A CONTROVÉRSIA NEOGRAMÁTICA RECONSIDERADA 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONTROVÉRSIA NEOGRAMÁTICA RECONSIDERADA 1"

Transcrição

1 A CONTROVÉRSIA NEOGRAMÁTICA RECONSIDERADA 1 1. Os modelos neogramático e difusionista Marco Antônio de Oliveira Um dos maiores avanços da lingüística foi, sem dúvida, a hipótese neogramática. A posição dos neogramáticos com relação à mudança sonora pode ser separada em três partes: 1. as mudanças sonoras não têm exceções; 2. as mudanças sonoras são condicionadas apenas por fatores fonéticos; 3. as mudanças sonoras são foneticamente graduais e lexicalmente repentinas. A primeira dessas partes é claramente apresentada por Osthoff & Brugmann (1878). Na prática, os contra-exemplos que surgiam eram tratados pelos neogramáticos como casos devidos à analogia. Ou seja, estruturas gramaticais que porventura tivessem sido destruídas por alguma mudança sonora (regular) poderiam ser, posteriormente, restauradas pela analogia a outras formas. A segunda parte da hipótese neogramática, por sua vez, foi contestada pelo modelo gerativo clássico, no qual a fonologia pode ser afetada pela sintaxe e pelo léxico. A terceira parte da hipótese, por outro lado, não aparece enunciada desta forma nos trabalhos dos neogramáticos. Ela é, na verdade, uma inferência que se faz a partir das partes 1 e 2. Em outras palavras, podemos dizer que o modelo neogramático irá prever que todas as palavras que contenham um determinado som serão modificadas do mesmo modo e ao mesmo tempo. Uma concepção diferente da mudança sonora, o modelo da difusão lexical, surgiu, em sua forma moderna, em meados da década de 70. Este modelo, derivado principalmente do trabalho de W.S.-Y. Wang, M. Chen, H.-I. Hsieh e C.-C. Cheng, sobre o chinês, e posteriormente ampliado pelo trabalho de Krishnamurti, Sherman, Janson, Labov, Phillips, e outros, contesta as próprias bases do modelo neogramático. O caso do chinês é o caso mais contundente e mostra que ( a ) a primeira parte da hipótese neogramática não pode se sustentar uma vez que há exceções a mudanças sonoras que não podem ser explicadas por analogia; ( b ) a segunda parte da hipótese neogramática também não se sustenta uma vez que o Chao-Zhou apresenta uma cisão lexical substancial, que não pode ser explicada em termos de condicionamento fonético; e ( c ) a terceira parte da hipótese neogramática também não pode ser mantida uma vez que a própria existência da cisão lexical mostra não ser possível que todas as palavras tenham sido afetadas ao mesmo tempo. Além disso, e independentemente das evidências do chinês, não pode ser verdade que todas as mudanças sonoras sejam foneticamente graduais. Cancelamentos, inserções e metáteses não podem ser graduais e devem ser concebidos como fenômenos discretos. Em resumo, o modelo da difusão lexical prevê que as mudanças sonoras sejam foneticamente abruptas e lexicalmente graduais. Conforme escrevem Wang & Cheng (1977:150), We hold that words change their pronunciation by discrete, preceptible increments (that is, phonetically abrupt) but severally at a time (that is, lexically gradual)... 1 Este artigo foi originalmente escrito em inglês e publicado em 1991, no International Journal of the Sociology of Language, n. 89, pp

2 Isto posto, fica claro que estamos diante de dois modelos opostos. Contudo devemos notar, conforme Labov (1981:270) aponta, que esta oposição não tem nada a ver com o resultado final de uma mudança. A bem da verdade, o modelo da difusão lexical não descarta a regularidade; o que ele faz é permitir a existência de irregularidades. Além disso, o modelo difusionista não recusa a possibilidade de condicionamento fonético; o que ele faz é incorporar a possibilidade de mudanças sonoras que não sejam foneticamente condicionadas. Assim, conforme escrevem Wang & Cheng (1977:151), The difference lies rather in the description (and ultimately, the explanation) of the change mechanism, i.e. how the change is actually implemented. Além disso é preciso destacar que a palavra, e não o som, é que é a unidade básica de mudança no modelo difusionista. Há, contudo, uma questão crucial a ser colocada para o modelo da difusão lexical: que palavras são atingidas primeiro numa mudança? 2. Elaborações adicionais sobre o modelo da difusão lexical Nos últimos dez anos muitos trabalhos substanciais foram publicados em favor do modelo da difusão lexical. Embora sejam, todos eles, trabalhos importantes, vou me concentrar em três deles: Krishnamurti (1978), Labov (1981) e Phillips (1984). Estes trabalhos foram selecionados por envolverem alguns aspectos interessantes do modelo difusionista. Krishnamurti (1978) apresenta evidências bastante sólidas para a difusão lexical no seu tratamento do deslocamento de consoantes apicais em sete línguas dravídicas. Deslocamento de apicais é o nome dado a um processo pelo qual consoantes alveolares e consoantes retroflexas, que ocorrem na posição C nas raízes *( C ) V C V do proto-dravídico, mudam de posição, produzindo estruturas do tipo ( C ) C V num grupo específico de línguas (Telugu, Kui, Gondi, Konda, Kuvi, Pengo e Manda). De acordo com Krishnamurti, esta mudança afeta cerca de 12 itens no estágio comum a essas línguas e, a partir daí, a regra se propaga de maneira diferenciada no léxico dessas línguas, afetando os itens elegíveis em proporções diferentes em cada uma delas: 72% em Kui, 63% em Kuvi, Pengo e Manda, e por volta de 20% em Gondi e Konda. Ou seja, a mudança se espalha através do léxico e ainda se encontra em progresso em algumas dessas línguas (como, por exemplo, em Kui e Kuvi). Em seu artigo Krishnamurti coloca uma questão interessante: What kind of lexical items become the early victims of a sound change? Other structural conditions for the implementation of a sound change being equal, is there anything in the semantic domain of certain lexical items, or in their frequency, that makes them more vulnerable to change than others?... (1978:16), e chega próximo a uma resposta definitiva para essa questão ao dizer que The Dravidian data presented here seem to show that the lexical items registering the earliest traces of apical displacement refer to concepts fundamental to the communication and culture of the tribal groups, viz. two, moon/month, sacrifice, open, enter, etc. (1978:16) Como se pode ver, dois fatores são oferecidos como possíveis determinantes do grau de exposição das palavras às mudanças sonoras, freqüência e domínio semântico. Mas, uma vez que os objetivos do artigo de Krishnamurti são outros, estas sugestões acabam não sendo exploradas. Labov (1981) tenta resolver o impasse entre os dois modelos e, em vez de argumentar em favor de um deles, às custas do outro, toma uma posição bastante

3 cautelosa, avaliando as descobertas de ambos e examinando as condições nas quais cada um dos pontos de vista opostos é válido" 2 (1981:268). Utilizando-se de dados sociolingüísticos do inglês, Labov nos mostra que há muitos casos que validam a proposta dos neogramáticos. O que esses dados mostram é que todas as palavras de uma classe histórica são afetadas por uma dada regra (ou seja, não se torna necessário demarcar alguns membros dessa classe como exceções lexicais à regra). Eles mostram também que as mudanças em questão parecem ser graduais e foneticamente condicionadas (ou seja, não há evidências de descontinuidade no processo e nem evidências de condicionamento gramatical). Exemplos desse tipo são o alçamento de (ohr) e (ou), a anteriorização de (uw) e (ow), dentre outros. Em resumo, em todos esses casos não se pode provar que o mecanismo básico selecione palavras individuais. Todos eles são, portanto, de natureza neogramática e não se encontram casos de cisões entre homônimos (compare-se, por exemplo, o caso de no e know, entre outros, que Labov analisa em profundidade; 279sg). Por outro lado Labov tem que lidar com o caso da cisão do a breve (short a), um velho problema na lingüística americana. Conforme escreve Labov, The case of short a in the Middle Atlantic states is quite different. There the raising and tensing affects only a subset of / æ /, following a complex set of conditions that vary systematically as we move from Philadelphia to Baltimore. (1981:284) A regra que descreve a alternância entre um ( æ ) frouxo e um ( æ ) tenso seria: se tivermos uma vogal após o segmento que se segue ao ( æ ), este (æ ) será frouxo; nas demais situações (ou seja, se nada se segue à consoante que vem após o [æ ], ou se houver uma fronteira de morfema após esta consoante) o (æ ) será tenso. Labov considera, então, alguns contra-exemplos a esta regra para testar o modelo neogramático. Por exemplo, no caso de man (tenso), manner (frouxo) e manning (tenso), manning seria um contra-exemplo. Mas este contra-exemplo poderia ser resolvido dentro do modelo neogramático como um caso de analogia: se man é tenso, sua forma participial também o será. A mesma solução pode ser apresentada no caso de tin can (tenso) vs. I can (frouxo), onde o segundo can seria considerado frouxo por analogia a outros verbos auxiliares, tais como am, ou aos artigos, como an, que apresentam um [ ] em posição átona. Uma vez que o shwa é uma vogal frouxa, também o será a vogal em I can. O problema aqui é que não se pode dar esse tipo de explicação para a presença do (æ ) frouxo em ran, swan e began (ao contrário do que ocorre em Dan, man, slam, e outros, todos com (æ ) tenso). Labov salienta, também, que em Philadelphia, onde um (æ ) seguido de obstruinte vozeada é frouxo, encontramos um (æ ) tenso em mad, bad e glad (mas frouxo em sad!). Esses casos também não podem ser explicados numa perspectiva neogramática; ou contrário, sugerem difusão lexical. Labov conclui, então, que nem todas as mudanças sonoras encontradas em Philadelphia são neogramáticas 3 (1981:286). Após comparar o caso do a breve com as mudanças neogramáticas que estão em curso em Philadelphia, Labov nos fornece uma lista dos traços que caracterizam os dois tipos de mudança, conforme podemos ver na Tabela 1 (equivalente à Tabela 11 do texto de Labov). 2 Minha tradução. 3 Minha tradução.

4 Tabela 1: Traços que caracterizam os modelos neogramático e difusionista NG DL discreto não sim condicionamento fonético fino grosseiro exceções lexicais não sim condicionamento gramatical não sim afetamento social sim não previsível sim não aprendível sim não categorizado não sim entradas de dicionário 1 2 difusão lexical no passado não sim difusão lexical no presente não sim Labov vai mais adiante ainda em suas conclusões e nos oferece uma classificação para algumas alterações consonânticas e vocálicas reportadas na literatura sociolingüística, conforme sua tendência em apresentar, ou não, condicionamento lexical. Esta classificação pode ser vista na Tabela 2 (equivalente à Tabela 12 de Labov). Tabela 2: Classificação das alterações vocálicas e consonantais Sem relato de condicionamento lexical Com relato de condicionamento lexical Alterações Vocálicas Dentro de subsistemas 4 1 Ditongação e monotongação 3 1 Alongamento e abreviamento 0 7 Alterações Consonantais Mudança de modo 4 0 Mudança de ponto 5 2

5 Como pode ser visto nas Tabelas 1 e 2, Labov tem como objetivo uma distribuição paramétrica dos dois tipos de mudança. E, ao mesmo tempo, ficamos com um paradoxo em mãos, que Labov formula da seguinte maneira:...se Wang e seus seguidores têm razão sobre a difusão lexical, e se os neogramáticos tinham mais razão do que eles imaginavam sobre as mudanças sonoras, como é que os dois lados podem estar com a razão? 4 (1981:303). A resposta de Labov é: Localizamos a regularidade neogramática nas regras do nível baixo de output (low-level output rules), e a difusão lexical na redistribuição de uma classe abstrata de palavras em outras classes abstratas 5 (1981:304). Contudo, salvo engano, isso não responde à questão de quais palavras são atingidas em primeiro lugar. A Tabela 2 nos dá uma pista sobre os processos que irão apresentar algum dos conjuntos das propriedades listadas na Tabela 1. Mas isso não nos dá nenhuma pista sobre quais seriam as vítimas potenciais ou as vítimas primeiras da difusão lexical. Uma tentativa de se responder a esta questão pode ser encontrada em Phillips (1984). O artigo de Phillips, escrito no espírito da difusão lexical, é uma tentativa de se calibrar um fator, a freqüência das palavras, no disparo 6 e implementação da mudança sonora. Segundo Phillips, se uma mudança é motivada por fatores fisiológicos, agindo nas formas fonéticas de superfície, os itens lexicais mais freqüentes serão atingidos primeiro; por outro lado, se ela é motivada por fatores não-fisiológicos, que atuam nas formas subjacentes, as palavras menos freqüentes serão atingidas em primeiro lugar. Em vez de discutir aqui os argumentos dados por Phillips para substanciar sua análise, gostaria de poder me utilizar de algumas de suas observações com relação à história de certas mudanças vocálicas do inglês. Por exemplo, Phillips nos diz que...o alçamento, no Inglês Antigo, de / a / para / o /, diante de nasais, exibe, claramente, difusão dos itens mais freqüentes para os menos freqüentes dentro das classes de palavras(...), não obstante ser o alçamento uma regra do nível baixo de output, levando a uma mudança dentro do subsistema das vogais breves (1984:321) e que...ogura mostrou a probabilidade de que o alçamento de e do inglês médio tenha se dado por difusão lexical. Mostraremos, a seguir, que o desarredondamento de /o (:)/ para /e(:)/ exibe difusão lexical de acordo com a freqüência da palavra, não obstante estar restrito aos subsistemas de vogais longas e breves 7 (1984:321) Essas duas afirmações de Phillips levantam alguns problemas com relação às Tabelas 1 e 2. Por exemplo, parece haver casos que, no presente, não demonstram difusão lexical mas que, no passado, sim. E talvez seja essa a razão para a falta de simetria perfeita na Tabela 2, i.e., a ausência de zero em todas as fileiras. Em resumo, parece que alguns dos casos que Labov anteciparia como sendo de natureza neogramática tenham sido, em seus estágios iniciais, casos de difusão lexical. A questão agora é: como acomodar as evidências históricas de Philips com as observações recentes de Labov? Antes de passarmos a esta questão, vamos considerar alguns fatos do português brasileiro. 4 Minha tradução 5 Minha tradução 6 Estou traduzindo o termo actuation por disparo, uma tradução não muito feliz. 7 Minha tradução e meu destaque.

