Por que salvar o lobo-guará?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Por que salvar o lobo-guará?"

Transcrição

1 MÓDULO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Por que salvar o lobo-guará? Habilidades básicas: Reconhecer a interdependência entre os seres vivos e entre estes e o ambiente físico; Identificar a relação do ser humano com outras espécies como parte da cultura; Reconhecer o valor da biodiversidade como parte do sistema de valores da sociedade; Perceber-se como co-responsável pela manutenção das condições de vida no planeta. Introdução A origem e o funcionamento do planeta Terra são mistérios que a humanidade busca desvendar. Apesar das pesquisas e teorias científicas a respeito do surgimento do universo e do nosso planeta, não podemos afirmar com toda certeza quando e como tudo aconteceu. Cientistas estimam que o planeta Terra tenha surgido há mais de 4 bilhões de anos e que o homem moderno, denominado Homo sapiens, surgiu há cerca de anos. Surgido na África, o Homo sapiens teria chegado às Américas há cerca de anos. Sobre o Brasil, comemoramos o início da história da nossa civilização que ocorreu há cerca de 500 anos, lembrando que antes da chegada dos portugueses nosso país era habitado por índios. Antes do aparecimento do ser humano na Terra, milhares de espécies vivas já existiam aqui. A história da vida na Terra começou muito antes de nosso surgimento e não sabemos se haverá um final. Há ainda muito a ser pesquisado e descoberto, tanto sobre a origem quanto sobre o funcionamento do nosso planeta. E quanto mais distante no tempo um fato ou fenômeno ocorre, maior a dificuldade de serem compreendidos por nós, habitantes recentes da Terra. No entanto, mesmo com tantos mistérios, já sabemos o suficiente para imaginarmos o que pode acontecer se nas nossas ações não considerarmos a Terra como uma grande casa onde cada habitante colabora para a sua manutenção, seja animal, vegetal ou outro ser vivo. Hoje, graças aos estudos científicos, temos milhares de espécies identificadas, mas acredita-se que a maior parte ainda está para ser descoberta (veja gráfico ao lado). Dentre as 200 nações do mundo atual, apenas 17 países possuem em seus territórios cerca de 70% da biodiversidade representada pelas espécies animais e vegetais hoje existentes. Somos hoje 5,8 bilhões de habitantes no planeta e chegaremos, a curto prazo, a oito bilhões. Os seres humanos estão ocupando cada vez mais espaço na Terra. Como resultado, nos próximos 30 anos, as atividades humanas poderão ser responsáveis pelo desaparecimento de cerca de 20% das espécies existentes. O Brasil é o campeão mundial em biodiversidade (veja o quadro dos 10 países que detêm a maior diversidade biológica do planeta. O Brasil possui 56 mil espécies, cerca 22% do total de 250 mil plantas existentes em todo o planeta).[2]

2 Conhecer para saber por que preservar A história relatada a seguir poderia acontecer em outros lugares do país ou do mundo. Ela vai nos ajudar a refletir sobre o funcionamento do planeta e as conseqüências das nossas atitudes quando ignoramos a Terra como uma grande casa que abriga milhares de habitantes, muitos ainda desconhecidos por nós, seres humanos.

3 Conhecendo o lobo-guará Nesse módulo não vamos falar apenas do lobo-guará, mas ele será o nosso personagem principal. Por isso, vamos apresentá-lo...

4 Projeto: Dossiê animal Parte I Realize uma pesquisa na região em que você mora: a. Quais são os animais e plantas mais representativos da região? Faça uma lista. b. O que você sabe sobre esses animais e plantas? Redija um texto com essas informações/características. c. Escolha uma espécie animal dentre aquelas que você identificou e faça uma ilustração. Desenhe também o ambiente onde o animal escolhido é encontrado. Uma casa chamada Terra Imagine uma casa onde cada pessoa tenha uma função: cozinhar, limpar, fazer compras, lavar a roupa, arrumar o quarto, estudar, trabalhar para receber o dinheiro que será usado na manutenção da casa, etc. Se alguma dessas funções deixar de ser executada, a família entrará em desequilíbrio, seja na própria organização da casa ou nas relações entre as pessoas. Isso mostra a dependência entre os indivíduos para que a casa funcione bem. Façamos uma comparação com as histórias que acabamos de ver. Elas também mostram como os habitantes da Terra são dependentes uns dos outros, sejam animais, plantas ou outros seres vivos, tais como os microrganismos. Assim, consideramos o planeta Terra como uma grande casa. Podemos conhecer melhor essa interdependência em outros módulos de Ciências. O módulo sobre Teia alimentar, por exemplo, traz informações e ilustrações que mostram que a matéria circula, ou seja, aquilo de que são feitos os organismos passa de um ser vivo para outro, através da cadeia alimentar e das reações químicas que ocorrem na atmosfera, nos solos e nos cursos d água. Por causa do conhecimento dessas relações entre os seres vivos e deles com o ambiente físico, mantendo o planeta em equilíbrio, cientistas chegaram a propor que a Terra fosse considerada um grande ser vivo. Assim, grandes alterações nas partes desse ser vivo poderiam pôr em risco a sua existência. Conhecida pelo nome Gaia, a teoria que defende essas idéias foi formulada por cientistas na década de 1970 e vem sendo discutida através dos anos. Vamos conhecê-la um pouco mais

5 Projeto: Dossiê animal - Parte II Retome a ilustração que você fez na atividade anterior (Parte I). Procure em revistas figuras de animais que se relacionem de algum modo com a espécie que você escolheu. Inclua esses animais na ilustração. Descreva a relação que cada um desses animais tem com aquele que você escolheu. Por exemplo: serve como alimento; é o predador; compete por alimento; etc. Inclua na sua descrição a relação que o animal escolhido tem com os seres humanos. A teoria Gaia[4] Gaia é o nome de uma antiga deusa grega que simboliza a Terra viva. A teoria Gaia foi proposta por um cientista da NASA (Agência Espacial Americana), Lovelock, na década de Segundo ele, a Terra se comportava como um grande ser vivo e, por isso, o nome dado à teoria. Hoje, há outros nomes para essa teoria, como Geofisiologia, porque a discussão sobre a Terra viva é bastante polêmica. Muitos cientistas questionam a idéia da Terra como um ser vivo porque algumas características dos seres vivos não se aplicam a ela. No entanto, esse argumento começou a ser difundido porque os idealizadores da teoria perceberam que tudo o que não é considerado vivo na natureza - gases, rochas - interfere no perfeito funcionamento da Terra, assim como o bom funcionamento do nosso corpo, por exemplo, depende do desempenho das funções de cada órgão. Então, o que interessa para esse módulo são as contribuições que a Teoria Gaia pode dar para a compreensão sobre a relação que existe entre as condições do planeta e os seres vivos. Há uma relação muito íntima dos seres vivos com o ambiente, de modo indivisível. Isso quer dizer que os seres vivos modificam o ambiente e este, por sua vez, oferece as condições para a sobrevivência ou não das espécies. Os seres humanos e os outros seres vivos uma relação cultural A história da humanidade mostra muitas mudanças em vários aspectos. Por exemplo, o ser humano nem sempre se relacionou com a natureza da mesma maneira. É claro que o modo de ver o mundo depende do conhecimento que se tem a respeito dele, das necessidades que criamos e de outros aspectos como os valores culturais que mudam através dos tempos. A história ilustrada a seguir, foi baseada no livro O homem e o mundo natural [5], do escritor inglês, Keith Thomas, que mostra a relação do ser humano com a natureza, especialmente com animais e plantas, entre os séculos XVI e XIX. A descrição segue basicamente os costumes da Europa e de um período específico da história, mas serve também para conhecermos e avaliarmos as mudanças de atitudes de toda a humanidade através dos tempos. Conhecer essa história também poderá nos ajudar a responder a pergunta: Por que salvar os lobos-guará? Vamos à leitura... A visão tradicional era que o mundo fora criado para o bem do homem e as outras espécies deviam se subordinar a seus desejos e necessidades. O fim da ciência era devolver ao homem o domínio sobre a criação que ele perdera em parte com o pecado original. A motivação inicial para o estudo da história natural foi de teor prático e utilitário. O ocidente caracterizava-se por sua dependência dos recursos naturais, fosse para o trabalho, o alimento, o vestuário ou transporte. A botânica nasceu como uma tentativa de identificar os usos das plantas. Alguns autores distinguiam as plantas segundo o gosto, o cheiro, a comestibilidade e, acima de tudo, o seu valor medicinal, especialmente conforme a parte do corpo que pudessem curar.

6 /commons /4/48/Michelangelo_Buonarroti_022.jpg /2009_04_01_archive.html /2009/12/fitoterapia.jpg Também entre os animais havia essencialmente três categorias aos pares: comestíveis e não-comestíveis; ferozes e mansos; úteis e inúteis. A primeira era a mais importante. Depois vieram a caça e a domesticação. O homem estava acima de todas as espécies, entre animais e anjos. Essa convicção definia o tratamento que se dava às outras formas de vida. No século XVIII, dizia-se que a verdadeira origem da sociedade humana estava na associação dos homens para se defenderem das feras. Os filósofos ocidentais descreviam o homem como animal político; animal que ri; animal que fabrica seus utensílios; animal religioso e um animal que cozinha. A religião, sim, tornava os seres humanos muito diferentes dos animais. A alma, ausente nos animais, era imortal. Chegaram a afirmar que os animais não tinham sensações como a dor. Nesse tempo acostumado a um grande número de maravilhas mecânicas relógios de mesa e de bolso, bonecos automáticos acreditava-se que os animais também eram máquinas feitas por Deus.

7 A moral, a religião, a educação erudita, a civilidade tinham como objetivo elevar os homens acima dos animais. O manual da civilidade trazia boas maneiras à mesa, diferenciando os homens dos animais: não estale os lábios, como um cavalo, não engula a comida sem mastigá-la como um cegonha, não roa os ossos, como um cão, não lamba o prato, como um felino. No princípio da era moderna o valor negativo atribuído aos animais servia mais para exaltar a espécie humana. O homem atribuía aos animais os impulsos que mais temia em si mesmo a gula, a ferocidade, a sexualidade. Diziam bêbado como uma cabra. Mas quem já viu uma cabra bêbada? Esse pressuposto da superioridade humana foi sendo gradualmente minado, iniciando pelo desenvolvimento da história natural, o estudo científico dos animais e da vegetação. A classificação influenciava a forma de tratar as plantas e animais. Assim, havia um preconceito quanto a matar animais indispensáveis para o trabalho, a fim de usá-los como alimento, como os cavalos e os cães. O culto ao rosbife acompanhou bem de perto o declínio do boi como animal de trabalho. Também não podiam comer lebres, galos ou gansos, criaturas destinadas ao entretenimento. Havia uma aversão semelhante a comidas que guardassem demasiada semelhança com a carne humana, como os macacos e aquelas que se consideravam nascidos da putrefação: rãs, lesmas, cogumelos e ostras. (modificado) As várias formas de classificação levaram os naturalistas a considerarem que havia uma escala de perfeição que subia do homem aos anjos e descia dele até os seres mais com menor grau de perfeição. Os graus de perfeição eram baseados na beleza, no caráter, na descendência e outros aspectos que, na verdade, eram importantes para a Assim, os animais feios mereciam menos respeito, aqueles considerados vis como a raposa mereciam a morte e os fracos também não deveriam sobreviver. SIM NÃO No início dos tempos modernos, ocorreu uma verdadeira revolução no conhecimento das plantas quando se deixou de descrevê-las por sua utilidade, abundância, dimensão, cheiro e cor, para se concentrar a atenção exclusivamente na disposição e na forma das partes da flor e da raiz.

8 sociedade humana. /botanica.jpg Os botânicos do início do período moderno agrupavam as plantas de acordo com as suas características. Eles estavam interessados em conhecer o mundo natural como ele é e não através do que ele podia oferecer para o ser humano. Os animais não eram mais vistos como feios, pois havia curiosidade para estudar a função de cada parte do corpo. Assim, tudo era feito perfeitamente para cumprir a função a que se destinava. O estudo da história natural passou a ser um dos mais característicos passatempos da classe média do século XVIII. /tvpendrive/arquivos/file/imagens /6biologia/3comparacao.jpg / _SWN42.png /hcsm/v16n1/09f2.gif Nessa época, o trabalhador agrícola era considerado um conhecedor do mundo natural. A necessidade de conhecimento do meio circundante era e ainda é própria do ser humano. Os primeiros progressos da história natural, dos estudos sobre plantas e animais, deveram-se à sabedoria popular. Mas o saber popular ainda era muito voltado para a utilidade do mundo natural. Os cientistas passaram a substituir esse conhecimento pela investigação mais sistemática, especialmente por causa das crenças relacionadas ao mundo natural. Por exemplo, as pessoas comuns usavam partes de plantas na casa ou no corpo contra feitiços. Houve uma separação entre o saber popular e o saber erudito, apoiada por invenções como o microscópio que proporcionou a realização de experimentos que não seriam possíveis antes.

9 A natureza passou a ser estudada para ser compreendida, assim como a inserção do ser humano entre os elementos naturais passou a ser vista como algo a ser estudado... Projeto: Dossiê animal - Parte III Lembra-se do animal que você escolheu na Parte I? Então, vamos retomá-lo. Sua tarefa agora será responder as questões abaixo a respeito desse animal. Assim, você estará construindo a história dele e refletindo sobre a sua importância. a. Qual é a classificação atual desse animal? Para responder, procure em livros de Biologia ou pesquise na internet. b. Volte à história e leia os quadros 14 a 17. Como você classificaria o animal escolhido de acordo com a percepção das pessoas daquela época? c. Conheça um pouco da história do animal escolhido por você. Pesquise em livros, revistas e sites qual é a importância que esse animal tem para os seres humanos e para o ambiente onde ele vive. Pesquise também sobre o surgimento desse animal no planeta e a sua distribuição no mundo. Elabore um texto com as informações que você coletou. d. Complete a seqüência da ilustração que você fez na atividade 4 fazendo outra que mostre a história desse animal. O valor da biodiversidade No módulo sobre impactos ambientais e extinção de espécies, encontramos informações importantes sobre as causas e as conseqüências da diminuição na quantidade e na diversidade de espécies. Conhecer os fatores que levam à extinção é fundamental para tentar evitá-los, de modo a manter a diversidade biológica ou biodiversidade. Mas, afinal, por que manter a biodiversidade? Estudiosos do meio ambiente poderiam enumerar vários motivos pelos quais as espécies devem ser mantidas. Os argumentos em favor da manutenção das espécies vindos dessas pessoas geralmente estão relacionados à importância que cada animal, planta ou outro ser vivo tem para o ambiente onde vive e para o processo de evolução da vida sobre a Terra. Como vimos na história do homem e o mundo natural, as investigações sobre cada ser vivo não estão mais voltadas para descobertas sobre a sua utilização. Mas, antes, os pesquisadores preocupam-se em desvendar o modo de ser e de viver de cada ser vivo a fim de conhecer a grande rede de relações que mantém o nosso planeta funcionando. Muitas vezes, as relações entre os seres vivos interferem também na vida das pessoas, especialmente quando estão em jogo espécies utilizadas como recursos. Por isso, atualmente, estudiosos têm tentado conduzir o debate sobre o uso dos recursos naturais, com empresários e governantes, atribuindo valores a esses recursos. A necessidade de se atribuir um valor aos recursos naturais pode estar no seguinte argumento: As pessoas entendem mais facilmente os argumentos econômicos. Estimar o quanto vale economicamente a biodiversidade é um primeiro passo na direção de se defender a proteção dos recursos naturais. As vantagens econômicas de um país por causa de sua riqueza de recursos naturais devem ser ressaltadas e quantificadas, por mais difícil que pareça ser à primeira vista. E os danos e prejuízos também devem ser quantificados. Quando os custos da degradação ecológica não são pagos

10 por aqueles que a geram, estes custos afetam o ambiente sem a devida compensação. As atividades econômicas são assim planejadas sem levar em conta os prejuízos ambientais. Além disso, as gerações futuras serão deixadas com um estoque de recursos naturais resultante das decisões das gerações atuais, arcando os custos que estas decisões podem implicar[6]. De acordo com ecólogos, os valores que estão sendo atribuídos ao ambiente podem ser agrupados em quatro categorias. São elas: Alguns métodos econômicos específicos têm sido utilizados para se tentar quantificar quanto vale cada um destes tipos de uso, inclusive o valor de existência. O valor do lobo-guará Depois de tudo que vimos até agora, você acha que o lobo-guará tem valor? Tente enumerar os motivos pelos quais os lobos-guará devem ser preservados. Não faltarão argumentos! Atividade 4. Enquete: O valor de cada um Você conhece esta música? A letra traz o nome popular de diversos animais:

11 Utilizando a letra da música Bicho, sua tarefa será: a. Construir uma tabela com as seguintes informações: Na primeira coluna, coloque os nomes dos animais encontrados na música. Na penúltima linha dessa mesma coluna, coloque o nome do lobo-guará e, na última linha, inclua o nome do animal escolhido por você no Projeto Dossiê animal. Nas outras colunas, faça como mostra o exemplo. Exemplo: Entrevistado 1 Entrevistado 2 Entrevistado 3 Total Animal Valor de uso Valor de existência Nenhum valor Valor de uso Valor de existência Nenhum valor Valor de uso Valor de existência Nenhum valor VU VE NV Leão x x x Baleia x x x Total b. Após construir a tabela, você deverá entrevistar três pessoas (ou outro número de pessoas decidido pela classe) perguntando a elas se cada animal da tabela tem um valor. Se a resposta for positiva, você deverá completar, perguntando qual é o valor atribuído ao animal. c. Depois das entrevistas, a turma deverá analisar o resultado da enquete. Para isso, o(a) professor(a) deverá construir uma nova tabela com os resultados obtidos por todos os alunos, excluindo o animal específico de cada aluno. Também poderão ser elaborados gráficos a partir dessa tabela. d. Em seguida, cada aluno(a) deverá elaborar um texto descrevendo e analisando os resultados. O texto deverá informar, por exemplo, qual é a visão predominante das pessoas com relação aos animais utilitária, valor de existência ou nenhum valor. Ainda poderá dizer sobre a relação das pessoas com os animais, considerando a história do homem e o mundo natural. Projeto: Dossiê animal Parte IV Considerando os dados da atividade anterior (atividade 4), faça o seguinte: a. Identifique na resposta de cada pessoa qual é o valor atribuído ao animal que você escolheu e ao lobo-guará. (valor de uso, valor de existência ou nenhum valor). O que você achou do resultado? As pessoas dão valor a esses animais? Elas achariam importante preservá-los? b. A partir desses dados, escolha o tipo de material mais apropriado para divulgar as informações ou sensibilizar as pessoas: cartilha, jornal, gibi ou outro que você quiser. Para isso, é importante conhecer exemplos de cada um desses materiais para adequar o formato, a linguagem e as ilustrações! Lobo-guará uma espécie ameaçada de extinção

12 O Ministério do Meio Ambiente do governo brasileiro apresenta uma lista de 627 espécies da fauna brasileira ameaçadas de extinção em um livro com informações sobre a biologia, distribuição geográfica, presença em unidades de conservação, principais ameaças, estratégias de conservação, indicações de especialistas e de núcleos de pesquisa e conservação envolvidos com as espécies[7]. Dentre essas espécies está o lobo-guará que é uma vítima da expansão da agricultura no Cerrado, um dos biomas mais ameaçados do país. Estudo feito pela ONG Conservação Internacional mostra que o bioma é desmatado a uma velocidade equivalente a 2,6 campos de futebol por minuto[8]. A maior ameaça para os canídeos brasileiros (assim como para a maior parte de nossa fauna) é a destruição de habitats. Pouco resta da Mata Atlântica e o Cerrado está indo pelo mesmo caminho de destruição (veja Figura 4). Doenças normalmente transmitidas por cães domésticos e a caça, muitas vezes em retaliação à predação de animais domésticos, são outras grandes ameaças. Muitas vezes os animais levam fama injustificada como se fossem os predadores de criações[9]. Projeto: Dossiê animal Parte V A partir do levantamento que você fez do animal escolhido e do seu conhecimento da região onde ele vive, identifique o que pode prejudicá-lo e levá-lo à extinção. Para isso, você deve considerar mudanças nos hábitos alimentares e no habitat desse animal e as ações dos seres humanos no ambiente. Com essas informações, elabore um texto sobre as ameaças ao (nome do animal). Ações em nível local, regional, nacional, mundial. Para pensarmos em conservação, precisamos conhecer a ecologia, a dieta do animal, a área que ocupa, enfim, não há como proteger aquilo que não se conhece. Como vimos, a Terra é uma grande casa onde cada ser vivo ou a parte que consideramos não viva, como as rochas e os gases, é importante para o bom funcionamento de um local, de uma região, ou mesmo de todo o planeta. Conservar não só o lobo-guará, mas toda espécie vivente, significa cuidar da nossa casa para que nós mesmos tenhamos um bom lugar para viver. Pensando nisso, governos, organizações não-governamentais, cientistas, empresas e cidadãos comuns têm repensado o modo como estamos cuidando dessa casa. Há várias ações, das quais destacamos aquelas que visam a preservação do lobo-guará, como exemplo. Na realidade, a espécie ocorre em várias áreas protegidas na Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e, possivelmente, Peru. Sua caça é proibida no Brasil, Paraguai e Bolívia. No Brasil, embora não existam iniciativas de conservação dedicadas ao lobo-guará, ele se beneficia dos projetos de proteção do cerrado. No entanto, há estudos e iniciativas de monitoramento da espécie, importantes para a sua manutenção.

13 Proteção a outros animais Você conhece o Projeto Tamar? É um dos mais bem sucedidos programas de proteção da fauna desenvolvido no Brasil. Veja as informações no quadro...

14 Projeto: Dossiê animal Parte VI - O que pode ser feito para proteger o animal escolhido? O animal que você escolheu pode não estar em risco de extinção. Nessa atividade, proteger não representa salvar o animal de uma extinção já anunciada, mas significa cuidar para que o animal não chegue ao ponto de necessitar de programas especiais de proteção. Se o animal escolhido já estiver na lista dos animais ameaçados de extinção, você poderá realizar a atividade da mesma maneira. Sua tarefa: a. Veja os exemplos do lobo-guará e da tartaruga marinha. Identifique medidas de proteção ao animal que você escolheu. Considere as ameaças que você identificou na atividade anterior. Para cada medida, descreva os responsáveis ou participantes do programa de proteção comunidade, governo, empresas, etc. b. Organize o Dossiê Ilustrações e textos produzidos e apresente para a turma. A forma de apresentação poderá ser oral ou através de painéis. No dia da apresentação, a cartilha (ou jornal ou gibi), assim como o livro produzido pela turma com as histórias poderão ser distribuídos. Atividade final: Depois de tudo o que estudamos, considerando a história do ser humano com as outras espécies; o valor da biodiversidade; a Terra como uma grande casa e a interdependência entre os seres vivos e entre esses e o meio ambiente, responda: Por que salvar o lobo-guará? Por que salvar o animal escolhido por você no Projeto Dossiê animal? [1] A figura é uma montagem de fotos obtidas nos seguintes sites: [2] Todas as informações contidas no parágrafo foram obtidas no site Acesso em 15 de fevereiro de [3] Informações obtidas nos sites: [4] Para saber mais sobre a Teoria Gaia: [5] Thomas, Keith. O homem e o mundo natural. Companhia das Letras. São Paulo [6] As declarações sobre o valor da Biodiversidade são de autoria de Branca Medina, disponíveis no site

15 /ecologia7.htm. Acesso em 14/02/10. [7] O LIVRO VERMELHO DAS ESPÉCIES DA FAUNA BRASILEIRA AMEAÇADAS DE EXTINÇÃO está disponível no site do Ministério do Meio Ambiente, no endereço: [8] Informações obtidas no site: [9] Informações obtidas no site: Módulo Didático: Por que salvar o lobo-guará? Educação Ambiental Autor(as): Junia Freguglia e Marina Fonseca Centro de Referência Virtual do Professor - SEE-MG / setembro 2010

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

Trabalho, logo existo!

Trabalho, logo existo! Trabalho, logo existo! Maurício Santos da Luz Graduando em filosofia pela Unioeste Introdução A filosofia se debateu durante muitos séculos, e ainda se debate, para responder a seguinte questão: de onde

Leia mais

1. O que existe por trás do mundo?

1. O que existe por trás do mundo? Existem vários caminhos para se chegar à verdade. Os raciocínios que acabamos de discutir são apenas alguns deles e, talvez, não sejam completos nem suficientes para muitas pessoas. No entanto, existem

Leia mais

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS 11. Já vimos que Jesus Cristo desceu do céu, habitou entre nós, sofreu, morreu, ressuscitou e foi para a presença de Deus. Leia João 17:13 e responda: Onde está Jesus Cristo agora? Lembremo-nos que: Jesus

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DGEO PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA Caicó/RN 2015 UNIVERSIDADE

Leia mais

Sociedades agrárias africanas: um modelo de sucesso

Sociedades agrárias africanas: um modelo de sucesso Sociedades agrárias africanas: um modelo de sucesso por Por Dentro da África - sexta-feira, novembro 13, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/ciencia/sociedades-agrarias-africanas-um-modelo-de-sucesso

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

A TORRE DE BABEL Lição 06

A TORRE DE BABEL Lição 06 A TORRE DE BABEL Lição 06 1 1. Objetivos: Mostrar a tolice do orgulho e dos planos meramente humanos Quando começamos a nos orgulhar e tentamos ser importantíssimos aos próprios olhos, Deus não nos abençoa

Leia mais

Tecnologia. < Questões conceituais >

Tecnologia. < Questões conceituais > Tecnologia < Questões conceituais > Pressupostos tradicionais (últimos 5 séc.): "tecnologia é a simples aplicação da ciência"; "a tecnologia é sempre benéfica" ou "a tecnologia é sempre maléfica"; Pelo

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 Questão 1) Abaixo representa uma experiência com crisântemo, em que a planta foi iluminada, conforme mostra o esquema. Com base no esquema e seus conhecimentos,

Leia mais

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Unidade 8 Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Ciclos Biogeoquímicos Os elementos químicos constituem todas as substâncias encontradas em nosso planeta. Existem mais de 100 elementos químicos,

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE PORTUGUÊS Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 28/05/2011 Nota: Professora: Paula Valor da Prova: 30 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL O patrimônio cultural de uma comunidade é o conjunto de referências que compõem o seu dia-a-dia e fazem com que ela tenha uma memória e uma história

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Introdução à Filogenética para Professores de Biologia

Introdução à Filogenética para Professores de Biologia Introdução à Filogenética para Professores de Biologia A filogenética ajuda a organizar a grande biodiversidade de forma a evidenciar a Evolução. Vamos entender como isso funciona? www.botanicaonline.com.br

Leia mais

O homem transforma o ambiente

O homem transforma o ambiente Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O homem transforma o ambiente Vimos até agora que não dá para falar em ambiente sem considerar a ação do homem. Nesta aula estudaremos de que modo as atividades humanas

Leia mais

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional?

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional? Dúvidas e pontos polêmicos levantados na discussão sobre o Anteprojeto de Lei de Acesso ao Material Genético e seus Produtos, de Proteção aos Conhecimentos Tradicionais Associados e de Repartição de Benefícios

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br C e rtificação gr u p o em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil www.fsc.org.br 28 01 C er t ifi ca çã o emgrupo em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR Introdução OBERJAN ROCHA KOZAN FABIANA LEIFELD RAFAEL TRENTIN SCREMIN FACULDADE SANT ANA, PONTA GROSSA/ PARANÁ/ BRASIL oberjan_15@hotmail.com O objeto de

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 A SALVAÇÃO É A PRÓPRIA PESSOA DE JESUS CRISTO! VOCÊ SABE QUAL É O ENDEREÇO DE JESUS! MAS ISSO É SUFICIENTE? Conhecer o endereço de Jesus, não lhe garantirá

Leia mais

À medida que o ser humano aprende qualquer coisa, as ligações entre grupos de neurônios mudam a sua composição química.

À medida que o ser humano aprende qualquer coisa, as ligações entre grupos de neurônios mudam a sua composição química. 2 Índice 1 - Objetivo... 3 2 Arquivo Mental... 4 3 - Filtros Cerebrais... 9 4 - Paradigmas e Percepções... 13 5 - Alterações do Mapa Mental... 16 Resumo... 22 Saiba mais...... 24 3 1 - OBJETIVO Este texto

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

A D N E G A 2007 as 4 SÉRIES

A D N E G A 2007 as 4 SÉRIES A G E N D A 2007 as 4 SÉRIES ÍNDICE Proposta da ONU... 04 Compromisso do Brasil... 05 Cada cidade responsável por sua agenda 21... 07 Dia internacional da Água... 09 Dia do Meio Ambiente... 12 Dia da Árvore...

Leia mais

HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA

HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA Grupo 1 Universo A Pré-História Professor Carlos HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA Para começarmos é importante saber como os historiadores conceituam a Pré-História: A Pré-História é conceituada como o período que

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO Texto: Apocalipse 22:1-2 Então o anjo me mostrou o rio da água da vida que, claro como cristal, fluía do trono de Deus e do Cordeiro, no meio da RUA principal da cidade. De

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

Padrão de Desempenho 6 V2

Padrão de Desempenho 6 V2 Introdução 1. O Padrão de Desempenho 6 reconhece que a proteção e a conservação da biodiversidade, a manutenção dos serviços dos ecossistemas e o manejo sustentável dos recursos naturais vivos são fundamentais

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

DICAS MENSAIS SOCIOLOGIA 1ª SÉRIE

DICAS MENSAIS SOCIOLOGIA 1ª SÉRIE DICAS MENSAIS SOCIOLOGIA 1ª SÉRIE INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula, em cujo centro pôs uma escada e, sobre ela, um cacho de bananas. Quando um macaco subia

Leia mais

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo Amanda Aroucha de Carvalho Reduzindo o seu resíduo 1 Índice 1. Apresentação 2. Você sabe o que é Educação Ambiental? 3. Problemas Ambientais 4. Para onde vai o seu resíduo? 5. Soluções para diminuir a

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL WWF Brasil Maio/ 2003 OBJETIVOS: Levantar informações para subsidiar o planejamento e a avaliação da comunicação da WWF Brasil. Gerar conhecimentos relevantes

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

"Ajuntai tesouros no céu" - 1

Ajuntai tesouros no céu - 1 "Ajuntai tesouros no céu" - 1 Mt 6:19-21 "Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a

Leia mais

Os animais. Eliseu Tonegawa mora com a família - a. www.interaulaclube.com.br. nova

Os animais. Eliseu Tonegawa mora com a família - a. www.interaulaclube.com.br. nova A U A UL LA Os animais Atenção Eliseu Tonegawa mora com a família - a esposa, Marina, e três filhos - num pequeno sítio no interior de São Paulo. Para sobreviver, ele mantém algumas lavouras, principalmente

Leia mais

Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS)

Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS) Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS) A capacidade de gerar tecnologia e inovação é um dos fatores que distinguem os países ricos dos países pobres. Em sua maioria, essas novas tecnologias

Leia mais

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ).

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Titulo 03: Droga, Álcool e cidadania Paulo de Lima (Mestrando em Educação

Leia mais

GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE

GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE Este documento é uma tradução do crioulo haitiano e alguns termos foram adaptados para facilitar sua relevância para um público mais

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida

1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida 1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida O Que Determina o Sucesso de Uma Dieta? Você vê o bolo acima e pensa: Nunca poderei comer um doce se estiver de dieta. Esse é o principal fator que levam

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

E Deus viu que tudo era bom

E Deus viu que tudo era bom E Deus viu que tudo era bom Nunca pensei que fosse assim O Livro do Gênesis é o livro mais fascinante da Bíblia e o mais complicado. Foi escrito milhares de anos depois dos fatos que ele narra. Foram vários

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 59 Discurso em ato comemorativo do

Leia mais

Educação Ambiental: uma modesta opinião Luiz Eduardo Corrêa Lima

Educação Ambiental: uma modesta opinião Luiz Eduardo Corrêa Lima Educação Ambiental: uma modesta opinião Luiz Eduardo Corrêa Lima Professor Titular de Biologia /FATEA/Lorena/SP Monitor de Educação Profissional/SENAC/Guaratinguetá/SP leclima@hotmail.com. RESUMO 48 Nos

Leia mais

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7 Sumário Introdução - O novo hábito... 1 Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3 Sobre o vocabulário... 4 Benefícios... 7 Perguntas Frequentes sobre o Orçamento Doméstico... 10 Capítulo 2 - Partindo

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Tem um gambá no galinheiro!

Tem um gambá no galinheiro! Tem um gambá no galinheiro! A UU L AL A Madrugada na fazenda, de repente ouve-se o cacarejar das galinhas e começa um rebuliço no galinheiro. Quando o fazendeiro sai para ver o que está acontecendo, um

Leia mais

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís autonomia, território e paz Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica Foto: Jan de Jong Construindo autonomia, território e paz Sonia Irene Cárdenas Solís 15 Agriculturas v. 12 -

Leia mais

INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Adriana Oliveira Bernardes UENF (Universidade do Estado do Norte

Leia mais

ONG S E ASSOCIAÇÕES. Aproveite bem todas as dicas, fotos e textos deste guia, pois eles são muito importantes.

ONG S E ASSOCIAÇÕES. Aproveite bem todas as dicas, fotos e textos deste guia, pois eles são muito importantes. ONG S E ASSOCIAÇÕES PARA COMEÇAR Você tem vontade de participar mais do que acontece ao seu redor, dar uma força para resolver questões que fazem parte da rotina de certos grupos e comunidades e colocar

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1 I. MEIO AMBIENTE CONCEITOS MEIO AMBIENTE Tudo o que cerca o ser vivo,

Leia mais

TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA

TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA 140 TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA Lucas Moreira Professor Almiro Ferreira RESUMO Através deste trabalho será desenvolvido o conceito de responsabilidade social, onde para

Leia mais

Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO

Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO 15.1 Como se Preparar para as Entrevistas É absolutamente essencial treinar-se para as entrevistas. Se você não praticar, poderá cometer todos os tipos

Leia mais

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos ENTREVISTA PETER SINGER. - SELEÇÃO DE TRECHOS Fonte: Portal da Revista Época. Disponível em http://revistaepoca.globo.com/revista/epoca/0,,edg74453-5856-421,00.html

Leia mais

3) As afirmativas a seguir referem-se ao processo de especiação (formação de novas espécies). Com relação a esse processo é INCORRETO afirmar que

3) As afirmativas a seguir referem-se ao processo de especiação (formação de novas espécies). Com relação a esse processo é INCORRETO afirmar que Exercícios Evolução - parte 2 Professora: Ana Paula Souto Nome: n o : Turma: 1) Selecione no capítulo 7 duas características de defesa de plantas. a) DESCREVA cada característica. b) Para cada característica,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO Eliane Alves Leite Email: li.phn.louvoregloria@hotmail.com Fernanda Cristina Sanches Email: fer_cristina2007@hotmail.com Helena Aparecida Gica Arantes

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio 1. Substitua as palavras destacadas (ou mesmo aquelas que não estejam), de forma que os fragmentos abaixo fiquem mais elegantes, conforme à língua

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

ProfMat 2014 TAREFAS PARA A SALA DE AULA DE MATEMÁTICA

ProfMat 2014 TAREFAS PARA A SALA DE AULA DE MATEMÁTICA TAREFAS PARA A SALA DE AULA DE MATEMÁTICA Maria Helena Marques Loth Professora da rede municipal de Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. maria.loth@terra.com.br Amarildo Melchiades da Silva Professor da

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Alunos do 5º Ano Turma B

Alunos do 5º Ano Turma B Alunos do 5º Ano Turma B Boa tarde e Bem Vindos! 1 Todos conhecem a Prof.ª Isabel O meu nome é Alexandre e trabalho na empresa 2 Estamos aqui para vos apresentar o Projecto Concurso Escola Alerta! 3 O

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Vida em Sociedade Palestrante: Regina de Agostini Rio de Janeiro 05/02/1999 Organizadores da palestra: Moderador: "Brab" (nick: [Moderador])

Leia mais

PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2. Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com.

PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2. Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com. PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 1 Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com. 2 Professor Tutor do PET EEEC /UFG; gdeusjr@gmail.com. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO por Wesley José Silva Setembro, 2004 A informática hoje vem sendo uma das soluções a ser implantada na didática de ensino aprendizagem, tendo como

Leia mais

O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO)

O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO) 1 O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO) Ilydio Pereira de Sá Atualmente, com o crescimento da tecnologia e da informação, tem sido muito comum o noticiário sobre catástrofes, principalmente

Leia mais

Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente.

Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente. BOLETIM TÉCNICO JULHO 2015 Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente. Segundo a Psicologia atual ajudada pela compreensão do mundo real que nos trouxe a Física moderna, nós, seres

Leia mais

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 Editora F-5MA2 Rua Floriano Peixoto Santos, 55 Morumbi CEP 05658-080 São Paulo - SP Tel.: (11) 3749 3250 Apresentação A população crescendo, florestas sumindo, calor aumentando,

Leia mais

ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO

ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO 1 - Matriz de Competências e Habilidades de Ciências da Natureza e Suas Tecnologias Ensino Médio EIXOS COGNITIVOS

Leia mais

Contos de ensinamento da tradição oral

Contos de ensinamento da tradição oral Contos de ensinamento da tradição oral Os chamados contos de ensinamento, fazem parte da grande herança cultural formada pelos contos transmitidos oralmente, de geração para geração, ao longo de milênios.

Leia mais

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA RESUMO: É difícil pensar em se memorizar um texto ou até mesmo uma história, sem o recurso da escrita. Mais difícil ainda, é imaginar como

Leia mais

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de Recomendada Por quê? A coleção apresenta eficiência e adequação metodológica, com os principais temas relacionados a Ciências adequados a cada faixa etária, além de conceitos em geral corretos. Constitui

Leia mais

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 GIL, Bruna; BOTTON, Andressa 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga, formada pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Reuniões Mediúnicas Palestrante: Carlos Feitosa Rio de Janeiro 04/10/2002 Organizadores da Palestra: Moderador: "_Alves_"

Leia mais

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil Leone Alves O fim da cegueira intelectual 1ª Edição São Paulo - Brasil 2015 1 Apresentação O fim da cegueira intelectual é um livro filosófico que tem como objetivo despertar na sociedade a capacidade

Leia mais

ANGELITA PÔRTO E SILVA

ANGELITA PÔRTO E SILVA 1 FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL GOVERNADOR ILDO

Leia mais

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível Para quem é este livro? Este livro é para todas aquelas pessoas que fazem o que amam em seu trabalho mas não estão tendo o retorno que gostariam. Este mini guia com 21 sacadas é um resumo dos atendimentos

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

UNIDADE 1: PRECISA DE SABEDORIA? A BÍBLIA É A AUTORIDADE FINAL

UNIDADE 1: PRECISA DE SABEDORIA? A BÍBLIA É A AUTORIDADE FINAL Frutos-1 Impact0 LIÇÃO 1 VIVENDO A VIDA COM DEUS 9-11 Anos UNIDADE 1: PRECISA DE SABEDORIA? A BÍBLIA É A AUTORIDADE FINAL CONCEITO CHAVE A BÍBLIA ORIGINOU- SE COM DEUS E NÓS PODEMOS OLHAR PARA ELA COMO

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

RECURSOS DIDÁTICOS E SUA UTILIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA

RECURSOS DIDÁTICOS E SUA UTILIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA RECURSOS DIDÁTICOS E SUA UTILIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA Resumo: Com o enfoque na metodologia de resolução de problemas, nós, bolsistas do PIBID Matemática da UFPR, elaboramos algumas atividades destinadas

Leia mais

Centralidade da obra de Jesus Cristo

Centralidade da obra de Jesus Cristo Centralidade da obra de Jesus Cristo MÓDULO 3 3ª AULA AULA 3 MÓDULO 3 SALVAÇÃO EM CRISTO Jesus no Centro Por que deve ficar claro isso? Dá para evangelizar sem falar de Jesus? É possível partir de outro

Leia mais

Matemática em Toda Parte II

Matemática em Toda Parte II Matemática em Toda Parte II Episódio: Matemática no Transporte Resumo O episódio Matemática no Transporte, da série Matemática em Toda Parte II, vai mostrar como alguns conceitos matemáticos estão presentes

Leia mais

Paraíso azul CONCEITOS A EXPLORAR. B iologia. M atemática COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. G eografia. Agressão ao ecossistema e extinção de espécies.

Paraíso azul CONCEITOS A EXPLORAR. B iologia. M atemática COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. G eografia. Agressão ao ecossistema e extinção de espécies. CONCEITOS A EXPLORAR B iologia Agressão ao ecossistema e extinção de espécies. Populações: contagem, densidade, taxas de crescimento, determinantes populacionais. Dinâmica de populações: crescimento, oscilação

Leia mais