78 ISSN Nº 37, terça-feira, 21 de fevereiro de 2006

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "78 ISSN 1677-7042. Nº 37, terça-feira, 21 de fevereiro de 2006"

Transcrição

1 78 ISSN Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006

2 Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 ISSN

3 80 ISSN Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006

4 Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 ISSN

5 82 ISSN Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006

6 Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 ISSN

7 84 ISSN Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006

8 Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 ISSN

9 86 ISSN Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006

10 <!ID > Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 ISSN CÂMARA SUPERIOR DE RECURSOS FISCAIS ª TURMA EMENTÁRIO DOS ACÓRDÃOS FORMALIZADOS NO MÊS DE JUNHO DE 2004 Processo nº : /99-79 Recurso nº : /DENÚNCIA ESPONTÂNEA Recorrente: MAURÍCIO ARAÚJO Sessão de: 7 de junho de 2002 Acórdão nº : CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - O instituto da denúncia espontânea não alberga a prática de ato puramente formal do contribuinte de entregar, com atraso, a declaração de rendimentos porquanto as responsabilidades acessórias autônomas, sem qualquer vínculo direto com a existência do fato gerador do tributo, não estão alcançadas pelo art. 38, do CTN. os Conselheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho (Relatora), Remis Almeida Estol, Victor Luís de Salles Freire, José Carlos Passuello, Wilfrido Augusto Marques e Carlos Alberto Gonçalves Nunes. Designado para redigir o voto vencedor o Conselheiro Antonio de Freitas Dutra. Antonio de Freitas Dutra - Redator Designado Processo nº : /99-4 Recurso nº : /MULTA por atraso na entrega da declaração Recorrente: CLÓVIS RIBEIRO MACHADO Sessão de: 8 de junho de 2002 Acórdão nº : CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - O instituto da denúncia espontânea não alberga a prática de ato puramente formal do contribuinte de entregar, com atraso, a declaração de rendimentos porquanto as responsabilidades acessórias autônomas, sem qualquer vínculo direto com a existência do fato gerador do tributo, não estão alcançadas pelo art. 38, do CTN. os Conselheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho (Relatora), Remis Almeida Estol, Victor Luís de Salles Freire, José Carlos Passuello, Wilfrido Augusto Marques e Carlos Alberto Gonçalves Nunes. Designado para redigir o voto vencedor o Conselheiro Antonio de Freitas Dutra. Antonio de Freitas Dutra - Redator Designado Processo nº : /99-03 Recurso nº : Matéria: IRPJ Recorrente: VIAÇÃO CAPITAL DO OESTE LTDA. Sessão de: 9 de agosto de 2002 Acórdão nº : CSRF/ DECADÊNCIA - Não se conhece do recurso especial de divergência quando a matéria envolvendo o julgado paradigma se encontra embasada em fundamento diverso do proferido no julgado atacado, já que este teve por fundamento a circunstância de que entre o momento deflagrador do fato gerador e o lançamento (0/95 e 0/99), 5 anos ainda não haviam transcorrido, sem precisar aplicar o disposto no artigo 73, I, do CTN. Por unanimidade de votos, NÃO CONHECER do recurso por ausência dos pressupostos de admissibilidade. Celso Alves Feitosa - Relator Processo nº : /99-79 Recurso nº : Matéria: IRPJ - DCTF - Exs: 999 Recorrente: SCHUBERT DE FARIAS MACHADO Sessão de: 20 de agosto de 2002 Acórdão nº : CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - O instituto da denúncia espontânea não alberga a prática de ato puramente formal do contribuinte de entregar, com atraso, a declaração de rendimentos porquanto as responsabilidades acessórias autônomas, sem qualquer vínculo direto com a existência do fato gerador do tributo, não estão alcançadas pelo art. 38, do CTN. os Conselheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho (Relatora), Victor Luís de Salles Freire, Remis Almeida Estol, José Carlos Passuello, Wilfrido Augusto Marques e Carlos Alberto Gonçalves Nunes. Designado para redigir o voto vencedor o Conselheiro Antonio de Freitas Dutra. Antonio de Freitas Dutra - Redator Designado Processo nº : /99-2 Recurso nº : Matéria: CSLL Interessado: ITAIPAVA S/A Sessão de: 4 de outubro de 2002 Acórdão nº : CSRF/ TRIBUTÁRIO. IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUI- ÇÃO SOCIAL. Medida Provisória nº 82, de , convertida na Lei nº 8.98/95. Artigos 42 e 58, que reduziram a 30% a parcela dos prejuízos sociais, de exercícios anteriores, suscetível de ser deduzida no lucro real, para apuração dos tributos em referência. Alegação de ofensa aos princípios da anterioridade e da irretroatividade. Diploma normativo que foi editado em , a tempo, portanto, de incidir sobre o resultado do exercício financeiro encerrado. Descabimento da alegação de ofensa aos princípios da anterioridade e da irretroatividade, relativamente ao Imposto de Renda. Por maioria de votos, DAR provimento ao recurso. Vencidos os Conselheiros Victor Luís de Salles Freire, Remis Almeida Estol e Wilfrido Augusto Marques. Celso Alves Feitosa - Relator Processo nº : / Recurso nº : Ex: 995 Recorrente: GISELA SAVOI DE ALMEIDA Sessão de: 4 de outubro de 2002 Acórdão nº : CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - O instituto da denúncia espontânea não alberga a prática de ato puramente formal do contribuinte de entregar, com atraso, a declaração de rendimentos porquanto as responsabilidades acessórias autônomas, sem qualquer vínculo direto com a existência do fato gerador do tributo, não estão alcançadas pelo art. 38, do CTN. os Conselheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho, Victor Luís de Salles Freire, Remis Almeida Estol, José Carlos Passuello, Wilfrido Augusto Marques e Carlos Alberto Gonçalves Nunes. Antonio de Freitas Dutra - Relator Processo nº : /00-63 Recurso nº : Ex: 998 Recorrente: GISELA SAVOI DE ALMEIDA Sessão de: 4 de outubro de 2002 Acórdão nº : CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - O instituto da denúncia espontânea não alberga a prática de ato puramente formal do contribuinte de entregar, com atraso, a declaração de rendimentos porquanto as responsabilidades acessórias autônomas, sem qualquer vínculo direto com a existência do fato gerador do tributo, não estão alcançadas pelo art. 38, do CTN. os Cosnelheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho, Victor Luís de Salles Freire, Remis Almeida Estol, José Carlos Passuello, Wilfrido Augusto Marques e Carlos Alberto Gonçalves Nunes. Antonio de Freitas Dutra - Relator Processo nº : /99-29 Recurso nº : Ex: 997 Recorrente: JOSÉ LEOPOLDO DE ALMEIDA OLIVEIRA Sessão de: 5 de outubro de 2002 Acórdão nº : CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - O instituto da denúncia espontânea não alberga a prática de ato puramente formal do contribuinte de entregar, com atraso, a declaração de rendimentos porquanto as responsabilidades acessórias autônomas, sem qualquer vínculo direto com a existência do fato gerador do tributo, não estão alcançadas pelo art. 38, do CTN. os Conselheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho, Remis Almeida Estol, Víctor Luís de Salles Freire, José Carlos Passuello, Wilfrido Augusto Marques e Carlos Alberto Gonçalves Nunes. Antonio de Freitas Dutra - Relator Processo nº : /98-59 Recurso nº : Matéria: IRPJ - COMPENSAÇÃO DE PREJUÍZOS Recorrente: BITTENCORT & CIA. LTDA. Sessão de: 4 de abril de 2003 Acórdão nº : CSRF/ Por maioria de votos, DAR provimento ao recurso. Vencido o Conselheiro Verinaldo Henrique da Silva. IPC/BTNF - A diferença nascida com a manipulação de índice, reconhecida pela Lei 8200/9, sujeita a parcelamento quanto à sua apropriação, tendo sido decidida como legítima pelo STF, resta definida, sendo ele (parcelamento) imposição válida. Recurso provido Celso Alves Feitosa - Relator Processo nº : /96-6 Recurso nº : Ex: 993 Recorrente: FÁBIO FERRI Sessão de: 4 de abril de 2003 Acórdão nº : CSRF/ IRPF - RETIFICAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE BENS - ALTERAÇÃO DO VALOR DE MERCADO EM UFIR EM 3/2/9.- Restando incomprovado a existência de erro de fato indefere-se a retificação, mormente quando o contribuinte já tinha em mãos em 3/2/9 o laudo que embasou o pedido e somente em 02/0/96 ingressou com o pedido. os Conselheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho e Wilfrido Augusto Marques. Antonio de Freitas Dutra - Relator Processo nº : /96-04 Recurso nº : Ex: 994 Recorrente: FÁBIO FERRI Sessão de: 4 de abril de 2003 Acórdão nº : CSRF/ IRPF - RETIFICAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE BENS - ALTERAÇÃO DO VALOR DE MERCADO EM UFIR EM 3/2/9.- Restando incomprovado a existência de erro de fato indefere-se a retificação mormente quando o contribuinte já tinha em mãos em 3/2/9 o laudo que embasou o pedido e somente em 02/0/96 ingressou com o pedido. os Conselheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho e Wilfrido Augusto Marques. Defendeu a Fazenda Nacional o Sr. Procurador Paulo Roberto Riscado Junior. Antonio de Freitas Dutra - Relator Processo nº : /00-40 Recurso nº : MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DECLARAÇÃO Recorrente: WELLINGTON OEDA DO CARMO Sessão de: 4 de abril de 2003 Acórdão nº : CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - O instituto da denúncia espontânea não alberga a prática de ato puramente formal do contribuinte de entregar, com atraso, a declaração de rendimentos porquanto as responsabilidades acessórias autônomas, sem qualquer vínculo direto com a existência do fato gerador do tributo, não estão alcançadas pelo art. 38, do CTN. os Conselheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho (Relatora), Victor Luís de Salles Freire, Remis Almeida estol, José Carlos Passuello, Wilfrido Augusto Marques e Carlos Alberto Gonçalves Nunes. Designado para redigir o voto vencedor o Conselheiro Antonio de Freitas Dutra. Antonio de Freitas Dutra - Redator Designado Processo nº : /00-32 Recurso nº : MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DECLARAÇÃO Recorrente: ELZA MARIA LOPES FERREIRA Sessão de: 4 de abril de 2003 Acórdão nº : CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - O instituto da denúncia espontânea não alberga a prática de ato puramente formal do contribuinte de entregar, com atraso, a declaração de rendimentos porquanto as responsabilidades acessórias autônomas, sem qualquer vín-

11 88 ISSN Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 culo direto com a existência do fato gerador do tributo, não estão alcançadas pelo art. 38, do CTN. os Conselheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho (Relatora), Víctor Luís de Salles Freire, Remis Almeida Estol, José Carlos Passuello, Wilfrido Augusto Marques e Carlos Alberto Gonçalves Nunes. Designado para redigir o voto vencedor o Conselheiro Antonio de Freitas Dutra. Antonio de Freitas Dutra - Redator Designado Processo nº : /00-58 Recurso nº : MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DECLARAÇÃO Recorrente: ELZA MARIA LOPES FERREIRA Sessão de: 4 de abril de 2003 Acórdão nº : CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - O instituto da denúncia espontânea não alberga a prática de ato puramente formal do contribuinte de entregar, com atraso, a declaração de rendimentos porquanto as responsabilidades acessórias autônomas, sem qualquer vínculo direto com a existência do fato gerador do tributo, não estão alcançadas pelo art. 38, do CTN. os Conselheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho (Relatora), Víctor Luís de Salles Freire, Remis Almeida Estol, José Carlos Passuello, Wilfrido Augusto Marques e Carlos Alberto Gonçalves Nunes. Designado para redigir o voto vencedor o Conselheiro Antonio de Freitas Dutra. Antonio de Freitas Dutra - Redator Designado Processo nº : /98-76 Recurso nº : Matéria: IRPJ Recorrente: COMPANHIA CEARENSE DE CIMENTO P O RT L A N D Sessão de: 5 de abril de 2003 Acórdão nº : CSRF/ VIA JUDICIAL - A concomitância de discussão tributária na área administrativa e judiciária, faz prevalecer esta em prejuízo daquela. Recurso que deixa de ser conhecido. Por maioria de votos NÃO CONHECER do recurso face à opção à via judicial. Vencidos os Conselheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho, José Carlos Passuello e Wilfrido Augusto Marques. Celso Alves Feitosa - Relator Processo nº : /97-3 Recurso nº : Exs: 992 a 994 Interessado: PEDRO ARMANDO EBERHARDT Sessão de: 3 de outubro de 2003 Acórdão nº : CSRF/ OMISSÃO DE RENDIMENTOS - SINAIS EXTERIORES DE RIQUEZA - LANÇAMENTO COM BASE EM VALORES CONSTANTES DE EXTRATOS BANCÁRIOS - DEPÓSITOS BANCÁRIOS - APLICAÇÕES FINANCEIRAS - No arbitramento, em procedimento de ofício, efetuado com base em depósitos bancários ou aplicações realizadas junto a instituições financeiras, nos termos do parágrafo 5º do artigo 6º, da Lei n.º 8.02, de 990, é imprescindível que seja comprovada a utilização dos valores depositados como renda consumida, bem como seja comprovada a utilização dos valores em aplicações no mercado financeiro, evidenciando sinais exteriores de riqueza, visto que, por si só, depósitos bancários e aplicações financeiras não constituem fato gerador do imposto de renda, pois não caracterizam disponibilidade econômica de renda e proventos. O Lançamento assim constituído só é admissível quando ficar comprovado o nexo causal entre os depósitos e o fato que represente omissão de rendimento. Devendo, ainda, neste caso (comparação entre os depósitos bancários e a renda consumida), ser levada a efeito a modalidade que mais favorecer o contribuinte. GASTOS E/OU APLICAÇÕES INCOMPATÍVEIS COM A RENDA MENSAL DECLARADA DISPONÍVEL - LEVANTAMEN- TO PATRIMONIAL - FLUXO DE RECURSOS E APLICAÇÕES - CHEQUES EMITIDOS - Os cheques emitidos, quando não comprovada a destinação, efetividade da despesa, aplicação ou consumo, não podem lastrear lançamento fiscal. Mero indício de que os valores constantes dos cheques foram consumidos não conduz à alocação dos mesmos a título de aplicação, no fluxo de caixa. Cabe à fiscalização aprofundar seu poder investigatório a fim de demonstrar que os cheques emitidos representam efetivamente gastos suportados pelo contribuinte. Por unanimidade de votos NEGAR provimento ao recurso. Antonio de Freitas Dutra - Relator Processo nº : /98-99 Recurso nº : Matéria: CSLL Recorrente: FOCCAR FACTORING FOMENTO COMER- CIAL LTDA. Sessão de: 3 de outubro de 2003 Acórdão nº : CSRF/ CSLL - JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO - DEDU- TIBILIDADE - TRIBUTAÇÃO COM BASE NO LUCRO REAL MENSAL - VIGÊNCIA DO PARÁGRAFO 0, DO ARTIGO 9º, DA LEI Nº 9.249/95 - ANTERIORIDADE MITIGADA - REVOGAÇÃO PELO ARTIGO 88 DA LEI Nº 9.430/99: As contribuições sociais somente poderão ser exigidas depois de decorridos noventa dias da data da publicação da Lei que a houver instituído ou majorado (Art. 95, 6º da CF) (Ac. Um. 2ª Turma STF, RE nº /CE, Rel. Min. Marco Aurélio). Porém, no caso específico, mercê da legislação anterior impedir a exclusão dos juros sobre o capital próprio da base de cálculo (Art. 49 da Lei nº 4.506/64), por inexistir tributação a afastar, a anterioridade mitigada não pode beneficiar a recorrente. CSLL - JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO - DEDU- TIBILIDADE - INÍCIO - Somente a partir de de janeiro de 997 é dedutível, na determinação da base de cálculo da contribuição social sobre o lucro, o montante dos juros pagos ou creditados a título de remuneração do capital próprio, por força da revogação do 0 do art. 9 da Lei n 9.249/95 promovida pelo inciso XXVI do art. 88 da Lei n 9.430/96. Recurso especial negado. Pelo voto de QUALIDADE NEGAR provimento ao recurso. Vencidos os Conselheiros José Carlos Passuello (Relator), Dorival Padovan, Maria Goretti de Bulhões Carvalho, Victor Luis de Salles Freire, Remis Almeida Estol, José Ribamar Barros Penha, Wilfrido Augusto Marques, Mário Junqueira Franco Júnior. Designado para redigir o voto vencedor o Conselheiro Manoel Antonio Gadelha Dias. Manoel Antonio Gadelha Dias - Redator Designado <!ID > Processo nº : / Recurso nº : Interessado: AMAZONINO ARMANDO MENDES Sessão de: 02 de dezembro de 2003 Acórdão nº : CSRF/ IRPF - DOCUMENTO PÚBLICO - VALOR DE AQUI- SIÇÃO -PROVA - ARBITRAMENTO - Á mingua de prova inequívoca em contrário, prevalece o preço lavrado em escritura pública, mormente quando os paradigmas utilizados no arbitramento não apresentam elementos compatíveis para justificar a eleição de outro val o r. Recurso especial negado. Remis Almeida Estol - Relator Processo nº : / Recurso nº : Interessado: ANA MARIA SANTOS FERREIRA Sessão de: 6 de fevereiro de 2004 Acórdão nº : CSRF/ PROGRAMAS DE DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO OU INCENTIVADO (PDV/PDI - VALORES RECEBIDOS A TÍTULO DE INCENTIVO À ADESÃO - NÃO INCIDÊNCIA - REPETIÇÃO DE INDÉBITO - JUROS - TAXA SELIC - TERMO INICIAL DE INCIDÊNCIA - As verbas rescisórias especiais recebidas pelo trabalhador quando da extinção do contrato por dispensa incentivada têm caráter indenizatório, não se sujeitam à incidência do imposto de renda na fonte e nem na Declaração de Ajuste Anual. Reconhecida a não incidência tributária, inexiste fato gerador do imposto, razão pela qual cabível o acréscimo de juros equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e Custódia - SELIC, a partir da data do pagamento indevido e de um por cento relativamente ao mês em que o recurso for colocado à disposição do contribuinte. Recurso especial negado. os Conselheiros Remis Almeida Estol (Relator) e Antonio de Freitas Dutra. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Leila Maria Scherrer Leitão. Leila Maria Scherrer Leitão - Redator Designado Processo nº : / Recurso nº : Interessado: ANTONIO ROBERTO MENEZES HORA Sessão de: 7 de fevereiro de 2004 Acórdão nº : CSRF/ PROGRAMAS DE DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO OU INCENTIVADO (PDV/PDI - VALORES RECEBIDOS A TÍTULO DE INCENTIVO À ADESÃO - NÃO INCIDÊNCIA - REPETIÇÃO DE INDÉBITO - JUROS - TAXA SELIC - TERMO INICIAL DE INCIDÊNCIA - As verbas rescisórias especiais recebidas pelo trabalhador quando da extinção do contrato por dispensa incentivada têm caráter indenizatório, não se sujeitam à incidência do imposto de renda na fonte e nem na Declaração de Ajuste Anual. Reconhecida a não incidência tributária, inexiste fato gerador do imposto, razão pela qual cabível o acréscimo de juros equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e Custódia - SELIC, a partir da data do pagamento indevido e de um por cento relativamente ao mês em que o recurso for colocado à disposição do contribuinte. Recurso especial negado. os Conselheiros Remis Almeida Estol (Relator) e Antonio de Freitas Dutra. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Leila Maria Scherrer Leitão. Leila Maria Scherrer Leitão - Redator Designado Processo nº : / Recurso nº : Interessado: OSVALDO LUIZ DA SILVA Sessão de: 7 de fevereiro de 2004 Acórdão nº : CSRF/ PROGRAMAS DE DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO OU INCENTIVADO (PDV/PDI - VALORES RECEBIDOS A TÍTULO DE INCENTIVO À ADESÃO - NÃO INCIDÊNCIA - REPETIÇÃO DE INDÉBITO - JUROS - TAXA SELIC - TERMO INICIAL DE INCIDÊNCIA - As verbas rescisórias especiais recebidas pelo trabalhador quando da extinção do contrato por dispensa incentivada têm caráter indenizatório, não se sujeitam à incidência do imposto de renda na fonte e nem na Declaração de Ajuste Anual. Reconhecida a não incidência tributária, inexiste fato gerador do imposto, razão pela qual cabível o acréscimo de juros equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e Custódia - SELIC, a partir da data do pagamento indevido e de um por cento relativamente ao mês em que o recurso for colocado à disposição do contribuinte. Recurso especial negado. os Conselheiros Remis Almeida Estol (Relator) e Antonio de Freitas Dutra. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Leila Maria Scherrer Leitão. Leila Maria Scherrer Leitão - Redator Designado Processo nº : / Recurso nº : Interessado: FRANCISCO ANTÔNIO MURICY Sessão de: 7 de fevereiro de 2004 Acórdão nº : CSRF/ PROGRAMAS DE DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO OU INCENTIVADO (PDV/PDI - VALORES RECEBIDOS A TÍTULO DE INCENTIVO À ADESÃO - NÃO INCIDÊNCIA - REPETIÇÃO DE INDÉBITO - JUROS - TAXA SELIC - TERMO INICIAL DE INCIDÊNCIA - As verbas rescisórias especiais recebidas pelo trabalhador quando da extinção do contrato por dispensa incentivada têm caráter indenizatório, não se sujeitam à incidência do imposto de renda na fonte e nem na Declaração de Ajuste Anual. Reconhecida a não incidência tributária, inexiste fato gerador do imposto, razão pela qual cabível o acréscimo de juros equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e Custódia - SELIC, a partir da data do pagamento indevido e de um por cento relativamente ao mês em que o recurso for colocado à disposição do contribuinte. Recurso especial negado. os Conselheiros Remis Almeida Estol (Relator) e Antonio de Freitas Dutra. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Leila Maria Scherrer Leitão. Leila Maria Scherrer Leitão - Redator Designado Processo nº: /00-37 Recurso nº: Ex: 997 Interessado: SANDRA HELENA DOS SANTOS Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IMPOSTO DE RENDA NA FONTE - ANTECIPAÇÃO - FALTA DE RETENÇÃO - LANÇAMENTO APÓS 3 DE DEZEM- BRO DO ANO-CALENDÁRIO - EXCLUSÃO DA RESPONSA- BILIDADE DA FONTE PAGADORA PELO RECOLHIMENTO DO IMPOSTO DEVIDO - Previsão da tributação na fonte por antecipação do imposto devido na declaração de ajuste anual de rendimentos e ação fiscal após 3 de dezembro do ano do fato gerador, incabível a constituição de crédito tributário através do lançamento de imposto de renda na fonte na pessoa jurídica pagadora dos rendimentos. RENDIMENTOS DO TRABALHO - AÇÃO TRABALHIS- TA - OMISSÃO NA DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL - SU- JEITO PASSIVO DA OBRIGAÇÃO - Constatada pelo Fisco a omissão de rendimentos sujeitos à incidência do imposto na declaração de ajuste anual, legítima a autuação na pessoa do beneficiário. A falta de retenção do imposto pela fonte pagadora não exonera o contribuinte, beneficiário dos rendimentos, da obrigação de incluí-los, para tributação, na declaração de ajuste anual. Recurso provido. Por unanimidade de votos, DAR provimento ao recurso da Fazenda Nacional e determinar o retorno dos autos à Câmara recorrida para exame do mérito do recurso voluntário. Leila Maria Scherrer Leitão - Relator Processo nº: /00-53 Recurso nº: Ex: 997 Interessado: MAURA REGINA RUSSO SIMONETTI Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/

12 Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 ISSN IMPOSTO DE RENDA NA FONTE - ANTECIPAÇÃO - FALTA DE RETENÇÃO - LANÇAMENTO APÓS 3 DE DEZEM- BRO DO ANO-CALENDÁRIO - EXCLUSÃO DA RESPONSA- BILIDADE DA FONTE PAGADORA PELO RECOLHIMENTO DO IMPOSTO DEVIDO - Previsão da tributação na fonte por antecipação do imposto devido na declaração de ajuste anual de rendimentos e ação fiscal após 3 de dezembro do ano do fato gerador, incabível a constituição de crédito tributário através do lançamento de imposto de renda na fonte na pessoa jurídica pagadora dos rendimentos. RENDIMENTOS DO TRABALHO - AÇÃO TRABALHIS- TA - OMISSÃO NA DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL - SU- JEITO PASSIVO DA OBRIGAÇÃO - Constatada pelo Fisco a omissão de rendimentos sujeitos à incidência do imposto na declaração de ajuste anual, legítima a autuação na pessoa do beneficiário. A falta de retenção do imposto pela fonte pagadora não exonera o contribuinte, beneficiário dos rendimentos, da obrigação de incluí-los, para tributação, na declaração de ajuste anual. Recurso provido. Por unanimidade de votos, DAR provimento ao recurso da Fazenda Nacional e determinar o retorno dos autos à Câmara recorrida para exame do mérito do recurso voluntário. Leila Maria Scherrer Leitão - Relator Processo nº: /00-3 Recurso nº: Ex: 997 Interessado: ROBERTO KIYOSHI ODAQUIRI. Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IMPOSTO DE RENDA NA FONTE - ANTECIPAÇÃO - FALTA DE RETENÇÃO - LANÇAMENTO APÓS 3 DE DEZEM- BRO DO ANO-CALENDÁRIO - EXCLUSÃO DA RESPONSA- BILIDADE DA FONTE PAGADORA PELO RECOLHIMENTO DO IMPOSTO DEVIDO - Previsão da tributação na fonte por antecipação do imposto devido na declaração de ajuste anual de rendimentos e ação fiscal após 3 de dezembro do ano do fato gerador, incabível a constituição de crédito tributário através do lançamento de imposto de renda na fonte na pessoa jurídica pagadora dos rendimentos. RENDIMENTOS DO TRABALHO - AÇÃO TRABALHIS- TA - OMISSÃO NA DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL - SU- JEITO PASSIVO DA OBRIGAÇÃO - Constatada pelo Fisco a omissão de rendimentos sujeitos à incidência do imposto na declaração de ajuste anual, legítima a autuação na pessoa do beneficiário. A falta de retenção do imposto pela fonte pagadora não exonera o contribuinte, beneficiário dos rendimentos, da obrigação de incluí-los, para tributação, na declaração de ajuste anual. Recurso provido. Por unanimidade de votos, DAR provimento ao recurso da Fazenda Nacional e determinar o retorno dos autos à Câmara recorrida para exame do mérito do recurso voluntário. Leila Maria Scherrer Leitão - Relator Processo nº: /99-4 Recurso nº: Ex: 997 Interessado: JONAS RUBINI JÚNIOR Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IMPOSTO DE RENDA NA FONTE - ANTECIPAÇÃO - FALTA DE RETENÇÃO - LANÇAMENTO APÓS 3 DE DEZEM- BRO DO ANO-CALENDÁRIO - EXCLUSÃO DA RESPONSA- BILIDADE DA FONTE PAGADORA PELO RECOLHIMENTO DO IMPOSTO DEVIDO - Previsão da tributação na fonte por antecipação do imposto devido na declaração de ajuste anual de rendimentos e ação fiscal após 3 de dezembro do ano do fato gerador, incabível a constituição de crédito tributário através do lançamento de imposto de renda na fonte, pessoa jurídica pagadora dos rendimentos. RENDIMENTOS DO TRABALHO - AÇÃO TRABALHIS- TA - OMISSÃO NA DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL - SU- JEITO PASSIVO DA OBRIGAÇÃO - Constatada pelo Fisco a omissão de rendimentos sujeitos à incidência do imposto na declaração de ajuste anual, legítima a autuação na pessoa do beneficiário. A falta de retenção do imposto pela fonte pagadora não exonera o contribuinte, beneficiário dos rendimentos, da obrigação de incluí-los, para tributação, na declaração de ajuste anual. Recurso provido. Por unanimidade de votos, DAR provimento ao recurso da Fazenda Nacional e determinar o retorno dos autos à Câmara recorrida para exame do mérito do recurso voluntário. Leila Maria Scherrer Leitão - Relator Processo nº: /00-48 Recurso nº: Matéria: IRPJ Interessado: HONEYWELL MEASUREX DO BRASIL LT- DA. Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPJ - COMPENSAÇÃO DE PREJUÍZOS - POSSIBILI- DADE: A parcela de prejuízos fiscais apurada até poderá ser utilizada nos anos seguintes, obedecido o limite de 30% calculado sobre o lucro real do período da compensação. Recurso especial da Fazenda Nacional conhecido e provido. Por maioria de votos, DAR provimento ao recurso. Vencidos os Conselheiros Victor Luís de Salles Freire e Wilfrido Augusto Marques que negaram provimento ao recurso e Remis Almeida Estol que deu provimento parcial ao recurso. José Carlos Passuello - Relator Processo nº: /00-48 Recurso nº: Matéria: IRF - MULTA QUALIFICADA Interessado: PINGO DE MEL IMPORTAÇÃO E EXPOR- TAÇÃO LTDA. Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ MULTA DE OFÍCIO QUALIFICADA. APLICAÇÃO - No caso de lançamento de ofício será aplicada multa calculada sobre o crédito tributário apurado, no percentual de 50%, quando caracterizado o evidente intuito de fraude por parte do autuado, em face dos levantamentos realizados pela autoridade autuante e fatos revelados nos autos do processo. Recurso conhecido e provido. Por maioria de votos, DAR provimento ao recurso. Vencidos os Conselheiros Remis Almeida Estol e Wilfrido Augusto Marques que negaram provimento ao recurso. José Ribamar Barros Penha - Relator Processo nº: /00-73 Recurso nº: Interessado: LAÉRCIO MADSON DE AMORIM MONTEI- RO Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - GANHO DE CAPITAL - DESAPROPRIAÇÃO POR UTILIDADE PÚBLICA - A desapropriação é ato coativo do Estado, que, na satisfação do interesse público, expropria bem privado, mediante justa e prévia indenização (art. 5º, XXIV da CF). Assim sendo, o valor recebido não está sujeito a incidência de imposto de renda e conseqüentemente apuração de ganho de capital, eis que não se cogita de negócio jurídico, mas simples indenização pela perda involuntária do patrimônio. Recurso improvido. IRPF. Por maioria de votos, NEGAR provimento ao recurso. Vencido o Conselheiro José Ribamar Barros Penha que deu provimento ao recurso. Wilfrido Augusto Marques - Relator Processo nº: /00-49 Recurso nº: Multa por atraso na entrega da declaração Recorrente: CONSTANTE ROGÉRIO RICHETTI Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL. A apresentação da declaração de ajuste anual do imposto de renda fora do prazo legal, sujeita o contribuinte à multa por atraso no valor de um por cento do imposto apurado, quando este seja superior a R$65,74. DENÚNCIA ESPONTÂNEA - ARTIG0 38 DO CTN. O instituto da denúncia espontânea não alberga a prática de ato puramente formal do contribuinte de entregar com atraso a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física. Recurso improvido. os Conselheiros Wilfrido Augusto Marques (Relator), Maria Goretti de Bulhões Carvalho, Victor Luís de Salles Freire, Remis Almeida Estol e Carlos Alberto Gonçalves Nunes que deram provimento ao recurso. Designado para redigir o voto vencedor o Conselheiro José Ribamar Barros Penha. José Ribamar Barros Penha - Redator Designado Processo nº: /00-2 Recurso nº: Multa por atraso na entrega da declaração Recorrente: RICARDO DE SOUZA PEREIRA Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL. A apresentação da declaração de ajuste anual do imposto de renda fora do prazo legal, sujeita o contribuinte à multa por atraso no valor de R$65,74, quando este seja superior a % do imposto devido. DENÚNCIA ESPONTÂNEA - O instituto da denúncia espontânea não alberga a prática de ato puramente formal do contribuinte de entregar, com atraso, a declaração do imposto de renda. Recurso improvido. os Conselheiros Wilfrido Augusto Marques (Relator), Maria Goretti de Bulhões Carvalho, Victor Luís de Salles Freire, Remis Almeida Estol e Carlos Alberto Gonçalves Nunes que deram provimento ao recurso. Designado para redigir o voto vencedor o Conselheiro José Ribamar Barros Penha. José Ribamar Barros Penha - Redator Designado Processo nº: /99-50 Recurso nº: PDV - RESTITUIÇÂO Interessado: FERNANDO VASQUES MAINIERI Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ DECADÊNCIA - PEDIDO DE RESTITUIÇÃO - TERMO INICIAL - Em caso de conflito quanto à legalidade da exação tributária, o termo inicial para contagem do prazo decadencial do direito de pleitear a restituição de tributo pago indevidamente inicia-se: a) da publicação do acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal em ADIN; b) da Resolução do Senado que confere efeito erga omnes à decisão proferida inter partes em processo que reconhece inconstitucionalidade de tributo; c) da publicação de ato administrativo que reconhece caráter indevido de exação tributária. Recurso conhecido e improvido. os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber e Leila Maria Scherrer Leitão que deram provimento ao recurso. Wilfrido Augusto Marques - Relator Processo nº: /99-89 Recurso nº: Ex: 996 Interessado: EDSON KUBIAK Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IMPOSTO DE RENDA NA FONTE - ANTECIPAÇÃO - FALTA DE RETENÇÃO - LANÇAMENTO APÓS 3 DE DEZEM- BRO DO ANO-CALENDÁRIO - EXCLUSÃO DA RESPONSA- BILIDADE DA FONTE PAGADORA PELO RECOLHIMENTO DO IMPOSTO DEVIDO - Previsão da tributação na fonte por antecipação do imposto devido na declaração de ajuste anual de rendimentos e ação fiscal após 3 de dezembro do ano do fato gerador, incabível a constituição de crédito tributário através do lançamento de imposto de renda na fonte na pessoa jurídica pagadora dos rendimentos. RENDIMENTOS DO TRABALHO - AÇÃO TRABALHIS- TA - OMISSÃO NA DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL - SU- JEITO PASSIVO DA OBRIGAÇÃO - Constatada pelo Fisco a omissão de rendimentos sujeitos à incidência do imposto na declaração de ajuste anual, legítima a autuação na pessoa do beneficiário. A falta de retenção do imposto pela fonte pagadora não exonera o contribuinte, beneficiário dos rendimentos, da obrigação de incluí-los, para tributação, na declaração de ajuste anual. Recurso provido. Por unanimidade de votos, DAR provimento ao recurso da Fazenda Nacional e determinar o retorno dos autos à Câmara recorrida para exame do mérito do recurso voluntário. Leila Maria Scherrer Leitão - Relator Processo nº: /99-75 Recurso nº: Ex: 996 Interessado: SIDNEY IVO GERLACK Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IMPOSTO DE RENDA NA FONTE - ANTECIPAÇÃO - FALTA DE RETENÇÃO - LANÇAMENTO APÓS 3 DE DEZEM- BRO DO ANO-CALENDÁRIO - EXCLUSÃO DA RESPONSA- BILIDADE DA FONTE PAGADORA PELO RECOLHIMENTO DO IMPOSTO DEVIDO - Previsão da tributação na fonte por antecipação do imposto devido na declaração de ajuste anual de rendimentos e ação fiscal após 3 de dezembro do ano do fato gerador, incabível a constituição de crédito tributário através do lançamento de imposto de renda na fonte na pessoa jurídica pagadora dos rendimentos. RENDIMENTOS DO TRABALHO - AÇÃO TRABALHIS- TA - OMISSÃO NA DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL - SU- JEITO PASSIVO DA OBRIGAÇÃO - Constatada pelo Fisco a omissão de rendimentos sujeitos à incidência do imposto na declaração de ajuste anual, legítima a autuação na pessoa do beneficiário. A falta de retenção do imposto pela fonte pagadora não exonera o contribuinte, beneficiário dos rendimentos, da obrigação de incluí-los, para tributação, na declaração de ajuste anual. Recurso provido. Por unanimidade de votos, DAR provimento ao recurso da Fazenda Nacional e determinar o retorno dos autos à Câmara recorrida para exame do mérito do recurso voluntário. Leila Maria Scherrer Leitão - Relator

13 90 ISSN Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 <!ID > Processo nº: /00-93 Recurso nº: Ex: 998 Interessado: EDMILSON ALVES DA SILVA Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IMPOSTO DE RENDA NA FONTE - ANTECIPAÇÃO - FALTA DE RETENÇÃO - LANÇAMENTO APÓS 3 DE DEZEM- BRO DO ANO-CALENDÁRIO - EXCLUSÃO DA RESPONSA- BILIDADE DA FONTE PAGADORA PELO RECOLHIMENTO DO IMPOSTO DEVIDO - Previsão da tributação na fonte por antecipação do imposto devido na declaração de ajuste anual de rendimentos, e ação fiscal após 3 de dezembro do ano do fato gerador, incabível a constituição de crédito tributário através do lançamento de imposto de renda na fonte, pessoa jurídica pagadora dos rendimentos. RENDIMENTOS DO TRABALHO - AÇÃO TRABALHIS- TA - OMISSÃO NA DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL - SU- JEITO PASSIVO DA OBRIGAÇÃO - Constatada pelo Fisco a omissão de rendimentos sujeitos à incidência do imposto na declaração de ajuste anual, legítima a autuação na pessoa do beneficiário. A falta de retenção do imposto pela fonte pagadora não exonera o contribuinte, beneficiário dos rendimentos, da obrigação de incluí-los, para tributação, na declaração de ajuste anual. Recurso provido. Por unanimidade de votos, DAR provimento ao recurso da Fazenda Nacional e determinar o retorno dos autos à Câmara recorrida para exame do mérito do recurso voluntário. Leila Maria Scherrer Leitão - Relator Processo nº: /99-7 Recurso nº: Matéria: IRPJ Interessado: LOJAS RENNER S.A. Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPJ. EXCLUSÃO INDEVIDA DA DIFERENÇA DE CORREÇÃO MONETÁRIA E DEPRECIAÇÃO DA DIFERENÇA DE CORREÇÃO MONETÁRIA DE PLANO VERÃO. IN- DICE APLICÁVEL. IPC. PRECEDENTES DO STJ. O índice aplicável para a correção monetária das demonstrações financeiras no mês de janeiro de 989 é o IPC - Índice de Preços ao Consumidor que era utilizado para a apuração do valor do OTN, conforme expresso no único, do artigo 6º, do Decreto-lei nº 2.284, de 0/03/986, cujo entendimento foi confirmado pela Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial da Fazenda Nacional conhecido e não provido. Por maioria de votos, NEGAR provimento ao recurso. Vencido o Conselheiro Marcos Vinícius Neder de Lima, que deu provimento ao recurso. José Carlos Passuello - Relator Processo nº: /99-40 Recurso nº: RESTITUIÇÃO - MOLÉSTIA GRAVE Interessado: PAULO RIBEIRO BORGES Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ RECURSO ESPECIAL - PRESSUPOSTOS DE ADMISSI- BILIDADE - O recurso especial previsto no art. 32, I, do Regimento Interno dos Conselhos de Contribuintes, aprovado pela Portaria Ministerial nº 55 de 6 de março de 998, tem por pressuposto a demonstração pela Procuradoria da Fazenda Nacional da contrariedade a lei ou a evidência de prova na parte não unânime da decisão na Câmara. Recurso que aborda matéria sobre a qual houve unanimidade, não merece admissão. Recurso não conhecido. Por unanimidade de votos, NÃO CONHECER do recurso. Wilfrido Augusto Marques - Relator Processo nº: /99-07 Recurso nº: PDV - RESITUIÇÃO Interessado: ROQUE EHRHARDT DE CAMPOS Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ DECADÊNCIA - PEDIDO DE RESTITUIÇÃO - TERMO INICIAL - Em caso de conflito quanto à legalidade da exação tributária, o termo inicial para contagem do prazo decadencial do direito de pleitear a restituição de tributo pago indevidamente inicia-se: a) da publicação do acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal em ADIN; b) da Resolução do Senado que confere efeito erga omnes à decisão proferida inter partes em processo que reconhece inconstitucionalidade de tributo; c) da publicação de ato administrativo que reconhece caráter indevido de exação tributária. Recurso conhecido e improvido. os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber e Leila Maria Scherrer Leitão que deram provimento ao recurso. Wilfrido Augusto Marques - Relator Processo nº: /99-97 Recurso nº: PDV - RESITUIÇÃO Interessado: WILSON MIRHAN VAZ Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ DECADÊNCIA - PEDIDO DE RESTITUIÇÃO - TERMO INICIAL - Em caso de conflito quanto à legalidade da exação tributária, o termo inicial para contagem do prazo decadencial do direito de pleitear a restituição de tributo pago indevidamente inicia-se: a) da publicação do acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal em ADIN; b) da Resolução do Senado que confere efeito erga omnes à decisão proferida inter partes em processo que reconhece inconstitucionalidade de tributo; c) da publicação de ato administrativo que reconhece caráter indevido de exação tributária. Recurso conhecido e improvido. os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber e Leila Maria Scherrer Leitão que deram provimento ao recurso. Wilfrido Augusto Marques - Relator Processo nº: /99-0 Recurso nº: PDV - RESITUIÇÃO Interessado: MÁRCIA APARECIDA VITALI CONSOLO DE ANDRADE Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ DECADÊNCIA - PEDIDO DE RESTITUIÇÃO - TERMO INICIAL - Em caso de conflito quanto à legalidade da exação tributária, o termo inicial para contagem do prazo decadencial do direito de pleitear a restituição de tributo pago indevidamente inicia-se: a) da publicação do acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal em ADIN; b) da Resolução do Senado que confere efeito erga omnes à decisão proferida inter partes em processo que reconhece inconstitucionalidade de tributo; c) da publicação de ato administrativo que reconhece caráter indevido de exação tributária. Recurso conhecido e improvido. os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber e Leila Maria Scherrer Leitão que deram provimento ao recurso. Wilfrido Augusto Marques - Relator Processo nº: /98-53 Recurso nº: Interessado: SANDER FREITAS DE SOUZA Sessão de: 3 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ OMISSÃO DE RENDIMENTO - ACRÉSCIMO PATRIMO- NIAL - APURAÇÃO MENSAL - REQUISITOS LEGAIS - Na determinação de acréscimo patrimonial não justificado, as mutações patrimoniais devem ser levantadas mensalmente, confrontando-as com os rendimentos do respectivo mês. Incabível a adoção de critérios não previstos em lei, assim considerada a presunção de que o rendimento líquido apurado na declaração anual de rendimentos tenha sido percebido em determinado mês, mormente quando o contribuinte não é devidamente intimado para declinar os rendimentos mensalmente auferidos. os Conselheiros José Henrique Longo e Mário Junqueira Franco Júnior que deram provimento ao recurso. Leila Maria Scherrer Leitão - Relator Processo nº: /96-38 Recurso nº: Ex: 995 Recorrente: ALCINDO CAETANO MACHADO JÚNIOR Sessão de: 3 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - CONTRIBUINTE COM ATIVIDADE RURAL - ACRÉSCIMO PATRIMONIAL A DESCOBERTO - Incabível a apuração mensal do imposto, ainda que relativamente a acréscimo patrimonial a descoberto, quando, admitido ou provado, que os rendimentos que deram suporte ao fato tiveram origem na atividade rural, cuja tributação é regida por norma própria que estabelece ser o fato gerador, para o caso, anual. Recurso provido. Por unanimidade de votos, DAR provimento ao recurso. Leila Maria Scherrer Leitão - Relator Processo nº: /200-2 Recurso nº: Matéria: CSLL - Ano-calendário: 995 Interessado: VIAÇÃO AÉREA SÃO PAULO S.A. Sessão de: 3 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ CSLL. LANÇAMENTO. PRELIMINAR DE DECADÊN- CIA. HOMOLOGAÇÃO. ART. 45 DA LEI N 8.22/9. INAPLI- CABILIDADE. PREVALÊNCIA DO ART. 50, 4, DO CTN, COM RESPALDO NO ARTIGO 46, III, 'b', DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. A regra de incidência de cada tributo é que define a sistemática de seu lançamento. A CSLL é tributo cuja legislação atribui ao sujeito passivo o dever de antecipar o pagamento sem prévio exame da autoridade administrativa, pelo que amolda-se à sistemática de lançamento denominada de homologação, onde a contagem do prazo decadencial desloca-se da regra geral (art. 73, do CTN) para encontrar respaldo no 4, do artigo 50, do mesmo Código, hipótese em que os cinco anos tem como termo inicial a data da ocorrência do fato gerador. É inaplicável à hipótese dos autos o artigo 45, da Lei n 8.22/9 que prevê o prazo de 0 anos como sendo o lapso decadencial, já que a natureza tributária da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido assegura a aplicação do 4, do artigo 50 do CTN, em estrita obediência ao disposto no artigo 46, inciso III, 'b', da Constituição Federal. Negado provimento ao Recurso Especial da Procuradoria da Fazenda Nacional. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra, Cândido Rodrigues Neuber, Marcos Vinícius Neder de Lima e Manoel Antônio Gadelha Dias que deram provimento ao recurso. José Carlos Passuello - Relator Processo nº: /00-6 Recurso nº: Interessado: DENILSON MARCONDES VENÂNCIO Sessão de: 3 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - NORMAS PROCESSUAIS. NÃO CONHECIMEN- TO. Não se conhece do Recurso Especial impetrado em desacordo com as normas regimentais dos Conselhos de Contribuintes. Recurso não conhecido Por unanimidade de votos, NÃO CONHECER do recurso. José Ribamar Barros Penha - Relator Processo nº: /99-5 Recurso nº: PDV - RESITUIÇÃO Interessado: MARGARIDA DA SILVA VIDAL Sessão de: 3 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ DECADÊNCIA - PEDIDO DE RESTITUIÇÃO - TERMO INICIAL - Em caso de conflito quanto à legalidade da exação tributária, o termo inicial para contagem do prazo decadencial do direito de pleitear a restituição de tributo pago indevidamente inicia-se: a) da publicação do acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal em ADIN; b) da Resolução do Senado que confere efeito erga omnes à decisão proferida inter partes em processo que reconhece inconstitucionalidade de tributo; c) da publicação de ato administrativo que reconhece caráter indevido de exação tributária. Recurso conhecido e improvido. os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber e Leila Maria Scherrer Leitão que deram provimento ao recurso. Wilfrido Augusto Marques - Relator Processo nº: /99-2 Recurso nº: PDV - RESITUIÇÃO Interessado: RICARDO GONÇALVES MOREIRA Sessão de: 3 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ DECADÊNCIA - PEDIDO DE RESTITUIÇÃO - TERMO INICIAL - Em caso de conflito quanto à legalidade da exação tributária, o termo inicial para contagem do prazo decadencial do direito de pleitear a restituição de tributo pago indevidamente inicia-se: a) da publicação do acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal em ADIN; b) da Resolução do Senado que confere efeito erga omnes à decisão proferida inter partes em processo que reconhece inconstitucionalidade de tributo; c) da publicação de ato administrativo que reconhece caráter indevido de exação tributária. Recurso conhecido e improvido. os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber e Leila Maria Scherrer Leitão que deram provimento ao recurso. Wilfrido Augusto Marques - Relator

14 <!ID > Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 ISSN Processo nº: /99-54 Recurso nº: PDV - RESITUIÇÃO Interessado: LEILANI LISBOA LENTE DO LAGO Sessão de: 3 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ DECADÊNCIA - PEDIDO DE RESTITUIÇÃO - TERMO INICIAL - Em caso de conflito quanto à legalidade da exação tributária, o termo inicial para contagem do prazo decadencial do direito de pleitear a restituição de tributo pago indevidamente inicia-se: a) da publicação do acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal em ADIN; b) da Resolução do Senado que confere efeito erga omnes à decisão proferida inter partes em processo que reconhece inconstitucionalidade de tributo; c) da publicação de ato administrativo que reconhece caráter indevido de exação tributária. Recurso conhecido e improvido. os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber e Leila Maria Scherrer Leitão que deram provimento ao recurso. Wilfrido Augusto Marques - Relator Processo nº: /96-3 Recurso nº: Matéria: IRPJ Interessado: ELEKPART PARTICIPAÇÕES E ADMINIS- TRAÇÃO S.A. (atual denominação da ELEKEIROZ S.A.). Sessão de: 3 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - RETEN- ÇÃO LEGAL - APURAÇÃO DO IMPOSTO A PAGAR NA DE- CLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - TRIBUTAÇÃO PELO LUCRO REAL - FREQÜÊNCIA ANUAL - REGIME DE FONTE POR AN- TECIPAÇÃO - PREJUÍZO APURADO - INEXISTÊNCIA DE IM- POSTO A PAGAR - PRESCRIÇÃO - NÃO APLICAÇÃO DO ART. 68 DO CTN - FORMA DE PLEITEAR O DIREITO À RESTI- TUIÇÃO: Tendo a retenção do imposto de renda incidente sobre receitas da prestação de serviços ocorrido por imposição legal, e ao final do período anual de apuração do imposto sido apurado prejuízo fiscal, portanto sem ocorrência de valor a recolher, o imposto antecipadamente retido relativamente às receitas correspondentes incluídas na formação do resultado pode ser restituído ao beneficiário das receitas. É inaplicável o artigo 68 do CTN, que se refere apenas a pagamento indevido de tributos, sendo no caso, devida a retenção exatamente na forma como foi procedida. O prazo prescricional somente se inicia quando da apuração do tributo incidente no período de apuração onde as receitas sujeitas à incidência do imposto de renda na fonte forem oferecidas à tributação, pelo regime de competência. Conforme jurisprudência dominante neste Colegiado, até o advento da Lei n 8.383/9, o imposto de renda era regido pelo lançamento por declaração ou misto, sendo apurado e lançado na declaração anual de rendimentos. O prazo prescricional, portanto, somente começa a fluir no momento da apuração do imposto devido, ocorrida por ocasião da entrega da declaração, sendo indiferente que o contribuinte exerça seu direito por solicitação no próprio formulário da declaração de rendimentos ou em procedimento independente, por solicitação formalizada em requerimento devidamente protocolado na repartição de sua jurisdição. É mantida a decisão recorrida, devendo a autoridade julgadora da jurisdição da recorrente apreciar o mérito do pedido de restituição. Recurso especial da Fazenda Nacional conhecido e não provido. Por maioria de votos, NEGAR provimento ao recurso. Vencido o Conselheiro Remis Almeida Estol que deu provimento ao recurso. José Carlos Passuello - Relator Processo nº: /93-4 Recurso nº: Recorrentes: FAZENDA NACIONAL e PAULO CÉSAR CAVALCANTE (Espólio) Sessão de: 3 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - OMISSÃO DE RENDIMENTOS. DEPÓSITOS BANCÁRIOS - O lançamento baseado em extratos bancários em cobrança quando da vigência do Decreto-lei nº 2.47/88, por expressa determinação, devem ser cancelados. IRPF - OMISSÃO DE RENDIMENTOS - DEPÓSITOS BANCÁRIOS - Na vigência da Lei nº 8.02, de 990, os depósitos bancários para que sejam considerados omissão de rendimentos, fato gerador do Imposto de Renda, deve ser comprovado o nexo causal entre cada depósito e o fato que represente referida omissão. Recurso da Fazenda Nacional não conhecido. Recurso do Sujeito Passivo provido. Por unanimidade de votos, NÃO CONHECER do recurso especial da FAZENDA NACIONAL e, por maioria de votos, DAR provimento ao recurso especial do sujeito passivo. Vencidos os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra e Cândido Rodrigues Neuber, que negaram provimento ao recurso, os Conselheiros Leila Maria Scherrer Leitão, Marcos Vinícius Neder de Lima e Manoel Antônio Gadelha Dias, que proveram parcialmente o recurso, apenas para afastar a tributação dos depósitos bancários em contas de titularidade do contribuinte, e o Conselheiro José Clóvis Alves, que deu provimento parcial ao recurso, para afastar a tributação relativa aos itens.,.3,.4 e.5 do auto de infração. José Ribamar Barros Penha - Relator Processo nº: /00- Recurso nº: Matéria: IRF Interessado: NATURA FINANCIADORA S.A. Sessão de: 4 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ RECURSO ESPECIAL - FALTA DE OBJETO - NÃO CO- NHECIMENTO - Para que o recurso especial interposto com base no inciso II, do artigo 5º, do RICSRF, seja conhecido, é necessário que, em tese, a eliminação da divergência de interpretação da lei tributária beneficie o recorrente. No caso, ainda que eliminada a divergência, restaria provido o recurso voluntário que fora interposto. Recurso não conhecido. Por unanimidade de votos, NÃO CONHECER do recurso. Mário Junqueira Franco Júnior - Relator Processo nº: /200-8 Recurso nº: Matéria: CSL Recorrente: CIDADE DE DEUS COMPANHIA COMER- CIAL DE PARTICIPAÇÕES Sessão de: 4 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ JUROS DE MORA - INCIDÊNCIA - SUSPENSÃO DA EXIGIBILIDADE DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO POR MEDIDA LI- MINAR - Por força do disposto no artigo 6 do Código Tributário Nacional, bem como no artigo 5º do Decreto-Lei.736/79, os juros de mora são devidos ainda que suspensa a exigibilidade do crédito tributário por medida judicial. Somente na hipótese de depósito integral, em que os valores envolvidos são entregues ao Juízo ou direcionados para uso pelo próprio Tesouro Nacional, é que não haverá para o contribuinte qualquer encargo dessa natureza. Mário Junqueira Franco Júnior - Relator Processo nº: /99-7 Recurso nº: Matéria: CSL e ILL Interessado: ITOIL INDUSTRIA DE TRATAMENTO DE ÓLEOS ISOLANTES LTDA. Sessão de: 5 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ INCOSTITUCIONALIDADE DECLARADA - RESOLU- ÇÃO SENATORIAL - ATO ADMINISTRATIVO RECONHECEN- DO A INVALIDADE DA RELAÇÃO JURÍDICO-TRIBUTÁRIA - ARTIGO 68 - CONTAGEM DO PRAZO PARA REPETIR - O prazo prescricional previsto no artigo 68 do CTN conta-se do instante em que surge para o contribuinte a actio nata, com a exclusão da presunção de constitucionalidade de determinada lei, seja em razão de julgamento por Tribunal Superior, ou com o reconhecimento, pelo próprio Poder Executivo, da inexistência de relação jurídico-tributária válida. Para a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, exigida em 988, a contagem se inicia da edição da Resolução do Senado Federal nº /95. No caso do Imposto sobre o Lucro Líquido, a contagem se inicia a partir da edição da Resolução do Senado Federal nº 82/96, quando referente a sociedades anônimas, ou da edição da IN SRF 63/97, quando referente a sociedades por quotas de responsabilidade limitada, que não possuíam em seus contratos sociais cláusula de automática distribuição de lucros. os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber, Leila Maria Scherrer Leitão e Marcos Vinícius Neder de Lima que deram provimento ao recurso. Mário Junqueira Franco Júnior - Relator <!ID > Processo nº: /96-29 Recurso nº: Matéria: IRPJ e OUTROS Recorrente: CONSTRUTORA JH LTDA. Sessão de: 5 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ LEI 8.54/92 - ARTIGO 43 - IRPJ - CSL - OMISSÃO DE RECEITA - TRIBUTAÇÃO EM SEPARADO - POSSIBILIDADE DE COMPENSAÇÃO DE PREJUÍZOS FISCAIS E BASES DE CÁLCULO NEGATIVAS Em se tratando de empresa tributada pelo lucro real, devem ser compensados, com as infrações por omissão de receita tributadas na forma do artigo 43 da Lei 8.54/92, os prejuízos fiscais de IRPJ e as bases de cálculo negativas de CSL, estas últimas tão-somente as geradas a partir de 992. Recurso provido. Por maioria de votos, DAR provimento ao recurso. Vencidos os Conselheiros Marcos Vinícius Neder de Lima e Carlos Alberto Gonçalves Nunes que negaram provimento ao recurso. Os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber, Marcio Machado Caldeira (Suplente convocado) e José Clóvis Alves acompanharam o Conselheiro Relator por suas conclusões. Mário Junqueira Franco Júnior - Relator ROSEMARI CORRÊA E SILVA Chefe da Secretaria da Conselho EMENTÁRIO DOS ACÓRDÃOS FORMALIZADOS NO MÊS DE SETEMBRO DE 2004 Processo nº: /00-4 Recurso nº: Matéria: IRPJ Interessado : CEMEC CONSTRUÇÕES ELETROMECÂNI- CAS S.A. Sessão de: 7 de fevereiro de 2004 Acórdão nº: CSRF/ ISENÇÃO - SUDENE - FALTA DE COMUNICAÇÃO DA CONCESSÃO DO BENEFÍCIO À RECEITA FEDERAL - A não comunicação de certo beneficio fiscal outorgado pela SUDENE à Secretaria da Receita Federal implica mero descumprimento de obrigação acessória que é insuscetível de implicar na perda do benefício. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra, Cândido Rodrigues Neuber, Leila Maria Scherrer Leitão e José Ribamar de Barros Penha. Victor Luís de Salles Freire - Relator Processo nº: /99-49 Recurso nº: Matéria: CSLL - Anos-calendário:993 a 997 Interessado : LOJAS RENNER S/A. Sessão de: 4 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ CSLL - COMPENSAÇÃO DA BASE DE CÁLCULO NE- GATIVA - PERÍODOS NÃO ALCANÇADOS PELA DECADÊN- CIA: A compensação da base de cálculo negativa da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido só foi autorizada a partir de º de janeiro de 992, com a vigência do único, do artigo 44, da Lei nº 8.383/9, tendo em vista que a Lei nº 7.689/88, quando criou a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido não admitia tal compensação, não é possível o aproveitamento do saldo de base de cálculo negativa gerada nos períodos anteriores a º de janeiro de 992. O provimento ao recurso especial da Fazenda Nacional, porém, não pode restabelecer crédito tributário já homologado (decadência). Recurso especial da Fazenda Nacional conhecido e parcialmente provido Por maioria de votos, DAR provimento PARCIAL ao recurso, para restabelecer a tributação da compensação indevida de bases de cálculo negativas da CSL a partir do ano de 994. Vencidos os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber, Marcio Machado Caldeira (Suplente convocado), Remis Almeida Estol e Wilfrido Augusto Marques que negaram provimento ao recurso e os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra, Marcos Vinícius Neder de Lima, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antônio Gadelha Dias que deram provimento ao recurso. José Carlos Passuello - Relator Processo nº: / Recurso nº: Matéria: CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍ- QUIDO Recorrente: MONTE SINAI VEÍCULOS LTDA. Interessado : FAZENDA NACIONAL Sessão de: 5 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ CSLL. LANÇAMENTO. PRELIMINAR DE DECADÊN- CIA. HOMOLOGAÇÃO. ART. 45 DA LEI N 8.22/9. INAPLI- CABILIDADE. PREVALÊNCIA DO ART. 50, 4, DO CTN, COM RESPALDO NO ARTIGO 46, III, 'b', DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. A regra de incidência de cada tributo é que define a sistemática de seu lançamento. A CSLL é tributo cuja legislação atribui ao sujeito passivo o dever de antecipar o pagamento sem prévio exame da autoridade administrativa, pelo que amolda-se à sistemática de lançamento denominada de homologação, onde a contagem do prazo decadencial desloca-se da regra geral (art. 73, do CTN) para encontrar respaldo no 4, do artigo 50, do mesmo Código, hipótese em que os cinco anos tem como termo inicial a data da ocorrência do fato gerador. É inaplicável à hipótese dos autos o artigo 45, da Lei n 8.22/9 que prevê o prazo de 0 anos como sendo o lapso decadencial, já que a natureza tributária da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido assegura a aplicação do 4, do artigo 50 do CTN, em estrita obediência ao disposto no artigo 46, inciso III, 'b', da Constituição Federal. Recurso Especial do contribuinte conhecido e provido. Por maioria de votos, DAR provimento ao recurso. Vencidos os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra, José Ribamar Barros Penha, Marcos Vinícius Neder de Lima, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antônio Gadelha Dias que negaram provimento ao recurso. José Carlos Passuello - Relator Processo nº: /00-3 Recurso nº: Matéria: CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍ- QUIDO Recorrente: FERRAMENTARIA BONETI LTDA. Interessado : FAZENDA NACIONAL Sessão de: 5 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ CSLL. LANÇAMENTO. PRELIMINAR DE DECADÊN- CIA. HOMOLOGAÇÃO. ART. 45 DA LEI N 8.22/9. INAPLI- CABILIDADE. PREVALÊNCIA DO ART. 50, 4, DO CTN,

15 92 ISSN Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 COM RESPALDO NO ARTIGO 46, III, 'b', DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. A regra de incidência de cada tributo é que define a sistemática de seu lançamento. A CSLL é tributo cuja legislação atribui ao sujeito passivo o dever de antecipar o pagamento sem prévio exame da autoridade administrativa, pelo que amolda-se à sistemática de lançamento denominada de homologação, onde a contagem do prazo decadencial desloca-se da regra geral (art. 73, do CTN) para encontrar respaldo no 4, do artigo 50, do mesmo Código, hipótese em que os cinco anos tem como termo inicial a data da ocorrência do fato gerador. É inaplicável à hipótese dos autos o artigo 45, da Lei n 8.22/9 que prevê o prazo de 0 anos como sendo o lapso decadencial, já que a natureza tributária da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido assegura a aplicação do 4, do artigo 50 do CTN, em estrita obediência ao disposto no artigo 46, inciso III, 'b', da Constituição Federal. Recurso Especial do contribuinte conhecido e provido. Por maioria de votos, DAR provimento ao recurso. Vencidos os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra, Cândido Rodrigues Neuber, Leila Maria Scherrer Leitão, José Ribamar Barros Penha, Marcos Vinícius Neder de Lima, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antônio Gadelha Dias que negaram provimento ao recurso. José Carlos Passuello - Relator Processo nº: /95-8 Recurso nº: Matéria: IRF Recorrente: STOLTHAVEN (SANTOS) LTDA Interessado : FAZENDA NACIONAL Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ DISSÍDIO JURISPRUDENCIAL - NÃO CARACTERIZA- ÇÃO - Buscando o recurso especial a uniformização de julgados entre Câmaras, para a caraterização da divergência na interpretação de dispositivo de lei tributária, é necessário que nos julgados, recorrido e paradigma, as decisões sejam em sentido opostos ou, ainda, que os acórdãos confrontados versem sobre teses jurídicas diametralmente opostas. Recurso especial não conhecido. Por maioria de votos, NÃO CONHECER do recurso. Vencidos os Conselheiros Remis Almeida Estol, José Ribamar Barros Penha, José Carlos Passuello, Dorival Padovan e José Henrique Longo. Declarou-se impedido de participar do julgamento o Conselheiro Mário Junqueira Franco Júnior. Leila Maria Scherrer Leitão - Relator Processo nº: /00-99 Recurso nº: Recorrente: ODALIA FONTES CUNHA Interessado : FAZENDA NACIONAL Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DECLARA- ÇÃO SOBRE OPERAÇÕES IMOBILIÁRIAS - DOI - O instituto da denúncia espontânea não alberga a prática de ato puramente formal do contribuinte de entregar, com atraso, a declaração sobre operações imobiliárias - DOI, porquanto as responsabilidades acessórias autônomas, sem qualquer vínculo direto com a existência do fato gerador do tributo, não estão alcançadas pelo art. 38, do CTN. os Conselheiros Remis Almeida Estol, Leonardo Henrique Magalhães de Oliveira (Suplente Convocado), Victor Luís de Salles Freire, José Carlos Passuello, Wilfrido Augusto Marques e Carlos Alberto Gonçalves Nunes. Leila Maria Scherrer Leitão - Relator Processo nº: /95-2 Recurso nº: Matéria: IRPJ - Exs: 992 a 994 Interessado : SAMPAIO VIDAL ROCHA LEITE COMER- CIAL LTDA Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPJ - ARBITRAMENTO DO LUCRO. O artigo 8º do Decreto- Lei nº.648/78, ao autorizar o Ministro da Fazenda a estabelecer os coeficientes de arbitramento tendo em vista as diversas atividades, delegou competência para complementar a lei neste particular, porém não estendeu tal permissão para agravamento dos percentuais em caso de arbitramento de mais de um período de apuração. O artigo 25 dos ADCT da Constituição Federal de 988, revogou tão somente a delegação competência contida no ato legal para estabelecer novos coeficientes; não revogou dispositivos legalmente inseridos na legislação na vigência da delegação. O percentual de arbitramento para revenda de mercadoria manteve-se portanto em 5%, uniformemente, para todos os períodos. José Clóvis Alves - Relator Processo nº: /00-43 Recurso nº: Matéria: CONTRIBUIÇÃO SOCIAL Recorrente: FAZEN- DA NACIONAL Interessado : CARREFOUR PARTICIPAÇÕES S.A. Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO - São indedutíveis da base de cálculo da CSL os juros sobre o capital próprio durante todo ano calendário de 996. Os juros sobre o capital social eram indedutíveis das bases de cálculo do lucro real e da CSL até (RIR-94 ART. 287). O artigo 9º, parágrafo 0º da Lei 9.249/95, ao determinar a adição dos juros sobre o capital próprio à base de cálculo da CSL não instituiu e nem aumento a referida contribuição uma vez que os pagamentos a esse título já eram indedutíveis, não havendo assim que obedecer a noventena prevista no artigo 95 parágrafo 6º da Constituição Federal de 988. Recurso provido. Por unanimidade de votos, DAR provimento ao recurso. Declararam-se impedidos de participar do julgamento os Conselheiros Victor Luís de Salles Freire e José Henrique Longo José Clóvis Alves - Relator Processo nº: /00-3 Recurso nº: Ex(s): 995 Interessado : ÁLVARO LUIZ VINHAL Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ NORMAS PROCESSUAIS - RECURSO ESPECIAL - PRESSUPOSTO DE CABIMENTO - Revela falta de objeto ao Recurso Especial, estribado em decisão contrária à lei, quando diversa a situação fática versada nos autos e a forma de contagem do prazo decadencial pretendida. Recurso não conhecido Por unanimidade de votos, NÃO CONHECER do recurso. Dorival Padovan - Relator Processo nº: /97-89 Recurso nº: Matéria: IRPJ/IRF Interessado : MALU CONFECÇÕES E ELETRODOMÉS- TICOS LTDA. Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPJ - IRF DECADÊNCIA - ARBITRAMENTO - Resta pacificado pela CSRF o entendimento de que o lançamento do IRPJ, após a edição da Lei 8.383/9, conforma-se aos ditames do artigo 50, 4º, do CTN, tendo o prazo decadencial, como dia a quo, a data de ocorrência do fato gerador. Não se podendo tributar pelo lucro arbitrado, impossível também qualquer exigência de IRF sobre o mesmo. Por maioria de votos, NEGAR provimento ao recurso. Vencido o Conselheiro Cândido Rodrigues Neuber. Mário Junqueira Franco Júnior - Relator Processo nº: /00-57 Recurso nº: Matéria: CSLL - Exs: 996 a 999 Recorrente: SAMARCO MINERAÇÃO S.A. Interessado : FAZENDA NACIONAL Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ RECURSO DE DIVERGÊNCIA: Havendo convergência e não divergência entre os acórdãos: guerreado e paradigma, em relação ao tema objeto de RE, não se conhece do apelo por não preencher os requisitos previstos no 2º do artigo 5º do RICSRF. Recurso não conhecido Por unanimidade de votos, NÃO CONHECER do recurso. José Clóvis Alves - Relator Processo nº: /200-6 Recurso nº: Matéria: CSLL _ Ano-calendário: 2000 Recorrente: SAMARCO MINERAÇÃO S.A. Interessado : FAZENDA NACIONAL Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ Havendo convergência e não divergência entre os acórdãos guerreado e paradigma em relação por alteração legislativa em relação aos períodos objeto da tributação, não se conhece do apelo por não preencher os requisitos previstos no 2º do artigo 5º do R I C S R F. Recurso não conhecido. Por unanimidade de votos, NÃO CONHECER do recurso. José Clóvis Alves - Relator Processo nº: /96-38 Recurso nº: Interessado : JOSÉ WILLIAM CORDEIRO SOUSA Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - NORMAS PROCESSUAIS - Não tendo o Recurso Especial demonstrado fundamentadamente a contrariedade à lei ou à evidência de prova, mas alegando motivos distintos da matéria objeto do procedimento fiscal, o seu acolhimento deve ser obstado. Recurso não conhecido. Por unanimidade de votos, NÃO CONHECER do recurso. José Ribamar Barros Penha - Relator Processo nº: /98-09 Recurso nº: Interessado : HERCIO PADILHA BRITTO (ESPÓLIO) Sessão de: 0 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ DISSÍDIO JURISPRUDENCIAL - NÃO CARACTERIZA- ÇÃO - Buscando o recurso especial a uniformização de julgados entre Câmaras, para a caracterização da divergência na interpretação de dispositivo de lei tributária, é necessário que nos julgados, recorrido e paradigma, as decisões sejam em sentido opostos, ou, ainda, que os acórdãos confrontados versem sobre teses jurídicas diametralmente opostas. Recurso especial não conhecido Por unanimidade de votos, NÃO CONHECER do recurso. Leila Maria Scherrer Leitão - Relator Processo nº: /00-59 Recurso nº: Matéria: CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍ- QUIDO Interessado : CASAGRANDE ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS S/C LTDA. Sessão de: 0 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO - COFINS DECADÊNCIA - A contribuição social sobre o lucro líquido e CO- FINS, ex vi do disposto no art. 49, c.c. art. 95, ambos da C.F., e, ainda, em face de reiterados pronunciamentos da Suprema Corte, tem caráter tributário. Assim, em face do disposto nos arts. n 46, III, b, da Carta Magna de 988, a decadência do direito de lançar as contribuições sociais deve ser disciplinada em lei complementar. À falta de lei complementar específica dispondo sobre a matéria, ou de lei anterior recebida pela Constituição, a Fazenda Pública deve seguir as regras de caducidade previstas no Código Tributário Nacional. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra, José Ribamar Barros Penha, Marcos Vinícius Neder de Lima, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antônio Gadelha Dias. José Clóvis Alves - Relator Processo nº: /97- Recurso nº: PNUD Interessado : RICARDO LIBANEZ FARRET Sessão de: 0 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - RENDIMENTOS PERCEBIDOS EM DECORRÊN- CIA DE EXERCÍCIO DE FUNÇÃO ESTÁVEL JUNTO AO PNUD - IMUNIDADE - Por força das disposições contidas no Acordo Técnico regulador das atividades do PNUD e da Convenção sobre Imunidades e Privilégios, não pode ser exigido imposto de renda do contribuinte, uma vez que beneficiário da imunidade conferida por estas normas. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra, Cândido Rodrigues Neuber, José Ribamar Barros Penha, Marcos Vinícius Neder de Lima, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antônio Gadelha Dias que deram provimento ao recurso. Wilfrido Augusto Marques - Relator Processo nº: /00-8 Recurso nº: Matéria: CONTRIBUIÇÃO SOCIAL Recorrente: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. Interessado : FAZENDA NACIONAL Sessão de: 0 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ GARANTIA DE INSTÂNCIA - DEPÓSITO RECURSAL - ARROLAMENTO - Mesmo tendo-se observado, no lançamento de ofício, o disposto no artigo 63 da Lei 9.430/96, em razão de liminar, deve o contribuinte, sobre a matéria que pretende ver conhecida, garantir a instância de acordo com previsão legal vigente à época da interposição do recurso. os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber e Victor Luís de Salles Freire.

16 <!ID > Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 ISSN Mário Junqueira Franco Júnior - Relator Processo nº: / Recurso nº: Ex(s): 996 a999 Interessado : JOSÉ CARLOS BEZERRA DE SÁ Sessão de: 0 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ NORMAS PROCESSUAIS - RECURSO ESPECIAL - PRESSUPOSTO DE CABIMENTO - Revela falta de objeto se intentado de decisão contrária à lei, quando diversa a situação fática versada nos autos e a forma pretendida para contagem do prazo decadencial; e, bem assim, quando unânime a decisão contrária à Fazenda Nacional. Recurso não conhecido. Por unanimidade de votos, NÃO CONHECER do recurso. Dorival Padovan - Relator ROSEMARI CORRÊA E SILVA Chefe da Secretaria da Conselho EMENTÁRIO DOS ACÓRDÃOS FORMALIZADOS NO MÊS DE JULHO DE 2004 Processo nº: /95-65 Recurso nº: Matéria: IRPJ e OUTROS - Ex: 992 Recorrente: BANCO ICATU S/A Sessão de: 9 de agosto de 2002 Acórdão nº: CSRF/ IRPJ - ART. 5 DA LEI Nº 7.450/85 - APLICABILIDADE: O art. 5 da Lei n 7.450/85 tem sua aplicação restrita aos casos de ganhos e rendimentos de capital. EXIGÊNCIAS DECORRENTES: A elas se aplica o decidido no IRPJ. Recurso voluntário conhecido e provido. Por unanimidade de votos, REJEITAR a preliminar suscitada, e, no mérito por maioria de votos DAR provimento ao recurso. Vencidos os Conselheiros Celso Alves Feitosa, Antonio de Freitas Dutra, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado, José Clóvis Alves, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antonio Gadelha Dias. O Conselheiro Cândido Rodrigues Neuber fará Declaração de voto. José Carlos Passuello - Relator Processo nº: /97-32 Recurso nº: Recorrente: EDEVALDO AMARO DA SILVA Sessão de: 3 de outubro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ MULTA DE OFÍCIO - DADOS CADASTRAIS - O lançamento efetuado com dados cadastrais espontaneamente declarados pelo contribuinte que, induzido pelas informações prestadas pela fonte pagadora, incorreu em erro escusável no preenchimento da declaração, não comporta multa de ofício. Recurso especial provido. Por unanimidade de votos DAR provimento ao recurso. Remis Almeida Estol - Relator Processo nº: /99-46 Recurso nº: Matéria: IRF Interessado: HOTEL MAJESTIC S. A. Sessão de: 3 de outubro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ RECURSO ESPECIAL DE DIVERGÊNCIA - ADMISSI- BILIDADE - A falta de comprovação do dissídio jurisprudencial obsta o conhecimento do apelo por descumprimento de pressupostos regimentais de admissibilidade. Recurso especial não conhecido. Por unanimidade de votos NÃO CONHECER do recurso, por ausência dos pressupostos de admissibilidade. Remis Almeida Estol - Relator Processo nº: /98-96 Recurso nº: Matéria: IRPJ - Ano-calendário: 993 Interessado: ATH - ALBARUS TRANSMISSÕES HOMO- CINÉTICAS LTDA. Sessão de: 3 de outubro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ IRPJ - CORREÇÃO MONETÁRIA DAS DEMONSTRA- ÇÕES FINANCEIRAS. É indevida a apropriação da despesa relativa às parcelas do saldo devedor da diferença IPC/BTNF-990, a partir do exercício de 993, quando o contribuinte já corrigira suas demonstrações financeiras, no exercício de 99, com base no IPC, e deduzira a respectiva despesa. O recolhimento do tributo correspondente, já atingido pela caducidade, com os benefícios do art. 7 da lei nº 9.779/99, com objetivo de infirmar o lançamento sadio, que glosou a apropriação das parcelas de que trata o art. 3º da lei nº 8.200/9, não pode prosperar. O referido artigo 7 da lei nº 9.779/99 não contempla a espécie, uma vez que abrangia evidentemente créditos tributários constituídos e que tiveram suas exigibilidades suspensas (portanto, não atingidos pela decadência). O pagamento de tributo atingido pela caducidade dá lugar à repetição, e aceitar interpretação diversa apenas asseguraria o duplo aproveitamento da diferença entre os citados índices, contrariando os fins sociais a que a lei se destina. Por maioria de votos DAR provimento ao recurso.vencidos os Conselheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho, Remis Almeida Estol, José Carlos Passuello, Wilfrido Augusto Marques, Mário Junqueira Franco Júnior, Manoel Antonio Gadelha Dias e Edison Pereira Rodrigues. Carlos Alberto Gonçalves Nunes - Relator Processo nº: /00-5 Recurso nº: Interessado: ABELARD NARDY PENA Sessão de: 4 de outubro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - ATIVIDADE RURAL - Não se admite a apuração mensal de acréscimo patrimonial, face à indeterminação dos rendimentos e das origens recebidas, bem como não se adapta à própria natureza o fato gerador do imposto de renda de atividade rural, que é complexivo e tem seu termo ad quem em 3 de dezembro do anobase. Recurso especial negado. Por unanimidade de votos NEGAR provimento ao recurso. Remis Almeida Estol - Relator Processo nº: /96- Recurso nº: Interessado: JOSÉ FRANCISCO DE SIQUEIRA Sessão de: 4 de outubro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ RECURSO ESPECIAL DE DIVERGÊNCIA - ADMISSI- BILIDADE - Em sendo unânime a decisão recorrida, a falta de comprovação do dissídio jurisprudencial obsta o conhecimento do apelo por descumprimento de pressupostos regimentais de admissibilidade. Recurso especial não conhecido. Por unanimidade de votos NÃO CONHECER do recurso, por ausência dos pressupostos de admissibilidade. Remis Almeida Estol - Relator Processo nº: /00-87 Recurso nº: Interessado: ADELMO FRANCISCO DA COSTA. Sessão de: 4 de outubro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ DESPESAS MÉDICAS - DEDUTIBILIDADE - São dedutíveis da base de cálculo do Imposto de Renda da Pessoa Física as despesas médicas com o contribuinte, devidamente comprovadas por meio de documentos hábeis e idôneos. Recurso especial negado. Por unanimidade de votos NEGAR provimento ao recurso. Remis Almeida Estol - Relator Processo nº: /00-23 Recurso nº: Interessado: LUCIRENE DA SILVA CRUZ MELLO. Sessão de: 4 de outubro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - OMISSÃO DE RENDIMENTOS - DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - ERRO DE FATO - PROVA - A comprovação documental de que a suposta omissão de rendimentos detectada pelo fisco decorreu de erro de fato cometido no preenchimento da Declaração de Ajuste Anual, torna insubsistente a exigência fiscal. Recurso especial negado. Por unanimidade de votos NEGAR provimento ao recurso. Remis Almeida Estol - Relator Processo nº: /98-5 Recurso nº: Matéria: IRPJ e OUTROS Recorrente: COTREVAL AGRÍCOLA LTDA. Sessão de: 0 de dezembro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ IRRFONTE - DISPOSITIVOS LEGAIS - RETROATIVI- DADE - NATUREZA PENAL - Os dispositivos do art. 44 da Lei nº 8.54/95 tem natureza de tributo, aos quais não podem ser atribuídos contornos de penalidade, de modo a permitir a aplicação retroativa do art. 36 da Lei 9.249/95 que o revogou. PIS/FATURAMENTO - BASE DE CÁLCULO - Insubsiste o lançamento da Contribuição para o Programa de Integração Social que não observou a semestralidade pretérita ao fato gerador na determinação da base de cálculo, a teor do art. 6º da Lei complementar 07/70. Recurso especial parcialmente provido Por maioria de votos, DAR provimento parcial ao recurso, para excluir tão somente o PIS. Vencidos os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra e Cândido Rodrigues Neuber que negam provimento integral ao recurso, os Conselheiros Mário Junqueira Franco Júnior e Edison Pereira Rodrigues proviam integralmente o recurso, e o Conselheiro Manoel Antonio Gadelha Dias dava provimento parcial para reduzir a alíquota do IRF para 5%. Remis Almeida Estol - Relator Processo nº: /99-2 Recurso nº: Matéria: IRPJ Recorrente: UNIMED JOÃO PESSOA-COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO Sessão de: 0 de dezembro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ IRPJ - COOPERATIVAS - ATOS COM COOPERADOS E COM NÃO COOPERADOS - RECEITAS E DESPESAS FINAN- CEIRAS - PROPORCIONALIZAÇÃO - INCIDÊNCIA TRIBUTÁ- RIA - São tributáveis os resultados das cooperativas obtidos na prática de operações com não cooperados, aos quais deve ser adicionado o que resultar do cotejo entre receitas e despesas financeiras a eles proporcionalizados. Recurso especial negado. Remis Almeida Estol - Relator Processo nº: /00-79 Recurso nº: Matéria: IRF Interessado: COMPANHIA DE ADMINISTRAÇÃO DE TERMINAIS URBANOS E CENTROS COMERCIAIS- COMTEC Sessão de: 0 de dezembro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ DENÚNCIA ESPONTÂNEA - MULTA DE MORA - Se o débito é denunciado espontaneamente ao Fisco, acompanhado do correspondente pagamento do imposto corrigido e dos juros moratórios, é incabível a exigência de multa de mora, de vez que o art. 38 do CTN não estabelece distinção entre multa punitiva e multa moratória. Recurso especial negado os Conselheiros Cândido Rodrigues neuber e Manoel Antonio Gadelha Dias. Remis Almeida Estol - Relator Processo nº: /96-88 Recurso nº: Interessado: JOSÉ ADALBERTO GUIMARÃES CARDO- SO Sessão de: 02 de dezembro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ PROCESSO ADMINISTRATIVO - AUTO DE INFRAÇÃO - OMISSÃO DE RENDIMENTOS - NULIDADE - São insuficientes para decretar a nulidade total do procedimento, possíveis imperfeições na determinação da base de cálculo, nem exigência com base em dispositivo legal eventualmente equivocado, uma vez que não caracterizam hipótese de vício insanável e, portanto, se de fato ocorridas, são passíveis de correção via enfrentamento do mérito. Recurso especial provido. Por unanimidade de votos, DAR provimento ao recurso, e determinar a remessa dos autos à Câmara de origem para exame do mérito. Remis Almeida Estol - Relator Processo nº: / Recurso nº: Matéria: IRPJ e OUTROS - Ex: 999 Interessado: MATERMED LTDA. S/C. Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPJ - COMPROVAÇÃO - INTEGRALIZAÇÃO DE CA- PITAL - Comprovada pelo sujeito passivo a origem externa dos recursos aportados por sócio da empresa para aumento de capital, realizado através de cheques nominativos das contas-correntes bancárias do supridor, bem como a origem dos recursos formadores dessas contas, através de rendimentos tributados, infirma-se a presunção legal de desvio de receitas prevista no artigo 229 do RIR/94. PIS, CSLL e COFINS - Em se tratando de exigências feitas com base nos mesmos fatos que ditaram a do imposto de renda, os lançamentos para suas cobranças são reflexivos e, assim, a decisão de mérito prolatada no processo principal constitui prejulgado nas decisões dos processos decorrentes. Os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber, José Clóvis Alves e Manoel Antônio Gadelha Dias acompanharam o Conselheiro Relator pelas suas conclusões. Carlos Alberto Gonçalves Nunes - Relator

17 <!ID > 94 ISSN Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 Processo nº: /93-29 Recurso nº: Matéria: IRF Interessado: SPAL INDUSTRIA BRASILEIRA DE BEBI- DAS S.A. Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ DECADÊNCIA - IRF - Não há decadência do direito de lançar o imposto de renda na fonte quando o seu lançamento e o do Imposto de Renda, do qual decorre, foram feitos em tempo oportuno. Em se tratando de exigência que tem por base o mesmo fato que ditou a do imposto de renda, o lançamento para sua cobrança é reflexivo e, assim, a decisão de mérito prolatada no processo principal constitui prejulgado na decisão do processo decorrente. Recurso provido Por maioria de votos, DAR provimento ao recurso e determinar o retorno dos autos à Câmara recorrida para exame do mérito do recurso voluntário. Vencido o Conselheiro Remis Almeida Estol que negou provimento ao recurso. Carlos Alberto Gonçalves Nunes - Relator Processo nº: /99-85 Recurso nº: Interessado: EURIS MORATO Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - PDV - RETENÇÃO INDEVIDA - RESTITUIÇÃO - TERMO INICIAL - JUROS - Na restituição do imposto de renda retido na fonte, que tenha origem na retenção indevida quando do recebimento da parcela relativa aos chamados planos de adesão voluntária - PDV, o valor a ser restituído será aquele apurado na revisão da declaração de ajuste anual, que deverá ser atualizado a partir da data da retenção nos termos da legislação pertinente. Recurso especial negado. Remis Almeida Estol - Relator Processo nº: /99-58 Recurso nº: Interessado: ANTÔNIO CARLOS LOPES DA ROCHA Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - PDV - RETENÇÃO INDEVIDA - RESTITUIÇÃO - TERMO INICIAL - JUROS - Na restituição do imposto de renda retido na fonte, que tenha origem na retenção indevida quando do recebimento da parcela relativa aos chamados planos de adesão voluntária - PDV, o valor a ser restituído será aquele apurado na revisão da declaração de ajuste anual, que deverá ser atualizado a partir da data da retenção nos termos da legislação pertinente. Recurso especial negado Remis Almeida Estol - Relator Processo nº: /98-06 Recurso nº: Matéria: IRPJ Interessado: TOMAZETTI & BOTH LTDA. Sessão de: 2 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPJ - DECADÊNCIA - LANÇAMENTO DE OFÍCIO - ) O Imposto de Renda, antes do advento da Lei nº 8.38, de 30/2/9, era um tributo sujeito a lançamento por declaração, operando-se o prazo decadencial a partir do primeiro dia do exercício seguinte àquele em que o lançamento poderia ter sido efetuado, consoante o disposto no art. 73 do Código Tributário Nacional. A contagem do prazo de caducidade seria antecipado para o dia seguinte à data da notificação de qualquer medida preparatória indispensável ao lançamento ou da entrega da declaração de rendimentos (CTN., art. 73 e seu par. ún., c/c o art. 7 e do RIR/80. 2) Tendo sido o lançamento de ofício efetuado, em 30/2/97, após a fluência do prazo de cinco anos contado da data da entrega da declaração de rendimentos da pessoa jurídica, ocorrida em 4/05/92, operou-se a caducidade do direito de a Fazenda Nacional lançar o tributo. Carlos Alberto Gonçalves Nunes - Relator Processo nº: /99-7 Recurso nº: Matéria: FINSOCIAL - Ex: 99 Interessado: AVIBRÁS INDÚSTRIA AEROESPACIAL S.A. Sessão de: 3 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ PIS e FINSOCIAL FATURAMENTO - DECORRÊNCIA - DECADÊNCIA - Em se tratando de lançamentos decorrentes de omissão de receitas tributadas no processo da pessoa jurídica, referente ao ano-calendário de 990, a decadência dessas contribuições conta-se pela mesma regra do lançamento do processo principal, ou seja, de acordo com o art. 73 e seu parágrafo único, do Código Tributário Nacional. Somente após o exercício de 993, ano-calendário de 992, o imposto de renda passou a compor a categoria dos impostos sujeitos ao lançamento por homologação. Por maioria de votos, DAR provimento ao recurso e determinar o retorno dos autos à Câmara recorrida para exame do mérito do recurso voluntário. Vencido o Conselheiro Remis Almeida Estol que negou provimento ao recurso. Carlos Alberto Gonçalves Nunes - Relator Processo nº: /00-8 Recurso nº: Ex: 996 Interessado: MÁRSIO DUARTE Sessão de: 4 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IMPOSTO DE RENDA NA FONTE - ANTECIPAÇÃO - FALTA DE RETENÇÃO - LANÇAMENTO APÓS 3 DE DEZEM- BRO DO ANO-CALENDÁRIO - EXCLUSÃO DA RESPONSA- BILIDADE DA FONTE PAGADORA PELO RECOLHIMENTO DO IMPOSTO DEVIDO - Se a previsão da tributação na fonte dá-se por antecipação do imposto devido na declaração de ajuste anual de rendimentos, e se a ação fiscal ocorrer após 3 de dezembro do ano do fato gerador, incabível a constituição de crédito tributário através do lançamento de imposto de renda na fonte na pessoa jurídica pagadora dos rendimentos. RENDIMENTOS DO TRABALHO - AÇÃO TRABALHIS- TA - OMISSÃO NA DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL - SU- JEITO PASSIVO DA OBRIGAÇÃO - Constatada pelo Fisco a omissão de rendimentos sujeitos à incidência do imposto na declaração de ajuste anual, legítima a autuação na pessoa do beneficiário. A falta de retenção do imposto pela fonte pagadora não exonera o contribuinte, beneficiário dos rendimentos, da obrigação de incluí-los, para tributação, na declaração de ajuste anual. Recurso especial provido. Por maioria de votos, DAR provimento ao recurso e determinar o retorno dos autos à Câmara recorrida para exame das demais matérias suscitadas no recurso voluntário. Vencidos os Conselheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho e Wilfrido Augusto Marques que negaram provimento ao recurso. O Conselheiro Marcos Vinícius Neder de Lima acompanhou o Relator por suas conclusões. Leila Maria Scherrer Leitão - Relator Processo nº: / Recurso nº: Ex: 998 Interessado: CARLOS ROBERTO DA SILVA Sessão de: 5 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ MULTA ISOLADA E MULTA DE OFÍCIO - CONCOMI- TÂNCIA - MESMA BASE DE CÁLCULO - A aplicação concomitante da multa isolada (inciso III, do º, do art. 44, da Lei nº 9.430, de 996) e da multa de ofício (incisos I e II, do art. 44, da Lei n 9.430, de 996) não é legítima quando incide sobre uma mesma base de cálculo. Recurso especial negado. Leila Maria Scherrer Leitão - Relator ROSEMARI CORRÊA E SILVA Chefe da Secretaria da Conselho EMENTÁRIO DOS ACÓRDÃOS FORMALIZADOS NO MÊS DE OUTUBRO DE 2004 Processo nº : /9-22 Recurso nº: Matéria: IRPJ Recorrente: EJB-EMPREENDIMENTOS AGROPECUÁ- RIOS LTDA. Sessão de: 5 de março de 999 Acórdão nº: CSRF/ IRPJ. OMISSÃO DE RECEITAS. APROPRIAÇÃO DE CUSTOS. Somente admissível a apropriação de custos como integrantes de receitas omitidas quando apurada pelo fisco ou comprovada a relação de respectiva causalidade; assim, inadmitida que receita omitida de exercício anterior seja tomada simplesmente como custo de aquisição de exercício subseqüente. IRPJ. OMISSÃO DE RECEITAS. DESPESAS OPERACIO- NAIS. A glosa de despesas operacionais pagas com recursos estranhos à contabilidade da pessoa jurídica não se relaciona a receitas omitidas de origem comprovadamente distintas, não se fazendo pertinente sua exclusão destas. Antonio de Freitas Dutra - Relator ad hoc Processo nº : /88-9 Recurso nº: Ano-calendário: 985 Recorrente: ANÍSIO RONQUI & CIA. LTDA. Sessão de: 05 de novembro de 200 Acórdão nº: CSRF/ IRFONTE. DECRETO-LEI N 2065/83, ART. 8. BASE DE CÁLCULO. Incabível, por falta de previsão legal, a exclusão da base de cálculo do IRFONTE prevista no art. 8 do Decreto-lei n 2.065/83, do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica. os Conselheiros Maria Goretti de Bulhões Carvalho (Relatora), Remis Almeida Estol e Wilfrido Augusto Marques. Designado para redigir o voto vencedor o Conselheiro Antonio de Freitas Dutra. Antonio de Freitas Dutra - Redator Designado Processo nº : /96-04 Recurso nº: Matéria: CONTRIBUIÇÃO SOCIAL - Exs: 994 e 995 Interessado: MINUSA TRATORPEÇAS LTDA. Sessão de: 5 de abril de 2002 Acórdão nº: CSRF/ CONTRIBUIÇÃO SOCIAL. LEI N 7.689/88. BASE DE CÁLCULO NEGATIVA. COMPENSAÇÃO. Na vigência da Lei n 7.689/88 não há sustentação à eventual lacuna ou omissão na apuração da base de cálculo da contribuição, a ser preenchida analogicamente por outras definições; apenas com o advento da Lei n 8.383/9, art. 44, único, foi autorizada a compensação mensal de base de cálculo negativa da contribuição com aquela apurada em período subseqüente. Recurso provido. Por maioria de votos, DAR provimento ao recurso. Vencidos os Conselheiros Victor Luís de Salles Freire (Relator) e Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Designar para redigir o voto vencedor o Conselheiro Antonio de Freitas Dutra. Antonio de Freitas Dutra - Redator Designado Processo nº : /88-57 Recurso nº: Matéria: PIS/FATURAMENTO Interessado: OVÍDIO MONTEIRO DE SOUZA (Firma Individual) Sessão de: 20 de agosto de 2002 Acórdão nº: CSRF/ PIS/FATURAMENTO. DECADÊNCIA. Decreto-lei n 2.052/83. Na ausência de dispositivo legal específico acerca da decadência no DL 2052/83, esta, na vigência da EC n 0/69 se subordina às normas do CTN, exaradas em seu art. 50, 4, sendo contada do fato gerador, dadas as características assumidas pela contribuição - pagamento independente de prévia manifestação da autoridade administrativa. os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber, Leila Maria Scherrer Leitão, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado e Manoel Antonio Gadelha Dias. Antonio de Freitas Dutra - Relator Processo nº : /00-84 Recurso nº: Matéria: IRF - DENÚNCIA ESPONTÂNEA - Anos-calendário: 998 e 999 Interessado: ENGESET - ENGENHARIA E SERVIÇOS DE TELEMATICA S/A Sessão de: 4 de outubro de 2002 Acórdão nº: CSRF/ IRF- PAGAMENTO ESPONTÂNEO - ART. 38 DO CTN - ILEGITIMIDADE DA MULTA DE MORA - Havendo pagamento espontâneo do débito em atraso, é indevida a multa de mora, diante da regra expressa do art. 38 do Código Tributário Nacional. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-03 Recurso nº: Matéria: IRF - DENÚNCIA ESPONTÂNEA - Ano-calendário: 999 Interessado: ENGESET - ENGENHARIA E SERVIÇOS DE TELEMATICA S/A Sessão de: 4 de outubro de 2002 Acórdão nº: CSRF/ IRF- PAGAMENTO ESPONTÂNEO - ART. 38 DO CTN - ILEGITIMIDADE DA MULTA DE MORA - Havendo pagamento espontâneo do débito em atraso, é indevida a multa de mora, diante da regra expressa do art. 38 do Código Tributário Nacional. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada

18 Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 ISSN Processo nº : /00-32 Recurso nº: Matéria: IRF - Anos-calendário: 998 e 999 Interessado: ENGESET - ENGENHARIA E SERVIÇOS DE TELEMATICA S/A Sessão de: 4 de outubro de 2002 Acórdão nº: CSRF/ IRF- PAGAMENTO ESPONTÂNEO - ART. 38 DO CTN - ILEGITIMIDADE DA MULTA DE MORA - Havendo pagamento espontâneo do débito em atraso, é indevida a multa de mora, diante da regra expressa do art. 38 do Código Tributário Nacional. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-70 Recurso nº: Matéria: IRF - Anos-calendário: 998 e 999 Interessado: ENGESET - ENGENHARIA E SERVIÇOS DE TELEMATICA S/A Sessão de: 4 de outubro de 2002 Acórdão nº: CSRF/ IRF- PAGAMENTO ESPONTÂNEO - ART. 38 DO CTN - ILEGITIMIDADE DA MULTA DE MORA - Havendo pagamento espontâneo do débito em atraso, é indevida a multa de mora, diante da regra expressa do art. 38 do Código Tributário Nacional. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-62 Recurso nº: Ex: 2000 Interessado: NELSON TOPOLNIAK Sessão de: 5 de outubro de 2002 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO. Incabível a aplicação da multa quando o contribuinte efetua a entrega espontânea da declaração, mesmo fora do prazo, por motivo exclusivo de congestionamento no site da Receita Federal. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Leila Maria Scherrer Leitão, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-49 Recurso nº: Ex: 999 Interessado: SABINO SCHENATO Sessão de: 5 de outubro de 2002 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO. Incabível a aplicação da multa quando o contribuinte efetua a entrega espontânea da declaração, mesmo fora do prazo, por motivo exclusivo de congestionamento no site da Receita Federal. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Leila Maria Scherrer Leitão, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-0 Recurso nº: Ex: 2000 Interessado: PAULO RETTE Sessão de: 5 de outubro de 2002 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO. Incabível a aplicação da multa quando o contribuinte efetua a entrega espontânea da declaração, mesmo fora do prazo, por motivo exclusivo de congestionamento no site da Receita Federal. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Leila Maria Scherrer Leitão, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-73 Recurso nº: Ex: 2000 Interessado: ADEMAR RIBEIRO Sessão de: 5 de outubro de 2002 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO. Incabível a aplicação da multa quando o contribuinte efetua a entrega espontânea da declaração, mesmo fora do prazo, por motivo exclusivo de congestionamento no site da Receita Federal. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Leila Maria Scherrer Leitão, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-5 Recurso nº: Ex: 2000 Interessado: ITANIEL ACACIO DE OLIVEIRA Sessão de: 5 de outubro de 2002 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO. Incabível a aplicação da multa quando o contribuinte efetua a entrega espontânea da declaração, mesmo fora do prazo, por motivo exclusivo de congestionamento no site da Receita Federal. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Leila Maria Scherrer Leitão, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-4 Recurso nº: Ex: 2000 Interessado: JOANA DE FATIMA OLIVEIRA Sessão de: 5 de outubro de 2002 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO. Incabível a aplicação da multa quando o contribuinte efetua a entrega espontânea da declaração, mesmo fora do prazo, por motivo exclusivo de congestionamento no site da Receita Federal. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Leila Maria Scherrer Leitão, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-88 Recurso nº: Ex: 2000 Interessado: ARIANE FERNANDA MICOCHERO Sessão de: 02 de dezembro de 2002 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO. Incabível a aplicação da multa quando o contribuinte efetua a entrega espontânea da declaração, mesmo fora do prazo, por motivo exclusivo de congestionamento no site da Receita Federal. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Leila Maria Scherrer Leitão, Verinaldo Henrique da Silva, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada <!ID > Processo nº : /00-5 Recurso nº: Ex: 2000 Interessado: PAULO ROBERTO MICOCHERO Sessão de: 02 de dezembro de 2002 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO. Incabível a aplicação da multa quando o contribuinte efetua a entrega espontânea da declaração, mesmo fora do prazo, por motivo exclusivo de congestionamento no site da Receita Federal. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Leila Maria Scherrer Leitão, Verinaldo Henrique da Silva, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Cosnelheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-90 Recurso nº: Ex: 2000 Interessado: RENI DA GRAÇA OLIVEIRA MICOCHERO Sessão de: 02 de dezembro de 2002 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO. Incabível a aplicação da multa quando o contribuinte efetua a entrega espontânea da declaração, mesmo fora do prazo, por motivo exclusivo de congestionamento no site da Receita Federal. os Cosnelheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Leila Maria Scherrer Leitão, Verinaldo Henrique da Silva, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-08 Recurso nº: Ex: 2000 Interessado: ROSILENE MARIA DE MENDONÇA ANTO- NIO Sessão de: 24 de fevereiro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - MULTA POR ATRASO NA ENTREGA DA DE- CLARAÇÃO. Incabível a aplicação da multa quando o contribuinte efetua a entrega espontânea da declaração, mesmo fora do prazo, por motivo exclusivo de congestionamento no site da Receita Federal. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Nelson Mallmann (Suplente Convocado), Verinaldo Henrique da Silva, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-63 Recurso nº: Matéria: IRF - Ano-calendário: 998 Interessado: COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL CENTRAL - CTBC TELECOM Sessão de: 24 de fevereiro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ IRPF- PAGAMENTO ESPONTÂNEO - ART. 38 DO CTN - ILEGITIMIDADE DA MULTA DE MORA - Havendo pagamento espontâneo do débito em atraso, é indevida a multa de mora, diante da regra expressa do art. 38 do Código Tributário Nacional. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-80 Recurso nº: Matéria: IRF - Anos-calendário: 990 a 995 e 999 Interessado: COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL CENTRAL - CTBC TELECOM Sessão de: 24 de fevereiro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ IRPF- PAGAMENTO ESPONTÂNEO - ART. 38 DO CTN - ILEGITIMIDADE DA MULTA DE MORA - Havendo pagamento espontâneo do débito em atraso, é indevida a multa de mora, diante da regra expressa do art. 38 do Código Tributário Nacional. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-87 Recurso nº: Matéria: IRF - Anos-calendário: 993, 994 e 996. Interessado: COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL CENTRAL - CTBC TELECOM Sessão de: 24 de fevereiro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ IRPF- PAGAMENTO ESPONTÂNEO - ART. 38 DO CTN - ILEGITIMIDADE DA MULTA DE MORA - Havendo pagamento espontâneo do débito em atraso, é indevida a multa de mora, diante da regra expressa do art. 38 do Código Tributário Nacional. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado e

19 96 ISSN Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-7 Recurso nº: Matéria: IRF - Anos-calendário: 99, 993 e 996 Interessado: COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL CENTRAL - CTBC TELECOM Sessão de: 24 de fevereiro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ IRPF- PAGAMENTO ESPONTÂNEO - ART. 38 DO CTN - ILEGITIMIDADE DA MULTA DE MORA - Havendo pagamento espontâneo do débito em atraso, é indevida a multa de mora, diante da regra expressa do art. 38 do Código Tributário Nacional. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a Conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /00-4 Recurso nº: Matéria: IRF - Anos-calendário: 990 a 994 e 999 Interessado: COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL CENTRAL - CTBC TELECOM Sessão de: 24 de fevereiro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ IRPF- PAGAMENTO ESPONTÂNEO - ART. 38 DO CTN - ILEGITIMIDADE DA MULTA DE MORA - Havendo pagamento espontâneo do débito em atraso, é indevida a multa de mora, diante da regra expressa do art. 38 do Código Tributário Nacional. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra (Relator), Cândido Rodrigues Neuber, Verinaldo Henrique da Silva, Zuelton Furtado e Manoel Antonio Gadelha Dias. Designada para redigir o voto vencedor a conselheira Maria Goretti de Bulhões Carvalho. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Redatora Designada Processo nº : /96-02 Recurso nº: EMBARGOS DE DECLARA- ÇÃO Embargante: AFONSO CELSO MATTOS LOURENÇO Interessado: MARCOS ANTONIO BORTOLOSO Sessão de: 25 de fevereiro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ IRPF. DESPESAS DEDUTÍVEIS. LIVRO CAIXA. Sendo as despesas necessárias a efetiva manutenção da fonte produtora dos recursos oferecidos à tributação, é de se admitir tais despesas, se estão regularmente escrituradas no livro caixa e revestidas das formalidades legais. Embargos acolhidos. Por unanimidade de votos, ACOLHER os Embargos Declaratórios, para retificar a folha de rosto do Acórdão nº CSRF/ de 3 de Setembro de 999, para constar: ) Por maioria de votos, REJEITAR a preliminar suscitada de ofício pelo Conselheiro relator que ficou vencido, designado para redigir o voto vencedor o Conselheiro Afonso Celso Mattos Lourenço na parte preliminar, e, no mérito por unanimidade de votos NEGAR provimento ao recurso; - 2) Constar o voto do Conselheiro relator quanto ao mérito. Antonio de Freitas Dutra - Relator Processo nº : /99-75 Recurso nº: PDV Interessado: ADONIAS BISPO DA SILVA Sessão de: 3 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRRF. RESTITUIÇÃO DE TRIBUTO PAGO (RETIDO) IN- DEVIDAMENTE. PRAZO. DECADÊNCIA. INOCORRÊNCIA. PA- RECER COSIT N º4/99. - O Parecer COSIT n º4/99 concede o prazo de 5 anos para restituição do tributo pago indevidamente contado a partir do ato administrativo que reconhece no âmbito administrativo fiscal, o indébito tributário, in casu, a Instrução Normativa n º 65 de O contribuinte segundo o Parecer, poderá requerer a restituição do indébito do imposto de renda incidente sobre verbas percebidas por adesão a PDV até dezembro de 2003, razão pela qual não há que se falar em decurso do prazo no requerimento do recorrente feito em 999. Recurso que se nega provimento. os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber e Leila Maria Scherrer Leitão que deram provimento ao recurso. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Relatora Processo nº : /98-46 Recurso nº: Matéria: IRF Interessado: BRUNO ROBERTO PEREIRA TOLEDO Sessão de: 4 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRF - MULTA DE OFÍCIO - A aplicação isolada da multa de ofício prevista no inciso II do º do artigo 44 da Lei nº 9.430/96 deve ser aplicada sobre a totalidade ou a diferença de tributo ou contribuição. Nos casos em que houver ocorrido o recolhimento de parte do imposto devido, a multa incidirá somente sobre a parcela da diferença. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra, Marcos Vinícius Neder de Lima, José Henrique Longo, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antonio Gadelha Dias que deram provimento ao recurso. Carlos Alberto Gonçalves Nunes - Relator Processo nº : /97-6 Recurso nº: Matéria: IRPJ Interessado: IBRATELE-INDÚSTRIA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES LTDA. Sessão de: 4 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPJ E IR-FONTE - ARBITRAMENTO DE LUCROS - CABIMENTO - A desclassificação da escrita somente se legitima na ausência de elementos concretos que permitam a apuração do lucro real ou presumido. Em caso de roubo, furto, destruição ou extravio de livros, a fiscalização deve intimar o contribuinte a recompor sua escrita, concedendo-lhe prazo razoável para tanto, tendo em vista que o arbitramento de lucros é uma salvaguarda do crédito tributário que só deve ser utilizada quando não houver condições para que a tributação se faça sobre o lucro real ou presumido. os Conselheiros José Ribamar Barros Penha e Manoel Antonio Gadelha Dias que deram provimento ao recurso. Carlos Alberto Gonçalves Nunes - Relator Processo nº : /99-07 Recurso nº: Interessado: LYCIA BAPTISTA PEREIRA SEGALA PAU- L E T TO Sessão de: 5 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ MULTA DE OFÍCIO - DADOS CADASTRAIS - O lançamento efetuado com dados cadastrais espontaneamente declarados pela contribuinte que, induzido pelas informações prestadas pela própria Fonte Pagadora, incorreu em erro escusável no preenchimento da declaração, não comporta a aplicação da multa de ofício. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra e Cândido Rodrigues Neuber que deram provimento ao recurso. Maria Goretti de Bulhões Carvalho - Relatora Processo nº : /97-59 Recurso nº: Matéria: IRPJ E OUTROS Interessado: MARMUD CAMELI & CIA LTDA Sessão de: 5 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPJ - DECADÊNCIA - LANÇAMENTO DE OFÍCIO - ) O Imposto de Renda, antes do advento da Lei nº 8.38, de 30/2/9, era um tributo sujeito a lançamento por declaração, operando-se o prazo decadencial a partir do primeiro dia do exercício seguinte àquele em que o lançamento poderia ter sido efetuado, consoante o disposto no art. 73 do Código Tributário Nacional. A contagem do prazo de caducidade seria antecipado para a data da notificação de qualquer medida preparatória indispensável ao lançamento ou da entrega da declaração de rendimentos (CTN., art. 73 e seu par. ún., c/c o art. 7 e do RIR/80). 2) Tendo sido o lançamento de ofício efetuado na fluência do prazo de cinco anos contado a partir da entrega da declaração de rendimentos, improcede a preliminar de decadência do direito de a Fazenda Nacional lançar o tributo. ILL - É inconstitucional a exigência do imposto sobre o lucro líquido das sociedades por quotas de responsabilidade limitada, quando o contrato social não prevê a distribuição automática dos lucros apurados, de conformidade com o entendimento do Plenário do STF no Recurso Extraordinário nº , decidindo prejudicial da validade do art. 35 da Lei nº 7.73/88. Compete à fiscalização comprovar a previsão de distribuição automática, antes do lançamento do imposto. PRESSUPOSTO DE CONHECIMENTO - PROVA DE DIS- SÍDIO JURISPRUDENCIAL - INOCORRÊNCIA - É obrigação do recorrente demonstrar decisão acerca de matéria fática idêntica mas em sentido diverso da decisão recorrida. Não cumprido tal pressuposto, não há como ser conhecido o recurso especial de divergência na parte correspondente. Recurso da Fazenda Nacional provido. Recurso do Contribuinte conhecido em parte e provido. ) Por maioria de votos, DAR provimento ao recurso especial da Fazenda Nacional e determinar o retorno dos autos à Câmara recorrida para exame do mérito da exigência de exercício de 99, vencidos os Conselheiros Remis Almeida Estol e Wilfrido Augusto Marques que negaram provimento ao recurso; 2) por maioria de votos, CONHECER do recurso especial do contribuinte quanto à exigência do ILL, vencidos os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra e Marcos Vinícius Neder de Lima e, no mérito, por unanimidade de votos, DAR-lhe provimento; 3) Por maioria de votos, NÃO CO- NHECER do recurso especial do contribuinte quanto à acusação de omissão de receitas, vencidos os Conselheiros Carlos Alberto Gonçalves Nunes (Relator), Marcio Machado Caldeira (Suplente convocado), Remis Almeida Estol, Wilfrido Augusto Marques e José Carlos Passuello; Designado para redigir o voto vencedor o Conselheiro José Henrique Longo. José Henrique Longo - Redator Designado Processo nº : /97-0 Recurso nº: Exs: 993 a 995 Interessado: LOURIVAL LOUZA Sessão de: 5 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - ACRÉSCIMO PATRIMONIAL A DESCOBERTO. FLUXO FINANCEIRO. SOBRAS DE RECURSOS. As sobras de recursos apuradas em Fluxo financeiro mensal de evolução das origens e aplicações são transferidas ao mês seguinte, dentro do mesmo ano-calendário, sendo que as verificadas em dezembro, que em face do princípio da verdade material, devem estar de acordo com o informado pelo contribuinte mediante a entrega da Declaração de Ajuste Anual. Recurso provido. Por maioria de votos, DAR provimento ao recurso. Vencidos os Conselheiros Dorival Padovan (Relator), Maria Goretti de Bulhões Carvalho e Wilfrido Augusto Marques que negaram provimento ao recurso. Designado para redigir o voto vencedor o Conselheiro José Ribamar Barros Penha. José Ribamar Barros Penha - Redator Designado Processo nº : /00-89 Recurso nº: Matéria: CONTRIBUIÇÃO SOCIAL Recorrente: EDITORA NOVA DIDÁTICA LTDA. Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ REMISSÃO - AUMENTO DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL - A remissão prevista no ART. da MP 858-8, DE 27/08/99 abrange ações ajuizadas até 3/2/98, até as com trânsito em julgado a esta data. Recurso provido. Por unanimidade de votos, DAR provimento ao recurso. Victor Luís de Salles Freire - Relator Processo nº : / Recurso nº: Matéria: CONTRIBUIÇÃO SOCIAL Interessado: CONSTRUTORA ARAGUAIA MINAS LT- DA. Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ DECADÊNCIA - CSSL - LANÇAMENTO POR HOMO- LOGAÇÃO - LEI 8.383/9 - Na vigência da Lei 8.383/9 e a partir daí o lançamento do IRPJ se amolda às regras do art. 50, parágrafo 4º do CTN e opera-se assim por homologação. A aplicação da regra do artigo 45 da Lei 8.22/9 é incompatível com o CTN e com a própria Constituição Federal. os Conselheiros Antonio de Freitas Dutra, José Ribamar Barros Penha, Marcos Vinícius Neder de Lima, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antonio Gadelha Dias que deram provimento ao recurso e Cândido Rodrigues Neuber que deu provimento parcial ao recurso para afastar a decadência apenas em relação ao ano de 996. Victor Luís de Salles Freire - Relator Processo nº : /98-37 Recurso nº: PDV - RESTITUIÇÃO Interessado: MARCOS VIANNA VESCOVI. Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ DECADÊNCIA - PEDIDO DE RESTITUIÇÃO - TERMO INICIAL - Em caso de conflito quanto à legalidade da exação tributária, o termo inicial para contagem do prazo decadencial do direito de pleitear a restituição de tributo pago indevidamente inicia-se: a) da publicação do acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal em ADIN; b) da Resolução do Senado que confere efeito erga omnes à decisão proferida inter partes em processo que reconhece inconstitucionalidade de tributo; c) da publicação de ato administrativo que reconhece caráter indevido de exação tributária. Por maioria de votos, NEGAR provimento ao recurso. Vencido o Conselheiro Cândido Rodrigues Neuber Wilfrido Augusto Marques - Relator

20 <!ID > Nº 37, terça-feira, 2 de fevereiro de 2006 ISSN Processo nº : /00-06 Recurso nº: Matéria: CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO Recorrente: COMPANHIA DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ CSL - LIMITAÇÃO DA COMPENSAÇÃO DE BASE DE CÁLCULO NEGATIVA A 30% DO LUCRO LÍQUIDO - O contribuinte somente pode compensar base de cálculo negativa até o limite de 30% do lucro líquido, nos termos do art. 58 da Lei 898/95. os Conselheiros Victor Luís de Salles Freire, Remis Almeida Estol e Wilfrido Augusto Marques. José Henrique Longo - Relator Processo nº : / Recurso nº: Interessado: JOÃO JOSÉ TOURINHO Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - ACRÉSCIMO PATRIMONIAL A DESCOBERTO - Com o advento da Lei nº. 7.73, de 988, o acréscimo patrimonial há de ser apurado mensalmente, completando-se o fato gerador em 3 de dezembro de cada ano-calendário e incidindo o imposto na declaração de ajuste anual. DECADÊNCIA - Quando o rendimento da pessoa física sujeitar-se tão-somente ao regime de tributação na declaração de ajuste anual e independente de exame prévio da autoridade administrativa, por caracterizar-se lançamento por homologação o prazo decadencial será contado do fato gerador, que ocorre em 3 de dezembro, tendo o Fisco cinco anos, a partir dessa data, para efetuar o lançamento. os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber, Marcos Vinícius Neder de Lima, Mário Junqueira Franco Júnior e Manoel Antonio Gadelha Dias. José Ribamar Barros Penha - Relator <!ID > Processo nº : /00-4 Recurso nº: PDV - RETITUIÇÃO Interessado: AUGUSTO CÉSAR CONCEIÇÃO MARTINS Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ PROGRAMAS DE DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO - PEDIDO DE RESTITUIÇÃO - TERMO A QUO DA INCIDÊNCIA DA TAXA SELIC - Sobre as verbas indenizatórias recebidas por ocasião de rescisão de contrato de trabalho em função de adesão a PDV, não incide imposto de renda. Em sendo assim, da retenção indevida surge o direito para o contribuinte de apresentar regra-matriz de repetição de indébito tributário (art. 65 do CTN), independente do ajuste formalizado pela entrega da declaração, de modo que os juros e correção monetária passam a correr já a partir da retenção indevida. Wilfrido Augusto Marques - Relator Processo nº : /00-98 Recurso nº: Matéria: IRPJ - Ex: 996 Recorrente: IGUAÇU CELULOSE E PAPEL S.A. Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ ADMISSIBILIDADE - RECURSO ESPECIAL DE DIVER- GÊNCIA -PREQUESTIONAMENTO - Somente há de ser conhecida matéria prequestionada em impugnação e recurso voluntário. Recurso especial não conhecido. Por unanimidade de votos, NÃO CONHECER do recurso. José Henrique Longo - Relator Processo nº : /00-49 Recurso nº: Matéria: CSL - Ex: 996 Recorrente: IGUAÇU CELULOSE E PAPEL S.A. Sessão de: 09 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ ADMISSIBILIDADE - RECURSO ESPECIAL DE DIVER- GÊNCIA -PREQUESTIONAMENTO - Somente há de ser conhecida matéria prequestionada em impugnação e recurso voluntário. Recurso especial de divergência não conhecido. Por unanimidade de votos, NÃO CONHECER do recurso. José Henrique Longo - Relator Processo nº : /99-33 Recurso nº: Interessado: PAULO VIEIRA ALVES (Espólio) Sessão de: 0 de agosto de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - NORMAS PROCESSUAIS - Não restando matéria litigiosa em face do recolhimento do crédito tributário pelo Sujeito Passivo, prescinde de apreciação Recurso Especial interposto pela Fazenda Nacional. Recurso não conhecido. Por unanimidade de votos, NÃO CONHECER do recurso, por perda de objeto. José Ribamar Barros Penha - Relator ROSEMARI CORRÊA E SILVA Chefe da Secretaria da Conselho EMENTÁRIO DOS ACÓRDÃOS FORMALIZADOS NO MÊS DE AGOSTO DE 2004 Processo nº: /99-24 Recurso nº: Matéria: IRPJ e OUTROS Interessado: INSTITUTO FARMOTERÁPICO NEOVITA LT D A. Sessão de: 02 de dezembro de 2003 Acórdão nº: CSRF/ PRELIMINAR - RECURSO DE DIVERGÊNCIA DO PFN - Tendo a câmara recorrida rejeitado a preliminar de nulidade do auto de infração e havendo identidade fática e legal em relação ao mérito e, tendo o PFN identificado a divergência em relação ao tema - majoração de custos - através da transcrição das ementas - satisfeita está a condição prevista no artigo 9º 2º do RICSRF. IRPJ E OUTROS - CUSTOS DE PRODUTOS - MAJO- RAÇÃO - GLOSA - Procedente a glosa dos custos dos produtos importados, artificialmente majorados mediante utilização de interpostas pessoas jurídicas, constituídas com o propósito deliberado de reduzir a margem de lucros. Preliminar acolhida. Recurso especial provido. Por maioria de votos, ACOLHER a preliminar de conhecimento do recurso, vencidos os Conselheiros Remis Almeida Estol (relator), Leila Maria Scherrer leitão, Maria Goretti de Bulhões Carvalho e Romeu Bueno de Camargo (Suplente Convocado) e no mérito por unanimidade de votos, DAR provimento ao recurso. Designado para redigir o voto vencedor da preliminar o Conselheiro José Clóvis Alves. José Clóvis Alves - Redator Designado Processo nº: /99-7 Recurso nº: Interessado: NEWTON SALVADOR Sessão de: 3 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRRF - RESTITUIÇÃO DE TRIBUTO - PRAZO DECA- DENCIAL - Nos casos de retenção pela fonte pagadora de importância a título de imposto de renda na fonte considerado indevido por legislação superveniente, o termo inicial para o sujeito passivo apresentar o pedido de restituição junto ao órgão competente é a data em que vigora os efeitos da nova legislação. Recurso conhecido e negado. os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber e Leila Maria Scherrer Leitão que deram provimento ao recurso. José Ribamar Barros Penha - Relator Processo nº: /99-3 Recurso nº: PIA Interessado: JOAQUIM LOURENÇO CABRAL Sessão de: 3 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ RECURSO ESPECIAL - PRESSUPOSTOS DE ADMISSI- BILIDADE - O recurso especial previsto no art. 32, I, do Regimento Interno dos Conselhos de Contribuintes, aprovado pela Portaria Ministerial nº 55 de 6 de março de 998, tem por pressuposto a demonstração pela Procuradoria da Fazenda Nacional da contrariedade a lei ou a evidência de prova. Recurso que traz matéria e dispositivos não abordados na decisão recorrida, não merece admissão. Recurso não conhecido. Por maioria de votos, NÃO CONHECER do recurso. Vencidos os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber e Leila Maria Scherrer Leitão que deram provimento ao recurso. Wilfrido Augusto Marques - Relator Processo nº: /00-9 Recurso nº: Matéria: IRF Interessado: SALMAN TRANSPORTES LTDA. Sessão de: 3 de abril de 2004 Acórdão nº: CSRF/ RECURSO ESPECIAL - PRESSUPOSTOS DE ADMISSI- BILIDADE - O recurso especial previsto no art. 32, II, do Regimento Interno dos Conselhos de Contribuintes, aprovado pela Portaria Ministerial nº 55 de 6 de março de 998, tem por pressuposto a demonstração de divergência jurídica em casos em que haja identidade de situações fáticas comprovada pela confrontação de acórdãos. Não preenchidos estes requisitos, não merece admissão o Recurso. Recurso não conhecido. Por maioria de votos, NÃO CONHECER do recurso. Vencidos os Conselheiros José Ribamar Barros Penha (Relator) e Antonio de Freitas Dutra. Designado para redigir o voto vencedor o Conselheiro Wilfrido Augusto Marques. Wilfrido Augusto Marques - Redator Designado Processo nº: /96-04 Recurso nº: Matéria: PIS SEMESTRALIDADE - Exs: 992 a 996 Interessado: ELO ATACADISTA DISTRIBUIDOR LTDA. Sessão de: 4 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ PIS FATURAMENTO - SEMESTRALIDADE: A base de cálculo mensal da contribuição é a receita bruta do 6º (sexto) mês anterior ao recolhimento da exação. Lançamento que não obedece tal sistemática não subsiste. (Lei Complementar nº 07/70 art. 6º único). Por maioria de votos, NEGAR provimento ao recurso. Vencido o Conselheiro Cândido Rodrigues Neuber que deu provimento ao recurso. José Clóvis Alves - Relator Processo nº: /99-4 Recurso nº: Matéria: CSLL - Ex: 992 Recorrente: COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DOS PRODUTORES CAFEICULTORES DA REGIÃO DE LARANJI- NHA LTDA. Sessão de: 4 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPJ - SOCIEDADE COOPERATIVA DE CRÉDITO: Não são alcançados pela incidência do imposto de renda os resultados de atos cooperativos. O resultado positivo de operações praticadas por atos não cooperativos, ainda que não se incluam entre as expressamente previstas nos artigos 86 a 88 da Lei nº 5.764/7, é passível da tributação normal pelo imposto de renda e CSLL. Se a exigência se funda exclusivamente na descaracterização da cooperativa, exigindo a contribuição sobre os resultados totais sem a segregação daqueles advindos de atos cooperativos e não cooperativos estes últimos previstos nos artigos 85 e 86 da Lei nº 5.764/7, não pode a mesma prosperar. Recurso provido. Por maioria de votos, DAR provimento ao recurso. Vencidos os Conselheiros Cândido Rodrigues Neuber, que apresentou declaração de voto, e Marcos Vinícius Neder de Lima que negaram provimento ao recurso. José Clóvis Alves - Relator Processo nº: /200-0 Recurso nº: Interessado: LÍRIO PEDRO POTRICH Sessão de: 4 de junho de 2004 Acórdão nº: CSRF/ IRPF - MODALIDADE DE LANÇAMENTO - Com o advento do Decreto-lei nº 968, de 982, que estabelece o pagamento do tributo sem o prévio exame da autoridade administrativa, a construção jurisprudencial é no sentido de que o lançamento do imposto de renda pessoa física é por homologação (art. 50, 4º do CTN), salvo quando ato legal ou administrativo específico definir outra modalidade, a exemplo do ocorrido no exercício de 993, quando em face do disposto no art. 3º da Portaria MF nº 43, de 993, o lançamento foi por declaração. DECADÊNCIA - A contagem do prazo decadencial para fins de lançamento do Imposto de Renda Pessoa Física deve ser contado do fato gerador, que ocorre em 3 de dezembro do correspondente ano-calendário, quando o lançamento obedecer à modalidade por homologação, ou no primeiro dia do exercício seguinte (art. 73, I, do CTN), nos casos de lançamento por declaração. IRPF - ACRÉSCIMO PATRIMONIAL A DESCOBERTO. FLUXO FINANCEIRO. SOBRAS DE RECURSOS. Na apuração de eventuais omissões de rendimentos em aplicações de recursos superiores aos disponíveis o Fluxo financeiro é elaborado mensalmente sendo que as sobras apuradas são transferidas ao mês seguinte, dentro do mesmo ano-calendário, não cabendo a transferência das sobras verificadas em dezembro para janeiro em face do princípio da verdade material cuja prova oferecida pelo contribuinte, mediante a entrega da Declaração de Ajuste Anual, tem preferência. Recurso conhecido e parcialmente provido.

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEXTA CÂMARA

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEXTA CÂMARA Processo n : 10680.009868/00-54 Recurso n : 143.694 Matéria : IRPF - Ex(s): 1998 Recorrente : WALBER BRAGA Recorrida : 5ª TURMA/DRJ em BELO HORIZONTE MG Sessão de : 26 DE JANEIRO DE 2006 Acórdão n : 106-15.272

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES 1ª CÂMARA EMENTÁRIO DOS ACÓRDÃOS FORMALIZADOS NO MÊS DE DEZEMBRO DE 2008

PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES 1ª CÂMARA EMENTÁRIO DOS ACÓRDÃOS FORMALIZADOS NO MÊS DE DEZEMBRO DE 2008 PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES 1ª CÂMARA EMENTÁRIO DOS ACÓRDÃOS FORMALIZADOS NO MÊS DE DEZEMBRO DE 2008 Processo nº : 10380.010625/2004-48 Recurso nº : 154961 Matéria : IRPJ E OUTROS - Ex(s): 2000

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS. Apesar de ter apresentado a declaração, não efetuou o recolhimento do crédito

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 110/2011 RECURSO VOLUNTÁRIO N o : 7.968 PROCESSO N

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 3.256, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui o programa de recuperação de créditos tributários da fazenda pública municipal REFIM e dá outras providências. Piauí Lei: O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEGUNDA CÂMARA

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEGUNDA CÂMARA Processo nº : 13807.000369/2001-78 Recurso nº : 142.591 Matéria : IRPF - EX.: 1998 Recorrente : CLÁUDIO FRANCISCO PARRA Recorrida : 6 a TURMA/DRJ - SÃO PAULO/SP II Sessão de : 12 de setembro de 2005 Acórdão

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES TERCEIRA CÂMARA

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES TERCEIRA CÂMARA Processo nº : 10882.000720/2001-30 Recurso nº : 140.294 Matéria : CSLL - Ex(s): 1997 Recorrente : IMOPAR PARTICIPAÇÕES E ADMINISTRAÇÃO IMOBILIÁRIA LTDA. Recorrida : 2ª TURMA/DRJ-CAMPINAS/SP Sessão de :

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.712/15/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 16.000562964-91 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.712/15/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 16.000562964-91 Impugnação: 40. Acórdão: 20.712/15/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 16.000562964-91 Impugnação: 40.010136543-73 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Miquelanti Ltda IE: 186946145.00-63 João Henrique Galvão DF/Contagem

Leia mais

Carlos Roberto Occaso Subsecretário de Arrecadação e Atendimento da Receita Federal do Brasil

Carlos Roberto Occaso Subsecretário de Arrecadação e Atendimento da Receita Federal do Brasil Ofício nº. 071/2014 PRE Brasília, 29 de maio de 2014. Ilmo. Sr. Carlos Roberto Occaso Subsecretário de Arrecadação e Atendimento da Receita Federal do Brasil Marcelo de Melo Souza Subsecretário de Gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES TERCEIRA CÂMARA

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES TERCEIRA CÂMARA Recurso nº : 143.367 Matéria : CSLL Ex(s): 2000 Recorrente : UNIMED FRUTAL COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA. Recorrida : 1ª TURMA/DRJ-JUIZ DE FORA/MG Sessão de : 22 de setembro de 2006 COOPERATIVA DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. Processo nº 10950.000992/2007-74. Recurso nº 148.951

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. Processo nº 10950.000992/2007-74. Recurso nº 148.951 MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº 10950.000992/2007-74 Recurso nº 148.951 Matéria IOF - Base de Cálculo e Decadência Acórdão nº 201-81.317 Sessão de 08

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP EMENTA

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP EMENTA APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP. EMENTA AÇÃO ORDINÁRIA. PIS/COFINS. RECOLHIMENTO NA FORMA DAS LEIS Nº 10.637/02 E 10.833/03. EXCEÇÃO ÀS PESSOAS JURÍDICAS REFERIDAS NA LEI Nº 7.102/83. SITUAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos de recurso interposto por ANA CAROLINA BRANDÃO SALGADO.

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos de recurso interposto por ANA CAROLINA BRANDÃO SALGADO. Processo nº. : 10480.004079/2001-35 Recurso nº. : 142.400 Matéria : IRPF - Ex(s): 1998 Recorrente : ANA CAROLINA BRANDÃO SALGADO Recorrida : 1ª TURMA/DRJ em RECIFE - PE Sessão de : 10 DE AGOSTO DE 2005

Leia mais

Decadência e Prescrição em Matéria Tributária

Decadência e Prescrição em Matéria Tributária CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO Decadência e Prescrição em Matéria Tributária F A B I A N A D E L P A D R E T O M É G O I Â N I A, 1 1 / 0 4 / 2 0 1 5 CICLO DE POSITIVAÇÃO DO DIREITO CONSTITUIÇÃO

Leia mais

CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO - CONAT CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS- CRT

CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO - CONAT CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS- CRT .-...- _.\ (Q~' Processo n 1/4246/2006 ~ CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS- CRT RESOLUÇÃO N ~ 50 /2010 2 8 CÂMARA DE JULGAMENTO 144 8 SESSÃO ORDINÁRIA EM: 03/09/2010 PROCESSO N 1/4246/2006 AUTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO. NONA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0047746-68.2014.8.19.0000 Desembargador GILBERTO DUTRA MOREIRA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO. NONA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0047746-68.2014.8.19.0000 Desembargador GILBERTO DUTRA MOREIRA 1 Agravo de instrumento. Mandado de segurança. Suspensão de exigibilidade de tributo. ICMS. Desembaraço aduaneiro. Contrato de afretamento de embarcação em regime de admissão temporária. REPETRO. Decisão

Leia mais

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011 IRPF Imposto de Renda da Pessoa Física Nathália Ceia Março 2011 Programa Aula 1 1. Princípios Gerais 2. Fato Gerador 3. Características 4. Contribuinte e Responsável Programa Aula 2 5. Alíquotas e Formas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEGUNDA CÂMARA

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEGUNDA CÂMARA MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEGUNDA CÂMARA Processo nº : 11080.002645/00-42 Recurso nº : 144.361 Matéria : IRPF - EX.: 1998 Recorrente : TÂNIA REGINA ESTEVES MARQUES Recorrida

Leia mais

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO GESTÃO TRIBUTÁRIA NOTÍCIAS - 2013 Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO A presidente Dilma Rousseff sancionou o projeto de lei de conversão resultante

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC Lançamento 1-(FCC - 2012 - Prefeitura de São Paulo - SP - Auditor Fiscal do Município) Um contribuinte do Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU possuía

Leia mais

lançamento A cada (notificação) 5 anos 5 anos 1º de janeiro 1º/01

lançamento A cada (notificação) 5 anos 5 anos 1º de janeiro 1º/01 DIREITO TRIBUTÁRIO Jurisprudência do STJ Prescrição e Decadência Ministra Eliana Calmon 1. GENERALIDADES - Fato Gerador obrigação gç lançamento crédito tributário - Lançamento (art. 142 do CTN) - Tipos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. BAURUCAR AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS LTDA. DRJ em São Paulo - SP

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. BAURUCAR AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS LTDA. DRJ em São Paulo - SP CC02/C01 Fls. nfls txtfls182 Old MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº 10825.000305/2003-22 Recurso nº 135.656 Matéria PIS/Pasep Acórdão nº 201-81.013 Sessão

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS PROCESSO: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL Nº 183923/RN (99.05.45463-2) APTE : POTY REFRIGERANTES LTDA ADV/PROC : MANUEL LUÍS DA ROCHA NETO E OUTROS APDO : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO C006 DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL C006042 Responsabilidade Tributária. Exceção de pré-executividade. Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS.

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos de recurso interposto por CHRIS CINTOS DE SEGURANÇA LTDA.

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos de recurso interposto por CHRIS CINTOS DE SEGURANÇA LTDA. Recurso nº : 147.407 Matéria : IRF - ANO: 1993 a 1997 Recorrente : CHRIS CINTOS DE SEGURANÇA LTDA. Recorrida : 5 a TURMA/DRJ-SÃO PAULO/SP I Sessão de : 26 de janeiro de 2007 COMPENSAÇÃO DECLARADA - HOMOLOGAÇÃO

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Conselho de Contribuintes RECURSO Nº - 51.580 ACÓRDÃO Nº 13.

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Conselho de Contribuintes RECURSO Nº - 51.580 ACÓRDÃO Nº 13. PUBLICAÇÃO DA DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. 05 / 12 / 2014 Fls.: 22 SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Processo nº E-04 / 153.114/2012 Sessão de 07 de outubro de 2014 PRIMEIRA CÂMARA RECURSO Nº - 51.580 ACÓRDÃO Nº

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES. - Junta de Revisão Fiscal

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES. - Junta de Revisão Fiscal PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de / / Fls. Processo n.º: E-04/897.015/1999 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 07 de Novembro de 2000 PRIMEIRA CÂMARA RECURSO N.º

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 98 Data 3 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA IRPF DANO MORAL. PESSOA FÍSICA.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Felipe das Neves, 20 anos, portador de grave deficiência mental, vem procurá-lo, juntamente com seu pai e responsável, eis que pretendeu adquirir um carro, para ser

Leia mais

GoVERNO DO EsTADO DO CEARÁ Secretaria da Fazenda CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO. CONAT CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS - CRT

GoVERNO DO EsTADO DO CEARÁ Secretaria da Fazenda CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO. CONAT CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS - CRT RESÇ>LUÇÃO N 3a.i /2010 2 8 CAMARA DE JULG MENTO 132 8 SESSÃO ORDINÁRIA EM: 09/08/2010 PROCESSO N 1/2180/2003 AUTO DE INFRAÇÃO N 1/200107169 RECORRENTE: CÉLULA DE JULGAMENTO DE 1 8 INSTÂNCIA RECORRIDO:

Leia mais

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO Depósitos Judiciais (REsp. 1.251.513/PR) e a conversão do depósito pela Fazenda Pública José Umberto Braccini Bastos umberto.bastos@bvc.com.br CTN ART. 151 o depósito é uma das

Leia mais

MATERIAL DE APOIO MONITORIA

MATERIAL DE APOIO MONITORIA Delegado Federal Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.01.2010 Aula n.º 08 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Artigos Correlatos 1.1 Lançamento por homologação 2. Jurisprudência

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, Registro: 2012.0000257965 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL RECORRIDO : SIAM ALIMENTOS LTDA E OUTRO : MARCELO DE LIMA CASTRO DINIZ E OUTRO(S) EMENTA

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAUCAIA

MUNICÍPIO DE CAUCAIA LEI N 1765, DE 25 DE AGOSTO 2006. Institui o Programa de Recuperação Fiscal - REFIS no Município de Caucaia, e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE CAUCAIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

04/09/2014 PLENÁRIO : MIN. TEORI ZAVASCKI

04/09/2014 PLENÁRIO : MIN. TEORI ZAVASCKI Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 16 04/09/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 745.901 PARANÁ RELATOR RECTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECDO.(A/S)

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005

SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005 PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 01 /12 /2005 Fls. Processo nº: E04/261.891/1998 Data: 11/09/1998 Fls. SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10a Turma PODER JUDICIÁRIO FEDERAL CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. DECADÊNCIA. PRESCRIÇÃO. PRAZO INICIAL. O processo do trabalho guarda perfeita simetria ao processo administrativo tributário posto

Leia mais

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Órgão: TURMA REGIONAL DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA N. Processo: 0500029-74.2008.4.05.8103 Origem: Primeira Turma Recursal do Estado do Ceará Recorrente: João Ferreira

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA 137 CC02/C01 Fls. MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº 10875.003210/00-14 Recurso nº 131.698 Matéria PIS Acórdão nº 201-80.259 Sessão de 26 de abril de 2007

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.451.602 - PR (2014/0100898-3) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : MTD COMÉRCIO LTDA ADVOGADOS : CHRISTIANO MARCELO BALDASONI CRISTIANO CEZAR SANFELICE

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fl. 12 Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 20 - Data 25 de agosto de 2014 Origem COORDENAÇÃO-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO ADUANEIRA (COANA) ASSUNTO: NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Processo Administrativo Fiscal no Âmbito da Receita Federal do Brasil. Ricardo Antonio Carvalho Barbosa DRJ/Fortaleza/CE 1 13/11/12 RACB RACB

Processo Administrativo Fiscal no Âmbito da Receita Federal do Brasil. Ricardo Antonio Carvalho Barbosa DRJ/Fortaleza/CE 1 13/11/12 RACB RACB 1 Processo Administrativo Fiscal no Âmbito da Receita Federal do Brasil Ricardo Antonio Carvalho Barbosa DRJ/Fortaleza/CE 1 13/11/12 1 2 Relação Tributária Fisco Contribuinte Relação Tributária Ex Lege

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Conselho de Contribuintes

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Conselho de Contribuintes PUBLICAÇÃO DA DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. 18 / 12 / 2014 Fls.: 13 SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Processo nº E-04 / 082.025/2012 Rubrica: ID:42833175 Sessão de 15 de outubro de 2014 SEGUNDA CÂMARA RECURSO Nº

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS

RIO GRANDE DO NORTE CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS RIO GRANDE DO NORTE CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS PROCESSO : Nº 0125/2008-CRF. PAT : Nº 0140/2006-1ª URT. RECORRENTE : SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO. RECORRIDO : MARISA LOJAS VAREJISTAS LTDA. RECURSO

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br

Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br JUROS E CORREÇÃO MONETÁRIA DECORRENTES DE SENTENÇA Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br Qualquer débito decorrente de decisão judicial, incide juros ainda que

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF 27/11/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº. : 15374.001380/2001-18 Recurso nº. : 149.486 Matéria: : IRPJ e CSLL ano-calendário: 1998 Recorrente : Aeromil Táxi

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.161.003 - RS (2009/0194588-0) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : MARCOPOLO S/A : DECIO FRIGNANI JUNIOR E OUTRO(S) : FAZENDA NACIONAL

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico

Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico Aurora Tomazini de Carvalho Doutora PUC/SP e Professora UEL - Que se entende

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 163 SENTENÇA Processo nº: 1020203-79.2015.8.26.0053 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal Requerente: Comercial Móveis das Nações Sociedade Ltda. (Lojas Marabraz) Requerido:

Leia mais

Clipping. GOVERNO DO ESTADO Governador: Fernando Pimentel. Leis e Decretos LEI Nº 21.735, DE 3 DE AGOSTO DE 2015.

Clipping. GOVERNO DO ESTADO Governador: Fernando Pimentel. Leis e Decretos LEI Nº 21.735, DE 3 DE AGOSTO DE 2015. Clipping Veículo: Minas Gerais Data: 04/08/2015 Editoria: Caderno 1 - Diário do Executivo Páginas: 1 e 2 GOVERNO DO ESTADO Governador: Fernando Pimentel Leis e Decretos LEI Nº 21.735, DE 3 DE AGOSTO DE

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 868.088 - SP (2006/0154899-0) RELATOR : MINISTRO JOÃO OTÁVIO DE NORONHA RECORRENTE : NITTELA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS LTDA ADVOGADO : JOSÉ RODRIGO LINS DE ARAÚJO RECORRIDO : FAZENDA

Leia mais

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique:

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique: Prezados Leitores: A publicação Nota Tributária # Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo tem por objetivo atualizar nossos clientes e demais interessados sobre os principais assuntos que estão

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº. : 10882.003153/2003-35 Recurso nº. : 141.738 Matéria : IRPJ - Ex: 1988 Recorrente : INDÚSTRIAS ANHEMBI S/A Recorrida

Leia mais

MARIA HELENA COTTA CARDOZO PRESIDENTE

MARIA HELENA COTTA CARDOZO PRESIDENTE Recurso nº. : 140.176 Matéria : IRPF - Ex(s): 1994 Recorrente : HIDEYO EBISUI Recorrida : 3ª TURMA/DRJ-SÃO PAULO/SP II Sessão de : 16 de junho de 2005 COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO NA

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Art. 175 ao Art. 182 CTN Centro de Ensino Superior do Amapá Direito Financeiro e Tributário II Professora: Ilza Facundes Macapá-AP, 2013.1

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

AGRAVO INTERNO EM APELACAO CIVEL 2002.02.01.005234-7

AGRAVO INTERNO EM APELACAO CIVEL 2002.02.01.005234-7 RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO BARATA AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR : JANE MARIA MACEDO MIDOES AGRAVADO : O FORTE DO SABAO LTDA ADVOGADO : SAULO RODRIGUES DA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 147/2011 RECURSO VOLUNTÁRIO N o : 7.953 PROCESSO N

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES JUNTA DE REVISÃO FISCAL

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES JUNTA DE REVISÃO FISCAL PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 20/07/2010 Fls. 08 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 08 de dezembro de 2009 PRIMEIRA CÂMARA RECURSO Nº - 36.007 (26.807) ACÓRDÃO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 23/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 30/08/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 684.169 RIO GRANDE DO SUL RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S)

Leia mais

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA nº 13 / setembro de 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA ALTERA REGRAS SOBRE COMPENSAÇÃO E RESSARCIMENTO

informa tributário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA nº 13 / setembro de 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA ALTERA REGRAS SOBRE COMPENSAÇÃO E RESSARCIMENTO nº 13 / setembro de 2010 informa tributário Nesta edição: Alterações da Legislação Tributária Decisões do Poder Judiciário ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Esta seção divulga as principais alterações

Leia mais

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL Gilberto de Castro Moreira Junior * O artigo 229 da Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/76) define a cisão como sendo a operação pela qual a companhia

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 038/2012 RECURSO VOLUNTÁRIO N o : 8.050 PROCESSO

Leia mais

Vamos lá... *** a) Artigo 168: No caso de interrupção de pagamento de débito parcelado, o saldo proporcional

Vamos lá... *** a) Artigo 168: No caso de interrupção de pagamento de débito parcelado, o saldo proporcional Olá pessoal, tudo bem? Muitos estudos? Espero que sim. Vou começar a trabalhar com vocês alguns aspectos importantes da Legislação do ICMS RJ que podem ser cobrados no próximo concurso para Auditor Fiscal

Leia mais

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo?

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? a) União b) Estado c) Território Federal d) Distrito Federal 02) Qual diploma normativo é apto para estabelecer normas gerais em matéria de legislação

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

ASSUNTO: NORMAS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA

ASSUNTO: NORMAS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA ASSUNTO: NORMAS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 235 de 15 de Setembro de 2010 EMENTA: Os serviços notariais e de registro (cartórios) devem possuir cadastro no CNPJ, o qual permanecerá

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores JOÃO CARLOS GARCIA (Presidente sem voto), JARBAS GOMES E RUBENS RIHL.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores JOÃO CARLOS GARCIA (Presidente sem voto), JARBAS GOMES E RUBENS RIHL. fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000543198 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0005341-39.2012.8.26.0114, da Comarca de Campinas, em que é apelante ELISIO LOPES BRANDÃO, é apelado FAZENDA

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 719.474 - SP (2015/0125771-3) RELATOR AGRAVANTE PROCURADOR AGRAVADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : MUNICIPIO DE GUARULHOS : ANA PAULA HYROMI YOSHITOMI : CECÍLIA CRISTINA

Leia mais

A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS

A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS Informe Jurídico - nº I - 2014 A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS De acordo com o artigo 1º da Lei Complementar nº 110, de 29 de junho de 2001, em caso de demissão de empregado sem justa causa,

Leia mais

Relator: NANCI GAMA Recorrente: HOSPITAL E MATERNIDADE DR. CRISTOVÃO DA GAMA S/A

Relator: NANCI GAMA Recorrente: HOSPITAL E MATERNIDADE DR. CRISTOVÃO DA GAMA S/A ACÓRDÃO 303-35.815 Orgão 3º Conselho de Contribuintes - 3a. Câmara Assunto: Normas Gerais de Direito Tributário Período de apuração: 01/09/1989 a 31/12/1991 FINSOCIAL. PEDIDO DE RESTITUIÇÃO/COMPENSAÇÃO.

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 21.343/14/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000210484-18 Impugnação: 40.010135808-50 Impugnante: Mais Medicamentos Ltda IE: 001022236.01-19 Proc. S. Passivo: Alexandre Lara Ribeiro/Outro(s) Origem:

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. Como amplamente noticiado nestes últimos dias, o Supremo Tribunal Federal, em decisão

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO RECURSO ESPECIAL Nº 1.575.381 - ES (2015/0320103-6) : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : COOPERATIVA DE ECONOMIA DE CREDITO MUTUO DOS SERVIDORES DO DEPARTAMENTO DE

Leia mais

PROCESSO: 0001201-08.2011.5.01.0028 - RTOrd

PROCESSO: 0001201-08.2011.5.01.0028 - RTOrd ACÓRDÃO 9ª Turma PROCESSO: 0001201-08.2011.5.01.0028 - RTOrd MUDANÇA DE REGIME. CLT PARA ESTATUTÁRIO. VERBAS RESILITÓRIAS. A mudança do regime jurídico que não importa em desligamento definitivo, não implica

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

IMPOSTO SOBRE A RENDA

IMPOSTO SOBRE A RENDA IMPOSTO SOBRE A RENDA CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO IBDT TRIBUTAÇÃO

Leia mais

Dívidas não parceladas anteriormente

Dívidas não parceladas anteriormente Débitos abrangidos Dívidas não parceladas anteriormente Artigo 1º da Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 6, de 2009 Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições dos arts.

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Rio Grande do Sul 13ª Vara Federal de Porto Alegre

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Rio Grande do Sul 13ª Vara Federal de Porto Alegre Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Rio Grande do Sul 13ª Vara Federal de Porto Alegre Rua Otávio Francisco Caruso da Rocha, 600, 7º andar - Ala Leste - Bairro: Praia de Belas - CEP: 90010-395

Leia mais

IRPJ GLOSA DE COMPENSAÇÃO DE PREJUÍZOS Merece ser ajustada a glosa de compensação de prejuízos na proporção da matéria exonerada da exigência fiscal.

IRPJ GLOSA DE COMPENSAÇÃO DE PREJUÍZOS Merece ser ajustada a glosa de compensação de prejuízos na proporção da matéria exonerada da exigência fiscal. Recurso nº. :142.205 Matéria : IRPJ e OUTROS EXS.: 1995 e 1996 Recorrente : HOTEL NOVO MUNDO LTDA. Recorrida : 3ª TURMA/DRJ-RIO DE JANEIRO/RJ I Sessão de : 11 DE AGOSTO DE 2005 IRPJ PRELIMINAR NULIDADE

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ DECRETO N. 4.489

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ DECRETO N. 4.489 Publicado no Diário Oficial Nº 8708 de 08/05/2012 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, e considerando o disposto na Lei

Leia mais

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 INFORMATIVO Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 Este informativo tem o propósito de orientar as associadas sobre as principais questões atinentes aos procedimentos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 781.703 - RS (2005/0152790-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA : UNIÃO : MARCOS ROBERTO SILVA DE ALMEIDA E OUTROS : WALDEMAR MARQUES E OUTRO EMENTA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 704.881 - RS (2004/0126471-0) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN AGRAVANTE : TRANSPORTADORA DE CARGAS MERCOSUL LTDA ADVOGADO : CLÁUDIO LEITE PIMENTEL E OUTRO(S) AGRAVADO

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014

DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014 DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014 LEI Nº 17.976 /2014 Delibera sobre o Processo Administrativo Tributário da Secretaria de Finanças e altera dispositivos da Lei nº 15.563, de 27 de dezembro

Leia mais