O Panorama Energético sob o Olhar da Concessionária Fontes Renováveis, Tecnologias & Mercado. Junho de 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Panorama Energético sob o Olhar da Concessionária Fontes Renováveis, Tecnologias & Mercado. Junho de 2015"

Transcrição

1 O Panorama Energético sob o Olhar da Concessionária Fontes Renováveis, Tecnologias & Mercado Junho de

2 2 1. CELESC - Mercado 2. Ciclos e Modicidade Tarifária 3. Qualidade do Fornecimento de Energia Elétrica 4. Fontes Renováveis 5. Tecnologias 6. Eficiência Energética 2

3 Centrais Elétricas de Santa Catarina CELESC

4 Visão Geral Santa Catarina 4

5 Linha do Tempo Grupo Celesc 5 Eficiência Operacional 5

6 6 6 6

7 Grupo Celesc Estrutura Societária Dezembro/ * Não Operacional / Desenvolvimento de Projeto

8 Ativos Elétricos Grupo Celesc 8

9 Celesc Distribuição Área de Concessão 9

10 Celesc Distribuição Energia Distribuída 10

11 Grupo Celesc Compromisso com a Sociedade 11 Jovem Aprendiz Energia do Futuro Celesc Voluntária Projeto Bônus Eficiente Banho de Energia Energia do Bem Em convênio com o Ministério Público, o programa oferece formação técnicoprofissional para jovens com idades entre 14 e 16 anos, preferencialmente vindos de casas lares e abrigos e em situação de risco social. Precisam, obrigatoriamente, estar frequentando a escola. Em 2013, 170 jovens foram beneficiados. Capacita famílias de baixa renda para a fabricação de aquecedor solar construído com reutilizáveis (garrafas pet e caixas tetrapak). Estimula o cooperativismo, promove a geração de renda, a redução do consumo de energia elétrica e a conscientização ambiental. Nos últimos cinco anos, mais de 800 coletores foram construídos e implantados. Criado em 2013, tem como objetivo construir o conceito de cidadania empresarial junto à força de trabalho da Companhia, promovendo ações voluntárias entre os empregados. Ao criar uma identidade coletiva voltada para o despertar da consciência e da participação de indivíduos para bens comuns. Lançado em 2012, oferece descontos para clientes residenciais da Celesc na troca de eletrodomésticos com mais de cinco anos de uso por produtos novos com selo Procel. A ideia é promover a economia de energia com a utilização de equipamentos mais eficientes. Em parceria com a Secretaria de Agricultura do Estado e Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Epagri), o programa oferece um sistema de aquecimento de água que reaproveita o calor que seria desperdiçado nas chaminés, sem aumentar o volume de lenha normalmente utilizada como combustível pelas famílias. Por meio do seu Programa de Eficiência Energética, a Celesc investe, atualmente, na eficientização em hospitais filantrópicos e residências de baixa renda. Hospitais são beneficiados com a construção e motores. Residências selecionadas recebem lâmpadas econômicas, geladeiras e aquecedores solares.

12 Setor Elétrico Brasileiro Ciclos e Modicidade Tarifária

13 Histórico da Tarifa 13 Utilizado em países como o EUA, Canadá e Japão. Desestimula a eficiência, já que remunera o investidor conforme seus gastos, independente de quais sejam e de quanto tenham custado. Modelo normativo, utilizado para prescrever os custos ótimos para certo nível de operação. Empresas devem buscar a eficiência operacional.

14 Objetivos Atual Modelo do Setor Elétrico Aplicado a partir de Assegurar a estabilidade do Marco Regulatório Garantir a segurança do suprimento de energia elétrica Promover a modicidade tarifária Universalização do atendimento Eficiência Econômica Operacional Investimentos

15 Modelo Regulatório do Setor Elétrico Remuneração dos Investimentos 15 WACC Custo Médio Ponderado de Capital (Remuneração dos Investimentos) WAAC Real 11,26% 9,95% 7,50% 2016: Novo WACC proposto pela ANEEL 8,09% Dados CELESC D Var % Redes de Média Tensão (km) 56 mil 78 mil + 40% Redes de Baixa Tensão (km) 14 mil 68 mil + 485% Clientes 1,9 Milhões 2,6 Milhões + 37% Transformadores 121 mil 178 mil +45% Demanda Máxima(MW) %

16 Distribuição de Energia Elétrica Avaliação dos Clientes Entre os serviços públicos básicos a Energia Elétrica é o mais universalizado, atendendo 98% da população

17 Qualidade do Fornecimento de Energia Elétrica

18 Celesc Distribuição Histórico 18 Nº de Empregados Capacidade Instalada (MW) Demanda Máxima (MW) DEC horas Anos 80 Sem automação dos processos Informática pouco utilizada ,29 Anos 90 Inicio da automação da Alta Tensão Introdução de sistemas informatizados , Início das saídas do PDVI Maior automação do sistema -52% % % ,19-58% 2006 Fim das saídas no PDVI Admissões em concurso público , Novos sistemas informatizados Início da Automação da Média Tensão , Fim das saídas no PDVP Eficiência Operacional e Automação ,50

19 DEC Anual em horas Qualidade do Atendimento DEC Histórico Brasil x CELESC 19 DEC - Brasil x CELESC 40,00 35,00 30,00 Indicador inferior à média do Brasil nos últimos anos 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0, CELESC 26,33 29,55 26,34 34,77 29,71 30,86 25,25 21,95 20,93 20,19 23,74 18,28 16,33 15,20 16,40 14,39 13,56 13,53 17,15 16,51 15,5 BRASIL 26,0 25,3 24,3 26,0 27,1 24,0 19,8 16,8 16,1 18,0 16,3 15,8 16,7 16,0 16,1 16,6 18,7 18,4 18,4 18,6 18,2

20 Qualidade do Atendimento DEC e FEC Histórico x Meta ANEEL 20 20,00 Indicadores DEC e FEC - Histórico e Metas 18,00 16,00 14,00 12,00 10,00 17,66 14,34 16,62 13,41 15,64 12,80 14,53 11,91 13,50 11,00 12,43 10,25 8,00 17,15 16,51 15,50 15,15 6,00 4,00 11,82 11,81 10,63 10,45 2,00 0, DEC APURADO FEC APURADO DEC LIMITE FEC LIMITE

21 Fontes Renováveis

22 Matriz Energética Mundial Fontes Primárias - Perspectiva As fontes renováveis ganharão espaço na matriz energética mundial, substituindo gradativamente as fontes não renováveis Crescimento projetado de 37% Mtoe Milhões de toneladas equivalente de óleo Fonte: IEA 2013

23 Matriz Energética Brasileira Geração de Energia Projeção 2035 A matriz energética brasileira continua muito diferente da mundial nas projeções até 2035 A geração de energia continuará baseada em fontes renováveis Necessidade de investimento não apenas em hidroelétricas, mas também em geração eólica e solar 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Geração de Energia por Fonte (2035) Brasil Mundo Outros Renováveis Biomassa Hidroelétrica Nuclear Fósseis Fonte: IEA 2013

24 Matriz Energética Geração de Energia Crescimento Crescimento da geração de energia de fontes renováveis ( ) TWh Outras Renováveis Solar Eólica Hidro 0 Europa, Japão e EUA China India, América Latina, Ásia e África A velocidade da expansão das energias renováveis depende dos incentivos governamentais Incremento significativo de geração eólica e solar tem implicações no mercado de energia (custos)

25 Celesc Geração Energia Elétrica 100% de Fontes Renováveis 25

26 Celesc Geração Expansão da Geração de Energia MW MW MW Chamadas públicas para parceria em novos projetos Mais de 100 projetos em análise Maior parte dos projetos são PCHs e Eólicas

27 Tecnologias Distribuição de Energia Elétrica

28 Distribuição de Energia Um Novo Conceito Setor Atual Sistema radial Novo Setor Sistema integrado e inteligente Eficiência Energética e Comercial Segurança Operacional e Sistêmica do Abastecimento de Energia Sustentabilidade Econômica e Ambiental Fonte: ABRADEE

29 Qualidade do Atendimento Redes de Distribuição A Celesc tem investido em tecnologia para atender melhor seu consumidor, ser mais produtiva e ser mais eficiente. Telecontrole das Subestações Investimentos em Redes Mais Robustas Telecontrole das Redes de Distribuição Ferramentas Computacionais Meios de Comunicação As redes de distribuição mudaram muito nos últimos 10 anos e mudarão muito mais nos próximos 10 anos. Muito Mais Automação no Sistema Elétrico Medição Inteligente da Energia Distribuída Integração das Fontes de Energia Renováveis Redução das faltas de energia e recomposição mais rápida Novos Serviços para o Consumidor com Maior Integração

30 Resolução ANEEL n 482/2012 Micro e Mini Geração de Energia Elétrica Unidades Consumidoras Podem Gerar Energia Internamente à suas Instalações!! Res. ANEEL 482/ Incentivo às fontes alternativas - Tendência mundial - Quebra de paradigma no setor - Abertura de novo mercado

31 Resolução ANEEL n 482/2012 Micro e Mini Geração de Energia Elétrica Desde a regulamentação a Celesc já integrou à sua Rede de Distribuição: 47 Micro e Mini Geração já conectados 45 solares 1 hidráulico 1 híbrido (solar/eólico) Capacidade instalada total de 1,2MW A região de Florianópolis é a que mais possui conexões, um total de 22 Todas as informações no Site da Celesc Padrão e Normativa