6 3. Alçamento de vogais médias pretônicas no português brasileiro: mudança neogramática ou difusão lexical? Todos os dialetos do português brasileiro (doravante PB) apresentam variação de pronúncia para os fonemas vocálicos com traços [- alto, - baixo]. Estas vogais podem ser foneticamente realizadas de três modos diferentes: (1) como média aberta ( [ ] ou [ ]); (2) como média fechada ( [ e ] ou [ o ]); ou (3) como vogal alta ( [ i ] ou [ u ]). Embora nenhuma dessas possibilidades seja exclusiva de um dialeto em particular, podemos dizer que, de modo geral, a possibilidade (1) caracteriza os dialetos do PB das regiões norte e nordeste; a possibilidade (2) caracteriza os dialetos sulistas do PB; enquanto que a possibilidade (3) caracteriza os dialetos das regiões centrais do Brasil. Ou seja, cada uma dessas possibilidades pode ser encontrada, mais freqüentemente, em uma área geográfica específica. Assim, numa palavra como morango, espera-se encontrar m[ ]rango no norte e nordeste do Brasil, m[ o ]rango no sul do Brasil e, nas regiões centrais do Brasil, m[ u ]rango. Vou excluir de minhas considerações, a partir de agora, as pronúncias com vogal média aberta, [ ] e [ ], que são raras, em posição pretônica, fora das regiões norte e nordeste do Brasil. Assim sendo, os casos de variação que vou considerar, por serem os que ocorreram nos corpora examinados, envolvem a alternância entre [ e ] ~ [ i ] e [ o ] ~ [ u ]. Antes de prosseguir, gostaria de notar que, embora os dialetos centrais e sulistas do PB apresentem variação entre [ e ] ~ [ i ] para a variável ( e ), e entre [ o ] ~ [ u ] para a variável ( o ), nem sempre há coincidência de pronúncia para as palavras susceptíveis de sofrerem o processo de alçamento. Por exemplo, a palavra fogão é pronunciada como [ fo w ] no sul do Brasil mas, na região central do país, como [ fu w ]. A forma [ fo w ], no dialeto de Belo Horizonte, um dialeto da região central de onde extraímos os dados examinados, significa fogo grande, e não o dispositivo onde se cozinha o alimento. Vamos chamar de Alçamento de Pretônicas (doravante, AP) ao processo que leva de (e) a [ i ] e de (o) a [ u ]. Uma regra variável que representasse esse processo daria conta da variação encontrada em casos como s[e]gurança ~ s[i]gurança, c[o]migo ~ c[u]migo, etc. O processo de AP já foi analisado na literatura sobre o PB por muitos lingüistas (Lemle (1974); Abaurre-Gnerre (1981); Passos et al. (1980); Viegas (1987); Bisol (1981), entre outros). Na verdade, a primeira referência impressa sobre esta questão aparece em Fernão d Oliveira (1975 [1536]). Ou seja, trata-se de um problema antigo no português. Lemle (1974) descreve a processo de AP através de uma regra categórica, condicionada por fatores fonológicos e morfológicos. Trata-se de uma análise que apresenta problemas uma vez que as exceções à regra são inúmeras. Os outros trabalhos mencionados acima tratam o processo de AP através de uma regra variável, com resultados bastante interessantes mas apenas parcialmente comparáveis uma vez que eles se referem a dialetos diferentes. O trabalho de Viegas (1987) é, na minha opinião, aquele que mais informações nos dá sobre o problema em questão. Viegas tenta responder à seguinte pergunta: AP é um processo de natureza neogramática ou difusionista? Vejamos onde o processo de AP se encaixa nas Tabelas 1 e 2. AP é um caso de mudança dentro de um subsistema e, como tal, teria todas as chances de apresentar as

7 características neogramáticas listadas na Tabela 1. Viegas, em suas conclusões sobre o processo de AP, nos apresenta as seguintes afirmações: A. A variação nas pretônicas ocorre em ambientes que nos permitem observar uma certa regularidade no fenômeno e descrevê-lo como uma regra fonológica variável. (1987:163) B....não existe nenhum ambiente que possa dar conta de todos os casos de alçamento, ou de não alçamento. Isto é, alguns itens sempre apresentam alçamento da pretônica enquanto outros nunca apresentam alçamento. (1987:166) C. Houve itens lexicais que apresentaram alçamento da pretônica mesmo na ausência de ambientes favorecedores, enquanto outros, de freqüência semelhante e utilizados no mesmo estilo de fala, nunca apresentaram alçamento da pretônica. (1987:167) D....afirmo que a regra de alçamento de pretônicas atua primeiro nos itens lexicais mais freqüentes. (1987:168) Como se pode notar, as conclusões A e B e as conclusões C e D contradizem uma à outra. Não se trata de dizer que a análise de Viegas é defeituosa. O problema é que ela tenta fazer uma análise neogramática para um processo de natureza difusionista. Examinemos, primeiramente, a regularidade dos fatores fonéticos na análise de Viegas (Conclusão A). Consideremos os condicionamentos fonéticos para a regra ( 1 ), tanto os favorecedores quanto os desfavorecedores: ( 1 ) ( o ) <+ alto> / C $ (X) V (Y) [+acento] Favorecedores: C é obstruinte X é nasal Desfavorecedores C é sonorante Exemplos que ilustram os fatores favorecedores, todos com um [ u ] categórico, são: cobrir, governo, fogueira, comida, começo e bonito. Exemplos que ilustram o fator desfavorecedor, todos com um [ o ] categórico, são: modelo, loção, loteria. O problema aqui é que todos esses casos de condicionamento fonético, favorecedor ou desfavorecedor, podem ser enfraquecidos de duas maneiras: 1. Há casos onde o contexto fonético favorecedor está presente e, mesmo assim, não acontece o alçamento: em colina, poder, rotina, comício, cometa e bonina, por exemplo, temos um [ o ] categórico, e não [ u ]; 2. Há casos em que encontramos um [ u ] categórico, e não um [ o ] categórico, muito embora o contexto para AP seja desfavorecedor: moleque, motivo, moeda, etc. Se quisermos perceber mais claramente como o contexto fonético é irrelevante como controlador de AP, basta compararmos os itens das duas listas a seguir: [ o ] categórico [ u ] categórico comício bonina tomada pomar comida bonito tomate pomada

8 cometa começo forminha formiga porção porção (= muitos) folhinha (= folha pequena) folhinha (= calendário) etc. Como se pode ver, nenhum condicionamento fonético, fino ou grosseiro, pode nos garantir uma probabilidade maior seja para [ o ], seja para [ u ]. Vejamos agora se temos melhor sorte com a regra de AP, aplicada à variável ( e ). A regra ( 2 ), a seguir, é a formulação mais geral para o alçamento de ( e ): ( 2 ) ( e ) <+ alto> / (X) (Y) $ (Z) V (W) [+acento] para a qual Viegas encontra os seguintes efeitos favorecedores e desfavorecedores: Favorecedores: X é nulo e Y é uma fricativa alveolar; X é nulo e Y é uma nasal; Z é uma sonorante; A vogal acentuada é alta. Desfavorecedores: X é uma obstruinte; A vogal acentuada não é alta. Os exemplos listados por Viegas para sustentar os efeitos favorecedores são: escola, espelho, estado, ensina, emprego, entrar, perigo, feliz, semestre, todos eles com um [ i] categórico. Já os exemplos que sustentam os efeitos desfavorecedores, todos eles apresentando um [ e ] categórico, são: geral, sereno, definir, semana, setembro, metade. Mas aqui, também, encontramos inúmeros contra-exemplos, que enfraquecem parte dos efeitos fonéticos propostos. Os dois primeiros efeitos favorecedores - ( e ) inicial, seguido, na mesma sílaba, de uma fricativa alveolar ou de uma nasal - são os efeitos mais fortes. De fato, não há nenhuma palavra que apresente um [ e ] categórico neste ambiente. O que podemos ter - e temos, de acordo com os dados de Viegas - é a variação entre [ e ] e [ i ]. É o que ocorre em palavras como experiente, entender, envio, e uma poucas outras. Por outro lado, os demais efeitos favorecedores podem ser facilmente falseados. Compare-se, por exemplo, o [ i ] categórico em perigo, feliz e menino, com o [ e ] categórico em perito, felino e meninge. A mesma opacidade pode ser encontrada no caso dos contextos desfavorecedores: encontramos palavras com [ i ] categórico mesmo quando a vogal tônica não é alta e ( e ) é precedido de obstruinte. Exemplos disso são: pequeno, senhora, debaixo, e outros. De novo, se quisermos comprovar o fato de que o contexto fonético não garante muita coisa, basta comparar as palavras nas duas listas a seguir: [ e ] categórico [ i ] categórico mendigo meninge semente medita Peru (país) mentira menino semestre medida peru (ave)

9 preciso (adj.) preciso (verbo) sentido! sentido (adj.) etc. Assim, torna-se difícil manter qualquer tipo de regularidade fonética para o AP, ao contrário das alegações de Viegas. O que temos aqui é um caso de difusão lexical. AP tem todas as características dos processos difusionistas listados na Tabela 1, inclusive a falta de diferenciação social (cf. Viegas (1987): ). É na Tabela 2 que o AP não se encaixa bem. Além disso, a freqüência alta de ocorrência não parece ser um fator interessante para a seleção dos itens lexicais que serão atingidos primeiro por AP: cebola e cenoura, ambos com [ e ] categórico, são muito mais freqüentes do que ceroula, que tem um [ i ] categórico. 4. Modelo neogramático ou modelo da difusão lexical? Chen & Wang (1975) traçam uma divisória clara entre o disparo e a implementação da mudança sonora em termos de explicação. Para eles o surgimento de uma mudança sonora tem a ver com as restrições inerentes dos aparelhos fisiológico e perceptual do falante, enquanto que a implementação de uma mudança se dá por difusão lexical. Chen & Wang estabelecem seu ponto de vista com base em dados do chinês, do inglês e do sueco. Mas, conforme Labov demonstra, há inúmeros casos conhecidos que dão suporte ao modelo neogramático. Conforme vimos anteriormente, Labov tenta acomodar os dois modelos, atribuindo a cada um deles um tipo diferente de mudança sonora: regras de output para o modelo neogramático e mudanças fonológicas abstratas para o modelo da difusão lexical. Mas já que não temos como dizer, a priori, qual é qual, a proposta conciliadora de Labov não nos ajuda muito. Minha opinião pessoal é mais radical do que a de Chen & Wang: para mim todas as mudanças sonoras são lexicalmente implementadas, ou seja, não existem mudanças sonoras neogramáticas (muito embora possamos ter, a longo prazo, resultados neogramáticos). Algumas razões para esta minha posição são as seguintes: a. Existem mudanças que não se enquadram dentro do modelo neogramático (o tensionamento do a breve e o caso do Chao-Zhou, por exemplo), i.e., temos que admitir casos de difusão lexical; b. Há casos que parecem ser, por algum critério teórico, de natureza neogramática. Mas, numa observação mais detalhada, esses casos acabam se revelando como sendo de natureza difusionista (AP no português brasileiro, por exemplo). Contudo, não conheço nenhum caso que tenha sido analisado, inicialmente, como sendo de difusão lexical e que, sob observação mais detalhada, tenha se revelado como sendo de natureza neogramática; c. Há casos que não apresentam, hoje, nenhum condicionamento lexical (ou seja, são regulares), mas que apresentavam condicionamento lexical no passado. Phillips (1984: ) nos dá indicações de casos deste tipo no inglês; d. Se os neogramáticos não tinham nenhum controle da transição de X para Y numa mudança do tipo X Y /Z, como podemos garantir que esta mudança não tenha sido lexicalmente implementada? Tudo que nos resta é o resultado final e, mesmo que ele seja completamente regular, isso não prova que o processo não tenha sido implementado lexicalmente em seus estágios iniciais. Portanto, como ponto de partida, direi que todas as mudanças são lexicalmente implementadas. Se é assim, como podemos explicar o fato de que algumas mudanças,

10 em algum ponto, mostrem uma total regularidade? Direi que uma mudança sonora da forma X Y /Z pode atingir regularidade se, e somente se, Z fornece um ambiente fonético natural para Y. Por exemplo, em muitos dialetos do PB / t / se realiza foneticamente como [ t ] diante de [ i ]. E nesses dialetos isso ocorre sem exceção. Minha proposta é a de que a regra ( 3 ) ( 3 ) t [ t ] / i tenha se implementado lexicalmente, ou seja, num estágio anterior algumas palavras se apresentavam com a seqüência [...ti...] enquanto outras se apresentavam com a seqüência [...t i...]. Mas uma vez que [ i ] apresenta um ambiente fonético natural para a palatal [ t ], a regra ( 3 ) acabou por alcançar uma regularidade completa. Vejamos ainda um segundo exemplo. Na maioria dos dialetos brasileiros / ey / pode se reduzir a [ e ] em posição interna diante de [ ], [ ] e [ ], como em peixe, beijo e cheiro. Mas diante de nasais a situação não é clara: podemos ter a redução do ditongo em algumas palavras mas não em outras. Assim, podemos ter redução em queima, treino, teima, pimenta do reino, mas não em o reino da Inglaterra e/ou Reinaldo. Além disso, costumamos dizer que / ey / não se reduz diante de oclusivas. De fato não temos redução em palavras como peito, meiga, jeito. Mas podemos ter a redução em manteiga. Ou seja, onde Z fornece um contexto fonético natural para Y podemos ter regularidade a longo prazo; onde Z não fornece um contexto fonético natural para Y a irregularidade irá ocorrer. Em resumo, minha alegação é a de que um ambiente fonético natural pode destruir, com o passar do tempo, as barreiras lexicais de uma mudança sonora. Passemos agora à questão final: que fatores são responsáveis pelas barreiras lexicais? O que pode 'proteger' uma palavra contra uma mudança em curso? Sabemos muito pouco sobre esse ponto e o que eu vou afirmar aqui tem um caráter apenas especulativo. Na minha opinião há três fatores, pelo menos, que podem inibir as mudanças sonoras: nomes próprios, reação contrária por parte de uma classe social e estilos de fala formais. Os nomes próprios talvez constituam o caso mais claro. É fato bem conhecido que os nomes de pessoas, cidades, rios, montanhas, etc, podem preservar uma forma antiga e resistir a uma mudança. Já o efeito da reação por parte de uma classe social pode ser exemplificado pelas atitudes negativas, por parte das elites, em relação a mudanças iniciadas nos estratos mais baixos (v. Kroch (1978)). Isso provoca um efeito retardador e não, necessariamente, uma inibição a um processo. De qualquer forma isso traz uma proteção temporária a algumas palavras (não a todas as palavras uma vez que a correção é aplicada às palavras e não aos sons). Quanto ao efeito inibidor provocado pelos estilos de fala formais, Madureira (1987) mostrou que a vocalização de (lh), que já reestruturou um conjunto específico de palavras entre os falantes das classes mais baixas de Belo Horizonte, embora quase ausente nos falantes das classes médias nos estilos formais, vai atingindo estes mesmos falantes, como regra variável, e nas mesmas palavras que conduziram à reestruturação entre os falantes das classes mais baixas, através dos estilos informais de fala. Podemos, agora, tentar esboçar uma tentativa de resposta à seguinte questão: que palavras são afetadas primeiro? Para mim as primeiras vítimas de uma mudança sonora da forma X Y/Z são as palavras que apresentam os seguintes traços (não necessariamente nesta ordem): a. X ocorre num nome comum; b. Z oferece um contexto fonético natural para Y; c. X é parte de uma palavra que ocorre em contextos informais de fala.

11 Enquanto o disparo de uma mudança deve ser concebido em termos abstratos, que justifiquem sua razão de ser, sua implementação não pode ser removida das condições de uso. Bibliografia Abaurre-Gnerre, M.B. (1981). Processos fonológicos segmentais como índices de padrões diversos nos estilos formal e casual do português do Brasil. Cadernos de Estudos Lingüísticos 2, Campinas: UNICAMP. Bisol, Leda (1981). Harmonização vocálica. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Chen, M., and Wang, W.S.-Y. (1975). Sound change: actuation and implementation. Language 51(2), d Oliveira, Fernão (1975 [1536]). Gramática da Linguagem Portuguesa. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda. Janson, Tore (1977). Reversed lexical diffusion and lexical split: loss of -d in Stockholm. In, The Lexicon in Phonological Change, W.S.-Y. Wang (ed.) The Hague:Mouton. Krishnamurti, B. (1978). Areal and lexical diffusion of sound change. Language 54(1), Kroch, A.S. (1978). Towards a theory of social dialect variation. Language in Society 7, Labov, William (1981). Resolving the neogrammarian controversy. Language 57(2), Lemle, M. (1974). Analogia na morfologia: estudo de um caso. Revista Brasileira de Lingüística 1, Petrópolis. Madureira, E.D. (1987). Sobre as condições da vocalização da lateral palatal no português. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Osthoff, H.. and Brugmann, K. (1878). Morphologische Untersuchungen auf dem Gebiete der indogermanischen Sprachen, 1. Leipzig. Passos, C., Passos, M.E., e Araújo, S.S. (1980). Implicações teóricas do levantamento

12 pré-tônico do português. Anais do V Encontro Nacional de Lingüística 1, Rio de Janeiro: PUC/RJ. Phillips, B.S. (1984). Word frequency and the actuation of sound change. Language 60(2), Sherman, D. (1973). Noun verb stress alternation: an example of the lexical diffusion of sound change in English. POLA Reports (2nd series) Viegas, M.C. (1987). Alçamento de vogais médias pretônicas: uma abordagem sociolingúistica. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Wang. W.S.-Y. (ed.) (1977). The Lexicon in Phonological Change. The Hague: Mouton., and Cheng, C.-C. (1977). Implementation of phonological change: the Shuang-Feng Chinese case. ln The Lexicon in Phonological Change. W.S.-Y. Wang (ed.) The Hague: Mouton.

SOBRE A QUEBRA DE ENCONTROS CONSONANTAIS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

SOBRE A QUEBRA DE ENCONTROS CONSONANTAIS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO SOBRE A QUEBRA DE ENCONTROS CONSONANTAIS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO Thaïs CRISTÓFARO-SILVA (UFMG) ABSTRACT: Branching onsets reduction in Brazilian Portuguese was analysed as a phonological process. The condition

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS E POSTÔNICAS MEDIAIS Fernando Antônio Pereira Lemos (CEFET-MG) RESUMO Este estudo retoma um tema bastante controverso na literatura: o alçamento das vogais médias

Leia mais

mas respiratório, fonatório e articulatório e dos órgãos que constituem o aparelho fonador.

mas respiratório, fonatório e articulatório e dos órgãos que constituem o aparelho fonador. D.E.L.T.A., Vol. 16, N. 1, 2000 (183-188) RESENHA/REVIEW SILVA, THAÏS CRISTÓFARO. (1999) Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. São Paulo: Contexto. 254 p. Resenhado

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

O PAPEL DAS FRONTEIRAS PROSÓDICAS NA RESTRIÇÃO DO PROCESSAMENTO SINTÁTICO

O PAPEL DAS FRONTEIRAS PROSÓDICAS NA RESTRIÇÃO DO PROCESSAMENTO SINTÁTICO 642 O PAPEL DAS FRONTEIRAS PROSÓDICAS NA RESTRIÇÃO DO PROCESSAMENTO SINTÁTICO Carolina Garcia de Carvalho Silva UFJF/CAPES Maria Cristina Lobo Name UFJF 0 Introdução Este trabalho propõe-se a investigar

Leia mais

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN e Responsabilidades do interesse público em relação aos Direitos Humanos e Valores Democráticos Terça feira, 24 de junho de 2014 09:00 a 09:30 ICANN

Leia mais

Difusão Lexical: Estudos de Casos do. Português Brasileiro

Difusão Lexical: Estudos de Casos do. Português Brasileiro Difusão Lexical: Estudos de Casos do Português Brasileiro Thaïs Cristófaro-Silva (UFMG-KCL) 1. Introdução Este trabalho expressa resultados parciais de uma pesquisa que tem por objetivo central avaliar

Leia mais

Palavras-chave: Aquisição da linguagem. Padrões fonético-fonológicos. Fonologia de uso. Teoria dos sistemas dinâmicos.

Palavras-chave: Aquisição da linguagem. Padrões fonético-fonológicos. Fonologia de uso. Teoria dos sistemas dinâmicos. CONTRIBUIÇÕES DA FONOLOGIA DE USO E DA TEORIA DOS SISTEMAS DINÂMICOS PARA A AQUISIÇÃO DE LINGUAGEM 1 Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) nr.macedo@hotmail.com RESUMO A aquisição de linguagem é um fenômeno

Leia mais

HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA

HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA Humberto Pires Junior 1 Milene Peixer Loio 2 Introdução A presente pesquisa 3 busca relacionar habilidades

Leia mais

ANÁLISE!ACÚSTICA!DA!VIBRANTE!MÚLTIPLA!/r/!NO!ESPANHOL!E!EM! DADOS!DE!UM!APRENDIZ!CURITIBANO!DE!ESPANHOL!COMO!LÍNGUA! ESTRANGEIRA!

ANÁLISE!ACÚSTICA!DA!VIBRANTE!MÚLTIPLA!/r/!NO!ESPANHOL!E!EM! DADOS!DE!UM!APRENDIZ!CURITIBANO!DE!ESPANHOL!COMO!LÍNGUA! ESTRANGEIRA! Curitiba,Vol.2,nº2,jan.2jun.2014ISSN:231821028REVISTA(VERSALETE ANÁLISEACÚSTICADAVIBRANTEMÚLTIPLA/r/NOESPANHOLEEM DADOSDEUMAPRENDIZCURITIBANODEESPANHOLCOMOLÍNGUA ESTRANGEIRA ACOUSTIC(ANALYSIS(OF(THE(MULTIPLE(VIBRANT(/r/(IN(SPANISH(AND(

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa ACEITAÇÃO Ruy Miranda 1. O que é aceitação? Aceitar significa receber. Uma pessoa recebe a outra, abre as portas para

Leia mais

www.poderdocoachingemgrupos.com.br

www.poderdocoachingemgrupos.com.br Pesquisa de Mercado A condução de pesquisas de mercado é uma das atividades mais eficazes e importantes que você pode fazer quando você estiver projetando seu coaching em grupo. Você vai se surpreender

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Construtivismo. UNICURITIBA Curso de Relações Internacionais Teoria das Relações Internacionais II Professor Rafael Reis

Construtivismo. UNICURITIBA Curso de Relações Internacionais Teoria das Relações Internacionais II Professor Rafael Reis Construtivismo UNICURITIBA Curso de Relações Internacionais Teoria das Relações Internacionais II Professor Rafael Reis - Nicholas Onuf World of Our Making Rules and Rule in Social Theory of International

Leia mais

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA Danilo Pereira Munhoz Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho danilomunhoz@gmail.com Fabrícia Lélis Universidade

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 3, pág. 2451

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 3, pág. 2451 O PLURAL DAS PALAVRAS TERMINADAS EM -ÃO: MUDANÇA OU VARIAÇÃO ESTÁVEL? Miriam Cristina Almeida Severino (UFRJ) cristinasmiriams@yahoo.com.br Christina Abreu Gomes (UFRJ) christina-gomes@uol.com.br 1. Introdução

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI O SR. GUILHERME CARBONI (Instituto de Direito do Comércio Internacional e Desenvolvimento): Gostaria de

Leia mais

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 TRADUÇÃO DOI: 10.5216/PHI.V17I2.18751 RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 Autor: Peter F. Strawson Tradutor: Itamar Luís Gelain(Centro Universitário Católica de Santa Catarina) 2,3 itamarluis@gmail.com Em seu

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Letras Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Estruturas fonológicas da língua portuguesa Objetivo Entrar em contato com as características da análise fonológica. Conhecer os fonemas consonantais e vocálicos

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder Entrevista concedida a Virginia Maria de Figueiredo e Silva e Tânia Maria Piacentini * Paulo Freire esteve em Florianópolis, no dia 8 de junho, a convite da

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos REPAROS DE EMPRÉSTIMOS AO VERNÁCULO Bismarck Zanco de Moura (UFRJ) dezanco@hotmail.com Gean Nunes Damulakis (UFRJ) damulakis@gmail.com RESUMO Este trabalho investiga a inserção envolvida no reparo de empréstimos

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil

Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil Wladimir Mattos EVPM, FUNDUNESP, Universidade Estadual Paulista Resumo

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

Como Montar um Plano de Estudos Eficiente Para Concurso Público E-book gratuito do site www.concursosemsegredos.com

Como Montar um Plano de Estudos Eficiente Para Concurso Público E-book gratuito do site www.concursosemsegredos.com 1 Distribuição Gratuita. Este e-book em hipótese alguma deve ser comercializado ou ter seu conteúdo modificado. Nenhuma parte deste e-book pode ser reproduzida ou transmitida sem o consentimento prévio

Leia mais

IX Encontro Nacional da ANPOLL - 12 a 16/06/94 (Caxambu - MG)

IX Encontro Nacional da ANPOLL - 12 a 16/06/94 (Caxambu - MG) O Léxico como Controlador de Mudanças Sonoras IX Encontro Nacional da ANPOLL - 12 a 16/06/94 (Caxambu - MG) Marco Antônio de Oliveira 0 - INTRODUÇÃO Acho que podemos dizer, pelo menos em termos gerais,

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

Quatro Parábolas de Jesus

Quatro Parábolas de Jesus Quatro Parábolas de Jesus Neste pacote há materiais para uma série de quatro lições sobre algumas Parábolas de Jesus. Primeiramente está incluído o guia do líder, seguido por folhas que podem ser utilizadas

Leia mais

Professora Sandra Bozza, você é a favor da alfabetização através do método fônico?

Professora Sandra Bozza, você é a favor da alfabetização através do método fônico? Professora Sandra Bozza, você é a favor da alfabetização através do método fônico? Não! A concepção de linguagem na qual acredito é a que tem como pressuposto que a linguagem (tanto oral, quanto escrita)

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS. RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência para análise

EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS. RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência para análise EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS Valeria Fernandes Nunes Mestranda em Linguística (UERJ) valeriafernandesrj@hotmail.com RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

A METACOGNIÇÃO COMO EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA: CONHECENDO O PROCESSO DE CRIAÇÃO DE SI MESMO MAGDA FLORIANA DAMIANI

A METACOGNIÇÃO COMO EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA: CONHECENDO O PROCESSO DE CRIAÇÃO DE SI MESMO MAGDA FLORIANA DAMIANI A METACOGNIÇÃO COMO EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA: CONHECENDO O PROCESSO DE CRIAÇÃO DE SI MESMO MAGDA FLORIANA DAMIANI Doutora em Educação magda@ufpel.tche.br Universidade Federal de Pelotas, RS REGINA TRILHO

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MOMENTO ECONÔMICO Os investimentos dos Fundos de Pensão, e o PRhosper não é diferente, têm por objetivo a formação de capital para uso previdenciário, portanto, de longo prazo. Exatamente por essa razão,

Leia mais

Como Obter Sucesso em Introdução à Programação Ulysses de Oliveira

Como Obter Sucesso em Introdução à Programação Ulysses de Oliveira Como Obter Sucesso em Introdução à Programação Ulysses de Oliveira Para obter bons resultados (e, conseqüentemente, ser aprovado) na disciplina Introdução à Programação siga as recomendações contidas neste

Leia mais

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015 Alunos dorminhocos 5 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: entender a necessidade de se explorar um problema para chegar a uma solução; criar o hábito (ou pelo menos entender

Leia mais

Fonologia Aula # 04 (27/04/09)

Fonologia Aula # 04 (27/04/09) Fonologia Aula # 04 (27/04/09) Capítulo 5. Processos Fonológicos Iniciamos, aqui, o estudo da fonologia dinâmica: processos fonológicos e sua representação através de regras. Assim sendo, ficamos restritos,

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

Guia de Meditação. Uma viagem de autodescoberta. Semana 4

Guia de Meditação. Uma viagem de autodescoberta. Semana 4 Guia de Meditação Uma viagem de autodescoberta Semana 4 Ter uma vida com a Meditação Self -mastery and god-discovery Are the only two things That each human being on earth Must take seriously. Everything

Leia mais

Reuniões Efetivas Dezembro 2012

Reuniões Efetivas Dezembro 2012 Reuniões Efetivas Dezembro 2012 Vamos discutir neste artigo a questão das reuniões em nossas organizações e como torná las mais efetivas e produtivas. Reuniões improdutivas e ruins estão inevitavelmente

Leia mais

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Existem diversos textos sobre Gestão sendo publicados diariamente, e dentre eles, muitos tratam do tema liderança, que certamente é um dos assuntos mais

Leia mais

Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra

Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra A PROIBIÇÃO DA DESPEDIDA ARBITRÁRIA NAS LEGISLAÇÕES NACIONAIS: UMA PERSPECTIVA DE DIREITO COMPARADO * Halton Cheadle ** Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra para mim estar

Leia mais

Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3

Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3 Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3 http://www.bpiropo.com.br/fpc20051017.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 17/10/2005 Autor: B.Piropo Na coluna anterior, < http://www.forumpcs.com.br/viewtopic.php?t=131250

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português 1 Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português A partir do momento que você souber de cor a função de cada peça do nosso jogo de dominó, você não terá mais problemas para formular frases,

Leia mais

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal.

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. ONDA GOSPEL - Quando revelou ao seu amigo, Luis Melancia a vontade de adquirir a rádio,

Leia mais

Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE. Fernanda Gurgel Raposo

Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE. Fernanda Gurgel Raposo Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE META Apresentar a estrutura gramatical do presente simples, simple present em inglês, nas formas afi rmativa, negativa e interrogativa, para as duas primeiras pessoas do

Leia mais

ANÁLISE VARIACIONISTA DA VOCALIZAÇÃO DE /l/ EM PORTO ALEGRE

ANÁLISE VARIACIONISTA DA VOCALIZAÇÃO DE /l/ EM PORTO ALEGRE COSTA, Cristine Ferreira. Análise variacionista da vocalização de /l/ em Porto Alegre. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. Vol. 5, n. 9, agosto de 2007. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. ANÁLISE

Leia mais

O g É um Gato Enroscado

O g É um Gato Enroscado O g É um Gato Enroscado Editorial Caminho, 1.ª ed., 2003; 2.ª ed., 2007 Guião de trabalho para professores do Ensino Básico I. Breve introdução à leitura da obra O g É um Gato Enroscado (Caminho, 2003)

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos TÓPICOS LINGUÍSTICOS: SINTAXE NA LIBRAS Magno Pinheiro de Almeida (UEMS/UFMS) mpa_magno@hotmail.com Miguél Eugenio Almeida (UEMS) mealmeida_99@yahoo.com.br A língua já não é agora livre, porque o tempo

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

3 Pressupostos Teóricos

3 Pressupostos Teóricos 3 Pressupostos Teóricos 3.1 Os princípios teóricos de Harris 3.1.1 A aceitabilidade como fonte do conhecimento sintático A sustentação metodológica de referência para o desenvolvimento desta pesquisa é

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA INTERATIVIDADE FINAL DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES AULA. AULA: 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo

LÍNGUA PORTUGUESA INTERATIVIDADE FINAL DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES AULA. AULA: 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo : 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo Habilidades: Perceber como se organizam os parágrafos de um texto dissertativo-argumentativo. Texto dissertativo O texto dissertativo é um tipo de texto

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

Segurança da informação e a natureza humana

Segurança da informação e a natureza humana Segurança da informação e a natureza humana Jefferson de Oliveira Bazana Faculdade Impacta de Tecnologia São Paulo Brasil jbazana@gmail.com Resumo: A importância do fator humano na segurança da informação

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

A Linguística Formal e sua relação com o ensino e com a pesquisa. Prof. Dr. Aline Lorandi Prof. Doutoranda Taíse Simioni UNIPAMPA Bagé Março/2011

A Linguística Formal e sua relação com o ensino e com a pesquisa. Prof. Dr. Aline Lorandi Prof. Doutoranda Taíse Simioni UNIPAMPA Bagé Março/2011 A Linguística Formal e sua relação com o ensino e com a pesquisa Prof. Dr. Aline Lorandi Prof. Doutoranda Taíse Simioni UNIPAMPA Bagé Março/2011 Ementa A Linguística formal se dedica ao estudo da estrutura

Leia mais

TALKING ABOUT THE PRESENT TIME

TALKING ABOUT THE PRESENT TIME Aula8 TALKING ABOUT THE PRESENT TIME META Apresentar o presente contínuo, chamado de present continuous ou present progressive em inglês, nas suas três formas, afi rmativa, negativa e interrogativa, numa

Leia mais

Língua(gem), Tecnologia e Informação

Língua(gem), Tecnologia e Informação Língua(gem), Tecnologia e Informação Língua, Tecnologia e Informação A Ciência da Informação estuda vários aspectos sobre o acesso ao registro, acesso ideal de maneira eficiente e eficaz O registro de

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

Desenvolvimento do Coaching Ferramentas Poderosas Ação vs Adiamento Página 1

Desenvolvimento do Coaching Ferramentas Poderosas Ação vs Adiamento Página 1 Desenvolvimento do Coaching Ferramentas Poderosas Ação vs Adiamento Página 1 Ação vs Adiamento Seja o que for que pense ou acredite que consegue fazer, comece. A ação tem magia, graciosidade e poder em

Leia mais

Afinal o que são e como se calculam os quartis? Universidade do Algarve Departamento de Matemática

Afinal o que são e como se calculam os quartis? Universidade do Algarve Departamento de Matemática Afinal o que são e como se calculam os quartis? Susana Fernandes Mónica Pinto Universidade do Algarve Departamento de Matemática Introdução Imaginemos que queremos calcular os quartis de um conjunto de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS "Onde há pessoas há conflitos."

ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Onde há pessoas há conflitos. ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS "Onde há pessoas há conflitos." ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS O conflito é um estado de tensão que gera uma mobilização para operar mudanças e obter melhores resultados. Administrar

Leia mais

SECOND UM PARADIGMA MODERNO

SECOND UM PARADIGMA MODERNO SECOND UM PARADIGMA MODERNO EDITION Sobre é uma extensão de uma longa linhagem Budista Indo-Tibetana, iluminando sua sabedoria e práticas na cultura moderna. Oferecemos um caminho que revela uma dimensão

Leia mais

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos ENTREVISTA PETER SINGER. - SELEÇÃO DE TRECHOS Fonte: Portal da Revista Época. Disponível em http://revistaepoca.globo.com/revista/epoca/0,,edg74453-5856-421,00.html

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36

FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36 FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36 Tendo, pois, Davi servido ao propósito de Deus em sua geração, adormeceu, foi sepultado com os seus antepassados e seu corpo se decompôs. Não são todos que têm o privilégio

Leia mais

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Gerusa PEREIRA (UNISUL) ABSTRACT: The present

Leia mais

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br Guia Prático para Encontrar o Seu Propósito de Vida www.vidadvisor.com.br "Onde os seus talentos e as necessidades do mundo se cruzam: aí está a sua vocação". Aristóteles Orientações Este é um documento

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

Agora gostaríamos de passar a palavra ao Sr. Marcial Portela. Por favor, Sr. Portela, pode prosseguir.

Agora gostaríamos de passar a palavra ao Sr. Marcial Portela. Por favor, Sr. Portela, pode prosseguir. Operadora: Boa tarde, e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência de resultados relativos ao 2T12 do Banco Santander S.A.. Presentes aqui estão o Sr. Marcial Portela, Presidente Executivo

Leia mais

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO GHISLANDI, Indianara; OENNING, Micheli email: michelioenning@yahoo.com.br Universidade Estadual

Leia mais

Empresário. Você curte moda? Gosta de cozinhar? Não existe sorte nos negócios. Há apenas esforço, determinação, e mais esforço.

Empresário. Você curte moda? Gosta de cozinhar? Não existe sorte nos negócios. Há apenas esforço, determinação, e mais esforço. Empresário Não existe sorte nos negócios. Há apenas esforço, determinação, e mais esforço. Sophie Kinsella, Jornalista Econômica e autora Você curte moda? Gosta de cozinhar? Ou talvez apenas goste de animais?

Leia mais

Essas descobertas foram analisadas e testadas, e percebeu-se que podiam ser aplicadas em diversas áreas.

Essas descobertas foram analisadas e testadas, e percebeu-se que podiam ser aplicadas em diversas áreas. AULA 1-) SABER QUERER Olá, amigos! Meu nome é Kau Mascarenhas e sou um arquiteto de gente. Sim, tenho formação acadêmica em Arquitetura mas atualmente trabalho como consultor e conferencista em Desenvolvimento

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 INFLUÊNCIAS MÚTUAS DE UMA MODALIDADE SOBRE A OUTRA NO INCONSCIENTE DE UM INDIVÍDUO COM UM ALTO GRAU DE LETRAMENTO José Mario Botelho (UERJ e ABRAFIL) botelho_mario@hotmail.com Marcela Cockell (UERJ) marcelacockell@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO Joaquim Cesar Cunha dos Santos ATIVIDADE 07 DISCIPLINA:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 59 Discurso na solenidade de apresentação

Leia mais

A maioria das palavras tem o acento na penúltima sílaba.

A maioria das palavras tem o acento na penúltima sílaba. ACENTO: UMA NOVA PROPOSTA Marisa Porto do AMARAL 1 RESUMO: Neste artigo, apresento uma prévia da nova proposta para o acento primário do português brasileiro, visando contribuir com as demais já existentes.

Leia mais

Eventos independentes

Eventos independentes Eventos independentes Adaptado do artigo de Flávio Wagner Rodrigues Neste artigo são discutidos alguns aspectos ligados à noção de independência de dois eventos na Teoria das Probabilidades. Os objetivos

Leia mais

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias Rosana do Carmo Novaes Pinto 1 Desde 1999, venho defendendo a relevância

Leia mais

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática I. O jogo A Torre de Hanói consiste de uma base com três pinos e um certo número n de discos de diâmetros diferentes, colocados um sobre o outro em

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

O FILOSOFAR DENTRO DA SALA DE AULA: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

O FILOSOFAR DENTRO DA SALA DE AULA: CAMINHOS E POSSIBILIDADES Rodrigo Barboza dos Santos O FILOSOFAR DENTRO DA SALA DE AULA: CAMINHOS E POSSIBILIDADES Introdução Quando se fala em Filosofia, algumas reações são imediatamente notadas. Alguns acreditam ser algo difícil

Leia mais

HELENA BORDON. A maior it girl brasileira em primeira pessoa.

HELENA BORDON. A maior it girl brasileira em primeira pessoa. Mídia kit HELENA BORDON A maior it girl brasileira em primeira pessoa. Escrever sobre mim, não foi tarefa fácil. Na verdade, em primeira pessoa, costumamos agir e não falar. Mas com um pequeno esforço,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso no encontro com representantes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS PROGRAMA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS PROGRAMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS PROGRAMA Disciplina Obrigatória FONOLOGIA, VARIAÇÃO E ENSINO Carga horária

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Nosso campo está no olho do furacão

Nosso campo está no olho do furacão Radis nº 38 Outubro de 2005 Debates na Ensp/Fiocruz Epidemiologia (3/3) Nosso campo está no olho do furacão O professor Jairnilson Paim, do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia,

Leia mais