IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS GERADOS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS GERADOS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS1"

Transcrição

1 IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS GERADOS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS1 Giovani Aparecido da Costa2 Osmar Mendes Ferreira Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Engenharia Ambiental AV. Universitária, Nº 1440 Setor Universitário Fone (62) CEP: Goiânia - GO. RESUMO As questões relacionadas à geração de resíduos das atividades comerciais, em especial as dos postos de abastecimento de combustíveis, são cada vez mais preocupantes dado a suas características potencializadas pela contaminação com substâncias derivadas de hidrocarbonetos. Diante desse fato, a caracterização desses resíduos e de suma importância para cada unidade, assim todos estarão assumindo uma posição em acondicionar e dar destinação final, ambientalmente correta a esses resíduos. Esta pesquisa teve o intuito de fazer levantamento dos resíduos sólidos gerados pelas atividades dos postos de combustíveis. Foram quantificados os resíduos através da aferição volumétrica em sacos plásticos, deixando separados por tipologia. Os resultados obtidos foram preocupantes visto que nenhum posto separa seus resíduos adequadamente. Palavras-chave: resíduos, gerenciamento, posto de abastecimento de combustível. ABSTRACT Issues related to the generation of waste from commercial activities, especially those of service stations of fuel, are increasingly worrying given the characteristics enhanced by contamination with substances derived from oil. By the way, the characterization of that waste and of great importance for each unity, so everybody will be assuming a position to wrap and give final destination, environmentally correct to this waste. This study was an effort to make removal of solid waste generated by the activities of gas stations. Were quantified by measuring the waste volume in plastic bags, leaving separated by typology. The results were worrying as no post separating their waste properly. Word-key: wastes, intendance, station of fuel. 1 Artigo apresentado à Universidade Católica de Goiás como exigência parcial para a obtenção do título de Bacharel em Engenharia Ambiental, DEZEMBRO DE Acadêmico de Engª Ambiental da Universidade Católica de Goiás Orientador Profº Ms. da Universidade Católica de Goiás - UCG

2 2 1 INTRODUÇÃO O gerenciamento de resíduos sólidos e líquidos constitui-se em um aspecto ambiental fundamental, dentro de um organograma estrutural das atividades produtivas, comerciais e prestadoras de serviços, que certamente contribuirá com a elevação do conceito de sua imagem perante a sociedade. Para atingir essa meta, implica em muitos casos na implantação de sistemas de gestão ambiental nessas atividades. A obrigatoriedade atribuída pela legislação ao comércio varejista de combustível (postos de abastecimento), para que atenda as recomendações estabelecidas na resolução 27 do Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA de 2000, em que é estabelecido as diretrizes a essas unidades comerciais, a fazerem o licenciamento ambiental, tendo nesse instrumento o principio das ações de promoção do controle dos diversos tipos de resíduos gerados por essa atividade, que se não forem adequadamente gerenciados, contribuirão com a poluição do meio ambiente, requerendo, assim, mudança de comportamento de seus proprietários e colaboradores. Esse projeto tem como objetivo de identificar os resíduos de posto de combustível e seu potencial em termos de periculosidade ao meio ambiente, que está relacionada à sua origem. Nesse contexto mostrar a necessidade do desenvolvimento de metodologia de segregação desses resíduos de forma adequada, nas unidades de postos de abastecimentos de combustíveis, para que resulte no encaminhamento para tratamento e disposição final adequada. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Dentre os diversos resíduos gerados em um posto de abastecimento de combustível, destacam-se: embalagens de papelão, embalagens Plásticas de Óleo Lubrificante, embalagens Metálicas de Óleo Lubrificante, garrafas PET, filtros de óleo, filtros de Combustível, filtro de ar, óleo lubrificante, terra contaminada com óleo, panos e estopas usadas contaminadas. De acordo com Marques et al. (200) quanto a licenciamento de posto de combustíveis em Goiânia, eles mostraram em porcentagem a grande quantidade de lojas de conveniência, restaurante, lava jato, trocador de óleo e caracterizou uma fonte enorme de resíduos sólidos e líquidos que são gerados nos postos de combustíveis. O não

3 acondicionamento correto desses resíduos gerados pelo posto acarreta em acidente ao meio ambiente e aos seres humanos. Os óleos são uma ameaças constante ao meio ambiente, vista que 8% dos postos possuem troca de óleo e que as embalagens contêm resto de óleo dentro do recipiente e esse óleo é mundialmente considerado como produto maléfico ao meio ambiente e a saúde pública, estando inserido na Classe I dos Resíduos Perigosos, por apresentar toxidade, conforme a classificação da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT, de 2004 através da Norma Brasileira Registrada NBR, e a Resolução 09 do Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA de 199. Constitui crime ambiental não só o descarte em local inapropriado como também comercializar, fornecer, transportar, queimar ou dar destino que não seja reciclagem através do re-refino. Tais crimes estão capitulados na Lei n 9.60 (Brasil, 1998), Marques et al. (UCG 200). Para que uma Gestão Ambiental seja eficaz, deve cobrir desde a fase da concepção do projeto até a eliminação efetiva dos resíduos gerados pelo empreendimento depois de implantado, durante toda sua vida útil. Valle (199) enumera uma escala de prioridades no Gerenciamento de Resíduos: - Prevenir a geração - modificar processo (tecnologias limpas); substituir matérias-primas; e substituir insumos; - Minimizar a geração - Otimizar processo e otimizar operação; - Reaproveitar - Reciclar (matérias-primas); recuperar (substâncias); reutilizar (materiais, produtos); - Tratar - processos físicos; químicos; físico-químicos; biológicos; e térmicos; - Dispor - aterros, minas, poços, armazéns. As Tecnologias ambientais existentes inicialmente trabalhavam, principalmente, no tratamento dos resíduos, efluentes e emissões existentes (ex: tecnologia de incineração de resíduos, tratamento de águas residuais, tratamento de emissões atmosféricas, etc.). Essas tecnologias são chamadas de Técnicas de fim-de-tubo, ou seja, estudam os resíduos no final do processo de produção. São caracterizadas pelas despesas adicionais para a empresa e diversos problemas, como por exemplo, a produção de lodo de esgoto através do tratamento de águas residuais (ELIAS, PRATA e MAGALHÃES, 2004). Os resíduos sólidos de Posto de Combustível são na sua maioria passiveis de serem reaproveitados. Para esta condição, há a necessidade da motivação e participação dos proprietários dessas unidades comerciais em aplicar meio que permita desenvolver a coleta

4 4 seletiva dos resíduos sólidos, resultando com essa iniciativa uma menor exploração de nossos recursos naturais. Os resíduos sólidos descartado inadequadamente no meio ambiente permitem ocorrência de muitas doenças aos seres humanos, como diarréia, amebíase, salmonelas e entre outros. O correto e o mais adequado é a reciclagem do produto descartado, tornando este um novo produto pronto, mais uma vez para ser comercializado no mercado (KINCHESKI, 200). Ainda de acordo com o mesmo autor, o Posto Barros Dias de Ponta Grossa do Paraná tendo uma preocupação enorme com meio ambiente, selecionou seus resíduos gerados que iriam ser usados e os quantificou, tornando assim mais fácil a sua disposição final. Através desse trabalho, os resíduos sólidos passaram a ser vendidos e reaproveitados por terceiros. Para que isso acontecesse foi feito um projeto de Gerenciamento cujo todos os funcionários foram envolvidos para que o resultado fosse positivo No estado do Paraná, o posto de abastecimento, lava jato, borracharia e oficina mecânica planejaram uma coleta seletiva de seus resíduos sólidos gerados em suas atividades cotidianas. O engenheiro químico industrial Ansberto do Passo Neto, relata que seus colaboradores dessa cooperativa têm um papel de suma importância, porque através dessa coleta eles impedem que os materiais altamente poluidores recebam destino inadequado que não seja a reciclagem, com esse trabalho, a empresa obteve um lucro de aproximadamente R$ 1(hum) mil por mês (Nossa Folha, 2007). Segundo o autor, o principal motivo desse ato é fazer com que haja a conscientização quanto à importância de se manter o ambiente de trabalho limpo e ter em mente que os resíduos gerados estão sendo bem aproveitados adequadamente. Portanto, foram implantados coletores específicos para cada material de acordo com a resolução 27 (CONAMA, 2001), com isso eles deixam bem claro que reciclar é viver de bem com o meio ambiente. O engenheiro agrônomo Apoena Figueiroa, analista ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), disserta que 18 postos de abastecimento, estão poluindo os manguezais da região de Florianópolis. Ele Informa que só não fechariam todos os postos da região devido ao dano que causariam aos veículos, os quais necessitariam de abastecimento. Os problemas dos postos de abastecimento vão desde a falta de licença ambiental até o mau funcionamento das caixas separadoras de água e óleo (Martins, 2007). De acordo com a Resolução 27 (CONAMA, 2002), todos os postos devem dar seu destino adequado aos seus resíduos tóxicos, o descumprimento dessa resolução resultara

5 para o proprietário a pena de multa de R$ a R$ 0.000,000 previsto na Lei 9.60 (BRASIL, 1998) conhecida como a lei dos crimes ambientais. As embalagens plásticas contaminadas de óleo são consideradas nocivas ao meio ambiente, visto que nele existe um produto químico pelo nome de benzeno que é cancerígeno a saúde. E essa substância em contato com o solo contamina o lençol freático e se torna perigoso a população. A resolução 1 (CONAMA, 2002) especifica que todo resíduo poluidor deve ser recolhido por empresa altamente competente, não podendo jogar em qualquer lixão esses resíduos contaminados. O consultor de Meio Ambiente da Fecombustíveis, Roberto Roche, relata que o risco de contaminação é de 90%. Ele orienta os postos de combustíveis que não tem recolhimento específico que coloquem seus resíduos sólidos dentro de um saco de lixo e deixe separado do lixo comum de acordo coma resolução 1 (CONAMA, 2002). Se eles encontrarem vasilhames de óleos lubrificantes em lugar inadequado e conseguirem provar de qual posto veio, além de pagar multa responderá por inquérito civil e criminal (CONAMA, 200). Segundo Guidoni (200) discorre que o descarte inadequado dos resíduos sólido dos postos de combustíveis é um problema que assume grandes proporções. Os aterros sanitários não podem receber estes resíduos visto que a contaminação com o solo seria imediata. A alternativa para esses resíduos seria a reciclagem e em alguns casos quando não tem jeito seria a incineração. Nem sempre a destinação correta é viável para os postos revendedor visto que falta infra-estrutura em grande parte do país. Só existem empresas recicladoras em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Minas Gerais, Paraná, o que dificulta e encarece o enviu dos materiais. Ainda de acordo com mesmo autor, a dificuldade de encontrar empresas especializadas para reciclagem é muito grande, além do alto investimento para abrir uma recicladora é muito difícil visto que os órgãos ambientais têm que liberar a licença ambiental. É além de tudo isso a comunidade não aceita morar perto de uma empresa que potencialmente gera passivos ambientais. Essa dificuldade se torna um caos para os planos de expansão de atividades de empresas de coleta (GUIDONI, 200). De acordo com Alberto Decat (2007) Assessor de Comunicação do Minaspetro, ele descreve que Minas Gerais se deparam com a conscientização dos postos de combustíveis com a necessidade de se preservar o meio ambiente, mas isso tudo ocorreu só depois que a resolução 27 (CONAMA, 2002) que criou o Licenciamento Ambiental obrigatório para todos os postos brasileiros. Paulo Miranda disse que minas só aderiram ao licenciamento

6 6 quando a Fundação do Estado do Meio Ambiente - FEAM deu início ao processo de licenciamento. Paulo Miranda relata que após as exigências feitas pela resolução 27 (CONAMA, 2002) e pela FEAM os postos mineiros estão cumprindo a legislação a risca, foram trocados todos os tanques velhos por novos, para que não houvesse contaminação do lençol freático, a área de abastecimento e lavagem foi impermeabilizada para evitar que qualquer resíduo atinja o solo. O Manual de Licenciamento da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e do Recursos Hídricos SEMARH, quando se refere aos Postos de Abastecimento de Combustíveis, deve-se atender a vários quesitos, dentre esses, dar destinação adequada a todo resíduo sólido gerado dentro da unidade (SEMARH, 2001). Assim devem ser implantados coletores para cada resíduo, diferenciados pelas cores, dentro do estabelecimento. Através desse mecanismo facilitaria continuamente sua coleta segregada, o encaminhamento para triagem e sua reciclagem quando possível. Esses resíduos devem ser recolhidos por empresas cadastradas nos órgãos competente, afim de que possa ser garantida sua destinação adequada. A empresa é responsável por todos os resíduos sólidos gerados em suas instalações e implicará na suspensão da Licença Ambiental se caso não for atendido. E com base na legislação os fiscais ambientais podem solicitar a paralisação do Posto de Combustível quando seus resíduos sólidos não estiverem sendo acondicionados adequadamente. O proprietário do Posto pode responder por crime ambiental no caso de acidente com algum resíduo sólido gerado por sua empresa. (SEMARH, 200). METODOLOGIA Admitindo ser um impacto ambiental um fator de destaque na atualidade, devido aos seus efeitos negativos sobre o planeta, fez-se sua aferição sobre o país questionando os resíduos gerados em postos de combustíveis. Nessa pesquisa foi feita ampla revisão bibliográfica acerca do assunto, através da internet, livros, e artigos já publicados. Nessa fase também foram entrevistados os funcionários dos postos que fizeram parte desse trabalho. Esse questionário visou quantificar os resíduos, qualificar e identificar. Esse questionário foi aplicado em quatro postos de combustível de Goiânia no mês de setembro ano de Buscou-se através desse projeto relatar sobre a utilização inadequada para os resíduos de posto de combustível, e para alerta aos donos de postos sobre o impacto que esses resíduos podem gerar perante a sociedade. A quantificação foi realizada através da aferição volumétrica dos resíduos em seus diversos locais de produção. Essa medição se deu no final da jornada de trabalho de cada

7 7 setor, aferindo o volume coletado no final do dia, nos contenedores constituídos por sacos plásticos. A classificação ou identificação nas diversas tipologias de resíduos gerados nos postos de abastecimento de combustível seguiu o modelo estabelecido pela NBR (ABNT, 2004), mostrada no fluxograma da Figura 1. RESÍDUO O RESÍDUO TEM ORIGEM CONHECIDA? Sim Sim CONSTA NOS ANEXOS A OU B? Não TEM CARACTERÍSTICAS DE: INFLAMABILIDADE, CORROSIVIDADE, REATIVIDADE, TOXICIDADE OU PATOGENICIDADE? Sim RESÍDUO PERIGOSO CLASSE I Não RESÍDUO NÃO PERIGOSO CLASSE II POSSUI CONSTITUINTES QUE SÃO SOLUBILIZADOS EM CONCENTRAÇÕES SUPERIORES AO ANEXO G? Não RESÍDUO INERTE CLASSE II B Sim RESÍDUO NÃOINERTE CLASSE II A Figura1: Fluxograma de modelo de caracterização e classificação de resíduos dado pela NBR (ABNT, 2004).

8 8 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO Na Figura 2 é apresentado o fluxograma geral dos serviços desenvolvidos em um posto de abastecimento de combustível, destacando-se todas as etapas dos serviços prestados aos seus usuários, relacionando essas atividades com as diversas tipologias de resíduos gerados. Figura 2: Mostra as atividades da prestação de serviço relacionado-as com a geração de resíduos. Fonte: ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (2000)

9 9 Tabela 1 é apresentado o levantamento de dados para obtenção de informações como a quantidade de resíduos gerados no Posto 1, assim como sua quantificação diária e semanal em cada setor administrativo, troca de óleo, lavagem de veículos, abastecimento para afim de saber o volume gerado neste Posto. Esses dados foram coletados com início em 09 de setembro de 2008 e teve seu término em 16 de setembro de 2008, os resíduos como papel e plástico tiveram uma significância mais assídua, tendo seus valores respectivamente de 2 e 20 litros diários. Tabela 1: Quantificação dos diversos tipos de resíduos gerados Posto 1 Posto 1 Área Abastecimento Setor Administrativo Lavagem de veículos Troca de Óleo Total Resíduos Gerados (Característica) Volume (%) Dia (L) Semana Semana (L) Estopa/Toalha Estopa/Toalha e metálicas de cera de Detergente Filtros de ar, de óleo e de combustível. e metálicas de óleo lubrificante. Óleo usado. Outros materiais impregnados com óleo e graxa

10 10 Tabela 2, diferentes dados foram obtidos das informações levantadas acerca da quantidade de resíduos advindos de atividades geradas no Posto 2, observando ainda a quantificação diária e semanal nos setores como: lavagem de veículos, troca de óleo, administrativo e abastecimento com o fito de conhecimento e ciência em relação à volumes encontrados neste Posto. De acordo com estes dados, ora coletados do dia 09 de setembro de 2008 ao dia 16 de setembro de 2008, nota-se que tanto o papel quanto o plástico apresentaram maior relevância, conforme valores demonstrados. Tabela 2: Quantificação dos diversos tipos de resíduos gerados no Posto 2 Posto 2 Área Abastecimento Setor Administrativo Lavagem de veículos Troca de Óleo Total Resíduos Gerados (Característica) Volume Dia (L) Semana (L) (%) Semana Estopa/Toalha Estopa/Toalha e metálicas de cera de Detergente Filtros de ar, de óleo e de combustível. e metálicas de óleo lubrificante. Óleo usado. Outros materiais impregnados com óleo e graxa

11 11 Tabela são mostrados os setores de abastecimento, loja de conveniência e escritório (setor administrativo) e a troca de óleo, onde foi feito um levantamento de dados durante oito dias, que teve o intuito de quantificar os resíduos por dia e consequentemente fazer uma média semanal dos mesmos. Os resíduos gerados da troca de óleo obtiveram pouco volume devido esse setor operar no sábado até às 1h e no domingo não fazer a troca de óleo. Tabela : Quantificação dos diversos tipos de resíduos gerados no Posto Posto Área Abastecimento Setor Administrativo Resíduos Gerados (Característica) (%) Semana (L) Estopa/Toalha Estopa/Toalha e metálicas de cera de Detergente Troca de Óleo Volume Dia (L) Semana 7.7 Outros materiais impregnados com óleo e graxa. Total

12 12 Tabela 4 é apresentado o levantamento de dados para obtenção da quantidade de resíduos gerados no Posto 4, assim como sua quantificação diária e semanal em cada setor administrativo, troca de óleo, lavagem de veículos, abastecimento para afim de saber o volume gerado em cada posto. Tabela 4: Quantificação dos diversos tipos de resíduos gerados no Posto 4 Posto 4 Área Abastecimento Setor Administrativo Resíduos Gerados (Característica) Volume (%) Semana Dia (L) Semana (L) Estopa/Toalha Óleo usado Filtros de ar,de óleo e de combustível. 2.4 e metálicas de óleo Troca de Óleo lubrificante Outros materiais impregnados com óleo e graxa. Total

13 1 Figura apresenta o fluxograma da área de abastecimento e visa demonstrar as atividades desenvolvidas, assim como os produtos que são usados pelos clientes e os resíduos que são gerados dentro desse setor operário. Esses resíduos devem ser acondicionados em locais apropriados, reaproveitados e repassados para empresas licenciadas ambientalmente para que estas possam oferecer uma destinação correta. INÍCIO CHEGADA DO VEÍCULO NA PISTA DE ABASTECIMENTO Estopa Toalha ABASTECIMENTO DO VEÍCULO Embalagens metálicas de óleo Óleo Estopa usada Toalha usada usado usado VERIFICAÇÃO DE FLUIDOS (ÓLEO, ÓLEO DE FREIOS, ÁGUA). Embalagens metálicas de óleo (usado) Óleo usado FIM Figura : Fluxograma da geração de resíduos na área de abastecimento de combustível. Figura 4 mostra fluxograma do setor administrativo são mostrados os resíduos gerados provenientes do escritório e da loja de conveniência, que devem ser coletados diariamente e destinados aos tambores externos do posto de combustível para que no horário designado possa ser levado pelo caminhão de lixo. INÍCIO Lixo Comum Comida Garrafa PETE SERVIÇOS DE ESCRITÓRIO LOJA DE CONVENIÊNCIA usado usado Tambor de lixo comum usado usado ixo orgânico Garrafa PETE usado FIM Figura 4: Fluxograma da geração de resíduos no setor da administração dos postos de combustível.

14 14 Figura fluxograma da lavagem de veículos destina-se a demonstrar os resíduos usados na lavagem de veículos, e seus respectivos resíduos gerados no fim da lavagem. Esses resíduos gerados são altamente poluentes e por isso devem ser acondicionados em lugares apropriados para que as empresas licenciadas possam levar. INÍCIO CHEGADO DO VEÍCULO Água Luva Embalagens metálica de cera Embalagens de Detergente Avental Toalha LAVAGEM INTERNA Efluente líquido Luva usada Tambor de embalagens de detergente Avental usado LAVAGEM EXTERNA Tolha usada usado Tambor de lixo comum FIM Figura : Fluxograma da geração de resíduos no setor de lavagem de veículo Figura 6 fluxograma da troca de óleo visa demonstrar todos os produtos usados e também todos os resíduos que são gerados após o término da troca de óleo. Esses resíduos gerados devem ser acondicionados em local apropriado e posteriormente levados por empresas licenciadas ambientalmente. INÍCIO Filtro de óleo Filtro de ar Estopa Óleo para troca TROCA DE ÓLEO Filtro de óleo usado Filtro de ar usado Estopa usada Óleo usado FIM Figura 6: Fluxograma da geração de resíduos no setor de troca de óleo.

15 1 Figura 7 e 8 mostra a área de abastecimento do posto de combustível, bem como sua pista de abastecimento, as canaletas que circunda a pista e seus equipamentos para efetuar abastecimento. Figure 7: Área de Abastecimento Figure 8: Área de Abastecimento e suas canaletas Figura 9 e 10 a troca de óleo do Posto de Combustível deve ser tratada com muito cuidado pelos seus proprietários, devido ser uma área que gera bastante resíduos perigosos, e que devem ser acondicionados em locais apropriados e reciclados por empresas licenciadas ambientalmente. Figure 9: Troca de Óleo Figure 10: Equipamentos da troca de óleo

16 16 Figura 11 e 12 a lavagem de veículos do Posto de Combustível tem que ter uma preocupação também com seus resíduos sólidos e principalmente com seus efluentes líquidos que gera na lavagem, essas águas devem ser direcionadas por canaletas até suas caixas separadoras para posteriormente ser lançada no esgoto publico. Figure 11: Lavagem de veículos Figure 12: Equipamento da lavagem de veículos 6 CONSIDERAÇÕES E RECOMENDAÇÕES Através das informações obtidas nos quatro postos de combustível, pode-se concluir que os resultados foram preocupantes para município, visto que é um sério problema para o meio ambiente e para a sociedade em geral. Essa pesquisa teve o intuito de demonstrar que os resíduos sólidos gerados por essa atividade têm um grau elevado de contaminação e que se manuseados inadequadamente pode chegar a contaminar grande área que circunda os postos de combustíveis, visto que os proprietários não se preocupam em estar fazendo um monitoramento adequado e eficaz para essa atividade. Recomenda-se com intuito de minimizar esse impacto causado pelos resíduos sólidos nos postos de combustíveis que: - Separem seus resíduos por classe; - Acondicionem seus resíduos sólidos em tambores adequados e que seja em local impermeabilizado (bacia de contenção); - Destinem os óleos usados a empresas licenciadas ambientalmente; - Destinem os resíduos gerados a recicladoras quando possível;

17 17 - Direcionem seus efluentes líquidos da lavagem de veículos por canaletas até chegarem às caixas separadoras; - Fazer a limpeza periódica dessas caixas separadoras; Diante desses fatores os órgãos ambientais deveriam ter maior rigor na liberação de suas respectivas licenças ambientais e ainda dos critérios de perda das mesmas quando em desconformidade. 7 REFERENCIAS Decat Alberto - Assessor de Comunicação do Minaspetro. Cidadania: Minaspetro e Manuelzão: parceria bem sucedida. Disponível em Acessado em abril de Martins Celso, A Notícia, 09/02/2007 Postos de combustíveis poluem reserva. Disponível em <http://floripamanha.org/weblog/2007/907/>, () Florianópolis. Acessado em abril de BEZERRA CLÁUDIA MARQUES, PUGAS CLEONICE, FERNANDO FERNANDES DA SILVA E MAX HENRIQUE ARANHA DE MACEDO Licenciamento de Posto de Combustível em Goiânia. Disponível em <www.ucg.br/nupenge/pdf/artigo00.pdf?> Universidade Católica de Goiás, Acessado em abril de Diretriz Padrão Disponível em <www.agenciaambiental.go.gov.br/site/download/index.php>,. Acessado em abril de 2007 ELIAS, Sérgio José Barbosa; PRATA, Auricélio Barros; MAGALHÃES, Liciane Carneiro. Experiência de implantação da Produção mais Limpa. Estudo de múltiplos casos. In: Encontro nacional de Engenharia de Produção - ENEGEP, 2004, Florianópolis SC. Disponível em <www.incoop.ct.ufrn.br/publicacoes/publicacao_42.pdf> Acessado em Brasil LEI Nº DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998, Lei de Crimes Ambientais, Disponível em <www.ibama.gov.br/fauna/legislacao/lei_960_98.pdf> Acessado em 2008 Lixo nos postos Disponível em <http://www.revistacombustiveis.com.br/edicao20/meioambiente.html>. Acessado em abril de KINCHESKI MARCOS MAURÍCIO. Gerenciamento de resíduos em postos de combustíveis de Ponta Grossa, PUC-PA. Disponível em. <www.pucpr.br/educacao/academico/graduacao/cursos/ccet/engambiental/tcc/200/pdf/marco s_kincheski.pdf>. Acessado em abril de 2007: ABNT - Norma Brasileira Registrada NBR da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT

18 18 Redação Nossa Folha Paraná Posto de Combustíveis Lar implementa coleta seletiva Disponível em <www.medianeira.com.br/noticias.php?id=60629>, Acessado em abril de SANÇA ROSÂNGELA DE LIMA ROSÁRIO Fatores Inibidores do Uso de Técnicas Ambientais Nos Postos de Combustíveis: Um Estudo de Caso em Natal/RN Disponível em <www.incoop.ct.ufrn.br/publicacoes/publicacao_42.pdf> Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Tecnologia. Programa de Engenharia de Produção. Acessado em setembro de Guidoni Rosemeire. A solução é inverter a pirâmide Disponível em <http://revistacombustiveis.com.br/edicao40/meioambiente02.htm>. Acessado em abril de CONAMA - Resolução CONAMA 27 de 29 de Novembro Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res00/res2700.html>. Acesso em CONAMA - Resolução CONAMA Nº 1 de Outubro de 2002, Dispõe sobre o Inventário Nacional de Resíduos Sólidos Industriais. Disponível em <www.mma.gov.br/port/conama/res/res02/res102.html> Acessado em 2008.

Rua Osmane Barbosa, 937 - JK Montes Claros - MG - CEP: 39.404-006 - Brasil - Tel: (38) 3690-3626 - e- mail: sheilacivil@yahoo.com.

Rua Osmane Barbosa, 937 - JK Montes Claros - MG - CEP: 39.404-006 - Brasil - Tel: (38) 3690-3626 - e- mail: sheilacivil@yahoo.com. I-025 DIAGNÓSTICO E PROPOSTA DE LAYOUT DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO E TRANSBORDO DOS RESÍDUOS GERADOS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NO NORTE DE MINAS GERAIS, COMO ALTERNATIVA DE DESTINAÇÃO DESSES RESÍDUOS

Leia mais

III-084 - PROPOSTA DE PLANO UNIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

III-084 - PROPOSTA DE PLANO UNIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO III-084 - PROPOSTA DE PLANO UNIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Larisse Brunoro Grecco (1) Graduanda em Tecnologia em Saneamento

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 7 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES. 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 7 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES. 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA MÓDULO 7 1 CONCEITO DE MEIO AMBIENTE 2 ASPECTO AMBIENTAL 3 O QUE SÃO RESÍDUOS? 4 GESTÃO AMBIENTAL 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA 7 BENEFÍCIOS DA DESTIN. E TRATAMENTO

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de Transporte, Mineração

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) 1 - DIRETRIZ GERAL O presente Termo de Referência tem o objetivo de orientar os empreendimentos, sujeitos ao

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE LICENÇA OPERAÇÃO/REGULARIZAÇÃO LO - Nº 14/2015 DEMA A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS Versão: 03 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes para a segregação, coleta e transporte interno, armazenamento temporário, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados, de acordo

Leia mais

MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS. Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental

MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS. Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental Versão 03 Novembro / 2009 A WEG aliada aos princípios de sustentabilidade

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PGRSI

TERMO DE REFERÊNCIA PGRSI TERMO DE REFERÊNCIA PGRSI Termo de Referência para apresentação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos para Empreendimentos Industriais PGRSI. 1. OBJETIVO Em atendimento à Política Estadual de Resíduos

Leia mais

Panorama sobre resíduos sólidos

Panorama sobre resíduos sólidos Panorama sobre resíduos sólidos Brasil Dinamarca: Cooperação em Meio Ambiente Setembro de 2009 Principais conceitos (proposta do setor industrial) Resíduos sólidos: qualquer material, substância, objeto

Leia mais

Considerando que o descarte de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo para o solo ou cursos de água gera graves danos ambientais;

Considerando que o descarte de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo para o solo ou cursos de água gera graves danos ambientais; RESOLUÇÃO N 037/2009 - SEMA Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O Secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

Resíduos Químicos. Manejo de. Comissão de Gerenciamento de Resíduos Faculdade de Farmácia. Elaboração:

Resíduos Químicos. Manejo de. Comissão de Gerenciamento de Resíduos Faculdade de Farmácia. Elaboração: + Re d Comissão de Gerenciamento de Resíduos Faculdade de Farmácia Elaboração: Elviscley de Oliveira Silva Email: elviscley@hotmail.com Mariângela Fontes Santiago Email: mariangelafs@gmail.com Bruna Carneiro

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE.

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. Adriana Sampaio Lima (1) Bióloga pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Leia mais

SUMÁRIO. Daniel Bortolin02/02/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 80 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS

SUMÁRIO. Daniel Bortolin02/02/2015 ÍNDICE: ÁREA. Número 80 Título. Aprovação comunicada para Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS; Fernando Cianci/BRA/VERITAS Aprovado ' Elaborado por Daniel Bortolin/BRA/VERITAS em 02/02/2015 Verificado por Cintia Kikuchi em 02/02/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 02/02/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS ISSN 1984-9354 MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Leonardo Dias Pinto (Latec/UFF) Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas (Latec/UFF) Resumo Os resíduos sólidos provenientes

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos;

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos; TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENED ALUNA: CAROLINA SEGASPINI BOTEJO KRIESER CURSO: GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA SISTEMA AEROPORTUÁRIO DATA:20.08.2010 OBJETIVO

Leia mais

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de:

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de: ES MA 04 CANTEIROS DE OBRAS, INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS E EQUIPAMENTOS EM GERAL 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos a serem observados na instalação e na operação dos canteiros

Leia mais

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO.

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 DECRETO Nº 7.404/2010 O QUE MUDA COM A LEI 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO)

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão e aproveitamento dos resíduos da construção civil e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

REVISÕES C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO. Rev. TE Descrição Por Ver. Apr. Aut. Data. 0 C Emissão inicial. RPT RPT RCA RPT 04/01/11

REVISÕES C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO. Rev. TE Descrição Por Ver. Apr. Aut. Data. 0 C Emissão inicial. RPT RPT RCA RPT 04/01/11 1/8 REVISÕES TE: TIPO EMISSÃO A - PRELIMINAR B - PARA APROVAÇÃO C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO E - PARA CONSTRUÇÃO F - CONFORME COMPRADO G - CONFORME CONSTRUÍDO H - CANCELADO Rev. TE Descrição

Leia mais

1. RESÍDUOS 1.1. Caracterização geral

1. RESÍDUOS 1.1. Caracterização geral 1. RESÍDUOS 1.1. Caracterização geral 1.2. Classificações CAP 3 SANEAMENTO BÁSICO: GENERALIDADES Resíduos são restos ou sobras de materiai, provenientes de atividades humanas ou naturais, que em geral

Leia mais

NORMA TÉCNICA. 1. Finalidade

NORMA TÉCNICA. 1. Finalidade 1. Finalidade Disciplinar os procedimentos administrativos e operacionais para o correto gerenciamento de resíduos gerados em operações portuárias, manutenção de máquinas e equipamentos e atendimento a

Leia mais

MEIO AMBIENTE Fiscalização ambiental: seu posto está preparado?

MEIO AMBIENTE Fiscalização ambiental: seu posto está preparado? MEIO AMBIENTE Fiscalização ambiental: seu posto está preparado? A resolução 273 do Conama já completou dez anos, mas muitos postos revendedores ainda não concluíram o licenciamento ambiental e, por isso,

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. - Instrumento da PNRS -

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. - Instrumento da PNRS - Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - Instrumento da PNRS - VISÃO para os Planos : 1 - conjunto de ações voltadas para a busca de soluções 2 - considerar as dimensões política, econômica, ambiental,

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050. (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005)

Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050. (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005) Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050 Dispõe sobre o Rerrefino de Óleo Lubrificante (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005) O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS CIESP COTIA GMA GRUPO DE MEIO AMBIENTE RONALD FERFILA BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO Valor desconhecido Estima-se a geração de 2,9 milhões de toneladas por ano de resíduos perigosos

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de Construção

Leia mais

Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações.

Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. INTRODUÇÃO SUSTENTABILIDADE,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 I RESUMO EXECUTIVO O que muda com a Lei 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros controlados ficam proibidos. A Lei, determina que todas as administrações

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais

política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais 1 Índice PALAVRA DO PRESIDENTE 03. Palavra do Presidente 04. Introdução 06. Resíduos Sólidos 07. Classificação dos Resíduos Sólidos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo)

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo) MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo) Comarca de xxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx / 2013 1. IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

Atos Administrativos. PREFEITURA DE JACOBINA/BA www.sitiosoficiais.org/ba/prefeitura/jacobina JACOBINA, BAHIA SEGUNDA-FEIRA 28 DE MAIO DE 2012

Atos Administrativos. PREFEITURA DE JACOBINA/BA www.sitiosoficiais.org/ba/prefeitura/jacobina JACOBINA, BAHIA SEGUNDA-FEIRA 28 DE MAIO DE 2012 2 Atos Administrativos 3 Condicionantes Comprar madeira devidamente legalizada, e com Certificação Ambiental; Nas operações de corte de madeira, utilizardispositivo empurrador e guia de alinhamento; Devido

Leia mais

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Viação Garcia Ltda. Despoluir - Motores desligados para poupar o planeta Projeto iniciado em 2009, sem previsão de encerramento Categoria 03: Responsabilidade Sócio-ambiental

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM 1 Régis Budke, 1 Jackson Rainério Cardoso & 2 Silvio Bispo do Vale 1 Graduandos em Engenharia de Minas e Meio Ambiente - UFPA. 2 Prof. da

Leia mais

Considerando a necessidade de minimizar os impactos negativos causados ao meio ambiente pelo descarte inadequado de pilhas e baterias;

Considerando a necessidade de minimizar os impactos negativos causados ao meio ambiente pelo descarte inadequado de pilhas e baterias; NOVA RESOLUÇÃO DE PILHAS E BATERIAS Estabelece os limites máximos de chumbo, cádmio e mercúrio para pilhas e baterias comercializadas em território nacional e os critérios e padrões para o seu gerenciamento

Leia mais

Of. nº 21 /2015. Guaporé, 25 de junho de 2015.

Of. nº 21 /2015. Guaporé, 25 de junho de 2015. Of. nº 21 /2015. Guaporé, 25 de junho de 2015. Senhor Presidente, Encaminho nesta Casa Legislativa, para apreciação e votação dos nobres Edis, o projeto de lei legislativa nº 009/2015, que INSTITUI O PROGRAMA

Leia mais

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública?

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública? QUESTIONÁRIO PARA DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E MANEJO DE RESÍDUO DAS UNIDADE DE SAÚDE. A) Aspectos Ambientais Avaliação da estrutura Responda os itens abaixo com a seguinte legenda: Sim = S Não

Leia mais

Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS

Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS 1 Assunto: Mortandade de Peixes no Rio do Sinos Solicitante: PROMOTORIA REGIONAL DE MEIO AMBIENTE (Sinos e Gravataí) IC nº 01393.00001/2010 IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO LANÇAMENTOS DE ESGOTOS E

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Telha Impermeabilizante Incolor Página: 01 / 07 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Telha Impermeabilizante Incolor Código

Leia mais

MÓDULO 4 LICENCIAMENTO AMBIENTAL E MEDIDAS MITIGADORAS

MÓDULO 4 LICENCIAMENTO AMBIENTAL E MEDIDAS MITIGADORAS Preparado por: PEAT Programa de Educação Ambiental dos Trabalhadores MÓDULO 4 LICENCIAMENTO AMBIENTAL E MEDIDAS MITIGADORAS A realização deste programa é uma medida de mitigação exigida pelo licenciamento

Leia mais

Rev Modificação Data Autor Validação. Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido

Rev Modificação Data Autor Validação. Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido Rev Modificação Data Autor Validação Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido Especialidades: Autores do Documento CREA / UF Matrícula valido Sítio GERAL Área do sítio

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: resíduos sólidos; composição gravimétrica; gestão; reintegração ambiental

RESUMO. Palavras chave: resíduos sólidos; composição gravimétrica; gestão; reintegração ambiental 1 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E POTENCIAL DE REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NA CIDADE DE VIÇOSA, MINAS GERAIS (*) Marcos Alves de Magalhães 1, Adriana Barbosa Sales de Magalhães

Leia mais

Gestão da Qualidade e Meio Ambiente

Gestão da Qualidade e Meio Ambiente Com o objetivo de desenvolver a consciência ambiental em nossos fornecedores, visando a propagação e a prática da política ambiental da empresa e o atendimento aos requisitos do sistema de gestão ambiental,

Leia mais

Curitiba, em 03 de dezembro de 2002, 181º da Independência e 114º da República. REGULAMENTO A QUE SE REFERE O DECRETO nº 6674/2002

Curitiba, em 03 de dezembro de 2002, 181º da Independência e 114º da República. REGULAMENTO A QUE SE REFERE O DECRETO nº 6674/2002 DECRETO Nº 6674-03/12/2002 Publicado no Diário Oficial Nº 6371 de 04/12/2002 Aprova o Regulamento da Lei n0 12.493, de 1999, que dispõe sobre princípios, procedimentos, normas e critérios referentes à

Leia mais

4 ª OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA A APLICAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONAMA N N 362/2005

4 ª OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA A APLICAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONAMA N N 362/2005 4 ª OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA A APLICAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONAMA N N 362/2005 LICENCIAMENTO AMBIENTAL DAS ATIVIDADES LIGADAS AOS ÓLEOS LUBRIFICANTES USADOS OU CONTAMINADOS Engª Quím. Carmem L. V. Níquel

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ESTABELECIMENTO DE ENSINO COM BASE NA ABNT NBR ISO 14001:2004

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ESTABELECIMENTO DE ENSINO COM BASE NA ABNT NBR ISO 14001:2004 Porto Alegre/RS 23 a 26/11/201 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ESTABELECIMENTO DE ENSINO COM BASE NA ABNT NBR ISO 14001:2004 RESUMO Claudia Adriana Kohl (*), Cristine Santos de Souza da Silva, Caroline Lobato

Leia mais

Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva

Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço para correspondência: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail:

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES - RS BRASIL PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES Elaborado por: COMITE DE COORDENAÇÃO DO

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Qualidade Ambiental. Fernanda Helena Ferreira Leite Coordenadora do GMP da Res. CONAMA 362 de 2005

Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Qualidade Ambiental. Fernanda Helena Ferreira Leite Coordenadora do GMP da Res. CONAMA 362 de 2005 Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Qualidade Ambiental Fernanda Helena Ferreira Leite Coordenadora do GMP da Res. CONAMA 362 de 2005 Resolução CONAMA 362 de 2005 OLUC ÓLEO LUBRIFICANTE USADO E/OU

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Página1 1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Diversos autores vêm utilizando metodologias próprias de classificação de resíduos sólidos, tendo como referência a fonte de geração, o local de produção, os aspectos

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI

MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI O CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso de suas atribuições e competências que lhe foram concedidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentadas

Leia mais

RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL

RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL A Comissão Ministerial de Gestão Ambiental foi criada através da Portaria POR-PGJ n 204/08, com o fim de estudar, sugerir e acompanhar a implementação de medidas administrativas

Leia mais

CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 SILVA, Fabíola Barbosa B; 1 CARNIATTO, Irene; 1 PILOTTO, Anyele Liann;

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ de Produto Químico - FISPQ PRODUTO: FITA DE POLIPROPILENO PARA ARQUEAÇÃO Página 1 de 10 Seção 1 Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Fita de Polipropileno para arqueação Fornecedor Nome:

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0003/2015 A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8

AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8 149 AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8 Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial

Leia mais

PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS

PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS Serviço Agro-Silvo-Pastoril SEASP/DECONT OUTUBRO/2003 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1 Objetivo

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES (RAPP) * O IBAMA indica o uso dos navegadores Mozilla Firefox ou Google Chrome

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES (RAPP) * O IBAMA indica o uso dos navegadores Mozilla Firefox ou Google Chrome ATENÇÃO! Em 2015, o prazo de entrega do Relatório Anual de Atividades Potencialmente Poluidoras (RAPP) 2015/2014 será entre 1º de fevereiro a 31 de março. Deixar de cumprir essa obrigação ou prestar declarações

Leia mais

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Luís Eduardo Magalhães-BA Março/2015 Werther Brandão Secretário Municipal de Saúde Luziene de Souza Silva

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS 1 JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGIRS. 2 OBJETIVO O objetivo do PGIRS

Leia mais

Projeto de Incentivo à Reciclagem

Projeto de Incentivo à Reciclagem Projeto de Incentivo à Reciclagem Boas Práticas em Meio Ambiente Apresentação: O objetivo do seguinte projeto tem a finalidade de auxiliar a implementação da Coleta Seletiva e posteriormente envio para

Leia mais

Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A.

Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A. Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A. Apresentação Thiago Flores dos Santos Gerente da Assessoria de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental EMENTA 1 2 3 Motivação

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA DATA DA ÚLTIMA REVISÃO: 09/08/2013 1/7 FISPQ NRº. 022 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. - Nome do Produto: Ortotolidina - Solução - Nome Comercial: Solução

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257, DE 30 DE JUNHO DE 1999 * Revogada pela Resolução 401, de 4 de novembro de 2008.

RESOLUÇÃO Nº 257, DE 30 DE JUNHO DE 1999 * Revogada pela Resolução 401, de 4 de novembro de 2008. RESOLUÇÃO Nº 257, DE 30 DE JUNHO DE 1999 * Revogada pela Resolução 401, de 4 de novembro de 2008. O Conselho Nacional do Meio Ambiente - Conama, no uso das atribuições e competências que lhe são conferidas

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS: ESTUDO DE CASO EM UM LAVA JATO

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS: ESTUDO DE CASO EM UM LAVA JATO ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS: ESTUDO DE CASO EM UM LAVA JATO Larissa Rodrigues Cortez (UFRN ) larissarcortez@hotmail.com Fernanda Kivia Agra Fernandes (UFRN ) fernandakiviaf@gmail.com

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Princípios, objetivos e instrumentos, Diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluídos os perigosos Responsabilidades dos

Leia mais

FISPQ nº 176 Página 1 / 5 Data da última revisão 02/02/2009. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ

FISPQ nº 176 Página 1 / 5 Data da última revisão 02/02/2009. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ 1 Identificação do produto e da empresa Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 176 Página 1 / 5 Data da última revisão 02/02/2009 Nome do produto: Craquelex Color (Verniz

Leia mais

NORMA MUNICIPAL Nº. 054

NORMA MUNICIPAL Nº. 054 NORMA MUNICIPAL Nº. 054 Portaria Nº.054. de 05 de julho de 2001 Norma de Armazenamento Externo de Contêineres de Resíduos Sólidos ORIGEM: Gestão Diferenciada de Resíduos Sólidos PALAVRA CHAVE: Resíduos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES PARA A REDUÇÃO DA DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS Construção de Galpões de Triagem

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM COLETOR DE COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS VISANDO A MINIMIZAÇÃO DE VOLUME

DESENVOLVIMENTO DE UM COLETOR DE COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS VISANDO A MINIMIZAÇÃO DE VOLUME DESENVOLVIMENTO DE UM COLETOR DE COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS VISANDO A MINIMIZAÇÃO DE VOLUME Maria Zanin (1) Professora do Departamento de Engenharia de Materiais da Universidade Federal de São Carlos

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Massa epóxi Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116 km 120 n 26640

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ Página 1 de 8 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Cera Cinderela - Código interno de identificação do produto: LP 001 - Produto Notificado na ANVISA / MS: - Nome da empresa: POLICLEAN

Leia mais

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo Amanda Aroucha de Carvalho Reduzindo o seu resíduo 1 Índice 1. Apresentação 2. Você sabe o que é Educação Ambiental? 3. Problemas Ambientais 4. Para onde vai o seu resíduo? 5. Soluções para diminuir a

Leia mais

Pode causar dores abdominais e irritação gástrica. Por não ser um produto totalmente bio-degradável, pode afetar o ecosistema.

Pode causar dores abdominais e irritação gástrica. Por não ser um produto totalmente bio-degradável, pode afetar o ecosistema. 1 Identificação do produto e da empresa Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 012 Página 1 / 5 Data da última revisão 17/072008 Nome do produto: Acrilpen Código interno

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Veda calha Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116 km 120 n 26640

Leia mais

LEGISLAÇÃO - LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO - LEGISLAÇÃO BRASILEIRA LEGISLAÇÃO - LEGISLAÇÃO BRASILEIRA VEJA A NOVA LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA PARA PCBS RETIRADA DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA: - Portaria Interministerial (MIC/MI/MME) 0019 de

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Cinthia Martins dos SANTOS Programa de Pós Graduação em Engenharia do Meio Ambiente, Escola de Engenharia,

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL CONFORME A NBR ISSO 14001: UMA ANÁLISE ECONÔMICA DO SGA DA EMPRESA DOURAMOTORS DOURADOS, MS. RESUMO

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL CONFORME A NBR ISSO 14001: UMA ANÁLISE ECONÔMICA DO SGA DA EMPRESA DOURAMOTORS DOURADOS, MS. RESUMO CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL CONFORME A NBR ISSO 14001: UMA ANÁLISE ECONÔMICA DO SGA DA EMPRESA DOURAMOTORS DOURADOS, MS. Sônia Mendes Paiva de Mendonça 1 ; Luciana Ferreira da Silva 2 UEMS/ENGENHARIA AMBIENTAL

Leia mais

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES Nome do produto: ÓLEO DA CASTANHA DO BRASIL Page: (1 of 1) Data de elaboração: (19 /01 / 2005) Data de revisão: (19 / 01 / 2005) Número de Revisão: (00) ATENÇÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80

RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80 RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80 Dispõe sobre os procedimentos de licenciamento ambiental de estabelecimentos destinados

Leia mais

Perguntas frequentes Resíduos Sólidos. 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais?

Perguntas frequentes Resíduos Sólidos. 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais? Perguntas frequentes Resíduos Sólidos 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais? Resíduos industriais: gerados nos processos produtivos e instalações industriais.

Leia mais

Educação ambiental e participação comunitária. Modelo de projeto (estruturação)

Educação ambiental e participação comunitária. Modelo de projeto (estruturação) Educação ambiental e participação comunitária Modelo de projeto (estruturação) A problemática da coleta seletiva 3.2. Concepção geral do sistema projetado 3.3. Objetivos gerais 3.4. Objetivos específicos

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS Gerenciamento e Controle

RESÍDUOS SÓLIDOS Gerenciamento e Controle RESÍDUOS SÓLIDOS Gerenciamento e Controle GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS GERENCIAMENTO Segundo a resolução CONAMA 302/02 o gerenciamento de resíduos sólidos é definido como: O conjunto de atividades ligadas

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA.

IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA. IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA. Roberta Daniela da Silva Santos (1) Anne Kallyne dos Anjos Silva (2) Simone do Nascimento

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais - PGRSI

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais - PGRSI Departamento de Administração de Materiais TCM Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais - DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS TCM PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais