Essa terra que tomo de conta: parentesco e territorialidade na Zona da Mata de Pernambuco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Essa terra que tomo de conta: parentesco e territorialidade na Zona da Mata de Pernambuco"

Transcrição

1 Universidade de Lisboa Instituto de Ciências Sociais Essa terra que tomo de conta: parentesco e territorialidade na Zona da Mata de Pernambuco Ana Luísa Martins Micaelo Doutoramento em Antropologia Especialidade: Antropologia do Parentesco e do Género 2014

2 Universidade de Lisboa Instituto de Ciências Sociais Essa terra que tomo de conta: parentesco e territorialidade na Zona da Mata de Pernambuco Ana Luísa Martins Micaelo Tese orientada pela Professora Doutora Susana de Matos Viegas Doutoramento em Antropologia Especialidade: Antropologia do Parentesco e do Género 2014 Fundação para a Ciência e Tecnologia (SFRH/BD/46957/2008 e SFRH/BD/61518/2009)

3

4 Resumo A presente dissertação propõe entender como se constitui um assentamento rural ao longo do tempo, enfatizando a forma como a terra tem sido incorporada nos projectos familiares dos antigos moradores e trabalhadores assalariados de engenhos da cana na Zona da Mata de Pernambuco no Brasil. Procuro situar a problemática da apropriação da terra e das relações familiares subjacentes à conjugalidade, ao género e à transmissão da terra nas novas dinâmicas sociais e territoriais decorrentes do processo de reforma agrária. Para tal, parto das experiências vividas dos habitantes de um assentamento rural criado em 1998 onde realizei trabalho de campo com observação participante e proponho perceber como as suas biografias se inscrevem na história da terra contribuindo para o conhecimento desta fase histórica de reorganização do mundo rural brasileiro. A análise da territorialidade dentro dos assentamentos tem em conta as continuidades e rupturas que estabelece com o espaço do engenho, fazendo uma problematização da preponderância da unidade familiar tanto na presente concepção de reforma agrária, como nas antigas lógicas de trabalho e de residência que permanecem como referentes muito fortes para a maior parte da população. Mediante diferentes regimes de valor da terra em confronto, procuro enquadrar a discussão antropológica em torno dos conceitos de territorialidade, propriedade e posse da terra e compreender as práticas e os vários significados locais que o parentesco encapsula neste contexto, tendo nas casas e na terra uma chave para compreender a vivência quotidiana das relações entre parentes. Palavras-chave Posse da Terra; Parentesco; Territorialidade; Reforma Agrária; Zona da Mata de Pernambuco Nordeste Brasil.

5 Abstract This dissertation posits an understanding of how a rural settlement (assentamento) is constituted throughout time by stressing the way in which land has been incorporated into the family projects of former sugarcane plantation wage workers and plantation dwellers (moradores de engenho) at the Zona da Mata de Pernambuco, in Northeast Brazil. I address the problematics of land appropriation and family relationships that underlie conjugality, by looking at gender and land transmission issues in the new social and territorial dynamics that follow from the undergoing Land Reform process. To do so, I start from the lived experience of the dwellers (assentados) of a specific rural settlement created in 1998, where I undertook fieldwork with participant observation, and seek to understand how their biographies are inscribed in the history of the land, thus contributing and adding to the knowledge about this moment in the reorganization of the brazilian rural world. The analysis of territoriality within the settlement takes into account the continuities and ruptures established with the space of the former plantation (engenho), problematizing the preponderance of the family unit both in the present conceptions of Land Reform and in the older work and dwelling logics that are still today strong referents for the majority of the population. By the confrontation of different land value regimes, I try to frame the wider anthropological discussion on the concepts of territoriality, property and ownership of the land, and also to understand the practices and the various local meanings that kinship encapsulates in this context, having in the houses and the land a key to understand the daily living of relationships between kins. Keywords Land Ownership; Kinship; Territoriality; Land Reform; Zona da Mata de Pernambuco Northeast Brazil.

6 The meaning of property is not constant. The actual institution, and the way people see it, and hence the meaning they give to the word, all change over time. ( ) The changes are related to changes in the purposes which society or the dominant classes in society expect the institution of property to serve. When these expectations change, property becomes a controversial subject: there is not only argument about what the institution of property ought to be, there is also dispute about what it is. For when people have different expectations they are apt to see the facts differently. The facts about a man-made institution which creates and maintains certain relations between people and that is what property is are never simple. (Macpherson 1978: 1)

7 ÍNDICE Índice de figuras... iii Índice de tabelas... iv Índice de anexos... iv Lista de siglas... v Agradecimentos... vii CAPÍTULO I Introdução de uma assentada... 1 Metodologia Apresentação dos capítulos CAPÍTULO II A constituição da Zona da Mata de Pernambuco como contexto antropológico nas ciências sociais brasileiras As categorias de análise e os debates que inauguraram As lutas sociais no campo e o campo de acção dos académicos A reforma agrária na Zona da Mata de Pernambuco Os assentamentos na Zona da Mata de Pernambuco CAPÍTULO III De engenho a assentamento: desapropriações e apropriações da terra em Arupema De um engenho decadente à ocupação pelo MST ( ) Os sem-terra, as ocupações e a vida no acampamento A relação com os moradores O assentamento CAPÍTULO IV A casa na parcela: domesticidade e construção do lugar A casa na parcela A sucessão da casa Dinâmicas familiares na parcela Conclusão: a parcela é o sítio i

8 CAPÍTULO V Andar pelo meio do mundo e assentar: género e territorialidades nas dinâmicas familiares Andar pelo meio do mundo Dar uma casada A relação entre as casas no terreiro Ser mãe duas vezes Tramas territoriais e conjugalidade CAPÍTULO VI Essa terra que tomo de conta : a posse e a transmissão da terra Árvores de fruto como mnemónica Posse como personalização O sítio onde se nasce, onde se morre e a história da luta pela terra Botar roçado Animais Trabalho e transmissão da terra Essa terra que tomo de conta : posse e transmissão indivisa da parcela Breve conclusão CAPÍTULO VII Conclusão Bibliografia ANEXOS ii

9 Índice de figuras Figura 1 - A paisagem da Zona da Mata de Pernambuco... 5 Figura 2 - Mapa de Pernambuco... 8 Figura 3 - Horta biológica e ao fundo a chaminé do antigo engenho Figura 4 - Malha dos assentamentos existentes em 2008 na área de jurisdição da Superintendência Regional de Pernambuco do INCRA Figura 5 - Diagrama do Engenho Arupema Figura 6 - Mapa do Assentamento Arupema Figura 7 - Casa de um antigo morador de engenho no Assentamento Arupema Figura 8 - Casa de tijolo de uma família assentada Figura 9 - Casa de taipa de um filho de assentados no terreiro dos seus pais Figura 10 - Casa de taipa anteriormente usada para habitação e que agora serve para armazenar utensílios agrícolas Figura 11 - Seu Joaquim. olhando a sua parcela e, ao fundo, a casa e horta do filho Figura 12 - Crianças brincam no terreiro Figura 13 - Diagrama da parcela Figura 14 - Apreciação de uma horta de feijão Figura 15 - No terreiro, dando manga aos bois Figura 16 - Aglomerado de casas no terreiro de uma família e igrejas na área comunitária ao fundo Figura 17 - Pai, filha e neto no roçado Figura 18 Seu Cícero plantando maniva Figura 19 - Lucas recolhendo o boi para a cocheira Figura 20 - Ralando o milho Figura 21 - Menino comendo jaca debaixo de um pé de fruta no terreiro iii

10 Índice de tabelas Tabela 1 - Uma cronologia para Arupema ( ) Tabela 2 - Situação dos ocupantes do engenho Arupema Índice de anexos Anexo 1- Lista da Situação dos ocupantes que consta do processo do INCRA Projeto de Assentamento Arupema (1998) Anexo 2 - Decreto presidencial que declara o interesse social para fins de reforma agrária do engenho Arupema Anexo 3 - Auto de imissão de posse do engenho Arupema Anexo 4- Certidão emitida pelo Cartório de Vitória de Santo Antão em Outubro de Anexo 5 - Repasse: mudança e permanência de titulares de parcelas desde iv

11 Lista de siglas ABRA Associação Brasileira de Reforma Agrária CONAB Companhia Nacional de Abastecimento CONDEPE/FIDEM - Empresa Estadual de Pesquisa e Planejamento de Pernambuco CONTAG Confederação Nacional dos Trabalhadores(as) na Agricultura COOPAGEL Cooperativa de assistência técnica COOPTERRA Cooperativa dos Trabalhadores Sem Terra CPT Comissão Pastoral da Terra CTB Central do Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil FADURPE - Fundação Apolônio Salles de Desenvolvimento Educacional FETAPE Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Pernambuco FETRAF Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar FUNAI Fundação Nacional do Índio FUNRURAL - Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural FUNTEPE Fundo de Terras do Estado de Pernambuco IAA Instituto do Açúcar e do Álcool IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBRA Instituto Brasileiro de Reforma Agrária INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária INDA Instituto Nacional do Desenvolvimento Agrário INSS Instituto Nacional do Seguro Social IPA Instituto de Pesquisa Agropecuária de Pernambuco ITERPE Instituto de Terras e Reforma Agrária do Estado de Pernambuco MDA - Ministério de Desenvolvimento Agrário MIRAD - Ministério da Reforma Agrária e do Desenvolvimento Agrário MLST Movimento de Libertação dos Sem Terra MST Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra MT Movimento dos Trabalhadores MTB Movimento dos Trabalhadores Brasileiros MTBST Movimento dos Trabalhadores Brasileiros Sem Terra v

12 MTL - Movimento Terra, Trabalho e Liberdade MTRUB Movimento dos Trabalhadores Rurais e Urbanos do Brasil OLC - Organização de Luta no Campo ONG - Organização Não Governamental PA Projeto de Assentamento (INCRA) PDA Plano de Desenvolvimento do Assentamento (INCRA) PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PNRA Plano Nacional de Reforma Agrária PPGAS Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro) PRA - Plano de Recuperação do Assentamento (INCRA) PROALCOOL Programa Nacional do Álcool PT Partido dos Trabalhadores SAPPP Sociedade Agrícola e Pecuária de Plantadores de Pernambuco SERTA instituição de assistência técnica SNE Sociedade Nordestina de Ecologia STR Sindicato dos Trabalhadores Rurais vi

13 Agradecimentos À Joana, Oriana e Ana Rita, amigas com quem partilhei tanto e que tanto me apoiaram e incentivaram a tornar esta tese e eu própria naquilo que já queríamos ser. Ao Bruno, que me segura a mão e ao mesmo tempo me faz expandir os horizontes. À minha família e aos meus amigos de sempre, que me sentiram a falta sem nunca deixar de me apoiar Ana Marta, Francisca, Cândida, Ana Margarida, Teresa, Tiago, Ratolas, Bernardo e João. À Inês e ao André por serem a luz dos meus olhos, aos meus irmãos que aguentaram o barco e aos meus pais, pilares de bondade e exemplo. À Susana, minha orientadora, que desde há muito me ajudou a pensar e a crescer e prometeu fazer uma moqueca de camarão quando a tese estivesse concluída. Foi graças ao seu acompanhamento e entusiasmo generosos que a reflexão foi seguindo este caminho. À equipa do projecto de investigação A Trama Territorial: pertença, mobilidade e trabalho no Brasil contemporâneo (PTDC/CS-ANT /2008), que me proporcionou o meio institucional e sobretudo intelectual para este trabalho. Tenho para mim como um privilégio a companhia de Simone Frangella, Vanda Aparecida da Silva, Rita Pestana, Joana Oliveira, Emília Pietrafesa de Godoi, Susana de Matos Viegas e João de Pina Cabral. Além deste enquadramento, a investigação contou ainda com o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia, através da concessão da bolsa de doutoramento (SFRH/BD/46957/2008 e SFRH/BD/61518/2009), e do ICS/UL que foi a instituição onde encontrei acolhimento diário e apoio para as imprescindíveis viagens ao Brasil. No ICS, agradeço a todos os colegas, professores e funcionários que me acompanharam neste longo percurso académico e com quem partilhei o caminho e muitos momentos de companheirismo. Em especial à Raquel Carvalheira, Murilo Guimarães, Max Ramos, Elísio Jossias, Madalena Reis e Márcio Darck, e ainda ao Ricardo Moreira, Gonçalo Antunes, Patrícia Azevedo, Giulia Cavallo, Irene Rodrigues, Natália Zawiejska, Carolina Höfs, Maricó Lo Bosco, Joana Abril, Gleiciani Fernandes, Ambra Formenti, Elsa Mateus, Terêncio Lins, Flávio Martins e Carla Storino. Não posso deixar de agradecer também o empenho da Maria Goretti Matias, da Elvira Costa e da Cátia Rocha. vii

14 A todos os que me receberam nas universidades brasileiras da UFPE, Campina Grande, Museu Nacional e Unicamp: Nazareth Wanderley, Renato Athias, Russel Parry Scott, Lady Selma Albernaz, Patrícia Cabral da Silva, Marilda Menezes, Moacir Palmeira, José Sérgio Leite Lopes, Benoît de L'Estoile, Fernanda Figurelli, Simone Silva, Manuela Cordeiro, Luis Meza, Sel Guanaes, Emília Pietrafesa de Godoi, Nashiely Loera, Verena Sevá Nogueira, Rodrigo Bulamah e Manuel Bívar. Aos amigos que conheci no Recife, em especial a Karolyne e Evilásio, Renata, Alessandra, Guilherme, Geovana e Levino e a todos com quem privei na cozinha dos outros. Ao Jorge, porque a consideração apazigua as pessoas. Esta tese é também fruto de um diálogo inicial que procurei fazer com diversas pessoas que trabalham há muito nas instituições actuantes na Zona da Mata de Pernambuco. Na CPT, agradeço a Plácido Júnior, ao Padre Thiago e a Geovani, que abriram o círculo da sua roda e me permitiram acompanhá-los nas suas viagens e reflexões. Ao Jaime Amorim, pelo acolhimento e disponibilidade na minha visita ao MST em Caruaru. Ao Alexandre e ao Marcos Figueiredo, do Centro Sabiá, por partilharem comigo o seu conhecimento da Zona da Mata. No INCRA do Recife, agradeço especialmente a Zéfinha, Horácio, Patrícia e Leonardo por me facilitarem o acesso à documentação e aos meandros da instituição. Na FETAPE, estou particularmente grata a Zé Rodrigues, Georgina, Paulo Roberto e Lucinha que me receberam e convidaram para tantas actividades, desde os encontros caseiros às manifestações nacionais. A minha gratidão especial para todos os que me receberam nos seus sindicatos, assentamentos e comunidades rurais que avidamente visitei na Zona da Mata, em especial a João A., Célia, Fernando e Marcos. E, por fim, agradeço a todos aqueles que conheci em Arupema e que aos poucos se foram disponibilizando, dando-me a provar algumas histórias amargas entre frutas novas e deslumbrantes. Sou especialmente grata a Dona Cristina, Dona Antônia e Do Carmo, Dinho, Priça, Fia, Jô e Drica, a Jônatas, o meu pequeno companheiro de campo e, sobretudo, a João, por ser uma grande inspiração. Foi a cumplicidade dos que me acolheram generosamente em suas casas, hortas e terreiros que tornou aqueles meses numa experiência de vida transformadora. Além de tudo, em Arupema também eu ganhei uma terra. viii

15 CAPÍTULO I Introdução de uma assentada A presente dissertação propõe entender como se constitui um assentamento rural ao longo do tempo, enfatizando a forma como a terra tem sido incorporada nos projectos familiares dos antigos moradores e trabalhadores assalariados de engenhos da cana na Zona da Mata de Pernambuco no Brasil. Partindo das experiências vividas dos habitantes de um assentamento rural onde realizei trabalho de campo com observação participante, proponho perceber como as suas biografias se inscrevem na história da terra nesta região rural brasileira, contribuindo para o conhecimento da fase histórica de reorganização do espaço e das relações com a terra no processo de consolidação de um assentamento criado em A dissertação tem, então, particular atenção às dinâmicas familiares subjacentes à sucessão geracional e à transmissão da terra. Apesar de se tratar de uma das problematizações mais características dos trabalhos sobre sociedades rurais nos estudos do campesinato, a articulação destas dinâmicas nos programas de reorganização do espaço rural espelhados nos movimentos de reforma agrária na América Latina em geral e no Brasil em particular tem sido menos perspectivado a partir deste enfoque na experiência e historicidades dos assentados do que no processo que o antecede, a luta pela terra. 1

16 Tendo em conta que o próprio modelo de reforma agrária presume uma espécie de quadro atemporal, o tema da sucessão ganha aqui contornos com interesse etnográfico particular. De facto, como irei explicitar, a sucessão não está prevista neste modelo da Reforma Agrária. Por isso proponho uma problematização da preponderância da unidade familiar a partir das práticas sociais e face ao processo da reforma agrária em curso. Neste caso, veremos como as lógicas de trabalho e de residência dos antigos engenhos permanecem como referentes muito fortes para a maior parte da população da Zona da Mata de Pernambuco. Mediante diferentes valores da terra em confronto, atendemos às experiências vividas dos assentados, procurando compreender as práticas e os vários significados locais que o parentesco encapsula no contexto da reforma agrária, tendo nas casas e na terra uma chave para compreender a sua importância prática na vida quotidiana. Se o projecto inicial da investigação que sustentava esta dissertação propunha desenvolver uma reflexão sobre a mobilidade associada ao trabalho, tendo como ponto de referência as mudanças sociais e territoriais resultantes da reorganização da economia da cana-de-açúcar face ao renovado aumento da produção de cana impelido pela procura de etanol para o mercado mundial, o conhecimento da Zona da Mata de Pernambuco nos primeiros de meses de pesquisa de campo foi direccionando a abordagem para os assentamentos rurais, criados no decorrer do processo recente da reforma agrária. Tendo em conta que a migração sazonal de pequenos agricultores do interior do estado que procuravam trabalho nos engenhos da Zona Mata existe desde finais do século XIX, a problemática inicial do projecto inspirou-se nos trabalhos antropológicos que têm visto a migração dos trabalhadores de cana-de-açúcar que ocorre há longa data como prática constitutiva da reprodução social das famílias camponesas, contrariando os argumentos que consideravam essa migração constituía uma desestruturação familiar causada pela dispersão dos vários elementos da família. Sob este prisma, propunha-me debater a mobilidade humana numa perspectiva diferente daquela que é preponderante nos estudos das migrações internacionais e da transnacionalidade (cf. Palmeira 1994; Menezes 2002; Woortmann 1990). Ao converter esse tema da mobilidade dos trabalhadores na problemática das dinâmicas familiares, suscitado pela renovação das territorialidades do meio rural canavieiro com os assentamentos rurais, novas perspectivas se abriam: perspectivas que 2

17 tinham na mobilidade laboral um referente que se passou a remeter para as trajectórias de vida dos meus interlocutores nas suas condições de vida actuais. Resultado de um processo de desapropriação de terra considerada improdutiva e da compra da respectiva propriedade por parte do estado, o assentamento é uma área demarcada pelo Estado e distribuída por famílias que obtêm a concessão de uso de uma parcela de terra, normalmente concretizando pela primeira vez um ideal de fixação e posse da terra face a uma história de longo termo de interdependência entre laços sociais e laborais, assentes nas relações com os senhores-de-engenho. A disseminação de assentamentos na região apresentava-se-me como o contexto privilegiado para problematizar as questões da territorialidade, pertença e mobilidade propostas na reflexão inicial. Um dos propósitos da investigação seria também a de articular a compreensão da vida dos que trabalhavam a terra principalmente como assalariados no corte da cana e os que não participam exclusivamente na economia de mercado da cana-de-açúcar. A situação particular dos assentamentos rurais da Zona da Mata inscreve essa articulação dos sujeitos da reforma agrária numa agricultura familiar com a sua trajectória de vida nos antigos engenhos da região. Esse cruzamento entre um plano territorial e laboral absolutamente novo, configurado no estatuto de ser dono da terra no assentamento e um plano territorial e laboral antigo, referente ao espaço dos engenhos e à dependência laboral, instituiu o enquadramento mais lato de análise. Num certo sentido, a investigação seguia um percurso que ouvi ser sintetizado na expressão: Fui escravo e hoje sou dono!. O facto de lidar com a população que havia vivido como assalariada nos engenhos açucareiros e recentemente alterou essa condição através da reforma agrária, criou um eixo de problematização etnográfica central sobre formas de sobreposição, de continuidade e de ruptura entre os espaços do engenho e os do assentamento. Quando conheci pela primeira vez o Assentamento de Arupema, onde vim a desenvolver trabalho de campo, a sobreposição da vida dos moradores assentados com a do antigo engenho foi materializada de modo muito imediato. Subindo a grande encosta, depois da pista asfaltada que segue para a usina, segui uma estrada de barro, percorrendo cinco quilómetros de terra batida que pareciam não acabar. A dada altura, surgiu-nos uma placa indicativa da direcção com a inscrição Engenho Arupema. A inscrição causou desconforto ao meu cicerone, que parecia querer explicar-me um 3

