Seguradoras apostam em saúde e habitação low cost

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seguradoras apostam em saúde e habitação low cost"

Transcrição

1 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 5559 DE 26 DE NOVEMBRO DE 2012 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Quem é quem nos SEGUROS Seguradoras apostam em saúde e habitação low cost João Paulo Dias / Arquivo Económico Saiba quem são as empresas líderes Quebra de rendimento leva empresas oferecerem mais seguros aos trabalhadores O que dizem as empresas sobre o futuro do sector

2 II Diário Económico Segunda-feira 26 Novembro 2012 QUEM É QUEM NOS SEGUROS As seguradoras low-cost diversificaram a sua oferta para áreas que vão muito além dos seguros automóveis. Fernando Donasci / Stringer Brasil / Reuters Seguradoras directas entram em novos segmentos PÁGINA 16 Conheça melhor as líderes de mercado PÁGINA 4 E 5 Venda da Caixa Seguros adiada para 2013 PÁGINA 6 Director: António Costa Director-executivo: Bruno Proença Subdirectores: Francisco Ferreira da Silva, Helena Cristina Coelho e Pedro Sousa Carvalho Editora: Irina Marcelino Redacção: António de Albuquerque e Raquel Carvalho Produção: Ana Marques (chefia), Artur Camarão, Carlos Martins e João Santos Departamento Gráfico: Dário Rodrigues (editor) e Ana Maria Almeida Tratamento de Imagem: Samuel Rainho (coordenação), Paulo Garcia e Tiago Maia Presidente: Nuno Vasconcellos Vice-presidente: Rafael Mora Administradores: Paulo Gomes, António Costa e Gonçalo Faria de Carvalho Director Geral Comercial: Bruno Vasconcelos Redacção Rua Vieira da Silva, nº45, Lisboa, Tel.: / Fax: Opinião José Almaça, presidente do ISP: Os desafios do sector segurador PÁGINA 10 Exportar para Angola tem agora menos risco PÁGINA 18 Forum às seguradoras PÁGINAS 22 A 24 Quem é quem nos Seguros PÁGINAS 26 A 31

3 PUB

4 IV Diário Económico Segunda-feira 26 Novembro 2012 QUEM É QUEM NOS SEGUROS ORÇAMENTO DO ESTADO APROVOU regras mais apertadas relativas ao corte nas pensões, aplicando especificamente ao regime em que os trabalhadores podem descontar para reforçar a sua reforma e alargando-a também aos seguros em geral. A lei orçamental definiu que se explicite directamente que esta contribuição se aplica a todas as pensões e prestações pecuniárias vitalícias. Conheça melhor as maiores do Inovar e adaptar a oferta às necessidades do mercado e dos clientes, são preocupações comuns às líderes do sector segurador, que, apesar da crise, revelam boas performances. RAQUEL CARVALHO Até final de Setembro aumentamos os lucros em 5%, para 69,7 milhões de euros em termos homólogos. RITA SAMBADO, directora de marketing da Fidelidade-Mundial Império Bonança 1 Fidelidade-Mundial e Império Bonança: 95 mil novos clientes A Caixa Seguros detém a liderança de mercado, com uma quota total de 29%. As marcas Fidelidade Mundial e Império Bonança estão no top 5 das maiores seguradoras Vida e Não Vida, em 2011, com a primeira a ocupar a liderança easegunda a 4ª posição. Em conjunto, tiveram uma produção aproximada de milhões de euros, até setembro de Com cerca de dois milhões e 100 mil clientes particulares, sendo cerca de 200 mil os clientes empresariais, as duas marcas angariaram já este ano 95 mil novos clientes. De acordo com Rita Sambado, directora de marketing das marcas, a estratégia de crescimento passa pela solidificação da qualidade, sendo este um factor verdadeiramente diferenciador, assim como pela adaptação da oferta à evolução das necessidades do mercado. A responsável admite que a actividade decresceu em 2011, mas frisa que até final de Setembro, as marcas aumentaram os lucros em 5% para 69,7 milhões de euros, em termos homólogos. 2 Santander Totta aposta em seguros open market Continuar a lançar soluções em open market, que vão ao encontro das necessidades dos clientes, de forma a mantêlos protegidos e satisfeitos, é a estratégia de crescimento da Santander Totta Seguros. Quem o garante é Eduardo Alves da Silva, CEO da seguradora, que espera fechar este ano, em linha com o planeado. Para 2013, antecipa uma maior apetência para os produtos de open market e um decréscimo da produção de novos seguros associados ao crédito. Nascida em 2000, e com cerca de 350 mil clientes, a Santander Totta Seguros tem conseguido contornar a crise ajustando a oferta de soluções às necessidades dos clientes e Eduardo Alves da Silva admite que a oportunidade de produzir novos seguros em open market veio compensar a redução dos seguros associados ao crédito. No ramo Vida, no 1º semestre, o valor dos prémios emitidos e o volume de seguros financeiros, alcançou os 435,9 milhões de euros. Nos seguros de vida-risco, o valor cifrou-se nos 54,6 milhões. 3 Ocidental Vida no 3º lugar no ramo Vida, com 14,2% de quota Num contexto económico recessivo e particularmente adverso para a colocação de produtos financeiros, a Ocidental Vida decresceu 37,9%. Mesmo assim, é de realçar uma performance acima do mercado, tendo fechado 2011 com uma quota de mercado de 14,2%, no negócio Vida, atingindo uma produção total de milhões de euros. Já na produção total Vida e não Vida, a quota de mercado é de 9,1%, ocupando também a 3ª posição das cinco maiores seguradoras a actuar no mercado. Pertencente à Millenniumbcp Ageas, detinda a 49% pelo Millenniumbcp e a 51% pela Ageas, a Ocidental Vida, que nasceu há 25 anos, registou, ao nível de seguros de Capitalização e PPR, uma quebra significativa no volume de prémios, de 85,5% e 78,4% respectivamente. Em sentido oposto, os produtos Unit Linked demostraram grande vitalidade, crescendo 25% em volume de prémios. Também os produtos de risco traduziram um crescimento do volume de prémios de 2,8%.

5 Segunda-feira 26 Novembro 2012 Diário Económico V PUB ROBERT SCHIMEK, presidente da AIG para Europa, Médio Oriente e África em entrevista ao Diário Económico não exclui crescer em Portugal via orgânica ou através de aquisições. Queremos crescer em Portugal em termos de dimensão, mas também de valor. Pensamos no que a equipa portuguesa nos pode fazer ganhar nos países africanos que conhecem bem, referiu o gestor. OPINIÃO:???????????????????????????????????????????????? Infografia: Marta Carvalho mercado 4 Allianz cresce 4% em 2011 e prevê crescer em 2012 A Allianz Portugal encerrou o ano de 2011 com um crescimento global dos seus prémios de 4%, estando a crescer 2% em NãoVidae7,3%emVida. A seguradora que pertence ao grupo Allianz, espera encerrar o ano de 2012 em linha com os seus planos, com crescimento na generalidade das suas linhas de negócio e com uma rentabilidade técnica estável relativamente ao verificado nos anos anteriores, esclarece Teresa Mira Godinho, CEO da Allianz Portugal. A responsável afirma que 2013 será mais umanodenãocrescimentodaatividade seguradora, pelo que informa que a seguradora manterá aquilo que têm sido as suas grandes linhas de actuação, nomeadamente estabilidade da politica de subscrição, proximidade da sua rede de distribuição, e continuação da introdução de inovação naquilo que são os seus processos, especialmente com impacto no serviço aos seus clientes e agentes. Em Outubro deste ano, a Allianz Portugal tinha um total de clientes, dos quais angariados este ano. Em 2013 vamos manter a estabilidade nas políticas de subscrição, proximidade da rede de distribuição e continuação da introdução de inovação. TERESA MIRA GODINHO, CEO da Allianz Portugal

6 VI Diário Económico Segunda-feira 26 Novembro 2012 QUEM É QUEM NOS SEGUROS Privatização da Caixa Seguros foi adiada para o próximo ano A previsão apontava para a venda desta área do Grupo CGD até ao final deste ano. RAQUEL CARVALHO Ficou adiada para 2013 a alienação da Fidelidade Mundial, da Ok! Teleseguro, da Multicare, bem como de todas as seguradoras pertencentes ao grupo Caixa Geral de Depósitos. A venda estava inicialmente prevista para ser concretizada até final deste ano, mas a decisão acabará por ser tomada apenas no próximo ano. É que ainda nada está decidido. A ideia de que 1/3 do sector segurador vai para as mãos de estrangeiros é, por enquanto, uma especulação e ainda não se sabem os moldes do negócio. As últimas estimativas davam contadequeacgdpretendiavenderogrupo Caixa Seguros por 1,5 mil milhões de euros, um valor que foi considerado muito elevado para parte dos representantes do sector. E até agora, não houve mais desenvolvidos no factor preço e se a venda vai ser em bloco. Porém, no final do ano passado, vários responsáveis de seguradoras estrangeiras defenderam a venda em separado dos diferentes activos da holding, de forma a facilitar o processo de privatizaçãoeareforçaraconcorrênciano sector. Esta é mesmo uma questão sobre a qual os grandes grupos seguradores têm vindo a ser questionados, mas até agora, ninguém parece estar preocupado com a probabilidade de vários negócios avançarem, revelando também que uma possível venda a estrangeiros não tem necessariamente de ter um impacto negativo no sector. Em entrevista dada ao Diário Económico a semana passada, David Long, CEO da Liberty Mutual, quando questionado sobre um eventual interesse da Liberty na compra do ramo de Seguros da CGD, foi peremptório: Quando a altura chegar, analisaremos. Tal como fazemos sempre. Quanto à agitação que esta operação poderá provocar no sector, afirmou que gostosempredeagitaçãonomercado.a instabilidade pode criar oportunidades para melhorar o negócio. David Long frisou durante que o grupo já leva 100 anos de História e que por isso, está habituada a adptar-se. Portanto, lidar com essa agitação é uma das coisas que fazemos bastante bem, adiantou, acrescentando que a Liberty não está actualmente a avaliar nenhuma outra aquisição no mercado nacional. Sobre esta questão do mercado segurador português estar a revelar-se atractivo para O mercado segurador sofreu uma quebra neste último ano em cerca de 16%, face ao período homólogo, sendo que grande parte desta quebra é respeitante ao mercado segurador vida, em particular aos produtos de investimento (capitalização e PPR). Estimativas apontavam para um valor de venda da Caixa Seguros na ordem dos 1,5 mil milhões de euros. grandes grupos estrangeiros, Pedro Seixas Vale, presidente da Associação Portuguesa de Seguradores, afirma que o modelo de negócio segurador tem na sua génese, na sua definição e na sua operação uma dupla valência: distribuído numa base nacional, gerido numa base internacional. Na sua opinião, numa Europa que se prevê mais integrada no futuro, oconceitodeorigemdocapitalémenosimportante, sendo substituído parcial ou totalmente pela localização da empresa, seu âmbitodeactuaçãoeoseumodelodegestão.o responsável garante que o mais importante é o factor da qualidade da empresa. Nessa linha de pensamento, Pedro Seixas Vale, não vê de forma negativa a venda de seguradoras nacionais a grupos estrangeiros, frisando esperar que qualquer modificação contribua significativamente para um mercado de seguros respeitado, credível, inovador e capaz de saber zelar pela protecção pessoal e patrimonial dos cidadãos e instituições portuguesas. De frisar que até agora, que o sector segurador, e de acordo com Pedro Seixas Vale, tem vindo a demonstrar um modelo de negócio sustentado e todo o suporte internacional, via resseguro, manteve-se incólume. O responsável garante ainda que os poucos casos de necessidade de aumentos de capital foram resolvidos pelos acionistas e que a independência em relação ao Estado foi, e é, total, neste domínio. De referir também o negócio de venda da Real Vida Seguros, seguradora que pertencia ao grupo BPN. Já se sabe existirem três investidores interessados. Porém, os nomes não foram revelados, bem como os pormenores do negócio. Recorde-se ainda que no ano passado a Victoria Seguros foi vendida pelo grupo alemão Ergo ao grupo francês SMAB. Paula Nunes

7 PUB

8 VIII Diário Económico Segunda-feira 26 Novembro 2012 QUEM É QUEM NOS SEGUROS Infografia: Marta Carvalho

9 Segunda-feira 26 Novembro 2012 Diário Económico IX Mercado vai recuperar em 2013 Ramos vida e não vida com queda de produção menos acentuada em 2012 e 2013, comparativamente a RAQUEL CARVALHO Aactividade seguradora em Portugal teve, em 2011, um ano de contracção sem paralelo. Mas 2012 será um ano de alguma recuperação. Segundo Pedro Seixas Vale, presidente da Associação Portuguesa de Seguradores (APS), a tendência de decréscimo do volume de negócios do sector segurador em 2012 é ainda significativa mas muito inferior há que se verificou em Sobretudo no ramo Vida. O responsável admite um decréscimo entre os 7,5% e os 10% em 2012 e prevê que 2013 seja oúltimodeumasérienegativaoujáoprimeiro duma nova série positiva. O presidente da APS revela que, relativamente aos ramos Não Vida o decréscimo tem sido muito menos acentuado com taxas entre os 1% e 3%, sendo que em 2013 deverá manterse essa tendência. O ramo Vida terá uma queda menos acentuada em 2012 do que a registada o ano passado. Os vários segmentos do ramo Não Vida revelam comportamentos distintos e contribuem para uma queda menos abrupta. Relembrar que os números de 2011 são os piores dos últimos anos. Os 11,7 mil milhões de euros de prémios e entregas processados o ano passado representaram uma quebra de 4,7 mil milhões de euros, ou seja, menos 28,6%, segundo dados da APS. Para estes números, muito contribuiu o ramo Vida. Os dados disponíveis revelam que as perdas de contribuições para produtos financeiros, incluindo produtos de capitalização, PPR e operações de capitalização, terão ascendido a 4,6 mil milhões de euros. É também importante referir que as cinco maiores operadoras do ramo Vida, concentraram uma quebra de produção da ordem dos 4,3 mil milhões de euros. Na sua totalidade, a produção do ramo Vida teve um decréscimo acentuado de 38,1%, para 7,5 mil milhões de euros. JáoramoNãoVidateveumaquebradaprodução marginal, menos 0,9%, com diferentes comportamentos nos diversos ramos. No ramo Acidentes e Doença, que caiu 2,6%, preponderou a queda do volume de prémios de acidentes de trabalho, menos 3,7%. Já os prémios de doença, vulgarmente conhecidos, como seguros de saúde, evoluíram positivamente em 2011, 1,5%. Na subida ligeira de 0,4% do ramo incêndio e outros danos, prevalecem claramente os seguros de riscos múltiplos. O ramo Automóvel, o maior deste segmento NãoVida,registouumadescidade0,8%.No ramo Transportes, o volume global de prémios conheceu uma queda de menos 3,3%, com o ramo Marítimo e Transportes a registar uma expansãode10,1%eoramoaéreoateruma queda expressiva de 30,4%. Já o ramo Mercadorias Transportadas subiu apenas 0,7%. O ramo de Responsabilidade Civil Geral, veio contrariar a tendência de expansão, tendo, em 2011registadoumaquebradevolumedeprémios de 1,8%. O ramo Diversos teve, no seu conjunto, um crescimento positivo de 6,8%. PUB

10 X Diário Económico Segunda-feira 26 Novembro 2012 QUEM É QUEM NOS SEGUROS OPINIÃO JOSÉ FIGUEIREDO ALMAÇA, PRESIDENTE DO ISP - AUTORIDADE DE SUPERVISÃO DE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES Os desafios do sector segurador e de fundos de pensões Com a redução da produção,a competitividade aumenta e é preciso aperfeiçoar os produtos e melhorar a gestão. Osector segurador e de fundos de pensões enfrenta actualmente um momento decisivo, com importantes desafios para os próximos anos. A evolução do mercado ao longo do ano 2012 tem sido fortemente condicionada pela situação económica internacional, com especial ênfase na zona do euro e os modestos resultados dos investimentos, que continuarão a ser afectados pelas baixas taxas de juros e por algumas mudanças normativas, o que representará um importante desafio para as seguradoras. No ramo Vida, os resultados são muito influenciados pela situação que se vive no sector bancário. As vendas através do canal bancário que representaram, em 2011, 59% do volume de prémios, continuaram, em 2012, uma transformação em sintonia com a reordenação do sistema bancário, devido às exigências que este tem de assumir para cumprir com os níveis de solvência que lhe são exigidos. Nos ramos Não Vida, a evolução do negócio é naturalmente condicionada pela situação económica do país, com um elevado nível de desemprego, um alto nível de endividamento das famílias e das empresas e pelas dificuldades de acesso ao financiamento bancário. Dentro deste contexto recessivo, agravado por políticas de ajustamento destinadas a restabelecer o equilíbrio orçamental num curto espaço de tempo, as seguradoras têm-se confrontado com uma menor procura por falta de matéria segurável, originada pela diminuição do rendimento das famílias e de uma menor actividade empresarial, uma grande concorrência de preços na maioria dos ramos Não Vida e, ainda, uma menor rendibilidade financeira como consequência das baixas taxas de juro. Apesar das dificuldades existentes, o sector segurador em Portugal continua a evidenciar solidez e apresenta níveis de solvência confortáveis, apesar das fracas margens alcançadas nas suas contas de resultados. O resultado do sector sob supervisão do ISP fixou-se em 13 milhões de euros em 2011 e, no primeiro semestre de 2012, alcançou 159 milhões de euros, devido em parte a uma menor taxa de sinistralidade no maior ramo não vida, o automóvel. Nos actuais anos de dificuldades económicas, os níveis de capital, a prudência na gestão dos riscos e a produtividade do sector segurador e dos fundos de pensões tem dado estabilidade ao sistema financeiro e tem contribuído de forma relevante para a economia do país. O nível de activos geridos pelas seguradoras ronda os 50 mil milhões de euros pelo que, se lhe juntarmos os 13 mil milhões geridos pelos Nos actuais anos de dificuldades económicas, os níveis de capital, a prudência na gestão dos riscos e a produtividade do sector segurador e dos fundos de pensões tem dado estabilidade ao sistema financeiro e tem contribuído de forma relevante para a economia do país. José FigueiredoAlmaça é presidente do Instituto de Seguros de Portugal desde o dia 1 de Setembro de fundos de pensões, alcançamos o relevante número de 63 mil milhões de euros (cerca de 40% do PIB). Cerca de 70% encontra-se investido em activos de longo prazo, seja em dívida pública ou privada, para corresponder à natureza do risco segurador, primordialmente de longo prazo dado que, desde que um cliente contrata, por exemplo, um seguro de vida-poupança até ao vencimento do contrato, podem decorrer mais de 20 anos. Por conseguinte, a seguradora deve investir em activos seguros que lhe permitam assegurar que o cliente receberá no futuro a prestação garantida. Não obstante, para explorarem devidamente as suas potencialidades, será necessário que as seguradoras ofereçam produtos com elevados níveis de inovação e adaptabilidade, de qualidade, soluções globais e que diversifiquem os seus canais de distribuição e, naturalmente, que vigiem a solidez dos seus balanços. Nesta envolvente de crise, novas estratégias de abordar o cliente emergem. Com a redução da produção, a competitividade aumenta e é preciso aperfeiçoar os produtos, melhorar a gestão das seguradoras, nomeadamente na importância da reorganização financeira, o novo meio envolvente que se aproxima (Solvência II e Diretiva da distribuição), a conjuntura atual e as notícias relativas às pensões de reforma. Paulo Figueiredo

11 PUB

12 XII Diário Económico Segunda-feira 26 Novembro 2012 QUEM É QUEM NOS SEGUROS Pedro Seixas Vele é o quarto presidente da APS, mas sempre esteve ligado à instituição, onde foi membro dos conselhos consultivo e presidente das Comissões Técnicas de Acidentes e Assuntos Financeiros e Fiscais. ENTREVISTA PEDRO SEIXAS VALE, O sector é OpresidentedaAPSapontao RAQUEL CARVALHO Apesar de uma quebra na produção, 2012 vai trazer melhores níveis de solvência ao sector segurador, garante Pedro Seixas Vale, presidente da Associação Portuguesa de Seguradores (APS), ao Diário Económico. O responsável defende os PPR como o melhor produto financeiro e frisa a significativa contribuição do sector para a sociedade. O peso do sector no PIB passou de 12% em 2010 para 6% este ano. Que consequências tem esta descida? Este ano será entre 6 e 6,5% mas, apesar disso, os resultados finais vão ser, tudo indica, melhores que em A redução fez-se sobretudo no Ramo Vida, onde as margens de resultados são muito baixas. A evolução positiva dos mercados de valores mobiliários mais que compensou essa redução. No ramo Vida, o sector segurador continua a ser o maior e o melhor gestor de poupanças de longo prazo em Portugal. Gere cerca de 50 mil milhões de euros e os PPR foram os produtos financeiros que geraram melhor rendimento para os aforradores nos últimos cinco anos. Apesar da redução dos benefícios fiscais e das observações de algumas instituições como a DECO que, no domínio do conhecimento/aconselhamento em produtos financeiros tem uma lamentável actuação com erros de apreciação e parcialidade inadmissíveis, juntamente com alguns analistas em jornais financeiros, os PPR são o único produto com validade demonstrada. E que vai continuar. Apesar das vontades de instituições e pessoas em destruí-los, como fizeram lamentavelmente com os certificados de aforro, com a preciosa colaboração do anterior Governo. Paulo Figueiredo Como é que o sector tem tentado contornar os efeitos da crise? Apesar de uma redução do seu nível nominal de negócios, o sector segurador espera para 2012 uma melhoria do seu nível de solvência e uma melhoria da sua imagem, credibilidade e reputação, sobretudo no ramo Vida. Saliento estes três últimos aspectos. Todos os sucessivos estudos do European Customer Satisfaction Index demonstraram o constante progresso do sector na sua imagem, no acréscimo de qualidade de serviço e no valor apercebido pelos clientes. O sector segurador português é hoje um sector de reconhecimento exemplar no tratamento das reclamações - cada vez menos. A sua contribuição para a sociedade é cada vez mais significativa. Do total recebido de 12,1 mil milhões de euros em 2011, o sector devolveu à sociedade 13,2 mil milhões de euros sob a forma de: sinistros/poupanças em gestão de 11,5 mil milhões de euros; aos seus distribui-

13 Segunda-feira 26 Novembro 2012 Diário Económico XIII PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURADORES o melhor e maior gestor de poupanças dedo às alterações feitas pelo Governo na mobilização dos PPR para pagamento de dívidas de crédito hipotecário. Em relação à mobilização de PPR para pagamento de dívidas de crédito hipotecário espero que a regulamentação tenha níveis de consistência como as outras situações previstas na lei, como morte, desemprego e invalidez. A propósito, quem vai indemnizar os seguradores dos prejuízos desta medida? dores, 600 milhões de euros; ao Estado 600 milhões de impostos; aos seus trabalhadores, 500 milhões de euros e aumentou os valores das empresas para os seus acionistas em 400 milhões de euros. O que pode ser feito ao nível do ramo Vida para tentar mitigar a quebra constante? As perspetivas para 2012 no ramo Vida são difíceis de calcular. Não são conhecidos ainda, em toda a sua extensão, os impostos do Orçamento de Estado 2013 em relação sobretudo aos planos complementares de reforma e mobilização de PPR. Tivemos oportunidade de manifestar as nossas preocupações quanto às soluções previstas em relação à contribuição especial de solidariedade de acordo com a sua formulação conhecida que descrimina negativamente os pensionistas, ao instrumento financeiro e descriminação negativa do depósito a prazo. É também uma actuação muito PUB prejudicial e desencorajadora ao financiamento sustentado das pensões via empresas. É incompreensível o seu objectivo: o financiamento das pensões via Estado, da Caixa Geral de Aposentações e do sistema de Segurança Social, por falta de sustentabilidade no financiamento ao longo do tempo. Em relação à mobilização de PPR para pagamento de dívidas de crédito hipotecário espero que a regulamentação tenha níveis de consistência como as outras situações previstas na lei, como morte, desemprego e invalidez. A propósito, quem vai indemnizar os seguradores dos prejuízos desta medida? E alguém fez o seu cálculo? E pode o Estado decidir sem consultar as partes de contratos efectuados livremente a alterar a relação jurídica entre elas em desfavor nítido de uma? Estamos num Estado de direito ou num Estado onde já nada conta a não ser a sobrevivência de um Estado onde os direitos/garantias dos cidadãos e das instituições privadas são completamente alteradas/adulteradas/menosprezadas. Quais as suas perspectivas para o próximo ano? Um ano muito difícil. Mas é nestas alturas que os melhores, os mais inovadores, os mais dinâmicos e mais determinados podem ter oportunidades. Espero que a capacidade de inserção do sector na sociedade melhore, que asuasolvênciaincremente,queanoçãode protecção e segurança do cidadão e das instituições progrida. Que a nossa independência em relação ao Estado alcance patamares mais elevados. Que continuemos a servir melhor os clientes, a proteger os cidadãos, a dar segurança aos acionistas, a remunerar melhor os que mais e melhor trabalham nas seguradoras e distribuem os nossos produtos. É a minha esperançaeaminhaconvicção. >> PERFIL Nos comandos da APS desde 2008, Pedro Seixas Vale,de64anos, é licenciado em Economia pela Universidade doporto.acarreira no mercado segurador começou na Mundial Confiança, onde ingressou em 1974 como responsável pelo Departamento de Controlo Orçamental. Entre1976e1982 foi membro do Conselho de Administração da Bonança e da Mundial Confiança, tendo ocupado outras funções na companhia.

14 XIV Diário Económico Segunda-feira 26 Novembro 2012 QUEM É QUEM NOS SEGUROS Subscrições individuais de seguros de saúde caíram 2,5% no ano passado. Peter Andrews / Reuters Saúde mais oferecida por empresas Mais de dois milhões de pessoas têm seguro de saúde em Portugal. RAQUEL CARVALHO Acrise levou a que muitas pessoas abdicassem do seguro de saúde que tinham subscrito. Segundo dados do Instituto de Seguros de Portugal (ISP), o número de pessoas que tem, a título individual, um seguro de saúde, caiu 2,5% no ano passado. Em contrapartida, os seguros de saúde de grupo, ou seja, aqueles que são feitos por empresas para oferecerem aos seus funcionários, registaram um aumento de 1,8%. No entanto, o número foi insuficiente para compensar as saídas de pessoas registadas nas apólices individuais.contas feitas aos números do ISP, publicados no Diário Económico em Setembro, e contabilizando quer as apólices individuais, quer as apólices de grupo, em 2011 o número total de pessoas com um seguro de saúde encolheu dos registados em 2010, para verificados no ano passado. Tratou-se por isso de uma quebra ligeira de 0,3% (ou seja, menos pessoas), a primeira desde Os dados da APS (Associação Portuguesa de Seguradores) apontam, no entanto, para outra tendência: crescimento de 1,5% nos seguros de saúde entre 2010 e 2011 (ver infografia da página 8). A quebra tem sobretudo explicação na crise, que levou as pessoas a emagrecer o orçamento familiar e a cortar nas despesas. É que na sua generalidade, as empresas que comercializam seguros de saúde não têm adaptado a oferta ao momento que o País atravessa, uma vez que, de acordo com os números do ISP, os custos de um seguro de saúde individual continuam a aumentar.seem2010oprémiomédioanual situava-se nos 256 euros por pessoa, no ano passado os valores médios aumentaram para os 270 euros por pessoa,ou seja, mais 5,6%. Apesar ou talvez por isso mesmo, as seguradoras têm tentado encontrar opções mais baratas para os seus clientes. A venda em pacote, que junta seguros de saúde com seguros automóvel ou de vida a preços competitivos, é uma das formas encontradas. Mas não só. Em geral, as seguradoras têm também tentado oferecer produtos low-cost. Rita Sambado, directora de marketing da Fidelidade Mundial Império Bonança, a líder neste segmento, que detém, entre outras, a marca Multicare, admite que as condicionantes do mercado levaram a ajustes na oferta de produtos e serviços. E destaca o lançamento de dois novos produtos, duas soluções low cost de saúde, que permite aceder a uma rede médica de qualidade a custos controlados, sendo que o preço destes produtos é muito interessante, frisa. São eles o Simplecare, que inclui oito consultas por ano e um prémio de 9,5 euros por mês, e o cartão Activecare Geral Família, que inclui descontos na ordem dos 30% no valor geral do prémio para famílias entre três a cinco pessoas. Também a Logo, seguradora dita low-cost lançou em Março um seguro de saúde mais acessível, que funciona apenas com rede de prestadores de serviço, sem reembolsos e sem franquias. O objectivo é conseguir uma penetração de 10% a 15% da carteira a médio prazo emcercadetrêsanos,sendoqueaambição para este ano é chegar entre os 1% e 3%. O seguro estará disponível em seis módulos - internamento, complemento de interamento, dentista, oftalmologia, bem estar e médico em casa. A rede de prestadores de saúde será a Advancecare, que integra mais de 14 mil prestadores de serviço, e os clientes da Logo dos segurosautoecasaterãoumdescontode5% na subscrição do seguro de saúde. Números e seguradoras O peso dos seguros de saúde no ramo Não Vida representa 14,3%. Cada apólice individual tem em média 1,4 pessoas seguras. Já os seguros de grupo têm em média 30,6 pessoas seguras, diz o Instituto de Seguros de Portugal (ISP). Apesar de serem as marcas mais conhecidas entre as seguradoras de saúde, Médis e Multicare estão em 13º e 18º lugar no ranking dos seguros de saúde, com uma quota de mercado de 1,7% e 0,5%, respectivamente e de acordo com dados da Associação Portuguesa de Seguradores. A Multicare cresceu 3,5% em 2011 face a com I.M. Ranking ramo saúde em Fidelidade-Mundial Líder no segmento, com uma produção total de milhões de euros e uma quota de mercado de 24,8%. 2 Ocidental Desceu uma posição. Tem uma quota de 23,2%, e registou um volume de negócios de milhões de euros. 3 Império Bonança Com uma produção total de milhões de euros e 7,5% de quota, ocupa o 3º posto. 4 Allianz Portugal Subiu uma posição, atingindo os milhões de euros e uma quota de 7,2%. 5 Tranquilidade Tem uma quota de 7,1% e conseguiu um volume de prémios de milhões de euros.

15 PUB

16 XVI Diário Económico Segunda-feira 26 Novembro 2012 QUEM É QUEM NOS SEGUROS Paulo Alexandre Coelho Seguradoras directas entram em novos segmentos Crescimento passa pela aposta na inovação e diversificação de produtos e serviços. Sérgio Carvalho está à frente do departamento de marketing e produto da Ok! teleseguros. RAQUEL CARVALHO José Pedro Inácio é director-geral da Logo, que em 2011 gerou um volume de prémios de 23,4 milhões. Sandra Moás é directora coordenadora da Seguro Directo, que conta com mais de 100 mil clientes Vírgilio Lima é presidente da N Seguros, que só este ano já angariou 15 mil novos clientes. Paulo Figueiredo Paulo Figueiredo Bruno Barbosa Tem sido crescente a utilização do termo low cost no mercado segurador. Porém, não existem seguradoras low cost, existem sim, as chamadas seguradoras tradicionais, que privilegiam a existência de agências e de mediadores, trazendo com elas, a vantagem de um tratamento personalizado; e as seguradoras directas, que preferem os canais directos: Internet e telefone. Estas seguradoras têm, mais margem de manobra para oferecer preços mais baratos pelos mesmos serviços, o que é possível por não terem gastos com estruturas tão rígidas. Na sua maioria, as seguradoras directas actuam no mercado automóvel. Porém, tem sido crescente a sua expansão para outras áreas. É o cado da Via Directa que, através da marca OK! Teleseguros já entrou segmento de multiriscos habitação e acidentes pessoais. Líder no segmento de seguros directos no ramo automóvel esta marca tem 44% de quota de mercado. Sérgio Carvalho, director de marketing e produtodamarca,acreditaqueamelhorforma de combater a crise é disponibilizar produtos de qualidade aos melhores preços do mercado.apostarnainovaçãoenaprocuraconstante das melhores soluções. José Pedro Inácio, director-geral da Logo segue o mesmo diapasão. Continuar a apostar na inovação, no serviço ao cliente, em surpreender o cliente e em apostar fortemente na diversificação da oferta. Nessa linha, a seguradora, que já disponibiliza desde 2010 seguros casa, entrou este ano, no mercado da saúde, com um produto único e que funciona apenas com rede de prestadores de saúde, sem reembolsos, nem franquias, diz. Virgílio Lima, presidente da N Seguros, admite que a curto e médio prazo a seguradora vai continuar a aumentar a oferta quer ao nível de novos segmentos para o ramo automóvel quer ao nível do lançamento de produtos de outros ramos como multiriscos habitação. Sandra Moás, Directora-Coordenadora da Seguro Directo, não fala em expansão para outras áreas, garantindo que a preocupação é crescer como companhia, tanto em número de clientes como em número de apólices. Para a responsável, mais importante do que atrair clientes a todo custo, é a questão da fidelização, frisando que a Seguro Directo pretende que os clientes estejam tão satisfeitos com o tratamento e serviço que decidam ficar connosco ano após ano. Seguradoras directas crescem As seguradoras directas têm registado nos últimos anos, bons níveis de crescimento. A Ok! teleseguros atingiu este ano, os 200 mil clientes, um objectivo previsto para Segundo Sérgio Carvalho, director de marketing e produto, a Via Directa, que detém a marca Ok! teleseguros, obteve, em Outubro uma taxa de crescimento de prémios brutos de 2,2%. Para 2013, a seguradora pretende manter a aposta na inovação e diversificação de produtos. ALogo,edeacordocom José Pedro Inácio, directorgeral, pretende, no próximo ano, apostar forte nos dois segmentos com maior perspectiva de crescimento, o seguro de saúde e casa individual. A seguradora, que actualmente tem 110 mil clientes, gerou em 2011, um volume de prémios de 23,4 milhões de euros, sendo que em Outubro de 2012, esse valorjáascendiaos17,7 milhões de euros. Ja a N Seguros cresceu até Setembro deste ano, 2%, conseguindo 15 mi novos clientes. Em 2011, fechou o ano, com 65 mil contratos, dos quais 20 mil novos. A Seguro Directo, que mais de 100 mil clientes, conta terminar o ano com um crescimento de 10%, tal como aconteceu em 2011.

17 PUB

18 XVIII Diário Económico Segunda-feira 26 Novembro 2012 QUEM É QUEM NOS SEGUROS Conheça os milhões nas várias linhas Berta Dias da Cunha (na foto), administradora da Cosec diz que as empresas estão cada vez mais à procura de novos mercados. COBERTURA DE RISCO CRESCE 13% >> Desde o início deste ano, a Cosec registou COBERTURAS um crescimento das coberturas para mercado externo (13%), atingindo um valor de aproximadamente 4 mil milhões de euros, 4mil milhões acompanhando a de euros tendência de evolução das exportações nacionais em O crescimento da exposição da Cosec verificase em quase todos os países destacando-se Espanha, França, Alemanha, Reino Unido e Itália que mantêm posições cimeiras no total de garantias concedidas para os mercados externos. Etv Exportar para Angola tem agora menos risco 330 MILHÕES PARA PAÍSES OCDE LINHAS 330 milhões de euros >> Até ao final do mês de Setembro, a Cosec tinha garantido cerca de 330 milhões de euros de operações contratualizadas no âmbito das linhas para países OCDE (OCDE I eocdeii). Aprocura das linhas tem-se mantido crescente ao longo destes três anos de vigência o que é revelador da sua importância para as empresas nacionais, em especial PME exportadoras que têm tido maior procura destas linhas, o que mais incrementa o seu interesse para a dinamização da economia nacional, referiu a administradora. O risco de crédito das exportações para Angola diminuiu para a Cosec e OCDE. ANTÓNIO DE ALBUQUERQUE E SANDRA XAVIER ACoseceaOrganizaçãoparaa Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) reviram o seguro de risco de crédito de Angola, uma decisão que vai beneficiar as empresas portuguesas que exportam para aquele país. O risco de crédito de Angola passou para 5 em Outubro (numa escala de 1 a 7) quando já em Janeiro de 2008 havia passado para 6, revelou Berta Dias da Cunha, administradora da Cosec, instituição que gere também as garantias do Estado sobre operações de seguro para as exportações. A mesma responsável, em declarações ao Económico, justifica a decisão com o percurso que o país de José Eduardo dos Santos tem realizado nos últimos anos, tanto do ponto de vista económico como social. Angola é monitorizada por um conjunto de peritos da OCDEeestadiminuiçãodoriscoéaconfirmação do bom caminho seguido. A mesma responsável aponta para as últimas eleições legislativas, em inícios de Setembro, como um marco importante para esta revisão do risco. Uma notícia que vai ao encontro ao entendimento dos empresários portugueses que definiram como estratégico o mercado angolano. A este propósito, Berta Cunha não deixou de assinalar a linha dedicada àquele mercado, de mil milhões de euros, dos quais já foram utilizados 830 milhões de euros. A título de balanço, a mesma responsável avançou com seguros SEGUROS DE CRÉDITOS Angola tem a maior fatia dos mais 1,65 milhões de euros. Países Angola 47,6% Venezuela 25,4% Moçambique 19,8% Brasil 1,9% Cabo Verde 1,7% Marrocos 1,2% Turquia 0,9% Guatemala 0,7% Argélia 0,4% Tunísia 0,3% Fonte: Cosec de crédito às empresas exportadoras na ordem dos 1,38 mil milhões de euros (ver caixas). São cada vez mais as empresas queprocuramsegurosdecrédito A maior incerteza quanto ao andamento das economias, nomeadamente da Europeia, está a levar os empresários a jogar tudo pelo seguro. Esta parece ser a avaliação que fazem da actual conjuntura económica, tanto na Europa como em países terceiros. Isto porque os pedidos para segurar as vendas estão a levar a uma maior procura pelos serviços da Cosec. As empresas estão cada vez mais a recorrer aos seguros de crédito de risco avança a Berta da Cunha. Mas enganem-se aqueles que acham que se trata de precaução com as vendas para mercados externos já que existe um crescimento dos seguros para vendas em território nacional. Acresce que está a surgir um outro fenómeno que se prende com a procura de novos mercados como Brasil, Turquia e outros menos conhecidos e onde estão a surgir oportunidades de negócio, salienta. Por isso, Berta Cunha não deixa de alertar para a importância do seguro de crédito. Para além do esforço das empresas do ponto de vista comercial, de conhecimento dos mercados, o risco de crédito é prioritário. Explicando que se algo correr mal a estratégia da empresa podeestaremcausa,eatémesmoaprópria solvabilidade. E remata: se algo correr mal o riscoédacosec. 1,7MILMILHÕESDEVENDASFORAOCDE >> Cerca de 400 empresas nacionais BENEFICIÁRIOS beneficiaram da linha de apoio ao crédito comercial de curto prazo para países fora da OCDE, desde o início da criação desta linha, o que representa 400 mais de 1,7 mil milhões empresas de euros de volume de vendas garantido. Até ao final de setembro de 2012, países como Angola, Venezuela, Cabo Verde, Marrocos, Brasil Rússia e Moçambique destacam-se no topo da lista dos mercados destino das exportações nacionais que tem merecido preferência pelas empresas portuguesas. EMPRESÁRIOS APOSTAM EM ANGOLA, VENEZUELA E MOÇAMBIQUE RESPONSABILIDADES 52% face ao ano anterior >> As empresas portuguesas têm vindoaprocurar diversificar os destinos das suas exportações. Neste contexto os produtos com garantia do Estado ganham, assim, um peso relevante para estas empresas quando equacionam exportar para países com maior instabilidade, pois são produtos que podem garantir tanto o risco comercial como o risco político. No final do ano de 2011 as responsabilidades com risco Estado em vigor registadas na Cosec totalizavam 1,6 milhões de euros (um acréscimo de 52% face ao ano anterior) e parte significativa deste montante refere-se a operações para Angola, Venezuela e Moçambique que, em conjunto, totalizam 91% dos montantes totais. Em Setembro de 2012, as responsabilidades em vigor totalizam já 1,65 milhões de euros.

19 PUB

20 XX Diário Económico Segunda-feira 26 Novembro 2012 QUEM É QUEM NOS SEGUROS Fórum 1 Qual é o estado do mercado segurador em Portugal? 2 Como está a crise económica em Portugal a afectar a venda dos vossos seguros? Manuel Silvestri / Reuters RITA SAMBADO Directora de Marketing da Fidelidade Mundial Império Bonança 1. O mercado sofreu uma quebra neste último ano em cerca de 16%, face ao período homólogo, sendo que grande parte desta quebra é respeitante ao mercado segurador vida, em particular aos produtos de investimento (capitalização e ppr). 2. A Caixa Seguros detém a liderança de Mercado, com uma quota total de 29%, tendo existido umaquebrafaceaoperíodohomólogo.odecréscimo que se verificou está, de certo modo, a acompanhar o ritmo que o mercado apresenta, sendo motivado essencialmente pela quebra na Produção Vida. Na atividade Não Vida, a Caixa Seguros apresenta uma quota de 26,8%, cerca do triplo do valor apresentado pelos concorrentes mais próximos (BES/Tranquilidade e Allianz/BPI que detêm, respetivamente, 8,9% e 8,7%), sendo igualmente líder destacada nas principais áreas de negócio. Na actividade Vida, a Caixa Seguros apresenta, na atividade Vida, uma quota de Mercado de 30,4%, cerca do dobro do concorrente mais próximo (BES/Tranquilidade que detém 19,6%), assumindo a liderança nos principais agrupamentos de ramos - Produtos de Capitalização, PPR, Risco e Rendas - com quotas de 33,1%, 26,2% e 20,6%, respetivamente. De salientar que a Caixa Seguros assume a liderança na totalidade dos agrupamento. EDUARDO ALVES DA SILVA CEO Santander Totta Seguros 1. O mercado de seguros em Portugal é muito dinâmico e atingiu um estado muito elevado de maturidade, caracterizando-se por uma elevada competição aos mais variados níveis: Seguradoras, Intermediação, agentes e correctores. 2. A crise trouxe algumas oportunidades ao nível do open market, pois um clima de maior incerteza desperta os consumidores para uma maior necessidade de protecção, sobretudo ao nível da família, casa e saúde. Por outro lado, verifica-se uma menor produção dos seguros de vida ligados ao crédito à habitação e ao crédito ao consumo mas também uma menor rotação do crédito entre instituições financeiras, o que conduziu a uma maior estabilidade da carteira. Estamos atentos à evolução das necessidades dos Clientes e consequentemente temos ajustado a oferta de soluções de acordo com o novo enquadramento económico, social e financeiro, de forma a manter os Clientes satisfeitos. Esta oportunidade na produção de novos seguros em open market veio compensar a redução dos seguros associados ao crédito. MAURÍCIO OLIVEIRA Administrador Açoreana 1. O mercado segurador em Portugal está a ser fortemente afectado pelo actual contexto económico e as perspectivas não são positivas. A situação socioeconómica do país, com a diminuição de rendimentos, o aumento do desemprego, a quebra no consumo e no investimento, tem afectado substancialmente a actividade seguradora nos últimos nove meses. Comparado com o período homólogo, o mercado Não Vida regista uma quebra de 3,8%, enquanto Vida Risco revela uma quebra de 5,8%. No ramo Vida Financeiro os resultados são substancialmente piores, uma vez que são produtos relacionados com poupança e que têm sentido quebras de vendas acentuadas no canal bancário que, pela actual conjuntura, tem dado primazia à venda de produtos próprios. 2.Apesar do ambiente recessivo que vivemos, os resultados líquidos da Açoreana foram melhores no final dos primeiros nove meses de 2012, quando comparados com o período homólogo. Isto deve-se essencialmente à diminuição dos gastos gerais da Companhia e aos seus resultados financeiros, factores que nos permitiram atingir uma das melhores margens de solvência se sempre. A dinâmica comercial incutida pela Açoreana resultou num reforço de quota de mercado para 7,1% em Não Vida. No principal ramo, o automóvel a Açoreana teve não só um reforço de quota, como uma diminuição da sua taxa de sinistralidade e dos custos com sinistros, tendo conseguido crescer em 1,4% enquanto o mercado registou uma quebra de 4,6%.

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 16 janeiro 2012 No ano de 2011 o volume da produção de seguro direto em Portugal atingiu os 11,6 mil milhões de euros, dos quais cerca de 92,3% diz

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA As alterações no sistema de Segurança Social, bem como a importância da manutenção do nível de vida após a idade de aposentação, têm reforçado

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO 1. Em 8 de Agosto de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros Bê-á-Bá da poupança Há um vasto leque de escolhas para quem quer poupar, mas a análise da PROTESTE INVESTE mostra-lhe que nem todas são boas opções. No Dia Mundial da Poupança, saiba quais as alternativas.

Leia mais

Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013

Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013 Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013 (atualizado em 23 de janeiro de 2014) No ano de 2013 o volume da produção de seguro direto em Portugal foi ligeiramente superior a 13 mil milhões de euros,

Leia mais

Os seguros na crise financeira

Os seguros na crise financeira Os seguros na crise financeira Intervenção do Presidente do ISP, Professor Doutor José Figueiredo Almaça, na Conferência Os seguros em Portugal, organizada pelo Jornal de Negócios Lisboa, 13 maio 2014

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2012 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 4 2. Os seguros e a sociedade... 6 3. O Resseguro Cedido... 8 4. Sinistralidade Global... 10 5. Quota de mercado e comparação

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014 (atualizado em 15 de janeiro de 2015) No ano de 2014, o volume da produção de seguro direto em Portugal foi de 14,3 mil milhões de euros, refletindo

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO Maia, 11 de março de 2015 Reforço de posições de liderança em Portugal, internacionalização e compromisso com famílias em 2014 SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO 1. PRINCIPAIS DESTAQUES DE 2014:

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2010 Banco de Cabo Verde 2 INDICE 1. Introdução... 3 2. Caracterização do Sector 3 3 Índice de penetração e indicador de densidade dos seguros. 4 4 Comparação internacional.

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2008 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, tendo atingido um valor

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 1/1 Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 No cenário da actual conjuntura económica o sistema de garantia mútua é visto quer pelos parceiros

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

traçam 'plano de ataque'

traçam 'plano de ataque' Seguradoras contra a crise traçam 'plano de ataque' Com os rendimentos das famílias cada vez mais reduzidos, as seguradoras têm-se empenhado em oferecer pacotes mais atractivos aos clientes, que vão desde

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

Relatório & C o n t a s de

Relatório & C o n t a s de Relatório & C o n t a s de 2010 Garantia Seguros Relatório & Contas de 2010 2 RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 GARANTIA SEGUROS - RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 3 Senhores Accionistas, No cumprimento dos preceitos

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2005 ECONOMIA PORTUGUESA A desaceleração da economia portuguesa em 2005 resultou de uma diminuição acentuada do contributo da

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 4º PAINEL: AS NOVAS FORMAS DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA - CONCLUSÕES - A CIP reconhece que a nossa economia atingiu um nível de alavancagem excessivo que

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5 Tema de pesquisa: Internacional 25 de Setembro de 2012 Revista de Imprensa 25-09-2012 1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1 2. (PT) - Jornal de Negócios - Negócios Mais, 25/09/2012, Bluepharma

Leia mais

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013 8 ANOS 5.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO)

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013 8 ANOS 5.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013

Leia mais

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 STPT Sindicato dos Trabalhadores 1 do Grupo Portugal Telecom Fundamentação Económica A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 A proposta de revisão do AE/PT-C que para efeitos de negociação

Leia mais

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE Prospecto Informativo TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE ICAE NÃO NORMALIZADO Os elementos constantes deste prospecto informativo reportam-se a 31 de Dezembro de 2009 (actualização dos ns.8, 9 e 10 da Parte III)

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 147 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 7.1 Considerações gerais Com vista a fomentar e facilitar

Leia mais

Resultados Consolidados

Resultados Consolidados Resultados Consolidados 2013 1. MENSAGEM DO PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA 2013 constitui um marco no processo de reposicionamento e recuperação da Inapa. Para além da melhoria do desempenho económico

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde S DO BANCO DE CABO VERDE CRÉDITO À HABITAÇÃO Banco de Cabo Verde Banco de Cabo Verde Crédito à Habitação Banco de Cabo Verde Cidade da Praia 013 Ficha Técnica Título: Crédito à Habitação Autor: Banco de

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos 31 de março de 2015 Contas não auditadas Agenda Resultados Balanço Liquidez Solvência Conclusões NOTA: Os valores relativos a março de 2014 são reexpressos

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 19 de novembro de 2014 Índice Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 1 Atividade regulatória

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014 10 ANOS 2.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO)

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014 10 ANOS 2.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014

Leia mais

SEGUROS. Aposta nos mercados externos aumenta risco das empresas. 1 Crédito 2 Responsabilidades. 3 Imagem & Reputação 4 Falha na cadeia.

SEGUROS. Aposta nos mercados externos aumenta risco das empresas. 1 Crédito 2 Responsabilidades. 3 Imagem & Reputação 4 Falha na cadeia. ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 5804 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Processos de internacionalização de empresas acrescentam maior complexidade

Leia mais

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO BUSINESS BRIEFING Análise IPD 2011 MAIO 2012 INTRODUÇÃO O Investment Property Databank (IPD) é um índice que analisa o retorno do investimento institucional direto em ativos imobiliários, assumindo-se

Leia mais

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caixa China Invest 2015_PFC Produto Financeiro Complexo O Caixa China Invest 2015 é um depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 2 anos, denominado em Euros,

Leia mais

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 ÍNDICE 01 Relatório de Gestão... 1 02 Conjuntura Económica... 2 03 A Empresa... 3 04 Análise Financeira... 9 1 MEIOSTEC S.A.

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SISTEMA FINANCEIRO ANGOLANO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2011 1. INTRODUÇÃO É missão do Banco Nacional

Leia mais

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro Lusoflora 2015 Crédito Agrícola Santarém, 27 de Fevereiro Agenda 1. Quem somos 2. Proposta Valor 3. Soluções Crédito Agrícola para EMPRESAS/ ENI 4. CA Seguros 2 Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um

Leia mais

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA Protocolo exclusivo. Soluções Financeiras ANEXO I Aproveite o Protocolo BBVA para realizar os seus projectos pessoais. O Banco Bilbao Vizcaya Argentaria, coloca ao seu dispor um conjunto de Produtos e

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI Contrato de Seguro Ligado a Fundos de Investimento Produto Financeiro Complexo - Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Período de Comercialização 26-10-2010

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Contabilidade das sociedades e fundos de capital de risco A alteração do Decreto-Lei n.º 319/2002, de 28 de Dezembro, pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais