SUMÁRIO. A Stavale & CCT oferece treinamentos abertos e in company.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. A Stavale & CCT oferece treinamentos abertos e in company."

Transcrição

1 A Stavale & CCT ferece treinaments aberts e in cmpany. Clabradres mais qualificads e empresa mais lucrativa. Sluções mais rápidas e efetivas. Treinaments custmizads para sua empresa. Dispms de sala cm capacidade para 30 pessas cm prjetr e tela de prjeçã, acmdações cnfrtáveis, material didátic qualificad, certificad de cnclusã d curs, cffee break e almç inclus. Para smar qualidade a vcê u a sua empresa, treinams a sua equipe. SUMÁRIO GESTÃO DA QUALIDADE E QUALIDADE AUTOMOTIVA... 2 METROLOGIA... 8 GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL MEIO AMBIENTE GESTÃO INTEGRADA SEGURANÇA DE ALIMENTOS Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

2 GESTÃO DA QUALIDADE E QUALIDADE AUTOMOTIVA ISO 9001:2015 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO OBJETIVO: Capacitar s prfissinais a aplicarem e interpretarem s requisits da nrma NBR ISO 9001:2015. CARGA HORÁRIA: 16 hras Intrduçã Históric A Série ISO-9000 Certificaçã de Sistema de Gestã da Qualidade Abrdagem de Prcess Pensament Basead em Risc Princípis de Gestã da Qualidade Estrutura da ISO-9001:2015 Os Requisits da Nrma Cntext de uma Organizaçã Liderança Planejament d SGQ Suprte Operaçã Avaliaçã de Desempenh Melhria PÚBLICO ALVO: Envlvids n planejament, implementaçã d Sistema de Gestã da Qualidade e representantes da Alta Administraçã. INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ISO 9001:2008 OBJETIVO: Capacitar s prfissinais a aplicarem e interpretarem s requisits da nva nrma NBR ISO 9001:2008. CARGA HORÁRIA: 16 hras Intrduçã a sistemas de gestã Históric de sistemas de gestã. 8 Princípis de gestã da qualidade. Abrdagem pr prcesss Identificaçã e mnitrament Estrutura da Nrma NBR ISO 9001:2008 Terms e definições imprtantes da NBR ISO 9000:2005 Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

3 Interpretaçã para tds s requisits da NBR ISO 9001:2008 PÚBLICO ALVO: Envlvids n planejament, implementaçã d Sistema de Gestã da Qualidade e representantes da Alta Administraçã. FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE NBR ISO 9001:2008 OBJETIVO: Qualificar s prfissinais para atuarem cm Auditres Interns d Sistema da Qualidade em sua rganizaçã e também em frnecedres. CARGA HORÁRIA: 24 hras MÓDULO I: Intrduçã a sistemas de gestã Históric de sistemas de gestã. 8 Princípis de gestã da qualidade. Abrdagem pr prcesss Identificaçã e mnitrament Estrutura da Nrma NBR ISO 9001:2008 Terms e definições imprtantes da NBR ISO 9000:2005 Interpretaçã para tds s requisits da NBR ISO 9001:2008 MÓDULO II: Nrma NBR ISO Diretrizes para auditrias de sistemas de gestã Terms e definições da nrma Princípis e etapas d prcess de auditria Estud da dcumentaçã - Desk study Plans de auditria Preparaçã de listas de verificaçã Reuniões de abertura/ intermediária/ privativa e encerrament Prcess para execuçã de auditria (técnicas de entrevistas, amstragem, avaliaçã de camp, avaliaçã de dcumentaçã, cmprtament ds auditres e cnclusões) Preparaçã de relatóri, mnitrament das ações e auditrias de acmpanhament Avaliaçã e exercícis prátics e simulads cm auditria real em camp u em sala. PÚBLICO ALVO: Prfissinais interessads em realizar auditrias internas de primeira e segunda parte. Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

4 MAPEAMENTO DE PROCESSOS OBJETIVO: Prver ferramentas para implementar sistemas de gestã através d mapeament ds prcesss e determinaçã de indicadres qualitativs e quantitativs que reflitam a realidade da rganizaçã. CARGA HORÁRIA: 08 hras Terms e definições Intrduçã a gerenciament e mapeament de prcesss Diagramas de gerenciament de prcesss utilizand técnicas de desdbrament de indicadres Sistema de gestã da empresa Identificaçã de entradas e saídas ds prcesss interns. Prcesss crítics Mapeament de prcesss Estabelecend prcesss de melhrias análise d cenári atual, ações de implantaçã e acmpanhament. Prcesss de análise crítica basead em prcesss de gestã e indicadres PÚBLICO ALVO: Gestres de tdas as áreas que queiram cnhecer s métds e realizar a gestã ds prcesss. REDAÇÃO PARA TRATAMENTO DE NÃO CONFORMIDADE OBJETIVO: Capacitar s participantes a cmpreender s cnceits das nã cnfrmidades, bem cm sua adequada descriçã. CARGA HORÁRIA: 08 hras Cnceits relacinads cm term de Nã Cnfrmidade/Açã Crretiva/Açã Preventiva; Requisits nrmativs da ABNT NBR ISO 9001:2008 e ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 assciads cm Tratament de Nã Cnfrmidades; Descriçã de Nã Cnfrmidades; Cicl PDCA e sua aplicaçã; Nções das ferramentas básicas para a sluçã de prblemas; Exempls e aplicações. PÚBLICO ALVO: Envlvids n planejament e mapeament ds prcesss d Sistema de Gestã da rganizaçã. Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

5 MASP - METODOLOGIA PARA ANÁLISE E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS OBJETIVO: Apresentar ferramentas de us cmum para cleta de dads, estratificaçã de crrências, investigaçã de causas, análise e decisã sbre ações e cnslidaçã ds resultads n SGQ. CARGA HORÁRIA: 08 hras Revisã das ferramentas básicas da qualidade Aplicaçã e prpósit de cada ferramenta O que é nã cnfrmidade O que é prblema Cicl PDCA (plan-d-check-act); Histgrama Gráfic de Paret Brainstrming GUT (gravidade-urgência-tendência) Fluxgrama Diagrama de causa e efeit Cinc prquês Plans de açã 5W+1H A interaçã das ferramentas Identificaçã d prblema Investigaçã da causa fundamental d prblema Implementaçã e acmpanhament ds plans de açã Verificaçã da efetividade da açã tmada Cnslidaçã da açã n SGQ. PÚBLICO ALVO: Respnsáveis pr analisar s dads d Sistema de Gestã da Qualidade, interpretar a causa das crrências e prpr plans de ações de melhria, crretiva e preventiva. Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

