Conclusões Barcelona: o sucesso do espaço público na relação com equipamentos culturais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conclusões. 6.1. Barcelona: o sucesso do espaço público na relação com equipamentos culturais"

Transcrição

1 6

2 6. Conclusões 6.1. Barcelona: o sucesso do espaço público na relação com equipamentos culturais Na estruturação da Cidade contemporânea podemos considerar uma crescente valorização do espaço público, através do aumento da diversificação de usos e especificação tipos de espaço. Disso é exemplo o espaço público destinado a fins comerciais, o espaço associado ao poder administrativo e notoriamente, os espaços de lazer e paisagísticos como os parques, jardins e passeios. Mais recentemente, a vertente cultural tem ganho protagonismo o que justifica a massificação da Cultura nas nossas cidades como forma de regeneração urbana. A Cultura saiu do museu e ocupa passeios marítimos, fábricas, edifícios abandonados e também o espaço público. É a cultura que se expressa na rua, que é democrática e acessível a todos, que tem o verdadeiro poder de mudança através da contaminação da envolvente que propicia, criando novos núcleos dinamizadores da Cidade. Também em Barcelona essa vertente ganhou peso nas políticas urbanísticas dos últimos anos. Podemos constatar que, a nível local, a Cultura pode ter um grande impacto, nomeadamente no crescimento económico e na diversificação social, tal como se verifica na zona em estudo do Raval que continua também a ter cada vez mais espaços públicos associados à sua rede enquanto a sua área de influência cresce. A reflexão possibilitada por este trabalho permitiu tecer algumas considerações importantes alusivas à relação em estudo, nomeadamente no contexto de Barcelona, que vão servir de base às conclusões finais, e que se podem organizar nos seguintes pontos: I. A importância das estratégias urbanísticas com linhas de acção apoiadas no sector cultural na configuração da Barcelona actual, principalmente nos pontos onde se concentra um maior número de equipamentos culturais. Essa estratégia verifica-se a partir da década de noventa, com o aumento da competitividade entre as cidades e a necessidade de criar condições para criar uma imagem atractiva de Cidade. Em Barcelona assiste-se a um desenrolar rápido de iniciativas e grandes acontecimentos culturais que potenciam a criação dessas dinâmicas, sendo sempre resultantes de planos e estratégias para o desenvolvimento social, económico e, naturalmente, cultural da cidade 29. É através delas que podemos verificar a coerência de uma linha de desenvolvimento, mesmo com a variação das necessidades emergentes, que ambiciona o desenvolvimento económico, a coesão social e, mais recentemente, aproveita as novas tecnologias (decorrente da sociedade de comunicações emergente) como ferramenta para atingir esses objectivos A interligação entre iniciativas e planos é tão forte que acabou por dificultar a sequência e o encadeamento de ideias do capítulo correspondente.

3 O Espaço Público na inserção de novos Equipamentos Culturais 73 II. A importância dos equipamentos públicos na estruturação de Barcelona, nomeadamente os de apoio local, que tiveram grande expressão desde o final da ditadura e continuam a ser o ponto de contacto primário entre a administração e a comunidade. Embora não tenham sido abordados neste trabalho, é o sucesso dos pequenos equipamentos que vai sustentar e contribuir para a constituição dos equipamentos de maior escala. Mas o peso dos equipamentos no funcionamento de Barcelona deve-se ao carácter proactivo e participativo da população, que começa a renascer com apoio nas políticas de participação pública (e que tão fortemente marcou o urbanismo democrático que caracterizou o modelo dos anos oitenta). Nesta perspectiva só podemos esperar que os equipamentos públicos e, consequentemente também os espaços urbanos a eles associados, sejam cada vez mais utilizados. III. A importância do espaço público na relação com esses equipamentos. Não nos detendo na importância fulcral do espaço público em Barcelona, é relevante salientar que muito do espaço público intervencionado (ou criado) nos últimos anos na cidade é resultante da ligação a um equipamento. Vemos também que a abordagem a esses projectos se diferencia dos demais já que abre espaço para outras formas de desenhar o espaço e esses dois posicionamentos verificam-se nos dois casos de estudo deste trabalho. Dessas formas de concepção do espaço resulta a maior ou menor capacidade em responder às necessidades da sua comunidade e, consequentemente, com reflexos na sua intensidade de utilização. Sucintamente, esta é a razão que dita o sucesso ou insucesso de cada espaço, mas como o espaço público é um tema complexo e transversal a diversos campos, de seguida fundamentar-se-á esta afirmação Qualidade do espaço público ligado a equipamentos culturais - factores determinantes Como foi referido no início do quarto capítulo, o trabalho de análise do espaço foi feito não só neste trabalho que é referente a dois espaços em Barcelona - como no contexto da Dissertação de Mestrado em Arquitectura da autora, em relação a dois casos localizados em Lisboa (a Praça do Museu e o Jardim das Oliveiras no CCB). Fazendo um contraponto entre os dois trabalhos e, tendo em conta as diferenças de génese e contexto urbano de cada um, é possível identificar os pontos fortes e fracos mais comumente associados a este tipo de projecto. Considera-se que estes pontos estão ligados, principalmente, ao tipo de abordagem tido no desenho do espaço. Este desenho vai depender, por um lado, de uma abordagem mais contida, que procura ligar-se ao desenho tradicional do espaço público da cidade (ou, na falta de um, a características morfológicas e simbólicas do local) e, por outro lado, do desenho de espaços depurados onde a ausência de infra-estruturas se justifica em prol da adaptabilidade de usos e do desafogo da malha urbana. Quanto ao objectivo de compreender este tipo de espaços associados a entidades culturais, avaliar o seu uso, em relação com a qualidade de desenho e o seu impacto a nível físico e social na envolvente próxima, foi possível destacar três pontos principais que definem o seu sucesso. Tendo também em conta a diversidade que existe dentro do espectro de espaços públicos deste tipo, as conclusões seguintes acabam por estar ligadas às questões relativas à autonomia e valores do espaço público, colocadas no capítulo introdutório. Assim, considera-se que o sucesso do espaço público ligado a equipamentos

4 Conclusões Fig.80 A Plaça Joan Coromines (em cima) e o Jardim das Oliveiras (em baixo) culturais depende de: I. A capacidade do espaço se autonomizar da entidade que o gerou. O espaço que vale por si só, que as pessoas utilizam independentemente da presença da entidade cultural ou no contexto de uma actividade por ela desenvolvida, é aquele que presta um bom serviço à população, seja ela a sua comunidade próxima ou de outros pontos do mundo, contribuindo para a identidade e a integração social através dos usos e da apropriação que proporciona. Esse facto é particularmente visível no caso da Plaça Joan Coromines que, apesar de ser um espaço de difícil acesso, regista uma afluência significante ao longo do dia e uma grande diversidade de usos. Também em Lisboa no Jardim das Oliveiras, um espaço com a mesma variedade de elementos e ambientes (e igualmente de difícil acesso) se verifica essa afluência acrescida de um sentimento de descontracção e animação que é difícil de registar num trabalho desta natureza. Mas tanto no caso do Raval como no de Belém, a presença dos equipamentos encontra numa rede de Espaços Públicos gerados ou contaminados na sua vizinhança, um modo de estruturação da nova função urbana. 74 II. A sua capacidade de conceder serviços com valor acrescentado à comunidade em que se insere e que o utiliza. O potencial de transformação que um espaço deste tipo concede àquela envolvente vai-se reflectir no seu tecido económico, contribuindo ainda para a sua diversificação social e para o desencadear dos processos de gentrificação. Essa transformação é notória no bairro do Raval com a construção da Plaça dels Angels que, atraindo uma população mais jovem, veio a regenerar o tecido social envelhecido que aí existia assim como a estabelecer nova actividade comercial. Mas esses benefícios estão também ligados ao apoio à vida da comunidade em que se insere, com a disponibilização de espaços direccionados ao ócio e ao lazer, como ao intercâmbio de culturas e serviços necessários à sua experiência e à estrutura da Cidade. III. O posicionamento consciente dos actores na intervenção no espaço público. O espaço público pode ser considerado parte integrante de uma rede de serviços à escala urbana que extravasa o contexto

5 O Espaço Público na inserção de novos Equipamentos Culturais Fig.81 A Plaça dels Ángels (em cima) e a Praça do Museu (em baixo) 75 do edifício que o origina como elemento decisivo para a qualidade urbana. Como referido no capítulo de contextualização, a tendência actual ligada à Arquitectura de grandes equipamentos culturais desenvolve a vertente do edifício-objecto, procurando dar visibilidade à entidade cultural através de uma imagem forte e de contraposição às características arquitectónicas do ambiente em que se insere. Essa abordagem não deve ser transposta para a intervenção no espaço público próximo dos recintos para várias actividades lúdicas e culturais em função exclusiva de valorização do edifício, mas ao invés, deve potenciar o desenvolvimento do espaço da comunidade. Apoiando-nos em Nuno Portas quando afirma que a Arquitectura tem o seu caminho, mas não resolve o problema da Cidade 30, podemos acrescentar que o espaço público representa, no ciclo de vida da Cidade, um poderoso elemento de durabilidade e identidade. O Arquitecto e outros profissionais devem, portanto, trabalhar num plano colaborativo, consciente da diferença das abordagens ao edifício e ao espaço público dado que este último interage com todos os actores num contexto urbano específico duma rede de espaços públicos da Cidade. Em relação ao desenho do espaço é desejável que exista também a noção de que ele deverá ser capaz de garantir todas as condições que apoiem a sua vivência, não criar conflitos de uso e ser acessível a qualquer utilizador, independentemente das suas limitações. Verificou-se, como exemplo de pontos de projecto menos conseguidos, a utilização intensiva dos skaters na Plaça dels Àngels que impede outros tipos de vivência por parte da sua comunidade e, no caso da Praça do Museu em Lisboa, a sua subutilização nos meses de inverno ou quando não recebe alguma actividade do museu assim como a dificuldade de acessibilidade que constitui aos utilizadores com limitações motoras. Através de uma revisão de conceitos básicos, como são disso exemplo os parâmetros constantes deste trabalho, seria 30 Sérgio C. Andrade - Nuno Portas é a cidade portuguesa. Ípsilon [em linha] [consulta a ]. Disponível em <http:// ipsilon.publico.pt/artes/texto.aspx?id=301649>

6 Conclusões possível evitar problemas desta índole. Conhecemos hoje o poder da Cultura na Cidade e por isso o aumento e diversificação deste tipo de espaço público permitirá explorar novas potencialidades possibilitadas por essa ligação como por exemplo na sua gestão, libertando a administração pública dos encargos da sua manutenção, desde que exista de uma coordenação de forma a assegurar a orientação e integração desses espaços nos objectivos da Cidade e no serviço à comunidade. Por fim, é necessário fazer uma referência às metodologias de avaliação da qualidade do espaço público. Neste âmbito procuraramse ferramentas que permitissem avaliar essa qualidade em várias perspectivas para além das relativas à forma. Constatou-se que, embora a avaliação do espaço público seja essencial para diagnosticar problemas e saber antevê-los, existe alguma deficiência no campo científico nesse aspecto. Constataram-se alguns condicionamentos que advêm do facto de se trabalhar com conceitos muito abrangentes, com alguma ambiguidade nos critérios e valores, muitas vezes intangíveis e factores ou indicadores dificilmente mensuráveis na caracterização do espaço (como são os conceitos de Identidade, Continuidade, Permeabilidade). Além de tornarem a sua abordagem pouco assertiva num estudo que se pretendia sistemático, esses critérios dificultaram a separação de cada aspecto no discurso, obrigando a assumir em demasia a subjectividade da análise. Este facto é compreensível, dado que o espaço público é composto por várias dimensões de informação que se cruzam e sobrepõe, diferindo de contexto para contexto e, por isso, na sua caracterização acaba sempre por haver uma inter-relação entre parâmetros de diversa natureza. Ainda assim, considera-se que a metodologia utilizada trás resultados bastante satisfatórios já que possibilita uma reflexão mais estruturada sobre as componentes de cada espaço, permitindo a identificação dos seus pontos fortes e fragilidades, numa leitura global na qual em particular sublinhamos a pertinência do carácter público do espaço, através dos seus elementos de serviço à comunidade. Assim, no âmbito deste trabalho final que se realiza no contexto do Mestrado em Desenho Urbano, ressalva-se a importância de um olhar mais atento pela nossa parte, enquanto agentes urbanos, em relação à forma como encaramos os projectos, nomeadamente aqueles que pelo seu carácter público inferem directamente na vida social e económica de uma comunidade. Mas isso só é possível se contarmos com a colaboração das pessoas que vivem a cidade, de forma a que elas nos ajudem a verificar o caminho que, todos juntos, queremos que a cidade tome. Assim, só através da colaboração informada e activa entre administração pública, entidades privadas, arquitectos, outros agentes especializados e da comunidade seremos capazes de dar melhor resposta às necessidades sempre diferentes de uma sociedade em evolução. A la ciutat, el primer són els carrers i les places, els espais collectius, després vindran els edificis i les vies. L espai públic defineix la qualitat de vida de la gent i la qualitat de la ciutat, perquè indica la qualitat de vida de la gent i la qualitat de la ciutadania dels seus habitants Borja (2009) op.cit., p.121

7 Bibliografia e Índices

8 Bibliografia Bibliografia específica Cidade, Espaço Público e Equipamentos Públicos BASSAND, Michel. Vivre et Créer l Espace Public. Lausanne; Science, Technique, Société, 2001 BENEVOLO, Leonardo. La Città Nella Storia D Europa (versão consultada A Cidade na História da Europa. Lisboa; Editorial Presença, 1995) BENEVOLO, Leonardo. La Città e l Architetto (versão consultada A Cidade e o Arquitecto. Lisboa; Edições 70, 2006) BOHIGAS, Oriol. Contra la Incontinència Urbana. Reconsideració Moral de l Arquitectura de la Ciutat. Barcelona; Diputació de Barcelona, 2004 BORJA, Jordi; MUXÍ, Zaida. L Espai Públic: Ciutat i Ciutadania (versão consultada El Espacio Público: Ciudad y Ciudadanía. Barcelona; Diputació de Barcelona, 2003) 78 BORTHAGARAY, Andrés (coord.) Conquistar a Rua! Compartilhar sem dividir. São Paulo; Romano Guerra, 2010 BRANDÃO, Pedro. O Sentido da Cidade - ensaios sobre o mito da Imagem como Arquitectura. Lisboa; Livros Horizonte, 2011 BRANDÃO, Pedro; REMESAR, Antoni. Design de Espaço Público: deslocação e proximidade. Lisboa; Centro Português do Design, 2003 CARMONA, Matthew; HEATH, Tim; OC, Taner; TIESDEL, Steve. Public Spaces Urban Spaces The Dimensions of Urban Design. Elsevier Science & Technology, 2003 GEHL, Jan. Life Between Buildings (versão consultada La Humanización del Espacio Urbano, La Vida Social Entre los Edificios. Barcelona; Editorial Reverté, 2006) GEHL, Jan; GEMZØE, Lars. New City Spaces (versão consultada Novos Espaços Urbanos. Barcelona; Editorial Gustavo Gili, 2002) GONÇALVES, Jorge M. Os Espaços Públicos na Reconfiguração Física e Social da Cidade. Lisboa; Universidade Lusíada Editora, 2006 HALL, Edward T. The Hidden Dimension (versão consultada A Dimensão Oculta. Lisboa; Relógio d Água 1986) JACOBS, Jane. The Death and Life of Great American Cities. Harmondsworth; Penguin, 1961

9 O Espaço Público na inserção de novos Equipamentos Culturais LAMPUGNANI, Vittorio M.; SACHS, Angeli (coord.). Museus Para o Novo Milénio. Conceitos, Projectos, Edifícios. Munique; Prestel, 1999 LORENTE, Jesús Pedro. The Role of Museums and the Arts in the Urban Regeneration of Liverpool. Leicester; Centre for Urban History. University of Leicester, 1996 LORENTE, Jesús Pedro (coord.). Espacios de Arte Contemporáneo Generadores de Revitalización Urbana. Saragoça; Departamento de Historia da Arte da Univesidade de Saragoça, 1997 LYNCH, Kevin. The Image of the City (versão consultada A Imagem da Cidade. Lisboa; Edições 70, 2008), 1960 LYNCH, Kevin. Good City Form (versão consultada A Boa Forma da Cidade. Lisboa; Edições 70, 2007) RELPH, Edward. Modern Urban Landscape (versão consultada A Paisagem Urbana Moderna. Lisboa; Edições 70, 1990) ROSSI, Aldo. L architettura della Città (versão consultada La Arquitectura de la Ciudad. Barcelona; Gustavo Gili, 1992) Casos de Estudo 79 AJUNTAMENT DE BARCELONA. Plans i projectes per a Barcelona Barcelona; Ajuntament de Barcelona, 1983 BOHIGAS, Oriol. Reconstrucció de Barcelona. Barcelona; Edicions 62, 1985 BORJA, Jordi. Barcelona. Un Modelo de Transformación Urbana. Quito; Programa de Gestión Urbana, 1985 BORJA, Jordi. Llums I Ombres de L Urbanisme de Barcelona. Barcelona; Editorial Empúries, 2010 BRANDÃO, Pedro. Notas Sobre Espaço Público e Design Urbano em Lisboa, com Referências a Barcelona e ao Nascimento de um Novo Mundo in Brandão,P. (coord.) Espaço Público e a Interdisciplinaridade [suporte electrónico], Lisboa: Centro português do Design, 2000 CAPEL SÁEZ, Horácio. El Modelo Barcelona: un examen crítico. Barcelona; Ediciones del Serbal, 2005 CENTRE DE CULTURA CONTEMPORÀNIA DE BARCELONA. Memòria L any inaugural. Barcelona; CCCB, 1995 CENTRE DE CULTURA CONTEMPORÀNIA DE BARCELONA. Memòria Ciutat i creació. Barcelona; CCCB, 1996 ESTEBAN, Juli Urbanisme a Barcelona. Barcelona; Ajuntament de Barcelona, 1999 GENERALITAT DE CATALUNYA Política Cultural Cataluña. Barcelona; Generalitat de Catalunya. Departament de Cultura i Mitjans de Comunicació, 2010 MARSHAL, Tim. Transforming Barcelona. Nova Iorque; Routledge, 2004

10 Bibliografia MASSANÉS, Pere Cabrera (coord.). Ciutat Vella de Barcelona. Memòria d un Procés Urbà. Barcelona; Ajuntament de Barcelona, 2007 MEIER, Richard. Richard Meier: Museu d Art Contemporani de Barcelona MACBA. Barcelona; Ediciones Poligrafa, 2010 MUSEU D ART CONTEMPORÀNI DE BARCELONA. Memória MACBA. El museu pren forma. Barcelona; MACBA, 1996 NEVES, António O. Planeamento Estratégico e Ciclo de Vida das Grandes Cidades. Os Exemplos de Lisboa e Barcelona. Oeiras; Celta Editora, 1996 Metodologia de Análise ALVES, Fernando. Avaliação da Qualidade do Espaço Público Urbano - Proposta metodológica. Lisboa; Fundação Calouste Gulbenkian, 2003 BRANDÃO, Pedro. O Chão da Cidade Guia de Avaliação do Design do Espaço Público. Lisboa; Centro Português do Design, 2002 BRANDÃO, Pedro. A identidade dos lugares e a sua representação colectiva Bases de orientação para a concepção, qualificação e gestão do espaço público. Lisboa; DGOTDU, 2008 HANSON, Julienne; HILLIER, Bill. The Social Logic of Space. Cambridge; Cambridge University Press, REMESAR; Antoni (Coord.). Do Projecto ao Objecto. Manual de Boas Práticas de Mobiliário Urbano em Centros Históricos. Lisboa; Centro Português do Design, 2006 SILVANO, Filomena. Antropologia do espaço: uma introdução. Oeiras; Celta, 2002 WHYTE, William. The Social Life of Small Urban Spaces. Nova Iorque; Project for Public Spaces, 2001

11 O Espaço Público na inserção de novos Equipamentos Culturais Bibliografia Virtual Artigos e Documentos ICUB. Pla strategic del sector cultural de Barcelona [em linha, acesso livre], Barcelona; Institut de Cultura de Barcelona, <http://www.bcn.es/plaestrategicdecultura/pdf/pla_estrategic_1999.pdf> [22 de Novembro de 2011] MAGRINYÀ, Francesc; MAZA, Gaspar. Inmigración y Huecos en el Centro Histórico de Barcelona ( ) [em linha, acesso livre], <http://www.ub.es/geocrit/sn htm> [30 de Novembro de 2011] TELLO, Rosa. Plano Estratégico de Barcelona. Do Balanço ao Novo Plano. [em linha, acesso livre], < [13 de Fevereiro de 2012] Páginas Web ANDRADE, Sérgio C. Nuno Portas é a cidade portuguesa. Ípsilon [em linha]. <http://ipsilon. publico.pt/artes/texto.aspx?id=301649> [9 de Março de 2012]. 81 Districte de la innovació. [em linha]. <http://www.22barcelona.com> [12 de Fevereiro de 2012] Museu d Art Contemporani de Barcelona [em linha]. <http://www.macba.cat> [29 de Janeiro de 2011] Project for Public Spaces [em linha]. < [13 de Janeiro de 2011] Web d Art Públic Ajuntament de Barcelona [em linha]. <http://w10.bcn.cat/apps/gmocataleg_ monum/cambiaidiomaac.do?idioma=ca&pagina=welcome> [12 de Março de 2012]

12 Bibliografia 82

13 O Espaço Público na inserção de novos Equipamentos Culturais Índice Analítico Num 22, 25, 26 Conforto 3, 8, 5, 42, 43, 44, 56, 59, 64 Continuidade 3, 7, 55, 64, A Acessibilidade 9, 33, 38, 42, 43, 53, 55, 56, 63, 64, 65, 75, Acontecimentos Culturais 27, 36, 72 Adaptabilidade 39, 50, 56, 65, 73 Ajuntament de Barcelona 24, 31, 32, 48, 51, 52 Aprazibilidade 38, 56, 64 Areas de Nova Centralidade 24 Avaliação da Qualidade do Espaço Público 3, 4, 5, 6, 36, 37, 41, 44, 45, 54, 57, 60, 62, 63, 66, 68, 76 B Barcelona 3, 4, 6, 13, 14, 15, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 27, 28, 31, 38, 39, 48, 59, 51, 56, 58, 72, 73 Belém 36, 74 Biblioteca 2, 23, 28, 31, C Catalunha 28 CCCB 3, 15, 27, 28, 31, 32, 33, 51, 52, 53, 63, 64, 65, 67 Centro Cívico 23, 25, 28, 31 Centro Cultural 2, 25 D Del Liceu al Seminári 27, 28, 31 Diversidade 21, 25, 39, 41, 56, 65, 73, 74 E Equipamento 2, 3, 5, 9, 10, 11, 22, 23, 24, 25, 27, 28, 31, 32, 39, 49, 50, 51, 58, 64 Equipamento Cultural 2, 4, 3, 5, 8, 14, 15, 24, 27, 28, 30, 58, 72, 75 Espaço Público 2, 3, 4, 5, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 17, 20, 21, 22, 23, 25, 27, 28, 29, 30, 33, 36, 37, 38, 39, 40, 41, 42, 43, 44, 51, 57, 58, 63, 66, 67, 72, 73, 74, 75, 76, 77 F Físico 4, 5, 6, 20, 23, 32, 36, 36, 43, 52, 73 Fluxos 41, 42, 43, 45, 48, 58, 61, 69, 70 Forum Universal de les Cultures , 25, 26 I Identidade 2, 3, 14, 21, 32, 37, 42, 54, 63, 74, 75, 76 Institut de Cultura de Barcelona 24

14 Índice Analítico J Jogos Olímpicos de , 22, 27, Plaça Joan Coromines 3, 33, 48, 50, 51, 52, 54, 56, 58, 60, 62, 63, 64, 66, 68, 70, 74 Plan Especial de Reforma Interior (PERI) 31, 51 L Legibilidade 37, 55, 64 Lisboa 9, 12, 15, 36, 73, 74, 75 R Raval 24, 28, 30, 31, 32, 33, 50, 52, 54, 56, 65, 74 Resistência 38, 40, 41, 44, 57, 66, M MACBA 3, 27, 28, 30, 31, 32, 33, 48, 49, 50, 51, 53, 58, 64, Metodologia 3, 5, 6, 36, 37, 76 Mobilidade 38, 42, 56, 64, 65 Modelo Barcelona 3, 4, 10, 20, 21, 22, 23, 32, Museu 2, 15, 16, 17, 27, 28, 30, 31, 32, 33, 44, 48, 49, 51, 53, 54, 58, 62, 63, 64, 65, 68, 69, 72, 73, 75 P Permeabilidade 37, 38, 55, 56, 64, 76 Pla d Equipaments Culturals de Catalunya 28 Pla de Biblioteques de Barcelona 28 Pla de Museus 28 Pla Estratègic Barcelona 24 Pla Estratègic Cultural 24, 25 Pla General Metropolità 22 Plaça dels Àngels 3, 27, 31, 33, 34, 48, 50, 53, 54, 63, 64, 67, 69, 74, 75 S Segurança 8, 13, 23, 38, 40, 42, 43, 52, 55, 56, 59, 62, 64, Serviço (Público) 2, 3, 5, 8, 10, 13, 24, 27, 28, 39, 41, 43, 74, 76 Sistema (ou Rede de Espaços Públicos) 3, 5, 34, 55, 63, 64, Social 2, 3, 4, 5, 6, 14, 20, 21, 22, 23, 25, 28, 31, 32, 36, 39, 41, 44, 45, 52, 56, 60, 65, 68, 70, 72, 73, 74, 76 Sustentabilidade 40, 41, 57, 66 U Uso 2, 3, 4, 5, 9, 10, 12, 14, 16, 21, 22, 23, 27, 38, 39, 40, 42, 44, 45, 50, 54, 56, 57, 58, 60, 62, 63, 65, 66, 68, 72, 73, 74 84

15 O Espaço Público na inserção de novos Equipamentos Culturais Índice de Figuras Figura 2. Espaço privado adquire carácter público - Interface da Gare do Oriente em Lisboa 9 Fonte: Figura 3. Espaço privado adquire carácter público - Interstício no Alto dos Moinhos em Lisboa 9 Fonte: Figura 4. A Ágora grega - equipamentos de apoio e espaço público na estruturação das primeiras cidades 10 Fonte: Figura 5. Siena (centro histórico) - o adro da igreja na estruturação da Cidade Medieval 11 Fonte: Figura 6. Praça do Capitólio - O desenho cuidado do espaço público na Cidade Renascentista 11 Fonte: 85 Figura 7. Praça dos Três Poderes em Brasília - um dos bons exemplos de espaço público no Mov. Moderno 11 Fonte: Figura 1. Nuremberga no séc. XIII - o carácter estruturante do espaço público 8 Fonte: Chipps-Smith/8 Figura 8. High Line em Nova iorque - adaptação para espaço público de linha de comboio desactivada 12 Fonte: Figura 9. Av. Duque d Àvila em Lisboa recuperada como eixo pedonal de lazer e de comércio 12 Fonte: Figura 10. Jardins Antoni Puigvert em Barcelona - reaproveitamento de um interior de quarteirão 13 Fonte: Figura 11. Jardins Montserrat Roig Barcelona - reaproveitamento de um interior de quarteirão 13 Fonte: Figura 12. Rambla de la Mina em Barcelona - projecto desenvolvido com a participação da comunidade 13 Fonte: Figura 13. Neue Nationalgalerie aquando da sua inauguração em Fonte: Figura 14. Museu Guggenheim de Nova Iorque (1959) 15 Fonte: Figura 15. Centre Georges Pompidou - praça fronteiriça 16 Fonte:

16 Índice de Figuras Figura 16. Centre Georges Pompidou em Paris (1974) - inserção do edifício por oposição no núcleo histórico 16 Fonte: Figura 17. Tate Modern em Londres (2000) - inserção do edifício. 16 (com recurso a imagem obtida através do Bing Maps) Figura 18. Tate Modern - o espaço verde exterior 16 Fonte: Figura 19. Museu Guggenheim de Bilbau (1997) - espaço exterior 17 Fonte: Figura 20. Museu Guggenheim de Bilbau - inserção na malha tradicional 17 (com recurso a imagem obtida através do Bing Maps) Figura 21. Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia em Madrid (1986)- nova praça integrada na ampliação de Fonte: Figura 22. Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia - implantação e nova ampliação 17 (com recurso a imagem obtida através do Bing Maps) Figura 23. Fossar de les Moreres 21 Fonte: 86 Figura 24. Plaça de la Mercé 21 Fonte: Figura 25. Jardins Casa Bloc - Obra do GATCPAC 22 Fonte: Autora, 2010 Figura 26. O anel Olímpico de Montjüic no contexto dos Jogos Olímpicos 22 Fonte: Figura 27. Passeig Marítim renovado no contexto dos Jogos Olímpicos 22 Fonte: Figura 28. Rambla Brasil/ Gran Via de Carles III 23 Fonte: Figura 29. Via Favência 23 Fonte: Autora, 2011 Figura 30. Barcelona - Localização de espaços expositivos 25 Fonte: ESTEBAN, Juli,1999. Urbanisme a Barcelona. Barcelona; Ajuntament de Barcelona, 1999, p.134

17 O Espaço Público na inserção de novos Equipamentos Culturais Figura 31. Barcelona - Localização de espaços de lazer 25 Fonte: ESTEBAN, Juli,1999. Urbanisme a Barcelona. Barcelona; Ajuntament de Barcelona, 1999, p.134 Figura Planta de condicionantes e usos 25 Fonte: Figura 33. Fórum/ Diagonal Mar - Frente marítima requalificada com o Forúm Universal de les Culturas Fonte: Figura 34. Vista aérea do Poblenou e zona afecta ao 26 Fonte: Figura 35. Plano Del Liceu al Seminari 27 Fonte: AJUNTAMENT DE BARCELONA, Plans i projectes per a Barcelona Barcelona; Ajuntament de Barcelona, p. 121 Figura 36. Principais focos de relação equipamento cultural - espaço público 30 (com recurso a imagem obtida através do Google Earth) Figura 37. Raval - Localização dos equipamentos e praças em estudo 32 (com recurso a imagem obtida através do Google Earth) Figura 38. Área do Convent dels Angels antes da construção dos museus 33 Fonte: 87 Figura 39. MACBA e CCCB - Os edifícios e as praças em estudo. 33 (com recurso a imagem obtida através do Bing Maps) Figura 40. Sistema de espaços públicos da área de inserção dos casos de estudo 34 (com recurso a imagem obtida através do Google Earth) Figura 41. Port Vell, Barcelona 38 Figura 42. Plaça de Sant Jaume, Barcelona 39 Fonte: Débora Martins, 2011 Figura 43. Parc dels Auditoris, Barcelona 40 Fonte: Débora Martins, 2011 Figura 44. Praia da Barceloneta, Barcelona 42 Fonte: Figura 45. Cruzamento Carrer de Provença/ Pg. de Gràcia, Barcelona 44 Fonte: Débora Martins, 2011 Figura 46. Plaça dels Àngels na actualidade 46

18 Índice de Figuras Figura 47. Planta de inserção do MACBA no território 49 (com recurso a imagem obtida através do Google Earth) Figura 48. MACBA - Axonometria de inserção do museu e nova praça 49 Fonte: Figura 49. MACBA - contraste com a envolvente 49 Fonte: Autora, 2011 Figura 50. Praça na inauguração do MACBA em Fonte: MUSEU D ART CONTEMPORÀNI DE BARCELONA, Memória MACBA. El museu pren forma. Barcelona; MACBA, 1996 Figura 51. Convent dels Àngels em Fonte: Figura 52. Plaça Joan Coromines na actualidade 51 Fonte: Autora, 2011 Figura 53. Plaça Joan Coromines em (com recurso a imagem obtida através do Google Earth) Figura 54. Plaça Joan Coromines em (com recurso a imagem obtida através do Google Earth) Figura 55. Sinais de apropriação do espaço - novas formas de uso Figura 56. Ligações pedonais entre o sistema de espaços públicos e as principais vias da cidade 55 (com recurso a imagem obtida através do Google Earth) Figura 57. Planta de acessibilidade no espaço e limitações 56 Figura 58. O esvaziamento da praça pelos skaters motivado pela presença da polícia 56 Fonte: Autora, 2011 Figura 59. Festas de La Mercé em Fonte: Josep Avilés. Todos os direitos reservados. Figura 60. Feira do Livro em Fonte: Autora, 2010 Figura 61. Elementos de expressão artística no espaço - La Ola (em cima) e o mural de Chilida (em baixo) 57 Fonte: Autora, 2011 Figura 62. Vista próxima das lajes do pavimento 57 Fonte: Autora, 2011

19 O Espaço Público na inserção de novos Equipamentos Culturais Figura 63. A adaptação do grande muro ao uso de banco 57 Fonte: Autora, 2011 Figura 64. Vista nocturna da praça - o sistema de iluminação 58 Fonte: Autora 2012 Figura 65. O alinhamento dos elementos de infra-estruturas e iluminação - vista de Este (em cima) e vista de Oeste (em baixo) 59 Figura 66. Principais tipos de uso e grupos etários a utilizar o espaço - os skaters, a comunidade, os jovens e os sem-abrigo 60 Fonte: Autora, 2012 Figura 67. Localização das actividades principais (sentar, parar) - manhã (em cima) e tarde (em baixo) 61 Figura 68. Identificação de fluxos e zonas de maior movimentação dentro do espaço 61 Figura 69. Faixa de fluxo principal Figura 70. Utilização e apropriação do espaço 63 Fonte: Figura 71. Os três principais acessos ao espaço - a ligação visual pela entrada do MACBA (em cima), a conexão pela entrada do CCCB (ao centro) e a ligação a Este com um dos portões fechado (em baixo). 64 Figura 72. A rampa de pendente suave na ligação entre níveis (em cima) e planta de acessibilidade no espaço e limitações (em baixo) 65 Figura 73. A adaptabilidade do espaço durante as festas de La Mercé em 2008 (em cima) e no BAM em 2010 (em baixo) 65 Fonte: https://pt.foursquare.com/v/plaça-joan-coromines/4c9bcd39542b224b94d0da9f Figura 74. O alinhamento dos elementos de mobiliário, infra-estruturas e iluminação 66 Figura 75. O desgaste provocado pelo skateboarding (em cima), detalhe das lajes do pavimento (ao centro) e um banco e papeleiras tipo (em baixo) 66 Fonte: Autora, 2011 Figura 76. Vista parcial nocturna da praça - o sistema de iluminação 67 Fonte: Carlos Cazurro. Todos os direitos reservados.

20 Índice de Tabelas Figura 77. Principais tipos de uso e grupos etários a utilizar o espaço - os visitantes dos museus, a comunidade a passear os cães, os jovens da faculdade 68 Figura 78. Localização das actividades principais (sentar, parar) - manhã (em cima) e tarde (em baixo). Ao lado, a identificação dos principais fluxos e zonas de maior movimentação dentro do espaço 69 Figura 79. Faixas de fluxos principais 70 Figura 80. A Plaça Joan Coromines (em cima) e o Jardim das Oliveiras (em baixo) 74 Fonte: Autora, 2011 Figura 81. A Plaça dels Ángels (em cima) e a Praça do Museu (em baixo) 75 Fonte: Autora, 2011 Capa e Contracapa Índice de Tabelas 90 Tabela 1. Barcelona - Edifícios adaptados para funções culturais e área de espaço público afectada 29 Tabela 2. Barcelona - Edifícios culturais e área de espaço público afectada 29 Índice de Gráficos Gráfico 1. Actividades principais do espaço (número de pessoas médio por período) 60 Gráfico 2. Usos específicos do espaço (número de pessoas médio por período) 60 Gráfico 3. Actividades principais do espaço (número de pessoas médio por período) 68 Gráfico 4. Usos específicos do espaço (número de pessoas médio por período) 68

O ESPAÇO PÚBLICO NA RELAÇÃO COM EQUIPAMENTOS CULTURAIS

O ESPAÇO PÚBLICO NA RELAÇÃO COM EQUIPAMENTOS CULTURAIS O ESPAÇO PÚBLICO NA RELAÇÃO COM EQUIPAMENTOS CULTURAIS OS CASOS DE LISBOA E BARCELONA Mariana Geraldes Pires Aires Silva Dissertação para obtenção de Grau de Mestre em ARQUITECTURA Júri Presidente: Prof.ª

Leia mais

O MODELO BARCELONA DE ESPAÇO PÚBLICO E DESENHO URBANO. O Espaço Público na inserção de novos Equipamentos Culturais

O MODELO BARCELONA DE ESPAÇO PÚBLICO E DESENHO URBANO. O Espaço Público na inserção de novos Equipamentos Culturais Facultat de Belles Arts Master Oficial en Disseny Urbà: Art, Ciutat, Societat O MODELO BARCELONA DE ESPAÇO PÚBLICO E DESENHO URBANO O Espaço Público na inserção de novos Equipamentos Culturais O caso da

Leia mais

ESPAÇO PÚBLICO, VIDA PÚBLICA

ESPAÇO PÚBLICO, VIDA PÚBLICA ESPAÇO PÚBLICO, VIDA PÚBLICA o caso do Parque das Nações Francisco Manuel Camarinhas Serdoura (Professor Doutor) tópicos da aula apresentação de objectivos 01 breve enquadramento teórico caracterização

Leia mais

O Interface de Transportes

O Interface de Transportes O Interface de Transportes Tipologias de funcionamento e morfologia espacial - aplicação ao projecto Resumo Alargado Inês Isabel do Nascimento Piedade Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura

Leia mais

What We re Doing For Cycling no município do Seixal

What We re Doing For Cycling no município do Seixal What We re Doing For Cycling no município do Seixal SEIXAL Seixal: 94 km2 158 269 habitantes 94 600 empregados e estudantes 47 800 ficam no concelho (50%) Seixal: 94 km2 158 269 habitantes 94 600 empregados

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Avaliação Ambiental Estratégica Recomendações para a integração e apreciação da Componente Saúde Humana nos Planos Municipais de Ordenamento do Território Nº: 36/DA DATA:09.10.09 Para: Contacto

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DE REGENERAÇÃO DA CIDADE DE ÁGUEDA REGENERAÇÃO URBANA DA CIDADE DE ÁGUEDA OS PROJECTOS QUE VÃO MARCAR A TRANSFORMAÇÃO DA CIDADE

PROGRAMA INTEGRADO DE REGENERAÇÃO DA CIDADE DE ÁGUEDA REGENERAÇÃO URBANA DA CIDADE DE ÁGUEDA OS PROJECTOS QUE VÃO MARCAR A TRANSFORMAÇÃO DA CIDADE PROGRAMA INTEGRADO DE REGENERAÇÃO DA CIDADE DE ÁGUEDA REGENERAÇÃO URBANA DA CIDADE DE ÁGUEDA OS PROJECTOS QUE VÃO MARCAR A TRANSFORMAÇÃO DA CIDADE ÁGUEDA: A INDÚSTRIA E A CIDADE AO SERVIÇO DA INOVAÇÃO

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Fernando Nunes da Silva. Mobilidade e Acessibilidade Dois conceitos complementares para a regeneração dos centros urbanos

Fernando Nunes da Silva. Mobilidade e Acessibilidade Dois conceitos complementares para a regeneração dos centros urbanos Fernando Nunes da Silva Mobilidade e Acessibilidade Dois conceitos complementares para a regeneração dos centros urbanos Mobilidade e Acessibilidade MAIO 11 Fonte: terrasdeportugal.wikidot.com dois conceitos

Leia mais

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro?

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Vive-se um tempo de descrédito, generalizado, relativamente às soluções urbanísticas encontradas para o crescimento

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS I SISTEMAS EM RUPTURA?... Urbano: fragmentado, densidades extremadas Natural: pressão, desarmonia, descontinuidade Residencial: dormitório unifamiliar ou massivo Económico:

Leia mais

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Luís Matas de Sousa Director do Projecto de Requalificação Urbana da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Área

Leia mais

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas.

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas. 1. Conectividade Em que medida o ambiente urbano/pedonal dispõe de uma rede integrada que permite conectar origens e destinos, que passa, por exemplo, pela existência e continuidade de uma infra-estrutura

Leia mais

Plano de Barcelona. Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação 20º EVINCI Outubro 2012. Carla Taíssa Laureano Santana

Plano de Barcelona. Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação 20º EVINCI Outubro 2012. Carla Taíssa Laureano Santana Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação 20º EVINCI Outubro 2012 Carla Taíssa Laureano Santana INICIAÇÃO CIENTÍFICA PESQUISA VOLUNTÁRIA 2012 Plano de Barcelona Contribuições

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO 1. MOTIVAÇÕES E PREOCUPAÇÕES Condicionantes à Mobilidade Problemática Específica Articulação entre as decisões urbanísticas

Leia mais

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Na frente ribeirinha de Lisboa, a poucos minutos do Parque das Nações, desenvolve-se um novo condomínio que enquadra toda a estrutura pré-existente

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

E s t r u t u r a V e r d e

E s t r u t u r a V e r d e Estrutura Verde A. Introdução O conceito de Estrutura Verde insere-se numa estratégia de desenvolvimento sustentado, objecto fundamental das políticas do ordenamento do território. A Estrutura Verde é

Leia mais

Projecto Bairros em Lisboa 2012

Projecto Bairros em Lisboa 2012 Projecto Bairros em Lisboa 2012 Jornadas SIPA 2011 6 de Novembro Coordenação: CEACT/UAL - Centro de Estudos de Arquitectura, Cidade e Território da Universidade Autónoma de Lisboa Parceiros: IHRU SIPA

Leia mais

PRAÇA DAS GERAÇOES. Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico

PRAÇA DAS GERAÇOES. Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico PRAÇA DAS GERAÇOES Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico INTRODUÇÃO O artigo aborda o tema das áreas verdes nas quadras 700.

Leia mais

Gestão da mobilidade urbana

Gestão da mobilidade urbana Fernando Nunes da Silva Vereador da Mobilidade C. M. Lisboa Fernando Nunes da Silva OE Coimbra JAN 2013 JAN 13 Gestão da mobilidade urbana - dificuldades e soluções uma política de mobilidade para Lisboa:

Leia mais

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial 1 Coimbra - 1941 Coimbra - 2001 2 Pólo II - Estado actual Pólo III - Estado actual 3 Pólo I - Estado actual 4 Pólo I - Estado actual

Leia mais

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas Desenvolvimento Temático: São bem conhecidos os problemas com que

Leia mais

Título do Artigo: A importância do estudo dos Signos Identificadores e dos Sistemas de Identidade Visual

Título do Artigo: A importância do estudo dos Signos Identificadores e dos Sistemas de Identidade Visual Título do Artigo: A importância do estudo dos Signos Identificadores e dos Sistemas de Identidade Visual Autor: António Lacerda - Março de 2008 I Introdução O presente estudo surge de um estudo e reflexão,

Leia mais

Projecto Catalogação - Arte e Design Urbano

Projecto Catalogação - Arte e Design Urbano Projecto Catalogação - Arte e Design Urbano Pedro Brandao, 2005 Introdução A proposta que se apresenta inscreve-se na experiência internacional que tem vindo a ser conduzida pela rede iniciada pela UB

Leia mais

Mesa Redonda Ouvir a Cidade: as Propostas dos Cidadãos

Mesa Redonda Ouvir a Cidade: as Propostas dos Cidadãos 4.ª edição da Conferência da Mobilidade Urbana MUDE Museu do Design e da Moda Preparar a Cidade para a Mobilidade do Futuro: dos Modos Suaves à Mobilidade Eléctrica Mesa Redonda Ouvir a Cidade: as Propostas

Leia mais

ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA AVENIDA/ANTIGO CAMPO DA FEIRA

ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA AVENIDA/ANTIGO CAMPO DA FEIRA IGREJA E CONVENTO DE SÃO FRANCISCO PROCESSO 20/09 ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA AVENIDA/ANTIGO CAMPO DA FEIRA 2014 CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-NOVO ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DE 2014 1 ÍNDICE DOCUMENTO

Leia mais

V FORUM SOCIAL PALMELA 6 de Dezembro 2013. Construção do Diagnóstico Participativo Isabel Vieira UCP-FCH-ASS

V FORUM SOCIAL PALMELA 6 de Dezembro 2013. Construção do Diagnóstico Participativo Isabel Vieira UCP-FCH-ASS V FORUM SOCIAL PALMELA 6 de Dezembro 2013 Construção do Diagnóstico Participativo Isabel Vieira UCP-FCH-ASS A Crise Esta crise difere no seu caracter de crises anteriores na medida em que se baseia num

Leia mais

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO 1. PRINCIPAIS CONCLUSÕES Há um entendimento razoável das vantagens da prática do comércio electrónico no seio das PME

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

Ulisses e Hércules: desafios contemporâneos das Metrópoles de Lisboa e Barcelona ao nível do Desenvolvimento e da Competitividade Territorial

Ulisses e Hércules: desafios contemporâneos das Metrópoles de Lisboa e Barcelona ao nível do Desenvolvimento e da Competitividade Territorial Ulisses e Hércules: desafios contemporâneos das Metrópoles de Lisboa e Barcelona ao nível do Desenvolvimento e da Competitividade Territorial Bruno Pereira Marques (a), Regina Salvador (b) (a) e-geo Centro

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

Promoção Imobiliária: que futuro para Lisboa?

Promoção Imobiliária: que futuro para Lisboa? REPORTAGEM AUTÁRQUICAS ALMOÇOS APPII reúne se com os candidatos à CML Promoção Imobiliária: que futuro para Lisboa? Antes do sufrágio que decidirá quem liderará os destinos da capital portuguesa durante

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais

CENTROS URBANOS VITAIS O caso da avenida São Pedro

CENTROS URBANOS VITAIS O caso da avenida São Pedro CENTROS URBANOS VITAIS O caso da avenida São Pedro Josiane Silva Lopes Bolsista BIC Uniritter Júlio Celso Vargas - Orientador Porto Alegre dezembro de 2004 APRESENTAÇÃO / OBJETIVOS O trabalho trata de

Leia mais

requalificação em consequência de concurso de arquitectura promovido pela Câmara Municipal de Lisboa.

requalificação em consequência de concurso de arquitectura promovido pela Câmara Municipal de Lisboa. AIRES MATEUS E ASSOCIADOS RUA SILVA CARVALHO, 193, 1250-250 LISBOA TEL 21 381 56 50 35/79 requalificação em consequência de concurso de arquitectura promovido pela Câmara Municipal de Lisboa. O edifício

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Estação central de coimbra

Estação central de coimbra central de coimbra N o v a i n t e r f a c e i n t e r m o d a l e P l a n o d e u r b a n i z a ç ã o ( e n t r a d a p o e n t e ) Na sua história recente tem sido muito influenciada pela localização

Leia mais

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra O Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra estabelece a concepção do espaço urbano, para a área de intervenção do Plano, dispondo, designadamente,

Leia mais

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um CARTA DA QUALIDADE DA HABITAÇÃO COOPERATIVA Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um instrumento de promoção, afirmação e divulgação, junto

Leia mais

Matosinhos: território de mobilidades

Matosinhos: território de mobilidades Matosinhos: território de mobilidades O desenvolvimento do tecido urbano, as alterações do modo de vida, a flexibilidade do automóvel particular, associada a uma oferta nem sempre satisfatória de transportes

Leia mais

II Convenção Sou de Peniche

II Convenção Sou de Peniche II Convenção Sou de Peniche Apresentação Junho 2008 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1. Caso de Peniche 2. Avaliação e Diagnóstico 3. Factores Críticos 4.Recomendações de Politicas e Acções II Convenção Sou de Peniche

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

Projeto Viva a Alameda

Projeto Viva a Alameda Projeto Viva a Alameda Janeiro 2012 I. Enquadramento a. Política de Cidades o instrumento PRU b. Sessões Temáticas II. A PRU de Oliveira do Bairro a. Visão b. Prioridades Estratégicas c. Área de Intervenção

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

ÁREA DE COMPETÊNCIAS-CHAVE Cultura, Língua e Comunicação NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA

ÁREA DE COMPETÊNCIAS-CHAVE Cultura, Língua e Comunicação NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA GRUPO: ÁREA DE COMPETÊNCIAS-CHAVE Cultura, Língua e Comunicação NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA Actuar face aos equipamentos e sistemas técnicos usados em contexto doméstico, identificando

Leia mais

Reabilitação do Mercado Municipal. Concurso de Ideias. Regulamento

Reabilitação do Mercado Municipal. Concurso de Ideias. Regulamento ARTIGO 1º Enquadramento Reabilitação do Mercado Municipal Concurso de Ideias Regulamento O Concurso de Ideias para a reabilitação do Mercado Municipal (MM), sito na praça do Comércio é uma iniciativa da

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL Deliberação da Reunião Câmara Municipal de 29/11/2011 DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO

Leia mais

CARTA DE FLORENÇA Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS. Carta de Florença 1982. Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982

CARTA DE FLORENÇA Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS. Carta de Florença 1982. Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982 Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS Carta de Florença 1982 Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982 Tradução por António de Borja Araújo, Engenheiro Civil IST Dezembro de 2006 Pág. 2 de7 PREÂMBULO O ICOMOS-IFLA

Leia mais

O ESPAÇO DE RELAÇÃO ENTRE TEMPLO E CIDADE

O ESPAÇO DE RELAÇÃO ENTRE TEMPLO E CIDADE O ESPAÇO DE RELAÇÃO ENTRE TEMPLO E CIDADE 3 MOMENTOS NA ARQUITECTURA RELIGIOSA PORTUGUESA DOS ÚLTIMOS 100 ANOS João André Gonçalo Cardoso Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura Júri

Leia mais

Mobilidade Sustentável - Melhores Práticas em Lisboa

Mobilidade Sustentável - Melhores Práticas em Lisboa Mobilidade Sustentável - Melhores Práticas em Lisboa OUT. 2011 Fonte: terrasdeportugal.wikidot.com Fórum Transnacional - Projecto START Mobilidade - Câmara Municipal de Lisboa Mobilidade Sustentável Melhores

Leia mais

REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS

REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS FRENTE MARÍTIMA ALGUMAS DAS CIDADES MAIS FASCINANTES DO MUNDO, COMO GÊNOVA, LISBOA, LONDRES, BARCELONA,

Leia mais

Reconquista da Frente Ribeirinha de Lisboa Manuel Salgado Câmara Municipal de Lisboa dmprgu.dpru.dpeu@cm- lisboa.pt

Reconquista da Frente Ribeirinha de Lisboa Manuel Salgado Câmara Municipal de Lisboa dmprgu.dpru.dpeu@cm- lisboa.pt Reconquista da Frente Ribeirinha de Lisboa Manuel Salgado Câmara Municipal de Lisboa dmprgu.dpru.dpeu@cm- lisboa.pt A requalificação da frente ribeirinha de Lisboa foram recentemente impulsionadas por

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS REBELO 1,DORINDA;MARQUES 2,EVA;MARQUES 3,LUÍS 1 Escola Secundária de Estarreja Estarreja, Portugal. 2 Escola Secundária

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

FÓRUM CIDADE GRUPO 8

FÓRUM CIDADE GRUPO 8 FÓRUM CIDADE GRUPO 8 UMA NOVA POLÍTICA URBANA Durante os doze anos (1990/2001) que esteve à frente dos destinos de Lisboa, a coligação liderada pelo Partido Socialista demonstrou uma vitalidade e uma capacidade

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ 4 DE OUTUBRO DE 2011. AVEIRO EQUIPA: Câmara Municipal de Aveiro

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS

MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS 1 MEMÓRIA DESCRITIVA Legenda: 1 Introdução 2 Descrição dos Arranjos Exteriores 3 Requalificação do Espaço de Estacionamento 4 Reperfilamento e Requalificação de

Leia mais

A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL

A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL 349 A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL Jacinta Bugalhão O conjunto monumental militar designado globalmente como Cidadela de Cascais (e que engloba, nesta acepção,

Leia mais

INICIATIVAS URBAVERDE

INICIATIVAS URBAVERDE Evento: 7ª UrbaVerde Feira das Cidades Sustentáveis Organização: Jornal Arquitecturas Datas: dias 23, 24 e 25 de Fevereiro de 2011 Local: Centro de Congressos do Estoril A 7ª UrbaVerde, composta por um

Leia mais

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Cálculo de Mais Valias Janeiro 2014

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Cálculo de Mais Valias Janeiro 2014 CÁLCULO DE MAIS VALIAS DO PLANO PORMENOR DA MARGEM DIREITA DA FOZ DO RIO JAMOR - OEIRAS Câmara Municipal de Oeiras 1 INTRODUÇÃO Considerando que o desenvolvimento das transformações de uso do solo resultantes

Leia mais

SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA:

SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA: SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA: PROPOSTA DE UM NOVO MÉTODO DE CONCEPÇÃO E DIMENSIONAMENTO Milene Silva de Jesus Palhinha Dissertação para a obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura Instituto

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

Carta dos BIP/ZIP: Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária de Lisboa. Apresentação à CML de 17 Novembro 2010

Carta dos BIP/ZIP: Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária de Lisboa. Apresentação à CML de 17 Novembro 2010 Apresentação à CML de 17 Novembro 2010 BIP/ZIP Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária de Lisboa Carta BIP/ZIP Final Relatório da Consulta Pública Novembro de 2010 Apresentação à CML 17 Novembro 2010

Leia mais

Seminário Internacional. Apresentação de Cláudia Nunes. Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ Rio de Janeiro/Brasil 15 Dezembro 2009

Seminário Internacional. Apresentação de Cláudia Nunes. Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ Rio de Janeiro/Brasil 15 Dezembro 2009 Seminário Internacional ORDEM, DESORDEM, ORDENAMENTO Arquitectura, Espacialidade, Paisagem 1807-2009 Apresentação de Cláudia Nunes Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ Rio de Janeiro/Brasil 15 Dezembro 2009

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA, DEONTOLOGIA E LEGISLAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA, DEONTOLOGIA E LEGISLAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular ÉTICA, DEONTOLOGIA E LEGISLAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Arquitectura 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

6. ESTRATÉGIAS DE ACÇÃO Relatório Agenda 21 - CASCAIS 2007 119 A implementação de uma estratégia no âmbito da Agenda Local 21 é apenas alcançável com a colaboração de todos os actores que actuam no Concelho,

Leia mais

Criar uma relação forte entre os seus factores fundamentais:

Criar uma relação forte entre os seus factores fundamentais: Criar uma relação forte entre os seus factores fundamentais: História e herança A economia local dominante A sua classe criativa, mas não suficientemente forte A sua cultura de inovação, essa sim impregnada

Leia mais

IST Mestrado em Urbanismo e Ordenamento do Território Programa de Planeamento Estratégico e Governância urbana 2014 2015. 1.

IST Mestrado em Urbanismo e Ordenamento do Território Programa de Planeamento Estratégico e Governância urbana 2014 2015. 1. IST Mestrado em Urbanismo e Ordenamento do Território Programa de Planeamento Estratégico e Governância urbana 2014 2015 "Os seres humanos ligados por um projeto concertado têm superioridade em relação

Leia mais

Desenho Urbano e racionalidade energética uma perspectiva de criatividade

Desenho Urbano e racionalidade energética uma perspectiva de criatividade Desenho Urbano e racionalidade energética uma perspectiva de criatividade MEMO 25 Jan 2015 Pedro Brandão Sec.Geral Europan Portugal Vivendo hoje a maior parte da população mundial em cidades o consumo

Leia mais

Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente

Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente I. Situação actual e características do ambiente Planta: Área de intervenção

Leia mais

PROJETO MÚSICA SEM BARREIRAS. Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga

PROJETO MÚSICA SEM BARREIRAS. Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga PROJETO MÚSICA SEM BARREIRAS Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga julho 2015 Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos ( ) in Declaração dos Direitos Humanos,

Leia mais

Escolas em Grande Plano

Escolas em Grande Plano Escolas em Grande Plano Integração do Vídeo na Educação e na Escola Trabalho realizado por: Elisa Castro e Fátima Chavarria Mestrado em Educação Tecnologia Educativa Tecnologia do Vídeo Docente: Doutor

Leia mais

3.12 Segurança e higiene nos espaços verdes Artur Gonçalves

3.12 Segurança e higiene nos espaços verdes Artur Gonçalves 3.12 Segurança e higiene nos espaços verdes Artur Gonçalves A segurança e a higiene são requisitos fundamentais na qualidade dos espaços verdes. As suas características essenciais dependem da combinação

Leia mais

Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira

Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira Introdução Este trabalho pretende avaliar o estado de conservação dos edifícios e das anomalias funcionais dos mesmos. Foi utilizado

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Técnicas de recolha e análise de informação para caracterização e diagnóstico do contexto de intervenção

Técnicas de recolha e análise de informação para caracterização e diagnóstico do contexto de intervenção 6º CURSO DE MESTRADO EM REABILITAÇÃO DA ARQUITECTURA E DOS NÚCLEOS URBANOS 1º SEMESTRE Disciplina Economia, Sociedade e Território Aula de 12/1/2007 Manuela Mendes Técnicas de recolha e análise de informação

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa

Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Breve descrição do projecto Constituem-se como objectivos estratégicos do projecto do Terminal de Cruzeiros

Leia mais

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA João Craveiro, Margarida Rebelo, Marluci Menezes, Paulo Machado Laboratório Nacional de Engenharia Civil Departamento de Edifícios

Leia mais

Comunidades Sustentáveis

Comunidades Sustentáveis Comunidades Sustentáveis Ph.D., Engº do Ambiente Dep. Engª Civil, Arquitectura / Instituto Superior Técnico manuel.pinheiro@civil.ist.utl.pt ou manuel.pinheiro@lidera.info Comunidades? Comunidade communitas,

Leia mais

O Projeto 22@ Fig.3.19- Antiga fábrica Can Framis, agora convertida em museu: alta permeabilidade para acessar o edifício e seu espaço

O Projeto 22@ Fig.3.19- Antiga fábrica Can Framis, agora convertida em museu: alta permeabilidade para acessar o edifício e seu espaço A configuração dos espaços públicos deve promover a continuidade e permeabilidade presentes na estrutura urbana, garantindo a integração entre os edifícios adjacentes e os espaços livres imediatos, complementando

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

Lema: "Voltar a ver felicidade no Parque Mayer"

Lema: Voltar a ver felicidade no Parque Mayer IDEIAS PARA O PLANO DE PORMENOR DO PARQUE MAYER Lema: "Voltar a ver felicidade no Parque Mayer" Linha de acção: intervenção MINIMALISTA. Questões Prévias/Condicionantes: * Orçamental; * Interacção Parque

Leia mais

IISEMANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA

IISEMANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA INSTITUTO DA CONSTRUÇÃO E DO IMOBILIÁRIO IISEMANA DARE- ABILITAÇÃO ASSIMFOI URBANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA C o n f e r ê n c i a s E x p o s i

Leia mais

Programa de Promoção Turística e Cultural

Programa de Promoção Turística e Cultural Programa de Promoção Turística e Cultural Sintra encontra-se em 11º lugar no ranking dos 50 melhores lugares a visitar, nas escolhas dos leitores do jornal New York Times? Sintra é uma das 21 finalistas

Leia mais

Curso Desenho Urbano Sustentável em Portugal: teoria e prática 07 e 25 de julho

Curso Desenho Urbano Sustentável em Portugal: teoria e prática 07 e 25 de julho Curso Desenho Urbano Sustentável em Portugal: teoria e prática 07 e 25 de julho Teoria do Desenho Urbano e Estudos de Casos portugueses 20 horas aula. Docente: Prof Doutor Diogo Mateus O objetivo será

Leia mais