Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed"

Transcrição

1 Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed

2 1 Sumário Apresentação...2 Introdução... 4 Justificativa...5 Conceitos...8 Objetivo Geral...9 Objetivo Específico...10 Áreas de Atuação...11 Formas de Atuação Estrutura da Equipe Terceirização de Serviços Critérios de Inclusão e Exclusão Formas de Captação Monitoramento...20 Perfil Epidemiológico Indicadores de Desempenho Considerações Finais... 24

3 2 Apresentação O Comitê Nacional de Medicina Preventiva nasceu na primeira edição do Seminário Nacional de Medicina Preventiva realizado pela Central Nacional Unimed, em junho de As idéias apontadas no encontro foram: a padronização das ações preventivas, as diretrizes e uma identificação da Medicina Preventiva pelo Sistema Unimed. Sendo assim, o grupo possui um importante papel na coordenação e disseminação de ações de Medicina Preventiva, a fim de evidenciar as vantagens da promoção de saúde e prevenção de doenças na qualidade de vida dos clientes e comunidade em geral. Tal necessidade se estabelece a partir do entendimento do contexto em que se situa a prestação de serviços de saúde, que se traduz em: Busca da fidelização e satisfação dos clientes; Custos crescentes da assistência; Regulamentação progressiva e rigorosa (Resolução Normativa RN 94, Instrução Normativa IN 10, Lei N 9961 e Lei N 9656). Frente a estes desafios, a implantação de um Programa de Medicina Preventiva apresenta-se como uma nova proposta, ampliando o conceito de cuidados para além do tratamento de doentes, a promoção da saúde, onde estejam incluídos os gerenciamentos de fatores de riscos e de casos crônicos por meio de protocolos sustentados cientificamente por intervenções da Medicina baseada em evidências. Esse manual fornece informações básicas sobre a implantação desse novo setor dentro de cada singular. Entretanto, cada cooperativa poderá e deverá realizar as adaptações necessárias para atender às características locais. Ao contrário do que se possa se imaginar, a Medicina Preventiva não tem a finalidade de afastar os usuários dos consultórios dos cooperados, mas sim, ser um apoio aos profissionais para que os clientes possam ter um atendimento de maior qualidade, melhorando sua saúde e aumentando o valor da marca Unimed.

4 O Comitê de Medicina Preventiva é constituído por profissionais responsáveis pelas áreas de Medicina Preventiva da Central Nacional Unimed, Federação Paraná, Federação Santa Catarina, Unimed Bauru, Unimed Belo Horizonte, Unimed Campinas, Unimed Curitiba, Unimed Florianópolis, Unimed Fortaleza, Unimed Goiânia, Unimed Guarulhos, Unimed Lages, Unimed Litoral Santa Catarina, Unimed Londrina, Unimed Nova Friburgo, Unimed Nova Iguaçu, Unimed Pindamonhangaba, Unimed Piracicaba, Unimed Porto Alegre, Unimed Salto Itu, Unimed Santa Bárbara d Oeste, Unimed Seguros, Unimed Sergipe, Unimed Sul de Minas, Unimed Uberlândia, Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo, Unimed Vale dos Sinos e Unimed Vitória. 3

5 4 Introdução Sigerist (1946) define quatro propostas essenciais para assistência médica: promoção da saúde, prevenção de doenças, a recuperação dos enfermos e a sua reabilitação. Leavell e Clark (1965) desenvolvem o modelo de história natural da doença, com três níveis possíveis de atuação preventiva, a ser visto no tópico Prevenção de Doenças. O processo de transição demográfica, com o progressivo envelhecimento da população e a mudança da incidência de patologias, com diminuição acentuada das doenças infecto-contagiosas e o crescimento contínuo das enfermidades crônico-degenerativas (patologias cardiovasculares e neoplasias) promoveu o questionamento do modelo de atendimento em saúde em meados da década de 70. Em maio de 1974 foi divulgado no informe Lalonde o documento A New Perspective on the Health of Canadians, que reúne os conceitos determinantes de saúde como: Estilo de Vida; Biologia Humana; Ambiente e Organização dos Serviços de Saúde, considerando os três primeiros os mais importantes. Assim, nos últimos 25 anos, são lançadas as bases para o desenvolvimento de políticas públicas de incentivo às atividades de promoção da saúde e prevenção de doenças.

6 5 Justificativa Como em outros países, o Brasil iniciou, há algumas décadas, um acentuado processo de mudança no perfil das moléstias capazes de determinar mortalidade em nossa população. Com o crescente processo de urbanização e conseqüente melhoria dos serviços de saneamento básico, observou-se uma diminuição do percentual dos casos de doenças infecto-contagiosas. Entretanto, ao mesmo tempo, observa-se uma acentuada mudança do estilo de vida da população das grandes cidades. O uso do tabaco e do álcool impulsiona-se, atingindo camadas cada vez mais jovens da população, além de drogas consideradas ilegais. Os casos diagnosticados de neoplasias, diabetes mellitus, hipertensão arterial e outras doenças cardiovasculares aumentaram significativamente. Além disso, o crescente número de pacientes com excesso de peso corporal projeta a necessidade de se esperar um maior número de doenças degenerativas para um futuro próximo. Apresenta se, assim, um quadro semelhante ao de outros países, com grande prevalência de patologias degenerativas. Mas ao contrário de outros países do primeiro mundo, acompanhado de problemas típicos de nações em desenvolvimento, com acentuado número de casos de tuberculose pulmonar, hanseníase, dengue, malária e outras patologias infecciosas. O surgimento do Código do Direito do Consumidor, destinado a regular as relações entre empresas e consumidores e posterior criação da Agência Nacional de Saúde Suplementar, trouxe a questão do relacionamento entre clientes e operadoras de planos de saúde para o debate diário. A implantação da Lei 9656 pela ANS, com a determinação da ampliação das coberturas contratuais e conseqüente aumento dos custos, tornou o quadro ainda mais nebuloso.

7 6 Outros fatores que causam descompasso financeiro são o contínuo processo de incorporações tecnológicas, com o uso de materiais e medicamentos cada vez mais sofisticados e caros, associado ao grande número de usuários portadores de patologias crônico-degenerativas, a maioria em idades avançadas, que representam custos elevados pela necessidade de exames complementares, procedimentos e internações. Cria-se, assim, uma situação de extrema dificuldade para as operadoras: Baixo crescimento da carteira de clientes; Índices de reajuste considerados insatisfatórios pelas operadoras; Envelhecimento progressivo da população, que obriga o uso cada vez maior dos serviços, impactando nos custos operacionais das empresas prestadoras de atendimento. Diante desse quadro, as operadoras de planos de saúde iniciam uma nova abordagem da assistência médica, com ênfase na promoção da saúde, prevenção de doenças e gerenciamento de pacientes crônicos. Vários serviços são criados, com as mais variadas denominações, procurando estimular ações voltadas ao novo tema. Confirmando a importância dessa nova visão, a ANS divulgou em novembro de 2004 o processo de Qualificação da Saúde Suplementar. Esse processo está baseado em quatro diretrizes básicas: Instituir a qualidade como marca na Saúde Suplementar; Construção do setor da Saúde Suplementar como pertencente ao campo da produção da saúde; Maior integração da agenda da ANS com o Ministério da Saúde; Ter a qualificação da Saúde Suplementar como o encontro dos diversos interesses do setor. No aspecto relativo ao acompanhamento da qualificação das operadoras, passam a ser avaliadas as seguintes dimensões de funcionamento: Atenção à Saúde; Estrutura e Operação; Econômico-Financeira; Satisfação do Beneficiário.

8 7 Destas quatro dimensões, o aspecto Atenção à Saúde tem peso específico de 50 %, que demonstra a importância dada ao tema pela ANS, tornando-se uma recomendação legal. Assim, investimentos em Medicina Preventiva decorrem da necessidade de se controlarem os custos crescentes da assistência médica dentro do modelo assistencial médico.

9 8 Conceitos Promoção de Saúde São fatores relacionados à qualidade de vida, com um padrão adequado de alimentação e nutrição, de habitação e saneamento, boas condições de trabalho, oportunidades de educação ao longo de toda vida, ambiente físico limpo, apoio social para famílias e indivíduos, estilo de vida responsável e um espectro adequado de cuidados de saúde. Caracteriza-se, também, pelo desenvolvimento de hábitos, comportamentos e condições de vida que levem indivíduos e comunidades a atingir e preservar o melhor nível de saúde, dependentes do nível de informação, conscientização e motivação. Visa modificar condições de vida para que sejam dignas e adequadas. Aponta para a transformação dos processos individuais de tomada de decisão, favoráveis à qualidade de vida. O alvo de sua atuação é toda a comunidade, no seu ambiente total, com estratégias diversas e complementares, sendo as medidas incentivadoras oferecidas à população, com o objetivo de mudar a situação dos indivíduos e de seu ambiente (Stachtchenko & Jenicek, 1990). Prevenção de Doenças Tem como foco uma doença específica. Orienta-se às ações de detecção, controle e enfraquecimento dos fatores de risco ou fatores causais de uma patologia ou de um grupo de enfermidades.

10 9 Os alvos principais são os grupos de alto risco da população, com estratégia única e medidas impostas a grupos alvo, focando indivíduos e grupos de pessoas, evolvendo patologias específicas. Os executores dos programas são profissionais de saúde. (Stachtchenko & Jenicek, 1990) Leavell & Clark (1965) desenvolveram o modelo de história natural da doença, que comportaria três níveis de prevenção. Conceitos de prevenção primária, secundária e terciária: PREVENÇÃO PRIMÁRIA São as estratégias usadas para prevenir a exposição a um determinado risco ou para promover sua cessação. Também podem ser definidas como atos destinados à diminuição da incidência de uma doença numa população, eliminando os fatores de risco e o surgimento de novos casos. PREVENÇÃO SECUNDÁRIA É realizada por meio de rastreamento para identificação de uma determinada doença em um estágio inicial (diagnóstico precoce) e, em conseqüência, melhorar seu prognóstico. São os atos destinados à diminuição da prevalência de uma doença numa população, reduzindo sua evolução e duração. É de fundamental importância para a saúde pública e para a prática clínica, beneficiando os indivíduos com a detecção precoce das doenças. PREVENÇÃO TERCIÁRIA É o processo de prevenção da incapacidade por meio de medidas de reabilitação. São atos destinados à diminuição da prevalência das incapacidades crônicas numa população, reduzindo, ao mínimo, as deficiências funcionais consecutivas à doença.

11 10 10 Objetivo Geral Promover a qualidade de vida dos clientes por meio da promoção e proteção à saúde. Objetivo Específico Promoção da saúde dos usuários Melhoria da qualidade de vida Fidelização do cliente Cumprimento das recomendações propostas pela ANS Educação dos cooperados Prevenção de complicações de doenças crônicas Redução dos custos assistenciais

12 11 Áreas de Atuação As singulares poderão realizar atividades de promoção à saúde e prevenção de doenças para clientes de planos empresariais ou individuais, além de estímulo aos cuidados com saúde na população em geral. Como o campo de atuação dentro do aspecto da promoção da saúde é extremamente amplo, podemos citar algumas iniciativas em eventos governamentais, públicos e privados. ATUAÇÃO PARA CLIENTES UNIMED Todos os usuários Unimed devem ser convidados a conhecer o serviço, sendo informados sobre a proposta de atuação nos eventos de orientação, promoção da saúde e prevenção de doenças. Formas de convite: mala direta, imprensa local, médicos cooperados e Sipats (Semana Interna de Prevenção à Acidentes de Trabalho). Formas de Atuação ATUAÇÃO JUNTO AOS CLIENTES PESSOA-FÍSICA Estabelecer o perfil epidemiológico dos clientes; Levantar quais as causas de internação dos usuários por meio dos serviços de pronto-atendimento; Identificar os clientes que apresentam sinistralidade elevada; Implementar equipe multidisciplinar; Adotar estratégia de Marketing para educar clientes e cooperados; Realizar monitoramento e gerenciamento de crônicos.

13 12 ATUAÇÃO JUNTO AOS CLIENTES PESSOA-JURÍDICA Idenficar perfil de risco e situação de saúde de todos os funcionários; Apresentar resultado a empresa e definir em conjunto as ações; Seguir as mesmas etapas da atuação junto a clientes pessoa-física.

14 13 Estrutura da Equipe Esta organização será definida conforme cada singular. PARTICIPAÇÃO DO MÉDICO Consulta médica com um atestado para liberar as atividades em grupo; Responsabilidade pelas consultas terapêuticas; Avaliação clínica dos pacientes, pelo menos uma vez ao ano; Apoio aos demais membros da equipe, quando necessário; Avaliação de desempenho dos grupos. PARTICIPAÇÃO DO ENFERMEIRO Consulta de enfermagem; - Investigação sobre fatores de risco e hábitos de vida. - Estratificação do risco individual. - Medida de pressão arterial. - Realização de exames. - Orientação sobre a doença, o uso de medicamentos e seus efeitos adversos. - Avaliação de sintomas e orientações sobre hábitos de vida pessoais e fa- miliares. Acompanhamento do tratamento dos pacientes; Encaminhamento ao médico, pelo menos anualmente, e com maior freqüência nos casos em que, por exemplo, a pressão arterial não estiver devidamente controlada (ou na presença de outras intercorrências); Administração do serviço (controle de retornos, busca de faltosos e controle de consultas agendadas); Delegação das atividades do técnico/auxiliar de enfermagem.

15 14 PARTICIPAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS Recepção de pacientes; Controle e agendamento de consultas e reuniões; Cartões de identificação do paciente; Obrigatoriedade do registro de todos os dados do paciente em prontuário; Reuniões periódicas com a equipe buscando uniformização de procedimentos e linguagem; Gerenciamento das atividades. PARTICIPAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL Avaliar as condições sociais do doente, emitindo parecer social e elaborando diagnóstico do impacto socioeconômico do cuidado; Responsável pela avaliação contínua de todas as etapas do programa; Percepção e acompanhamento das dificuldades do grupo e formação do elo multiprofissional; Atendimento aos familiares e cuidadores com orientações e encaminhamentos especifícos para recursos sociais da comunidade; Procurar e viabilizar redes de apoio para atendimento das demandas dos doentes que não dispõem de familiares; Responsável por estabelecer parcerias interinstitucionais que possibilitem atender adequadamente as demandas do paciente; Coordenação de encontros com grupos de cuidadores/familiares. PARTICIPAÇÃO DO NUTRICIONISTA Promover a reeducação alimentar individual ou em grupos, tendo em vista o objetivo de cada paciente; Avaliar a situação socioeconômica da população alvo, a fim de unir orientação nutricional, necessidades e poder aquisitivo; Analisar os riscos individuais, mesmo quando a reeducação nutricional for promovida em grupo; Fazer anamnese alimentar, diagnóstico nutricional, prescrição e orientação dietética, levando em consideração a interação de alimentos e/ou nutrientes com medicamentos; Acompanhar a evolução de cada paciente individualmente.

16 15 PARTICIPAÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA Programação, planejamento, coordenação, supervisão, condução e avaliação das atividades físicas (individuais e em grupo) dos clientes, adequandose às realidades locais e às características específicas de cada indivíduo; Participa da equipe multidisciplinar que atua no departamento de promoção à saúde, orientando e sensibilizando os participantes dos grupos sobre a importância da atividade física; Programação e execução de projetos relacionados à saúde, destinados à comunidade, conduzindo as atividades físicas e realizando palestras com objetivo educacional. PARTICIPAÇÃO DO PSICÓLOGO Consulta de psicologia; - Avaliação e tratamento de aspectos emocionais que interfiram na qualidade de vida do paciente, seu nível de estresse e a adesão ao tratamento global da suas patologias. - Avaliação de como o paciente processa a informação quanto à saúde, para que o método de comunicação com ele seja devidamente individualizado e o plano de mudanças de hábitos de vida seja mantido. Atendimento a familiares para facilitar a mudança de hábitos de vida do paciente e a adesão ao tratamento; Assessoria a outros profissionais, para esclarecer a melhor abordagem ao paciente; Condução do grupo de apoio para a harmonia da equipe; Atendimento a grupos de pacientes, possibilitando a inovação e a adequação de modelos que viabilizem a adesão ao tratamento instituído; Estratificação do risco individual. PARTICIPAÇÃO DO TERAPEUTA OCUPACIONAL Consulta do Terapeuta Ocupacional; - Realizar entrevista e anamnese junto ao paciente, e se necessário junto à família. - Avaliação e tratamento dos aspectos físicos, sensoriais e/ou psíquicos,

17 16 e dificuldade de adaptação ao meio em decorrência de disfunções ou de outros processos que venham a desencadear prejuízos a saúde biopsicossocial do paciente. - Estabelecer objetivos terapêuticos. - Selecionar e aplicar métodos, técnicas e recursos apropriados ao tratamento e adequados à realidade socioeconômica e cultural do paciente. Desenvolvimento do trabalho com o paciente em atividades que devem ser previamente analisadas e avaliadas podendo ser expressivas, lúdicas, artesanais, da vida diária, psicopedagógicas, profissionalizantes, entre outros; Atendimento individual e em grupo.

18 17 Terceirização de Serviços Define-se terceirização como a contratação de profissionais para a realização de serviços complementares utilizando o conhecimento dos mesmos de forma rápida e prática, com competência e otimização de custos. Podem ser terceirizados os serviços profissionais de enfermagem, nutrição, psicologia, educação física, assistência social, fisioterapia e terapia ocupacional. Critérios de Inclusão e Exclusão CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Pacientes já selecionados e elegíveis para o Programa: São contatados pela equipe; Passam por uma entrevista de admissão que deverá ser feita por profissional especializado; Deverão assinar o Termo de Adesão(no caso de impossibilidade, seu representante legal assinará); Deverão entregar, também, o regulamento do Programa (normas e responsabilidades); Terão um médico assistente (cooperado) responsável; Devem ser cadastrados internamente em sistema específico para acompanhamento (verificar intercorrências / novas internações).

19 18 CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO Quando não cumprir as normas/regulamentos e ou condições do Termo de Adesão; Por iniciativa própria; Perder o direito ao convênio médico; Se não atingir as metas do programa, perda de benefícios; Por óbito.

20 19 Formas de Captação MEDICINA PREVENTIVA CAPTAÇÃO MÉDICO COOPERADO Clinica Médica Endocrinologia Cardiologia CLIENTES EMPRESAS Campanhas CLIENTE PESSOA FÍSICA Mala Direta Sala de Espera do Atendimento RELATÓRIOS GERENCIAIS Internação Pronto-Atendimento Laboratório Próprio Médico cooperado; Equipe de auditoria médica; Equipe de auditoria de enfermagem; Home Care; Gestão de contrato; Médico orientador da entrevista qualificada; Campanhas gerenciais; Relatórios de utilização; Indicação do departamento do setor de autorização; Visita hospitalar. Recomenda-se que, exceto a captação por meio de um de médico cooperado, todas as demais possuam anuência do médico assistente pelo encaminhamento por formulário especifico ou receituário próprio.

21 20 Monitoramento Os programas de Gerenciamento em Saúde têm em sua finalidade, o acompanhamento sistemático, periódico e padronizado de indivíduos com determinadas características epidemiológicas. É especialmente aplicado para acompanhamento das chamadas Doenças Crônico-Degenerativas. O gerenciamento de Doenças Crônicas surge como uma maneira de manter os indivíduos sob acompanhamento constante, proporcionando ações de prevenção e intervenção precoce. A identificação, captação e categorização dos indivíduos permite hierarquizar o estágio da doença e estabelecer padrões de acompanhamento (níveis de monitoramento) adequados a cada situação, de forma que permite a mensuração de resultados.

22 21 Perfil Epidemiológico O conhecimento do perfil epidemiológico é essencial para a elaboração de um programa de ações preventivas a serem desenvolvidas e aplicadas em cada singular. A definição do perfil epidemiológico pode ser executada por meio da análise de: CID 10, utilização de consultas, questionários, exames complementares, internações hospitalares, declaração de saúde e cobertura de agravo. Todas as ferramentas têm pontos positivos e negativos que deverão ser avaliados, considerando as características de cada singular. Os dados subsidiarão a proposta de ações e o estabelecimento de indicadores para a posterior análise de resultados. O questionário também é um recurso que pode contribuir para o levantamento dos riscos e, a partir daí, elaborar estratégias preventivas. Porém, são pesquisas que necessitam de validade e dispositivos de confirmação de respostas para evitar respostas falsas.

23 22 Indicadores de Desempenho O processo de qualificação baseia-se em indicadores organizados segundo as dimensões de atenção à Medicina Preventiva e à satisfação do beneficiário. A construção dos indicadores foi pautada por informações já existentes nos sistemas da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), tendo como parâmetros índices nacionais, internacionais e definições técnicas. A proposta de avaliação de qualidade da Medicina Preventiva terá como princípios norteadores: - A avaliação do impacto das ações de Medicina Preventiva na população alvo; - As perspectivas do sistema; -A avaliação de maneira sistemática e progressiva, com explicitação dos critérios utilizados para a construção dos indicadores. INDICADORES DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE CONFORME DEFINIÇÃO DA ANS: Taxa de prematuridade Taxa de natimortalidade Taxa de internações por complicações no período de puerpério Taxa de internação por transtornos maternos na gravidez Taxa de parto cesáreo Taxa de citologia oncótica de colo de útero Taxa de mamografia Taxa de exame PSA (antígeno prostático específico) Taxa de pesquisa de sangue oculto nas fezes Taxa de internações por Diabetes Mellitus (DM)

24 23 Taxa de internações para amputação de membro inferior por DM Taxa de internações por Doenças Cerebrovasculares Taxa de internações por Hipertensão Taxa de internações por Infarto Agudo do Miocárdio Taxa de internações por Neoplasia Maligna de Cólon e Reto Taxa de internações por Neoplasia Maligna de Colo de Útero Taxa de internações por Neoplasia Maligna de Mama Feminina Taxa de internações por Neoplasia Maligna de Próstata Taxa de mortalidade por Hipertensão Taxa de mortalidade por Infarto Agudo do Miocárdio Taxa de mortalidade materna Taxa de mortalidade por Diabetes Mellitus Taxa de mortalidade por Doenças Cerebrovasculares Taxa de mortalidade por Neoplasia Maligna de Colo de Útero Taxa de mortalidade por Neoplasia Maligna de Cólon e Reto Taxa de mortalidade por Neoplasia Maligna de Mama Feminina Taxa de mortalidade por Neoplasia Maligna de Próstata INDICADORES DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS BENEFICIÁRIOS: Por meio de pesquisa qualitativa dos clientes inseridos nos programas de Medicina Preventiva. INDICADORES DE UTILIZAÇÃO: Número de consultas/ ano; Número de exames/ consulta; Média de dias de internação hospitalar; Sinistralidade; Número de consultas de urgência e emergência; Realização de exames complementares de alto custo.

25 24 Considerações Finais Promoção da saúde e qualidade de vida por meio de um conceito único, integrado e forte. Esta foi a missão Comitê Nacional Unimed de Medicina Preventiva quando foi criado. Este manual é a clara expressão do trabalho realizado pelo grupo desde então. Um documento que poderá servir de base para as ações de Medicina Preventiva do Sistema Unimed, apresentando informações técnicas e procedimentos de operacionalização. A Medicina Preventiva tem ocupado um importante papel nas cooperativas Unimed. A atenção dispensada nesta área resulta na positiva opinião dos clientes identificada como um grande diferencial da Unimed frente à concorrência. As sugestões apresentadas aqui fundamentam a imagem de cooperativa sólida e confiável que refletem a identidade do Sistema além de evidenciar o compromisso assumido pela Unimed no mercado em que atua. Orientações e propostas que poderão ser aplicadas em nível nacional. Uma consolidação que demonstra o dinâmico crescimento dos programas de Medicina Preventiva por todo o território nacional e a grande preocupação das Unimeds com a prevenção da saúde de seus clientes.

26 Alameda Santos, º andar CEP São Paulo - SP

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar.

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar. IV Seminário de Promoçã ção o da Saúde e Prevençã ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar I Seminário de Atençã ção à Saúde Suplementar Dezembro 2007 Área de Atençã ção à Saúde da Mulher Marco Regulatório

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 020/CT/2013 Assunto: Solicitação de parecer técnico sobre a solicitação de mamografia de rastreamento por Enfermeiro nas instituições de saúde. I - Do Fato Trata-se de expediente encaminhado

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÁGIO PARA ALUNOS DA UFCSPA

PROGRAMA DE ESTÁGIO PARA ALUNOS DA UFCSPA PROGRAMA DE ESTÁGIO PARA ALUNOS DA UFCSPA 1) Justificativa Os estágios, curriculares ou não, têm a finalidade de proporcionar a complementação da formação universitária e constam de atividades de prática

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Diretriz Promover ações de saúde que contribuam

Leia mais

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica Programa 0011 PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER E ASSISTÊNCIA ONCOLÓGICA Objetivo Indicador(es) Promover a prevenção, a detecção precoce dos tipos de câncer prevalentes e a assistência à população para reduzir

Leia mais

QUESTOES DE CONCURSO

QUESTOES DE CONCURSO QUESTOES DE CONCURSO 1. Com o envelhecimento populacional, um dos maiores desafios das políticas de saúde é alcançar um equilíbrio entre o apoio ao autocuidado, o apoio informal (familiares e amigos) e

Leia mais

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil A implementação clínicas na atençã experiências inter A implementação de diretrizes da saúde supleme clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso da saúde suplementar no Brasil A implementação

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL RELATÓRIO FINAL TEMA CENTRAL Saúde e Qualidade de Vida: Política de Estado e Desenvolvimento DIRETRIZES PROPOSTAS PELAS OFICINAS TEMÁTICAS PARA COLOMBO, BIÊNIO 2007-2009, APROVADAS

Leia mais

Públicos de Interesse. Promoção da Saúde na empresa 004 Qualidade no Atendimento 006 Ações de Relacionamento 012

Públicos de Interesse. Promoção da Saúde na empresa 004 Qualidade no Atendimento 006 Ações de Relacionamento 012 A empresa Governança Estratégia Visão da Sustentabilidade Públicos de Interesse Desempenho Públicos de Interesse Promoção da Saúde na empresa 004 Qualidade no Atendimento 006 Ações de Relacionamento 012

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1 ANEXO DA RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277 Página 1 ANEXO I Dimensão Nome da Quantitativo Dimensão de Itens Peso Nota Mínima Programa de Dimensão 1 Melhoria da Qualidade 11 1 70 PMQ Dimensão 2 Dinâmica da

Leia mais

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013.

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. Exmo Sr. Dr. Maurício Pessutto MD Procurador da República Procuradoria da República em Santa Catarina Rua Pascoal Apóstolo Pitsica, nº 4876, torre

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS I. IDENTIFICAÇÃO DA OPERADORA Nº de registro da operadora: II. CARACTERIZAÇÃO DA OPERADORA (Aspectos Epidemiológicos)

Leia mais

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde da Unimed SJC O Núcleo de Ação Integral à Saúde (NAIS) é o setor responsável pela promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Consulta Pública nº 01/2016

Consulta Pública nº 01/2016 MAPA CONCEITUAL MATRIZ POR COMPETÊNCIAS Figura 1. Mapa conceitual da estrutura de matriz por competências As ações-chave podem ser desdobradas ainda (de acordo com o nível de especificidade de uma matriz

Leia mais

Crescimento a partir da década de 60 Medicinas de grupo Décadas de 70 e 80 outras modalidades assistenciais. seguradoras (SUSEP)

Crescimento a partir da década de 60 Medicinas de grupo Décadas de 70 e 80 outras modalidades assistenciais. seguradoras (SUSEP) Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar DANIELLE CONTE ALVES Especialista em Regulação Abril 2010 Setor Suplementar de Saúde no Brasil Crescimento a partir da década de 60

Leia mais

GERENCIAMENTO de Casos Especiais

GERENCIAMENTO de Casos Especiais GERENCIAMENTO de Casos Especiais Gerenciamento de Casos Especiais.indd 1 19/10/2015 15:32:28 Gerenciamento de Casos Especiais Objetivo: Facilitar o atendimento aos clientes que apresentam dificuldades

Leia mais

PROJETO DA GERÊNCIA-GERAL TÉCNICO-ASSISTENCIAL DOS PRODUTOS PARA AÇÕES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS NA SAÚDE SUPLEMENTAR

PROJETO DA GERÊNCIA-GERAL TÉCNICO-ASSISTENCIAL DOS PRODUTOS PARA AÇÕES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS NA SAÚDE SUPLEMENTAR AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA DE NORMAS E HABILITAÇÃO DOS PRODUTOS GERÊNCIA-GERAL TÉCNICO-ASSISTENCIAL DOS PRODUTOS PROJETO DA GERÊNCIA-GERAL TÉCNICO-ASSISTENCIAL DOS PRODUTOS PARA AÇÕES

Leia mais

PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE SECCIONAIS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO: UM MODELO PROPOSTO

PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE SECCIONAIS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO: UM MODELO PROPOSTO PROJETO DE IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE SECCIONAIS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO: UM MODELO PROPOSTO Maria do Socorro Mendes Gomes Rosylane Nascimento das Mercês Rocha Painel 50/176 Política Integrada

Leia mais

Proposta Especialidade NEUROFUNCIONAL segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade NEUROFUNCIONAL segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade NEUROFUNCIONAL segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade É o domínio dos

Leia mais

Pagamento por Performance: Uma proposta para o Sistema Unimed

Pagamento por Performance: Uma proposta para o Sistema Unimed Pagamento por Performance: Uma proposta para o Sistema Unimed Revendo o Sistema Unimed: Novas alternaivas, São Paulo, 05 de agosto de 2010 Dr. Paulo Borém Agenda Conceitos e fundamentos iniciais Fundamentação

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NAS EMPRESAS

IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NAS EMPRESAS IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NAS EMPRESAS O QUE É... SAÚDE? PREVENÇÃO DE DOENÇA STATUS DE SAÚDE?? PROMOÇÃO DE SAÚDE QUALIDADE DE VIDA? BEM-ESTAR? FELICIDADE Sâmia Simurro SAÚDE...Estado

Leia mais

Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE

Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE FINALIDADE A Secretaria de Serviços Integrados de Saúde, órgão de direção especializada, subordinada ao diretor-geral da Secretaria do Tribunal,

Leia mais

1. Assistência à Saúde da Criança e do Adolescente

1. Assistência à Saúde da Criança e do Adolescente MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS www.ufvjm.edu.br PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR SUBSTITUTO DEPARTAMENTO: Enfermagem

Leia mais

JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE

JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE JUDICIALIZAÇÃO NA SAÚDE História Recente na Saúde Suplementar Planos de Saúde Contratos Código do Consumidor Planos de Saúde = relação de consumo Lei dos Planos Obrigação de Coberturas

Leia mais

e-mail: jose.marques@ufjf.edu.br

e-mail: jose.marques@ufjf.edu.br PROGRAMA DE CAMINHADA ORIENTADA Prof.Dr. José Marques Novo Júnior 1 (*) Prof.Dr. Jorge Roberto Perrout de Lima 1 Prof.Ms. Marcelo de Oliveira Matta 1 Profa.Ms. Lílian Pinto da Silva 2 Profa.Dra. Elizabeth

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

Estrutura do Grupo. 253 colaboradores. 32 milhões de faturamento ano. Estamos em Florianópolis-SC, Vitória-ES e São Paulo-SP

Estrutura do Grupo. 253 colaboradores. 32 milhões de faturamento ano. Estamos em Florianópolis-SC, Vitória-ES e São Paulo-SP Junho 2013 Estrutura do Grupo 253 colaboradores 32 milhões de faturamento ano Estamos em Florianópolis-SC, Vitória-ES e São Paulo-SP case Gestão compartilhada Plano dos Servidores Públicos Estaduais de

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral

Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO GERAL DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

Atenção Primária de Saúde e Determinantes Sociais da Saúde

Atenção Primária de Saúde e Determinantes Sociais da Saúde Atenção Primária de Saúde e Determinantes Sociais da Saúde Alberto Pellegrini Filho Centro de Estudos, Políticas e Informação sobre DSS CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ. APS e os DSS Os Determinantes Sociais da

Leia mais

Hospital Unimed Ribeirão Preto. Ribeirão Preto

Hospital Unimed Ribeirão Preto. Ribeirão Preto Hospital Unimed Workshop ANS Laboratório de Inovação da Saúde Suplementar Dr. Antonio Issa Coordenador Geral do NAS Núcleo de Atenção à Saúde Unimed NAS Objetivo do NAS foi unir os setores em um único

Leia mais

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos.

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. TÍTULO DA PRÁTICA: Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. CÓDIGO DA PRÁTICA: T80 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14

Leia mais

AÇÕES SOCIAIS CATEGORIA SAÚDE

AÇÕES SOCIAIS CATEGORIA SAÚDE VOLTADO À COMUNIDADE MAMAMÓVEL VOLTADOS AOS COLABORADORES FITNESS VIVENDO COM SAÚDE GINÁSTICA LABORAL(GL) PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PROBLEMAS RELACIONADOS AO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS

Leia mais

CARTA ABERTA DE COMPROMISSO

CARTA ABERTA DE COMPROMISSO CARTA ABERTA DE COMPROMISSO Prezado Sr. Secretário Geral, A Responsabilidade Social Empresarial é prioridade da Unimed Sul Capixaba Cooperativa de Trabalho Médico desde 2003. É intrínseca aos valores da

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 011/CT/2015 Assunto: solicitação de parecer técnico sobre a legalidade da realização de glicemia capilar (HGT) por parte do enfermeiro na rede de serviços de saúde ambulatoriais, pré-hospitalares

Leia mais

Doutorado em Ciências da saúde, ciências biológicas ou áreas afins e portadores do título de graduação em curso da área da saúde ou biológicas.

Doutorado em Ciências da saúde, ciências biológicas ou áreas afins e portadores do título de graduação em curso da área da saúde ou biológicas. Anexo I - Edital nº 94/20 Concurso Docente Lotação: Instituto de Ciências da Saúde, Regime de Trabalho de Dedicação Exclusiva.- e 1 vaga em regime de 40 horas Tema do Nº de Pontos das Provas Escrita e

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD)

PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD) Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD) Autores

Leia mais

RECURSOS E SERVIÇOS UNIMED GOIÂNIA

RECURSOS E SERVIÇOS UNIMED GOIÂNIA RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS PRIOS II UNIMED GOIÂNIA Goiânia, 24/08/2012 RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS PRIOS II Dr. Pedro Jorge Leite Gayoso de Sousa Diretor de Recursos e Serviços Próprios II Dr. Maurício

Leia mais

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente.

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente. GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRÍTO SANTO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL Nº 1 SESA/ES,

Leia mais

SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR)

SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR) SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR) Preliminarmente, cabe lembrar que a concessão dos Serviços Médicos e Complementares pela Universidade de São

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões:

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões: SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: o Pronto Socorro Adulto de Taubaté teve seu funcionamento aprovado pela Vigilância Sanitária Estadual. O documento

Leia mais

Bairro: Município: UF: CEP: Telefone: Tipo de Atividade Realizada na Empresa/ Instituição (Consultar anexo):

Bairro: Município: UF: CEP: Telefone: Tipo de Atividade Realizada na Empresa/ Instituição (Consultar anexo): 20 DADOS PARA O ACERVO TÉCNICO DO NUTRICIONISTA I - IDENTIFICAÇÃO DA NUTRICIONISTA: Nome: II- DADOS PARA COMPOSIÇÃO DO ACERVO TÉCNICO: CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS

Leia mais

COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA

COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA 1 Introdução/ Desenvolvimento Alinne Vieira Alves 1 Ana Claudia Moreira Santaba 2 Ana Janielli de Souza 3 Juliana

Leia mais

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO COMUM PARA TODAS AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS SAÚDE PÚBLICA E SAÚDE COLETIVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1. História do sistema de saúde no Brasil; 2. A saúde na

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA 1ª Oficina Nacional do QUALIDIA LINHAS DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gbi Gabinete SMS Diadema Linhas de cuidado de HA e DM

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Normas Reguladoras do Exercício da Acupuntura no Âmbito do Serviço de Saúde do Exercito, que com esta baixa.

Art. 1º Aprovar as Normas Reguladoras do Exercício da Acupuntura no Âmbito do Serviço de Saúde do Exercito, que com esta baixa. PORTARIA NR 07/DGP, DE 27 DE JANEIRO DE 2009 (Aprova as Normas Reguladoras do Exercício da Acupuntura no Âmbito do Serviço de Saúde do Exército) - Transcrição O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL,

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 LONDRINA PR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Nedson Luiz Micheleti - Prefeito AUTARQUIA

Leia mais

PAUTA. 85ª Reunião da Câmara de Saúde Suplementar CAMSS

PAUTA. 85ª Reunião da Câmara de Saúde Suplementar CAMSS PAUTA 85ª Reunião da Câmara de Saúde Suplementar CAMSS Data: 10/12/2015 Horário: Das 13h às 17h Local: Centro de Convenções Bolsa do Rio Endereço: Praça XV de Novembro, nº 20 Salão Nobre, Térreo Centro

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL Termo de Compromisso de Gestão que firma a Secretaria Municipal de Saúde de XX, representada pelo seu Secretário Municipal de Saúde, com o objetivo de pactuar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

UNIMED FESP. Dra. Maria Manuela Almeida Nunes Mazzini. Gerente de Gestão em Saúde. manuela.mazzini@unimedfesp.coop.br 22/07/2013 1

UNIMED FESP. Dra. Maria Manuela Almeida Nunes Mazzini. Gerente de Gestão em Saúde. manuela.mazzini@unimedfesp.coop.br 22/07/2013 1 UNIMED FESP Dra. Maria Manuela Almeida Nunes Mazzini Gerente de Gestão em Saúde manuela.mazzini@unimedfesp.coop.br 1 PERFIL UNIMED UNIMED FESP Quantidade de usuários 565.582 Área de abrangência Quantidade

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros que exerçam

Leia mais

Principais aspectos da Auditoria Operacional na Ação Governamental da Estratégia Saúde da Família no Município de Pelotas

Principais aspectos da Auditoria Operacional na Ação Governamental da Estratégia Saúde da Família no Município de Pelotas FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Principais aspectos da Auditoria Operacional na Ação Governamental da Estratégia Saúde da Família no Município de Pelotas Componentes: Clari Souza Daniela Boniatti

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O IDOSO INSTITUCIONALIZADO COMO FOCO DE SUA ATENÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA BERGAMO, Vinicius M. 1 DALL AGNOL, Crístyan C. 2 PIMENTEL, Cauê F. 3 PAZ, Késia M. R. 4 RUPOLO, Denize. J. 5 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

A VISÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA CLÍNICA/ MEDICINA LABORATORIAL NO FUTURO DAS ANÁLISES CLÍNICAS

A VISÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA CLÍNICA/ MEDICINA LABORATORIAL NO FUTURO DAS ANÁLISES CLÍNICAS A VISÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA CLÍNICA/ MEDICINA LABORATORIAL NO FUTURO DAS ANÁLISES CLÍNICAS Princípios da SBPC/ML Apoiar o desenvolvimento científico, pessoal e profissional dos associados

Leia mais

Atendimento Domiciliar

Atendimento Domiciliar Atendimento Domiciliar Definição da Unimed Porto Alegre sobre Home Care O Home Care é um beneficio de prestação de serviço de assistência à saúde, a ser executado no domicilio do paciente com patologias

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 47/CT/2015 Assunto: Administração de Radiofármaco Palavras chaves: Oncologia; Radiofármaco; Punção Venosa. I Solicitação recebida pelo Coren/SC: A punção venosa para aplicação

Leia mais

Números do Sistema Unimed. 354 Cooperativas Unimed. Presente em 83% dos municípios

Números do Sistema Unimed. 354 Cooperativas Unimed. Presente em 83% dos municípios Números do Sistema Unimed 354 Cooperativas Unimed 300 Operadoras de plano de saúde 37 Prestadoras de serviço 110 mil Cooperados ativos 19,5 milhões Beneficiários 2.960 Hospitais Presente em 83% dos municípios

Leia mais

Planos de saúde oferecem vantagens a clientes que fazem prevenção

Planos de saúde oferecem vantagens a clientes que fazem prevenção BRASIL, 07 de Setembro de 2008 ECONOMIA Planos de saúde oferecem vantagens a clientes que fazem prevenção Luciana Rezende Repórter O ditado «é melhor prevenir que remediar» nunca esteve tão na moda, especialmente

Leia mais

MUNICÍPIO DE LUISLÂNDIA MG CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS EDITAL 1/2015 ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

MUNICÍPIO DE LUISLÂNDIA MG CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS EDITAL 1/2015 ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Advogado Prestar assistência jurídica às questões de direito administrativo, trabalhista, civil, tributário e constitucional. Agente de Combate às Endemias Desenvolver e executar atividades de prevenção

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES DIRETORIA GERAL DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES Período Junho a Agosto de 2013 Novembro 2013 2 INTRODUÇÃO O excesso de pacientes com problemas médicos

Leia mais

Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA

Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA Jamil Luminato 1981 Jamil Luminato 1981 2013 Visão Geral Medicina de Grupo de Curitiba 117.187

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

ENFERMAGEM GERONTOGERIÁTRICA

ENFERMAGEM GERONTOGERIÁTRICA Belo Horizonte-MG Início Previsto: 20/03/2015* Aulas em um final de semana p/ mês: sexta - 18h / 22h sábado - 8h / 18h domingo - 8h / 16h *Início vinculado ao número mínimo de inscritos. PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão. de OPME

Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão. de OPME 1 Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão de OPME Palestrante: Diana Indiara Ferreira Jardim diana.jardim@unimedpoa.com.br 2 Sobre as OPME, no site da ANS circula no mercado

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria nº 2.051, de 9 de

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

A N E X O I - E D I T A L 01/2015 A T R I B U I Ç Õ E S E R E Q U I S I T O S D O S C A R G O S C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 002/2015

A N E X O I - E D I T A L 01/2015 A T R I B U I Ç Õ E S E R E Q U I S I T O S D O S C A R G O S C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 002/2015 A N E X O I - E D I T A L 01/2015 A T R I B U I Ç Õ E S E R E Q U I S I T O S D O S C A R G O S C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 002/2015 NÍVEL SUPERIOR CIRURGIÃO DENTISTA BUCO MAXILO FACIAL - CEOCAM Realizar

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010. Institui o Projeto Qualidade de Vida dos Profissionais de Segurança Pública e Agentes Penitenciários.

Leia mais

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS Mônica R. P. T. Macedo Nunes monica.nunes@campinas.sp.gov.br ATENÇÃO DOMICILIAR A atenção domiciliar consiste numa modalidade de atenção à saúde substitutiva

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 76, DE 07 DE OUTUBRO DE 2013.

PROJETO DE LEI Nº 76, DE 07 DE OUTUBRO DE 2013. PROJETO DE LEI Nº 76, DE 07 DE OUTUBRO DE 2013. Regulamenta a concessão de insumos e monitoramento da Glicemia Capilar aos portadores de Diabetes Mellitus (DM) Art. 1.º Fica aprovada concessão de insumos

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002.

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 640, de

Leia mais

Gestão acadêmica de programas de pós-graduação com o SIGAA

Gestão acadêmica de programas de pós-graduação com o SIGAA EMENTAS A) Eventos de Capacitação do Ambiente Administrativo Aquisição de materiais e serviços Identificar métodos de aquisição de materiais e serviços, utilizando as ferramentas disponíveis no SIPAC.

Leia mais

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010 Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV Novembro/2010 O QUE É? Registro de Câncer de Base Populacional RCBP: são centros sistematizados de coleta, armazenamento, processamento

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EXPERIÊNCIAS DE ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE Abordagem integrada na atenção as pessoas com HAS, DM

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL

PROGRAMAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL PROFIS SOCIEDADE DE PROMOÇÃO SOCIAL DO FISSURADO LÁBIO PALATAL PROGRAMAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL BAURU - 2012 1- Identificação Instituição Responsável: PROFIS Sociedade de Promoção Social do Fissurado Lábio

Leia mais

Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção na Área de Saúde da Mulher

Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção na Área de Saúde da Mulher PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Implantação da linha de cuidado em Saúde da Mulher na USF Hidrolândia Área temática Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Somente 59% dos pacientes recebem o cuidado necessário e em tempo. 1 em cada 7 pacientes hospitalizados tiveram pelo menos um evento adverso 4% dos

Somente 59% dos pacientes recebem o cuidado necessário e em tempo. 1 em cada 7 pacientes hospitalizados tiveram pelo menos um evento adverso 4% dos Introdução QUALISS Somente 59% dos pacientes recebem o cuidado necessário e em tempo. 1 em cada 7 pacientes hospitalizados tiveram pelo menos um evento adverso 4% dos pacientes internados sofrem lesões

Leia mais

Semestre: 1 Quantidade de Módulos:9 Unidade de Ensino:Núcleo de Saúde

Semestre: 1 Quantidade de Módulos:9 Unidade de Ensino:Núcleo de Saúde 212 Módulo: 9º período e Mês Início do Módulo:216/1 Numero da Página: 1 Impresso em:14/12/215 16:4:29 da Disciplina Variação TEO PRA LAB TEO PRA LAB Quantidade de Disciplinas neste Módulo: Total CH H/A:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA RENATO MARTINEZ REBELLATO ENFRENTAMENTO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital Unimed João Pessoa I - FINALIDADE:

REGIMENTO INTERNO. Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital Unimed João Pessoa I - FINALIDADE: Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 1 de 20 I - FINALIDADE: Este documento apresenta a forma de organização das instâncias de poder do Hospital, sua configuração em Departamentos, Serviços

Leia mais