Relatório trimestral de execução 1º trimestre

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório trimestral de execução 1º trimestre"

Transcrição

1 Relatório trimestral de execução 1º trimestre Funchal Abril de 2014

2 Índice 1 - Antecedentes O Plano Resultados do primeiro trimestre de Monitorização em Conjuntos Habitacionais Camarários Avaliação da situação (vistorias e monitorização) Metodologias... 6 Índice de Infestação Predial (HI)... 7 Índice de recipiente (CI)... 7 Índice de Breteau (BI)... 7 Índice de Risco Entomológico (ERI) Resultados... 8 Hotelaria... 8 Monitorização da atividade através da rede de Ovitraps MMF/MOSQIMAC Sensibilização e informação Hotelaria Estabelecimentos de ensino Outros Comércio e Serviços Ações na cidade vistorias e combate Reclamações Prevenção e combate em áreas públicas Ações de divulgação e informação para a população em geral Considerações finais Ficha técnica

3 2

4 1 - Antecedentes Os antecedentes que levaram à criação do Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue foram já referidos em relatórios anteriores, referentes ao primeiro ano de vigência do Plano. O presente relatório resume as atividades desenvolvidas, no período entre 1 de Janeiro e 31 de Março de 2014, por toda a equipa do Município do Funchal envolvida no Plano e que congrega os Departamentos de Educação e Ação Social, de Ambiente, de Planeamento Estratégico (Gabinete de Informação Geográfica) e de Ciência, com apoio ainda do Departamento de Sistemas e Tecnologias de Informação e da Sociohabitafunchal, E.M. Figura 1. Atividade do Aedes aegypti e casos confirmados de Dengue autóctone na Madeira. De realçar que no período a que se refere este relatório não se registaram na Madeira casos de dengue autóctone (Fig. 1). 3

5 2 O Plano Face ao aparecimento da doença e às suas implicações ao nível da população residente e flutuante do Funchal e com vista a enquadrar e a aumentar a eficácia das ações já desenvolvidas pelos técnicos da autarquia e a envolver ainda mais a comunidade na luta contra este mosquito, a Câmara Municipal do Funchal, no uso das suas competências, decidiu implementar um Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue. Este plano tem como objetivo contribuir para debelar o surto de Dengue no Funchal através da eliminação drástica e duradoura de focos de mosquitos, Aedes aegypti e consequentemente, conduzir à interrupção do ciclo de transmissão da doença, com o envolvimento da população residente. Geograficamente cobre toda a área urbana do Concelho. A estratégia de intervenção é baseada na luta anti vetorial contra a doença, através da eliminação de focos/criadouros de mosquitos Aedes aegypti, e compreende os seguintes eixos de atuação: 1 Inventariação dos focos/criadouros do mosquito; 2 Monitorização da atividade do mosquito com recurso a armadilhas e estabelecimento de indicadores; 3 Combate aos criadouros nas áreas públicas e apoio a entidades privadas; 4 Sensibilização da população dos conjuntos habitacionais camarários; 5 Envolvimento das Juntas de Freguesia com vista à mobilização e envolvimento direto da Comunidade; 6 Ações de informação junto dos sectores do comércio, serviços e turismo; 7 Articulação com outras entidades e programas; O plano prevê o envolvimento de: equipas de sensibilização (1-2 pessoas/equipa) Departamentos Educação e Promoção Social, Ciência e Sociohabitafunchal E.M. equipas de monitorização/investigação (2 pessoas/equipa) Departamento de Ciência brigadas de combate Departamento de Ambiente e Juntas de Freguesia. 1 equipa de tratamento e análise de dados (4 pessoas) Departamentos de Ciência e Planeamento Estratégico (Gabinete de Informação Geográfica). O plano, com a duração de dois anos, teve início em Dezembro de No final serão avaliadas as metas e os resultados atingidos, sendo decididos nessa altura os moldes da sua continuação. 4

6 3 Resultados do primeiro trimestre de Monitorização em Conjuntos Habitacionais Camarários Foram selecionados 3 conjuntos habitacionais (CH) camarários no Funchal, com vista a executar o Plano nas suas variadas vertentes. Os CH escolhidos foram: CH do Comboio, CH das Cruzes e CH dos Viveiros (bloco III) (Fig. 2). Contribuiu para a escolha o facto de estarem localizados em locais infestados com o mosquito, possuírem uma população variada, quer em termos etários, quer culturais e possuírem uma dimensão que permitisse executar os objetivos do plano, com os recursos humanos e materiais disponíveis. Figura 2. Localização dos complexos habitacionais da CMF com intervenção do Plano. Em cada CH foram colocadas armadilhas de oviposição (Fig. 3), que foram vistoriadas semanalmente e cujos resultados são apresentados na Figura 4. Figura 3. Armadilha de oviposição colocada no interior de uma residência. 5

7 Conj. Hab. das Cruzes (armadilha n.º) janeiro fevereiro março janeiro fevereiro março Conj. Hab. do Comboio Conj. Hab. das Viveiros (armadilha n.º) (armadilha n.º) Figura 4. Resultados das vistorias semanais às armadilhas de oviposição colocadas nos complexos habitacionais. Consideram-se armadilhas positivas (a vermelho) aquelas que apresentaram deposição de ovos de Aedes aegypti Avaliação da situação (vistorias e monitorização) Metodologias Para a avaliação do estado de referência das áreas em estudo, procurou-se utilizar índices cuja sensibilidade e importância foi já comprovada em estudos feitos noutras regiões. Nesta medida foram selecionados 4 índices: 6

8 Índice de Infestação Predial (HI) Com este índice calcula-se a percentagem de edifícios infestados com larvas de A. aegypti. Este índice calcula-se independentemente da natureza da ocupação dos edifícios, se residencial ou comercial. Não obstante ser usado para medir os níveis populacionais dos vetores Aedes, não tem em conta o número de recipientes positivos por imóvel, nem a produtividade de cada recipiente. Mesmo assim, pode ser útil, uma vez que fornece a percentagem de imóveis positivos. HI (%) = Ipos x 100 Ipesq em que: Ipos = nº de imóveis positivos e Ipesq = nº de imóveis pesquisados. Índice de recipiente (CI) Este índice calcula a percentagem de recipientes com água que são positivos para larvas. Considera todo e qualquer recipiente passível de ser criadouro, permitindo revelar o percentual de recipientes, com água, que são positivos para larva e pupa de Aedes. Com isso, obtêm-se apenas o número e os tipos de recipientes positivos sem ter-se em conta suas produtividades. CI (%) = Rpos Rpesq x 100 em que: Rpos = nº de recipientes positivos e Rpesq = nº de recipientes pesquisados (criadouros potenciais e efetivos). Índice de Breteau (BI) Este índice estabelece uma relação entre recipientes e imóveis dando o perfil dos habitats preferidos para o mosquito Aedes. Tem sido, a priori, o índice mais usado para estimar a densidade de A. aegypti. Entretanto, incorre na mesma falha dos dois anteriores, ou seja, também não considera a produtividade dos habitats. BI = Rpos Ipesq x 100 em que: Rpos = nº de recipientes positivos e Ipesq= nº de imóveis pesquisados. Índice de Risco Entomológico (ERI) Este índice, desenvolvido pela primeira vez para este Plano, é uma modificação do Índice de Breteau. Estabelece uma relação entre o número total de recipientes passíveis de constituir criadouros (considera todo e qualquer recipiente capaz de acumular água) e os imóveis pesquisados dando assim uma indicação do risco de propagação do mosquito Aedes, independentemente de ele ter sido encontrado ou não. A sua aplicação reveste-se de particular importância nos casos em que o Índice de Breteau é igual ou próximo de 0, mas que as ovitraps indicam a presença de Aedes. ERI = Rneg + Rpot + Rpos Ipesq em que Rneg = nº de recipientes com água sem larvas e/ou pupas, Rpot = nº de recipientes passíveis de acumular água, Rpos = nº de recipientes positivos e Ipesq= nº de imóveis pesquisados. Para efeitos de melhor compreensão do risco, foi estabelecida a seguinte escala qualitativa: 7

9 Grau de risco Valor de ERI Muito baixo <100 Baixo Médio Alto Muito alto > Resultados No período em apreço neste relatório foram efetuadas as vistorias periódicas nos conjuntos habitacionais em estudo. Foram efetuadas vistorias em algumas unidades hoteleiras do Funchal (Tab. 1). Em todos os casos e sempre que possível, foram calculados os índices relevantes e registada a presença de outras espécies de mosquitos. Hotelaria Tabela 1. Resultados das vistorias efetuadas em unidades hoteleiras no primeiro trimestre de Mês Nº unidades Hoteleiras Freguesia Índice de Recipiente (CI) Índice de Infestação Predial (HI) Índice de Breteau (BI) Índice de Risco Entomológico (ERI) fevereiro 3 São Martinho 0,49 33,3 33,3 68,3 março 2 São Martinho Monitorização da atividade através da rede de Ovitraps MMF/MOSQIMAC Ao abrigo do projeto PCT-MAC MOSQIMAC, o Museu de História Natural do Funchal mantém uma rede de armadilhas de oviposição (Fig. 3) na cidade do Funchal (Figs. 5 e 6) as quais são monitorizadas semanalmente. 8

10 Figura 5. Rede de armadilhas de oviposição ( Ovitraps ) em permanência na cidade do Funchal e monitorizadas pelo Museu de História Natural do Funchal. A vermelho estão representadas as armadilhas que apresentaram deposição de ovos do mosquito A. aegypti no decurso do 1º trimestre de A dimensão dos círculos reflete o número médio de ovos depositados mensalmente, que está referido por cima de cada círculo. (Tratamento de dados: GeoFunchal/Gab. Informação Geográfica). Figura 6. Rede de armadilhas de oviposição ( Ovitraps ) em permanência na cidade do Funchal e monitorizadas pelo Museu de História Natural do Funchal. Deposição semanal de ovos do mosquito A. aegypti no decurso do 1º trimestre de (Tratamento de dados: GeoFunchal/Gab. Informação Geográfica). 9

11 3.3. Sensibilização e informação As ações de sensibilização são uma ferramenta importante para se fomentar uma mudança de atitudes, com vista a comportamentos mais sustentáveis. Apesar da sensibilização por si só não levar a mudanças permanentes, é um passo importante para a consciencialização de todos os munícipes relativamente ao problema atual do combate ao mosquito (Aedes aegypti), vetor de transmissão da Dengue. O Município do Funchal, de 1 de Janeiro a 31 de Março de 2014, realizou 69 ações de sensibilização, integradas neste Plano Municipal, envolvendo 1091 pessoas (Tabela 4). Tabela 4. Ações de divulgação e sensibilização no Concelho do Funchal no 1º trimestre de Nº de ações Nº de pessoas envolvidas Escolas Centros comunitários - - Conjuntos habitacionais Juntas de Freguesia - - Hotelaria Serviços públicos Público em geral Totais Hotelaria Foram efetuadas vistorias e ações de sensibilização em 5 unidades hoteleiras na freguesia de São Martinho (Tab. 5). Tabela 5. Unidades hoteleiras visitadas no 1º trimestre de São Martinho Hotel Pestana Promenade Hotel Pestana Bay Hotel Pestana Gardens Hotel Pestana Palms Hotel Pestana Village Nota: em cada um destes locais foram deixados panfletos, tal como é feito nos estabelecimentos comerciais e serviços. 10

12 Estabelecimentos de ensino Efetuaram-se ações de sensibilização no Externato Princesa D. Maria Amélia e Escola Profissional Cristóvão Colombo. Outros No Estabelecimento Prisional do Funchal efetuaram-se ações de sensibilização. Comércio e Serviços Foi dada continuidade ao programa de sensibilização porta-a-porta junto do setor do comércio e serviços (Tabela 6). Tabela 6. Ações de sensibilização junto do setor do comércio e serviços levadas a cabo durante o 1º trimestre de 2014 na freguesia de São Martinho. Tipologia 3.4. Ações na cidade vistorias e combate Freguesia de S. Martinho nº estabelec. nº de pessoas Alimentação Escritórios Industrial 1 6 Restauração Serviços e comércio geral Grandes superfícies 0 0 Pequena Hotelaria 0 0 Totais Reclamações Ficou de início acordado que todas as reclamações oriundas dos munícipes e referentes à existência de criadouros do mosquito ou outras situações relacionadas com este Plano seriam centralizadas na Linha do Ambiente da CMF. O Departamento de Ambiente efetua uma análise destas reclamações e dá o respetivo seguimento. Paralelamente estas reclamações são carregadas num sistema SIG, pelo Gabinete de Informação Geográfica da CMF, que disponibiliza um mapa com as mesmas. 11

13 A situação das reclamações com referência a 31 de Março de 2014, num total de 46 registos (42 resolvidos e 4 em resolução), está patente na Figura 7. Figura 7. Distribuição das reclamações recebidas na Linha do Ambiente e sua situação a 31 de Março de Das 46 reclamações recebidas é de realçar que 60,86% correspondem a ocorrências em propriedades privadas e que, da totalidade dos casos apresentados, apenas 2,17% confirmaram a presença de mosquitos Aedes aegypti. No decorrer das ações desenvolvidas neste 1º trimestre foram despendidos cerca de 36 meios humanos e 14 viaturas (Tab. 7). 12

14 Tabela 7. Distribuição das reclamações apresentadas por freguesia e caracterização do esforço representado. Freguesia nº de reclamações Prop. Pública Prop. Privada Presença confirmada de A. aegypti Meios humanos empregues Meios mecânicos empregues (viatura) nº de horas consumidas São Gonçalo :00 Santa Maria Maior :30 Sé :00 São Pedro :30 São Roque :00 Imaculado :00 Santo António São Martinho : :00 Santa Luzia :00 Monte :00 Totais :00 nº de casos nº de horas Para a comunicação de situações relacionadas com o plano municipal de combate ao mosquito, o , foi o meio de comunicação mais utilizado, representando cerca de 43,47% (Tab. 8). 13

15 Tabela 8. Meios utilizados pelos munícipes para apresentarem reclamações ou comunicarem situações de preocupação relacionadas com o mosquito. Freguesia Linha do Ambiente Site Balcão Oficio Total São Gonçalo Santa Maria Maior Sé São Pedro São Roque Imaculado Santo António São Martinho Santa Luzia Monte Totais Prevenção e combate em áreas públicas O Departamento de Ambiente estabeleceu um plano de prevenção e combate em áreas públicas, com particular ênfase para a limpeza de sarjetas na via pública nas freguesias mais afetadas por este mosquito: Santa Maria Maior, Santa Luzia, Sé e S. Pedro (Fig. 8). Neste período, de Janeiro a Março, foram intervencionadas 2211 sarjetas do concelho. 14

16 Figura 8. Limpeza e desinfeção de sarjetas na via pública no decurso do 1º trimestre de Ações de divulgação e informação para a população em geral Durante este período foi feita a distribuição de um desdobrável (Fig. 9) informativo em todas as ações junto do setor do comércio e serviços, acompanhado de um flyer com informação adicional dirigida a este setor específico (Fig. 10). 15

17 Figura 9. Panfleto desdobrável distribuído à população através da fatura de consumo de água e nas ações de informação e sensibilização. 16

18 Figura 10. Flyer direcionado para o setor do comércio. O sítio Internet oficial deste Plano Municipal, (www.cm-funchal.pt/todoscontraomosquito) (Fig. 11) registou neste 1º trimestre 70 acessos, e como já foi referido anteriormente, foi utilizado pelos munícipes para comunicar 14 situações da presença de criadouros na cidade. 17

19 Figura 11. Página inicial do sítio Internet oficial do Plano Municipal de combate ao mosquito vetor de transmissão da Dengue. 18

20 4- Considerações finais Neste primeiro trimestre do ano assiste-se a um período de baixa atividade do mosquito Aedes aegypti, de acordo com dados fornecidos pelo projeto MOSQIMAC. Em todo o trimestre não se registaram casos confirmados de Dengue autóctone (Fig. 1). Comparativamente ao trimestre anterior o número de armadilhas positivas diminuiu significativamente nos 3 complexos habitacionais em estudo (Fig. 4). Em 5 unidades hoteleiras vistoriadas, na freguesia de São Martinho (Tab. 1), os valores dos índices de recipiente, predial e de Breteau foram baixos. Quanto ao índice de risco entomológico, as unidades hoteleiras visitadas em fevereiro e março, apresentaram, respetivamente, um risco muito baixo e baixo. Os resultados das armadilhas de oviposição da rede MOSQIMAC mostram uma atividade consentânea com a época do ano (Fig. 5 e 6). Neste trimestre continuou o trabalho de informação e divulgação desta temática (palestras e outras ações de sensibilização, com distribuição de folhetos informativos), com ações junto da comunidade (Tab. 4) e porta-a-porta no setor do comércio e serviços (Tab. 6). Cinco unidades hoteleiras foram vistoriadas durante este trimestre (Tab. 5). O correio eletrónico e o sítio Internet oficial do Plano Municipal foram as vias mais utilizadas pelos munícipes para relatarem situações relacionadas com a presença do mosquito (Tab. 8). Das 46 ocorrências comunicadas, quase 61% disseram respeito a propriedades particulares e, em apenas 2% dos casos, se confirmou a presença de Aedes aegypti (Tab. 7). As reclamações distribuíram-se por toda a parte baixa da cidade, com particular incidência nas freguesias de Santa Maria Maior, São Pedro e Sé (Fig. 7). Neste trimestre continuou o trabalho de limpeza de sarjetas na via pública feito pelo Departamento de Ambiente (Fig. 8). Esta limpeza é feita com água. Logo que seja possível, as sarjetas passarão a ser tratadas com sal-gema, o que irá permitir uma maior eficácia de controlo dos criadouros, sobretudo nos períodos sem chuva. Continua a constituir um motivo de preocupação a presença de plantas da família Bromeliaceae nalguns jardins públicos do Funchal. Serão envidados todos os esforços para que, antes do Verão, estas venham a ser substituídas por outras plantas que não acumulem água. Também é motivo de preocupação a proliferação de recipientes com água nas Hortas Urbanas e Hortas Sociais do Funchal, alguns dos quais constituem criadouros de A. aegypti. Esta situação será abordada com a administração da Sociohabitafunchal com vista à sua correção. Não é de mais ressalvar o facto de estarem a trabalhar ativamente neste Plano pelo menos 4 departamentos da Câmara Municipal do Funchal, envolvendo cerca de 20 técnicos superiores e assistentes técnicos, mais de 20 assistentes operacionais e 1 estagiário. Considerando que estes colaboradores continuam a desempenhar as suas funções definidas no âmbito das atividades normais dos seus serviços, só uma grande dedicação e elevado profissionalismo permite que um Plano com estes objetivos, aplicado a uma cidade com mais de habitantes e com hábitos e tradições tão propícios à proliferação deste mosquito, possa vir a dar frutos. 19

21 Para além do esforço humano, a Câmara Municipal do Funchal está também a fazer um grande esforço financeiro. É assim urgente encontrar fontes alternativas de financiamento que permitam um reforço das atividades e assegurem uma boa execução deste Plano. Ficha técnica Autoria: Manuel Biscoito, Ricardo Araújo, Sérgio Barrancos, Raquel Brazão, Sara Ferreira, Ysabel Gonçalves, Ana Silva Jesus, Iolanda Lucas, Nelson Diego Pereira, Gil Serrão, Juan Silva e Victor Jordão Soares Câmara Municipal do Funchal. Pelouros do Ambiente e Ciência e Ação Social e Educação. 20

Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue

Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue Plano Municipal de Combate ao Mosquito Vetor de Transmissão da Dengue Funchal, Novembro de 2012 ÍNDICE Resumo executivo... 2 I Introdução... 4 II Objetivo... 5 III Estratégia de atuação... 5 IV Área de

Leia mais

Relatório anual de execução 2013

Relatório anual de execução 2013 Relatório anual de execução 2013 Funchal Fevereiro de 2014 Ficha técnica Autoria: Manuel Biscoito, Ricardo Araújo, Sérgio Barrancos, Raquel Brazão, Sara Ferreira, Gil André Freitas, Ysabel, Ana Silva Jesus,

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DO AEDES AEGYPTI

PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DO AEDES AEGYPTI PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DO AEDES AEGYPTI Novembro de 2012 Atualizado em março 2013 Rua das Pretas, n.º 1 9004-515 Funchal ( 291212300 Fax: 291281421 - iasaude@iasaude.sras.gov-madeira.pt

Leia mais

Francisco Paz 09/12/2015

Francisco Paz 09/12/2015 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado de Saúde DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA VÍRUS: DESAFIOS PARA A GESTÃO Plano de Intensificação do combate ao Aedes aegypti Francisco Paz 09/12/2015 Ações estaduais

Leia mais

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE Vigilância epidemiológica e controle vetorial

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte: ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 018/2012 DATA: 31/10/2012 Luta anti vetorial contra Aedes aegypti Luta anti vetorial; Aedes aegypti; Dengue Autoridades de saúde; Departamentos e Unidades

Leia mais

Índice SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 NOTA INTRODUTÓRIA... 7 ENQUADRAMENTO E ATIVIDADES... 8 COORDENAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO...

Índice SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 NOTA INTRODUTÓRIA... 7 ENQUADRAMENTO E ATIVIDADES... 8 COORDENAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO... Índice SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 NOTA INTRODUTÓRIA... 7 ENQUADRAMENTO E ATIVIDADES... 8 COORDENAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO... 11 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA... 12 Outline do surto... 12 Taxa de Incidência... 13

Leia mais

Resultado do LIRAa. Março / 2014. Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498

Resultado do LIRAa. Março / 2014. Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498 Resultado do LIRAa Março / 2014 Responsáveis pela Consolidação dos Dados: Romário Gabriel Aquino 18048 Bruno Rodrigues Generoso 17498 Levantamento Rápido de Índices LIRAa O LIRAa foi desenvolvido em 2002,

Leia mais

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011 Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar Ano lectivo 2010/2011 Apreciação Geral A aplicação do Regime de Fruta Escolar (RFE) em Portugal tem os seguintes objectivos gerais: Saúde Pública:

Leia mais

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001 1 reintrodução da dengue no Brasil em 1986 pelo Estado do Rio de Janeiro um sério problema de Saúde Pública, com 8 epidemias associadas aos sorotipos 1, 2 e 3 taxas de incidência: novo aumento a partir

Leia mais

Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho

Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho Coordenação Geral Programa Nacional de Controle da Dengue, Chikungunya e Zika - CGPNCD Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde dengue@saude.gov.br

Leia mais

Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015

Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015 Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015 Plano de Atividades Programa de Educação para a Sustentabilidade O Programa de Educação para a Sustentabilidade para o ano letivo 2014/2015 integra

Leia mais

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE.

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. AUTORES:Madureira, M.L 1.; Oliveira, B.C.E.P.D 1.; Oliveira Filho, A. M. 2 ; Liberto, M.I.M. 1 & Cabral, M. C. 1. INSTITUIÇÃO( 1 - Instituto

Leia mais

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE MACHADO, Luana Pequeno Vasconcelos¹; SOUSA, Bruna Katiele de Paula²; VALADÃO, Danilo Ferreira³; SIQUEIRA, João

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CURSO INTRODUTÓRIO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA PARA AGENTES DE COMBATE AS ENDEMIAS ALUNO (A): PROFESSOR (A): CETAM Centro de Educação Tecnológica do Amazonas SUMÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima RECOMENDAÇÃO Nº 001/2011 MPF/RR P R DC Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão OBJETO: Inquérito Civil Público nº 1.32.000.000111/2010-37.

Leia mais

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS 1. Caracterização da situação anterior: Cidade polo da região sudoeste de Mato Grosso do Sul, Jardim está situado na região da Serra da Bodoquena no entroncamento

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO E INGRESSO PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS ETAPA 2 CURSO INTRODUTÓRIO INSTRUÇÕES

Leia mais

Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus

Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus Comunicação e Marketing Ltda Veículo: Editoria: Notícias www.acritica.uol.com.br Coluna: -- Assunto: Larvas do mosquito da dengue tem local propício para proliferação em canteiros de obras de Manaus Origem:

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE!

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! O mosquito da Dengue se prolifera em "em silêncio". Gosta de "sombra e água limpa". O melhor jeito de combatê-lo é eliminando os criadouros

Leia mais

Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC. Comissão Plano de Prevenção à Dengue

Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC. Comissão Plano de Prevenção à Dengue Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC Comissão Plano de Prevenção à Dengue (Portaria Nº 1829/2015/GR/UFSC) Carlos José de Carvalho Pinto CCB/MIP (Presidente) Adriana Rodrigues secretária

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 12 de agosto de 2015. Série. Número 146

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 12 de agosto de 2015. Série. Número 146 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 12 de agosto de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA SAÚDE Despacho n.º 372/2015 Designa no cargo de Chefe do Gabinete, o licenciado Miguel

Leia mais

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Karla Yamina Guimarães Santos 1 Diego Alves Gomes 2 Rafael Aguiar Marino 2 Eduardo Barbosa Beserra 2 Ricardo Alves de

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014)

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) 1 NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) Assunto: Avaliação de armadilhas para a vigilância entomológica de Aedes aegypti com vistas à elaboração de novos índices

Leia mais

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti

Leia mais

Apresentação Mobilização no combate à dengue

Apresentação Mobilização no combate à dengue Apresentação Mobilização no combate à dengue Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Com a temporada de chuvas, os riscos de surtos da doença ficam ainda

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS FEVEREIRO 2011 ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE DIRETOR: JOSÉ CANDIDO DE CASTRO NETO COORDENADORA: FÁTIMA SURIANO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO CONTINENTE SORRISO 2015 Preâmbulo. 1.º Objeto

REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO CONTINENTE SORRISO 2015 Preâmbulo. 1.º Objeto PARA GRANDES CAUSAS, GRANDES MISSÕES. REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO CONTINENTE SORRISO 2015 Preâmbulo A MISSÃO CONTINENTE é a marca agregadora de todas as iniciativas de desenvolvimento sustentável e

Leia mais

Projeto Educação Para a Segurança e Prevenção de Riscos 2013 / 2014

Projeto Educação Para a Segurança e Prevenção de Riscos 2013 / 2014 Educação Para a Segurança e Prevenção de Riscos 2013 / 2014 Histórico: 1ª fase - A necessidade de Emergência (PPE) das escolas e criação de uma Assessoria Técnica na SREC (2007 elaboração Plano de Prevenção

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas. desde 1896

Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas. desde 1896 Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas desde 1896 Quem Somos? Instituição de Utilidade Pública Restauração Pastelarias e Cafés Mais de um século de existência Empreendimentos Turísticos

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde

Secretaria de Estado da Saúde Aedes aegypti ovos larvas pupas Inseto adulto Aedes aegypti É o mosquito que transmite Dengue Leva em média 7 dias de ovo a adulto; Tem hábitos diurnos; Vive dentro ou próximo de habitações humanas; A

Leia mais

Retrato Estatístico do Funchal

Retrato Estatístico do Funchal Retrato Estatístico do Funchal Resultados Definitivos dos Censos 2011 EDUCAÇÃO POPULAÇÃO JUVENTUDE E ENVELHECIMENTO MOVIMENTOS POPULACIONAIS PARQUE HABITACIONAL ECONOMIA E EMPREGO CONDIÇÕES DE HABITABILIDADE

Leia mais

Plano Atividades Câmara Municipal do Funchal

Plano Atividades Câmara Municipal do Funchal 2015 Plano Atividades 1 Câmara Municipal do Funchal Departamento de Educação e Promoção Social 2 A Câmara Municipal do Funchal, no âmbito do seu Programa de Educação para a Cidadania, desenvolve, através

Leia mais

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti.

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Cartilha de Dengue Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Conhecendo o ciclo biológico do mosquito O Aedes aegypti

Leia mais

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objeto) O presente regulamento define as normas de participação e intervenção no Orçamento Participativo do Município da

Leia mais

Proposta de Lei n.º 189/XII

Proposta de Lei n.º 189/XII Proposta de Lei n.º 189/XII ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DE EPIDEMIAS DA FEBRE DO DENGUE A febre do dengue figura entre algumas das doenças que poderão ser consideradas emergentes no

Leia mais

Programa de Controle da Dengue/SC

Programa de Controle da Dengue/SC Programa de Controle da Dengue/SC Estratégia operacional de prevenção e controle da dengue para municípios não infestados por Aedes aegypti, infestados por Aedes aegypti sem circulação viral e infestados

Leia mais

Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue De acordo com a Secretaria de Saúde, 59% das vistorias previstas já foram realizadas.

Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue De acordo com a Secretaria de Saúde, 59% das vistorias previstas já foram realizadas. www.portalamazonia.com.br Coluna: Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue Mais de 206 mil imóveis visitados em Combate à Dengue De acordo com a Secretaria de Saúde, 59% das vistorias previstas

Leia mais

Boletim Entomológico Semana 35 de 2015

Boletim Entomológico Semana 35 de 2015 SECRETARIA REGIONAL DA SAÚDE INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP- Boletim Entomológico Semana 35 de 2015 Madeira e Porto Santo Descrição das armadilhas: Ovitraps e BG-Sentinel traps

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO)

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM REGIME DE OVERBOOKING EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO PREVENÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO ÀS FAMÍLIAS NA CONSTRUÇÃO E RECUPERAÇÃO DAS HABITAÇÕES ATINGIDAS PELO TEMPORAL DE 20 DE FEVEREIRO

PROGRAMA DE APOIO ÀS FAMÍLIAS NA CONSTRUÇÃO E RECUPERAÇÃO DAS HABITAÇÕES ATINGIDAS PELO TEMPORAL DE 20 DE FEVEREIRO PROGRAMA DE APOIO ÀS FAMÍLIAS NA CONSTRUÇÃO E RECUPERAÇÃO DAS HABITAÇÕES ATINGIDAS PELO TEMPORAL DE 20 DE FEVEREIRO Objectivo Apoio na realização de obras de construção ou reabilitação de habitação própria

Leia mais

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO Prof. Dr. Rivaldo Venâncio da Cunha Dourados, 08 de fevereiro de 2007 O que é o dengue? O dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus; Este vírus pode ser de quatro

Leia mais

CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE

CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE CONTROLE DA DENGUE EM BANDEIRANTES, PARANÁ: IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE DAS AÇÕES PREVENTIVAS Marcelo Henrique Otenio 1 Regina H. F. Ohira 2 Simone Castanho S. Melo 3 Ana Paula Lopes Maciel 4 Edmara Janey

Leia mais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais II eminário DENGUE: desafios para políticas integradas de ambiente, atenção e promoção da saúde Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais Instituto Oswaldo Cruz FIOCUZ Laboratório Fisiologia e Controle

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

O Mosquito Aedes aegypti

O Mosquito Aedes aegypti O Mosquito Aedes aegypti MOSQUITO A origem do Aedes aegypti, inseto transmissor da doença ao homem, é africana. Na verdade, quem contamina é a fêmea, pois o macho apenas se alimenta de carboidratos extraídos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE MARÇO 2015 Dia 2: IUC: Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação - IUC, relativo aos veículos cujo aniversário

Leia mais

Regulamento Interno. Preâmbulo

Regulamento Interno. Preâmbulo Regulamento Interno Preâmbulo A Resolução de Conselho de Ministros 197/97 de 18 de Novembro define a Rede Social como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre das autarquias

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE COMBATE A DENGUE

PLANO MUNICIPAL DE COMBATE A DENGUE 1 PLANO MUNICIPAL DE COMBATE A DENGUE 2013 2014 2 PLANO MUNICIPAL DE COMBATE A DENGUE 2013 2014 Vigilância Sanitária Vigilância Epidemiológica Estância Turística de Paranapanema SP 2013 3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

Mobilização Nacional contra o Aedes aegypti. Atividades realizadas nas empresas Eletrobras no dia 11 de março de 2016

Mobilização Nacional contra o Aedes aegypti. Atividades realizadas nas empresas Eletrobras no dia 11 de março de 2016 Mobilização Nacional contra o Aedes aegypti Atividades realizadas nas empresas Eletrobras no dia 11 de março de 2016 Eletrobras holding: Envio de e-mail no dia 10/3/2016 com mensagem do presidente da Eletrobras

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE AMBIENTE PROPOSTA DO PLANO ELABORADO POR CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR

PLANO MUNICIPAL DE AMBIENTE PROPOSTA DO PLANO ELABORADO POR CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR PLANO MUNICIPAL DE AMBIENTE PROPOSTA DO PLANO ELABORADO POR CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR FICHA TÉCNICA Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar Eng.º Duarte Marques Eng.ª Cristina Vieira Divisão

Leia mais

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE O Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE, visa dar a conhecer a forma como a CMMN pretende continuar a divulgar os resultados obtidos ao longo do projecto GAPS. Dividido em duas partes, a primeira tem

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 1 Situação Geral Uma pandemia de gripe ocorre quando um novo vírus do tipo A, para o qual a população tem uma susceptibilidade quase universal, surge

Leia mais

EQUIPE AGENTES DE ENDEMIAS TAILENE RAMBO SCHARDONG - 2641 VIANEI ANTONINO STEIN 2645 LUCAS COSTA DA ROSA 2647 JOSÉ BERWANGER - 2640

EQUIPE AGENTES DE ENDEMIAS TAILENE RAMBO SCHARDONG - 2641 VIANEI ANTONINO STEIN 2645 LUCAS COSTA DA ROSA 2647 JOSÉ BERWANGER - 2640 MUNICÍPIO DE PORTÃO População: 28583 (Censo IBGE 2007) Imóveis: 9981 (Censo IBGE 2007) Agentes de Endemias: 4 agentes Dpt VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL ENDEREÇO: Rua 09 de Outubro, 313 3 Andar TELEFONE:

Leia mais

A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO

A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO Razão Social: JESSICA APARECIDA NAGALINE LOURENÇO ME Ramo de Atividade: Açougue CPF/CNPJ: 16.579.958/0001-19 Endereço:

Leia mais

E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS

E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS MAIO/2015 E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA E.E. DR. João Ponce de Arruda Rua: Conceição do Rio Pardo, Nº: 1997 Centro.

Leia mais

QUALIDADE DE SERVIÇO DE NATUREZA TÉCNICA NO SECTOR ELÉCTRICO

QUALIDADE DE SERVIÇO DE NATUREZA TÉCNICA NO SECTOR ELÉCTRICO QUALIDADE DE SERVIÇO TÉCNICA A qualidade de serviço de natureza técnica no sector eléctrico está associada à análise dos seguintes aspectos: Fiabilidade do fornecimento da energia eléctrica (continuidade

Leia mais

4 07-09-2011 Revisão geral acordo ortográfico. 5 04-07-2013 Revisão geral e alteração do mapa de processos

4 07-09-2011 Revisão geral acordo ortográfico. 5 04-07-2013 Revisão geral e alteração do mapa de processos Elaborado por GQ: Aprovado Por: Cópia Controlada Nº Cópia Não Controlada Revisão Data Descrição Alteração 0 2004/11/30 Emissão 1 21-06-2008 Revisão Geral 2 08-01-2009 Revisão Geral 3 13-10-2010 Revisão

Leia mais

Ciclo do mosquito da Dengue

Ciclo do mosquito da Dengue DENGUE 2,5 bilhões de pessoas em risco 100 milhões de casos por ano Estimativa de 400.000 casos de FHD 100 mil óbitos por ano 100 países endêmicos 121 mil casos no RJ em 2008 103 óbitos (42% em crianças

Leia mais

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU

Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU Secretaria de Estado de Saúde Pública UHE BELO MONTE AÇÕES MITIGADORAS NA REGIÃO DE SÁUDE DO XINGU PLANO BÁSICO AMBIENTAL Saúde Equipamentos de saúde Controle da malária Saúde indígena O Plano de Saúde

Leia mais

SE CORRER O BICHO PEGA, SE FICAR O BICHO PICA PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE NO AMBIENTE DE TRABALHO

SE CORRER O BICHO PEGA, SE FICAR O BICHO PICA PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE NO AMBIENTE DE TRABALHO SE CORRER O BICHO PEGA, SE FICAR O BICHO PICA PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE NO AMBIENTE DE TRABALHO Autores Adão Vieira Gonçalves Adhemar Augusto Craveiro Neide Aparecida Leão Guesso Sandra Inêz Moura

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO 2013

REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO 2013 REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO 2013 1.º Objeto O Concurso Missão Sorriso é uma iniciativa da Modelo Continente Hipermercados S.A. com sede na Rua João Mendonça, 505, freguesia de Senhora da Hora,

Leia mais

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois DENGUE DENGUE : DOENÇA QUE MATA DENGUE FORMAS CLÍNICAS DA DENGUE Assintomática Oligossintomática Dengue clássica Dengue grave Febre hemorrágica Dengue com Complicações transmissão Dengue é transmitida

Leia mais

Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti

Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti SECRETÁRIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti Porto Alegre - RS 2016 SECRETÁRIA

Leia mais

VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DO VETOR DA DENGUE SANTA ROSA/RS NOVEMBRO/07

VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DO VETOR DA DENGUE SANTA ROSA/RS NOVEMBRO/07 VIGILÂNCIA ENTOMOLÓGICA DO VETOR DA DENGUE SANTA ROSA/RS NOVEMBRO/07 DENGUE A DOENÇA Doença febril aguda, de etiologia viral, transmitida pela fêmea do mosquito Aedes aegypti.. Existem 4 sorotipos do

Leia mais

LEVANTAMENTO RÁPIDO DO ÍNDICE DE INFESTAÇÃO POR AEDES AEGYPTI (LIRAA) DA ZONA OESTE DE LONDRINA/PR PARA O PERÍODO 2010-2013

LEVANTAMENTO RÁPIDO DO ÍNDICE DE INFESTAÇÃO POR AEDES AEGYPTI (LIRAA) DA ZONA OESTE DE LONDRINA/PR PARA O PERÍODO 2010-2013 In: Anais do VII Congresso Brasileiro de Geógrafos, Vitória: UFES/AGB,. ELIEZER ALVES FERREIRA Universidade Estadual de Londrina, eli_ezer2006@hotmail.com GILNEI MACHADO Universidade Estadual de Londrina,

Leia mais

Conferência Sistemas de Informação Geográfica - Que Políticas, afinal?

Conferência Sistemas de Informação Geográfica - Que Políticas, afinal? Conferência Sistemas de Informação Geográfica - Que Políticas, afinal? Graciosa Delgado Judas Gonçalves 22 OUT 2014 CADASTRO PREDIAL E SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias

Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias Biologia do Aedes Aegypti, O mosquito Aedes aegypti se desenvolve por meio de metamorfose completa e seu ciclo de vida

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SESIMBRA. Artigo 1º Noção e Objetivos

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SESIMBRA. Artigo 1º Noção e Objetivos REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SESIMBRA Artigo 1º Noção e Objetivos O Conselho Municipal de Educação de Sesimbra, adiante designado por CME, é uma instância de coordenação e consulta, a

Leia mais

DECRETO MUNICIPAL N O 2462/2015 Data: 28 de maio de 2015

DECRETO MUNICIPAL N O 2462/2015 Data: 28 de maio de 2015 DECRETO MUNICIPAL N O 2462/2015 Data: 28 de maio de 2015 HOMOLOGA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ MUNICIPAL DE MOBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO NO CONTROLE A DENGUE DE ITAPOÁ. de suas atribuições legais, SERGIO FERREIRA

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Laboratório de Estatística Aplicada ao Processamento de Imagens e Geoprocessamento INFLUÊNCIA DOS AGENTES

Leia mais

Agora é guerra! Todos contra a dengue.

Agora é guerra! Todos contra a dengue. Agora é guerra! Todos contra a dengue. Sinal de alerta A dengue mata. Neste ano, em Minas Gerais, a doença já matou quase quatro vezes mais que no ano passado. 768 Municípios 20 Municípios Críticos 65

Leia mais

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DO ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PACTUADA INTEGRADA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE DOENÇAS PPI-ECD - NAS UNIDADES FEDERADAS 1 2 Este instrutivo contém informações

Leia mais

Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento

Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento Na Cidade do Funchal existem diversos arruamentos destinados apenas

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

FDU JESSICA/CGD A INICIATIVA COMUNITÁRIA JESSICA. Figueira da Foz, Julho de 2014. Caixa Geral de Depósitos 2014 JULHO I 1

FDU JESSICA/CGD A INICIATIVA COMUNITÁRIA JESSICA. Figueira da Foz, Julho de 2014. Caixa Geral de Depósitos 2014 JULHO I 1 FDU JESSICA/CGD A INICIATIVA COMUNITÁRIA JESSICA Figueira da Foz, Julho de 2014 Caixa Geral de Depósitos 2014 JULHO I 1 O novo modelo de actuação no negócio imobiliário JESSICA (Joint European Support

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS PARA AS SOCIEDADES DE ADVOGADOS LISBOA, 5 DE MARÇO DE 2013 Página 1 de 15 ÍNDICE 1. Preâmbulo 2. Princípios Gerais do Código de Boas Práticas 3. Gestão de Risco 4. Conflitos de

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

X Legislatura Número: 01 III Sessão Legislativa (2013/2014) Terça-feira, 15 de outubro de 2013. Suplemento

X Legislatura Número: 01 III Sessão Legislativa (2013/2014) Terça-feira, 15 de outubro de 2013. Suplemento Região Autónoma da Madeira Assembleia Legislativa X Legislatura Número: 01 III Sessão Legislativa (2013/2014) Terça-feira, 15 de outubro de 2013 Suplemento Sumário - Composição da Mesa das Comissões Especializadas

Leia mais

Projecto. Normas de Participação

Projecto. Normas de Participação Projecto Normas de Participação PREÂMBULO Num momento em que o mundo global está cada vez mais presente na vida das crianças e jovens, consideraram os Municípios da Comunidade Intermunicipal da Lezíria

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias Equipamentos de Saúde Gerenciados pelo CEJAM em Embu das Artes 11 Unidades Básicas de Saúde com 25 equipes de Estratégia Saúde da Família 1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde 1 Projeto Dengue

Leia mais

SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015

SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015 SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015 O Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti LIRAa, de outubro de 2015, demonstra que 0,6% dos imóveis pesquisados em Belo Horizonte conta com a presença

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON. Curso: Introdução à Educação Digital. Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica

NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON. Curso: Introdução à Educação Digital. Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON Curso: Introdução à Educação Digital Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica Fique de na Dengue! ATENÇÃO: A dengue é uma doença muito dolorosa, deixa

Leia mais

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local A Autoridade Tributária e Aduaneira divulgou no passado dia 19, o ofíciocirculado n.º 20.180, contendo instruções sobre o enquadramento jurídicotributário

Leia mais

2. Operações de emergência

2. Operações de emergência Programa Nacional de Controle da Dengue CGPNCD/DEVEP Controle vetorial da Dengue (duas operações básicas) 1. Operações de rotina 2. Operações de emergência 1 Controle da Dengue (duas operações básicas)

Leia mais

PLANILHA ELETRÔNICA RELATORIODENGUE.xls. versão 2014

PLANILHA ELETRÔNICA RELATORIODENGUE.xls. versão 2014 CEVS/DVAS/PECD/PEVAa Programa Estadual de Controle da Dengue Programa Estadual de Vigilância do Aedes aegypti e Seção de Reservatórios e Vetores/ Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central /

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 11 Hotelaria - Incentivo à promoção da Eficiência Energética 2015 ÍNDICE 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética?... 3 2. Qual o enquadramento

Leia mais

Convívio de Adultos- Centro Comunitário António Aleixo

Convívio de Adultos- Centro Comunitário António Aleixo Convívio de Adultos- Centro Comunitário António Aleixo A Horta da AVÓ No inicio de Fevereiro, o Grupo de Convívio de Adultos do Centro Comunitário António Aleixo começou os trabalhos de limpeza de um canteiro

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DE COMBATE À DOENÇA DENGUE

PLANO DE CONTINGÊNCIA DE COMBATE À DOENÇA DENGUE PLANO DE CONTINGÊNCIA DE COMBATE À DOENÇA DENGUE Maio 2014 Plano de Contingência de Combate à Doença Dengue ARS Algarve, IP PLANO DE CONTINGÊNCIA DE COMBATE À DOENÇA DENGUE Elaborado por: Ana Cristina

Leia mais