II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores"

Transcrição

1 II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores O ENSINO DA ARTE CONTEMPORÂNEA POR MEIO DA CONSTRUÇÃO DA PAISAGEM: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Maria Inês Ruas Vernalha Eixo 1 - Formação inicial de professores para a educação básica - Relato de Experiência - Apresentação Oral Este trabalho apresenta resultados obtidos a partir do desenvolvimento de projetos em arte, realizados com os alunos de Artes Visuais, focando o ensino da arte contemporânea na Educação Básica. O estudo buscou instigar os alunos a refletirem sobre as possibilidades de abordagem da arte contemporânea nas escolas utilizando como motivação a pesquisa e a interação com o fazer artístico. A paisagem na arte foi o tema escolhido para a pesquisa e para a criação dos trabalhos, Paisagem Horizontal, síntese poética surgida a partir da aproximação de pinturas com imagens de árvores, intervenção feita nos espaços internos da FAAT-Faculdades, em Atibaia, Paisagem de Encontros, trabalho de arte postal que priorizou a ideia de paisagem em construção, exposto no Solar Manoel Jorge Ferraz, casarão tombado pelo patrimônio histórico, e Paisagem Retornável, instalação artística, apresentada no Centro de Convenções Victor Brecheret, que teve como proposta a criação de uma paisagem com galhos de árvores re-significados como uma forma de devolvê-los ao seu lugar de origem, um lugar ideal: a paisagem. O desenvolvimento dos trabalhos auxiliou os alunos a buscarem meios de diagnosticar e encontrar soluções para as dificuldades teóricas e práticas constatadas por meio do Estágio Supervisionado, em relação ao ensino e aprendizagem da arte contemporânea nos espaços escolares. 0761

2 O ENSINO DA ARTE CONTEMPORÂNEA POR MEIO DA CONSTRUÇÃO DA PAISAGEM: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Maria Inês Ruas Vernalha. Universidade Estadual de Campinas e Faculdades - FAAT, Atibaia, São Paulo Introdução Este estudo traz reflexões sobre a formação docente e o ensino da arte contemporânea. O foco de interesse está centrado na ideia de que o aluno, futuro professor de Arte, precisa lidar com as complexas questões da produção, apreciação e reflexão do próprio sujeito, o futuro professor, e das transposições das suas experiências com a Arte para a sala de aula com seus alunos (COUTINHO In BARBOSA, 2003, p.157). A abordagem da arte contemporânea nos espaços escolares é muito rara ou quase nula, percepção adquirida como resultado dos relatos dos estágios feitos pelos alunos do curso de Artes Visuais. Perece haver uma resistência, por parte dos professores de arte, em trabalhar com arte contemporânea, uma modalidade desafiadora que requisita uma percepção renovada sobre arte e uma observação mais atenta sobre o que é proposto pelo artista. O objetivo deste estudo foi propiciar que professores do curso de licenciatura em Artes Visuais participassem do processo de criação de propostas de arte contemporânea para praticarem o fazer artístico, aprenderem a conhecer e, deste modo, poderem articular seus repertórios artísticos às teorias e práticas na ação docente. Tais questões estão presentes neste artigo como partes integrantes de um relato de experiência que apresenta algumas possibilidades de práticas de ensino da arte contemporânea. Foram desenvolvidas três propostas sobre o tema da paisagem, com a participação de alunos do curso de Licenciatura em Artes Visuais, da FAAT Faculdades, em Atibaia, abordando conteúdos de arte contemporânea. São elas: uma intervenção denominada Paisagem Horizontal, um trabalho de Arte Postal, Paisagem de Encontros, e uma instalação que recebeu o nome de Paisagem Retornável. O assunto escolhido para a realização dos trabalhos foi centrado no tema da paisagem na arte, um gênero artístico que passou por várias mudanças na maneira de expressão, aparecendo como pano de fundo de pinturas renascentistas, mostrando lugares infinitos nas pinturas surrealistas, apresentando locais repletos de valores simbólicos nas obras de Caspar David Friedrich, William Turner ou interagindo com o espaço do museu Guggenheim, de Nova Iorque, na Paisagem X de Nicola López, uma instalação (Disponível em: <http://www.brooklynrail.org/2011/11/artseen/nicola-lpez- 1

3 landscape-x-under-construction>). Segundo Paulo Menezes (1997), o espaço pictórico que vai do Renascimento até o século XIX, era um espaço de representação, apoiava-se nas ideias da perspectiva e de ilusão. Relata o autor que se tratava de um espaço exterior, físico, um dado natural, [torna-se, em contrapartida] intelectual, subjetivo, perceptivo. Um novo espaço que vai incorporar a um só tempo várias dimensões: física, psicológica, sentimental e temporal (1997, p.127). O enfoque deste estudo centrou-se no aprimoramento da formação docente utilizando como método o fazer, fruir e refletir sobre arte. Buscou-se fornecer subsídios teóricos e práticos acerca da arte contemporânea para auxiliar os professores em formação a desenvolverem propostas para a prática pedagógica. As conclusões foram elaboradas com o propósito de promover uma reflexão em torno da formação docente como um processo em construção que necessita de ampliação e contínuo desenvolvimento do repertório artístico, teórico e prático, aspecto que pode ser conseguido por meio da interação do aluno com o campo da arte Formação de professores de arte e o ensino da arte contemporânea Sobre a formação dos professores de Arte, Mirian Celeste Martins salienta ser imprescindível que esses profissionais aprendam como são construídos os sentidos a partir das leituras, como aprimorar o olhar, o ouvido, o corpo (MARTINS In BARBOSA, 2003, p.52). A aprendizagem e a construção do conhecimento em arte possuem significados específicos sobre o ensinar e aprender no campo da arte, pontua Hernandez (2000). Na atuação docente, o futuro professor ensina o educando a aprender a conhecer e a considerar os conteúdos relacionados à cultura local, à cultura de outros grupos que pertencem às outras localidades. As correntes atuais de pesquisas dão ênfase ao conhecimento que o sujeito possui sobre arte e o quanto essa característica facilita ou dificulta a aprendizagem na área artística. Diante dessas afirmações, é preciso fazer algumas reflexões em torno do processo de ensino e aprendizagem dos professores em formação. É preciso pesquisar de que maneira o curso de licenciatura em Artes pode disponibilizar conteúdos que venham a propiciar aos alunos uma imersão na linguagem artística e ao mesmo tempo uma reflexão crítica e contextual das questões relativas aos conhecimentos implicados no processo. (COUTINHO In BARBOSA, 2003, p.157). Segundo Fernando Hernandez (2000), inúmeros estudos foram feitos em relação à compreensão dos fatos artísticos. Para dar início à reflexão, alguns questionamentos foram feitos, como por exemplo, como são produzidas as obras de arte? Qual é o motivo que leva os artistas a fazerem obras de arte? Onde está o mérito de uma obra de arte? (HERNANDEZ, 2000). Algumas das questões utilizadas na pesquisa, sobre o desenvolvimento do conhecimento artístico, giram em torno do processo de ensino e 2

4 aprendizagem em arte: Como se utiliza o conhecimento sobre uma obra de arte numa situação de ensino de sujeitos com diferentes conhecimentos básicos? (p.120). São perguntas que instigam os professores a refletirem acerca das possibilidades de apreensão do conhecimento em arte: Como se utiliza o conhecimento que se possui para estabelecer relações entre diferentes obras de arte? Como se vincula o conhecimento estético e/ou histórico com a prática do atelier de arte? (HERNANDEZ, 2000, p.120). De acordo com as pesquisas indicadas por Hernandez, para se compreender as linguagens artísticas é preciso vivenciar situações de aprendizagem em arte (...) quando o objeto do conhecimento é a própria arte (p.120). Várias pessoas envolvidas no processo educacional, frequentemente os gestores e coordenadores pedagógicos, esperam que seus professores induzam os alunos a produzirem trabalhos esteticamente bonitos, para agradar aos pais ou à família. Essa constatação foi feita a partir dos relatos dos alunos do curso de Licenciatura em Artes Visuais, da FAAT Faculdades, com base nos estágios realizados em escolas de Atibaia. Foram poucas as descrições sobre professores de arte que instigam os alunos a produzirem trabalhos com poética pessoal, a usarem materiais diversificados, a experimentarem técnicas inovadoras ou a exercitarem a capacidade criativa. Enfim, são raros os professores que estimulam os alunos a enfrentarem as dúvidas, as incertezas. Nos relatos de estágio, realizados pelos alunos de Artes Visuais, constatou-se que não é comum os alunos poderem falar de si em seus trabalhos, investirem na expressão pessoal. Surgiram vários questionamentos entre os alunos que fizeram estágio em torno das propostas que estão sendo trabalhadas nas escolas, como por exemplo, em relação à arte educadora que trabalhou com o tema Halloween no Ensino Fundamental, em uma escola estadual, do 6º ao 9º ano. A professora solicitou que os alunos fizessem desenhos sobre Halloween. Quais conteúdos são desenvolvidos ao se fazer desenhos sobre Halloween? Por que esse tema foi escolhido para ser trabalhado com todos os anos do Ensino Fundamental? O que é Halloween? Será que os alunos sabem que o Halloween é um evento cultural originário da Irlanda e Inglaterra? Após feitas algumas pesquisas, verificou-se que os professores trabalham com o tema Halloween nas aulas de arte com o intuito de comemorar essa data e, também, desenvolver atividades ligadas aos conteúdos de inglês. Trabalhos de arte que não contêm elementos da linguagem plástica e não mostram traços de individualidade ou expressão pessoal não contribuem para a construção do repertório imaginativo do aluno. Mirian Celeste Martins amplia a reflexão sobre a apropriação da arte fazendo os seguintes questionamentos: Será que artistas, educadores (mediadores) são fruidores de Arte? Visitam feiras de arte popular, assistem a concertos musicais e peças teatrais? Frequentam mostras e bienais de arte? Os alunos

5 falam sobre o que produzem ou fazem comentários somente acerca de trabalhos de artistas famosos? (MARTINS In BARBOSA, 2003). O papel relevante do educador está em atuar como um mediador que auxilia os alunos na apreensão dos conteúdos escolares. Seu maior desafio é formar indivíduos que saibam dialogar e interpretar suas vivências. Nesse contexto, (...) é possibilitar que o outro construa sentidos, isto é, construa signos internos, assimilando e acomodando o novo em novas possibilidades de compreensão, processos e valores (MARTINS, PICOSQUE & GUERRA, 1998, p ). Pensando em uma formação docente em que o aluno consiga tomar decisões na prática pedagógica e na construção de sua poética pessoal, supõe-se que o professor de arte deva, também, produzir arte. Vivenciar o fazer artístico pode contribuir para a atuação na educação no sentido de criar soluções, investigar hipóteses e saber desenvolver conteúdos que utilizem as diferentes linguagens artísticas. Fernando Hernandez (2005, p.32) ressalta que o importante não é somente ensinar aos futuros professores métodos prontos para usarem na prática pedagógica, mas sim, estimulá-los a vivenciarem essas estratégias mediante a criação de situações de vivência, convivência e colaboração (...). O professor deve criar situações de aprendizagem que propiciem a ampliação e a compreensão da cultura e do mundo contemporâneo, levar para a sala de aula propostas de arte provocadoras que instiguem os alunos a pensar, a imaginar, a buscar soluções inovadoras. Uma formação docente que abriga a experiência do fazer, fruir e refletir sobre arte e fornece subsídios teóricos e práticos acerca da arte contemporânea auxilia os professores em formação a desenvolverem propostas para a prática pedagógica. No prefácio da obra Arte contemporânea: uma história concisa, de Michael Archer (2012), encontra-se a afirmação: Quem examinar com atenção a arte dos dias atuais será confrontado com uma desconcertante profusão de estilos, formas, práticas e programas. A partir do contexto em que está inserida, a obra de arte contemporânea ganha significado social, político, cultural ou pessoal. Até o início dos anos 60, ainda se pensava em arte como inserida em dois grandes tipos de categorias: pintura e escultura. No decorrer dos anos, com as colagens cubistas, a performance futurista, as criações dadaístas, as novas propostas de fotografia, que passaram a requisitar seu reconhecimento como expressão artística, esse sistema de classificação das artes caiu por terra (ARCHER, 2012). Na arte contemporânea, um campo expandido que recorre a inúmeras formas de suportes, técnicas, com diversificadas maneiras de recepcionar o espectador, encontramse produções nas modalidades: objetos, performances, vídeo arte, instalação, intervenção, happening. A concepção de belo na arte contemporânea tem um significado

6 diferente de harmonioso, distante do conceito que os alunos geralmente possuem sobre gosto e beleza. Pode estar na mensagem ou na experiência que o observador tem diante da obra. A qualidade estética dos trabalhos artísticos é deixada de lado, comenta Noemi Jaffe, no artigo De urubus e outros entortamentos: (...) um dos méritos da arte moderna e contemporânea foi relativizar e ampliar a ideia de belo. A lembrança que aparece diante da observação de uma obra ocorre como uma experiência singular e pode instigar pessoas que pertencem a um mesmo grupo social a apreender uma obra de arte de maneira diferente. O que conta é a experiência vivenciada por ocasião do contato com a arte, com objetos, que por sua vez, geram relações que se associam com experiências passadas. As referências pessoais, proveniente das experiências individuais e as referências culturais, geradas a partir do meio de convívio, fornecem os caminhos para poetizar, fruir e conhecer arte levando os indivíduos a construir sentidos significações que serão atribuídas ao que está sendo observado (MARTINS, PICOSQUE & GUERRA, 1998). A paisagem na arte foi escolhida para participar da criação dos trabalhos por ser um tema que oferece possibilidades diferentes de leitura e apreensão no decorrer da história da arte. A partir do século XVI, a paisagem passou a ser tratada na arte como um gênero independente, em uma época em que a igreja católica exercia forte influência na sociedade, (...) principalmente na Itália, as pinturas da época retratavam a nobreza e o clero e tinham a paisagem apenas como pano de fundo, sendo responsável mais pelo equilíbrio da composição do que como elementos simbólicos, (FERRAZ, 2013, p.5). Os artistas que pertenciam ao movimento Impressionista, interessados pela cor e pela luz, passaram a criar pinturas que apresentavam alterações da luz no decorrer do dia. Pierre Francastel (1990) observa que, a partir dos impressionistas, a pintura tornouse um instrumento novo de exploração do universo porque firmou um acordo entre os meios e as novas intenções. Através da pintura, a noção de real centrada no mundo voltou-se para a percepção mental. Christiane Schmidt nos remete ao encontro do Impressionismo lembrando-nos de que a motivação comum dos artistas desse movimento era redefinir a essência e a finalidade da pintura frente ao novo instrumento de representação mecânica da realidade, a fotografia. Sobre a predileção do tema fluvial pelos artistas impressionistas, Schmidt relata: (...) o tema fluvial exclui a estabilidade dos planos perspectivos e a iluminação fixa, que eram a base da perspectiva (2002, p.1). A metáfora que prevaleceu sobre representação visual, antes da invenção da fotografia, foi a ideia de janela. A pintura funcionava como uma espécie de janela para o mundo (SANTAELLA, 2007). O papel dessa função era espelhar a realidade através da representação. O que se entendia sobre representação da realidade, no século XIX e parte do século XX, estava vinculado à concepção de espelhamento, seja na literatura,

7 no cinema documental ou no teatro. Por meio da fotografia, inúmeras maneiras de ver o mundo eram mostradas às pessoas. Já nas pinturas, a natureza passou a ser apresentada de acordo com a vontade do artista, não atendendo mais a antiga função de retratar a natureza mimeticamente. O espaço, na tela, passou a ser valorizado como uma síntese pessoal do artista. Apropriando-se e modificando o que observavam na natureza, Caspar David Friedrich, William Turner, Paul Cézanne, Van Gogh, Pissaro, pintaram paisagens carregadas de valores simbólicos. Diante da paisagem, o artista observa, imagina e recria. Vincent Van Gogh mudou-se para Arles, sul da França, para pintar sob o sol do Mediterrâneo e aprofundar os estudos sobre cores. Para o artista, por meio das cores puras era possível representar emoções. Wanner (2010, p.107) relata que os elementos naturais são invisíveis na obra, pois existem apenas na comunhão entre artista e seu entorno durante seu processo criativo. Os surrealistas, por volta de 1920, inovaram a apreensão acerca da paisagem criando espaços que não possuem vínculos com a paisagem tradicional. Nas suas pinturas, aparecem planos sem a presença de figuras, horizontes longínquos e objetos que não são próprios de uma paisagem natural, e sim advindos de um espaço criado pelo subconsciente. Após a primeira Guerra Mundial, alguns artistas investiram em pintar cenas naturalistas, expressando a busca pela paz com a natureza. Na arte contemporânea, o que prevalece é a experiência do espectador diante da paisagem, longe da ideia de cópia mimética da natureza. O artista cria uma paisagem autônoma a partir de conteúdos interiores, a partir do relacionamento que mantém com a natureza. Até mesmo a escolha da técnica para se pintar uma paisagem é influenciada pelas impressões sentidas na observação da natureza. Traços, cores e formas devem sugerir sensações para quem cria e para quem contempla a obra. O conceito de paisagem na arte continuou a modificar-se de acordo com o surgimento de paisagens urbanas e das modificações dos espaços geográficos. Conforme as percepções foram sendo renovadas, a apreensão da natureza e os meios de expressão da paisagem também se alteraram. 2. Relato de experiência: três propostas para o ensino da arte contemporânea A intervenção Paisagem Horizontal, o trabalho de arte postal Paisagem de Encontros e a instalação Paisagem Retornável integram a pesquisa sobre formação de professores e a atuação na ação docente. São propostas que os alunos de licenciatura podem utilizar no Ensino Fundamental ou Médio. O objetivo do trabalho foi auxiliar na formação de apreciadores e futuros mediadores da arte: sujeito professor/formador. É preciso aprender a aprender a ensinar (COUTINHO in BARBOSA, 2003, p.153)

8 Diante da necessidade de instigar os alunos a produzirem e a pesquisarem sobre arte contemporânea, três propostas foram elaboradas seguindo algumas questões norteadoras já apresentadas neste estudo. O tema escolhido para a realização dos trabalhos foi a paisagem na arte contemporânea. Todas as propostas privilegiaram o poetizar, fruir e conhecer arte abordando, na sala de aula, conceitos acerca do gênero paisagem na história da arte e concepções sobre categorias artísticas que vão além da pintura e da escultura, como por exemplo, a instalação artística, a intervenção e a arte postal. As relações entre espaço, obra e visitante foram amplamente estudadas, visto que, nessas modalidades de arte, o espectador contribui no processo de criação da obra. 2.a. Paisagem Horizontal / Intervenção No desenvolvimento da proposta Paisagem Horizontal, abordaram-se temas relacionados à arte e à matemática, sobre repetições de padrões na arte, na natureza e na ciência, e à técnica do afresco, assunto estudado no tópico Renascimento, nas aulas de Arte e Estética na Comunicação. Com o objetivo de complementar a atividade estudou-se o tema da Paisagem na arte contemporânea. Foram utilizadas metodologias para favorecer os futuros professores a desenvolverem práticas pedagógicas e a vivenciarem a experiência estética. A árvore foi o tema escolhido para servir de padrão a ser repetido nas pinturas. Cada aluno criou uma peça com a imagem de uma árvore pintada em branco e preto, utilizando a técnica do afresco. A tinta utilizada foi o guache e o suporte foi um papelão resistente, descartável, adquirido em supermercados. O desafio estava em usar somente duas cores na pintura da árvore e fazer o trabalho rapidamente sobre o gesso ainda úmido (base do afresco). Alguns alunos se mostraram animados ao participaram da oficina, outros não gostaram e comentaram: - não vou conseguir porque preciso pintar rápido; - não vai ficar perfeito ; - não sei desenhar com rapidez; - é difícil usar somente duas cores; - trabalhos em branco e preto ficam feios. Durante a realização da oficina, foi dito aos alunos para não se preocuparem com acabamentos impecáveis. A importância estava no fato de que a pintura que faziam seria uma peça importante da intervenção. A Intervenção Paisagem Horizontal resultou em uma construção poética surgida a partir da aproximação de pinturas com imagens de árvores, fixadas lado a lado, no sentido horizontal. A Intervenção foi apresentada nos corredores da FAAT Faculdades, contendo trabalhos de 300 alunos, dos cursos de Artes Visuais, Publicidade e Propaganda, Relações Públicas e Jornalismo. Nem todos os alunos envolvidos pertenciam somente aos cursos de licenciaturas. Foi importante envolver os alunos de

9 Comunicação Social porque também estudaram Renascimento e repetições de padrões na arte. O objetivo em montar a Intervenção no interior da faculdade foi o de provocar algum tipo de transformação em um espaço ocupado por alunos de todos os cursos de graduação. Ao se redefinir a função da parede interna da faculdade, transformando-a em um espaço expositivo, os alunos interagiram com o universo da arte. No momento de registrar o resultado, ao fotografar a intervenção, um grupo de alunos fez alguns comentários apontando para as pinturas: - não sabe desenhar; - feio; - árvore torta; - exagerou na criatividade; árvore assim não existe, fato que reforça a ideia de que a arte precisa ser levada aos espaços públicos. Thistlewood ressalta que os alunos precisam ter acesso à arte contemporânea: Sejam quais forem as reações que as últimas manifestações da arte nos provoquem choque, prazer, repulsão, afeição, indiferença parto da consideração de que nós temos a responsabilidade de ensiná-las, para que nossos estudantes possam absorvê-las criticamente (THISTLEWOOD In BARBOSA, 2005, p.114). No momento da observação, o espectador pode fazer livres associações, criar metáforas, perceber que é possível se construir paisagens diferentes daquelas que, até então, ele tinha como modelo. 2.b Paisagem de Encontros / Arte Postal Na proposta de Arte Postal, os alunos fizeram interferências em cartões postais posteriormente enviados pelo correio. Para dar início à proposta de arte postal, foi feita a convocatória: Paisagem abrigo, desejada e rejeitada, de encontros e ausências, destruída ou reconstruída. O que vai acontecer com a paisagem? Uma paisagem, uma construção, outra paisagem. O trabalho foi desenvolvido com os alunos de pósgraduação em Educação Infantil, Pedagogia e Artes Visuais. A Arte Postal é uma obra coletiva, não existe um júri que seleciona as obras. Todas as pessoas podem participar, artistas ou não artistas, pessoas de todas as localidades do mundo podem trocar ideias contestadoras ou expressar opiniões (CAUQUELIN, 2005). A troca de cartões pelo correio facilita o encontro entre pessoas de culturas diferentes, grupos diversificados, pessoas com ideias criativas. Na arte postal, os participantes podem usar materiais e técnicas diversificadas. Não há restrições quanto ao processo de criação. Ao longo da história, os artistas utilizaram a arte postal como um instrumento de protesto contra a institucionalização e contra os circuitos expositivos convencionais da arte. Produziam obras em suportes difíceis de serem expostos em museus ou galerias (WOOD, et al., 1998). O objetivo da arte postal é prevalecer o processo de comunicação e dar ênfase ao conteúdo da mensagem, criado em texto e

10 imagem ou texto-imagem (FREIRE, 2006). A distância percorrida por meio do correio, o manuseio do cartão por diferentes pessoas e os selos que a arte recebe fazem parte do trabalho. No desenvolvimento da proposta Paisagem de Encontros prevaleceu a ideia de paisagem em construção, um lugar inventado, que iria se formar a partir da aproximação de cartões recebidos com interferências feitas pelos participantes, em texto, com imagem ou com texto-imagem. Os alunos da FAAT, artistas, crianças de escolas de Atibaia e de outras cidades, pessoas de locais distantes, receberam a convocatória, que serviu para instigar a imaginação, e cartões postais com fragmentos de uma imagem de paisagem. Finalizadas as interferências, os cartões foram devolvidos pelo correio. A afirmação de Milton Santos (1997) foi motivadora para a escolha da proposta. A paisagem nada tem de fixo, de imóvel. Cada vez que a sociedade passa por um processo de mudança, a economia, as relações sociais e políticas também mudam, em ritmos e intensidades variados. A mesma coisa acontece em relação ao espaço e à paisagem que se transforma para se adaptar às novas necessidades da sociedade (p. 37). Com a aproximação dos cartões surgiu uma construção poética de uma paisagem, com textos e imagens de lugares com conteúdos existenciais. A quebra da linearidade na apreensão das imagens apresenta ao observador uma variação de lugares, uma nova paisagem construída. A primeira exposição de arte postal foi realizada em Atibaia, no solar Manoel Jorge Ferraz, denominado Casa Júlia Ferraz, tombado pelo patrimônio histórico. Foram distribuídos cartões e recebidos de volta em torno de 400 cartões c Paisagem Retornável / Instalação A escolha da proposta Paisagem Retornável motivou os alunos por ser um tema que envolve arte e meio ambiente. O objetivo principal foi o de trabalhar com arte e educação ambiental, uma proposta que pode ser utilizada na educação básica. Todas as possibilidades de conscientização em torno da preservação de recursos naturais devem ser utilizadas como instrumento de educação ambiental, seja por meio da arte, do turismo, da educação. A paisagem é um atrativo importante no imaginário das pessoas, aparece como uma espécie de paraíso, (...) um local perfeito, edênico e distante de sua realidade (...) o local ideal e remoto, mas que agora pode ser re-encontrado por meio de uma experiência pessoal e única (VERNALHA In NEIMAN e RABINOVICI, 2010, p.280). Na realização da instalação Paisagem Retornável, procurou-se trabalhar com conteúdos que abordassem preservação do meio ambiente. Para montar a instalação, os alunos encaparam galhos de árvores encontrados ao acaso com revistas descartadas. 9

11 Esses galhos foram deslocados da vida cotidiana e inseridos no contexto da arte. A proposta foi a de criar, com os galhos re-significados, uma paisagem esteticamente bela, um lugar ideal, uma espécie de paraíso. A ideia foi formar uma nova paisagem utilizando os galhos secos que já haviam pertencido a uma paisagem natural (assim como usar revistas que também foram feitas a partir de árvores cortadas). A instalação Paisagem Retornável, de certo modo, devolveu os galhos ao seu lugar de origem: a paisagem. A Instalação artística é uma modalidade de arte que incorpora o espaço como parte integrante da obra. O local de montagem de uma Instalação torna-se um espaço sensorial que interage com quem entra esse lugar. O visitante adota uma atitude estética e interfere no processo criativo. No momento em que o espectador entra no interior de uma Instalação, local neutro, o mundo exterior não participa, a obra é isolada de tudo o que possa prejudicar sua apreciação de si mesma (O DOHERTY, 2002, p.3). A percepção e a relação estética entre a obra e o visitante acontecem de maneiras diferentes porque os indivíduos possuem repertórios cultural e histórico pessoais. A Instalação Paisagem Retornável foi montada no Centro de Convenções Victor Brecheret, em Atibaia, em uma exposição coletiva. As peças da instalação foram penduradas com fios de nylon, próximas ao teto de uma sala própria para exposições, com 5 m de largura por 4 m de profundidade, formando um segundo teto, uma cobertura de galhos de árvores. Algumas das peças foram posicionadas a 50 ou 80 cm do solo, de uma maneira diferente das que cobriam o teto, disputando o espaço com os visitantes. No espaço interno da obra, as pessoas interagiram mais de perto com as formas dispostas um pouco acima do solo. Ao entrar na instalação Paisagem Retornável, alunos de várias escolas manifestaram-se com opiniões positivas. Os visitantes gostaram da experiência, comentando que parecia uma floresta, um lugar de sonhos Conclusão Pelo exposto, conclui-se que os professores em formação precisam vivenciar situações de aprendizagem que os auxilie na organização de percursos educativos para utilizarem na prática docente. Auxiliar os professores em formação, por meio de propostas que possibilitem a proximidade desses educadores com os objetos artísticos, permitirá que construam novos conhecimentos e adquiram uma ampliação nos níveis de compreensão sobre arte. Com este estudo, percebeu-se que a formação docente deve ser um processo em construção que necessita de constante renovação do repertório artístico, teórico e prático, aspecto que pode ser conseguido por meio da interação do aluno com o campo da arte. Ao longo do desenvolvimento das propostas artísticas, observou-se que os 10

12 alunos do curso de Artes Visuais se envolveram com os trabalhos e mantiveram-se motivados, contribuindo por todo o tempo com reflexões e ideias inovadoras. Observou-se que a experiência vivida pelos grupos, professores e educadores em formação promoveu momentos de reflexões e discussões em torno do processo de formação de professores. Foram muitos os depoimentos positivos dos alunos sobre serem estimulados a produzir arte e aprenderem a tomar decisões no momento de interação com a linguagem artística. Todos concordaram que o estudo da arte contemporânea e dos conteúdos que abordaram o tema da paisagem na arte vai auxiliálos a definir caminhos para trabalharem com propostas na educação básica em consonância com um ensino que aborde os vários códigos da linguagem contemporânea e promova o encontro com as formas de arte da atualidade. BIBLIOGRAFIA 0772 ARCHER, Michael. Arte contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, CAUQUELIN, Anne. Arte contemporânea: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, COUTINHO, Rejane C. A formação de professor de arte. In: BARBOSA, Ana Mae. Inquietações e mudanças no ensino da arte. 2 a ed., São Paulo: Cortez, 2003, cap.13, p FERRAZ, Maíra K. Origem e utilizações do conceito de paisagem na geografia e nas artes. Reencuentro de saberes territoriales Latinoamericanos. IG, Unicamp, FRANCASTEL, Pierre. Pintura e sociedade. São Paulo: Martins Fontes, FREIRE, Cristina. Arte Conceitual. Rio de Janeiro: Zahar Ed., HERNANDEZ, Fernando. A construção da subjetividade docente como base para uma proposta de formação inicial de professores de Artes Visuais. In: OLIVEIRA, Marilda de O. & HERNANDEZ, Fernando (orgs). A formação do professor e o ensino das artes visuais. Ed. UFSM, p Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Artmed, JAFFE, Noemi. De urubus e outros entortamentos. Artigo. Folha de São Paulo, Tendências e debates, A3, 29 de setembro de MARTINS, Mirian Celeste. Aquecendo uma transforma-ação: atitudes e valores no ensino da Arte. In: BARBOSA, Ana Mae. Inquietações e mudanças no ensino da arte. 2 a ed., São Paulo: Cortez, 2003, cap.4, p MARTINS, PICOSQUE & GUERRA. A língua do mundo: poetizar, fruir e conhecer arte. São Paulo: FTD, MENEZES, Paulo. A trama das imagens: manifestos e pinturas no começo do século XX. São Paulo: EDUSP, O DOHERTY, Brian. No interior do cubo branco: a ideologia do espaço da arte. São Paulo: Martins Fontes, SANTAELLA, Lucia. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, SANTOS, Milton. Pensando o espaço do homem. 4.ed. São Paulo: Hucitec, SCHMIDT, Christiane. Do Impressionismo ao Pós-Impressionismo. Apostila do curso Arte e Ciências Exatas: pós-graduação, Unicamp, organizada por Christiane Schmidt. 11

13 Campinas, 3 pg. Item I: Discussão teórica sobre a fronteira entre arte figurativa e não representativa (informação apostilada), THISTLEWOOD, David. Arte contemporânea na educação, construção, des-construção, re-construção, reações dos estudantes britânicos e brasileiros ao contemporâneo. In: BARBOSA, Ana Mae. Arte/educação contemporânea; consonâncias internacionais. São Paulo: Cortez, 2005, cap.3, p VERNALHA, Maria Carolina R. & NEIMAN, Zysman. Potencial turístico no Brasil. In: NEIMAN & RABINOVICI (orgs). Turismo e meio ambiente no Brasil. São Paulo: Ed. Manole, 2010, p WANNER, Maria Celeste de A. Paisagens sígnicas: uma reflexão sobre as artes visuais contemporâneas. Salvador: EDUFBA, Disponível em: <https://desenvrepositorio.ufba.br/ri/bitstream/ /1047/1/paisagens%20signicas. pdf>. Acesso em maio de WOOD, Paul, FRASCINA, Francis, HARRIS, Jonathan & HARRISON, Charles. Modernismo em disputa: a arte desde os anos quarenta. São Paulo: Cosac & Naif,

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Rita de Cássia Demarchi Ao abraçar o campo de ensino e aprendizagem de arte é tomado como ponto de partida o princípio de que a arte é uma rica

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011 PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES 1 Diretrizes para o ensino de Arte 2011 1 Arte e legislação educacional: A inclusão da Arte no currículo escolar foi

Leia mais

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais.

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais. 4CCHLADAVPEX01 O ENSINO DE ARTES VISUAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALHANDRA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Cláudia Oliveira de Jesus (1); Adeílson França (1);

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Kátia Stocco Smole Mathema katia@mathema.com.br Patrícia Cândido Mathema patrícia@mathema.com.br Resumo: Este minicurso, proposto

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS

PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS CONSULTORIA PEDAGÓGICA: Prof. Dr. Lutiere Dalla Valle Professor da Universidade Federal de Santa Maria atua na formação de professores de artes visuais e artistas

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO Jéssica Dalla Corte¹ Márcia Moreno (Orientadora) ² Universidade Comunitária da Região de Chapecó-Unochapecó Resumo: Esta

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

2. O ENSINO DE ARTE NA REALIDADE BRASILEIRA

2. O ENSINO DE ARTE NA REALIDADE BRASILEIRA O ENSINO DAS ARTES EM SALA DE AULA NA REALIDADE BRASILEIRA 1 FERREIRA, C. Fernanda 2 ; PRETTO, Valdir 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Acadêmica do Curso de Pedagogia do Centro Universitário Franciscano

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE OBJETIVOS GERAIS Conhecimento da Arte enquanto auto expressão e conhecimento, apreensão e comunicação

Leia mais

O TRABALHO, PERCEPÇÕES A PARTIR DA PRÉ-HISTORIA E DA ANTIGUIDADE

O TRABALHO, PERCEPÇÕES A PARTIR DA PRÉ-HISTORIA E DA ANTIGUIDADE O TRABALHO, PERCEPÇÕES A PARTIR DA PRÉ-HISTORIA E DA ANTIGUIDADE ALESSANDRA GOMES PORTO MAGALHÃES EMEFEJA ADMARDO SERAFIM DE OLIVEIRA O Ensino da Arte tem passado por muitas modificações ao longo dos anos.

Leia mais

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu).

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu). 43 RELAÇÃO DE EMENTAS CURSO: ARTES VISUAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA: Artes Visuais I CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento

Leia mais

A REALIDADE DO ENSINO DA ARTE EM SALA DE AULA ENSINO FUNDAMENTAL XIV INIC / X EPG - UNIVAP 2011

A REALIDADE DO ENSINO DA ARTE EM SALA DE AULA ENSINO FUNDAMENTAL XIV INIC / X EPG - UNIVAP 2011 A REALIDADE DO ENSINO DA ARTE EM SALA DE AULA ENSINO FUNDAMENTAL XIV INIC / X EPG - UNIVAP 2011 Giovanna Pacheco 1 giovannapacheco2007@yahoo.com.br, Gizele Rabelo Ribeiro 2 gizaribeiro@gmail.com, Regiane

Leia mais

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que ARTE PRESENTE NA CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO: UM RELATO DE CASO 1 PONTES, Gilvânia Maurício Dias de (Mestranda PPGEd-UFRN/ Prof. do NEI-UFRN) PERNAMBUCO, Marta Maria Castanho Almeida (DEPED- CCSA-

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Wallace Matheus Torres Peres / UERJ w.matheustorres@bol.com.br Renan Caldas Galhardo Azevedo / UERJ renan.azevedo08@outlook.com INTRODUÇÃO O

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: INFORMÁTICA FORMA/GRAU:( X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Comunicação Relato de Experiência

Comunicação Relato de Experiência 1 A CARA DA GENTE... Teresa Cristina Melo da Silveira teca.ensinodearte@centershop.com.br Prefeitura Municipal de Uberlândia / Secretaria Municipal de Educação Comunicação Relato de Experiência A CARA

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

OS SIGNIFICADOS DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL OS SIGNIFICADOS DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gilvânia Maurício Dias de Pontes Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil O trabalho dos professores de Educação Infantil envolve estar atento a construção

Leia mais

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas Disciplina Prática de Ensino Ano letivo 2011 Série 3ª Carga Horária 72 H/aula Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Assim como curadores

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Arte e Educação - JP0029 PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II EMENTA A disciplina de Arte e

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte

CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte 1 CONCEPÇÕES DE ALUNOS DE PEDAGOGIA SOBRE O ENSINO DE ARTE AGUIAR, Maira Pêgo de UFES GE-01: Educação e Arte Este texto refere-se às reflexões iniciais sobre a temática de pesquisa no Doutorado do Programa

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA Rivaldo Bevenuto de Oliveira Neto Departamento de Artes UFRN RESUMO O ensino de Arte é a educação que oportuniza ao aluno o acesso à Arte

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 17032441 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Evolução das Artes Visuais II ETAPA 2ª Período

Leia mais

MEDIAÇÃO PARA EXPOSIÇÃO EM ARTE : UM CAMINHO TRILHADO EM CONTEXTOS CULTURAIS E SOCIAIS

MEDIAÇÃO PARA EXPOSIÇÃO EM ARTE : UM CAMINHO TRILHADO EM CONTEXTOS CULTURAIS E SOCIAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: CULTURA MEDIAÇÃO PARA EXPOSIÇÃO EM ARTE : UM CAMINHO TRILHADO EM CONTEXTOS CULTURAIS E SOCIAIS Apresentador/Autor: Ana Cláudia Bastiani 1 Ana

Leia mais

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 1 INTERPRETANDO TABELAS E CONSTRUINDO GRÁFICOS COM ALUNOS DO 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EDUARDO DE LUCAS PEREIRA (Faculdades Atibaia FAAT) KELI CRISTINA CONTI (Faculdade de Educação Universidade Estadual

Leia mais

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO Adriana D Agostino Relato de experiência Resumo A experiência apresentada foi realizada em 2013 no Colégio Salesiano Santa Teresinha a partir do material

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu?

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? é programa que visa ampliar as experiências culturais de estudantes, professores e comunidades por meio de ações educativas que envolvem visitas a espaços de preservação

Leia mais

ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE.

ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE. ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE. A Casa Tomada abre inscrições para a seleção de projetos da residência

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

Licenciatura em Espanhol

Licenciatura em Espanhol Licenciatura em Espanhol Rebeka Caroça Seixas A arte empregada no ensino da Língua Espanhola: Parte 02 A arte empregada no ensino da Língua Espanhola: Parte 02 Apresentação e Objetivos Caro(a) aluno(a),

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 SILVEIRA, Lidiane 2 ; LIMA, Graziela Escandiel de 3 1 Relato de experiência 2 Pedagoga, Especialista em Alfabetização, professora

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAD Código: EXPAE_ARTSPV_0 01 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Área: Artes (Plásticas e Visuais) Nome do bolsista: Maíla Valentim de Souza Produto: Exposição Artístico-Educacional

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III OBJETIVOS GERAIS Construção da autoimagem e desenvolvimento da autoestima; Reconhecimento e descoberta do próprio

Leia mais

Palavras chave: Arte Contemporânea; Criatividade; Educação Especial.

Palavras chave: Arte Contemporânea; Criatividade; Educação Especial. EDUCAÇÃO ESPECIAL: UM PROJETO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PIBID-UFRR Dayana Soares Araújo 1; Maria Nilda A. Lima 2 ; Josiney de Lima Laranjeira 3 1. Professora da UFRR, Coordenadora, PIBID UFRR. 2. Professora

Leia mais

Ateliê de artes para crianças: um trabalho em progresso

Ateliê de artes para crianças: um trabalho em progresso Maria Christina S.L. Rizzi e Sumaya Mattar Moraes Ateliê de artes para crianças: primeiros registros e reflexões de um trabalho em progresso O Ateliê de Artes para Crianças é um curso de extensão do Departamento

Leia mais

PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA

PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA Fábio Tavares da Silva, Graduando Centro de Artes da Universidade Regional do Cariri - URCA Fábio José Rodrigues da Costa, Doutor Centro de

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Resumo. As crianças desde o seu nascimento estão imersas em uma cultura para qual, inevitavelmente, terão

Leia mais

Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS. Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581

Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS. Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581 Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581 Lenivani S. Brandão RGM: 047438 Melissa F. Caramelo RGM: 049607 Sandra P.

Leia mais

Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção.

Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção. Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção. André Ricardo Magalhães* andrerm@gmail.com Geciara Carvalho* geciara@gmail.com Ivanise Gomes

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa T om i e O ht ak e Sem t í t ulo, 1992, s er ig r afi a F ot o: Fau st o F leur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que os alunos possam

Leia mais

Habilidades Específicas em Artes Visuais. Prova de História da Arte

Habilidades Específicas em Artes Visuais. Prova de História da Arte Habilidades Específicas em Artes Visuais Prova de História da Arte I. Analise as duas obras cujas reproduções foram fornecidas, comentando suas similaridades e diferenças no que se refere aos aspectos

Leia mais

ARTE: DA GALERIA À SALA DE AULA

ARTE: DA GALERIA À SALA DE AULA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) CULTURA ARTE: DA GALERIA À SALA DE AULA BASTIANI, Ana Claudia 1 ANDRADE JÚNIOR, Anselmo Rodrigues de 2 PAZ, Wilton 3 RESUMO Com o objetivo

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO "A peça". 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Em um dia de verão, os brinquedos aproveitam o sol

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França Os Impressionistas Episódio: Vincent Van Gogh Resumo Este vídeo, da série Os impressionistas, aborda a vida e obra do artista holandês Vincent Van Gogh. Autodidata, Van Gogh é um dos mais aclamados e mitificados

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

PAINEL ESTÁGIO SUPERVISIONADO - RELATO DE EXPERIÊNCIAS DA OFICINA DE ILUMINAÇÃO CÊNICA NO ORFANATO JESUS MARIA JOSÉ.

PAINEL ESTÁGIO SUPERVISIONADO - RELATO DE EXPERIÊNCIAS DA OFICINA DE ILUMINAÇÃO CÊNICA NO ORFANATO JESUS MARIA JOSÉ. PAINEL ESTÁGIO SUPERVISIONADO - RELATO DE EXPERIÊNCIAS DA OFICINA DE ILUMINAÇÃO CÊNICA NO ORFANATO JESUS MARIA JOSÉ. Francisco Orismidio Duarte da Silva Graduando Orientador Prof. Dr. Fabio José Rodrigues

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓDIGO UNIDADE 042 CÓD. CURSO CURSO 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL HAB: JORNALISMO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CHS TEORIA PRÁTICA ANO 340.3451.1 ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE 4ª 04 04 2/2009 OBJETIVOS Desenvolver

Leia mais

síntese dos projetos objetivo percursos percursos Ação educativa

síntese dos projetos objetivo percursos percursos Ação educativa percursos percursos Ação educativa INSTITUTO TOMIE OHTAKE síntese dos projetos Projetos especiais ProGrAmAs PermANeNtes exposições Prêmios PArA jovens ArtistAs PuBlicAçÕes objetivo Ação educativa Aproximar

Leia mais

FOTOGRAFIA: Uma experiência entre arte e vida

FOTOGRAFIA: Uma experiência entre arte e vida FOTOGRAFIA: Uma experiência entre arte e vida Mariete Taschetto Uberti 1 Resumo: A proposição deste ensaio originou-se de um projeto desenvolvido junto a uma turma de 7º ano, de uma Escola Rural de Ensino

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais