3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios."

Transcrição

1 Módulo Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios.

2 3.1 Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental Fatores que direcionaram a busca pelo licenciamento ambiental Exigência de outros órgãos da administração pública responsáveis por autorizações de atividades em geral, tais como: Prefeituras, para loteamentos urbanos e construção civil em geral; INCRA, para atividades rurais; DNER e DER, para construção de rodovias; DNPM, para atividade de lavra e/ou beneficiamento mineral; IBAMA ou órgão ambiental estadual, para desmatamento. Um fator que aumentou o interesse dos empreendedores em verificar a necessidade de licenciamento foi a possibilidade de incorrer nas penalidades previstas na Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98). A resolução Conama 237/ 97 regulamenta os aspectos de licenciamento ambiental estabelecidos na Política Nacional de Meio Ambiente.

3 Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental CONAMA 237/ 97 A localização, construção, instalação, ampliação, modificação e operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras, bem como os empreendimentos capazes, sob qualquer forma, de causar degradação ambiental, dependerão de prévio licenciamento do órgão ambiental competente, sem prejuízo de outras licenças legalmente exigíveis (Artigo 2). Está sujeito ao licenciamento ambiental os empreendimentos e as atividades relacionadas no anexo 1 desta Resolução. Sugestão de Leitura Verificar no Arquivo do Curso Material de Apoio Módulo 3 - Anexo 01 - CONAMA 237_97.

4 Atividades ou Empreendimentos Sujeitos ao Licenciamento Ambiental Conama 237/ 97 ANEXO 1 CONAMA 237/ 97 Extração e tratamento de minerais Indústria de produtos minerais não metálicos Indústria metalúrgica Indústria mecânica Indústria de material elétrico, eletrônico e comunicações Indústria de material de transporte Indústria de madeira Indústria de papel e celulose Indústria de borracha Indústria de couros e peles Indústria química Indústria de produtos de matéria plástica Indústria têxtil, de vestuário, calçados e artefatos de tecidos Indústria de produtos alimentares e bebidas Indústria de fumo Indústrias diversas Obras civis Serviços de utilidade Transporte, terminais e depósitos Turismo Atividades diversas Atividades agropecuárias Uso de recursos naturais

5 Extração e Tratamento de Minerais pesquisa mineral com guia de utilização. lavra a céu aberto, inclusive de aluvião, com ou sem beneficiamento. lavra subterrânea com ou sem beneficiamento. lavra garimpeira. perfuração de poços e produção de petróleo e gás natural.

6 Indústria de Produtos Minerais Não Metálicos beneficiamento de minerais não metálicos, não associados à extração fabricação e elaboração de produtos minerais não metálicos tais como: produção de material cerâmico, cimento, gesso, amianto e vidro, entre outros. Sugestão de Leitura Verificar no Arquivo do Curso Material de Apoio Módulo 3 - o artigo Recursos Minerais Não-Metálicos.

7 Indústria metalúrgica/ Indústria mecânica Indústria metalúrgica fabricação de aço e de produtos siderúrgicos produção de fundidos de ferro e aço / forjados / arames / relaminados com ou sem tratamento de superfície, inclusive galvanoplastia. metalurgia dos metais não-ferrosos, em formas primárias e secundárias, inclusive ouro. produção de laminados / ligas / artefatos de metais não-ferrosos com ou sem tratamento de superfície, inclusive galvanoplastia. relaminação de metais não-ferrosos, inclusive ligas. produção de soldas e anodos. Etc. Indústria mecânica fabricação de máquinas, aparelhos, peças, utensílios e acessórios com e sem tratamento térmico e/ou de superfície.

8 Indústria de material elétrico, eletrônico e comunicações Indústria de material de transporte Indústria de material elétrico, eletrônico e comunicações fabricação de pilhas, baterias e outros acumuladores fabricação de material elétrico, eletrônico e equipamentos para telecomunicação e Informática. fabricação de aparelhos elétricos e eletrodomésticos. Indústria de material de transporte fabricação e montagem de veículos rodoviários e ferroviários, peças e acessórios. fabricação e montagem de aeronaves. fabricação e reparo de embarcações e estruturas flutuantes. Sugestão de Leitura Verificar no Arquivo do Curso Material de Apoio Módulo 3 - o artigo Impacto Ecológico de um Carro e Resíduos Elétricos Eletrônicos.

9 Indústria de madeira serraria e desdobramento de madeira. preservação de madeira. fabricação de chapas, placas de madeira aglomerada, prensada e compensada. fabricação de estruturas de madeira e de móveis.

10 Indústria de papel e celulose fabricação de celulose e pasta mecânica. fabricação de papel e papelão. fabricação de artefatos de papel, papelão, cartolina, cartão e fibra prensada

11 Indústria de borracha/ Indústria de couros e peles Indústria de borracha beneficiamento de borracha natural. fabricação de câmara de ar e fabricação e recondicionamento de pneumáticos. fabricação de laminados e fios de borracha. fabricação de espuma de borracha e de artefatos de espuma de borracha, inclusive látex. Indústria de couros e peles secagem e salga de couros e peles. curtimento e outras preparações de couros e peles. fabricação de artefatos diversos de couros e peles. fabricação de cola animal.

12 Indústria química produção de substâncias e fabricação de produtos químicos. fabricação de produtos derivados do processamento de petróleo, de rochas betuminosas e da madeira. fabricação de combustíveis não derivados de petróleo. produção de óleos /gorduras/ceras vegetais-animais/ óleos essenciais vegetais e outros produtos da destilação da madeira. fabricação de resinas e de fibras e fios artificiais e sintéticos e de borracha e látex sintéticos. fabricação de pólvora/explosivos /detonantes/munição para caça-desporto, fósforo de segurança e artigos pirotécnicos. recuperação e refino de solventes, óleos minerais, vegetais e animais. fabricação de concentrados aromáticos naturais, artificiais e sintéticos. Etc. Sugestão de Leitura Verificar no Arquivo do Curso Material de Apoio Módulo 3 A Indústria Química no Contexto da Ecologia Industrial.

13 Indústria de produtos de matéria plástica Indústria têxtil, de vestuário, calçados e artefatos de tecidos Indústria de produtos de matéria plástica fabricação de laminados plásticos. fabricação de artefatos de material plástico. Indústria têxtil, de vestuário, calçados e artefatos de tecidos beneficiamento de fibras têxteis, vegetais, de origem animal e sintéticos. fabricação e acabamento de fios e tecidos. tingimento, estamparia e outros acabamentos em peças do vestuário e artigos diversos de tecidos. fabricação de calçados e componentes para calçados.

14 Indústria de produtos alimentares e bebidas beneficiamento, moagem, torrefação e fabricação de produtos alimentares. matadouros, abatedouros, frigoríficos, charqueadas e derivados de origem animal. fabricação de conservas. preparação de pescados e fabricação de conservas de pescados. preparação, beneficiamento e industrialização de leite e derivados. fabricação e refinação de açúcar. refino / preparação de óleo e gorduras vegetais. produção de manteiga, cacau, gorduras de origem animal para alimentação. fabricação de fermentos e leveduras. fabricação de rações balanceadas e de alimentos preparados para animais. fabricação de vinhos e vinagre. fabricação de cervejas, chopes e maltes. fabricação de bebidas não alcoólicas, bem como engarrafamento e gaseificação de águas minerais. fabricação de bebidas alcoólicas.

15 Indústria de fumo/ Indústrias diversas Indústria de fumo fabricação de cigarros/charutos/cigarrilhas e outras atividades de beneficiamento do fumo. Indústrias diversas usinas de produção de concreto. usinas de asfalto. serviços de galvanoplastia.

16 Obras civis rodovias, ferrovias, hidrovias, metropolitanos. barragens e diques. canais para drenagem. retificação de curso de água. abertura de barras, embocaduras e canais. transposição de bacias hidrográficas. outras obras de arte.

17 Serviços de utilidade produção de energia termoelétrica. transmissão de energia elétrica. estações de tratamento de água. interceptores, emissários, estação elevatória e tratamento de esgoto sanitário. tratamento e destinação de resíduos industriais (líquidos e sólidos). tratamento/ disposição de resíduos especiais tais como: de agroquímicos e suas embalagens usadas e de serviço de saúde, entre outros. tratamento e destinação de resíduos sólidos urbanos, inclusive aqueles provenientes de fossas. dragagem e derrocamentos em corpos d água. recuperação de áreas contaminadas ou degradadas. Vídeo Verifique o vídeo Tratamento de Água, no link Sugestão de Leitura Verificar no Arquivo do Curso Material de Apoio Módulo 3 Licenciamento Ambiental _Usinas Termoelétricas.

18 Transporte, terminais e depósitos transporte de cargas perigosas. transporte por dutos. marinas, portos e aeroportos. terminais de minério, petróleo e derivados e produtos químicos. depósitos de produtos químicos e produtos perigosos. Dica Verifique no site para obter mais informações.

19 Turismo/ Atividades diversas Turismo complexos turísticos e de lazer, inclusive parques temáticos e autódromos. Atividades diversas parcelamento do solo. distrito e pólo industrial.

20 Atividades agropecuárias/ Uso de recursos naturais Atividades agropecuárias projeto agrícola. criação de animais. projetos de assentamentos e de colonização. Uso de recursos naturais silvicultura. exploração econômica da madeira ou lenha e subprodutos florestais. atividade de manejo de fauna exótica e criadouro de fauna silvestre. utilização do patrimônio genético natural. manejo de recursos aquáticos vivos. introdução de espécies exóticas e/ou geneticamente modificadas. uso da diversidade biológica pela biotecnologia.

21 Atividades com Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio Categoria e Descrição do Protocolo de Montreal Atividade Produtora Importadora Exportadora Usuária Comercializadora Centro de Coleta Categoria Indústria Química Transporte, Terminais, Depósitos e Comércio Transporte, Terminais, Depósitos e Comércio Atividades Diversas Transporte, Terminais, Depósitos e Comércio Serviços de Utilidade Descrição Fabricação de produtos e substâncias controladas pelo Protocolo de Montreal Comércio de produtos e substâncias controladas pelo Protocolo de Montreal Comércio de produtos e substâncias controladas pelo Protocolo de Montreal Usuários de substâncias controladas pelo Protocolo de Montreal Comércio de produtos e substâncias controladas pelo Protocolo de Montreal Tratamento e destinação de resíduos industriais Centro de Regeneração Serviços de Utilidade Tratamento e destinação de resíduos industriais Dica Verifique no site para obter mais informações.

22 Usuários do Protocolo de Montreal Setores de Aplicação e Respectivos Usos Agrícola Espumação Extinção de Incêndio Fabricação de Equipamentos Farmacêutico Manutenção, reparo, serviços em refrigeração Químico Solvente Sugestão de Leitura Verificar no Arquivo do Curso Material de Apoio Módulo 3 - Relação das Substâncias- Protocolo de Montreal e a Instrução Normativa IN IBAMA 207_08.

23 3.2 EIA-RIMA como Instrumento do Licenciamento Ambiental A Política Nacional do Meio Ambiente - PNMA enfatizou a necessidade de compatibilizar o desenvolvimento socioeconômico com a qualidade ambiental, tendo como objetivo precípuo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar as condições ao desenvolvimento socioeconômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana. A Resolução Conama 237/97 (parágrafo único - Artigo 3º) O órgão ambiental competente, verificando que a atividade ou empreendimento não é potencialmente causador de significativa degradação do meio ambiente, definirá os estudos ambientais pertinentes ao respectivo processo de licenciamento. Sugestão de Leitura Verificar no Arquivo do Curso Material de Apoio Módulo 3 o texto EIA-RIMA.

24 Estudo de Impacto Ambiental - EIA Relatório de Impacto Ambiental - RIMA De acordo com o Artigo 6º da Resolução Conama 237/97, o EIA deve ser composto obrigatoriamente por quatro seções: a) diagnóstico ambiental da área de influência do empreendimento: deve descrever e analisar as potencialidades dos meios físico, biológico e socioeconômico da área de influência do empreendimento, inferindo sobre a situação desses elementos antes e depois da implantação do projeto; b) análise dos impactos ambientais do projeto e de suas alternativas: contempla a previsão da magnitude e a interpretação da importância dos prováveis impactos relevantes do empreendimento, discriminando os impactos positivos e negativos (benéficos e adversos), diretos e indiretos, imediatos e a médio e longo prazos, temporários e permanentes; o grau de reversibilidade desses impactos; suas propriedades cumulativas e sinérgicas; a distribuição dos ônus e benefícios sociais; c) medidas mitigadoras dos impactos negativos: devem ter sua eficiência avaliada a partir da implementação dos programas ambientais previstos para serem implementados durante a vigência da LI; e d) programa de acompanhamento e monitoramento: deve abranger os impactos positivos e negativos, indicando os padrões de qualidade a serem adotados como parâmetros.

25 Atividades Modificadoras do Meio Ambiente Sujeitas á Elaboração do EIA/ RIMA (Artigo 2º da Resolução CONAMA 01/86). Estradas de rodagem com 2 (duas) ou mais faixas de rolamento; Ferrovias; Portos e terminais de minério, petróleo e produtos químicos; Aeroportos, conforme definidos pelo inciso I, artigo 48 do Decreto-Lei Nº 32, de ; Oleodutos, gasodutos, minerodutos, troncos coletores e emissários de esgotos sanitários; Linhas de transmissão de energia elétrica, acima de 230 Kw; Obras hidráulicas para exploração de recursos hídricos, tais como: barragem para quaisquer fins hidrelétricos acima de 10 MW, de saneamento ou de irrigação, abertura de canais para navegação, drenagem e irrigação, retificação de cursos d água, abertura de barras e embocaduras, transposição de bacias, diques; Extração de combustível fóssil (petróleo, xisto, carvão); Extração de minério, inclusive os da classe II, definidas no Código de Mineração; Sugestão de Leitura Verificar no Arquivo do Curso Material de Apoio Módulo 3 CONAMA 01_86.

26 Atividades Modificadoras do Meio Ambiente Sujeitas à Elaboração do EIA/ RIMA Continuação Aterros sanitários, processamento e destino final de resíduos tóxicos ou perigosos; Usinas de geração de eletricidade, qualquer que seja a fonte de energia primária, acima de 10 MW; Complexo e unidades industriais e agro-industriais (petroquímicos, siderúrgicos, cloroquímicos, destilarias de álcool, hulha, extração e cultivo de recursos hidróbios); Distritos industriais e zonas estritamente industriais - ZEI; Exploração econômica de madeira ou de lenha, em áreas acima de 100 hectares ou menores, quando atingir áreas significativas em termos percentuais ou de importância do ponto de vista ambiental; Projetos urbanísticos, acima de 100 ha (cem hectares) ou em áreas consideradas de relevante interesse ambiental a critério da SEMA e dos órgãos municipais e estaduais competentes; Qualquer atividade que utilize carvão vegetal, derivados ou produtos similares, em quantidade superior a dez toneladas por dia; Projetos Agropecuários que contemplem áreas acima de ha, ou menores, neste caso, quando se tratar de áreas significativas em termos percentuais ou de importância do ponto de vista ambiental, inclusive nas Áreas de Proteção Ambiental;

27 Exercícios Indique se é verdadeiro ou falso: 1 ( ) A Resolução Conama 237/97 traz, em seu Anexo I as atividades sujeitas ao licenciamento ambiental. 2 ( ) Dentre as atividades da Indústria de papel e celulose estão sujeitas ao licenciamento ambiental: fabricação de celulose e pasta mecânica, fabricação de papel e papelão e fabricação de artefatos de papel, papelão, cartolina, cartão e fibra prensada. 3 ( ) Segundo o Protocolo de Montreal os setores de aplicação e respectivos usos são: Agrícola; Espumação; Extinção de Incêndio; Fabricação de Equipamentos; Farmacêutico; Manutenção, Reparo, Serviços em Refrigeração; Químico e Solvente. 4 ( ) Dentre as atividades agropecuárias que necessitam de licenciamento ambiental podemos citar: projetos de assentamentos e de colonização. 5 ( ) De acordo com o art. 6º da Resolução Conama 237/97, o EIA deve ser composto obrigatoriamente por quatro seções: a) diagnóstico ambiental da área de influência do empreendimento; b) análise dos impactos ambientais do projeto e de suas alternativas; c) medidas mitigadoras dos impactos negativos; d) programa de acompanhamento e monitoramento. 6 ( ) As Atividades Modificadoras do Meio Ambiente sujeitas a elaboração do EIA-RIMA são determinadas pela Resolução Conama 237/ 97.

28 Resposta dos Exercícios Indique se é verdadeiro ou falso: 1 ( V ) A Resolução Conama 237/97 traz, em seu Anexo I as atividades sujeitas ao licenciamento ambiental. 2 ( V ) Dentre as atividades da Indústria de papel e celulose estão sujeitas ao licenciamento ambiental: fabricação de celulose e pasta mecânica, fabricação de papel e papelão e fabricação de artefatos de papel, papelão, cartolina, cartão e fibra prensada. 3 ( V ) Segundo o Protocolo de Montreal os setores de aplicação e respectivos usos são: Agrícola; Espumação; Extinção de Incêndio; Fabricação de Equipamentos; Farmacêutico; Manutenção, Reparo, Serviços em Refrigeração; Químico e Solvente. 4 ( F ) Dentre as atividades agropecuárias que necessitam de licenciamento ambiental podemos citar: projetos de assentamentos e de colonização. (projeto agrícola, criação de animais e projetos de assentamentos e de colonização). 5 ( V ) De acordo com o art. 6º da Resolução Conama 237/97, o EIA deve ser composto obrigatoriamente por quatro seções: a) diagnóstico ambiental da área de influência do empreendimento; b) análise dos impactos ambientais do projeto e de suas alternativas; c) medidas mitigadoras dos impactos negativos; d) programa de acompanhamento e monitoramento. 6 ( F ) As Atividades Modificadoras do Meio Ambiente sujeitas a elaboração do EIA-RIMA são determinadas pela Resolução Conama 237/ 97. (Artigo 2º da Resolução CONAMA 01/86).

29 Fim do Módulo 3 FIM

LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010

LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010 LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010 Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais - CTE e

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS EMISSÕES DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação.

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. LEI N º 14.384, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2002. Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5438, DE 17 DE ABRIL DE 2009 Institui o cadastro

Leia mais

ATIVIDADES OU EMPREENDIMENTOS SUJEITAS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL

ATIVIDADES OU EMPREENDIMENTOS SUJEITAS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL Licenciamento Ambiental e suas exigências legais Julio César Bachega Sec. Adjunto de Mudanças Climática - SEMA Licenciamento Ambiental e suas exigências Legais Código Florestal Lei Federal 4771/1965; Código

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 1, DE 25 DE JANEIRO DE 2013 (DOU de 30/01/2013 Seção I Pág 82) O PRESIDENTE SUBSTITUTO DO INSTITUTO BRASILEIRO

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

MINUTA NOVA RESOLUÇÃO TEXTO CONSOLIDADO

MINUTA NOVA RESOLUÇÃO TEXTO CONSOLIDADO RESOLUÇÃO CONAMA nº XXX, de XX de XXXXXXX de 2015 Dispõe sobre os critérios e diretrizes gerais do licenciamento ambiental, disciplina suas modalidades, estudos ambientais, bem como seus procedimentos,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VI DO MEIO AMBIENTE Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. Licenciamento Ambiental. Graziela Fregonez Baptista Cruz Rede de Tecnologia e Inovação do Rio de Janeiro - REDETEC

DOSSIÊ TÉCNICO. Licenciamento Ambiental. Graziela Fregonez Baptista Cruz Rede de Tecnologia e Inovação do Rio de Janeiro - REDETEC DOSSIÊ TÉCNICO Licenciamento Ambiental Graziela Fregonez Baptista Cruz Rede de Tecnologia e Inovação do Rio de Janeiro - REDETEC Junho/2012 Licenciamento Ambiental O Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS FONTES ENERGÉTICAS VERSÃO 3 IBAMA JANEIRO, 2016 2 Índice

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 31, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 31, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 31, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA, nomeado pela Portaria nº 382, de 02 de junho

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) CERTIFICADOS AMBIENTAIS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO, 2015 Certificados ambientais 2

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio

CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio RESOLUÇÃO Nº 350, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre as diretrizes para a atuação do Biólogo em Licenciamento Ambiental. O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA - CFBio, Autarquia Federal, com personalidade

Leia mais

Brasília DF, quinta-feira, 6 de março de 2014 pgs 29 à 34 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

Brasília DF, quinta-feira, 6 de março de 2014 pgs 29 à 34 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Brasília DF, quinta-feira, 6 de março de 2014 pgs 29 à 34 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 28 DE FEVEREIRO

Leia mais

Módulo 2. Legislação. 2.1. Legislação Aplicável ao Licenciamento Ambiental. Exercícios.

Módulo 2. Legislação. 2.1. Legislação Aplicável ao Licenciamento Ambiental. Exercícios. Módulo 2 Legislação 2.1. Legislação Aplicável ao Licenciamento Ambiental. Exercícios. Legislação Aplicável ao Licenciamento Ambiental Constituição Federal 1988 Leis Federais Resoluções CONAMA Outras Leis

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 06, DE 24 DE MARÇO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 06, DE 24 DE MARÇO DE 2014 ALTERADA PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 01/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 06, DE 24 DE MARÇO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA,

Leia mais

Formulário de Resíduos Sólidos

Formulário de Resíduos Sólidos Quem deve preencher este formulário? Geradores de resíduos sólidos, perigosos ou não, que realizem atividades relacionadas no Anexo I da Instrução Normativa Ibama nº 13/12, disponível no link abaixo (também

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 Dispõe sobre as empresas industriais enquadráveis nos Artigos 59 e 60 da Lei n.º 5.194/66. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA, no uso das

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EFLUENTES LÍQUIDOS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO, 2015 Efluentes Líquidos 2 Índice Quem

Leia mais

ANEXO II (REVOGADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA N. 6, DE 15.03.13)

ANEXO II (REVOGADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA N. 6, DE 15.03.13) ANEXO II (REVOGADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA N. 6, DE 15.03.13) TABELA DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS OU UTILIZADORAS DE RECURSOS NATURAIS COD CATEGORIA DESCRICAO GRAU TAXA 1-1 Extração e

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL Um dos mais importantes instrumentos de controle do Poder Público é o licenciamento ambiental. Através do licenciamento, a Administração Pública estabelece condições e limites para

Leia mais

O Engenheiro Ambiental: atribuições e atuação no mercado de trabalho

O Engenheiro Ambiental: atribuições e atuação no mercado de trabalho O Engenheiro Ambiental: atribuições e atuação no mercado de trabalho Eng. Química Elisabeth Ibi Frimm Krieger Pelotas, 24 de Novembro de 2009 Resolução Nº 218, de 29.06.1973 CONFEA Discrimina atividades

Leia mais

LEI º 4.730 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão.

LEI º 4.730 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão. S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E G O V E R N O 1 INSTITUI O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão. Faço

Leia mais

http://servicos.ibama.gov.br/ctf/manual/html/010401.htm

http://servicos.ibama.gov.br/ctf/manual/html/010401.htm Página 1 de Manual do Sistema - Serviços On-Line - IBAMA Tabela de Atividades Fechar Tabela COD CATEGORIA DESCRICAO GRAU TAXA 0-2 Administradora de Projetos Florestais administradora de projetos de florestamento/reflorestamento

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 24 DE MARÇO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 237, DE 19 DE dezembro DE 1997

RESOLUÇÃO Nº 237, DE 19 DE dezembro DE 1997 RESOLUÇÃO Nº 237, DE 19 DE dezembro DE 1997 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições e competências que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentadas

Leia mais

Direito Ambiental para Não Advogados VIEX Americas Bastidores do Licenciamento Ambiental Simone Paschoal Nogueira

Direito Ambiental para Não Advogados VIEX Americas Bastidores do Licenciamento Ambiental Simone Paschoal Nogueira Direito Ambiental para Não Advogados VIEX Americas Bastidores do Licenciamento Ambiental Simone Paschoal Nogueira São Paulo, 25 de fevereiro de 2016 Conceitos Principais Licenciamento ambiental Procedimento

Leia mais

APOSTILA DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL SOBRE LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO

APOSTILA DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL SOBRE LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE PNMA II APOSTILA DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL SOBRE LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO COMPONENTE: Desenvolvimento Institucional. SUBCOMPONENTE: Licenciamento

Leia mais

LEI Nº 14.626, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011. Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei:

LEI Nº 14.626, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011. Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: LEI Nº 14.626, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011. Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais, e dá providências correlatas. O Governador

Leia mais

1- O que é o licenciamento ambiental?

1- O que é o licenciamento ambiental? 1- O que é o licenciamento ambiental? O licenciamento ambiental é um importante instrumento de gestão da Política Nacional de Meio Ambiente. Por meio dele, a administração pública busca exercer o necessário

Leia mais

5-2 Fabricação de material elétrico, eletrônico e equipamentos para telecomunicação e informática SIM Elétrico, Eletrônico e

5-2 Fabricação de material elétrico, eletrônico e equipamentos para telecomunicação e informática SIM Elétrico, Eletrônico e ANEXO I TABELA DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS Legenda de cobrança de TCFA: SIM conforme Anexo VIII da Lei nº 6.938, de 1981; conforme Anexo VIII da Lei nº

Leia mais

PROCEDIMENTO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS DE SIGNIFICATIVO IMPACTO

PROCEDIMENTO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS DE SIGNIFICATIVO IMPACTO PROCEDIMENTO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS DE SIGNIFICATIVO IMPACTO Tainara Bruna Montagna 1 William Veloso dos Anjos² RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo sobre o licenciamento

Leia mais

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66;

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66; Página 1 de 5 Resoluções RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986 Publicado no D. O. U de 17 /2/86. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo

Leia mais

LEI Nº 13.361, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2007.

LEI Nº 13.361, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2007. LEI Nº 13.361, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2007. Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais e a Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental

Leia mais

LICENCIAMENTO COM AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO COM AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DE SÃO PAULO LICENCIAMENTO COM AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL ANA CRISTINA PASINI DA COSTA Diretora de Tecnologia, Qualidade e Avaliação Ambiental CONTEÚDO 1. DEFINIÇÕES

Leia mais

CAPÍTULO 1 O HOMEM E SUA RELAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE...1 CAPÍTULO 2 O PROCESSO DE LICENCIAMENTO... 17 CAPÍTULO 3 LICENÇAS AMBIENTAIS...

CAPÍTULO 1 O HOMEM E SUA RELAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE...1 CAPÍTULO 2 O PROCESSO DE LICENCIAMENTO... 17 CAPÍTULO 3 LICENÇAS AMBIENTAIS... S u m á r i o CAPÍTULO 1 O HOMEM E SUA RELAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE...1 1.1. A percepção do problema e a busca das soluções...5 1.2. As normas de proteção dos recursos naturais...8 1.3. Os instrumentos

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 615/2012 De 23 de Maio de 2012. O PREFEITO DO MUNICIPIO DE VALE DO ANARI, no uso de suas atribuições legais, LEI

LEI MUNICIPAL N.º 615/2012 De 23 de Maio de 2012. O PREFEITO DO MUNICIPIO DE VALE DO ANARI, no uso de suas atribuições legais, LEI LEI MUNICIPAL N.º 615/2012 De 23 de Maio de 2012 CRIA AS TAXAS DE CENCIAMENTO AMBIENTAL, CERTIDÕES E DOCUMENTOS ESPECÍFICOS DA ÁREA AMBIENTAL MUNICIPAL, INSTITUI SEUS VARES, ALTERA O CÓDIGO TRIBUTÁRIO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS: CONCEITOS, ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL E RELATÓRIO DE IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS: CONCEITOS, ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL E RELATÓRIO DE IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS: CONCEITOS, ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL E RELATÓRIO DE IMPACTO SOBRE O MEIO AMBIENTE Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim DISPONIBILIZAÇÃO DO MATERIAL DE AULA! Site:

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 673, EM 29 DE NOVEMBRO DE 2007.

LEI MUNICIPAL Nº 673, EM 29 DE NOVEMBRO DE 2007. LEI MUNICIPAL Nº 673, EM 29 DE NOVEMBRO DE 2007. CRIA AS TAXAS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL E INSTITUI SEUS VALORES. LUIZ CARLOS FRANKLIN DA SILVA, Prefeito Municipal, de CHARRUA, Estado do Rio Grande do

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução CONSEMA n.º 102, de 24 maio de 2005.

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução CONSEMA n.º 102, de 24 maio de 2005. CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Resolução CONSEMA n.º 102, de 24 maio de 2005. Dispõe sobre os critérios para o exercício da competência do Licenciamento Ambiental Municipal, no âmbito do Estado do

Leia mais

ANEXO I LISTAGEM DAS ATIVIDADES CONSIDERADAS POTENCIALMENTE CAUSADORAS DE DEGRADAÇÃO AMBIENTAL E RESPECTIVOS ESTUDOS AMBIENTAIS

ANEXO I LISTAGEM DAS ATIVIDADES CONSIDERADAS POTENCIALMENTE CAUSADORAS DE DEGRADAÇÃO AMBIENTAL E RESPECTIVOS ESTUDOS AMBIENTAIS ANEXO I LISTAGEM DAS ATIVIDADES CONSIDERADAS POTENCIALMENTE CAUSADORAS DE DEGRADAÇÃO AMBIENTAL E RESPECTIVOS ESTUDOS AMBIENTAIS 00 - EXTRAÇÃO DE MINERAIS 00.01.00 - Pesquisa mineral de qualquer natureza

Leia mais

LISTA DE ATIVIDADES E CLASSIFICAÇÃO

LISTA DE ATIVIDADES E CLASSIFICAÇÃO ANEXO III-C- Folha 01/09 LISTA DE ATIVIDADES E CLASSIFICAÇÃO CONSIDERADAS POTENCIALMENTE CAUSADORAS DE DEGRADAÇÃO AMBIENTAL COM PEQUENO POTENCIAL DE DEGRADAÇÃO AMBIENTAL I. EXTRAÇÃO DE MINERAIS - Captação

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais

ANEXO I LISTA DE ATIVIDADES PASSÍVEIS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DO CEARÁ CLASSIFICAÇÃO PELO POTENCIAL POLUIDOR-DEGRADADOR PPD

ANEXO I LISTA DE ATIVIDADES PASSÍVEIS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DO CEARÁ CLASSIFICAÇÃO PELO POTENCIAL POLUIDOR-DEGRADADOR PPD ANEXO I LISTA DE ATIVIDADES PASSÍVEIS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DO CEARÁ CLASSIFICAÇÃO PELO POTENCIAL POLUIDOR-DEGRADADOR PPD CÓDIGO GRUPO/ATIVIDADES PPD AGRUPAMENTO 01.00 AGROPECUÁRIA 01.01

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

LEI Nº 3721/2016, DE 16 DE JUNHO DE 2016.

LEI Nº 3721/2016, DE 16 DE JUNHO DE 2016. LEI Nº 3721/2016, DE 16 DE JUNHO DE 2016. INCLUI TIPOLOGIAS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ANEXO ÚNICO DA LEI Nº 2821/2007, ALTERADA PELAS LEIS 2843/2008, 3084/2010 E 3568/2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

LEI 1250, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI 1250, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. ANEXO II ATIVIDADES E EMPREENDIMENTOS DE IMPACTO LOCAL, SUJEITOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL (de acordo com Resolução CONSEMA 102/2005, alterada pelas Resoluções 111/2005 e 168/2007) CLASSIFICAÇÃO DE ATIVIDADES

Leia mais

Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca

Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca Franca Total da Indústria NA NA Indústria Extrativa 0,157899 0,018606 Indústria de Transformação 99,842101 99,981394

Leia mais

INDÚSTRIA DE MADEIRA QUE SE ABASTEÇA DE FLORESTA PLANTADA

INDÚSTRIA DE MADEIRA QUE SE ABASTEÇA DE FLORESTA PLANTADA Perguntas e Respostas 1 - O que é a Reposição Florestal? A Reposição Florestal caracteriza-se pelo plantio obrigatório de árvores de espécies adequadas ou compatíveis, exigido de pessoas físicas ou jurídicas

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA Página 1 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA PORTARIA NORMATIVA Nº 113 1997 DE 25 DE SETEMBRO

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

.-. - ~1-~ ~.!*- ... ~ ,...,.. _'f!li'- ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ GABINETE DO PREFEITO

.-. - ~1-~ ~.!*- ... ~ ,...,.. _'f!li'- ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ GABINETE DO PREFEITO .-.... ~ - ~1-~ ~.!*-,...,.. _'f!li'- ESTADO DO MARANHÃO LEI ORDINÁRIA Nº 1.4241 2011 Dispõe sobre o Licenciamento Ambiental no Município de Imperatriz, e dá outras providências. SEBASTIÃO TORRES MADEIRA,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA O PRESIDENTE SUBSTITUTO DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEMA N 01/2004. O PRESIDENTE DO CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - CONSEMA, por deliberação da maioria de seus membros e

RESOLUÇÃO CONSEMA N 01/2004. O PRESIDENTE DO CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - CONSEMA, por deliberação da maioria de seus membros e RESOLUÇÃO CONSEMA N 01/2004 Define as atividades potencialmente poluidoras, por meio de listagem, e os critérios para o exercício da competência do Licenciamento Ambiental Municipal. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

ANEXO 03 Atividades Industriais

ANEXO 03 Atividades Industriais ANEXO 03 Atividades Industriais ATIVIDADE INDUSTRIAL INDUSTRIA DE MINERAIS NAO-METALICOS Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, sem Tingimento e com Britagem

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLOGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ ATIVIDADES ECONÔMICAS

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLOGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ ATIVIDADES ECONÔMICAS Página: 001 / 052 S ECONÔMICAS A 01 011 0111-3 0111-3/01 0111-3/02 0111-3/03 0111-3/99 0112-1 0112-1/01 0112-1/02 0112-1/99 0113-0 0113-0/00 0114-8 0114-8/00 0115-6 0115-6/00 0116-4 0116-4/01 0116-4/02

Leia mais

Portaria nº. 188 de outubro de 2006.

Portaria nº. 188 de outubro de 2006. Portaria nº. 188 de outubro de 2006. O Secretário de Estado do Desenvolvimento Ambiental, no uso das atribuições que lhe confere o Decreto Lei n 8.982, artigo 38 de 31 de Janeiro de 2000. Considerando

Leia mais

ANEXO 8B - TIPO DE ATIVIDADES INDUSTRIAIS CLASSIFICADAS POR POTENCIAL POLUIDOR Para atividades não listadas ver classificiação da FEPAM.

ANEXO 8B - TIPO DE ATIVIDADES INDUSTRIAIS CLASSIFICADAS POR POTENCIAL POLUIDOR Para atividades não listadas ver classificiação da FEPAM. INDUSTRIA DE MINERAIS NAO-METÁLICOS Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, com Tingimento Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, sem Tingimento Beneficiamento

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Meio Ambiente 94 ISSN 677-7042 SUPERINTENDÊNCIA EM SÃO PAULO DESPACHO DO SUPERINTENDENTE RELAÇÃO N o - 32/204 FASE DE AUTORIZAÇÃO DE PESQUISA Auto de Infração lavrado (TAH)/prazo para defesa ou pagamento: 30 dias (635)

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

STJ00090221 SUMÁRIO. Capítulo 2 - O Processo de Licenciamento... 17

STJ00090221 SUMÁRIO. Capítulo 2 - O Processo de Licenciamento... 17 STJ00090221 SUMÁRIO Capítulo 1 - O Homem e sua Relação com o Meio Ambiente... 1 1.1. A percepção do problema e a busca das soluções........... 5 1.2. As normas de proteção dos recursos naturais........

Leia mais

Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses

Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses Seções CNAE 2.0 - subclasses Divisões Grupos Classes Subclasses (Fiscal) A - 01.. 03 - Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aqüicultura 3 12 34 122 B -

Leia mais

Atividades sujeitas ao cadastro ambiental

Atividades sujeitas ao cadastro ambiental Instrução Normativa Nº. 34 Atividades sujeitas ao cadastro ambiental IN-34 Sumário 1 Objetivo... 1 2 Instrumentos do Processo de Controle Ambiental... 1 3 Etapas do Processo de Cadastramento... 1 3 Instruções

Leia mais

LEI Nº 8.791, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2007.

LEI Nº 8.791, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2007. LEI Nº 8.791, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2007. Autor: Poder Executivo Disciplina a cobrança pelos serviços realizados pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente - SEMA e dá outras providências. ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL Jorge Luiz Britto Cunha Reis PROCEDIMENTOS DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1. INTRODUÇÃO As crescentes pressões da sociedade e o avanço da consciência ambientalista que floresceram em

Leia mais

Curso: MBA GESTÃO EM AUDITORIA, PERICIA E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

Curso: MBA GESTÃO EM AUDITORIA, PERICIA E LICENCIAMENTO AMBIENTAL [Digite texto] Curso: MBA GESTÃO EM AUDITORIA, PERICIA E LICENCIAMENTO AMBIENTAL Disciplina: Gestão em Avaliação de Impacto Ambiental, Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto do Meio. Prof.

Leia mais

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos do Curso

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CPRH Nº 005/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA CPRH Nº 005/2012 INSTRUÇÃO NORATIVA CRH Nº 005/2012 Disciplina o Enquadramento para Licenciamento Ambiental na CRH das Indústrias quanto ao otencial Degradador previsto no item 1.1 da Tabela 1 do Anexo I, da Lei Estadual

Leia mais

Custos Totais de Implantação do Empreendimento PLANILHA 01 AEROPORTO

Custos Totais de Implantação do Empreendimento PLANILHA 01 AEROPORTO Custos Totais de Implantação do PLANILHA 01 AEROPORTO 1. Custo de aquisição do terreno, reassentamentos (com toda infraestrutura) e outras ações de caráter indenizatório. 2. Estudos ambientais 3. Projetos

Leia mais

1.ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA)

1.ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) 1.ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) -DOCUMENTO TÉCNICO ONDE SE AVALIAM AS CONSEQUÊNCIAS PARA O AMBIENTE DECORRENTES DE UM DETERMINADO PROJETO -AVALIA DE FORMA IMPARCIAL E MERAMENTE TÉCNICA OS IMPACTOS

Leia mais

O estudo de impacto ambiental e seu fundamento constitucional no ordenamento jurídico brasileiro

O estudo de impacto ambiental e seu fundamento constitucional no ordenamento jurídico brasileiro ISSN 1127-8579 Pubblicato dal 23/07/2013 All'indirizzo http://www.diritto.it/docs/35291-o-estudo-de-impacto-ambiental-e-seufundamento-constitucional-no-ordenamento-jur-dico-brasileiro Autori: Guilherme

Leia mais

2,5. A Resolução n 009 do CONAMA e o licenciamento ambiental na Extração de Minerais das classes I, III, IV, V, VI, VII, VIII e IX

2,5. A Resolução n 009 do CONAMA e o licenciamento ambiental na Extração de Minerais das classes I, III, IV, V, VI, VII, VIII e IX 2,5 A Resolução n 009 do CONAMA e o licenciamento ambiental na Extração de Minerais das classes I, III, IV, V, VI, VII, VIII e IX Ainer da Silva Souza, Emanuel de Oliveira Lima, Ney José Trindade Leite,

Leia mais

3 - Legislação 3.1 - Constituicao Federal

3 - Legislação 3.1 - Constituicao Federal 3 - Legislação 3.1 - Constituicao Federal 1946 -Utilização dos recursos naturais visando a exploração econômica dos mesmos, de acordo com as idéias que vigoravam na época -Ênfase à livre iniciativa e à

Leia mais

Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01

Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01 Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01 Cultivo de açaí 0133-4/02 Cultivo de banana 0133-4/03

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Procedência: 14ª Reunião Extraordinária CTQAGR Data: 06 e 07 de maio de 2014 Processo: 02000.001745/2012-63 Assunto: Gestão ambientalmente

Leia mais

DECRETO Nº 10.028, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1.987

DECRETO Nº 10.028, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1.987 DECRETO Nº 10.028, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1.987 (Publicado no DOE, de 05.02.87) Regulamenta a Lei n.º 1.532, de 06.07.82: Dispõe sobre o Sistema Estadual de Licenciamento de Atividades com Potencial de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE

A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE Hiuri Martorelli Metaxas 1 RESUMO: Este artigo descreve o conceito de Licenciamento Ambiental segundo a legislação vigente.

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

LEI Nº 547 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1993

LEI Nº 547 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1993 LEI Nº 547 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1993 Dispõe sobre a criação do Sistema Estadual de Desenvolvimento Ambiental de Rondônia- SEDAR e seus instrumentos, estabelece medidas de proteção e melhoria da qualidade

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE ATIVIDADES SUJEITAS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE - RS

CLASSIFICAÇÃO DE ATIVIDADES SUJEITAS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE - RS CLASSIFICAÇÃO DE ATIVIDADES SUJEITAS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE - RS LEGENDA A área útil (m²) NV n veículos/embarcações/aeronaves NC n de cabeças AI área inundada (ha) PA População

Leia mais

Legislação Pertinente ao Licenciamento Ambiental

Legislação Pertinente ao Licenciamento Ambiental 1 Legislação Pertinente ao Licenciamento Ambiental Juceleine Klanovicz UNOPAR Universidade do Norte do Paraná Legislação Pertinente ao Licenciamento Ambiental Linha Dezenove, São Domingos do Sul, RS juceleinekla@bol.com.br

Leia mais

- LEI MUNICIPAL N 737/2008, DE 12 DE SETEMBRO DE 2008 -

- LEI MUNICIPAL N 737/2008, DE 12 DE SETEMBRO DE 2008 - - LEI MUNICIPAL N 737/2008, DE 12 DE SETEMBRO DE 2008 - REESTRUTURA A TAXA DE CENCIAMENTO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE UNIÃO DA SERRA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. AMARILDO LUIZ SABADINI, Prefeito Municipal de

Leia mais

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Licenciamento Ambiental dos Empreendimentos de Subtransmissão da CEB

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Licenciamento Ambiental dos Empreendimentos de Subtransmissão da CEB SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Licenciamento Ambiental dos Empreendimentos de Subtransmissão da CEB Manoel Clementino Barros Neto Companhia Energética de Brasília

Leia mais

Gênero do NCM. 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos

Gênero do NCM. 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos 01 - Animais Vivos Gênero do NCM 02 - Carnes e miudezas 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos 04 - Produtos Comestiveis de origem animal 05 - Outros Produtos de Origem Animal

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves SNUC Conceito É o conjunto organizado de unidades de conservação protegidas (federais, estaduais, municipais) que, planejado,

Leia mais

CAPÍULO 2 IMPACTOS AMBIENTAIS

CAPÍULO 2 IMPACTOS AMBIENTAIS CAPÍULO 2 IMPACTOS AMBIENTAIS Sabemos que prevenção é o melhor remédio... Mas para prevenir é preciso avaliar, e nesse caso é importante estudar s efeits das ações humanas. Mas afinal, o que são impactos

Leia mais

Proposta de resolução do Conama com diretrizes gerais para o licenciamento ambiental: análise crítica

Proposta de resolução do Conama com diretrizes gerais para o licenciamento ambiental: análise crítica Proposta de resolução do Conama com diretrizes gerais para o licenciamento ambiental: análise crítica SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO ROSE MIRIAN HOFMANN Consultoras Legislativas da Área XI Meio Ambiente

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS, FERRAMENTAS, RISCOS E ESTRATÉGIAS. José Antonio Gugelmin COPEL PARTICIPAÇÃO

LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS, FERRAMENTAS, RISCOS E ESTRATÉGIAS. José Antonio Gugelmin COPEL PARTICIPAÇÃO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GIA - 08 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XI GRUPO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA EMPREENDIMENTOS

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Licenciamento Ambiental Art. 2º - A localização, construção, instalação, ampliação, modificação e operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais consideradas efetiva ou potencialmente

Leia mais

Objetivos da Lei 9.605/98

Objetivos da Lei 9.605/98 A filosofia da Lei 9.605/98: efetiva reparação do dano ambiental. LICENCIAMENTO AMBIENTAL: Esfera ASPECTOS penal LEGAIS E SEUS IMPACTOS NOS CUSTOS DE PCH S Objetivos da Lei 9.605/98 Exemplos: In: VI Simpósio

Leia mais

Modernização e o Processo de Tomada de Decisão no Licenciamento Ambiental Federal

Modernização e o Processo de Tomada de Decisão no Licenciamento Ambiental Federal Ministério do Meio Ambiente MMA II Congresso Brasileiro de Avaliação de Impacto Ambiental Modernização e o Processo de Tomada de Decisão no Licenciamento Ambiental Federal Ouro Preto, 15 de Outubro de2014

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI Nº 34/2015 EMENTA: DISPÕE SOBRE A PRIORIDADE DO CONSUMO HUMANO E DESSEDENTAÇÃO ANIMAL EM CASO DE ESCASSEZ DE RECURSOS HÍDRICOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Autor(es): Deputado FLAVIO SERAFINI

Leia mais

Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira

Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira Política Nacional do Meio Ambiente Lei 6938/81 Principais instrumentos de gestão

Leia mais

Autor: Poder Executivo

Autor: Poder Executivo LEI Nº 10.242, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014. Autor: Poder Executivo Dispõe sobre os procedimentos de lançamento e cobrança das taxas decorrentes da prestação de serviço público e/ou exercício regular do poder

Leia mais

Dessa forma estão sujeitas ao Cadastro Técnico Federal - CTF todas as pessoas físicas e jurídicas que desenvolvam atividades sujeitas ao:

Dessa forma estão sujeitas ao Cadastro Técnico Federal - CTF todas as pessoas físicas e jurídicas que desenvolvam atividades sujeitas ao: Cadastro Técnico Federal CTF 1. O que é Cadastro Técnico Federal CTF e qual a sua finalidade? O Cadastro Técnico Federal - CTF é um dos instrumentos da Política Nacional de Meio Ambiente (Art. 9º da Lei

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO PARÁ - CREA-PA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO PARÁ - CREA-PA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E DO PARÁ - CREA-PA Relação entre os serviços da ART utilizado no antigo sitema e os serviços do Sistema Atual (serviços mais utilizados) Grupo Sistema

Leia mais