua Espanhola recomeçou nos anos 90, pois já existia no antigo colegial na década de 40 e seu ensino era diretamente do espanhol da Espanha. Devido às relações do MERCOSUL (década de 90), muitas pessoas, por razões profissionais, foram procurar centros de ensino hispano-americanos ou em institutos, como por exemplo, o Instituto Cervantes, devido as suas relações com a Espanha. Porém, não se pode dizer que o espanhol que provem da Espanha ou o espanhol que provem da América Latina é melhor. Os dois com suas variantes têm suas especificidades que demonstram a cultura do país. No caso do estudo da Língua Espanhola no Brasil temos uma peculiaridade: a diversidade de fronteiras com países de fala hispânica. Com relação a isto, LIMA & SILVA (2001) nos aponta que ao desconsiderar o contato com as variantes dos países vizinhos, acaba-se gerando dificuldades de comunicação entre nativos devido ao aprendizado de variedades de palavras de norma peninsular, servindo de obstáculo para o estudante brasileiro. Sendo assim, não se podem desconsiderar as variantes americanas, pois são essenciais para uma comunicação real e coerente entre brasileiros e latino-americanos. Daí a importância de tê-las em conta na hora de estudar a Língua Espanhola, seja nos cursos de Licenciatura em Letras com habilitação em Espanhol ou nos centros de Língua. Atualmente podemos observar que as variantes adotadas, dependendo muito do tipo de instituição, variam de acordo com o professor, os professores nativos fazem

5 uso de suas próprias variantes; e os professores brasileiros, ou adotam as variantes que lhe foram ensinadas, ou as quais tiveram mais contato devido a experiências pessoais ou profissionais. 3 CONCEITOS DE VARIAÇÃO LINGUÍSTICA A partir do estudo Variação Linguística, um princípio da evolução da língua de ASSUNÇÃO, tal termo se refere ao modo pelo qual uma língua se diferencia de acordo com o contexto histórico, geográfico e sócio-cultural no qual os falantes da língua em questão se manifestam verbalmente. Segundo este estudo, existem múltiplos fatores que originam as variações, dentre eles podemos classificá-los com as seguintes denominações: Dialetos (variações de fala de comunidades geograficamente definidas), Socioletos (variações de fala de comunidades socialmente definidas, estes estão condicionados a linguagem padrão estandardizada em função da comunicação pública e midiática, e pela educação), Idioletos ( variações particulares de uma pessoa, ou seja, é o vocabulário especializado e/ou a gramática de uma área profissional, por exemplo), Etnoletos (variações de um determinado grupo étnico) e Ecoletos (variações particulares adotadas por uma família). Variações como dialetos, socioletos e idioletos podem ser distinguidas pelos campos lexicais, fonéticos, fonológicos e sintáticos. É normal, em uma linguagem sistemática e coerente, ocorrerem formas diferentes de se efetuar a língua, uma vez que variam no espaço (variação diatópica), no tempo (variação diacrônica) e no indivíduo. Adotando como exemplo, o Português Brasileiro, notamos, em pessoas de regiões diferentes do Brasil, algumas características próprias, como nas falas dos interioranos de São Paulo que possui o r retroflexo, e na fala dos nordestinos que possui as vogais o e e bem mais abertas. Lembremos que aqui estamos falando de um país de grande extensão territorial. No caso da Língua Espanhola, não poderia ser diferente, afinal este idioma é falado oficialmente em 21 países distribuídos entre quatro continentes, são cerca de 400 milhões de pessoas falando espanhol no mundo. Além desta distribuição geográfica que favorece as variações, a Espanha, assim como outros países, possui

6 ainda a influência de outras línguas, como o catalão, o vasco, o galego-português e o valenciano. Voltando ao estudo de ASSUNÇÃO, as diferenças que existem dentro de uma mesma comunidade de fala são inegáveis, à medida que se avança no espaço geográfico vão se assinalando essas diferenças. Da mesma forma se constatam diferenças dentro de uma mesma área geográfica, resultante das diferenças sociológicas tais como educação, profissão, grupos sociais, entre outros. Tudo isso interfere e modela a fala. A língua pode expressar, em suas manifestações concretas de fala, diferentes variantes produzidas por distintas causas que são produzidas pelo processo de comunicação: Variações diacrônicas (tal qual os seres vivos a língua possui um ciclo de vida, ela nasce, cresce, se reproduz e morre. Este processo explica as variações da língua no decorrer dos anos, ou seja, a evolução que ocorre na língua através das diferentes épocas, como por exemplo, na idade medieval ou clássica quando se falava fermosa, termo que existiu até o século XV e que a partir do Século de Ouro evoluiu para hermosa); Variações diatópicas (as línguas também são condicionadas pela sua geografia, ou seja, pelo lugar em que são faladas. Isto explica a diversidades de dialetos e falas locais, como por exemplo, o voseo característico da Argentina, do Uruguai e do Paraguai); Variações diafásicas (cada ato comunicativo exige que o falante selecione um determinado nível de língua para poder se adequar aos seus interlocutores. Isto explica a existência de um nível formal e informal ou coloquial. Este tipo de variação depende do nível sócio-cultural, do tipo de comunicação que se queira estabelecer ou do âmbito de interação social); e Variações diastráticas (o nível cultural do falante justifica o nível de linguagem empregado, fazendo distinção entre um nível vulgar e um nível culto). Estas variações podem ocorrer simultaneamente. Sendo a comunicação verbal, oral ou escrita, podemos destacar que a comunicação oral é mais direta e primária e que a comunicação escrita é uma substituta da comunicação oral, representando os sons da fala por meio de letras e caracteres. Porém há outras diferenças entre elas que dizem respeito aos níveis morfossintáticos, léxico-semânticos e fônicos. Na comunicação oral, além da informação linguística é comum que se dê informações suplementarias, como gestos e

7 entonações, é frequente o uso de palavras com valor dêitico, e embora seja fundamentalmente bilateral ela pode ser unilateral. 3.1 ESPANHOL DA AMÉRICA Partindo do estudo de CONCEIÇÃO PINTO Considerações sobre a origem e a caracterização do espanhol americano, o espanhol da América possui uma realidade linguística bastante complexa, nele, diferentemente do espanhol da Europa, não há delimitação de dialetos definíveis. Alguns estudiosos como Alonso Zamora Vicente (1967), acreditam em uma uniformidade entre o espanhol americano e o espanhol peninsular; já outros autores como Henríquez Ureña ou José Pedro Rona, ressaltam a diversidade e a complexidade do espanhol da América. Normalmente falamos em espanhol da América, porém Rafael Lapesa (1964) nos adverte que não é somente uma forma do espanhol do continente americano: a fala cubana não é igual à argentina, nem a fala de um mexicano o guatemalteco é igual à de um peruano ou chileno. Pode-se argumentar, por exemplo, que as variantes de Cuba são muito semelhantes àquelas das Ilhas Canárias devido à imigração. Já em outros países da América não é assim. Estamos diante da expansão mais transcendente da língua espanhola, a que proporciona ao idioma sua enorme extensão. Iniciou-se ao final do século XV; teve como prólogo a ocupação das ilhas Canárias (descobertas no final do século XIV), que se incorporaram a coroa castelhana entre 1479 e A colonização linguística foi realizada por falantes andaluzes, pois eram a maioria. A mesma coisa ocorreu na América. O período de conquista e colonização da América foi bastante rápido. Até 1540 já se pode dá-la por concluída (Império Asteca, Inca, México, Lima, Centro América, Bogotá, Venezuela, Chile e Rio da Prata). Muitas das línguas autóctones desapareceram diante do avanço do castelhano; motivos religiosos salvarão algumas línguas originárias, como o nahua, o quechua e o guarani. Permaneceram, ainda, algumas línguas ilhadas, daqueles povos que não tiveram contato com os colonizadores. As línguas indígenas aportaram elementos ao léxico espanhol.

8 3.1.1 A IMPORTÂNCIA DE APRENDER AS VARIANTES LINGUÍSTICAS No estudo Ensino do espanhol no Brasil: o caso das variedades linguísticas, SILVA & CASTEDO afirmam que Andrés Bello, que havia se posto a favor da preservação da unidade da língua, chegou a afirmar No se crea que recomendando la conservación del castellano sea mi ánimo tachar de vicioso y espurio todo lo que es peculiar de los americanos (MORENO FERNANDEZ, 2000: p. 80). Partindo desta perspectiva, há a possibilidade de tomar como modelo o espanhol da Espanha, ou o da região mais próxima (devido a limites geográficos) ou o que se tenha maior afinidade (neste caso, pode haver influências de um professor nativo de determinada região ou país); outros fatores que devem ser salientados são os propósitos dos alunos, como por exemplo, interesse em ir a um determinado país, por motivos profissionais, ou pessoais; ou por motivos de trabalho no seu próprio país. O uso da norma culta neutraliza a fragmentação, porém a norma é única aos falantes da língua espanhola, comprovando então que, estas variedades permitem a homogeneidade da língua e a criação de uma língua geral e acessível a todos. Neste mesmo trabalho, Lhote (1995) nos diz que aceitar a variabilidade dentro de uma mesma língua é ser um ouvinte atento. É claro, que muitas vezes os professores não conhecem todas as variedades da língua espanhola, pois esta possui uma extensão territorial muito grande, porém deveriam ser ensinadas as mais recorrentes as mais utilizadas e mais próximas da região do aluno e incentivar o aluno a buscar mais informações sobre estas variantes. Conceição Pinto (2006) lançou uma proposta interessante sobre o ensino da língua espanhola, onde no que se refere às zonas de contato direto com o idioma espanhol, ele propõe que o professor ensine as variedades que os alunos terão mais contato, tomemos como exemplo o Paraná, devido à disposição geográfica, os professores poderiam ensinar as variedades do Paraguai e da Argentina, pois são os países com os quais o Paraná faz divisa. Já nas zonas de contato indireto, onde não há divisas com países hispânicos, o professor deve adotar outras variedades, mas sempre com o objetivo de mostrar aos alunos o maior número de variedades possíveis, para que estes aumentem seu horizonte de conhecimento sobre o idioma estudado. Levando

9 em conta que o interesse dos alunos por tal idioma de estudo podem ser os mais diversos, o professor pode até adotar uma variedade específica, porém nunca deve limitar o conhecimento do aluno em relação a outras variantes. Dadas essas constatações, podemos verificar que não há dúvidas quanto à importância do ensino das variantes linguísticas da Língua Espanhola para uma aprendizagem mais atrativa e, principalmente, mais plena. E podemos concluir que o aluno precisa dispor de mais meios que abarquem este assunto para que o mesmo possa encontrar maiores informações caso necessite. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS O ensino das variações linguísticas da Língua Espanhola ainda é abordado de maneira superficial nos livros didáticos utilizados no curso de letras da Universidade Tuiuti do Paraná. Embora haja muitos estudiosos que ressaltem a importância deste tema para o pleno aprendizado da língua em questão, faltam materiais para abranger este tema fora dos livros didáticos. Esta pesquisa permitiu verificar, através de pesquisas bibliográficas e análises de áudios, a importância e a numerosidade das variantes linguísticas na Língua Espanhola e como elas podem contribuir na aprendizagem do aluno de maneira motivadora. E também, pudemos constatar a necessidade de pesquisa sobre este tema por parte dos alunos e a partir disso, pudemos fundamentar nosso estudo. 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSUNÇÃO, Vera Lúcia. Variação lingüística, uma realidade de nossa língua. Monografia disponível em: Acesso em: 4 jun BAGNO, M. (1999). Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola. BENTES, Ana Cristina (org.) Introdução à Lingüística domínios e fronteiras. Cortez: São Paulo, 2001.

10 BUGEL, Tália e SANTOS, H. S. (a sair), As atitudes e representações do espanhol no Brasil e a expansão das indústrias da língua no país. In.: CONCEIÇÃO PINTO, Carlos Felipe da; IRALA, Valesca Brasil (eds.), Um dossiê de estudos lingüísticos hispânicos. CAMACHO, Roberto Gomes. Sociolingüística. In: MUSSALIN, Fernanda & CONCEIÇÃO PINTO, Carlos Felipe da (2006). Los brasileños en Brasil: qué español deben aprender?. In.: Actas Del III Simposio Internacional De Didáctica Del Español Para Extranjeros José Carlos Lisboa. Rio de Janeiro: Instituto Cervantes, p CONCEIÇÃO PINTO, Carlos Felipe da. Considerações sobre a origem e a caracterização do espanhol americano. Artigo disponível em: IRALA, Valesca B., 2004, A opção da variedade de Espanhol por professores em serviço e pré-serviço, Linguagem & ensino. v7. nº II: JAVIER CUBERO, Francisco. La diversidad lingüística en España. Artigo disponível em: Acesso em: 24 fev LOBATO, L. Sintaxe gerativa do português. Belo Horizonte: Vigília, RAE, Diccionario de la Real Academia Español. Disponível em: Acesso em: 4 jun RODRÍGUEZ, Alfredo Maceira. Espanhol da Espanha e espanhol da América. Artigo disponível em: Acesso em: 4 jun VENÂNCIO DA SILVA, Bruno R. C.; CASTEDO, Bruna M. de. Ensino do Espanhol no Brasil: O caso das variedades lingüísticas Artigo disponível em: Acesso em: 25 fev

ENSINO DO ESPANHOL NO BRASIL: O CASO DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS. Bruno Rafael Costa Venâncio da Silva billnoriega@hotmail.com

ENSINO DO ESPANHOL NO BRASIL: O CASO DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS. Bruno Rafael Costa Venâncio da Silva billnoriega@hotmail.com ENSINO DO ESPANHOL NO BRASIL: O CASO DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Bruno Rafael Costa Venâncio da Silva billnoriega@hotmail.com Tatiana Maranhão de Castedo Professora do CEFET RN/ Zona Norte tatimaranhao@hotmail.com

Leia mais

FERNÁNDEZ, Francisco Moreno. Qué español enseñar? Madrid: Arco/Libros, 2000. 95 p.

FERNÁNDEZ, Francisco Moreno. Qué español enseñar? Madrid: Arco/Libros, 2000. 95 p. FERNÁNDEZ, Francisco Moreno. Qué español enseñar? Madrid: Arco/Libros, 2000. 95 p. Adja Balbino de Amorim BARBIERI DURÃO Universidade Estadual de Londrina O livro resenhado Qué español enseñar?, de Francisco

Leia mais

A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA

A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA Tassiana Quintanilha de Souza (G CLCA UENP/CJ) Denise da Silva de Oliveira (Orientadora CLCA UENP/CJ) RESUMO: Este artigo visa discorrer sobre a formatação

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Introdução. La historia no es un frígido museo; es la trampa secreta de la que estamos hechos, el tiempo. En el hoyestán los ayeres

Introdução. La historia no es un frígido museo; es la trampa secreta de la que estamos hechos, el tiempo. En el hoyestán los ayeres Introdução La historia no es un frígido museo; es la trampa secreta de la que estamos hechos, el tiempo. En el hoyestán los ayeres (Jorge Luis Borges) O objeto de estudo desta pesquisa consiste na história

Leia mais

O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira

O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira O ensino da cultura nos livros didáticos de Espanhol como Língua Estrangeira Cleide Coelho MARTINS 1, Lucielena Mendonça de LIMA 2 cleidecmartins@gmail.com INTRODUÇÃO Quando aprendemos ou ensinamos uma

Leia mais

O mundo lá fora oficinas de sensibilização para línguas estrangeiras

O mundo lá fora oficinas de sensibilização para línguas estrangeiras O mundo lá fora oficinas de sensibilização para línguas estrangeiras Ligia Paula Couto (Universidade Estadual de Ponta Grossa) Introdução Este artigo relatará a experiência de um grupo de alunos e professores

Leia mais

A LITERATURA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE LE

A LITERATURA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE LE A LITERATURA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE LE Carina de Jesus Mota CONSIDERAÇÕES INICIAIS A importância da literatura no ensino/aprendizagem de uma língua estrangeira é um ponto que deve ser analisado

Leia mais

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE METODOLOGIA PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS E ALFABETIZAÇÃO FORMAÇÃO DE DOCENTES

Leia mais

ANÁLISE DE MATRIZES CURRICULARES DE CURSOS DE PEDAGOGIA/LICENCIATURA: A PESQUISA NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

ANÁLISE DE MATRIZES CURRICULARES DE CURSOS DE PEDAGOGIA/LICENCIATURA: A PESQUISA NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ANÁLISE DE MATRIZES CURRICULARES DE CURSOS DE PEDAGOGIA/LICENCIATURA: A PESQUISA NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Solange Maria Santos Castro PPGE UECE Anne Heide Vieira Bôto UECE Ivo Batista

Leia mais

AS TIC S NO ENSINO DA CULTURA NAS AULAS DE E/LE

AS TIC S NO ENSINO DA CULTURA NAS AULAS DE E/LE AS TIC S NO ENSINO DA CULTURA NAS AULAS DE E/LE Maria Lidiane Araújo Silva (UFS) 1 Givaneide Santos de Jesus (UFS) 2 INTRODUÇÃO O artigo em questão objetiva mostrar de maneira clara e simples o que são

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA MELHORIA DO ENSINO

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA MELHORIA DO ENSINO A MODELAGEM MATEMÁTICA NA MELHORIA DO ENSINO (1) José Hélio Henrique de Lacerda; (2) Maria Claudia Coutinho Henrique; (3) Davis Matias Oliveira. (1) Universidade Estadual da Paraíba, heliohlacerda@gmail.com

Leia mais

O tratamento da variação lexical nos dicionários

O tratamento da variação lexical nos dicionários O tratamento da variação lexical nos dicionários Mônica Emmanuelle Ferreira de Carvalho UFMG INTRODUÇÃO Em 2005, com a sanção da lei 11.161 (05/08/2005), pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva, foi

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LIMA, Márcia Regina Canhoto de - FCT/UNESP marcialima@fct.unesp.br LIMA, José Milton de - FCT/UNESP miltonlima@fct.unesp.br ORLANDI, Leonardo

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1 CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1 FABRI, Ana Sophia 2 ; RANGEL, Eliane 3 ; BARIN, Nilsa Reichert 4 1 Artigo final produzido no PROBIC- Projeto de bolsisita

Leia mais

Aspectos importantes da realização de Feiras de Ciências na Educação Básica.

Aspectos importantes da realização de Feiras de Ciências na Educação Básica. Aspectos importantes da realização de Feiras de Ciências na Educação Básica. Identificação: Carolina Luvizoto Avila Machado, bióloga, coordenadora de projetos na Abramundo Educação em Ciências. Murilo

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS Adriana Cristina Cristianini (USP, UNIBAN) dricris@usp.br Márcia Regina Teixeira

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

DIFERENÇAS LINGUÍSTICAS E A ESCOLARIZAÇÃO DE ÍNDIOS SURDOS: EXPERIÊNCIAS DO BRASIL E DO MÉXICO 1

DIFERENÇAS LINGUÍSTICAS E A ESCOLARIZAÇÃO DE ÍNDIOS SURDOS: EXPERIÊNCIAS DO BRASIL E DO MÉXICO 1 DIFERENÇAS LINGUÍSTICAS E A ESCOLARIZAÇÃO DE ÍNDIOS SURDOS: EXPERIÊNCIAS DO BRASIL E DO MÉXICO 1 Me. Luciana Lopes Coelho Faculdade de Educação Universidade Federal da Grande Dourados Eixo Temático: Política

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como?

Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como? Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como? Patrícia Moura Pinho 1 Resumo: O presente texto trata da questão da alfabetização e as discussões teóricas e didáticas acerca da mesma, principalmente

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto O fato de um livro sobre o racismo ter sido organizado por um lingüista revela um ramo fecundo

Leia mais

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2013 Trabalho utilizado como requisito parcial da disciplina Métodos de Pesquisa em Psicologia André

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA

ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 PROJETO LUDICIDADE NA ESCOLA DA INFÂNCIA ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO

Leia mais

As religiões na escola

As religiões na escola G E R A Ç Õ E S E V A L O R E S Estudos As religiões na escola Se a escola tem por missão colaborar na formação integral do aluno, então não pode ignorar nenhuma das suas dimensões específicas, sob pena

Leia mais

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA Daricson Caldas de Araújo (IFPE) daricsoncaldas@gmail.com RESUMO Este artigo de revisão de literatura

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 Resumo: O presente relato é fruto de uma experiência do componente curricular

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

UMA HISTÓRIA EM COMUM ENTRE CUBA E ESPANHA

UMA HISTÓRIA EM COMUM ENTRE CUBA E ESPANHA RESENHAS UMA HISTÓRIA EM COMUM ENTRE CUBA E ESPANHA Por Diogo Roiz 1 FRAGINALS, Manuel Moreno. Cuba/Espanha, Espanha/Cuba. Uma história comum. Tradução de Ilka Stern Cohen. Bauru/SP: Edusc, 2005, 374p.

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA GT 01 - Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Maria Gorete Nascimento Brum - UNIFRA- mgnb@ibest.com.br

Leia mais

Autor(es) PAULA CRISTINA MARSON. Co-Autor(es) FERNANDA TORQUETTI WINGETER LIMA THAIS MELEGA TOMÉ. Orientador(es) LEDA R.

Autor(es) PAULA CRISTINA MARSON. Co-Autor(es) FERNANDA TORQUETTI WINGETER LIMA THAIS MELEGA TOMÉ. Orientador(es) LEDA R. 9º Simposio de Ensino de Graduação INVESTIGANDO OS CONHECIMENTOS PRÉVIOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO INTERIOR DE SÃO PAULO Autor(es) PAULA CRISTINA MARSON

Leia mais

MEDIADORES TECNOLÓGICOS E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. CARTOGRAFIA DE UM CASO FRENTE AOS DESAFIOS NO CONTEXTO AMAZÔNICO

MEDIADORES TECNOLÓGICOS E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. CARTOGRAFIA DE UM CASO FRENTE AOS DESAFIOS NO CONTEXTO AMAZÔNICO MEDIADORES TECNOLÓGICOS E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. CARTOGRAFIA DE UM CASO FRENTE AOS DESAFIOS NO CONTEXTO AMAZÔNICO Jucimara Canto Gomes, Zeina Rebouças Corrêa Thomé Universidade Federal do Amazonas jucimaracanto@hotmail.com

Leia mais

DISCUSSÃO SOBRE A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA E SUA ATUAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS E SUA PRÁTICA DOCENTE

DISCUSSÃO SOBRE A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA E SUA ATUAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS E SUA PRÁTICA DOCENTE DISCUSSÃO SOBRE A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA E SUA ATUAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS E SUA PRÁTICA DOCENTE Antonio Veimar da Silva 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar os conhecimentos

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

O que o Brasil pode aprender com o sucesso acadêmico de Cuba? Martin Carnoy Stanford University

O que o Brasil pode aprender com o sucesso acadêmico de Cuba? Martin Carnoy Stanford University O que o Brasil pode aprender com o sucesso acadêmico de Cuba? Martin Carnoy Stanford University A pesquisa Em estudo realizado em 1997 pela UNESCO, os alunos cubanos tiraram notas muito mais altas em linguagem

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

JANGADA IESC ATENA CURSOS

JANGADA IESC ATENA CURSOS JANGADA IESC ATENA CURSOS MÁRCIA INÊS DE OLIVEIRA DA SILVA SURDEZ PROJETO DE PESQUISA Passo Fundo 2015 TEMA: Surdez DELIMITAÇÃO DO TEMA: O Tema delimita-se a inclusão de crianças surdas nas escolas de

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano.

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Aula: 1.1 Conteúdo: - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Habilidades: - Conhecer a origem e história da língua

Leia mais

FATORES INOVADORES NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE LÍNGUA ESPANHOLA

FATORES INOVADORES NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE LÍNGUA ESPANHOLA FATORES INOVADORES NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE LÍNGUA ESPANHOLA que utiliza como instrumento inovador a produção de textos na língua espanhola, ou seja, desenvolver uma metodologia no processo de construção

Leia mais

Responsabilidades e ações do coordenador de curso. Profa. D.Sc. Antonia de Maria Filha Ribeiro

Responsabilidades e ações do coordenador de curso. Profa. D.Sc. Antonia de Maria Filha Ribeiro Responsabilidades e ações do coordenador de curso Profa. D.Sc. Antonia de Maria Filha Ribeiro EMENTA: Devera aborda as responsabilidades e o impacto das ações dos coordenadores sobre a grade curricular,

Leia mais

1. Introdução. Página 1 de 7

1. Introdução. Página 1 de 7 O ESPAÇO DOS HOMENS PLENOS: FERNANDO SALINAS, A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ARQUITETURA DO ISPJAE / CUBA E A PERSPECTIVA DE FORMAÇÃO OMNILATERAL Fábio Fernandes Villela, Doutor em Sociologia

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino

O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino Wérica Pricylla de Oliveira VALERIANO 1 Mestrado em Educação em Ciências e Matemática wericapricylla@gmail.com

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

LEITURA E LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

LEITURA E LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS LEITURA E LÍNGUA ESTRANGEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luziana de Magalhães Catta Preta PG/ UFF Nesta comunicação, conforme já dito no título, desejamos apresentar os resultados parciais de uma pesquisa

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE UM MODELO DE FORMAÇÃO CONTINUADA NA TRANSFORMAÇÃO DE CRENÇAS RELACIONADAS À RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

A INFLUÊNCIA DE UM MODELO DE FORMAÇÃO CONTINUADA NA TRANSFORMAÇÃO DE CRENÇAS RELACIONADAS À RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS EM MATEMÁTICA A INFLUÊNCIA DE UM MODELO DE FORMAÇÃO CONTINUADA NA TRANSFORMAÇÃO DE CRENÇAS RELACIONADAS À RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Liane Geyer Poggetti Mathema Formação e Pesquisa liane@sitelogo.com.br Maria

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais

DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Vanessa Faoro UNIJUÍ - vanefaoro@yahoo.com.br Kelly Pereira Duarte UNIJUÍ kelly_duartee@yahoo.com.br

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS. Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail.

O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS. Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail. O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail.com RESUMO Este artigo tem como objetivo refletir sobre as abordagens do

Leia mais

ELABORAÇÃO E APLICAÇÃO DA OFICINA PARA ALUNOS DO 3º ANO

ELABORAÇÃO E APLICAÇÃO DA OFICINA PARA ALUNOS DO 3º ANO ELABORAÇÃO E APLICAÇÃO DA OFICINA PARA ALUNOS DO 3º ANO Alayse Alcântara de Oliveira 3 (UFS) Márcia de Jesus Araujo 4 (UFS) CONSIDERAÇÕES INICIAIS O referido trabalho é fruto do grupo de pesquisa intitulado

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

Perspectivas: língua portuguesa

Perspectivas: língua portuguesa Perspectivas: língua portuguesa Episódio: Oralidade e escrita Resumo O episódio Oralidade e escrita apresenta projetos desenvolvidos por professores de língua portuguesa com turmas de 7ª série (atual 8º

Leia mais

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA 500 PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA Renata Aparecida de Freitas 1 FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Lorena - SP Este trabalho

Leia mais

O Museu Dom Bosco como patrimônio cultural e atrativo turístico. The Dom Bosco Museum as cultural heritage and tourist attraction

O Museu Dom Bosco como patrimônio cultural e atrativo turístico. The Dom Bosco Museum as cultural heritage and tourist attraction O Museu Dom Bosco como patrimônio cultural e atrativo turístico The Dom Bosco Museum as cultural heritage and tourist attraction MILTON AUGUSTO PASQUOTTO MARIANI Doutor em Geografia pela USP. Coordenador

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO QUANTO É? Danielle Ferreira do Prado - GEEM-UESB RESUMO Este trabalho trata sobre um trabalho que recebeu o nome de Quanto é? que foi desenvolvido depois de vários questionamentos a cerca de como criar

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores QUAL A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DO PROFESSOR DE ALFABETIZAÇÃO? Maria Cristina Da Silva Gomes, Eduardo

Leia mais

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 Helker Silva Paixão 2 Universidade Federal de Lavras helkermeister@gmail.com Patrícia Nádia Nascimento Gomes 3 Universidade Federal de Lavras paty.ufla@yahoo.com.br

Leia mais

O CURRÍCULO PROPOSTO PARA A ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS ESCOLAS ITINERANTES DO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA NO PARANÁ.

O CURRÍCULO PROPOSTO PARA A ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS ESCOLAS ITINERANTES DO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA NO PARANÁ. O CURRÍCULO PROPOSTO PARA A ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS ESCOLAS ITINERANTES DO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA NO PARANÁ. CAMPOS, Eronilse de F átima- (BIC/UNICENTRO SAPELLI, Marlene

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DO ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (ELE) EM LIVROS DIDÁTICOS (LDS) PARA O MUNDO DO TRABALHO

O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DO ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (ELE) EM LIVROS DIDÁTICOS (LDS) PARA O MUNDO DO TRABALHO O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DO ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (ELE) EM LIVROS DIDÁTICOS (LDS) PARA O MUNDO DO TRABALHO Luciana de Carvalho 1 Este estudo propõe refletir sobre o funcionamento discursivo

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NUMA ESCOLA DO CAMPO

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NUMA ESCOLA DO CAMPO eliane.enaile@hotmail.com Introdução Nos últimos anos, as reflexões realizadas sobre a alfabetização têm mostrado que a aquisição da escrita é um processo complexo e multifacetado. Nesse processo, considera

Leia mais

O livro didático, a identidade do aprendiz brasileiro de língua espanhola e. a multiculturalidade

O livro didático, a identidade do aprendiz brasileiro de língua espanhola e. a multiculturalidade O livro didático, a identidade do aprendiz brasileiro de língua espanhola e a multiculturalidade Lucimar Araújo Braga (Universidade Estadual de Ponta Grossa) A implementação do ensino da língua espanhola

Leia mais

MEU MUNDO INTEGRADO: ELABORAÇÃO DE VÍDEO EDUCATIVO SOBRE O PERCURSO DO LÁPIS

MEU MUNDO INTEGRADO: ELABORAÇÃO DE VÍDEO EDUCATIVO SOBRE O PERCURSO DO LÁPIS MEU MUNDO INTEGRADO: ELABORAÇÃO DE VÍDEO EDUCATIVO SOBRE O PERCURSO DO LÁPIS Orlando José PINTO NETO; Rosana Alves Ribas MORAGAS e-mail: orlando_neto_1@hotmail.com; rosanarmoragas@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

CONTEXTUALIZANDO AS OPERAÇÕES COM SINAIS DOS NÚMEROS INTEIROS RELATO DE EXPERIÊNCIA.

CONTEXTUALIZANDO AS OPERAÇÕES COM SINAIS DOS NÚMEROS INTEIROS RELATO DE EXPERIÊNCIA. 9 CONTEXTUALIZANDO AS OPERAÇÕES COM SINAIS DOS NÚMEROS INTEIROS RELATO DE EXPERIÊNCIA. Adriana A. Silva Éderson O. Passos INTRODUÇÃO Vergnaud (1982) propôs, em sua Teoria dos Campos Conceituais, que o

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

Carta do editor. Linguagem & Ensino, Vol. 7, No.2, 2004 (11-16) LARVAS OU BORBOLETAS?

Carta do editor. Linguagem & Ensino, Vol. 7, No.2, 2004 (11-16) LARVAS OU BORBOLETAS? Linguagem & Ensino, Vol. 7, No.2, 2004 (11-16) Carta do editor LARVAS OU BORBOLETAS? À medida que fui preparando os textos para esta edição de Linguagem & Ensino, fui me dando conta de que perpassa os

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

II Jornadas Internacionales Sociedades Contemporáneas, Subjetividad y Educación. 9, 10 y 11 de abril de 2014 ISBN 978-987-3617-11-9

II Jornadas Internacionales Sociedades Contemporáneas, Subjetividad y Educación. 9, 10 y 11 de abril de 2014 ISBN 978-987-3617-11-9 A PERCEPÇÃO DO GESTOR SOBRE OS PROFISSIONAIS DAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS DOURADOS/MS. PERCEPCIÓN DEL GESTOR DE LOS PROFESIONALES DE LAS CLASES RECURSOS MULTIFUNCIONALES EN DOURADOS/MS. Autores:

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

BLOG DE EDUCAÇÃO FÍSICA: APRESENTANDO O PIBID AO MUNDO

BLOG DE EDUCAÇÃO FÍSICA: APRESENTANDO O PIBID AO MUNDO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DOCENTE DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DOCENTE DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DOCENTE DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA Marília Lidiane Chaves da Costa Universidade Estadual da Paraíba marilialidiane@gmail.com Introdução

Leia mais

O ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA: UM DESAFIO PARA UMA LINGUAGEM COMUNICATIVA

O ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA: UM DESAFIO PARA UMA LINGUAGEM COMUNICATIVA O ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA: UM DESAFIO PARA UMA LINGUAGEM COMUNICATIVA BRUTTI, Elizane Aparecida 1 CONTRI, Andréia Mainardi 2 ZAMBERLAN, Eliane Luiza 3 Resumo do trabalho: Considerando a importância

Leia mais

DISCUSSÕES A RESPEITO DA IMPORTÂNCIA DA CULTURA E DA IDENTIDADE NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS.

DISCUSSÕES A RESPEITO DA IMPORTÂNCIA DA CULTURA E DA IDENTIDADE NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil Carmen Teresa Kaiber kaiber@ulbra.br ULBRA/RS, Brasil Modalidade:

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA DE GRADUAÇÃO / POSGRADUAÇÃO / MESTRADO E DOUTORADO / PESSOAL ACADEMICO FELLOW-MUNDUS Edital de Seleção de bolsas Fellow Mundus. 01.2015

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 64 A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 Edson da Silva Santos e-mail: edsonsporte@hotmail.com Bolsista FAPESB, Bacharelando

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS Mirian Vieira Batista Dias Universidade Federal de São Carlos/Secretaria

Leia mais

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO Marcos Luchi 1 (UFSC) Fabíola Sucupira Ferreira Sell 2

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais