Vírus e outras ameaças

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vírus e outras ameaças"

Transcrição

1 Vírus e outras ameaças

2 Vírus Computacionais computacional/biológico O termo vírus computacional deriva e é de alguma forma análogo ao vírus biológico Infecções virais biológicas são propagadas através do vírus que injecta o seu conteúdo numa célula A célula infectada passa a ser uma fábrica replicadora de vírus

3 Vírus Computacionais computacional/biológico Um vírus computacional não é mais que um segmento de código O vírus tem capacidade de se copiar para um ou mais hospedeiros quando activado Quando o hospedeiro infectado é executado o vírus é activado e o hospedeiro passa a ser uma fábrica replicadora de vírus

4 Vírus Computacionais computacional/biológico Vírus computacionais são do mais aproximado ao conceito de vida artificial do que qualquer outra coisa criada pelo homem : São capazes de se reproduzirem São capazes de se esconderem dos seus predadores Têm capacidade de sobrevivência fora de cativeiro

5 Vírus Computacionais Evolução histórica 1949: J.V. Automata Neumann Theory and Organization of Complicated 1950: Bell Labs Core Wars 1970: Brunner s Shockwave Rider and Ryan s Adolescence of P : O Primeiro Vírus Apple Computers, Texas A&M 1983: Tese de Cohen s Mathematical Virus 1986: Basit e Amjad Pakistan Brain 1988: Jerusalem 1990: Primeiro Anti-Virus: Norton, Symantec 1991: Vírus polimórficos 1992: Aumento de 420% desde 1990!!! 1995: Windows 95 e o vírus Macro 1996: Vírus em código Java Hoje: Mais de 50,000 Futuro?

6 Virus para computador faz 25 anos O primeiro vírus de computador criado, o Elk Cloner, completa, em julho de 2007, 25 anos de idade A praga criada pelo adolescente Rich Skrenta em 1982, com 15 anos na época Criado para o computador Apple II contaminava máquinas através da inserção de disquetes infectados

7 Vírus Computacionais Estrutura e operação O verdadeiro vírus tem duas componentes: Propagação Manipulação De modo a funcionar; o vírus tem de se adicionar a algum pedaço de código Uma forma de classificar estes vírus é a aproximação que o mesmo toma quando se adiciona a outro pedaço de código (cápsula, add-on ou intrusivo)

8 Vírus cápsula: Vírus Computacionais Forma uma cápsula em volta do código original, torna-se o programa e o programa original torna-se uma sub-rotina do código viral boot virus etc Estrutura e operação

9 Vírus add-on: Vírus Computacionais Estrutura e operação Adicionam o seu código ao código do hospedeiro. A sua única indicação de presença é a de que o tamanho do hospedeiro original aumenta Quase todos os vírus são add-on

10 Vírus intrusivo: Vírus Computacionais Estrutura e operação Reescrevem parte, ou todo, do código do hospedeiro original Poucos vírus são deste tipo

11 Vírus Computacionais as cinco gerações A primeira geração (simples) : Estes vírus não faziam nada de extraordinário para além da replicação, alguns vírus de hoje ainda pertencem a esta geração Os estragos não vão para além de bugs ou incompatibilidades no software que antes não existiam Não são difíceis de descobrir, visto que nada fazem para se esconderem, de modo que um simples aumento num ficheiro, por exemplo, denuncia-o imediatamente

12 Vírus Computacionais as cinco gerações A segunda geração (auto-reconhecimento) : Implementam uma espécie de assinatura que assinala o ficheiro ou sistema como infectado, ou seja, não acontecem infecções duplicadas de hosts, permitindo que o virus seja mais dificil de detectar A assinatura pode ser uma sequência de bytes em disco ou memória Ao mesmo tempo que a assinatura pode impedir a detecção instantânea do vírus, no reverso da medalha a assinatura por si só é uma indicação da presença do vírus, embora não tão aparentemente fácil de descobrir

13 Vírus Computacionais as cinco gerações A terceira geração (furtivo) : A maior parte dos vírus pode ser identificada analisando padrões de dados próprios dos mesmos nos sistema de armazenamento secundários De modo a impedir a detecção alguns vírus usam técnicas furtivas de modo a não serem descobertos Como exemplo se numa análise a um disco o vírus detecta que existe uma chamada do sistema para ler uma porção do vírus, este retornaria não o vírus mas os dados que estariam presentes se o sistema estivesse livre de infecção

14 Vírus Computacionais as cinco gerações A quarta geração (armadura) : À medida que antivírus saem para o mercado, autores de vírus voltaram-se para métodos de ofuscarem o seu código Estas técnicas de armadura incluem: Adicionar confusão e código desnecessário de modo a dificultar a análise do código do vírus Defesas que podem tomar a forma de ataques directos a software de antivírus Estes vírus começam a aparecer por volta de 1990 Em 1990 sai para o mercado o primeiro antivírus da Norton

15 Vírus Computacionais as cinco gerações A quinta geração (polimórficos) : A mais recente classe de vírus a aparecer são os polimórficos, capazes de se mutarem Infectam os seus hospedeiros com uma versão modificada ou cifrada deles próprios De modo a se poder detectar estes vírus é necessário um algoritmo mais complexo que seja capaz de reverter o processo de mutação de modo a poder detectar se o vírus está presente ou não

16 Mudança de foco Enquanto as primeiras gerações de pragas virtuais irritavam os usuários com apresentações de imagens e frases impróprias, ou apagando o conteúdo de um disco rígido, as ameaças atuais são mais insidiosas e caminham em outra direção. Bloqueio a sites, máquinas zumbis e o acesso a informações sensíveis de usuários e empresas têm causado prejuízos incalculáveis. Em 2006, as fraudes virtuais custaram ao Brasil cerca de 300 milhões de reais, de acordo com o Instituto de Peritos em Tecnologias Digitais e Telecomunicações (IPDI). A disseminação de tecnologias também tem aberto novas frentes de ataques, sequer imaginadas quando o Elk Cloner foi escrito. Por exemplo, em apenas três anos, o número de pragas escritas para dispositivos móveis cresceu mais de 1.200%, secundo a F- Secure

17 Detecção Assinaturas Pequenos blocos de dados utilizados para identificar um determinado vírus Zero day problem mutações Exemplo: TEST-FILE!$H+H* EICAR: software para teste de antivírus Mais informações:

18 Detecção Heurísticas A heurística é uma técnica utilizada para estudar o comportamento, a estrutura e as características de um arquivo, para definí-lo como suspeito ou não Ela pode fazer com que o antivírus emita muitos falsos-positivos, mas é uma técnica que se mostrou bastante útil para evitar vírus desconhecidos.

19 Detecção Em geral, um vírus que infecta arquivos.exe age da seguinte forma:

20 Detecção Um arquivo.exe possui um pequeno cabeçalho, um Entry Point - o ponto onde começa a execução de um programa, e o programa propriamente dito. Após uma infecção, o Entry Point é alterado, de forma que passe a apontar para o código do vírus. Após a execução do vírus, este pula para o Entry Point original do programa, fazendo-o funcionar normalmente. Como a grande maioria dos vírus que infectam.exe trabalha desta forma, a pesquisa heurística poderia ajudar, bastaria verificar se o Entry Point está fora da seção do código do programa ou se o Entry Point é um JMP.

21 Detecção Emulação Detecção de vírus polimórficos Pesquisas por assinaturas em vírus polimórficos são praticamente inviáveis Basicamente, um emulador tenta identificar a rotina de decriptografia do vírus Se o código não for muito modificado, poderemos utilizar a heurística para identificar o vírus

22 Detecção Vírus Simili Este vírus contém um decriptografador polimórfico que modifica o tamanho e a localização das infecções Ele "disassembla" seu próprio código para uma forma intermediária, injeta novas instruções e sujeira ao código e "re-assembla", gerando uma nova cópia polimórfica As novas cópias podem variar de 30 a 120 Kbytes

23 Detecção Outra maneira de fazer a emulação é interceptar funções da API do sistema operacional ou capturar interrupções do DOS que estejam ligadas diretamente à gravação, leitura ou execução. Se um determinado programa executar uma série de ações suspeitas, o antivírus emitirá aviso de um arquivo suspeito.

24 Atividade 1: Teste de Antivírus EICAR: este arquivo NÃO é vírus, mas é detectado como tal pela maioria dos anti-vírus, por convenção. sua utilidade é testar a eficácia de detecção do anti-vírus Teste a eficiência do antivírus instalado na sua máquina, usando o eicar original e modificando o arquivo

25 Atividade 2: Avaliação de Códigos-Fonte Escolher um vírus 2. Fazer uma breve descrição do vírus (pesquisar) 3. Apresentar o código e mostrar o que ele faz

Tipos de pragas Virtuais; Como funciona os antivírus; Principais golpes virtuais; Profº Michel

Tipos de pragas Virtuais; Como funciona os antivírus; Principais golpes virtuais; Profº Michel Tipos de pragas Virtuais; Como funciona os antivírus; Principais golpes virtuais; Profº Michel Tipos de pragas virtuais 1 Vírus A mais simples e conhecida das ameaças. Esse programa malicioso pode ligar-se

Leia mais

Librix. A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC Guia de referência

Librix. A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC Guia de referência Librix A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC Guia de referência índice Librix Introdução Librix...03 Manual Eletrônico...03 Opções de Suporte...03 Dicas para a Instalação Configurações Regionais...05

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Versão 1.2.3 27 de novembro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Laboratório de Hardware

Laboratório de Hardware Laboratório de Hardware Prof. Marcel Santos Responsável por implementar em software um recurso que não existe no hardware. O hardware oferece simplesmente um grande conjunto de bytes contíguos, e a tarefa

Leia mais

DISPOSITIVOS DE BLOCO. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

DISPOSITIVOS DE BLOCO. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves DISPOSITIVOS DE BLOCO Professor: João Paulo de Brito Gonçalves INTRODUÇÃO Periférico Dispositivo conectado a um computador de forma a possibilitar sua interação com o mundo externo. Conectados ao computador

Leia mais

2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC

2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC Agrupamento de escolas de Pevidém 2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC Conhecer e adotar regras de ergonomia e exploração de diferentes tipos de software Prof.: Alexandra Matias Sumário Conhecer as

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Conceitos básicos sobre E.S: Ambiência Caracterização do software Fases de desenvolvimento 1 Introdução Aspectos Introdutórios Crise do Software Definição de Engenharia do Software 2 Crise do Software

Leia mais

Segurança de Sistemas

Segurança de Sistemas Faculdade de Tecnologia Senac Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Segurança de Sistemas Edécio Fernando Iepsen (edeciofernando@gmail.com) Controle de Acesso Objetivo:

Leia mais

Aula A 3 ula 11 Windows-Internet

Aula A 3 ula 11 Windows-Internet Aula 3 11 Aula 1 SEGURANÇA NA INTERNET Vírus 2 Vírus Código escrito com a intenção expressa de replicar a si mesmo. Ele pode causar estragos no seu computador, nos programas ou dados. 3 Diferenças entre

Leia mais

SERVIDORES REDES E SR1

SERVIDORES REDES E SR1 SERVIDORES REDES E SR1 Rio de Janeiro - RJ HARDWARE Você pode instalar um sistema operacional para servidores em qualquer computador, ao menos na teoria tudo irá funcionar sem grandes dificuldades. Só

Leia mais

Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook

Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook Maio de 2012 Conteúdo Capítulo 1: Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook... 5 Introdução ao Conference Manager do Microsoft Outlook... 5 Instalando

Leia mais

O QUE É A CENTRAL DE JOGOS?

O QUE É A CENTRAL DE JOGOS? O QUE É A CENTRAL? A Central de Jogos consiste de duas partes: Um site na Internet e um programa de computador (Central) que deve ser instalado em sua máquina. No site www.centraldejogos.com.br, você pode

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Antivírus Os antivírus são programas de computador concebidos para prevenir, detectar e eliminar pragas digitais. Existe uma grande variedade de produtos com

Leia mais

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013 Disciplina: Redes de Comunicação Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. João Oliveira Turma: 10º 13ª Setembro 2013 INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta os principais

Leia mais

CONCEITOS GERAIS SOBRE SEGURANÇA NA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Me. Hélio Esperidião

CONCEITOS GERAIS SOBRE SEGURANÇA NA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Me. Hélio Esperidião CONCEITOS GERAIS SOBRE SEGURANÇA NA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Me. Hélio Esperidião CONCEITOS GERAIS SOBRE SEGURANÇA NA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO O conceito de segurança envolve formas de proteção e

Leia mais

Administração de Empresas Ciências Contábeis Informática Aplicada

Administração de Empresas Ciências Contábeis Informática Aplicada Administração de Empresas Ciências Contábeis Informática Aplicada Prof. Renato M. renato5150@hotmail.com Aula 2 São pequenos programas feitos geralmente em linguagem de máquina, e que possuem a característica

Leia mais

13/10/11 TIPOS DE UTILITÁRIOS UTILITÁRIOS 0798 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO TIPOS DE UTILITÁRIOS TIPOS DE UTILITÁRIOS

13/10/11 TIPOS DE UTILITÁRIOS UTILITÁRIOS 0798 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO TIPOS DE UTILITÁRIOS TIPOS DE UTILITÁRIOS 2 OBJETIVOS E COMPETÊNCIAS OBJETIVOS Instalar e configurar utilitários sobre o sistema operativo (SO). UTILITÁRIOS 0798 COMPETÊNCIAS No final do curso os/as formandos/as deverão ser capazes de utilizar

Leia mais

MODELIX SYSTEM SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS

MODELIX SYSTEM SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS MODELIX SYSTEM SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS A Modelix Robotics é pioneira dentre as empresas nacionais no segmento de robótica educacional (uso acadêmico e educação tecnológica) e robótica para usuário

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Compatibilidade O termo compatibilidade refere-se aos diferentes componentes do computador (hardware e software) que são convenientes para o emprego das funções

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Conceitos básicos

Segurança e Auditoria de Sistemas. Conceitos básicos Segurança e Auditoria de Sistemas Conceitos básicos Conceitos básicos Propriedades e princípios de segurança; Ameaças; Vulnerabilidades; Ataques; Tipos de malware; Infraestrutura de segurança. Propriedades

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS MÓDULO 13

ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS MÓDULO 13 ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS MÓDULO 13 Índice 1. Administração de SGBDs - Continuação...3 1.1. Recuperação (Recovery)... 3 1.1.1. Recuperação de sistema... Erro! Indicador não definido. 1.1.2. Recuperação

Leia mais

Motorola Phone Tools. Início Rápido

Motorola Phone Tools. Início Rápido Motorola Phone Tools Início Rápido Conteúdo Requisitos mínimos...2 Antes da instalação Motorola Phone Tools...3 Instalar Motorola Phone Tools...4 Instalação e configuração do dispositivo móvel...6 Registro

Leia mais

INFORmação. O que é um Computador?

INFORmação. O que é um Computador? Professor: M. Sc. Luiz Alberto Filho Conceitos básicos Evolução histórica Hardware Sistemas de numeração Periféricos Software Unidades Básicas de Medidas 2 Facilidade de armazenamento e recuperação da

Leia mais

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores Conceitos Básicos de Rede Um manual para empresas com até 75 computadores 1 Conceitos Básicos de Rede Conceitos Básicos de Rede... 1 A Função de Uma Rede... 1 Introdução às Redes... 2 Mais Conceitos Básicos

Leia mais

Sumário. Administração de Banco de dados Módulo 12. Ilustração Backup-Recovery. Recuperação (Recovery) - Definição

Sumário. Administração de Banco de dados Módulo 12. Ilustração Backup-Recovery. Recuperação (Recovery) - Definição Sumário Administração de Banco de dados Módulo 12 1. Administração de SGBDs - Continuação 1.1. Recuperação (Recovery) 1.1.1. Recuperação de sistema 1.1.2. Recuperação da mídia M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com

Leia mais

Nero AG SecurDisc Viewer

Nero AG SecurDisc Viewer Manual do SecurDisc Nero AG SecurDisc Informações sobre direitos autorais e marcas registradas O manual e todo o seu conteúdo é protegido por leis de direitos autorais e são de propriedade da Nero AG.

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

Guia de Usuário do Servidor do Avigilon Control Center. Versão 5.6

Guia de Usuário do Servidor do Avigilon Control Center. Versão 5.6 Guia de Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.6 2006-2015 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. A menos que seja expressamente concedida por escrito, nenhuma licença será

Leia mais

COMO IMUNIZAR SEU PENDRIVE CONTRA VÍRUS. Introdução

COMO IMUNIZAR SEU PENDRIVE CONTRA VÍRUS. Introdução COMO IMUNIZAR SEU PENDRIVE CONTRA VÍRUS Introdução Os vírus de computador que infectam os pendrives sempre se infiltram pela raiz do mesmo, que é a primeira área onde o pendrive começa a ser utilizado,

Leia mais

Configurando o Controle dos Pais no Windows Vista

Configurando o Controle dos Pais no Windows Vista Autor: Bruno Leonardo MCP, MCDST, MCSA http://brunoleonardoleal.spaces.live.com 24/06/2007 Configurando o Controle dos Pais no Windows Vista Página 1 de 16 O Controle dos Pais está disponível nas versões

Leia mais

8. Perguntas e Respostas

8. Perguntas e Respostas Arquimedes Manual do Utilizador 185 8. Perguntas e Respostas 8.1. Aparência Para conservar a disposição na qual estão expostas as B.D. no ecrã e para que em posteriores sessões de trabalho tenham a mesma

Leia mais

Boletim Eletrônico de Recolhimento Manual do Sistema. Boletim Eletrônico de Recolhimento. Manual do Sistema

Boletim Eletrônico de Recolhimento Manual do Sistema. Boletim Eletrônico de Recolhimento. Manual do Sistema Boletim Eletrônico de Recolhimento Manual do Sistema Versão 1.2 Junho / 2013 Sumário 1. Introdução... - 3-2. O Sistema BOLETIM ELETRÔNICO DE RECOLHIMENTO... - 3-3. Pré-requisitos... - 3-4. Primeiro Acesso...

Leia mais

Antivírus AVG. Antivírus AVG

Antivírus AVG. Antivírus AVG Antivírus AVG -1- ÍNDICE CAPÍTULO 1 Você sabe o que é vírus?...08 Como os vírus agem?...11 Tipos de vírus...29 A história do AVG...36 Baixando o AVG...41 Instalando o AVG...45 Abrindo o AVG...50 CAPÍTULO

Leia mais

Configurando a emissão de boletos no sistema

Configurando a emissão de boletos no sistema Configurando a emissão de boletos no sistema Entre nossos sistemas, o GIM, o GECOB, o GEM, o TRA-FRETAMENTO e os 15 sistemas da linha 4U (GE-COMERCIO 4U, GEPAD 4U, GE-INFO 4U, etc ) possuem funções para

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Utilitário ConfigXpress no CA IdentityMinder a minha solução de gerenciamento de identidades pode se adaptar rapidamente aos requisitos e processos de negócio em constante mudança? agility

Leia mais

Podium View TM 2.0 Software de Imagem para o Apresentador Virtual Manual do Utilizador - Portugués

Podium View TM 2.0 Software de Imagem para o Apresentador Virtual Manual do Utilizador - Portugués Podium View TM 2.0 Software de Imagem para o Apresentador Virtual Manual do Utilizador - Portugués Índice 1. Introdução... 2 2. Requisitos do Sistema... 2 3. Instalar Podium View... 3 4. Ligação ao Hardware...

Leia mais

Identificar as características de funcionamento do sistema operacional;

Identificar as características de funcionamento do sistema operacional; Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes 1 UMA ABORDAGEM INICIAL A unidade curricular de sistemas operacionais proprietários visa explorar a instalação e administração de hardware

Leia mais

Manual do InCD Reader

Manual do InCD Reader Manual do InCD Reader Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas comerciais Este manual e todo o respectivo conteúdo estão protegidos por direitos de autor e são propriedade da Nero AG. Todos

Leia mais

Invenções Implementadas por Computador (IIC) Patentes

Invenções Implementadas por Computador (IIC) Patentes Invenções Implementadas por Computador (IIC) Patentes O que é uma IIC? Uma IIC é uma invenção que recorre a um computador, a uma rede de computadores ou a qualquer outro dispositivo programável (por exemplo

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO CONCEITOS BÁSICOS MS-DOS MICROSOFT DISK OPERATION SYSTEM INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE UM SISTEMA OPERATIVO LIGAÇÕES À INTERNET O que é um sistema operativo?

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

Computador. 1982: os computadores são ferramentas que nos permitem fazer cálculos rápida e comodamente

Computador. 1982: os computadores são ferramentas que nos permitem fazer cálculos rápida e comodamente Computador Algumas definições 1982: os computadores são ferramentas que nos permitem fazer cálculos rápida e comodamente 1985: calculador electrónico usado na investigação espacial e actualmente já noutros

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO BIOS E CARACTERÍSTICAS DE SEGURANÇA

CONFIGURAÇÃO DO BIOS E CARACTERÍSTICAS DE SEGURANÇA CAPÍTULO VINTE DOIS CONFIGURAÇÃO DO BIOS E CARACTERÍSTICAS DE SEGURANÇA Nesse capítulo, você irá aprender como acessar o Menu da Configuração do BIOS e manipular várias configurações para controle de hardware.

Leia mais

Seminário discute o desenvolvimento de sonares com tecnologia nacional

Seminário discute o desenvolvimento de sonares com tecnologia nacional Seminário discute o desenvolvimento de sonares com tecnologia nacional Inaugurado em julho deste ano, o Laboratório de Tecnologia Sonar (LabSonar) do Instituto de Pós- Graduação e Pesquisa de Engenharia

Leia mais

Implementadas por Computador

Implementadas por Computador «Título Dia Aberto da Acção» da PI «Nome Ricardo Formador» Pereira «Título Invenções do Módulo» Implementadas por Computador «Função Desempenhada» Examinador de Patentes Universidade de «Local» Évora «dd.mm.aaaa»

Leia mais

Java e JavaScript. Krishna Tateneni Tradução: Lisiane Sztoltz

Java e JavaScript. Krishna Tateneni Tradução: Lisiane Sztoltz Krishna Tateneni Tradução: Lisiane Sztoltz 2 Conteúdo 1 Java e JavaScript 4 1.1 Java............................................. 4 1.2 JavaScript.......................................... 4 3 1 Java e

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação : a) Conceito b) Equipamentos c) Aplicações Criptografia, Redes de Computadores e Internet Recordar: TI; Hardware; Software; Redes de computadores; Computadores e redes de computadores ligados (Internet).

Leia mais

EW1089-R5 icam Webcam com Microfone

EW1089-R5 icam Webcam com Microfone EW1089-R5 icam Webcam com Microfone 2 PORTUGUÊS EW1089-R5 - icam Webcam com Microfone Índice 1.0 Introdução... 2 1.1 Funções e funcionalidades... 2 1.2 Conteúdo da embalagem... 3 2.0 Procedimento de instalação...

Leia mais

Vírus Professor: Pedro R3 Junior. Vírus

Vírus Professor: Pedro R3 Junior. Vírus Conceitos Conceitos Pequenos segmentos de código com capacidade de se agregar ao código de outros programas. Além do mecanismo de reprodução disparado a cada vez que o programa infectado é executado, eles

Leia mais

Unidade I - Fundamentos I.1 Introdução à Computação Gráfica

Unidade I - Fundamentos I.1 Introdução à Computação Gráfica Unidade I - Fundamentos I.1 Introdução à Computação Gráfica I.1.1 Introdução Começou com Exibição de informação para plotters Telas de tubos de raios catódicos (CRT) Tem se desenvolvido Criação, armazenamento

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Antivírus Os antivírus são programas de computador concebidos para prevenir, detectar e eliminar pragas digitais. Existe uma grande variedade de produtos com

Leia mais

Segurança no Computador

Segurança no Computador Segurança no Computador Segurança na Internet: Módulo 1 (CC Entre Mar E Serra), 2008 Segurança na Internet, CC Entre Mar E Serra 1 Segurança no Computador Um computador (ou sistema computacional) é dito

Leia mais

Programação de Computadores. Turma CI-180-B. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br

Programação de Computadores. Turma CI-180-B. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br Programação de Computadores Turma CI-180-B Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 2 (06/03/15) Como está organizado um computador Computadores antigos Modelo von-neumann Quais suas partes

Leia mais

http://cartilha.cert.br/

http://cartilha.cert.br/ http://cartilha.cert.br/ Códigos maliciosos são usados como intermediários e possibilitam a prática de golpes, a realização de ataques e o envio de spam Códigos maliciosos, também conhecidos como pragas

Leia mais

Sistema de Proteção para Servidores de Jogos Online Contra Softwares Clientes Não Oficiais

Sistema de Proteção para Servidores de Jogos Online Contra Softwares Clientes Não Oficiais Sistema de Proteção para Servidores de Jogos Online Contra Softwares Clientes Não Oficiais Thiago Alexandre Gesser Orientador Paulo Fernando da Silva Roteiro Introdução Fundamentação Teórica Desenvolvimento

Leia mais

2 Fundamentação Conceitual

2 Fundamentação Conceitual 2 Fundamentação Conceitual 2.1 Computação Pervasiva Mark Weiser define pela primeira vez o termo Computação Ubíqua ou Computação Pervasiva (Ubiquitous Computing) em (10). O autor inicia o trabalho com

Leia mais

Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade

Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade Introdução É sabido que os processos rodam em processadores. Nos sistemas tradicionais existe somente um único processador, de forma que não há dúvida a respeito de como ele deve ser usado. Em um sistema

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS Aluno: Luiza Cavalcanti Marques Orientador: Silvio Hamacher Introdução A modelagem e a utilização de bancos de dados em atividades gerenciais têm sofrido um aumento significativo

Leia mais

Abstrações e Tecnologias Computacionais. Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress.

Abstrações e Tecnologias Computacionais. Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress. Abstrações e Tecnologias Computacionais Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress.com Agenda Introdução Sistemas Computacionais Arquitetura X

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Capitulo 1

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Capitulo 1 Capitulo 1 Montagem de duas pequenas redes com a mesma estrutura. Uma é comandada por um servidor Windows e outra por um servidor linux, os computadores clientes têm o Windows xp Professional instalados.

Leia mais

Criar as tabelas para um banco de dados

Criar as tabelas para um banco de dados Treinamento Criar as tabelas para um banco de dados ANTES DE COMEÇAR O primeiro curso desta série, "Criar as tabelas de um novo banco de dados", forneceu uma lista de tabelas e campos para uso no banco

Leia mais

Qualidades. Atributos de Qualidade. Atributos de Qualidade. Categorias de Qualidades. Arquitecturas de Software

Qualidades. Atributos de Qualidade. Atributos de Qualidade. Categorias de Qualidades. Arquitecturas de Software Arquitecturas de Software Atributos de Qualidade António Rito Silva Rito.Silva@inesc-id.pt Qualidades Nenhuma qualidade pode ser maximizada num sistema sem sacrificar uma outra qualidade ou qualidades

Leia mais

Actualizaç ões e novas funcionalidades. Inoxnet. Versã o 1.70. (c) EBASE Lda. www.inoxnet.com

Actualizaç ões e novas funcionalidades. Inoxnet. Versã o 1.70. (c) EBASE Lda. www.inoxnet.com Actualizaç ões e novas funcionalidades Inoxnet Versã o 1.70 (c) EBASE Lda www.inoxnet.com Índice PORTAL DO INOXNET...3 Modelos... 3 Suporte... 3 Links ú teis... 3 BACK-OFFICE DO WEBSITE...3 Menu... 3 Editor

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Baseado no material do Prof. Luis Otavio Alvares e do Prof. Dr. Rodrigo Fernandes de Mello

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº UNIDADE 1I: SISTEMA COMPITACIONAL Elementos hardware e periféricos Um sistema computacional consiste num conjunto de dispositivos eletrônicos (hardware) capazes de processar informações de acordo com um

Leia mais

Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida.

Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida. 8 0 Introdução Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida. Isso acontece por pelo menos três motivos técnicos: 0 80386

Leia mais

ARQUITECTURA DO WINDOWS

ARQUITECTURA DO WINDOWS ARQUITECTURA DO WINDOWS MS DOS No sistema operativo MS-DOS, a BIOS (Basic Input Output System), disponibilizava os drivers para o hardware por meio de: Interrupções de software O próprio MS-DOS exportava

Leia mais

5.1 Sistemas de Arquivos

5.1 Sistemas de Arquivos Capítulo 5 Os Sistemas de Arquivos 5.1 Sistemas de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar, a partir da visão do usuário, as estruturas que possibilitam o armazenamento persistente de informações no

Leia mais

Curso de Informática Básica

Curso de Informática Básica Curso de Informática Básica A Web Descomplique 1 Curso de Informática Básica Índice Introdução...3 Organizando os favoritos...3 Localizando Informações na página...5 Histórico de Navegação...7 Capturando

Leia mais

Introdução aos Sistemas Informáticos

Introdução aos Sistemas Informáticos I 1. Veja o conteúdo do disco rígido abrindo O meu computador, mude de vistas e comente. 2. Se lhe for possível, mude a hora e a data do sistema através do Painel de Controlo para a meia noite do dia 1

Leia mais

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server André Luiz Silva de Moraes chameandre@gmail.com Faculdade Senac http://www.senacrs.com.br Feira das Oportunidades 04 de Maio de 2011 1 / 11 1 Conceitos Básicos Definições

Leia mais

Gerenciamento de Mensagens e Tarefas / NT Editora. -- Brasília: 2013. 80p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Gerenciamento de Mensagens e Tarefas / NT Editora. -- Brasília: 2013. 80p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Silvone Assis Mestre e Engenheiro Elétricista pela UnB, MBA em Gestão de Empresas pela FGV, Especialista em Sistemas Multimídia para Ensino e Treinamento pela IBM/TTI. Foi professor dos Departamentos

Leia mais

Tutorial 7 Fóruns no Moodle

Tutorial 7 Fóruns no Moodle Tutorial 7 Fóruns no Moodle O Fórum é uma atividade do Moodle que permite uma comunicação assíncrona entre os participantes de uma comunidade virtual. A comunicação assíncrona estabelecida em fóruns acontece

Leia mais

Administração de Sistemas (ASIST)

Administração de Sistemas (ASIST) Administração de Sistemas (ASIST) Funções do Administrador de Sistemas Centros de Processamento de Dados Virtualização de Servidores Setembro de 2014 1 As funções do Administrador de Sistemas Abrangem

Leia mais

GUIA RÁPIDO PARA CERTIFICADOS SSL/TLS FAÇA A MELHOR ESCOLHA AO AVALIAR SUAS OPÇÕES DE SEGURANÇA DE SITES

GUIA RÁPIDO PARA CERTIFICADOS SSL/TLS FAÇA A MELHOR ESCOLHA AO AVALIAR SUAS OPÇÕES DE SEGURANÇA DE SITES GUIA RÁPIDO PARA CERTIFICADOS SSL/TLS FAÇA A MELHOR ESCOLHA AO AVALIAR SUAS OPÇÕES DE SEGURANÇA DE SITES Introdução Seja você um indivíduo ou uma empresa, sua abordagem de segurança online deve ser idêntica

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Este artigo abaixo foi produzido originalmente para a Network Core Wiki. Reproduzo-a aqui na íntegra. Publicado originalmente em 07/12/2007.

Este artigo abaixo foi produzido originalmente para a Network Core Wiki. Reproduzo-a aqui na íntegra. Publicado originalmente em 07/12/2007. Vírus no Linux? Este artigo abaixo foi produzido originalmente para a Network Core Wiki. Reproduzo-a aqui na íntegra. Publicado originalmente em 07/12/2007. Interface de uma distribuição Linux Uma das

Leia mais

Gerenciando a memória

Gerenciando a memória Memória da impressora 1 Sua impressora vem com, pelo menos, 64 MB de memória. Para determinar a quantidade de memória instalada atualmente em sua impressora, selecione Imprimir menus no Menu Utilitários.

Leia mais

Akropole Catequista. Todos os Ficheiros no Akropole Catequista trabalham com uma simples barra de edição, com 4 botões:

Akropole Catequista. Todos os Ficheiros no Akropole Catequista trabalham com uma simples barra de edição, com 4 botões: Akropole Catequista O Akropole Catequista em três tempos... Este texto é um pequeno manual de introdução ao Akropole Catequista. Umas das características deste programa é o facto deste não necessitar de

Leia mais

0,999... OU COMO COLOCAR UM BLOCO QUADRADO EM UM BURACO REDONDO Pablo Emanuel

0,999... OU COMO COLOCAR UM BLOCO QUADRADO EM UM BURACO REDONDO Pablo Emanuel Nível Intermediário 0,999... OU COMO COLOCAR UM BLOCO QUADRADO EM UM BURACO REDONDO Pablo Emanuel Quando um jovem estudante de matemática começa a estudar os números reais, é difícil não sentir certo desconforto

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Sistemas Operativos - 2º Ano

Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Sistemas Operativos - 2º Ano Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Sistemas Operativos - 2º Ano 2012/2013 O Windows Server 2003 surgiu em 2003 e substituiu o Windows Server 2000. O Windows

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL - WINDOWS

SISTEMA OPERACIONAL - WINDOWS MANUAL PROTECT Versão R15 SISTEMA OPERACIONAL - WINDOWS Copyright GVT 2015 www.gvtprotect.com.br 1 1 Índice 1 Índice... 2 2 GVT PROTECT... 3 2.1 REQUISITOS MÍNIMOS DE SISTEMA... 3 2.2 SISTEMAS OPERACIONAIS

Leia mais

Atenção ainda não conecte a interface em seu computador, o software megadmx deve ser instalado antes, leia o capítulo 2.

Atenção ainda não conecte a interface em seu computador, o software megadmx deve ser instalado antes, leia o capítulo 2. Atenção ainda não conecte a interface em seu computador, o software megadmx deve ser instalado antes, leia o capítulo 2. Interface megadmx SA Firmware versão 1, 2 e 3 / software megadmx 2.000 (Windows/MAC

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente de trabalho Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique

Leia mais

05/11/2010 Tech In HARDWARE TOMÉ & THEODORE

05/11/2010 Tech In HARDWARE TOMÉ & THEODORE HARDWARE 1 TOMÉ & THEODORE INTRODUÇÃO O QUE É O COMPUTADOR? Um computador é um dispositivo electrónico controlado por um programa (chamado sistema operativo) ; 05/11/2010 Tech In É constituído por componentes

Leia mais

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Índice 3 Introdução 4 Descrição geral da instalação 4 Passo 1: Verificar se existem actualizações 4 Passo 2: Preparar o computador Mac para o Windows 4 Passo

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO DA WEBCAM HD DA HP

GUIA DO USUÁRIO DA WEBCAM HD DA HP GUIA DO USUÁRIO DA WEBCAM HD DA HP Copyright 2012 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft, Windows e Windows Vista são marcas comerciais da Microsoft Corporation registradas nos Estados Unidos.

Leia mais

Guia Rápido AxCrypt. Software para criptografia e deleção segura de arquivos

Guia Rápido AxCrypt. Software para criptografia e deleção segura de arquivos Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão Diretoria de Segurança da Informação e Continuidade de Negócio Guia Rápido AxCrypt Software para criptografia e deleção segura de arquivos Outubro, 2015

Leia mais

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Wânderson O. Assis, Alessandra D. Coelho, Marcelo M. Gomes, Cláudio G. Labate, Daniel F. Calasso, João Carlos G. C. Filho Escola

Leia mais

Especificação Operacional.

Especificação Operacional. Especificação Operacional. Para muitos sistemas, a incerteza acerca dos requisitos leva a mudanças e problemas mais tarde no desenvolvimento de software. Zave (1984) sugere um modelo de processo que permite

Leia mais

Ladibug TM 2.0 Software de Imagem para o Apresentador Virtual Manual do Utilizador - Português Europeu

Ladibug TM 2.0 Software de Imagem para o Apresentador Virtual Manual do Utilizador - Português Europeu Ladibug TM 2.0 Software de Imagem para o Apresentador Virtual Manual do Utilizador - Português Europeu Índice 1. Introdução... 2 2. Requisitos do Sistema... 2 3. Instalar Ladibug... 3 4. Ligação ao Hardware...

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema Protocolo

Manual de Utilização do Sistema Protocolo Manual de Utilização do Sistema Protocolo Setembro/2013. Introdução: Leia o manual Leia com atenção este manual e guarda-o para futuras consultas Lendo o manual, você conseguirá obter o rendimento máximo

Leia mais

Manual de Rotinas para Usuários. Advogados da União. Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS. Sistema da AGU de Inteligência Jurídica

Manual de Rotinas para Usuários. Advogados da União. Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS. Sistema da AGU de Inteligência Jurídica Manual de Rotinas para Usuários Advogados da União Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS Sistema da AGU de Inteligência Jurídica Versão 1.0 2015 1 INTRODUÇÃO 3 1.1 O QUE É O SAPIENS? 3

Leia mais

Instalar uma versão do Ubuntu de 32 bits ou de 64 bits?

Instalar uma versão do Ubuntu de 32 bits ou de 64 bits? Instalar uma versão do Ubuntu de 32 bits ou de 64 bits? Instalar uma versão do Ubuntu de 32 bits ou de 64 bits? Em seguida apresenta-se alguns conselhos para decidir Os processadores EM64T/AMD64 podem

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

Manual do Usuário DISCADOR GSM. MAN0065 - Versão: 1.4. Copyright 2011 Digivoice Eletrônica

Manual do Usuário DISCADOR GSM. MAN0065 - Versão: 1.4. Copyright 2011 Digivoice Eletrônica Manual do Usuário DISCADOR GSM MAN0065 - Versão: 1.4 Conteúdo Bem Vindo 4. Introdução 5. Requisitos Mínimos 6. Instalação 21. Funcionalidades 21. 28. 33. Tela Principal Configuracoes Avançadas Relatórios

Leia mais

Planificação de. Aplicações Informáticas B

Planificação de. Aplicações Informáticas B Escola básica e secundária de Velas Planificação de Aplicações Informáticas B Ano letivo 2011/2012 1- Introdução à Programação Planificação de Aplicações Informáticas B Unidade Sub-Unidades Objetivos Conteúdos

Leia mais

Resolução de avarias de MPEG

Resolução de avarias de MPEG Resolução de avarias de MPEG Esta secção é para utilizadores de cardiologia que visualizam MPEGs. Consulte os seguintes tópicos para o ajudarem a resolver problemas detectados ao visualizar MPEGs. Componentes

Leia mais