18 equívoco: esta placa tinha sido colocada por alguém de dentro indevidamente. Ora, Arupema já não é um engenho, agora é um assentamento. O meu interlocutor era José Francisco, Presidente da Associação do Assentamento Arupema que me recebia em visita naquele dia e acabaria por me receber também como hóspede em sua casa ao longo do trabalho de campo 1. A longa história do cultivo da cana-de-açúcar reflecte-se até aos nossos dias na Zona da Mata de Pernambuco. Desde o início da colonização portuguesa, no século XVI, que esta região é marcada pelas extensas plantações de cana ao longo das encostas onde antes existia uma densa Mata Atlântica. A produção de açúcar baseou-se no sistema de plantation, que se caracterizava pela concentração da terra, o emprego de trabalho escravo e a transformação industrial da cana numa única unidade económica chamada de engenho, cujo proprietário era o senhor-de-engenho. Este detinha não só o controlo sobre a terra, como sobre a totalidade das condições de produção. Em geral, os proprietários desses engenhos eram sesmeiros ligados aos donatários das capitanias e recebiam o financiamento de comerciantes europeus (Andrade 2001). Apesar da reorganização cíclica da economia da cana que teve lugar ao longo do tempo, nenhum destes ciclos quebrou substantivamente a implementação de propriedades privadas de terra com cultivo extensivo de cana-de-açúcar até ao presente. Primeiro com mão-de-obra escrava trazida de África e depois assalariada, as plantações de cana-deaçúcar tornaram-se estruturantes do sistema económico, social e político de Pernambuco como Gilberto Freyre descreveu no clássico Casa Grande & Senzala (2001 [1933]) 2. Por entre o vasto manto verde da cana-de-açúcar, a paisagem da Zona da Mata é pontuada por outro ícone material da sua história: as chaminés altas dos antigos engenhos onde se processava mecanicamente a cana para produzir açúcar e aguardente ( cachaça ). Não são claros os limites entre engenhos, mas cada uma destas chaminés (conhecidas como bueiros ) identifica o que já foi um engenho e que englobava, para além da plantação de cana, uma moagem onde era processada a matéria-prima. É geralmente ao redor deste edifício que se aglomera um conjunto de casas típicas da sede do engenho: a casa-grande do proprietário do engenho ( o senhor-de-engenho ), uma pequena igreja ou capela católica e um conjunto de casas alinhadas, conhecidas como 1 Como é comum nas monografias etnográficas, os nomes das pessoas e dos lugares que são referidos no texto foram substituídos. A escolha de pseudónimos procurou, contudo, não perder a sua verosimilhança. 2 Cf. entre outros, Andrade (1973 [1963]) e Ferlini (2003). 4

19 arruado, onde moravam alguns trabalhadores do engenho, conhecidos por moradores de engenho (cf. Freyre 2001 [1933] e 2004 [1937]; Diégues Jr [1949]; Andrade 1973 [1963]; e Dabat 2007). Figura 1 - A paisagem da Zona da Mata de Pernambuco (Outubro de 2010) 3 Num artigo muito breve onde sistematiza as condições de morada dos trabalhadores de engenho e que se veio a tornar central no debate acerca das relações de trabalho no meio rural e da própria natureza do campesinato brasileiro, Moacir Palmeira (2009 [1977]) demonstra como, dentro dos engenhos, a relação de trabalho era indissociável da relação de morada (residência), na medida em que todos os residentes estavam ligados ao patrão por laços de dependência, justamente a partir da família. Para o senhor-de-engenho, era o homem, pai de família, quem assumia pessoalmente o vínculo laboral, mas presumia-se que ele não habitaria sozinho e nem subsistiria sozinho. O trabalho de Palmeira deu o mote a inúmeras pesquisas que lhe sucederam, evidenciando como o conceito de morada é seminal na dinâmica de relações dos antigos moradores de engenho, que constituem, ainda hoje, a maior parte da população rural da Zona da Mata. 3 As fotografias e diagramas apresentados são da minha autoria e contaram com apoio no tratamento gráfico por parte de Ana Rita Amaral, Bernardo Faria e Francisca Moreira a quem agradeço a colaboração acurada. 5

20 Nesse contexto, pedir trabalho implicava pedir uma casa para a família morar, a chamada casa de morada. A natureza da relação de trabalho e de residência dos engenhos, que constituía a própria morada, estabelecia uma hierarquia entre os diferentes trabalhadores do engenho, distinguindo entre os moradores de arruado, moradores com sítio, cabos, vigias, apontadores e administradores, entre outros, mediante a função exercida e o estatuto social e político que dela advinha naquele universo de relações (Palmeira (2009 [1977]). Na realidade, a hierarquia é inversa e encabeçada pelo administrador que, enquanto intermediário do proprietário da terra e patrão, é o responsável pela unidade produtiva que cada engenho constitui. Abaixo da posição de administrador estão os seus homens de confiança: o cabo que confere a realização do trabalho por parte dos trabalhadores; o apontador a quem compete registar o número de horas e o volume de trabalho que cada trabalhador realiza; e os vigias habitualmente montados a cavalo e armados, são eles que transportam o dinheiro para pagar aos trabalhadores e asseguram, pela dissuasão ou pela intervenção directa, que nada no engenho é roubado. Entre os restantes trabalhadores do engenho, existe também uma multiplicidade de distinções. Estas estabelecem-se designadamente por relação ao tipo de tarefa que executam, indo da função mais especializada, como atear e controlar o fogo na plantação de cana ou o manuseio da maquinaria na moagem, até ao próprio corte da cana, que é a tarefa mais exigente em termos de esforço físico, a que tem maior contingente de trabalhadores e também que tinha a remuneração mais baixa. Uma outra distinção substantiva era a que diferenciava moradores de arruado e moradores com sítio os primeiros habitando no arruado da sede do engenho e os outros num ponto disperso da propriedade, a quem era dado o direito de cultivarem uma área de terra para a subsistência da sua família, conhecida como sítio. Aqueles trabalhadores que não residiam no engenho estavam abaixo dos moradores, englobando os contratados sazonalmente durante períodos determinados do ano, entre os meses de Setembro a Janeiro, em que é necessária mais mão-de-obra para a colheita da cana ( a safra ). Sendo conhecidos localmente como corumbas, estes homens eram na maior parte dos casos migrantes temporários de outras regiões do interior do estado, geralmente do Agreste (cf. Menezes 2002). É relevante notar que os corumbas não só eram homens que vinham para os engenhos da Zona da Mata trabalhar sozinhos, 6

21 sem as respectivas famílias, como estavam deslocados. Por essa razão, e apenas durante o período da safra, ficavam alojados colectivamente num galpão (isto é, uma construção grande, ampla e frequentemente sem divisórias internas), ficando, portanto, excluídos da relação de morada. A relação do morador de engenho para com a terra esteve sempre mediada pela sua relação com o senhor-de-engenho. A terra de um morador podia abranger: a) A casa de morada onde os trabalhadores viviam com a sua família, que, como vimos, podia ser localizada no arruado ou noutro ponto mais afastado do engenho; b) Uma pequena parcela de terra, que podia ser rotativa e onde os moradores poderiam botar roçado, ou seja, cultivar lavouras de ciclo curto (tais como mandioca, inhame, milho ou feijão) nos tempos livres do trabalho no canavial. Tanto a casa como esta área pertenciam, no entanto, ao proprietário do engenho que, depois de um trabalhador sair, o cedia a outra família enquanto o contrato durasse (cf. Palmeira 2009 [1977]). c) O sítio, que é uma outra porção de terra que o patrão podia conceder a alguns moradores da sua confiança, onde lhes era permitido plantar o que quisessem, incluindo árvores de fruto. Aqueles a quem tinha sido concedido um sítio ganhavam não apenas uma porção de terra para trabalhar e viver, mas também uma certa distinção na relação com o senhor do engenho. A terra era, então, o espaço de habitar, primeiro, e de cultivo de roça, depois, que de certa forma media o valor da relação entre moradores e senhor-de-engenho. O sítio espelhava um tipo específico de posse da terra, mais duradouro se comparado com a casa de morada ou a parcela de terra. Um aspecto que será relevante para o debate que se irá desenvolver ao longo desta dissertação é que esta ocupação prolongada de um terreno criava efectivos direitos sobre a posse da terra. Como irei demonstrar, esses direitos eram reivindicados a partir da existência de árvores de fruto no local de habitação e cultivo, as quais levam vários anos a crescer e a dar fruto. Assim, um morador com sítio que saísse de um engenho seria indemnizado pelas suas plantações ou, no caso de o engenho mudar de dono, era-lhe reconhecido pelo novo proprietário a posse efectiva da terra cultivada. Mais ainda, mesmo dentro do sistema de plantation como era a Zona da Mata de Pernambuco, onde grande parte da terra é propriedade de 7

22 um latifundiário, é reconhecido aos pequenos agricultores, moradores e foreiros 4 o direito de colectarem os seus cultivos das áreas de terra onde trabalharam. O princípio da ocupação da terra, pela habitação e mais ainda pelo cultivo, que segundo os historiadores marca a filosofia política da propriedade da terra no Brasil desde o período colonial (cf. Motta 2009), tem certamente neste sistema uma das suas faces. De facto, ao contrário das regiões do Agreste (a verde claro no mapa abaixo) e do Sertão (a laranja) do interior do estado, na Zona da Mata de Pernambuco (que é apresentada a verde escuro) a terra foi sendo apropriada à medida que a capacidade de produção de açúcar aumentava. As localidades rurais foram-se formando dentro da grande plantação e sob a autoridade do proprietário do capital ligado à economia do açúcar que, por extensão, era também o proprietário das terras (Furtado 1964: 156) 5. Assim, os engenhos de cana-de-açúcar correspondem não apenas à forma como a estrutura fundiária e as relações de trabalho estão organizadas em Pernambuco desde há séculos, mas acabaram também, devido ao peso destes factores, por vir a constituir-se como a forma de povoamento rural mais generalizada nesta região do Nordeste brasileiro. Figura 2 - Mapa de Pernambuco (Fonte: CONDEPE/FIDEM) 4 Os foreiros são agricultores que pagam foro ao proprietário pelo seu uso e domínio temporário de um terreno delimitado (o mesmo que enfiteuse). Sobre a diferença entre foro e arrendamento ver o capítulo seguinte. 5 Contando sempre com o apoio governamental para subsidiar e financiar os seus empreendimentos tanto na economia canavieira, como no sector têxtil e de mineração, a oligarquia açucareira pernambucana, implantada no século XVI, teve a capacidade de se adaptar a cada momento histórico, mantendo o controlo político e económico do estado (Andrade 2001: 247). 8

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 29 de setembro de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 29 de setembro de 2015. Clipping de notícias Recife, 29 de setembro de 2015. Saindo do papel O deputado Fernando Monteiro, da bancada pernambucana do PP na Câmara federal, regressou ontem de um giro pelos canais da Transposição

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - IGC GERSON DINIZ LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - IGC GERSON DINIZ LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - IGC GERSON DINIZ LIMA AGRICULTURA CAMPONESA EM TERRITÓRIOS DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS RURAIS NO ALTO

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Programa transmitido em 26 de fevereiro

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

O papel do amigo crítico no apoio à autoavaliação como mecanismo de introdução de melhoria Vitor Alaiz

O papel do amigo crítico no apoio à autoavaliação como mecanismo de introdução de melhoria Vitor Alaiz O papel do amigo crítico no apoio à autoavaliação como mecanismo de introdução de melhoria Vitor Alaiz (com a colaboração de José Borges Palma) Lisboa, DGIDC, Webinar, 18 Maio2011, 16:30 h http://webinar.dgidc.min-edu.pt

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Mauricio, eles dizem que querem continuar a fazer outros Módulos e o proximo será fruticultura

Mauricio, eles dizem que querem continuar a fazer outros Módulos e o proximo será fruticultura ELES QUEREM MAIS... Sarandi é uma cidade situada no Norte do Paraná e petence a Região metropolitana de Maringá. È uma cidade que cresceu rápido e apresenta uma vunerabilidade social muito grande! É comum

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Gabinete do Secretário de Estado do Trabalho e Formação

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Gabinete do Secretário de Estado do Trabalho e Formação INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TRABALHO E FORMAÇÃO NO CONGRESSO DO ANO INTERNACIONAL DOS VOLUNTÁRIOS Senhora Presidente da Comissão Nacional para o Ano Internacional do Voluntariado, Senhor

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna 14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA [Escrever o subtítulo do documento] Bruna Autobiografia O meu nome é Maria João, tenho 38 anos e sou natural da Nazaré, onde vivi até há sete anos atrás, sensivelmente.

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Priscylla Karoline de Menezes Graduanda em Geografia (IESA/UFG) e-mail: priscyllakmenezes@gmail.com Dra. Rusvênia Luiza B. R. da Silva

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL IRENILDO COSTA DA SILVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL IRENILDO COSTA DA SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL IRENILDO COSTA DA SILVA SUSTENTABILIDADE DOS SISTEMAS DE USO DA TERRA NO ASSENTAMENTO

Leia mais

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Pressionado a produzir mais, trabalhador atua cerca de 12 anos, como na época da escravidão Conclusão é de pesquisadora da Unesp; usineiros dizem que estão

Leia mais

Durante todos esses anos o estudo e reflexão da Bíblia nas comunidades foram e são a força geradora na luta.

Durante todos esses anos o estudo e reflexão da Bíblia nas comunidades foram e são a força geradora na luta. Eu, Irmã Rita Rodrigues Pessoa, religiosa do Sagrado Coração de Maria há 57 anos, sou nordestina da Paraíba - Brasil. Há 30 anos trabalho no semi-areado sertão da Bahia nas cidades de Pindobaçu e Filadélfia-

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

Dinâmica e Animação de Grupo

Dinâmica e Animação de Grupo Dinâmica e Animação de Grupo Desenvolvimento de Competências Turma G3D Leandro Diogo da Silva Neves 4848 Índice 1. Introdução... 3 2. Planeamento de desenvolvimento individual... 4 2.1 Competências...

Leia mais

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 SOUZA, Murilo M. O. 2 ; COSTA, Auristela A. 2 ; SANT ANNA, Thiago S. 3 ; SILVA, Fábio

Leia mais

A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia

A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia Alexandre Pires DREAlentejo "Aprender sem pensar é tempo perdido." Confúcio A avaliação é-nos familiar a todos.

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO MEMÓRIAS DO TRABALHO A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E DA HISTÓRIA ORAL RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Memórias do trabalho a preservação da memória e da história oral realizou-se

Leia mais

GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO

GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI GUTEMBERG_GEOGRAFO@HOTMAIL.COM DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO A formação geo histórica da Pedagogia da Alternância

Leia mais

Decreto-Lei n.º 26/2012. de 6 de fevereiro

Decreto-Lei n.º 26/2012. de 6 de fevereiro Decreto-Lei n.º 26/2012 de 6 de fevereiro No âmbito do Compromisso Eficiência, o XIX Governo Constitucional determinou as linhas gerais do Plano de Redução e Melhoria da Administração Central (PREMAC).

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Palavras-chave: Mulheres Mil, trabalho e educação, programas sociais, educação profissional. NO MOMENTO NÃO ESTOU TRABALHANDO: ANSEIOS DAS

Palavras-chave: Mulheres Mil, trabalho e educação, programas sociais, educação profissional. NO MOMENTO NÃO ESTOU TRABALHANDO: ANSEIOS DAS NO MOMENTO NÃO ESTOU TRABALHANDO: ANSEIOS DAS ESTUDANTES DO PROGRAMA MULHERES MIL NO IFSUL- CÂMPUS SAPIRANGA/RS Gisele Lopes Heckler UNISINOS Agência Financiadora: CAPES/PROEX Resumo Esta comunicação objetiva

Leia mais

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA João Craveiro, Margarida Rebelo, Marluci Menezes, Paulo Machado Laboratório Nacional de Engenharia Civil Departamento de Edifícios

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

ANÁLISE ESPAÇO TEMPORAL DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - PERNAMBUCO

ANÁLISE ESPAÇO TEMPORAL DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - PERNAMBUCO Autor: Lucas André Penha dos Santos Universidade Federal de Pernambuco Email: llucas.94@hotmail.com Coautor(a): Kétcia Ferreira de Santana Universidade Federal de Pernambuco Email: ketciaferrira@hotmail.com

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL

ACORDO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL ACORDO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL A ESCUELA JUDICIAL DE AMERICA LATINA EJAL, representada por seu Diretor Geral, Professor PhD José Sebastião Fagundes Cunha, e a FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS

AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS Jaqueline Freitas dos Santos 692 jaquelineufmg_09@hotmail.com Klécia Gonçalves de Paiva Farias kleciagp@gmail.com

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

À CONVERSA COM UMA PROFISSIONAL

À CONVERSA COM UMA PROFISSIONAL À CONVERSA COM UMA PROFISSIONAL A 12 de março de 2012 foi realizada uma entrevista a uma profissional previamente elaborada pelos alunos da turma 2ºD, do curso profissional de Animador Sociocultural, durante

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 Preparado para mais um Serralves em Festa? É já nos dias 2 e 3 de Junho que se realiza mais uma edição do Serralves

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

Em primeiro lugar, gostaria, naturalmente, de agradecer a todos, que se disponibilizaram, para estar presentes nesta cerimónia.

Em primeiro lugar, gostaria, naturalmente, de agradecer a todos, que se disponibilizaram, para estar presentes nesta cerimónia. Cumprimentos a todas as altas individualidades presentes (nomeando cada uma). Caras Colegas, Caros Colegas, Minhas Senhoras, Meus Senhores, Meus Amigos Em primeiro lugar, gostaria, naturalmente, de agradecer

Leia mais

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO EIXO 1 EMPREGO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 01 - BALCÃO DE EMPREGABILIDADE; O Balcão de Empregabilidade pretende apoiar os desempregados

Leia mais

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão)

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão) COMISSÃO EUROPEIA DG Mercado Interno INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Seguros MARKT/2517/02 PT Orig. EN Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento

Leia mais

MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA

MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UFF - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PURO - PÓLO UNIVERSITÁRIO DE RIO DAS OSTRAS RIR - DEPARTAMENTO INTERDISCIPLINAR DE RIO DAS OSTRAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Uma

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011

Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011 Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011 SUMÁRIO 1.OS CINCO PONTOS DE CONSENSO E TRÊS CENÁRIOS APRESENTADOS A SEGUIR FORAM NEGOCIADOS APÓS

Leia mais

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA O NOVO INCRA Apresentação Estamos chegando ao final do processo de reestruturação do Incra. Foram alguns meses de árduo trabalho, construindo nosso futuro. Chegamos agora ao termo de uma mudança que foi

Leia mais

Feiras livres e mercados no espaço lusófono: perspectivas de um estudo em psicologia social

Feiras livres e mercados no espaço lusófono: perspectivas de um estudo em psicologia social Colecção Documentos de Trabalho nº 95 Iolanda Évora Feiras livres e mercados no espaço lusófono: perspectivas de um estudo em psicologia social Lisboa 2011 O CEsA não confirma nem infirma quaisquer opiniões

Leia mais

Exmo. Senhor Presidente do Pelouro do Trabalho da Confederação das Associações Económicas de Moçambique,

Exmo. Senhor Presidente do Pelouro do Trabalho da Confederação das Associações Económicas de Moçambique, Senhores Membros do Conselho de Ministros Excelências, Exmo. Senhor Presidente do Pelouro do Trabalho da Confederação das Associações Económicas de Moçambique, Exmo Senhor Secretário-geral da Organização

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 5 - GEOGRAFIA AGRÁRIA

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 5 - GEOGRAFIA AGRÁRIA Questão n o 1 Conhecimentos Específicos O candidato deverá contemplar em seu texto os seguintes aspectos: Na perspectiva da Geografia Tradicional, até os anos 60 do século XX, período em que se enfatizavam

Leia mais

A utilização de um rotor mecânico na colheita de azeitona

A utilização de um rotor mecânico na colheita de azeitona A utilização de um rotor mecânico na colheita de azeitona Arlindo Almeida 1 ; José Peça 2 ; Anacleto Pinheiro 2 ; Luís Santos 3 ; António Dias 2 ; João Lopes 4 ; Domingos Reynolds 5 (1) Centro de Investigação

Leia mais

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas Fui expulso, mas tenho um filho menor a cargo a viver em Portugal. Podem recusar-me a entrada? Sim. A residência de filhos menores em Portugal é apenas

Leia mais

Feiras livres e mercados no espaço lusófono: aspectos metodológicos

Feiras livres e mercados no espaço lusófono: aspectos metodológicos Iolanda Évora Feiras livres e mercados no espaço lusófono: aspectos metodológicos Apresentado no âmbito do Projecto Pró-África, CNPq - Visita Exploratória Feiras livres e mercados no espaço lusófono: trabalho,

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA

UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA Selma Dansi 1 RESUMO As Representações do Rural nos Processos Organizativos da Juventude Rural (UFRRJ/FAPERJ/NEAD/MDA).

Leia mais

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB)

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Geraldo Stachetti Rodrigues Maria Cristina Tordin Jaguariúna, junho 2005. A equipe de pesquisadores

Leia mais

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i LUÍS CARLOS SANTOS luis.santos@ese.ips.pt Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal 1- Agostinho da Silva, um adepto da Educação

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO Ana Claudia Silva Almeida Universidade Estadual de Maringá - UEM anaclaudia1985@yahoo.com.br Elpídio Serra Universidade Estadual de

Leia mais

Campus Aloysio Faria. Campus BH. Campus SP. Campus RJ. Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil

Campus Aloysio Faria. Campus BH. Campus SP. Campus RJ. Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus BH Rua Bernardo Guimarães, 3.071 Santo Agostinho 30140-083 Belo Horizonte MG Brasil Campus

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL

RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL Resumo Aparecida Marta Barbosa Costa Universidade Estadual de Alagoas UNEAL Marta_liz@hotmail.com Antônio Marcos Pontes

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO MÓDULO MOBILIDADE PESSOAS/ BENS TURISMO NO MUNDO ATUAL MÓDULO 1 PORTUGAL A POPULAÇÃO AS ÁREAS URBANAS AS ÁREAS RURAIS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 201-2015 PLANIFICAÇÃO - CURSO

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT)

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) AJUDA DE MÃE APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) Objectivos: Informar, apoiar, encaminhar e acolher a mulher grávida. Ajudar cada

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 77 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL (FASE)

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL (FASE) APRESENTAÇÃO DA SÉRIE FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL (FASE) Esta série contempla documentos produzidos pela Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional. Trata-se

Leia mais

CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS

CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS 1- Introdução CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS As demandas por informações georreferenciadas são cada vez mais freqüentes nos projetos em desenvolvimento no IBGE. A Base Territorial como um projeto

Leia mais

Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março. O Estágio como ponte para o emprego

Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março. O Estágio como ponte para o emprego Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março O Estágio como ponte para o emprego Emília Rodrigues Araújo Boa tarde a todos Quero, em primeiro lugar, saudar esta iniciativa

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

Centro de Atendimento

Centro de Atendimento Espaço situado no Bairro Alto onde se proporciona às mulheres um ambiente acolhedor de aceitação plena e onde podem falar de si próprias, dos seus problemas, dos seus sonhos... Espaço de Diálogo. Faz:

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais