Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013"

Transcrição

1 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata

2 GLOSSÁRIO Setores que fazem parte da Pesquisa Indicadores Industriais Extrativa Mineral: extração de minerais metálicos, como o minério de ferro, e extração de minerais não metálicos, como fosfatos, calcário e outros; Produtos de Minerais Não Metálicos: fabricação de produtos cerâmicos refratários e não refratários, cimento, vidro e cal; Metalurgia Básica: produção de ferro-gusa e de ferroligas; siderurgia e elaboração de produtos siderúrgicos perfis laminados, chapas e tubos de aço com ou sem costura; fundição de ferro e aço e de metais não ferrosos e suas ligas; metalurgia dos metais não ferrosos, como alumínio, zinco, cobre e metais preciosos; Produtos de Metal: fabricação de embalagens e estruturas metálicas; caldeiraria, forjaria e tratamento de metais; artigos de cutelaria, serralheria e ferramentas; armas, munições e equipamentos militares; Máquinas e Equipamentos: fabricação de máquinas e equipamentos, inclusive componentes mecânicos, partes e peças, para uso industrial, agrícola, extração mineral, construção e outros; Máquinas, Aparelhos e Materiais Elétricos: fabricação de máquinas e aparelhos para geração, distribuição e controle de energia elétrica; pilhas, baterias, acumuladores elétricos; lâmpadas e outros equipamentos de iluminação; eletrodomésticos; Veículos Automotores: fabricação de veículos automotores inclusive motores, peças e acessórios e material elétrico para automóveis; Celulose, Papel e Produtos de Papel: fabricação de celulose, papel, cartolina e papelcartão e de artefatos; Produtos Químicos: fabricação de produtos químicos inorgânicos como adubos e fertilizantes e gases industriais, e de produtos químicos orgânicos; produção de resinas, fibras artificiais e sintéticas, produtos de limpeza, cosméticos e tintas; Derivados de Petróleo e Biocombustíveis: fabricação de coque, produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis, inclusive álcool; Produtos Farmacêuticos: fabricação de medicamentos para uso humano e veterinário; Produtos Têxteis: fiação e tecelagem de fibras e materiais têxteis de origem diversas; Artigos do Vestuário e Acessórios: confecção de roupas, inclusive profissionais, e de acessórios do vestuário; Couro e Calçados: preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e de calçados; Produtos Alimentícios: preparação do leite e fabricação de laticínios; produção de massas e biscoitos, açúcar, balas e chocolates; fabricação de óleos e gorduras vegetais e animais; moagem, fabricação de produtos amiláceos e de alimentos para animais; torrefação e moagem de café; fabricação de especiarias e condimentos; abate e fabricação de produtos de carne; Bebidas: fabricação e engarrafamento de bebidas alcoólicas e não alcoólicas, como cervejas, vinhos, refrigerantes e água mineral; Fumo: fabricação de produtos do fumo. 2

3 RESUMO EXECUTIVO O fechamento de 2013 na indústria da Zona da Mata confirmou o desaquecimento da atividade na região. O faturamento e as horas trabalhadas encerraram o ano em queda, enquanto o emprego, a massa salarial e a o nível de utilização da capacidade instalada registraram crescimento moderado. O faturamento real decresceu 18,85% em dezembro, contra novembro. Com relação a dezembro do ano anterior a variável mostrou queda de 22,36%. No acumulado do ano diante de 2012, observou-se decréscimo de 5,65% no total das vendas. As horas trabalhadas na produção foram 11,77% menores no mês de dezembro, diante de novembro. No confronto com o mesmo mês de 2012 a variável mostrou variação negativa de 6,64%. No acumulado de 2013, contra 2012, houve queda de 1,38% na variável. O emprego mostrou redução de 1,09% em dezembro, frente a novembro. Quando comparado a dezembro de 2012 o indicador foi 2,84% menor. No período de janeiro a dezembro de 2013, o pessoal empregado apresentou crescimento de 1,18%, diante do mesmo período do ano anterior. A massa salarial real expandiu 11,12% em dezembro, comparativamente a novembro. Em relação ao mesmo mês do ano anterior a variável registrou aumento de 0,67%. No ano de 2013, com relação a 2012, as remunerações pagas registraram crescimento de 3,25%. O nível de utilização da capacidade instalada no mês de dezembro foi de 82,15%, valor 4,41 pontos percentuais (p.p.) menor que em novembro (86,56%). Quando comparada ao mesmo mês do ano anterior (86,62%), houve recuo de 4,47 p.p. na variável. No ano de 2013 a média da utilização da capacidade instalada foi de 86,59%, ante os 85,90% registrados em VARIAÇÃO PERCENTUAL VARIÁVEIS JAN- Faturamento Real (18,85) (22,36) (5,65) Horas Trabalhadas (11,77) (6,64) (1,38) Emprego (1,09) (2,84) 1,18 Massa Salarial Real 11,12 0,67 3,25 (%) VARIÁVEL JAN- Utilização da Capacidade Instalada 86,56 82,15 86,62 86,59 85,90 3

4 FATURAMENTO REAL Em dezembro o faturamento na indústria da Zona da Mata diminuiu 18,85%. Dezembro de 2013 contra Novembro de 2013 O faturamento real na indústria da Zona da Mata recuou 18,85% no mês de dezembro, relativamente a novembro. Esse resultado foi consequência da redução nas vendas para o mercado interno e externo. Na indústria mineira o decréscimo foi de 2,95% na mesma base de comparação. FATURAMENTO REAL DA INDÚSTRIA DA REGIÃO DA ZONA DA MATA (VAR. %) JAN- Produtos Alimentícios 6,36 4,48 14,45 Produtos Têxteis (39,97) (10,10) (1,47) Celulose, Papel e Produtos de Papel (13,25) 20,86 8,55 Agregado da Indústria (18,85) (22,36) (5,65) Fonte: Indicadores Industriais FIEMG. Deflator: IPA-OG / Setorial / FGV. Nota: Informações sujeitas à retificação. FATURAMENTO REAL DA INDÚSTRIA MINEIRA (VAR. %) JAN- Produtos Alimentícios 1,78 7,08 8,96 Produtos Têxteis (24,19) 1,30 7,13 Celulose, Papel e Produtos de Papel 17,99 (1,71) 6,10 Agregado da Indústria (2,95) (2,79) (0,05) Fonte: Indicadores Industriais FIEMG. Deflator: IPA-OG / Setorial / FGV. Nota: Informações sujeitas à retificação. O setor de Produtos Têxteis mostrou decréscimo de 39,97% no faturamento real em virtude das férias coletivas concedidas no mês de dezembro. A queda verificada foi restrita ao mercado interno. A redução de pedidos para o mercado interno nas empresas de papel e papelão justificou o decréscimo de 13,25% no faturamento do setor de Celulose, Papel e Produtos de Papel. Já o setor de Produtos Alimentícios registrou acréscimo de 6,36%, consequência da venda de estoques e do aumento de pedidos no mês nas empresas de carne, devido às festividades de final de ano. O segmento de açúcar também contribuiu para o resultado. 4

5 O faturamento na indústria da Zona da Mata recuou 5,65% em Janeiro a Dezembro de 2013 contra Janeiro a Dezembro de 2012 No encerramento de 2013, o faturamento real na indústria da Zona da Mata apresentou queda de 5,65%, na comparação com Essa retração foi consequência da queda nas vendas para o mercado doméstico. No mesmo período comparativo, a indústria de Minas registrou relativa estabilidade na variável. A redução de pedidos no mercado externo provocou a queda de 1,47% no faturamento do setor de Produtos Têxteis. O setor de Produtos Alimentícios apresentou elevação de 14,45% no faturamento como consequência de reestruturações na área comercial e de marketing em importantes empresas, o que provocou aumento nas vendas para o mercado interno e externo. Os segmentos de farináceos, carne e de açúcar influenciaram o resultado. O aumento de pedidos no mercado doméstico nas empresas de papel e papelão provocou crescimento de 8,55% no faturamento do setor de Celulose, Papel e Produtos de Papel. 5

6 HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO As horas trabalhadas diminuíram 11,77% em dezembro. Dezembro de 2013 contra Novembro de 2013 No mês de dezembro as horas trabalhadas na indústria da Zona da Mata recuaram 11,77% em relação a novembro. Na mesma base de comparação o indicador de Minas registrou queda de 10,30%. HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO NA INDÚSTRIA DA ZONA DA MATA (VAR. %) JAN- Produtos Alimentícios (5,28) (4,46) 2,36 Produtos Têxteis (35,47) (2,95) (5,14) Celulose, Papel e Produtos de Papel (0,18) 19,37 15,61 Agregado da Indústria (11,77) (6,64) (1,38) Fonte: Indicadores Industriais. Nota: Informações sujeitas à retificação. HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO NA INDÚSTRIA MINEIRA (VAR. %) JAN- Produtos Alimentícios (4,94) (1,23) 4,61 Produtos Têxteis (11,75) (1,28) (0,24) Celulose, Papel e Produtos de Papel (4,32) 11,41 8,72 Agregado da Indústria (10,30) (4,58) 3,04 Fonte: Indicadores Industriais. Nota: Informações sujeitas à retificação. O setor de Produtos Têxteis mostrou queda de 35,47% nas horas trabalhadas, consequência das férias coletivas realizadas no mês. Da mesma forma, as férias coletivas nas empresas de carne motivaram o decréscimo de 5,28% nas horas trabalhadas do setor de Produtos Alimentícios. A redução no emprego nas empresas de papel e produtos de papel motivou o recuo de 0,18% nas horas trabalhadas no setor de Celulose, Papel e Produtos de Papel. 6

7 De janeiro a dezembro as horas trabalhadas reduziram 1,38%. Janeiro a Dezembro de 2013 contra Janeiro a Dezembro de 2012 Em 2013 as horas trabalhadas na produção recuaram 1,38% na indústria da Zona da Mata, diante de O indicador de Minas Gerais aferiu crescimento de 3,04% na mesma base de comparação. O recuo de 5,14% nas horas trabalhadas do setor de Produtos Têxteis foi provocado pela queda no emprego. O setor de Produtos Alimentícios apresentou elevação de 2,36% no indicador, consequência da expansão no emprego e nas horas extras. As empresas de carne, farináceos e de açúcar contribuíram para o resultado. O acréscimo no emprego e nas horas extras nas empresas de papel e papelão motivou o crescimento de 15,61% nas horas trabalhadas no setor de Celulose, Papel e Produtos de Papel. 7

8 EMPREGO No mês de dezembro o emprego industrial reduziu 1,09%. Dezembro de 2013 contra Novembro de 2013 O emprego na indústria da Zona da Mata apresentou decréscimo de 1,09% em dezembro com relação a novembro. Na mesma base de comparação a indústria de Minas aferiu queda de 1,27%. EMPREGO NA INDÚSTRIA DA REGIÃO DA ZONA DA MATA (VAR. %) JAN- Produtos Alimentícios (1,65) 4,67 6,96 Produtos Têxteis (1,75) 3,60 (3,87) Celulose, Papel e Produtos de Papel (0,15) 3,23 1,27 Agregado da Indústria (1,09) (2,84) 1,18 Fonte: Indicadores Industriais. Nota: Informações sujeitas à retificação. EMPREGO NA INDÚSTRIA MINEIRA (VAR. %) JAN- Produtos Alimentícios (0,69) (2,17) (0,28) Produtos Têxteis (1,13) 1,90 1,66 Celulose, Papel e Produtos de Papel 0,28 3,10 0,93 Agregado da Indústria (1,27) (0,88) 2,60 Fonte: Indicadores Industriais. Nota: Informações sujeitas à retificação. A rotatividade de mão de obra e o término de contratos temporários justificou o decréscimo de 1,75% no emprego do setor de Produtos Têxteis. A queda de 1,65% no emprego do setor de Produtos Alimentícios foi devido à finalização de contratos temporários nas empresas de carne. O segmento de açúcar também influenciou o resultado. O setor de Celulose, Papel e Produtos de Papel mostrou recuo de 0,15%, em virtude da rotatividade de mão de obra nas empresas de papel e papelão. 8

9 Pessoal ocupado cresceu 1,18% no acumulado de Janeiro a Dezembro de 2013 contra Janeiro a Dezembro de 2012 O emprego na indústria da Zona da Mata expandiu 1,18% em 2013, comparativamente a No mesmo período comparativo, o pessoal ocupado na indústria mineira mostrou crescimento de 2,60%. O setor de Produtos Alimentícios registrou crescimento de 6,96% no emprego em virtude de contratações para aumento de produção e reestruturações internas em importantes empresas. Os segmentos de carne e de açúcar foram os que mais contribuíram para o resultado. A elevação de 1,27% no emprego do setor de Celulose, Papel e Produtos de Papel foi determinada por contratações para atender ao aumento de produção nas empresas de papel e papelão. A rotatividade de mão de obra aliada à queda na produção provocou o decréscimo de 3,87% no pessoal ocupado do setor de Produtos Têxteis. 9

10 MASSA SALARIAL REAL As remunerações pagas expandiram 11,12% em dezembro. Dezembro de 2013 contra Novembro de 2013 Em dezembro a massa salarial na indústria da Zona da Mata cresceu 11,12%, na comparação com novembro. Na indústria de Minas o indicador mostrou elevação de 21,17% na mesma base de comparação. MASSA SALARIAL REAL NA INDÚSTRIA DA REGIÃO DA ZONA DA MATA (VAR. %) JAN- Produtos Alimentícios (5,98) 21,88 10,18 Produtos Têxteis 29,74 (8,28) 0,48 Celulose, Papel e Produtos de Papel 34,67 23,20 2,35 Agregado da Indústria 11,12 0,67 3,25 Fonte: Indicadores Industriais FIEMG. Deflator: INPC-BH / IBGE. Nota: Informações sujeitas à retificação. MASSA SALARIAL REAL NA INDÚSTRIA MINEIRA (VAR. %) JAN- Produtos Alimentícios 11,62 (4,67) (0,06) Produtos Têxteis 22,11 11,28 5,67 Celulose, Papel e Produtos de Papel 82,93 18,00 1,01 Agregado da Indústria 21,17 (7,69) 1,73 Fonte: Indicadores Industriais FIEMG. Deflator: INPC-BH / IBGE. Nota: Informações sujeitas à retificação. Os setores de Celulose, Papel e Produtos de Papel e de Produtos Têxteis mostraram acréscimo de 34,67% e 29,74% nas remunerações pagas, respectivamente, consequência do maior pagamento de férias e do pagamento da segunda parcela do 13º salário. O maior pagamento de rescisões em novembro justificou a queda de 5,98% nas remunerações pagas pelo setor de Produtos Alimentícios. 10

11 UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA Dezembro de 2013 contra Novembro de 2013 NUCI da Zona da Mata recuou 4,41 p.p. no mês de dezembro. O nível de utilização da capacidade instalada na indústria da Zona da Mata atingiu 82,15% em dezembro, ficando 4,41 p.p. abaixo do índice observado em novembro (86,56%). Em Minas Gerais o NUCI diminuiu 1,24 p.p., aferindo 84,93% em dezembro, diante dos 86,17% alcançados no mês anterior. UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA NA INDÚSTRIA DA REGIÃO ZONA DA MATA (%) JAN- Produtos Alimentícios 94,35 93,99 94,23 96,00 95,01 Produtos Têxteis 83,45 80,07 82,70 83,63 82,70 Celulose, Papel e Produtos de Papel 85,12 85,00 85,97 85,70 84,86 Agregado da Indústria 86,56 82,15 86,62 86,59 85,90 Fonte: Indicadores Industriais. Nota: Informações sujeitas à retificação. UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA NA INDÚSTRIA MINEIRA (%) JAN- Produtos Alimentícios 83,51 85,07 82,10 83,19 79,34 Produtos Têxteis 88,45 87,30 86,12 88,37 88,08 Celulose, Papel e Produtos de Papel 88,49 88,22 86,98 87,59 88,66 Agregado da Indústria 86,17 84,93 84,75 84,98 84,81 Fonte: Indicadores Industriais. Nota: Informações sujeitas à retificação. Nota Metodológica A Pesquisa Indicadores Industriais é elaborada pela Gerência de Estudos Econômicos da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais FIEMG em conjunto com a Confederação Nacional da Indústria CNI. Em função da diversidade industrial no estado, desde 2004 vem sendo feito um trabalho para gerar informações regionais, a Pesquisa Indicadores Industriais Regional. A partir de janeiro de 2013 os dados passaram a ser divulgados na CNAE 2.0, na base média 2006 = 100 e obtidos através da ponderação pelo pessoal ocupado da RAIS 2007 e Variáveis pesquisadas: Faturamento Real - faturamento líquido, exclusive IPI, referente a produtos industrializados pela empresa; Emprego - total de pessoas existentes no último dia do mês remuneradas diretamente pela empresa, com ou sem vínculo empregatício, com contrato de trabalho por tempo indeterminado ou temporário, ligadas ou não ao processo produtivo; Horas Trabalhadas na Produção - total de horas trabalhadas pelo pessoal empregado na produção; Massa Salarial Real valor das remunerações pagas ao pessoal empregado total da empresa; Utilização da Capacidade Instalada - percentual da capacidade de produção operacional utilizada no mês. 11

12 Ficha Técnica Realização: Sistema FIEMG Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais Presidente: Olavo Machado Junior Instituto Euvaldo Lodi IEL Superintendente: Maurício de Andrade Tibúrcio Regional Zona da Mata Presidente: Francisco José Campolina Martins Nogueira Responsável Técnico Gerência de Estudos Econômicos: Guilherme Velloso Leão 12

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 Dispõe sobre as empresas industriais enquadráveis nos Artigos 59 e 60 da Lei n.º 5.194/66. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA, no uso das

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Indústria tem queda da atividade em novembro Os dados de horas trabalhadas, faturamento e utilização da capacidade instalada mostraram

Leia mais

Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca

Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca Franca Total da Indústria NA NA Indústria Extrativa 0,157899 0,018606 Indústria de Transformação 99,842101 99,981394

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

REGIÃO LESTE. Fev.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares

REGIÃO LESTE. Fev.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares #2 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Fev.2016 REGIÃO LESTE Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL #8 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE Regional Centro-Oeste Divinópolis INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS D A RE GIÃO LESTE FIEMG INDEX.

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

REGIÃO LESTE. Mar.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares

REGIÃO LESTE. Mar.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares #3 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Mar.2016 REGIÃO LESTE Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS

Leia mais

Região Norte. Regional Abril 2014

Região Norte. Regional Abril 2014 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Norte engloba a Fiemg Regional Norte, Vale do Jequitinhonha e Mucuri. Região Norte GLOSSÁRIO Setores

Leia mais

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 4 outubro/dezembro de 2013 www.cni.org.br Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação

Leia mais

Região Norte. Regional Maio 2015

Região Norte. Regional Maio 2015 Regional Maio 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Norte engloba a Fiemg Regional Norte, Vale do Jequitinhonha e Mucuri. Região Norte

Leia mais

Região Centro-Oeste. Regional Fevereiro 2015

Região Centro-Oeste. Regional Fevereiro 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Centro- Oeste engloba a Regional Fiemg Centro-Oeste. Região Centro-Oeste GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados do 1º trimestre de 2012 DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Maio de 2012 1.

Leia mais

Região Sul. Regional Abril 2015

Região Sul. Regional Abril 2015 Regional Abril 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Sul engloba a Fiemg Regional Sul. Região Sul GLOSSÁRIO Setores que fazem parte

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLOGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ ATIVIDADES ECONÔMICAS

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLOGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ ATIVIDADES ECONÔMICAS Página: 001 / 052 S ECONÔMICAS A 01 011 0111-3 0111-3/01 0111-3/02 0111-3/03 0111-3/99 0112-1 0112-1/01 0112-1/02 0112-1/99 0113-0 0113-0/00 0114-8 0114-8/00 0115-6 0115-6/00 0116-4 0116-4/01 0116-4/02

Leia mais

Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses

Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses Seções CNAE 2.0 - subclasses Divisões Grupos Classes Subclasses (Fiscal) A - 01.. 03 - Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aqüicultura 3 12 34 122 B -

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CPRH Nº 005/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA CPRH Nº 005/2012 INSTRUÇÃO NORATIVA CRH Nº 005/2012 Disciplina o Enquadramento para Licenciamento Ambiental na CRH das Indústrias quanto ao otencial Degradador previsto no item 1.1 da Tabela 1 do Anexo I, da Lei Estadual

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense encerrou mais um mês com redução liquida de postos de trabalho. Em março, o conjunto

Leia mais

Regional Junho 2015 Triângulo Mineiro

Regional Junho 2015 Triângulo Mineiro Triângulo Mineiro O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Triângulo engloba as Regionais Fiemg Pontal do Triângulo, Vale do Paranaíba e Vale

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010

LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010 LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010 Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais - CTE e

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense apresentou pequena recuperação em fevereiro de 2015 com a abertura de 350 vagas. No acumulado

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS EMISSÕES DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO,

Leia mais

Triângulo Mineiro. Regional Setembro 2010

Triângulo Mineiro. Regional Setembro 2010 Triângulo Mineiro O mapa mostra a Divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Triângulo engloba as Regionais Fiemg Pontal do Triângulo, Vale do Paranaíba e Vale

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS JUL.2016 REGIÃO LESTE. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares ANÁLISE SETORIAL

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS JUL.2016 REGIÃO LESTE. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares ANÁLISE SETORIAL #7 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS JUL.2016 REGIÃO LESTE Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS

Leia mais

Setores obrigados a emitir Nota Fiscal Eletrônica

Setores obrigados a emitir Nota Fiscal Eletrônica Setores obrigados a emitir Nota Fiscal Eletrônica Setores obrigados a emitir NF-e em Abril/2010 (Inclui todos os setores já obrigados a emitir NF-e nas relações divulgadas anteriormente: Abril/2008, Dezembro/2008,

Leia mais

#12. dez.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO FATURAMENTO REAL UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA

#12. dez.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO FATURAMENTO REAL UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS #12 dez.2016 1 2 3 4 5 6 FATURAMENTO REAL HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO EMPREGO MASSA SALARIAL E RENDIMENTO MÉDIO REAL UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA ANÁLISE

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

CÓDIGO DE ATIVIDADE - PESQUISA PADRÕES DE VIDA -1996-1997. A relação dos Códigos de Atividade refere-se as seguintes seções:

CÓDIGO DE ATIVIDADE - PESQUISA PADRÕES DE VIDA -1996-1997. A relação dos Códigos de Atividade refere-se as seguintes seções: DE ATIVIDADE - PESQUISA PADRÕES DE VIDA -1996-1997 A relação dos Códigos de Atividade refere-se as seguintes seções: Seção 06 - Atividade Econômica Parte B: Trabalho Principal nos últimos 7 dias - Quesito

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL N 049/2008. (Consolidada com as alterações das NPF 093/2008, 007/2009 e 016/2009)

NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL N 049/2008. (Consolidada com as alterações das NPF 093/2008, 007/2009 e 016/2009) NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL N 049/2008 (Consolidada com as alterações das NPF 093/2008, 007/2009 e 016/2009) O DIRETOR DA COORDENAÇÃO DA RECEITA DO ESTADO, no uso das atribuições que lhe confere o inciso

Leia mais

Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015

Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015 Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015 APRESENTAÇÃO Minas Gerais se consolida como um dos mais importantes estados exportadores do Brasil, pela grande produção de commodities e pelos esforços

Leia mais

INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO MERCOSUL 1994 A 2003

INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO MERCOSUL 1994 A 2003 INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO A Marco Antônio Martins da Costa Melucci Friedhlde Maria Kutner Manolescu -Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas FCSA Universidade do Vale do Paraíba. Av. Shishima

Leia mais

Gênero do NCM. 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos

Gênero do NCM. 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos 01 - Animais Vivos Gênero do NCM 02 - Carnes e miudezas 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos 04 - Produtos Comestiveis de origem animal 05 - Outros Produtos de Origem Animal

Leia mais

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 ARTIGOS Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 Fabiana Karine S. Andrade* Os investimentos industriais

Leia mais

INDICADORES DO TRIÂNGULO MINEIRO

INDICADORES DO TRIÂNGULO MINEIRO #7 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Jul.2016 Região Leste REGIÃO DO TRIÂNGULO Regional Pontal do Triângulo - Ituiutaba Regional Vale do Paranaíba - Uberlândia Regional Vale do Rio Grande - Uberaba

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 PwC 1 PwC 2 2.7 2.5 Setor automotivo Fumo Multiplicador 2.3 Couros Borracha e Plástico 1.9 Metalurgia e Siderurgia

Leia mais

Clique para editar o estilo do título mestre

Clique para editar o estilo do título mestre Clique para editar os estilos do texto Atendimento à SE/CZPE Manoel Franco Jr. Analista - Gerência Executiva de Estratégia de Mercados Brasília, 15 de abril de 2015 24/04/2015 1 Clique para editar os estilos

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA 5ª Edição Última atualização 17 de Dezembro de 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. A DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL... 6 1.1. Evolução da Participação da

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS

EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS O Ministério do Trabalho e Emprego divulgou o saldo de empregos dos principais setores da economia, através

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação.

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. LEI N º 14.384, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2002. Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras

Leia mais

PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais. Ano 6. Nº 1. Março 2016

PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais. Ano 6. Nº 1. Março 2016 PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais Ano 6. Nº 1. Março 2016 Recessão econômica impacta os investimentos O ano de 2015 foi marcado por incertezas econômicas e crise política que contribuíram

Leia mais

Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE, com correspondente agrupamento para dimensionamento de CIPA.

Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE, com correspondente agrupamento para dimensionamento de CIPA. Página 1 de 14 Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE, com correspondente agrupamento para dimensionamento de CIPA NR 5 Anexo III Descrição da Atividade Grupo Extração de carvão

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Jul.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Jul.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL #7 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Jul.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE Regional Centro-Oeste Divinópolis INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS D A RE GIÃO LESTE FIEMG INDEX.

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo consecutivo, levando a uma

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho Outubro de 2009 Julho de 2012 Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho O Índice de Confiança da Indústria de Transformação de Pernambuco (ICI-PE) volta a recuar em julho

Leia mais

Estado do Acre DECRETO Nº. 4.006 DE 31 DE MARÇO DE 2009.

Estado do Acre DECRETO Nº. 4.006 DE 31 DE MARÇO DE 2009. DECRETO Nº. 4.006 DE 31 DE MARÇO DE 2009.. Publicado no D.O.E n 10.020 de 1 de abril de 2009. Altera e acrescenta dispositivos ao Decreto nº 2.914, de 11 de abril de 2008. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE,

Leia mais

A identificação de empregos verdes, ou com potencial verde, sob as óticas ocupacional e setorial no Brasil

A identificação de empregos verdes, ou com potencial verde, sob as óticas ocupacional e setorial no Brasil A identificação de empregos verdes, ou com potencial verde, sob as óticas ocupacional e setorial no Brasil Fernanda J, A, P, Nonato* Aguinaldo Nogueira Maciente** *Assessora Técnica do Departamento de

Leia mais

Setor Metal Mecânico

Setor Metal Mecânico Setor Metal Mecânico Desafios Junho de 0 Gerência de Pesquisas e Estatística stica Objetivo e metodologia Objetivo Analisar os desafios identificados no diagnóstico do Setor Metal Mecânico realizado em

Leia mais

Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01

Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01 Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01 Cultivo de açaí 0133-4/02 Cultivo de banana 0133-4/03

Leia mais

Produção Industrial Setembro de 2014

Produção Industrial Setembro de 2014 Produção Industrial Setembro de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - SETEMBRO/14 Conforme esperado, o segundo semestre está sendo melhor do que o primeiro. Estamos no terceiro mês consecutivo de

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 5 n. 1 jan.-mar. 2014 ISSN 2178-8367 Atividade econômica baiana cresce 2,0% no primeiro trimestre de 2014 O recente dado do Produto Interno Bruto a preços de mercado (PIBpm)

Leia mais

Tabela VI - Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE

Tabela VI - Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE Tabela VI - Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE Para maiores informações acesse: www.simplesnacional.org CNAE DESCRIÇÃO AGRICULTURA, PECUÁRIA, SERVIÇOS RELACIONADOS 01.11-3/01 Cultivo

Leia mais

ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS)

ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS) ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS) CNAE.0 0111-/01 Cultivo de arroz 0111-/0 Cultivo de milho 0111-/0

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

Anexo 1 - Estrutura detalhada da CNAE 2.0 (seções B, C e D): códigos e denominações

Anexo 1 - Estrutura detalhada da CNAE 2.0 (seções B, C e D): códigos e denominações (continua) B INDÚSTRIAS EXTRATIVAS 05 EXTRAÇÃO DE CARVÃO MINERAL 05.0 Extração de carvão mineral 05.00-3 Extração de carvão mineral 06 EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL 06.0 Extração de petróleo e gás

Leia mais

Boletim Informativo - Emprego em junho de 2015 EXPEDIENTE

Boletim Informativo - Emprego em junho de 2015 EXPEDIENTE Boletim Informativo Emprego em Guarulhos Mês de referência: junho/2015 Boletim Informativo - Emprego em junho de 2015 DIRETORIA PRESIDENTE Aarão Ruben de Oliveira VICE-PRESIDENTE Jorge Alberto Taiar SECRETÁRIO

Leia mais

CIRCULAR Nº 019/2002

CIRCULAR Nº 019/2002 São Paulo, 28 de Maio de 2002. DE: PARA: MÁRCIO FERNANDES DA COSTA Presidente ASSOCIADOS CIRCULAR Nº 019/2002 O Sindicato do Comércio Varejista de Pneumáticos de São Paulo informa a seus representados

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DA ALIMENTAÇÃO NO BRASIL

PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DA ALIMENTAÇÃO NO BRASIL PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DA ALIMENTAÇÃO NO BRASIL A Tecnologia Italiana a favor da Indústria Alimentar Brasileira Apresentação CIBUS Brasil - 21/11/2002 - Presiden/Tecnologia Italiana 1 I - INTRODUÇÃO

Leia mais

Região Sul. Regional Fevereiro 2013 2009

Região Sul. Regional Fevereiro 2013 2009 Regional Fevereiro 2013 2009 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Sul engloba a Fiemg Regional Sul. Região Sul GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

Cinco setores industriais mais importantes nos municípios que compõem o Fórum da Baixada

Cinco setores industriais mais importantes nos municípios que compõem o Fórum da Baixada Cinco setores industriais mais importantes nos municípios que compõem o Fórum da Baixada # Divisão de Atividade Econômica, segundo classificação CNAE - versão 2.0 Fórum da Baixada - Total de Atividades

Leia mais

RAT - Risco Acidente do Trabalho

RAT - Risco Acidente do Trabalho RAT - Risco Acidente do Trabalho Tabela do RAT - Risco Acidente do Trabalho, conforme Anexo V do Decreto nº.048/99 - Regulamento da Previdência Social, conforme redação dada pelo Decreto nº 6.957/009,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 31, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 31, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 31, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA, nomeado pela Portaria nº 382, de 02 de junho

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 27/2015-BNDES Rio de Janeiro, 07 de julho de 2015. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5438, DE 17 DE ABRIL DE 2009 Institui o cadastro

Leia mais

Boletim. Federal. Manual de Procedimentos. ICMS-IPI/Sped - NF-e - Preenchimento - Código de barras. ICMS - IPI e Outros 2.

Boletim. Federal. Manual de Procedimentos. ICMS-IPI/Sped - NF-e - Preenchimento - Código de barras. ICMS - IPI e Outros 2. Boletim Manual de Procedimentos Federal ICMS-IPI/Sped - NF-e - Preenchimento - Código de barras SUMÁRIO 1. Introdução 2. Código de barras 3. Preenchimento dos campos 102 e 111 do Bloco I - Produtos e Serviços

Leia mais

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013 Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013 No ano de 2013, as exportações 1 do Estado de São Paulo somaram US$ 56,32 bilhões (23,3% do total nacional), e as importações 2,

Leia mais

ANEXO 03 Atividades Industriais

ANEXO 03 Atividades Industriais ANEXO 03 Atividades Industriais ATIVIDADE INDUSTRIAL INDUSTRIA DE MINERAIS NAO-METALICOS Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, sem Tingimento e com Britagem

Leia mais

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano Q.10.01 - Resultados Globais, por ano Unidade: 1 000 Euros 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Importações (CIF) 34 490 773 37 505 656 43 257 180 44 093 881 42 466 265 41 753 699 45

Leia mais

Câmbio, Competitividade e Investimento

Câmbio, Competitividade e Investimento Câmbio, Competitividade e Investimento Lucas Teixeira (BNDES) Laura Carvalho (EESP) Introdução Questão: a desvalorização cambial resolverá o problema de perda de competitividade e de compressão de margens

Leia mais

3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios.

3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios. Módulo 3 3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios. 3.1 Empreendimentos e Atividades que necessitam

Leia mais

7. RECICLAGEM 7.1 RECICLAGEM DE EMBALAGENS. 7.1.1 Latas de Alumínio

7. RECICLAGEM 7.1 RECICLAGEM DE EMBALAGENS. 7.1.1 Latas de Alumínio 92 Panorama dos no Brasil 200..1 DE EMBALAGENS Os dados mais recentes disponibilizados pelas associações que congregam as empresas dos segmentos mais diretamente envolvidos na fabricação de embalagens

Leia mais

= igual + mais - menos parte CODIGO. = 0 1 relacionados + 81p

= igual + mais - menos parte CODIGO. = 0 1 relacionados + 81p - C O R R E S P. = igual + mais - menos p - Rev.1 OBSERVAÇÕES 0 1 Agricultura, produção a n i m a l, caça e actividades dos serviços = 0 1 relacionados + 81p Agricultura, produção a n i m a l, caça e actividades

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

INFORME SETORIAL MINERAÇÃO E METALURGIA

INFORME SETORIAL MINERAÇÃO E METALURGIA INFORME SETORIAL MINERAÇÃO E METALURGIA Nº 26 - SETEMBRO/1999 ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Siderurgia: Mercado Brasileiro de produtos Longos 1 - Introdução A produção siderúrgica

Leia mais

Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo

Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Coordenadoria da Administração Tributária - CAT janeiro-2015 APRESENTAÇÃO E NOTAS ANÁLISE DA RECEITA

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 1, DE 25 DE JANEIRO DE 2013 (DOU de 30/01/2013 Seção I Pág 82) O PRESIDENTE SUBSTITUTO DO INSTITUTO BRASILEIRO

Leia mais

FAP - Fator Acidentário de Prevenção - Vigência a Partir de 1º.01.2010

FAP - Fator Acidentário de Prevenção - Vigência a Partir de 1º.01.2010 FAP - Fator Acidentário de Prevenção - Vigência a Partir de º.0.00 Nota: Em virtude de atualização, esta matéria substitui a publicada no Contadez Boletim nº 4/008 - Fator Acidentário de Prevenção - FAP

Leia mais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais Fatos Relevantes Maio/2014 Maio/2008 Vendas Industriais A Variável Indústria apresenta Química recuo com de (- aumento 8,42%), de incluso 9,16% em o maio setor fornece sucroenergético a maior contribuição

Leia mais

Tabela de Correspondência dos Códigos CNAE/TFE

Tabela de Correspondência dos Códigos CNAE/TFE TFE (TAXA DE FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS) Tabela de Correspondência dos Códigos CNAE/TFE Anexo da Instrução Normativa SF/Surem 09/2010, que substitui o Anexo 2 da Portaria SF 05/2003 e revoga o Anexo

Leia mais

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL 54% 75% 79% 58% Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira TERCEIRIZAÇÃO

SONDAGEM ESPECIAL 54% 75% 79% 58% Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira TERCEIRIZAÇÃO Ano 7 Número 02 abril de 2009 www.cni.org.br TERCEIRIZAÇÃO Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira 54% das empresas industriais utilizam serviços terceirizados 75% das empresas contratantes

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Noroeste Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2014 Outubro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo quarto mês seguido O IDI/RS, Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul, apontou

Leia mais

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea),

Leia mais

Economia Goiana no Ano de 2014

Economia Goiana no Ano de 2014 Equipe de Conjuntura - IMB * Economia Goiana no Ano de 2014 Diante de um ambiente externo e interno desafiador, o cenário macroeconômico brasileiro recente não se mostra muito favorável a grandes melhorias,

Leia mais

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Release de Resultados 2T14. 30 de julho de 2014

Release de Resultados 2T14. 30 de julho de 2014 Release de Resultados 2T14 30 de julho de 2014 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Franca 4 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Indústria de Materiais e Equipamentos

Indústria de Materiais e Equipamentos Perfil da Cadeia Produtiva da Construção e da Indústria de Materiais e Equipamentos Edição Perfil da Cadeia Produtiva da Construção e da Indústria de Materiais e Equipamentos ABRAMAT /FGV Perfil da Cadeia

Leia mais