PPC-PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PPC-PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO"

Transcrição

1 PPC-PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Prof. Celso Pereira da Cunha Auriflama, julho de

2 1. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA CONTEXTO EDUCACIONAL Entidade Mantenedora Perfil Missão Entidade Mantida Contexto Educacional Dados Históricos e Socioeconômicos da Região Aspectos Históricos Indicadores Justificativa do Curso Breve Histórico da IES POLÍTICAS INSTITUCIONAIS NO ÂMBITO DO CURSO DO CURSO Curso de Bacharelado em Ciências Contábeis Missão do Curso Objetivos do Curso Campo de Atuação Profissional FORMAS DE INGRESSO PERFIL DO EGRESSO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Estrutura Curricular Flexibilidade Curricular Dos Componentes Curriculares Estrutura Curricular Ementas, Objetivos e Bibliografia CONTEÚDOS CURRICULARES Requisitos Legais Políticas de Educação Ambiental Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Ético-Raciais e para o Ensino de História e Cultura EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA Adequação e Atualização das Ementas e Programas das Disciplinas METODOLOGIA

3 ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Mecanismos de Acompanhamento do Estágio Supervisionado ATIVIDADES COMPLEMENTARES TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Objetivos do TCC Coordenação de TCC Orientação do TCC Deveres dos Alunos Concluintes APOIO AO DISCENTE Apoio Psicopedagógico Mecanismos de Nivelamento Atendimento Extraclasse Acompanhamento discente Bolsas de Estudos Programas Institucionais de Financiamento de Estudos Universitário Cidadão PROUNI Programa Universidade para Todos FIES - Financiamento Estudantil do Governo Federal AÇÕES DECORRENTES DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DO CURSO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS DE ENSINO APRENDIZAGEM CONTROLE ACADÊMICO INOVAÇÕES SIGNIFICATIVAS CORPO DOCENTE ATUAÇÃO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE - NDE Composição do Núcleo Docente Estruturante-NDE e do Colegiado do Curso ATUAÇÃO DO COORDENADOR EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL E NO MAGISTÉRIO DO COORDENADOR CORPO DOCENTE DO CURSO Caracterização Perfil esperado do Docente Atividades Docentes PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRA DOS DOCENTES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 59 3

4 2.7 - FUNCIONAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO INFRAESTRUTURA Bibliografia Básica Bibliografia complementar Periódicos especializados Política Institucional para atualização e expansão do acervo Espaço Físico Laboratórios didáticos especializados: quantidade Brinquedoteca Laboratórios didáticos especializados: qualidade Laboratórios didáticos especializados: serviços Política de Aquisição, Atualização e Manutenção dos Equipamentos Serviços Laboratório de Informática 64 ANEXO I - REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 65 ANEXO II - ATENDIMENTO AOS REQUISITOS LEGAIS E NORMATIVOS Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana ( Resolução CNE/CP nº 01 de 17 de junho de 2004) 3 - Titulação do corpo docente Núcleo Docente Estruturante (NDE) Denominação dos Cursos Superiores de Tecnologia Carga horária mínima, em horas para os Cursos Superiores de Tecnologia Carga horária mínima, em horas para Bacharelado e Licenciaturas Tempo de integralização Condições de acesso para pessoas com deficiência e/ou mobilidade reduzida Disciplina obrigatória/optativa de Libras (Dec. Nº 5.626/2005) Prevalência de avaliação presencial para EAD Informações acadêmicas (Portaria Normativa nº 40 de 12/12/ Políticas de educação ambiental ( Lei nº 9.795, de 27 de 1999 e Decreto nº de 25 de junho de ANEXO III - REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 72 ANEXO IV - REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 76 ANEXO V REGULAMENTO DO NUCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE NDE

5 1 - ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA CONTEXTO EDUCACIONAL Entidade Mantenedora Nome: Centro de Ensino e Cultura de Auriflama Ltda-EPP Categoria Administrativa: Pessoa Jurídica de Direito Privado Com fins lucrativos - Sociedade Civil Código da Mantenedora: 1381 CNPJ: / Endereço: Via de Acesso Artur Fornazari Neto, km 2,8 Limoeiro Auriflama/SP CEP Telefone: (17) Site: Representante Legal: José Fernando Pinto da Costa RG: CPF: Telefone: (11) A partir do 1º semestre de 2012, a mantenedora e a mantida sofreram alterações em seus quadros principais, com a retirada dos sócios e o ingresso de novos sócios, sendo admitidos: Cláudia Aparecida Pereira e José Fernando Pinto da Costa, conforme Alteração Contratual em 01/03/2012, registrada junto ao NIRE , na JUCESP - Junta Comercial do Estado de São Paulo sob nº /12-9 em 27/07/ Perfil A Faculdade de Auriflama FAU tem seu perfil voltado para a formação do seu aluno, e para tanto: Preocupa-se com a formação completa do aluno, valorizando o desenvolvimento físico, intelectual, emocional e seu caráter em bases éticas e morais; Tem a educação voltada para a construção da cidadania, buscando desenvolver a solidariedade e a participação; Procura dar ao educando a formação da consciência crítica; Valoriza o trabalho do professor. Reconhece a importância do papel docente na formação dos alunos. Trata o profissional com respeito e dignidade, valorizando-o sempre, dentro e fora da sala de aula; Busca agregar recursos e tecnologias, buscando fortalecer a qualidade do ensino; Motiva seus alunos a trabalharem em equipe para o desenvolvimento de habilidades de relacionamento interpessoal; 5

6 É uma escola de aprendizagens: aprender a aprender, aprender a fazer, aprender a compartilhar e aprender a ser; Relaciona-se e interage com a comunidade Missão A Faculdade de Auriflama fundamentada em princípios democráticos, sociais e éticos, tem por missão: Formar cidadão e profissional com capacidade para atuar em uma sociedade em constante mudança. Essa missão concretiza-se pela promoção da educação e cultura, possibilitando aos alunos formação e aperfeiçoamento profissional garantidos pelo desenvolvimento do ensino, de pesquisa, integração e prestação de serviços relevantes à Comunidade, que conduzem à uma cidadania consciente e transformadora. A Faculdade de Auriflama tem a visão de: Ser uma Instituição de Ensino Superior reconhecida pela excelência na educação na sua área de abrangência Entidade Mantida Nome da Mantida: FACULDADE DE AURIFLAMA Sigla: FAU Organização Acadêmica: Faculdade Código da Mantida: 2102 Categoria Administrativa: Privada com fins lucrativos Portaria de Credenciamento: n de 16/10/2003 publicada no DOU de 17/10/2003. Endereço: Via de Acesso Artur Fornazari Neto, km 2,8 Limoeiro Auriflama/SP CEP Telefone: (17) Site: Diretoria: João Angelo Segantin RG: CPF:

7 Contexto Educacional Via de Acesso Artur Fornazari Neto, km 2,8 Limoeiro Auriflama/SP Dados Históricos e Socioeconômicos da Região A cidade de Auriflama está localizada a 567 km da capital do Estado, a cidade de São Paulo, possui altitude de 482 m, latitude: 20º 41' e longitude: 50º 38', é margeada pela Rodovia Feliciano Salles Cunha e possui temperatura oscilando entre 18º e 35º, clima quente com inverno seco. A região é servida pelo Rio São José dos Dourados, Córrego do Buriti, Córrego do Limoeiro, Córrego das Cruzes, Córrego do Barreiro, Córrego Lambari. Os municípios limítrofes de Auriflama são: ao Norte: Jales, Palmeira D'Oeste e São Francisco, ao Sul: Santo Antonio do Aracanguá, a Leste: General Salgado e Oeste: Guzolândia. A agropecuária sempre teve papel importante na região, desta forma o solo predominante é do tipo arenito, tendendo para argiloso, solo profundo e próprio para a exploração agropecuária em geral. Auriflama tem área territorial de ,4 hectares, aproximadamente alqueires, distribuídos em 466 propriedades agrícolas assim distribuídas: a) Até 50 alqueires 388 propriedades; b) Acima de 50 e até 200 alqueires 52 propriedades e c) Acima de 200 alqueires 16 propriedades. A População Residente no Município é de aproximadamente habitantes de acordo com a contagem da população de do IBGE, e sua Densidade Demográfica é de 31,21 (hab/km²), em 2004 Auriflama possuía habitantes segundo o IBGE, crescendo 38,17% em volume populacional em 6 anos, ou seja, mais de 6% ao ano. A criação ativa de um comércio e indústria sempre aumentam o status e importância da cidade no Estado, pois é sinal de progresso, desenvolvimento e importância. Desta forma, a administração municipal luta ativamente para a instalação de mais indústrias, ampliação do parque industrial, e consequentemente, a geração de novos empregos. Como prêmio por esta luta, o município conta hoje com aproximadamente 80 pequenas, médias e grandes indústrias de confecções. Temos ainda como suporte básico da economia no município, a agricultura, sendo bem diversificada, além da pecuária leiteira e de corte, ambas bem estruturadas na região. O município conta com um Hospital, um Centro de Saúde e um Pronto Socorro Municipal, além de clínicas particulares, onde a população procura atendimento. Mas em relação à medicina especializada, ainda é preciso procurar centros maiores como Jales, Araçatuba e São José do Rio Preto. Já com relação ao saneamento básico, a cidade possui 100% de água tratada e 90% de rede de esgoto. Apresentou, em 2009, um produto interno bruto de aproximadamente 180 milhões de reais. Em 2013, seu índice de desenvolvimento humano atingiu 0,787. 7

8 Aspectos Históricos Via de Acesso Artur Fornazari Neto, km 2,8 Limoeiro Auriflama/SP Na realidade a história de Auriflama começa mesmo por volta do ano de 1935, onde já haviam moradores e proprietários rurais, antes da chegada dos pioneiros. Os primeiros bandeirantes que chegaram nessa região foram as famílias do Tiburção, da Maria Portuguesa, Mateus, Miranda, Bueno, Maciel, Zequinha Cearense, que aqui fincaram suas raízes. João Pacheco de Lima comprou uma área localizada ao longo do espigão mestre, divisor das águas dos rios Tietê e São José dos Dourados. Em Junho de 1936, ele juntamente com seu filho Paulo e com os amigos Waldevino Nery dos Reis, Antônio Joaquim Nery e José Joaquim Nery se deslocaram de Ipiguá, próximo a São José do Rio Preto e vieram conhecer as terras. Ao saírem de viagem, o transporte utilizado foi automóvel da marca Ford (pé-de-bode). A estrada era um mero caminho sobre a mata que se direcionava pelo espigão divisor e terminava em Pereira Barreto. Segundo o relato escrito por Antônio Joaquim Nery, eles pernoitaram em São João de Nhandeara e no dia 23 de junho chegaram ao referido local. Nesta visita, Pacheco e Antônio foram os responsáveis pela escolha de onde seria iniciado o povoado. Nessa época, o critério utilizado pelos dois levou em consideração o ponto mais alto, que hoje compreende a praça da matriz. Após o reconhecimento, um rancho foi construído próximo à figueira para abrigar a comitiva. Nesse mesmo dia, os irmãos Nery aceitaram o convite de Pacheco para a constituição do povoado. O desejo de prosperidade e o ideal do desbravamento do sertão marcavam o pensamento de João Pacheco, que ao lado dos amigos pretendiam também garantir um futuro promissor para suas famílias. Essas foram as justificativas que o levaram a doar seu patrimônio para a fundação da vila. No dia 06 de setembro de 1936, Waldevino Nery dos Reis e Ernestina Nery se mudavam definitivamente para o povoado. Na ocasião, outros pioneiros junto com suas famílias também vieram para o povoado: Ozório Messias de Almeida, Joaquim Graciano Paiva, Sebastião Machado, Filadelfo Rodrigues de Souza, Francisco Higino, Antônio Barbosa, João Fernandes, Amâncio Ferreira entre outros. Com a chegada destas famílias foi aberta uma clareira maior na mata e construído novos ranchos. Naquela ocasião, funda-se a Vila Pacheco. O cruzeiro foi levantado próximo a figueira em 02 de novembro de 1936, sendo produzido pelo carpinteiro Manoel Saturnino e doado por Agostinho Cipriano Nery. A figueira se tornou o marco histórico, afirma Alcino Messias de Almeida: Nós sofremos muito no começo, pois a vila era muito mato e tivemos que ir abrindo clareira entre a selva, mas a figueira ganhou destaque devido a sua exuberância. Seu Alcino se lembra do momento em que ajudou a arrancar a figueira. Infelizmente ela estava no centro da cidade e precisou ser cortada para o crescimento de Auriflama, concluiu Messias. Ernestina Nery, de 96 anos, esposa do saudoso Waldevino Nery dos Reis, relembra essa nova etapa da vida. Conta ela: O momento mais marcante foi encontrar este lugar e começar tudo de novo. Depois que chegamos aqui, no outro dia se fez queimada. No começo construímos uma casinha de pau-a-pique e depois de algum tempo mudamos para a Estrada da Serrinha. Nossa vida era de sacrifício, mas para os homens era mais difícil ainda. A Estrada da Serrinha ficou conhecida na época como a Estrada dos mineiros, tendo em vista que a família Nery residiu lá por mais de 30 anos. Em 20 de novembro de 1937, nas proximidades do cruzeiro, o Padre Agostinho dos Santos Pereira celebrou a primeira missa do vilarejo. Com isso, oficialmente fundava-se a Vila Áurea, nome que homenageia Áurea de Souza Lima, filha de João Pacheco de Lima. 8

9 O Decreto, nº , de 24 de outubro de 1942, transformou Vila Áurea na 2ª Zona Distrital de General Salgado e Comarca de Monte Aprazível, graças ao empenho de Filadelfo Rodrigues de Souza. Depois de completar sete anos, Vila Áurea foi elevada a categoria de Distrito de Paz pelo Decreto, nº , de 30 de novembro de Além disso, recebeu a denominação de Auriflama, que significa ouro em chamas e suas terras foram desmembradas de General Salgado e Major Prado. A emancipação política e a elevação a categoria administrativa do município foi sancionada pela Lei, nº , de 30 de dezembro de Isto só foi possível devido ao desenvolvimento econômico e social de Orlando Bongiovani, José Matarézio, José Maria Bento, Francisco Assis Rodrigues e Cláudio Bento Inezzi. Em 1954 a população auriflamense elegia o primeiro executivo e legislativo, os quais governaram de 01 de janeiro de 1955 até 31 de dezembro de Na qual foi eleito o Sr. Lázaro Silva juntamente com seu vice Aurélio Dainezi. A Câmara Municipal foi composta por 09 (nove) vereadores e suplentes de cada legenda, sendo presidida por Waldevino Nery dos Reis (PSP). Posteriormente, assumiram a presidência do Legislativo municipal: Francisco de Assis Rodrigues, em 1956; Almerindo Pereira Prates em 1957; e João Matarézio em Durante esse período o vereador João Pacheco de Lima, por motivo de doença, renunciou seu mandato e José Maria Bento Filho perdeu o cargo, devido sua mudança para outro município. O suplente José Neves Epifânio recusou-se em assumir a vaga. Mediante os pedidos de renúncia, tomaram posse definitivamente os vereadores suplentes da mesma legenda, José Martins e Félix Oliva. Em 28 de Fevereiro de 1964 foi criado a Comarca de Auriflama, de acordo com a Lei nº , mas a sua instalação concretizou-se em 28 de setembro de 1967, na administração do prefeito João Matarézio. Assumiu como Juiz de Direito da Comarca o Dr. Domingos Franciulli Neto e Dr. José Geraldo de Jacobina Rabello, exerceu a função de Promotor Público. E para finalizar o relato de nossa história, ao longo do tempo, inúmeras famílias e pessoas contribuíram com o desenvolvimento de Auriflama, transformando-a num município reconhecido, e com certeza, novas páginas de nossa história serão escritas pelo nosso povo. A Faculdade de Auriflama atende uma população da cidade e dos municípios próximos. Quadro nº 01. População de abrangência da Região de Auriflama Município População/Habitantes Auriflama Guzolândia General Salgado Santo Antonio do Aracanguá Nova Castilho TOTAL Fonte: IBGE

10 Indicadores A Faculdade de Auriflama passou por um momento muito difícil nos anos de 2010 e 2011, chegando ao ponto de não oferecer mais turmas de ingressantes, entretanto no início de 2012 o Grupo Educacional Uniesp assumiu a mantenedora e novamente colocou a faculdade nos trilhos da prosperidade. Os atuais mantenedores, Dr. Fernando Costa e profa. Cláudia Pereira possuem atenção especial e dedicação integral, sempre exigindo o melhor em qualidade de educação, independente da região inserida, desta forma novamente foi possível buscar profissionais qualificados, possuidores de diplomas de mestrado e em breve de doutorado, atrelando às pesquisas e matrizes curriculares com o que existe de mais moderno em todas as áreas do conhecimento, toda comunidade acadêmica e a comunidade geral em nível regional agradecem ao Dr. Fernando e à profa. Cláudia a nova oportunidade que estão dando para Auriflama no cenário da Educação Superior de qualidade. A cidade de Auriflama é atendida pelo Expresso Itamarati, que possui linhas regulares de transporte para as principais cidades do Brasil. Os aeroportos utilizados são os de Araçatuba/SP, distante aproximadamente 60Km e o de São José do Rio Preto distante 130Km de Auriflama. Auriflama é servida por duas rodovias estaduais, a SP-310, Rodovia Feliciano Salles Cunha, dando acesso à capital Paulista e ao Estado do Mato Grosso do Sul e a SP-463, Rodovia Elyeser Montenegro Magalhães que possibilita o acesso ao Estado de Minas Gerais e Paraná, ambas estão em razoável estado de conservação e em estudo para duplicação devido ao fluxo de veículos e à importância para o escoamento da produção com destino às capitais e aos portos exportadores. Os principais indicadores na área da saúde são: Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 14,28 IDH-M Longevidade: 0,816 IDH-M Renda: 0,734 IDH-M Educação: 0,842 Expectativa de vida (anos): 72,09 A educação pública municipal de Auriflama é um dos motivos que levam a cidade a uma boa colocação na escala do índice de desenvolvimento humano, fato já influenciado pelos cursos da Faculdade de Auriflama, haja vista que vários professores e diretores da rede Municipal são egressos da faculdade, desta forma a taxa de alfabetização chega a 92,6% e o IDH-M Educação é de 0,842. Auriflama é atendida por uma sala avançada da Escola Técnica Estadual Paula Souza. O primeiro curso foi o de secretariado e atualmente está em andamento o de auxiliar administrativo, e no ensino superior a cidade e a comunidade regional é atendia pela Faculdade de Auriflama, com os cursos de bacharelado em Administração e Ciências contábeis e as licenciaturas em Letras e Pedagogia, todos cursos reconhecidos com bons conceitos pelas comissões de avaliação. No processo de reconhecimento os cursos de Administração e Pedagogia receberam conceito 4 e os cursos de Letras e Ciências Contábeis foram agraciados com conceito 3. Já nos processos de renovação de reconhecimento, o curso de administração obteve renovação automática devido ao bom desempenho no ENADE, e as licenciaturas em Letras e Pedagogia receberam conceito 3 da comissão de especialistas do MEC. 10

11 Dependência Município EJA Médio Anos Finais Anos Iniciais Pré-Escola Creche Fundament Ensino Médio Pré-Escola Creche Via de Acesso Artur Fornazari Neto, km 2,8 Limoeiro Auriflama/SP Na análise geral da região, depreende-se que a cidade de Auriflama e região tem grande necessidade de, continuamente, otimizar as qualificações para o seu mercado de trabalho, de maneira que atenda o dinamismo de uma região em pleno desenvolvimento no Estado de São Paulo. Sua economia forte e diversificada, os níveis de escolaridade, qualidade de vida, demografia, crescimento da economia acenam e justificam um aumento de investimento no Ensino Superior de qualidade. A Faculdade já aceitou o desafio, conhece as suas fragilidades, entretanto segue confiante o seu planejamento na busca da qualidade, seja oferecendo um serviço administrativo ou linha de Ensino a que se propôs, almejando a excelência em ambos. As matriculas na cidade de Auriflama, segundo dados do INEP (2013) são as seguintes: AURIFLAMA Fonte: INEP (2013). Ed.Infantil Número de Alunos Matriculados Ensino Fundamental 1ª a 4ª série e Anos Iniciais 5ª a 8ª série e Anos Finais Matrícula Inicial EJA (presencial) al 2 Médio 2 Educação Especial(Alunos de Escolas Especiais, Classes Especiais e Incluidos) Estadual Municipal Privada Total EJA Fund 1,2 Médio 1, Justificativa do Curso A Faculdade de Auriflama fundamentada em princípios democráticos, sociais e éticos, assume a proposta para formação de contadores, pensando em termos dos conceitos de totalidade, contradição, transformação e relação teoria-prática, considerando que é no contato com o mundo e com os outros que o homem encontra meios para transformar a sociedade e transformar-se. Na concepção adotada para o curso, trata-se da capacitação técnica, tomada no sentido de que o futuro contador seja capaz tanto de compreender o seu papel enquanto profissional capaz de intervir na realidade, desta forma o curso em questão fundamenta-se em pressupostos que consolidam uma visão transformadora de mundo. Diante de uma região em pleno crescimento, ainda muito carente de informação e formação, o curso de Ciências Contábeis da Faculdade de Auriflama justifica a sua existência com base na transformação social, formando profissionais críticos e capazes de atuar, intervindo positivamente em prol do crescimento de toda região. 11

12 Breve Histórico da IES A Faculdade de Auriflama, com sede na cidade de Auriflama, Estado de São Paulo, é um estabelecimento Isolado de Ensino Superior, criado em 2003 e mantido pelo Centro de Ensino e Cultura de Auriflama Ltda-EPP, pessoa jurídica de direito privado, registrada no Cartório de Registro de Pessoas Jurídicas de Auriflama - SP, sob nº 371 do Livro A6, em 02/03/01, com sede e foro na cidade de Auriflama - SP. Tendo iniciado suas atividades oferecendo os cursos de Graduação em Administração (portaria de 16/10/2003), Ciências Contábeis (portaria de 16/10/2003) e Pedagogia (portaria de 16/10/2003), todos na modalidade Bacharelado, a FAU já expandiu sua atuação no ano de 2005, com a autorização do curso de Licenciatura em Letras (portaria 968 de 28/04/2006), e a transformação, de acordo com legislação vigente, do curso de Bacharelado em Pedagogia para Licenciatura, atuando através do seu Instituto de Educação Superior, como é previsto em Regimento próprio. Desde o ano de 2005 a Faculdade de Auriflama investe em cursos de Pós-Graduação, tendo oferecido Gestão de Negócios e Controladoria, Psicopedagogia e Legislação Empresarial no referido ano e Psicopedagogia, Didática do Ensino Superior, Educação Especial e Inclusiva e Gestão Pública em Para início em Agosto de A FAU vem desenvolvendo, ao longo de sua existência um trabalho centrado no ensino-extensão, desenvolvendo, através de seus cursos de graduação e pós, atividades científicas, envolvendo grupos de alunos e docentes em busca do conhecimento profundo de diversos assuntos; eventos culturais, científicos e sociais, extensivos à comunidade em geral, como Semanas Científicas relativas a cada um de seus cursos; programas de extensão, como a criação da Universidade Livre da Maturidade (UNILMA), que atende o público com mais de 40 anos de Auriflama, desde o ano de 2006; o FestFAU, um festival de manifestação cultural moderna, que, anualmente, abre as portas da FAU para o desenvolvimento do projeto Venham nos Conhecer e em 2012 ganhou o nome de To Dentro ; programas de nivelamento de nossos alunos, nas disciplinas de base, como Matemática e Língua Portuguesa, também extensivos à Comunidade; atendimento Psicopedagógico, Psicológico e Fonoaudiológico à comunidade acadêmica, resultando no programa de inclusão mais completo já oferecido pelas faculdades da região; além da Empresa Júnior que oferece cursos em geral, palestras, visitas técnicas, para os alunos, professores e comunidade, como trabalho de consultoria nas empresas da cidade e região e estágio. Em 01 de março de 2012, a instituição passou a integrar o Grupo Educacional UNIESP- União das Instituições de Ensino Superior do Estado de são Paulo, atualmente presente em 09 estados brasileiros, com mais de 100 instituições educacionais espalhadas nos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia e Tocantins, Mato Grosso do Sul, Paraíba, todas representadas por seu Diretor Presidente Dr. José Fernando Pinto da Costa. A expansão do Grupo Educacional UNIESP vem se consolidando em um curto espaço de tempo com a implantação de novas unidades e cursos, ou novas incorporações de ensino na macro região que ocupa, e mais recentemente em outros estados, o que tem sido um instrumento de fortalecimento do seu papel educativo. A instituição atua em vários níveis de educação, do infantil à pós-graduação. Em 15 anos de existência, a instituição educacional consagrou-se como um polo educacional e caminha para se transformar na mais nova universidade de São Paulo. O Grupo Educacional UNIESP teve seu marco inicial com o lançamento da pedra fundamental da sua primeira instituição de educação, em 1997, na cidade de Presidente Epitácio, e partir de então passou a expandir-se para outras cidades e estados, no país. 12

13 Essa experiência tem permitindo que ocorra um processo contínuo de aprendizagem institucional, na medida em que novas competências são incorporadas. É um modo de crescer e se expandir com segurança, partindo de ativos tangíveis e consolidados para lograr, passo a passo, novas competências, não colocando em risco a segurança do processo de qualidade do ensino, que é a tônica da Instituição. O Grupo Educacional UNIESP tem como meta possibilitar a educação para todos, ou seja, fazer com que qualquer pessoa que não teve a oportunidade de cursar uma Faculdade devido a dificuldades financeiras, possa realizar este sonho. Consolidada numa base humanística e social, o Grupo Educacional UNIESP preza pela educação solidária. Sendo assim, mantém convênios com empresas, sindicatos, órgãos públicos e entidades assistenciais, que oferecem a concessão de bolsas de estudos aos conveniados. Em contrapartida, incentiva as instituições a participarem de projetos sociais promovendo a responsabilidade social, por meio de atividades voluntárias de seus colaboradores. FACULDADE DE AURIFLAMA FAU Credenciada pela portaria n de 16/10/2003, publicada no DOU de 17/10/2003 Processo de Recredenciamento Institucional - Conceito 3 QUADRO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO CURSOS MODALIDADE VAGAS AUTORIZAÇÃO RECONHECIMENTO ADMINISTRAÇÃO Presencial 100 CIÊNCIAS CONTÁBEIS Presencial 100 LETRAS Presencial 50 PEDAGOGIA Presencial 100 Portaria nº de 16/10/2003 DOU 17/10/2003 Portaria nº de 16/10/2003 DOU 17/10/2003 Portaria nº 968 de 28/04/2006 DOU 02/05/2006 Portaria nº de 16/10/2003 DOU 17/10/2003 Portaria nº de 10/08/2009 DOU 15/09/2009 Portaria nº 781 de 10/06/2009 DOU 15/06/2009 Portaria nº 359 de 17/08/2011 DOU 19/08/2011 Portaria nº 114 de 28/11/2009 DOU 30/11/ POLÍTICAS INSTITUCIONAIS NO ÂMBITO DO CURSO A Instituição, como um todo, busca, de forma integrada e coerente, a realização concreta dos objetivos descritos no Regimento Interno, no Plano de Desenvolvimento Institucional, no Projeto Pedagógico Institucional e nos Projetos de Curso que abordam as políticas institucionais, destacando-se as políticas de ensino, pesquisa e extensão: Ensino: Propiciar ao aluno uma formação global que lhe permita construir competências, hábitos, habilidades e atitudes de forma crítica e criativa, como pessoa e como cidadão, qualificando-o profissionalmente, tornando-o ciente de suas responsabilidades, usando para isso os recursos do conhecimento em seus vários níveis e modalidades, além das vivências e intervenções em realidades do seu cotidiano próximo ou remoto; 13

14 Pesquisa: Desenvolver o gosto pela pesquisa, a ação criadora, responsável e ética, a partir de uma postura de investigação, reflexão, de curiosidade perante o novo e o diferente, buscando novos conhecimentos e procedimentos que possam complementar e estimular o ensino -aprendizagem a alcançar graus mais elevados de excelência e melhorar a qualidade de vida da população envolvida; Extensão: Integrar de forma efetiva e permanente, as atividades de extensão às suas propostas de ensino e de pesquisa para que possam corresponder às necessidades e possibilidades da instituição envolvida, da realidade local e regional e da sociedade como um todo, unindo por objetivos comuns as suas comunidades interna e externa com beneficio para ambas. O Projeto Pedagógico do Curso de Ciências Contábeis da Faculdade de Auriflama mantém articulação com o Projeto Pedagógico Institucional (PPI) e o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), atendendo às políticas voltadas para a graduação, buscando a qualificação, a dinamização, a diversificação e a ampliação de oportunidades que resultem na melhoria da qualidade acadêmica e de sua contribuição ao desenvolvimento científico, tecnológico e social na região de abrangência. A Faculdade de Auriflama para atender de modo cada vez mais satisfatório à realidade social e profissional, local e regional, pretende trabalhar com currículos flexíveis, possibilitando aproveitamento de estudos e de competências, bem como a inserção do aluno na vida profissional, enquanto dá continuidade à sua formação acadêmica de forma a: a) Priorizar a integração do ensino, da pesquisa e da extensão; b) Oferecer estímulos para permanência de seus alunos, como atendimento psicopedagógico, nivelamento e bolsas de estudo. c) Priorizar a formação de profissionais e cidadãos socialmente responsáveis e empreendedores nas diferentes áreas do conhecimento, aptos à participação no desenvolvimento da sociedade em que interagem; d) Estabelecer áreas preferenciais para o desenvolvimento de cursos, orientando-os para responder às demandas do mercado de trabalho local, regional e nacional; e) Aprimorar a qualidade do estudante universitário, na sua formação científica, que reflita no preparo profissional, capacitado a enfrentar os desafios da sociedade; f) Implementar ações que contribuam para o desenvolvimento social e para o desenvolvimento da investigação científica e tecnológica. Para atender de forma especial à articulação, o Curso de Ciências Contábeis da Faculdade de Auriflama proporcionará ao aluno, além da sua formação técnico-profissional, sua formação como cidadão participativo. A Faculdade adota ainda um processo de gestão democrática de sua estrutura garantindo a participação de representantes de diferentes segmentos no processo das decisões, oportunizando assim iniciativas, decisões e ações coletivas e organizadas. De acordo com o Regimento Interno da Faculdade de Auriflama cabe, em conjunto com a direção da faculdade, com o Conselho Superior, com o Coordenador e com o Colegiado de Curso e mais recentemente com o NDE (Núcleo Docente Estruturante) a gestão, e a articulação com as demais instâncias acadêmico-administrativas da IES, visando à realização dos objetivos do curso em consonância com a finalidade da Instituição. As políticas da tecnologia da informação implantadas na Faculdade de Auriflama estão diretamente ligadas ao ensino e pesquisa e extensão, funcionando como facilitadores do processo ensino aprendizagem. 14

15 A política de Recursos Humanos valoriza o desenvolvimento das relações harmônicas entre os integrantes de sua comunidade acadêmica. A instituição adota estímulo à criatividade e à participação de docentes e não docentes em todas as atividades da instituição, o incentivo e apoio à produção científica e às iniciativas individuais ou de setores administrativos ou acadêmicos; a capacitação docente e/ou técnico-profissional; o aprimoramento das condições de trabalho, com a preocupação constante da atualização salarial de todos os colaboradores; e a busca permanente de elevados padrões éticos no desempenho profissional de docentes e não docentes, com objetivo que esta política reflita no bom desempenho das atividades docentes e não docentes, visando a qualidade no ensino. A prática das Políticas Institucionais e sua articulação refletem, na realidade, o previsto nos documentos oficiais da Faculdade, pois a Instituição busca, de forma integrada e coerente, a realização concreta dos objetivos DO CURSO Curso de Bacharelado em Ciências Contábeis Designação Regime Acadêmico Período Total anual de vagas Tempo mínimo para integralização Tempo máximo de integralização Coordenadora Breve currículo Bacharelado em Ciências Contábeis Seriado Semestral 100 vagas anuais 08 semestres 12 semestres Celso Pereira da Cunha Professor universitário com experiência na área de administração e Ciências Contábeis. Atua na área contábil a mais de 20 anos Missão do Curso Missão do curso de Ciências Contábeis Formar o contador para o exercício responsável da profissão contábil, que tenha amplo conjunto de competências e habilidades, conhecimentos técnicos e científicos, éticos, humanísticos e de responsabilidade social que levem a compreensão do meio social, político, cultural e profissional. O Curso de Ciências Contábeis da Faculdade de Auriflama visa capacitar o profissional contador a planejar, organizar, supervisionar, assessorar, analisar, interpretar e revisar dados de natureza monetária, computados pela contabilidade de pessoas físicas ou jurídicas de direito público e privado exercendo suas atividades com competência e postura profissional e atendendo aos interesses sociais da comunidade em que estiverem inseridos. 15

16 Formar o profissional que venha a ter um amplo conjunto de competências e habilidades, conhecimentos técnicos e científicos, éticos, humanísticos e de responsabilidade social que o levem a compreensão do meio social, político, cultural e profissional. Preparar o profissional para o mercado de trabalho, capaz de assumir posições de liderança e de absorver novos conceitos na sua área de atuação, em condições de operar com desenvoltura e segurança a linguagem da informação moderna. Estimular o contador para exercitar sua capacidade de iniciativa para o aprender, na busca de mais informações, colaborando para uma melhor formação profissional. Desenvolver mecanismos de apoio à participação do aluno ao desenvolvimento de sua prática profissional Objetivos do Curso O curso de Ciências Contábeis da Faculdade de Auriflama tem por objetivo: Formar contadores com elevada qualificação, conscientes do seu papel na sociedade. Proporcionar ao curso uma ênfase fundamental voltada para empresas, não só no sentido de melhor conhecer as suas peculiaridades, mas também de entendê-las de maneira integrada, como sistema em que interagem diferentes funções com um objetivo comum de desenvolvimento, que agregue o pressuposto do conhecimento econômico ao da promoção social. Formar profissionais capazes de inovar e desenvolver processos em organizações. Proporcionar um ambiente de desenvolvimento da ética e de aptidões e habilidades indispensáveis ao exercício das diversas atividades do contador. O profissional da área de Ciências Contábeis deve estar apto a: Ter uma visão global do ambiente econômico e financeiro, nacional e internacional e suas influências nas alterações patrimoniais; Aplicar métodos e meios para registro histórico dos fatos econômicos e financeiros; Ter uma visão dinâmica e sistêmica da empresa pela interpretação dos registros das mutações patrimoniais; Colaborar, através da sugestão de metas e estratégias, para que a empresa alcance a maximização do lucro e sua maior participação na coletividade; Ter responsabilidade ética e social para a com a empresa, a sociedade e a profissão contábil como um todo; Campo de Atuação Profissional O Bacharel em Ciências Contábeis formado pela Faculdade de Auriflama estará apto a atuar na gestão de organizações públicas e privadas, na determinação de linhas gerais de organização e de diretrizes estratégicas relativas ao funcionamento da máquina contábil, tendo sob sua responsabilidade o planejamento, organização, controle, coordenação e avaliação das atividades contábeis da empresa. 16

17 Seu campo de atuação abrange tanto o serviço público quanto empresas privadas do setor industrial, comercial ou de serviços, o terceiro setor e organizações não governamentais, atividades de consultoria e assessoria, além de instituições de ensino FORMAS DE INGRESSO O acesso aos cursos da Faculdade de Auriflama ocorre por meio de Processo Seletivo, que se destina a avaliar os conhecimentos adquiridos no Ensino Médio dos candidatos inscritos e classificá-los, dentro do estrito limite das vagas oferecidas. As inscrições para o processo seletivo são abertas em Edital, constando os atos legais de autorização ou reconhecimento dos cursos, turnos de funcionamento, o número de vagas oferecidas, periodicidade e duração dos cursos, os prazos de inscrição e matrículas, data das provas, os critérios de classificação e outras informações. O processo seletivo leva em conta os critérios comuns ao ensino médio sem ultrapassar este nível de complexidade. A classificação faz-se pela ordem decrescente dos resultados obtidos, sem ultrapassar o limite das vagas fixadas é válida para a matrícula no período letivo para o qual se realiza, tornando-se nulos seus efeitos se o candidato classificado deixar de requerê-la ou, em fazendo, não apresentar a documentação exigida completa, dentro dos prazos fixados. Na hipótese de restarem vagas não preenchidas, poderão ser recebidos alunos transferidos de outro curso ou instituição, portadores de diploma de graduação, mediante Processo Seletivo ou remanescente de outra opção do mesmo Processo Seletivo. Há também a possibilidade de ingresso de portadores de diploma de nível superior e, neste caso, é exigida a apresentação do diploma devidamente registrado, dispensando-se a apresentação do certificado de conclusão de Ensino Médio ou equivalente, bem como o respectivo histórico escolar. A matrícula é renovada semestralmente e poderá ser feita por disciplina do curso pretendido. Outra forma de ingresso no curso é a transferência. É concedida matrícula a aluno proveniente de curso superior das instituições congêneres nacionais ou estrangeiras, na estrita conformidade das vagas existentes, para o mesmo curso ou cursos afins, se requerida nos prazos fixados pelo Calendário Escolar, de acordo com as normas aprovadas pelo Conselho Superior. O aluno transferido está sujeito às adaptações curriculares que se fizerem necessárias, aproveitados os estudos realizados com aprovação no curso de origem. É concedida a matrícula, independente do número de vagas existentes e dos prazos ao servidor público, civil ou militar, removido ex-ofício, para a sede da instituição, bem como aos seus dependentes. Para alunos regularmente matriculados no curso é permitido o trancamento de matrícula, se requerido nos prazos estabelecidos no Calendário Escolar, e por tempo expressamente estipulado no requerimento PERFIL DO EGRESSO O Contador é o profissional responsável pelo planejamento, organização, comando e controle do funcionamento da contabilidade das empresas. Ele determina os métodos gerais de organização e planeja a utilização eficaz de mão de obra, equipamentos, materiais, serviços e capitais. 17

18 O contador orienta e controla as atividades da organização conforme os princípios contábeis estabelecidos e a política adotada. O bacharel em Ciências Contábeis, com base multidisciplinar, agrega conhecimentos das áreas de ciências sociais aplicadas, estudos econômicos, quantitativos e tecnológicos, abrangendo disciplinas das ciências exatas, humanas e profissionalizantes, garantindo ampla visão dos cenários administrativos e das organizações, estando capacitado para entender e atender às necessidades mercadológicas cada vez mais exigentes e disputadas. Em síntese, o perfil desejado para o egresso do curso de Ciências Contábeis da Faculdade de Auriflama é de um profissional com visão estratégica, humanística e empreendedora, sendo capaz de controlar as organizações com vistas ao bem estar coletivo e à promoção do homem em suas múltiplas dimensões ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Estrutura Curricular O Currículo do Curso de Ciências Contábeis, organizado a partir da Resolução CNE/CES N o. 4, de 13 de julho de 2005, tem presente, também, a legislação que regulamentou a profissão e o seu código de ética profissional. Identificadas as disciplinas correspondentes a cada área, procurou-se dotar a estrutura curricular de disciplinas e/ou atividades relacionadas com os avanços tecnológicos, as mudanças do perfil profissiográfico do Contador, as alterações nas relações socioeconômicas e a necessidade de uma formação humanística para o Bacharel. O conteúdo formador da cidadania e o conhecimento da realidade brasileira estão contidos, principalmente, nas disciplinas de Sociologia, Ética e Economia. Estas disciplinas, previstas a partir do primeiro semestre, abordam temas atuais de relações sociais e filosóficas, econômicos e tópicos emergentes no cenário nacional e internacional. As disciplinas complementares foram selecionadas entre as que podem conduzir o profissional a uma formação aprofundada em contabilização das empresas, além de atender às questões contemporâneas do meio ambiente tecnológico, econômico e empresarial, mediante a oferta dos Tópicos Especiais, Pesquisa em Ciências Contábeis e disciplinas Optativas. Estas disciplinas pretendem, ainda, atender ao estudo e debates em torno de temas e disciplinas emergentes. Pretende-se que seja um fórum apropriado para a discussão, estudos e pesquisas de assuntos da atualidade, para atividades multidisciplinares e para o conhecimento da realidade empresarial da região e de conteúdos específicos de contabilidade das empresas. O Estágio Supervisionado é realizado simulando condições reais de trabalho, em instalações da própria Faculdade, por meio da disciplina de Laboratório Contábil I e II ou em convênio com organizações públicas e privadas da região. A elaboração do presente Projeto Pedagógico leva em consideração a necessidade e a importância da matriz curricular adequada ao perfil e à vocação do Curso. A avaliação do ensino de graduação da Faculdade se materializa segundo a concepção da instituição. Todos os indicadores endógenos e exógenos nos campos científico, técnico e cultural servem de parâmetros para a concretização do processo de avaliação do ensino, para todos os cursos. Para tanto, 18

19 a Faculdade de Auriflama disponibiliza, meios suficientes e capazes de se realizar a avaliação de aprendizagem dentro dos mais atualizados métodos adotados. O presente Projeto Pedagógico é avaliado anualmente pelos professores do curso, sob a liderança de seu Coordenador, com a participação de discentes e de profissionais da comunidade externa. Esta avaliação periódica e sistemática tem por objetivo manter a organização curricular sempre adequada ao ambiente socioeconômico em que atua o egresso e à contínua melhoria das atividades de ensino da Instituição. O processo de avaliação do curso integra o sistema de avaliação institucional da Faculdade sob a égide da Lei N o , de 14 de abril de 2004, que institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) e fundamenta-se na necessidade de promover a melhoria da qualidade da educação superior, a orientação da expansão da sua oferta, o aumento permanente da sua eficácia institucional, da sua efetividade acadêmica e social e, especialmente, do aprofundamento dos compromissos e responsabilidades sociais. Para tanto, a Faculdade de Auriflama criou sua Comissão Própria de Avaliação (CPA), tal como preconiza a legislação em vigor Flexibilidade Curricular A aplicação do currículo pleno de Ciências Contábeis segue o princípio da flexibilidade e da liberdade fundado na utilização de recursos baseados na interdisciplinaridade e transversalidade. A transversalidade e a interdisciplinaridade são modos de se trabalhar o conhecimento em busca de uma reintegração de aspectos que ficaram isolados uns dos outros pelo tratamento disciplinar. Com isso, conseguir uma visão mais ampla e adequada da realidade, que tantas vezes aparece fragmentada pelos meios de que dispomos para conhecê-la e não porque o seja em si mesma, é o objetivo maior. A transversalidade, bem como a transdisciplinaridade, é um princípio teórico do qual decorrem várias consequências práticas, tanto nas metodologias de ensino quanto na proposta curricular e pedagógica. A transversalidade aparece como um princípio inovador nos sistemas de ensino, prevista até na Lei de Diretrizes e Bases. Trata-se de proposta de globalização do ensino para romper com a rigidez dos programas das disciplinas escolares. Como fundamento do emprego da visão transversal dos conhecimentos trabalhados disciplinarmente, tem-se o princípio da interdisciplinaridade, que permite um grande avanço na ideia de integração curricular. A combinação de ambas interdisciplinaridade e transversalidade- cria o princípio da superação do conceito de disciplina. Aqui, busca-se uma intercomunicação entre as disciplinas, tratando efetivamente de um tema/objetivo comum (transversal). Assim, não tem sentido trabalhar os temas transversais por meio de uma nova disciplina, mas através de projetos interdisciplinares que integrem as diversas disciplinas. A consecução do tratamento transversal leva em conta o respeito à especificidade de cada área do conhecimento, mas, para superar a fragmentação dos saberes é necessário estabelecer e compreender a relação entre uma "totalização em construção" a ser perseguida e novas relações de colaboração integrada de diferentes especialistas que trazem a sua contribuição para a análise de determinado tema gerador sugerido pelo estudo da realidade que antecede a construção curricular. Deve-se considerar a transversalidade como o modo adequado para o tratamento dos temas. Eles não devem constituir uma disciplina, mas permear toda a prática educativa. Exigem um trabalho sistemático, contínuo, abrangente e integrado no decorrer de toda a educação. Em outras palavras, a transversalidade é um recurso epistemológico que propicia a construção integrada de novos conhecimentos a partir da articulação disciplinar. 19

20 Com base nessa visão de transversalidade é que o currículo pleno do Curso em questão é trabalhado. Num primeiro passo, interdisciplinarizando o tratamento basicamente em três eixos fundamentais: planejamento, estratégias e recursos humanos. Em torno desses três eixos é dado o tratamento aos conteúdos programáticos disciplinares tendo como meta reunir as áreas epistemológicas comuns e, a partir daí, buscar a construção de novos conhecimentos conciliando a teoria e a prática. É assim que, por exemplo, as disciplinas financeiras, incluídas no grande eixo Planejamento, integram-se teórica e operacionalmente para produzir os efeitos educacionais desejados na missão do Curso. Administração Financeira e Orçamentária, Matemática Financeira e Contabilidade, por exemplo, estão vinculadas teórica e praticamente ao complexo operacional da Organização, partindo do princípio de que a teoria constrói e a prática operacionaliza. Mais ainda: tais disciplinas podem ser desenvolvidas transversalmente na prática. Para as atividades práticas, a Faculdade tem os caminhos pelos convênios firmados, na medida em que disponibiliza o próprio braço operacional que torna exequível a prática proposta Dos Componentes Curriculares Pensar a formação numa sociedade marcada por múltiplas transformações tem exigido uma profunda reflexão sobre o dia-a-dia do professor em sala de aula. No Brasil, a temática tem suscitado várias pesquisas que apontam para a necessidade de se construir um novo profissional. Isso tem gerado insegurança entre os professores, uma vez que requer revisão de propósitos, valores e procedimentos vigentes, constituídos ao longo da história de sua formação pessoal e profissional. Essa formação marcada por paradigmas tradicionais inviabiliza a compreensão e a superação dos problemas do contexto atual. Entende-se também que as práticas pedagógicas da sala de aula merecem especial atenção. A vivência de práticas pedagógicas que busquem a superação das problemáticas instituídas tanto pela formação inicial quanto contínua é um dos indicadores deste processo de mudanças, que envolve uma constante reflexão na ação e sobre a ação docente. No segmento educacional, ressalta-se a reestruturação do ensino superior redimensionando o seu papel de atender às novas demandas sociais, no que tange às evoluções científico-tecnológicas, transformações do mundo do trabalho, bem como ao processo de organização social. Neste sentido, a sociedade demanda profissionais com habilidade para se adaptar a estas constantes mudanças. A Faculdade de Auriflama implantou a partir de 2012 uma Política de Reestruturação dos Currículos dos Cursos de Graduação, com ênfase aos princípios da flexibilidade, autonomia, articulação e atualização, bem como a necessidade e a premência da definição de diretrizes gerais, da aceleração, ordenamento e institucionalização do processo de reestruturação curricular no Ensino de Graduação. Ao estabelecer tais procedimentos, deve voltar-se para os seguintes objetivos acadêmicos: Selecionar e articular os componentes curriculares obrigatórios e optativos de forma apropriada à formação do profissional, com o perfil almejado formulado no novo projeto pedagógico do curso; Dar maior autonomia para o aluno, permitindo que ele interfira no seu percurso de formação e atualização profissional; Garantir maior flexibilidade curricular, com reduzido número de pré-requisitos; e, 20

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA Linguagem e Interpretação de Texto 80 Contabilidade I 80 Economia 80 Matemática 80 Teoria Geral da Administração

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR CARGA HORÁRIA DAS DISCIPLINAS POR CURSO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARGA HORÁRIA SÉRIE DISCIPLINA SEMANAL ANUAL 2ª

FACULDADE MORAES JÚNIOR CARGA HORÁRIA DAS DISCIPLINAS POR CURSO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARGA HORÁRIA SÉRIE DISCIPLINA SEMANAL ANUAL 2ª FACULDADE MORAES JÚNIOR DAS DISCIPLINAS POR CURSO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Duração do Curso: 4 anos. Total de 3.200 horas-aula CIÊNCIAS CONTÁBEIS SÉRIE DISCIPLINA SEMANAL ANUAL 2ª Contabilidade e Análise

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO TAQUARITINGA / 2015 1 Sumário NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE...3 1- Formas de acesso...3 2- Estímulos à permanência...4 3- Apoio Psicopedagógico, Orientação Pedagógica

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em

Administração. Curso de Graduação Bacharelado em Curso de Graduação Bacharelado em Administração O curso de Administração está enquadrado como uma ciência social aplicada. Estuda-se em profundidade técnicas e instrumentos analíticos, além de simulações

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

A EVOLUÇÃO E OS EDUCAÇÃO SUPERIOR DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS NA REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA

A EVOLUÇÃO E OS EDUCAÇÃO SUPERIOR DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS NA REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA Suzana Schwerz Funghetto Coordenadora-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior/DAES/INEP A EVOLUÇÃO E OS DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Missão A missão do curso é formar profissionais em Ciências Contábeis com elevada competência técnica, crítica, ética e social, capazes de conceber

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Relações Internacionais

Relações Internacionais Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais O curso de Relações Internacionais está enquadrado no campo da ciência Humana e social, onde estuda-se em profundidade as políticas Internacionais

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Sem. CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS I II III IV V VI VI I Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Fase Cód. Disciplina I Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Prérequisito s Carga Horária

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 alunos

Leia mais

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação TITULAÇÃO: Bacharel em Hotelaria CARGA HORÁRIA: 3.104 horas DURAÇÃO: 2 anos DIFERENCIAL 2 ANOS A Castelli ESH propõe-se a ofertar o Curso de Graduação em Hotelaria,

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Matriz Curricular vigente a partir de 2010/1 Fase Cód. Disciplina Carga Horária Prérequisitos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS 1) Perfil do curso: SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS O curso de Engenharia Civil da PUC Minas, campus de Poços de Caldas, tem como objetivo principal formar um profissional

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES)

Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES) Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES) Legislação Constituição Federal 1988 LDB Lei nº 9.394 de 1996 SINAES Lei nº 10.861

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 UMUARAMA, DEZEMBRO, 2012 RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011 Curso Direito Código INEP Código UFLA 592 Nível (Bacharelado, Turno Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas Processo e-mec- Tipo Autorização Número Data 201111874 24-08-2011 Despacho

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: DIREITO Missão O Curso se propõe a formar profissionais conscientes da finalidade do Direito como instrumento de transformação social e construção da cidadania, capazes

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 18/07/2006. Portaria MEC nº 1.319, publicada no Diário Oficial da União de 18/07/2006. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais