ATIVIDADE SÍSMICA ATUAL NO NOROESTE DO CEARÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATIVIDADE SÍSMICA ATUAL NO NOROESTE DO CEARÁ"

Transcrição

1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências Exatas e da Terra Departamento de Geofísica Laboratório Sismológico Campus Universitário Natal - RN - Brasil Tel.: ; Fax: ATIVIDADE SÍSMICA ATUAL NO NOROESTE DO CEARÁ 1. Introdução A atividade sísmica na região noroeste do Ceará é antiga e a segunda mais importante no Nordeste do Brasil sendo precedida somente pela região da borda da Bacia Potiguar, que engloba o Rio Grande do Norte e o leste do Ceará. No noroeste do Ceará, em 1988, ocorreu um tremor de magnitude 4.0 em Groaíras e outro, em 1991, de magnitude 4.9 em Irauçuba. Desde janeiro de 2008 intensa atividade sísmica vem ocorrendo com área epicentral na Serra da Meruoca no limite dos municípios de Sobral, Alcantaras e Meruoca tendo ocorrido vários eventos de magnitude acima de 3.5, o maior deles, em maio de 2008, tendo atingido a magnitude 4.2. Esses eventos causaram danos em edificações públicas, residências e causaram apreensão generalizada na população, conforme foi amplamente divulgado nos meios de comunicação. Essa atividade nunca cessou embora o número de eventos sentidos pela população tenha diminuído. Essa atividade sísmica vem sendo monitorada e estudada pelo Laboratório Sismológico da UFRN (LabSis) desde o início, através da estação sismográfica de Sobral (SBBR), instalada com recursos do Projeto do Milênio (MCT/CNPq) no terreno da Embrapa Caprinos, em Sobral. Desde meados de 2008 foi instalada também uma estação sismográfica analógica (SBSF) no distrito do Jordão, cujos registros vem sendo analisados preliminarmente pela Defesa Civil do município de Sobral e pela UVA (Universidade do Vale do Acaraú) por permitirem um acompanhamento claro e simples da evolução da atividade sísmica na região. Recentemente dois novos episódios sísmicos chamaram a atenção da equipe do LabSis: o primeiro, uma série de eventos, não sentidos pela população, ocorridos no dia 04 de julho que visivelmente não eram da região da Serra da Meruoca; um novo evento sentido pela população da serra da Meruoca e vizinhança, ocorrido no dia 08 de julho. A análise desses eventos será feita a seguir.

2 2. Registro e movimento de partícula dos eventos Dos eventos de 04/07 foi analisado o maior deles visando determinar o epicentro provável, pelo método do movimento de partícula, e a magnitude do mesmo. O registro e o movimento de partícula desse evento são mostrados na Figura 1. De modo análogo o registro e movimento de partícula do evento de 08/07 é mostrado na Figura 2. Figura 1. Sismograma (SBBR, 3 componentes) e movimento de partícula do evento do dia 04 de julho às 09:47 UTC.

3 Figura 2. Sismograma (SBBR, 3 componentes) e movimento de partícula do evento do dia 08 de julho às 16:57 UTC. Para o sismo do dia 04 de julho, utilizando-se a leitura de fases (P e S) e o movimento de partícula foi determinado que o epicentro desse sismo está a 47,5 km da estação SBBR num azimute de 24 a partir do norte no sentido anti-horário. A magnitude desse evento foi estimada em 1.3. Para o sismo do dia 08 de julho, utilizando-se a mesma metodologia, foi determinada a distância epicentral de 20,2 km e um azimute de 358, praticamente ao norte da estação SBBR. A magnitude do evento foi estimada em 2.6.

4 O mapa da Figura 3 mostra a localização desses eventos. O primeiro evento tem epicentro no município de Santana do Acaraú numa área onde, até agora, não se conhecia atividade sísmica. Dada sua magnitude dificilmente seria sentido pela população. É de salientar que vários tremores ocorreram nessa área no mesmo dia (num total de 7). O segundo evento ocorreu na serra da Meruoca mas em local distinto do de onde normalmente os sismos ocorrem, como se pode ver na Figura 3, mais próximo de Massapê. Esse evento foi sentido pela população. Um levantamento mais detalhado feito pela Defesa Civil de Sobral mostrou que, de fato, a intensidade foi maior na área epicentral determinada. Figura 3. Mapa da região de Sobral - CE. As pequenas bolas azuis mostram os epicentros dos sismos de 04/07 (1) e 08/07/2009 (2). A área oval mostra a região onde normalmente vem ocorrendo os tremores na região de Sobral. O pequeno círculo vermelho mostra a localização da estação sismográfica SBBR.

5 3. Considerações finais Primeiramente, está claro que estamos diante de duas novas áreas sísmicas no noroeste do Ceará sendo impossível prever qual será sua evolução em termos de atividade, duração e magnitude máxima que possa vir a ocorrer. Em segundo lugar, no entanto, a nova atividade na serra da Meruoca carece um pouco mais de atenção. Há uma questão chave que ainda não temos condições de responder e de vital importância: a nova atividade sísmica na serra da Meruoca está sobre a mesma falha da atividade próxima já conhecida? Se sim, temos um aumento no tamanho da falha ativa se não, temos uma outra falha ativa na região. No primeiro caso é possível que ainda possam ocorrer novos tremores fortes na região. Agradecemos ao CNPq (Projeto do Milênio e INCT de Estudos Tectônicos), à Prefeitura de Sobral e à Embrapa pelo apoio. Participaram da análise dos dados o técnico Eduardo Menezes, o doutorando Heleno Lima Neto e os bolsistas André Gomes, Hugo Castro, Myrli Andrade e Renato Dantas Natal, 10 de julho de 2009.

USINA HIDRELÉTRICA SANTO ANTÔNIO

USINA HIDRELÉTRICA SANTO ANTÔNIO USINA HIDRELÉTRICA SANTO ANTÔNIO Programa de Monitoramento Sismológico Avaliação Ocorrência Sismos Induzidos EMPRESA: WW Consultoria e Tecnologia Ltda. DATA DO RELATÓRIO: Janeiro de 2013 RESPONSÁVEL DA

Leia mais

Qual o tamanho do bolo publicitário em Santa Catarina?

Qual o tamanho do bolo publicitário em Santa Catarina? Qual o tamanho do bolo publicitário em Santa Catarina? Para responder a esta pergunta, o Instituto MAPA, levantou o volume de faturamento com veiculação publicitária junto aos veículos de comunicação dos

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA REDUÇÃO DO ESPELHO D ÁGUA NOS RESERVATÓRIOS DO MUNICÍPIO DE CRUZETA RN, ATRAVÉS DE IMAGENS DE SATÉLITE.

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA REDUÇÃO DO ESPELHO D ÁGUA NOS RESERVATÓRIOS DO MUNICÍPIO DE CRUZETA RN, ATRAVÉS DE IMAGENS DE SATÉLITE. ANÁLISE MULTITEMPORAL DA REDUÇÃO DO ESPELHO D ÁGUA NOS RESERVATÓRIOS DO MUNICÍPIO DE CRUZETA RN, ATRAVÉS DE IMAGENS DE SATÉLITE. Gilvania Maria de Souza 1 ; Denir da Costa Azevedo 2 ; Francisco Guaraci

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA OCUPAÇÃO DE CAMPUS UNIVERSITÁRIO

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA OCUPAÇÃO DE CAMPUS UNIVERSITÁRIO SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NA OCUPAÇÃO DE CAMPUS UNIVERSITÁRIO Angelina D. L. Costa (1); Eduardo R. V. de Lima (2); Joel S. dos Santos (3); Neusa Paes Leme (4); Rayssa A. de Lira (5); Caroline M. Cevada

Leia mais

10ª edição 2014. 10ª edição - 2014

10ª edição 2014. 10ª edição - 2014 10ª edição 2014 10ª edição - 2014 MERCADO DA VEICULAÇÃO PUBLICITÁRIA EM SANTA CATARINA, EM 2013 Esta pesquisa, realizada pelo Instituto MAPA, levanta o volume de faturamento com VEICULAÇÃO PUBLICITÁRIA,

Leia mais

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO

Leia mais

Atividade Sísmica Fevereiro 2012 Relatório-Síntese

Atividade Sísmica Fevereiro 2012 Relatório-Síntese Atividade Sísmica Fevereiro 212 Relatório-Síntese CONTEÚDOS Sede do IM, I.P. 1 Resumo Mensal 2 Resumo da Sismicidade Continente 5 Resumo da Sismicidade Madeira 6 Resumo da Sismicidade - Açores 9 Sismicidade

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA EAD 2013.1 2ª E ÚLTIMA CHAMADA (LISTA DE ESPERA)

GESTÃO PÚBLICA EAD 2013.1 2ª E ÚLTIMA CHAMADA (LISTA DE ESPERA) GESTÃO PÚBLICA EAD 2013.1 2ª E ÚLTIMA CHAMADA (LISTA DE ESPERA) Todos os candidatos convocados deverão comparecer para efetuar cadastramento nos dias 03/05/2013, no horário das 8 às 11h e das 14 às 17h

Leia mais

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO EM REVESTIMENTOS DE FACHADA DE EDIFÍCIOS EM BRASÍLIA

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO EM REVESTIMENTOS DE FACHADA DE EDIFÍCIOS EM BRASÍLIA ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO EM REVESTIMENTOS DE FACHADA DE EDIFÍCIOS EM BRASÍLIA Giselle R. Antunes (1); Elton Bauer (2); Eliane K. de Castro (3) (1) Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Programa de

Leia mais

Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual

Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 1.1 A Cidade... 2 1.2 Padrão de mobilidade... 5 1.2.1 Frota

Leia mais

VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO

VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO Josanídia Santana Lima (1) Bióloga, Profa. Adjunto do Instituto de Biologia da

Leia mais

A região Nordeste e seus aspectos econômicos e sociais. As atividades econômicas

A região Nordeste e seus aspectos econômicos e sociais. As atividades econômicas A região Nordeste e seus aspectos econômicos e sociais As atividades econômicas Conforme o mapa mostra, de todas as capitais nordestinas, apenas Teresina, capital do Piauí, não está voltada para o Oceano

Leia mais

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE GEPETIS - Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade

Leia mais

ZONEAMENTO EDAFOCLIMÁTICO DA CULTURA DO COCO INTRODUÇÃO

ZONEAMENTO EDAFOCLIMÁTICO DA CULTURA DO COCO INTRODUÇÃO ZONEAMENTO EDAFOCLIMÁTICO DA CULTURA DO COCO Nayane Rosa Gomes¹ ; André Luiz Ribas de Oliveira² ¹ Curso de graduação em Engenharia Agrícola, Bolsista PIBIC/CNPq; Campus Anápolis de Ciências Exatas e Tecnológicas

Leia mais

Prova de qualidade. Sistema de gestão do SESI Por um Brasil Alfabetizado faz a diferença EDUCAÇÃO

Prova de qualidade. Sistema de gestão do SESI Por um Brasil Alfabetizado faz a diferença EDUCAÇÃO Prova de qualidade Sistema de gestão do SESI Por um Brasil Alfabetizado faz a diferença Algumas ações simples, mas de grande eficiência, podem explicar por que alunos do SESI Por um Brasil Alfabetizado

Leia mais

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Stefânia Moreira Alves Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil, stefaniamoreiraalves@yahoo.com.br Romero César Gomes Universidade

Leia mais

Perfil Municipal de Fortaleza. Tema X: A Dinâmica das Classes Sociais na Última Década. Edição Especial. Nº 45 Novembro 2012

Perfil Municipal de Fortaleza. Tema X: A Dinâmica das Classes Sociais na Última Década. Edição Especial. Nº 45 Novembro 2012 Nº 45 Novembro 2012 Edição Especial Perfil Municipal de Fortaleza Tema X: A Dinâmica das Classes Sociais na Última Década 4 1 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO Sarah Moreira de Almeida ( * ), Raphael Tobias Vasconcelos Barros, Aylton

Leia mais

45 mm ANÁLISE HIDRODINÂMICA DOS ESTUÁRIOS AÇU, CAVALOS E CONCHAS, RIO PIRANHAS-AÇU/RN, NORDESTE DO BRASIL.

45 mm ANÁLISE HIDRODINÂMICA DOS ESTUÁRIOS AÇU, CAVALOS E CONCHAS, RIO PIRANHAS-AÇU/RN, NORDESTE DO BRASIL. NÁLISE HIDRODINÂMIC DOS ESTUÁRIOS ÇU, CVLOS E CONCHS, RIO PIRNHS-ÇU/RN, NORDESTE DO RSIL. Camila Hyslava Campos Soares 1 ; Helenice Vital 1,2 camila@geologia.ufrn.br 1 - Programa de Pós Graduação em Geodinâmica

Leia mais

7º Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade Brasília - 17 a 20 de maio de 2015

7º Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade Brasília - 17 a 20 de maio de 2015 7º Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade Brasília - 17 a 20 de maio de 2015 GT1 Turismo, Ambiente e Sociedade Coordenadores do GT: Maria Goretti da

Leia mais

Categoria: Pôster Eixo Temático Tecnologias SISTEMA TERRA: CRIAÇÃO, ADEQUAÇAO E USO DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE NA USP

Categoria: Pôster Eixo Temático Tecnologias SISTEMA TERRA: CRIAÇÃO, ADEQUAÇAO E USO DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE NA USP Categoria: Pôster Eixo Temático Tecnologias SISTEMA TERRA: CRIAÇÃO, ADEQUAÇAO E USO DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE NA USP Karen Yumi Akamatsu 1 Kátia Tiemy Sido 2 Elizabeth Teixeira Lima 3 RESUMO:

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Agosto de 0 N o 0 Fecundidade continua em queda em São Paulo A taxa de fecundidade, no Estado de São Paulo, chegou a, fi lho por mulher, em 009, o que representa metade da registrada em 980 (3, fi lhos

Leia mais

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Título: A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Projeto de pesquisa: ANÁLISE REGIONAL DA OFERTA E DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS GOIANOS: GESTÃO E EFICIÊNCIA 35434 Autores: Sandro Eduardo

Leia mais

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar Nº 20080901 Setembro - 2008 Maria Luiza Furtado de Mendonça, Luiz Roberto

Leia mais

Ações em Agroecologia

Ações em Agroecologia Ações em Agroecologia Embrapa Meio Ambiente 1 Ações na linha de pesquisa em Agroecologia na Embrapa Meio Ambiente Abrangência Os trabalhos em Agroecologia na Embrapa Meio Ambiente são desenvolvidos principalmente

Leia mais

S I M U L A D O UVA. Conhecimento Específico 1 Geografia INSTRUÇÕES

S I M U L A D O UVA. Conhecimento Específico 1 Geografia INSTRUÇÕES Conhecimento Específico 1 Geografia INSTRUÇÕES UVA S I M U L A D O 1. Leia com atenção as instruções e observe se na sua prova encontram-se todas as questões previstas e se há falhas ou imperfeições gráficas

Leia mais

Natal - RN Os impactos, processos e dinâmicas na Cidade do Natal

Natal - RN Os impactos, processos e dinâmicas na Cidade do Natal Natal - RN Os impactos, processos e dinâmicas na Cidade do Natal Metropolização e Megaeventos Seminário Nacional Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2013 Equipe do Projeto Núcleo RMNatal Prof. Alexsandro

Leia mais

O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO

O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO SÍSMICA 2010 8º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO CARLOS SOUSA OLIVEIRA Prof. Catedrático ICIST/IST Lisboa-Portugal MÓNICA AMARAL

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO NÍVEL PIEZOMÉTRICO UHE FOZ DO RIO CLARO

RELATÓRIO SEMESTRAL PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO NÍVEL PIEZOMÉTRICO UHE FOZ DO RIO CLARO RELATÓRIO SEMESTRAL PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO NÍVEL PIEZOMÉTRICO UHE FOZ DO RIO CLARO FRC-RA-PIE-CON-0901 JANEIRO 2009 CONSILIU Meio Ambiente & Projetos FRC-RS-PIE-CON-0901 Empreendimento: UHE Foz do

Leia mais

Geodinâmica/Geofísica aplicada ao Setor Petróleo e Gás (mestrado e doutorado);

Geodinâmica/Geofísica aplicada ao Setor Petróleo e Gás (mestrado e doutorado); PRH 22 - Programa de Formação em Geologia, Geofísica e Informática no Setor Petróleo e Gás na UFRN Instituição: UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte Reitor: José Ivonildo do Rego Helenice

Leia mais

PROGRAMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL : TELEMAR

PROGRAMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL : TELEMAR PROGRAMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL : TELEMAR TELECOM SOCIAL 2005 Nova Atitude Social para Sustentação do Desenvolvimento Ronaldo Iabrudi Brasília, 04 de maio de 2005 O GRUPO TELEMAR RESPONSABILIDADE

Leia mais

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC Willians Cesar Benetti (1) Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista PROBIC/UDESC. Centro de Ciências Tecnológicas

Leia mais

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução ANÁLISE COMPARATIVA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS SAGRADO E MARUMBI: PRINCIPAIS CONDICIONANTES FÍSICOS PREDOMINANTES NA OCORRÊNCIA DE MOVIMENTOS DE MASSA¹ Universidade Federal do Paraná (UFPR) Juliana

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de

Leia mais

Ministério da Agricultura. Pecuária e Abastecimento. Levantamento de Estoques Privados de Café Data de Referência: 31.03.2006 Relatório Final

Ministério da Agricultura. Pecuária e Abastecimento. Levantamento de Estoques Privados de Café Data de Referência: 31.03.2006 Relatório Final Ministério da Agricultura. Pecuária e Abastecimento Levantamento de Estoques Privados de Café Data de Referência: 31.03.2006 Relatório Final MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA Roberto

Leia mais

Fábio Ricardo Silva Góis Diretor Técnico e Administrativo

Fábio Ricardo Silva Góis Diretor Técnico e Administrativo PROCEDIMENTOS E ASPECTOS LEGAIS DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DAS ATIVIDADES DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO (E&P) NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Fábio Ricardo Silva Góis Diretor Técnico e Administrativo ANTECEDENTES

Leia mais

LIGA DE ENSINO DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO UNIVERSITÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE

LIGA DE ENSINO DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO UNIVERSITÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE Título: Parcerias do Projeto: A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (anexar projeto) I CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO 1 O projeto é de responsabilidade social? ( ) Não ( ) Sim 2 O projeto está vinculado a algum programa?

Leia mais

Reunião de Coordenadores de Projetos e Programas PROEXT 2014 MEC/SESU, Linha Temática 5: Desenvolvimento Urbano

Reunião de Coordenadores de Projetos e Programas PROEXT 2014 MEC/SESU, Linha Temática 5: Desenvolvimento Urbano UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Pró-reitoria de Extensão (ProEx) Reunião de Coordenadores de Projetos e Programas PROEXT 2014 MEC/SESU, Linha Temática 5: Desenvolvimento Urbano SISTEMA DE INFORMAÇÃO

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE EPICENTROS E HIPOCENTROS

DETERMINAÇÃO DE EPICENTROS E HIPOCENTROS DETERMINAÇÃO DE EPICENTROS E HIPOCENTROS TREINAMENTO TÉCNICO: DA TEORIA A PRÁTICA Apostila de Treinamento (IAG-SISMO-042010) Elaborado por: Afonso Emidio de Vasconcelos Lopes Marcelo Assumpção SÃO PAULO

Leia mais

SMSA divulga resultado do LIRAa de outubro

SMSA divulga resultado do LIRAa de outubro SMSA divulga resultado do LIRAa de outubro O Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) de outubro demonstra que 0,7% dos imóveis pesquisados em Belo Horizonte contam com a presença do mosquito

Leia mais

Monitoria como instrumento para a melhoria da qualidade do ensino em Farmacotécnica

Monitoria como instrumento para a melhoria da qualidade do ensino em Farmacotécnica Monitoria como instrumento para a melhoria da qualidade do ensino em Farmacotécnica MORAIS, W. A. 1 ; SOARES, D. S. 2 ; BARBOZA, I. R. 3 ; CARDOSO, K. O. A 4 ; MORAES, D. A. 5 ; SOUZA, F. V. A 6. Resumo

Leia mais

Terremoto na China e seus desdobramentos políticos. Resenha Desenvolvimento

Terremoto na China e seus desdobramentos políticos. Resenha Desenvolvimento Terremoto na China e seus desdobramentos políticos Resenha Desenvolvimento Larissa Rabelo 1 de junho de 2008 Terremoto na China e seus desdobramentos políticos Resenha Desenvolvimento Larissa Rabelo 1

Leia mais

O CONTEXTO TECTÓNICO DO ENXAME DE DIQUES ARAUÁ POR ANÁLISE DE IMAGENS LANDSAT

O CONTEXTO TECTÓNICO DO ENXAME DE DIQUES ARAUÁ POR ANÁLISE DE IMAGENS LANDSAT O CONTEXTO TECTÓNICO DO ENXAME DE DIQUES ARAUÁ POR ANÁLISE DE IMAGENS LANDSAT Teresa Barata 1, Jussara Sommer 2, Fernando Carlos Lopes 3, Adriane Machado 4, Carlos A. Sommer 5, 1 Geóloga, Bolsista de pós-doutorado

Leia mais

ESTUDO GRANULOMÉTRICO DA PLATAFORMA INTERNA N DO RN, ENTRE GALINHOS E PORTO DO MANGUE

ESTUDO GRANULOMÉTRICO DA PLATAFORMA INTERNA N DO RN, ENTRE GALINHOS E PORTO DO MANGUE Copyright 2004, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Julho de 00 N o 9 Parceria Seade-Agemcamp para gerenciamento dos portais na Internet Portais web para divulgação institucional, atração de investimentos e promoção da cultura e do turismo de negócios na

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 31 CARTOGRAFIA: ESCALAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 31 CARTOGRAFIA: ESCALAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 31 CARTOGRAFIA: ESCALAS 0 10 20 30 40 km 1? 1 000 000 (ou 1 cm representa 10 km) A 10 20 30 40 30 40 50 B 50 50 40 40 30 30 20 20 10 0 0 10 A 50 50 B Edificações Estrada de ferro

Leia mais

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Roberto Werneck Seara; Benedito de Souza Neto; Fabiano Rossini COPEL

Leia mais

UNIVERSIDADE POTIGUAR POLO MOSSORÓ. Curso: ADMINISTRAÇÃO Turno: CURSO A DISTÂNCIA Tipo de Bolsa: BOLSA INTEGRAL

UNIVERSIDADE POTIGUAR POLO MOSSORÓ. Curso: ADMINISTRAÇÃO Turno: CURSO A DISTÂNCIA Tipo de Bolsa: BOLSA INTEGRAL UNIVERSIDADE POTIGUAR POLO MOSSORÓ Curso: ADMINISTRAÇÃO FRANCISCO EDNEUDO LOPES BARROS JUSSIARA SONALLY JACOME CAVALCANTE MARCOS CESAR VALE DE MELO RAFAELA MACIEL COSTA ROSANGELA IVINA ARAUJO DOS SANTOS

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE SÓCIO-ECONÔMICA-AMBIENTAL CONSIDERANDO O CASO COMPERJ

REFLEXÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE SÓCIO-ECONÔMICA-AMBIENTAL CONSIDERANDO O CASO COMPERJ REFLEXÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE SÓCIO-ECONÔMICA-AMBIENTAL CONSIDERANDO O CASO COMPERJ Alex da C. Marroig, Humberto C. Demolinari, Marianna F. de L. Andradas, Daniela Bark, Lucas M. Sales, Divino P. de

Leia mais

Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar

Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica da Câmara dos Deputados Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar Prof. Nivalde J. de Castro Pesquisador

Leia mais

O USO DO GEOPROCESSAMENTO NA ANÁLISE DA REALIDADE SOCIAL NO RIO GRANDE DO NORTE

O USO DO GEOPROCESSAMENTO NA ANÁLISE DA REALIDADE SOCIAL NO RIO GRANDE DO NORTE O USO DO GEOPROCESSAMENTO NA ANÁLISE DA REALIDADE SOCIAL NO RIO GRANDE DO NORTE COSTA, A.M.B. 1 ; AMORIM, R.F. 2 ; GOMES, C. 3 ; ALMEIDA, S. A. S. 4 ; CUELLAR, M. 5 ; CARVALHO, M. J. M. 6 ; SILVA, F. M.

Leia mais

Estatísticas do Desmatamento. Amazônia Legal. Outubro de 2009. Resumo. Carlos Souza Jr., Adalberto Veríssimo & Sanae Hayashi (Imazon)

Estatísticas do Desmatamento. Amazônia Legal. Outubro de 2009. Resumo. Carlos Souza Jr., Adalberto Veríssimo & Sanae Hayashi (Imazon) Carlos Souza Jr., Adalberto Veríssimo & Sanae Hayashi (Imazon) Resumo Em outubro de 009, o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) registrou 94 quilômetros quadrados de desmatamento na. Isso representa

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Mudanças ocorridas no uso do solo No Quadro 11 são apresentadas as exatidões dos mapas temáticos gerados a partir do processamento digital das imagens do sensor Landsat 5

Leia mais

EDITAL Nº 01, DE 22 DE OUTUBRO DE 2012 PROCESSO SELETIVO PARA 2013.1

EDITAL Nº 01, DE 22 DE OUTUBRO DE 2012 PROCESSO SELETIVO PARA 2013.1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA EDITAL Nº 01, DE 22 DE OUTUBRO DE 2012 PROCESSO SELETIVO PARA 2013.1 A Coordenadora do Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA Edital n.º 04/2012- NESC/UFRN Regulamenta o processo de admissão de alunos para o curso de Especialização

Leia mais

2º ENCONTRO NACIONAL DE PRODUTORES E USUÁRIOS DE INFORMAÇÕES SOCIAIS, ECONÔMICAS E TERRITORIAIS

2º ENCONTRO NACIONAL DE PRODUTORES E USUÁRIOS DE INFORMAÇÕES SOCIAIS, ECONÔMICAS E TERRITORIAIS 2º ENCONTRO NACIONAL DE PRODUTORES E USUÁRIOS DE INFORMAÇÕES SOCIAIS, ECONÔMICAS E TERRITORIAIS Código da Atividade: 0559 Tipo da Atividade: Oficina Título da Atividade: Rede Maregráfica Permanente para

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

EDITAL Nº 007/2014 NEAD/UERN INSCRIÇÃO PARA ADMISSÃO A 2ª OFERTA DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

EDITAL Nº 007/2014 NEAD/UERN INSCRIÇÃO PARA ADMISSÃO A 2ª OFERTA DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DO ESTADO DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPEG FACULDADE

Leia mais

Receita Orçamentária: análises de registros contábeis no enfoque orçamentário

Receita Orçamentária: análises de registros contábeis no enfoque orçamentário Receita Orçamentária: análises de registros contábeis no enfoque orçamentário Autores: MAURÍCIO CORRÊA DA SILVA é Professor do Departamento de Ciências Contábeis da UFRN e Mestre em Ciências Contábeis

Leia mais

EDITAL 04/2016-PRPI/UFCA

EDITAL 04/2016-PRPI/UFCA EDITAL 04/2016-PRPI/UFCA A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação da Universidade Federal do Cariri (PRPI/UFCA) torna pública a abertura de inscrições e estabelece normas relativas à participação

Leia mais

Relatório. Japão: Terramoto e Tsunami 2011. Resumo. dos 6 Meses de Operações da Cruz Vermelha Japonesa.

Relatório. Japão: Terramoto e Tsunami 2011. Resumo. dos 6 Meses de Operações da Cruz Vermelha Japonesa. Relatório dos 6 Meses de Operações da Cruz Vermelha Japonesa. Japão: Terramoto e Tsunami 2011 Este relatório cobre o período de 12 Março a 31 Agosto 2011. Foto: CV Japonesa. Resumo A 11 de Março de 2011,

Leia mais

TABELA REFERENCIAL DE PREÇOS DE TERRAS NO ESTADO DE MATO GROSSO

TABELA REFERENCIAL DE PREÇOS DE TERRAS NO ESTADO DE MATO GROSSO TABELA REFERENCIAL DE PREÇOS DE TERRAS NO ESTADO DE MATO GROSSO Apresentação Trata a presente planilha do resultado de uma discussão entre os Peritos Federais Agrários avaliadores do INCRA/MT com a informação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AGROINDUSTRIAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AGROINDUSTRIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AGROINDUSTRIAL LABORATÓRIO DE PÓS-COLHEITA, INDUSTRIALIZAÇÃO E QUALIDADE

Leia mais

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1 COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1 Luiza Teixeira de Lima Brito 2 Aderaldo de Souza Silva 3 RESUMO Técnicas de captação e armazenamento de água de

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 Aos dezoito dias do mês de novembro do ano de dois e nove, às nove

Leia mais

ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA AGE Núcleo de Projetos NPROJ

ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA AGE Núcleo de Projetos NPROJ Relatório Consolidado de Situação dos Projetos EM ANDAMENTO Projetos PROJETO Gestão por Competência Gestor: Ana Christina Carneiro Cavalcanti Período: 19/04/2011 a 18/04/2013 Execução atual 30% Período

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/USP. Pró-Reitoria de Pesquisa

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/USP. Pró-Reitoria de Pesquisa EDITAL 2015/2016 A Pró-Reitoria de e o Comitê Institucional do Programa de Iniciação Científica e Tecnológica da Universidade de São Paulo PIC/PIBITI USP, tornam público o presente Edital de abertura de

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO PRÉDIO DA ENGENHARIA MECÂNICA UFRGS

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO PRÉDIO DA ENGENHARIA MECÂNICA UFRGS IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO PRÉDIO DA ENGENHARIA MECÂNICA UFRGS Darci Barnech Campani Engenheiro Agrônomo, Doutorando em Saneamento Ambiental IPH/UFRGS, Professor Adjunto do Departamento

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Passeio Ciclístico do Jardim Botânico

Mostra de Projetos 2011. Passeio Ciclístico do Jardim Botânico Mostra de Projetos 2011 Passeio Ciclístico do Jardim Botânico Mostra Local de: Curitiba. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

Autora: Arimá Viana Barroso. Natal RN 2 0 0 3. Chefe do Setor de Estatística e Informações

Autora: Arimá Viana Barroso. Natal RN 2 0 0 3. Chefe do Setor de Estatística e Informações Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão Estratégica - SEMPLA Departamento de Estudos e Pesquisas Setor de Estatística e Informações Chefe do Setor de Estatística e Informações

Leia mais

EXPERIÊNCIA ACADÊMICA COM O USO DE PACIENTE-PADRÃO EM SIMULAÇÃO NO ENSINO EM ENFERMAGEM: UMA REFLEXÃO ÉTICA

EXPERIÊNCIA ACADÊMICA COM O USO DE PACIENTE-PADRÃO EM SIMULAÇÃO NO ENSINO EM ENFERMAGEM: UMA REFLEXÃO ÉTICA EXPERIÊNCIA ACADÊMICA COM O USO DE PACIENTE-PADRÃO EM SIMULAÇÃO NO ENSINO EM ENFERMAGEM: UMA REFLEXÃO ÉTICA Wanda Barbosa de Assis Vieira 1 Raphael Raniere de Oliveira Costa 2 Soraya Maria de Medeiros

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Aula 02

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Aula 02 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER Aula 02 Prof. Dr. Guttemberg da Silva Silvino Introdução Topografia Definição de Topografia

Leia mais

Análise preliminar - reassentamento das famílias das ocupações irregulares atingidas pelo projeto da Av. Tronco Copa 2014

Análise preliminar - reassentamento das famílias das ocupações irregulares atingidas pelo projeto da Av. Tronco Copa 2014 Análise preliminar - reassentamento das famílias das ocupações irregulares atingidas pelo projeto da Av. Tronco Copa 2014 OCUPAÇÕES IRREGULARES ATINGIDAS PELO PROJETO DA AV. TRONCO VILA GASTÃO MAZERON

Leia mais

Estudo dos Tremores de Terra de. Montes Claros, MG, de 2012. Universidade de São Paulo (USP) e Universidade de Brasília (UnB)

Estudo dos Tremores de Terra de. Montes Claros, MG, de 2012. Universidade de São Paulo (USP) e Universidade de Brasília (UnB) Estudo dos Tremores de Terra de Montes Claros, MG, de 2012. Universidade de São Paulo (USP) e Universidade de Brasília (UnB) Centro de Sismologia da USP (IAG-IEE) SIS-UnB: Observatório Sismológico da UnB

Leia mais

Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável

Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável ISSN 1679-0464 Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável 16 O Algodoeiro em Mato Grosso Mato Grosso é um dos Estados do Brasil que apresentou maior desenvolvimento

Leia mais

INFORMAÇÃO. A vigilância da saúde dos trabalhadores visa não só identificar o estado de saúde do

INFORMAÇÃO. A vigilância da saúde dos trabalhadores visa não só identificar o estado de saúde do PNSOC NÚMERO: 006/2013 DATA: 25/11/2013 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Gestão do Risco Biológico e a Notificação de acordo com O Decreto-Lei n.º 84/97, de 16 de Abril Riscos biológicos profissionais;

Leia mais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 Sistema de Previsão de Safra

Leia mais

1ª Edição do Banco de Dados das PPPs

1ª Edição do Banco de Dados das PPPs 1ª Edição do Banco de Dados das PPPs Bruno Ramos Pereira Flávio Marques Prol Julho de 2011 Sumário 1. Sumário executivo... 2 2. Por que um banco de dados sobre as PPPs?... 3 3. Seleção dos editais e contratos...

Leia mais

Experiência de São Paulo

Experiência de São Paulo Experiência de São Paulo Rede Nossa São Paulo Brasilia, 29 de maio de 2013 Rede Nossa São Paulo Missão Construção de uma força política, social e econômica para comprometer a sociedade e sucessivos governos

Leia mais

1.5 Os bolsistas VIC e PIBIC deverão seguir as normas estabelecidas pela PROPEQ/XXII Seminário de Iniciação Científica.

1.5 Os bolsistas VIC e PIBIC deverão seguir as normas estabelecidas pela PROPEQ/XXII Seminário de Iniciação Científica. A Universidade Federal de Mato Grosso / Campus Sinop e a Embrapa Agrossilvipastoril convidam os interessados a participarem da Semana Acadêmica da Universidade Federal de Mato Grosso/Campus Sinop - Seminário

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DO AQUÍFERO DUNAS / BARREIRAS EM NATAL, RN

CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DO AQUÍFERO DUNAS / BARREIRAS EM NATAL, RN CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DO AQUÍFERO DUNAS / BARREIRAS EM NATAL, RN Antonio Marozzi Righetto (1), Ana Miriam Câmara Vilela (2), Raul Omar de Oliveira Dantas (3) Resumo A importância do aqüífero Dunas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA GIAPP

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA GIAPP UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA GIAPP A IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS SOB PERSPECTIVA TEÓRICA DA REDE DE

Leia mais

TÍTULO: PARÂMETROS PARA ESTIMATIVA DE CUSTO - PROJETOS DE INTERESSE SOCIAL

TÍTULO: PARÂMETROS PARA ESTIMATIVA DE CUSTO - PROJETOS DE INTERESSE SOCIAL TÍTULO: PARÂMETROS PARA ESTIMATIVA DE CUSTO - PROJETOS DE INTERESSE SOCIAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ*

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ* DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ* LIMA, L. G. 1, BARROS, A L. R. de 2. VIDAL, D. P. 3, BERTOLINO, A V. F. A 4, BERTOLINO, L. C. 4 1 Graduando/

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

PROJETO DE LEI DE ORGANIZAÇÃO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE GUAIÚBA

PROJETO DE LEI DE ORGANIZAÇÃO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE GUAIÚBA PROJETO DE LEI DE ORGANIZAÇÃO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE GUAIÚBA DE GUAIÚBA Na elaboração do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Guaiúba, após estudos, ficou definido adotar a divisão territorial

Leia mais

Certificado de Auditoria

Certificado de Auditoria Certificado de Auditoria Anual de Contas Presidência da República - Controladoria-Geral da União - Secretaria Federal de Controle Interno Certificado: 201406269 Processo: 00350.001455/2014-86 Unidades

Leia mais

1. DO OBJETO DO PET-SAÚDE/ GRADUASUS

1. DO OBJETO DO PET-SAÚDE/ GRADUASUS EDITAL 02/2015, Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde- PET- Saúde/GRADUASUS de 03 de novembro de 2015, Secretaria Municipal de Saúde de Petrolina Chamada para Preceptores do Projeto PET-Saúde/GRADUASUS

Leia mais

Caros reitores e pró-reitores e dirigentes, coordenadores de cursos, professores, orientadores e estudantes de pós-graduação,

Caros reitores e pró-reitores e dirigentes, coordenadores de cursos, professores, orientadores e estudantes de pós-graduação, Caros reitores e pró-reitores e dirigentes, coordenadores de cursos, professores, orientadores e estudantes de pós-graduação, Neste início de novo ano à frente da Capes, desejo fazer um pequeno balanço

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MEDICINA E ENFERMAGEM MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DA SAÚDE PROCESSO SELETIVO 2016

DEPARTAMENTO DE MEDICINA E ENFERMAGEM MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DA SAÚDE PROCESSO SELETIVO 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA E ENFERMAGEM Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-3738 - Fax: (31) 3899-3905 -

Leia mais

Em atendimento ao Ofício Circular No. 46/2007-DEGES/SGTES, encaminhamos a V. As. o resumo das atividades do Pró-Saúde do Curso de Medicina em 2007.

Em atendimento ao Ofício Circular No. 46/2007-DEGES/SGTES, encaminhamos a V. As. o resumo das atividades do Pró-Saúde do Curso de Medicina em 2007. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA Av. Gal Gustavo Cordeiro de Farias s/n Petrópolis 59010-180 - Campus Biomédico 3215-4218 / 3215-4219

Leia mais

Levantamento sobre o número de bibliotecas escolares no Rio Grande do Norte.

Levantamento sobre o número de bibliotecas escolares no Rio Grande do Norte. Levantamento sobre o número de bibliotecas escolares no Rio Grande do Norte. www.observatoriodaeducacaodorn.org.br Natal, agosto de 2013. Justificativa A Lei Federal nº 12.244/10 (ver no slide seguinte)

Leia mais

ATA DA 2ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (COMCIT)

ATA DA 2ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (COMCIT) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 ATA DA 2ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (COMCIT) Aos dois dias do mês

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 M. G. Silva 2 ; F. D. D. Arraes 3 ; E. R. F. Ledo 4 ; D. H. Nogueira 5 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo

Leia mais

UniRV Universidade de Rio Verde Faculdade de Ciências Contábeis. Relatório de Gestão Exercício 2009-2013

UniRV Universidade de Rio Verde Faculdade de Ciências Contábeis. Relatório de Gestão Exercício 2009-2013 UniRV Universidade de Rio Verde Relatório de Gestão Exercício 2009-2013 Dezembro/2013 Atividades de Ensino e Pesquisa - agosto/2009 criação do primeiro preparatório para o Enade - Outubro/2009 introdução

Leia mais

Área: 1.551.690km 2. 1. População

Área: 1.551.690km 2. 1. População Área: 1.551.690km 2 1. População Capitais Habitantes* Aracaju SE 461.534 Fortaleza CE 2.141.402 João Pessoa PB 597.934 Maceió AL 797.759 Natal RN 712.317 Recife PE 1.422.905 Salvador BA 2.443.107 São Luís

Leia mais

ENCARTE 1 INFORMAÇÕES GERAIS DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO

ENCARTE 1 INFORMAÇÕES GERAIS DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO ENCARTE 1 INFORMAÇÕES GERAIS DA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1.1. Ficha Técnica da Unidade de Conservação A ESEC Carijós localiza-se no noroeste da Ilha de Santa Catarina, junto à Baía Norte, compreendendo duas

Leia mais

GEOGRAFIA E FÍSICA. Primeiro ano integrado EDI 1 e INF 1-2009

GEOGRAFIA E FÍSICA. Primeiro ano integrado EDI 1 e INF 1-2009 GEOGRAFIA E FÍSICA Primeiro ano integrado EDI 1 e INF 1-2009 Instruções: Leia atentamente cada questão para resolvê-la com segurança. A marcação do gabarito deverá ser feita com caneta de tinta azul ou

Leia mais

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Anexo VI -fls.1/7 ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Serão apresentados a seguir os conceitos, requisitos e especificações básicas do Sistema de Monitoramento e Controle

Leia mais