Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro Educacional Juscelino Kubitschek"

Transcrição

1 Caro estudante, Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( ) Fundamental ( x ) Médio SÉRIE: _1º TURMA: TURNO: DISCIPLINA: _Português PROFESSOR (A): Equipe de Português ROTEIRO E LISTAS DE RECUPERAÇÃO PORTUGUÊS 1º semestre 1 o Ano Durante nossas aulas do 1º semestre, fomos, aos poucos, construindo conhecimentos e procedimentos referentes à teoria e prática da Literatura, Gramática e Produção Textual. Nesse período, ouvimos músicas, lemos e produzimos textos diversos, assistimos a filmes etc. Infelizmente você não alcançou alguns dos objetivos traçados. Por isso, este roteiro ajudará você a se recuperar em relação aos conhecimentos não absorvidos. Não deixe, portanto, para o último momento a revisão do conteúdo estudado. Monte seu plano de estudo e inclua nele a leitura dos capítulos indicados no livro didático e os conteúdos do caderno. Seguem as instruções para que você tenha um bom desempenho e possa progredir em relação a estes conteúdos. Conteúdos Gêneros literários. Literatura na Idade Média: Trovadorismo Literatura Portuguesa: Humanismo. Noção de texto Texto verbal e não-verbal Gêneros textuais que explorem a narração. Língua, Linguagem e Comunicação Elementos da comunicação e Funções da linguaguem. Morfossintaxe do pronome. Objetivos Refletir criticamente sobre o papel da literatura medieval. Compreender o a importância da literatura medieval no ambiente histórico português e na atualidade. Refletir criticamente acerca do contexto histórico, filosófico e sociológico das escolas literárias estudadas. Reconhecer os principais autores (estilo individual) e características das obras (estilo de época), Proceder a comparações textuais (estrutural e temática). Reconhecer características estilísticas inerentes às estéticas literárias estudadas: Trovadorismo e Humanismo. Perceber e salientar críticas de costumes na obra de Gil Vicente. Reconhecer a importância da comunicação e identificar seus principais elementos Utilizar a norma culta nas situações adequadas Identificar e classificar pronomes Reconhecer a importância do pronome como elemento de coesão textual. Reconhecer as regras gramaticais referente a cada tipo de pronome. Reconhecer o texto como elemento de comunicação Revelar a capacidade de leitor autônomo ao produzir texto. Produzir textos em conformidade com a coerência, a coesão e a norma padrão da língua, nos mais diversos gêneros narrativos. Produzir textos com coerência narrativa. Reconhecer a estrutura da narrativa. Reconhecer a progressividade do texto narrativo. Aplicar, na produção de texto, os elementos coesivos que marcam a progressão do texto. Identificar os elementos da narrativa. 9P(21)e11

2 Reconhecer os gêneros textuais predominantemente narrativos. Forma de avaliação: Prova = 8,0 Listas de recuperação = 2,0 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁRFICAS PARA APOIO NOS ESTUDOS (além do caderno com as anotações feitas durante o período) Livro Didático: Literatura Brasileira Tempos, Leitores e leituras. Maria Luiza Abaurre e Marcela Pontara. Ensino Médio. Editora Moderna. Gramática - Aprender e Praticar. Mauro Ferreira. Editora FTD. Vol. Único. p.2 9P(21)e11

3 p.3 9P(21)e11

4 p.4 9P(21)e11

5 Português Literatura 1º ano -Recuperação Semestral 1º 2011 Leia os textos abaixo e em seguida julgue os itens em (V) verdadeiro e (F) falso. Texto I Ai, dona feia, foste-vos queixar que nunca vos louvo em meu cantar; mas agora quero fazer um cantar em que vos louvares de qualquer modo; e vede como quero vos louvar dona feia, velha e maluca! Dona feia, que Deus me perdoe, pois tendes tão grande desejo de que eu vos louve, por este motivo quero vos louvar já de qualquer modo; e vede qual será a louvação: dona feia, velha e maluca! Dona feia, eu nunca vos louvei em meu trovar, embora tenha trovado muito; mas agora já farei um bom cantar; em que vos louvarei de qualquer modo; e vos direi como vos louvarei: dona feia, velha e maluca! Joan Garcia de Guilhade Texto II Quero à moda provençal fazer agora um cantar de amor, e quererei muito aí louvar minha senhora a quem honra nem formosura não faltam nem bondade; e mais vos direi sobre ela: Deus a fez tão cheia de qualidades que ela mais que todas do mundo. Pois Deus quis fazer minha senhora de tal modo quando a fez, que a fez conhecedora de todo bem e de muito grande valor, e além de tudo isto é muito sociável quando deve; também deu-lhe bom senso, e desde então lhe fez pouco bem impedindo que nenhuma outra fosse igual a ela. Porque em minha senhora nunca Deus pôs mal, mas pôs nela honra e beleza e mérito e capacidade de falar bem, e de rir melhor que outra mulher também é muito leal e por isto não sei hoje quem possa cabalmente falar no seu próprio bem pois não há outro bem, para além do seu. D. Dinis p.5 9P(21)e11

6 1. ( ) O texto I apresenta uma linguagem muito pesada e direta o que o enquadra como uma cantiga de maldizer. 2. ( ) O texto II apresenta vassalagem amorosa, amor cortês e eu lírico masculino sendo, portanto uma cantiga de amor. 3. ( ) Ambos os textos pertencem ao gênero dramático, apresentando musicalidade e ritmo característicos desse gênero. 4. ( ) O texto II idealiza a figura feminina, enquanto o texto I a satiriza. 5. ( ) As cantigas do Trovadorismo são formas poéticas originalmente feitas para serem cantadas com acompanhamento de instrumentos musicais. Leia atentamente os trechos seguintes para responder as questões que se seguem. Ai flores, ai flores do verde pino, se sabedes novas do meu amigo! ai Deus, e u é? Ai flores, ai flores do verde ramo, se sabedes novas do meu amado! ai Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amigo, aquel que mentiu do que pôs comigo! ai Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amado, aquel que mentiu do que mi há jurado! ai Deus, e u é? D. Dinis Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações abaixo, levando em consideração não só os textos, mas também os conteúdos vistos em sala. 6. ( ) A poesia, que no trovadorismo era canto, na poesia palaciana separa-se da música, passando a ser fala. Destina-se à leitura individual ou à recitação, sem o apoio de instrumentos musicais. 7. ( ) O texto de D. Diniz é claramente uma canção de amor, típica do Trovadorismo. 8. ( ) O trecho do texto camoniano acima é uma crítica à manipulação do seu povo feita pelos governantes com promessas de fama e glória. 9. ( ) No texto de D. Diniz, percebe-se que o eu lírico é feminino, uma marca das canções de amigo do Trovadorismo. 10. ( ) A coita de amor era como os poetas do trovadorismo chamavam as dores de um amor não correspondido. 11. A lírica trovadoresca é uma poesia de sociedade. Mostra-nos a idealização de um código que ficou conhecido como amor cortês. Com relação ao Trovadorismo e suas características. Assinale a alternativa incorreta. a) As canções carecem de originalidade, uma vez que ser cortês significa seguir as regras do jogo amoroso criado por Guilherme IX. b) A vassalagem amorosa era o reconhecimento da posição superior da dama amada, geralmente citada como a Senhora do trovador. c) O trovador podia satirizar uma dama que não reconhecesse e recompensasse o seu amor cortês. d) As cantigas de amigo apresentam eu lírico geralmente masculino e enumeram as qualidades do amado. e) As canções de maldizer apresentavam uma crítica direta e contundente, podendo citar nomes e palavras de baixo calão. 12. Assinale a afirmação falsa sobre as cantigas de escárnio e maldizer. a) A principal diferença entre as duas modalidades satíricas está na identificação ou não da pessoa atingida. b) O elemento das cantigas de escárnio não é temático, nem está na condição de se omitir a identidade do ofendido. A distinção está no retórico do equívoco, da ambiguidade e da ironia, ausentes na cantiga de maldizer. c) Os alvos prediletos das cantigas satíricas eram os comportamentos sexuais (homossexualidade, adultério, padres e freiras libidinosos), as mulheres (soldadeiras, prostitutas, alcoviteiras e dissimuladas), os próprios poetas (trovadores e jograis eram frequentemente ridicularizados), a avareza, a corrupção e a própria arte de trovar. p.6 9P(21)e11

7 d) As cantigas satíricas perfazem cerca de uma quarta parte da poesia contida nos cancioneiros galego-portugueses. Isso revela que a liberdade da linguagem e a ausência de preconceito ou censura (institucional, estética ou pessoal) eram componentes da vida literária no período trovadoresco, antes de a repressão inquisitorial atirá-las à clandestinidade. e) Algumas composições satíricas do Cancioneiro Geral e algumas cenas dos autos gilvicentinos revelam a sobrevivência, já bastante atenuada, da linguagem livre e da violência verbal dos antigos trovadores. 13. Leia o texto abaixo para responder a questão que se segue: As novelas de cavalaria são de origem medieval, e constituem uma das manifestações literárias de ficção em prosa mais ricas da literatura peninsular. Podemos considerá-las, sobretudo as do ciclo arturiano (ligadas às aventuras da corte do rei Artur e da Távola Redonda), verdadeiros códigos de conduta medieval e cavaleiresca. De caráter místico e simbólico, relatam aventuras penetradas de espiritualidade cristã e subordinam-se a um ideal místico, que sublima o amor profano. Com base no texto acima e nas cantigas da questão anterior, explique como o teocentrismo e o feudalismo influenciaram a literatura medieval. 14. Leia o trecho abaixo do Alto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, para responder as questões que se seguem. Senhores que trabalhais pela vida transitória, memória, por Deus, memória deste temeroso cais! À barca, à barca, mortais, Barca bem guarnecida, à barca, à barca da vida! Vigiai-vos, pecadores, que, depois da sepultura, neste rio está a ventura de prazeres ou dolores! À barca, à barca, senhores, barca mui nobrecida, à barca, à barca da vida! a) O trecho acima é o canto entoado pelos cavaleiros ao passarem pelos batéis da glória e do inferno. Segundo o trecho e com base no que foi visto em sala, explique o conflito entre o Teocentrismo e o Antropocentrismo que culminou na valorização do elemento humano durante esse período da literatura medieval. b) Gil Vicente foi o pai do teatro medieval, compondo uma profusão de autos e farsas. Utilizava-se da sátira para criticar os costumes. Explique em que consiste a tradição sério-cômica difundida em suas obras. Siga os comandos das questões abaixo, marcando uma única alternativa. 15. (FUVEST-SP) Indique a afirmação correta sobre o Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente: a) A sátira é aqui demolidora e indiscriminada, não fazendo referência a qualquer exemplo de valor positivo. b) O moralismo vicentino localiza os vícios, não nas instituições, mas nos indivíduos que as fazem viciosas. c) É intricada a estruturação de suas cenas, que surpreendem o público com o inesperado de cada situação. d) É complexa a critica aos costumes da época, já que o autor primeiro a relativizar a distinção entre Bem e o Mal. e) A ênfase desta sátira recai sobre as personagens populares mais ridicularizadas e as mais severamente punidas. p.7 9P(21)e11

8 16. Sobre o Humanismo, assinale a afirmação incorreta. a) Teve como centro irradiador a Itália e como precursor Dante Alighieri, Boccaccio e Petrarca. b) Retorna os clássicos da Antiguidade greco-latina como modelos de Verdade, Beleza e Perfeição. c) Associa-se à noção de antropocentrismo e representou a base filosófica e cultural do Renascimento. d) Denomina-se também Pré-Renascentismo, ou Quatrocentismo, e corresponde ao século XV. e) Representa o apogeu da cultura provençal que se irradia da França para os demais países, por meio dos trovadores e jograis. 17. (FUVEST) Aponte a alternativa correta em relação a Gil Vicente. a) Compôs peças de caráter sacro e satírico. b) Representa o melhor do teatro clássico português. c) Só escreveu peças e português. d) Escreveu a novela Amadis de Gaula. e) Introduziu a lírica trovadoresca em Portugal. 18. Leia com atenção o fragmento do Auto da Barco do Inferno, de Gil Vicente. PARVO: Hou, homens dos breviários, Rapinastis coelhorum Et pernis perdigotorum E mijais nos campanários. Não é correto afirmar sobre o texto que a) nesta fala, o Parvo está denunciando a corrupção do Juiz e do Procurador. b) ao misturar um falso latim com palavrões, Gil Vicente demonstra a natureza popular de seu teatro e de seus canais de expressão. c) as falas do Parvo, como esta, sempre são repletas de gracejos e de palavrões, com intenção satírica. d) o latim que aparece na passagem é exemplo de imitação paródia dessa língua. e) por meio de seu latim, o Parvo afasta-se de seu simplicidade, mostrando-se conhecedor de outra línguas. 19. (FUVEST-SP) Diabo, Companheiro do Diabo, Anjo, Fidalgo, Onzeneiro, Parvo, Sapateiro, Frade, Florença, Brísida Vaz, Judeu, Corregedor, Procurador, Enforcado e Quatro Cavaleiros são personagens do Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente. Analise as informações abaixo e selecione a alternativa incorreta cujas características não descrevam adequadamente a personagem. a) O Corregedor representa a justiça e luta pela aplicação integra e exata das leis; leva papéis e processos. b) O Frade representa o clero decadente e é subjugado por suas fraquezas: mulher e esporte; leva a amante e as armas de esgrima. c) O Anjo, capitão da barca do céu, é quem elogia a morte pela fé; é austero e inflexível. d) O Diabo, capitão da barca do inferno, é quem apressa o embarque dos condenados; é dissimulado e irônico. e) O Onzeneiro idolatra o dinheiro, é agiota e usurário; de tudo que juntara, nada leva para a morte, ou melhor, leva a bolsa vazia. 20. A obra de Fernão Lopes tem um caráter a) histórico-literário, aproximando-se do moderno romance histórico, pela fusão do real com o imaginário. b) basicamente histórico, pela fidelidade à documentação e pela objetividade da linguagem científica. c) histórico-literário, pela seriedade da pesquisa histórica, pelas qualidades do estilo e pelo tratamento literário, que reveste a narrativa histórica de um tom épico e compõe cenas de grande realismo plástico, além do domínio da técnica dramática de composição. d) Essencialmente estético pelo predomínio do elemento ficcional. p.8 9P(21)e11

9 21. Sobre o Humanismo, identifique a alternativa falsa. a) Rejeita a noção do homem regido por leis sobrenaturais e opõe-se ao misticismo. b) Fundamenta-se na noção bíblica de que o homem é pó e ao pó retornará, e de que só a transcendência liberta o homem de seu insignificância terrena. c) Em sentido amplo, designa a atitude de valorização do homem, de seus atributos e realizações. d) Designa tanto uma atitude filosófica intemporal quanto um período especifico da evolução da cultura ocidental. 22. (FUVEST-SP) Caracteriza o teatro de Gil Vicente: a) A elaboração requintada dos quadros e cenários apresentados. b) A busca de conceitos universais. c) A obra escrita em prosa. d) A preocupação com o homem e com a religião. e) A revolta contra o cristianismo. 23. Sobre a poesia palaciana, assinale a alternativa falsa. a) A diversidade métrica da poesia trovadoresca foi praticamente reduzida a os versos de 7 sílabas métricas (redondilhas menores). b) A poesia palaciana foi compilada em 1516, por Garcia de Resende, no Cancioneiro Geral, antologia que reúne 880 composições, de 286 autores, dos quais 29 escreviam em castelhano. c) Abrange a produção poética dos reinados de D. Afonso V ( ), de D. João II ( ) e de D. Manuel I O Venturoso ( ). d) É mais espontânea que a poesia trovadoresca, pela superação da influência provençal, pela ausência de normas para a composição poética e pelo retorno á medida velha. e) A poesia, que no trovadorismo era canto, separa-se da música, passando a ser fala. Destina-se à leitura individual ou à recitação, sem o apoio de instrumentos musicais. 24. Relacione a primeira coluna de acordo com a segunda. a) Gênero lírico b) Gênero dramático c) Gênero narrativo ( ) Gênero da ação por excelência, onde não há presença do narrador e toda contextualização do enredo fica por conta da fala das personagens. ( ) Tipo de texto que não tem como finalidade simplesmente o ato da leitura, mas sim a encenação. ( ) Texto que tem como característica maior a busca de expressão de uma subjetividade construída pelo autor ficcionalmente. ( ) Gênero mais usual nos dias de hoje, que nasceu na Grécia, sob a forma da epopeia, e desenvolveu-se, transformando-se em romance, novela e conto. ( ) Gênero que tem maior variedade de extensão, podendo ser curtíssimo (menos que uma página) ou bastante longo (alguns passam das 300 páginas). 25. Quanto ao gênero literário, é correto afirmar sobre o fragmento do texto abaixo que: Quem sabe nesta terra não plantarei minha sina? Não tenho medo da terra cavei pedra toda a vida e para quem lutou a braço contra a piçarra da caatinga fácil será amansar esta aqui, tão feminina a) é feito para ser representado. b) é narrativo, pelo cunho regionalista e social. c) é uma peça teatral de linguagem rude. d) é lírico, com uma linguagem fortemente poética. e) é mais dramático que lírico. p.9 9P(21)e11

10 LISTA DE RECUPERAÇÃO GRAMÁTICA II 1º ano AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM na construção do texto Leia este anúncio: EQUILÍBRIO SOCIOAMBINTAL PENSE BEM ANTES DE MEXER. 1. Como é comum nos anúncios publicitários, texto verbal e imagem se complementam na construção da mensagem. Observe a imagem do anúncio: a. O que são as peças que estão enfileiradas e em pé? b. Em que as peças do anúncio são diferentes das que normalmente conhecemos? c. As peças estão colocadas simetricamente num plano. O que ocorreria, caso uma dessas peças caísse? 2. Abaixo das peças temos o enunciado Equilíbrio socioambiental. Pense antes de mexer. a. Que relação esse enunciado tem com a imagem? b. Levante hipóteses: Por que o anunciante teria escolhido peças de um jogo para sugerir a frágil situação do equilíbrio socioambiental? 3. Observe as figuras que estão gravadas nas peças do dominó. a. Que outros elementos há, além de animais, aves e peixes? b. Levante hipóteses: Por que o homem branco também foi considerado pelo anúncio como uma peça do jogo? 4. Na parte inferior do anúncio se lê: "socioambiental se escreve junto". Esse enunciado apresenta uma ambiguidade. a. Quais são os sentidos que ele apresenta? b. Verifique no dicionário a grafia da palavra socioambiental. No anúncio, a palavra foi escrita adequadamente? 5. Observe o anúncio quanto às funções de linguagem. a. Que funções de linguagem podem ser identificadas no texto? b. Considerando a finalidade principal do anúncio, responda: Qual a função de linguagem predominante? 6. O anúncio foi publicado em Terra da Gente, uma revista que aborda temas ecológicos. a..o anúncio é compatível com o perfil da revista? b..os leitores dessa revista em tese são o público-alvo que precisa ser alertado sobre a importância do equilíbrio socioambiental? p.10 9P(21)e11

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Claudia S. N. Vieira Disciplina: LPO Série: 1ª Tema da aula: O Trovadorismo Objetivo da aula: Trabalhar as principais características do estilo

Leia mais

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS Estilos de época Estilos de época O que são? Traços comuns na produção de um mesmo período/época. O amor em Camões Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito

Leia mais

TROVADORISMO. Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução

TROVADORISMO. Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução TROVADORISMO Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução 1 Introdução Podemos dizer que o trovadorismo foi a primeira

Leia mais

AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE

AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE Para se compreender o Auto da Barca do Inferno deve-se ter em mente que essa obra foi escrita em um período da história que corresponde à transição da Idade média

Leia mais

HUMANISMO 1434-1527. Gil Vicente

HUMANISMO 1434-1527. Gil Vicente HUMANISMO 1434-1527 Gil Vicente HUMANISMO É UMA ÉPOCA DE TRANSIÇÃO DA IDADE MÉDIA PARA O RENASCIMENTO. CONTEXTO HISTÓRICO (SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIV) FEUDALISMO ENTRA EM DECLÍNIO CRESCIMENTO DO COMÉRCIO

Leia mais

História da Música Ocidental

História da Música Ocidental História da Música Ocidental A Música na Idade Média e no Renascimento Música medieval é o nome dado à música típica do período da Idade Média. Essas práticas musicais aconteceram há quase 1500 anos atrás.

Leia mais

Literatura. Grande literatura é apenas uma linguagem carregada de sentido até ao mais elevado grau possível (Ezra Pound)

Literatura. Grande literatura é apenas uma linguagem carregada de sentido até ao mais elevado grau possível (Ezra Pound) Literatura Grande literatura é apenas uma linguagem carregada de sentido até ao mais elevado grau possível (Ezra Pound) Texto informativo x texto literário Literariedade = propriedades do texto literário

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Memória de um Letrado. Daniel Vinícius Ferreira Ronque

Memória de um Letrado. Daniel Vinícius Ferreira Ronque Memória de um Letrado Daniel Vinícius Ferreira Ronque Memórias de um Letrado Homo sum humani a me nihil alienum puto Publio Terêncio Afro Dedicatória Dedico esse livro a todos que ajudaram-me para elaboração

Leia mais

Versão em galego-português Ai eu, coitada, como vivo en gran cuidado por meu amigo, que hei alongado! Muito me tarda o meu amigo na Guarda!

Versão em galego-português Ai eu, coitada, como vivo en gran cuidado por meu amigo, que hei alongado! Muito me tarda o meu amigo na Guarda! Uma representação comum da Idade Média remete à existência de reis e rainhas, príncipes e princesas, em seus castelos. Nobres cavaleiros lutando por sua honra em torneios de bravura, impressionando belas

Leia mais

Características das Cantigas de Escárnio Presentes no Rap Fala Sério de Gabriel O Pensador

Características das Cantigas de Escárnio Presentes no Rap Fala Sério de Gabriel O Pensador Características das Cantigas de Escárnio Presentes no Rap Fala Sério de Gabriel O Pensador Laurenci Barros Esteves 1 Renata Rodrigues Mendes 2 Resumo Este artigo consiste em um estudo comparativo entre

Leia mais

A SOCIEDADE NO AUTO DA BARCA DO INFERNO DE GIL VICENTE RESUMO

A SOCIEDADE NO AUTO DA BARCA DO INFERNO DE GIL VICENTE RESUMO A SOCIEDADE NO AUTO DA BARCA DO INFERNO DE GIL VICENTE *Juliana Podeleski **Ângela da Rocha Rolla RESUMO Este trabalho procura mostrar, de forma objetiva, a crítica apresentada ao comportamento social

Leia mais

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3.

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Senhora, partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem, que nunca tão tristes vistes outros

Leia mais

XIV 1. Aspectos preliminares: A literatura portuguesa recebeu em suas origens uma forte influência provençal. Provença, uma região do sul da França, teve uma intensa vida cultural na Baixa Idade Média.

Leia mais

Importante autor da literatura portuguesa, fundador do teatro em SUPLEMENTO DE ATIVIDADES AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE NOME: SÉRIE/ANO:

Importante autor da literatura portuguesa, fundador do teatro em SUPLEMENTO DE ATIVIDADES AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE NOME: SÉRIE/ANO: SUPLEMENTO DE ATIVIDADES AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE NOME: Nº: ESCOLA: SÉRIE/ANO: 1 Importante autor da literatura portuguesa, fundador do teatro em Portugal, Gil Vicente é um dos mais célebres

Leia mais

HENRIQUE PORTUGUÊS PRE-VEST 20-03-2015

HENRIQUE PORTUGUÊS PRE-VEST 20-03-2015 PRE-VEST 20-03-2015 HENRIQUE PORTUGUÊS Trovadorismo O Trovadorismo é a manifestação artística que ocorre durante a Idade Média. Era composta por poemas que possuíam uma forte relação com a música. Daí

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE LETRAS CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE LETRAS CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE LETRAS CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS A SÁTIRA TROVADORESCA NOS TEMPOS DA REPRESSÃO MILITAR Daniel Mateus Barbosa de

Leia mais

Respostas: 02. 03. 01. 3º P34 M B 27/08/2008. Esta prova contém 10 questões.

Respostas: 02. 03. 01. 3º P34 M B 27/08/2008. Esta prova contém 10 questões. 3º P34 M B 27/08/2008 Esta prova contém 10 questões. INSTRUÇÕES: Verifique se sua prova está completa. Preencha corretamente todos os dados solicitados no cabeçalho. Resoluções e respostas somente a tinta,

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

Português. Índice de aulas. Tipologias textuais

Português. Índice de aulas. Tipologias textuais Índice de aulas Tipologias textuais Texto narrativo em prosa Ação Personagens Narrador Espaço Tempo Modalidades do discurso A consequência dos semáforos, de António Lobo Antunes História sem palavras,

Leia mais

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval História 6A Aula 17 A Cultura Medieval Cultura Medieval Síntese de elementos grecoromanos, cristãos e germânicos, reformulados com novas experiências. IGREJA CATÓLICA Instituição mais poderosa do mundo

Leia mais

Exercícios para a Prova 1 de Livro 1 Trimestre

Exercícios para a Prova 1 de Livro 1 Trimestre Exercícios para a Prova 1 de Livro 1 Trimestre 1. (FUVEST) Indique a afirmação correta sobre o Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente: (A) É intricada a estruturação de suas cenas, que surpreendem o

Leia mais

Acusações: -Ter levado uma vida de prazeres, sem se importar com ninguém. -Ter sido tirano para com o povo. -Ser muito vaidoso. -Desprezava o povo.

Acusações: -Ter levado uma vida de prazeres, sem se importar com ninguém. -Ter sido tirano para com o povo. -Ser muito vaidoso. -Desprezava o povo. Cena Do Fidalgo (Don Arnrique) Adereços q o caracterizam: -Pajem: desprezo pelos mais pobres. -Manto: vaidade. -Cadeira: julgava-se importante e poderoso. Argumentos de Defesa: -Barca do Inferno é desagradável.

Leia mais

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é:

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é: Tovadorismo 1 - (PUC-Camp - 2011) A poesia medieval procurou enaltecer os valores e as virtures do cavaleiro. Nessa poesia, o amor cortês, referido no texto, pressupunha uma concepção mítica do amor, que

Leia mais

Língua Portuguesa. 1º ano. Unidade 1

Língua Portuguesa. 1º ano. Unidade 1 Língua Portuguesa 1º ano Unidade 1 Linguagem Linguagem, língua, fala Unidade 4 - capítulo 12 Linguagem verbal e não verbal Unidade 4 - capítulo 12 e 13 Signo linguístico Unidade 4 - capítulo 12 Denotação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Visão diacrônica das correntes estéticas da Literatura Portuguesa do período medieval ao final do séc. XIX. Abordagem crítica dos seguintes movimentos: Trovadorismo, Humanismo, Renascimento,

Leia mais

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos O TEXTO DRAMÁTICO O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico García Lorca) Professor Luís Araújo 1 O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem

Leia mais

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

Designa-se por Trovadorismo o período que engloba a produção literária de Portugal durante seus primeiros séculos de existência (séc. XII ao XV).

Designa-se por Trovadorismo o período que engloba a produção literária de Portugal durante seus primeiros séculos de existência (séc. XII ao XV). Designa-se por Trovadorismo o período que engloba a produção literária de Portugal durante seus primeiros séculos de existência (séc. XII ao XV). Durante essa época a poesia alcançou grande popularidade,

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VENDAS NOVAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VENDAS NOVAS Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VENDAS NOVAS 1. Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário Domínios Conhecimentos e capacidades Atitudes 85% 15% - Cumprimento de regras - Participação nas

Leia mais

Introdução à Literatura de um modo geral

Introdução à Literatura de um modo geral I. Arte Manifestação plena de transcendência Introdução à Literatura de um modo geral É a forma mais elevada do espírito e inteligência humana: música, dança, pintura, literatura II. Literatura A arte

Leia mais

CONCEITO CONTO POPULAR LITERATURA INFANTIL UNIVERSAL GÊNERO LÍRICO GÊNERO DRAMÁTICO GÊNERO NARRATIVO AULA 01: LITERATURA INFANTIL E GÊNEROS LITERÁRIOS

CONCEITO CONTO POPULAR LITERATURA INFANTIL UNIVERSAL GÊNERO LÍRICO GÊNERO DRAMÁTICO GÊNERO NARRATIVO AULA 01: LITERATURA INFANTIL E GÊNEROS LITERÁRIOS LITERATURA INFANTIL UNIVERSAL AULA 01: LITERATURA INFANTIL E GÊNEROS LITERÁRIOS TÓPICO 02: GÊNEROS LITERÁRIOS CONCEITO Segundo Victor Manuel de Aguiar e Silva em Teoria da Literatura, os gêneros literários

Leia mais

trovadorismo história da literatura

trovadorismo história da literatura CONTEXTO HISTÓRICO.: Trovadorismo foi a primeira escola literária portuguesa. Esse movimento literário compreende o período que vai, aproximadamente do século XII ao século XIV. As atividades literárias

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA Nenhuma questão com problema no gabarito. Nenhuma falha mais clamorosa. Logo, podemos considerar excelente

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE LITERATURA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Regiane Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore

Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore Com mais de 50 livros publicados, Affonso Romano de Sant Anna é uma das referências da literatura brasileira contemporânea. Agora mesmo, ele está saindo

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20B Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

História 7A Aula 20. A Cultura Medieval I

História 7A Aula 20. A Cultura Medieval I História 7A Aula 20 A Cultura Medieval I Cultura Medieval Síntese de elementos greco- romanos, cristãos e germânicos, reformulados com novas experiências. IGREJA CATÓLICA Instituição mais poderosa do mundo

Leia mais

3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1. 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 Período Gêneros Prioritários

3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1. 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 Período Gêneros Prioritários 3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 1º. TRIMESTRE Tirinha Música Foco narrativo (sequência); Suporte de origem; Imagem desenhada; Histórias

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( x ) Fundamental ( ) Médio SÉRIE: _5ª_ TURMA: TURNO: DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSOR(A): Equipe de História Roteiro e Lista de recuperação

Leia mais

desses que tocam trombeta, anunciou: só os cabelos pretíssimos e uma beleza Aceito os subterfúgios que me cabem, Foi-se com uma bandeira

desses que tocam trombeta, anunciou: só os cabelos pretíssimos e uma beleza Aceito os subterfúgios que me cabem, Foi-se com uma bandeira LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS EM LÍNGUA PORTUGUESA 1 Compare os poemas Com licença poética e Enredo para um tema, de Adélia Prado. Com licença poética Enredo para um tema Quando nasci um anjo esbelto,

Leia mais

Língua Portuguesa 1ºEM

Língua Portuguesa 1ºEM ASSESSORIA DE EDUCAÇÃO PROVÍNCIA DO PARANÁ Colégio Social Madre Clélia Língua Portuguesa 1ºEM Prof. Eliana Martens A prova de redação é extremamente importante em vestibulares e em concursos Avalia diferentes

Leia mais

(Vem um Onzeneiro, e pergunta ao Arrais do Inferno, dizendo:)

(Vem um Onzeneiro, e pergunta ao Arrais do Inferno, dizendo:) Língua Portuguesa 9 º ano EBI da Charneca de Caparica FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA Nome: N.º: Turma: Data: / / Enc. Educação: Apreciação: Professor: Competências a avaliar: compreensão e expressão escritas;

Leia mais

400 anos do cavaleiro sonhador

400 anos do cavaleiro sonhador 400 anos do cavaleiro sonhador Há 400 anos, Miguel de Cervantes publicava a primeira parte de Dom Quixote, livro que marcou a história da literatura. Críticos e estudiosos retomam a efeméride para discutir

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

CURRÍCULOS 2015/2016

CURRÍCULOS 2015/2016 CURRÍCULOS 2015/2016 Ensino Regular Departamento: Línguas Disciplina: Português Ano de Escolaridade: 10º ano 1.º Período Aulas Previstas: +/- 54 Conteúdos Programáticos: Unidade 0 Diagnóstico e Projeto

Leia mais

6 Os romances ou novelas de cavalaria em Portugal e o Amadis de Gaula

6 Os romances ou novelas de cavalaria em Portugal e o Amadis de Gaula 6 Os romances ou novelas de cavalaria em Portugal e o Amadis de Gaula Os romances ou novelas de cavalaria, chamada, matéria da Bretanha surgiram em ambiente palaciano, na época em que se reduziam a prosa

Leia mais

LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL EMENTAS DO CURSO 1º P LÍNGUA ESPANHOLA I LÍNGUA PORTUGUESA I ESTUDOS CLÁSSICOS LINGUÍSTICA I

LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL EMENTAS DO CURSO 1º P LÍNGUA ESPANHOLA I LÍNGUA PORTUGUESA I ESTUDOS CLÁSSICOS LINGUÍSTICA I LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL EMENTAS DO CURSO 1º P LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de estruturas gramaticais básicas em situações comunicativas de registros culto e coloquial. Introdução à fonética e fonologia

Leia mais

As suas principais obras

As suas principais obras Cena do Fidalgo Gil Vicente nasceu na cidade de Guimarães em 1466. É considerado o primeiro grande dramaturgo português, além de poeta. Enquanto homem de teatro, parece ter também desempenhado as tarefas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Professor Mário Antonio Verza Código: 164 Município: Palmital Área de conhecimento: Linguagens e códigos Componente Curricular: Língua Portuguesa

Leia mais

Dr. Joaquim de Carvalho Figueira da Foz

Dr. Joaquim de Carvalho Figueira da Foz Curso Profissional de 12º H Português Planificação Anual - Módulos: 10,11 e 12 Ano Letivo: 2015/2016 Módulos Compreensão Âmbito dos Conteúdos Avaliação Leitura/descrição / Expressão de imagens oral Testes

Leia mais

O AMOR MEDIEVAL NO ROMANCE DE AMADIS

O AMOR MEDIEVAL NO ROMANCE DE AMADIS O AMOR MEDIEVAL NO ROMANCE DE AMADIS ÂNGELA MARIA LEITE AIRES- (UEPB) Durante a Idade Média, perdurou a concepção de que o amor não era a busca do gozo, da satisfação do desejo carnal, mas, sim, um desejo

Leia mais

Revisão. Portuguesa. língua. organizadora. ensino médio. Obra coletiva concebida, desenvolvida e produzida por Edições SM.

Revisão. Portuguesa. língua. organizadora. ensino médio. Obra coletiva concebida, desenvolvida e produzida por Edições SM. Revisão língua Portuguesa ensino médio organizadora Edições SM Obra coletiva concebida, desenvolvida e produzida por Edições SM. São Paulo, 1ª- edição 2014 Ser Protagonista Língua Portuguesa Revisão Edições

Leia mais

Texto I. Questão 03. Questão 01. Questão 02. Questão 04. Questão 05. Leia o texto a seguir, depois responda as questões de 01 a 03.

Texto I. Questão 03. Questão 01. Questão 02. Questão 04. Questão 05. Leia o texto a seguir, depois responda as questões de 01 a 03. Leia o texto a seguir, depois responda as questões de 01 a 03. Texto I Cantigas de amor As cantigas de amor são composições líricas em que o trovador exalta as qualidades de uma mulher, a quem chama minha

Leia mais

Itália berço do Renascimento

Itália berço do Renascimento RENASCIMENTO CULTURAL XIV e XVI Itália berço do Renascimento How does Late Linha Gothic art create do the tempo bridge between Byzantine and Renaissance art? Bizantino Virgin and Child Gótico Virgin and

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 6º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 Ponto de partida Reportagem televisiva

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - LÍNGUA E LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA- Grupos D, E, F, G e L TEXTO I

PADRÃO DE RESPOSTA - LÍNGUA E LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA- Grupos D, E, F, G e L TEXTO I PADRÃO DE RESPOSTA - LÍNGUA E LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA- Grupos D, E, F, G e L TEXTO I 5 Eu estava deitado num velho sofá amplo. Lá fora, a chuva caía com redobrado rigor e ventava fortemente. A

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações?

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações? O Canto Litúrgico Como escolher os cantos para nossas celebrações? O que é Liturgia? Liturgia é antes de tudo "serviço do povo", essa experiência é fruto de uma vivencia fraterna, ou seja, é o culto, é

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Educação Literária

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Educação Literária Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Educação Literária Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha Nota prévia Esta apresentação tem como objetivos:

Leia mais

Língua Portuguesa 10º ano. Planificação anual e trimestral

Língua Portuguesa 10º ano. Planificação anual e trimestral Língua Portuguesa 10º ano Planificação anual e trimestral Ano lectivo: 2010 / 2011 As competências e objectivos que a seguir se indicam foram escolhidos e extraídos do Programa, no âmbito da Leitura, da

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

COLETÂNEA CONTINUA...

COLETÂNEA CONTINUA... Natal, 05 de abril de 2011 PROVA DE REDAÇÃO A prova de redação apresenta uma proposta de construção textual: uma CARTA ABERTA. Com a finalidade de auxiliá-lo(a) na compreensão prévia da temática em foco,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD LETRAS CURRÍCULO 4 Matriz Curricular 2014/2 Mariana Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS) LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA CÓDIGO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRÉ-REQUISITO PER LET701 Estudos Clássicos

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Conteúdos do 1º Bimestre Ensino Médio

Conteúdos do 1º Bimestre Ensino Médio São Paulo, 6 de abril de 2015. Conteúdos do 1º Bimestre Ensino Médio 1 a Série A Matemática - Profa. Silvia - (Setor A) Resolução de problemas com conjuntos (diagramas); propriedades da potenciação e da

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE Ivaiporã - PR Faculdades Integradas do Vale do Ivaí - UNIVALE COMISSÃO DO VESTIBULAR CONCURSO VESTIBULAR 2016 MATRÍCULA DOS APROVADOS NO VESTIBULAR A matrícula

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2010/2011 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2010/2011 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2010/2011 PROVA DE LITERATURA A PUCPR elaborou uma prova, no geral, de bom nível, embora tenha apresentado algumas falhas de revisão

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) Curso 1/20C Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

GRADE CURRICULAR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS: ESTUDOS LITERÁRIOS DA UFMG

GRADE CURRICULAR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS: ESTUDOS LITERÁRIOS DA UFMG GRADE CURRICULAR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS: ESTUDOS LITERÁRIOS DA UFMG DISCIPLINAS DAS ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO Área de concentração: TEORIA DA LITERATURA - NÍVEL MESTRADO DISCIPLINAS CRÉDITOS

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 1º ano FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA Professor (a):rodrigo CUNHA Ano: 7º Turmas: 7.1 e 7.2

Disciplina: HISTÓRIA Professor (a):rodrigo CUNHA Ano: 7º Turmas: 7.1 e 7.2 Rede de Educação Missionárias Servas do Espírito Santo Colégio Nossa Senhora da Piedade Av. Amaro Cavalcanti, 2591 Encantado Rio de Janeiro / RJ CEP: 20735042 Tel: 2594-5043 Fax: 2269-3409 E-mail: cnsp@terra.com.br

Leia mais

Conteúdos / Temas a lecionar

Conteúdos / Temas a lecionar Planificação do trabalho a desenvolver com a turma C ano 10º C (2015/2016) Disciplinas Aulas Previstas (aulas de 50 m) Conteúdos / Temas a lecionar 1º 2º 3º 1º Período 2º Período 3º Período Critérios de

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15 GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 2 ano ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15 No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2 BIMESTRE O Barroco - a arte que predominou

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

EDITAL 2014/01. Página 1 de 5. EDITAL 2014/1: Escolha do hino tema por ocasião do Ano Jubilar em comemoração aos cinquenta anos de evangelização.

EDITAL 2014/01. Página 1 de 5. EDITAL 2014/1: Escolha do hino tema por ocasião do Ano Jubilar em comemoração aos cinquenta anos de evangelização. PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA GLÓRIA - DIOCESE DE COLATINA/ES Rua Mafalda Galimberti 380, Vila Lenira Colatina/ES (27)3722-1821 www.paroquiansgloria.org.br EDITAL 2014/01 Por ocasião da abertura do Ano Jubilar

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 9 9 9 11 11 3.º período 9 11 10 10 11 (As Aulas previstas

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética Ibrantina Guedes Lopes Licenciada em Letras e Música. Pós-graduanda do Curso de Especialização em Cultura Pernambucana da FAFIRE Membro da Associação Brasileira

Leia mais

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e escritos à maneira adequada do padrão da língua materna;

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

Século XII Idade Média TROVADORISMO. Cristianismo. - Temas profanos. - Predomínio da emoção. - Influência das tradições populares

Século XII Idade Média TROVADORISMO. Cristianismo. - Temas profanos. - Predomínio da emoção. - Influência das tradições populares Século XII Idade Média TROVADORISMO Cristianismo - Temas profanos - Predomínio da emoção - Influência das tradições populares - Ambiente cortês, rural ou marítimo - Exaltação do ideal cavaleiresco - Emprego

Leia mais