32 Tecnologias Relação com o Cliente

33 Processos Comerciais Relacionamento com o Cliente 33 Novos Serviços na Agência WEB Relacionamento com Cliente Novo Call-Center Ativo Sistema para gestão dos atendimentos Tecnologia no atendimento Serviços via SMS Reprodução da página inicial do site da Celesc com os serviços via WEB

34 Processos Comerciais Aviso de Falta de Energia 34 Além do tradicional aviso de falta de energia via call-center, a Celesc possui outros 3 meios para o consumidor nos informar que está sem energia Site Celesc Aplicativo Celular SMS 48196

35 Informação em Tempo Real Consumidores sem Energia 35 Transparência na relação com os clientes

36 Eficiência Energética CELESC

37 Principais Processos Processos Técnicos Eficiência Energética -Investimentos em Programas de Eficiência Energética: Em 2012: Total de R$ 36 milhões Em 2013: Total de R$ 42 milhões Em 2014: Total de R$ 38 milhões - Projetos focados em diversos segmentos: Baixa Renda, Indústria, Instituições Filantrópicas, Residencial - Economia de energia da ordem de MWh/ano - Equivalente ao consumo de residências

38 Principais Processos Eficiência Energética Principais Projetos Projeto Banho de Sol Projeto Hospitais Filantrópicos Projetos Consumidores Baixa Renda Projeto Energia do Bem Projeto Indústria + Eficiente Projeto Bônus Eficiente I e II

39 OBRIGADO Contato: Cleverson Siewert 39

Uma novidade com 6 décadas de história

Uma novidade com 6 décadas de história Aviso Importante As informações contidas nesta apresentação poderão incluir declarações que representem expectativas sobre negócios da companhia, projeções e metas operacionais e financeiras. Eventuais

Leia mais

A Celesc e os Desafios para o Futuro 4º Congresso de Consumidores da CELESC. Novembro de 2014

A Celesc e os Desafios para o Futuro 4º Congresso de Consumidores da CELESC. Novembro de 2014 A Celesc e os Desafios para o Futuro 4º Congresso de Consumidores da CELESC Novembro de 2014 1 2 1. CELESC 2. Ciclos e Modicidade Tarifária 3. Plano Diretor 4. Liderança e Qualidade na Gestão 5. Qualidade

Leia mais

A Eficiência Energética para o setor público. Seminário FIESP de Cidades Sustentáveis

A Eficiência Energética para o setor público. Seminário FIESP de Cidades Sustentáveis A Eficiência Energética para o setor público Seminário FIESP de Cidades Sustentáveis AES no Mundo Atuação do Grupo AES no Mundo Presente em 29 países 11 milhões de clientes com atendimento a 100 milhões

Leia mais

Projetos Eficiência Energética 2014

Projetos Eficiência Energética 2014 Projetos Eficiência Energética 2014 1 LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES DE BAIXA RENDA - 2008 Objetivo: Promover ações de regularização de ligações clandestinas, recuperação de consumidores cortados e auto-religados

Leia mais

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Minas e Energia Ministério de Minas e Energia Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Encontro de Lideranças 2011 Sistema CONFEA/CREA s Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO

Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO SEMINÁRIO SOBRE TRANSPORTE E LOGÍSTICA BANCO MUNDIAL / MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Eng Luis

Leia mais

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Serviços de Consultoria Pessoa Jurídica para a elaboração de metodologia que permita mensurar, verificar e avaliar os resultados decorrentes

Leia mais

Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL. Fernando Pinto Dias Perrone

Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL. Fernando Pinto Dias Perrone Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL Fernando Pinto Dias Perrone Chefe do Departamento de Projetos de Eficiência Energética Rio de Janeiro, 19/4/2013. Principais Políticas

Leia mais

Matriz elétrica brasileira Eólica

Matriz elétrica brasileira Eólica 1 Matriz elétrica brasileira Eólica UEE VOLTA DO RIO Lívio Teixeira de Andrade Filho Coordenação-Geral de Fontes Alternativas Departamento de Desenvolvimento Energético 2 PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA

Leia mais

Geração Distribuída no Brasil: Oportunidades e Desafios. Prof. Edmar de Almeida GEE-IE-UFRJ

Geração Distribuída no Brasil: Oportunidades e Desafios. Prof. Edmar de Almeida GEE-IE-UFRJ Geração Distribuída no Brasil: Oportunidades e Desafios Prof. Edmar de Almeida GEE-IE-UFRJ Plano da Apresentação Contexto Internacional da Geração Distribuída Oportunidades para Geração distribuída no

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Sheyla Maria das Neves Damasceno Coordenadora do Programa de Eficiência Energia Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. Paulo Teixeira, Nilson Pinto, Bernardo Ariston e outros) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. Paulo Teixeira, Nilson Pinto, Bernardo Ariston e outros) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Paulo Teixeira, Nilson Pinto, Bernardo Ariston e outros) Dispõe sobre fontes renováveis de energia, com o objetivo de promover a universalização, a geração distribuída

Leia mais

INFORMATIVO. Você já reparou que o mundo mudou, mas a forma como produzimos e consumimos energia continua praticamente igual há 50 anos?

INFORMATIVO. Você já reparou que o mundo mudou, mas a forma como produzimos e consumimos energia continua praticamente igual há 50 anos? INFORMATIVO Você já reparou que o mundo mudou, mas a forma como produzimos e consumimos energia continua praticamente igual há 50 anos? Ainda dependemos de grandes usinas que produzem energia a quilômetros

Leia mais

Projetos em Implementação no PEE 2014

Projetos em Implementação no PEE 2014 Projetos em Implementação no PEE 2014 Tipo: Poder público Nome do Projeto: Eficientização do Sistema de Climatização do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI/RN O projeto tem por objetivo eficientizar

Leia mais

Seminário ABRAEX/UDF 2015. Sustentabilidade: Novos desafios e oportunidades Experiências japonesas e o contexto brasileiro

Seminário ABRAEX/UDF 2015. Sustentabilidade: Novos desafios e oportunidades Experiências japonesas e o contexto brasileiro Seminário ABRAEX/UDF 2015 Sustentabilidade: Novos desafios e oportunidades Experiências japonesas e o contexto brasileiro Apoio Evento oficial dos 120 Anos de Amizade Japão-Brasil Seminário ABRAEX/UDF

Leia mais

Audiência Pública. Revisão Tarifária Periódica

Audiência Pública. Revisão Tarifária Periódica Audiência Pública Revisão Tarifária Periódica Agenda 1. Panorama Geral da Concessão 2. Evolução da Qualidade do Serviço 3. Investimentos Realizados no Ciclo (2007-2011) 4. Principais Desafios 3º Ciclo

Leia mais

Eficiência energética

Eficiência energética Eficiência energética A realização de pesquisas para otimizar a utilização da energia elétrica faz parte da postura sustentável adotada pelas empresas Eletrobras. Conheça nas próximas páginas as principais

Leia mais

A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas

A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas Ricardo J. Fujii Programa de Mudanças Climáticas e Energia WWF-Brasil Natal, 03 de Outubro de 2015 Contexto atual Produção nacional de eletricidade

Leia mais

16 Eficiência Energética

16 Eficiência Energética 16 Eficiência 412 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Contextualização A eficiência energética pode ser definida como o desempenho de conversão de um sistema energético. Em outras palavras, representa o quanto de energia

Leia mais

Energia Eólica Setembro de 2015

Energia Eólica Setembro de 2015 Energia Eólica Setembro de 2015 Quem somos? Fundada em 2002, a ABEEólica é uma instituição sem fins lucrativos que congrega e representa o setor de energia eólica no País. A ABEEólica contribui, desde

Leia mais

1 Introdução. 2 Aspectos Normativos (...)

1 Introdução. 2 Aspectos Normativos (...) Celg Distribuição S/A. Diretoria Comercial Superintendência de Comercialização Departamento de Medição e Utilização de Energia Setor de Utilização de Energia Programa de Eficiência Energética Audiência

Leia mais

Seminário Internacional: Fontes Renováveis de Energia

Seminário Internacional: Fontes Renováveis de Energia Seminário Internacional: Fontes Renováveis de Energia Uso das Redes Inteligentes para viabilizar a Geração Distribuída Brasília, 14 de Setembro de 2011 Cyro Vicente Boccuzzi Presidente do Fórum Latino

Leia mais

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil Geração distribuída e centralizada, leilões e incentivos fiscais contribuem para geração de energia solar

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A Espírito Santo Centrais Elétricas SA, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991 de

Leia mais

Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore

Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore Aspectos económicos e mecanismos de incentivo das Energias Offshore Alex Raventos Wave Energy Centre (WavEC) alex@wavec.org 8 de Fevereiro 2011 Auditório ISCSP, Lisboa Formação sobre as energias renováveis

Leia mais

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO Diretora do Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Fortaleza, 18 de setembro

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

Projetos em Implementação no PEE 2015

Projetos em Implementação no PEE 2015 Tipo: Poder público Nome do Projeto: Eficientização do Porto Digital O Projeto constituiu na substituição do sistema de refrigeração, composto por chillers, refrigerados, ar splits distribuídos por alguns

Leia mais

Projetos em Implementação no PEE 2016

Projetos em Implementação no PEE 2016 Tipo: Educacional Nome do Projeto: Educação com Energia 2016 Projetos em Implementação no PEE 2016 Promover a reflexão e o diálogo sobre o uso eficiente e seguro da energia elétrica e sensibilizar para

Leia mais

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC 14 de Maio de 2009 Politica Nacional sobre Mudança do Clima Plano Nacional Mudança do Clima Fundo de Mudança Climática (funded by a share of oil royalties)? Fundo

Leia mais

Eng. José Starosta. Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética I

Eng. José Starosta. Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética I Eng. José Starosta Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética I MOTIVAÇÕES PARA EE: Consumo energia elétrica nacional e o PIB Quando inverteremos? Uso de térmicas faz governo bancar mais R$

Leia mais

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012 Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura Rio de Janeiro Abril de 2012 O que apoiamos Projetos de Infraestrutura Energia elétrica; Telecomunicações; Saneamento Ambiental; Logística e transportes;

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A EDP Bandeirante, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 202/98 - ANEEL, com a Resolução Normativa n 300, de 12 de fevereiro

Leia mais

CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2011 RECURSOS SOLÍDOS AQUECEDOR SOLAR COM MATERIAIS RECICLAVEIS

CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2011 RECURSOS SOLÍDOS AQUECEDOR SOLAR COM MATERIAIS RECICLAVEIS CONCURSO SOCIOAMBIENTAL FENABB 2011 RECURSOS SOLÍDOS AQUECEDOR SOLAR COM MATERIAIS RECICLAVEIS Tapera-RS 2012 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. NOME DA AABB: Programa AABB Comunidade Tapera 1.2. TÍTULO: Aquecedor

Leia mais

DIFERENÇA ENTRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA DAVANTISOLAR.COM.BR

DIFERENÇA ENTRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA DAVANTISOLAR.COM.BR DIFERENÇA ENTRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA DAVANTISOLAR.COM.BR ÍNDICE 01. Sol 02. Energia Solar 03. Térmica 04. Como funciona? 05. Fotovoltaica 06. Como Funciona? 07. Por que investir em Energia

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Caminhos da Engenharia Brasileira Instituto de Engenharia As vantagens do Brasil Da geografia ao modelo de concessões

Caminhos da Engenharia Brasileira Instituto de Engenharia As vantagens do Brasil Da geografia ao modelo de concessões Caminhos da Engenharia Brasileira Instituto de Engenharia As vantagens do Brasil Da geografia ao modelo de concessões 14 de agosto de 2012 (Paulo Pedrosa- Presidente Executivo) Quem somos Fundada em agosto

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora

Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora Combate ao Desperdício de Energia Elétrica Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora Combate ao Desperdício de Energia 1) Vertente Humana: Trata da capacitação dos cidadãos

Leia mais

Construindo um futuro sustentável

Construindo um futuro sustentável Construindo um futuro sustentável Roteiro Consumo de eletricidade para aquecimento de água Potencial solar no Brasil Vantagens socioambientais da tecnologia solar Barreiras para a tecnologia solar Instrumentos

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Políticas Governamentais para Biocombustíveis

Políticas Governamentais para Biocombustíveis Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis Políticas Governamentais para Biocombustíveis Ricardo B. Gomide ricardo.gomide@mme.gov.br

Leia mais

As ações da Abrava no Cenário de Eficiência Energética

As ações da Abrava no Cenário de Eficiência Energética As ações da Abrava no Cenário de Eficiência Energética ABRAVA Associação Brasileira de Refrigeração, Ar-Condicionado, Ventilação e Aquecimento www.abrava.com.br Representatividade Movimentação em 2000

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL Santa Carolina (denominado Projeto Santa

Leia mais

MERCADO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E GERAÇÃO DISTRIBUÍDA. Jurandir Picanço

MERCADO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E GERAÇÃO DISTRIBUÍDA. Jurandir Picanço MERCADO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Jurandir Picanço Novembro/2015 Cenários de Longo Prazo União Européia 2050 100% Renovável para eletricidade Consumo em TWh Fonte: WEC Word Energy Council

Leia mais

Estudos para Reorganização do Setor Elétrico

Estudos para Reorganização do Setor Elétrico Programa 0276 Gestão da Política de Energia Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas na área de energia. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es) Órgão(s) 32 - Ministério

Leia mais

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro O agronegócio brasileiro Setor estratégico para a economia brasileira, grande motor do seu desempenho Representa 23% do PIB brasileiro Responde por 40%

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

Programa de Eficiência Energética PEE CEMIG. Leonardo Resende Rivetti Rocha

Programa de Eficiência Energética PEE CEMIG. Leonardo Resende Rivetti Rocha Programa de Eficiência Energética PEE CEMIG Leonardo Resende Rivetti Rocha PEE CEMIG PEE 2008/2010 - Resolução N o 300-12/02/2008 - Lei N o 12.212-20/01/2010 Projetos Baixo Poder Aquisitivo/ Tarifa Social

Leia mais

Chamada Pública para o ProPEE Procedimento do Programa de Eficiência Energética das Distribuidoras de Energia Elétrica

Chamada Pública para o ProPEE Procedimento do Programa de Eficiência Energética das Distribuidoras de Energia Elétrica Chamada Pública para o ProPEE Procedimento do Programa de Eficiência Energética das Distribuidoras de Energia Elétrica Eng. Fernando L. B. Bacellar Email: fernando.bacellar@aes.com Tel: (11) 2195-2663

Leia mais

MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS

MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das Minas

Leia mais

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO CUMPRIR E FAZER CUMPRIR A CONSTITUIÇÃO 1. Cumprir e fazer cumprir a

Leia mais

O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Artes, Ciências e Humanidades O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Deloise de Fátma B. Jesus Luiza Yorioka Rodrigues Taiara Vitória Nelly

Leia mais

NOSSA VISÃO NOSSOS VALORES

NOSSA VISÃO NOSSOS VALORES A ENTERPRISE SOLAR Somos a empresa mais inovadora em soluções energéticas no Brasil. Temos o propósito de difundir a importância da principal fonte de energia do nosso planeta, que nos fornece, sob as

Leia mais

Resultados dos Projetos Concluídos no PEE 2015

Resultados dos Projetos Concluídos no PEE 2015 Nome do Projeto: Venda subsidiada de lâmpadas LED Situação: Concluído - Relatório Final encerrado Aguardando liberação da AEEL para envio Propôs estimular o acesso à tecnologia de LED para os clientes

Leia mais

MERCADO DE ENERGIA EÓLICA DE PEQUENO PORTE NO BRASIL: PERCEPÇÃO DO POTENCIAL CONSUMIDOR

MERCADO DE ENERGIA EÓLICA DE PEQUENO PORTE NO BRASIL: PERCEPÇÃO DO POTENCIAL CONSUMIDOR MERCADO DE ENERGIA EÓLICA DE PEQUENO PORTE NO BRASIL: PERCEPÇÃO DO POTENCIAL CONSUMIDOR Marcio Giannini Pereira 1, Bruno E. M. Montezano 2 & Ricardo Marques Dutra 1 1- Centro de Pesquisas de Energia Elétrica

Leia mais

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E S 31 MATRIZ DE INDICADORES e S Indicador 1 - Visão Visão: Ser reconhecido como um dos 10 Regionais mais céleres e eficientes na prestação jurisdicional, sendo considerado

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO. PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogério Lisboa)

JUSTIFICAÇÃO. PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogério Lisboa) PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogério Lisboa) Dispõe sobre a obrigatoriedade de previsão para uso de aquecedores solares de água em novas edificações multifamiliares. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Saiba como reduzir a conta de luz mudando os hábitos e equipamentos em casa

Saiba como reduzir a conta de luz mudando os hábitos e equipamentos em casa Revista Galileu Fev/2013 Um dedo no interruptor, outro na calculadora http://revistagalileu.globo.com/revista/common/0,,emi329030-17770,00- UM+DEDO+NO+INTERRUPTOR+OUTRO+NA+CALCULADORA.html Saiba como reduzir

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

TRANSSEN. TECNOLOGIA E PESQUISA PARA VOCÊ E O MUNDO. CATÁLOGO DE PRODUTOS

TRANSSEN. TECNOLOGIA E PESQUISA PARA VOCÊ E O MUNDO. CATÁLOGO DE PRODUTOS TRANSSEN. TECNOLOGIA E PESQUISA PARA VOCÊ E O MUNDO. CATÁLOGO DE PRODUTOS CONQUISTAS NOSSAS CONQUISTAS As parcerias da Transsen com órgãos reconhecidos nacionalmente agregam qualidade e eficiência a toda

Leia mais

CONSUMO EFICIENTE DE. energia elétrica: uma agenda para o Brasil

CONSUMO EFICIENTE DE. energia elétrica: uma agenda para o Brasil CONSUMO EFICIENTE DE energia elétrica: uma agenda para o Brasil 2/14 Créditos Copyright Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) 2016 Conteúdo PSR Soluções e Consultoria

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 019/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 019/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 019/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: CONSULTA PÚBLICA N 019/2014

Leia mais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais Criação Instituído através do Decreto Estadual Nº 43.914 e lançado pela Cemig através de Chamada Pública. Objeto da Chamada: Convocação de Empresas

Leia mais

2) Abrangência (município, bairro, número de unidades consumidoras)

2) Abrangência (município, bairro, número de unidades consumidoras) Tipo: Baixa Renda Nome do Projeto: Doação de geladeiras e lâmpadas para famílias inscritas em programas sociais do Governo Federal 2015. Situação: Em Implementação. O projeto tem como objetivo a substituição

Leia mais

Governo dos Açores. FEADER A Europa investe nas zonas rurais ASDEPR. Critérios de Selecção dos Pedidos de Apoio

Governo dos Açores. FEADER A Europa investe nas zonas rurais ASDEPR. Critérios de Selecção dos Pedidos de Apoio FEADER A Europa investe nas zonas rurais Governo dos Açores ASDEPR Critérios de Selecção dos Pedidos de Apoio 1. Aos pedidos de apoio são aplicados os critérios de selecção constantes das normas de procedimentos

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável. II Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável. II Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto da Usina Eólica Casa Nova consiste na implantação e operação de uma

Leia mais

O IMPACTO AMBIENTAL DA COMPUTAÇÃO

O IMPACTO AMBIENTAL DA COMPUTAÇÃO O IMPACTO AMBIENTAL DA COMPUTAÇÃO Tema 11 Grupo 03 Adriano José Ferreira Gasparini 5890114 Diogo Ferrari Meletto 5890201 Luiz Antonio Bezerra de Andrade 5967745 Tópicos: Impacto Ambiental: Lixo Eletrônico;

Leia mais

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba.

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência Desde 1998, por lei, toda distribuidora de energia precisa investir em ações que reduzam o desperdício de energia elétrica. Uma determinação

Leia mais

EnerSolar + Brasil e Ecoenergy se destacam no mercado de energia renovável

EnerSolar + Brasil e Ecoenergy se destacam no mercado de energia renovável EnerSolar + Brasil e Ecoenergy se destacam no mercado de energia renovável Até 2040, o Brasil deverá atrair cerca de US$ 300 bilhões em investimentos para a geração de energia, segundo dados Bloomberg

Leia mais

Projeto Nova Geladeira Neoenergia: Consumidores de baixa renda

Projeto Nova Geladeira Neoenergia: Consumidores de baixa renda Projeto Nova Geladeira Neoenergia: Consumidores de baixa renda Ana Christina R. Mascarenhas, Rita de Cássia S. Ribeiro e Leandro C. da Silva Resumo O Projeto Nova Geladeira Doação Neoenergia desenvolvida

Leia mais

Assuntos Regulatórios e Projetos de P&D Relativos a GD e µgd

Assuntos Regulatórios e Projetos de P&D Relativos a GD e µgd Workshop P&D D302 Desenvolvimento de Sistema Computacional para Análise Sistemática de Geração Distribuída Assuntos Regulatórios e Projetos de P&D Relativos a GD e µgd Márcio Venício Pilar Alcântara Belo

Leia mais

Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013

Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013 Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013 Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Lei no 8.987, de fevereiro de 1995, Art. 29. Incumbe ao poder concedente: Inciso X: estimular

Leia mais

Representa o Brasil na rede do World Business Council for Sustainable Development.

Representa o Brasil na rede do World Business Council for Sustainable Development. Associação civil, sem fins lucrativos que lidera os esforços do setor empresarial para a implementação do desenvolvimento sustentável no Brasil, com efetiva articulação junto aos governos, empresas e sociedade

Leia mais

Soluções em energia. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED

Soluções em energia. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED Soluções em energia EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED ENERGIA Insumo fundamental para garantir o desenvolvimento econômico e social do país ENERGIA ÓLEO COMBUSTÍVEL GÁS NATURAL GLP BIOMASSA ELÉTRICA

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUA - PECE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS, GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Leia mais

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de 1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de projetos de eficiência energética 2 Motivações Os contratos

Leia mais

COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA:

COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA: COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA: 1 Sobre a utilização de aparelhos de ar condicionado: a) Desligar o aparelho

Leia mais

NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL

NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL Publicação da Área de Negócios de Gás & Energia da Petrobras ÍNDICE Capítulo 01 Panorama da indústria gasífera

Leia mais

Responsabilidade Social Relatório de Sustentabilidade Prestação de Contas

Responsabilidade Social Relatório de Sustentabilidade Prestação de Contas Responsabilidade Social Relatório de Sustentabilidade Prestação de Contas 19ª Audiência de Sustentabilidade RESPONSABILIDADE SOCIAL SABESP A Responsabilidade Social é uma das 3 vertentes da Sustentabilidade......

Leia mais

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Institui a Política Municipal de Estímulo à Inovação e ao Desenvolvimento de Startups na Cidade

Leia mais

Biomassa. A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido

Biomassa. A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido Biomassa A maior e mais utilizada fonte de energia renovável na Europa e em todo o mundo desenvolvido Paulo Preto dos Santos Secretário-Geral da Associação de Produtores de Energia e Biomassa 28/11/2013

Leia mais

A Suzano e o Fomento na Bahia

A Suzano e o Fomento na Bahia A Suzano e o Fomento na Bahia Como é a atuação da Suzano na região? Fundada há 85 anos, a Suzano começou a produzir papel em 1940 e celulose em 1950 sempre abastecendo o mercado brasileiro e os de diversos

Leia mais

Programa de Eficiência Energética. Workshop Responsabilidade Socioambiental no Setor Energético 08 e 09 de Junho de 2011 Unicamp Campinas/SP

Programa de Eficiência Energética. Workshop Responsabilidade Socioambiental no Setor Energético 08 e 09 de Junho de 2011 Unicamp Campinas/SP Programa de Eficiência Energética Workshop Responsabilidade Socioambiental no Setor Energético 08 e 09 de Junho de 2011 Unicamp Campinas/SP Perfil 2 Ceará Clientes Faturados (12/2010): 2,9 Milhões Km de

Leia mais

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Slide 1 INVESTIMENTO SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Iniciar O objetivo da apresentação é demonstrar que o investimento em PCH s é uma oportunidade muito interessante de negócio. A primeira

Leia mais

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja.

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Maria Helena M. Rocha Lima Nilo da Silva Teixeira Introdução Quais os fatores

Leia mais

Proposta preliminar para discussão com. Versão de 23 de abril de 2004. Potenciais Parceiros Privados

Proposta preliminar para discussão com. Versão de 23 de abril de 2004. Potenciais Parceiros Privados Proposta preliminar para discussão com Versão de 23 de abril de 2004 Potenciais Parceiros Privados Apresentação O Governo do Estado de Minas Gerais, com a publicação da Lei nº 14.868, de 16 de dezembro

Leia mais

Agenda Elétrica Sustentável 2020

Agenda Elétrica Sustentável 2020 Congresso Eficiência Energética Casa Alemã A Casa Ecoeficiente São Paulo, 14 de Abril de 2010 Agenda Elétrica Sustentável 2020 Estudo de Cenários para um Setor Elétrico Brasileiro Eficiente, Seguro e Competitivo

Leia mais

Relatório de Gestão 30 dias 2015

Relatório de Gestão 30 dias 2015 COMPANHIA RIO-GRANDENSE DE ARTES GRÁFICAS CORAG Relatório de Gestão 30 dias 2015 O mês de março marca um novo ciclo de transformação na Corag, com a verificação de que temos potencial para ampliar nosso

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Aplicação da ecologia na engenharia

Leia mais

POR QUE FAZER O PROGRAMA EMPREENDEDOR RURAL NO CEARÁ?

POR QUE FAZER O PROGRAMA EMPREENDEDOR RURAL NO CEARÁ? POR QUE FAZER O PROGRAMA EMPREENDEDOR RURAL NO CEARÁ? 1 1. Necessidade de modernização das propriedades rurais; 2. Necessidades de novas lideranças; 3. Necessidade de visão empresarial; 4. Baixa auto-estima

Leia mais

O Programa Produtor de Água

O Programa Produtor de Água O Programa Produtor de Água Arcabouço Legal e Institucional Lei nº 9.433 de 8.01.97 Titulo I - Da Política Nacional de Recursos Hídricos Capitulo II Dos Objetivos Artigo 2º - São objetivos da Política

Leia mais

[R]evolução energética:

[R]evolução energética: Ricardo Baitelo* [R]evolução energética: perspectivas para uma energia global sustentável As fortes suspeitas de que o ser humano é o agente responsável pela crise do aquecimento global foram categoricamente

Leia mais

Desafios e Oportunidades para o Biogás no Brasil

Desafios e Oportunidades para o Biogás no Brasil Desafios e Oportunidades para o Biogás no Brasil 01 de Outubro de 2015 FIESP Rodrigo Regis de Almeida Galvão Diretor-Presidente Biogás e Biometano em Destaque Definição, Conforme a Resolução 08/2015 -

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Soluções Energéticas para o seu negócio

Soluções Energéticas para o seu negócio Soluções Energéticas para o seu negócio Gas Natural Serviços Qualidade e eficiência em soluções energéticas O grupo Gas Natural Fenosa O grupo Gas Natural Fenosa é líder no mercado de gás e eletricidade

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Página da Prefeitura Lançando o Selo Verde Apresentação para Empreendedore e Interessados do Selo Verde Página da Prefeitura Lançando o Selo Verde Selo Verde

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de : PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Cerca de 192.000 produtos ostentam o Selo de Identificação da Conformidade

Leia mais

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 O Sistema Elétrico 1.1 INTRODUÇÃO A indústria de energia elétrica tem as seguintes atividades clássicas: produção, transmissão, distribuição e comercialização, sendo que esta última engloba a medição

Leia mais