RELATÓRIO DA COMISSÃO ESPECIAL DE ESTUDO DO PLANO DIRETOR. 1 - Introdução do Relatório... 03

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DA COMISSÃO ESPECIAL DE ESTUDO DO PLANO DIRETOR. 1 - Introdução do Relatório... 03"

Transcrição

1 RELATÓRIO DA COMISSÃO ESPECIAL DE ESTUDO DO PLANO DIRETOR ÍNDICE DO RELATÓRIO 1 - Introdução do Relatório Audiências Públicas da CEE Plano Diretor de Ribeirão Preto Primeira Audiência Região VII Segunda Audiência Região III Aspectos Positivos da Região Aspectos Negativos da Região Sugestões Terceira Audiência Região XI Aspectos Positivos da Região Aspectos Negativos da Região Oportunidades da Região Ameaças da Região Quarta Audiência Região VIII Aspectos Positivos da Região Aspectos Negativos da Região Oportunidades da Região Ameaças da Região Quinta Audiência Região IX Aspectos Positivos da Região Aspectos Negativos da Região Pontos Positivos da Cidade Pontos Negativos da Cidade Sexta Audiência Região I Pontos Positivos da Região Pontos Negativos da Região Pontos Negativos da Cidade Pontos Positivos da Cidade Sétima Audiência Região II Pontos Positivos da Região Pontos Negativos da Região Pontos Negativos da Cidade Pontos Positivos da Cidade Oitava Audiência Região V Aspectos Positivos da Região Aspectos Negativos da Região Nona Audiência Região VI Aspectos Positivos da Região Aspectos Negativos da Região Décima Audiência Região X Aspectos Positivos da Cidade Aspectos Positivos da Região Aspectos Negativos da Região Décima Primeira Audiência Região IV Pontos Positivos da Região Pontos Negativos da Região

2 3 - Análise das demandas da população apresentadas nas onze audiências públicas de bairros Eixo Temático Meio Ambiente Eixo Temático Sistema Viário Eixo Temático Saneamento Eixo Temático Uso do Solo Eixo Temático Habitação Eixo Temático Transporte Coletivo Eixo Temático Lazer Eixo Temático Educação Eixo Temático Segurança Eixo Temático Saúde Eixo Temático Social Audiências com Temas Específicos Mobilidade Urbana e Plano Viário Exigência Legal Mobilidade Conflitos Urbanos Crise do transporte público Diretrizes para o planejamento de transporte Recomendações para Ribeirão Preto Regularização Fundiária e Moradia Tópicos levantados pelo palestrante Questões levantadas pelos participantes Análise da situação das ocupações urbanas Outorga Onerosa do Direito de Construir Tópicos levantados pelo palestrante Instrumentos para aplicação do solo criado Transferência do direito de construir Operações urbanas Plano Diretor Setor Rural Tópicos abordados pelo palestrante Entraves para o setor rural Comercialização dos produtos horti-fruti-granjeiros pela CEAGESP/RP Conclusões Gerais do Relatório

3 1 INTRODUÇÃO Com a aprovação da Lei nº de 10 de julho de 2001 conhecida como Estatuto das Cidades, todas as cidades com mais de habitantes, aquelas de interesse turístico ou cidades que compõe regiões metropolitanas, terão obrigatoriamente que ter seus Planos Diretores aprovados até outubro de 2006, sob pena de ficarem impedidas de receberem repasses do Governo Federal e os administradores municipais, Executivo e Legislativo, poderão responsabilizados por improbidade administrativa. A aprovação do Estatuto das Cidades foi conseqüência de um amplo movimento por uma reforma urbana que iniciou-se por ocasião do processo de elaboração da Constituinte de 1988, onde os diversos atores sociais viam a necessidade de insculpir na futura Constituição, artigos que garantissem às Cidades brasileiras um lugar de destaque no ordenamento jurídico, dando condições políticas e jurídicas para que os cidadãos pudessem exigir dos governantes, nos diversos níveis de governo, ações concretas no enfretamento dos graves problemas econômicos,sociais e ambientais, fruto na maioria das vezes da constituição de cidades que não cumpriam com as suas funções sociais, e passavam a ser um espaço de concentração de riquezas para uns poucos, em detrimento de uma grande maioria que era colocada à margem do processo de desenvolvimento local. A criação do Ministério das Cidades em 2003 foi um grande passo dado pelo Governo Federal no sentido de criar uma estrutura institucional que viabilizasse as conquistas introduzidas pela aprovação do Estatuto das Cidades, articulando governos, sociedade civil organizada e recursos na instituição de uma Política Nacional de Desenvolvimento Urbano, quem vem sendo construída no processo das duas grandes Conferências Nacionais das Cidades realizadas em 2003 e 2005, com uma ampla participação dos municípios brasileiros, com seus diversos atores sociais, processo em que nossa querida Ribeirão Preto participou ativamente e com destaque. O destaque dado às cidades brasileiras com o advento do Estatuto das Cidades e a criação do Ministério das Cidades vem de uma constatação que beira o óbvio: A União e os Estados membros, são entes jurídicos fictícios, criação de nosso ordenamento jurídico para organizar o Estado brasileiro. É pois nos municípios que os brasileiros vivem e convivem com toda sorte de problemas, frutos muitas vezes de políticas equivocadas da União e dos Estados membros que invariavelmente distanciam-se da cidade real, concentrando recursos que faltam aos municípios brasileiros para atender a uma demanda, por políticas públicas, cada vez mais crescente. Se for verdade que o texto constitucional e o ordenamento infraconstitucional veio dar uma retaguarda política e jurídica às cidades brasileiras, também não é menos verdade que o ordenamento jurídico veio exigir dos municípios brasileiros uma ação política-administrativa que infelizmente, por ação ou omissão, não faz parte da cultura de nossos governantes, que é o Planejamento. 3

4 Por essa e outras razões é que temos cidades onde seus territórios acolhem realidades tão distantes e condições tão desiguais para o desenvolvimento humano. Como o processo de urbanização brasileira se deu de forma muito acentuada e desordenadamente nos últimos cinqüenta anos, temos na maioria das grandes cidades brasileiras um verdadeiro caos social instalado, pois, nossas cidades não estavam preparadas (infra-estrutura urbana) para absorver esse grande êxodo populacional vindo da zona rural, e das ondas migratórias das regiões mais pobres de nosso país. A ausência de um planejamento que considere os aspectos econômicos,sociais e ambientais, faz com que nossas cidades não consigam atender as necessidades básicas de seus moradores, dando-lhes às condições essenciais ao seu pleno desenvolvimento bio-psico-social. A ausência de Planos Diretores, que é uma exigência constitucional e do Estatuto das Cidades, faz com que nossos governantes desperdicem os poucos recursos existentes, pois, muitas vezes as ações políticasadministrativas são desconexas, paliativas, emergenciais, não seguindo objetivos estratégicos definidos, e na maioria das vezes excludentes, pois privilegiam os setores economicamente mais fortes, que têm forte influência política sobre nossos governantes. Ribeirão Preto, localizada numa das regiões mais ricas de nosso País, apesar de não poder ser indicada como um dos piores exemplos da realidade acima descrita, carrega consigo um passivo ambiental, social e urbanístico fruto da ausência de um planejamento do crescimento da cidade que leve em conta não apenas os interesses imobiliários e comerciais dos setores envolvidos, mas também, e principalmente a qualidade de vida de seus moradores. Ribeirão Preto tem um longa e interminável história de discussão e aprovação do seu Plano Diretor, e para não fugir a regra, entraremos no ano de 2006 (data limite - de acordo com o Estatuto das Cidades aprovado em 2001 para que as cidades aprovem seus planos diretores) sem termos aprovados um conjunto de leis que regulamentem nosso Plano Diretor, e o que é pior, não termos ainda de forma clara, de conhecimento público, o ante-projeto, ou a posição oficial do Poder Executivo. Em 1993 a Administração Municipal constituiu um grupo de estudo para elaboração e discussão do Plano Diretor de Ribeirão Preto. Segundo informações de pessoas que participaram desse processo, dentre outros podemos citar o Arquiteto Augusto Valeri, então Diretor de Planejamento Urbano da SEPLAN de Ribeirão Preto, hoje Gerente de Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades; Professor Gilberto Abreu, então Secretário do Meio Ambiente, hoje vereador e membro dessa Comissão de Estudos; Professor Pitágoras então assessor da SEPLAN e coordenador do grupo de trabalho do Plano Diretor, foram realizadas muitas horas de discussões com diversas entidades da sociedade civil organizada de Ribeirão Preto, dentre outras destacamos: AEAARP, SINDUSCON, ACI, COMUR-Conselho Municipal de Urbanismo de Ribeirão Preto, que culminou com a apresentação e aprovação da Lei Complementar nº 501 em 31 de outubro de 1995 que dispunha sobre a instituição do Plano Diretor do Município de Ribeirão Preto, e o envio no ano de 1996 dos Projetos de Leis: 181 Código do Meio Ambiente, 179 Parcelamento, uso e ocupação do Solo, 178 Mobiliário Urbano, 180 Plano Viário, para a Câmara Municipal de Ribeirão Preto, para discussão das chamadas Leis Complementares do Plano Diretor. 4

5 Em 1997, com a posse do novo prefeito eleito em Ribeirão Preto, o chefe do Poder Executivo retirou as Leis Complementares ao Plano Diretor da Câmara Municipal, que ficou impossibilitada durante todo o período daquele mandato ( ) de discutir e votar os referidos projetos de Leis. Foi um período em que a cidade não presenciou nenhuma discussão sobre Plano Diretor. Em 2001, com a posse do novo prefeito eleito em Ribeirão Preto, que retornava à Administração Municipal após o seu mandato de , o chefe do Poder Executivo reenviou à Câmara Municipal os projetos das Leis Complementares ao Plano Diretor para serem apreciados pelo Poder Legislativo. Há que se registrar que ainda não tinha sido enviado o projeto de lei que tratava do Código de Obras do Município. De 2001 a 2002 os projetos das Leis Complementares do Plano Diretor pouco caminharam na Câmara Municipal, sendo que, é importante registrar que a Câmara Municipal mandou imprimir em 2002 por sugestão da Comissão de Justiça, milhares de exemplares dos projetos de leis que tratavam das Leis Complementares para dar conhecimento público do teor destas legislações, além de ter sido realizadas duas audiências públicas sobre o PL 179 (Parcelamento, uso e ocupação do solo). A partir de 2003, com a posse do novo Presidente do Poder Legislativo, os projetos de leis que tratavam da Lei de Parcelamento, Uso e ocupação do Solo (PL 179) e o Código do Meio Ambiente (PL 178), passaram a tramitar pelas Comissões Permanentes do Poder Legislativo dando um ritmo mais ágil ao processo de análise dos referidos projetos de leis. A partir deste momento foi aberta a possibilidade de apresentação de emendas pelos senhores vereadores e a possibilidade de apresentação de sugestões pelas entidades e movimentos da sociedade civil organizada, que deveriam ser acolhidas pelas emendas dos parlamentares ou da própria Comissão de Justiça ou da Comissão de Obras e Serviços. Neste período, a Secretaria de Planejamento e Gestão Ambiental, órgão da Administração Direta, protocolou na Câmara Municipal junto a Comissão de Justiça um conjunto de emendas ao PL 179 Lei de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo, que foram acolhidas pela referida comissão, assim como foram acolhidas as emendas apresentadas pelos senhores vereadores, e encaminhado os autos à Comissão de Obras e Serviços para análise do mérito das emendas apresentadas. A Comissão de Obras e Serviços, numa análise preliminar das emendas, constatou que as emendas apresentadas pela Secretaria de Planejamento padeciam de vício de iniciativa, uma vez que não foram apresentadas pelo Chefe do Poder Executivo, a quem caberia se fosse o caso, apresentar um substitutivo ao PL 179 de sua autoria, pois emendar o projeto de lei é de competência do Poder Legislativo. Constatada a ingerência indevida, a Comissão de Obras e Serviços recomendou a contratação de um parecer técnico para analisar a constitucionalidade das emendas apresentadas pela SEPLAN, bem como o mérito de todas as emendas apresentadas. Com base no parecer contratado do Instituto Pólis, a Comissão de Obras e Serviços acolheu a maioria das emendas apresentadas pelos senhores vereadores, remetendo-as para discussão e deliberação quanto ao mérito para plenário. Sobre as emendas apresentadas pela SEPLAN, o Parecer do Instituto Pólis confirmou a tese levantada pela Comissão de Obras de inconstitucionalidade por vício de iniciativa, não cabendo outra medida que não 5

6 fosse a devolução dos autos à Comissão de Justiça para uma reanálise da questão levantada por àquela Comissão. O parecer final da Comissão de Justiça acompanhou o parecer da Comissão de Obras, argüindo a inconstitucionalidade das emendas apresentadas pela SEPLAN, desentranhado-as dos autos, e remetendo as demais emendas apresentadas pelos senhores vereadores para apreciação e deliberação em plenário. A Lei de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo - PL 179 foi rejeitado em sessão realizada no dia 13/11/2003, não atingindo o número de votos suficientes para sua aprovação. Participaram da votação os seguintes vereadores: Votando sim ao PL 179 (8 votos): Donizeti Rosa, Dárcy Vera, Luiz Geraldo Dias, Joana, Profº Lages, Coraucci Neto, Beto Cangussú, Paulo Saquy. Abstendo-se de votar (11 votos): Amauri de Souza, Cícero Gomes, Leopoldo Paulino, Bertinho Scandiuzzi, Merchó Costa, Nicanor Lopes, Silvana Resende, Marinho Sampaio, Waldyr Villela, Carlos Reis, Wandeir Silva. Não votaram (2 votos): Marcão Zorzeto e José Alfredo. Sobre o Código do Meio Ambiente Lei Complementar 181, importante registrar o amplo processo de debate e consulta aos diversos movimentos e entidades da sociedade civil organizada, bem como, uma participação importante do Depto de Gestão Ambiental da SEPLAN, na negociação sobre as diversas sugestões apresentadas, conduzido inicialmente por um Grupo de Trabalho presidido pelo então vereador Lages, e em seguida encampado e dado continuidade com novas audiências públicas pela Comissão Permanente de Meio Ambiente do Poder Legislativo. O Código do Meio Ambiente foi aprovado em sessões realizadas nos dias 18/12 (1ª discussão) e 23/12/2003 (redação final). Participaram da votação os seguintes vereadores: 1ª discussão: Votando sim ao PL 181: Amauri de Souza, Donizeti Rosa, Cícero Gomes, Dárcy Vera, Luiz Geraldo Dias, Leopoldo Paulino, Joana, Professor Lages, José Alfredo, Coraucci Neto, Bertinho Scandiuzzi, Silvio Martins, Merchó Costa, Nicanor Lopes, Paulo Saquy, Silvana Resende, Marinho Sampaio, Waldyr Villela, Wandeir Silva. Não votaram: Beto Cangussú e Walter Gomes 2ª discussão e redação final (incluindo emendas aprovadas): Votando sim ao PL 181: Amauri de Souza, Donizeti Rosa, Dárcy Vera, Luiz Geraldo Dias, Joana, Profº Lages, José Alfredo, Coraucci Neto, Bertinho Scandiuzzi, Silvio Martins, Beto Cangussú, Nicanor Lopes, Silvana Resende, Marinho Sampaio, Wandeir Silva. Votaram contra: Cícero Gomes e Paulo Saquy. Não votaram: Leopoldo Paulino, Merchó Costa, Waldir Villela e Walter Gomes Tendo em vista o prazo fatal estipulado pelo Estatuto das Cidades para que as cidades aprovem seus Planos Diretores, a Câmara Municipal preocupada com a ausência de iniciativas, constituiu por meio do Projeto de Resolução nº 24/2005, a CEE-PD - Comissão Especial de Estudo do Plano 6

7 Diretor, com a finalidade de promover estudos e consultas juntos aos diversos segmentos da comunidade para obter subsídios às adequações necessárias ao Plano Diretor de Ribeirão Preto. O objetivo principal da CEE-PD foi viabilizar a mais ampla participação popular na discussão e elaboração do Plano Diretor de nossa Cidade, uma vez que o ordenamento jurídico vigente exige não só a aprovação do Plano Diretor, mas que ele se constitua num processo participativo, onde os cidadãos poderão levantar todas as questões vivenciadas na cidade real que impedem a cidade de cumprir com suas funções sociais, apresentando sugestões para que os agentes políticos e os técnicos dêem as respostas políticas e técnicas para os problemas levantados. Portanto, o Plano Diretor se apresenta como um instrumento adequado para se propor um verdadeiro pacto de sustentabilidade para desenvolvimento econômico,social e ambiental de nossa cidade, que garanta a todos sem exceção uma qualidade de vida condizente com padrões aceitáveis e exigíveis pelos desafios do milênio propostos pelos organismos internacionais. Apesar de toda a importância da discussão do Plano Diretor, a principal tarefa da CEE-PD, foi e continua sendo a de sensibilizar e mobilizar todos os segmentos sociais de nossa cidade para esse grande desafio, uma vez que muitas pessoas e segmentos ainda não conseguem ou não querem enxergar a necessidade de criarmos uma cultura de planejamento e participação sobre os destinos de nossa cidade. Para isso, era preciso criarmos uma metodologia de trabalho na CEE-PD que possibilitasse popularizar essa discussão sobre o Plano Diretor, levandoa o mais próximo possível de todos os setores interessados. Inspirados pelo lançamento a nível nacional da campanha Plano Diretor Participativo do Ministério das Cidades, decidiu-se por duas frentes prioritárias de trabalho: a) A realização de audiências públicas nos bairros para facilitar a participação dos munícipes; b) A elaboração de uma Cartilha explicando a importância do Plano Diretor. Foram realizadas 11 audiências públicas nos bairros de Ribeirão Preto no período de julho a novembro de 2005, que abordaremos sobre seus conteúdos posteriormente. Foi elaborada a cartilha do Plano Diretor Participativo de Ribeirão Preto, exemplares impressos que serão distribuídos a todos os segmentos organizados de nossa cidade, que será parte integrante deste relatório. Importante ressaltar que desde o início dos trabalhos da CEE-PD, buscou-se envolver vários setores da sociedade civil organizada e do poder público, com vistas a tornar a iniciativa uma parceria entre os chamados setores vivos da cidade de Ribeirão Preto e o Poder Legislativo. Foram chamados dentre outros a participarem deste processo: a Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, Ministério Público, COMUR, Sindicatos, Associações Profissionais, Igrejas, movimentos sociais, Associações de Moradores, Universidades, Entidades da sociedade civil, Conselhos Municipais. O envolvimento destes setores no processo, nem sempre o esperado, pode ser aferido pela participação dos mesmos nas audiências realizadas pela CEE-PD, conforme atas que são parte integrantes deste relatório. 7

8 Além das 11 audiências públicas nos bairros, o processo indicou a necessidade de realizarmos conferências com temas específicos como: Mobilidade Urbana, Regularização Fundiária, Outorga Onerosa do Direito de Construir (solo criado), que foram realizadas, com presença de urbanistas e especialistas nessas questões orientando as discussões sobre os temas, que serão objetos deste relatório posteriormente. Na discussão do Plano Diretor não há que se distinguir o urbano do rural, daí a necessidade, cobrada inclusive pelos participantes das audiências, durante o Seminário de apresentação dos trabalhos da CEE-PD realizado em dezembro de 2005, da realização de audiências específicas sobre o setor rural, que foram realizadas nos dias 18 e 19 de janeiro de 2006 na Câmara Municipal, com uma participação representativa, diria até histórica, pois conseguimos reunir para um debate, num espírito altamente colaborativo, significativas entidades para o desenvolvimento do setor rural de nossa cidade, considerando os aspectos econômicos, sociais, ambientais e tecnológicos. Pela representatividade e importância do evento vale destacar as presenças das seguintes entidades: Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Pardo, Instituto Agronômico de Campinas, IBAMA, Fundação ITESP-Instituto de Terras da Secretaria de Justiça e Cidadania do Estado de São Paulo, Instituto de Zootecnia, CATI, EDR,Casa da Agricultura Ribeirão Preto, Guatapará, ABAG-RP-Associação Brasileira do Agronegócio Regional Ribeirão Preto, Grupo Usina São Martinho, Coopercitrus, Ceagesp, Sindicato das Empresas, Sindicato das Empresas Transportadoras de Carga, Sindicato Rural (Patronal), Sindicato dos Empregados Rurais, MST-Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, FAAP-Fundação Armando Álvares Penteado, Faculdade Barão de Mauá-Depto.Geografia, Conselho Nacional das Cidades, Ministério da Ciência e Tecnologia, Universidade Federal de São Carlos, AEAARP-Associação de Engenharia,Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto, CREA-SP-Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura de São Paulo, Prefeitura Municipal de Serrana, Prefeitura Municipal de Guatapará, Secretaria de Planejamento e Gestão Ambiental da Prefeitura de Ribeirão Preto, Câmara Municipal de Ribeirão Preto (vereadores Beto Cangussú, Sebastião de Souza, Fátima Rosa) Partido Verde, CONDEMA-Conselho de Defesa do Meio Ambiente, SODERMA-Sociedade de Defesa Regional do Meio Ambiente, Associação Ecológica Pau Brasil, Associação Cultural Humanística, Associação Moradores dos Bairros São José, Campos Elíseos, Adelino Simione, Bonfim Paulista. Sobre o conteúdo da audiência e as propostas apresentadas pelo setor, falaremos mais adiante em um capítulo específico. A opção pela realização de audiências itinerantes da CEE-PD mostrouse acertada, pois, mobilizou uma grande participação popular na discussão sobre o Plano Diretor. O processo de convocação das audiências, feito por meio de panfletagem em cada um dos bairros envolvidos, correspondências às entidades e autoridades, divulgação nos órgãos da imprensa local, divulgação pelos canais de comunicação da Câmara Municipal, garantiram a publicidade necessária para esse grande mutirão realizado pela CEE-PD, no intuito de popularizar e colocar na agenda política da cidade esse que será o grande tema a ser debatido pelo Poder Legislativo no ano de Apesar do ceticismo de alguns quanto a viabilidade da participação popular, as audiências públicas demonstraram que quando chamados, o povo 8

9 responde positivamente quanto a necessidade de discutir-se sobre os destinos de sua cidade. Quando pensamos no planejamento de uma cidade, nem sempre a cidade idealizada pelos técnicos e políticos, são de fato a cidade real, vivenciada pelos munícipes. Muitas questões e problemas a serem resolvidos por um política de planejamento e desenvolvimento, só serão de fato eficazes se levarem em consideração a opinião daqueles que convivem com toda sorte de problemas no dia a dia de nossas cidades. A CEE-PD buscou exatamente isso: desafiar a população a fazer um leitura da cidade real, apontando quais seriam os gargalos existentes na obtenção de uma cidade que cumpra com sua função social de garantir qualidade de vida a todos os seus moradores. A metodologia empregada buscou estimular a análise da cidade a partir da realidade de cada bairro, com o intuito de verificar a partir da opinião dos participantes, quais seriam os problemas existentes em cada bairro que interferem na qualidade de vida da cidade, e vice-versa, de que modo a cidade interfere negativamente (ameaças) na qualidade de vida do bairro. Muitas vezes nestas oportunidades a população aproveita e apresenta um lista de problemas a serem resolvidos pelas autoridades municipais, alguns relacionados a discussão sobre o Plano Diretor, outros relacionados a questões inerentes à execução orçamentária e medidas político-administrativas. Mas o que é importante relatar é a disposição de contribuir apresentando soluções aos problemas levantados. Estimulados também pela metodologia empregada, os participantes foram levados a refletirem sobre os pontos positivos encontrados nos bairros, que trazem satisfação aos moradores no atendimento de suas necessidades de bem viver no cotidiano local, assim como refletiram sobre quais são os aspectos positivos que a cidade possui (oportunidades), que possibilitam uma melhora da qualidade de vida dos moradores de cada bairro. Foi muito surpreendente e gratificante a experiência do uso dessa metodologia de Planejamento Estratégico (sugerida pela Arquiteta e Urbanista Luciana Mouro Varanda de Mattos, pós-graduanda da University of Illinois EUA, participante da primeira audiência), pois estimulou os participante a assumirem o desafio de serem protagonistas no encaminhamento de soluções para toda a cidade e não apenas de seu bairro. 9

10 2 - AUDIÊNCIAS PÚBLICAS DA CEE PLANO DIRETOR DE RIBEIRÃO PRETO 1. REGIÃO VII: 13/07/05 19:00 horas ACI - Rua Visconde de Inhaúma, 489 Centro Centro, Vila Seixas, Sumaré, Jardim América, Jardim São Luis, Jardim das Laranjeiras, Alto da Boa Vista, Jardim Califórnia, Jardim João Rossi, Jardim Nova Aliança, Jardim Ana Maria, Residencial Flórida. Questões levantadas pelos participantes: Sr. Ivens Telles: Associação dos Moradores da Ribeirânia Elogia apresentação da Arq. Cecília e lamenta que ela foi transferida da Secretaria de Planejamento para a Secretaria de Infra-estrutura; Informa que muitas áreas institucionais aprovadas em loteamento foram doadas ou cedidas pela Prefeitura para entidades particulares como Maçonaria, Associação Médica, OAB e que o município perdeu com esses procedimentos; Sugere que no Plano Diretor as áreas institucionais sejam exclusivamente para instalação de equipamentos sociais (escolas, creches, posto de saúde, etc.) Arqta. Cecília: Informa que na legislação de loteamento em vigor, da área total são exigidos 5% (cinco por cento) para áreas institucionais e 15% (quinze) porcento para áreas verdes Esclarece que a Prefeitura pode conceder uso de áreas públicas (institucionais) mediante autorização na Câmara Municipal, desde que a entidade proponente se comprometa a instalar também na área atividades públicas como escola, creche, curso profissionalizante. Sr. Galvão - Associação Moradores do Jardim Califórnia: Solicita registro em Ata das Audiências públicas do Plano Diretor; Informa que o seu bairro (Jardim Califórnia) possui legislação de uso residencial e que a Câmara mudou o uso e permitiu construção de comércio e prédios; Outra questão é que ao se delimitar nas áreas especiais (zoneamento) o seu bairro ficou de fora de um polígono definido pela Lei Complementar 179; Sra. Sigildes - Associação Piratininga e bairros afins Solicita apoio para que os bairros com legislação própria definindo usos sejam respeitados e mantidos os usos originais; Pede que todas as áreas verdes do município sejam preservadas e mantidas; Mobilidade: implantação de ciclovias com definição de itinerários de interesse da população; Calçadas públicas: garantir circulação de pedestres com melhorias e implantação de calçadas públicas; desobstrução das calçadas de camelôs, mesas de bares, e placas; 10

11 Transporte: instalação de semáforos de 3 tempos (sendo um exclusivo para pedestre) nos cruzamentos das vias de maior tráfego; Consulta prévia à vizinhança para aprovação de projetos para construção de bares, comércio e outras atividades que possam causar incômodos; Srta. Natália - representando Estudantes: Os participantes das audiências devem se preocupar com uma visão global da cidade e não criar bairrismos; Transporte público: após meia noite até às 4 hs da manhã não tem ônibus; quem estuda e trabalha à noite fica prejudicado, correndo risco. Pede linha de ônibus nesses horários; Sistema viário: estacionamento de veículos próximos à universidades atrapalha o tráfego; ciclovias: pela inexistência delas estão aumentando os acidentes fatais, desrespeito ao trânsito; Trabalho: faltam oportunidades de trabalho para estudantes e recémformados; morador da Vila Seixas: Uso do solo:aumento de ocupação de uso comercial, prestação de serviços como clínicas, que ocasiona a expulsão de moradores; Segurança: Aumentaram o número de assaltos no bairro; iluminação deficiente; falta policiamento; Sr. Ronaldo - Comissão de moradores da Nova Ribeirânia: Infra-estrutura: problema das enchentes na Jerônimo Gonçalves; sugere instalação de tubulões por baixo da Cia. Antártica; execução de canais e bacias de contenção nas nascentes na zona rural; Transporte coletivo: reestruturação das linhas de ônibus; transporte coletivo está falido. Legislação urbanística: a "doação" (cessão) de áreas públicas deveria ter uma contrapartida em obras (tipo escola, creche, praça); Eng. José Anibal Laguna: Secretaria de Planejamento e Gestão Ambiental: Congratulações: parabeniza a Câmara Municipal pela constituição da CEE-Plano Diretor; Canais de participação: enfatiza a necessidade de serem criados; diversidade dos interesses. importância da participação nas Audiências, Comur; Legislação urbana: a Lei 411 de 1955 não colocou limites na Zona Sul; existe 360 Leis a serem aplicadas acima de Av. Nove de Julho; Representante da Associação Moradores Vila Hípica: Aeroporto Leite Lopes: o aeroporto dentro da cidade já é problemático; a extensão das pistas conforme proposta do DASP irá trazer transtornos com desapropriação e remoção de moradores; Eng. Paulo Peixoto: Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de RP; O que diferencia moradores de cidadãos é a efetiva participação nos problemas da cidade; 11

12 O Ministério da Cidade criou o Núcleo Estadual do Plano Diretor que está levando a todo o Estado de São Paulo informações de como elaborar o Plano Diretor; Coloca à disposição a AEAARP para parceria com a Câmara Municipal no que for preciso; Ribeirão necessita de uma revisão do Plano Diretor considerando também a área rural; O Estatuto da Cidade oferece a população e administrações públicas instrumentos eficientes para exigir o ordenamento da cidade; A cidade tem que ter a "cara" e o "jeito" que a população quer; Solicito registro de todas as propostas apresentadas nessas audiências públicas; Representante Bairro Castelo Branco; Aquífero Guarani: preocupação com a sua defesa; Enchentes: medidas urgentes de prevenção; não foram feitas obras; Habitação: propiciar moradias mais dignas para população de baixa renda (aceitamentos); Impermeabilização do solo: necessidade de menor impermeabilizar do solo para se evitar enchentes; Uso do solo: a Prefeitura deveria analisar se o uso dos espaços da cidade está cumprindo a função social devida; Pensar a cidade como um todo. Representante da Associação Moradores Jardim Califórnia: Pedido para que no Plano Diretor sejam incluídas determinadas ruas do Jardim Califórnia que ficaram fora do polígono que define como área residencial com legislação própria; O bairro Jardim Califórnia não necessita de mais áreas de uso comercial porque já tem nos bairros vizinhos (Shopping, Jd. Ana Maria) e em seu próprio duas quadras destinadas para comércio e prestação de serviços; Av. Brás Olaia Costa deve ser considerada residencial também no seu lado ímpar (só é no lado par); Poluição hídrica: é despejado esgoto in natura em uma pequena nascente no fundo de vale divisa do bairro Califórnia e Alto da Boa Vista; além de cheiro insuportável; Sr. Aurélio Cardoso: Associação Moradores do Jardim Paulista: Ciclovias: reitera o pedido para instalação; Vagas de bicicletas nos Shoppings: existe poucas vagas delimitadas; Av. Thomaz Alberto Wately apresenta perigo para ciclistas; Sr. Jeferson - Instituto Brasileiro de Defesa da Cidadania: Moradia: pede atenção dos poderes públicos para a Resolução 101 de 22 de março de 2005 do Conselho Curador do Fundo de Desenvolvimento Social para ação social em pró de moradia popular; Prof. Santi - Associação Moradores Jardim Califórnia: 12

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais).

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais). PLANO DE GOVERNO - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTICIPATIVA PARA 2013/2016 COLIGAÇÃO O PRESENTE NOS PERMITE SEGUIR EM FRENTE - CANDIDATO A PREFEITO PEDRINHO DA MATA 11 Ações a serem realizadas por Secretarias:

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 031 Ação Legislativa 0001 - Execução da Ação Legislativa Manutenção das Atividades Legislativas FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006 - Defesa Jurídica do Município

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

Propostas para o Plano Diretor de Curitiba

Propostas para o Plano Diretor de Curitiba Propostas para o Plano Diretor de Curitiba Revisão de 2014 Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer As propostas contidas nesta cartilha foram resultados de intervenções urbanas e processos

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo a seguinte Lei: Das disposições Gerais Art.

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

São Paulo 2022. Metodologia de para monitoramento do comportamento da Cidade de São Paulo por Indicadores e Metas

São Paulo 2022. Metodologia de para monitoramento do comportamento da Cidade de São Paulo por Indicadores e Metas São Paulo 2022 Metodologia de para monitoramento do comportamento da Cidade de São Paulo por Indicadores e Metas Cidade Democrática, participativa e descentralizada Transformando São Paulo pela mudança

Leia mais

Avaliação da implementação das propostas do Distrito de Tupi apresentadas no Orçamento Participativo

Avaliação da implementação das propostas do Distrito de Tupi apresentadas no Orçamento Participativo Avaliação da das propostas do Distrito de Tupi apresentadas no Orçamento Participativo Objetivo Com o objetivo de realizar uma análise e contribuir com o aprimoramento do Orçamento Participativo 12 no

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL CIC 20/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Propostas do dia 20 de

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL PORTÃO 25/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Propostas do dia 25

Leia mais

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA SITUAÇÃO ATUAL INTEGRAÇÃO METROPOLITANA NA LEI ORGÂNICA DE CURITIBA TÍTULO IV - DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I - DA ORDEM ECONÔMICA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL PINHEIRINHO 02/04/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO PLANO PLURIANUAL 2010-2013 CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO - FUNCIONAL PROGRAMÁTICA 18000000 GESTÃO AMBIENTAL 18542000 CONTROLE AMBIENTAL 18542010 PROGRAMA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 185420102.074 COORDENAÇÃO DOS

Leia mais

Apesar da Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, datar de janeiro de 2012, até agora, passados dois anos

Apesar da Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, datar de janeiro de 2012, até agora, passados dois anos O presente projeto de Lei que autoriza a implantação do Corredor Capão Redondo / Campo Limpo / Vila Sonia é apresentado de maneira descolada do Projeto de Lei 0017/2014, ora em 2ª votação, e que autoriza

Leia mais

kleber.matos@planalto.gov.br, gerson.almeida@planalto.gov.br e joao.filho@planalto.gov.br

kleber.matos@planalto.gov.br, gerson.almeida@planalto.gov.br e joao.filho@planalto.gov.br À SECRETARIA ESPECIAL DE DIREITOS HUMANOS Ministro Paulo de Tarso Vannuchi E-mail: paulo.vannuchi@sedh.gov.br e valeria.silva@sedh.gov.br AO MINISTÉRIO DAS CIDADES Ministro Márcio Fortes de Almeida E-mail:

Leia mais

PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA.

PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA. PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA. PARTIDOS COLIGADOS: 1. Partido dos Trabalhadores PT; 2. Partido Progressista PP; 3. Partido Democrático Trabalhista PDT; 4. Partido Comunista

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ KL Serviços e Engenharia S/C PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO LEI Nº Dispõe sobre o sistema Viário do Município de Quixadá e dá outras

Leia mais

PROJETO. Desafios e possibilidades para uma vida melhor. Turma: 102

PROJETO. Desafios e possibilidades para uma vida melhor. Turma: 102 PROJETO Desafios e possibilidades para uma vida melhor Turma: 102 Carolina Clack, Gabriela Scheffer, Lauren Scheffer e Victória Gomes. Desafios e possibilidades para uma vida melhor Trabalho apresentado

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE METAS Gestão 2013/2016 APRESENTAÇÃO... 2 I - VISÃO DO MUNICÍPIO... 3 II COMPROMISSO... 3 III PRINCÍPIOS DE GESTÃO... 3 IV DIRETRIZES ESTRATÉGIAS... 4 PROGRAMA DE METAS DESENVOLVIMENTO URBANO...

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ Agosto/2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Governo Estadual RS 509

Governo Estadual RS 509 1 - RODOVIAS / TRAVESSIA URBANA Governo Federal BR 158, BR 287 e BR 392 Governo Estadual RS 509 Governo Municipal Av. Helvio Basso 2 - MOBILIDADE URBANA Plano Diretor de Mobilidade Urbana TR está pronto.

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 31 Ação Legislativa 0001- Execução da Ação Legislativa 2001 - Manutenção das Atividades Legislativas da Câmara Municipal FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006- Defesa

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CULTURA: Pólo do Projeto Guri: O Projeto Guri tem como objetivo resgatar a auto-estima dos adolescentes, utilizando a música como agente transformador. Pólo Rua

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

EMENDA ADITIVA AO PROJETO DE LEI Nº 100/11

EMENDA ADITIVA AO PROJETO DE LEI Nº 100/11 Art. - Utilizando recursos orçamentários no Programa 11 Construção e Ampliação Secretaria de Saúde, Ação 1004 Construção e Ampliação de Unidades de Saúde, a Secretaria de Saúde contemplará no exercício

Leia mais

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais,

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais, LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO BEM ESTAR SOCIAL E CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL A ELE VINCULADO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. MÁRCIO CASSIANO DA

Leia mais

Proposta de revisão dos. Calçadões do Centro

Proposta de revisão dos. Calçadões do Centro Proposta de revisão dos Calçadões do Centro Apresentação Durante a campanha eleitoral para a Prefeitura, em 2004, a Associação Viva o Centro apresentou aos candidatos dez propostas para impulsionar o desenvolvimento

Leia mais

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal.

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. Em resumo, o programa fornece, mediante convênio de cooperação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista Mobilidade social Envolve a integração de todos sistemas de circulação: 1.

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA : ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO : Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público Valores (R$ 1,00) 2006 11.700,000 Manutenção das

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE IBIÚNA

REVISÃO DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE IBIÚNA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE IBIÚNA QUESTIONÁRIO A Prefeitura da Estância Turística de Ibiúna está elaborando o Plano Diretor. Participe e contribua com o desenvolvimento do Município. A identificação

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais

Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA.

Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA. Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA. Aos quatro (04) dias do Mês de Março (03) do ano de Dois Mil e Treze (2013), às 17:35 horas, com a presença de nove (09) vereadores,

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA Documento referendado pela plenária da I Conferência Municipal de Meio Ambiente de Goiânia. O momento mais importante de qualquer reflexão sobre os problemas de uma cidade é

Leia mais

Você no Parlamento. Consulta Pública. Cooperação Técnica entre a CâmaraMunicipal de São Paulo e a Rede Nossa São Paulo

Você no Parlamento. Consulta Pública. Cooperação Técnica entre a CâmaraMunicipal de São Paulo e a Rede Nossa São Paulo Consulta Pública Você no Parlamento Cooperação Técnica entre a CâmaraMunicipal de São Paulo e a Rede Nossa São Paulo Termo de 18/04/2011 e Aditamento de 06/06/2011 Consulta pública com a população de São

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL TATUQUARA 03/04/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS MARÇO DE 2014 JOB0402 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Avaliar a atual administração do município de Acopiara. Acopiara

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA 2015 PROGRAMA Com base na car,lha elaborado em MG. 1. Contextualização 2. Legislação 3.

Leia mais

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO GABINETE DO PREFEITO O Plano de Metas é um instrumento de gestão que orienta a Prefeitura na direção de uma cidade sustentável e oferece aos cidadãos e à imprensa um mecanismo para avaliar os compromissos

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano UMA BARRA MANSA: DUAS CIDADES A CIDADE FORMAL: Regularizada, com infraestrutura completa, usufruindo do melhor que a comunidade pode ter em comércio, serviços, cultura e lazer. É a parte da cidade que

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA FINALIDADE LEI Nº 1.392, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DO IDOSO, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO E O FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. (Alterado pela

Leia mais

Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade

Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade Ações Locais para a Sustentabilidade Programa Biocidade REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA CURITIBA - DADOS GEOGRÁFICOS Área - 432,17 km2 Relevo - Levemente ondulado Extensão Norte Sul - 35 km Extensão Leste-Oeste

Leia mais

AlphaVille Urbanismo. Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos. Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo

AlphaVille Urbanismo. Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos. Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo AlphaVille Urbanismo Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo História A história de um conceito de bem viver 1974 2008 História A história de um

Leia mais

Uaps (Joquei Clube I): já tem terreno desapropriado, mas a UAPS ainda não foi construída.

Uaps (Joquei Clube I): já tem terreno desapropriado, mas a UAPS ainda não foi construída. DIAGNÓSTICO - OFICINA COMUNITÁRIA - REGIÃO DE PLANEJAMENTO CENTROESTE E NORTE Local: Salão da Paróquia Nossa Senhora da Conceição. Rua Tomé de Souza, 195 - Benfica. Data: 24/04/2014 U - Uso e Ocupação

Leia mais

CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 DESENVOLVIMENTO SOCIAL: Distribuição de Leite: distribuídos 22.532 litros de leite, no período de Jan/2011 a Set/2011 Custo: R$ 30 mil, beneficiando 272 famílias

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

IBATÉ OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 5.816.5 6.500,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite:

IBATÉ OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 5.816.5 6.500,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: IBATÉ OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 5.816.5 6.500,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 31.760 litros de leite, de Jan/2007 a Mar/2009 Custo: R$ 39 mil, beneficiando 80 famílias carentes,

Leia mais

JÚLIO MESQUITA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 4.649.800,00

JÚLIO MESQUITA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 4.649.800,00 JÚLIO MESQUITA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 4.649.800,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 117.338 litros de leite, de Jan/2007 a Fev/2009 Custo: R$ 146 mil, beneficiando 308 famílias

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente p Relatório Consulta Bico do Papagaio Oficinas 279 pessoas se credenciaram para participar das oficinas na cidade de Tocantinópolis. Foi solicitado à elas que elencassem as demandas e problemas regionais.

Leia mais

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 Frota antiga e tecnologia obsoleta; Serviço irregular de vans operando em todo o DF 850 veículos; Ausência de integração entre os modos e serviços; Dispersão das linhas;

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 100 - ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS O Programa Escola do Legislativo tem como objetivo principal oferecer suporte conceitual de natureza técnico-científica

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU EIXO 1 PARTE 1 - A PARTICIPAÇÃO E O CONTROLE SOCIAL NO SNDU DEVERÃO SER EXERCIDOS: (i) no âmbito federal, pelo Conselho

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV. Mário Barreiros

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV. Mário Barreiros ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV Mário Barreiros Arquiteto Mestre em Engenharia Civil e Urbana Flektor Engenharia e Consultoria Ltda. Palestra realizada para o Instituto de Desenvolvimento Urbano

Leia mais

Consulta Pública Ambiental. Experiências e resultados CICLO 2014

Consulta Pública Ambiental. Experiências e resultados CICLO 2014 Consulta Pública Ambiental Experiências e resultados CICLO 2014 www.sosma.org.br São Paulo/Brasil www.ipm.org.br São Paulo/Brasil Consulta Pública Ambiental Apresentação da metodologia A Consulta Pública

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARMO DA CACHOEIRA ESTADO DE MINAS GERAIS GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARMO DA CACHOEIRA ESTADO DE MINAS GERAIS GABINETE DO PREFEITO 1 Dispõe sobre a criação da SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA, ESPORTES E TURISMO, e dá outras providencias. 2009. Projeto de Lei n.º, de 05 de fevereiro de A Câmara Municipal de Carmo da Cachoeira, por

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

POLUIÇÃO VISUAL NA CIDADE DE SÃO PAULO

POLUIÇÃO VISUAL NA CIDADE DE SÃO PAULO Pesquisa Quantitativa de Opinião Pública POLUIÇÃO VISUAL NA CIDADE DE SÃO PAULO Julho/ 2006 Índice I. Metodologia e Amostra II. Contexto III. Poluição Visual IV. O Projeto de Lei V. Considerações Finais

Leia mais

Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social

Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social CASA LEGAL Programa Estadual de Regularização Fundiária Programa Casa Legal Devido a Lei Estadual nº 16.269, de 29 de maio de 2008, dispor em seu

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

O Projeto PROVOZ é um Projeto Social de Desenvolvimento para a população de Fortaleza que privilegia a cidadania e os direitos inerentes à todos os

O Projeto PROVOZ é um Projeto Social de Desenvolvimento para a população de Fortaleza que privilegia a cidadania e os direitos inerentes à todos os O Projeto PROVOZ é um Projeto Social de Desenvolvimento para a população de Fortaleza que privilegia a cidadania e os direitos inerentes à todos os cidadãos brasileiros ao nível da sua realidade local.

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SABOEIRO-CE

CÂMARA MUNICIPAL DE SABOEIRO-CE CÂMARA MUNICIPAL DE SABOEIRO-CE PROJETO DE LEI Nº /2013, de 23 de abril de 2013 DISPOE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA DE INCENTIVO A CULTURA CINEMA POPULAR EM DISTRITOS, COMUNIDADES E PRAÇAS DO MUNICÍPIO.

Leia mais

Audiência Pública em Americana 09/06/2014 Região Metropolitana de Campinas

Audiência Pública em Americana 09/06/2014 Região Metropolitana de Campinas Audiência Pública em 09/06/2014 Região Metropolitana de Campinas Local: Câmara Municipal de Início: 10h50 Término: 12h30 Autoridades Públicas Presentes: Deputados da Comissão de Finanças Orçamento e Planejamento:

Leia mais

VEREADOR MARIO NADAF - PARTIDO VERDE - PV PROJETO DE LEI

VEREADOR MARIO NADAF - PARTIDO VERDE - PV PROJETO DE LEI PROJETO DE LEI "INSTITUI O PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRAÇAS, CANTEIROS, JARDINS, PARQUES, LOGRADOUROS E ÁREAS VERDES PÚBLICOS, ESTABELECENDO SEUS OBJETIVOS, LIMITAÇÕES DAS RESPONSABILIDADES E DOS BENEFÍCIOS

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária APRESENTAÇÃO Esta Cartilha foi desenvolvida como suporte ao trabalho da Prefeitura

Leia mais