16 Eficiência Energética

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "16 Eficiência Energética"

Transcrição

1 16 Eficiência

2

3 412 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Contextualização A eficiência energética pode ser definida como o desempenho de conversão de um sistema energético. Em outras palavras, representa o quanto de energia gerada está sendo realmente consumida, considerando as perdas que ocorrem ao longo do processo. Quanto maior forem as perdas, menor será a eficiência. Por exemplo, uma lâmpada converte energia elétrica em energia luminosa e térmica. A energia desejada é a luminosa, enquanto a energia térmica pode ser considerada como perda do processo de conversão. Porém as perdas não estão somente relacionadas às transformações energéticas. O uso inadequado de qualquer fonte de energia também pode ser considerado uma forma de desperdício. Um exemplo cotidiano é uma lâmpada acesa em um cômodo vazio. Medidas de Eficiência As medidas de eficiência energética (MEE) são ações aplicadas a um sistema para aumentar a produção de um serviço, considerando menos consumo de energia. Para que essas ações sejam projetadas, é necessário um entendimento da cultura local onde as MEEs serão aplicadas. A busca por um sistema energético mais eficiente fez uma nova área técnica surgir: a de análise e de implementação da conservação de energia. As empresas de serviços de conservação de energia (ESCOS) fazem análise, sugestão e execução das MEEs para tornar os sistemas energéticos mais eficientes. Para uma melhor aplicação das MEEs, é necessário conhecer as tecnologias disponíveis, os custos de implantação, o comportamento dos consumidores e do mercado e as medidas políticas do ambiente de implantação. Todos esses tópicos citados fazem parte dos potenciais de conservação de energia, conforme World Energy Assessment (WEA, 2000). Esses potenciais abrangem os cenários técnico, econômico e de mercado, que balizam as ações do MME. A figura a seguir (Cenários do Potencial de Conservação de Energia) mostra os três cenários principais que compõem o potencial de conservação de energia. Porém, mesmo construindo as medidas por meio desses potenciais, ainda existem barreiras que devem ser consideradas. Portanto, um quarto cenário é considerado: o do potencial realístico. Esse cenário considera ainda as barreiras de implementação, como impactos sociais, ambientais e medidas políticas. A aplicação de uma medida de eficiência de energia é uma opção para aumentar a oferta de forma sustentável sem comprometer a matriz energética de um país. O aumento da eficiência ocorre por meio de ações que modificam e melhoram as tecnologias de equipamentos e dispositivos que convertem energia. Essas medidas também reduzem os impactos ambientais, principalmente as taxas de emissões de dióxido de carbono. Após a crise do petróleo na década de 70, os países começaram a pensar em soluções energéticas para diminuir a dependência dos combustíveis fósseis. Foi nesse ponto que a eficiência energética tornou-se tópico de importância mundial, fazendo parte das políticas energéticas da maioria dos países, fortalecida pela preocupação ambiental. Por meio de análises, percebeu-se que aumentar a eficiência energética de um sistema é o modo mais rápido e econômico de atender à demanda sem afetar os aspectos sociais, ambientais e de segurança de cada nação. Diversas medidas governamentais foram criadas e implantadas para conscientizar essa nova linha de pensamento, como planos energéticos e incentivos para a implantação de programas de eficiência energética, de pesquisa e de desenvolvimento nos diversos setores energéticos. potencial técnico potencial econômico potencial de mercado Implementação das tecnologias mais eficientes disponíveis, sem considerar custos e medidas políticas. É o melhor cenário possível e é utilizado para limitar as medidas aplicadas. Implementação das tecnologias eficientes quando as medidas são viáveis economicamente dentro de um período estipulado. É um subconjunto do cenário técnico. Implementação das medidas que reduzirão os custos do consumidor, ou seja, quando há um retorno econômico considerando as variáveis do mercado.

4 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 413 O atual cenário mundial do potencial técnico para cada setor de energia, considerando a melhor tecnologia disponível, segundo o World Energy Council (WEC, 2013), é: RECOMENDAÇÕES DE POLÍTICAS REGIONAIS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA exploração de óleo e gás: cerca de 20% de eficiência energética do sistema elétrico; geração de energia: usinas com eficiência média de aproximadamente 34%; redes de transmissão e distribuição: média global de perdas de 12%; sistemas de gerenciamento de eficiência energética: aumentam, no mínimo, 5% da eficiência energética de qualquer sistema de energia; construções: a conservação de energia em edifícios pode ser entre 20% a 40% com a tecnologia disponível atualmente. Em muitos casos, apesar de o potencial técnico ser positivo, os outros potenciais não são tão otimistas. É necessário que haja mais incentivos dos governos e que as instituições financeiras tomem atitudes em relação aos projetos energéticos propostos. Para que os potenciais de conservação de energia sejam bem explorados, uma adaptação cultural deve ocorrer em relação aos hábitos energéticos da sociedade. A Agência Internacional de Energia (IEA), a Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina e o Caribe (UNECLAC) e o Ministério de Minas e Energia do Peru elaboraram um documento com recomendações sobre políticas e ações de eficiência energética. As recomendações foram elaboradas por especialistas para dar suporte aos investimentos e às atividades da área para as regiões da América Latina e Caribe. O quadro a seguir apresenta, de forma sucinta, as 20 ações recomendadas para melhorar a eficiência energética em diversos setores. 1 Setor Intersetorial Construções Iluminação, aparelhos e equipamentos Transporte Indústria Fonte: IEA (adaptado) Recomendações Designar instituições para planejamento, coordenação, implementação e monitoramento 1 de políticas e programas de eficiência energética. 2 Estabelecer coleta de dados e indicadores de eficiência energética. 3 Remover os subsídios energéticos ineficientes. 4 Estimular o investimento em eficiência energética. 5 Desenvolver programas educacionais e campanhas de conscientização. 6 Melhorar o desempenho energético dos componentes e sistemas de construções. 7 Melhorar o desempenho energético das construções. 8 Implementar etiquetas e certificados energéticos e divulgar o consumo de energia. 9 Almejar o consumo de energia líquida de zero em edifícios. Implementação de etiquetas obrigatórias e padrões mínimos de desempenho 10 energéticos. 11 Eliminação de produtos de iluminação ineficientes. 12 Buscar uma colaboração regional e harmonização de normas e procedimentos de testes. 13 Promover políticas de transformação do mercado. 14 Melhorar o planejamento do sistema de transporte e eficiência. 15 Implementar padrões obrigatórios de eficiência e rotulagem em veículos. Promover o uso de componentes veiculares mais eficientes por meio de normas e 16 procedimentos de ensaio. 17 Melhorar a eficiência operacional dos veículos. 18 Promover projetos de eficiência energética e de gestão de energia. 19 Promover equipamentos e sistemas industriais de alta eficiência. Estimular o desenvolvimento de produtos e serviços eficientes energeticamente para as 20 pequenas e médias empresas. 1 Para o documento na íntegra, consultar: https://www.ica.org/publications/freepublication/eepolicy.re_com_latinamerica_caribbean.pdf

5 414 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Todas as recomendações elaboradas pela IEA representam um tipo de gerenciamento energético. Quando bem aplicada, a gestão energética pode gerar uma redução no custo de consumo de energia e também diminuição da emissão de dióxido de carbono, contribuindo para um crescimento sustentável do meio em que está sendo aplicada. Eficiência no Mundo O consumo energético aumenta a cada ano e esse crescimento ocorre tanto em países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento. A taxa de migração também está em ascensão, causando o desenvolvimento das megacidades. Os países têm que se adaptar ao crescimento populacional de forma sustentável. A eficiência energética é um tópico que está progredindo no cenário mundial. Na figura a seguir (Eficiência no Setor de Transformação de Eletricidade), apresenta-se a eficiência obtida ao longo dos anos no setor de transformação energética mundial. Muitos países estão investindo em programas de eficiência energética e gestão energética para aperfeiçoar seus sistemas. A criação e implementação de leis, metas e regulamentações de eficiência energética também estão se tornando práticas comuns, principalmente nos países desenvolvidos. eficiência do setor de transformação - mundo O quadro a seguir apresenta o cenário de metas de eficiência energética dos 10 países que mais consomem energia no mundo com ano-base de 2014, segundo dados obtidos no World Energy Council. O mapa da figura a seguir mostra o cenário de leis e metas no mundo. CENÁRIO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DOS MAIORES CONSUMIDORES DE ENERGIA País Consumo (Mtep) Metas de Eficiência Leis de Eficiência Leis de Energia com Metas de Eficiência China Sim Em desenvolvimento Estados Unidos Sim Não Índia Sim Em desenvolvimento Rússia Sim Sim Japão Sim Sim Alemanha Sim Não Brasil Sim Sim República da Coreia Sim Em desenvolvimento Canadá Sim Não França Sim Sim Fonte: WEC. 41,00% Eficiência da produção total de eletricidade 40,00% 39,00% 38,00% 37,00% 36,00% 35,00% Fonte: WEC Ano Fonte: WEC Sim Não Em desenvolvimento Não informado

6 Eficiência EnErgética 415 O WEC possui diversas informações sobre a eficiência energética mundial. A organização, associada à Enerdata, criou uma base de dados sobre indicadores, medidas políticas e metas de eficiência energética de cada país. O quadro a seguir apresenta as leis de eficiência energética dos maiores consumidores de energia do mundo citados anteriormente. País Leis Brasil Lei de Eficiência (10.295) Canadá Ato de Eficiência China Lei de Conservação de Energia Estados Unidos Lei Nacional de Política de Conservação de Energia França Lei de Eficiência e Lei de Programação Política Japão Lei de Conservação de Energia República da Coreia Lei da Utilização Racional de Energia (REAU) Fonte: WEC Eficiência EnErgética no Brasil O Brasil passou por diversas mudanças no setor energético nos últimos anos. O elevado custo da energia proveniente de combustíveis fósseis, a crise do abastecimento e o aumento do consumo foram alguns dos fatores que afetaram esse setor. O País possui, há mais de 20 anos, diversas iniciativas na área de eficiência energética e até mesmo uma lei de eficiência energética: Lei n /2001, porém o setor de eficiência energética precisa ser fortalecido por meio de mais incentivos e programas por parte do Governo, para que a eficiência comece a fazer parte da cultura dos brasileiros. Em se tratando de energia elétrica no Brasil, entre 2008 a 2013, o consumo no País foi de TWh, sendo que a energia que poderia ter sido poupada no período seria da ordem de 251 TWh. Isso representa 10% e 2,6 vezes a produção da UHE Itaipu, sendo que o custo dessa energia gasta desnecessariamente chega a R$ 62 bilhões (figura a seguir). Energia que poderia ter sido poupada no período residenciais 657 twh 99 TWh outros SetoreS 375 (agricultura, pública e transporte) 37 TWh comércio TWh indústrias TWh Segundo a EPE e o MME, a eficiência energética causa: redução de custos e aumento da competitividade; aumento da eficiência econômica; melhoria da balança comercial; impactos socioambientais positivos. Os impactos causados pela aplicação da eficiência energética no setor energético são positivos e podem ajudar a melhorar a situação atual do País. Porém existem diversas barreiras que podem dificultar o desenvolvimento de projetos nessa área, como a tecnologia aplicada, a cultura do meio, o quadro econômico e os agentes financiadores e institucionais. Por esse motivo, uma política de eficiência energética se faz necessária para impulsionar o mercado e diminuir as barreiras. A EPE projeta que, em 2030, a energia final conservada será entre 4% a 12% do consumo final, considerando as medidas propostas no Plano Nacional de Energia (PNE) PrinciPais MEdidas PolÍticas Programa Brasileiro de Etiquetagem PBE O Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) existe desde 1984 e fornece informações sobre o desempenho dos produtos, considerando atributos como a eficiência energética e o ruído, entre outros critérios de performance. Ele também estimula a competitividade da indústria, que deverá fabricar produtos cada vez mais eficientes. O PBE é coordenado pelo INMETRO e possui um papel importante no PNE 2030, pois está ligado às metas brasileiras de economia de energia (INMETRO, 2015). No sítio do INMETRO, é possível acessar a tabela com informações de consumo e eficiência energética dos produtos aprovados no PBE. A etiqueta de eficiência energética desenvolvida pelo programa é chamada de Etiqueta Nacional de Conservação de Energia e apresenta a classificação do produto e outras informações (figura a seguir). Indica o tipo de equipamento Indica o nome do fabricante Indica a marca comercial ou logomarca Indica o modelo/tensão A letra Indica a eficiência energética do equipamento / Veja a tabela correspondente na coluna ao lado Indica o consumo de energia, em kwh/mês

7 416 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica PROCEL O Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (PROCEL) é coordenado pelo MME e executado pela Eletrobras desde Foi criado com o intuito de combater o desperdício de energia elétrica e promover o seu uso eficiente. O programa promove ações de eficiência energética em diferentes segmentos, buscando a economia da energia elétrica. Uma delas é o Selo PROCEL, um selo de economia de energia dado aos equipamentos e dispositivos mais eficientes após uma série de ensaios e testes de desempenho (PROCEL, 2015). Outra ação do programa é a Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (ENCE), em parceria com o INMETRO, que é designada a edificações em geral, após uma avaliação da eficiência energética da instalação. O PROCEL ainda possui projetos de eficiência energética no setor público, na área de iluminação pública e em centros de pesquisas. Até 2014, as ações do programa economizaram 80,6 bilhões de quilowatt/hora de energia desde A figura a seguir mostra os resultados do PROCEL nos últimos 5 anos. Energia economizada (bilhões kwh) Fonte: PROCEL 6,7 9,1 9,74 10, Programa Nacional de Conservação de Petróleo e Derivados CONPET O Programa Nacional de Conservação de Petróleo e Derivados (CONPET) foi criado pelo Governo brasileiro, vinculado ao MME e à Petrobras, em 1991, para promover o desenvolvimento de uma cultura antidesperdício no uso dos recursos naturais não renováveis no Brasil. Os principais objetivos são racionalizar o consumo dos derivados do petróleo e do gás natural; reduzir a emissão de gases poluentes na atmosfera; promover a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico; e fornecer apoio técnico para o aumento da eficiência energética no uso final da energia. O programa também possui a sua própria etiqueta de eficiência: Selo CONPET de Eficiência, além de possuir parceria no PBE em relação aos equipamentos que consomem combustíveis. Programa de Eficiência PEE ANEEL Conforme Lei n 9.991, de 24 de julho de 2000, as empresas concessionárias e permissionárias de distribuição de energia elétrica devem aplicar anualmente um montante de, no mínimo, 0,5% de sua receita operacional líquida (ROL) em Programas de Eficiência (PEE), segundo regulamentos da ANEEL. A agência possui um manual de PEE para elaboração e execução: o guia de Procedimentos do Programa de Eficiência (PROPEE). APLICAÇÃO DE 1% DA ROL DAS EMPRESAS DE ENERGIA ELÉTRICA Aplicação de 1% da ROL Vigência: 21/01/2010 a 31/12/2015 A partir de 1/01/2016 Pesquisa e Desenvolvimento 0,5% 0,25% Projetos de Eficiência 0,5% 0,75% Fonte: ANEEL. Os resultados obtidos pelo PEE até julho de 2015, segundo a ANE- EL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência, são: investimento total: R$ 4,269 bilhões; energia total economizada: GWh/ano; demanda retirada do horário de ponta: 1,277 GW; quantidade de projetos: Lei de Eficiência A Lei n /2001 diz respeito à Política Nacional de Conservação e Uso Racional de Energia, que visa a alocação eficiente de recursos energéticos e a preservação do meio ambiente (art. 1 ). Conforme art. 2, o Poder Executivo estabelecerá níveis máximos de consumo específico de energia, ou mínimos de eficiência energética, de máquinas e aparelhos consumidores de energia fabricados ou comercializados no País, com base em indicadores técnicos pertinentes. Por meio do Decreto n 4.059, que regulamenta a Lei n , foi criado o Comitê Gestor de Indicadores de Eficiência (CGIEE), que é responsável por elaborar regulamentação específica para cada tipo de aparelho e máquina consumidora de energia, além de estabelecer programa de metas com indicação da evolução dos níveis a serem alcançados para cada equipamento regulamentado, entre outras ações que executem a Lei n /2001. Plano Nacional de Eficiência PNEE O PNEE foi elaborado com o objetivo de cumprir as metas de eficiência energética estabelecidas no âmbito do PNE O documento foi elaborado pelo MME em parceria com diversas instituições especializadas em energia. O documento final visa a inclusão da eficiência energética no planejamento do setorial energético de forma explícita e sustentável. Possui 16 diretrizes básicas que orientam as atuações dos diversos entes públicos e privados no combate ao desperdício de energia e na construção de uma economia energeticamente eficiente. Tais ações

8 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 417 ocorrerão mediante a escolha das formas de energia, tecnologias de equipamentos e processos operativos mais eficientes, objetivando uma meta de conservação anual de energia equivalente a 10% do consumo energético nacional no horizonte de 2030 (MME, 2015). Todas as metas projetadas para o setor energético podem ser encontradas com mais detalhes no PNE As diretrizes básicas e premissas do PNEE são: legislação e regulamentação; pesquisa e desenvolvimento; setores da indústria, educação, transporte, construção, prédios públicos, iluminação pública e saneamento; medição e verificação; associações internacionais; iniciativas de financiamento; o papel do PROCEL e CONPET; programa de etiquetagem brasileiro. Eficiência no Rio Grande do Sul O Rio Grande do Sul possui participação de aproximadamente 7,8% da oferta total de energia do Brasil. Os três energéticos mais consumidos no Estado são: derivados do petróleo (58,7%), gás natural (30,2%) e energia elétrica (7,6%), conforme dados da SEPLAN (2012). Nos últimos 10 anos, o RS atingiu um crescimento significativo na sua capacidade de geração de energia, porém também houve um aumento similar na demanda de energia, o que manteve o balanço energético quase equilibrado. O Estado não possui nenhuma medida política com foco em eficiência energética. Porém a medida de PEE ANEEL tem um papel importante no Estado, pois existem cerca de 23 agentes de distribuição de energia, sendo que 93,5% da distribuição pertencem a três grandes concessionárias: a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE-D), a Distribuidora Gaúcha de Energia Elétrica (AES-Sul) e a Rio Grande Energia (RGE). Devido ao PEE, existem diversos projetos de eficiência energética ocorrendo no Estado por meio das concessionárias (quadro a seguir). NÚMERO DE PEE POR EMPRESA Empresa Número de PEE (aproximado) AES-Sul 93 CEEE-D 20 RGE 29 Fonte: ANEEL. PEE NO RS COM RESULTADOS SIGNIFICATIVOS Projeto Empresa Tipologia CEEE-D na Comunidade 2008 (finalizado) Atendimento Comunidades de Baixo Poder Aquisitivo (finalizado) Baixa Renda 3 (finalizado) Baixa Renda IV (ativo) Projeto Baixa Renda VI (finalizado) Atendimento Comunidades de Baixo Poder Aquisitivo Fonte: ANEEL Energia Economizada (GWh/ano) CEEE-D Baixa Renda ,04 CEEE-D Baixa Renda 7.542,29 AES-Sul Baixa Renda ,81 AES-Sul Baixa Renda ,1 RGE Baixa Renda ,44 RGE Baixa Renda 8.285,32 Alguns PEEs executados no RS que obtiveram uma economia de energia significativa estão reunidos no quadro a seguir. Mais informações sobre os PEEs podem ser obtidas no sítio da ANEEL. Além dos PEEs, o Rio Grande do Sul possui um grande número de ESCOS, além disso, o setor de consultoria energética está se tornando tendência no mercado energético. Espera-se que, com o PNEf, o Estado do RS obtenha medidas políticas regionais de eficiência energética nos próximos 10 anos e que a conservação de energia faça parte da cultura energética regional. Objetivo do Projeto Eficientização energética em clientes de baixa renda e número de inscrição social, por meio da substituição de geladeiras e lâmpadas ineficientes por equipamentos de alto rendimento. Proporcionar o uso racional da energia elétrica, por meio da substituição de equipamentos de baixo rendimento, bem como por meio da conscientização da população com palestras e atividades lúdicas. O projeto objetiva promover a eficientização em comunidades de baixo poder aquisitivo por meio da substituição de lâmpadas, geladeiras, chuveiros, ações de conscientização e regularização de consumidores. O objetivo do projeto é promover a eficientização de unidades consumidoras de baixo poder aquisitivo, por meio da substituição 210 mil lâmpadas, geladeiras e chuveiros, além da instalação de 400 coletores solares para aquecimento d água. Promover a eficientização em comunidades de baixo poder aquisitivo por meio da substituição de lâmpadas incandescentes por lâmpadas fluorescentes compactas, substituição de equipamentos ineficientes e adequação de entrada de energia elétrica. Promover a eficientização em comunidades de baixo poder aquisitivo por meio da substituição de lâmpadas incandescentes por lâmpadas fluorescentes compactas, substituição de equipamentos ineficientes e adequação de entrada de energia elétrica.

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil São Paulo, 5 de dezembro de 2013 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL Principais Programas e Resultados Lei de

Leia mais

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Minas e Energia Ministério de Minas e Energia Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Encontro de Lideranças 2011 Sistema CONFEA/CREA s Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL. Fernando Pinto Dias Perrone

Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL. Fernando Pinto Dias Perrone Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL Fernando Pinto Dias Perrone Chefe do Departamento de Projetos de Eficiência Energética Rio de Janeiro, 19/4/2013. Principais Políticas

Leia mais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Agenda 1 2 3 4 5 Panorama sobre eficiência energética Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Políticas brasileiras de eficiência energética Eficiência energética na

Leia mais

Eng. José Starosta. Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética I

Eng. José Starosta. Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética I Eng. José Starosta Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética I MOTIVAÇÕES PARA EE: Consumo energia elétrica nacional e o PIB Quando inverteremos? Uso de térmicas faz governo bancar mais R$

Leia mais

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Documento elaborado pela Eletrobras/ Procel Edifica, Inmetro e CB3E/UFSC Rio de Janeiro, setembro de 2013. 1 O Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Sheyla Maria das Neves Damasceno Coordenadora do Programa de Eficiência Energia Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de : PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Cerca de 192.000 produtos ostentam o Selo de Identificação da Conformidade

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A Espírito Santo Centrais Elétricas SA, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991 de

Leia mais

1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM PRÉDIOS PÚBLICOS 1.1. OBJETIVO 1.2. CONTEXTUALIZAÇÃO

1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM PRÉDIOS PÚBLICOS 1.1. OBJETIVO 1.2. CONTEXTUALIZAÇÃO 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM PRÉDIOS PÚBLICOS 1.1. OBJETIVO A presentar uma visão sobre a necessidade de aplicação de conceitos de eficiência energética nos prédios públicos brasileiros bem como apresentar

Leia mais

VEICULAR COMO VOCÊ DECIDE A COMPRA DO SEU CARRO

VEICULAR COMO VOCÊ DECIDE A COMPRA DO SEU CARRO VEICULAR A COMPRA DO? COMO VOCÊ DECIDE SEU CARRO Como você decide a compra do seu carro? A escolha de um veículo é resultado de uma análise que considera várias características. O preço é certamente uma

Leia mais

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil George Alves Soares Assistente da Diretoria de Tecnologia Abril / 2010 Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das

Leia mais

Eficiência energética

Eficiência energética Eficiência energética A realização de pesquisas para otimizar a utilização da energia elétrica faz parte da postura sustentável adotada pelas empresas Eletrobras. Conheça nas próximas páginas as principais

Leia mais

CONSUMO EFICIENTE DE. energia elétrica: uma agenda para o Brasil

CONSUMO EFICIENTE DE. energia elétrica: uma agenda para o Brasil CONSUMO EFICIENTE DE energia elétrica: uma agenda para o Brasil 2/14 Créditos Copyright Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) 2016 Conteúdo PSR Soluções e Consultoria

Leia mais

MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS

MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das Minas

Leia mais

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Serviços de Consultoria Pessoa Jurídica para a elaboração de metodologia que permita mensurar, verificar e avaliar os resultados decorrentes

Leia mais

Motivação para Eficiência Energética

Motivação para Eficiência Energética Eficiência Energética em Edifícios O potencial de redução de consumo de energia em edifícios antigos e as perspectivas dos novos projetos Palestrante: Engº Profº Luiz Amilton Pepplow UTFPR-CT Motivação

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM PBE

PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM PBE PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM PBE Leonardo Rocha Diretoria da Qualidade Inmetro INMETRO 35 Anos (fundado em dez/73) Lei 9933 (regulamenta os serviços) Autarquia do Governo Federal Contrato de Gestão

Leia mais

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil Geração distribuída e centralizada, leilões e incentivos fiscais contribuem para geração de energia solar

Leia mais

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL O PROCEL EDIFICA e a Etiquetagem de Eficiência Energética de Edificações Projeções de Consumo de Eletricidade

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA E O PLANO NACIONAL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA E O PLANO NACIONAL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Texto de Discussão do Setor Elétrico nº. 42 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA E O PLANO NACIONAL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Nivalde J. de Castro Guilherme Dantas Ernesto Martelo Antonella Mazzone

Leia mais

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de 1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de projetos de eficiência energética 2 Motivações Os contratos

Leia mais

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 Seminário ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 PROJETOS DE CONSERVAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eletrobrás Saulo José Nascimento Cisneiros Diretor de Projetos Especiais da Eletrobrás

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015*

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* 1 SINOPSE. Um dos maiores desafios atuais para as empresas é ter um sistema de gestão documental de fácil entendimento entre todos profissionais da organização.

Leia mais

Eficiência Energética. Roberto Lamberts Labeee-UFSC e CBCS

Eficiência Energética. Roberto Lamberts Labeee-UFSC e CBCS Eficiência Energética Roberto Lamberts Labeee-UFSC e CBCS Estrutura Contextualização Desafios Visão de futuro Contextualização A sociedade vem buscando uma melhora constante na qualidade de vida e demanda

Leia mais

ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Ralf Majevski Santos 1 Flávio Tongo da Silva 2 ( 1 Ralf_majevski@yahoo.com.br, 2 ftongo@bitavel.com) Fundamentos em Energia Professor Wanderley

Leia mais

POSSÍVEIS AVANÇOS PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL E COMO A REGULAÇÃO PODE CONTRIBUIR PARA SEU APRIMORAMENTO

POSSÍVEIS AVANÇOS PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL E COMO A REGULAÇÃO PODE CONTRIBUIR PARA SEU APRIMORAMENTO POSSÍVEIS AVANÇOS PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL E COMO A REGULAÇÃO PODE CONTRIBUIR PARA SEU APRIMORAMENTO Jamil Haddad Engenheiro Eletricista e Doutor em Planejamento Energético Universidade Federal

Leia mais

Soluções em energia. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED

Soluções em energia. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED Soluções em energia EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED ENERGIA Insumo fundamental para garantir o desenvolvimento econômico e social do país ENERGIA ÓLEO COMBUSTÍVEL GÁS NATURAL GLP BIOMASSA ELÉTRICA

Leia mais

FAQ CHAMADA PÚBLICA R.: Entendimento correto.

FAQ CHAMADA PÚBLICA R.: Entendimento correto. FAQ CHAMADA PÚBLICA 1. Conforme o item 8.1.6 do edital da Chamada Pública REE 002/2015 para as propostas de projetos que contemplarem a inclusão de geração de energia elétrica a partir de Fonte Incentivada

Leia mais

eficiência energética na indústria:

eficiência energética na indústria: Brasília, agosto de 2009 eficiência energética na indústria: o que foi feito no Brasil, oportunidades de redução de custos e experiência internacional Apresentação A Confederação Nacional da Indústria

Leia mais

"Políticas para la diversificación de la matriz energéticainiciativas

Políticas para la diversificación de la matriz energéticainiciativas "Políticas para la diversificación de la matriz energéticainiciativas no Brasil " Evento regional ONU de alto nivel sobre "Crisis Energética y Crisis Alimentaria: desafíos y oportunidades Santiago, Chile,

Leia mais

Metas Centrais do Projeto

Metas Centrais do Projeto Metas Centrais do Projeto Aumento no investimento de EE em edificações públicas e privadas de US$ 93 milhões Pelo menos 10 Instituições Financeiras incluindo instituições locais (e quantia de pelo menos

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A EDP Bandeirante, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 202/98 - ANEEL, com a Resolução Normativa n 300, de 12 de fevereiro

Leia mais

Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos

Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos Carlos Eduardo Firmeza Especialista em Regulação Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores de Energia

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Plano Nacional de Energia 2030 Eficiência Energética Brasília, 13 julho de 2006 Plano Nacional de Energia - 2030 Eficiência Energética Roteiro Observações Iniciais e Conceitos Motivações e Dificuldades

Leia mais

POLÍTICA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL

POLÍTICA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL ESTUDO POLÍTICA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL Rodrigo Limp Nascimento Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos ESTUDO OUTUBRO/2015 Câmara dos Deputados Praça dos

Leia mais

00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002)

00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002) Programa 2033 - Energia Elétrica Número de Ações 17 Tipo: Operações Especiais 00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002) Unidade

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS PRINCIPAIS PROGRAMAS EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EXISTENTES NO BRASIL

REFLEXÕES SOBRE OS PRINCIPAIS PROGRAMAS EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EXISTENTES NO BRASIL Revista Brasileira de Energia, Vol. 15, N o. 1, 1 o Sem. 2009, pp. 7-26 7 REFLEXÕES SOBRE OS PRINCIPAIS PROGRAMAS EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EXISTENTES NO BRASIL Hamilton Moss de Souza 1 Paulo Augusto Leonelli

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

PNE: análise crítica das metas

PNE: análise crítica das metas PNE: análise crítica das metas Profa. Dra. Gilda Cardoso de Araujo Universidade Federal do Espírito Santo Ciclo de Palestras do Centro de Educação 2015 Metas do PNE Contexto Foram 1.288 dias de tramitação,

Leia mais

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA FICHA DE INSCRIÇÃO 8 ª EDIÇÃO Prefeitura Municipal de Nome do(a) Prefeito(a) Endereço CEP UF Telefone Fax E-mail Responsável pelas informações (nome e

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL Santa Carolina (denominado Projeto Santa

Leia mais

O Panorama Energético sob o Olhar da Concessionária Fontes Renováveis, Tecnologias & Mercado. Junho de 2015

O Panorama Energético sob o Olhar da Concessionária Fontes Renováveis, Tecnologias & Mercado. Junho de 2015 O Panorama Energético sob o Olhar da Concessionária Fontes Renováveis, Tecnologias & Mercado Junho de 2015 1 2 1. CELESC - Mercado 2. Ciclos e Modicidade Tarifária 3. Qualidade do Fornecimento de Energia

Leia mais

Agenda Ambiental na Administração Pública

Agenda Ambiental na Administração Pública Agenda Ambiental na Administração Pública Brasília/DF agosto/2014 Agenda Ambiental Administração Pública Agenda para promoção da Responsabilidade Socioambiental - RSA; Ferramenta de gestão institucional

Leia mais

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras dezembro 2012 Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras 5 I. O público-alvo

Leia mais

Projetos em Implementação no PEE 2016

Projetos em Implementação no PEE 2016 Tipo: Educacional Nome do Projeto: Educação com Energia 2016 Projetos em Implementação no PEE 2016 Promover a reflexão e o diálogo sobre o uso eficiente e seguro da energia elétrica e sensibilizar para

Leia mais

Resultados dos Projetos Concluídos no PEE 2015

Resultados dos Projetos Concluídos no PEE 2015 Nome do Projeto: Venda subsidiada de lâmpadas LED Situação: Concluído - Relatório Final encerrado Aguardando liberação da AEEL para envio Propôs estimular o acesso à tecnologia de LED para os clientes

Leia mais

SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE. A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável. São Paulo, 04 de junho de 2008

SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE. A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável. São Paulo, 04 de junho de 2008 SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável São Paulo, 04 de junho de 2008 SUSTENTABILIDADE X DEMANDAS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO 2 Matriz Energética

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

A Eficiência Energética para o setor público. Seminário FIESP de Cidades Sustentáveis

A Eficiência Energética para o setor público. Seminário FIESP de Cidades Sustentáveis A Eficiência Energética para o setor público Seminário FIESP de Cidades Sustentáveis AES no Mundo Atuação do Grupo AES no Mundo Presente em 29 países 11 milhões de clientes com atendimento a 100 milhões

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS SUSTENTABILIDADE E M P R E S A R I A L Política de Sustentabilidade Empresarial das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras,

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 104, DE 22 DE MARÇO DE 2013. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO, E DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora

Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora Combate ao Desperdício de Energia Elétrica Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora Combate ao Desperdício de Energia 1) Vertente Humana: Trata da capacitação dos cidadãos

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica

PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica ILUMEXPO 2015 São Paulo, 1º de junho de 2015 George Alves Soares Sistema Eletrobras Geração e Transmissão Geração Geração Binacional (100,00%)

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras 2010 Declaração Nós, das Empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e

Leia mais

Propostas para implementação do plano indústria de baixo carbono EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA

Propostas para implementação do plano indústria de baixo carbono EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA O I ÁR M U S Propostas para implementação do plano indústria de baixo carbono EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA CENTRO DE ESTUDOS EM SUSTENTABILIDADE DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS (GVces / FGV-EAESP) Novembro

Leia mais

PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA

PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA Brasília, 24 de Agosto de 2010. PLATAFORMA OPERÁRIA E CAMPONESA DE ENERGIA Ao Povo Brasileiro e às organizações do campo e da cidade A questão energética, na

Leia mais

ABRAPECON - Associação Brasileira Dos Pequenos Consumidores (de enegia elétrica água telefonia gás encanado e outros)

ABRAPECON - Associação Brasileira Dos Pequenos Consumidores (de enegia elétrica água telefonia gás encanado e outros) Folha - 1 de 5 ABRAPECON - Associação Brasileira Dos Pequenos Consumidores (de enegia elétrica água telefonia gás encanado e outros) Registro da ABRAPECON em cartório: Estatuto este da ABRAPECON registrado

Leia mais

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM Gerência de P&D e Eficiência Energética GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM O "Grupo Empresarial CEB" tem como controladora a Companhia Energética de Brasília - CEB, cuja origem é a Companhia de

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Inmetro Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar

Leia mais

INCLUSÃO DE CONTEÚDOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA NOS CURSOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

INCLUSÃO DE CONTEÚDOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA NOS CURSOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA INCLUSÃO DE CONTEÚDOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA NOS CURSOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA Danilo Pereira Pinto - danilo@engelet.ufjf.br Edimar José de Oliveira - edimar@eletrica.ufjf.br Universidade Federal

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO. PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogério Lisboa)

JUSTIFICAÇÃO. PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogério Lisboa) PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogério Lisboa) Dispõe sobre a obrigatoriedade de previsão para uso de aquecedores solares de água em novas edificações multifamiliares. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

MINUTA PROJETO DE LEI. Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima.

MINUTA PROJETO DE LEI. Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. MINUTA PROJETO DE LEI Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

Tipo: Nome do Projeto: Situação: 1) Objetivos do Projeto 2) Abrangência (município, bairro, número de unidades consumidoras) 3) Metas

Tipo: Nome do Projeto: Situação: 1) Objetivos do Projeto 2) Abrangência (município, bairro, número de unidades consumidoras) 3) Metas Tipo: Residencial Nome do Projeto: Incentivo Para Eficientização Energética Residencial E Conscientização Ambiental 2011 (Projeto Energia Verde Loja Eficiente). 1) Objetivos do Projeto Dando continuidade

Leia mais

As ações da Abrava no Cenário de Eficiência Energética

As ações da Abrava no Cenário de Eficiência Energética As ações da Abrava no Cenário de Eficiência Energética ABRAVA Associação Brasileira de Refrigeração, Ar-Condicionado, Ventilação e Aquecimento www.abrava.com.br Representatividade Movimentação em 2000

Leia mais

Estudos para Reorganização do Setor Elétrico

Estudos para Reorganização do Setor Elétrico Programa 0276 Gestão da Política de Energia Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas na área de energia. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es) Órgão(s) 32 - Ministério

Leia mais

a Energia em casa Da usina até sua casa

a Energia em casa Da usina até sua casa a Energia em casa Da usina até sua casa Para ser usada nas cidades, a energia gerada numa hidrelétrica passa por uma série de transformações A eletricidade é transmitida de uma usina até os centros de

Leia mais

Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001?

Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001? Oportunidades e desafios na expansão da oferta e no uso da energia - recursos, tecnologia e gestão Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001? São Paulo, 27 de novembro

Leia mais

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética Reive Barros dos Santos Diretor São Paulo - SP 26 de agosto de 2015 Missão Proporcionar condições favoráveis para que o mercado

Leia mais

Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios

Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios 2 OBJETIVO Levantar informações e mapear percepções sobre questões relacionadas às Mudanças

Leia mais

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO Diretora do Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Fortaleza, 18 de setembro

Leia mais

Matriz elétrica brasileira Eólica

Matriz elétrica brasileira Eólica 1 Matriz elétrica brasileira Eólica UEE VOLTA DO RIO Lívio Teixeira de Andrade Filho Coordenação-Geral de Fontes Alternativas Departamento de Desenvolvimento Energético 2 PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA

Leia mais

Centrais Elétricas Brasileiras SA Diretoria de Operação de Sistemas AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Outubro 1999 Versão 08

Centrais Elétricas Brasileiras SA Diretoria de Operação de Sistemas AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Outubro 1999 Versão 08 Centrais Elétricas Brasileiras SA Diretoria de Operação de Sistemas AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL Outubro 1999 Versão 08 APRESENTAÇÃO Este relatório sintetiza o conjunto dos Programas de

Leia mais

Eficiência Energética e ISO 50.001 Vantagens na Gestão da Energia

Eficiência Energética e ISO 50.001 Vantagens na Gestão da Energia Eficiência Energética e ISO 50.001 Vantagens na Gestão da Energia Setembro de 2014 Clientes COELBA CELPE Neoenergia 9,9 milhões 5,4 milhões 3,3 milhões COSERN COSERN 1,2 milhões CELPE Energia Distribuida

Leia mais

Projetos Eficiência Energética 2014

Projetos Eficiência Energética 2014 Projetos Eficiência Energética 2014 1 LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES DE BAIXA RENDA - 2008 Objetivo: Promover ações de regularização de ligações clandestinas, recuperação de consumidores cortados e auto-religados

Leia mais

2º C o C n o g n r g esso o Br B asil-al A ema m nh n a h de d En E e n rgi g as

2º C o C n o g n r g esso o Br B asil-al A ema m nh n a h de d En E e n rgi g as 2º Congresso Brasil-Alemanha de Energias Renováveis e Eficiência Energética - Effizienz ISO 50001: cenário mundial e brasileiro George Alves Soares São Paulo, 02 de dezembro de 2014 Principais Funções

Leia mais

Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08

Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08 Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08 RME Rio Minas Energia Participações S.A Luce Brasil Fundo de Investimentos - LUCE Missão da Light: Ser uma grande empresa

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Aspectos Jurídicos 1

Aspectos Jurídicos 1 Aspectos Jurídicos 1 Planejamento do conteúdo: 1. Direito de energia no Brasil Estrutura e funcionamento do Estado brasileiro Marcos regulatórios (CR, as Políticas, as Leis, as Agências) 2. A contratação

Leia mais

Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013

Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013 Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013 Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Lei no 8.987, de fevereiro de 1995, Art. 29. Incumbe ao poder concedente: Inciso X: estimular

Leia mais

Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014

Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Eng. Anderson F. Gomes Brasília-DF, 05 de fevereiro de 2015 Apresentação SLTI/MP Lei nº 10.295, de Eficiência Energética MINISTÉRIO DO

Leia mais

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC 14 de Maio de 2009 Politica Nacional sobre Mudança do Clima Plano Nacional Mudança do Clima Fundo de Mudança Climática (funded by a share of oil royalties)? Fundo

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

Programa de Eficiência Energética PEE CEMIG. Leonardo Resende Rivetti Rocha

Programa de Eficiência Energética PEE CEMIG. Leonardo Resende Rivetti Rocha Programa de Eficiência Energética PEE CEMIG Leonardo Resende Rivetti Rocha PEE CEMIG PEE 2008/2010 - Resolução N o 300-12/02/2008 - Lei N o 12.212-20/01/2010 Projetos Baixo Poder Aquisitivo/ Tarifa Social

Leia mais

As oportunidades de eficiência no aquecimento de água residencial

As oportunidades de eficiência no aquecimento de água residencial As oportunidades de eficiência no aquecimento de água residencial 04 de Novembro de 2015 FIESP-SP Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo Agenda A Matriz Energética

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA) (Revisão I) 25/08/2010

Leia mais

ISO 14000. O que é uma Norma? A ISO 14000. Pedro G. Fernandes da Silva

ISO 14000. O que é uma Norma? A ISO 14000. Pedro G. Fernandes da Silva ISO 14000 Pedro G. Fernandes da Silva A ISO 14000 é uma forma abrangente e holística de administrar o meio ambiente que inclui regulamentos, prevenção de poluição, conservação de recursos e proteção ambiental,

Leia mais

ORÇAMENTO DOMÉSTICO PLANEJAMENTO DE COMPRAS FORMAS DE PAGAMENTO ECONOMIA DOMÉSTICA

ORÇAMENTO DOMÉSTICO PLANEJAMENTO DE COMPRAS FORMAS DE PAGAMENTO ECONOMIA DOMÉSTICA maio/2016 ORÇAMENTO DOMÉSTICO PLANEJAMENTO DE COMPRAS FORMAS DE PAGAMENTO ECONOMIA DOMÉSTICA A elaboração do orçamento doméstico nem sempre é uma tarefa fácil. Definir quais são as suas necessidades e

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 04/2009 ANEXO I - ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...3 2 DETALHAMENTO DOS SERVIÇOS...3

Leia mais

[R]evolução energética:

[R]evolução energética: Ricardo Baitelo* [R]evolução energética: perspectivas para uma energia global sustentável As fortes suspeitas de que o ser humano é o agente responsável pela crise do aquecimento global foram categoricamente

Leia mais

Caravana RGE Educando para a eficiência

Caravana RGE Educando para a eficiência Caravana RGE Educando para a eficiência Antônio Flávio Nunes, Cristian Sippel, Eugênio Severo Medeiros e Raquel Rosa Dorigon Resumo O Projeto Caravana RGE Educando para a eficiência, realizado pelo Programa

Leia mais

1 Introdução. 2 Aspectos Normativos (...)

1 Introdução. 2 Aspectos Normativos (...) Celg Distribuição S/A. Diretoria Comercial Superintendência de Comercialização Departamento de Medição e Utilização de Energia Setor de Utilização de Energia Programa de Eficiência Energética Audiência

Leia mais

ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina

ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina Mobilização / Sensibilização Módulo Eficiência Energética Fevereiro 2012 Fonte: Plano Nacional de Energia 2030 MME, colaboração Empresa de Pesquisa Energética EPE, 2007

Leia mais

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água Seminário: COPA DO MUNDO DE 2014 NORMATIZAÇÃO PARA OBRAS SUSTENTÁVEIS Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia

Leia mais

COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA:

COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA: COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA: 1 Sobre a utilização de aparelhos de ar condicionado: a) Desligar o aparelho

Leia mais

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos Departamento t de Desenvolvimento Sustentável tá na Mineração Ministério das Minas e Energia LEI Nº 12.305/2010 Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional de Resíduos

Leia mais