ALERGIAS E INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES. PROFª. Ms. SUELI ESSADO PEREIRA 31-AGO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALERGIAS E INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES. PROFª. Ms. SUELI ESSADO PEREIRA 31-AGO-2012 1"

Transcrição

1 ALERGIAS E INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES PROFª. Ms. SUELI ESSADO PEREIRA 31-AGO

2 COMO DIFERENCIAR A INTOLERÂNCIA ALIMENTAR DE ALERGIA ALIMENTAR?!

3

4 Adverse Reactions to Food: Position Paper. Allergy 1995; 50:

5 ALERGIA ALIMENTAR - PREVALÊNCIA 20% da população reações adversas (Young,1994) USA- 6% das crianças até 3 anos de idade e 2% adultos EUROPA - 0,3% - 7% das crianças e 2% adultos BRASIL 8% em crianças / 35% com APLV; 3,5% em adultos ATÓPICOS - 10% ( Kajosaari, 1982 / Crespo e cols, 1995) 5

6 ALÉRGENOS ALIMENTARES x IDADE CRIANÇAS - 90% leite vaca, ovo, soja, amendoim, trigo adolescentes / adultos - 85% amendoim, peixe, frutos do mar, castanhas Sampson HA- J Allergy Clin Immunol,1999 6

7 Fatores de Risco para Alergia Alimentar PALESTRA ALERGIAS E INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES - MsC. SUELI ESSADO PEREIRA Características genéticas Imaturidade do Sistema Imune de Mucosas Introdução precoce de Alimentos Sólidos antes de 4 meses Falhas nos mecanismos de defesa do TGI Alterações da permeabilidade da mucosa Interações Inadequadas com a flora comensal Alterações Imunológicas Infecções gastrintestinais Uso de bloqueadores da bomba de prótons? 7

8 FISIOPATOLOGIA MECANISMO BÁSICO PRIMÁRIO MECANISMO SECUNDÁRIO Ex.: Gastroenterite 8

9 FISIOPATOLOGIA 9

10 10

11 ALÉRGENOS ALIMENTARES Propriedades GLICOPROTEÍNAS PM kD Termoestáveis Resistentes às proteases Resistentes aos ácidos Desnaturação química Resistentes à cocção e digestão Absorção pela mucosa intestinal ou nasal Resposta imune (IgE) Apresentação de epítopos Epítopo 11

12 ALÉRGENOS ALIMENTARES Propriedades 12

13 ALÉRGENOS ALIMENTARES Propriedades 13

14 DIAGNÓSTICO DIAGNÓSTICO É FUNDAMENTALMENTE CLÍNICO! HISTÓRIA CLÍNICA + PROVOCAÇÃO!! DESCRIÇÃO DOS SINTOMAS IDADE INÍCIO SINTOMAS TEMPO ENTRE INGESTÃO E SINTOMAS ALIMENTO ENVOLVIDO QUANTIDADE ALIMENTO FATORES ASSOCIADOS ( Bock, AS - JPGN, 30:520, 2000 ) DIÁRIO ALIMENTAR 14

15 TGI Pele SINTOMAS MAIS FREQUENTES (geralmente sintomas não isolados!!!) Respiratório Geral Regurgitações Vômitos Diarréia Constipação Sangue nas fezes Anemia ferropriva Dermatite Atópica Angioedema Urticária Coriza Tosse crônica Chiado Cólica ou irritabilidade persistente (>3h/dia) pelo menos 3 dias/sem por período > 3 semanas

16 SINTOMAS EM CRIANÇAS E ADULTOS CRIANÇAS Náuseas / vômitos Dor abdominal Déficit crescimento ADULTOS Disfagia Impactação Queimação retro-esternal (Gonsalves N et al, 2005) 16

17 IgE mediado Misto não IgE mediado GASTRINTESTINAL Hipersensibilidade GI Gastroenterite Eosinofílica Enterocolite Proctite Enteropatia OROFARÍNGEO Síndrome da Alergia Oral CUTÂNEO Urticária Aguda Angioedema Dermatite Atópica Dermatite Herpetiforme RESPIRATÓRIO Broncoespasmo Agudo Risco Anafilaxia Asma Risco Anafilaxia Hemossiderose Pulmonar 17

18 ALERGIA ALIMENTAR TESTES COMPLEMENTARES IgE MEDIADA REAÇÃO IMEDIATA NÃO IgE MEDIADA REAÇÃO TARDIA Prick teste Rast Cap-system Provocação labial Provocação oral ( DCPC ) Testes Provocação Biópsia Intestinal Provocação Oral ( DCPC )

19 ALERGIA ALIMENTAR PRICK TEST PRICK POSITIVO VPP - 50% SENSIBILIZAÇÃO NÃO AA PRICK NEGATIVO VPN - 95% MENORES DE 2 ANOS EXCLUSÃO DE AA IgE MEDIADA VPP MAIOR

20 Patch Test Patch teste : atópico em DA Local: dorso Alérgeno alimentar não padronizado Leitura: abertura com 48 horas e leitura em 72 a 96 horas. Resposta precoce: TH2 / tardia: TH1?? Resultados conflitantes PALESTRA ALERGIAS E INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES - MsC. SUELI ESSADO PEREIRA

21 21

22 Aberto Simples cego ALERGIA ALIMENTAR Teste de Provocação Oral Duplo Cego Placebo Controlado AMBIENTE HOSPITALAR Anafilaxia, Sintomas subjetivos Doses crescentes, intervalos regulares, avaliação clínica Reações precoces ate 2-3h Reações tardias até 24-48h Só reação tardia: TPO aberto em casa Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar Rev Med Minas Gerais 2008;18(1Supl1):S1-S44 DRACMA - WAO Journal, April

23 TRATAMENTO NAS ALERGIAS ALIMENTARES O ÚNICO TRATAMENTO COMPROVADAMENTE EFICAZ É A EXCLUSÃO COMPLETA DO ALÉRGENO DA DIETA!!! CONSCIENTIZAÇÃO PACIENTE / FAMÍLIA EDUCAÇÃO / INFORMAÇÃO ALTERNATIVAS DE SUBSTITUIÇÃO MANUTENÇÃO NECESSIDADES NUTRICIONAIS MANUTENÇÃO QUALIDADE VIDA Solé D et al. Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar Rev Med Minas Gerais 2008;18(1Supl1):S1-S4 DRACMA WAO Journal 23

24 ALTERNATIVAS DIETÉTICAS PARA SUBSTITUIÇÃO DE LEITE DE VACA FÓRMULA DE PROTEÍNA ISOLADA DE SOJA HIDROLISADOS CASEÍNA HIDROLISADOS PROTEÍNAS DO SORO HIDROLISADOS SOJA / COLÁGENO BOVINO DIETAS ELEMENTARES São consideradas hipoalergênicas as fórmula extensamente hidrolisadas e à base de aminoácidos AAP. Pediatrics 2000; 106(2):

25 HIDRÓLISE E ALERGENICIDADE PROTEÍNA INTACTA PARCIALMENTE EXTENSAMENTE AMINOÁCIDOS ALERGENICIDADE 1500 DALTONS 25

26 FÓRMULAS INFANTIS EXTENSAMENTE HIDROLISADAS Alfaré - Nestlé Peso molecular: maioria dos peptídeos < 1500 Daltons Proteínas imunorreativas < 1% do total de substâncias contendo nitrogênio (Regulamento da União Européia para rotulagem de fórmulas infantis com Pregestimil Premium Mead Johnson reduzida alergenicidade) 26

27 FÓRMULAS À BASE DE AMINOÁCIDOS AminoMed - ComidaMed Vivonex Pediatric - Novartis Neocate - Support 27

28 FÓRMULAS À BASE DE SOJA Em 2006: posição do Comitê de Nutrição do ESPGHAN quanto ao uso de fórmula de soja, pela preocupação com conteúdo de: Fitatos Alumínio Fitoestrógenos Efeitos Adversos NÃO DEVEM SER UTILIZADAS NO PRIMEIRO ANO DE VIDA Agostoni et al. JPGN 2006; 42:

29 É importante ressaltar que caso não haja melhora clínica com uso de fórmulas especiais, desde que a dieta de exclusão seja rigorosa, outro diagnóstico deve ser considerado e investigado. 29

30 REATIVIDADE CRUZADA ENTRE ALÉRGENOS Ocorre quando anticorpos IgE, originalmente dirigido a um alérgeno, liga ou reconhece uma proteína similar de outra fonte. Aalberse RC. J Allergy Clin Immunol 2000;106:228 Weber RW. J Allergy Clin Immunol 2003;112:229 Achados clínicos definidos mostrando reatividade a um ou vários alérgenos, sem prévia exposição. Fernandes et al. Clin Exp Immunol 2003; 33:

31 REATIVIDADE CRUZADA ENTRE ALÉRGENOS Alergia Reação Cruzada % Risco Alergia Reação Cruzada % Risco Sicherer SH, JACI

32 DETERMINANTES DA REAÇÃO CRUZADA estrutura protéica reação cruzada:semelhanças estrutura 1 0 e 3 0 necessita > 70% sequência homóloga BÉTULA PÊSSEGO BÉTULA LATEX 32

33 BIZARRO! Várias pessoas têm alergias a uma comida específica, mas a garotinha Grace Morley tem uma alergia extremamente bizarra: ela não é alérgica a maçãs nem às árvores chamadas bétulas (Bétula é o nome de um gênero de árvores da família Betuláceas, também chamada de árvore da sabedoria, a Bétula é uma planta silvestre originária da Ásia e da Europa, cuja casca era bastante utilizada para a fabricação de tinta amarela e seu óleo para curtir o couro. Mas se ela comer uma maçã embaixo de um pé desta árvore ou próxima a uma, ela entra em choque anafilático, e pode morrer em poucos minutos. 33

34 SÍNDROME LÁTEX-FRUTA Elevada Associação Banana Abacate Kiwi Moderada Associação Maçã Cenoura Tomate Batata Melão Papaia Aipo 34

35 ESCLARECENDO MELHOR SOBRE INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES 35

36 INTOLERÂNCIA ALIMENTAR É UM TIPO DE REAÇÃO ADVERSA AO ALIMENTO, DE CARÁTER NÃO IMUNOLÓGICA, COM DIVERSOS FATORES CAUSAIS. TÓXICA ETIOLOGIA FARMACOLÓGICA METABÓLICA REAÇÕES IDIOSSINCRÁSICAS REAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS 36

37 Quais moléculas nos alimentos estão envolvidas na INTOLERÂNCIA ALIMENTAR? 37

38 38

39 CLASSIFICAÇÃO 1) Intolerância aos Polissacarídeos Intolerância ao amido 2) Intolerância aos Dissacarídeos Intolerância à Lactose Deficiência congênita de lactase Deficiência ontogenética de lactase (DOL) ou hipolactasia tipo adulto Deficiência de lactase adquirida ou intolerância secundária à lactose Alactasia congênita Intolerância à sacarose-isomaltose Deficiência congênita de sacarase-isomaltase 3) Intolerância a Monossacarídeos Má absorção primária de glicose-galactose Intolerância hereditária à frutose Payne ML et al. J Am Diet Assoc 1997(5): Aggett P J. J Pediatr Gastroenterol Nutr 2003; 36:

40 INTOLERÂNCIA A LACTOSE 40

41 INTOLERÂNCIA A LACTOSE NO BRASIL: DOL 46-67% - dependendo da etnia (Troncon et al, 1981) 41

42 INTOLERÂNCIA A LACTOSE 42

43 Deficiência congênita de lactase Foi descrita pela 1ª vez por Holzel et al., em 1959, na Finlândia, também denominada alactasia congênita. Trata-se de uma anormalidade genética muito rara, herdada por mecanismo autossômico recessivo. Quadro Clínico: Manifestação no recém nascido logo após a 1ª ou 2ª ingestão de leite humano ou animal. Com os seguintes sintomas: Distensão e dor abdominal Excessiva eliminação de flatos Diarréia líquida, volumosa, vômitos, desidratação e acidose metabólica Dermatite perianal, parada do crescimento e desnutrição. Smith W. Pediatric Gastrointestinal Disease 2004; 43: , fourth edition Hozel et al. Lancet 1959; i: Arch.Dis.Chid 58:246-52,

44 INTOLERÂNCIA A LACTOSE MANIFESTAÇÕES CLINICAS GERAIS SINTOMAS NO TGI FREQUÊNCIA % DOR ABDOMINAL DISTENSÃO INTESTINAL RUÍDOS INTESTINAIS FLATULÊNCIA DIARRÉIA CONSTIPAÇÃO NÁUSEAS VÔMITOS SINTOMAS SISTÊMICOS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS CEFALÉIA PERDA DE CONCENTRAÇÃO E ALTERAÇÃO DA MEMÓRIA DE CURTA DURAÇÃO FADIGA CRÔNICA DORES MUSCULARES DORES ARTICULARES ALERGIAS RESPIRATÓRIAS ARRITMIA CARDÍACA ÚLCERAS BUCAIS AUMENTO DA FREQUENCIA MICCIONAL <20 44 BRAMBILLA et al, 2006)

45 INTOLERÂNCIA A LACTOSE Tratamento Consiste na retirada do dissacarídeo da dieta, uma vez que o fenômeno de indução de atividade da enzima pela dieta não existe. Orientar bem a família problema de base. Deficiência congênita de lactase dieta isenta de lactose. Deficiência ontogenética redução na quantidade de leite e derivados de acordo com a tolerância individual. Administração exógena de Lactase J Pediatr Gastroenterol Nutr ;35(4):573-9,2002 Oct 45

46 INTOLERÂNCIA A LACTOSE GRUPO TIPO % TIPO % LEITE DESNATADO 4,8 SEMI-DESNATADO 4,7 QUEIJOS CONTEÚDO DE LACTOSE NOS ALIMENTOS INTEGRAL 4,6 CONDENSADO 12,3 CABRA 4,4 HUMANO 7,2 OVELHA 5,1 CREME DE LEITE 2,2 BRIE, CAMEMBERT, EDAM, GOUDA, MUSSARELA, DINAMARQUÊS Tr CHEDDAR, STILTON QUEIJO DE CABRA e PARMESÃO FETA COTTAGE 3,1 REQUEIJÃO 4,4 IOGURTE NATURAL 4,7 COM FRUTA BEBIDA FERMENDATA OUTROS MILKSHAKE COMUM 4,5 SORVETES 5,0 ARROZ DOCE 3,9 MOUSSE CHOCOLATE 3,8 0,1 0,9 1,4 4,0 MATTAR, R; MAZO, D.F.C. Rev Assoc. Med 2010:56 (2):

47 INTOLERÂNCIA A LACTOSE (MATTAR; MAZO, 2010) (TÉO, 2002) (CUNHA et al, 2008) 47

48 INTOLERÂNCIA A LACTOSE PRODUTOS DISPONÍVEIS NO MERCADO 48

49 LEMBRANDO QUE É IMPORTANTE O MONITORAMENTO REGULAR DO ESTADO NUTRICIONAL 49

50 50

51 EVITAR EXCESSOS, MONOTONIAS, INDUSTRIALIZADOS, AGROTÓXICOS, PREPAROS INADEQUADOS! ATENÇÃO REDOBRADA NAS ROTULAGENS E INFORMAÇÕES SOBRE ALIMENTOS CONSUMIDOS! 51

52 CONCLUINDO QUE... 52

53 GRATA! NUTRICIONISTAS DEVEM SER NUTRIDAS POR AMOR E PENSAMENTOS POSITIVOS, PARA CUIDAREM DA ALIMENTAÇÃO DO CORPO, E TRANSMITIR AOS CLIENTES E PACIENTES CONFIANÇA E FORÇA DE VONTADE PARA CONSUMIR O QUE É ADEQUADO! FELICIDADES A TODAS NÓS, QUE ESCOLHEMOS ESTA PROFISSÃO! 53

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar Características gerais glicoproteínas resistência térmica resistente à proteólise

Leia mais

FABA ALERGIA ALIMENTAR

FABA ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR Intolerância Alimentar Aversão Alimentar Reações Imediatas e Tardias ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR - Reação adversa ao componente protéico do alimento e envolve mecanismo

Leia mais

Intolerância à Lactose

Intolerância à Lactose Intolerância à Lactose A intolerância à lactose é a condição que se refere aos sintomas decorrentes da má digestão da lactose. Esta situação ocorre quando o organismo não produz lactase suficiente, uma

Leia mais

Alimentos. O que é? Papel da IgE sérica específica no diagnóstico da alergia alimentar. IgE Específico

Alimentos. O que é? Papel da IgE sérica específica no diagnóstico da alergia alimentar. IgE Específico IgE Específico Alimentos O que é? IgEs específicos para alimentos são testes que avaliam a presença, na amostra testada, de anticorpos IgE contra alérgenos derivados de um alimento específico. Papel da

Leia mais

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA No dia-a-dia de um consultório de alergia é muito comum o cliente chegar achando que seu problema alérgico está relacionado à alergia alimentar, principalmente quando

Leia mais

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0 NOTA TÉCNICA 75/2013 Solicitante Juiz de Direito Dr.Alexsander Antenor Penna Silva Comarca de João Monlevade Processo Número 0024 13 023060-0 Data: 23/05/2013 Medicamento/ x dieta Material Procedimento

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

TEMA: NEOCATE NA ALERGIA A LEITE DE VACA (APLV)

TEMA: NEOCATE NA ALERGIA A LEITE DE VACA (APLV) NOTA TÉCNICA 24/2014 Solicitante Regina Célia Silva Neves Juizado Fazenda Pública de Itaúna Processo Número 0338.13.012.595-2 Data: 07/02/2014 Medicamento/ dieta x Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

ALERGIAS AO LÁTEX...

ALERGIAS AO LÁTEX... ALERGIAS AO LÁTEX... UM PROBLEMA CADA VEZ MAIS PREOCUPANTE O látex, um componente da borracha natural produzido pela seringueira, é um produto com características especiais, por isso muito utilizadas em

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Nelson Marchezan Junior) Torna obrigatória a informação sobre a presença de lactose nas embalagens ou rótulos de alimentos, bebidas e medicamentos. O Congresso Nacional

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Avaliação clínico-laboratorial do paciente alérgico RAST Silvia Daher Apoio: Phadia Diagnósticos Ltda HISTÓRIA TESTE CUTÂNEO RAST SD Diagnóstico de

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Alergia alimentar. Proteína do Leite de Vaca. Fórmulas infantis.

RESUMO. Palavras-chave: Alergia alimentar. Proteína do Leite de Vaca. Fórmulas infantis. ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA: CONHECIMENTO DOS PAIS E/OU RESPONSÁVEIS DE CRIANÇAS BENEFICIÁRIAS DO PROGRAMA DE LEITES ESPECIAIS DO MUNICÍPIO DE GRAVATAÍ, RS. Luana Dias Gracioli 1 RESUMO A alergia

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

Conduta dietética na intolerância à lactose

Conduta dietética na intolerância à lactose UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA DISCIPLINA DE GASTROENTEROLOGIA PEDIÁTRICA Conduta dietética na intolerância à lactose Karina Akemi Yamasaki Nutricionista Especializanda Disciplina

Leia mais

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Alergias alimentares Intolerâncias metabólicas Reações farmacológicas Erros congênitos do metabolismo Alergia alimentar Mediada

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Alergêneos e Contaminantes em Carnes Isa Beatriz Noll ICTA/UFRGS ALERGÊNEOS E CONTAMINANTES Objetivos: Reações adversas a alimentos Podem ocorrer em todos

Leia mais

INTOLERÂNCIA À LACTOSE

INTOLERÂNCIA À LACTOSE INTOLERÂNCIA À LACTOSE e produtos lácteos com baixo teor de lactose A lactose (galactose β-1,4 glucose) é um tipo de glicídio que possui ligação glisídica. É o açúcar presente no leite e seus derivados.

Leia mais

ALERGIA INTOLERÂNCIA ALIMENTAR. Laíse Souza. Mestranda Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição PPGAN / UNIRIO

ALERGIA INTOLERÂNCIA ALIMENTAR. Laíse Souza. Mestranda Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição PPGAN / UNIRIO ALERGIA X INTOLERÂNCIA ALIMENTAR Laíse Souza Mestranda Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição PPGAN / UNIRIO COMO DIFERENCIAR A ALERGIA ALIMENTAR DA INTOLERÂNCIA ALIMENTAR?! ALERGIA ALIMENTAR

Leia mais

Importância da Nutrição na Qualidade de Vida. Aline T. Carrera CRN3 21498 Nutricionista Clinica Funcional

Importância da Nutrição na Qualidade de Vida. Aline T. Carrera CRN3 21498 Nutricionista Clinica Funcional Importância da Nutrição na Qualidade de Vida Aline T. Carrera CRN3 21498 Nutricionista Clinica Funcional Repensar Mudanças (constante); Adaptações (necessárias); Escolhas (depende de você) o que você

Leia mais

INTOLERÂNCIA À LACTOSE

INTOLERÂNCIA À LACTOSE INTOLERÂNCIA À LACTOSE Intolerância à lactose é a incapacidade ou dificuldade de digerir o açúcar natural (lactose) contido no leite e seus derivados. Ocorre como resultado da deficiência ou ausência de

Leia mais

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL 1 de 5 O trato gastrintestinal (TGI) tem a função principal de absorver os nutrientes necessários ao organismo e eliminar os dejetos. O TGI é também uma parte fundamental

Leia mais

ALIMENTOS, NUTRIENTES E SAÚDE. Profª MSc Monyke Lucena

ALIMENTOS, NUTRIENTES E SAÚDE. Profª MSc Monyke Lucena ALIMENTOS, NUTRIENTES E SAÚDE Profª MSc Monyke Lucena Para podermos praticar esportes, estudar ou realizar qualquer outra atividade, devemos ter energia no nosso organismo; Essa energia é fornecida pelos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NA INTOLERÂNCIA A LACTOSE E NA ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE DE VACA

A IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NA INTOLERÂNCIA A LACTOSE E NA ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE DE VACA A IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NA INTOLERÂNCIA A LACTOSE E NA ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE DE VACA Jamile Batista Rocha Graduanda em Nutrição Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Rafaela Ribeiro de

Leia mais

Escola Profissional Gustave Eiffel Curso Técnico de Apoio à Infância Disciplina de Saúde Infantil - 2.º ano

Escola Profissional Gustave Eiffel Curso Técnico de Apoio à Infância Disciplina de Saúde Infantil - 2.º ano Introdução Apresentação do Módulo Escola Profissional Gustave Eiffel Curso Técnico de Apoio à Infância Disciplina de Saúde Infantil - 2.º ano Introdução Apresentação do Módulo Objectivos de Aprendizagem:

Leia mais

PLESONAX. (bisacodil)

PLESONAX. (bisacodil) PLESONAX (bisacodil) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimidos Revestidos 5mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: PLESONAX bisacodil APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos Embalagem contendo

Leia mais

cloridrato de loperamida Laboratório Globo Ltda. comprimidos 2 mg

cloridrato de loperamida Laboratório Globo Ltda. comprimidos 2 mg cloridrato de loperamida Laboratório Globo Ltda. comprimidos 2 mg cloridrato de loperamida Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimidos de 2 mg em embalagem com 12 e 200 comprimidos.

Leia mais

Vida e sabor. sem leite. Angélica Rodrigues Míriam Carmo Rodrigues. Antônio Condino Neto [ Colaborador ]

Vida e sabor. sem leite. Angélica Rodrigues Míriam Carmo Rodrigues. Antônio Condino Neto [ Colaborador ] Vida e sabor sem leite Angélica Rodrigues Míriam Carmo Rodrigues Antônio Condino Neto [ Colaborador ] VIDA E SABOR SEM LEITE PÁG. 3 PÁG. 5 Vida e Sabor sem Leite ANGÉLICA RODRIGUES MÍRIAM CARMO RODRIGUES

Leia mais

O diagnóstico preciso de alergia alimentar é necessário para proteger as crianças de dietas inadequadas ou desnecessárias.

O diagnóstico preciso de alergia alimentar é necessário para proteger as crianças de dietas inadequadas ou desnecessárias. Alergia Alimentar Alergia Alimentar é o termo utilizado para descrever reações adversas a alimentos dependentes de mecanismos imunológicos. O diagnóstico preciso de alergia alimentar é necessário para

Leia mais

Alergia as proteínas do leite de vaca

Alergia as proteínas do leite de vaca Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-graduação em Ciência dos Alimentos Centro de Ciências Agrárias Alergia as proteínas do leite de vaca Profa Marilde T. Bordignon Luiz bordign@cca.ufsc.br

Leia mais

MICRONUTRIENTES: Vitaminas e Minerais

MICRONUTRIENTES: Vitaminas e Minerais Projeto de Extensão Saúde da Família e o Papel da Escola MICRONUTRIENTES: Vitaminas e Minerais Danielle Mayumi Tamazato Maiara Jaloretto Barreiro O que são vitaminas? Vitaminas são micronutrientes essenciais

Leia mais

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA "Deus seja Louvado"

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA Deus seja Louvado PROJETO DE LEI Nº /2015 EMENTA: DISPÕE SOBRE CRIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DIFERENCIADA PARA ALUNOS ALÉRGICOS NA REDE DE ENSINO MUNICIPAL DE VILA VELHA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal

Leia mais

Relaxante Muscular e Analgésico. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos.

Relaxante Muscular e Analgésico. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos. BULA DO PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Paralon Relaxante Muscular e Analgésico clorzoxazona 200 mg e paracetamol 300 mg Comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e. outros sintomas

Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e. outros sintomas Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e outros sintomas Nutricionista Camila Costa Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício InCor/FMUSP Será que o que você come influencia

Leia mais

COMPLICAÇÕES DIGESTIVAS DE CRIANÇAS COM CDG

COMPLICAÇÕES DIGESTIVAS DE CRIANÇAS COM CDG COMPLICAÇÕES DIGESTIVAS DE CRIANÇAS COM CDG As crianças com CDG têm frequentemente queixas digestivas e problemas nutricionais. As causas não estão bem esclarecidas, são múltiplas e em última análise,

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas.

Leia mais

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml Esalerg gotas Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESALERG GOTAS (desloratadina)

Leia mais

desloratadina EMS S/A Comprimido Revestido 5 mg

desloratadina EMS S/A Comprimido Revestido 5 mg desloratadina EMS S/A Comprimido Revestido 5 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO desloratadina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos de 5 mg. Embalagem contendo 10 ou 30 comprimidos revestidos.

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 216/14 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 216/14 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 216/14 - CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a necessidade de racionalizar a oferta de fórmulas nutricionais especiais pelo Estado,

Leia mais

Alergia Alimentar Uma abordagem prática

Alergia Alimentar Uma abordagem prática Alergia Alimentar Uma abordagem prática Wellington Borges Departamento de Alergia e Imunologia Sociedade Brasileira de Pediatria Conceito Alergia alimentar é uma entidade clínica resultante de reações

Leia mais

Solução oral Caixa com 50 frascos frascos com 30 ml de solução oral na concentração de 25 mg/ml de ferro elementar

Solução oral Caixa com 50 frascos frascos com 30 ml de solução oral na concentração de 25 mg/ml de ferro elementar FURP-SULFATO FERROSO 25 mg Fe++/ml Gotas PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FURP-SULFATO FERROSO sulfato ferroso FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução oral Caixa com 50 frascos frascos com 30 ml

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

ORLIPID (orlistate) EMS SIGMA PHARMA LTDA. cápsula. 120mg

ORLIPID (orlistate) EMS SIGMA PHARMA LTDA. cápsula. 120mg ORLIPID (orlistate) EMS SIGMA PHARMA LTDA cápsula 120mg 1 ORLIPID (orlistate) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ORLIPID (orlistate) APRESENTAÇÕES Cápsulas de 120mg: Embalagem contendo 21, 30, 42, 60, 84 ou

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDIATRIA E SAÚDE DA CRIANÇA ULTRASSONOGRAFIA COM DOPPLER

Leia mais

alergia alimentar ou refluxo gastroesofágico Como diferenciar?

alergia alimentar ou refluxo gastroesofágico Como diferenciar? 11 o Congresso Brasileiro de Alergia e Imunologia em Pediatria Congresso Wilson Rocha Belo Horizonte MG 8 a 11 de Abril de 2010 alergia alimentar ou refluxo gastroesofágico Como diferenciar? Dra. Adriana

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml.

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. ALIVIUM ibuprofeno Gotas FORMAS FARMACÊUTICAS/APRESENTAÇÕES: ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses

Leia mais

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH Este protocolo tem o objetivo de estabelecer diretrizes para dispensação

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 08:10 horas do dia 29 de fevereiro de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Palmas, designado pela portaria 095/2011-GAB/SEFIN após analise da documentação do Pregão

Leia mais

Nutrição no tratamento da AIDS

Nutrição no tratamento da AIDS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO (PPGAN) Ciclo de Palestras Nutrição no tratamento da AIDS Verônica Mayrinck Mestranda em Alimentos e Nutrição

Leia mais

Papel do Aleitamento Materno e Probióticos nas Alergias Alimentares e Respiratórias

Papel do Aleitamento Materno e Probióticos nas Alergias Alimentares e Respiratórias Papel do Aleitamento Materno e Probióticos nas Alergias Alimentares e Respiratórias I Congresso Médico de Guarulhos Maria Elisa Bertocco Andrade CHPBG - IAMSPE Alergia Nas últimas décadas, número crescente

Leia mais

acetilcisteína União Química Farmacêutica Nacional S.A xarope 20 mg/ml

acetilcisteína União Química Farmacêutica Nacional S.A xarope 20 mg/ml acetilcisteína União Química Farmacêutica Nacional S.A xarope 20 mg/ml acetilcisteína Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999. Xarope IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Xarope

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA M U N I C Í P I O D E G A S P A R CNPJ 83.102.244/0001-02 ADITIVO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 115/2014

ESTADO DE SANTA CATARINA M U N I C Í P I O D E G A S P A R CNPJ 83.102.244/0001-02 ADITIVO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 115/2014 ADITIVO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 115/2014 OBJETO: Registro de Preços de dietas enterais, suplementos nutricionais, módulos e fórmulas infantis para pacientes domiciliares. O MUNICÍPIO DE GASPAR,

Leia mais

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda.

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloridrato

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO NIAR cloridrato de selegilina APRESENTAÇÕES: MODELO DE BULA PARA O PACIENTE NIAR (cloridrato de selegilina) comprimido 5 mg: embalagem com 30 ou 60 comprimidos (Lista nº

Leia mais

O PRÉ-ESCOLAR DE DOIS A CINCO ANOS DE IDADE: COMO ANDA SUA ALIMENTAÇÃO?

O PRÉ-ESCOLAR DE DOIS A CINCO ANOS DE IDADE: COMO ANDA SUA ALIMENTAÇÃO? ISBN 97-5-191-5-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 3 de outubro de 9 O PRÉ-ESCOLAR DE DOIS A CINCO ANOS DE IDADE: COMO ANDA SUA ALIMENTAÇÃO? Pâmela Carla de Andrade¹, Fabíola Roberta

Leia mais

Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar: 2007

Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar: 2007 Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar: 2007 Documento conjunto elaborado pela Sociedade Brasileira de Pediatria e Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia INTRODUÇÃO Definição As reações

Leia mais

DRAMAVIT. (dimenidrinato)

DRAMAVIT. (dimenidrinato) DRAMAVIT (dimenidrinato) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Simples 100mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: DRAMAVIT dimenidrinato APRESENTAÇÃO Comprimidos de 100mg Embalagem contendo

Leia mais

Biologia. 8 o ano. Caderno 2

Biologia. 8 o ano. Caderno 2 Biologia 8 o ano Caderno 2 Módulos 7 e 8 1 A atividade das enzimas no organismo humano varia em função do grau de acidez do meio. Observe o gráfico e responda: Qual curva representa o local da ação da

Leia mais

SULFERBEL (SULFATO FERROSO)

SULFERBEL (SULFATO FERROSO) SULFERBEL (SULFATO FERROSO) BELFAR LTDA. Xarope 25mg/mL Solução oral 125mg/mL Comprimido 40mg e 50mg SULFERBEL Sulfato ferroso APRESENTAÇÕES Xarope: frasco com 100mL. Solução oral: frasco gotejador com

Leia mais

Fenilcetonúria Tratamento e Acompanhamento Nutricional

Fenilcetonúria Tratamento e Acompanhamento Nutricional Serviço Especial de Genética Ambulatório de Fenilcetonúria - HC Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico - NUPAD Faculdade de Medicina / UFMG Fenilcetonúria Tratamento e Acompanhamento Nutricional

Leia mais

INFORME-NET DTA AFLATOXINAS E OUTRAS MICOTOXINAS MANUAL DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS

INFORME-NET DTA AFLATOXINAS E OUTRAS MICOTOXINAS MANUAL DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS INFORME-NET DTA Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Centro de Vigilância Epidemiológica - CVE MANUAL DAS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS AFLATOXINAS E OUTRAS MICOTOXINAS 1. Descrição da doença

Leia mais

VISKEN pindolol. APRESENTAÇÕES Comprimidos. Embalagens com 20 comprimidos de 5 mg ou 10 mg. VIA ORAL USO ADULTO

VISKEN pindolol. APRESENTAÇÕES Comprimidos. Embalagens com 20 comprimidos de 5 mg ou 10 mg. VIA ORAL USO ADULTO VISKEN pindolol APRESENTAÇÕES Comprimidos. Embalagens com 20 comprimidos de 5 mg ou 10 mg. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido de 5 ou 10 mg contém, respectivamente, 5 ou 10 mg de pindolol.

Leia mais

APRACUR. maleato de clofeniramina + ácido ascórbico + dipirona monoidratada

APRACUR. maleato de clofeniramina + ácido ascórbico + dipirona monoidratada APRACUR maleato de clofeniramina + ácido ascórbico + dipirona monoidratada Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Comprimido Revestido 1mg + 50mg +100mg I - IDENTIFICAÇÃO DO : APRACUR maleato

Leia mais

O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) ANA CLÁUDIA LIMA RODRIGUES, KARINA FEITAL E VANESSA DINIZ DO NASCIMENTO 1. Introdução O tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) inclui estratégias

Leia mais

VOLIBRIS GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos revestidos 5mg e 10mg

VOLIBRIS GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos revestidos 5mg e 10mg VOLIBRIS GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos revestidos 5mg e 10mg Volibris Modelo de texto de bula - Pacientes LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Leia mais

Drenol hidroclorotiazida. Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Cada comprimido de Drenol contém 50 mg de hidroclorotiazida.

Drenol hidroclorotiazida. Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Cada comprimido de Drenol contém 50 mg de hidroclorotiazida. Drenol hidroclorotiazida PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Drenol Nome genérico: hidroclorotiazida Forma farmacêutica e apresentações: Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. USO ADULTO

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Recomendações para o atendimento à pacientes com hipersensibilidade do. É fundamental como cuidado pré-operatório identificar ou reconhecer pacientes

Recomendações para o atendimento à pacientes com hipersensibilidade do. É fundamental como cuidado pré-operatório identificar ou reconhecer pacientes Recomendações para o atendimento à pacientes com hipersensibilidade do tipo I ao látex Enf. Rosimeire A. Mendes Lopes Pré-operatório É fundamental como cuidado pré-operatório identificar ou reconhecer

Leia mais

O Iogurte A ORIGEM DO IOGURTE CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS DO IOGURTE TIPOS DE IOGURTE VANTAGENS DO IOGURTE COMO CONSUMIR?

O Iogurte A ORIGEM DO IOGURTE CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS DO IOGURTE TIPOS DE IOGURTE VANTAGENS DO IOGURTE COMO CONSUMIR? O Iogurte A ORIGEM DO IOGURTE CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS DO IOGURTE TIPOS DE IOGURTE VANTAGENS DO IOGURTE COMO CONSUMIR? ALGUMAS SUGESTÕES CURIOSIDADES: SABIAS QUE A ORIGEM DO IOGURTE No período 10.000

Leia mais

Não existe uma única resposta!!

Não existe uma única resposta!! Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista Supervisora do ambulatório ICr-HCFMUSP Nutricionista das Unidades de Alergia e Imunologia e Gastroenterologia ICr-HCFMUSP Mestre em Ciências pelo Departamento de Pediatria

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 147/2014 Peptamen Junior, fibra em pó, equipos

RESPOSTA RÁPIDA 147/2014 Peptamen Junior, fibra em pó, equipos RESPOSTA RÁPIDA 147/2014 Peptamen Junior, fibra em pó, equipos SOLICITANTE Dra Regina Célia Silva Neves Juíza de Direito da Comarca de Itaúna NÚMERO DO PROCESSO 0338.14.001204-2 DATA 21/03/2014 SOLICITAÇÃO

Leia mais

VITAFER (sulfato ferroso) EMS S/A. comprimido revestido. 109 mg

VITAFER (sulfato ferroso) EMS S/A. comprimido revestido. 109 mg VITAFER (sulfato ferroso) EMS S/A comprimido revestido 109 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Vitafer sulfato ferroso APRESENTAÇÃO Comprimido revestido de 109 mg. Embalagem contendo frasco com 50 comprimidos

Leia mais

EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS

EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS (ALUNOS) Público Alvo: 6ºs E 7ºs ANOS (DISCIPLINA) Área de Conhecimento: MATEMÁTICA e LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSORES: JANAINA ROSEMBERG

Leia mais

O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE

O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE Introdução O ferro é um nutriente mineral encontrado em alimentos de origem vegetal e animal, e de grande importância para a saúde por seu papel como constituinte

Leia mais

Representa o efeito funcional de uma doença e do seu tratamento sobre o paciente, como é percebido pelo próprio paciente (Schipper, 1990)

Representa o efeito funcional de uma doença e do seu tratamento sobre o paciente, como é percebido pelo próprio paciente (Schipper, 1990) Representa o efeito funcional de uma doença e do seu tratamento sobre o paciente, como é percebido pelo próprio paciente (Schipper, 1990) < 10% 10 to < 20% 20% Inflamação mucosa nasal Sintomas Consequências

Leia mais

- Dermografismo (<30 minutos). [2] - Urticária aquagênica (<60 minutos). [3] - Urticária solar (<60 minutos). Maioria das urticarias.

- Dermografismo (<30 minutos). [2] - Urticária aquagênica (<60 minutos). [3] - Urticária solar (<60 minutos). Maioria das urticarias. GUIA PARA A HISTÓRIA DA URTICÁRIA 1. HISTÓRIA DE LESÕES a) Duração: urticária Menos de seis semanas: urticária aguda. Mais de 6 semanas: urticária crônica. b) Duração de pápulas: Menos de 24 horas: Urticária.

Leia mais

desloratadina EMS S/A xarope 0,5 mg/ml

desloratadina EMS S/A xarope 0,5 mg/ml desloratadina EMS S/A xarope 0,5 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO desloratadina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Xarope: - 0,5 mg/ml em embalagem com 1 frasco com 60 ou 100 ml acompanhado de uma seringa

Leia mais

Intolerância à lactose: diagnóstico e conduta clínica

Intolerância à lactose: diagnóstico e conduta clínica Intolerância à lactose: diagnóstico e conduta clínica Biossíntese da lactase no enterócito do intestino delgado 1- gene RNAm 2- pré-enzima 3- glicosilada 4- forma dímero 5- perde fragmentos 6- expressada

Leia mais

Antes de tomar este medicamento informe o seu médico: Se tem história de doença cardíaca, ritmo irregular cardíaco ou angina.

Antes de tomar este medicamento informe o seu médico: Se tem história de doença cardíaca, ritmo irregular cardíaco ou angina. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Onsudil 0,05 mg comprimidos Onsudil 0,005 mg/ml xarope Onsudil 0,1 mg/ml solução para inalação por nebulização cloridrato de procaterol Leia atentamente

Leia mais

de eficácia em 1 click. c 1

de eficácia em 1 click. c 1 24h de eficácia em 1 click. 1 Relvar ELLIPTA : 1 100/25 mcg 200/25 mcg 1 inalação 1 vez ao dia de eficácia em 1 click. c 1 24h 4 Inalador ELLIPTA 1 º Abra o inalador ELLIPTA Quando você retirar o inalador

Leia mais

Portuguese Summary. Resumo

Portuguese Summary. Resumo Portuguese Summary Resumo 176 Resumo Cerca de 1 em 100 indivíduos não podem comer pão, macarrão ou biscoitos, pois eles têm uma condição chamada de doença celíaca (DC). DC é causada por uma das intolerâncias

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3 VACINA ANTIALÉRGICA UM TRATAMENTO DE EXCELÊNCIA A imunoterapia é o tratamento preventivo para impedir as reações alérgicas provocadas por substâncias como ácaros

Leia mais

Silimalon (slimarina + metionina)

Silimalon (slimarina + metionina) Silimalon (slimarina + metionina) Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Drágeas 70 mg / 100 mg Bula do Paciente Silimalon drágea- Versão 01 11/2010- paciente Página 1 I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO SILIMALON

Leia mais

Leite: benefício ou malefício à saúde humana?

Leite: benefício ou malefício à saúde humana? Leite: benefício ou malefício à saúde humana? Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista Unidade de Alergia e Imunologia ICr - HCFMUSP Unidade de Gastroenterologia ICr - HCFMUSP Especialista em Saúde, Nutrição

Leia mais

Ebastel. Bula para paciente. Comprimido revestido. 10 mg

Ebastel. Bula para paciente. Comprimido revestido. 10 mg Ebastel Bula para paciente Comprimido revestido 10 mg EBASTEL ebastina Comprimido revestido FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Embalagens com 10 comprimidos revestidos contendo 10 mg de ebastina USO

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas

ALIVIUM ibuprofeno Gotas Dizeres de Bula FORMA FARMACÊUTICA/APRESENTAÇÃO: ALIVIUM ibuprofeno Gotas ALIVIUM Gotas apresentado-se em frascos de 30 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses de idade) Composição: Cada ml de ALIVIUM

Leia mais

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Qual o mecanismo fisiopatológico da doença? A esofagite eosinofílica ( EE) está relacionada ao aumento da sensibilidade alérgica? Qual a conexão entre alergia

Leia mais

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco.

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco. 112360002 Stugeron cinarizina comprimidos Forma farmacêutica e apresentações Comprimidos de 25 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 75 mg em embalagem com 30 comprimidos. USO ADULTO Composição

Leia mais

LIPNEO (ciprofibrato)

LIPNEO (ciprofibrato) LIPNEO (ciprofibrato) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido 100mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LIPNEO ciprofibrato APRESENTAÇÃO Comprimido de 100mg: Embalagem com 30 comprimidos.

Leia mais

Autor: Alberto Bastos Fisioterapeuta Acupunturista. ARTRITE REUMATOIDE SEGUNDO A MEDICINA CHINESA E A TERAPÊUTICA NATURAL

Autor: Alberto Bastos Fisioterapeuta Acupunturista. ARTRITE REUMATOIDE SEGUNDO A MEDICINA CHINESA E A TERAPÊUTICA NATURAL Autor: Alberto Bastos Fisioterapeuta Acupunturista. ARTRITE REUMATOIDE SEGUNDO A MEDICINA CHINESA E A TERAPÊUTICA NATURAL A artrite reumatóide é uma doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada

Leia mais

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA Embalagem contendo 60 cápsulas de ALENIA (fumarato de formoterol/budesonida) 6/100 mcg

Leia mais

Aula IV Protozoários Zoopatogênicos

Aula IV Protozoários Zoopatogênicos ZOOLOGIA E PARASITOLOGIA Aula IV Protozoários Zoopatogênicos Professora: Luciana Alves de Sousa Doenças causadas por Protozoários Doença de Chagas Leishmaniose Malária Giardíase Amebíase Toxoplasmose Doença

Leia mais

Xenical. (orlistate) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Cápsulas 120 mg (acondicionado em blister tríplex)

Xenical. (orlistate) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Cápsulas 120 mg (acondicionado em blister tríplex) Xenical (orlistate) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Cápsulas 120 mg (acondicionado em blister tríplex) Xenical orlistate Roche Agente antiobesidade de ação periférica APRESENTAÇÃO Caixa com

Leia mais

Esalerg. Aché Laboratórios Farmacêuticos comprimidos revestidos 5 mg

Esalerg. Aché Laboratórios Farmacêuticos comprimidos revestidos 5 mg Esalerg Aché Laboratórios Farmacêuticos comprimidos revestidos 5 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESALERG (desloratadina) APRESENTAÇÕES

Leia mais