Relatório de Caso Clínico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Caso Clínico"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) Relatório de Caso Clínico IDENTIFICAÇÃO Caso: 2010/1/11 Procedência: HCV-UFRGS N o da ficha original: Espécie: canina Raça: Lhasa Apso Idade: 7 anos Sexo: fêmea Peso: 6,9 kg Alunos(as): Daniel Santos Paim, Gabriel Costa Larizzatti, José Volnei Oliveira Avila, Ano/semestre: 2010/1 Rafael Escobar Bretos Navarro Residentes/Plantonistas: Médico(a) Veterinário(a) responsável: Gabriela Sessegolo ANAMNESE (21/01/2010): Já realizou consultas em outros estabelecimentos, sendo em 2007 a primeira cirurgia para retirada de cálculo renal. Em 2008 fez segunda cirurgia também em outro estabelecimento. A proprietária tentou utilizar diversas rações específicas, mas nenhuma resolveu o problema. Foi administrado bactrin, de novembro a dezembro, o animal fica bem sob medicação, mas encerrando a medicação retornou o problema urinário. Na primeira consulta no HCV-UFRGS a proprietária relatou que o animal está disposto, alimenta-se bem, utilizou medicação para dor, mas não soube informar o medicamento. Urina várias vezes ao dia em pequenas quantidades, fezes normais. Teve vômitos em novembro. (07/05/2010): O animal alimenta-se bem, bebe água normalmente. Após o tratamento para cistite o animal teve uma melhora. Está urinando com pedras (SIC). Observou que está com alergia de pele há três semanas na região cervical. (14/06/2010): Retornou para consulta. Recebeu tratamento descrito a seguir. EXAME CLÍNICO (21/01/2010): Temperatura retal: 39,7 C (37,5-39,3); mucosas cianóticas; TPC: <2 segundos (0-2); frequência cardíaca: 144 bpm (70-160); respiração ofegante; hidratação: adequada; palpação abdominal: presença de cálculos vesicais. (07/05/2010): Mucosas cianóticas; TPC: 2 segundos (0-2); respiração ofegante; presença de lesões de pele com crostas e úmidas. (14/06/2010): Secreção purulenta pela vulva; frequência cardíaca: 140 bpm (70-160); diarréia. EXAMES COMPLEMENTARES (21/01/2010): Ecografia abdominal: observou-se presença de litíase vesical e renal (figura 1). Exame bacteriológico de urina: isolado Klebsiela sp. Resistente a penicilina novobicna. Raio X abdominal: Observou-se cálculo vesical e renal (figura 2). Pressão arterial: 90 mmhg (80-160); Tempo de sangramento: 1,56 minutos (2-3); URINÁLISE Método de coleta: cateterização Obs.: presença de gotículas de gordura e grumos de células de transição e leucócitos Exame físico cor consistência odor aspecto densidade específica (1,015-1,045) amarelo claro fluida discretamente 1,014 turvo Exame químico ph (5,5-7,5) corpos cetônicos glicose pigmentos biliares proteína hemoglobina sangue nitritos 7,0 - n.d n.d. +++ n.d. Sedimento urinário (n o médio de elementos por campo de 400 x) Células epiteliais: 2 Tipo: escamosas Hemácias: 20 Células epiteliais:1-3 Tipo: de transição Cilindros: Tipo: Leucócitos: 20 Outros: 3 Tipo: cristais de estruvita Bacteriúria: severa n.d.: não determinado

2 Caso clínico 2010/1/11 página 2 BIOQUÍMICA SANGÜÍNEA Tipo de amostra: soro Anticoagulante: Hemólise da amostra: ausente Proteínas totais: 74,0 g/l (54-71) Glicose: mg/dl (65-118) ALP: U/L (0-156) Albumina: g/l (26-33) Colesterol total: mg/dl ( ) ALT: 36 U/L (0-102) Globulinas: g/l (27-44) Uréia: mg/dl (21-60) CPK: U/L (0-125) BT: mg/dl (0,1-0,5) Creatinina: 1,0 mg/dl (0,5-1,5) : ( ) BL: mg/dl (0,01-0,49) Cálcio: mg/dl (9,0-11,3) : ( ) BC: mg/dl (0,06-0,12) Fósforo: mg/dl (2,6-6,2) : ( ) BT: bilirrubina total BL: bilirrubina livre (indireta) BC: bilirrubina conjugada (direta) HEMOGRAMA Leucócitos Eritrócitos Quantidade: / L ( ) Quantidade: 5,25 milhões/ L (5,5-8,5) Tipo Quantidade/ L % Hematócrito: 37,0 % (37-55) Mielócitos (0) (0) Hemoglobina: 12,5 g/dl (12-18) Metamielócitos (0) (0) VCM (Vol. Corpuscular Médio): 70 fl (60-77) Bastonados (0-300) (0-3) CHCM (Conc. Hb Corp. Média): 33,7 % (32-36) Segmentados ( ) 73 (60-77) Morfologia: Basófilos (0) (0) Eosinófilos 833 ( ) 7 (2-10) Monócitos 833 ( ) 7 (3-10) Linfócitos ( ) 13 (12-30) Plaquetas Plasmócitos (0) (0) Quantidade: / L ( ) Morfologia: Observações: TRATAMENTO E EVOLUÇÃO (21/01/2010): Foi tratado com Synulox (amoxicilina + clavulanato de potássio) 150 mg/bid/20 d. (07/05/2010): Foi tratado com cefalexina (50 mg/ml), 3,5 ml/bid/15 d. e Dermolene spray (gentamicina+miconazol+betametasona/antimicrobiano de amplo espectro e antiinflamatório) três vezes ao dia/10 d. Ambos para o tratamento da lesão de pele. (14/06/2010): Hemograma: Eritrócitos (x10 6 /µl) 5,02 (5,5-8,5) Hemoglobina (g/dl) 12,4 (12-18) Hematócrito (%) 39 (37-55) VCM (fl) 77,68 (60-77) CHCM (%) 31,79 (32-36) Amostra com fibrina/agregação plaquetária + Plasma ictérico + Leucograma: Leucócitos totais (/µl) ( ) RELATIVO (%) ABSOLUTO (/µ) Metamielócitos (zero) Neutrófilos bastonetes (0-300) Neutrófilos segmentados ( ) Eosinófilos Zero Zero ( ) Monócitos ( ) Neutrófilos tóxicos 1+ Monócitos ativados 1+ Bioquímica sanguínea: ALT 35,88 (<102 U/L) Creatinina 8,08 (0,5-1,5 mg/dl) FA 398 (<156U/L) Uréia 469,76 (21-60 mg/dl) Proteína plasmática total (g/l) 80 (60-80)

3 Caso clínico 2010/1/11 página 3 Foram administrados 500 ml de solução fisiológica + glicose, 0,6 ml de Plasil (Cloridrato de metoclopramida/antiemético), 0,56 ml de Cloridrato de ranitidina (antiulceroso) e 0,7 ml de Ampicilina (antimicrobiano). Durante 24 h. Veio a óbito no dia seguinte. NECRÓPSIA (e histopatologia) Patologista responsável: Angelica Wouters Exame Macroscópico: Exame externo: hiperpigmentação da pele. Língua: ulceração nas bordas da extremidade anteroventral. Estômago: ulcerações de 0,5 a 2,0 cm na mucosa, com área avermelhada na região pilórica. Rim esquerdo: diminuído de tamanho, superfície irregular, pontos escuros na cortical e áreas de infarto. Grande quantidade de cálculos amarelados granulares de 0,1 a 0,2 cm de diâmetro em pelve e ureteres. Rim direito: pálido, com pontos avermelhados na superfície cortical. Bexiga: grande quantidade de cálculos amarelados granulares de 0,1 a 0,2 cm de diâmetro e petéquias na mucosa. Ovários: corpos lúteos bilaterais persistentes. Útero: dilatações em forma de ampulheta. Conteúdo vermelho acastanhado em grande quantidade, mucosa espessada, irregular, avermelhada e com vários cistos. Exame Microscópico: Rim: infiltrado inflamatório linfoplasmocitário acentuado relacionado a glomérulos e no interstício, multifocal a coalescente, com fibrose intersticial, esclerose de glomérulos (figura 3), material amorfo eosinofílico intratubular, focos com regeneração de epitélio tubular e há focos de calcificação na medular. Bexiga: devido ao desprendimento da mucosa, não pôde ser realizado o exame microscópico. Ovário: corpos lúteos. Útero: hiperplasia de glândulas do endométrio com dilatação cística com difuso infiltrado inflamatório, rico em neutrófilos. Língua: necrose localmente extensa da mucosa (úlcera). Estômago: trombos em vasos da submucosa. Focos de necrose na porção superficial da mucosa. Pele: atrofia de epiderme e hiperqueratose. DISCUSSÃO (21/01/2010) Hemograma: apresentou uma trombocitose que pode estar associada a um processo inflamatório (THRALL, et al, 2007). Urinálise: no exame químico observou-se proteinúria (300 mg/dl), que pode estar relacionada com a presença de hemácias e leucócitos. No sedimento foram encontrados leucócitos, células escamosas e de transição, cristais de estruvita (fosfato triplo). Os leucócitos e os cristais de estruvita (fosfato triplo) podem indicar inflamação do trato urinário. A presença de células escamosas e de transição pode estar relacionada ao método de coleta (cateterismo). Também foram encontradas bactérias. (14/06/2010) Hemograma: apresentou uma anemia macrocítica hipocrômica podendo ser causada por uma deficiência na síntese renal de eritropoietina (THRALL et al, 2007). Leucograma: apresentou uma leucocitose com desvio neutrofilico à esquerda, presença de metamielócitos, neutrófilos bastonetes e neutrófilos tóxicos que ocorrem devido à maior demanda tecidual de células do sistema imune para combate de infecções. A monocitose pode estar associada a uma resposta inflamatória do organismo e a linfocitose associada com uma resposta imunológica humoral. (14/06/2010) Bioquímica sanguínea: a creatinina e a uréia apresentaram-se aumentadas indicando falha renal, sendo uma possível causa a diminuição da taxa de filtração glomerular, uma vez que esses metabólitos são eliminados principalmente pelo sistema renal (GONZÁLEZ & SILVA, 2006), a concentração plasmática de fosfatase alcalina aumentada pode estar associada à septicemia ou hipóxia causadas em casos de piometra (NELSON & COUTO, 2006), stress ou quando associada ao plasma ictérico pode caracterizar um quadro de colestase. A concentração plasmática de ALT apresentou-se dentro dos valores de referência indicando ausência de lesão hepática. Comentários: a insuficiência renal crônica (IRC) pode se originar por diversos fatores, entre estes fatores pode ser citado a urolitíase, que se caracteriza pela formação de cálculos no trato urinário (figura 4), sendo o cristal de estruvita o tipo de cálculo mais comum em caninos. Estes cálculos podem lesar o uroepitélio gerando inflamações do trato urinário, predispondo o animal ao desenvolvimento de uma infecção bacteriana. A nefropatia familiar também pode ser considerada um fator predisponente para IRC, e entre as raças mais acometidas está a Lhasa Apso. Considera-se a glomerulonefrite (figura 3) uma das importantes causas de IRC, e geralmente é causada por complexos imunes dentro das paredes capilares glomerulares

4 Caso clínico 2010/1/11 página 4 que causam a lesão glomerular inicial. A IRC se desenvolve em um período de semanas, meses ou anos e seus sinais clínicos geralmente são relativamente discretos, entre eles podem ser citados perda de peso, polidipsia, poliúria, má condição corpórea, anemia não regenerativa e rins pequenos e irregulares (figura 5). A cistite pode ter diversas origens, sendo uma delas a urolitíase, que gera uma inflamação estéril do trato urinário, ou a de origem bacteriana. Ambas podem causar polaciúria (aumento da freqüência de micção) e disúria (dificuldade de micção). A piometra (figura 4) é um distúrbio do útero potencialmente letal, que pode ocorrer durante ou após o ciclo estral, devido ao aumento da atividade hormonal e modificações no trato reprodutivo, entre estas modificações podem ser citados o aumento no tamanho do útero (figura 5), dilatação da cérvix, crescimento e atividade secretória das glândulas endometriais e diminuição da atividade miometrial resultando em retenção de fluido luminal, todos influenciados pelo aumento da secreção de progesterona; assim, estas modificações geram condições para colonização por microorganismos possivelmente provenientes da cavidade vaginal (NELSON & COUTO, 2006). CONCLUSÕES De acordo com os resultados dos exames clínico, laboratorial e patológico o caso clínico sugere cistite, piometra e insuficiência renal crônica causada por glomerulonefrite. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS GONZÁLEZ, F.H.D.; SILVA, S.C.Introdução a bioquímica clínica veterinária.2.ed. Porto Alegre:Editora UFRGS, NELSON, R.W.; COUTO, C.G.Medicina interna de pequenos animais.3.ed. Rio de Janeiro:Elsevier, p. THRALL, M.A. et al. Hematologia e bioquímica clínica veterinária. São Paulo: Roca, p. FIGURAS Figura 1. Ecografia abdominal. As setas das imagens A e B indicam presença de cálculos vesicais e renal, respectivamente. ( 2010 Fábio Teixeira) Figura 2. Radiografia abdominal. As setas A e B indicam a presença de cálculos renal e vesical, respectivamente. ( 2010 Fábio Teixeira)

5 Caso clínico 2010/1/11 página 5 Figura 3. Corte Histológico do rim. A seta indica um glomérulo degenerado.coloração: hematoxilina-eosina; aumento de 200X. ( 2010 Angelica Wouters) Figura 4. Aspecto macroscópico dos rins e útero. A seta A indica piometra e a seta B indica presença de cálculos no rim esquerdo. ( 2010 Angelica Wouters) Figura 5. Aspecto macroscópico de rins e útero. As setas A e B indicam os rins esquerdo e direito respectivamente, evidenciando a diferença de tamanho entre eles e a seta C indica o útero com tamanho aumentado. ( 2010 Angelica Wouters)

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www.ufrgs.br/favet/bioquimica

Leia mais

LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho

LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho M. V. do Serviço de Clínica Médica de Pequenos Animais HOVET FMVZ USP Residência em Clínica e Cirurgia de Pequenos animais HOVET FMVZ USP Especialização em Clínica Médica FMVZ

Leia mais

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Inflamação Leucocitose fisiológica (epinefrina) Dor, medo, exercício Leucograma de estresse (glicocorticoide) Hiperadrenocorticismo, corticoterapia,

Leia mais

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Citologia Clínica Aula 9 Exame qualitativo de Urina Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Exame qualitativo da urina Diagnóstico de doença renal, no trato urinário, sistêmicas não relacionadas com o rim.

