RELATÓRIO DE AUTOAVALIÇÃO INSTITUCIONAL (2012)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE AUTOAVALIÇÃO INSTITUCIONAL (2012)"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE AUTOAVALIÇÃO INSTITUCIONAL (2012)

2 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2012) Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Alto São Francisco (FASF) apresentado ao Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) como parte das exigências da Lei nº /2004. Luz - MG 28 de março de 2013

3 LISTAS DE FIGURAS Figura 1 - Médias das respostas acerca da 1ª dimensão Grupo Dimensões Específicas... Figura 2: Médias das respostas acerca da 2ª dimensão Grupo Dimensões Específicas... Figura 3: Médias das respostas acerca da 3ª dimensão Grupo Dimensões Específicas... Figura 4: Médias das respostas acerca da 4ª dimensão Grupo Dimensões Específicas... Figura 5: Médias das respostas acerca da 5ª dimensão Grupo Dimensões Específicas... Figura 6: Médias das respostas acerca da 6ª dimensão Grupo Dimensões Específicas... Figura 7: Médias das respostas acerca da 7ª dimensão Grupo Dimensões Específicas... Figura 8: Médias das respostas acerca da 8ª dimensão Grupo Dimensões Específicas... Figura 9: Médias das respostas acerca da 9ª dimensão Grupo Dimensões Específicas... Figura 10: Valores médios das dez dimensões constantes no Grupo Dimensões Específicas... Figura 11: Valores médios dos setores administrativos - no Grupo Dimensões Gerais... Figura 12: Médias das respostas acerca da dimensão Setores Administrativos Grupo Dimensões Gerais... Figura 13: Médias das respostas acerca da dimensão Curso Grupo Dimensões Gerais... Figura 14: Médias das respostas acerca da dimensão Docente Grupo Dimensões Gerais... Figura 15: Médias das respostas acerca da dimensão Corpo Social Grupo Dimensões Gerais... Figura 16: Valores médios das quatro dimensões constantes no Grupo Dimensões Gerais Figura 17: Conceito Final da Avaliação Institucional

4 7 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 - Total de títulos e volumes de livros QUADRO 2 - Classes de intervalos para atribuição do conceito final de: de cada dimensão, do grupo de dimensões específicas e gerais e do resultado final da autoavaliação... 65

5 LISTA DE TABELAS TABELA 1 - Cidades de origem de alunos ingressantes e egressos (últimos dez anos) TABELA 2 - Número de escolas e alunos matriculados na Educação Básica - região ao Alto São Francisco de Minas Gerais (cidades de origem de alunos ingressantes e egressos (ano de 2009)... TABELA 3 - Demonstrativo Quantitativo do Corpo Social FASF... TABELA 4 - Demonstrativo Quantitativo Corpo Discente de Graduação (Universo/Amostra) Por Períodos / Cursos)

6 LISTAS DE ABREVIATURAS ABMES CDU CIPA CONAES CoPPEX CPA D.O.U. DCN ENADE ENEM FASF GT IES INEP LDBEN MEC PDI PGAI PICEM PPC PPRA PROFASF PROUNI SINAES SIPAT TCC UNISA Associação Brasileira de Mantenedores do Ensino Superior Classificação Decimal Universal Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Comissão Nacional de Avaliação Da Educação Superior Coordenação de Pós-graduação, pesquisa e extensão Comissão Própria de Avaliação Diário Oficial da União Diretrizes Curriculares Nacionais Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Exame Nacional do Ensino Médio Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Alto São Francisco Grupo de Trabalho Instituição de Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Ministério da Educação Plano de Desenvolvimento Institucional Programa de Autoavaliação Institucional Processo Interdisciplinar de Cultura Empreendedora Projeto Pedagógico de Curso Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Programa de concessão de bolsas da FASF Programa Universidade para Todos Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Semana Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho Trabalhos de Conclusão de Curso Universidade de Santo Amaro

7 SUMÁRIO 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) CONSIDERAÇÕES INICIAIS APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO HISTÓRICO INSERÇÃO REGIONAL METODOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AUTO- AVALIAÇÃO DOS INTRUMENTOS UTILIZADOS DA TAXIONOMIA ADOTADA DESENVOLVIMENTO RELATÓRIO AVALIATIVO DAS DIMENSÕES A MISSÃO E O PDI (DIMENSÃO 1) A POLÍTICA SOBRE O ENSINO (DIMENSÃO 2) A RESPONSABILIDADE SOCIAL (DIMENSÃO 3) A COMUNICAÇÃO COM A SOCIEDADE (DIMENSÃO 4) AS POLÍTICAS DE PESSOAL (DIMENSÃO 5) A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA INSTITUIÇÃO (DIMENSÃO 6) INFRAESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA (DIMENSÃO 7) PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO (DIMENSÃO 8) RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS DADOS COLETADO DA COMUNIDADE ACADÊMICA RESULTADOS E DISCUSSÃO DE DADOS DA COMUNIDADE ACADÊMICA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS DISCENTES (DIMENSÃO 9) CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES ANEXOS

8 7 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/Código da IES: FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DO ALTO SÃO FRANCISCO-727 Mantenedora: OBRAS SOCIAIS E EDUCACIONAIS DE LUZ Instituição: pública particular comunit ária confessi onal Universidade Centro Universitário Faculda de ISE CE FE T Estado MINAS GERAIS Município LUZ Endereço da IES: Avenida Laerton Paulinelli, 153 Monsenhor Parreiras Luz/MG Composição da Comissão Própria de Avaliação (CPA) Composição da CPA Nome (assinalar, com um *, o nome do coordenador da CPA) Segmento que representa (docente, discente, técnico-administrativo, sociedade civil) 1 Eliezer Carneiro de Oliveira* Docente 1 Ana Flávia Cardoso Necci Docente 2 Michel Filiphi S. Santos Discente 2 Lúcia Maria Lamounier Técnico-administrativo 2 Nilda Alves Araújo Pereira Sociedade Civil Período de mandato da CPA: um ciclo avaliativo 1 Ato de designação da CPA: Ato da Diretoria n. 007/ Ato de designação da CPA: Ato da Diretoria n. 003/2012

9 8 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2.1 Apresentação O processo de Autoavaliação Institucional, referência 2012, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Alto São Francisco, foi realizado, de acordo com: 1) determinações do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES); 2) Relatório de Autoavaliação Institucional O processo avaliativo foi assumido pela FASF em todas as suas fases como momento de integração, articulação e participação dos membros da comunidade acadêmica. A avaliação institucional foi realizada e alicerçada com base na missão institucional, pois a FASF visa ofertar ensino de qualidade e contribuir na formação humana, profissional, técnica e cidadã das pessoas que a procuram, consolidando, desta forma, a sua permanência na região do Alto São Francisco de Minas Gerais. 2.2 Introdução O estudo aqui apresentado trata de Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional da FASF, ano-base Teve por objetivo avaliar a IES com base nas diretrizes traçadas pelo SINAES, específicas as dimensões de 1 a 10, da Lei nº /2004, a fim de identificar fragilidades e pontuar potencialidades, para que a IES possa intervir no sentido de sanar dificuldades identificadas e aprimorar as potencialidades e responder ao seguinte questionamento: a qualidade dos serviços prestados pela FASF está em conformidade com as diretrizes sinalizadas pelo SINAES? Se positivo, como a IES desempenha sua função de ente responsável pela formação profissional e cidadã de seus clientes? Se negativo, de que forma a IES procura minimizar as dificuldades percebidas em consonância com as deliberações do SINAES? A abordagem teórico-conceitual ancora-se na Lei nº /2004 e no Relatório de Autoavaliação Institucional FASF Já a abordagem metodológica corresponde a um estudo de caso, de caráter descritivo e de abordagem qualitativa, conforme a classificação de pesquisa apresentada por Silva e Menezes (2005).

10 9 2.3 Histórico A Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Alto São Francisco, criada em 16/12/74, com reconhecimento dos cursos através da Portaria 824/79 de 29/08/79, é uma instituição particular de Ensino Superior, vinculada ao sistema federal de ensino do Ministério da Educação (MEC). A FASF, com limite territorial de atuação circunscrito ao município de Luz, Estado de Minas Gerais, é um estabelecimento isolado privado, de ensino superior, mantido pelas Obras Sociais e Educacionais de Luz (OSEL), com sede na Avenida Laerton Paulinelli, nº 153, Bairro Monsenhor Parreiras, Município de Luz, Estado de Minas Gerais, CEP , inscrita no CNPJ/MF sob nº / e com Estatuto inscrito no Cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas de Luz/MG, sob nº 744, às fls. 119 e seguintes, do Livro A-3, em 16 de julho de Sua implantação se deu em 1975, a partir do então Bispo Diocesano de Luz, Dom Belchior Joaquim da Silva Neto, quando foi criada uma extensão da Universidade Católica de Minas Gerais (UCMG), mediante ajuda de Dom Serafim Fernandes de Araújo. No ano de 1985, a FASF foi desvinculada da Universidade Católica de Minas Gerais, (Portaria Ministerial nº 891, de 11/11/1985), e passou a se chamar Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Alto São Francisco. Para implementação desse processo foram iniciadas discussões do novo Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), com uma visão de qualidade de ensino aliada à viabilidade e sustentabilidade da FASF. No final de 2007, a nova parceria com a Universidade de Santo Amaro (UNISA), de São Paulo-SP, expandiu as propostas de cursos e serviços FASF através de convênio para cursos a distância. Em 2008, teve início a um novo processo de gestão, visando dar força ao projeto de modernização e sustentabilidade financeira da FASF Inserção regional 1 1 Texto original do Programa de autoavaliação institucional da FASF (2011).

11 10 O município de Luz tem área de 1.171,659 km 2. Localiza-se na região do Centro-Oeste de Minas Gerais (Latitude Sul e Longitude Oeste ), fazendo parte também da região do Alto São Francisco, da bacia do rio São Francisco. A sede do município, a cidade de Luz, está localizada entre a capital do Estado (Belo Horizonte) e o Triângulo Mineiro, às margens da rodovia BR-262 e cortada pela MG-176, e a 190 km de Belo Horizonte, capital do Estado. Segundo os dados do Censo Demográfico 2010, a população residente no município é de habitantes, sendo habitantes da área urbana e 1.777, da área rural (IBGE, 2013). Já o índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH- M) do município apresenta índice de 0,801, o 35º do Estado de Minas Gerais, de acordo com dados do PNUD (2009), referência De acordo com dados do IBGE, em 2012, a população estava estimada em habitantes (IBGE, 2013). Os principais dados sociais, econômicos e financeiros são: Os serviços de saneamento básico existem são: abastecimento de água realizado pela Companhia de Saneamento Básico de Minas Gerais (COPASA); serviço de coleta seletiva de resíduos sólidos (doméstico e de serviços de saúde séptica) realizado pela prefeitura (dados de 2008); Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) / Serviço Autônomo de Água e Esgoto SAAE de Luz, sob a responsabilidade da prefeitura. O fornecimento de energia elétrica está a cargo da Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG). Na área de saúde, há 14 estabelecimentos de saúde, sendo: 09 da rede municipal e 06 de rede privada (IBGE, 2013). A cidade de Luz possui dois estabelecimentos de ensino médio (Escola Estadual Comendador Zico Tobias e Colégio São Rafael, Rede Promove) além de um estabelecimento de ensino superior (FASF) e um pólo (de educação a distância também de ensino superior Unisa Digital). De acordo com dados do censo 2010, o PIB per capita (Produto Interno Bruno dos Municípios a preços correntes 2009) foi de R$ ,70. E em relação ao

12 11 Cadastro Central de Empresas 2010, registra-se no município 553 empresas atuando com trabalhadores ocupados ( IBGE, 2013). No aspecto financeiro, há cinco instituições financeiras: Banco Bradesco, Banco do Brasil, Banco Itaú, Caixa Econômica Federal e a Crediluz (Cooperativa de Crédito dos Produtores Rurais de Luz). Na Tabela 1, apresenta-se uma lista de cidades da região do Alto São Francisco que têm ou tiveram alunos estudando ou formados pela FASF. TABELA 1: Cidades de origem de alunos ingressantes e egressos (últimos dez anos) Nº CIDADE POPULAÇÃO 2010 * 2012 ** DISTÂNCIA (em Km) *** 1 Abaeté Bambuí Biquinhas Bom Despacho Campos Altos Cedro do Abaeté Córrego Danta Dores do Indaiá Estrela do Indaiá Formiga Lagoa da Prata Martinho Campos Medeiros Moema Morada Nova de Minas Nova Serrana Paineiras Quartel Geral Santa Rosa da Serra São Gotardo Serra da Saudade Tapiraí Luz TOTAL Fonte: IBGE - Cidades (2013). * População em ** População em 2012 (População Estimada). *** Distância entre o município de Luz e as cidades circunvizinhas de origem dos alunos.

13 12 Observa-se que a população de Luz em 2010, era de habitantes, que somado à população das demais cidades citadas, totaliza habitantes (TABELA 1). Na próxima tabela, apresentam-se dados relativos ao número de matrículas por nível de ensino e número de estabelecimento de ensino nos vinte e dois municípios de abrangência de Luz, inclusive dados deste município. TABELA 2: Número de escolas e alunos matriculados na Educação Básica - região ao Alto São Francisco de Minas Gerais (cidades de origem de alunos ingressantes e egressos (ano de 2009) MUNICÍPIOS PRÉ-ESCOLA ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO MÉDIO Nº Escola Nº Matric. Nº Escola Nº Matric. Nº Escola Nº Matric. Abaeté Bambuí Biquinhas Bom Despacho Campos Altos Cedro do Abaeté Córrego Danta Dores do Indaiá Estrela do Indaiá Formiga Lagoa da Prata Martinho Campos Medeiros Moema Morada Nova de Minas Nova Serrana Paineiras Quartel Geral Santa Rosa da Serra São Gotardo Serra da Saudade Tapiraí Luz TOTAL Fonte: IBGE - Cidades (2013).

14 13 A partir destes dados, percebe-se que na região há demanda para ingressantes no ensino superior, pois nos municípios citados na Tabela 2 há 146 estabelecimentos de ensino pré escolar, 214 escolas de ensino fundamental, 64 escolas de ensino médio e um total de alunos matriculados. Não obstante, a FASF consolidou ao longo do tempo uma forte identidade regional de ensino superior no Alto São Francisco, sendo reconhecida pela seriedade e comprometimento dos serviços prestados na formação de profissionais para o magistério do Ensino Fundamental e Médio e, também, nos últimos anos para a formação de administradores de Empresas e de farmacêuticos, tendo formado quase alunos desde É importante observar também que a FASF contribui para a formação de lideranças das diversas comunidades, e de modo crescente, na formação de líderes políticos, pois vários são os egressos da FASF que exerceram ou exercem funções políticas nos municípios da região, por exemplo, o prefeito municipal de Luz, gestão , Sr. Agostinho Carlos Oliveira. A FASF, comprometendo-se de forma organizada com seu trabalho acadêmico pedagógico por meio de seu Projeto Político Pedagógico Institucional (PPI), adota medidas para a viabilidade de todos os seus cursos e para a sustentabilidade financeira. Vários são os fundamentos destas medidas, tais como: I. O compromisso no fornecimento de instrumentos cognitivos para os alunos, para que encontrem lugar numa sociedade fortemente competitiva e caracterizada por conhecimentos técnicos e científicos. II. A promoção da pessoa é a principal finalidade de nossa educação. A IES está comprometida com a transformação das estruturas econômicas, jurídicas e sociopolíticas para a construção de uma sociedade mais participativa e solidária, e contribuir para a criação de uma cultura mais encarnada na vida do povo. III. Os profissionais formados, em sua quase totalidade, estão inseridos no mercado de trabalho e já ultrapassam a casa de egressos. IV. As avaliações pelas quais a FASF já vivenciou - para autorização, reconhecimento de cursos, processo de credenciamento (SINAES), bem como, o

15 14 Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE) revelam os esforços e comprometimento na oferta de uma educação de qualidade. A FASF mantém o compromisso da adoção das melhores práticas pedagógicas contextualizadas e crítico-reflexivas que capacitem os discentes à formação de opinião. Compromete-se, também, com a formação de profissionais criativos e empreendedores, líderes qualificados, competentes no seu setor específico a serviço da sociedade. Para viabilizar a proposta de trabalho, o seu PPI, embasado em uma ampla discussão por toda comunidade acadêmica, adota uma visão inovadora que incorpora as constantes transformações e exigências sociais. A instituição mantém um processo de estabelecimento de convênios com empresas do município e escolas da região para atendimento aos cursos e demandas da comunidade, cooperando, assim, de maneira efetiva, na formação de profissionais capazes de atender às necessidades de recursos humanos e desenvolvimento da região. Todas estas ações e muitas outras identificam a inserção regional e a liderança da FASF em oferecer um ensino de qualidade na região Centro-Oeste do Estado como vem expresso em sua missão. 2.4 Metodologia para elaboração do relatório de auto-avaliação A metodologia compreende os processos realizados no período de outubro de 2012 a março de 2013, descritos a seguir. - Outubro de 2012 A avaliação institucional, referência 2012, teve em 24 de outubro de 2012, de acordo com o calendário da CPA, com a aplicação de questionários aos três segmentos sociais integrantes do Corpo Social da FASF: 1) Corpo Docente; 2) Corpo Discente-graduação; 3) Corpo Técnico-administrativo.

16 15 Os instrumentos foram aplicados através de formulários impressos, onde os participantes respondiam a um elenco de questões, conforme consta nos APÊNDICES A, B, C, D. Em relação à participação dos componentes do Corpo Social, nas Tabelas 3 e 4 são apresentados os dados correspondentes ao universo previsto e a amostra realmente identificada durante a investigação. TABELA 3: Demonstrativo Quantitativo do Corpo Social FASF. Corpo Social Universo Amostra Identificada Relação Amostra/Universo (n) (%) (n) (%) (%) Técnico-Adm. 25 7, ,98 88,00 Docente 40 12, ,16 50,00 Discente (Graduação) , ,86 79,61 TOTAL , ,00 - Fonte: CPA (2013). Com base nos dados descritos na Tabela 3, observa-se que o segmento mais representativo do universo investigado corresponde ao corpo discente de graduação com 79,69% de participantes do universo de 320 sujeitos. No entanto, se analisada cada representação, com base na amostra identificada, verifica-se que o corpo discente teve a maior participação em termos quantitativos (n), com 203 participantes na amostragem em 245 do total da amostra identificada.

17 16 TABELA 4: Demonstrativo Quantitativo Corpo Discente de Graduação (Universo/Amostra) Por Períodos / Cursos Cursos Períodos Universo Amostra Identificada (n) (%) (n) (%) Administração , , , ,30 5º 15 12, , , , , ,21 Subtotal , ,00 C. Biológicas 2º 19 54, ,61 4º 16 45, ,39 Subtotal , ,00 Farmácia 2º 19 25, ,62 4º 17 22, ,69 5º 18 22, ,08 6º 22 28, ,62 Subtotal , ,00 Gestão Financeira 2º , ,00 Subtotal , ,00 Não Informado , ,00 Subtotal , ,00 Fonte: CPA (2012). TOTAL , ,00 Os 203 estudantes de graduação participantes da pesquisa representam 79,61% do universo de 255 participantes. Considerando a proporcionalidade, o curso de Ciências Biológicas teve o maior percentual de participação (88,57%), seguida do curso de Administração (85,48%) e dos cursos de Farmácia e Gestão Financeira com 68,42%. - Novembro de 2012

18 17 A coordenação da CPA convocou todos os responsáveis pelas unidades administrativas da FASF para darem início à avaliação, via . - Dezembro de 2012 Ocorre alteração na composição da CPA, conforme Ato da Diretoria nº 003, de 01 de dezembro de A nova comissão foi constituída por: Michel Filiphi S. Santos, representação discente; Lúcia Maria Lamounier, representação técnico-administrativa; Nilda Alves Araújo Pereira, representação sociedade civil. - Janeiro de 2013 No mês de janeiro, a partir da segunda quinzena foi iniciado o tratamento dos dados levantados dos instrumentos em outubro de Fevereiro de 2013 A CPA participa de reunião com a Comissão de Avaliação do MEC durante o processo de autorização do curso de Direito. - Março de 2013 No mês de março, a CPA envia aos setores administrativos os resultados dos questionários para que os mesmos fossem incorporados ao relatório de avaliação setorial. Procedeu-se também a redação final do Relatório de Autoavaliação Institucional A CPA, de acordo com o Programa de Autoavaliação Institucional, dará início no mês de abril, o Balanço Crítico do Relatório, a fim de divulgar os resultados da avaliação institucional e iniciar as discussões pertinentes.

19 Dos intrumentos utilizados A CPA utilizou questionário fechado e estruturado como instrumento de coleta de dados para levantamento de informações da comunidade acadêmica e local. O tratamento e análise dos dados foram realizados estatisticamente, sendo os resultados disponibilizados aos Grupos de Trabalho (GT), para que fossem realizadas as reflexões e discussões pertinentes. Cada GT recebeu também dados da autoavaliação 2011, para que pudessem avaliar os setores administrativos e dimensões correlacionadas, tendo como foco: a) ações realizadas em 2012; b) potencialidades e fragilidades identificadas; c) ações programadas para A partir da avaliação realizada pelos GTs, a IES poderá adotar em 2013 ações pertinentes para minimizar pontos fracos identificados e maximizar os positivos. 2.6 Da taxionomia adotada Este estudo trata do Relatório de Autoavaliação Institucional do ano de 2012, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Alto São Francisco/FASF/Luz-MG, Teve como objetivo geral avaliar a IES com base nas diretrizes traçadas pelo SINAES, específicas as dimensões de 1 a 10, da Lei nº /2004, a fim de conhecer como o Corpo Social da instituição percebe o ensino superior acerca das dimensões Ensino, Pesquisa e Extensão. O estudo foi realizado pela Comissão Própria de Avaliação, co-assistida por coordenadores de cursos e responsáveis técnicos de setores administrativos: Biblioteca, Coordenação Acadêmica, Pós-graduação, Setor de Apoio Psicopedagógico, Secretaria Geral, Setor de Pessoal; A base para o levantamento de dados da comunidade acadêmica trata de questionário, estruturado e fechado, dividido em 14 blocos de perguntas, conforme disposto no PGAI ( 2011 nas duas dimensões, a saber: - Grupo Dimensões específicas 1) A missão e o plano de desenvolvimento institucional PDI;

20 19 2) A política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão (Iniciação científica); 3) A Responsabilidade social da instituição; 4) A Comunicação com a sociedade; 5) As políticas de pessoal, de carreiras do corpo docente e corpo técnicoadministrativo; 6) Organização e gestão da instituição; 7) Infraestrutura física e tecnológica (instalações, biblioteca e laboratórios); 8) Planejamento e Avaliação; 9) Políticas de atendimento aos estudantes; 10) Sustentabilidade financeira. - Grupo Dimensões gerais 11) Avaliação referente aos setores administrativos; 12) Avaliação específica ao curso; 13) Avaliação do corpo docente; e 14) Avaliação do relacionamento Comunidade Acadêmica. A taxionomia adotada seguiu as orientações constantes na seção Metodologia, das Normas para redação de trabalhos científicos FASF (2012). Para tanto, o estudo foi realizado através abordagem metodológica limitada à perspectiva qualitativa e descritiva, e envolveu a análise documental, a pesquisa de campo e de estudo de caso específico à própria instituição, no intuito refletir, discutir e sugerir, se necessárias, propostas de melhorias acerca do Ensino Superior/FASF, articulando-o com o modelo proposto pelo MEC Parâmetro de Qualidade da Educação Superior. Taxionomia adotada Quanto à abordagem do problema trata-se de uma pesquisa qualitativa, pois analisa, discute e compara as condições de ensino na IES a partir das dez dimensões propostas pela Lei /2004/SINAES, fazendo as interpretações pertinentes, ancoradas sob o olhar do corpo social.

21 20 Quanto ao ponto de vista de seus objetivos trata-se de pesquisa descritiva, porque descreve os fatores que contribuíram para consolidar a missão da IES na região do Alto São Francisco de Minas Gerais. Quanto ao ponto de vista dos procedimentos técnicos trata-se de análise documental, de pesquisa de campo e de estudo de caso. A análise documental porque envolveu o estudo sobre a legislação educacional e documentação interna da FASF (PDI, Regimento Interno, Projeto Pedagógico de Curso, Relatórios anuais de atividades (cursos, setores administrativos), Lei /2004 SINAES, LDBN 9394/1996); a pesquisa de campo foi realizada nas dependências da IES; o estudo de caso teve como limite a própria IES, delineada as unidades administrativas. Os procedimentos técnicos citados possibilitaram coletar as informações dos sujeitos do Corpo Social da FASF e suas respectivas unidades administrativas. Quanto ao Universo e a Amostra - O universo da pesquisa compreendeu o Corpo Social da FASF. O corpo social da FASF foi dividido pelas seguintes representações: Corpo Discente, Corpo Docente e Corpo Técnico-Administrativo, perfazendo um total de 320 pessoas. Durante a aplicação dos questionários, realizada através de contato direto com cada segmento social, os participantes recebiam os questionários impressos. No entanto, varios questionários não foram devolvidos e, portanto, a amostra realmente identificada foi de 245 (duzentos e quarenta e cinco três) participantes, representado 76,56% do universo, assim constituído: a) 203 alunos de graduação; b) 20 professores e 22 técnico-administrativos. Quanto aos instrumentos de coleta de dados: considerando que cada setor administrativo teve autonomia para definir os instrumentos de coleta de dados, de modo geral, foi utilizada a análise documental e os resultados de questionários (fechados e estruturados) descritos nos APÊNDICES A, B, C. A análise dos dados foi feita pela CPA, a partir do tratamento dos dados coletados durante a pesquisa de campo, e pelos responsáveis técnicos dos setores administrativos. Apesar de ter sido necessário fazer o tratamento e

22 21 análise estatística (média aritmética/percentagem), a CPA recomendou aos responsáveis técnicos que os dados fossem incluídos nos relatórios para fundamentar as discussões. Os softwares utilizados para o tratamento dos dados foram o Microsoft Office Excel versão 2007 (tratamento estatístico) e o Microsoft Office Word versão 2007 (edição do texto). Quanto a Seleção de Sujeitos - Os sujeitos da pesquisa foram os professores, alunos e técnico-administrativos da FASF. Quanto à forma de tratamento dos dados foi delimitada à abordagem quantitativa, através de recursos de estatística descritiva; e à abordagem qualitativa, para a análise de conteúdo e análise documental. Diante da metodologia apresentada e da limitação dos procedimentos metodológicos adotados, acredita-se que o estudo seja limitado, entretanto, no contexto da investigação realizada, atendeu as necessidades inerentes à realização da avaliação, contribuindo, portanto, para a concretização da pesquisa.

23 22 3 DESENVOLVIMENTO Nesta seção são apresentados os resultados das dez dimensões específicas e das quatro gerais, conforme disposto no PGAI. 3.1 Relatório avaliativo das dimensões Os dados apresentados nesta seção são apresentados, de acordo a ordem das dimensões. Em cada dimensão são descritas as ações realizadas em 2012; as fragilidades e potencialidades identificadas; as ações programadas para 2013; e os resultados e discussão dos dados quantitativos levantados da aplicação dos questionários A missão e o PDI (dimensão 1) O Plano de Desenvolvimento Institucional elaborado/revisto por vários segmentos da IES e da mantenedora, tem em seu planejamento estratégico, os objetivos, metas, estratégias e responsáveis pela realização dos mesmos. Pode-se ver que a maioria dos objetivos e metas estabelecidas no PDI foi alcançada para o período até Sabe-se que não obstante, há muito ainda a percorrer até 2012 principalmente no que se refere a infraestrutura com construção de auditório e instalação para eventos. Buscando atender ao objetivo de ampliar e melhorar a estrutura da FASF e as metas estabelecidas para alcançá-lo, constata-se que houve um avanço dos vários setores administrativos ao trabalhar com o novo programa de informatização e foi oferecido cursos e treinamentos aos funcionários. Fez-se também mais aquisições e adequação para os laboratórios de Ciências Biológicas e Farmácia. Em relação à Biblioteca, o curso de Administração teve o acervo todo atualizado. Fez-se também aquisição para os novos cursos de Recursos Humanos, Marketing, Gestão Financeira e Gestão Ambiental. Aquisições para os cursos de Ciências Biológicas e Farmácia também estão sendo encaminhadas, bem como para os novos cursos de Direito e Agronegócios. Muitas aquisições foram feitas para atender os cursos a distância, tanto em livros,

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010 FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DO ALTO SÃO FRANCISCO FASF-727 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA HOMOLOGADO EM 30/03/2011 Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014)

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014) RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014) COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTUTICIONAL: ano-base 2014 Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional da Faculdade de Filosofia,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Ensino Superior de Ibaiti UF: PR ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação, Administração

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Faculdade de Sorocaba AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Sorocaba Dezembro 2014 1 Faculdade

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Brasileira de Educação Familiar e Social UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Social da Bahia

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO A avaliação institucional tem sido objeto de discussões na Faculdade Educacional de Ponta Grossa - Faculdade União e sempre foi reconhecida como um instrumento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 14/5/2011, Seção 1, Pág.147. Portaria n 545, publicada no D.O.U. de 14/5/2012, Seção 1, Pág.147. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO 2014 APRESENTAÇÃO O Plano de Ação ora apresentado planeja o processo da Autoavaliação Institucional, que vem se consolidando na Faculdade Norte Capixaba de São

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Cruzada Maranata de Evangelização UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Batista Brasileira, com sede no

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 0/5/2012, Seção 1, Pág.. Portaria n 712, publicada no D.O.U. de 0/5/2012, Seção 1, Pág. 2. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: CENECT Centro Integrado de Educação, Ciência e UF: PR Tecnologia S/C Ltda. ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. Portaria n 760, publicada no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 678, publicada no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 19. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Planejamento CPA Metropolitana 2013

Planejamento CPA Metropolitana 2013 Planejamento CPA Metropolitana 2013 1 Planejamento CPA Metropolitana Ano 2013 Denominada Comissão Própria de Avaliação, a CPA foi criada pela Legislação de Ensino Superior do MEC pela Lei 10.861 de 10

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS Fevereiro 2011 PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS DA FEAMIG Introdução Desde o final do ano de 2007 e o início de 2008, a FEAMIG

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Santa Marcelina UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Santa Marcelina (FASM), com sede no Município

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ALTA FLORESTA FACTFLOR 2010/2011 1 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACTFLOR DIRETOR DA FACTFLOR Prof. Dr. JOSÉ ANTÔNIO TOBIAS VICE-DIRETORA

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Cristã de Moços de Sorocaba UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação Física da Associação

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES (Lei 10.681/2004) tem o propósito de promover a melhoria da educação superior no Brasil....assegurar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/5/2012, Seção 1, Pág. 33. Portaria n 708, publicada no D.O.U. de 30/5/2012, Seção 1, Pág. 32. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE 1 FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO (Síntese dos resultados) COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação de Ensino e Tecnologia de Alfenas (FETA) UF: MG ASSUNTO: Recredenciamento da Universidade José do Rosário

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Escola de Enfermagem Nova Esperança Ltda. UF: PB ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Enfermagem Nova Esperança,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/5/2011, Seção 1, Pág.17. Portaria n 573, publicada no D.O.U. de 16/5/2011, Seção 1, Pág.14. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 886, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 46. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - Sinaes Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015 Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional Ciclo Avaliativo 2013 2015 Cascavel 2014 CPA Comissão Própria de Avaliação Presidente Prof. Gelson Luiz Uecker Representante Corpo Docente Profa. Anália

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: UNIME - União Metropolitana para o Desenvolvimento da UF: BA Educação e Cultura ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 5/6/2009, Seção 1, Pág. 92. Portaria n 508, publicada no D.O.U. de 5/6/2009, Seção 1, Pág. 92. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/5/2012, Seção 1, Pág. 33. Portaria n 707, publicada no D.O.U. de 30/5/2012, Seção 1, Pág. 32. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 21/01/2008. (*) Portaria/MEC nº 105, publicada no Diário Oficial da União de 21/01/2008. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

valiação egulação upervisão Qualidade da Educação Superior

valiação egulação upervisão Qualidade da Educação Superior valiação egulação upervisão Qualidade da Educação Superior Apresentação Promover a efetivação da diretriz da qualidade no ensino superior é um dos principais desafios do Ministério da Educação no período

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 28/3/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 306, publicada no D.O.U. de 28/3/2011, Seção 1, Pág. 20. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Serviço Nacional de Aprendizagem UF: BA Departamento Regional da Bahia SENAI-DR/BA ASSUNTO: Recredenciamento da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 20/7/2011, Seção 1, Pág.34. Portaria n 994, publicada no D.O.U. de 20/7/2011, Seção 1, Pág.35. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Faculdades Nordeste S/A UF: CE ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nordeste, com sede no Município de Fortaleza,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Instrumentos de avaliação para credenciamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES. IGC Faixa Contínuo 2007 3 256 2008 3 252 2009 3 200

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES. IGC Faixa Contínuo 2007 3 256 2008 3 252 2009 3 200 PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 11/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 529, publicada no D.O.U. de 11/5/2012, Seção 1, Pág. 19. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO - 2012

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO - 2012 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO - 2012 PARAGUAÇU PAULISTA Fevereiro/2013 AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Este documento foi elaborado pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) da FACULADES GAMMON,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 3/10/2011, Seção 1, Pág. 9. Portaria n 1380, publicada no D.O.U. de 3/10/2011, Seção 1, Pág. 8. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III

MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III SIC 38/10* Belo Horizonte, 3 de dezembro de 2010. MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III O MEC publicou a Portaria nº 1326, de 18/11/2010 (ver íntegra do texto abaixo). É preciso ser mágico

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Instituto Doctum de Educação e Tecnologia Ltda. UF: MG ASSUNTO: Credenciamento da Faculdade de Ciências Gerenciais

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Plano de Ação da CPA

Plano de Ação da CPA Centro Universitário do Estado do Pará - CESUPA Plano de Ação da CPA Ano 2014 CPA/CESUPA 2014 C o m i s s ã o P r ó p r i a d e A v a l i a ç ã o C P A / C E S U P A APRESENTAÇÃO O plano de ações da CPA

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA FACIIP UNIDADE BAIANA DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - UNIBAHIA PERÍODO 2015/2017. Lauro de Freitas - Bahia

FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA FACIIP UNIDADE BAIANA DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - UNIBAHIA PERÍODO 2015/2017. Lauro de Freitas - Bahia FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA FACIIP UNIDADE BAIANA DE ENSINO PESQUISA E ETENSÃO - UNIBAHIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO 2015/2017 Lauro de Freitas

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Superior SISTEMA NACIONAL

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

FACULDADE FAISA RELATO INSTITUCIONAL

FACULDADE FAISA RELATO INSTITUCIONAL FACULDADE FAISA RELATO INSTITUCIONAL 1 BREVE HISTÓRICO: Na intenção de oferecer à região de Ilha Solteira cursos de ensino superior e capacitar futuros profissionais para o exigente mercado de trabalho

Leia mais

Estrutura para elaboração do PDI

Estrutura para elaboração do PDI Estrutura para elaboração do PDI NOTA 1 - Orientações para elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI consiste num documento em que se definem

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 67, publicada no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 18. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA PERÍODO DE REFERÊNCIA: 2011 SANTA RITA DO SAPUCAÍ

Leia mais

Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL

Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL Titulo: UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) Autor: Wilson dos Santos Almeida

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/5/2012, Seção 1, Pág. 24. Portaria n 625, publicada no D.O.U. de 18/5/2012, Seção 1, Pág. 2. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

A prova; O questionário de impressões dos estudantes sobre a prova; O questionário do estudante; e O questionário do coordenador(a) do curso.

A prova; O questionário de impressões dos estudantes sobre a prova; O questionário do estudante; e O questionário do coordenador(a) do curso. aumentar fonte diminuir fonte Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Educação Superior Enade Perguntas Frequentes Página Inicial Enade Perguntas Frequentes Manual do

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização Comissão da Câmara de Educação Superior Erasto Fortes

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 668, publicada no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 18. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS EM ENSINO EM MEDICINA VETERINÁRIA VERIFICAÇÃO

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Administração UF: SP Regional de São Paulo ASSUNTO: Recredenciamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de21/6/2010, Seção 1, Pág.7. Portaria n 810, publicada no D.O.U. de 21/6/2010, Seção 1, Pág.7. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais