Boletim Informativo 11 e

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim Informativo 11 e 12-2009"

Transcrição

1 PPEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS UUM FFEELLI IIZZ NNAATTAALL EE UUM ÓTTI IIMO O Natal é um tempo para avaliação, renovação e reabastecimento de Deus E seu infinito amor. Uma época para agradecer pelo amor, pela paz e por tudo que semeamos Justiça, fraternidade, união... alimentos da alma e do coração. Que em sua vida, este Natal não seja feito apenas de cores e comidas, luzes, prazeres, bebidas... Que haja partilha e esperança sem o que será mera ilusão. Que o Natal do Senhor seja de fato uma oportunidade para reflexão Onde coloquemos a solidariedade como ideal Para que em nenhuma mesa falte o pão e em todos os corações reine o amor! Um feliz Natal e um ótimo São os votos da Equipe PET IMAGEM

2 NNOVVAA TTAABBEELLAA DDEE SSEERRVVI IIÇOSS EE PPRREEÇOSS PPAARRAA Já estamos encaminhando a todos os médicos veterinários nossa nova tabela de serviços e preços que estará vigente a partir de 01/01/2010. Para maior comodidade e facilidade fizemos algumas alterações no seu formato e dispomos mais serviços e sugestões para diagnósticos. Caso ainda não tenha recebido entre em contato conosco e solicite. Juntamente com a nova tabela também dispomos requisições novas que acompanham este novo formato. Este material também estará disponível em nosso site ou.br. CAALL EENN DDÁÁ RRI IIO DDEE FFUUNNCI IIONNAAMEENNTTO NNO PPEERRÍ ÍÍODDO DDEE FFEESSTTAASS Estaremos funcionando normalmente até o dia 23 de dezembro conforme nossa rotina. Do período de 24 de dezembro a 04 de janeiro estaremos em recesso. A partir de 5 de janeiro de 2010 voltaremos em pleno funcionamento com novos serviços e uma nova proposta para parcerias. MAATTÉÉRR IIAA I TTÉÉC NNI IICAA DDO MÊÊSS Dra. Danielle Murad Tullio Membro do Colégio Brasileiro de Radiologia Veterinária AVALIAÇÃO RENAL URÉIA, CREATININA E RELAÇÃO PROTEÍNA: CREATININA NA URINA Os rins se encontram entre os órgãos de importância vital para o corpo, sendo suas principais funções a excreção dos produtos finais do metabolismo tissular, e a manutenção da homeostasia mantendo o equilíbrio hidromineral, intensificando ou reduzindo, de acordo com as necessidades, a eliminação de água, íons e eletrólitos. Tal capacidade depende da atividade funcional dos túbulos, enquanto o controle de excreção de produtos finais metabólicos é função dos glomérulos. A eficiência renal depende da integridade funcional de cada néfron e pode ocorrer insuficiência devida à anormalidade no fluxo sanguíneo renal, na filtração glomerular e na eficiência da reabsorção e secreção tubular.

3 Para o diagnóstico da lesão glomerular normalmente utilizamos a dosagem de uréia e creatinina plasmática. Porém, essas substâncias só identificam uma lesão renal quando 75 % dos néfrons estão afuncionais, não sendo favorável já que o desejado é um diagnóstico precoce de qualquer lesão glomerular para que seja evitada a insuficiência renal. Quando a lesão glomerular é diagnosticada precocemente é possível estabelecer uma dieta apropriada ao paciente renal e também protegê-lo do uso de medicamentos que podem levar a uma progressão da enfermidade. A insuficiência renal é apenas uma entre várias condições que podem afetar as concentrações plasmáticas de uréia e creatinina. Existem fatores extra renais que alteram as concentrações e por isso, devemos ter em mente todas as possibilidades até que um diagnóstico definitivo seja feito e considerar quais outros exames mais específicos podem ajudar a esclarecer a situação em cada caso. O melhor teste para avaliar a função renal é a medição da taxa de filtração glomerular (TFG). A determinação da eliminação urinária da creatinina é uma boa forma para estimá-la, pois em estado de equilíbrio sua velocidade de excreção é relativamente constante e a sua concentração sérica varia inversamente com a TFG. Quando os néfrons se tornam afuncionantes, ocorre um aumento na perda de albumina através da membrana glomerular. Com isso, haverá a excreção constante de pequenas quantidades de proteína e um teste mais sensível deverá ser realizado para detectar esta perda mais precisamente. URÉIA E CREATININA A uréia é um produto metabólico nitrogenado sintetizado no fígado, através do ciclo da ornitina, a partir da amônia derivada do catabolismo dos aminoácidos originados de proteínas endógenas e exógenas, e depois de formada é transportada pelo plasma até os rins, onde é excretada na urina. Quando há desidratação e depleção de volume, há uma diminuição da velocidade do fluxo tubular sujeitando a uréia à reabsorção passiva tubular, diminuindo a sua eliminação sem que haja concomitante decréscimo TFG. Assim, a eliminação de uréia não é estimativa confiável da TFG e sua concentração pode ser afetada por vários fatores diferentes, onde o mais importante é o fator renal causado pela insuficiência renal. Os valores de uréia podem estar aumentados ou diminuídos dependendo do estado do animal e fatores pré-renais e pós-renais conforme abaixo: - fatores pré-renais: alimentação rica em proteína, deficiência de carboidratos, sangramento gastrointestinal onde o sangue é uma fonte de proteína endógena, estados catabólicos como nos casos de neoplasias, insuficiência cardíaca congestiva, hipovolemia que pode ser causada por desidratação ou síndrome de Addison. - fatores pós-renais: obstrução uretral e a ruptura de bexiga onde nesses casos a uréia é reabsorvida pela corrente sanguínea. A diminuição da uréia ocorre devido a deficiência protéica, septicemia grave, problemas hormonais com efeitos anabólicos esteróides, ou falha no ciclo da uréia devido a alteração congênita no metabolismo, desvio portocaval congênito ou doença hepática em estágio terminal. A insuficiência renal é apenas uma entre várias condições que podem afetar as concentrações plasmáticas de uréia e por isso, devemos ter em mente todas as possibilidades até que

4 um diagnóstico definitivo seja feito e considerar vários outros exames mais específicos podem ajudar a esclarecer a situação. A creatinina é o produto da degradação não enzimática da fosfocreatina no músculo, que está envolvida no metabolismo energético, particularmente na estabilização de ligações de fosfato de alta energia não necessárias para uso imediato. A produção diária de creatinina no corpo é determinada em grande parte pela massa muscular do indivíduo e não é afetada apreciavelmente pela dieta. A creatinina não é metabolizada e é excretada pelos rins quase que inteiramente por filtração glomerular. Em estado de equilíbrio, sua velocidade de excreção é relativamente constante e a concentração sérica de creatinina varia inversamente com a TFG, sendo assim, a determinação da eliminação da creatinina é uma boa forma para estimar TFG. O aumento da creatinina no sangue ocorre em todas as patologias renais em que há diminuição da taxa de filtração glomerular, enquanto a sua diminuição não tem significado clínico. DENSIDADE URINÁRIA A densidade urinária é um dos itens mais importantes para a avaliação da função tubular, a qual é responsável pela propriedade de concentrar urina através das trocas de água e soluto. Ela é definida como o peso de uma solução, comparado ao volume igual de água destilada. Apesar de este indicador necessitar do número e do peso molecular das partículas, é vantajoso, pois o equipamento necessário para sua mensuração é simples e barato. O valor normal da densidade urinária em cães varia de a Quando ocorre uma diminuição neste valor, entre 1010 e 1012, estará em intervalo isostenúrico onde a densidade da urina é igual a do ultrafiltrado plasmático e ocorre, na maioria das vezes, quando há um processo renal crônico onde os néfrons perderam, parcial ou totalmente, a capacidade de concentração da urina devido a lesões irreversíveis. Uma densidade específica maior do que no cão sugere uma adequada habilidade em concentrar. Apesar da doença renal ser uma das causas da densidade baixa, muitos outros fatores, tais como a excessiva ingestão de fluido, a terapia com diuréticos e a administração de fluidos devem ser considerados.

5 PROTEINÚRIA A urina normal é geralmente negativa quando testada para proteínas, pois os túbulos renais reabsorvem toda proteína que atinge o filtrado glomerular. Numa urina concentrada, onde a densidade específica é maior que 1.050, reações de traços a uma cruz podem ser normais. Uma pequena quantidade de proteína está presente na urina do cão. Esta quantidade encontrada na urina normal é determinada pela passagem normal de proteínas através dos capilares glomerulares, da reabsorção protéica pelos túbulos proximais, e decorrentes da adição de proteínas ao filtrado durante sua passagem pelos túbulos, pélvis, ureteres, bexiga, uretra e trato genital. Essa quantidade de proteína não é detectada pelos testes de rotina. A presença de proteína na urina é chamada proteinúria e pode ser classificada com base em sua origem como pré-renal renal ou pós-renal. A proteinúria renal é indicativa de enfermidade glomerular, pois normalmente a barreira de filtração constituída pela parede capilar glomerular impede a passagem de proteínas para o líquido tubular. A proteinúria de origem renal pode ser de suave a moderada ou grave. A proteína encontrada na urina é principalmente a albumina em função do seu pequeno tamanho molecular que conseqüentemente escapa com maior facilidade através glomérulo. A proteinúria ocorre: a. insuficiência renal crônica, que não é tão acentuada, pois a poliúria associada resulta numa diluição da proteína; b. nefrite intersticial aguda; c. nefrite intersticial crônica, onde apenas as proteínas de baixo peso molecular que não foram reabsorvidas aparecerão na urina; d. glomerulonefrite, onde a proteína atravessa a membrana glomerular e só ocorre a reabsorção das proteínas de baixo peso molecular, apresentando uma importante proteinúria; e. amiloidose renal, pois os capilares glomerulares apresentam uma alteração em sua permeabilidade seletiva; f. Síndrome de Fanconi onde a proteinúria resulta de uma alteração tubular aguda; g. doenças infecciosas, como a leptospirose, h. distúrbios circulatórios, como traumas, infartos renais ou choque, que levam a reflexo nos rins. Casos de proteinúria pré-renal são observados quando: a. há destruição de massa muscular e de hemácias, liberando na circulação mioglobina e hemoglobina respectivamente, b. hiperproteinemia devido a administração parenteral de plasma ou aumento anormal na produção de imunoglobulinas, como por exemplo, a proteína de Bence-Jones, que é um polipeptídeo de cadeia curta liberado em casos de mieloma múltiplo, e macroglobulinemia de distúrbios linfoproliferativos.

6 A proteinúria pós-renal geralmente tem como causas: a. lesões inflamatórias nas porções restantes do trato urinário, caracterizada pela presença de células inflamatórias, incluindo corrimento e pus como nos casos de prostatite e piometrite; b. cilindros granulares ou céreos na urina e secreções naturais. Na ausência dos indicadores destas anormalidades do sedimento, a proteinúria resulta provavelmente dos danos e do escapamento glomerular. A proteinúria também pode ocorrer de forma normal como conseqüência de exercício violento, no estro, na gestação, ou nos primeiros dias de vida do animal quando este é alimentado com colostro. Uma proteinúria persistente, de grau moderado a intenso, na ausência de anormalidades do sedimento, é altamente sugestiva de afecção glomerular. Se a proteinúria é leve a moderada, mas há presença de sedimento ativo, considerar a possibilidade de afecção renal inflamatória ou de trato urinário inferior. Inicialmente, a determinação da proteína na urinálise é realizada através de tiras reagentes, que são mais sensíveis à albumina que as outras proteínas. Pode haver resultados falso-positivos devido a urinas altamente alcalinas, contaminação por compostos de amônio quaternário ou clorexidina, ou imersão prolongada da tira na urina, o que dilui o tampão citrato, o teste da tira reagente é um método qualitativo e comparando uma urina concentrada com outra diluída que apresentam o mesmo resultado, maior quantidade de proteína pode estar sendo perdida em uma urina diluída, logo, a proteinúria deve ser avaliada a luz da densidade específica urinária. A microalbuminúria refere-se a um aumento menor na concentração de albumina na urina, que aqueles teoricamente detectáveis pelas tiras reagentes comerciais. A detecção da microalbuminúria pode permitir uma intervenção precoce, prevenindo ou diminuindo a progressão para uma lesão glomerular evidente. As tiras reagentes desenvolvidas para investigação de microalbuminúria em urinas de humanos apresentam pouca sensibilidade para uso em urina de cães, não apresentando, portanto, acurácia suficiente para serem utilizadas como método de investigação seguro para a microalbuminúria em cães. Os autores chamaram a atenção ainda que as albuminas canina e humana sejam altamente homólogas, entretanto pode haver diferenças específicas que levam a falha na detecção da albumina na urina do cão e também pode haver fatores que alteram a reação de mudança de cor da tira reagente. Todas as amostras positivas para proteína no teste com tiras reagentes deverão ser submetidas a um segundo procedimento analítico. Métodos quantitativos para medição de proteína deverão levar em consideração a eliminação de urina em 24 horas, para permitir uma maior confiabilidade do teste. Quando executada de forma apropriada, a coleta de urina de 24 horas é o método mais preciso para determinação da excreção protéica urinária diária no cão, porque a variabilidade causada pela concentração em um momento específico do dia é eliminada. A medição quantitativa da excreção protéica urinária pode ser determinada em um período de coleta de 24 horas, porém este tipo de coleta exige uma gaiola de metabolismo e a prolongada cateterização vesical para assegurar a exatidão da coleta, o que poderá levar a infecções do trato urinário. Outras desvantagens seriam a perda inadvertida de uma alíquota da amostra, cuidados especiais com o paciente e um atraso de pelo menos 24 horas na quantificação da magnitude da perda protéica diária.

7 A relação Proteína/Creatinina Urinária (P/C U) é um meio bastante útil para estimativa da magnitude da proteinúria no cão, demonstrou possuir uma forte correlação com a determinação da proteína urinaria em 24 horas e também se mostrou sensível na detecção de doença glomerular discreta. A determinação desta relação elimina a necessidade de coleta de urina de 24 horas, pois a determinação da concentração de proteína e creatinina é feita em uma única amostra, aleatória e de volume indeterminado. A coleta de uma amostra simples de urina para estimativa de perda protéica urinária diária é um atrativo do ponto de vista da facilidade e simplicidade oferecidas. A relação P/C U, como método de triagem, mostrou 100% de sensibilidade e especificidade, além de ser um método rápido e confiável para o diagnóstico de amplo alcance da excreção protéica diária. Quando esta relação é utilizada para avaliação de cães sem processos inflamatórios ou sedimentoscopia alterada, será possível prever quantitativamente a magnitude da perda protéica renal diária. A relação P/C U apresenta maior precisão que os métodos que utilizam tiras reagentes, porém uma urinálise completa da mesma amostra deve ser realizada para se investigar a possibilidade de ocorrência de hematúria ou piúria, que podem alterar a avaliação dos resultados, pois na prática clínica veterinária, a proteinúria é comumente detectada em urinas que apresentam citologia evidente de inflamação do trato urinário. A relação P/C U é útil na determinação quantitativa da proteinúria em uma única amostra de urina em cães que as únicas alterações observadas são a proteinúria e raros cilindros. Foi demonstrado que uma considerável contaminação da urina com sangue aumenta a relação P/C U, invalidando sua utilidade para a diagnose da proteinúria renal, pois a relação P/C U aumentam a níveis observados na proteinúria nefrótica. Porém a contaminação urinária com uma pequena quantidade de sangue (como por exemplo, o encontro de 5 a 20 hemácias por campo, em aumento de 400 vezes, na sedimentoscopia) pode não afetar substancialmente a utilidade diagnóstica da relação P/C U observada nas severas perdas protéicas oriundas de nefropatias, tornando o exame do sedimento urinário imprescindível para esta diferenciação. A relação P/C U deve ser avaliada com cuidado quando há piúria significativa, pois pode haver um grande aumento nesta relação quando o exsudato inflamatório é marcante. Com relação a processos hemorrágicos provocados pela cistocentese, estes autores relatam que não há alteração significativa na concentração urinária de proteína ou na relação P/C U, mesmo quando grandes quantidades de sangue são detectadas pelas fitas. Variações diárias não foram estudadas, portanto a relação P/C U não apresenta utilidade em monitorar a progressão da lesão glomerular. Esta relação também não fornece informação sobre a origem da proteinúria, apenas a quantifica. O uso da relação P/C U em uma única amostra de urina para prever a perda quantitativa de proteína urinária é baseada na premissa de que ao longo do dia, a depuração protéica renal se dá de forma constante e a excreção de creatinina urinária também se apresenta constante na presença da taxa de filtração glomerular estável. A concentração tubular da urina aumenta a concentração de creatinina, assim como a concentração de proteína. A concentração de creatinina possui discretas variações ao longo do dia, provavelmente devido a alterações na TFG. Como a excreção protéica no cão também é justamente constante ao longo do dia, esta também sofre influência da TFG, portanto, a relação da proteína urinária com a creatinina urinária em uma única amostra de urina, coletada a qualquer momento do dia, deve se correlacionar bem com o total de proteína excretado em um período de vinte e quatro horas. Correlacionando-se a

8 quantidade de proteína urinária e de creatinina urinária, variações no volume e na densidade específica da urina são anuladas. Em cães os valores obtidos para a relação P/C U não recebem influência do sexo do animal, do método de coleta, do estado de jejum ou saciedade, nem mesmo do momento da coleta. Em cães machos, o acúmulo normal de material protéico adicionado à urina durante a micção espontânea pode aumentar a quantidade de proteína eliminada, o que pode invalidar a relação P/C U em amostras oriundas de micção espontânea em cães machos. Esta adição está presente tanto no cão que apresenta lesão glomerular como no cão sem patologia, havendo, portanto uma anulação da influência desta proteína na determinação da proteinúria. A estimativa da perda protéica pode ser realizada pela relação P/C U quando pelo menos nove horas tenham se passado desde a última micção do cão. Variáveis que influenciam a relação P/C U como a excreção de creatinina, a estabilidade da TFG e a concentração sérica de albumina deverão ser consideradas, principalmente a hipoalbuminemia severa que poderá invalidar a relação para detecção de lesão glomerular discreta, resultante de um aparente decréscimo na eliminação de proteína pela urina decorrente do agravamento da lesão glomerular. Mudanças rápidas na função renal de cães com lesão renal aguda podem alterar drasticamente a confiabilidade da relação P/C U em detectar e estimar a proteinúria. Para estes autores a aplicação do método da relação P/C U para detecção e estimação quantitativa da proteinúria canina deverá ser restringida a técnica de triagem em casos suspeitos de proteinúria renal e para análise seqüencial de urina após diagnóstico de proteinúria renal pela coleta acurada de urina de 24 horas. A substituição dos métodos como o clearance de creatinina e a proteinúria de 24 horas pela relação P/C U na triagem e na abordagem inicial da função glomerular poderá fornecer inúmeras vantagens entre elas a precocidade e a praticidade. Espero que tenham aproveitado o assunto e um ótimo trabalho a todos.

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Citologia Clínica Aula 9 Exame qualitativo de Urina Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Exame qualitativo da urina Diagnóstico de doença renal, no trato urinário, sistêmicas não relacionadas com o rim.

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Urinário Conceito As atividades metabólicas resultam na decomposição de proteínas, lipídeos e carboidratos.

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. URINÁLISE CONSENSOS E CONTROVÉRSIAS Exame Físico - Químico Kaline Maria Nogueira de Lucena Fonseca Centro de Patologia Clínica Natal - RN Exame de

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções.

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. Possuímos dois rins que têm cor vermelho-escura, forma de grão de feijão e medem cerca de 12 cm em uma pessoa adulta.localizam-se na parte posterior

Leia mais

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco.

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco. Função renal: excreção, controle do volume e composição dos líquidos corporais. Composto por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga urinária e pela uretra. Os rins situam-se na parte dorsal do

Leia mais

APARELHO EXCRETOR HUMANO

APARELHO EXCRETOR HUMANO Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Aparelho Excretor Humano APARELHO EXCRETOR HUMANO O descarte dos produtos indesejáveis e a regulação hidrossalina

Leia mais

Mecanismos renais de absorção e equilíbrio ácido-básico

Mecanismos renais de absorção e equilíbrio ácido-básico Mecanismos renais de absorção e equilíbrio ácido-básico A absorção no túbulo contornado proximal A característica base do túbulo contornado proximal é reabsorção ativa de sódio, com gasto energético, na

Leia mais

Qual o tamanho da próstata?

Qual o tamanho da próstata? É o aumento benigno do volume da próstata. A próstata é uma glândula situada na parte inferior da bexiga e anterior ao reto. No seu interior passa a uretra (o canal pelo qual a urina é eliminada do corpo).

Leia mais

41 Por que não bebemos água do mar?

41 Por que não bebemos água do mar? A U A UL LA Por que não bebemos água do mar? Férias no verão! Que maravilha! Ir à praia, tomar um solzinho, nadar e descansar um pouco do trabalho. Enquanto estamos na praia nos divertindo, não devemos

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema PROTEINÚRIA, HEMATÚRIA E GLOMERULOPATIAS Elaboradora Texto Introdutório Questão 1 Luciene Alves Silva, Biomédica, Gestora de Qualidade, Laboratório Central do Hospital do Rim e Hipertensão-Fundação

Leia mais

Boletim Informativo 7 e 8-2009

Boletim Informativo 7 e 8-2009 PPEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS BBOAASS DDI IICAASS PPAARRAA OSS EEXXAAMEESS DDEE LLAABBORRAATTÓRRI IIO CLLÍ ÍÍNNI IICO Vamos resumir aqui algumas perguntas freqüentes e interessantes

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato INSUFICIÊNCIA RENAL Profa. Dra.Monica Akemi Sato REVISÃO DE FISIOLOGIA RENAL FILTRAÇÃO GLOMERULAR TÚBULO PROXIMAL ALÇA DE HENLE CAPILAR GLOMERULAR ARTERÍOLA EFERENTE TUBULO PROXIMAL TUBULO DISTAL ESPAÇO

Leia mais

BIOLOGIA SISTEMA EXCRETOR

BIOLOGIA SISTEMA EXCRETOR BIOLOGIA Prof. Helder SISTEMA EXCRETOR ANATOMIA O sistema excretor é formado por um conjunto de órgãos que filtram o sangue, produzem e excretam a urina - o principal líquido de excreção do organismo.

Leia mais

CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL

CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL Prof. Hélder Mauad CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL São variáveis e sujeitas a controle fisiológico São variáveis e sujeitas a controle fisiológico 1. Sistema Nervoso

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Após a leitura deste texto não deixe de ler também nossas outras postagens sobre exames laboratoriais:

Após a leitura deste texto não deixe de ler também nossas outras postagens sobre exames laboratoriais: Aula Prática Profa. Dra. Fernanda Ayala O exame de urina é usado como método diagnóstico complementar desde o século II. Trata-se de um exame indolor e de simples coleta, o que o torna muito menos penoso

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E O que não é assimilado pelo organismo O que o organismo não assimila, isto é, os materiais inúteis ou prejudiciais ao seu funcionamento, deve ser eliminado.

Leia mais

Boletim Informativo 1 e 2-2010

Boletim Informativo 1 e 2-2010 PPEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS UUM ÓTTI IIMO 22001100 Em nosso primeiro boletim desejamos a todos nossos colegas um ano de 2010 muito bom e com muito sucesso. Bom trabalho a

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

A URINÁLISE NO DIAGNÓSTICO DE DOENÇAS RENAIS 1

A URINÁLISE NO DIAGNÓSTICO DE DOENÇAS RENAIS 1 A URINÁLISE NO DIAGNÓSTICO DE DOENÇAS RENAIS 1 Introdução A urinálise é um teste laboratorial simples, não invasivo e de baixo custo que pode rapidamente fornecer valiosas informações a respeito do trato

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS.

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS. INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E CRÔNICA: CAUSAS E ACHADOS LABORATORIAIS. Jair Oliveira Rodrigues; Matheus Gonçalves de Sousa; Mithally Suanne Ribeiro Rocha; Rodrigo da Silva Santos Instituto de Ciências da

Leia mais

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS GLICOCORTICÓIDES - Hormônios esteroidais: Hormônios sexuais e Hormônios do Córtex da Adrenal. - Hormônios do Córtex da Adrenal: o Adrenocorticosteróides [glicocorticóides e (cortisol) e Mineralocorticóides

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

Os Rins. Algumas funções dos Rins?

Os Rins. Algumas funções dos Rins? Os Rins Os Rins Algumas funções dos Rins? Elimina água e produtos resultantes do metabolismo como a ureia e a creatinina que, em excesso são tóxicas para o organismo; Permite o equilíbrio corporal de líquidos

Leia mais

Reologia e Mecanismos de Edema

Reologia e Mecanismos de Edema Conceitos Reologia é o estudo do fluxo. Um aspecto importante a ser considerado é a viscosidade sanguínea, que diz respeito à maior ou menor facilidade de fluxo, maior ou menor atrito durante o fluxo sanguíneo.

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução O sistema urinário é constituído pelos órgãos uropoéticos, isto é, incumbidos de elaborar a urina e armazená- la temporariamente até a oportunidade de ser eliminada para o exterior. Na urina

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL DAS AVES

FISIOLOGIA RENAL DAS AVES Disciplina de Fisiologia Veterinária FISIOLOGIA RENAL DAS AVES Prof. Fabio Otero Ascoli OBJETIVOS DA AULA Identificar principais semelhanças e diferenças com a fisiologia dos mamíferos Aprender sobre os

Leia mais

Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker

Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker As distrofias musculares de Duchenne e de Becker as

Leia mais

Profs. Nolinha e Thomaz

Profs. Nolinha e Thomaz 1 TREINAMENTO DE QUESTÕES DISCURSIVAS () Profs. Nolinha e Thomaz QUESTÃO 01 Um pesquisador realizou um experimento para verificar a influência da bainha de mielina na velocidade de condução do impulso

Leia mais

O nitrogênio é um dos elementos constituintes mais abundantes nos animais, junto com o Carbono, Hidrogênio, Oxigênio, Enxofre e Fósforo.

O nitrogênio é um dos elementos constituintes mais abundantes nos animais, junto com o Carbono, Hidrogênio, Oxigênio, Enxofre e Fósforo. SISTEMA EXCRETOR O nitrogênio é um dos elementos constituintes mais abundantes nos animais, junto com o Carbono, Hidrogênio, Oxigênio, Enxofre e Fósforo. O Nitrogênio do ar, não é fixado pelos animais,

Leia mais

Depuração da Creatinina

Depuração da Creatinina Depuração da Creatinina Importância fisiológica A creatinina é um composto orgânico nitrogenado e não-protéico formado a partir da desidratação da creatina. A creatina é sintetizada nos rins, fígado e

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana APRESENTAÇÃO Alburex 20: embalagem contendo 1 frasco-ampola com 50 ml de solução hiperoncótica de albumina humana para infusão (20%). VIA INTRAVENOSA

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio

Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio 1 Generalidades As células corporais quando desempenham suas funções: Consome O 2 e nutrientes, Bem como produzem substâncias como

Leia mais

DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA Sex, 28 de Agosto de 2009 19:57 - Última atualização Sáb, 21 de Agosto de 2010 19:16

DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA Sex, 28 de Agosto de 2009 19:57 - Última atualização Sáb, 21 de Agosto de 2010 19:16 DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA A tensão do dia a dia é a causa mais freqüente das dores de cabeça mas, elas poderem aparecer por diversas causas e não escolhem idade e sexo. Fique sabendo, lendo este artigo,

Leia mais

MARCADORES CARDÍACOS

MARCADORES CARDÍACOS Maria Alice Vieira Willrich, MSc Farmacêutica Bioquímica Mestre em Análises Clínicas pela Universidade de São Paulo Diretora técnica do A Síndrome Coronariana Aguda MARCADORES CARDÍACOS A síndrome coronariana

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II

ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II NESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II A Terapêutica é um torrencial de Drogas das quais não se sabe nada em um paciente de que

Leia mais

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 SISTEMAS RENAL E URINÁRIO Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 CONSIDERAÇÕES GERAIS É de extrema importância para a vida a função adequada dos sistemas renal e urinário. A principal função

Leia mais

Membranas Biológicas e Transporte

Membranas Biológicas e Transporte Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Disciplina de Introdução a Bioquímica Membranas Biológicas e Transporte 1. Introdução 2. Os Constituintes

Leia mais

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma)

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) Introdução A função básica do sistema cardiovascular é comunicação das células entre si, produzindo um fluxo, e com o meio externo, havendo uma integração

Leia mais

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Estudo de caso Reúnam-se em grupos de máximo 5 alunos e proponha uma solução para o seguinte caso: A morte dos peixes ornamentais. Para isso

Leia mais

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES A função renal é formada por um conjunto de órgãos que filtram o sangue, produzem e excretam a urina. É constituída por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga

Leia mais

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO Aspectos Radiográficos Normais de Rins e Ureteres Visualização variável da imagem renal quanto ao número, forma, contorno, tamanho, posição e densidade (intermediária entre

Leia mais

TRATO URINÁRIO INFERIOR

TRATO URINÁRIO INFERIOR TRATO URINÁRIO INFERIOR Patologia Renal Rim Trato urinário inferior Alterações do desenvolvimento Alterações circulatórias Alterações degenerativas Alterações inflamatórias Alterações proliferativas Alterações

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

8.2 - Mecanismos envolvidos na alteração do metabolismo hepático entre os estado bem alimentado e o estado de jejum

8.2 - Mecanismos envolvidos na alteração do metabolismo hepático entre os estado bem alimentado e o estado de jejum UNIDADE 8 - INTERRELAÇÕES METABÓLICAS 8.1 - Ciclo Jejum-alimentação 8.2 - Mecanismos envolvidos na alteração do metabolismo hepático entre os estado bem alimentado e o estado de jejum 8.3 - Inter-relações

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

Trabalho do sistema excretor

Trabalho do sistema excretor GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE PEDAGOGIA Trabalho do sistema excretor

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UROLOGIA 21. Dentre os cristais urinários relacionados a seguir, aquele que tem significado patológico, quando visto na microscopia de pequeno aumento, durante um exame

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE. Cada ml contém: levosimendana... 2,5 mg Excipientes: polividona, ácido cítrico e etanol.

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE. Cada ml contém: levosimendana... 2,5 mg Excipientes: polividona, ácido cítrico e etanol. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: SIMDAX levosimendana Formas Farmacêuticas, vias de administração e apresentações: SIMDAX (levosimendana) 2,5 mg/ml: embalagens com 1 frasco-ampola

Leia mais

Sistema Urinário. Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências

Sistema Urinário. Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências Sistema Urinário Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências O sistema urinário ANTONIA REEVE / SCIENCE PHOTO LIBRARY O rim foi o primeiro órgão vital a ser transplantado com sucesso em pessoas. Qual a função

Leia mais

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1 Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1 1. Um homem de 42 anos sabe que está com HIV/AIDS. Qual

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Reuniões Mediúnicas Palestrante: Carlos Feitosa Rio de Janeiro 04/10/2002 Organizadores da Palestra: Moderador: "_Alves_"

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

Portuguese Summary. Resumo

Portuguese Summary. Resumo Portuguese Summary Resumo 176 Resumo Cerca de 1 em 100 indivíduos não podem comer pão, macarrão ou biscoitos, pois eles têm uma condição chamada de doença celíaca (DC). DC é causada por uma das intolerâncias

Leia mais

Refluxo Vesicoureteral em Crianças

Refluxo Vesicoureteral em Crianças Refluxo Vesicoureteral em Crianças Refluxo Vesicoureteral em crianças O RVU (Refluxo vesicoureteral) é uma condição que se apresenta em crianças pequenas. Ao redor do 1% das crianças de todo o mundo tem

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizesassistenciais INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Gilberto Gomes Ribeiro Francisco Edson de Lucena Feitosa IMPORTÂNCIA A infecção do trato

Leia mais

Curso Anual Universitario de Medicina Familiar y Atención Primaria Infecções urinárias

Curso Anual Universitario de Medicina Familiar y Atención Primaria Infecções urinárias Infecções urinárias Dr.Eduardo Durante Dra. Karin Kopitowski Dr. Mario Acuña Objetivos Definir disúria e realizar os diagnósticos diferenciais. Realizar uma correta aproximação diagnóstica, Manejar adequadamente

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados Regulação osmótica SISTEMA URINÁRIO HUMANO adrenal Veia cava

Leia mais

Osteoporose Prevenção e Tratamento

Osteoporose Prevenção e Tratamento Osteoporose Prevenção e Tratamento ANDRÉA ASCENÇÃO MARQUES Abril 2013 amarques@reumahuc.org Osteoporose É uma doença onde existe baixa densidade óssea microarquitetura do osso. e deterioração da Osso com

Leia mais

CUIDADOS A TER COM O ANIMAL GERIÁTRICO

CUIDADOS A TER COM O ANIMAL GERIÁTRICO Clínica Veterinária de Mangualde Dr. Benigno Rodrigues Dra. Sandra Oliveira CUIDADOS A TER COM O ANIMAL GERIÁTRICO O que devo fazer para garantir um envelhecimento com qualidade de vida ao meu animal?

Leia mais

Principais propriedades físicas da água.

Principais propriedades físicas da água. BIOQUÍMICA CELULAR Principais propriedades físicas da água. Muitas substâncias se dissolvem na água e ela é comumente chamada "solvente universal". Por isso, a água na natureza e em uso raramente é pura,

Leia mais

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício O exercício é uma atividade ativa, portanto, demanda muita energia. Durante o exercício, a demanda energética do muculo esquelético aumenta consumindo uma

Leia mais

A hipertensão arterial é comum?

A hipertensão arterial é comum? Introdução A hipertensão arterial é comum? Se tem mais de 30 anos e não se lembra da última vez em que verificou a sua tensão arterial, pode pertencer aos dois milhões de pessoas neste país com hipertensão

Leia mais

Transporte através da Membrana Plasmática. Biofísica

Transporte através da Membrana Plasmática. Biofísica Transporte através da Membrana Plasmática Biofísica Estruturas das células Basicamente uma célula é formada por três partes básicas: Membrana: capa que envolve a célula; Citoplasma: região que fica entre

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa?

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa? Hérnia de Hiato e Refluxo Gastroesofágico. Atualmente cresce o número de pessoas que estão apresentando sintomas relativas ao aparelho digestivo, como má digestão ou sensação de queimação no estômago entre

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia.

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia. Rua Santa Marcelina, 177 CEP 08270-070 SÅo Paulo SP Fone(11) 6170-6237- Fax 6524-9260 www.santamarcelina.org E-mail: dir.med@santamarcelina.org Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM EPIDEMIOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM Jussara Rafael Angelo São José dos Campos 30 de Junho de 2011 CONCEITOS BÁSICOS EM Concepção do processo saúde doença Tipos de estudo Intervenção Seccional Coorte Caso-controle Ecológico

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 16. Sobre a coleta de uma amostra de sangue, foram feitas algumas afirmações.

PROVA ESPECÍFICA Cargo 16. Sobre a coleta de uma amostra de sangue, foram feitas algumas afirmações. 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 16 QUESTÃO 31 Sobre a coleta de uma amostra de sangue, foram feitas algumas afirmações. I- A venopunção é efetuada usando-se uma agulha presa a um tubo de teste de vidro com vácuo,

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC- Espiritismo http://www.ircespiritismo.org.br. Tema: Passes e Curas Espirituais. Palestrante: Alexandre Lobato

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC- Espiritismo http://www.ircespiritismo.org.br. Tema: Passes e Curas Espirituais. Palestrante: Alexandre Lobato Palestra Virtual Promovida pelo IRC- Espiritismo http://www.ircespiritismo.org.br Tema: Passes e Curas Espirituais Palestrante: Alexandre Lobato Rio de Janeiro 09/01/2004 Organizadores da palestra: Moderador:

Leia mais

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Departamento de Fisiologia Curso: Educação Física NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Aluno: Anderson de Oliveira Lemos Matrícula: 9612220 Abril/2002 Estrutura de Apresentação Líquidos Eletrólitos Energia

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO

SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO SISTEMA EXCRETOR PROFª CLÁUDIA LOBO Excreção Mecanismo pelo qual os seres vivos recolhem seu lixo celular, como a amônia (NH 3 ), CO 2, água e sais. Desta forma, os seres vivos mantém a homeostase, isto

Leia mais

BENALET. cloridrato de difenidramina, cloreto de amônio, citrato de sódio. Benalet em embalagens múltiplas contendo 25 envelopes com 4 pastilhas cada.

BENALET. cloridrato de difenidramina, cloreto de amônio, citrato de sódio. Benalet em embalagens múltiplas contendo 25 envelopes com 4 pastilhas cada. BENALET cloridrato de difenidramina, cloreto de amônio, citrato de sódio PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Benalet Nome genérico: cloridrato de difenidramina, cloreto de amônio, citrato de sódio.

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

Sistema excretor e osmorregulação

Sistema excretor e osmorregulação Sistema excretor e osmorregulação Natureza geral e desenvolvimento dos rins São os órgãos excretores dos adultos Outros órgãos que realizam esta função: brânquias, pulmões, pele e glândulas produtoras

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Dolorex 10 mg/ml, solução injetável para equinos, caninos e felinos.

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Dolorex 10 mg/ml, solução injetável para equinos, caninos e felinos. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Dolorex 10 mg/ml, solução injetável para equinos, caninos e felinos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada ml contém:

Leia mais

(2) converter as moléculas dos nutrientes em unidades fundamentais precursoras das macromoléculas celulares;

(2) converter as moléculas dos nutrientes em unidades fundamentais precursoras das macromoléculas celulares; INTRODUÇÃO AO METABOLISMO Metabolismo é o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. O metabolismo tem quatro

Leia mais

Superlista Membrana plasmática

Superlista Membrana plasmática Superlista Membrana plasmática 1. (Unicamp 2015) O desenvolvimento da microscopia trouxe uma contribuição significativa para o estudo da Biologia. Microscópios ópticos que usam luz visível permitem ampliações

Leia mais

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 01/09/2009 DE ACORDO Renato de Lacerda Diretor Técnico 05/09/2009 APROVADO POR Jose Carlos Santos

Leia mais

O CICLO DO ERITRÓCITO

O CICLO DO ERITRÓCITO O CICLO DO ERITRÓCITO Rassan Dyego Romão Silva Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia GO Brasil rassandyego@hotmail.com Orientador: Amarildo Lemos Dias de Moura RESUMO: Os eritrócitos são discos

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data!

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Abordagem ao paciente com doen ça renal

Abordagem ao paciente com doen ça renal Abordagem ao paciente com doen ça renal 1 Edgar V. Lerma, MD Considerações gerais O paciente que apresenta doen ça renal pode ser atendido inicialmente de modo ambulatorial ou como internado. Alguns pacientes

Leia mais

Urinálise como instrumento auxiliar no diagnóstico de enfermidades em pequenos ruminantes. Revisão/Review

Urinálise como instrumento auxiliar no diagnóstico de enfermidades em pequenos ruminantes. Revisão/Review ISSN 1809-4678 Urinálise como instrumento auxiliar no diagnóstico de enfermidades em pequenos ruminantes (Urinalysis as an auxiliary tool in diagnosis of small ruminants diseases) Revisão/Review PB Araújo

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

Bula Completa Imuno BCG

Bula Completa Imuno BCG Bula Completa Imuno BCG Mycobacterium bovis BCG Bacilo de Calmette Guérin Cepa Moreau Rio de Janeiro FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES O IMUNO BCG é apresentado em caixas com 1 e 2 ampolas âmbar contendo

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Conjunto de órgãos e estruturas responsáveis pela filtração do sangue e consequente formação da urina; É o principal responsável pela eliminação

Leia mais

Rotina de Cateterismo Vesical Unidades Assistenciais. Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Enfermeira Débora Mari Junges Hermany

Rotina de Cateterismo Vesical Unidades Assistenciais. Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Enfermeira Débora Mari Junges Hermany Rotina de Cateterismo Vesical Unidades Assistenciais Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Enfermeira Débora Mari Junges Hermany OBJETIVO DA ROTINA 2 Padronizar o atendimento ao usuário com

Leia mais

LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho

LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho M. V. do Serviço de Clínica Médica de Pequenos Animais HOVET FMVZ USP Residência em Clínica e Cirurgia de Pequenos animais HOVET FMVZ USP Especialização em Clínica Médica FMVZ

Leia mais

Órgãos responsáveis pela manutenção do meio interno

Órgãos responsáveis pela manutenção do meio interno ntrodução à Anatomia e Fisiologia do Sistema Urinário Profa. Dra. Janaína Duarte Conceito Sistema responsável pela formação (rins) e eliminação (ureteres, bexiga urinária e uretra) a urina. Funções Órgãos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Os erros que te impedem de emagrecer!

Os erros que te impedem de emagrecer! Os erros que te impedem de emagrecer! Os 20 erros que comprometem o seu emagrecimento Este artigo é de total responsabilidade e criação de GWBrasil. Acesse e saiba mais: http://goworkoutbrasil.com 1. Não

Leia mais