Análise Avançada das Demonstrações Financeiras. Paulo Henrique Lopes BDMG 25 e 26 de Julho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise Avançada das Demonstrações Financeiras. Paulo Henrique Lopes BDMG 25 e 26 de Julho"

Transcrição

1 Análise Avançada das Demonstrações Financeiras Paulo Henrique Lopes BDMG 25 e 26 de Julho

2 Roteiro Programático 1. Abertura Apresentação; 2. Cultura Brasileira; 3. Linguagem Contábil; 4. 1º contato com os DEF s identificando as informações suas origens e para que servem; 2

3 INVESTIMENTO = Desembolso realizado na expectativa de GERAÇÃO de RECEITA ou GANHO futuro. CUSTO = Desembolso realizado no ESFORÇO na geração de RECEITA ou GANHO futuro. DESPESA = Desembolso realizado na MANUTENÇÃO da atividade econômica. 3

4 1) *Segundo o dicionário Aurélio a expressão GASTO = significa ato ou efeito de desembolsar; desembolso; Aquilo que se gastou ou pagou; Pagar ato de desembolsar dinheiro. [Desembolso realizado... (Profº Paulo H. Lopes)] 2) *Investimento = Ato ou efeito de investir em recursos FINANCEIROS, MATERIAIS e HUMANOS, visando obter RECEITA FUTURA (Formação de Capital). [Desembolso realizado na obtenção de receita futura (Profº Paulo H. Lopes)] 3) *Desembolso realizado à Manutenção da Atividade Econômica da Empresa (Dispêndio, Despesa, Gasto, Consumo). [Desembolso realizado àmanutenção da atividade econômica (Profº Paulo H. Lopes)] 4) *O que deve ser dispendio, desembolsado em dinheiro, tempo, esforço, trabalho, dificuldade, para se obter algo. [Desembolso realizado no esforço para obtenção de receita futura (Profº Paulo H. Lopes)] 5) *Perda = Prejuízo sofrido em conseqüência de concreta diminuição do seu Patrimônio e também pela cessação de Lucros que normalmente deveriam ter percebido. (*) Dicionário Aurélio Século XXI 4

5 Atividade Industrial ATIVO INVESTIMENTOS CIRCULANTE ESTOQUES 1ª SITUAÇÃO MATÉRIA PRIMA PRODUÇÃO + = MOD + GGF + ES PRODUTO PRONTO INVESTIMENTOS 2ª SITUAÇÃO VENDA MOMENTO ESTÁTICO DA VENDA 3ª SITUAÇÃO D R Ex CUSTO PRODUTOS VENDIDOS C P V AFERIÇÃO DO RESULTADO 5

6 Atividade Comercial ATIVO INVESTIMENTOS CIRCULANTE ESTOQUES 1º SITUAÇÃO MERCADORIAS INVESTIMENTOS 2º SITUAÇÂO VENDAS MOMENTO ESTÁTICO DA VENDA 3º SITUAÇÃO DREx CUSTO MERCADORIAS VENDIDAS C M V AFERIÇÃO DO RESULTADO 6

7 Atividade Serviços ATIVO INVESTIMENTOS CIRCULANTES ESTOQUES 1ª SITUAÇÃO 2ª SITUAÇÃO ( + ) Material Aplicado na Produção do Serviço ( + ) Remuneração de Dirigente de Produção dos Serviços ( + ) Custo Pessoal c/ Vinculo Empregatício Aplicado Produção Serviços ( + ) Serviços Prestados por PF s/ Vinculo Empregatício ( + ) Serviços Prestados por PJ na Produção s/ Vinculo Empregatício ( + ) Encargos Sociais Inerentes Itens Anteriores ( + ) Depreciação e Amortização ( + ) Arrendamento Mercantil (Leasing) ( + ) Royalties e Assistência Técnica ( País e Exterior) VENDAS DE SERVIÇOS * INVESTIMENTOS MOMENTO ESTÁTICO DA VENDA 3ª SITUAÇÃO D R Ex CUSTO SERVIÇOS PRESTADOS C S P ( APROPRIAÇÃO PROPORCIONAL VENDAS ) AFERIÇÃO DO RESULTADO 7

8 Planilha para identificação do Custo Serviços Prestados ou Vendidos Saldo Inicial de Serviços em Andamento ( + ) Material Aplicado na Produção do Serviço ( + ) Remuneração de Dirigente de Produção dos Serviços ( + ) Custo Pessoal c/ Vinculo Empregatício Aplicado Produção Serviços ( + ) Serviços Prestados por PF s/ Vinculo Empregatício ( + ) Serviços Prestados por PJ na Produção s/ Vinculo Empregatício ( + ) Encargos Sociais ( + ) Depreciação e Amortização ( + ) Arrendamento Mercantil (Leasing) ( + ) Royalties e Assistência Técnica ( País e Exterior) ( ) Saldo Final de Serviços Prestados ( = ) Custos dos Serviços Prestados ou Vendidos 8

9 Estrutura Contábil Atividade Econômica Serviço ATIVO Bancos Ctas. Movimento (5) Contratos de Serviços a Receber (1) * Custos Contratos Serviços a Apropriar (4) COMPENSAÇÃO ATIVA 4ª Fase: Contratos Serviços a Realizar (1) 3ª Fase: Contratos Serviços Contratados 2ª Fase: Contratos Serviços Revisados 1ª Fase: Serviços Solicitados Clientes PASSIVO Provisões Custos Contratos a Apropriar (5) Impostos Incidentes s/ Vendas Serviços (3) Provisões Despesas Operacionais (6) COMPENSAÇÃO PASSIVA 4ª Fase: Realização Contratos Serviços (2) 3ª Fase: Contratos Serviços Autenticados 2ª Fase: Contratos Serviços Apreciados 1ª Fase: Serviços Solicitados Apresentação DEMONSTRATIVO RESULTADO EXERCÍCIO Receita Operacional Bruta Serviço (2) ( ) Deduções de Vendas (3) ( = ) Receita Operacional Líquida Serviços ( ) Custo Serviço Prestado (4) ( = ) Lucro Operacional Bruto ( ) Despesas Operacionais (6) 9

10 Nova Estrutura Patrimonial (Lei /07) Ativo Circulante Caixa e Equivalentes de Caixa (Disponibilidades) Duplicatas a Receber (Créditos Líquidos) Estoques Tributos a Recuperar Despesas Pagas Antecipadamente Outros Créditos Ativo Não Circulante Contas a Receber Tributos a Recuperar IR e CSSL Diferidos Empréstimos a Receber Depósitos Judiciais Outros Direitos a Receber Investimentos Participa. Soc.(Controladas e Coligadas) Imobilizados Intangível 10 Passivo Circulante Empréstimos e Financiamentos Fornecedores IR e CSSL a Recolher Tributos sobre Vendas a Recolher Salários e Encargos Sociais a Recolher Remuneração Acionistas (Divid. e Juros s/ Capital Próprio) Adiantamentos de Clientes Provisões Para Contingências e Operacionais Outras Contas a Pagar Passivo Não Circulante Sociedade Ligadas (Mútuo Passivo) Provisões Para Contingências e Operacionais Tributos a Recolher Incentivos Fiscais Patrimônio Líquido Capital Social Realizado Reservas de Capital Reservas de Lucros Ajustes de Avaliação Patrimonial Lucros ou (Prejuízos) Acumulados

11 Demonstrativo do Resultado do Exercício R O B (D V) R O L (C V) L O B (D O P s) L O L R N O P s (D N O P s) LLAnIR/CSSL (IR/CSSL) 11 LLEx Margem Bruta Margem Líquida Faturamento Total Faturamento Líquido Valores não inerentes a principal atividade econômica. Impostos Faturados Devoluções Descontos C P V C M V C S P Despesas c/ Vendas Despesas Administrativas Despesas Financeiras Líquidas Outras Despesas (Receitas) Op s Resultado Econômico ou Contábil

12 Estrutura da Demonstração dos Resultados do Exercício 12 Receita Operacional Bruta ( ) Deduções de Vendas ( = ) Receita Operacional Líquida ( ) Custo das Vendas ( = ) Lucro Operacional Bruto ( ) Despesas Operacionais Com Vendas ou Comerciais Administrativas Gerais ( = ) Lucro Atividade Operacional ( +/ ) Resultado Financeiro Receitas Financeiras Despesas Financeiras Ganhos c/ Variação Cambial Perdas c/ Variação Cambial Resultado c/ Equivalência Patrimonial ( = ) Lucro Operacional Líquido ( +/ ) Resultado Não Operacional Receitas Não Operacionais Despesas Não Operacionais ( = ) Lucro Líquido Antes do IR e CSSL ( ) IR e CSSL Corrente e Diferido ( = ) Lucro Líquido do Exercício

13 DFC Demonstração Fluxo de Caixa INDIRETO Lucro Líquido do Exercício Ajustes ao Lucro Líquido que não transitaram pelo CCL ( + ) Depreciação, Amortização e Exaustão ( + ) Juros Incorridos ( ) Baixa Alienação do Imobilizado Ajustes Variações Contas de Ativo e Passivo OPERACIONAIS ( + ) Redução Ativo Operacional ( + ) Aumento Passivo Operacional ( ) Aumento Ativo Operacional ( ) Redução Passivo Operacional 1. Caixa Líquido Proveniente das Atividades OPERACIONAIS Fluxo de Caixa Atividades de INVESTIMENTOS ( + ) Recebimento de Venda Imobilizado ( ) Pagamento Compra Imobilizado 2. Caixa Líquido Provenientes das Atividades INVESTIMENTOS Fluxo de Caixa Atividades de FINANCIAMENTO ( + ) Empréstimos Obtidos ( + ) Integralização (Aporte) de Capital ( ) Pagamento de Dividendos 3. Caixa Líquido Proveniente das Atividades de FINANCIAMENTO 4. Aumento ou Redução Líquido de Caixa e Equivalente de Caixa (1+2+3) Variação das Contas Caixa/Bancos/Aplicação Financeiras (Disponibilidades) Caixa e Equivalente de Caixa no início do Período (Disponibilidades Iniciais) 13 Caixa e Equivalente de Caixa no fim do Período (Disponibilidades Finais)

14 DFC Demonstração Fluxo de Caixa DIRETO Regime de Caixa Atividades Operacionais ( + ) Todos recebimentos (entradas) inerentes; ( ) Todos pagamentos (saídas) inerentes 1. Caixa Líquido Proveniente Atividades Operacionais Atividades Investimento ( + ) Todos recebimentos (entradas) inerentes; ( ) Todos pagamentos (saídas) inerentes; 2. Caixa Líquido Proveniente Atividades Investimentos Atividades Financiamentos ( + ) Todos recebimentos (entradas) inerentes; ( ) Todos pagamentos (saídas) inerentes; 3. Caixa Líquido Proveniente Atividades Financiamentos 4. Aumento ou Redução Líquido de Caixa e Equivalente de Caixa (1+2+3) Variação das Contas Caixa/Bancos/Aplicação Financeiras (Disponibilidades) Caixa e Equivalente de Caixa no início do Período (Disponibilidades Iniciais) Caixa e Equivalente de Caixa no fim do Período (Disponibilidades Finais) 14

15 Fluxo Informações Contábeis Fatos 1 Documentos Comprobatórios 2 Diário 3 Razão 4 Balancete Verificação 5 D.R.E. 6 Balanço Patrimonial 7 DMPL 8 Demonstração dos Fluxos de Caixa 9 Demonstração do Valor Adicionado 10 NE/PAI 11 Lei /12/2007 Art. 176 Lei /12/76 15

16 Análise de Balanço PHLF REAL Receita bruta Acima de R$ 48,0 milhões Receita Bruta até R$ 48,0 milhões PRESUMIDO PEQUENO PORTE SIMPLES Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte. Receita Bruta até R$ 3,6 milhões Receita Bruta até R$ 360 mil MICROEMPRESA 16

17 Procedimentos Base Tributária IR e CSSL Direcionador de Qualidade das Informações SIMPLES (Microempresas ME e Pequeno Porte EPP) PRESUMIDO % conforme Atividade econômica s/ Faturamento REAL % s/ Lucro 17

18 Lucro Econômico Contábil Lucro Financeiro Demonstração de Resultado Fluxo de Caixa Situação Econômica Situação Financeira Riqueza Balanço Patrimonial Liquidez 18

19 Linguagem Contábil

20 Estrutura Patrimonial Ativo Passivo Direitos e Bens Obrigações e Responsabilidades 20

21 Estrutura Patrimonial Ativo Passivo Investimentos ou Aplicações Recursos Fontes ou Origens 21

22 Estrutura Patrimonial Ativo Direitos e Bens Passivo Obrigações Positivo Bom Negativo Ruim Patrimônio Líquido 22

23 Paradigmas

24 Paradigmas Desempenho 1º Capacidade de Gerar Lucro 2º Crescimento Sustentável Gestão 3º Compatibilização 4º Dinâmica de Valores Circulantes 24

25 1º Paradigma: Desempenho Taxa interna Retorno maior que o CMKP Capacidade de gerar lucro 25

26 2º Paradigma: Crescimento Sustentável A empresa deverá praticar política de reinvestir maior parte possível do lucro gerado em crescimento ou expansão. 26

27 Paradigma Gestão Prazos Recusos Igual Prazos Investimentos Contabilização 27

28 Paradigma Gestão Quanto maior a rotação de valores circulantes maior o retorno dos recursos neles investidos. Dinâmica Valores Circulantes 28

29 Equação Patrimonial Capacidade Efetiva Liquidez Clientes Estoques Recursos 3ºs Curto / Longo Prazo Investimentos Capital de Giro Imobilizado Recursos Próprios Capacidade Instalada Investimento de Capital 29

30 Roteiro Processual de Análise Definir Objetivos e Interesses Objetivo: Avaliar Capacidade Gerar Lucro com principal atividade econômica. Interesses: Conselho de Administração Controladores; Investidores; Instituições de Crédito; Acompanhamento; 30

31 Roteiro Processual De Análise Informações Retrospectivas Obtenção dos 3 (três) últimos Demonstrativos Econômicos e Financeiros; Ativo / Passivo Demonstrativo de Resultados Dem.Orig.Aplic.Rec e/ou DFC. Dem.Mut.Patrimoniais Notas Explicativas Relatórios Acessórios 31

32 Roteiro Processual De Análise Leitura detalhada destacando se: Forma Jurídica Ramo de Atividade Situação Setorial Conceitos e Tradições (1) 32

33 Roteiro Processual De Análise (1) Conceitos e Tradições Ambiente: situação geográfica, economica e social; Qualidade na gestão de pessoal; Direitos: produção, marcas e patentes; concessões e P&D; Qualidade dos produtos e serviços; História e imagem da empresa; Qualidade e dos demonstrativos contábeis publicados; Tecnologia com baixo nível de obsolescência; e 33

34 Roteiro Processual De Análise Criar Relatório de Análise (RA). O RA deve ter modelo semelhante a Estrutura Patrimonial, Demonstrativo de Resultado, Doar e Dmp. para após Saneamento Básico, receber de forma sintética as informações retrospectiva publicadas pela empresa. Modelar o DREx de forma que se identifique o Lucro da Atividade ou LAJI (EBIT). 34

35 Roteiro Processual De Análise Transformar Valores Absolutos (R$) Relativos (%) Análise Estrutural (Vertical) Representação Gráfica Análise Evolutiva Nominal e Real 35

36 Roteiro Processual De Análise Análise Econômica: Capacidade Geração Lucro Comparar, através da análise evolutiva, o desempenho dos itens do DREx.Participação dos itens custos das vendas e Despesas Operacionais nas Vendas Líquidas. Identificar crescimento através de Alavancagem Operacional. Elaboração dos Quocientes Econômicos: Rentabilidade/Lucratividade/Taxa Interna Retorno 36

37 Roteiro Processual De Análise Identificar Origem e Aplicação de Recursos Fluxo de Fundos: Como a empresa obteve os recursos e os aplicou e que fontes financiam essas Aplicações. Identificação do Capital Circulante Líquido (CCL) conforme e respectivas fontes. Influência na Liquidez, Endividamento Curto Prazo e Risco da Atividade. 37

38 Roteiro Processual De Análise Elaboração dos Quocientes Financeiro: Liquidez / Endividamento Solvência / Imobilização etc.. 38

39 Roteiro Processual De Análise Desempenho Operacional/Financeiro Analisar através do estudo do ciclo operacional e financeiro o nível de Risco da Atividade. Prazo Médio, Estoques, Recebimento e Pagamento Necessidade do Capital de Giro Operacional e Financeiro. 39

40 Roteiro Processual De Análise Parecer Conclusivo 1º Introdução Reduzido Histórico 2º Descrição Principais Pontos Relevantes 3º Conclusão Opinião Perspectiva 40

41 Indicadores Econômicos

42 Quocientes Econômicos (*) Rentabilidade : (LLEx : PL) x 100 = % Lucratividade: (LLEx : ROL) x 100 = % Taxa Interna Retorno (TIR): (LLEx : AT) x 100 = % (*) = Baseados no Lucro Contábil ou Econômico; LLEx = Lucro Líquido do Exercício; PL = Patrimônio Líquido; ROL = Receita Operacional Líquida (Vendas Líquidas); AT = Ativo Total ou Investimentos Totais; 42

43 Alavancagem: Operacional e Financeira

44 Desempenho Financeiro RENTABILIDADE CAPITAL PRÓPRIO (RETORNO s/ PL (RsPL) ou RETORN ON EQUITY ROE) GRCP = (LLE PL) x 100 = % RENTABILIDADE CAPITAL INVESTIDO (RETORNO s/ ATIVO (RsA) ou RETORN ON INVESTIMENT ROI) GRCI = (LLE AT) x 100 = % Nota: Ativo Total (AT) pode ser considerado mais preciso o Ativo Operacional (AO) Ativo Circulante (AC) + Ativo Não Circulante (ANC) = Imobilizado + Intangível se for o caso. 44

45 Riscos que afetam a volatilidade do lucro RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDO (ROL) ( ) CUSTO DE VENDAS ( ) DESPESAS OPERACIONAIS Despesas c/ Vendas ou Comerciais Despesas Administrativas Outras Despesas Operacionais ( = ) LUCRO DA ATIVIDADE OU LAJI OU EBIT ( + ) RECEITA FINANCEIRA ( ) DESPESA FINANCEIRA ( + ) RECEITA NÃO OPERACIONAL ( ) DESPESAS NÃO OPERACIONAL ( ) IR e CSSL ( = ) LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 45

46 MERCADO R O L L A LAJI EBIT L L E Risco Macroeconômico Risco Operacional Risco Financeiro ou Econômico Risco do Negócio RISCO DO NEGÓCIO 46 ROL = Receita Operacional Líquida; LA = Lucro c/ Principal Atividade Economica; LAJI = Lucro Antes dos Juros (Resultado Financeiro = DF RF e Impostos (IR e CSSL); EBIT = Earning Before Income Taxes; LLE = Lucro Líquido do Exercício;

47 Alavancagem 1º Grau Atividade Operacional: GAO = % LAJIR : % ROL O GAO mede o efeito da variação monetária sobre o Lucro da Atividade (LA) ou Lucro Antes dos Juros (Despesas Financeiras) e Impostos (IR e CSSL) (LAJIR) ou Earnings Before Interest and Taxes (EBIT). A variação percentual no volume de unidades vendidas pode alterar o Lucro Atividade. Podemos concluir que determinada variação percentual no volume de vendas ocorrerá uma variação percentual mais que desproporcional ou exponencial no Lucro da Atividade (LAJIR). Aumento da ROL significa aumento de custos e despesas variavéis e manutenção dos custos e despesas fixas, promovendo a alavancagem. Ou em quantas vezes o LA aumentou em função do aumento da ROL. 47

48 Alavancagem de 2º Grau Operacional Após Resultado Financeiro: GAO = % LOL : % ROL Da mesma forma como foi visto para o grau de alavancagem da atividade, o grau de alavancagem operacional é um fator de multiplicação do LOL para cada percentual de acréscimo da ROL (Receita Operacional Líquida), considerando o efeito do Resultado Financeiro (Despesas Financeiras Receitas Financeiras). 48

49 Grau de Alavancagem Operacional Mede a relação, exponencial, da Quantidade Produzida e Vendida (QPV) com o Lucro Líquido do Exercício. Variação do Lucro Líquido do Exercício (LLE) Variação da Quantidade Produzida e Vendida (QPV) Adequando essa ferramenta no DRE, nos permite identificar, exponencialmente, a diluição dos custos e despesas fixas nos resultados auferidos. ALAVANCAGEM DE 1º Grau = Lucro da Atividade = (Variação LA ROL); 2º Grau = Lucro Operacional Líquido = (Variação LOL ROL); 3º Grau = Lucro Líquido Antes do IR e CSSL = (Variação LLANIRCSSL ROL); 4º Grau = Lucro Líquido do Exercício = (Variação LLE ROL). 49

50 Grau De Alavancagem Financeira (GAF) Mede o quanto recursos de 3ºs a Longo Prazo (R3ºsLP) contribui para o retorno de Recursos Próprios (RP). Quanto maior a participação de R3ºLP maior será o risco financeiro. GRAU DE RENTABILIDADE DO CAPITAL PRÓPRIO (LUCRO LÍQUIDO EXERCÍCIO + DESPESAS FINANCEIRAS) AT Mensuração: Se superior (>) a unidade, indica alavancagem positiva. Sinalizando que a captação de recursos de 3ºs agrega valor aos recursos próprios. Se inferior (<) a unidade, indica alavancagem negativa. Sinalizando que a captação de recursos de 3ºs énociva a estrutura de capital. Não trazendo o retorno desejado. A expressão alavancagem financeira significa o que a empresa consegue alavancar, ou seja, aumentar o Lucro Líquido através da estrutura de financiamento, ao passo que alavancagem operacional significa o quanto a empresa consegue aumentar o lucro Líquido através da atividade operacional. 50

51 Alavancagem Financeira Tem por finalidade mensurar a eficácia dos investimentos realizados com recursos obtidos de terceiros e reflexos na melhoria do Lucro Líquido do Exercício gerado pela principal atividade econômica desenvolvida pela entidade. O que determina a vantagem ou desvantagem na utilização dos recursos de terceiros são os encargos financeiros por eles gerados, reconhecidos no Demonstrativo do Resultado do Exercício (DRE) como Despesas Financeiras, que acabam por refletir no resultado auferido. Se as taxas de juros, na captação desses recursos, são muito elevadas as despesas financeiras geradas podem eliminar possíveis GANHOS obtidos à utilização dos capitais de terceiros e até provocar PERDAS. O uso dos capitais de terceiros deve gerar GANHOS suficiente para cobrir os encargos por eles originados, viabilizando as alternativas de investimentos realizadas com esses recursos e remunerar os acionistas. Caso contrário inviabilizam os investimentos. Devendo a empresa buscar outras fontes, FUNDING, de recursos. 51

52 Fórmula ( LLE PL ) = Grau de Rentabilidade do Capital Próprio I (considerando uso Capital de Terceiros e Despesas Financeiras oriundas dessa utilização já no cômputo do LLE); ( LLE + DF )* ( PE + PL )** = Grau de Rentabilidade do Capital Próprio II (considerando que todo Capital utilizado fosse Próprio); (*) A soma das Despesas Financeiras ao Lucro Líquido do Exercício tem a função de eliminá la do Lucro Líquido considerando que não houve Despesas Financeiras se os recursos utilizados fossem, exclusivamente, próprios. (**) Na consistência dos procedimentos adotados, a soma do Passivo Exigível, empréstimos no curto prazo mais (+) financiamentos no longo prazo com Patrimônio Líquido está se considerando como totalidade de recursos próprios. Logo: GRCP I GRCP II = Grau de Alavancagem Financeira (GAF) Mensura a eficácia dos investimentos realizados com recursos obtidos de terceiros e reflexos na melhoria do Lucro Líquido do Exercício gerado pela principal atividade econômica desenvolvida pela entidade. 52

53 Exemplos: Determinada empresa mantém em sua estrutura passiva apenas recursos próprios Ativo (Investimentos) Circulante Passivo (Recursos) Terceiros Não Circulante Próprios $ Total $ Total $ Demonstrativo de Resultado do Exercício (DRE) Vendas ( - ) Custo Mercadorias Vendidas (CMV) 600 $ LLE PL = GRCP I ($250 $1.000) = $0, = 25% (LLE + DF) (PE + PL) = GRCP II ($250 + $ 0 ) ($ 0 + $ 1.000) = R 0, = 25% Logo: A não utilização de recursos de terceiros (EF=0%) e sim exclusivamente recursos próprios (GRCP=25%) alavancaram o Lucro obtido beneficiando (TIR=25%) os acionistas. (Referencia Custo de Oportunidade ou Atratividade). ( = ) Lucro Operacional Bruto (LOB) 400 ( - ) Despesas 150 ( = ) Lucro Líquido Exercício

54 Exemplos: II. Determinada empresa mantém em estrutura passiva meio (50%) de recursos de terceiros e meio (50%) de recursos próprios Ativo (Investimentos) Passivo (Recursos) Circulante Terceiros $ 500 Não Circulante Próprios $ 500 Total $ Total $ Demonstrativo de Resultado do Exercício (DRE) Vendas ( - ) Custo Mercadorias Vendidas (CMV) 600 ( = ) Lucro Operacional Bruto (LOB) 400 ( - ) Despesas 150 ( - ) Despesas Financeiras 100 ( = ) Lucro Líquido Exercício $ LLE PL = GRCP I ($150 $500) = $0, = 30% (LLE + DF) (PE + PL) = GRCP II ($150 + $100) ($500 + $ 500) = R0, = 25% GRCP I GRCP II = GAF $0,30 $0,25 = $ 1,20 Logo: A utilização de recursos de terceiros (EF=20%) na mesma proporção da de recursos próprios (GRCP=30%) alavancaram o Lucro obtido beneficiando (TIR=15%) os acionistas.

55 Exemplos: III. Determinada empresa mantém em estrutura passiva meio (50%) de recursos de terceiros e meio (50%) de recursos próprios Ativo Passivo (Recursos) (Investimentos) Circulante Terceiros $ 500 Não Circulante Próprios $ 500 Total $ Total $ Demonstrativo de Resultado do Exercício $ (DRE) Vendas ( - ) Custo Mercadorias Vendidas (CMV) 600 ( = ) Lucro Operacional Bruto (LOB) 400 ( - ) Despesas 150 LLE PL = GRCP I ($100 $500) = $0, = 20% (LLE + DF) (PE + PL) = GRCP II ($100 + $150) ($500 + $500) = R0, = 25% GRCP I GRCP II = GAF $ 0,20 $ 0,25 = $ 0,80 Logo: A utilização de recursos de terceiros (EF=30%) na mesma proporção da de recursos Próprios (GRCP=20%) reduziu o lucro obtido prejudicando (TIR=10%) os acionistas. ( - ) Despesas Financeiras 150 ( = ) Lucro Líquido Exercício

56 Exemplos: IV. Determinada empresa mantém em estrutura passiva desproporcional: 60% de recursos de terceiros e 40% de recursos próprios Ativo Passivo (Recursos) (Investimentos) Circulante Terceiros $ 600 Não Circulante Próprios $ 400 Total $ Total $ Demonstrativo de Resultado do Exercício $ (DRE) Vendas LLE PL = GRCP I ($100 $400) = $0, = 25% (LLE + DF) (PE + PL) = GRCP II ($100 + $150) ($600 + $400) = R0, = 25% GRCP I GRCP II = GAF $0,25 $0,25 = $1,00 ( - ) Custo Mercadorias Vendidas (CMV) 600 ( = ) Lucro Operacional Bruto (LOB) 400 ( - ) Despesas 150 ( - ) Despesas Financeiras 150 ( = ) Lucro Líquido Exercício Logo: A utilização de recursos de terceiros (EF=25%) desproporcional da de recursos próprios (GRCP=25%) inalterou o Lucro obtido mantendo a TIR=10%

57 Lucro Líquido do Exercício (LLE) Distribuídos a 3ºs: Empregados; Governo (IR+CSSL Distribuídos a Acionistas: Dividendos; Participações; Reinvestidos: Reservas de Lucros; 57

58 Fatores que contribuem para formação da Rentabilidade do Capital Próprio: Maior retorno em relação ao Capital Investido (Ativo Total ou Ativo Total Líquido); Maior retorno em relação ao Capital Próprio (Patrimônio Líquido); GRCP ou ROE = (Lucro Líquido Exercício Patrimônio Líquido) x 100 GRCI ou ROI = (Lucro Líquido do Exercício Ativo Total) x 100 Taxa Interna de Retorno (TIR) = (Lucro Líquido do Exercício Ativo Total) x 100 Payback = Tempo Médio de Retorno ou Recuperação: Capital Próprio = 100 GRCP Capital Investido = 100 GRCI OBS: Para maior precisão, considerar Ativo Total Líquido = Ativo Circulante (AC) + Ativo Não Circulante (API + INTANGÍVEIS); TIR = Lucratividade (LLE ROL) x Rotação do Ativo Total (ROL AT) simplificando = (LLE AT) x

59 Visão de Produtividade (lucro x QPV = Lucro em função da quantidade) ou Rotação (giro) GIRO RECURSOS PRÓPRIOS (PL) = ROL PL GIRO ATIVO TOTAL = ROL AT ou GIRO ATIVO TOTAL LÍQUIDO = ROL ATL OBS: Eficiência na utilização dos recursos utilizados na geração de vendas. Gira ou recupera os investimentos. 59

60 Visão De Margem (lucro x preço = Lucro em função do preço) MARGEM OPERACIONAL BRUTA = LOB ROL; MARGEM OPERACIONAL LÍQUIDA = LOL ROL; MARGEM LÍQUIDA FINAL = LLE ROL; OBS: Método DUPONT: Verifica e identifica a participação da LUCRATIVIDADE (MARGEM) e da PRODUTIVIDADE (GIRO) na Taxa Interna de Retorno (TIR). 60

61 Segmentação dos quocientes econômicos pelas fases 1. Lucro de Atividade; LAJI; ou EBIT (Resultado Pós Custos de Vendas e Despesas Operacionais) 1ºGrau; 2. Lucro Operacional Líquido (Resultado pós Resultado Financeiro Líquido: Despesas Financeiras menos Receitas Financeiras) 2º Grau; 3. Resultado Não Operacional: Receitas Não Operacionais menos Despesas Não Operacionais 3ºGrau; 4. LLEx (Resultado Contábil ou Econômico pós Resultado Não Operacionais Líquido) 4ºGrau. 61

62 Corbetura Para Despesas Financeiras DF: LA ou LAJI ou EBIT Medida na avaliação da capacidade de pagamentos Lquidez. Quanto menor melhor liquidez e maior capacidade de pagamento. Giro do CCL: ROL: Variação do CCL 62

63 A. Lucro da Atividade (LAJIR ou EBIT) = Produtividade B. Lucro Líquido do Exercício (LLEx) = Contábil C. LAJIDA ou EBITDA = Geração Caixa (Conservador) D. Recursos Proveniente Operações Empresa (RPOE) = Geração Caixa (Otimista). LA = Lucro de Atividade; LAJIR = Lucro Antes Resultado Financeiro e IR e CSSL; EBIT = Earning Before Interest Taxes; LAJIDA = Lucro Antes Resultado Financeiro, IR/CSSL Depreciação e Amortização (Diferido); 63

64 A. ÍNDICE DE RETENÇÃO DE LUCROS: LUCRO RETIDO: LLEx. B. LUCROS RETIDOS LLEx. DIVIDENDOS C. TAXA CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL: (LUCROS RETIDOS: PL)*100 64

65 Indicadores Financeiros

66 Capital Circulante Líquido CCL: AC PC Interpreta se o CCL em função de sua variação entre dois períodos: CCL2 CCL1. Essa variação deve ser crescente e promovida pela reinversão de Lucros Financeiros gerados pela atividade da analisada. Èo termômetro da situação financeira ligada ao nível de Liquidez, Endividamento no Curto Prazo e Risco da Atividade Operacional (RAO). 66

67 Liquidez Corrente: AC : PC AC = Ativo Circulante; PC = Passivo Circulante; Maior que 1,0. Significando que para R$ 1,00 de Dívidas de Curto Prazo a analisada apresentou x R$ para liquidá la, considerando todo Ativo Circulante: Disponibilidades + Estoques + Duplicatas a Receber + Outros Créditos de Curto Prazo. Esse quociente evolui em função da reinversão de Lucros Financeiros gerados nas operações da empresa. Resultando no aumento do Capital Circulante Líquido CCL. 67

68 Liquidez Sêca ou R A O: (AC E) : PC E = Estoques; R A O= Risco da Atividade Operacional Torna se oportuno mencionar que maior que 1,0 estabelece que para R$ 1,00 de Dívidas de Curto Prazo a analisada apresentou x R$ para liquidála sem efetivar maior esforço na realização dos Estoques para pagar suas dívidas de curto prazo. Esse quociente pode ser também considerado como sendo o avaliador do Risco da Atividade Operacional. Logo quanto maior, menor será o risco. Esse quociente evolui em função da reinversão de Lucros Financeiros gerados nas operações da empresa. Resultando no aumento do Capital Circulante Líquido CCL. 68

69 Liquidez Geral: (AC + RLP) : (PC + ELP) RLP = Realizável Longo Prazo; ELP = Exigível Longo Prazo Esse quociente tem que ser > R$ 1,00 significando que para cada R$ 1,00 de Dívidas de Curto e Longo Prazo a analisada apresentou x R$ para liquidá la contando com: Disponibilidades + Estoques + Duplicatas a Receber + Créditos de Curto + Outros Créditos de Longo Prazo. Esse quociente apresenta duas características: 1ª em função da reinversão de Lucros Financeiros gerados nas operações da empresa; e 2º Outros Créditos de Longo Prazo quase sempre valores não inerentes a atividade operacional. 69

70 Endividamento: De Curto Prazo: (PC : AT)*100 De Longo Prazo: (ELP : AT)*100 Total: {(PC + ELP) : AT}*100 Esse quociente deve, por convenção, ser apresentado em %. Logo deve ser inferior a 100%. Quanto menor, em uma série histórica, menor será o endividamento da analisada. A interferência da variação do CCL se faz presente neste indicador, livrando a analisada das altas taxas de juros praticadas pelo mercado financeiro. 70

71 Grau de Participação de Capital de 3ºs: (PR : PT)*100 Grau de Garantia de Capital de 3ºs: (PL : PR)*100 Grau de Imobilização Capital Próprio: (AP : PL)*100 Grau Imobilização Capital Próprio Suplementado: ((AP ELP): PL)*100 Grau de Obsolescência (Depreciação Acumulada : Imobilizado)*100 71

72 Desempenho

73 Fundamentos Capital do Giro Capital de Giro Desembolso necessário, à manutenção da liquidez, compreendido entre o período de pagamento e o de recebimento; Necessidade de Capital de Giro Operacional: Essa necessidade é identificada quando da aproximação da capacidade efetiva à capacidade instalada. Necessidade natural provocada pelo crescimento do negócio. Necessidade de Capital de Giro Financeira: Essa necessidade é identificada pelo descasamento entre o período de pagamento e o de recebimento. Isto é1ºpaga para depois receber. Muitas vezes mesmo 1º recebendo para depois pagar pode haver essa necessidade. Basta que o volume de dinheiro recebido seja insuficiente em relação ao volume de dinheiro a ser pago e a liquidez, saldo de disponibilidades, for insuficiente para cobrir essa necessidade. 73

74 Fontes de Recursos Financeiros que poderão financiar a Necessidade do Capital de Giro Recursos Próprios: Saldos pré existentes em disponibilidades: Bancos Conta Movimento Aplicações Financeiras de liquidez Imediata Realização rápida de Estoques (Vendas a Vista) Antecipação de Liquidez (Promoções de Vendas) Recursos de 3ºs de Curto Prazo: Fornecedores Bancos: Rotativo; NP; Descontos de Títulos; Repasses (Programas destinados a esse fim: Revitaliza; Procomp; PEC) 74

75 Capital de giro estático: É aquele mensurado com base nas informações obtidas em determinado momento estático. Quase sempre 31 de Dezembro, data representativa do fechamento de Balanço. Considera se periodicidade equivalente a um intervalo de tempo correspondente a 360 dias para realizar investimentos e igual período para liquidar obrigações. Muito utilizado àpratica de Análise das Demonstrações Financeiras. Capital de giro dinâmico: É aquele mensurado, mais preciso, com base na volatilidade dos prazos médios, em dias e valores monetários, dos componentes participativos do Ciclo Operacional e Financeiro: Período de Estocagem, Recebimento e Pagamento. Muito utilizado àpratica de Gestão Financeira. 75

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1 Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv Parte I - Introdução, 1 1 Conceitos Introdutórios, 3 1.1 Conceitos, 3 1.2 Objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis, 5 1.3 Usuários da Análise das Demonstrações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br Análise Financeira Adriano Leal Bruni 1 Por que analisar? Mensurar riscos de crédito de correntes e potenciais clientes. Julgar o desempenho esperado das firmas. Monitorar o progresso da firma em alcançar

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais Sumário 1. A Importância Dos Índices Nas Demonstrações Financeiras 1.1 - Preparação e Reclassificação Das Contas 2. Grupos de Índices 3. Capital

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan Fundamento da Contabilidade Prof. Adilson C. Bassan Conteúdo Análise das Demonstrações Financeiras Análise da Rentabilidade Análise por Indicadores Análise Vertical e Horizontal e Avaliação Geral 1 Análise

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

DFC - DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA - Roteiro

DFC - DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA - Roteiro Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

Demonstrações Contábeis Obrigatórias

Demonstrações Contábeis Obrigatórias Demonstrações Contábeis Obrigatórias 1.Introdução As demonstrações contábeis são os meios pelos quais as empresas e as demais entidades informam à sociedade as condições de seu patrimônio. A legislação

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC:

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC: Aula 4 Questões Comentadas e Resolvidas Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). Demonstração do Valor Adicionado. 1.(Analista de Gestão Corporativa-Contabilidade-Empresa de Pesquisa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período,

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, por meio eo da exposição posção dos fluxos de recebimentos

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Profª Adriana Valente e-mail: adrianatvalente@hotmail.com Rio de Janeiro, 2º semestre de 2015. Rua 1º de Março, 33 Centro

Leia mais

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Marketing Prof. Sidney Leone Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Hoje Você Aprenderá: Demonstrativos financeiros da empresa (Balanço Patrimonial, DRE, DMPL etc...) Análise econômicofinanceira.(fluxo

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR CONTABILIDADE (CUSTOS, GERAL E AVANÇADA) MÓDULO 4: DOAR A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei 11.638/07, a

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Contabilidade Societária 3

Contabilidade Societária 3 Contabilidade Societária 3 Prof. Dr. Fernando Caio Galdi fernando.galdi@fucape.br Redução ao Valor Recuperável de Ativos CPC 01 Impairment of Assets IAS 36 2 1 Conceito de ATIVO Prováveis benefícios econômicos

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M Aluna: Larissa de Souza Chaves

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

Gestão Capital de Giro

Gestão Capital de Giro Gestão Capital de Giro Conceito Capital de giro (ou de capital circulante), identifica os recursos que giram (circulam) várias vezes em determinado período. É formado basicamente por três importantes ativos

Leia mais

Mudanças na Lei 6.404/ 76 Novas Regras de Contabilidade Geral

Mudanças na Lei 6.404/ 76 Novas Regras de Contabilidade Geral Mudanças na Lei 6.404/ 76 Novas Regras de Contabilidade Geral Olá, pessoal! Espero que tenham tido um ótimo Natal e uma excelente Réveillon. Antes de tudo, desejo a todos muita paz e prosperidade e que

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

19. Patrimônio líquido 19.1 Capital 20. Balanço patrimonial de acordo com a Lei n.º 6.404/76 e alterações Questões de provas comentadas

19. Patrimônio líquido 19.1 Capital 20. Balanço patrimonial de acordo com a Lei n.º 6.404/76 e alterações Questões de provas comentadas Sumário CAPÍTULO 1 CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceito de contabilidade 1.1 Ciência social 1.1.1 Princípios de contabilidade 1.2 Objeto da contabilidade 1.3 Objetivo da contabilidade 1.4 Finalidade da contabilidade

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis PROFESSOR : Salomão Dantas Soares TURMA 6º CCN AULA 02 Turno/Horário Noturno Apostila

Leia mais

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração Análise Horizontal Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração será designado pelo número-índice 100. Será verificada a tendência do item a partir de sua variação,

Leia mais

Antes das alterações no livro propriamente, vejamos alguns temas de caráter geral, que exigem esclarecimentos adicionais.

Antes das alterações no livro propriamente, vejamos alguns temas de caráter geral, que exigem esclarecimentos adicionais. Este texto por finalidade atualizar o livro Contabilidade ESAF Provas Comentadas 6ª edição (Ricardo J. Ferreira, Editora Ferreira), em razão da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Antes das alterações

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO R$ CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 Disponibilidades 1.222.288,96 946.849,34 Mensalidades a receber 4.704.565,74 4.433.742,86 Endosso para terceiros 1.094.384,84

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Adoção Inicial da Lei n o 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

Análise de Balanços. Flávia Moura

Análise de Balanços. Flávia Moura Análise de Balanços Flávia Moura 1 Tópicos para Reflexão O que é análise de balanços? A análise de balanços consiste em proceder a investigações dos fatos com base nos dados Para que serve a análise de

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 15- A empresa Livre Comércio e Indústria S.A. apurou, em 31/12/2008, um lucro líquido de R$ 230.000,00, antes da provisão para o Imposto de Renda e Contribuição Social sobre

Leia mais

1 Conceitos Básicos da DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa

1 Conceitos Básicos da DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa Sumário 1 Conceitos Básicos da DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa... 1 1.1 Antecedentes históricos a DOAR... 1 1.1.1 Finalidade da DOAR... 1 1.1.2 Conceitos Básicos rels à DOAR... 2 1.1.3 A Estrutura

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ ETAPA II RELATÓRIO 12 Relatório técnico de indicadores do setor de concessões

Leia mais