Relatório de Caso Clínico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Caso Clínico"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) Relatório de Caso Clínico IDENTIFICAÇÃO Caso: 2010/2/02 Procedência: HCV-UFRGS N o da ficha original: Espécie: canina Raça: Poodle Idade: 14 anos Sexo: macho Peso: 6,0 kg Alunos(as): Cintia Simoni, Mariana Menegat, Renata Ferretto, Roberta Mazzocchin Ano/semestre: 2010/2 Residentes/Plantonistas: Médico(a) Veterinário(a) responsável: Álan Gomes Pöppl ANAMNESE No dia 14/10/2010 a proprietária levou o seu cão para consulta no Hospital de Clínicas Veterinárias da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (HCV-UFRGS). Relatava que o cão vinha apresentando os seguintes sinais: lesões de pele contaminadas e não pruriginosas, aumento de apetite, poliúria, polidipsia, cansaço tolera pouco as caminhadas, tosse seca ocasional, mau hálito e verrugas por todo corpo. O animal recebia comida caseira (carne e fruta), ração, palitos e bifinhos e até então não havia apresentado vômitos e diarréia. O cão estava sendo acompanhado pelo dermatologista e foi diagnosticado demodicose canina. Para o tratamento, foi administrado cefalexina¹, ivermectina 2, Auriclean 3 e shampoo à base de clorexidina 4 a 3%. No exame físico foi detectado sopro de grau IV, por isso foi receitado Lotensin 5. Foram requeridos os seguintes exames: hemograma, exames bioquímicos e teste de supressão por dexametasona. 1 antimicrobiano cefalosporínico de primeira geração 2 endectocida pertencente ao grupo das lactonas macrocíclicas 3 solução para limpeza do conduto auditivo externo de cães e gatos 4 antisséptico, antifúngico e bactericida 5 princípio ativo: benazepril; é um anti-hipertensivo e vasodilatador EXAME CLÍNICO 14/10/2010 Temperatura retal (TR): 38,5ºC (37,9 C 39,9 C) Tempo de preenchimento capilar (TPC): <2 segundos (<2 segundos) Mucosas: rosadas (rosada) Condição corporal (CC): 3,5 (1-5) Atitude: quieto e prostrado Nomoidratado Linfonodos: sem alteração Ausculta cardíaca e pulmonar (ACP): sopro grau IV Palpação: abdômen abaulado, discreta telangiectasia, atrofia dérmica discreta, pioderma e lesões enegrecidas e paquidérmicas no pescoço e membros anteriores. Além disso, apresentava cálculo dentário moderado, rânula e lesões perioculares. EXAMES COMPLEMENTARES Teste de supressão por dexametasona foi realizado no dia 20/10/2010. O valor de cortisol medido 8 horas após aplicação da dexametasona foi de 44,9 ng/ml, sendo o valor hormonal normal menor do que 10 ng/ml e um resultado maior do que 14 ng/ml compatível com hiperadrenocorticismo. Teste de estimulação por ACTH foi realizado no dia 26/11/2010. O valor de cortisol medido após a administração de ACTH foi de 45,0 ng/ml, sendo o valor hormonal normal entre ng/ml. Exames realizados após tratamento de indução com Lisodren ERITROGRAMA Quantidade 7,39 milhões/µl (5,5-8,5) Hematócrito 43 % (37-55) Hemoblogina 13,7 g/dl (12-18) VCM 58,18 fl (60-77) CHCM 31,86 % (32-36)

2 Caso clínico 2010/2/02 página 2 URINÁLISE EXAME FÍSICO EXAME QUÍMICO Coleta: cateterismo Glicose: normal Volume: 15 ml Bilirrubina: + Cor: amarelo Cetona: traços (5 mg/dl) Aspecto: límpido Sangue oculto: negativo Consistência: fluida ph: 6,5 Densidade: 1,034 Proteínas: ++ (100 mg/dl) Urobilinogênio: normal (0,2 EU/100 ml ) EXAME DE SEDIMENTO Células epiteliais/campo (400x): escamosas (0-1) ; de transição (0-1) Leucócitos/campo (400x): não foram observados Eritrócitos/campo (400x): < 5 Espermatozóides: 0 Muco: 0 Bactérias: + Cilindros granulosos + LEUCOGRAMA Leucócitos: / µl ( ) TIPO QUANTIDADE (/µl) RELATIVO (%) Mielócitos 0 (0) 0 Metamielócitos 0 (0) 0 Neutrófilos bastonetes 0 (0-300) 0 Neutrófilos segmentados ( ) 84 Eosinófilos ( ) 0 Basófilos 0 (raros) 0 Monócitos 875 ( ) 5 Linfócitos 875 ( ) 5 BIOQUÍMICA SANGUÍNEA Albumina 25,30 g/l (26-33) ALT 65,08 U/L (<102) Amilase total 3.367,44 U/L ( ) Colesterol 129,27 mg/dl ( ) Creatinina 0,52 mg/dl (0,5-1,5) FA 998,49 U/L (<156) Fósforo 4,39 mg/dl ( 2,6-6,2) Frutosamina 192,05 µmol/l ( ) Glicose 61,75 mg/dl (65-118) Globulinas 39,01 g/l (27-44) Proteína total 64,31 g/l (54-71) Uréia 26,34 mg/dl (21-60) Triglicerídeos 52,71 mg/dl (32-138) Sódio 148, 00 meq/l ( ) Potássio 5,00 meq/l (3,7-5,8)

3 Caso clínico 2010/2/02 página 3 URINÁLISE Método de coleta: micção natural Obs.: Exame físico cor consistência odor aspecto densidade específica (1,015-1,045) Exame químico ph (5,5-7,5) corpos cetônicos glicose pigmentos biliares proteína hemoglobina sangue nitritos n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. Sedimento urinário (n o médio de elementos por campo de 400 x) Células epiteliais: Tipo: Hemácias: Cilindros: Tipo: Leucócitos: Outros: Tipo: Bacteriúria: ausente n.d.: não determinado BIOQUÍMICA SANGÜÍNEA Tipo de amostra: soro Anticoagulante: Hemólise da amostra: leve Proteínas totais: g/l (54-71) Glicose: mg/dl (65-118) ALP: 472 U/L (0-156) Albumina: 30,1 g/l (26-33) Colesterol total: 259 mg/dl ( ) ALT: 160 U/L (0-102) Globulinas: g/l (27-44) Uréia: 30 mg/dl (21-60) CPK: U/L (0-125) BT: mg/dl (0,1-0,5) Creatinina: 0,3 mg/dl (0,5-1,5) Frutosamina: 190 µmol/l ( ) BL: mg/dl (0,01-0,49) Cálcio: mg/dl (9,0-11,3) Triglicerídeos: 155 mg/dl (32-138) BC: mg/dl (0,06-0,12) Fósforo: mg/dl (2,6-6,2) : ( ) BT: bilirrubina total BL: bilirrubina livre (indireta) BC: bilirrubina conjugada (direta) HEMOGRAMA Leucócitos Eritrócitos Quantidade: / L ( ) Quantidade: 6,79 milhões/ L (5,5-8,5) Tipo Quantidade/ L % Hematócrito: 41,0 % (37-55) Mielócitos 0 (0) 0 (0) Hemoglobina: 13,4 g/dl (12-18) Metamielócitos 0 (0) 0 (0) VCM (Vol. Corpuscular Médio): 61 fl (60-77) Bastonados 0 (0-300) 0 (0-3) CHCM (Conc. Hb Corp. Média): 33,0 % (32-36) Segmentados ( ) 90 (60-77) Morfologia: Basófilos 0 (0) 0 (0) Eosinófilos 0 ( ) 0 (2-10) Monócitos ( ) 6 (3-10) Linfócitos ( ) 3 (12-30) Plaquetas Plasmócitos (0) (0) Quantidade: / L ( ) Morfologia: Observações: TRATAMENTO E EVOLUÇÃO O resultado dos exames requeridos no dia 14/10/10 levou ao diagnóstico de hiperadrenocorticismo. Assim, no dia 09/11/2010, a proprietária foi instruída pelo médico veterinário responsável a iniciar o tratamento de indução com Lisodren 6. A prescrição foi de ¼ de comprimido (125 mg) via oral BID. No quinto dia de tratamento o cão já estava apresentando os sinais de indução, porém a proprietária continuou a administração até o sexto dia, provocando uma overdose e levando ao aparecimento de sinais de hipoadrenocorticismo iatrogênico. Nos dias seguintes à overdose, o cão apresentou inapetência, abatimento, fraqueza, tremores musculares, oligodipsia, fezes enegrecidas e bem formadas. A melhora espontânea do cão foi observada progressivamente. Na consulta do dia 23/11/10 a proprietária relatou que o cão ainda apresentava pouco apetite e indisposição. No exame clínico observou-se leve desidratação, menor inchaço abdominal e melhor aspecto da pele. Neste dia realizou-se o teste de estimulação por ACTH, coleta de sangue e urina para exames. Posteriormente, administrou-se 1 comprimido de Meticorten 7 e receitou-se ½ comprimido para o dia 24/11/2010 e ¼ para o dia 25/11/2010. No dia 30/11/10 a proprietária relatou que após curso de tratamento com Meticorten o cão mostrou boa melhora clínica e desde que cessou o medicamento vem mostrando bom apetite, boa disposição, micção e ingestão de água normais. Eventualmente fica abatido e fraco. O animal também manifesta crises convulsivas que duram cerca de 40 segundos. Como na consulta anterior, o exame clínico demonstrou contínua melhora.

4 Caso clínico 2010/2/02 página 4 O resultado do exame de estimulação por ACTH está dentro do normal para um cão com hiperadrenocorticismo controlado. Por isso, a proprietária foi instruída a iniciar o tratamento de manutenção com Lisodren, ¼ de comprimido via oral SID, duas vezes por semana, por tempo indeterminado. 6 princípio ativo: mitotano; é um adrenocorticolítico, que age nas zonas fasciculada e reticular do córtex adrenal 7 princípio ativo: prednisona; é um glicocorticóide sintético NECRÓPSIA (e histopatologia) Patologista responsável: DISCUSSÃO As alterações observadas nas anamneses, exames clínicos e laboratoriais, foram: Demodicose: o Demodex canis é uma sarna presente na microbiota natural dos cães e, quando se prolifera de modo a causar a patogenia demodicose, é indício de imunossupressão. Os corticóides são agentes imunossupressores potentes que atuam de modo não específico sobre os linfócitos. As lesões causadas pela demodicose não apresentaram prurido e não houve relato de hipersensibilidade, o que é explicado pelo fato de que os corticóides suprimem a hipersensibilidade tardia e impedem a liberação de histamina [1]. Hiperpigmentação cutânea: há maior estímulo da síntese de melanócitos. As lesões apresentaram-se enegrecidas e paquidérmicas, sendo que o espessamento da pele do pescoço ventral e dos membros anteriores é causado pelo Demodex canis. Atrofia dérmica discreta: o aumento do catabolismo protéico atua diretamente sobre as proteínas da epiderme, como colágeno e elastina, o que contribui para o afinamento da pele [2,4]. Abdômen pendulante: a emaciação leva à perda de tônus nos músculos do abdômen, resultando em distensão abdominal gradual. A hepatomegalia causada pelo aumento da deposição de glicogênio e lipídeo, a deposição de gordura centrípeta [2,4] e a distensão vesical podem contribuir para o abaulamento do abdômen. Telangiectasia: ocorre pela distensão do abdômen e pela dilatação dos vasos abdominais. Polifagia: há maior estímulo do centro da fome, no hipotálamo [2]. Polidipsia e poliúria: há inibição da vasopressina (ADH), estimulando maior excreção de água pela urina [3]. Isto faz com que aumente a osmolaridade plasmática, levando à maior ativação do centro da sede e aumentando o consumo de água [1]. Letargia: o aumento do catabolismo de proteínas e lipídeos causado pelo excesso de cortisol leva à emaciação e consequente fraqueza muscular [1,4]. Aumento da ALT: ocorre secundariamente à lesão hepática causada por hepatócitos tumefeitos, acúmulo de glicogênio e interferência no fluxo sanguíneo hepático compressão dos vasos pelo aumento do tamanho dos hepatócitos [3]. Aumento da FA: indução por corticosteróides. É a alteração mais comum no hiperadrenocorticismo canino [3]. Aumento dos triglicerídeos: o catabolismo de lipídeos é aumentado para que o glicerol seja utilizado na gliconeogênese [3] e para acúmulo de gordura abdominal. Diminuição da creatinina plasmática: a concentração sanguínea de creatinina é proporcional à massa muscular, por isso, a causa desta alteração está relacionada com a emaciação [3]. Neutrofilia: diminuição da marginalização, diminuição da emigração neutrofílica para tecidos e aumento da liberação de neutrófilos maduros da medula óssea [3]. Monocitose: diminuição do pool marginal [3]. Eosinopenia: neutralização da histamina circulante e inibição da degranulação dos mastócitos. O aumento do cortisol plasmático também possui efeito linfolítico nos tecidos linfóides, atraindo eosinófilos para esses tecidos pela liberação de citocinas assim, diminui a quantidade de eosinófilos circulantes [3]. Leucocitose: é causada pelo aumento dos neutrófilos. Reflete o hemograma de estresse provocado pelo aumento de cortisol [3]. Trombocitose: estimulação dos fatores de coagulação e diminuição dos fatores anticoagulantes, o que pode levar à maior formação de trombos e, consequentemente, aumento da demanda de plaquetas. Observação: também pode ocorrer linfopenia devido à linfocitólise induzida pelo cortisol [3]. Neste caso, os linfócitos estão no limite mínimo. Devido à suspeita de imunossupressão, a partir da demodicose que o cão apresentava, o dermatologista encaminhou o caso para o endocrinologista. Os resultados dos exames requeridos pelo endocrinologista indicaram hiperadrenocorticismo. Essa é uma endocrinopatia cujas manifestações clínicas se devem à

5 Caso clínico 2010/2/02 página 5 produção excessiva e crônica de cortisol pelo córtex adrenal hiperativo [4] e que acomete principalmente cães de meia-idade a idosos, sendo o Poodle uma das raças predispostas [3]. Iniciou-se o tratamento do cão com Lisodren, porém a proprietária administrou uma dose além do necessário, provocando um hipoadrenocorticismo iatrogênico transitório. O Lisodren tem como princípio ativo o mitotano, que é um isômero do inseticida DDT [3] e tem citotoxicidade seletiva para as zonas fasciculada e reticular do córtex da glândula adrenal. Com o tratamento, as células destas zonas ficam tumefeitas, vacuolizadas e passam a sofrer necrose. Os níveis plasmáticos de cortisol diminuem progressivamente em cães com hiperadrenocorticismo tratados com mitotano [4]. Porém, a superdosagem deste medicamento pode levar a um dano na adrenal além do desejado, diminuindo excessivamente os níveis plasmáticos de cortisol. Após a normalização clínica do cão, foi iniciado o tratamento de manutenção com Lisodren. As doses semanais de mitotano devem ser continuadas pelo resto da vida do cão para prevenir o retorno dos distúrbios funcionais causados pelo hiperadrenocorticismo. Os exames complementares realizados após a crise de hipoadrenocorticismo iatrogênico evidenciam uma tendência à normalização devido ao tratamento de indução. A comparação entre os resultados dos exames anteriores e posteriores ao tratamento com Lisodren encontra-se na tabela abaixo: RESULTADOS ANTERIORES AO TRATAMENTO COM LISODREN RESULTADOS POSTERIORES AO TRATAMENTO COM LISODREN HEMOGRAMA Clássico de estresse Tendência à normalização BIOQUÍMICOS ALT, FA, Creatinina e Triglicerídeos condizentes com hiperadrenocorticismo ALT, Creatinina e Triglicerídeos normalizados FA aumentada* RELAÇÃO Na + /K ,6 meq/l (24-41) URINÁLISE - Normal NÍVEIS DE CORTISOL PLASMÁTICO Acima dos valores de referência com o teste de supressão por dexametasona Abaixo dos valores de referência com o teste de estimulação por ACTH * o aumento da fosfatase alcalina é estimulado pelo cortisol, mas sua diminuição plasmática não é proporcional à diminuição do cortisol. Também pode ser explicado por outras doenças que podem ocorrer paralelamente ao hiperadrenocorticismo como, por exemplo, colestase [3]. CONCLUSÕES É um caso de hiperadrenocorticismo que, devido a uma overdose de Lisodren em seu tratamento de indução, apresentou sinais de hipoadrenocorticismo iatrogênico transitório. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. DUKES, H. H. Fisiologia dos Animais Domésticos. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, CARLTON, W. W.; MCGAVIN, M. D. Patologia Veterinária Especial de Thomson. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, GONZÁLEZ, F. H. D.; SILVA S. C. Introdução à Bioquímica Clínica Veterinária. 2. ed. Porto Alegre: UFRGS, JUBB; KENNEDY; PALMER. Pathology of Domestic Animals. 5 ed. vol. 1. London: Saunders, 2007.

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www.ufrgs.br/favet/bioquimica

Leia mais

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Inflamação Leucocitose fisiológica (epinefrina) Dor, medo, exercício Leucograma de estresse (glicocorticoide) Hiperadrenocorticismo, corticoterapia,

Leia mais

LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho

LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho M. V. do Serviço de Clínica Médica de Pequenos Animais HOVET FMVZ USP Residência em Clínica e Cirurgia de Pequenos animais HOVET FMVZ USP Especialização em Clínica Médica FMVZ

Leia mais

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES Veruska Martins da Rosa 1, Caio Henrique de Oliveira Carniato 2, Geovana Campanerutti Cavalaro 3 RESUMO: O hiperadrenocorticismo

Leia mais

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso 535C5710 «$E9T"J0 03.362451.01.41:15 Setor Técnico Urinalise Emissão 03/10/2008 SUMARIO DE URINA Coleta: 03/10/2008 ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS Valores de referência Cor Amarelo claro Amarelo claro - amarelo

Leia mais

SÍNDROME DE CUSHING IATROGÊNICA EM CÃO: RELATO DE CASO IATROGENIC CUSHING'S SYNDROME IN DOG: A CASE REPORT

SÍNDROME DE CUSHING IATROGÊNICA EM CÃO: RELATO DE CASO IATROGENIC CUSHING'S SYNDROME IN DOG: A CASE REPORT SÍNDROME DE CUSHING IATROGÊNICA EM CÃO: RELATO DE CASO IATROGENIC CUSHING'S SYNDROME IN DOG: A CASE REPORT Diomedes Fontenele FERREIRA FILHO Acadêmico do curso de Medicina Veterinária das Faculdades INTA,

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028 Telefone PABX (011) 3053-6611 e-mail hcor@hcor.com.br Dúvidas Técnicas Telefone PABX (011) 3053-6611 Ramal 2028 EQUIPE CLINIC CHECK UP Num. Pedido 050802886 10/08/2005 060000 Emissão 11/08/2005 135055

Leia mais

Hemograma Material...: SANGUE COM E.D.T.A. Equipamento: PENTRA 120 DX

Hemograma Material...: SANGUE COM E.D.T.A. Equipamento: PENTRA 120 DX Nº OS 912499 Animal Shipo Data 23/01/2016 Canina - - Raça Dachshund Responsável Cid Kaeriyama Sexo Femea Dt. Nasc. 13/08/2007 Idade 8a 5m 10d Requisitante Rodrigo Ubukata Provet - Divino Salvador Av Divino

Leia mais

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www6.ufrgs.br/bioquimica

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Hiperadrenocorticismo canino: relato de caso

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Hiperadrenocorticismo canino: relato de caso PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Hiperadrenocorticismo canino: relato de caso Mariane Pacheco dos Santos 1, Gabriela Morais Madruga 2, Renato Linhares Sampaio 3, Rodrigo Supranzetti

Leia mais

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o:

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o: HEMATOLOGIA DRª ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ERITROPOIESE Fenômeno com diversas fases, onde ocorre: Síntese de DNA Mitose Síntese de hemoglobina com incorporação de Fe Perda do núcleo e organelas Produto final:

Leia mais

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www.ufrgs.br/favet/bioquimica

Leia mais

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Citologia Clínica Aula 9 Exame qualitativo de Urina Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Exame qualitativo da urina Diagnóstico de doença renal, no trato urinário, sistêmicas não relacionadas com o rim.

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS MATERIAL PRAZO DE ENTREGA ANIMAL PAT LAB HEMATOLOGIA

EXAMES LABORATORIAIS MATERIAL PRAZO DE ENTREGA ANIMAL PAT LAB HEMATOLOGIA TABELA DE EXAMES EXAMES LABORATORIAIS MATERIAL PRAZO DE ENTREGA Hemograma completo (eritrograma + leucograma + plaquetas + Ppt + Pesq hemoparasita) *** Exame encaminhado para laboratórios conveniados.

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 AUSÊNCIA DE ALTERAÇÕES CLÍNICAS EM BOVINOS APÓS A ADMINISTRAÇÃO PELA VIA SUBCUTÂNEA DE UMA ASSOCIAÇÃO ENTRE IVERMECTINA E SULFÓXIDO DE ALBENDAZOL CARNEIRO, R. 1*, NASCIMENTO, G. A. M. 1, MARTINS, V.

Leia mais

T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28. T3 LIVRE Coleta: 18/11/2005 06:28. T4 - TETRAIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28

T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28. T3 LIVRE Coleta: 18/11/2005 06:28. T4 - TETRAIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28 AUTENTICIDADE: 755339 Set.Tecnico Imunoensaio T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28 Resultado 108.6 ng/dl Referencial: Criancas ate 5 anos 105.0 a 269.0 ng/dl 5 a 10 anos 94.0 a 241.0 ng/dl Maiores

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,08 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

SÓDIO: 140 meq/l [DATA DA COLETA : 19/11/13 07:00] Método...: Fotometria de chama Vlor. Ref.: 135 a 145 meq/l Material..: sangue

SÓDIO: 140 meq/l [DATA DA COLETA : 19/11/13 07:00] Método...: Fotometria de chama Vlor. Ref.: 135 a 145 meq/l Material..: sangue GLICEMIA DE JEJUM: 115 mg/dl Método...: Enzimático Vlor. Ref.: 65 a 99 mg/dl Material..: Plasma fluoretado RESULTADOS ANTERIORES: 06/09/13 = 110 mg/dl 02/08/13 = 97 mg/dl URÉIA: 32 mg/dl Método...: Enzimático

Leia mais

HEMOGRAMA COMPLETO

HEMOGRAMA COMPLETO ERITROGRAMA HEMOGRAMA COMPLETO REFERENCIAIS PARA ADULTOS ------------------------- Homem Mulher Hemácias em Milhoes/mL...: 4,58 4,5 a 6,5 3,9 a 5,8 Hemoglobina em gdl...: 14,7 13,5 a 18,0 11,5 a 16,4 Hematócrito

Leia mais

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS GLICOCORTICÓIDES - Hormônios esteroidais: Hormônios sexuais e Hormônios do Córtex da Adrenal. - Hormônios do Córtex da Adrenal: o Adrenocorticosteróides [glicocorticóides e (cortisol) e Mineralocorticóides

Leia mais

PERFIL BIOQUÍMICO DO SANGUE

PERFIL BIOQUÍMICO DO SANGUE Perfil bioquímico: PERFIL BIOQUÍMICO DO SANGUE Professora: Ms. Renata Aparecida Fontes Medicina Veterinária Período: 3 Metabolismo energético: Glicose, colesterol e ácidos graxos livres Ruminantes: β-hidroxibutirato

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato INSUFICIÊNCIA RENAL Profa. Dra.Monica Akemi Sato REVISÃO DE FISIOLOGIA RENAL FILTRAÇÃO GLOMERULAR TÚBULO PROXIMAL ALÇA DE HENLE CAPILAR GLOMERULAR ARTERÍOLA EFERENTE TUBULO PROXIMAL TUBULO DISTAL ESPAÇO

Leia mais

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Olmetec HCT olmesartana medoxomila/hidroclorotiazida I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Olmetec HCT Nome genérico: olmesartana medoxomila/hidroclorotiazida APRESENTAÇÕES Olmetec HCT 20 mg/12,5

Leia mais

PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO LIVRE. PSA - ANTIGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO TOTAL

PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO LIVRE. PSA - ANTIGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO TOTAL AUTENTICIDADE: 31BA47 Set.Tecnico Imunoensaio PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/2004 07:05 PROSTÁTICO LIVRE Resultado 0.15 ng/ml Metodo: Eletroquimioluminescência (ECLIA) Referencial: Até 0.72 ng/ml

Leia mais

Hematologia. ESS Jean Piaget. Fisioterapia 2007-2008. Patologias Médicas II - Hematologia. Durante alguns módulos, iremos falar de princípios

Hematologia. ESS Jean Piaget. Fisioterapia 2007-2008. Patologias Médicas II - Hematologia. Durante alguns módulos, iremos falar de princípios ESS Jean Piaget Fisioterapia 2007-2008 Patologias Médicas II - Manuel Machado Durante alguns módulos, iremos falar de princípios básicos da hematologia - hematopoiese, estudo do hemograma, anemias (sua

Leia mais

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea CICLO BIOLÓGICO Os cães e os gatos, que são os hospedeiros definitivos do parasita, podem infectar-se de formas diversas: Ingestão de ovos infectantes; Ingestão de larvas presentes em tecidos de hospedeiros

Leia mais

HEMOGRAMA LUCAS WILBERT MARILIA DE N. C. BERGAMASCHI

HEMOGRAMA LUCAS WILBERT MARILIA DE N. C. BERGAMASCHI HEMOGRAMA ERITROGRAMA Hemácias milhões/mm3...: 4,67 4,00 a 5,10 Hemoglobina g/dl...: 13,00 11,20 a 15,10 Hematócrito %...: 37,80 34,00 a 43,00 Vol. Glob. Média em fl...: 80,94 78,00 a 92,00 Hem. Glob.

Leia mais

SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l Material: Soro Anteriores:(11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o

SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l Material: Soro Anteriores:(11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l (11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o POTÁSSIO 3,6 meq/l Valores de ref erência: 3,5 a 5,4 meq/l Método: Eletrodo Seletiv o URÉIA 37 mg/dl

Leia mais

ANEMIA MICROCÍTICA EM PEQUENOS ANIMAIS

ANEMIA MICROCÍTICA EM PEQUENOS ANIMAIS ANEMIA MICROCÍTICA EM PEQUENOS ANIMAIS GARCIA, Claudia Zeferino HERRERA, Mariana de Souza JÚNIOR, José Maria Fernandes ALMEIDA, Marcio Fernando RAMOS, Matheus Henrique Fabri Discentes do 3º ano de Medicina

Leia mais

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DO INTERVALO DE REFERÊNCIA DOS PRINCIPAIS PARÂMETROS DO HEMOGRAMA PARA HOMENS ADULTOS ATENDIDOS NO LAC-CCF-UNAERP

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DO INTERVALO DE REFERÊNCIA DOS PRINCIPAIS PARÂMETROS DO HEMOGRAMA PARA HOMENS ADULTOS ATENDIDOS NO LAC-CCF-UNAERP TÍTULO: DETERMINAÇÃO DO INTERVALO DE REFERÊNCIA DOS PRINCIPAIS PARÂMETROS DO HEMOGRAMA PARA HOMENS ADULTOS ATENDIDOS NO LAC-CCF-UNAERP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

Boletim Informativo 7 e 8-2009

Boletim Informativo 7 e 8-2009 PPEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS BBOAASS DDI IICAASS PPAARRAA OSS EEXXAAMEESS DDEE LLAABBORRAATTÓRRI IIO CLLÍ ÍÍNNI IICO Vamos resumir aqui algumas perguntas freqüentes e interessantes

Leia mais

TRATAMENTO CONVENCIONAL ASSOCIADO À SUPLEMENTAÇÃO FITOTERÁPICA NA DERMATOFITOSE CANINA RELATO DE CASO CONRADO, N.S. 1

TRATAMENTO CONVENCIONAL ASSOCIADO À SUPLEMENTAÇÃO FITOTERÁPICA NA DERMATOFITOSE CANINA RELATO DE CASO CONRADO, N.S. 1 TRATAMENTO CONVENCIONAL ASSOCIADO À SUPLEMENTAÇÃO FITOTERÁPICA NA DERMATOFITOSE CANINA RELATO DE CASO CONRADO, N.S. 1 1 - Graduanda em Medicina Veterinária pelo Centro Universitário de Rio Preto UNIRP

Leia mais

HIDROCLOROTIAZIDA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Simples 50mg

HIDROCLOROTIAZIDA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Simples 50mg HIDROCLOROTIAZIDA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Simples 50mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: HIDROCLOROTIAZIDA Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Comprimido

Leia mais

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias TABELA DE PREÇOS ANÁLISE CITOLÓGICA VALOR MATERIAL PRAZO Líquidos cavitários (pleural, pericárdico e peritoneal) 100,00 Fluido em tubo seco e EDTA 24 horas Líquor 100,00 Fluido em tubo seco 24 horas Citologia

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. URINÁLISE CONSENSOS E CONTROVÉRSIAS Exame Físico - Químico Kaline Maria Nogueira de Lucena Fonseca Centro de Patologia Clínica Natal - RN Exame de

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

ZONA DE SOBREVIVÊNCIA. Conforto Térmico. Gráfico 1: Variações da temperatura corporal de um animal homeotérmico em função da temperatura ambiente.

ZONA DE SOBREVIVÊNCIA. Conforto Térmico. Gráfico 1: Variações da temperatura corporal de um animal homeotérmico em função da temperatura ambiente. ZONA DE SOBREVIVÊNCIA Hipotermia HOMEOTERMIA Homeotermia (HOMEOSTASIA) Hipertermia ou Homeostasia Termogênese Termoneutralidade Zona de Conforto Térmico Temperatura corporal TI TCIn Zona de TCS Termoneutralidade

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UNIDADE FUNCIONAL PATOLOGIA E MEDICINA LABORATORIAL

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UNIDADE FUNCIONAL PATOLOGIA E MEDICINA LABORATORIAL Emissão: 28/06/2015 às 17:45 Fl.: 1 PROLACTINA Método: ELETROQUIMILUMINESCÊNCIA RESULTADO: 10,3 ng/ml V.R.: Mulher não grávida: 3,0-18,6 ng/ml Homens: 3,7-17,9 ng/ml SÓDIO MATERIAL: SANGUE Método: POTENCIOMÉTRICO

Leia mais

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Departamento de Biologia Celular e Molecular Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Tema: Metabolismo do Ferro e Anemias Monitores:

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana APRESENTAÇÃO Alburex 20: embalagem contendo 1 frasco-ampola com 50 ml de solução hiperoncótica de albumina humana para infusão (20%). VIA INTRAVENOSA

Leia mais

EXAMES CLASSIFICAÇÃO prazo material COLETA VETERINARIO. cloretos Bioquimico até 24h tubo vermelho R$ 20,00 R$

EXAMES CLASSIFICAÇÃO prazo material COLETA VETERINARIO. cloretos Bioquimico até 24h tubo vermelho R$ 20,00 R$ . TABELA DE PREÇOS 2015 EXAMES CLASSIFICAÇÃO prazo material COLETA VETERINARIO ácido úrico Bioquimico até 24h tubo vermelho R$ 20,00 R$ 14,00 Aplicação ACTH = R$ 15,00/Kg Hormonal ----------- -----------------

Leia mais

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos pancreáticos (principal e acessório) Gatos: Ducto biliar

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

O Laboratório Clínico do D.A.V. do Jockey Club de São Paulo conta com amplo e bem estruturado espaço, além de equipamentos modernos que conferem

O Laboratório Clínico do D.A.V. do Jockey Club de São Paulo conta com amplo e bem estruturado espaço, além de equipamentos modernos que conferem O Laboratório Clínico do D.A.V. do Jockey Club de São Paulo conta com amplo e bem estruturado espaço, além de equipamentos modernos que conferem fidedignidade aos resultados. Seu principal objetivo é assegurar

Leia mais

LIPNEO (ciprofibrato)

LIPNEO (ciprofibrato) LIPNEO (ciprofibrato) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido 100mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LIPNEO ciprofibrato APRESENTAÇÃO Comprimido de 100mg: Embalagem com 30 comprimidos.

Leia mais

Tabela de Exames. Anatomia Patológica. Exame Amostra Valor Prazo Histopatológico. Citologia. Lâminas de punção aspirativa ou líquido refrigerado.

Tabela de Exames. Anatomia Patológica. Exame Amostra Valor Prazo Histopatológico. Citologia. Lâminas de punção aspirativa ou líquido refrigerado. Tabela de Exames - Novos valores válidos a partir de 01 de SETEMBRO de 2012 - Qualquer dúvida quanto ao acondicionamento e envio das amostras favor entrar em contato pelos nossos telefones (19) 3342-9312

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino SISTEMA DIGESTÓRIO Quitéria Paravidino PROCESSOS DIGESTÓRIOS Ingestão:captar alimento pela boca; Mistura e movimentação do alimento:contrações musculares misturam o alimento e as secreções e movimentam

Leia mais

Defeito da MCAD. Caso Clínico. Caso Clínico. Caso Clínico. Antecedentes Pessoais. História da doença: Unidade de Doenças Metabólicas

Defeito da MCAD. Caso Clínico. Caso Clínico. Caso Clínico. Antecedentes Pessoais. História da doença: Unidade de Doenças Metabólicas Unidade de Doenças Metabólicas Teresa Almeida Campos 10 de Março de 2010 TCS, sexo feminino, 3 anos de idade, etnia cigana Admitida no Hospital de São João a 6/7/1993, após transferência do Hospital de

Leia mais

Anemia: Conteúdo. Definições

Anemia: Conteúdo. Definições Anemia Resumo de diretriz NHG M76 (março 2003) Van Wijk MAM, Mel M, Muller PA, Silverentand WGJ, Pijnenborg L, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

MICOPLASMOSE EM CÃES RELATO DE 4 CASOS

MICOPLASMOSE EM CÃES RELATO DE 4 CASOS MICOPLASMOSE EM CÃES RELATO DE 4 CASOS Melissa Silva-Santos 1 ; Paulo Tojal Dantas Matos 1 ; Victor Fernando Santana Lima¹; Patrícia Oliveira Meira-Santos²; Leandro Branco Rocha². 1. Estudante de Medicina

Leia mais

PYR-PAM pamoato de pirvínio DRÁGEA 100 MG SUSPENSÃO ORAL 10 MG/ML

PYR-PAM pamoato de pirvínio DRÁGEA 100 MG SUSPENSÃO ORAL 10 MG/ML pamoato de pirvínio DRÁGEA 100 MG SUSPENSÃO ORAL 10 MG/ML Bula Profissional da Saúde Pyr-Pam UCI-FARMA Conforme RDC 47/09 Página 1 pamoato de pirvínio FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES DRÁGEA 100 MG:

Leia mais

dicloridrato de cetirizina Solução oral 1mg/mL

dicloridrato de cetirizina Solução oral 1mg/mL dicloridrato de cetirizina Solução oral 1mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE dicloridrato de cetirizina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO Solução oral 1mg/mL Embalagem

Leia mais

Curso Básico de Hematologia para Iniciantes.

Curso Básico de Hematologia para Iniciantes. Curso Básico de Hematologia para Iniciantes. Por Esp. Joice Raposo Ferreira. Curso gratuito para interessados no assunto. Aqui serão abordados tópicos gerais, com o objetivo de iniciar o estudante na hematologia,

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

Contagem eletrônica automatizada realizada em equipamento Sysmex XE-D 2100 Roche.

Contagem eletrônica automatizada realizada em equipamento Sysmex XE-D 2100 Roche. HEMOGRAMA COMPLETO ERITROGRAMA Eritrócitos : 3,24 milhões/mm3 3,9-5,03 Hemoglobina : 11,2 g/dl 12,0-15,5 Hematócrito : 32,8 % 34,9-44,5 VCM : 101,2 fl 81,6-98,3 HCM : 34,6 pg 26,0-34,0 CHCM : 34,1 % 31,0-36,0

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Introdução Boa parte do funcionamento do corpo humano depende da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos que viajam pelos sangue. Conjunto de células produtoras de hormônios. Hormônios

Leia mais

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica.

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica. 11 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Anemia Abordagem Diagnóstica Definição É a redução, abaixo do normal, da concentração de hemoglobina circulante total. A anemia não é um diagnóstico de

Leia mais

meropeném Novafarma Indústria Farmacêutica Ltda. Pó para solução injetável 500mg 1g Página 1 de 8

meropeném Novafarma Indústria Farmacêutica Ltda. Pó para solução injetável 500mg 1g Página 1 de 8 meropeném Novafarma Indústria Farmacêutica Ltda. Pó para solução injetável 500mg 1g Página 1 de 8 meropeném Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome genérico: meropeném

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diabetes & você

INTRODUÇÃO. Diabetes & você INTRODUÇÃO Diabetes & você Uma das coisas mais importantes na vida de uma pessoa com diabetes é a educação sobre a doença. Conhecer e saber lidar diariamente com o diabetes é fundamental para levar uma

Leia mais

PAULA MARTINELLI KIRHAKOS HIPERADRENOCORTICISMO CANINO

PAULA MARTINELLI KIRHAKOS HIPERADRENOCORTICISMO CANINO PAULA MARTINELLI KIRHAKOS HIPERADRENOCORTICISMO CANINO CENTRO UNIVERSITÁRIO FMU SÃO PAULO 2008 PAULA MARTINELLI KIRHAKOS HIPERADRENOCORTICISMO CANINO Aluna do curso de Medicina Veterinária, do centro universitário

Leia mais

ORLIPID (orlistate) EMS SIGMA PHARMA LTDA. cápsula. 120mg

ORLIPID (orlistate) EMS SIGMA PHARMA LTDA. cápsula. 120mg ORLIPID (orlistate) EMS SIGMA PHARMA LTDA cápsula 120mg 1 ORLIPID (orlistate) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ORLIPID (orlistate) APRESENTAÇÕES Cápsulas de 120mg: Embalagem contendo 21, 30, 42, 60, 84 ou

Leia mais

O que é HAC? Hiperadrenocorticismo em cães: diagnóstico e tratamento. Fisiologia glândula adrenal. Tipos de HAC 01/10/2013

O que é HAC? Hiperadrenocorticismo em cães: diagnóstico e tratamento. Fisiologia glândula adrenal. Tipos de HAC 01/10/2013 O que é HAC? Hiperadrenocorticismo em cães: diagnóstico e tratamento Profa. Mestre Leila Taranti Veterinária da equipe NAYA Endocrinologia& VESP DocenteFundaçãoMunicipal de EnsinoSuperior de Bragança Paulista(FESB)

Leia mais

Drenol hidroclorotiazida. Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Cada comprimido de Drenol contém 50 mg de hidroclorotiazida.

Drenol hidroclorotiazida. Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Cada comprimido de Drenol contém 50 mg de hidroclorotiazida. Drenol hidroclorotiazida PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Drenol Nome genérico: hidroclorotiazida Forma farmacêutica e apresentações: Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. USO ADULTO

Leia mais

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas)

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) É formado pelas glândulas endócrinas Essas tem origem no tecido epitelial

Leia mais

HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO

HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO ARYENNE KAROLYNNE DE OLIVEIRA 1, GABRIELA RODRIGUES SAMPAIO 2, JOSÉ ARTHUR DE ABREU CAMASSA 3, FERNANDO YOITI KITAMURA KAWAMOTO 4, PAULA

Leia mais

Resultados Anteriores:89.0[19/04/2016];91.0[30/09/2015];113.0[09/09/2015];101.0[28/07/2015];85.0[26/06/2015];

Resultados Anteriores:89.0[19/04/2016];91.0[30/09/2015];113.0[09/09/2015];101.0[28/07/2015];85.0[26/06/2015]; Pag.: 1 de 7 GLICOSE (GLICEMIA JEJUM) 84.0 mg/dl MÉTODO:CINÉTICO ENZIMÁTICO - ADVIA 1800 - SIEMENS VALORES DE REFERÊNCIA: 60-99 mg/dl Resultados Anteriores:89.0[19/04/2016];91.0[30/09/2015];113.0[09/09/2015];101.0[28/07/2015];85.0[26/06/2015];

Leia mais

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves Tratamento da Insuficiência Cardíaca Profª Rosângela de Oliveira Alves Insuficiência Cardíaca Causas Insuficiência miocárdica Regurgitação valvular l Disfunção diastólica Sinaisi congestão e edema débito

Leia mais

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Cápsulas moles 100 mg e 150 mg

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Cápsulas moles 100 mg e 150 mg OFEV (esilato de nintedanibe) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Cápsulas moles 100 mg e 150 mg Ofev esilato de nintedanibe APRESENTAÇÕES Cápsulas moles de 100 mg e 150 mg: embalagem

Leia mais

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg MICARDIS (telmisartana) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg Micardis telmisartana APRESENTAÇÕES Comprimidos de 40 mg e 80 mg: embalagens com 10 ou 30 comprimidos

Leia mais

LABORATÓRIO BOM JESUS

LABORATÓRIO BOM JESUS GLICEMIA...: 74 Metodo: Colorimetrico Valor de Referencia: 70 a 110,0 mg/dl UREIA...: 32 Metodo : Urease/GluDH Valor de Referencia: 15 a 38 mg/dl CREATININA...: 0,65 Metodo : Picrato Alcalino Homens :

Leia mais

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral! Sistema Cardiovascular! Professor: Bruno Aleixo Venturi! O sistema cardiovascular ou é composto pelo coração

Leia mais

TILUGEN. (fendizoato de cloperastina)

TILUGEN. (fendizoato de cloperastina) TILUGEN (fendizoato de cloperastina) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Xarope 3,54mg/mL I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: TILUGEN fendizoato de cloperastina APRESENTAÇÃO Xarope 3,54mg/mL

Leia mais

SINAIS VITAIS. Base teórica

SINAIS VITAIS. Base teórica Base teórica SINAIS VITAIS Os sinais vitais são informações básicas colhidas pelo enfermeiro para avaliação do estado de saúde do cliente. O enfermeiro(a) deve saber avaliar e orientar a equipe quanto

Leia mais

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www.ufrgs.br/favet/bioquimica

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

MANUAL DE COLETA INTRODUÇÃO

MANUAL DE COLETA INTRODUÇÃO MANUAL DE COLETA INTRODUÇÃO Este manual de exames versão 2012, tem o objetivo de auxiliar o médico veterinário na coleta e envio de amostras, além de esclarecer as principais dúvidas a respeito das variáveis

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

Layout de Importação de Resultado de Exames

Layout de Importação de Resultado de Exames Nefrodata-ACD Automação para Centros de Hemodiálise Layout de Importação de Resultado de Exames O processo de atualização dos resultados de exames laboratoriais é uma tarefa extensa e exaustiva. Para tal,

Leia mais

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina GEAC UFV Grupo de Estudos de Animais de Companhia Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina Cecilia Sartori Zarif, Graduanda do 9 período de Medicina Veterinária da UFV Etiologia Anemia Infecciosa Felina

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

Caso Clínico. Fernando Klein Março/2012

Caso Clínico. Fernando Klein Março/2012 Caso Clínico PET Medicina UFC Fernando Klein Março/2012 Identificação R.M.S., 44 anos, masculino, natural e procedente de Caucaia, em união estável há 8 anos, desempregado no momento (já trabalhou como

Leia mais

HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE. Introdução à Endocrinologia

HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE. Introdução à Endocrinologia HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE Introdução à Endocrinologia GENERALIDADES SOBRE HORMÔNIOS CONCEITO Hormônios são substâncias que funcionam como mensageiras inter-celulares CLASSIFICAÇÃO DOS HORMÔNIOS PROTÉICOS Formados

Leia mais

MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS

MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS O material coletado e conservado adequadamente torna-se de grande valor, proporcionando informações importantes para o clínico chegar a um diagnóstico. Uma coleta

Leia mais

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Saúde Centro de Epidemiologia - Vigilância Epidemiológica DENGUE (CID A90 ou A91) CHIKUNGUNYA (CID A92) ZIKA (CID A92.8) Definição de caso suspeito

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 7: Suprarrenal e tireoide Prof. Carlos Castilho de Barros Algumas pessoas podem apresentar distúrbios que provocam a obesidade. Estórias como Eu como pouco mas continuo

Leia mais

FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO

FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA 1 FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO INTRODUÇÃO Compreende a absorção de O 2 e a eliminação de CO 2 pelos pulmões (respiração externa), o transporte de

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

IQUEGO-HIDROCLOROTIAZIDA IQUEGO - INDÚSTRIA QUÍMICA DO ESTADO DE GOIÁS S.A. Comprimido 25 mg

IQUEGO-HIDROCLOROTIAZIDA IQUEGO - INDÚSTRIA QUÍMICA DO ESTADO DE GOIÁS S.A. Comprimido 25 mg IQUEGO-HIDROCLOROTIAZIDA IQUEGO - INDÚSTRIA QUÍMICA DO ESTADO DE GOIÁS S.A. Comprimido 25 mg Esta bula sofreu aumento no tamanho para adequação a legislação vigente da ANVISA. Esta bula é continuamente

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DAS ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS PARTE II

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DAS ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS PARTE II AVALIAÇÃO LABORATORIAL DAS ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS PARTE II 1 Paulo César Ciarlini Doutor em Clínica Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Professor Adjunto de Laboratório Clínico Veterinário

Leia mais

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Classificação: A. Tecidos conjuntivos embrionários: 1- Tecido Conjuntivo Mesenquimal (mesênquima) 2- Tecido Conjuntivo Mucoso B. Tecidos conjuntivos propriamente

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE PÓS GRADUÇÃO QUALITTAS / UCB CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS CELULITE JUVENIL EM UM CANINO DA RAÇA BASSET HOUND - RELATO DE CASO Carolina Oliveira Araujo

Leia mais

vacina hepatite A (inativada)

vacina hepatite A (inativada) vacina hepatite A (inativada) Forma farmacêutica e apresentações: Suspensão injetável. Cartucho contendo uma seringa de uma dose de 0,5 ml. Cartucho contendo 5 seringas de uma dose de 0,5 ml. Cartucho

Leia mais

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma)

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) Introdução A função básica do sistema cardiovascular é comunicação das células entre si, produzindo um fluxo, e com o meio externo, havendo uma integração

Leia mais

1. O QUE É PARACETAMOL BLUEPHARMA E PARA QUE É UTILIZADO. Grupo Farmacoterapêutico: 2.10 - Sistema Nervoso Central - Analgésicos e antipiréticos

1. O QUE É PARACETAMOL BLUEPHARMA E PARA QUE É UTILIZADO. Grupo Farmacoterapêutico: 2.10 - Sistema Nervoso Central - Analgésicos e antipiréticos Folheto Informativo Informação para o utilizador Paracetamol Bluepharma Paracetamol Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente Este medicamento pode ser adquirido sem receita

Leia mais

DEGENERAÇÃO GORDUROSA (LIPIDOSE HEPÁTICA)

DEGENERAÇÃO GORDUROSA (LIPIDOSE HEPÁTICA) DEGENERAÇÃO GORDUROSA (LIPIDOSE HEPÁTICA) SILVA, Leonardo Belli Aluno da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça GONÇALVES, Paulo Professor da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia

Leia mais

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg JARDIANCE (empagliflozina) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg Jardiance empagliflozina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 10 mg ou 25

Leia mais

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 01/09/2009 DE ACORDO Renato de Lacerda Diretor Técnico 05/09/2009 APROVADO POR Jose Carlos Santos

Leia mais