Clique para editar o estilo do título mestre

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Clique para editar o estilo do título mestre"

Transcrição

1 Clique para editar os estilos do texto Atendimento à SE/CZPE Manoel Franco Jr. Analista - Gerência Executiva de Estratégia de Mercados Brasília, 15 de abril de /04/2015 1

2 Clique para editar os estilos do texto Definição conjunta de variáveis Atividades Preparação do exercício Quarto nível de priorização Apresentação metodologia» Quinto de nível inteligência comercial Apresentação de resultados e definição dos setores-alvo 24/04/2015 2

3 Radiografia do Levantamento Clique para editar o estilo do título Ano dos dados: 2013; Clique para editar os estilos do texto Quantidade de setores analisados: Quantidade de Terceiro indicadores/ nível variáveis: 100 setores 6 indicadores 24/04/2015 3

4 Clique para editar os estilos do texto Variáveis Quantitativas 1) Exportações por setor 2013 (US$ milhões/cnae dígitos) Busca classificar os setores conforme o volume exportado Fonte: SECEX/MDIC 24/04/2015 4

5 Clique para editar os estilos do texto Variáveis Quantitativas 2) Crescimento anual das exportações entre 2008 e 2013 (em %) Objetivo de classificar os setores com maior dinamismo nos últimos 5 anos Fonte: SECEX/MDIC 24/04/2015 5

6 3) Crescimento anual da produção entre 2008 e 2013 (em %) Clique para editar os estilos do texto Variáveis Quantitativas Setores com crescimento elevado na produção podem iniciar ou ampliar exportações, assim como investir em novas plantas produtivas 24/04/2015 Fonte: UFRJ 6

7 4) Coeficiente de exportações 2013 (em %) Clique para editar os estilos do texto Variáveis Quantitativas Análise dos setores com participação mais elevada das exportações na produção, ou seja, setores em que as exportações são mais importantes Coeficiente de exportações = Exportações Produção 24/04/2015 Fonte: SECEX/MDIC; UFRJ 7

8 5) Produção - Reversão de tendência - curto x longo prazo Clique para editar os estilos do texto Variáveis Quantitativas Utiliza o crescimento do último ano ( ), menos (-) a taxa de crescimento anual dos últimos 5 anos ( ) 24/04/2015 Fonte: UFRJ 8

9 6) Exportação - Reversão de tendência - curto x longo prazo Clique Mesmo conceito para daeditar variável 5os estilos do texto Variáveis Quantitativas Fonte: SECEX/MDIC 24/04/2015 9

10 Definição da Pontuação Clique para editar o estilo do título Clique para editar os estilos do texto N = 37 Média = 19,01 Desvio-padrão = 11,44 Média + Desvpad = 30,45 Média - Desvpad = 7,58 Mínimo = - 1,03 Máximo = 52,74 24/04/

11 Tabela final para definição de setores-alvo Clique para editar os estilos do texto 24/04/

12 Seleção de 26 setores prioritários Clique para editar os estilos do texto Setores ABATE E FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE CARNE FABRICAÇÃO DE CONSERVAS DE FRUTAS, LEGUMES E OUTROS VEGETAIS FABRICAÇÃO Terceiro DE ÓLEOS nível E GORDURAS VEGETAIS E ANIMAIS FABRICAÇÃO E REFINO DE AÇÚCAR TORREFAÇÃO E MOAGEM DE CAFÉ FABRICAÇÃO DE» OUTROS Quinto PRODUTOS nível ALIMENTÍCIOS CURTIMENTO E OUTRAS PREPARAÇÕES DE COURO FABRICAÇÃO DE CALÇADOS FABRICAÇÃO DE PARTES PARA CALÇADOS, DE QUALQUER MATERIAL DESDOBRAMENTO DE MADEIRA FABRICAÇÃO DE CELULOSE E OUTRAS PASTAS PARA A FABRICAÇÃO DE PAPEL FABRICAÇÃO DE PAPEL, CARTOLINA E PAPEL-CARTÃO FABRICAÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS 24/04/

13 Seleção de 26 setores prioritários FABRICAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS ORGÂNICOS Clique para editar os estilos do texto FABRICAÇÃO DE SABÕES, DETERGENTES, PRODUTOS DE LIMPEZA, COSMÉTICOS, PRODUTOS DE PERFUMARIA E DE HIGIENE PESSOAL FABRICAÇÃO DE PRODUTOS FARMOQUÍMICOS FABRICAÇÃO Terceiro DE PRODUTOS nível FARMACÊUTICOS FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE BORRACHA APARELHAMENTO Quarto DE PEDRAS nível E FABRICAÇÃO DE OUTROS PRODUTOS DE MINERAIS NÃO-METÁLICOS PRODUÇÃO DE TUBOS» Quinto DE AÇO, EXCETO nível TUBOS SEM COSTURA METALURGIA DOS METAIS NÃO-FERROSOS FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE CUTELARIA, DE SERRALHERIA E FERRAMENTAS FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTO BÉLICO PESADO, ARMAS DE FOGO E MUNIÇÕES FABRICAÇÃO DE GERADORES, TRANSFORMADORES E MOTORES ELÉTRICOS FABRICAÇÃO DE MOTORES, BOMBAS, COMPRESSORES E EQUIPAMENTOS DE TRANSMISSÃO FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE JOALHERIA, BIJUTERIA E SEMELHANTES 24/04/

14 Outros 11 setores com boa performance, que podem entrar como prioritários Clique para editar os estilos do texto 24/04/

15 Clique para editar os estilos do texto Segundo UNIDADE nível DE INTELIGÊNCIA Terceiro COMERCIAL nível E COMPETITIVA Quarto nível (61) /04/

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca

Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca Franca Total da Indústria NA NA Indústria Extrativa 0,157899 0,018606 Indústria de Transformação 99,842101 99,981394

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados do 1º trimestre de 2012 DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Maio de 2012 1.

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998

RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 RESOLUÇÃO Nº 417, DE 27 DE MARÇO DE 1998 Dispõe sobre as empresas industriais enquadráveis nos Artigos 59 e 60 da Lei n.º 5.194/66. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA, no uso das

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CPRH Nº 005/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA CPRH Nº 005/2012 INSTRUÇÃO NORATIVA CRH Nº 005/2012 Disciplina o Enquadramento para Licenciamento Ambiental na CRH das Indústrias quanto ao otencial Degradador previsto no item 1.1 da Tabela 1 do Anexo I, da Lei Estadual

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLOGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ ATIVIDADES ECONÔMICAS

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLOGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ ATIVIDADES ECONÔMICAS Página: 001 / 052 S ECONÔMICAS A 01 011 0111-3 0111-3/01 0111-3/02 0111-3/03 0111-3/99 0112-1 0112-1/01 0112-1/02 0112-1/99 0113-0 0113-0/00 0114-8 0114-8/00 0115-6 0115-6/00 0116-4 0116-4/01 0116-4/02

Leia mais

Perfil Exportador do Estado de Minas Gerais

Perfil Exportador do Estado de Minas Gerais Perfil Exportador do Estado de Minas Gerais 2013 1 Apex-Brasil Maurício Borges PRESIDENTE José Ricardo Santana DIRETOR DE NEGÓCIOS Tatiana Martins Porto DIRETORA DE GESTÃO CORPORATIVA Marcos Tadeu Caputi

Leia mais

Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses

Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses Quadro resumo CNAE 2.0 - subclasses Seções CNAE 2.0 - subclasses Divisões Grupos Classes Subclasses (Fiscal) A - 01.. 03 - Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aqüicultura 3 12 34 122 B -

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS EMISSÕES DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO,

Leia mais

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano Q.10.01 - Resultados Globais, por ano Unidade: 1 000 Euros 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Importações (CIF) 34 490 773 37 505 656 43 257 180 44 093 881 42 466 265 41 753 699 45

Leia mais

LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010

LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010 LEI Nº 2.778, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 4.010 Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais - CTE e

Leia mais

Câmbio, Competitividade e Investimento

Câmbio, Competitividade e Investimento Câmbio, Competitividade e Investimento Lucas Teixeira (BNDES) Laura Carvalho (EESP) Introdução Questão: a desvalorização cambial resolverá o problema de perda de competitividade e de compressão de margens

Leia mais

= igual + mais - menos parte CODIGO. = 0 1 relacionados + 81p

= igual + mais - menos parte CODIGO. = 0 1 relacionados + 81p - C O R R E S P. = igual + mais - menos p - Rev.1 OBSERVAÇÕES 0 1 Agricultura, produção a n i m a l, caça e actividades dos serviços = 0 1 relacionados + 81p Agricultura, produção a n i m a l, caça e actividades

Leia mais

Anexo 1 - Estrutura detalhada da CNAE 2.0 (seções B, C e D): códigos e denominações

Anexo 1 - Estrutura detalhada da CNAE 2.0 (seções B, C e D): códigos e denominações (continua) B INDÚSTRIAS EXTRATIVAS 05 EXTRAÇÃO DE CARVÃO MINERAL 05.0 Extração de carvão mineral 05.00-3 Extração de carvão mineral 06 EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL 06.0 Extração de petróleo e gás

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais Fatos Relevantes Maio/2014 Maio/2008 Vendas Industriais A Variável Indústria apresenta Química recuo com de (- aumento 8,42%), de incluso 9,16% em o maio setor fornece sucroenergético a maior contribuição

Leia mais

CÓDIGO DE ATIVIDADE - PESQUISA PADRÕES DE VIDA -1996-1997. A relação dos Códigos de Atividade refere-se as seguintes seções:

CÓDIGO DE ATIVIDADE - PESQUISA PADRÕES DE VIDA -1996-1997. A relação dos Códigos de Atividade refere-se as seguintes seções: DE ATIVIDADE - PESQUISA PADRÕES DE VIDA -1996-1997 A relação dos Códigos de Atividade refere-se as seguintes seções: Seção 06 - Atividade Econômica Parte B: Trabalho Principal nos últimos 7 dias - Quesito

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA EMPRESAS DE MINAS GERAIS EM PORTUGAL MISSÃO MG OURÉM

OPORTUNIDADES PARA EMPRESAS DE MINAS GERAIS EM PORTUGAL MISSÃO MG OURÉM OPORTUNIDADES PARA EMPRESAS DE MINAS GERAIS EM PORTUGAL MISSÃO MG OURÉM MINAS GERAIS x PORTUGAL PANORAMA INTERNACIONAL INTERCÂMBIO COMERCIAL COM PORTUGAL Brasil Exportações US$ 822 Mi Minas Gerais Exportações

Leia mais

ANEXO 8B - TIPO DE ATIVIDADES INDUSTRIAIS CLASSIFICADAS POR POTENCIAL POLUIDOR Para atividades não listadas ver classificiação da FEPAM.

ANEXO 8B - TIPO DE ATIVIDADES INDUSTRIAIS CLASSIFICADAS POR POTENCIAL POLUIDOR Para atividades não listadas ver classificiação da FEPAM. INDUSTRIA DE MINERAIS NAO-METÁLICOS Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, com Tingimento Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, sem Tingimento Beneficiamento

Leia mais

Setores obrigados a emitir Nota Fiscal Eletrônica

Setores obrigados a emitir Nota Fiscal Eletrônica Setores obrigados a emitir Nota Fiscal Eletrônica Setores obrigados a emitir NF-e em Abril/2010 (Inclui todos os setores já obrigados a emitir NF-e nas relações divulgadas anteriormente: Abril/2008, Dezembro/2008,

Leia mais

Gênero do NCM. 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos

Gênero do NCM. 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos 01 - Animais Vivos Gênero do NCM 02 - Carnes e miudezas 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos 04 - Produtos Comestiveis de origem animal 05 - Outros Produtos de Origem Animal

Leia mais

AUSTRÁLIA Comércio Exterior

AUSTRÁLIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC AUSTRÁLIA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5438, DE 17 DE ABRIL DE 2009 Institui o cadastro

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Mercados informação global

Mercados informação global Mercados informação global Relações Económicas Portugal - Paraguai Novembro 2010 Índice 1. Relações Económicas Portugal Paraguai 3 1.1 Comércio 3 1.1.1 Importância do Paraguai nos fluxos comerciais para

Leia mais

LC nº 16/2005 TABELA I USOS COMERCIAIS

LC nº 16/2005 TABELA I USOS COMERCIAIS LC nº 16/2005 TABELA I USOS COMERCIAIS COM. VICINAL 1 OBS. 1 COM. DE BAIRRO OBS. 2 GRUPO A OBS. 3 GRUPO B GRUPO C COM. SETORIAL OBS. 4 e 5 COM. GERAL OBS. 5 GERAL 1 GERAL 2 GRUPO A COM. ESPECÍFICO OBS.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação.

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. LEI N º 14.384, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2002. Institui o Cadastro Técnico Estadual de Atividades Potencialmente Poluidoras

Leia mais

Indústrias Químicas - Orgânicas

Indústrias Químicas - Orgânicas Indústrias Químicas Orgânicas UTFPR Campus Toledo Tecnologia em Processos Químicos Processos Industriais Orgânicos INDÚSTRIA QUÍMICA As indústrias químicas envolvem o processamento ou alteração de matérias-primas

Leia mais

RESULTADOS DOS INDICADORES EMPRESARIAS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PESQUISA DA ATIVIDADE ECONÔMICA PAULISTA PAEP/2001

RESULTADOS DOS INDICADORES EMPRESARIAS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PESQUISA DA ATIVIDADE ECONÔMICA PAULISTA PAEP/2001 RESULTADOS DOS INDICADORES EMPRESARIAS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PESQUISA DA ATIVIDADE ECONÔMICA PAULISTA PAEP/2001 Indicadores Setoriais de Inovação Indústria A Paep 2001 pesquisou um universo de 41

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Portugal. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Portugal. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia Secretaria de Comércio Exterior SECEX - MDIC Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de Produção Estatística CGPE RADAR COMERCIAL A Croácia foi a sexagésima

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense encerrou mais um mês com redução liquida de postos de trabalho. Em março, o conjunto

Leia mais

ACORDO COMERCIAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA E POPULAR DA ARGÉLIA

ACORDO COMERCIAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA E POPULAR DA ARGÉLIA Decreto n.º 104/77 Acordo Comercial entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Democrática e Popular da Argélia, assinado em Argel a 16 de Outubro de 1976 O Governo decreta, nos termos

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor: incentivar a diversificação de mercados e a agregação de valor à pauta exportadora

Leia mais

Portaria nº. 188 de outubro de 2006.

Portaria nº. 188 de outubro de 2006. Portaria nº. 188 de outubro de 2006. O Secretário de Estado do Desenvolvimento Ambiental, no uso das atribuições que lhe confere o Decreto Lei n 8.982, artigo 38 de 31 de Janeiro de 2000. Considerando

Leia mais

Setor Metal Mecânico

Setor Metal Mecânico Setor Metal Mecânico Desafios Junho de 0 Gerência de Pesquisas e Estatística stica Objetivo e metodologia Objetivo Analisar os desafios identificados no diagnóstico do Setor Metal Mecânico realizado em

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor:

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 PwC 1 PwC 2 2.7 2.5 Setor automotivo Fumo Multiplicador 2.3 Couros Borracha e Plástico 1.9 Metalurgia e Siderurgia

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

ANEXO XI CONTRIBUINTES E MERCADORIAS ENQUADRADOS NO PROGRAMA ICMS GARANTIDO INTEGRAL E RESPECTIVOS PERCENTUAIS DE MARGEM DE LUCRO

ANEXO XI CONTRIBUINTES E MERCADORIAS ENQUADRADOS NO PROGRAMA ICMS GARANTIDO INTEGRAL E RESPECTIVOS PERCENTUAIS DE MARGEM DE LUCRO 1 de 29 30/11/2012 10:22 Nota: " Os documentos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os textos publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais."

Leia mais

Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE, com correspondente agrupamento para dimensionamento de CIPA.

Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE, com correspondente agrupamento para dimensionamento de CIPA. Página 1 de 14 Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE, com correspondente agrupamento para dimensionamento de CIPA NR 5 Anexo III Descrição da Atividade Grupo Extração de carvão

Leia mais

Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China

Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China China Brazil Santa Catarina Santa Catarina Dados Gerais SANTA CATARINA Área: 95,442 Km² População: 6,38 Milhões (2012) Densidade: 67 habitantes/km²

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

Namíbia - Síntese País

Namíbia - Síntese País Informação Geral sobre a Namíbia Área (km 2 ): 824 269 Primeiro-Ministro: Saara Kuugongelwa-Amadhila População (milhões hab.): 2,2 (estimativa ) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01

Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01 Setor produtivo G10 - Produtos Químicos/ Atividades Extrativas/ Insumos Agropecuários. Contém 1254300 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0133-4/01 Cultivo de açaí 0133-4/02 Cultivo de banana 0133-4/03

Leia mais

RAT - Risco Acidente do Trabalho

RAT - Risco Acidente do Trabalho RAT - Risco Acidente do Trabalho Tabela do RAT - Risco Acidente do Trabalho, conforme Anexo V do Decreto nº.048/99 - Regulamento da Previdência Social, conforme redação dada pelo Decreto nº 6.957/009,

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense apresentou pequena recuperação em fevereiro de 2015 com a abertura de 350 vagas. No acumulado

Leia mais

LEI Nº 3721/2016, DE 16 DE JUNHO DE 2016.

LEI Nº 3721/2016, DE 16 DE JUNHO DE 2016. LEI Nº 3721/2016, DE 16 DE JUNHO DE 2016. INCLUI TIPOLOGIAS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ANEXO ÚNICO DA LEI Nº 2821/2007, ALTERADA PELAS LEIS 2843/2008, 3084/2010 E 3568/2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas NOTA TÉCNICA MERCOSUL* - Agronegócio, Eletrônica e TIC e Biotecnologia 2010-2014 * Mercado Comum do Sul, composto pela República Federativa do Brasil, República da Argentina, República do Paraguai, República

Leia mais

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 4 outubro/dezembro de 2013 www.cni.org.br Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação

Leia mais

3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios.

3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios. Módulo 3 3.1. Empreendimentos e Atividades que necessitam do Licenciamento Ambiental. 3.2. EIA-RIMA como Instrumento do licenciamento Ambiental. Exercícios. 3.1 Empreendimentos e Atividades que necessitam

Leia mais

Tabela VI - Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE

Tabela VI - Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE Tabela VI - Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE Para maiores informações acesse: www.simplesnacional.org CNAE DESCRIÇÃO AGRICULTURA, PECUÁRIA, SERVIÇOS RELACIONADOS 01.11-3/01 Cultivo

Leia mais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais 10 set 2007 Nº 36 A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais Por Fernando Puga Economista da SAE País tem maior difersificação em vendas externas em nações onde predominam recursos naturais

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 991

TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 991 ISSN 1415-4765 TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 991 A FORMAÇÃO DA ALCA E SEU IMPACTO NO POTENCIAL EXPORTADOR BRASILEIRO PARA OS MERCADOS DOS ESTADOS UNIDOS E DO CANADÁ João Alberto De Negri Jorge Saba Arbache

Leia mais

ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS)

ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS) ANEXO V RELAÇÃO DE ATIVIDADES PREPONDERANTES E CORRESPONDENTES GRAUS DE RISCO (CONFORME A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE ATIVIDADES ECONÔMICAS) CNAE.0 0111-/01 Cultivo de arroz 0111-/0 Cultivo de milho 0111-/0

Leia mais

Tabela de Correspondência dos Códigos CNAE/TFE

Tabela de Correspondência dos Códigos CNAE/TFE TFE (TAXA DE FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS) Tabela de Correspondência dos Códigos CNAE/TFE Anexo da Instrução Normativa SF/Surem 09/2010, que substitui o Anexo 2 da Portaria SF 05/2003 e revoga o Anexo

Leia mais

Brasil - Síntese País

Brasil - Síntese País Informação Geral sobre o Brasil Área (km 2 ): 8 547 400 Vice-Presidente: Michel Temer População (milhões hab.): 202,8 (estimativa 2014) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Brasília

Leia mais

Cinco setores industriais mais importantes nos municípios que compõem o Fórum da Baixada

Cinco setores industriais mais importantes nos municípios que compõem o Fórum da Baixada Cinco setores industriais mais importantes nos municípios que compõem o Fórum da Baixada # Divisão de Atividade Econômica, segundo classificação CNAE - versão 2.0 Fórum da Baixada - Total de Atividades

Leia mais

Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto

Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto Apêndice A: Algumas Tabelas Usadas no Texto Tabela 1 alança Tecnológica Sectorial de Portugal Período 1996-98 Fonte: anco de Portugal CAE Total Direitos de utilização e Propriedade Industrial Serv. assistência

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1 de 5 22/02/2016 15:31 Comprovante de Inscrição e de Situação Cadastral Contribuinte, Confira os dados de Identificação da Pessoa Jurídica e, se houver qualquer divergência, providencie junto à RFB a

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 16 de Novembro de 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

FAP - Fator Acidentário de Prevenção - Vigência a Partir de 1º.01.2010

FAP - Fator Acidentário de Prevenção - Vigência a Partir de 1º.01.2010 FAP - Fator Acidentário de Prevenção - Vigência a Partir de º.0.00 Nota: Em virtude de atualização, esta matéria substitui a publicada no Contadez Boletim nº 4/008 - Fator Acidentário de Prevenção - FAP

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto. Diretoria Executiva Diretor: José Augusto Coelho Fernandes

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto. Diretoria Executiva Diretor: José Augusto Coelho Fernandes CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto Diretoria Executiva Diretor: José Augusto Coelho Fernandes Diretor de operações: Marco Antonio Reis Guarita SERVIÇO BRASILEIRO

Leia mais

Aplicativo Inteligência de Mercado da Indústria

Aplicativo Inteligência de Mercado da Indústria Aplicativo Inteligência de Mercado da Indústria O aplicativo é uma ferramenta de extrações dimensionais e modelagens de dados. Estes dados poderão se transformar em informações para orientar e suportar

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução CONSEMA n.º 102, de 24 maio de 2005.

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução CONSEMA n.º 102, de 24 maio de 2005. CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Resolução CONSEMA n.º 102, de 24 maio de 2005. Dispõe sobre os critérios para o exercício da competência do Licenciamento Ambiental Municipal, no âmbito do Estado do

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Ribeirão Preto, Novembro de 2013 Relatório Final apresentado ao DEPECON-FIESP Equipe: Rudinei Toneto Junior (Coordenador) Luciano Nakabashi Marcio Laurini Sérgio

Leia mais

IMPA P C A T C O T O D O CUST S O T O BRA

IMPA P C A T C O T O D O CUST S O T O BRA IMPACTO DO CUSTO BRASIL E DO CÂMBIO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA (2004/2010) Janeiro/2011 IMPACTO DO CUSTO BRASIL E DO CÂMBIO E NA INDÚSTRIA BRASILEIRA (2004/2010) O CUSTO BRASIL E O CÂMBIO Custo Brasil Indústria

Leia mais

ANEXO 03 Atividades Industriais

ANEXO 03 Atividades Industriais ANEXO 03 Atividades Industriais ATIVIDADE INDUSTRIAL INDUSTRIA DE MINERAIS NAO-METALICOS Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos Beneficiamento de Minerais Não-Metálicos, sem Tingimento e com Britagem

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

ANEXO III LICENÇA NORMAL, ANUAL, DE LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO

ANEXO III LICENÇA NORMAL, ANUAL, DE LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CNAE 2.0 ANEXO III LICENÇA NORMAL, ANUAL, DE LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE Taxa de licença R$ A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA A0111301 Cultivo de arroz

Leia mais

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO 31 de agosto de 2015 Sindirações 1 1. Cenário macroeconômico 2. Economia Implicações Brasileira para empresas 3. Um roteiro estratégico para o agronegócio

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 1, DE 25 DE JANEIRO DE 2013 (DOU de 30/01/2013 Seção I Pág 82) O PRESIDENTE SUBSTITUTO DO INSTITUTO BRASILEIRO

Leia mais

Nova Zelândia - Síntese País

Nova Zelândia - Síntese País Informação Geral sobre a Nova Zelândia Área (km 2 ): 270 534 Primeiro-Ministro: John Key População (milhões hab.): 4,6 () Risco de crédito: (*) Capital: Wellington Risco do país: AA (AAA = risco menor;

Leia mais

Mercados informação global

Mercados informação global Mercados informação global Relações Económicas Portugal Cuba Novembro 2010 Relações Económicas Portugal Cuba (Novembro 2010) Índice 1. Relações Económicas Portugal Cuba 3 1.1 Comércio 3 1.1.1 Importância

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 I Resultados do mês (comparativo Mar/2015 Mar/2014)

Leia mais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais Padrão Mínimo Tipo de Impresso Emissão Operação Série Subsérie Nota Fiscal, modelo 1 Bloco Manual *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto Mecanizado *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

CHILE Comércio Exterior

CHILE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CHILE Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos. Principais

Leia mais

ANEXO 6 ENQUADRAMENTO DAS ATIVIDADES NOS USOS NÍVEL 1 USOS DE BAIXÍSSIMO IMPACTO E INCOMODIDADE

ANEXO 6 ENQUADRAMENTO DAS ATIVIDADES NOS USOS NÍVEL 1 USOS DE BAIXÍSSIMO IMPACTO E INCOMODIDADE ANEXO 6 ENQUADRAMENTO DAS ATIVIDADES NOS USOS NÍVEL 1 USOS DE BAIXÍSSIMO IMPACTO E INCOMODIDADE Serviços profissionais domiciliares: serviços profissionais liberais, técnicos ou universitários e outras

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens Janeiro a agosto de 2013 Direção de Informação, outubro de 2013 CIP bens 2013 (janeiro a agosto) - principais resultados Em 2013 (janeiro

Leia mais

BRASIL 16.783.231 13.806.365 21,56 SANTA CATARINA 585.066 578.707 1,10 Fonte: MDIC

BRASIL 16.783.231 13.806.365 21,56 SANTA CATARINA 585.066 578.707 1,10 Fonte: MDIC BALANÇA COMERCIAL DE SC BALANÇA COMERCIAL EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES CATARINENSES 1 EXPORTAÇÕES CATARINENSES - DEZEMBRO/2015 As exportações catarinenses cresceram 1,10 no mês de dezembro de 2015 em relação

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES Indice: - Dados Gerais Básicos e Indicadores Sócio-Econômicos - Balanço de Pagamentos - Comércio Exterior - Composição do Comércio Exterior - Direção do Comércio

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM OS EUA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM OS EUA Exportações 2.105.266 1.787.108 1.340.039 1.012.141 1.333.325-8,2 31,7 Importações 780.797 953.828 1.030.620 864.390 843.343 2,9-2,4 Saldo 1.324.469 833.280 309.419 147.751 489.982 -- -- Coef. Cob. 269,6%

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ARGÉLIA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ARGÉLIA 2006 2007 2008 Var % a 06/10 Exportações 72.858 79.841 181.189 197.445 216.674 38,8 9,7 Importações 896.599 577.541 706.684 274.938 269.391-19,1-2,0 Saldo -823.741-497.700-525.495-77.493-52.717 -- -- Coef.

Leia mais

Boletim. Federal. Manual de Procedimentos. ICMS-IPI/Sped - NF-e - Preenchimento - Código de barras. ICMS - IPI e Outros 2.

Boletim. Federal. Manual de Procedimentos. ICMS-IPI/Sped - NF-e - Preenchimento - Código de barras. ICMS - IPI e Outros 2. Boletim Manual de Procedimentos Federal ICMS-IPI/Sped - NF-e - Preenchimento - Código de barras SUMÁRIO 1. Introdução 2. Código de barras 3. Preenchimento dos campos 102 e 111 do Bloco I - Produtos e Serviços

Leia mais

Produção Industrial Setembro de 2014

Produção Industrial Setembro de 2014 Produção Industrial Setembro de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - SETEMBRO/14 Conforme esperado, o segundo semestre está sendo melhor do que o primeiro. Estamos no terceiro mês consecutivo de

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS FONTES ENERGÉTICAS VERSÃO 3 IBAMA JANEIRO, 2016 2 Índice

Leia mais

Perfil Exportador do Estado do Rio de Janeiro

Perfil Exportador do Estado do Rio de Janeiro Perfil Exportador do Estado do Rio de Janeiro 2013 Apex-Brasil Maurício Borges PRESIDENTE Rogério Bellini DIRETOR DE NEGÓCIOS Regina Maria Silverio DIRETORA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Marcos Tadeu Caputi

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL 54% 75% 79% 58% Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira TERCEIRIZAÇÃO

SONDAGEM ESPECIAL 54% 75% 79% 58% Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira TERCEIRIZAÇÃO Ano 7 Número 02 abril de 2009 www.cni.org.br TERCEIRIZAÇÃO Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira 54% das empresas industriais utilizam serviços terceirizados 75% das empresas contratantes

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Felipe Azevedo Ribeiro

Felipe Azevedo Ribeiro Implicações para Autenticação Isotópica da Carne Felipe Azevedo Ribeiro Engenheiro Agrônomo (UFSCar) Mestrando em Zootecnia (UNESP) Setembro de 2013 Importância da pecuária no Brasil Maior rebanho comercial

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais