Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue"

Transcrição

1 Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue Funchal, Novembro de 2012

2 ÍNDICE Resumo executivo... 2 I Introdução... 4 II Objetivo... 5 III Estratégia de atuação... 5 IV Área de intervenção... 6 V Atividades... 6 Inventariação dos focos/criadouros do mosquito... 6 Monitorização da atividade do mosquito com recurso a armadilhas (ovitraps)... 7 Sensibilização da população dos conjuntos habitacionais camarários... 7 Envolvimento das Juntas de Freguesia com vista à mobilização e envolvimento direto da Comunidade... 8 Ações de informação junto do setor turístico... 8 Articulação com outras entidades e programas... 8 VI Meios logísticos e humanos... 8 VII Calendarização... 9 VIII Avaliação... 9 Município do Funchal Plano Municipal de Combate ao Vetor de Transmissão da Dengue Pág. 1

3 Resumo executivo O mosquito vetor da febre da Dengue e da Febre Amarela, Aedes aegypti (Linnaeus, 1762), foi identificado pela primeira vez na Madeira em Outubro de 2005, com base em exemplares colhidos na freguesia de Santa Luzia e trazidos ao Museu de História Natural do Funchal. Entre 2005 e 2009 a Câmara Municipal do Funchal manteve um programa de monitorização desta espécie com vista a determinar com exatidão a sua distribuição na cidade do Funchal e a sua progressão. Esse programa consistiu na instalação de armadilhas para colheita de ovos ( ovitraps ) distribuídas em diversos pontos da cidade e vistoriadas semanalmente. Paralelamente os técnicos do Museu de História Natural do Funchal procederam à prospeção de criadouros desta espécie nos diversos espaços públicos e intervieram também em muitas residências particulares e edifícios públicos situados nas freguesias de Santa Luzia, São Pedro e Sé, com vista a determinar a existência de criadouros desta espécie e a alertar as pessoas para a necessidade de os eliminar. Colaboradores da autarquia participaram também, em conjunto com colaboradores da então Direção Regional de Saúde, mais tarde Instituto da Administração da Saúde, IP RAM, na eliminação de criadouros em diversos pontos da cidade e procederam também a operações de limpeza de sarjetas, potenciais locais de criação do mosquito. Em 2009 a Câmara Municipal do Funchal, o IASAUDE, a Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais e a Universidade de La Laguna, Canárias, viram aprovado o projeto MOSQIMAC Gestão Integrada do vetor Aedes aegypti, no âmbito do programa PCT MAC. Neste projeto coube ao Museu de História Natural do Funchal dar continuidade ao programa de monitorização (27 armadilhas no Funchal e 18 nos outros 10 concelhos) e a proceder ao ensaio de novas armadilhas destinadas à captura de formas adultas do mosquito. Em 2012 uma Técnica do Departamento de Educação e Promoção Social, em parceria com as Técnicas da SócioHabita Funchal, efetuaram 40 ações de sensibilização, em 27 conjuntos habitacionais do Funchal, sendo visitadas pedagogicamente 270 habitações, nas quais se procedeu à eliminação de criadouros e à sensibilização dos moradores, e feitas intervenções diretas a mais de 1500 pessoas. Foram ainda desenvolvidas ações de sensibilização, com eliminação de criadouros, em duas escolas básicas do 1º ciclo, estando programadas ações idênticas para as restantes 25 existentes no concelho. Em Outubro de 2012 foram diagnosticados os primeiros casos de Dengue autóctone no concelho do Funchal e rapidamente a situação evoluiu para um surto da doença, estando já confirmados mais de 1000 casos. Face ao aparecimento da doença e as suas implicações ao nível da população residente e flutuante, do Funchal e com vista a enquadrar e a aumentar a eficácia das ações já desenvolvidas pelos técnicos da autarquia e a envolver ainda mais a comunidade na luta contra este mosquito, a Câmara Municipal do Funchal, no uso das suas competências, decidiu implementar um Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue. Este plano tem como objetivo contribuir para debelar o surto de Dengue no Funchal através da eliminação drástica e duradoura de focos de mosquitos, Aedes aegypti e consequentemente, Município do Funchal Plano Municipal de Combate ao Vetor de Transmissão da Dengue Pág. 2

4 conduzir à interrupção do ciclo de transmissão da doença, com o envolvimento da população residente. Geograficamente cobre toda a área urbana do Concelho. A estratégia de intervenção é baseada na luta anti vetorial contra a doença, através da eliminação de focos/criadouros de mosquitos Aedes aegypti, e compreende os seguintes eixos de atuação: 1 Inventariação dos focos/criadouros do mosquito; 2 Monitorização da atividade do mosquito com recurso a armadilhas e estabelecimento de indicadores; 3 Combate aos criadouros nas áreas públicas; 4 Sensibilização da população dos conjuntos habitacionais camarários; 5 Envolvimento das Juntas de Freguesia com vista à mobilização e envolvimento direto da Comunidade; 6 Ações de informação junto do sector turístico; 7 Articulação com outras entidades e programas; O plano prevê o envolvimento de: 5 equipas de sensibilização (1 2 pessoas/equipa) Departamentos Educação e Promoção Social, Ciência e SócioHabita Funchal. 2 equipas de monitorização/investigação (2 pessoas/equipa) Departamento de Ciência 14 brigadas de combate (2 cantoneiros/brigada) Departamento de Ambiente e Juntas de Freguesia. 1 equipa de tratamento e análise de dados (4 pessoas) Departamentos de Ciência e Planeamento Estratégico (Gabinete de Informação Geográfica). O plano tem a duração de dois anos, com início em Dezembro de No final serão avaliadas as metas e os resultados atingidos, sendo decididos nessa altura os moldes da sua continuação. Município do Funchal Plano Municipal de Combate ao Vetor de Transmissão da Dengue Pág. 3

5 I Introdução O mosquito vetor da febre da Dengue e da Febre Amarela, Aedes aegypti (Linnaeus, 1762), foi identificado pela primeira vez na Madeira em Outubro de 2005, com base em exemplares colhidos na freguesia de Santa Luzia e trazidos ao Museu de História Natural do Funchal. Ciente da potencial gravidade da presença desta espécie, a Câmara Municipal do Funchal, através do seu Departamento de Ciência e do Museu de História Natural do Funchal deu, de imediato, início a um programa de monitorização desta espécie com vista a determinar com exatidão a sua distribuição na cidade do Funchal e a sua progressão. Esse programa consistiu na instalação de armadilhas para colheita de ovos ( ovitraps ) distribuídas em diversos pontos da cidade e vistoriadas semanalmente. Paralelamente os técnicos da autarquia procederam à prospeção de criadouros desta espécie nos diversos espaços públicos e intervieram também em muitas residências particulares e edifícios públicos situados nas freguesias de Santa Luzia, São Pedro e Sé, com vista a determinar a existência de criadouros desta espécie e a alertar as pessoas para a necessidade de os eliminar. Colaboradores da autarquia participaram também, em conjunto com colaboradores da então Direção Regional de Saúde, mais tarde Instituto da Administração da Saúde, IP RAM, na eliminação de criadouros em diversos pontos da cidade e procederam também a operações de limpeza de sarjetas, potenciais locais de criação do mosquito. Os resultados obtidos com este programa de monitorização nos 3 primeiros anos permitiram verificar que este mosquito alastrou se a toda a parte baixa da cidade e a zonas mais altas, até à cota média dos 200 m. Em 2009 esta rede de armadilhas foi redefinida sendo colocadas 27 armadilhas no Funchal e neste mesmo ano foi lançada uma rede de armadilhas sentinela fora do concelho, constituída por 18 ovitraps distribuídas em todos os concelhos da Ilha da Madeira Ainda em 2009, a Câmara Municipal do Funchal, o IASAUDE, a Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais e a Universidade de La Laguna, Canárias, viram aprovado o projeto MOSQIMAC Gestão Integrada do vetor Aedes aegypti, no âmbito do programa PCT MAC. Neste projeto coube ao Museu de História Natural do Funchal dar continuidade ao programa de monitorização e a proceder ao ensaio de novas armadilhas destinadas à captura de formas adultas do mosquito. Este projeto chega ao seu termo em Dezembro de 2012 e permitiu determinar de forma precisa a distribuição da espécie, que neste momento já está presente nos concelhos de Santa Cruz, Machico, Câmara de Lobos, Ribeira Brava e Ponta de Sol. Permitiu também determinar os ciclos anuais de atividade do mosquito, altamente correlacionados com a temperatura, a humidade e a pluviosidade. Assim assiste se a uma intensificação da Município do Funchal Plano Municipal de Combate ao Vetor de Transmissão da Dengue Pág. 4

6 atividade do mosquito no Verão, com um pico no início do Outono, seguido de uma diminuição nos meses mais frios do Inverno. Ciente da necessidade de envolver a população no combate a esta espécie, a Câmara Municipal do Funchal, através de uma técnica do Departamento de Educação e Promoção Social, em colaboração com as técnicas da SócioHabita Funchal, iniciou em Outubro de 2012 um conjunto de ações de sensibilização e educação da população dos conjuntos habitacionais da autarquia, a maioria dos quais situados em áreas da cidade infestadas com o mosquito. Assim foram feitas até à data 40 ações de sensibilização, em 27 conjuntos habitacionais do Funchal, sendo visitadas pedagogicamente 270 habitações, nas quais se procedeu à eliminação de criadouros e à sensibilização dos moradores, e feitas intervenções diretas a mais de 1500 pessoas. Foram ainda desenvolvidas ações de sensibilização, com eliminação de criadouros, em duas escolas básicas do 1º ciclo, estando programadas ações idênticas para as restantes 25 existentes no concelho. Em Outubro de 2012 foram diagnosticados os primeiros casos de Dengue autóctone no concelho do Funchal e rapidamente a situação evoluiu para um surto da doença, estando já confirmados mais de 1000 casos. Face ao aparecimento da doença e as suas implicações ao nível da população residente e flutuante, do Funchal e com vista a enquadrar e a aumentar a eficácia das ações já desenvolvidas pelos técnicos da autarquia e a envolver ainda mais a comunidade na luta contra este mosquito, a Câmara Municipal do Funchal, no uso das suas competências, decidiu implementar um Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue. II Objetivo Contribuir para debelar o surto de Dengue no Funchal através da eliminação drástica e duradoura de focos de mosquitos, Aedes aegypti e, consequentemente, conduzir à interrupção do ciclo de transmissão da doença, com o envolvimento da população residente. III Estratégia de atuação A estratégia de intervenção é baseada na luta anti vetorial contra a doença, através da eliminação de focos/criadouros de mosquitos Aedes aegypti, e compreende os seguintes eixos de atuação: 1 Inventariação dos focos/criadouros do mosquito; Município do Funchal Plano Municipal de Combate ao Vetor de Transmissão da Dengue Pág. 5

7 2 Monitorização da atividade do mosquito com recurso a armadilhas e estabelecimento de indicadores; 3 Combate aos criadouros nas áreas públicas; 4 Sensibilização da população dos conjuntos habitacionais camarários; 5 Envolvimento das Juntas de Freguesia com vista à mobilização e envolvimento direto da Comunidade; 6 Ações de informação junto do setor turístico; 7 Articulação com outras entidades e programas; IV Área de intervenção A área de intervenção ao abrigo deste plano é a área urbana do Concelho do Funchal. Face ao conhecimento já existente, as atividades previstas neste plano vão concentrarse, num primeiro tempo, nas áreas mais infestadas da cidade do Funchal. Assim será dedicada particular atenção às freguesias da Sé, São Pedro, Santa Luzia, São Gonçalo, Santa Maria Maior, São Martinho e Imaculado Coração de Maria e aos conjuntos habitacionais camarários. V Atividades Este plano prevê as seguintes atividades: Inventariação dos focos/criadouros do mosquito 1. Levantamento geográfico das áreas a estudar SIG; 2. Caraterização social da comunidade (faixa etária, nível de escolaridade, n.º pessoas por agregado) e caraterização ambiental de cada residência através do preenchimento de uma ficha, nos conjuntos habitacionais camarários; 3. Estabelecimento do estado de referência; 4. Visitas domiciliárias nas áreas de estudo selecionadas, segundo o método LIRA. O objetivo de cada vistoria consiste na identificação de criadouros e colheita de estados imaturos do mosquito (pesquisa larvária direta) no interior das habitações, áreas comuns e espaços circundantes. Nos conjuntos habitacionais camarários selecionados, estas visitas terão uma periodicidade mensal. Nas restantes áreas urbanas, e de acordo com a aplicação do método LIRA, as visitas aos imóveis selecionados será trimestral; Município do Funchal Plano Municipal de Combate ao Vetor de Transmissão da Dengue Pág. 6

8 5. Preenchimento de uma ficha entomológica com base na informação obtida no ponto 4; 6. Estimativa do nível de infestação do Aedes aegypti, nas áreas em estudo, através do cálculo do índice de infestação predial (HI), índice de Breteau (BI) e índice de recipiente (CI); Monitorização da atividade do mosquito com recurso a armadilhas (ovitraps) 1. Estabelecimento de uma rede de armadilhas à escala da área urbana do concelho do Funchal, com recurso ao SIG; 2. Monitorização através do uso de armadilhas de oviposição (ovitraps): 3. Colocação de uma rede de ovitraps com base na avaliação ambiental/ entomológica efetuada. A ovitrap consiste num balde plástico, de cor preta, com capacidade de 10 L onde se coloca uma fita de papel de veludo vermelho fixa a uma régua de plástico. O balde contendo 1,5 L de água da torneira é colocado numa zona sombria, abrigada e longe do alcance de crianças e animais domésticos. Semanalmente, as fitas são recolhidas e substituídas; os baldes são inspecionados para verificação da presença de ovos/larvas, após este processo, são lavados e recolocados no terreno. 4. Cálculo dos índices de densidade de ovos (IDO) e positividade (IPO). 5. Análise e tratamento estatístico dos dados. Combate aos criadouros nas áreas públicas 1. Inventariação das situações, com recurso ao SIG; 2. Lavagem semanal de sarjetas e lagoas e inspeção de córregos e ribeiros e eventual aplicação de agentes de controlo vetorial, biológicos e/ou químicos; 3. Eliminação de criadouros (coberturas de espaços públicos, eco pontos, fontanários, imóveis municipais desocupados, cemitérios, etc.). Sensibilização da população dos conjuntos habitacionais camarários 1. Ações de sensibilização junto dos moradores, através de palestras, folhetos e pósteres informativos; 2. Visitas domiciliárias mensais para avaliação da informação recebida. 3. Envolvimento direto dos moradores, através dos Centros Comunitários, com eventual criação de brigadas de intervenção contra o mosquito (BIM s); 4. Criação de um certificado de boa conduta (autocolante). Município do Funchal Plano Municipal de Combate ao Vetor de Transmissão da Dengue Pág. 7

9 Envolvimento das Juntas de Freguesia com vista à mobilização e envolvimento direto da Comunidade 1. Ações de sensibilização junto dos moradores, através de palestras, folhetos e pósteres informativos; 2. Envolvimento direto dos moradores, através dos Centros Cívicos, com eventual criação de brigadas voluntárias, coadjuvadas por elementos afetos à Junta de Freguesia; 3. Levantamento dos imóveis devolutos e em mau estado de conservação que sejam potenciais focos de criadouros; 4. Levantamento de situações de criadouros ou potenciais criadouros (sucatas, veículos abandonados, lixos, etc.) e correção das mesmas. 5. Envolvimento das Juntas de Freguesia nas ações de combate referidas anteriormente. Ações de informação junto do setor turístico 1. Sensibilização dos gestores hoteleiros para a problemática do mosquito Aedes aegypti, com vista à eliminação de potenciais criadouros nas suas instalações; 2. Elaboração de um folheto informativo sobre esta temática, em português, inglês, francês e alemão, contendo informações úteis para o visitante (prevenção, proteção individual, etc.) e outras sobre as atividades que estão a ser desenvolvidas. 3. Atribuição de um certificado de boa conduta aos estabelecimentos que, após inspeções periódicas, demonstrem que estão isentos de criadouros e desenvolvem ações conducentes à minimização deste problema. Articulação com outras entidades e programas 1. A estratégia de intervenção prevista neste Plano articula se, de forma sinérgica, com as estratégias desenvolvidas por outras entidades e organismos públicos e privados. 2. As atividades previstas neste plano articulam se sinergicamente com as previstas no projeto PCT MAC MOSQIMAC Gestão Integrada do Vetor Aedes aegypti do qual a Câmara Municipal do Funchal é parceiro. VI Meios logísticos e humanos A implementação de um plano desta natureza envolve meios logísticos e humanos importantes, afetos a vários departamentos da autarquia. Município do Funchal Plano Municipal de Combate ao Vetor de Transmissão da Dengue Pág. 8

10 Assim está previsto o envolvimento de: 5 equipas de sensibilização (1 2 pessoas/equipa) Departamentos de Educação e Promoção Social, Ciência e SócioHabita Funchal. 2 equipas de monitorização/investigação (2 pessoas/equipa) Departamento de Ciência 14 brigadas de combate (2 cantoneiros/brigada) Departamento de Ambiente e Juntas de Freguesia. 1 equipa de tratamento e análise de dados (4 pessoas) Departamentos de Ciência e Planeamento Estratégico (Gabinete de Informação Geográfica). Não estão aqui contabilizadas as BIMs voluntárias a criar nos conjuntos habitacionais camarários e nas Juntas de Freguesia, cujo número não é possível antecipar. Ao nível material está prevista a utilização de viaturas, armadilhas ovitraps, equipamento informático, fotográfico e outro inerente à monitorização, produtos de desinfeção, repelentes, fardamento, equipamento de proteção individual, coletes identificadores, apresentações powerpoint, folhetos, pósteres e outros materiais de divulgação. VII Calendarização O presente Plano Municipal tem o seu início programado para 1 de Dezembro de 2012 e estará em vigor durante 2 anos ( ), após o que será revisto, em face dos resultados obtidos, sem prejuízo de poder sofrer aperfeiçoamentos de pormenor durante a sua execução VIII Avaliação A cada trimestre será elaborado um relatório contendo os resultados obtidos e a evolução da situação, apontando para os eventuais desvios face aos resultados esperados e para a sua correção. Após dois anos, todo o programa será avaliado e definidos os moldes da sua continuação, de acordo com os resultados obtidos e as condicionantes do momento. Município do Funchal Plano Municipal de Combate ao Vetor de Transmissão da Dengue Pág. 9

Relatório trimestral de execução 1º trimestre

Relatório trimestral de execução 1º trimestre Relatório trimestral de execução 1º trimestre Funchal Abril de 2014 Índice 1 - Antecedentes... 3 2 O Plano... 4 3 Resultados do primeiro trimestre de 2014... 5 3.1. Monitorização em Conjuntos Habitacionais

Leia mais

Francisco Paz 09/12/2015

Francisco Paz 09/12/2015 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado de Saúde DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: DESAFIOS PARA A GESTÃO Plano de Intensificação do combate ao Aedes aegypti Francisco Paz 09/12/2015 Ações estaduais

Leia mais

Índice SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 NOTA INTRODUTÓRIA... 7 ENQUADRAMENTO E ATIVIDADES... 8 COORDENAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO...

Índice SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 NOTA INTRODUTÓRIA... 7 ENQUADRAMENTO E ATIVIDADES... 8 COORDENAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO... Índice SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 NOTA INTRODUTÓRIA... 7 ENQUADRAMENTO E ATIVIDADES... 8 COORDENAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO... 11 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA... 12 Outline do surto... 12 Taxa de Incidência... 13

Leia mais

Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti

Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti SECRETÁRIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti Porto Alegre - RS 2016 SECRETÁRIA

Leia mais

CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE

CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE DAS AÇÕES PREVENTIVAS Marcelo Henrique Otenio 1 Regina H. F. Ohira 2 Simone Castanho S. Melo 3 Ana Paula Lopes Maciel 4 Edmara Janey

Leia mais

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG Nome do Painel: Manejo Ambiental no Combate à Dengue Eixo 3. Direitos justiça ambiental e

Leia mais

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS 1. Caracterização da situação anterior: Cidade polo da região sudoeste de Mato Grosso do Sul, Jardim está situado na região da Serra da Bodoquena no entroncamento

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014)

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) 1 NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) Assunto: Avaliação de armadilhas para a vigilância entomológica de Aedes aegypti com vistas à elaboração de novos índices

Leia mais

RELATO DAS ATIVIDADES DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE NO COMBATE A DENGUE EM SANTA MARIA

RELATO DAS ATIVIDADES DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE NO COMBATE A DENGUE EM SANTA MARIA RELATO DAS ATIVIDADES DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE NO COMBATE A DENGUE EM SANTA MARIA A dengue é um dos principais problemas de saúde pública no mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que entre 50

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE COMBATE A DENGUE

PLANO MUNICIPAL DE COMBATE A DENGUE 1 PLANO MUNICIPAL DE COMBATE A DENGUE 2013 2014 2 PLANO MUNICIPAL DE COMBATE A DENGUE 2013 2014 Vigilância Sanitária Vigilância Epidemiológica Estância Turística de Paranapanema SP 2013 3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho

Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho Coordenação Geral Programa Nacional de Controle da Dengue, Chikungunya e Zika - CGPNCD Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde dengue@saude.gov.br

Leia mais

Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC

Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC 1 de 5 Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC Maria Teresa Orlandi Apesar do risco iminente de uma epidemia de dengue chegar à região, as prefeituras têm demorado para detectar e extirpar

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SVES - Coordenação de Vigilância Epidemiológica. São Luís (MA). Fevereiro/2009

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SVES - Coordenação de Vigilância Epidemiológica. São Luís (MA). Fevereiro/2009 PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SVES - Coordenação de Vigilância Epidemiológica São Luís (MA). Fevereiro/2009 PLANO EMERGENCIAL DE MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE 09 A 13/02/2009 Introdução

Leia mais

2. Operações de emergência

2. Operações de emergência Programa Nacional de Controle da Dengue CGPNCD/DEVEP Controle vetorial da Dengue (duas operações básicas) 1. Operações de rotina 2. Operações de emergência 1 Controle da Dengue (duas operações básicas)

Leia mais

CONTEÚDOS FUNCIONAIS:

CONTEÚDOS FUNCIONAIS: CONTEÚDOS FUNCIONAIS: Ref.ª A) TÉCNICO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO AMBIENTE Realizar análises, estudo e emissão de pareceres dos assuntos que lhe são submetidos, tendo como base as melhores praticas legais

Leia mais

Programa de Controle da Dengue/SC

Programa de Controle da Dengue/SC Programa de Controle da Dengue/SC Estratégia operacional de prevenção e controle da dengue para municípios não infestados por Aedes aegypti, infestados por Aedes aegypti sem circulação viral e infestados

Leia mais

SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015

SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015 SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015 O Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti LIRAa, de outubro de 2015, demonstra que 0,6% dos imóveis pesquisados em Belo Horizonte conta com a presença

Leia mais

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015 Brasília, 01 de dezembro de 2015. Área: Área Técnica em Saúde Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti Fonte: Dab/MS/SAS/CNS 1. Em comunicado

Leia mais

Plano Atividades Câmara Municipal do Funchal

Plano Atividades Câmara Municipal do Funchal 2015 Plano Atividades 1 Câmara Municipal do Funchal Departamento de Educação e Promoção Social 2 A Câmara Municipal do Funchal, no âmbito do seu Programa de Educação para a Cidadania, desenvolve, através

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DO AEDES AEGYPTI

PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DO AEDES AEGYPTI PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DO AEDES AEGYPTI Novembro de 2012 Atualizado em março 2013 Rua das Pretas, n.º 1 9004-515 Funchal ( 291212300 Fax: 291281421 - iasaude@iasaude.sras.gov-madeira.pt

Leia mais

Situação Epidemiológica da Dengue

Situação Epidemiológica da Dengue Boletim Epidemiológico Nº 03-2016 Situação Epidemiológica da Dengue Em 2016, foram notificados 510 casos suspeitos de dengue no estado do Acre até a semana epidemiológica 02(10/01/2016 a 16/01/2016). Sendo

Leia mais

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE O Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE, visa dar a conhecer a forma como a CMMN pretende continuar a divulgar os resultados obtidos ao longo do projecto GAPS. Dividido em duas partes, a primeira tem

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

INFORME SEMANAL DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA

INFORME SEMANAL DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA INFORME SEMANAL DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA Perguntas e respostas sobre a FEBRE CHIKUNGUNYA O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Itiúba, Estado Da Bahia Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. DECRETO Nº 451, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015.

A Prefeitura Municipal de Itiúba, Estado Da Bahia Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. DECRETO Nº 451, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. ANO. 2015 DIÁRIO DO MUNICÍPIO DE ITIÚBA- BAHIA PODER EXECUTIVO ANO. V - EDIÇÃO Nº 00577 A Prefeitura Municipal de Itiúba, Estado Da Bahia Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. 13 DE NOVEMBRO

Leia mais

DECRETO N.º 34377 DE 31 DE AGOSTO DE 2011

DECRETO N.º 34377 DE 31 DE AGOSTO DE 2011 DECRETO N.º 34377 DE 31 DE AGOSTO DE 2011 Institui ESTADO DE ALERTA CONTRA A DENGUE e dispõe sobre a prevenção e o controle da transmissão e a atenção primária à saúde nos casos de dengue na Cidade do

Leia mais

Relatório anual de execução 2013

Relatório anual de execução 2013 Relatório anual de execução 2013 Funchal Fevereiro de 2014 Ficha técnica Autoria: Manuel Biscoito, Ricardo Araújo, Sérgio Barrancos, Raquel Brazão, Sara Ferreira, Gil André Freitas, Ysabel, Ana Silva Jesus,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BELA VISTA DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS

CÂMARA MUNICIPAL DE BELA VISTA DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO DE LEI N. º 013 /2013. A Câmara Municipal de Bela Vista de Minas decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Institui a Política Municipal de Prevenção, Controle e Combate à Dengue, sob a denominação

Leia mais

AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA

AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA Porto Alegre, junho de 2016 1. O vetor Originário da África, o mosquito Aedes aegypti tem duas subespécies, Aedes aegypti formosus

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde

Secretaria de Estado da Saúde Aedes aegypti ovos larvas pupas Inseto adulto Aedes aegypti É o mosquito que transmite Dengue Leva em média 7 dias de ovo a adulto; Tem hábitos diurnos; Vive dentro ou próximo de habitações humanas; A

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Eficiência hídrica em espaços municipais

Eficiência hídrica em espaços municipais Uso eficiente de Água no setor doméstico Eficiência hídrica em espaços municipais 1 de outubro de 2014 2. Sumário 1. Enquadramento do plano para o uso eficiente da água 2. Otimização de procedimentos conducentes

Leia mais

Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa

Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa Direcção Municipal de Recursos Humanos Responsabilidade Social na Semana da Responsabilidade Social, Lisboa 03 a 07 Maio 2010 Sumário da Apresentação Quem Somos Programas de Apoio à Comunidade Iniciativa

Leia mais

Boletim Epidemiológico da Dengue

Boletim Epidemiológico da Dengue Boletim Epidemiológico da Dengue Dados Referentes às Semanas Epidemiológicas: 01 a 03 - Períodos de 03/01/2016 a 23/01/2016 Ano: 09 Número: 03 Data de Produção: 22/01/2016 Esse boletim está na web: www.natal.rn.gov.br/sms

Leia mais

(Breve caracterização do concelho)

(Breve caracterização do concelho) Percursos de Saúde Ambiental 2009/05/15 Percurso Pessoal 1991-94 1º Curso de (Higiene e) Saúde Ambiental,no Porto 1997-98 Licenciatura, no Porto 2 Percurso Pessoal Departamento de Saúde Pública Delegado

Leia mais

MITOS X VERDADES SOBRE A DENGUE

MITOS X VERDADES SOBRE A DENGUE Uma boa alimentação garante imunidade à doença? Mito. Não há algum alimento específico contra a dengue. Porém, uma alimentação incluindo frutas e vegetais, torna o organismo da pessoa mais saudável e o

Leia mais

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA Município de Idanha-a-Nova Contribuinte 501 121 030 PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, pretende implementar medidas de apoio social

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte: ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 018/2012 DATA: 31/10/2012 Luta anti vetorial contra Aedes aegypti Luta anti vetorial; Aedes aegypti; Dengue Autoridades de saúde; Departamentos e Unidades

Leia mais

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud 2012. La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN 978-959-212-811-8

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud 2012. La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN 978-959-212-811-8 IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS INTEGRADAS PARA CONTROLE DA MALÁRIA COM ENFOQUE NO USO DE TELAS E MOSQUITEIROS IMPREGNADOS COM INSETICIDA SANTOS, G. 1;2 ; CASTRO, D. 1 ; FREITAS, L.M. 1, ; FIALHO, R. 1 ; ALBUQUERQUE,

Leia mais

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Nome: Nota: INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 1. A prova é individual

Leia mais

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI INTRODUÇÃO A dengue é uma doença infecciosa febril aguda benigna na maior parte dos casos. É causada pelo vírus do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA 14 DE MAIO Das 14 às 17: 30 horas 3 horas e 30 minutos de duração 30 QUESTÕES AGENTES COMUNITÁRIOS

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013

Regulamento Interno de Funcionamento Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013 1 Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013 2 Anexo F Normas de Funcionamento do Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental

Leia mais

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Março 2015 (FEDER, Fundo de Coesão, FSE, FEADER e FEAMP) DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020 PLANO DE COMUNICAÇÃO DO PRODERAM 2020 Aprovado na 1.ª Reunião do Comité de Acompanhamento do PRODERAM 2020, de 3 de dezembro de 2015 ÍNDICE I. II. III. IV. V. VI. VII. INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 5 GRUPOS-ALVO...

Leia mais

SMSA divulga resultado do LIRAa de outubro

SMSA divulga resultado do LIRAa de outubro SMSA divulga resultado do LIRAa de outubro O Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) de outubro demonstra que 0,7% dos imóveis pesquisados em Belo Horizonte contam com a presença do mosquito

Leia mais

CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO PROJETO JOVENS EM MOVIMENTO 2016

CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO PROJETO JOVENS EM MOVIMENTO 2016 CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO PROJETO JOVENS EM MOVIMENTO 2016 ENQUADRAMENTO O Departamento de Ambiente e Equipamento, através do Núcleo de Promoção e Sensibilização Ambiental (NPSA), tem como incumbência,

Leia mais

Gincana Estudantil Unidos contra a Dengue

Gincana Estudantil Unidos contra a Dengue Gincana Estudantil Unidos contra a Dengue CAPITULO l - DA FINALIDADE Art. 1. A única forma de enfrentar a dengue é combater o seu vetor, o mosquito Aedes aegypti. A finalidade da Gincana Estudantil Unidos

Leia mais

ANEXO 1 Acordos de Execução Contratos para a Delegação de Competências Apoios Financeiros Diversos Contratos para a Delegação de Competências

ANEXO 1 Acordos de Execução Contratos para a Delegação de Competências Apoios Financeiros Diversos Contratos para a Delegação de Competências ANEXO 1 Relativamente às transferências de verbas para as freguesias que se irão realizar durante o próximo quadriénio, nomeadamente os critérios para essa afetação, será necessário antes de mais, considerar

Leia mais

OBSERVADOR. Segurança Brigada de Emergência: A importância do trabalho realizado em caso de incêndios p.02

OBSERVADOR. Segurança Brigada de Emergência: A importância do trabalho realizado em caso de incêndios p.02 OBSERVADOR ano 44 n 511 maio de 2015 Segurança Brigada de Emergência: A importância do trabalho realizado em caso de incêndios p.02 Empresa Recursos Humanos Conheça o novo formato da área p.04 Agrícola

Leia mais

TODOS CONTRA O A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO

TODOS CONTRA O A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO TODOS CONTRA O MOSQUITO A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO Sobre o Aedes aegypti O mosquito Aedes aegypti é o transmissor da Dengue, Chikungunya e e a infecção acontece após a pessoa receber uma picada do

Leia mais

A INCIDÊNCIA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE ITABUNA EM 2009

A INCIDÊNCIA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE ITABUNA EM 2009 A INCIDÊNCIA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE ITABUNA EM 2009 TRANZILLO, Eliene Maria dos Santos 1 MARTINS, Inatiane Campos Lima 2 BATISTA, Gustavo Silva 3 1. Introdução A dengue é um dos principais problemas

Leia mais

Boletim Entomológico Semana 35 de 2015

Boletim Entomológico Semana 35 de 2015 SECRETARIA REGIONAL DA SAÚDE INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP- Boletim Entomológico Semana 35 de 2015 Madeira e Porto Santo Descrição das armadilhas: Ovitraps e BG-Sentinel traps

Leia mais

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas Introdução A Freguesia de Odivelas é uma realidade complexa que a todos diz respeito, uma realidade que deve ser alvo de uma intervenção de todos que nela participam para que seja executado um trabalho

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR Aprovado em Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar de 16 de março de 2015, em Reunião de Câmara de 01

Leia mais

Cartilha de Mobilização Social nas Organizações

Cartilha de Mobilização Social nas Organizações Cartilha de Mobilização Social nas Organizações Contatos: GT FAD/SESAB: Elisabeth França (71) 3115-4217 Akemi Chastinet (71) 3116-0029 João Emanuel Araujo (71) 3116-0024 Agnaldo Orrico (71) 3116-0024 Zilda

Leia mais

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do

Leia mais

Vacinação em empresas de médio e grande, quando solicitado via Ofício(DT, Hepatite)

Vacinação em empresas de médio e grande, quando solicitado via Ofício(DT, Hepatite) VIGILÂNCIA EM SAÚDE Horário de Funcionamento Segunda a Sexta das 7 horas e 30 minutos às 19 horas SUBDIVIDIDO A. EXPEDIENTE EXTERNO ATENDIMENTO AO PÚBLICO B. EXPEDIENTE INTERNO AMBIENTE INTERNO (Administrativo)

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP Página 1 de 10 Controle Integrado de Pragas CIP Página 2 de 10 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

INFORME TÉCNICO SEMANAL: DENGUE, CHIKUNGUNYA, ZIKA E MICROCEFALIA RELACIONADA À INFECÇÃO PELO VÍRUS ZIKA

INFORME TÉCNICO SEMANAL: DENGUE, CHIKUNGUNYA, ZIKA E MICROCEFALIA RELACIONADA À INFECÇÃO PELO VÍRUS ZIKA 1. DENGUE Em 2015, até a 52ª semana epidemiológica (SE) foram notificados 79.095 casos, com incidência de 5.600,2/100.000 habitantes. Quando comparado ao mesmo período do ano anterior observa-se um aumento

Leia mais

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE Vigilância epidemiológica e controle vetorial

Leia mais

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Chikungunya O QUE É O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. O que significa o nome? Significa

Leia mais

Regulamento Interno. Conselho Local de Ação Social da. Rede Social do Seixal

Regulamento Interno. Conselho Local de Ação Social da. Rede Social do Seixal Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social da Rede Social do Seixal PREÂMBULO A Rede Social, criada pela Resolução do Conselho de Ministros (RCM) n.º 197/97, de 18 de novembro e, posteriormente,

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 18 de maio de 2016 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EDUCAÇÃO Portaria n.º 211/2016 Primeira alteração

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal REGULAMENTO DO SERVIÇO DE COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ ESCOLAR E DO SERVIÇO DE REFEIÇÕES NO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO, DE GESTÃO DIRECTA DO MUNICÍPIO DE LEIRIA Aprovado em reunião de Câmara a 30

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

Vigilância epidemiológica da Dengue no município de Natal

Vigilância epidemiológica da Dengue no município de Natal Prefeitura do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Centro de Controle de Zoonoses Data de produção: 17/2/215 Ano 8 Número 6 - Dados referente as Semanas Epidemiológica

Leia mais

Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas Preâmbulo A participação dos cidadãos na gestão dos destinos de uma autarquia é uma abertura necessária à sociedade. As autarquias, sendo o poder

Leia mais

Dengue, Chikungunya e Zika

Dengue, Chikungunya e Zika SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DA PARAÍBA GERENCIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Dengue, Chikungunya e Zika Nº 01/2016 Situação epidemiológica De 01 a 25 de janeiro de 2016 ( 4ª* semana epidemiológica

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti

Leia mais

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE?

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Regime Extraordinário da Regularização de Atividades Económicas RERAE Perguntas Frequentes 1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Podem apresentar pedido de regularização das atividades económicas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE!

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! O mosquito da Dengue se prolifera em "em silêncio". Gosta de "sombra e água limpa". O melhor jeito de combatê-lo é eliminando os criadouros

Leia mais

Gabinete de Apoio à Família

Gabinete de Apoio à Família Gabinete de Apoio à Família 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do Tojal, no concelho de Loures, é caracterizada por uma complexidade de problemas inerentes ao funcionamento da família.

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

Inimigo N 1 AGORA E TODO MUNDO CONTRA O MOSQUITO

Inimigo N 1 AGORA E TODO MUNDO CONTRA O MOSQUITO Inimigo N 1 o AGORA E TODO MUNDO CONTRA O MOSQUITO O mosquito esta muito mais perigoso A Bahia está em alerta com a epidemia de três doenças: Dengue, Chikungunya e Zika. Elas são transmitidas pela picada

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO Prof. Dr. Rivaldo Venâncio da Cunha Dourados, 08 de fevereiro de 2007 O que é o dengue? O dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus; Este vírus pode ser de quatro

Leia mais

ESCOLAR GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO. Plano Municipal para Gestão Escolar 2015/2017

ESCOLAR GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO. Plano Municipal para Gestão Escolar 2015/2017 GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Plano Municipal para Gestão Escolar 2015/2017 Município de Cabeceiras de Basto Praça da República, 467 4860-355 Cabeceiras de Basto www. cabeceirasdebasto.pt Câmara Municipal

Leia mais

LEI Nº 728/99 - DE, 19 DE MARÇO DE 1.999. O Prefeito Municipal de Jaciara-MT:

LEI Nº 728/99 - DE, 19 DE MARÇO DE 1.999. O Prefeito Municipal de Jaciara-MT: LEI Nº 728/99 - DE, 19 DE MARÇO DE 1.999. ALTERA A LEI Nº 464 DE 18 DE ABRIL DE 1.991, A LEI Nº 470 DE 03 DE JUNHO DE 1.991 E A LEI Nº 569, DE 02 DE FEVEREIRO DE 1.994, AUTORIZA O EXECUTIVO A FAZER CONTRATAÇÃO

Leia mais

Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte

Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte O Observatório do Milênio de Belo Horizonte é um espaço de produção, análise e disponibilização de informações

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014. Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores,

NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014. Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores, NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014 Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores, Nos dias 3 e 4 deste mês participamos de reunião com a coordenação nacional

Leia mais

Planejamento Integrado de Visitas Domiciliares - Nova Perspectiva aos Gestores Municipais para eficiência e economia no controle da dengue

Planejamento Integrado de Visitas Domiciliares - Nova Perspectiva aos Gestores Municipais para eficiência e economia no controle da dengue Planejamento Integrado de Visitas Domiciliares - Nova Perspectiva aos Gestores Municipais para eficiência e economia no controle da dengue Fundamentação Ponto passivo/superado ÉOBRIGAÇÃO DE TODOS OS AGENTES,

Leia mais

MA160.MA.77/RT.001 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID

MA160.MA.77/RT.001 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID 3.18.1. Introdução O quadro de saúde da região da área de influência direta do empreendimento traduzido pelas condições

Leia mais

Situação da Dengue no Rio Grande do Sul. Francisco Zancan Paz Secretário Adjunto e Diretor Geral Secretaria Estadual da Saúde/RS

Situação da Dengue no Rio Grande do Sul. Francisco Zancan Paz Secretário Adjunto e Diretor Geral Secretaria Estadual da Saúde/RS Situação da Dengue no Rio Grande do Sul Francisco Zancan Paz Secretário Adjunto e Diretor Geral Secretaria Estadual da Saúde/RS VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Vigilância Epidemiológica Processo contínuo e sistemático

Leia mais

EDITAL Nº 001/2016 PROCESSO SELETIVO

EDITAL Nº 001/2016 PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 001/2016 PROCESSO SELETIVO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO (PSS) para preenchimento de vagas e cadastro reserva de AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS para a execução das visitas domiciliares previstas

Leia mais

Agente de Combate a Endemias

Agente de Combate a Endemias Leia atentamente o texto a seguir para responder às questões de 01 a 08. TEXTO: Agente de Combate a Endemias 5 10 15 20 Vistoria de residências, depósitos, terrenos baldios e estabelecimentos comerciais

Leia mais

Projecto Mobilidade Para Todos. Normas de Utilização e Funcionamento

Projecto Mobilidade Para Todos. Normas de Utilização e Funcionamento Projecto Mobilidade Para Todos Normas de Utilização e Funcionamento As pessoas com mobilidade condicionada debatem-se diariamente com grandes condicionalismos no acesso a vários recursos/serviços existentes

Leia mais

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais...

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais... MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA NORMAS DE PROCEDIMENTO DE CANDIDATURA AO SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ÍNDICE 1 - Disposições Gerais... 3 2 - Ensino Básico... 4 3 - Ensino Secundário... 4 4 - Alunos com Necessidades

Leia mais

1. EIXOS TEMÁTICOS: Educação, Meio Ambiente, Cidadania e Saúde.

1. EIXOS TEMÁTICOS: Educação, Meio Ambiente, Cidadania e Saúde. 1. EIXOS TEMÁTICOS: Educação, Meio Ambiente, Cidadania e Saúde. 2. PÚBLICO ALVO: Alunos, professores, coordenadores, diretores, equipe de apoio e famílias das escolas municipais, estaduais e particulares

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Relatório - (Plano de Ação de Responsabilidade Social 2014)

Relatório - (Plano de Ação de Responsabilidade Social 2014) Relatório - (Plano de Ação de Responsabilidade Social 2014) INDÍCE 1.Introdução 3 2.Participação da CPL.IP, na Rede PorTodos do MSESS 4 3. Execução do Plano de Ação da Responsabilidade Social da CPL 5

Leia mais

ENVOLVIMENTO E RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARCEIROS NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO E GESTÃO DO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE PONTA DELGADA

ENVOLVIMENTO E RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARCEIROS NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO E GESTÃO DO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE PONTA DELGADA ENVOLVIMENTO E RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARCEIROS NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO E GESTÃO DO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE PONTA DELGADA Gil, Artur* & Calado, Helena** CIGPT Centro de Informação Geográfica

Leia mais

Parte Complementar B Plano de Participação Pública

Parte Complementar B Plano de Participação Pública 2 Índice 1 Enquadramento...5 2 Etapas do PPP...7 3 Objectivos...9 4 Identificação e perfil das partes interessadas... 10 4.1 Âmbito de envolvimento... 10 4.2 Identificação das partes interessadas... 10

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2015. Indicadores Metas Periocida de de Monitoriz ação. Grau de cumprimento das ações planificadas. Mensal 90% Semestral Anual

PLANO DE AÇÃO 2015. Indicadores Metas Periocida de de Monitoriz ação. Grau de cumprimento das ações planificadas. Mensal 90% Semestral Anual Objetivos Estratégicos Objetivo Gerais Objetivos Operacionais Indicadores Metas Periocida de de Monitoriz ação Ações Responsável OE1 - Garantir a Prestação de Serviços de Qualidade aos Clientes OG1.1-

Leia mais

O FOCO NOS RESULTADOS

O FOCO NOS RESULTADOS O FOCO NOS RESULTADOS Uma análise aplicada ao Programa Operacional Regional do 2014- O FOCO NOS RESULTADOS Uma análise aplicada ao Programa Operacional Regional do 2014- Os programas operacionais para

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL

REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL Os parques de campismo são empreendimentos turísticos definidos no Decreto- lei nº 39/2008, de 7 de março alterado pelo Decreto-Lei nº 228/2009, de 14

Leia mais

0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos

0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos 0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos Trabalho elaborado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4 Índice Conteúdo Função:... 3 Descrição da Função:... 3 Perfil da Função:... 4 Processo de Recrutamento:...

Leia mais