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UROLOGIA 21. Dentre os cristais urinários relacionados a seguir, aquele que tem significado patológico, quando visto na microscopia de pequeno aumento, durante um exame

Leia mais

Hemograma Material...: SANGUE COM E.D.T.A. Equipamento: PENTRA 120 DX

Hemograma Material...: SANGUE COM E.D.T.A. Equipamento: PENTRA 120 DX Nº OS 912499 Animal Shipo Data 23/01/2016 Canina - - Raça Dachshund Responsável Cid Kaeriyama Sexo Femea Dt. Nasc. 13/08/2007 Idade 8a 5m 10d Requisitante Rodrigo Ubukata Provet - Divino Salvador Av Divino

Leia mais

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso 535C5710 «$E9T"J0 03.362451.01.41:15 Setor Técnico Urinalise Emissão 03/10/2008 SUMARIO DE URINA Coleta: 03/10/2008 ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS Valores de referência Cor Amarelo claro Amarelo claro - amarelo

Leia mais

Hematologia. ESS Jean Piaget. Fisioterapia 2007-2008. Patologias Médicas II - Hematologia. Durante alguns módulos, iremos falar de princípios

Hematologia. ESS Jean Piaget. Fisioterapia 2007-2008. Patologias Médicas II - Hematologia. Durante alguns módulos, iremos falar de princípios ESS Jean Piaget Fisioterapia 2007-2008 Patologias Médicas II - Manuel Machado Durante alguns módulos, iremos falar de princípios básicos da hematologia - hematopoiese, estudo do hemograma, anemias (sua

Leia mais

TRATO URINÁRIO INFERIOR

TRATO URINÁRIO INFERIOR TRATO URINÁRIO INFERIOR Patologia Renal Rim Trato urinário inferior Alterações do desenvolvimento Alterações circulatórias Alterações degenerativas Alterações inflamatórias Alterações proliferativas Alterações

Leia mais

Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio

Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio 1 Generalidades As células corporais quando desempenham suas funções: Consome O 2 e nutrientes, Bem como produzem substâncias como

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato INSUFICIÊNCIA RENAL Profa. Dra.Monica Akemi Sato REVISÃO DE FISIOLOGIA RENAL FILTRAÇÃO GLOMERULAR TÚBULO PROXIMAL ALÇA DE HENLE CAPILAR GLOMERULAR ARTERÍOLA EFERENTE TUBULO PROXIMAL TUBULO DISTAL ESPAÇO

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema PROTEINÚRIA, HEMATÚRIA E GLOMERULOPATIAS Elaboradora Texto Introdutório Questão 1 Luciene Alves Silva, Biomédica, Gestora de Qualidade, Laboratório Central do Hospital do Rim e Hipertensão-Fundação

Leia mais

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO Aspectos Radiográficos Normais de Rins e Ureteres Visualização variável da imagem renal quanto ao número, forma, contorno, tamanho, posição e densidade (intermediária entre

Leia mais

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www6.ufrgs.br/bioquimica

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 SISTEMAS RENAL E URINÁRIO Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 CONSIDERAÇÕES GERAIS É de extrema importância para a vida a função adequada dos sistemas renal e urinário. A principal função

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Urinário Conceito As atividades metabólicas resultam na decomposição de proteínas, lipídeos e carboidratos.

Leia mais

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www.ufrgs.br/favet/bioquimica

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028 Telefone PABX (011) 3053-6611 e-mail hcor@hcor.com.br Dúvidas Técnicas Telefone PABX (011) 3053-6611 Ramal 2028 EQUIPE CLINIC CHECK UP Num. Pedido 050802886 10/08/2005 060000 Emissão 11/08/2005 135055

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28. T3 LIVRE Coleta: 18/11/2005 06:28. T4 - TETRAIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28

T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28. T3 LIVRE Coleta: 18/11/2005 06:28. T4 - TETRAIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28 AUTENTICIDADE: 755339 Set.Tecnico Imunoensaio T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28 Resultado 108.6 ng/dl Referencial: Criancas ate 5 anos 105.0 a 269.0 ng/dl 5 a 10 anos 94.0 a 241.0 ng/dl Maiores

Leia mais

Boletim Informativo 11 e 12-2009

Boletim Informativo 11 e 12-2009 PPEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS UUM FFEELLI IIZZ NNAATTAALL EE UUM ÓTTI IIMO 22001100 O Natal é um tempo para avaliação, renovação e reabastecimento de Deus E seu infinito amor.

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

SÓDIO: 140 meq/l [DATA DA COLETA : 19/11/13 07:00] Método...: Fotometria de chama Vlor. Ref.: 135 a 145 meq/l Material..: sangue

SÓDIO: 140 meq/l [DATA DA COLETA : 19/11/13 07:00] Método...: Fotometria de chama Vlor. Ref.: 135 a 145 meq/l Material..: sangue GLICEMIA DE JEJUM: 115 mg/dl Método...: Enzimático Vlor. Ref.: 65 a 99 mg/dl Material..: Plasma fluoretado RESULTADOS ANTERIORES: 06/09/13 = 110 mg/dl 02/08/13 = 97 mg/dl URÉIA: 32 mg/dl Método...: Enzimático

Leia mais

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral! Sistema Cardiovascular! Professor: Bruno Aleixo Venturi! O sistema cardiovascular ou é composto pelo coração

Leia mais

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o:

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o: HEMATOLOGIA DRª ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ERITROPOIESE Fenômeno com diversas fases, onde ocorre: Síntese de DNA Mitose Síntese de hemoglobina com incorporação de Fe Perda do núcleo e organelas Produto final:

Leia mais

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco.

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco. Função renal: excreção, controle do volume e composição dos líquidos corporais. Composto por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga urinária e pela uretra. Os rins situam-se na parte dorsal do

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções.

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. Possuímos dois rins que têm cor vermelho-escura, forma de grão de feijão e medem cerca de 12 cm em uma pessoa adulta.localizam-se na parte posterior

Leia mais

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza Patologia por imagem Abdome ProfºClaudio Souza Esplenomegalia Esplenomegalia ou megalosplenia é o aumento do volume do baço. O baço possui duas polpas que são constituídas por tecido mole, polpa branca

Leia mais

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma)

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) Introdução A função básica do sistema cardiovascular é comunicação das células entre si, produzindo um fluxo, e com o meio externo, havendo uma integração

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

HEMOGRAMA LUCAS WILBERT MARILIA DE N. C. BERGAMASCHI

HEMOGRAMA LUCAS WILBERT MARILIA DE N. C. BERGAMASCHI HEMOGRAMA ERITROGRAMA Hemácias milhões/mm3...: 4,67 4,00 a 5,10 Hemoglobina g/dl...: 13,00 11,20 a 15,10 Hematócrito %...: 37,80 34,00 a 43,00 Vol. Glob. Média em fl...: 80,94 78,00 a 92,00 Hem. Glob.

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaborador Texto Introdutório O EXAME DOS ELEMENTOS FIGURADOS DA URINA Adagmar Andriolo. Médico Patologista Clínico, Professor Livre Docente de Patologia Clínica do Departamento de Medicina - EPM

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução O sistema urinário é constituído pelos órgãos uropoéticos, isto é, incumbidos de elaborar a urina e armazená- la temporariamente até a oportunidade de ser eliminada para o exterior. Na urina

Leia mais

O nitrogênio é um dos elementos constituintes mais abundantes nos animais, junto com o Carbono, Hidrogênio, Oxigênio, Enxofre e Fósforo.

O nitrogênio é um dos elementos constituintes mais abundantes nos animais, junto com o Carbono, Hidrogênio, Oxigênio, Enxofre e Fósforo. SISTEMA EXCRETOR O nitrogênio é um dos elementos constituintes mais abundantes nos animais, junto com o Carbono, Hidrogênio, Oxigênio, Enxofre e Fósforo. O Nitrogênio do ar, não é fixado pelos animais,

Leia mais

HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO

HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO Daniela Brum Anatomia do Sistema Urinário Rins Ureteres Bexiga Uretra Sistema Urinário - Funções Filtrar o sangue removem, armazenam e transportam produtos residuais meio

Leia mais

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide Lipodistrofia Ginóide Estria Discromia Distúrbios inestéticos O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000)

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,08 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

URINÁLISE NA MEDICINA VETERINÁRIA

URINÁLISE NA MEDICINA VETERINÁRIA URINÁLISE NA MEDICINA VETERINÁRIA ROSA, Bruna Teixeira CAMPOS, Camila Poles ZANGIROLAMI FILHO, Darcio DALLA PALMA, Giuliano MARTINS, Irana Silva FERREIRA, Manoela Maria Gomes AVANTE, Michelle Lopes brubynha@hotmail.com

Leia mais

PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO LIVRE. PSA - ANTIGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO TOTAL

PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO LIVRE. PSA - ANTIGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO TOTAL AUTENTICIDADE: 31BA47 Set.Tecnico Imunoensaio PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/2004 07:05 PROSTÁTICO LIVRE Resultado 0.15 ng/ml Metodo: Eletroquimioluminescência (ECLIA) Referencial: Até 0.72 ng/ml

Leia mais

Após a leitura deste texto não deixe de ler também nossas outras postagens sobre exames laboratoriais:

Após a leitura deste texto não deixe de ler também nossas outras postagens sobre exames laboratoriais: Aula Prática Profa. Dra. Fernanda Ayala O exame de urina é usado como método diagnóstico complementar desde o século II. Trata-se de um exame indolor e de simples coleta, o que o torna muito menos penoso

Leia mais

Curso Básico de Hematologia para Iniciantes.

Curso Básico de Hematologia para Iniciantes. Curso Básico de Hematologia para Iniciantes. Por Esp. Joice Raposo Ferreira. Curso gratuito para interessados no assunto. Aqui serão abordados tópicos gerais, com o objetivo de iniciar o estudante na hematologia,

Leia mais

meropeném Novafarma Indústria Farmacêutica Ltda. Pó para solução injetável 500mg 1g Página 1 de 8

meropeném Novafarma Indústria Farmacêutica Ltda. Pó para solução injetável 500mg 1g Página 1 de 8 meropeném Novafarma Indústria Farmacêutica Ltda. Pó para solução injetável 500mg 1g Página 1 de 8 meropeném Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome genérico: meropeném

Leia mais

Sistema Urinário. Para eliminar estes resíduos, o organismo possui várias vias de eliminação

Sistema Urinário. Para eliminar estes resíduos, o organismo possui várias vias de eliminação Sistema Urinário Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional IV juliana.pinheiro@kroton.com.br O organismo animal depende de várias reações metabólicas para se manter vivo e saudável. Estas reações

Leia mais

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto)

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Tecido Sanguíneo Visão Geral Tecido conjuntivo líquido Circula pelo sistema cardiovascular Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Defesa imunológica (Leucócitos) Trocas

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E O que não é assimilado pelo organismo O que o organismo não assimila, isto é, os materiais inúteis ou prejudiciais ao seu funcionamento, deve ser eliminado.

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 13 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Vai e avisa a todo mundo que encontrar que ainda existe um sonho

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizesassistenciais INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Gilberto Gomes Ribeiro Francisco Edson de Lucena Feitosa IMPORTÂNCIA A infecção do trato

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL Função Renal Estrutura do Rim Macrosestrutura

FISIOLOGIA RENAL Função Renal Estrutura do Rim Macrosestrutura FISIOLOGIA RENAL Função Renal Excreção de subprodutos metabólicos Regulação do volume e composição do Líquido extra celular (LEC) Manutenção do equilíbrio ácido-básico e da pressão sanguínea Estímulo para

Leia mais

HEMOGRAMA COMPLETO

HEMOGRAMA COMPLETO ERITROGRAMA HEMOGRAMA COMPLETO REFERENCIAIS PARA ADULTOS ------------------------- Homem Mulher Hemácias em Milhoes/mL...: 4,58 4,5 a 6,5 3,9 a 5,8 Hemoglobina em gdl...: 14,7 13,5 a 18,0 11,5 a 16,4 Hematócrito

Leia mais

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www.ufrgs.br/favet/bioquimica

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL DAS AVES

FISIOLOGIA RENAL DAS AVES Disciplina de Fisiologia Veterinária FISIOLOGIA RENAL DAS AVES Prof. Fabio Otero Ascoli OBJETIVOS DA AULA Identificar principais semelhanças e diferenças com a fisiologia dos mamíferos Aprender sobre os

Leia mais

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Forum de Debates Sociedade Paulista de Reumatologia INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM PACIENTE COM LES Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Resumo do Caso Feminino, i 43 anos diagnóstico prévio

Leia mais

Sistema urinário. Sistema urinário. Rins localização. urinário

Sistema urinário. Sistema urinário. Rins localização. urinário Sistema urinário Sistema urinário urinário Rins remoção de produtos residuais, regula composição do plasma, função hormonal (renina, eritropoietina). Rins localização Ureteres -condução da urina Bexiga

Leia mais

SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l Material: Soro Anteriores:(11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o

SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l Material: Soro Anteriores:(11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o SÓDIO 139 meq/l Valores de ref erência: 134 a 147 meq/l (11/10/2016): 139 Método: Eletrodo Seletiv o POTÁSSIO 3,6 meq/l Valores de ref erência: 3,5 a 5,4 meq/l Método: Eletrodo Seletiv o URÉIA 37 mg/dl

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

Trabalho do sistema excretor

Trabalho do sistema excretor GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE PEDAGOGIA Trabalho do sistema excretor

Leia mais

Os Rins. Algumas funções dos Rins?

Os Rins. Algumas funções dos Rins? Os Rins Os Rins Algumas funções dos Rins? Elimina água e produtos resultantes do metabolismo como a ureia e a creatinina que, em excesso são tóxicas para o organismo; Permite o equilíbrio corporal de líquidos

Leia mais

Biologia. Móds. 41 ao 45 Setor 1423. Prof. Rafa

Biologia. Móds. 41 ao 45 Setor 1423. Prof. Rafa Biologia Móds. 41 ao 45 Setor 1423 Prof. Rafa SANGUE : tecido conjuntivo, que transporta nutrientes, gases, excretas, hormônios, atuando também na termorregulação e defesa Plasma (55%): água, íons, proteínas

Leia mais

ADAPTAÇÕES FISIOLÓGICAS À GRAVIDEZ. Mestrado integrado em Medicina FML 2008

ADAPTAÇÕES FISIOLÓGICAS À GRAVIDEZ. Mestrado integrado em Medicina FML 2008 ADAPTAÇÕES FISIOLÓGICAS À GRAVIDEZ Mestrado integrado em Medicina FML 2008 Adaptações do organismo materno à gravidez Hematológicas Cardiovasculares Urinárias Respiratórias Digestivas Endócrinas Pele e

Leia mais

Aluno (a): Turma: Data: / / Lista de exercícios de Ciências 8º ano

Aluno (a): Turma: Data: / / Lista de exercícios de Ciências 8º ano Aluno (a): Turma: Data: / / Lista de exercícios de Ciências 8º ano 1. Na pirâmide alimentar, que alimentos precisam ser consumidos em maior quantidade? a) Carboidratos complexos, como alimentos integrais

Leia mais

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA ANEMIAS SISTEMA HEMATOLÓGICO MEDULA ÓSSEA SANGUE LINFONODOS Volume: 7 a 10 % do peso corporal (cerca de 5 litros)

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UNIDADE FUNCIONAL PATOLOGIA E MEDICINA LABORATORIAL

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UNIDADE FUNCIONAL PATOLOGIA E MEDICINA LABORATORIAL Emissão: 28/06/2015 às 17:45 Fl.: 1 PROLACTINA Método: ELETROQUIMILUMINESCÊNCIA RESULTADO: 10,3 ng/ml V.R.: Mulher não grávida: 3,0-18,6 ng/ml Homens: 3,7-17,9 ng/ml SÓDIO MATERIAL: SANGUE Método: POTENCIOMÉTRICO

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. URINÁLISE CONSENSOS E CONTROVÉRSIAS Exame Físico - Químico Kaline Maria Nogueira de Lucena Fonseca Centro de Patologia Clínica Natal - RN Exame de

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS MATERIAL PRAZO DE ENTREGA ANIMAL PAT LAB HEMATOLOGIA

EXAMES LABORATORIAIS MATERIAL PRAZO DE ENTREGA ANIMAL PAT LAB HEMATOLOGIA TABELA DE EXAMES EXAMES LABORATORIAIS MATERIAL PRAZO DE ENTREGA Hemograma completo (eritrograma + leucograma + plaquetas + Ppt + Pesq hemoparasita) *** Exame encaminhado para laboratórios conveniados.

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

CAP. 08: TECIDO ÓSSEO E SISTEMA ESQUELÉTICO CAP. 09: TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CAP. 10: SISTEMA IMUNITÁRIO E LINFÁTICO

CAP. 08: TECIDO ÓSSEO E SISTEMA ESQUELÉTICO CAP. 09: TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CAP. 10: SISTEMA IMUNITÁRIO E LINFÁTICO CAP. 08: TECIDO ÓSSEO E SISTEMA ESQUELÉTICO CAP. 09: TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CAP. 10: SISTEMA IMUNITÁRIO E LINFÁTICO 1. A Figura I corresponde a uma etapa da ação da vitamina K no processo de

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Considerando os aspectos de preparo, coleta e transporte de amostras referentes a análises clínicas, julgue os itens a seguir. 41 O profissional que realizar a coleta de sangue por punção venosa deve permanecer

Leia mais

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015 Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar É constituído pela pele, tela subcutânea e seus anexos cutâneos Recobre quase toda superfície do corpo Profa Elaine C. S. Ovalle Arquitetura do Tegumento Funções do

Leia mais

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www.ufrgs.br/favet/bioquimica

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO 07/10/2008 PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO 07/10/2008 PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial (2%) PROTEÍNAS PLASMÁTICAS (7%) Albumina pressão coloidosmótica Globulinas α e β transporte e substrato δ imunidade,

Leia mais

Osteoporose. Disciplina de Fisiopatologia III Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Departamento de Analises Clínicas e Toxicológicas 27-09-07

Osteoporose. Disciplina de Fisiopatologia III Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Departamento de Analises Clínicas e Toxicológicas 27-09-07 FBC0417 - Fisiopatologia III Osteoporose Disciplina de Fisiopatologia III Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP Departamento de Analises Clínicas e Toxicológicas 27-09-07 Prof. Mario H. Hirata FCF-USP

Leia mais

Rascunhos de Um Acadêmico de Medicina Rafael Lessa

Rascunhos de Um Acadêmico de Medicina Rafael Lessa INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Em mulheres com sintomas de cistite não complicada, As ITUs são classificadas da seguinte forma: a bacteriúria significante é definida como > 10 2 UFC/mL da urina do jato médio

Leia mais

Caracterizada por queimação associada à irritação, ardência, prurido, dor ou edema, com duração de 3-6 meses.

Caracterizada por queimação associada à irritação, ardência, prurido, dor ou edema, com duração de 3-6 meses. Vulvodínia Isabel do Val Profª Ad. Ginecologia UFF- Patologia TGI e Colposcopia Presidente da ABPTGIC- Cap RJ Membro ISSVD IFCPC Member Educational Committee Dor Vulvar Caracterizada por queimação associada

Leia mais

Histologia Animal. multicelularidade. tecido. parazoários eumetazoários. conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função.

Histologia Animal. multicelularidade. tecido. parazoários eumetazoários. conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função. Histologia Animal multicelularidade parazoários eumetazoários tecido conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função. Histologia Animal Nos vertebrados, quatro tipos principais:

Leia mais

BIOLOGIA SISTEMA EXCRETOR

BIOLOGIA SISTEMA EXCRETOR BIOLOGIA Prof. Helder SISTEMA EXCRETOR ANATOMIA O sistema excretor é formado por um conjunto de órgãos que filtram o sangue, produzem e excretam a urina - o principal líquido de excreção do organismo.

Leia mais

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg MICARDIS (telmisartana) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg Micardis telmisartana APRESENTAÇÕES Comprimidos de 40 mg e 80 mg: embalagens com 10 ou 30 comprimidos

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Escola de Veterinária e Zootecnia Departamento de Medicina Veterinária. Clínica de Grandes Animais.

Universidade Federal de Goiás Escola de Veterinária e Zootecnia Departamento de Medicina Veterinária. Clínica de Grandes Animais. Universidade Federal de Goiás Escola de Veterinária e Zootecnia Departamento de Medicina Veterinária Clínica de Grandes Animais Sistema Urinário Profa Maria Clorinda Soares Fioravanti Sistema Excretor

Leia mais

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínica (VET03121) http://www6.ufrgs.br/bioquimica

Leia mais

Faculdade de Medicina de Lisboa Cadeira de Pediatria II Dra. Ana Paula Mourato

Faculdade de Medicina de Lisboa Cadeira de Pediatria II Dra. Ana Paula Mourato Faculdade de Medicina de Lisboa Cadeira de Pediatria II Dra. Ana Paula Mourato Amorim, Carla; Bello, Iria; Carvalho, Vanessa; Esteves, Andreia; Neto, Diana; Nóbrega, Joana; Peças, Sofia; Teixeira, Cristina;

Leia mais

No. do Exame 001/ Data Entrada..: 20/01/2017

No. do Exame 001/ Data Entrada..: 20/01/2017 HEMOGRAMA SÉRIE VERMELHA VALORES OBTIDOS VALORES DE REFERÊNCIA UNIDADES ERITRÓCITOS 6,48 5,00-8,00 milhões/mm3 HEMOGLOBINA 15,00 12,00-18,00 g/dl HEMATÓCRITO 43,60 37,00-54,00 % V.C.M. 67,28 60,00-77,00

Leia mais

Rocephin 500 mg/2 ml pó e solvente para solução injetável Ceftriaxona (na forma de Ceftriaxona Sódica)

Rocephin 500 mg/2 ml pó e solvente para solução injetável Ceftriaxona (na forma de Ceftriaxona Sódica) Folheto informativo: Informação para o utilizador Rocephin 500 mg/2 ml pó e solvente para solução injetável Ceftriaxona (na forma de Ceftriaxona Sódica) Leia com atenção todo este folheto antes de começar

Leia mais

HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO

HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO ARYENNE KAROLYNNE DE OLIVEIRA 1, GABRIELA RODRIGUES SAMPAIO 2, JOSÉ ARTHUR DE ABREU CAMASSA 3, FERNANDO YOITI KITAMURA KAWAMOTO 4, PAULA

Leia mais

Abordagem do Paciente Renal F J Werneck

Abordagem do Paciente Renal F J Werneck Síndromes Nefrológicas Síndrome infecciosa: Infecciosa Nefrítica Nefrótica Urêmica Hipertensiva Calculosa - infecção do trato urinário alta: pielonefrite - Infecção do trato urinário baixa: cistite, uretrite

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÓPICOS ABORDADOS Resumo das alterações já abordadas: Hemorragia Hiperemia Trombose

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria SUSPEITANDO DE INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA

Leia mais

Kavit fitomenadiona. Solução Injetável 10 mg/ml. Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Kavit fitomenadiona. Solução Injetável 10 mg/ml. Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Kavit fitomenadiona Solução Injetável 10 mg/ml Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO KAVIT fitomenadiona APRESENTAÇÃO Caixa contendo

Leia mais

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica.

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica. 11 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Anemia Abordagem Diagnóstica Definição É a redução, abaixo do normal, da concentração de hemoglobina circulante total. A anemia não é um diagnóstico de

Leia mais

Histologia e Genética

Histologia e Genética Histologia e Genética Sangue Tecido Conjuntivo Sanguíneo Sistema ABO Sistema RH Sistema MN Sangue Tecido Conjuntivo Sanguíneo O sangue é o sistema de transporte interno de todos os vertebrados e de vários

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

O CICLO DO ERITRÓCITO

O CICLO DO ERITRÓCITO O CICLO DO ERITRÓCITO Rassan Dyego Romão Silva Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia GO Brasil rassandyego@hotmail.com Orientador: Amarildo Lemos Dias de Moura RESUMO: Os eritrócitos são discos

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFº EDUARDO

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 16: Sistema circulatório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFº EDUARDO As funções realizadas pela circulação do sangue são indispensáveis para o equilíbrio de nosso corpo e vitais para

Leia mais

Neoplasias Renais e das Vias Excretoras. Dr.Daniel Bekhor

Neoplasias Renais e das Vias Excretoras. Dr.Daniel Bekhor Neoplasias Renais e das Vias Excretoras Dr.Daniel Bekhor CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Diagnóstico por imagem Neoplasias benignas Neoplasias malignas Sugestão de algoritmo de exames ANATOMIA Gore RM et al. The

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO

INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO INTRODUÇÃO ITU invasão por microorganismos que desencadeiam resposta inflamatória. Bactérias que atingem via ascendente, hematogência ou linfática Cistite : mucosa vesical -

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br 01. Sabe-se que a esteatose hepática é resultante de depósito intracelular de triglicerídeo no hepatócitos e seu aspecto ultra-sonográfico já é bastante conhecido. Qual das questões abaixo é a mais correta

Leia mais