6 INTERPRETAÇÃO E FORMAÇÃO DE AUDITORES ISO/TS 16949:2009 OBJETIVO: Fazer cm que, a fim d treinament, participante esteja apt a implementar um sistema de gestã ISO TS 16949:2009, preparar se e cnduzir auditrias internas. CARGA HORÁRIA: 32 hras Intrduçã à ISO TS 16949:2009 Vcabulári Requisits para auditria de certificaçã (cm explicações e dicas) Abrdagem pr prcesss Objetivs da ISO TS 16949:2009 Avaliaçã e exercícis prátics PÚBLICO ALVO: Prfissinais envlvids cm Sistema da Qualidade (vendas, cmpras, engenharia, prduçã, qualidade) e Representantes da Administraçã FMEA 4ª Ediçã ANÁLISE DE MODO E EFEITO DE FALHA OBJETIVO: Desenvlver cmpetências relativas à qualidade e seus cnceits, de acrd cm as nrmas técnicas da qualidade e plen entendiment da Metdlgia FMEA CARGA HORÁRIA: 16 hras Terms e definições Análise d Md e Efeits da Falha Ptencial Errs cmuns na elabraçã d FMEA 4ª ediçã FMEA de Prjet (definições) FMEA de Prcess (definições) Técnicas para a elabraçã d FMEA Índices de severidade, crrência e detecçã Ações crretivas cnfrme Índices de NPR e severidade Exempls e exercícis prátics PÚBLICO ALVO: Engenheirs e Técnics de Manufatura, de Prdut e da Qualidade, Supervisres de Prduçã, Analistas u Especialistas das áreas de suprte da Manufatura. Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

7 MSA 4ª Ediçã ANÁLISE DE SISTEMAS DE MEDIÇÃO OBJETIVO: Capacitar s participantes a planejar, elabrar e analisar s diverss estuds ds Sistemas de Mediçã cm Repetitividade, Reprdutibilidade, Calibraçã, Estabilidade, Desempenh, Tendência e Linearidade, Técnicas pr Atributs, seguind diretrizes d manual de MSA (AIAG - 4º Ediçã). CARGA HORÁRIA: 16 hras Diretrizes gerais para sistemas de mediçã Cnceits gerais para avaliar s sistemas de mediçã Práticas recmendadas para sistemas de mediçã simples Práticas para sistemas de mediçã cmplexs Cm Validar as planilhas de MSA utilizadas pela rganizaçã Prblemas cmuns na elabraçã de MSA e auditria da certificadra Estud de estabilidade Estud de tendência Estud de linearidade Estud de repetitividade e reprdutibilidade (R&R) Estud de repetitividade e reprdutibilidade para atributs Estuds de cas, exempls e exercícis Requisits específics Exempls e exercícis prátics PÚBLICO ALVO: Engenheirs de prdut e prcess, metrlgistas, técnics da qualidade, supervisres, auditres da ISO TS 16949, Green-Belts, Black Belts, labratristas e inspetres. APQP - PLANEJAMENTO AVANÇADO DA QUALIDADE DO PRODUTO E ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE CONTROLE (APQP 2ª EDIÇÃO), OBJETIVO: Preparar s participantes para prjetar u atualizar Sistema da Qualidade da rganizaçã, de md a satisfazer s requisits da TS CARGA HORÁRIA: 16 hras Cnceits de APQP Terms e definições Requisits e 7.3 da a ISO TS 16949:2009 Fundaments e fases d APQP Fase 1 Planejament da Qualidade Fase 2 Prjet e Desenvlviment d Prdut Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

8 Fase 3 Prjet e Desenvlviment d Prcess Fase 4 Validaçã d Prjet, Prdut e Prcess Fase 5 Retralimentaçã, Avaliaçã e Açã Crretiva Dcuments de engenharia e s dcuments d APQP Respnsabilidade da Direçã n suprte a APQP, incluind atendiment a item x Análise Critica da Direçã A relaçã d APQP e s utrs manuais da AIAG (CEP, MSA, PPAP, FMEA) Perguntas frequentes na elabraçã de um APQP Estuds de cas e exempls PÚBLICO ALVO: Diretres, Gerentes, Engenheirs d Prjet d Prdut / Prcess, Administradres da Prduçã, Técnics ligads a Qualidade e Prdutividade. METROLOGIA GESTÃO DA MEDIÇÃO - COMPROVAÇÃO METROLÓGICA NBR ISO/IEC 10012:2004 OBJETIVO: Capacitar prfissinais n sistema de gestã da mediçã envlvend s requisits para s prcesss e equipaments de mediçã. CARGA HORÁRIA: 16 hras Terms e definições Respnsabilidade da direçã Gestã de recurss Cmprvaçã metrlógica Realizaçã d prcess de mediçã Análise e melhria d sistema de gestã de mediçã Auditria e mnitrament d sistema de gestã da mediçã Cntrle de nã cnfrmidades Melhria PÚBLICO ALVO: Tds s prfissinais direta u indiretamente respnsáveis pels sistemas de gestã de mediçã da rganizaçã. Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

9 FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS CONFORME A NORMA NBR ISO 10012:2004 OBJETIVO: Capacitar prfissinais envlvids n sistema de gestã metrlógica da rganizaçã. CARGA HORÁRIA: 32 hras Intrduçã a sistemas de gestã Interpretaçã para tds s requisits da NBR ISO/IEC 10012:2004 Nrma NBR ISO 19011:2012 Gestã de Auditrias Diretrizes para auditrias de sistemas de gestã Terms e definições da nrma Princípis e etapas d prcess de auditria Estud da dcumentaçã Estuds de cass Plans de auditria Preparaçã de listas de verificaçã Reuniões de abertura/ intermediária/ privativa e encerrament Prcess para execuçã de auditria (técnicas de entrevistas, amstragem, avaliaçã de camp, avaliaçã de dcumentaçã, cmprtament ds auditres e cnclusões) Preparaçã de relatóri, mnitrament das ações e auditrias de acmpanhament Avaliaçã e exercícis prátics e simulads cm auditria real em camp u em sala. PÚBLICO ALVO: Tds s prfissinais direta u indiretamente respnsáveis pels sistemas de gestã de mediçã da rganizaçã. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE CERTIFICADOS DE CALIBRAÇÃO OBJETIVO: Capacitar prfissinais envlvids cm a Gestã de Equipaments de Mnitrament e Mediçã. CARGA HORÁRIA: 08 hras História da metrlgia O BIPM e sistema internacinal de unidades (SI) Vcabulári Internacinal de metrlgia (VIM) Requisits 7.6 da ISO 9001:2008 Análise crítica de Certificads de Calibraçã Critéris de aceitaçã para equipaments de mediçã e mnitrament (EMM) Definiçã de Peridicidade e Análise Crítica de Calibraçã Aplicaçã de exercícis envlvend tlerância de prcesss. PÚBLICO ALVO: Metrlgistas, Prfissinais de labratóris de mediçã e Prfissinais da Qualidade. Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

10 INTERPRETAÇÃO DOS REQUISITOS ISO/IEC 17025:2005 OBJETIVO: Capacitar prfissinais envlvids cm Gerenciament da Qualidade de Labratóris de Calibraçã e Ensai, assim cm facilitar a interpretaçã da nrma em referência. CARGA HORÁRIA: 16 hras Orientaçã sbre prcess de Acreditaçã Cgcre / INMETRO (RBC e RBLE) e ANVISA (REBLAS) e MAPA. Apresentaçã e estud ds requisits da nrma NBR ISO/IEC Requisits de gestã (Seçã 4) Requisits técnics (Seçã 5) Apresentaçã e estud de dcuments rientativs e nrmativs Cgcre / INMETRO vltads a acreditaçã de labratóris explanaçã detalhada ds requisits nrmativs Aplicaçã de exercícis referente a estud ds requisits da nrma NBR ISO/IEC PÚBLICO ALVO: Gerentes e técnics de labratóris (calibraçã, ensais, pesquisa, ensin, análise clínica, etc). Auditres e cnsultres. Prfissinais da indústria envlvids cm serviçs de mediçã, calibraçã u ensais e que fazem cntrle ds instruments de mediçã para garantir a cnfiabilidade, a eficiência e baix cust ds prcesss. CÁLCULOS DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO OBJETIVO: Capacitar prfissinais envlvids ns prcesss de Calibraçã, Cnfirmaçã Metrlógica, Realizaçã de Ensais e Análises, e na execuçã de Cálculs Metrlógics. CARGA HORÁRIA: 16 hras História da metrlgia O BIPM e sistema internacinal de unidades (SI) Vcabulári Internacinal de metrlgia: VIM Requisits 7.6 da ISO 9001:2008 Nções de estatística básica Cálculs de Incerteza de Mediçã Aplicaçã de exercícis e planilhas de calibraçã PÚBLICO ALVO: Gerentes, Supervisres e Crdenadres das áreas de Engenharia de Prcess, Prduçã, Prdut e Qualidade. Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

11 CALIBRAÇÃO DE SENSORES DE TEMPERATURA E INCERTEZA DE MEDIÇÃO OBJETIVO: Capacitar prfissinais envlvids ns prcesss de Calibraçã, Cnfirmaçã Metrlógica, Realizaçã de Ensais e Análises, e na execuçã de Cálculs Metrlógics. CARGA HORÁRIA: 24 hras O BIPM e sistema internacinal de unidades (SI) Vcabulári Internacinal de metrlgia: VIM Cnceits técnics na área de temperatura de cntat Prcess de calibraçã de sensres, cntrladres e transmissres de Temperatura Cálcul de incerteza de mediçã na área de Temperatura Aplicaçã de exercícis prátics e teórics e planilhas de calibraçã Nta: Requer cnheciment básic de incerteza de mediçã. PÚBLICO ALVO: Técnics, instrumentistas, analistas e metrlgistas envlvids n prcess de calibraçã ns sensres de temperatura. CALIBRAÇÃO DE INSTRUMENTOS DE PRESSÃO E INCERTEZA DE MEDIÇÃO OBJETIVO: Capacitar prfissinais envlvids ns prcesss de Calibraçã, Cnfirmaçã Metrlógica, Realizaçã de Ensais e Análises, e na execuçã de Cálculs Metrlógics. CARGA HORÁRIA: 16 hras O BIPM e sistema internacinal de unidades (SI) Vcabulári Internacinal de metrlgia: VIM Cnceits técnics na área de Pressã Prcess de calibraçã em manômetrs, vacuômetrs e transmissres de pressã Cálcul de incerteza de mediçã na área de Pressã Aplicaçã de exercícis prátics e teórics e planilhas de calibraçã Nta: Requer cnheciment básic de incerteza de mediçã. PÚBLICO ALVO: Técnics, instrumentistas, analistas e metrlgistas envlvids n prcess de calibraçã ns sensres de pressã. CALIBRAÇÃO DE INSTRUMENTOS DE ELETRICIDADE E INCERTEZA DE MEDIÇÃO OBJETIVO: Cnhecer s principais cnceits relativs a sinais elétrics: tensã, crrente, resistência. Familiarizar-se cm a regulamentaçã vigente, cnhecer s principais prcediments de calibraçã de tensã crrente e resistência. Cnhecer s principais tópics relacinads à incerteza de mediçã em eletricidade. CARGA HORÁRIA: 16 hras Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

12 O BIPM e sistema internacinal de unidades (SI) Vcabulári Internacinal de metrlgia: VIM Cnceits técnics na área de Eletricidade Prcess de calibraçã de instruments elétrics: vltímetr, amperímetr e resistência Cálcul de incerteza de mediçã na área de Eletricidade Aplicaçã de exercícis prátics e teórics e planilhas de calibraçã Nta: Requer cnheciment básic de incerteza de mediçã. PÚBLICO ALVO: Técnics de labratóris de calibraçã, prfissinais da área de eletricidade e eletrônica. CALIBRAÇÃO DE INSTRUMENTOS DE TEMPO E FREQUÊNCIA E INCERTEZA DE MEDIÇÃO OBJETIVO: Capacitar prfissinais envlvids ns prcesss de Calibraçã, Cnfirmaçã Metrlógica, Realizaçã de Ensais e Análises, e na execuçã de Cálculs Metrlógics. CARGA HORÁRIA: 16 hras O BIPM e sistema internacinal de unidades (SI) Vcabulári Internacinal de metrlgia: VIM Cnceits técnics na área de temp e frequência Prcess de calibraçã de instruments de Temp e Frequência: Crnômetr, medidr de Temp e frequencímetr Cálcul de incerteza de mediçã na área de Temp e Frequência Aplicaçã de exercícis prátics e teórics e planilhas de calibraçã Nta: Requer cnheciment básic de incerteza de mediçã. PÚBLICO ALVO: Técnics, instrumentistas, analistas e metrlgistas envlvids n prcess de calibraçã ns sensres de temp e frequência. CALIBRAÇÃO DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO DE MASSA OBJETIVO: Capacitar prfissinais envlvids ns prcesss de Calibraçã, Cnfirmaçã Metrlógica, Realizaçã de Ensais e Análises, e na execuçã de Cálculs Metrlógics. CARGA HORÁRIA: 16 hras O BIPM e sistema internacinal de unidades (SI) Vcabulári Internacinal de metrlgia: (VIM) Cnceits técnics na área de mediçã de Massa Prcess de calibraçã de instruments de Massa: balança e pes-padrã Cálcul de incerteza de Mediçã na área de Massa Aplicaçã de exercícis prátics e teórics e planilhas de calibraçã Nta: Requer cnheciment básic de incerteza de mediçã. PÚBLICO ALVO: Técnics, instrumentistas, analistas e metrlgistas envlvids n prcess de calibraçã ns sensres de mediçã de massa. Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

13 CALIBRAÇÃO DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO DIMENSIONAL OBJETIVO: Capacitar prfissinais envlvids ns prcesss de Calibraçã, Cnfirmaçã Metrlógica, Realizaçã de Ensais e Análises, e na execuçã de Cálculs Metrlógics. CARGA HORÁRIA: 16 hras O BIPM e sistema internacinal de unidades (SI) Vcabulári Internacinal de metrlgia: (VIM) Cnceits técnics na área de Mediçã Dimensinal Prcess de calibraçã de instruments de Mediçã Dimensinal: paquímetr, micrmetr e relógi cmparadr Cálcul de incerteza de Mediçã na área Dimensinal Aplicaçã de exercícis prátics e teórics e planilhas de calibraçã Nta: Requer cnheciment básic de incerteza de mediçã. PÚBLICO ALVO: Técnics, instrumentistas, analistas e metrlgistas envlvids n prcess de calibraçã ns sensres de mediçã dimensinal. CALIBRAÇÃO DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO NA ÁREA DE VOLUME E MASSA ESPECÍFICA OBJETIVO: Capacitar prfissinais envlvids ns prcesss de Calibraçã, Cnfirmaçã Metrlógica, Realizaçã de Ensais e Análises, e na execuçã de Cálculs Metrlógics. CARGA HORÁRIA: 16 hras O BIPM e sistema internacinal de unidades (SI) Vcabulári Internacinal de metrlgia: (VIM) Cnceits técnics na área de Vlume e Massa Específica Prcess de calibraçã de instruments Vlume e Massa Específica: vidrarias em geral Cálcul de incerteza de mediçã na área Vlume e Massa Específica Aplicaçã de exercícis prátics e teórics e planilhas de calibraçã Nta: Requer cnheciment básic de incerteza de mediçã. PÚBLICO ALVO: Técnics, instrumentistas, analistas e metrlgistas envlvids n prcess de calibraçã ns sensres de mediçã na área de vlume e massa específica. Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

14 FORMAÇÃO DE AUDITOR INTERNO EM LABORATÓRIO ISO/IEC 17025:2005 OBJETIVO: Frnecer as participantes s fundaments básics para estabelecer e implementar um prcess de Auditria Interna da Qualidade e Análise Crítica d Sistema de Gestã da Qualidade de Labratóris de Calibraçã e de Ensais. CARGA HORÁRIA: 24 hras Interpretand s requisits da Nrma ISO IEC 17025:2005 Intrduçã Terms e definições Princípis da auditria O que é auditria da Qualidade Tips de auditria Objetivs e respnsabilidades da auditria Mdalidades de auditria Mecanisms da auditria Planejament Preparaçã Execuçã da auditria Relatóri final Açã crretiva Acmpanhament Reuniã de encerrament Pstura e Ética Características pessais e prfissinais d auditr Melhrias d prgrama de auditria Avaliaçã e exercícis envlvend práticas de auditria. PÚBLICO ALVO: Prfissinais envlvids cm a implementaçã e desenvlviment d Sistema de Gestã da Qualidade em cnfrmidade cm a Nrma ISO/IEC 17025:2005 e prfissinais da indústria envlvids cm serviçs de mediçã, calibraçã u ensais. Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

15 BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO OBJETIVO: Capacitar prfissinais envlvids cm as Bas Práticas de Labratóris (BPL) CARGA HORÁRIA: 16 hras Intrduçã Definições e Terminlgia de Bas Práticas de Labratóri Princípis de Bas Práticas de Labratóri Organizaçã e Pessal da Instalaçã de Teste Prgramas de Garantia da Qualidade Instalações Equipaments, Materiais e Reagentes. Sistema Teste Substância Teste e Substância de Referência Prcediments Operacinais Padrã Execuçã d Estud de BPL Relat ds Resultads d Estud Armazenament e Retençã de Registrs e Materiais PÚBLICO ALVO: Crdenadres da Qualidade, Técnics da Qualidade, Analistas de Labratóri e pessas envlvidas na Implementaçã e Manutençã Bas Práticas de Labratóris (BPL). GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL INTERPRETAÇÃO DA NORMA OHSAS 18001:2007 OBJETIVO: Prprcinar a participante uma visã abrangente sbre s cnceits, fundaments e princípis d Sistema de Gestã de Saúde e Segurança; CARGA HORÁRIA: 16 hras Intrduçã e bjetivs Princípis e definições da nrma OHSAS Intrduçã à gestã de S&SO Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

16 Nções sbre a gestã da segurança e a OHSAS Interpretaçã detalhada ds requisits da OHSAS Metdlgia de perigs, riscs, dans e s agentes presentes n ambiente de trabalh: Agentes físics e químics Agentes mecânics e ergnômics Agentes psicssciais e bilógics Cntrles peracinais e mnitraments para gestã adequada ds perigs cupacinais Trabalhs de riscs: eletricidade, energias perigsas, espaç cnfinad, altura, trabalh a quente e escavações Nções sbre legislaçã de S&SO Indicadres e desempenh da gestã da segurança Requisits para uma ba implementaçã Aspects cmprtamentais na gestã de S&SO PÚBLICO ALVO: Prfissinais que desejam implantar a OHSAS 18001:2007, Empresas que pssuam ações e prgramas de S&SO já implantads e desejam adequar cnfrme a OHSAS 18001:2007. FORMAÇÃO DE AUDITORES OHSAS 18001:2007 OBJETIVO: Qualificar u reciclar s prfissinais para atuarem cm auditres interns d Sistema de Saúde e Segurança Ocupacinal OHSAS 18001: CARGA HORÁRIA: 24 hras MÓDULO I: Intrduçã e bjetivs Princípis e definições da nrma OHSAS Intrduçã à gestã de S&SO Nções sbre a gestã da segurança e a OHSAS Interpretaçã detalhada ds requisits da OHSAS Metdlgia de perigs, riscs, dans e s agentes presentes n ambiente de trabalh: Agentes físics e químics Agentes mecânics e ergnômics Agentes psicssciais e bilógics Cntrles peracinais e mnitraments para gestã adequada ds perigs cupacinais Trabalhs de riscs: eletricidade, energias perigsas, espaç cnfinad, altura, trabalh a quente e escavações Nções sbre legislaçã de S&SO Indicadres e desempenh da gestã da segurança Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

17 Requisits para uma ba implementaçã Aspects cmprtamentais na gestã de S&SO MÓDULO II: Nrma NBR ISO Diretrizes para auditrias de sistemas de gestã Terms e definições da nrma Princípis e etapas d prcess de auditria Estud da dcumentaçã - Desk study Plans de auditria Preparaçã da lista de verificaçã Reuniões de abertura/ intermediária/ privativa e encerrament Prcess para execuçã de auditria (técnicas de entrevistas, amstragem, avaliaçã de camp, avaliaçã de dcumentaçã, cmprtament ds auditres e cnclusões) Preparaçã de relatóri, mnitrament das ações e auditrias de acmpanhament Exercícis prátics e simulads cm auditria real em camp u em sala Avaliaçã e exercícis prátics e simulads cm auditria real em camp u em sala. PÚBLICO ALVO: Prfissinais interessads em realizar auditrias internas de primeira e segunda parte. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS OCUPACIONAIS E GERENCIAMENTO DE RISCOS OBJETIVO: Prevenir acidentes em qualquer área de trabalh, assim determinar as priridades na gestã e aplicaçã destes cnheciments através d Sistema de Gestã de S&SSO. CARGA HORÁRIA: 08 hras Cnceits e definições de perigs, dans, riscs, frma de cntrle, acidentes, incidentes Matriz de risc severidade e prbabilidade Fundaments d sistema de gestã de S&SO Interpretaçã detalhada d requisit da nrma OHSAS Agentes químics, agentes físics, agentes bilógics, agentes mecânics, agentes ergnômics e agentes psicssciais Metdlgia para identificaçã de perigs e classificaçã ds riscs Nções de cntrles peracinais, tips de cntrles e mnitraments para gerenciament ds riscs Nções de legislaçã de S&SO Exercíci prátic cm aplicaçã da metdlgia Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

18 PÚBLICO ALVO: Prfissinais atuantes na área, interessads na capacitaçã para análise de riscs e perigs ds diverss rams industriais e da área de serviçs. LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA, SAÚDE OCUPACIONAL E OUTROS REQUISITOS OBJETIVO: Prprcinar cmpreensã da estrutura da legislaçã de saúde e segurança cupacinal n Brasil, apresentar s principais tips de requisits de saúde e segurança cupacinal. CARGA HORÁRIA: 08 hras Cnstituiçã Federal Hierarquia das nrmas jurídicas Cnceits de segurança e saúde cupacinal Agentes cupacinais: agente físic, agente químic, agente bilógic, agente mecânic, agente ergnômic e agente psicsscial Requisit nrmativ e da nrma OHSAS Nções gerais e sua aplicaçã na empresa para as seguintes legislações: Nrmas regulamentadras NR S Requisits Previdenciáris INSS Nções d códig civil e penal Nções da cnslidaçã das leis d trabalh CLT Nções de requisits estaduais. PÚBLICO ALVO: Prfissinais das diversas áreas que participam da implementaçã de sistemas de gestã de segurança e saúde cupacinal, auditres interns. MEIO AMBIENTE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 14001:2004 OBJETIVO: Capacitar s prfissinais a aplicarem e interpretarem s requisits da nrma NBR ISO 14001:2004 CARGA HORÁRIA: 16 hras Intrduçã a sistemas de gestã Históric e rigem das nrmas Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

19 Cnceits fundamentais Cnceits da NBR ISO Terms e definições Abrdagem pr prcesss Nções gerais sbre Mei ambiente (gestã de resídus, mei aquátic, mei atmsféric e cnsum energétic) e aspects/ impacts Nções gerais sbre legislaçã Interpretaçã detalhada ds requisits nrmativs e NBR ISO PÚBLICO ALVO: Gestres de Mei Ambiente de empresas certificadas u em prcesss de certificaçã, funcináris envlvids na elabraçã e revisã de dcuments d sistema da gestã de Mei Ambiente. FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS AMBIENTAIS OBJETIVO: Qualificar s prfissinais para atuarem cm Auditres Interns d Sistema da Qualidade em suas rganizações e também em frnecedres. CARGA HORÁRIA: 24 hras MÓDULO I: Intrduçã a sistemas de gestã Históric e rigem das nrmas Cnceits fundamentais Cnceits da NBR ISO Terms e definições Abrdagem pr prcesss Nções gerais sbre Mei ambiente (gestã de resídus, mei aquátic, mei atmsféric e cnsum energétic) e aspects/ impacts Nções gerais sbre legislaçã Interpretaçã detalhada ds requisits nrmativs e NBR ISO MÓDULO II: Nrma NBR ISO Diretrizes para auditrias de sistemas de gestã Terms e definições da nrma Princípis e etapas d prcess de auditria Estud da dcumentaçã - Desk study Plans de auditria Preparaçã de listas de verificaçã Reuniões de abertura/ intermediária/ privativa e encerrament Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

20 Prcess para execuçã de auditria (técnicas de entrevistas, amstragem, avaliaçã de camp, avaliaçã de dcumentaçã, cmprtament ds auditres e cnclusões) Preparaçã de relatóri, mnitrament das ações e auditrias de acmpanhament Exercícis prátics e simulads cm auditria real em camp u em sala Avaliaçã e exercícis prátics e simulads cm auditria real em camp u em sala. PÚBLICO ALVO: Prfissinais interessads em realizar auditrias internas de primeira e segunda parte. IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS OBJETIVO: Capacitar s prfissinais a aplicarem e interpretarem s requisits da nrma NBR ISO 14001:2004 CARGA HORÁRIA: 08 hras Interpretaçã e definições Aspects ambientais X Impacts ambientais Metdlgia de avaliaçã (severidade, frequência, prbabilidade, escala) Interpretaçã detalhada d requisit da nrma NBR ISO Análise quantitativa e qualitativa ds aspects e impacts Análise de significância ds impacts ambientais Nções de legislações aplicáveis as aspects ambientais Definiçã e aplicaçã de cntrles e mnitraments ambientais PÚBLICO ALVO: Prfissinais envlvids n prcess de implantaçã u manutençã de Sistemas de Gestã Ambiental. INTERPRETAÇÃO DOS REQUISITOS PARA CADEIA DE CUSTÓDIA OBJETIVO: Prprcinar as participantes s cnheciments necessáris para entender as vantagens de implementar s princípis de Cadeia de Custódia de Prduts Flrestais cm base nas nrmas d FSC. CARGA HORÁRIA: 08 hras Terms e definições para interpretaçã ds requisits d FSC (Frest Stewardship Cuncil) Prcess de certificaçã na cadeia de custódia Nrma FSC STD para cadeia de custódia Rastreabilidade Requisits FSC labrais, de saúde e higiene n trabalh: FSC-PRO e cnvenções OIT Us de rótuls e alegações FSC Exercícis e discussões em grup Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

21 PÚBLICO ALVO: Prfissinais interessads em cnhecer s princípis de Cadeia de Custódia de Prduts Flrestais cm base n FSC e interessads em implementar a Cadeia de Custódia em sua rganizaçã. GESTÃO INTEGRADA FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS INTEGRADOS OBJETIVO: Qualificar s prfissinais para atuarem cm Auditres Interns de Gestã Integrada em sua rganizaçã e também em frnecedres. CARGA HORÁRIA: 40 hras Intrduçã a SGI, Históric e rigem das nrmas Cnceits fundamentais para as nrmas em questã Qualidade, Segurança ds Aliments, Mei Ambiente e Segurança/ Saúde Ocupacinal Terms e definições e Abrdagem pr prcesss Nções gerais sbre Mei ambiente (gestã de resídus, mei aquátic, mei atmsféric e cnsum energétic) e aspects/ impacts Nções gerais sbre a gestã da segurança e saúde cupacinal (agentes cupacinais, perigs e riscs) Nções sbre gestã da qualidade e segurança ds aliments (bas práticas, perigs químics, físics, bilógics e alergênics) Nções gerais sbre legislaçã integrand tds s sistemas Interpretaçã detalhada ds requisits nrmativs da NBR ISO 9001, FSSC 22000, NBR ISO e OHSAS MÓDULO II: Nrma NBR ISO Diretrizes para auditrias de sistemas de gestã Terms e definições da nrma Princípis e etapas d prcess de auditria Plans de auditria Preparaçã de listas de verificaçã Reuniões de abertura/ intermediária/ privativa e encerrament Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

22 Prcess para execuçã de auditria (técnicas de entrevistas, amstragem, avaliaçã de camp, avaliaçã de dcumentaçã, cmprtament ds auditres e cnclusões) Preparaçã de relatóri, mnitrament das ações e auditrias de acmpanhament Avaliaçã, Exercícis prátics e simulads cm auditria real em camp u em sala. PÚBLICO ALVO: Prfissinais interessads em realizar auditrias internas de primeira e segunda parte. Nta: Treinaments integrads pdem ser custmizads cnfrme necessidades d cliente. SEGURANÇA DE ALIMENTOS BPF/GMP OBJETIVO: Capacitar s participantes as requisits das BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. CARGA HORÁRIA: 16 hras Sensibilizaçã Clipppings A imprtância de BPF Fundaments legais e nrmativs Cntaminantes: físics, químics e bilógics Geral Nções de higiene e micrbilgia Perigs químics e físics 5 S s cm pré requisit para GMP 3 mandaments da higiene: Organizaçã, limpeza e disciplina 2 ajudantes: Os senss de utilizaçã e de manutençã Cnceits Higiene pessal Higiene ambiental Higiene n prcess Limpeza de instalações, de equipaments e de utensílis PPHO Prcediments Padrnizads de Higiene Operacinal Cnceit Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

23 8 PPHOs POPs Prcediments Operacinais Padrnizads Cnceit / RDC 275 POPs Gerenciament da implantaçã Equipe multidiciplinar Etapas da implementaçã Cicl PDCA: Estud, implementaçã, auditria e melhrias PÚBLICO ALVO: Prfissinais que necessitem implementar u aprimrar as metdlgias d 5S, Bas Práticas de Fabricaçã, HACCP. INTERPRETAÇÃO DA NORMA FSSC (ISO ISO/TS ) OBJETIVO: Capacitar s prfissinais d setr de aliments para interpretar e implementar um Sistema de Gestã de Aliments basead n nv esquema de certificaçã FSSC 22000, recnhecid pel GFSI (Glbal Fd Safety Initiative) CARGA HORÁRIA: 16 hras Carga hrária: 16 hras Visã geral, requisits ISO Sistema de Gestã de Segurança d Aliment Respnsabilidade da direçã Recurss Humans Planejament e realizaçã de prduts segurs Validaçã, verificaçã e melhria d sistema de gestã da segurança de aliments Requisits ISO/TS :4. Cnstruçã e layut de edifícis Dispsiçã das instalações e espaç de trabalh Utilidades ar, água e energia Eliminaçã de resídus Adequaçã de equipaments, limpeza e manutençã Gestã de materiais cmprads Medidas para prevençã de cntaminaçã cruzada Limpeza e desinfecçã Cntrle de pragas Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

24 Instalações de higiene pessal e de funcináris Retrabalh Prcediments de reclhiment de prduts Armazenagem Infrmações sbre prdut/sensibilizaçã ds cnsumidres Defesa d aliment, bivigilância e biterrrism Dcumentaçã PÚBLICO ALVO: Prfissinais de fabricantes de prduts alimentícis para cnsum human, send prduts de rigem animal, prduts de rigem vegetal, utrs prduts alimentícis, ingredientes alimentícis cm aditivs, vitaminas e bi-culturas (prduts bi-químics, excluind auxiliares técnics e tecnlógics). FORMAÇÃO DE AUDITORES PARA GESTÃO DE SEGURANÇA DE ALIMENTOS BPF/GMP OBJETIVO: Cmpreender s requisits da nrma FSSC de gerenciament da segurança de aliments, bem cm s seus requisits adicinais e requisits referentes à auditria interna. CARGA HORÁRIA: 24 hras Intrduçã à ISO 22000:2005 Sistemas de Gestã da Segurança de Aliments ; Visã geral ds principais requisits estatutáris, regulamentares e diretrizes recnhecidas (nacinais e internacinais), princípis e códigs de práticas da Cmissã d Cdex Alimentarius; Requisits: ISO 22000:2005 Sistemas de Gestã da Segurança de Aliments : Requisits Nrmativs: 4 Requisits gerais Requisits Nrmativs: 5 Respnsabilidade da direçã Requisits Nrmativs: 6 Gestã de recurss Requisits Nrmativs: 7 Planejament e realizaçã de prduts segurs Requisits Nrmativs: 8 Validaçã, verificaçã e melhria d Sistema de Gestã da Segurança de Aliments Entender a interaçã d sistema de gestã da segurança de aliments ISO 22000:2005 cm sistema de gestã da qualidade ISO 9001 Entendiment ds princípis de auditrias em Sistemas de Gestã da Segurança de Aliments Preparaçã e cnduçã das auditrias de Sistemas de Gestã da Segurança de Aliments Análise e apresentaçã das descbertas. PÚBLICO ALVO: Prfissinais que necessitem de infrmações relativas a esquema de certificaçã FSSC 22000, na implantaçã u adequaçã d sistema, bem cm sua avaliaçã através de auditria interna. Stavale & CCT - Sluções em Auditria, Cnsultria e Treinament Rua Rei Albert da Bélgica, 187 Sã Paul SP de 24

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médi PLANO DE ENSINO 2009 Médi Prfissinalizante ( ) Prfissinalizante ( ) Graduaçã ( x ) Pós-graduaçã ( ) I. Dads Identificadres Curs Superir de Tecnlgia em Gestã Ambiental

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

GRADE CURSO CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE PINTURA DE CAVALETE 2016

GRADE CURSO CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE PINTURA DE CAVALETE 2016 GRADE CURSO CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE PINTURA DE CAVALETE 2016 Módul l CIENCIAS EMPRESARIAIS ORGANIZAÇÃO APRESENTAÇÃO PESSOAL - DOCUMENTAÇÃO 05 de Març Sábad Das 9 às 17h Apresentaçã d curs Sbre lcal de

Leia mais

A Solução mais simples para sua organização

A Solução mais simples para sua organização A Solução mais simples para sua organização Consultoria Sistemas de Gestão da Qualidade - ISO 9001 / ISO TS 16949 Sistema de Gestão Ambiental ISO 14001 OHSAS 18001 Acreditação ONA PALC Programa de Acreditação

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores www. escla-apel.cm Frmaçã Pedagógica Inicial de Frmadres DESIGNAÇÃO DO CURSO Frmaçã Pedagógica Inicial de Frmadres OBJECTIVOS GERAIS DO CURSO Cnsciencializar-se das cmpetências e d perfil de um frmadr;

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

TREINAMENTO. Instrumentos Financeiros, Derivativos e Contabilidade de Hedge para Bancos

TREINAMENTO. Instrumentos Financeiros, Derivativos e Contabilidade de Hedge para Bancos C ésar Rams & Cia Auditria e Cnsultria César Rams & Cia Ltda Edifíci Mnument Avenida Brigadeir Faria Lima nº 1478 CEP 01451-001, Sã Paul, Brasi Telefne: +5511 35897580 TREINAMENTO Instruments Financeirs,

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e vocabulário

Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e vocabulário ASSCIAÇÃ BRASILIRA NRMAS TÉCNICAS NFIRMAÇÃ D NRMA BRASILIRA ABNT NBR IS 9000:2005 Sistemas de gestã da qualidade Fundaments e vcabulári A ABNT, cnsiderand que a Nrma Internacinal (IS 9000:2005) fi cnfirmada

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs 1. OBJETIVOS: fixar nrma para realizaçã ds prcediments de cleta interna de carcaças de animais de experimentaçã n Sistema FMUSP-HC, bservand-se as devidas cndições de higiene e segurança. 2. ABRANGÊNCIA:

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 10/11/2014 a 10/12/2014 Carg: Analista de Desenvlviment Taxa de Inscriçã: R$ 75,00 Salári/Remuneraçã: até R$ 5.218,56 Nº Vagas: 15 + Cadastr de

Leia mais

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games Requeriments de Pódi: Requeriments Mandatóris: O frnecedr deverá adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso CURSO DE INICIAÇÃO Duraçã: 16 hras - 2 Dias Frmadr: Belinda Lureir u Sandra Gril u Daniel Seelw Prgrama d Curs - Filsfia e Cultura RE/MAX - Métds e Técnicas de Angariaçã - Métds e Técnicas de Psicinament

Leia mais

AUTOR NICOLAU BELLO 1. N I c o b e l o @ h o t m a I l. C o m

AUTOR NICOLAU BELLO 1. N I c o b e l o @ h o t m a I l. C o m AUTOR NICOLAU BELLO 1 N I c b e l @ h t m a I l. C m PROPÓSITO DAS INVESTIGAÇÕES Ter relatóris ds acidentes Respstas imediatas inicial Reunir às evidências Análises de suas causas. Ações crretivas. Relatóris

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

COMO ESCOLHER O TREINAMENTO CERTO PARA DESENVOLVER PESSOAS E EXPANDIR NEGÓCIOS? CONHECIMENTO TRANSFORMAÇÃO PROFICIÊNCIA EXCELÊNCIA DO NEGÓCIO

COMO ESCOLHER O TREINAMENTO CERTO PARA DESENVOLVER PESSOAS E EXPANDIR NEGÓCIOS? CONHECIMENTO TRANSFORMAÇÃO PROFICIÊNCIA EXCELÊNCIA DO NEGÓCIO CONHECIMENTO TRANSFORMAÇÃO PROFICIÊNCIA RETENÇÃO DE TALENTOS EXCELÊNCIA DO NEGÓCIO COMPORTAMENTO ALTA PERFORMANCE EXPERTISE HABILIDADES COMO ESCOLHER O TREINAMENTO CERTO PARA DESENVOLVER PESSOAS E EXPANDIR

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

TRANSFORMANDO PESSOAS E NEGÓCIOS

TRANSFORMANDO PESSOAS E NEGÓCIOS TRANSFORMANDO PESSOAS E NEGÓCIOS PROGRAMAÇÃO DE TREINAMENTOS 1 SEMESTRE 2013 TRANSFORMANDO PESSOAS E NEGÓCIOS TREINAMENTO: ELEMENTO- CHAVE PARA O CRESCIMENTO DA ORGANIZAÇÃO SOLUÇÕES PARA TODOS OS NÍVEIS

Leia mais

PORTIFÓLIO DE TREINAMENTOS

PORTIFÓLIO DE TREINAMENTOS PORTIFÓLIO DE TREINAMENTOS CURSOS PROFISSIONALIZANTES: CÓDIGO CURSO DESCRIÇÃO PRÉ-REQUISITO CH 30 KN-001 Metrologia Básica Formação em metrologia dimensional ou e instrumentação básica KN-002 Desenho Técnico

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Anexo 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS SERVIÇOS NÃO CLÍNICOS

Anexo 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS SERVIÇOS NÃO CLÍNICOS ANEXO DO CONTRATO Anex 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS SERVIÇOS NÃO CLÍNICOS Outubr - 2012 Sumári 1. OBJETIVOS... 3 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 6 3. OBRIGAÇÕES GERAIS DA CONCESSIONÁRIA COMUNS A TODOS OS SERVIÇOS8

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Infrmações Institucinais 1.1.1 Caracterizaçã, Missã e Objetivs O BNDES é uma empresa pública federal dtada de persnalidade

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Implantação do Escritório de Projetos na área de RH: Um olhar estratégico

Implantação do Escritório de Projetos na área de RH: Um olhar estratégico Implantaçã d Escritóri de Prjets na área de RH: Um lhar estratégic Regina Buzetti Meneghelli UO-ES/RH Alexandre de Castr Faria Fidelis UO-ES/RH O gerenciament de prjets é utilizad pr rganizações ds mais

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE GESTÃO QUALIDADE E AMBIENTAL ISO 9001: 2008 CONCEITOS FUNDAMENTAIS E INTERPRETAÇÃO DOS REQUISITOS Proporcionar aos treinandos

Leia mais

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games Requeriments de Sustentabilidade para Cmbustíveis: Tips de cmbustíveis: Para ônibus deverá ser utilizad diesel cm 20% de bidiesel (B20), de rigem vegetal; Para geradres deverá ser utilizad diesel cm 20%

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 10/10/2014 a 07/11/2014 Carg: Assessr: Administraçã Taxa de Inscriçã: R$ 187,45 Salári/Remuneraçã: R$ 9.897,27 Nº Vagas: 01 Data da Prva: nã definida

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Miguel Borges Petrobras/Cenpes

Miguel Borges Petrobras/Cenpes Miguel Brges Petrbras/Cenpes Agenda Intrduçã ( que é LEAD) O prquê d LEAD Objetivs Plan de Atividades Lcalizaçã Estrutura Física (Fase I) Atividades Cncluídas e em Andament Imagens das Fases I e II Intrduçã

Leia mais

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário

NORMA GERAL AMBIENTAL. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. Sumário Títul: GESTÃO DOS COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificadr: NGL-5.3.1-16.12 Prpnente: Tip de Atividade: Mei Ambiente Revisã: Flha: 1 / 37 Sumári 1. MOTIVAÇÃO...2 2. OBJETIVO...2 2.1. Objetiv Geral...2 2.2.

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

Sistema de Gestão de BPM

Sistema de Gestão de BPM 1/13 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seçã 1. Pág. 20 Cmpnente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Códig: ENF-219 Pré-requisit: Nenhum

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 01/09/2014 a 07/10/2014 Carg: Analista Financeir Cntábil Taxa de Inscriçã: R$ 75,00 Salári/Remuneraçã: R$ 7.491,32 Nº Vagas: 01 Data da Prva: 30/11/2014

Leia mais

Antropologia do Consumo no Marketing

Antropologia do Consumo no Marketing Antrplgia d Cnsum n Marketing Objetivs Demnstrar cm as influências culturais estã relacinadas cm s hábits de cnsum, a relaçã cm as Marcas e cmprtament de cmpra, evidenciand assim, prcess fundamental para

Leia mais

PROGRAMA ANUAL TREINAMENTOS EMPRESARIAIS 2008

PROGRAMA ANUAL TREINAMENTOS EMPRESARIAIS 2008 PROGRAMA ANUAL TREINAMENTOS EMPRESARIAIS 2008 Assessoria Treinamento e Gestão Rua Cel Nogueira Padilha, 1011 - Sala 6 - Sorocaba - São Paulo Fone / Fax 15 32345920 www.profort.com.br Página 1 de 9 TE-001

Leia mais

Serviços. Consultoria Treinamento Logís5ca Reversa

Serviços. Consultoria Treinamento Logís5ca Reversa Serviçs Cnsultria Treinament Lgís5ca Reversa Cnsul'ng Prjets de Supply Chain Implementaçã de Sistemas Lgís5cs Diagnós5c Operacinal Oprtunidades de Reduçã de Cust Reestruturaçã de Operações Lgís5ca Internacinal

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM EVENTOS

GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM EVENTOS GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Fundada em 1970 cm intuit de ferecer primeir curs superir de Turism d Brasil,

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Março de 2012. Relatório Consolidado

Março de 2012. Relatório Consolidado Març de 2012 Relatóri Cnslidad Apresentaçã O presente relatóri tem cm bjetiv reunir infrmações referentes à aplicaçã-pilt da versã intermediária ds Indicadres Eths 3ª Geraçã. Essas infrmações serã insum

Leia mais

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2011 Autrizações: ACT nº 697 07 1 01 11 DGS nº 065/2011 easymed Av. Clumban Brdal Pinheir, nº61c, 1º - Esc. 13 Tel: +351 21 301 01 00 1070-061 LISBOA

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 18/10/2014 a 30/11/2014 Carg: Agente de Api Técnic Taxa de Inscriçã: R$ 55,00 Salári/Remuneraçã: R$ 958,76 Nº Vagas: 12 Data da Prva: 01/02/2015

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Competências Comportamentais para profissionais de TI/TIC

Competências Comportamentais para profissionais de TI/TIC Cmpetências Cmprtamentais para prfissinais de TI/TIC Eduard Rcha Diretr da DSG Cnsultria Cmpetências Cmprtamentais para prfissinais de TI/TIC 8 hras carga hrária A quem se Destina Especialistas da área

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS

GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS Curso GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS Data: 23 de abril de 2014 Hora: 13 às 17 horas Ministrante: Eng. Químico ROBÉRIO FERNANDES ALVES DE OLIVEIRA Diretor Vice-Presidente da ABQ Meus contatos: Email:

Leia mais

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 As Redes Metrológicas Estaduais As Redes Metrológicas são específicas e tecnológicas pela atuação. Foram criadas espontaneamente pela

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS PROJETO DE REFORÇO DAS CAPACIDADES E COMPETÊNCIAS RELATIVAS A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS ILHAS Crdenadr: Parceirs: SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS Intercâmbi

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais