INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95"

Transcrição

1 INFORMATIVO Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 Este informativo tem o propósito de orientar as associadas sobre as principais questões atinentes aos procedimentos a serem seguidos para cumprimento da Instrução Normativa RFB nº 1.343/13 que dispõe sobre o tratamento tributário relativo à apuração do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (IRPF) aplicável aos valores pagos ou creditados por entidade de previdência complementar a título de complementação de aposentadoria, resgate e rateio de patrimônio, correspondente às contribuições efetuadas, exclusivamente pelo beneficiário, no período de 1º de janeiro de 1989 a 31 de dezembro de As considerações expostas nesse Informativo estão baseadas na própria norma (Instrução Normativa RFB nº 1.343/13), no Ofício nº 138/2013-RFB/Suara/Codac, emitido pelo órfão fazendário com a finalidade de trazer esclarecimentos adicionais ao dispositivo legal, bem como nos entendimentos mantidos pela ABRAPP junto às autoridades fiscais. 1. A Instrução Normativa RFB nº 1.343/ Objetivo A Instrução Normativa RFB nº 1.343/13 foi publicada no dia 08/04/13 e tem por objetivo disciplinar a não tributação da parcela de recursos correspondentes às contribuições efetuadas pelos participantes no período compreendido entre 01/01/1989 a 31/12/1995. Isto porque, durante este período vigorava a Lei nº 7.713/88, que submetia ao imposto de renda os valores destinados a contribuições aos planos de previdência complementar, restando para o momento do benefício ou resgate, a tributação apenas do rendimento gerado ao longo do período de acumulação. O assunto vem sendo debatido no âmbito do Poder Judiciário há muitos anos, tendo prevalecido o entendimento de que a cobrança do imposto de renda no pagamento de benefícios e resgates a partir de 1996 corresponde a um bis in idem ou bitributação. 1.2 Vigência O art. 9ª da Instrução Normativa RFB nº 1.343/13 prevê vigência imediata das suas disposições. Não obstante, considerando a complexidade das obrigações estabelecidas para as entidades de previdência complementar, têm-se entendido como razoável que os ajustes sejam implementados na rotina fiscal das entidades no segundo semestre de Apesar de a norma não fixar multa por descumprimento do período de vigência indicado, a não aplicação das disposições nela previstas até meados do segundo semestre de 2013 poderá inviabilizar a restituição ou compensação do imposto de renda retido a maior de contribuintes que iniciaram o benefício em

2 1.3 Aplicação O disposto na Instrução Normativa RFB nº 1.343/13 aplica-se indistintamente a todos os participantes que possuam contribuições arcadas por si no período de 01/01/1989 a 31/12/1995, em planos de previdência complementar, qualquer que seja a modalidade de plano (BD, CD ou CV) ou regime de tributação escolhido (regressivo ou progressivo), desde que tenham percebido a primeira parcela de benefício, resgate ou rateio de patrimônio a partir de 01/01/ Participantes que receberam a primeira parcela de benefício até 31/12/2007 A Instrução Normativa RFB nº 1.343/13 dirige-se apenas aos participantes que tenham recebido a primeira parcela de benefício, resgate ou rateio de patrimônio a partir de 01/01/2008. O entendimento das autoridades fiscais é o de que houve decadência do direito à não tributação sobre a parcela das contribuições de 1989 a 1995 para os participantes que iniciaram benefício, resgate ou rateio de patrimônio anteriormente a esta data entendimento este válido para os pedidos administrativos de restituição, já que não há qualquer restrição ao exercício do direito dos participantes em discutir o assunto na esfera judicial. 3. Participantes que receberam a primeira parcela de benefício entre 01/01/2008 e 31/12/2012 Os participantes que receberam a primeira parcela de 31/12/2012 poderão pleitear a devolução do imposto de renda retido na fonte sobre essas parcelas, diretamente junto à Receita Federal do Brasil, com a adoção dos procedimentos indicados no art. 3º da Instrução Normativa RFB nº 1.343/13. Às entidades de previdência complementar, para estes casos, cabe apenas a entrega do demonstrativo com a informação sobre o valor das contribuições que o participante tenha feito relativas ao período de 01/01/1989 a 31/12/1995 devidamente atualizado até a data de início de pagamento do benefício de complementação de aposentadoria, resgate ou rateio de patrimônio Demonstrativo a ser fornecido ao participante Para os participantes que receberam a primeira parcela de 31/12/2012, a Instrução Normativa RFB nº 1.343/13 estabelece a obrigatoriedade de a entidade de previdência complementar informar o valor das contribuições que ele tenha efetuado relativas ao período de 01/01/1989 a 31/12/1995 devidamente atualizado até a data de início de pagamento do benefício de complementação de aposentadoria, resgate ou rateio de patrimônio. A orientação das autoridades fiscais é no sentido de que o referido demonstrativo seja entregue somente àqueles participantes que fizerem a solicitação por terem optado por pleitear a restituição na via administrativa. A Receita Federal não disponibiliza modelo de demonstrativo a ser adotado pelas entidades de previdência complementar, mas orienta que este contenha as contribuições realizadas exclusivamente pelo participante no período em questão (01/01/1989 a 1995), atualizadas segundo os índices do art. 5º 2

3 da norma até o dia 31 de dezembro do ano do efetivo início de recebimento da complementação de aposentadoria, resgate ou rateio de patrimônio. Sugere-se ainda que, a fim de facilitar o preenchimento da versão retificadora da declaração de ajuste anual do imposto de renda pelo participante, a entidade destaque no demonstrativo o total anual do benefício de complementação de aposentadoria paga ao beneficiário no ano em que este iniciou o gozo do benefício (e nos anos seguintes, caso a parcela atualizada referente ao período de 1989 a 1995 seja superior ao valor do benefício, resgate ou rateio de patrimônio pagos no primeiro ano de percepção do provento, até que seja alcançado o ano-calendário em que haja o seu exaurimento), especialmente nos casos em que a entidade, por possuir convênio com o INSS, também é fonte pagadora do benefício assegurado pela previdência do regime geral da previdência social. É necessário que o demonstrativo contenha o timbre, endereço e telefone da entidade de previdência complementar e seja assinado por pessoa responsável segundo a organização institucional da entidade. Recomenda-se também que a entidade informe, no referido demonstrativo, a eventual existência de ação judicial do participante na qual haja medida suspensiva total ou parcial, com ou sem depósito judicial, de que a entidade de previdência complementar tenha tomado conhecimento formalmente por recebimento de ofício do juízo competente. A data de emissão do demonstrativo deverá resguardar os direitos da entidade contra eventuais situações de concomitância de pedidos administrativos e judiciais de restituição por participante, cujas ações judiciais ou ofícios sejam supervenientes e dos quais a entidade tome ciência após a entrega do documento ao participante. Os índices de atualização a serem adotados pelas entidades de previdência complementar na elaboração do demonstrativo para atendimento ao art. 3º, 1º, da Instrução Normativa RFB nº 1.343/13, estão previstos no art. 5º da referida norma e expressos percentualmente no anexo ao Ofício nº 138/2013- RFB/Suara/Codac Participante com ação judicial Os participantes que receberam a primeira parcela de 31/12/2012 com a retenção do imposto sobre a renda na fonte e que tenham ação judicial em curso na qual se discuta a incidência do imposto sobre a parcela relativa às suas contribuições do período de 1989 a 1995, poderão optar por pleitear a devolução administrativa do imposto retido, desde que previamente desistam expressamente e de forma irrevogável da ação judicial proposta, renunciando a quaisquer alegações de direito sobre as quais se funda a referida ação judicial. Caso a entidade de previdência complementar tenha sido oficiada para cumprimento de decisão suspensiva ou realização de depósito judicial nas demandas em comento, recomenda-se que seja a ela (entidade) apresentada uma cópia da petição protocolada com o pedido de desistência anteriormente mencionado, para que então seja fornecido o competente demonstrativo descrito no item anterior, a fim de evitar concomitância de pedidos de restituição na via judicial e 3

4 administrativa (com base no demonstrativo fornecido pela entidade). 4. Participantes que receberam a primeira parcela de benefício após 31/12/2012 As entidades de previdência complementar deverão excluir da tributação, quando da apuração da base tributável pelo imposto de renda na fonte sobre benefícios, resgates ou rateios de patrimônio, a parcela relativa às contribuições do participante aportadas entre 01/01/1989 e 31/12/1995. A exclusão deve ser efetuada desde o pagamento da primeira parcela de benefício (inclusive abono anual), resgate ou rateio, mês a mês, até o completo exaurimento do montante representativo deste período, atualizado mensalmente segundo os índices do art. 5º da Instrução Normativa RFB nº 1.343/13. A atualização pelos índices monetários indicados na norma deve ser mantida mensalmente sobre o saldo da parcela não tributável em questão, até o seu exaurimento Isenções A Instrução Normativa RFB nº 1.343/13 trata da exclusão de determinados rendimentos da tributação do imposto de renda (porque já foram submetidos ao imposto de renda sob a vigência da Lei nº 7.713/88) e não propriamente de uma isenção ou favor fiscal. Por esta razão, as isenções previstas em lei devem ser preservadas de modo que possam ser aplicadas independentemente do disposto na nova IN. A parcela excluída de tributação nos termos da Instrução Normativa RFB nº 1.343/13 (que corresponde às contribuições realizadas pelos participantes nos planos de benefícios entre 01/01/1989 e 31/12/1995) deve ser abatida sobre a base de cálculo do imposto de renda, ou seja, sobre o rendimento tributável em si. Assim sendo, a aplicação do referido abatimento deve acontecer após subtração da parcela isenta de imposto nos termos das leis em vigor, a saber: a) Participantes com 65 anos ou mais Sobre o valor do benefício mensal de complementação de aposentadoria a ser pago, a entidade de previdência complementar deverá subtrair a parcela isenta de tributação que varia segundo a correção da tabela progressiva do imposto de renda mensal, mas que para 2013 é de R$ 1.710,78 e sobre a diferença, se houver, aplicar a exclusão prevista na Instrução Normativa RFB nº 1.343/13, mês a mês, até o seu exaurimento. b) Portadores de Moléstia Grave Como a isenção prevista para os portadores de moléstia grave não é limitada a determinado valor, a aplicação da Instrução Normativa RFB nº 1.343/13 fica sobrestada até que o participante deixe de fazer jus à isenção por doença grave Deduções permitidas pela legislação Diferentemente das isenções, as deduções previstas na lei (contribuição previdenciária, dependentes, pensão alimentícia e outras) somente podem ser descontadas da base tributável sujeita à tributação. 4

5 Considerando que a Instrução Normativa RFB nº 1.343/13 estabelece a exclusão da parcela relativa às contribuições do participante aportadas entre 01/01/1989 e 31/12/1995 desde o pagamento da primeira parcela de benefício (inclusive abono anual), resgate ou rateio, mês a mês, até o completo exaurimento do montante representativo deste período (atualizado mensalmente), as deduções legais devem ser abatidas apenas quando restar rendimento tributável a ser pago com a incidência do imposto de renda Participante com ação judicial Nos casos em que sobrevenha ofício para que a entidade de previdência complementar passe a depositar em juízo ou suspender a retenção e recolhimento do imposto de renda sobre a parcela relativa às contribuições do participante aportadas entre 01/01/1989 e 31/12/1995, mesmo tendo esta (entidade) tenha adotado os procedimentos do art. 2º da Instrução Normativa RFB nº 1.343/13 por se tratar de participante com início de benefício, resgate ou rateio de patrimônio posterior a 31/12/2012, sugere-se o cumprimento da ordem judicial e a comunicação imediata ao juízo sobre a exclusão prévia da parcela em questão sobre os pagamentos realizados anteriormente ao ofício judicial recebido, a fim de evitar eventuais questionamentos das autoridades fiscais sobre ter o participante se beneficiado duplamente da reparação do indébito tributário. 5. Situações especiais 5.1 Pensionista O art. 8º da Instrução Normativa RFB nº 1.343/13 limita a sua aplicação aos pensionistas. Segundo o entendimento das autoridades fiscais, somente faz jus à não tributação da parcela relativa às contribuições do período de 1989 a 1995 as próprias pessoas físicas que as aportaram. 5.2 Residentes no exterior Aplicam-se aos participantes residentes no exterior as disposições da Instrução Normativa RFB nº 1.343/ Resultados superavitários Aplicam-se as disposições da Instrução Normativa RFB nº 1.343/13 aos pagamentos de benefícios extraordinários de caráter temporário decorrentes da distribuição de superávit no âmbito dos planos de previdência complementar. 5.4 Portabilidade A disciplina legal dada pela Instrução Normativa RFB nº 1.343/13 aplica-se igualmente aos casos de portabilidade de reservas entre planos de previdência complementar, sobre a parcela representada pelas contribuições do participante realizadas no período de 1989 a

INFORMAÇÃO TRIBUTÁRIA CONTRIBUIÇÕES JANEIRO/1989 A DEZEMBRO/1995 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1.343/2013

INFORMAÇÃO TRIBUTÁRIA CONTRIBUIÇÕES JANEIRO/1989 A DEZEMBRO/1995 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1.343/2013 INFORMAÇÃO TRIBUTÁRIA CONTRIBUIÇÕES JANEIRO/1989 A DEZEMBRO/1995 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1.343/2013 Considerando a publicação da Instrução Normativa (IN) nº 1.343 em 08 de abril de 2013 pela Receita

Leia mais

Instrução Normativa 1.343, DE 08.04.2013, DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

Instrução Normativa 1.343, DE 08.04.2013, DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Instrução Normativa 1.343, DE 08.04.2013, DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ASSISTIDOS COM INÍCIO DO RECEBIMENTO DO BENEFÍCIO NO PERÍODO DE JAN.2008 A DEZ.2012 Perguntas e respostas para entendimento

Leia mais

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

IRPF 2012 Cartilha IR 2012

IRPF 2012 Cartilha IR 2012 IRPF 2012 Cartilha IR 2012 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

Inferior ou igual a 2 anos 35% Superior a 2 anos e inferior ou igual a 4 anos 30% Superior a 4 anos e inferior ou igual a 6 anos 25%

Inferior ou igual a 2 anos 35% Superior a 2 anos e inferior ou igual a 4 anos 30% Superior a 4 anos e inferior ou igual a 6 anos 25% Perguntas e respostas 1- Como funciona a Tabela Regressiva dos Planos de Previdência Complementar? R A Tabela Regressiva foi prevista a partir da Lei nº 11.053, de 29 /12 /2004. Em vigor desde 01/01/2005,

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Durante o ano de 2014 contribuí para a Previdência Social como autônoma. Como devo fazer para deduzir esses valores? Qual campo preencher? Se pedirem CNPJ, qual devo

Leia mais

ESCLARECIMENTOS E ORIENTAÇÕES AOS PARTICIPANTES DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA SISTEMA FIEMG

ESCLARECIMENTOS E ORIENTAÇÕES AOS PARTICIPANTES DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA SISTEMA FIEMG ESCLARECIMENTOS E ORIENTAÇÕES AOS PARTICIPANTES DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA SISTEMA FIEMG Imposto de Renda Retido na Fonte incidente sobre o Plano de Contribuição da CASFAM O Governo Federal, através

Leia mais

NOVO REGIME TRIBUTÁRIO EM PLANOS PREVIDENCIÁRIOS

NOVO REGIME TRIBUTÁRIO EM PLANOS PREVIDENCIÁRIOS NOVO REGIME TRIBUTÁRIO EM PLANOS PREVIDENCIÁRIOS Base legal: Lei no 11.053, de 29 de dezembro de 2004, Instrução Normativa nº 497, Instrução Normativa Conjunta SRF/SPC/SUSEP nº 524 e Medida Provisória

Leia mais

na modalidade Contribuição Definida

na modalidade Contribuição Definida 1 DIRETORIA * Estruturados DE PREVIDÊNCIA na modalidade Contribuição Definida legislação Conforme a Legislação Tributária vigente*, aplicável aos Planos de Previdência Complementar modelados em Contribuição

Leia mais

Tabela Progressiva para o cálculo mensal do Imposto de Renda de Pessoa Física, anocalendário

Tabela Progressiva para o cálculo mensal do Imposto de Renda de Pessoa Física, anocalendário 1) Como é o Regime de Tributação Progressiva? Sobre os benefícios previdenciais pagos pelos fundos de pensão, o cálculo do imposto de renda devido obedece ao regulamento aplicável, por exemplo, aos rendimentos

Leia mais

INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL

INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR A Lei n.º 11.053, de 29 de dezembro de 2004, trouxe

Leia mais

Previdência Complementar

Previdência Complementar Cartilha Previdência Complementar Guia Fácil de Tributação TRATAMENTO TRIBUTÁRIO BÁSICO A primeira informação que deve ser observada na escolha de um plano de previdência que tenha como propósito a acumulação

Leia mais

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO O Manual

Leia mais

Essa avaliação quanto ao melhor regime tributário aplicável deve ser realizada caso a caso, levando-se em consideração:

Essa avaliação quanto ao melhor regime tributário aplicável deve ser realizada caso a caso, levando-se em consideração: Conforme o disposto pela legislação tributária, os participantes e assistidos que optarem pelo Plano Sabesprev Mais poderão optar pelo Regime de Tributação Regressivo, ao invés de receberem seus benefícios

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES NOVO REGIME DE TRIBUTAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA:

PERGUNTAS FREQUENTES NOVO REGIME DE TRIBUTAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA: PERGUNTAS FREQUENTES NOVO REGIME DE TRIBUTAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA: Vejam quais são as principais questões que envolvem o Novo Regime de Tributação e esclareçam suas dúvidas. 1) Como era o tratamento tributário

Leia mais

www.casanprev.com.br

www.casanprev.com.br REGIME DE TRIBUTAÇÃO PROGRESSIVO OU REGRESSIVO? Ideal para o seu futuro www.casanprev.com.br O disposto neste material não substitui, em hipótese alguma, o disposto na Lei 11.053, de 29/12/2004. IMPOSTO

Leia mais

Apresentação DOCUMENTOS INSTITUCIONAIS ELETROS

Apresentação DOCUMENTOS INSTITUCIONAIS ELETROS Apresentação Os participantes de Planos de Previdência Complementar estruturados na modalidade de Contribuição Definida (CD), como é o caso do Plano CD CERON, contam com duas opções de tributação do imposto

Leia mais

cartilha de regime de tributação

cartilha de regime de tributação cartilha de regime de tributação Apresentação O INFRAPREV elaborou esta cartilha com o objetivo de orientar o participante na escolha do regime de tributação quando do ingresso no seu plano de previdência.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário complemento de 13º Salário 01/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/espolio.htm Page 1 of 9 Espólio - Contribuinte Falecido CONCEITO 085 O que é espólio? Espólio é o conjunto de bens, direitos e obrigações da pessoa falecida. É contribuinte distinto do meeiro, herdeiros e legatários.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal 03/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão...

Leia mais

Abrangência e premissas da norma

Abrangência e premissas da norma Abrangência e premissas da norma Complementação de aposentadoria, resgate e rateio de patrimônio A inclusão do resgate e a MP 2.159-70/01 Inclui o abono anual pago a título de décimo terceiro salário Não

Leia mais

Carlos Roberto Occaso Subsecretário de Arrecadação e Atendimento da Receita Federal do Brasil

Carlos Roberto Occaso Subsecretário de Arrecadação e Atendimento da Receita Federal do Brasil Ofício nº. 071/2014 PRE Brasília, 29 de maio de 2014. Ilmo. Sr. Carlos Roberto Occaso Subsecretário de Arrecadação e Atendimento da Receita Federal do Brasil Marcelo de Melo Souza Subsecretário de Gestão

Leia mais

IX ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA APOSENTADORIA

IX ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA APOSENTADORIA IX ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA APOSENTADORIA Instrução Normativa SRF 15, de 6/2/2001 O que é? Os portadores de câncer (neoplasia maligna) estão isentos do Imposto de Renda relativo aos rendimentos de

Leia mais

Boletim de Relacionamento Previdência. Imposto de Renda Sul América Previdência

Boletim de Relacionamento Previdência. Imposto de Renda Sul América Previdência Boletim de Relacionamento Previdência Imposto de Renda Sul América Previdência Prezado Participante, Desenvolvemos um guia para que você, que possui um Plano de Previdência PGBL ou Tradicional ou um Plano

Leia mais

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev Manual Explicativo Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev 1. MANUAL EXPLICATIVO... 4 2. A APOSENTADORIA E VOCÊ... 4 3. PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: O que é isso?... 4 4. BOTICÁRIO

Leia mais

Manual. Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI

Manual. Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI Manual Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI O melhor da vida é feito em parceria O Plano de Benefícios Previdenciários da SICOOB PREVI é uma importante ferramenta de planejamento financeiro

Leia mais

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência.

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência. Especial IRPF 2011 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência - Março de 2011 Chegou a hora de declarar o IRPF2011 Fique atento! Não descuide do

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV...

CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV... ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 2 FUNDO PARANÁ... 3 PATRIMÔNIO... 4 SEGURANÇA... 4 BENEFÍCIO FISCAL... 5 ASFUNPAR... 6 PLANO DENTALUNIPREV... 7 CONHEÇA O PLANO DENTALUNIPREV... 8 PARTICIPANTES... 9 Participante

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

Cartilha informativa sobre a IN 1.343. Confira as orientações e o passo a passo para retificar o imposto de renda retido.

Cartilha informativa sobre a IN 1.343. Confira as orientações e o passo a passo para retificar o imposto de renda retido. Cartilha informativa sobre a IN 1.343 Confira as orientações e o passo a passo para retificar o imposto de renda retido. 2013 Você sabe quais são os critérios para a compensação do Imposto de Renda? CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS CARTILHA Previdência Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS Índice 1. Os planos de Previdência Complementar e os Regimes Tributários... Pág. 3 2. Tratamento tributário básico... Pág. 4 3. Características próprias

Leia mais

Seu futuro está em nossos planos!

Seu futuro está em nossos planos! 1/8 CONHEÇA O PLANO DE BENEFÍCIOS CD-METRÔ DF Seu futuro está em nossos planos! 2014 2/8 1 Quem é a REGIUS? A REGIUS Sociedade Civil de Previdência Privada é uma entidade fechada de previdência privada,

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA...

CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... 8 CONHEÇA O PLANO JMALUCELLI PREVIDÊNCIA... 9 PARTICIPANTES...

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 Perguntas e Respostas 1. QUAL CONDIÇÃO TORNA A PESSOA FÍSICA OBRIGADA A APRESENTAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA? Está obrigado a apresentar a declaração,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência do IRRF sobre Multas por Rescisão de Contrato

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência do IRRF sobre Multas por Rescisão de Contrato Incidência do IRRF sobre Multas por Rescisão de Contrato 05/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Incidência do

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O PAGAMENTO DE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA, EM CARÁTER EVENTUAL, POR MEIO DE RECIBO DE PAGAMENTO A CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

Leia mais

INFORMAÇÃO IMPORTANTE

INFORMAÇÃO IMPORTANTE INFORMAÇÃO IMPORTANTE CONTRIBUIÇÕES JANEIRO/1989 A DEZEMBRO/1995. INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1.343/2013 Entre o período de janeiro de 1989 a dezembro de 1995, as contribuições efetuadas pelos participantes

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1 ÍNDICE 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2014... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais

Em complemento às normas

Em complemento às normas A Nova Sistemática de Tributação dos Planos de Previdência Privada Luca Priolli Salvoni e Mário Shingaki Consultores Tributários do Levy & Salomão Advogados Em complemento às normas editadas no final do

Leia mais

O que determina a Instrução Normativa (IN) nº 1.343?

O que determina a Instrução Normativa (IN) nº 1.343? N 1.343 PERGUNTAS E RESPOSTAS 1 O que determina a Instrução Normativa (IN) nº 1.343? A IN permite aos participantes, que iniciaram o recebimento do benefício de aposentadoria ou resgate no período de 01/01/2008

Leia mais

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência Março de 2013 Especial IRPF 2013 Chegou a hora de declarar o IR2013 >> Fique por dentro >> Onde informar

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o seu Plano de Benefícios ACPrev.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o seu Plano de Benefícios ACPrev. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO ACPREV... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativo... 8 Participante Assistido...

Leia mais

DIRF DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

DIRF DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE DIRF DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE O que é? Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte - DIRF é a declaração feita pela FONTE PAGADORA, com o objetivo de informar à Secretaria da Receita

Leia mais

MANUAL DO APOSENTADO E PENSIONISTA PLANO SGC PREV PLANO DE BENEFÍCIOS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DA SOCIEDADE GOIANA DE CULTURA

MANUAL DO APOSENTADO E PENSIONISTA PLANO SGC PREV PLANO DE BENEFÍCIOS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DA SOCIEDADE GOIANA DE CULTURA MANUAL DO APOSENTADO E PENSIONISTA PLANO SGC PREV PLANO DE BENEFÍCIOS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DA SOCIEDADE GOIANA DE CULTURA SUMÁRIO Qual é o significado de aposentado e pensionista?...3 Quando é realizado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

Tabela Progressiva do IR Pessoa Física - ano-calendário de 2014. Base de cálculo

Tabela Progressiva do IR Pessoa Física - ano-calendário de 2014. Base de cálculo REGIMES TRIBUTÁRIOS 1 A Lei nº 11.053/2004 trouxe mudanças importantes na tributação dos benefícios pagos por entidades de previdência complementar. A principal mudança foi a instituição de um regime de

Leia mais

Quadro Demonstrativo dos Impostos e Contribuições a serem retidos: CONFORME TABELA PROGRESSIVA PESSOA JURIDICA

Quadro Demonstrativo dos Impostos e Contribuições a serem retidos: CONFORME TABELA PROGRESSIVA PESSOA JURIDICA Prezado Credenciado, A Postal Saúde Caixa de Assistência e Saúde dos Empregados dos Correios, pessoa jurídica de direito privado, associação sem fins lucrativos, operadora de plano de saúde na modalidade

Leia mais

O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física

O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física O QUE É DAA? É a Declaração de Imposto de Renda Anual Denominada - Declaração de Ajuste Anual ÓRGÃOS REGULADORES Receita Federal do Brasil Procuradoria

Leia mais

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI UVERGS PREVI A União dos Vereadores do Estado do Rio Grande do Sul visa sempre cuidar do futuro de seus associados Por conta disso, está lançando um Programa de Benefícios

Leia mais

COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE Ano Calendário/ 2010 Quer entender um pouco mais sobre este documento? Conheça as informações que devem constar em cada quadro

Leia mais

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO.

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. Porto Alegre, 17 de fevereiro de 2012 Sr. Cliente: CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. No período de 01 de março até 30 de abril de 2012, a RFB estará recepcionando as Declarações do Imposto

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 243 - Data 12 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Imposto sobre a Renda Retido na Fonte - IRRF Ementa: PREVIDÊNCIA PRIVADA.

Leia mais

Cartilha de Tributação. Recebimento do benefício do Plano ou Resgate de Contribuições

Cartilha de Tributação. Recebimento do benefício do Plano ou Resgate de Contribuições Cartilha de Tributação Recebimento do benefício do Plano ou Resgate de Contribuições A escolha de tributação - progressiva ou regressiva - só gera impactos no resgate de contribuição e/ou no recebimento

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de Transportador Autônomo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de Transportador Autônomo Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de 10/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Incidência do IRRF para

Leia mais

Quadro Comparativo do Regulamento do Plano de Benefícios Pepsico

Quadro Comparativo do Regulamento do Plano de Benefícios Pepsico do Regulamento do Plano de Benefícios Pepsico CNPB 2004.0020-18 Prev Pepsico Sociedade Previdenciária CNPJ 00.098.693/0001-05 Atendimento à NOTA Nº 036/2013/CGAT/DITEC/PREVIC Comando 357744092 Juntada

Leia mais

Objetivo. Conteúdo. Imposto de Renda Pessoa Física. Rendimentos recebidos acumuladamente Palestra TRT 6ª Região

Objetivo. Conteúdo. Imposto de Renda Pessoa Física. Rendimentos recebidos acumuladamente Palestra TRT 6ª Região Imposto de Renda Pessoa Física Rendimentos recebidos acumuladamente Palestra TRT 6ª Região Alexandre de Moraes Rego AFRFB DRF Recife Objetivo Divulgação da nova sistemática de tributação do Imposto de

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA

IMPOSTO DE RENDA IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IMPOSTO DE RENDA IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IMPOSTO l ELEMENTOS DO IMPOSTO: INCIDÊNCIA FATO GERADOR PERÍODO DE APURAÇÃO BASE DE CÁLCULO ALÍQUOTA INCIDÊNCIA l IRPF - É o imposto que incide sobre o produto

Leia mais

ASSUNTO: NORMAS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA

ASSUNTO: NORMAS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA ASSUNTO: NORMAS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 235 de 15 de Setembro de 2010 EMENTA: Os serviços notariais e de registro (cartórios) devem possuir cadastro no CNPJ, o qual permanecerá

Leia mais

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 13/2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015. IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2014 Prezado cliente, No dia 03 de fevereiro de 2015 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. Como amplamente noticiado nestes últimos dias, o Supremo Tribunal Federal, em decisão

Leia mais

Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos

Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos Este treinamento tem o objetivo de demonstrar as informações e funcionalidades da DIRF em relação às rotinas específicas do sistema JB Folha de Pagamento.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como ajustar a DIRF quando não foi realizado o cálculo em separado do IRRF sobre os Rendimentos Recebidos

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como ajustar a DIRF quando não foi realizado o cálculo em separado do IRRF sobre os Rendimentos Recebidos Como ajustar a DIRF quando não foi realizado o cálculo em separado do IRRF sobre os Rendimentos Recebidos Acumuladamente (RRA) 24/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas

Leia mais

Saiba mais sobre seu plano

Saiba mais sobre seu plano Saiba mais sobre seu plano Plano Funbep II 1 Índice A proteção da previdência complementar... 03 As contribuições para o plano... 04 Em caso de desligamento... 06 Na hora da aposentadoria... 08 Cuide bem

Leia mais

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011)

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO consiste na substituição, total ou parcial, do cálculo da contribuição previdenciária

Leia mais

Entenda como é realizado o cálculo do Imposto de Renda Retido na Fonte:

Entenda como é realizado o cálculo do Imposto de Renda Retido na Fonte: Entenda como é realizado o cálculo do Imposto de Renda Retido na Fonte: Observação: Como exemplo, será utilizado o Demonstrativo de Pagamento fictício apresentado abaixo, cuja competência é de junho de

Leia mais

Abrangência: Esse programa abrange:

Abrangência: Esse programa abrange: Condições a serem observadas para adesão ao programa de recuperação fiscal que concede condições especiais para o pagamento à vista e o parcelamento de débitos de qualquer natureza (Portaria Conjunta PGFN/RFB

Leia mais

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA INTRODUÇÃO Após a mobilização de vários setores da economia juntamente com as proposições formuladas pelo Congresso Nacional, foi publicada a Lei 12.996/2014,

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 1.082, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 Disciplina o pagamento de débitos de que trata o art. 21 da Medida Provisória nº 66, de 29 de agosto de 2002. O SECRETÁRIO

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Art. 260. Os contribuintes poderão efetuar doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente nacional, distrital, estaduais

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O PAGAMENTO DE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA, EM CARÁTER EVENTUAL, POR MEIO DE RECIBO DE PAGAMENTO A CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SRRF10 DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SRRF10 DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SRRF10 DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO Solução de Consulta Interna nº: 001 SRRF10/Disit Data: 26 de março de 2012 Origem: DRF Novo Hamburgo/Seort ASSUNTO:

Leia mais

Apresentação. Lembrando que esta cartilha não substitui o regulamento do Plano BD Eletrobrás, recomendamos a leitura atenta do referido regulamento.

Apresentação. Lembrando que esta cartilha não substitui o regulamento do Plano BD Eletrobrás, recomendamos a leitura atenta do referido regulamento. Apresentação A Lei Nº 11.053, de 29.12.2004, faculta aos participantes de Planos de Previdência Complementar, estruturados na modalidade de Contribuição Definida (CD), como é o caso do novo Plano CD Eletrobrás,

Leia mais

CARTILHA PLANO CELPOS CD

CARTILHA PLANO CELPOS CD CARTILHA PLANO CELPOS CD ORIGINAL PLUS O QUE É O PLANO CELPOS CD? O Plano Misto I de Benefícios CELPOS CD é um plano de previdência complementar cujo benefício de aposentadoria programada é calculado de

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

INFORME DE RENDIMENTOS

INFORME DE RENDIMENTOS INFORME DE RENDIMENTOS Consultoria Técnica / Obrigações Acessórias Circular 06/2015 1. INTRODUÇÃO Instituído pela Instrução Normativa da Secretaria da Receita Federal sob nº 690 de 20/12/2006, as instituições

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 3.256, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui o programa de recuperação de créditos tributários da fazenda pública municipal REFIM e dá outras providências. Piauí Lei: O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA,

Leia mais

Material Explicativo

Material Explicativo Material Explicativo Material Explicativo Índice Introdução 4 Sobre o Plano Previplan 5 Adesão 5 Benefícios do Plano 6 Entenda o Plano 7 Rentabilidade 8 Veja como funciona a Tributação 9 O que acontece

Leia mais

Rendimentos Tributáveis de Pessoa Jurídica Recebidos Acumuladamente TITULAR

Rendimentos Tributáveis de Pessoa Jurídica Recebidos Acumuladamente TITULAR Rendimentos Acumuladamente TITULAR Veja também... Os rendimentos recebidos acumuladamente, pelo titular da declaração, decorrentes de aposentadoria, pensão, transferência para a reserva remunerada ou reforma,

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Imposto de Renda sem complicação

Imposto de Renda sem complicação Este roteiro foi desenvolvido para auxiliar no preenchimento da Declaração de Ajuste Anual Pessoa Física 2013, focando as informações sobre Planos de Previdência. Consulte nos links ao lado as principais

Leia mais

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Tributação Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Índice Quem recolhe o Imposto? 3 Prazo para Recolhimento 3 Como calcular o Imposto 3 Imposto de Renda

Leia mais

Cartilha Imposto de Renda 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3

Cartilha Imposto de Renda 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3 CARTILHA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3 2. FORMA DE ELABORAR A DECLARAÇÃO DE IRPF 2014...4 2.1 FORMAS DE ENTREGA...4 2.2 PRAZO DE ENTREGA...4 2.3 MULTA

Leia mais

Comprovante de Rendimentos Financeiros

Comprovante de Rendimentos Financeiros Comprovante de Rendimentos Financeiros INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Depois de anos de trabalho é hora de se aposentar!

Depois de anos de trabalho é hora de se aposentar! Depois de anos de trabalho é hora de se aposentar! Neste momento, vários fatores devem ser levados em consideração, uma vez que após a aposentadoria haverá mudanças na sua rotina e nas suas finanças. Então,

Leia mais

VIGENTE A PARTIR DE 01.01.2014 - Portaria Interministerial MPS/MF 19/2014

VIGENTE A PARTIR DE 01.01.2014 - Portaria Interministerial MPS/MF 19/2014 1 DESCONTO NO CONTRA CHEQUE Ao receber o contra cheque é muito comum ver as pessoas indignadas com a quantidade de descontos no salário. Entretanto não existe salário sem descontos, por isso há uma diferença

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 10 - Data 14 de agosto de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: Imposto sobre a Renda de Pessoa Física - IRPF Os valores recebidos

Leia mais

Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011

Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011 Plano de Benefícios Visão Telesp Maio/2011 Índice Quem Somos Estrutura do plano Importância da Previdência Privada. Quanto antes melhor! As regras do plano Canais Visão Prev 2 Visão Prev Entidade fechada

Leia mais

ESPECIAL. Chegou a hora de declarar. E o que mudou para esse ano? Fique por dentro. Prazos e multas. As novidades de 2014. Tire suas dúvidas.

ESPECIAL. Chegou a hora de declarar. E o que mudou para esse ano? Fique por dentro. Prazos e multas. As novidades de 2014. Tire suas dúvidas. Chegou a hora de declarar. E o que mudou para esse ano? de 0 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Vida e. Março de 0 de 0 Foi dada a largada para o acerto de contas

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Orientador Empresarial FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos CIRCULAR CAIXA Nº 351, DE 04 DE ABRIL DE 2005 - DOU

Leia mais