Projeto Cooperação em Segurança Regional Grupo de Reflexão Brasil. Paraguai: Perspectivas sobre Segurança Regional e Cooperação com o Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Cooperação em Segurança Regional Grupo de Reflexão Brasil. Paraguai: Perspectivas sobre Segurança Regional e Cooperação com o Brasil"

Transcrição

1 Projeto Cooperação em Segurança Regional Grupo de Reflexão Brasil Paraguai: Perspectivas sobre Segurança Regional e Cooperação com o Brasil CEBRI Rio de Janeiro, 26 de maio de Relato do Evento Por Igor N. Calvet O Encontro teve início às 09:40 horas, nas dependências do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (doravante CEBRI). Dando início às atividades, o Prof. Dr. Alcides Vaz discorreu brevemente sobre o projeto Cooperação em Segurança Regional, relatando notícias de interesse para o Grupo de Reflexão Brasil (GRB). Informou, dentre outros assuntos, que a página web do projeto já está disponível para consultas online. Ademais, expôs o cronograma do GRB para o ano 2006, enfatizando a necessidade de que temas como Venezuela, Mercosul, acesso a recursos naturais e energéticos, além das ameaças transnacionais sejam discutidos no âmbito do projeto. Compunham a mesa o Prof. Dr. Alcides Vaz (UnB/FES), o Dr. Diego Abentes (CADEP/Assunção), os professores Héctor Saint-Pierre (UNESP), Maria Celina (CPDOC/FGV) e Alfredo Valladão (Science Po), além dos generais Adalberto Bueno e Leslie Alcoforado (MD/IBEP). Participaram da mesa, ainda, Denise Gregory (Diretora Executiva/ CEBRI), Mariana Luz (Coordenadora Acadêmica/CEBRI) e o Sr. Amaury de Souza, bem como o Sr. Pablo Dreyfus (Viva Rio). O objetivo do encontro, conforme explicitado no Termo de Referência, seria o de analisar os condicionamentos e prioridades da atuação do Paraguai no campo da segurança, bem como os reflexos de suas injunções domésticas para o panorama da segurança regional e para o relacionamento com os países vizinhos - em particular com o Brasil. Pretendia-se considerar as políticas em curso e as propostas oriundas do Governo, da classe política e da sociedade civil para o fortalecimento das instituições voltadas para a segurança e para a cooperação regional. 1

2 No que tange aos aspectos organizacionais, o encontro transcorreu na forma de mesa, com blocos temáticos, cuja introdução estaria a cargo de um expositor, seguindo-se uma discussão aberta a todos os presentes. O Encontro estava estruturado em dois blocos temáticos. O primeiro versaria sobre as perspectivas paraguaias sobre a segurança regional e o relacionamento vicinal. O segundo bloco, por seu turno, exporia a agenda de cooperação Brasil-Paraguai no campo da Segurança. O Prof. Dr. Alcides Vaz, coordenador do GRB, passou a apresentação do expositor e, tão logo o fez, passou-lhe a palavra. O Dr. Diego Abentes, atualmente membro do CADEP, é politólogo e já foi representante paraguaio na Organização dos Estados Americanos (OEA) e Ministro da Justiça de seu país. Ao tomar a palavra, o Dr. Diego Abentes indicou que sua exposição trataria de: (i) analisar a situação de segurança no Paraguai, apontando os condicionamentos e prioridades do país neste campo, além de (ii) apontar em que medida as inflexões domésticas se refletem no panorama de segurança regional. O seguinte relato representa não só as explanações do expositor, como também a diluição dos questionamentos e respostas decorrentes das explicações ocorridas durante todo o encontro. Cada sistematização auferida representa, assim, as explanações e as respostas às dúvidas. Para o Paraguai, o conceito tradicional de segurança apresenta-se claramente limitado e resulta infrutífero, uma vez que restringe a segurança à proteção das fronteiras contra ameaças externas. Nesse sentido, o conceito é restritivo e não se relaciona com a nova realidade regional. O conceito de segurança para o Paraguai está vinculado, assim, com o conceito de estatalidade, com a representação da presença e centralidade de Estado. As novas ameaças transnacionais - tais como tráfico de armas e drogas, contrabando e lavagem de dinheiro, etc limitam a capacidade do Estado de ser o órgão que regula a vida pública no país, por exemplo. O expositor passou a identificar algumas dimensões nas quais a primazia e centralidade do Estado são ameaçadas. A primeira destas dimensões relaciona-se às questões de fronteiras. No tocante a este tema, percebe-se que o Estado paraguaio 2

3 não possui controle efetivo sobre suas fronteiras, o que ocasiona e estimula graves problemas para os países vizinhos e para a própria população do país. O país possui km de fronteira fluvial e km de fronteira seca que se apresentam como espaços propícios para movimentos ilegais (contrabando e tráfico de drogas e armas), uma vez que o Estado Paraguaio não exerce efetivamente o controle destas áreas. O avanço do contrabando, como fruto deste ineficiente controle fronteiriço, ocasiona problemas graves para a indústria e produção paraguaias. As áreas de fronteira com o Brasil são, neste aspecto, as que mais causam tais problemas. Ainda em relação às fronteiras, o expositor salientou que duas áreas são de especial sensibilidade. A primeira relaciona-se a Tríplice Fronteira (Foz do Iguaçu, Ciudad Del Este e Puerto Iguazu). A segunda fronteira sensível, por sua vez, é a de Pedro Juan Caballero e Ponta Porã, situada ao norte do Paraguai. Nessas regiões, o controle de fronteira é feito fundamentalmente pela polícia alfandegária e, em alguma medida, por forças militares. Neste ponto, o expositor deteve-se sobre o papel e as recentes mudanças nas Forças Armadas paraguaias. Constitucionalmente, as forças armadas teriam por função a segurança externa e, portanto, de defesa das fronteiras. Entretanto, têm sido, na prática, utilizadas como forças policiais, sendo até mesmo incumbidas da resolução de problemas de ordem pública (desalojamento de sem-tetos, por exemplo). Não obstante este fato, alguns analistas percebem as forças armadas desempenhando um papel de cunho político, voltado para fortalecimento eleitoral do atual presidente. As Forças Armadas paraguaias sofreram mudanças, algumas positivas outras negativas, desde o fim da era Stroessner (1989). Dentre as mudanças positivas, o expositor ressaltou a profissionalização e a despartidarização de seus membros. Além disso, consolidou-se o controle civil sobre as mesmas. Desde a constituição de 1992, o Comandante-Chefe das forças armadas é o presidente da República, sendo impossível a este delegar o cargo a outrem. Dentre os retrocessos, ou mudanças negativas, o expositor apontou a diminuição do gasto militar per capita. Na década de 1990, por exemplo, o gasto militar per capita no Paraguai era US$25, enquanto a média para os 3

4 países latino-americanos permeava US$ 63. Não obstante, percebe-se que na década de 1980 (era Stroessner) e nos primeiros anos da década de 1990, o orçamento do Ministério da Defesa representava entre 13% e 15% do orçamento global. Tal porcentagem vem decrescendo sistematicamente, representando entre 6% e 7% na década de 1990, e entre 3,5% e 4% a partir do ano Em complementação, o movimento de decréscimo da porcentagem no orçamento global é acompanhado pela escassez de investimentos em equipamentos. A temática das fronteiras se insere neste quadro de poucos recursos para a defesa e forças armadas, uma vez que a falta de equipamentos, por exemplo, impede que ocorra um controle minimamente efetivo das fronteiras. Muito embora haja consideráveis unidades militares no Paraguai, a disposição das mesmas nada tem a ver com áreas de fronteira. Todas as unidades estão concentradas nas áreas próximas a Assunção e em outras áreas politicamente importantes, o que tende a ser visto como um exército voltado mais para a proteção da ordem pública que para proteção de fronteiras. A dimensão das fronteiras é, portanto, grave e preocupante, além de ser um dos principais desafios em termos de segurança, pois resulta em diversos problemas inclusive de cooperação com países vizinhos. O Dr. Diego Abentes construiu a idéia de enclaves de inseguridad para designar as outras dimensões e áreas nas quais o Estado tem perdido centralidade. Enclaves de insegurança significam áreas onde se desenvolvem atividades ilegais que acabam por desafiar a centralidade do Estado. O primeiro enclave ressaltado relaciona-se a região de Ciudad Del Este. Segundo o expositor, esta região possui altos índices de lavagem de dinheiro e pirataria, sendo uma região na qual o nível de ilicitude em geral ultrapassa todas as regiões do Paraguai. Nesta região, o Estado paraguaio parece estar seqüestrado, capturado por tais interesses, uma vez que não combate a ilicitude e muito menos controla a área. Outro enclave preocupante é o de San Pedro, região onde há extensas plantações utilizadas para a manufatura de drogas - especialmente maconha - e onde o Estado não pode entrar. Ao norte do país, na região de Concepcíon, há uma incipiente 4

5 guerrilha, chamada Pátria Livre, que tem cometido uma série de delitos isolados - inclusive seqüestros e, recentemente, a invasão de uma delegacia. O movimento Pátria Livre é bastante politizado, possui claras orientações marxista-leninistas, e se caracteriza por ser uma guerrilha política. Há evidências, inclusive, de que haja instrutores das FARC na região. Em geral, o movimento é formado por LUMPEN (desplazados, os socialmente marginalizados). Segundo Dr. Diego Abentes, o Pátria Livre não é um movimento tão preocupante, porém é sintomático, já que demonstra a incapacidade do Estado de impor sua centralidade. Há ainda outros enclaves menos tradicionais, porém igualmente sérios, que desafiam a primazia do Estado, especialmente aqueles relacionados com a proteção do meio-ambiente. É perceptível o alto nível de depredação do meio-ambiente, especialmente de contaminação dos solos devido ao uso indiscriminado de agrotóxicos. Também neste caso, o Estado é omisso e ausente, permitindo que o Paraguai enfrente problemas com países. Um dos enclaves mais importantes analisados diz respeito a um aspecto societal, mais precisamente da problemática envolvendo o processo migratório rural na região leste do país, especificamente a área reconhecida como dos Brasiguaios. Os brasiguaios são os brasileiros que se estabeleceram em terras paraguaias, em busca de trabalhos no cultivo do algodão e especialmente no da soja. Representam uma cifra de (algo em torno) brasileiros, o que significa 10% da população paraguaia. Os brasiguaios possuem atualmente 1,2 milhões de hectares, onde se produz mais de 80% da soja no país. Há, com isso, sérios problemas sociais surgindo dentro do país, uma vez que os brasileiros se tornaram grandes fazendeiros (detentores da terra e da produção), enquanto os campesinos paraguaios são seus empregados. Para se ter uma idéia do impacto dos brasileiros na região, cabe apenas citar que a TV na região é brasileira e o idioma falado, por vezes, é o português. Os campesinos consideram a presença brasileira como a causa da expulsão do campesinato tradicional da região. Há, portanto, um crescente processo de braziguadizacíon na fronteira leste do país. Neste enclave, o Estado também não possui qualquer controle e nem sequer uma política específica. 5

6 Os trabalhos da manhã encerraram-se às 12:40 horas, quando houve pausa para o almoço. O segundo bloco iniciou-se às 14 horas, quando todos já haviam retornado do almoço. O expositor voltou a falar dos enclaves de insegurança, destacando um enclave relacionado a água e outro relacionado a energia. Quanto ao enclave relacionado a água, relembrou que o Aqüífero Guarani (compartilhado entre Brasil, Paraguai e Argentina) está, segundo os ambientalistas, bastante contaminado por agrotóxicos provenientes, em grande medida, do Paraguai e Brasil. Segundo o expositor, não há política de estado para a questão e as questões relacionadas a água são submetidas a uma espécie de política da selva. Grande parte dos agrotóxicos provém das plantações de arroz no Paraguai e, inclusive, existem rios que, além de receberem agrotóxicos das plantações, ainda estão quase exauridos de sua capacidade de fornecimento de água em virtude do mau uso para irrigação. Outro enclave citado refere-se à questão energética. Neste tema, houve bastante participação da mesa, através de perguntas e de um debate bastante fluido. O expositor expôs que não há no Paraguai nenhum tipo de energia lucrativa, como gás ou petróleo, mas tão somente água. O expositor enfatizou o tema energia em virtude de: (i) ser um problema da região (segurança energética) e (ii) de representar um problema que não necessariamente é de segurança, mas que afeta a mesma. Nesse sentido, destacou-se que existe uma convicção no Paraguai de que os termos do Tratado de Itaipu são adversos aos interesses do Paraguai, uma vez que a venda de energia ao Brasil pauta-se por preços abaixo do mercado internacional. Há constantes pressões de alguns setores empresariais e políticos para que se renegocie o Tratado de Itaipu sob uma base mais eqüitativa. Em 2005, houve uma negociação com o governo Lula, na qual foi concedida uma compensação adicional de 25 a 30 milhões de dólares anuais referentes ao pagamento de royalties. Não houve, contudo, qualquer controle sobre a utilização deste dinheiro, estipulando-se inclusive de que parte deste montante houvera financiado campanhas eleitorais. Se analisado da 6

7 perspectiva brasileira, este fato significa um desestímulo, na medida em que é percebido como recursos que se perdem ou que se revertem em condições desfavoráveis em termos de estabilidade, manejo político e segurança. Levantou-se ainda a questão da influência das decisões intempestivas do presidente boliviano Evo Morales, em relação à venda de gás boliviano, e seus possíveis impactos para a questão de Itaipu. Segundo o expositor, é possível que a mídia e alguns setores políticos influenciem-se pelas medidas bolivianas e decidam pressionar o governo a que renegocie o tratado sob pena de anulação de venda dos recursos energéticos. Ponderou-se o argumento de que se o Paraguai não vender energia para o Brasil não haveria para quem o fizesse. Combatendo tal argumentação, o expositor ressaltou ser falacioso tal argumento, já que da mesma maneira que o Paraguai necessita vender energia, o Brasil necessita comprá-la. Nesse sentido, levantou-se a questão de que para os Paraguaios a questão de Itaipu refere-se mais a soberania (pagamento de royalties) que a segurança. Segundo alguns participantes, haveria a opção de que o Paraguai, através de investimentos, desenvolvesse setores nos quais tivesse vantagem comparativa e competitiva. Tais setores seriam o de têxteis e de montadoras. A questão levantada pelo Dr. Diego Abentes para responder a esta indagação leva em conta a complexidade do tema investimentos, uma vez que para que isto ocorra necessita-se de (i) segurança jurídica e (ii) tamanho do mercado. Sob o primeiro aspecto, nota-se que o Paraguai não possui qualquer segurança jurídica; há, ao contrário, muita volatilidade. Quanto a extensão do seu mercado, o Paraguai possui um mercado muito pequeno, o que dificulta a disposição dos investidores em arriscar. A presença militar norte-americana no Paraguai foi outro tema desenvolvido no segundo bloco. A percepção comum no Brasil, e em parte da Argentina, era de que a aceitação da cooperação militar com os Estados Unidos, por parte do Paraguai, dizia respeito à denúncia paraguaia a alguns instrumentos jurídicos do Tribunal Penal Internacional (TPI) especificamente ao fato de que os soldados americanos não estariam submetidos ao arcabouço normativo do TPI, caso algo ocorresse. O Dr. Diego 7

8 Abentes disse desconhecer tal assertiva, adicionando que o Paraguai não exime os soldados americanos de responsabilidade frente ao TPI. Reconheceu, porém, que há interesses norte-americanos em virtude da proximidade com a Tríplice Fronteira, região na qual crêem haver lavagem de dinheiro que beneficia o terrorismo internacional. Por coadunar as atividades de um grande número de máfias (chinesa, brasileira, árabe e paraguaia), a região tornou-se sensível e a presença norte-americana é de fundamental importância estratégica. Por outro lado, observou-se que se analisado o Quadriannual Defense Review (QDR) norte-americano, perceber-se-á que existe uma reformulação da estratégia das forças americanas por todo o mundo. A percepção agora se relaciona a desnecessária implantação de bases militares (nem mesmo prepositioning). Há, assim, a percepção de que a construção de boas relações com as forças militares locais, a cooperação em inteligência e a capacidade de resposta rápida são as bases do novo paradigma estratégico. A cooperação do Paraguai com os Estados Unidos, portanto, estaria emoldurada dentro deste novo paradigma, evidenciando-se a cooperação em inteligência. A presença de pequenos efetivos militares norte-americanos na região pode, em certa medida, atestar tal fato. O Dr. Diego Abentes ressaltou que há exercícios militares conjuntos, porém, até onde sabe, são apenas warming-up, destinados à busca de interoperabilidade e conhecimento de pessoal. Ao continuar com a apresentação das dimensões, o expositor ressaltou a dimensão da segurança interna, cuja degradação impede a centralidade estatal. O papel da polícia, nesse aspecto, tem importância ímpar. Muito embora tenha se alcançado alguns progressos - como a desmilitarização (na era Stroessner foi comandado por um general) e a profissionalização (há uma polícia nacional agora) -, percebe-se que a corrupção (crimes, seqüestros, extorsões) ainda impede a primazia do Estado nesta área. A segurança interna é afetada sobremaneira, ao ponto de se popularizar a expressão polibandi (uma mescla de policial com bandido, ou vive-versa). O Paraguai possui, hoje, aproximadamente efetivos policiais e guardas privados, atestando o desmantelamento do Estado frente aos temas de segurança interna. O Estado, em suma, não possui qualquer controle sobre a criminalidade. 8

9 Outra dimensão analisada foi a da estabilidade e segurança institucional. Em 15 anos de transição democrática, ocorreram 2 ou 3 tentativas de golpe de Estado, assassinato de um vice-presidente, além das mudanças habituais dos membros dos tribunais nacionais. Este período tem sido, portanto, de grande instabilidade, o que dificulta a reconstrução democrática no país. Há ainda uma dimensão societal da segurança no país. Menos de 20% da população, por exemplo, possui seguro médico. Assim, pelo menos 80% da população depende da presença ativa do Estado em saúde, o que obviamente não ocorre. Tal situação gera instabilidade social e permite, até mesmo, que os marginalizados encontrem amparo em organizações criminosas. O nível de desamparados pelo Estado, aliado ao alto índice de pobreza, contribui com a falta de estabilidade e mesmo de estatalidade. O expositor ressaltou que todo este conjunto de dimensões ameaçadoras ocorre em virtude do processo de desestatização do Estado. Desde o término do período militar, o Estado cresceu, porém tal movimento foi acompanhado por uma privatização do mesmo. No final da década de 1980, a pressão tributária sobre a população era de 7,7%, hoje é de 10,8%. Se na literatura reconhece-se a existência de Predator States (Estado Predador), pode-se auferir por analogia que o Paraguai, ao invés de predador, é um Estado depredado. Em qualquer dimensão que se analise, haverá a percepção de que o Estado está débil, com uma democracia de baixa qualidade. Há, portanto, um desafio: estatalizar o Estado. Se não há Estado, não haverá segurança a nenhuma classe. Para tanto, será necessário (i) melhorar a qualidade das instituições e (ii) reconstruir o princípio da autoridade legítima. O evento encerrou-se às 17:40 horas. 9

www.fecomercio-rj.org.br [ 1 ]

www.fecomercio-rj.org.br [ 1 ] www.fecomercio-rj.org.br [ 1 ] A SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL 16 de abril de 2008 [ 2 ] (1 MENÇÃO) - SG1) Na sua opinião, quem tem mais responsabilidade pelo combate à criminalidade e violência contra as

Leia mais

Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais

Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais Cláudio Medeiros Leopoldino Coordenador-Geral Adjunto Brasil: 16.886 km de fronteiras terrestres 10 países vizinhos fronteiras plenamente

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Declaração da Cidade de Quebec

Declaração da Cidade de Quebec Declaração da Cidade de Quebec Nós, os Chefes de Estado e de Governo das Américas, eleitos democraticamente, nos reunimos na Cidade de Quebec, na III Cúpula, para renovar nosso compromisso em favor da

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

COLÔMBIA: O ACORDO DE PAZ COM AS FARC E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A SEGURANÇA REGIONAL XII CURSO DE EXTENSÃO EM DEFESA NACIONAL 9 ABR 15

COLÔMBIA: O ACORDO DE PAZ COM AS FARC E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A SEGURANÇA REGIONAL XII CURSO DE EXTENSÃO EM DEFESA NACIONAL 9 ABR 15 COLÔMBIA: O ACORDO DE PAZ COM AS FARC E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A SEGURANÇA REGIONAL XII CURSO DE EXTENSÃO EM DEFESA NACIONAL 9 ABR 15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO ANTECEDENTES CONJUNTURA ATUAL PERSPECTIVAS

Leia mais

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações.

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após a VI Reunião de Cúpula Brasil-União

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Conclusão é do novo relatório do Earth Security Group, lançado hoje em São Paulo na sede da Cargill São Paulo, 23 de

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO 1. Contextualização e finalidades A violência, a falta de segurança e o medo da criminalidade

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA Segurança SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA A sensação de segurança é uma questão que influencia significativamente a qualidade de vida de toda a sociedade devendo ser tratada

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA Segurança SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA A falta de segurança é uma questão que influencia significativamente a qualidade de vida de toda a sociedade devendo ser tratada pelos

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Dez anos após estatuto, mortes por armas param de crescer

Dez anos após estatuto, mortes por armas param de crescer Zero Hora Solução? 14/12/2013 17h01 Dez anos após estatuto, mortes por armas param de crescer Lei que dificulta a compra, o porte e o registro de armamento entrou em vigor em dezembro de 2003 Carlos Ferreira

Leia mais

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 -Enquanto Buenos Aires se tornava mais poderosa, os lideres

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 997, DE 2011. (Apensos PLs n os 1.697 e 2.516, de 2011) Altera a Lei nº 10.826 de 22 de dezembro de 2003,

Leia mais

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial;

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; 1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; A Nova Ordem Econômica Mundial insere-se no período do Capitalismo Financeiro e a doutrina econômica vigente é o Neoliberalismo. Essa Nova Ordem caracteriza-se

Leia mais

Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro

Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro Curso de Capacitação e Treinamento no Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro Apoio: Brasília - DF, 07 de Outubro de 2014. ANATOMIA DO CRIME ORGANIZADO Marco Teórico O Crime Organizado como ameaça

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para Novas Parcerias. Resenha Desenvolvimento

Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para Novas Parcerias. Resenha Desenvolvimento Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para Novas Parcerias Resenha Desenvolvimento Rúbia Rodrigues 17 de novembro de 2009 Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO A Associação GSM, por meio desta, apresenta por escrito as suas contribuições à Consulta Pública da ANATEL número 241 e respeitosamente solicita que as mesmas

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC 1 Sumário Executivo 1 - A China em África 1.1 - Comércio China África 2 - A China em Angola 2.1 - Financiamentos 2.2 - Relações Comerciais 3 - Características

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

Senado Federal. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas SENAD Ministério da Justiça

Senado Federal. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas SENAD Ministério da Justiça Senado Federal Comissão de Assuntos Sociais i Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas SENAD Ministério da Justiça Contexto mundial: Consumo de drogas ilícitas Estima, entre 149 e 272 milhões, o nº

Leia mais

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015 Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo II Cimeira de Presidentes de Parlamentos Lisboa, 11 de maio de 2015 Senhora Presidente da Assembleia da República, Senhores Presidentes, Senhores Embaixadores,

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA.

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. Movimentos sociais e populares, sindicatos, povos, organizações da

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio Análise Desenvolvimento Jéssica Silva Fernandes 15 de dezembro de 2009 A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira

Leia mais

Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança

Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança Publicado em: http://www.comunidadesegura.org Hugo Acero* 16/11/2006 Quando se analisa o tema da segurança cidadã no âmbito da América Latina, comprova-se que

Leia mais

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL

UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL UM POUCO SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL Julho/2013 Em 2014, o Brasil sediará a Copa do Mundo e em 2016 as Olimpíadas. Os brasileiros efetivamente são apaixonados por futebol e quando foi divulgado que

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso em jantar oferecido ao

Leia mais

Eleições no Paraguai e uma possível mudança na política externa

Eleições no Paraguai e uma possível mudança na política externa Eleições no Paraguai e uma possível mudança na política externa Resenha Segurança Eduardo Côrtes 24 de abril de 2008 Eleições no Paraguai e uma possível mudança na política externa Resenha Integração Regional

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Local: Sala Crisantempo Data : 12/12/2014 Horário: 9h30 às 13h30 Expositores: Eduardo Viola - Professor

Leia mais

SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS

SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS Fortaleza/CE, 2015 Senhores Delegados, As simulações de organizações internacionais são, em sua essência, exercícios

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE Edição Especial Terceirização ondagem O termômetro da indústria tocantinense Palmas, Tocantins junho de 2014 UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE 72% das empresas industriais

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

sumário executivo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional

sumário executivo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional sumário executivo PREVENcÃo da Criminalidade e Seguranca Cidadã Relatório Internacional 2012 O Relatório Internacional sobre Prevenção da Criminalidade e Segurança Cidadã 2012 do Centro Internacional para

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Presentation Title Presentation Subtitle

Presentation Title Presentation Subtitle Presentation Title Presentation Subtitle SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 ASPECTOS LEGAIS 3 ASPECTOS ESTRATÉGICOS 4 SISFRON Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica,

Leia mais

14/12/2005 DECLARAÇÃO CONJUNTA DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E DA REPÚBLICA DA COLÔMBIA

14/12/2005 DECLARAÇÃO CONJUNTA DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E DA REPÚBLICA DA COLÔMBIA 14/12/2005 DECLARAÇÃO CONJUNTA DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E DA REPÚBLICA DA COLÔMBIA (Colômbia, 14 de dezembro de 2005) Atendendo ao convite formulado pelo Senhor Presidente da República

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso no encerramento do Fórum

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Delegação da União Europeia no Brasil

Delegação da União Europeia no Brasil Delegação da União Europeia no Brasil A COOPERAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA NO BRASIL Maria Cristina Araujo von Holstein-Rathlou Gestora Operacional Setor de Cooperação Delegação da União Europeia no Brasil Projetos

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ),

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ), ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ARGENTINA RELATIVO À COOPERAÇÃO ENTRE SUAS AUTORIDADES DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA NA APLICAÇÃO DE SUAS LEIS DE CONCORRÊNCIA A República

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Acordo-Quadro sobre Meio-Ambiente do Mercosul Assunto: Agenda comum de meio-ambiente no âmbito do Mercosul Decreto: 5208 Entrada em vigor:

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA

AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA Espaço Agrário Rússia/China 1 AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA! Ambos os países passaram por uma revolução socialista, ou seja, com a revolução a Terra passa a ser propriedade do Estado (propriedade

Leia mais

Migrações Alguns números

Migrações Alguns números Migrações Alguns números Dados gerais: Mundo» Há 232 milhões de migrantes internacionais no mundo (ONU, 2013), ou 3.2% da população mundial» Os migrantes internacionais compõem 10.8% da população das regiões

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Faculdade de Comunicação e Artes Habilitação em Jornalismo Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Economia Brasileira Professora Eleonora Bastos Horta Dayse dos Santos Frederico

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA n o 001/2008:

CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA n o 001/2008: CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA n o 001/2008: Procedimentos para análise dos limites, condições e restrições para participação de agentes econômicos nas atividades do setor de energia elétrica

Leia mais

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA 1.1. As Transformações Recentes O Brasil, do ponto de vista econômico e social, vem sofrendo uma constante mutação em seus principais indicadores básicos como: população;

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

Pesquisa Nacional Sobre as Centrais Disque Denúncia no Brasil. Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Segurança Pública

Pesquisa Nacional Sobre as Centrais Disque Denúncia no Brasil. Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Segurança Pública Pesquisa Nacional Sobre as Centrais Disque Denúncia no Brasil Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Segurança Pública Considerando necessidade de: Portaria SENASP/MJ nº 10 de 25/04/2011 Intensificar

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

Os BRICS no capitalismo transnacional

Os BRICS no capitalismo transnacional Os BRICS no capitalismo transnacional William Robinson O s BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) são países considerados, pelos sistemas mundiais e por vários analistas, como estados ou

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Produção: Ação conjunta: Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso Parceiro:

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III. Memória da Reunião

XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III. Memória da Reunião XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III Memória da Reunião Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, dias 29 e 30 de outubro de 2008, a XX Reunião Especializada

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito (Abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista Os sistemas de seguro depósito, a par dos problemas de perigo moral e seleção adversa

Leia mais

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar?

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? Wenjie Chen e Roger Nord 21 de dezembro de 2015 A promessa recente de apoio financeiro no valor de USD 60 mil milhões ao longo dos próximos três anos

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda Rogério Nagamine Costanzi* Desde a experiência do Grameen Bank em Bangladesh, o microcrédito passou a se disseminar

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

China e seu Sistemas

China e seu Sistemas China e seu Sistemas Em 1949, logo depois da revolução chinesa, a China possuía 540 milhões de habitantes, e se caracterizava por ser predominantemente rural, neste período o timoneiro Mao Tsetung, enfatizava

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso em almoço oferecido ao

Leia mais

Rumo à abertura de capital

Rumo à abertura de capital Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios 15º Encontro Nacional de Relações com Investidores e Mercado de Capitais 4 de julho de 2013 Pontos de partida

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

China e seu Sistemas

China e seu Sistemas China e seu Sistemas Em 1949, logo depois da revolução chinesa, a China possuía 540 milhões de habitantes, e se caracterizava por ser predominantemente rural, neste período o timoneiro Mao Tsetung, enfatizava

Leia mais