A FESTA DO BATIZADO DE CAPOEIRA: fenômeno sócio-cultural brasileiro de resistência e preservação dos rituais e manifestações do povo negro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FESTA DO BATIZADO DE CAPOEIRA: fenômeno sócio-cultural brasileiro de resistência e preservação dos rituais e manifestações do povo negro"

Transcrição

1 A FESTA DO BATIZADO DE CAPOEIRA: fenômeno sócio-cultural brasileiro de resistência e preservação dos rituais e manifestações do povo negro Introdução Robson Carlos da Silva 1 O artigo apresenta uma imersão etnográfica no Batizado de capoeira enquanto um espaço de preservação da cultura, da identidade e da tradição das lutas de resistência do povo negro no Brasil; uma festa que envolve emoção, afeto e prazer; lugar em que o gesto assume a mesma função sócio-transmissora da voz (CASCUDO, 2003, p. 17), visto que o gesto e a oralidade se imbricam e dificilmente podem ser separados na tradição da capoeira. O estudo se fundamenta na observação participante, fruto de meus trinta e um anos de experiência, vivência, prática, ensino, pesquisa, produção acadêmica e difusão da capoeira no Brasil e no mundo, registrando e comunicando os achados dessa cultura negra brasileira. Assim sendo, podemos denominar as reflexões que fazemos no texto, dialogando com Goldenberg (2005), de notas etnográficas a respeito da capoeira, por se fundamentar em relatos produzidos a partir de uma imersão pessoal no fenômeno investigado, convivendo com as pessoas envolvidas na atividade, se apropriando dos códigos culturais dos grupos constituintes e, em nosso caso, avançando no sentido de contribuir diretamente na formação, difusão e institucionalização do grupo do qual fazemos parte, bem como da prática da capoeira de forma geral em nosso estado, em outras comunidades fora do estado e, até mesmo, no exterior 2. A Capoeira se constitui em uma simbiose de diversas manifestações, envolvendo em uma única prática arte, dança, luta, música, canto, poesia, espaços de aprendizagens, teatralidade (VASCONCELOS, 2006), história, dentre outros aspectos, numa mistura de expressões e gestos que formam uma espécie de jogo 3, de disputa marcada pela malícia, agilidade, velocidade e força cinegética dos contendores. É uma cultura, ou artefato cultural (SILVA, 2002), utilizada historicamente como instrumento 1 Professor da UESPI (Universidade Estadual do Piauí). Mestre em Educação pela UFPI (Universidade Federal do Piauí). Coordenador do Projeto de Extensão Capoeira nos Espaços universitários (UESPI). Aluno do Programa de Pós-Graduação em Educação/Doutorado (FACED/UFC). 2 No ano de 2002, participamos de um encontro de capoeira na Venezuela e em 2009 na Noruega e Itália, organizando Encontros Internacionais de capoeira, eventos que demonstram a expansão, difusão e aceitação da Capoeira, cultura eminentemente brasileira, em inúmeros países e culturas diversas pelo mundo. 3 Os praticantes da capoeira utilizam a expressão jogo para designar sua prática, variando este, de acordo com o ritmo e a cadência dada aos instrumentos que compõem a Roda de capoeira.

2 de resistência, do povo negro africano, escravizado no Brasil, contra a política de opressão imposta pelos senhores de engenho. Segundo Silva (2009), sua origem é controversa. Alguns estudiosos e praticantes defendem que sua origem é africana, aqui trazida pelos primeiros negros escravizados como mão-de-obra escrava, em sua maioria da etnia Bantu, da região de Angola. Por outro lado, existem aqueles que defendem sua origem brasileira, sendo aqui desenvolvida pelo povo negro africano escravizado, enquanto instrumento de defesa e resistência contra o estado de opressão imposto pelo colonizador europeu. Uma luta que nasceu e se desenvolveu a partir da necessidade e da ânsia por libertação, originando-se de uma fusão de culturas, de aspectos ritualísticos, gestuais e musicais da cultura africana, se constituindo em uma cultura única, com aspectos característicos bem diversos das possíveis manifestações que lhe deram origem, daí seu acentuado caráter de prática educacional popular. Atualmente, esta é a teoria mais aceita nos estudos sobre a capoeira. Os defensores da teoria amparam-se em relatos de estudiosos e mestres de capoeira no Brasil que tiveram oportunidade de viajar ao continente africano e, lá chegando, não encontraram nenhuma manifestação igual à capoeira. Identificaram, na cultura e no jeito daquele povo, vários aspectos que poderiam ser pontuados e identificados na capoeira, como a ginga, a musicalidade e muitos tipos de gestos, porém sem a complexidade da prática da capoeira em seus princípios básicas e rituais, como por exemplo, a organização da roda, a conformação dos instrumentos, as posturas dos praticantes, os cantos, os estilos de jogo da capoeira, dentre outros. No entanto, ao largo das discordâncias sobre sua origem, um aspecto é comum a todas as pesquisas e estudos sobre a capoeira: seu desenvolvimento se deu nos meios populares, nos espaços livres existentes nas localidades rurais do Brasil Colônia, assim como nas ruas dos centros urbanos da época do Império (SOARES, 2002; SILVA, 2007), ou seja, a capoeira nasceu no meio do povo, se originou e se constituiu enquanto cultura popular 4, carregada de aspectos identitários significativos do sentimento de brasilidade. 4 Tomamos o termo popular em referência ao povo, por tratar-se de uma manifestação que nasceu e se desenvolveu no espaço público, criado pelas pessoas em suas ações cotidianas, de forma espontânea, no seio dos movimentos sociais, contrário a qualquer espécie de classificação hierárquica ou de natureza valorativa e comparativa, em oposição, por exemplo, ao sentido de cultura de massas (VIEIRA, 1995).

3 A Roda de rua: o espetáculo da arte da esquiva Ao longo dos anos, na história da capoeira, a organização do espaço de sua prática em forma de círculo, composto por praticantes e assistentes, com dois contendores jogando ao centro, marcada pela cadência de instrumentos musicais, tendo como instrumento principal o berimbau, que comanda o ritmo para a execução das cantigas (Ladainhas e Corridos), acompanhado pelo pandeiro, atabaque e agogô, em espaços públicos das cidades como praças, praias, mercados públicos, cais de portos, dentre outros, foi se transformando em uma tradição e ficou conhecida, até os dias atuais, como roda de rua, constituindo-se assim em um espaço de manifestação pública, pelo fato de que qualquer pessoa pode participar, mesmo aquele que apenas admira, queira conhecer e se divertir jogando a capoeira. (SILVA, 2010) Geralmente, a roda de rua é organizada por um mestre, professor ou aluno graduado ligado a algum grupo de capoeira ou mesmo por um capoeirista desvinculado de qualquer grupo, sendo importante o clima proporcionado, a energia que lhe garante a característica de espetáculo, de festa, do riso, da descontração, da livre expressão, em que qualquer pessoa pode participar, sem necessitar se identificar, com o uso de qualquer vestimenta, inclusive sendo este um dos aspectos mais característicos da roda de rua. É uma tradição que nasce da possibilidade do desequilíbrio, da esquiva, presentes na condição de permanente tentativa de corpos escravizados em se libertar; utiliza os artifícios da dança, da musicalidade transcendente, expressa nas palmas e nos cantos; artimanha do espírito que, usando a liberdade que lhe é peculiar e desconstruindo os limites do corpo controlado, vigiado e constantemente punido (FOUCAULT, 2002), faz da esquiva uma farsa, uma enganação, um fingimento que, se desfazendo no gingado peculiar da arte, constrói um sempre renovado ataque. No espaço das rodas de rua, os elementos simbólicos da capoeira estão presentes e circulam livremente em todos os aspectos que envolvem este tipo de evento, causando uma múltipla gama de reações nas pessoas que assistem à roda: em alguns casos estranheza; em outros perplexidade; em outros, ainda, fascínio. Uma leitura bastante interessante e significativa da capoeira enquanto arte do espetáculo, festa da esquiva, é feita por Vasconcelos, quando afirma que a capoeira se constitui em,

4 Arte da esquiva. Possibilidade de ataque desfeito e refeito pela circularidade de novo movimento que encontra o tempo correto para ser encaixado no ventre do adversário. [...] Ataca, demonstra sua habilidade e resolve não acertar. Sabe que pode bater e não faz porque não quer. A simulação e teatralização da luta é parte de uma dança. [...] Um jogo que dança na malícia da roda. É o entusiasmo e o êxtase do Deus do teatro que no contexto da capoeiragem é capaz de dançar. É Dionísio quem comanda a roda e o cenário de uma embriaguez vigilante e atenta aos mínimos movimentos e intenções do outro. (VASCONCELOS, 2006, p. 120). O cenário de festa e de alegria na capoeira é explicitado, ainda, de forma mais efetiva por Vasconcelos, que segue comentando: O cenário marcado pela alegria de uma embriagante paixão. Imiscuída na preparação de articulações poéticas que entoam o canto da tradição afrodescendente. [...] É provável que essa mnemônica poética explique a arte de criar movimentos bailados no cenário da brincadeira e deslocados pela eficiência da potência [...]. (VASCONCELOS, 2006, p. 121). As formas encontradas pelos capoeiristas para enfrentar suas agruras, superar suas dificuldades e extrema situação de discriminação e perseguição, foi a festa, espaço apropriado para a dança, a comemoração, a inventabilidade, a celebração e a manifestação ritualística, forma criativa e poética de se posicionar eticamente diante dos desafios impostos a sua condição existencial historicamente instituída no Brasil. Assim sendo, o capoeirista cria sua festa mais significativa e mais representativa da rica simbologia da capoeira: o Batizado de capoeira. Festa, ritual e jogo de identidade: o batizado de capoeira enquanto espaço de vivência cultural O significado da festa em nosso imaginário pode ser apreendido de forma condizente pela leitura de DaMatta. Vejamos como ele se expressa: Todas as sociedades alternam suas vidas entre rotinas e ritos, trabalho e festa, corpo e alma, coisas dos homens e assuntos dos deuses, períodos ordinários onde a vida transcorre sem problemas e as festas, os rituais, as comemorações, os milagres e as ocasiões extraordinárias, onde tudo pode ser iluminado e visto por novo prisma, posição, perspectiva, ângulo... (DAMATTA, 2000, p. 67). No sentido abordado por DaMatta (2000), as festas se situam em nosso imaginário, enquanto um momento de ocorrência fora do comum, sendo que, quando

5 nos envolvemos ou participamos de uma festa, estamos passando das experiências e vivências no rotineiro, de nossa vida cotidiana, para momentos de ocasiões extraordinárias. As festas estão na base de nossa possibilidade de desconstruir os tempos e espaços usuais, recriando novos tempos e novos espaços, refletindo de forma efetiva nas relações sociais, visto que, na festa, os papéis sociais podem ser investidos, pois quem desempenha uma função ou ocupa uma posição social considerada inferior, pode desempenhar a função de um rei ou de uma rainha, ser detentor do título de mestre, ser considerado um excelente cantador, realizar as mais extraordinárias piruetas e receber elogios e reconhecimento, assim como tantos outros exemplos. Entendo que se trata de uma passagem que realizamos constantemente entre o rotineiro, nossas atribuições e atribulações diárias, que tendem a ser enfadonhas, repetitivas e burocratizadas, e o extraordinário, a alternância entre duas racionalidades distintas, uma técnica e racional e outra imaginária e criativa. Nessa segunda racionalidade, a criativa, se situam as expressões das manifestações festivas, que utilizamos para equilibrar nosso modo de vida, promovendo uma alternância entre o que vivenciamos enquanto habitual e o que experienciamos como fruto de nossa criação e invenção, e da qual temos plena consciência, conforme evidencia DaMatta Na nossa sociedade, temos grande consciência dessa alternância, de tal modo que a vida, para a maioria de nós, se define sempre pela oscilação entre rotinas e festas, trabalho e feriado, despreocupações e chateações, dias felizes e momentos dolorosos, vida e morte, os dias de dureza e trabalho duro do mundo real e os dias de alegria e fantasia desse outro lado da vida constituído pela festa [...]. Realmente, na festa, comemos, rimos e vivemos o mito ou utopia da ausência de hierarquia, poder, dinheiro e esforço físico [...] na construção da festa, a música que congrega e iguala no seu ritmo e na sua melodia é algo absolutamente fundamental no caso brasileiro. (DAMATTA, 200, p. 69). Todas as culturas se utilizam de uma variedade e riqueza de modos para organizar suas festas, formando uma memória social que serve de fundamento para a criação e recriação de suas tradições e identidades, sendo necessário um mergulho aprofundado na constituição interna de cada cultura para que se desenvolva uma compreensão de como são definidos e estabelecidos os tempos, espaços e duração de suas festas. Vejamos o caso da capoeira que se apropria dos elementos, características e possibilidades do jogo para estabelecer seus fundamentos e desenvolver suas festas.

6 Assim como em algumas culturas negras, para se entender a capoeira, para se compreender os significados de seus movimentos, o diálogo corporal e gestual presente no jogo, faz-se necessário que se desprenda da lógica do pensamento ocidental que orienta nossa forma de se relacionar com e na sociedade atual. Na capoeira não podemos apreender os significados de forma direta e pragmática, faz-se necessário ver além do material, do visual, além do que nossa visão pode enxergar e tentar ver com os olhos do espírito, do não material. Alguns dos elementos da cultura africana, trazidos pelos vários povos escravizados, podem ser identificados claramente no jogo da capoeira, notadamente na roda de capoeira e, mais especificamente, na festa do batizado de capoeira. O universo, na concepção do africano, é composto por tudo o que se manifesta ou oculta, não podendo ser compreendido enquanto simples relação entre o visível e o invisível, o subjetivo e o objetivo, visto que a realidade encontra-se para além das aparências, numa visão unificada que tende a harmonizar o mundo natural e o mundo social, num todo que envolve a tudo e a todos, interligando todas as coisas (OLIVEIRA, 2003). Esta concepção está presente na tradição da capoeira e se evidencia na postura de seus praticantes, na decifração e atendimento de seus códigos, quando tentam explicar em que se constitui o jogo e não encontram elementos para significar essa prática. Pois a capoeira, a partir da compreensão africana de universo, envolve uma dinâmica de totalidade, de todo, de completude, ou seja, quem não entende a compreende, tende a querer explicá-la por meio de alguma de suas características isoladas, daí as várias denominações reducionistas atribuídas à capoeira, quando se pretende dar conta de sua complexidade por conceituações simplistas, tais como dança, luta, brincadeira, dentre outras. Ao contrário capoeira vai além de cada conceito atribuído isoladamente; capoeira é um todo, organizado por meio de uma complexa dinâmica que, pela afirmação e negação, se deixa apreender em cada conceito e, por meio de alguma farsa, nega, se rebela, recria, retoma, inventa formas de ser, sem nunca ser; como diriam os mestres antigos capoeira é capoeira. Assim sendo, no universo da capoeira foi desenvolvida uma forma de festividade singular, com elementos constituintes que lhe garantem sentido e significado, tornando-se uma tradição de significativa riqueza e representatividade cultural, além de contribuir para a preservação de traços culturais de nossos antepassados. Trata-se do Batizado de capoeira, festa elaborada como uma espécie de ritual de iniciação e de passagem, pois realiza a iniciação dos novos capoeiristas e promove a ascensão hierárquica dos componentes iniciados; possui caráter interativo, visto que reúne

7 capoeiristas, familiares, pessoas da comunidade próxima e distante, curiosos, elementos dos diversos grupos de capoeira, convidados, dentre muitos outros; envolve numa mesma celebração, na mesma festa, manifestações diversas, tais como jogo, danças 5, ritmos, músicas. O Batizado de capoeira se constitui em uma festa de manifestação cultural da arte capoeira, de tradição popular e forte conotação identitária social e cultural brasileira, assim como da preservação do sentimento cultural afrodescendente. Posso afirmar, a partir de minhas vivências experienciais no universo da capoeira, ancorado nas ideias de Almeida (1994), que o Batizado teve suas primeiras manifestações na academia de Mestre Bimba 6 em Salvador-BA, que colocava os iniciantes para jogar pela primeira vez numa roda com um aluno formado (como denominava os iniciados), acompanhado do berimbau que executava o seu famoso toque de São Bento Grande. Ao aluno formado cabia somente acompanhar o calouro, deixando-o livre para aplicar os golpes aprendidos e executar corretamente as esquivas, bases de seu método. Findo o jogo, Mestre Bimba colocava o iniciante (chamado de calouro) no centro da roda e pedia que um formado lhe desse um apelido (nome de guerra) ou ele mesmo escolhia esse apelido, atentando às características físicas ou da maneira de se expressar no jogo. Depois desse ritual de escolha do novo nome, todos batiam palmas e o aluno era considerado batizado, iniciando a festa, seguindo bem as tradições africanas, com muito samba de roda e manifestação de suas baianas. Dessa forma, o batizado de capoeira pode ser entendido como uma festa com características tradicionais de um ritual cultural que representa o momento em que os novos capoeiristas receberão a sua primeira graduação pelo mestre de capoeira, se inserindo oficialmente como elemento componente do grupo. Numa representação bem próxima da Cosmovisão Africana (OLIVEIRA, 2003), a festa do batizado de capoeira é impregnada de elementos de mudança (iniciantes deixam de serem pagãos; iniciados são promovidos). Sabendo que Na cosmovisão africana a mudança é para a inclusão e não para a exclusão. (OLIVEIRA, 2003, p. 109), pautada na pluralidade e não na unidade e que estes elementos estão presentes 5 É comum nos Batizados de capoeira a organização de manifestações, folguedos, danças, lutas, exibições artísticas bastante singulares, das quais podemos destacar o Maculelê, o Samba de roda, a Puxada de rede, o Xaxado, o congo, o Jongo, o Côco etc. Dependendo da região em que se realiza são identificadas ainda outras manifestações, como por exemplo, o Carimbó (Pará), a Catira (Goiás), Bateria de Escolas de Samba (Rio de Janeiro), o Maracatu e o Frevo (Pernambuco), dentre outros. 6 Manuel dos Reis Machado, um dos mais conhecidos mestres de capoeira do Brasil, tendo pensado e elaborado um método pedagógico de ensino e prática da capoeira, que ficou conhecido como Capoeira Regional. É considerado por seus discípulos como o pai da capoeira moderna.

8 na dinâmica da festa do batizado, situados em sua razão de ser. Podemos perceber facilmente, nessa festa, a capacidade de reunir para celebrar a vida dos velhos mestres perpetuados na memória coletiva da capoeira, o movimento, as artes e artimanhas do corpo e suas esquivas criadoras e continuadoras, comemorar passagens e festejar em comunidade, o que permite e dá condição da manifestação e expressão das pluralidades, assim como da mudança enquanto inclusão. Outro aspecto relevante na festa do batizado é o apelido que os capoeiristas recebem, numa forma de revisitar a memória da capoeira, reinterpretando uma prática comum quando a capoeira era perseguida e proibida de ser manifestada, nos idos de 1840, devendo o praticante dos exercícios de capoeiragem ser detido, preso e até deportado do Brasil. Numa ação criativa para burlar essa prática, pois o capoeirista preso era fichado nas delegacias de polícia e tinha seu nome destacado para possíveis casos de reincidência, foi desenvolvida a prática do emprego dos apelidos, prática essa que virou tradição e ficou registrada na memória coletiva dessa cultura. Assim os capoeiristas tinham sua identidade resguardada, desaparecendo as identidades comuns e surgindo os lendários capoeiristas: Besouro, Bimba, Manduca da Praia, Querido de Deus, Maria Doze Homens etc. O Batizado de capoeira reinventa essa tradição, mantendo o costume de se atribuir apelidos para os novos capoeiristas, numa festa em que são apresentados à comunidade da capoeira do entorno social envolvido, próximo ou distante. O ritual é realizado com o capoeirista sendo chamado individualmente, apresentado à comunidade, para jogar com outros capoeiristas, um professor ou mestre convidado e, assim, desfrutar da oportunidade de conhecer novos professores, mestres e capoeiristas de outros grupos, de outros locais e tempos diferentes do seu. No dia da festa os iniciantes, quando anunciados, deverão entrar no espaço da festa percorrendo a roda, fazer uma reverência ao berimbau, que estará localizado numa posição central à roda, com os ritmistas à frente, agachando-se e continuando a percorrer a extensão da roda, até que todos tenham feito o mesmo ritual. Nesse momento deverão sentar à roda, formando o círculo, sendo convidados por um mestre ou professor convidado para jogar a capoeira, findo o qual estará batizado na capoeira. Em alguns espaços é comum a presença da madrinha, que, antes do início do jogo de batismo do aluno iniciante, é convidada por ele a entrar na roda, amarrar a corda de iniciante em sua cintura e lhe entregar um buquê de flores. Este ritual perdeu sentido e força na atualidade, devido ao número grande de capoeiristas que são

9 iniciados, o que demandava muito tempo para a realização da festa e acabava cansando as pessoas que vieram participar e prestigiar o batizado. A música é outro importante fundamento do batizado de capoeira, tendo a função de transcender o espírito dos capoeiristas, estimulando-os a jogar com sentimento, provocar sensações, despertar a criatividade e transmitir mensagens, notadamente aos novos capoeiristas. A roda de capoeira desempenha papel essencial na festa do batizado, visto ser o espaço e tempo de manifestação do capoeirista, onde se confirma sua natureza, sua identidade em harmonia com o seu Mestre e os demais convidados, marcando sua inserção no universo das rodas de capoeira. A festa do batizado se constitui, também, no momento de mudança de graduação do capoeirista iniciado, ou veterano, de formatura de novos professores e mestres, da entrega de corda para os que demonstraram compromisso na prática e aprimoramento de suas habilidades. Os capoeiristas iniciados recebem sua graduação de acordo com o seu desenvolvimento integral na prática na capoeira, que são avaliados de maneira bastante subjetiva por cada mestre ou professor, mas que contém aspectos que são comuns a todos e essenciais no mundo da capoeira, dentre os quais podemos destacar: os conhecimentos que demonstra ter adquirido por meio dos saberes que, transmitidos pelos mestres, foi capaz de se apropriar e os tornar real em sua prática, dentro e fora da capoeira; a evolução nos movimentos demonstrada por sua capacidade de leitura, de criação e de reinvenção desses movimentos; a forma peculiar, própria e associada a sua capacidade de dialogar com o seu corpo em interação com os demais corpos no jogo da capoeira; sua percepção musical, notadamente na forma com que identifica e descobre a malícia e a maldade escondidas nas letras das cantigas; sua capacidade criativa e poética na composição das músicas e na capacidade de contar as histórias da capoeira para os novos alunos e outras pessoas, contribuindo na manutenção e na perpetuação da memória coletiva da capoeira e dos saberes dos mestres; o conhecimento e a prática no uso dos instrumentos da capoeira, em especial o berimbau, do qual deve saber armar e executar os toques fundamentais da capoeira, sabendo os ensinar; dentre muitos outros que a extensão e os propósitos deste artigo não me permite aprofundar. São realizadas diversas manifestações artístico-culturais, com a execução de danças, jogos, teatro, músicas, poesias, enfim, o encontro de uma riqueza de culturas com a capoeira, expressando e fortalecendo o espírito plural e inclusivo dessa festa da cultura brasileira afrodescendente, forma apropriada de demonstrar todos os valores

10 que traz a capoeira dentro de seu conjunto, suas peculiaridades, seus princípios e fundamentos, forma apropriada de expressão da tradição e rituais da cultura negra no Brasil. Considerações finais O Batizado na capoeira é uma festa de integração, celebração, comemoração e afirmação, criada e transformada em tradição para marcar a entrada de novos capoeiristas no mundo da capoeira, momento em que recebe um apelido que lhe conferirá sua identidade neste universo cultural, festa que se presta, ainda, em apresentar para a comunidade os novos alunos formados, professores e mestres da arte capoeira. Atualmente se constitui em lugar de festa e preservação das tradições de nossa cultura, festa das festas mais significativas da cultura negra no Brasil, visto ser realizado em vários recantos, lugares, espaços e tempos, além de envolver pessoas das mais variadas culturas no Brasil e pelo mundo afora. Após as reflexões propostas neste artigo, sabido de sua brevidade, espero contribuir para a abertura de novos espaços para se discutir e conhecer um pouco mais sobre a capoeira, seus aspectos fundamentais, suas festas e suas possibilidades, enquanto cultura que, diante de toda espécie de perseguição e discriminação, soube resistir e continuar viva, conseguindo se afirmar enquanto fenômeno sócio-cultural brasileiro, de acentuada ascendência africana e espaço vivo e dinâmico de preservação da memória dos saberes dos mestres, enquanto patrimônio imaterial brasileiro e, acima de tudo, pedagogia da esquiva e da malandragem. Concluo reiterando que a Capoeira, em nosso entendimento, envolve em sua prática elementos de arte, dança, luta, música, canto, poesia, história, dentre outros aspectos, numa mistura de expressões que formam uma espécie de jogo, de disputa marcada pela malícia, pela ludicidade e agilidade plástica, um bailado fortemente marcado pela expressão caracteristicamente cultural e identitária negra, expressão essa representada e significativamente presente nos cenários sócio-urbanos brasileiros, marcada pela presença de elementos simbólicos que circulam livremente, uma arte do espetáculo, do riso, da descontração e da livre expressão; forma encontrada pelos negros para enfrentar suas agruras, superar suas dificuldades e extrema situação de discriminação e perseguição, transformada em festa, em espaço apropriado para a dança, a comemoração, a inventabilidade, a celebração e a manifestação ritualística, criativa e poética.

11 Referências Bibliográficas ALMEIDA, Raimundo César Alves. A Saga do Mestre Bimba. Salvador: Ginga Associação de Capoeira, CASCUDO, Luís da Câmara. História dos nossos gestos. São Paulo: Edições Loyola, São Paulo, Global, DAMATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil? 11. ed. Rio de Janeiro: Rocco, FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 26. ed. São Paulo: Vozes, GOLDENBERG, Mirian. De perto ninguém é normal: estudos sobre corpo, sexualidade e, gênero e desvio na cultura brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, OLIVEIRA, Eduardo. A Cosmovisão africana no Brasil: elementos para uma filosofia afro-descendente. Fortaleza-CE: J.C.R, SILVA, Robson Carlos da. Capoeira: o preconceito ainda existe? Teresina-PI: Armazém Digital, Roda de rua: notas etnográficas a respeito do jogo da capoeira como fenômeno sociocultural urbano. IN: BONFIM, Maria do Carmo Alves (org.). Educação e diversidade cultural. Fortaleza, Edições UFC, p (Coleção Diálogos Intempestivo, v. 87). SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, SOARES, Carlos Eugênio Líbano. A Capoeira Escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro ( ). 2 ed. Campinas-SP: Editora da UNICAMP, VASCONCELOS, José Gerardo. A Dança do bêbado: embriaguez e teatralidade na arte da capoeiragem. In: VASCONCELOS, José Gerardo; SALES, José Albio Moreira. (orgs.). Pensando com arte. Fortaleza: Edições UFC, p VIEIRA, Luiz Renato. O Jogo da capoeira: corpo e cultura popular no Brasil. Rio de Janeiro: Sprint, 1995.

PLANEJAMENTO ATELIER CULTURAL FULL DAY COLÉGIO FARROUPILHA 2015

PLANEJAMENTO ATELIER CULTURAL FULL DAY COLÉGIO FARROUPILHA 2015 PLANEJAMENTO ATELIER CULTURAL FULL DAY COLÉGIO FARROUPILHA 2015 A Lezanfan apresenta a programação de atividades de Capoeira, Yoga e Artes para o Full Day 2015 Capoeira Professor Maicon Vieira Técnico

Leia mais

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

LUTAS, CAPOEIRA E PRÁTICAS CORPORAIS DE AVENTURA

LUTAS, CAPOEIRA E PRÁTICAS CORPORAIS DE AVENTURA LUTAS, CAPOEIRA E PRÁTICAS CORPORAIS DE AVENTURA LUTAS CONCEITO... Práticas corporais com importância histórica e social. Objetivo: oposição entre indivíduos. Foco: corpo da outra pessoa, a partir de ações

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS. PROJETO CAPOEIRA Das senzalas à universidade

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS. PROJETO CAPOEIRA Das senzalas à universidade FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS PROJETO CAPOEIRA Das senzalas à universidade DIVINÓPOLIS, MARÇO 2013 PROGRAMA DE APOIO À EXTENSÃO - PAEx Projeto Capoeira:

Leia mais

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da

A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da CAPOEIRA A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que iria encontrar suas raízes nos métodos de guerra e danças dos povos africanos no tempo da escravatura no Brasil. No século XVI, Portugal tinha

Leia mais

A FESTA TRADICIONAL CARNAVALESCA: UMA LIÇÃO DE ARTE

A FESTA TRADICIONAL CARNAVALESCA: UMA LIÇÃO DE ARTE A FESTA TRADICIONAL CARNAVALESCA: UMA LIÇÃO DE ARTE RESUMO Edite Colares Oliveira Marques Professora - UECE E-mail: editecolares@yahoo.com.br O presente minicurso consiste em articular a História e a Cultura

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Da musicalidade à malícia corporal: um projeto de extensão de Capoeira Angola

Da musicalidade à malícia corporal: um projeto de extensão de Capoeira Angola Da musicalidade à malícia corporal: um projeto de extensão de Capoeira Angola Eduardo Luis Mathias Medeiros (Unemat) Fabrício José Celso de Camargo (UFMT) Éverton Luis Mathias Medeiros (UFMT) Resumo -

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Introdução. Robson Carlos da Silva 1 Orientador/UESPI Eliane Alves Reinaldo 2

Introdução. Robson Carlos da Silva 1 Orientador/UESPI Eliane Alves Reinaldo 2 AS PRÁTICAS CULTURAIS NÃO FORMAIS NO CENTRO SOCIAL MARISTA EM TERESINA-PI: UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO DA CAPOEIRA NUMA PERSPECTIVA INTERCULTURAL. Robson Carlos da Silva 1 Orientador/UESPI

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

Disponível em : http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=4683

Disponível em : http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=4683 Filme: Maré capoeira Gênero Ficção Diretor Paola Barreto Elenco Felipe Satos, Isabela Faberezza, Mestre Chamine Ano 2005 Duração 14 min Cor Colorido Bitola vídeo País Brasil Disponível em : http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=4683

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CAPOEIRA COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA CAPOEIRA COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA CAPOEIRA COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR BARROS, Lucas Costa Discente do curso de Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva SANTOS, Mariol Siqueira

Leia mais

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador.

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador. I ENCONTRO, CAPOEIRA e PATRIMÔNIO IMATERIAL no BRASIL: perspectivas para a implementação de políticas públicas de salvaguarda da Capoeira. Local: UFF Niterói RJ Data: 3 de setembro de 2006 às 16:00 h Tema:

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI

Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI Manifestações da cultura no corpo através do eixo Inventário no Corpo do BPI Ana Carolina Lopes Melchert Unicamp Mestre Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Artes do IA-Unicamp Docente do Curso de

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Patrícia Cristina de Aragão Araújo 1 Thaís de Oliveira e Silva 2 A escola existe

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 Naiara de Souza Araújo 2 Raquel Leandro Portal 3 Resumo O Brasil é um país com uma ampla diversidade cultural que necessita ser valorizada e por

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

Maria de Lurdes Barros da Paixão 1 Universidade Estadual de Santa Cruz UESC-BA

Maria de Lurdes Barros da Paixão 1 Universidade Estadual de Santa Cruz UESC-BA O En(tre) lugar da Dança Contemporânea na Bahia e no Recife: A pesquisa sobre as reelaborações estéticas coreográficas do Balé Folclórico da Bahia e do Grupo Grial de Dança. Maria de Lurdes Barros da Paixão

Leia mais

COMPREENSÃO DA SUBJETIVIDADE QUE ENVOLVE A ESCOLHA ENTRE CAPOEIRA ANGOLA E REGIONAL

COMPREENSÃO DA SUBJETIVIDADE QUE ENVOLVE A ESCOLHA ENTRE CAPOEIRA ANGOLA E REGIONAL COMPREENSÃO DA SUBJETIVIDADE QUE ENVOLVE A ESCOLHA ENTRE CAPOEIRA ANGOLA E REGIONAL Luiz Augusto Normanha Lima 1 ; André Magaldi Suguihura 2, 1 D.E.F./I.B./UNESP; 2 Aluno formado/d.e.f./i.b./unesp RESUMO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (*) Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil O Presidente

Leia mais

13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão

13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão 13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão Festa popular, que acontece de 12 a 29 de maio de 2012 no Espaço Cachuera!, apresenta tradição

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

O QUE HÁ DE ÁFRICA EM NÓS

O QUE HÁ DE ÁFRICA EM NÓS O QUE HÁ DE ÁFRICA EM NÓS Wlamyra Albuquerque e Walter Fraga SUPLEMENTO DE ATIVIDADES ELABORAÇÃO: Maria Clara Wasserman Mestre em História, especialista em História da Arte e pesquisadora. OS AUTORES Walter

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

MARACATU MIRIM: A DESCOBERTA DA CULTURA BRASILEIRA PELAS SENSAÇÕES DA DANÇA.

MARACATU MIRIM: A DESCOBERTA DA CULTURA BRASILEIRA PELAS SENSAÇÕES DA DANÇA. MARACATU MIRIM: A DESCOBERTA DA CULTURA BRASILEIRA PELAS SENSAÇÕES DA DANÇA. Vanessa Guimarães dos Santos. Escola e Faculdade de Dança Angel Vianna (FAV). vanessa_gs2004@yahoo.com.br Danças populares Maracatu

Leia mais

JOGOS RITMICOS E DEFICIENCIA: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO

JOGOS RITMICOS E DEFICIENCIA: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO JOGOS RITMICOS E DEFICIENCIA: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO Amanda Rezende Pereira 1 Michele Gley de Freitas Monteiro² Maria do Carmo Morales Pinheiro³ Resumo: Este trabalho refere-se a uma experiência de

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA

ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA Código: 03 Matriz Curricular: DANÇA - Laranjeiras - Presencial - Noturno - Licenciatura Plena Período Letivo de Entrada em Vigor 2012-1 Carga Horária: Total

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

Curso de Educação Física Ensino da Capoeira

Curso de Educação Física Ensino da Capoeira Curso de Educação Física Ensino da Capoeira ??? CAPOEIRA??? Pra começar: um pouco de História... Código Penal da República dos Estados Unidos do Brasil, Decreto n o 487 de outubro de 1890, Capítulo XIII:

Leia mais

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

Estado do Ceará PREFEITURA MUNICIPAL DE CEDRO PROVA PARA INSTRUTOR DE CAPOEIRA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS.

Estado do Ceará PREFEITURA MUNICIPAL DE CEDRO PROVA PARA INSTRUTOR DE CAPOEIRA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. PROVA PARA INSTRUTOR DE CAPOEIRA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 01- Os escravos utilizavam dos ritmos e dos movimentos de suas danças africanas, adaptando a um tipo de luta. Como forma de resistência e de

Leia mais

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014 Semana de Treinamento Carnaval 2014 Projeto de Formação Continuada Uma enorme rodinha Juntando Pedacinhos Neste momento essa junção de cacos que são muitas de nossas experiências dos anos anteriores, nossas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 50, DE 2007

PROJETO DE LEI Nº 50, DE 2007 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 50, DE 2007 (Apensos o PL 2.858/08 e o PL 5.222/09) Regulamenta as atividades dos profissionais de artes marciais, capoeira, dança, surf, bodyboard, skate,

Leia mais

Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico Atlântico de Escravos e da História dos Africanos Escravizados no Brasil 7. Patrimônio Imaterial

Inventário dos Lugares de Memória do Tráfico Atlântico de Escravos e da História dos Africanos Escravizados no Brasil 7. Patrimônio Imaterial 7. Patrimônio Imaterial A presença dos africanos no Brasil contemporâneo pode ser identificada na vivência de um patrimônio cultural, expresso em memórias, músicas, versos, cantos, danças e perfomances,

Leia mais

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA Cultura afro-brasileira é o resultado do desenvolvimento da cultura africana no Brasil, incluindo as influências recebidas das culturas portuguesa e indígena que se manifestam

Leia mais

PARTE DIVERSIFICADA 2º TRIMESTRE TEMA- CUIDAR DA CASA COMUM LEMA: A FESTA JUNINA RESGATANDO A IDENTIDADE COMUM ATRAVÉS DE DANÇAS TÍPICAS

PARTE DIVERSIFICADA 2º TRIMESTRE TEMA- CUIDAR DA CASA COMUM LEMA: A FESTA JUNINA RESGATANDO A IDENTIDADE COMUM ATRAVÉS DE DANÇAS TÍPICAS PARTE DIVERSIFICADA 2º TRIMESTRE TEMA- CUIDAR DA CASA COMUM LEMA: A FESTA JUNINA RESGATANDO A IDENTIDADE COMUM ATRAVÉS DE DANÇAS TÍPICAS Educadores: Ano/turma: 6º ao 9º anos Vespertino / Matutino Disciplina:

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM E AVALIAÇÃO NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO DOCENTE. Zilma de Moraes Ramos de Oliveira

BASE NACIONAL COMUM E AVALIAÇÃO NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO DOCENTE. Zilma de Moraes Ramos de Oliveira BASE NACIONAL COMUM E AVALIAÇÃO NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO DOCENTE Zilma de Moraes Ramos de Oliveira HISTÓRICO Constituição brasileira LDB Plano Nacional de Educação CONSTITUIÇÃO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DOS CANDOMBLÉS PARA A EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ETNICORRACIAIS

CONTRIBUIÇÕES DOS CANDOMBLÉS PARA A EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ETNICORRACIAIS CONTRIBUIÇÕES DOS CANDOMBLÉS PARA A EDUCAÇÃO PARA AS RELAÇÕES ETNICORRACIAIS Lúcio André Andrade da Conceição (IFBA) 1 O Candomblé é um tipo de manifestação religiosa criada pelos negros em nosso país.

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Autora: Juliete Soares de Albuquerque Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Co-autora: Geruslandia Almeida

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES INTRODUÇÃO «Será a emergência do sentido e conteúdo curricular

Leia mais

PLURALIDADE CULTURAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A CONTRIBUIÇÃO DE DIFERENTES POVOS

PLURALIDADE CULTURAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A CONTRIBUIÇÃO DE DIFERENTES POVOS PLURALIDADE CULTURAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A CONTRIBUIÇÃO DE DIFERENTES POVOS BENTO *, Clovis Claudino NEFEF/UFSCar SPQMH bentocc@bol.com.br GONÇALVES JUNIOR **, Luiz PPGE NEFEF/DEFMH/UFSCar

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO

INFORMATIVO 2015 GRUPO INFORMATIVO 2015 GRUPO 5 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

A ressignificação do Fato Folclórico

A ressignificação do Fato Folclórico A ressignificação do Fato Folclórico El resignificación del hecho folklorico Professor Assistente Substituto de Capoeira do Departamento de Lutas da EEFD da UFRJ (Brasil) MSc. Ricardo Martins Porto Lussac

Leia mais

PRÁTICAS LETRADAS NO AMBIENTE DAS BIBLIOTECAS: Um estudo no IF Sertão Pernambucano. Tatiane Lemos Alves 1

PRÁTICAS LETRADAS NO AMBIENTE DAS BIBLIOTECAS: Um estudo no IF Sertão Pernambucano. Tatiane Lemos Alves 1 PRÁTICAS LETRADAS NO AMBIENTE DAS BIBLIOTECAS: Um estudo no IF Sertão Pernambucano Tatiane Lemos Alves 1 RESUMO A leitura, inicialmente, veio atrelada à questão do incentivo e desenvolvimento do hábito

Leia mais

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim 1 Reflexão A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação Aluna: Ana Isabel Araújo Olim As escolas, ao longo do ano letivo, trabalham várias temáticas sociais. O infantário Donamina, para

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini

Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini A favor da comunidade, que espera o bloco passar Ninguém fica na solidão Embarca com suas dores

Leia mais

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia:

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia: A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS NOSSO CURRÍCULO Adotamos uma pedagogia: - que faz da escola uma instância efetiva de assimilação crítica, sistemática e integradora do saber e da cultura geral; - que trata os

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

CONTEÚDO ANUAL 2016 OBJETIVOS GERAIS:

CONTEÚDO ANUAL 2016 OBJETIVOS GERAIS: CONTEÚDO ANUAL 2016 SEGMENTO: Ensino Fundamental I SÉRIE: 1º ano OBJETIVOS GERAIS: Criar condições para o desenvolvimento integral das crianças, considerando as possibilidades de aprendizagem que apresentam,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

2.3. Informe histórico da Igreja Nossa Senhora do Rosário

2.3. Informe histórico da Igreja Nossa Senhora do Rosário história 31 2.3. Informe histórico da Igreja Nossa Senhora do Rosário Foi no largo do comércio onde se tem notícias da primeira possível construção da Igreja do Rosário, iniciada em 1876 e concluída em

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA Aptidão Dança 1. INTRODUÇÃO O Curso de Graduação em Dança da Unicamp tem como objetivo formar o intérprete e criador em Dança, profissional capaz de contribuir como agente transformador da realidade, responsável

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS 1 NOTA INTRODUTÓRIA Programa Música - AEC (1º e 2º Ano - 1º CEB) (Adaptação do Programa do 1º Ciclo Plano da Meloteca) No âmbito da Expressão e Educação Musical, ao abrigo do Despacho n.º 9265-B/2013,

Leia mais

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS Aline Cavalcante e Silva (Bolsista PIBIC/CNPq/UFPB) aline.mbz@hotmail.com Orientador: Dr. Elio Chaves Flores (PPGH/UFPB) elioflores@terra.com.br

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

Recorde: Revista de História de Esporte volume 1, número 2, dezembro de 2008

Recorde: Revista de História de Esporte volume 1, número 2, dezembro de 2008 CAPOEIRA THE HISTORY OF AN AFRO-BRAZILIAN MARTIAL ART RESENHA Prof. Vivian Luiz Fonseca Fundação Getúlio Vargas - PPHPBC CPDOC/FGV Rio de Janeiro, Brasil vivianluizfonseca@gmail.com Recebido em 9 de setembro

Leia mais

CONCREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: SARAU DE POESIA

CONCREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: SARAU DE POESIA CONCREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: SARAU DE POESIA SANTARÉM-PARÁ 2010 I- IDENTIFICAÇÃO: COLÉGIO SANTA CLARA DIRETORA: Irmã Gizele Maria Pereira Marinho

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

RAPHAEL SANTA CRUZ O mágico-

RAPHAEL SANTA CRUZ O mágico- RAPHASANTACRUZ RAPHAEL SANTA CRUZ O mágico- Natural de Caruaru, Pernambuco, Raphael Santa Cruz, atua profissionalmente há dez anos. Em 2008, organizou no SESC Caruaru, o MAGIFEST, evento com palestras,

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

8º Ano 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juva

8º Ano 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juva 8º Ano 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juva Manifestações de Arte Popular No Brasil a arte popular é aquela produzida por alguém que não possui uma instrução acadêmica em arte, mas produz obras que contém

Leia mais

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Vagner Ferreira Reis 1 ; Jacqueline da Silva Nunes Pereira 2 RESUMO:

Leia mais

Coordenadoria de Educação. I CADERNO DE APOIO PEDAGÓGICO 2010 Música Professor (a) África do Sul 1º. ao 3º. ano

Coordenadoria de Educação. I CADERNO DE APOIO PEDAGÓGICO 2010 Música Professor (a) África do Sul 1º. ao 3º. ano I CADERNO DE APOIO PEDAGÓGICO 2010 Música Professor (a) África do Sul 1º. ao 3º. ano Eduardo Paes Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro Profª Claudia Costin Secretária Municipal de Educação Profª Regina

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

A Imaginação Sociológica em Sala de Aula

A Imaginação Sociológica em Sala de Aula A Imaginação Sociológica em Sala de Aula Natália Braga de Oliveira* Incentivar os estudantes a olhar a vida cotidiana a partir dos pressupostos da Sociologia, os desperta para a reflexão e elucidação do

Leia mais

A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA

A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA Maria do Socorro da Cunha Pontifícia Universidade Católica do Paraná Resumo: A presente texto tem, como objetivo, tecer considerações

Leia mais

FORMAÇÃO HUMANESCENTE DE CANTORES-EDUCADORES: CENAS DE CONVIVENCIALIDADE ESTÉTICA

FORMAÇÃO HUMANESCENTE DE CANTORES-EDUCADORES: CENAS DE CONVIVENCIALIDADE ESTÉTICA 1 FORMAÇÃO HUMANESCENTE DE CANTORES-EDUCADORES: CENAS DE CONVIVENCIALIDADE ESTÉTICA Artemisa Andrade e Santos BACOR/PPGEd/UFRN Este estudo trata da formação humanescente de cantores-educadores articulado

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

2. O fato folclórico

2. O fato folclórico (...) O folclore, apesar de não percebermos, acompanha a nossa existência e tem grande influência na nossa maneira de pensar, sentir e agir. Quando crianças fomos embalados pelas cantigas de ninar e pelos

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro

CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro Cláudia Mendes de Abreu Furtado e Rodrigo Cunha Santos, Serviço Social do Comércio SESC PE, Professora

Leia mais

Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA

Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA Jane Lino Barbosa de Sousa janeufpa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais Valdecir_viana@yahoo.com.br RESUMO Este texto integra as reflexões

Leia mais

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa tem o objetivo de possibilitar ao leitor um conhecimento específico sobre a história da Ciência

Leia mais

ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura. Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa

ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura. Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa CANÇÃO Borres Guilouski Somos diversos E somos plurais Somos diferentes E somos iguais Respeito

Leia mais

REFERÊNCIAS SÓCIO- CULTURAIS DO INSTITUTO GINGAS DE CULTURA AFRO-BRASILEIRA

REFERÊNCIAS SÓCIO- CULTURAIS DO INSTITUTO GINGAS DE CULTURA AFRO-BRASILEIRA REFERÊNCIAS SÓCIO- CULTURAIS DO INSTITUTO GINGAS DE CULTURA AFRO-BRASILEIRA Nos caminhos percorridos pelo Instituto Gingas de Cultura afro-brasileira há que se destacar quais são as referências sócio-culturais

Leia mais