ISO E LICENCIAMENTO NUCLEAR. Nádia Soido Falcão Martins

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISO 14000 E LICENCIAMENTO NUCLEAR. Nádia Soido Falcão Martins"

Transcrição

1 ISO E LICENCIAMENTO NUCLEAR Nádia Soido Falcão Martins Instituto de Radioproteção e Dosimetria, CNEN Av. Salvador Allende s/n 0, Jacarepaguá , Rio de Janeiro, Brasil RESUMO Nos dias de hoje, o mundo todo está voltando suas atenções para os impactos ambientais provocados pelo crescimento descontrolado de suas atividades industriais. O conceito de desenvolvimento sustentável, ou seja, o crescimento industrial com a garantia da manutenção da qualidade do meio ambiente e a proteção da saúde do homem, vem sendo amplamente divulgado e perseguido através de ações de conscientização e do desenvolvimento de regras globais. Uma das contribuições mais importantes neste sentido é a instituição da série de normas ISO Por outro lado, o desenvolvimento da indústria nuclear trouxe consigo considerações básicas com respeito a segurança e proteção do homem e do meio ambiente, até então esquecidas na implantação das outras indústrias. Ao longo dos anos de implantação das indústrias nucleares no Brasil foram estabelecidos critérios para o licenciamento destas instalações, com o propósito de limitar e controlar os impactos radiológicos no homem e no meio ambiente resultantes da sua operação normal e em situações de emergência. Neste trabalho são discutidos e comparados requisitos de proteção ambiental para implantação do Sistema de Gestão Ambiental, proposto pela ISO 14000, e os exigidos no Licenciamento Nuclear. Palavras Chave: ISO 14000, meio ambiente, impacto ambiental, licenciamento nuclear, radioproteção. I. INTRODUÇÃO O compromisso do desenvolvimento sustentável é o pacto mais importante que o homem está firmando com a Natureza e os critérios que vem adotando para gerenciar corretamente suas ações, através do desenvolvimento de regras globais a serem observadas na utilização dos recursos naturais, mantêm a esperança de que seus nobres objetivos serão alcançados. Uma das ações globais mais efetivas na concretização destes objetivos é o estabelecimento da série de Normas [1], [2], [3], [4], [5] da International Organization for Standardization. O objetivo central da série de normas ISO é a implantação de um Sistema de Gestão Ambiental que auxilie as empresas no cumprimento de suas responsabilidades com respeito ao meio ambiente e aos princípios do desenvolvimento sustentável. Estas normas não são compulsórias e sua adoção depende do grau de interesse da empresa em demonstrar um desempenho ambiental correto. O processo de licenciamento de instalações nucleares, realizado pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), também é regido por normas específicas, criadas à partir de recomendações internacionais. O objetivo principal deste licenciamento é proteger o homem e o meio ambiente das conseqüências radiológicas que podem advir da geração e liberação de resíduos radioativos provenientes da operação normal ou de acidentes destas instalações. O licenciamento é realizado através da avaliação de segurança da instalação, onde se verifica se as informações fornecidas pelo requerente estão de acordo com os objetivos de segurança estabelecidos, e da fiscalização, através de inspeções regulatórias, onde se verifica o cumprimento dos requisitos aplicáveis que visam garantir o correto desempenho radiológico ambiental da instalação. O licenciamento de instalações nucleares, por se tratar de exigência legal, é compulsório.

2 II. A ISO O que é a ISO A International Organization for Standardization (ISO), organismo mundial criado em 1947, é uma organização não-governamental de normalização técnica, com sede em Genebra, Suíça. Esta entidade reúne cerca de 110 países membros, representados pelas suas associações de normalização técnica, no caso brasileiro, pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Dotada da experiência acumulada na elaboração das normas da série ISO Sistema de Gestão da Qualidade, e sensibilizada pelas ações que já vinham sendo tomadas por diversos países para criar suas próprias normas de gestão ambiental, criou em 1993, um Comitê Técnico (TC-207) com o objetivo de elaborar normas internacionais que assegurassem a abordagem sistemática para a gestão ambiental, a série ISO Sistema de Gestão Ambiental. O TC-207 consiste em seis sub-comitês técnicos, além de um Comitê Organizador [6]: SC1 - Gerenciamento Ambiental SC2 - Auditoria Ambiental SC3 - Rotulagem Ambiental SC4 - Avaliação de Desempenho Ambiental SC5 - Análise de Ciclo de Vida SC6 - Termos e Definições Objetivos e Abrangência. As normas ISO são aplicáveis às atividades industriais, agro-industriais, extrativas e de serviços. Seu objetivo central é a instituição de um Sistema de Gestão Ambiental que auxilie as empresas no cumprimento de suas responsabilidades com relação ao meio ambiente. Como objetivos decorrentes, criam sistemas de certificação, tanto das empresas como de seus produtos, possibilitando a identificação do atendimento à legislação ambiental e aos princípios do desenvolvimento sustentável. A série ISO não é apenas uma norma técnica, mas sim um sistema de normas gerenciais e administrativas que contêm um leque de alternativas, dentre as quais inclui-se a possibilidade de certificação dos produtos da empresa. Tendo por base o estabelecimento de um Sistema de Gestão Ambiental, estas normas, se inteiramente implantadas, vão estabelecer diretrizes para a avaliação do desempenho ambiental, a realização de auditorias ambientais, a rotulagem ambiental e a análise do ciclo de vida dos produtos, fazendo-se exigir assim, a total transparência da empresa e de seus produtos com relação aos aspectos ambientais. As normas da série ISO deverão servir de modelo para a implantação desse sistema no âmbito da empresa, possibilitando a harmonização dos procedimentos e diretrizes aceitos internacionalmente, com a experiência e a tradição empresarial local. A abrangência da série de normas ISO é maior que sua equivalente para gestão da qualidade, a ISO 9000, pois esta apenas certifica sistemas e linha de produção, mas não certifica os produtos propriamente ditos. Enquanto isso, a série de normas ISO tem um âmbito de atuação que alcança toda a sociedade, pois, no momento em que certifica produtos estará atingindo e influenciando diretamente o consumidor final. A partir do momento em que o sistema estiver completamente implantado, as questões ambientais receberão um grande impulso e haverá, seguramente, uma maior conscientização e maturidade da sociedade com relação a este tema, provocando um efeito positivo no comportamento das empresas e gerando atitudes pró-ativas em favor da qualidade ambiental. Sistema de Gestão Ambiental. A Gestão Ambiental consiste de um conjunto de medidas e procedimentos bem definidos e adequadamente aplicados que visam reduzir e controlar os impactos introduzidos por um empreendimento sobre o meio ambiente. O ciclo de atuação da Gestão Ambiental, para que essa seja eficaz e que realmente apresente resultados, deve cobrir desde a fase de concepção do projeto até a eliminação efetiva dos resíduos gerados pelo empreendimento depois de implantado, durante toda sua vida útil. Deve também assegurar melhoria continuada das condições de segurança, higiene e saúde ocupacional de todos os seus funcionários e um relacionamento sadio com os segmentos da sociedade que interagem com esse empreendimento e com a empresa. Preliminarmente, a Gestão Ambiental requer a elaboração de um balanço material e energético de todos os fluxos de energia e emissões ambientais ocorridos e seus efeitos sobre o ar, a água e o solo e o comprometimento da alta direção da empresa e de seus acionistas com o estabelecimento de uma Política Ambiental clara e definida que irá direcionar as atividades da organização com relação ao meio ambiente. A Política Ambiental da empresa tem que expressar seu compromisso ambiental formal, assumido perante a sociedade, definindo suas intenções e princípios com relação ao seu desempenho ambiental. Uma empresa, através da definição de uma Política Ambiental própria, expõe seus princípios de respeito ao meio ambiente e sua contribuição para a solução racional dos problemas ambientais. A partir de sua Política Ambiental, expressa por diretrizes e normas internas que deverão ser de conhecimento de todos os seus funcionários diretos, prestadores de serviço e colaboradores em geral, a empresa deve estabelecer seu planejamento ambiental comprometendo-se a: a) Manter um sistema de gestão ambiental que assegure que suas atividades atendam à legislação vigente e aos padrões estabelecidos pela empresa. Na falta de uma legislação específica, a empresa deverá pautar-se pelas melhores práticas de proteção ambiental disponíveis. b) Estabelecer e manter um diálogo permanente com seus funcionários e a comunidade, visando ao aperfeiçoamento de ações ambientais conjuntas.

3 c) Educar e treinar seus funcionários para que atuem sempre de forma ambientalmente correta. d) Exigir de seus fornecedores produtos e componentes com qualidade ambiental compatível com a de seus próprios produtos. e) Desenvolver pesquisas e patrocinar a adoção de novas tecnologias que reduzam os impactos ambientais e contribuam para a redução do consumo de matériasprimas, água e energia. f) Assegurar-se de que seus resíduos são transportados corretamente e em segurança até o destino estabelecido, de acordo com as boas práticas ambientais. A partir de princípios definidos pela Política Ambiental, será estruturado o Sistema de Gestão Ambiental (SGA) [2] da empresa o qual compreende as responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos para implementar e manter a política ambiental da empresa e seus objetivos. Três módulos devem compor o Sistema de Gestão Ambiental da empresa: Planejamento, Implementação e Verificação. Para o planejamento, devem ser identificados os resíduos de suas atividades, produtos ou serviços que possam resultar em impacto ambiental e que possam ser por ela controlados e os requisitos legais e outros requisitos aplicáveis a estes resíduos. Com base nestas identificações devem ser estabelecidos os objetivos e as metas ambientais no comprometimento com a prevenção da poluição e os programas de gestão para atingir estes objetivos e metas. Basicamente deve ser estabelecido o programa de gerenciamento dos resíduos que deve incluir o cadastramento e a classificação, quantitativa e qualitativa, de todos os resíduos gerados e estocados pela empresa, a fim de possibilitar escolha das melhores soluções técnicas e alternativas econômicas para a destinação de cada resíduo. Devem ser levantadas, para cada tipo de resíduo, a quantidade estocada, quantidade gerada mensalmente, composição, forma de acondicionamento e destinação atual. Uma análise química do resíduo permitirá estabelecer sua classificação e grau de periculosidade, de acordo com as normas vigentes. A implantação do SGA requer o comprometimento de todos os empregados da organização com o sistema, e a perfeita definição das responsabilidades e autoridades. Também devem ser destacados o nível de experiência, competência e treinamento necessários. Todos os procedimentos devem ser documentados e controlados, inclusive os que dizem respeito à comunicação interna, controle de documentos e controle operacional. Resumindo, devem ser aplicados todos os requisitos da Garantia da Qualidade. Por se tratar de um sistema que busca a qualidade ambiental, e os acidentes terem se mostrado a principal causa da degradação ambiental, devem ser previstos planos e procedimentos que identifiquem e atendam a acidentes e situações de emergência, com o propósito de mitigar os conseqüentes impactos ambientais. A verificação, terceiro módulo do sistema, visa aferir os resultados obtidos com as diversas tecnologias escolhidas para o tratamento e disposição dos resíduos e otimizar as futuras ações a serem tomadas. Esta verificação é feita através do estabelecimento de programas de monitoramento dos resíduos e do meio ambiente. Através da coleta de amostras e realização de análises; da manutenção de registros dos resultados e da verificação, através de auditorias, poderão ser controlados os padrões de Qualidade Ambiental alcançados, atendendo-se assim, ao mesmo tempo, as exigências dos órgãos de controle ambiental e a Política Ambiental da empresa. III. LICENCIAMENTO NUCLEAR A indústria nuclear, talvez por ter sido associada à destruição causada pelas explosões nucleares e portanto, uma indústria mais polêmica e vulnerável, já se desenvolveu cercada por princípios de segurança e proteção ambiental. Estes princípios se traduziram pela criação de legislação específica e pela elaboração de normas e regulamentos com o objetivo de adotar uma política de restrição à liberação de substâncias radioativas para o meio ambiente. Esta restrição fez com que fossem incentivadas as pesquisas para o melhor conhecimento das propriedades individuais dos radionuclídeos e de seu comportamento no meio ambiente. Foram os resultados desses estudos ecológicos, desenvolvidos para um melhor entendimento da radioatividade no meio ambiente, que levaram ao conhecimento de problemas gerais de poluição ambiental por indústrias convencionais, uso de fertilizantes e pesticidas na agricultura e outras formas de poluição ambiental [7]. O Que É Licenciamento Nuclear. O licenciamento de instalações nucleares, a cargo da Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN, é um processo através do qual o requerente apresenta informações a respeito da segurança da instalação a ser implantada e a CNEN, por meio de avaliações e verificações das condições de segurança da instalação, concede, modifica, limita, prorroga, suspende ou revoga uma licença ou autorização de construção, operação ou descomissionamento daquela instalação. O processo de licenciamento é composto de dois processos, simultâneos e complementares, que são: a Avaliação de Segurança, que se caracteriza pela avaliação crítica, independente e sistemática, de possíveis falhas em estruturas, sistemas e componentes da instalação que possam colocar em risco a saúde e a segurança dos operadores, da população e do meio ambiente; e a Fiscalização, que se caracteriza pela verificação, através de inspeção e pelo fazer cumprir, através de exigências, os requisitos aplicáveis à instalação. Este processo se baseia nas normas da CNEN e, na ausência de normas adequadas, nos códigos e guias da Agência Internacional de Energia Atômica e em códigos, guias e regulamentos de outros países, desde que aceitos pela CNEN.

4 Objetivos e Abrangência. O objetivo central do licenciamento nuclear é promover a avaliação de segurança da instalação visando a proteção radiológica do homem e do meio ambiente. Neste processo é avaliada a aceitabilidade do projeto com base na avaliação do impacto ambiental e conhecidos os riscos associados à sua operação. O impacto ambiental associado à operação de uma instalação nuclear é o decorrente da liberação de resíduos radioativos para o meio ambiente e a disposição de seus rejeitos. Os riscos associados à operação de uma instalação nuclear são os resultados da combinação das probabilidades de ocorrência de acidentes e suas conseqüências radiológicas. O licenciamento nuclear abrange várias etapas. Em cada etapa é exigido do requerente informações e dados relativos à instalação e ao local pretendidos, conforme estabelecido na norma CNEN-NE-1.04 [8]: Aprovação de Local - Relatório de Local contendo informações a respeito das características gerais de projeto e operação da instalação; características físicas; sócio-econômicas e populacionais da região; análise preliminar do potencial de influência no meio ambiente em decorrência da construção e operação normal e em caso de acidente; programa preliminar de monitoração ambiental. Licença de Construção - Relatório Preliminar de Análise de Segurança com informações à respeito da qualificação técnica do requerente; descrição e análise de segurança do local destinado à instalação; análise preliminar e avaliação do projeto com o objetivo de avaliar o risco de sua operação; variáveis, condições ou outras características que se constituem em provável objeto de especificações técnicas; planos preliminares de treinamento de pessoal; programa de garantia da qualidade do proponente e de seus fornecedores; programas de pesquisa e desenvolvimento a serem conduzidos para resolver problemas de segurança; planos preliminares para situações de emergência; descrição de sistemas de tratamento e controle de liberação de efluentes e rejeitos. Autorização para Operação - Apresentação do Relatório Final de Análise de Segurança contendo a descrição dos sistemas e outros dispositivos técnicos de segurança; resultados do programa de monitoração ambiental; programa de gerenciamento de rejeitos; plano de proteção radiológica; programa de garantia da qualidade para condução da operação; plano de emergência; e especificações técnicas para operação da instalação. Para que o processo de licenciamento seja completo, é necessário que, em paralelo com a avaliação de segurança, seja implementado um programa de fiscalização para verificar se o projeto, a construção ou a operação está em conformidade com os requisitos de segurança e radioproteção aplicáveis e se estão implantados os procedimentos do Programa de Garantia de Qualidade. A questão ambiental. A preocupação com a proteção radiológica ambiental é clara em todas as fases do licenciamento nuclear e deve estar bem demonstrada para que as licenças e autorizações sejam concedidas pela CNEN. Esta preocupação é demonstrada através da fixação de diversos critérios que visam limitar os riscos de liberação de materiais radioativos para o meio ambiente e mitigar as conseqüências radiológicas em caso de liberação acidental. Assim, para a Aprovação de Local da instalação, é necessário que o requerente demonstre a aptidão do local para a construção da instalação, através da realização de análise das características locais que possam influir na probabilidade ou nas conseqüências de uma liberação acidental de resíduos radioativos; análise dos possíveis impactos da construção e operação da instalação na região, com definição das características de segurança e sistemas de contenção para evitar conseqüências radiológicas para o homem e o meio ambiente; e o levantamento prévio das características radiológicas ambientais e níveis de atividades presentes na biota, no solo, nas águas superficiais e subterrâneas, na vegetação e em outros produtos da região [9]. Para a concessão da Licença de Construção deve ser demonstrado que a construção da instalação no local não acarreta risco injustificável para a saúde e a segurança do homem e do meio ambiente, com base nos princípios de radioproteção [10]. A demonstração é feita através da análise preliminar do projeto e da avaliação do desempenho de itens da instalação com o objetivo de avaliar o risco radiológico. Finalmente, a autorização para a operação da instalação está vinculada ao cumprimento das especificações técnicas aprovadas. Especificações técnicas são especificações referentes às características da instalação nuclear de importância comprovada para a segurança e a radioproteção. Por ser parte integrante da Autorização para Operação e se tratar de um item de segurança da operação, devem estar submetidas ao Programa de Garantia de Qualidade do licenciado. Dentre as especificações técnicas encontram-se aquelas que estão diretamente relacionadas com os critérios estabelecidos para limitar o impacto de operação da instalação no meio ambiente [11]. O licenciamento é baseado em princípios de radioproteção e um dos princípios estabelece que os impactos radiológicos devem ser mantidos tão baixo quanto razoavelmente exeqüível, estas especificações são, por assim dizer, uma declaração das intenções do requerente com respeito ao meio ambiente. Nelas constam as condições limites de operação que, se não excedidas, resultarão em impacto considerado aceitável para o meio ambiente e os requisitos de monitoração para demonstrar que estas condições estão sendo atendidas. Também faz parte das especificações técnicas o Programa de Monitoração Radiológica Ambiental [12], que visa controlar o impacto da operação da instalação no meio ambiente; e as condições de obrigatoriedade de emissão de relatórios de resultados deste programa para a CNEN, tanto na rotina quanto em casos em que forem observadas condições adversas em

5 algum meio monitorado. Finalmente, devem ser especificados os controles administrativos com relação a organização e o gerenciamento, procedimentos, revisões e auditorias, manutenção de registros e relatórios necessários para assegurar a proteção do meio ambiente. IV. CONCLUSÃO A importação da tecnologia nuclear trouxe consigo todo um conjunto de normas de segurança e de controle ambiental, até então desconhecidos na legislação brasileira, que foram absorvidas juntamente com a implantação das indústrias nucleares. O licenciamento de instalações nucleares exigiu a adoção de normas internacionais ou o desenvolvimento de outras que melhor refletissem a realidade brasileira. Estas normas de segurança nuclear e de controle ambiental regem toda a atividade nuclear no Brasil, compreendendo o projeto, a construção, a operação e o descomissionamento destas instalações, como por exemplo a norma relativa ao Licenciamento de Instalações Nucleares [8]. A proteção radiológica, base do licenciamento nuclear, impõe princípios, com relação à proteção do homem e do meio ambiente, que, somados aos princípios de Garantia da Qualidade exigidos no licenciamento, são semelhantes aos da Gestão da Qualidade, hoje amplamente difundido pela série de normas ISO A indústria nuclear no Brasil pode ser dita pioneira na implantação de um sistema de gerenciamento ambiental com relação aos seus resíduos radioativos pela aplicação dos princípios de radioproteção semelhante ao Sistema de Gestão Ambiental proposto pela ISO A principal diferença entre os dois é que o licenciamento nuclear tem aspecto compulsório, enquanto que a ISO tem aspecto voluntário. Entretanto, a partir da conscientização da sociedade, as questões ambientais receberão um grande impulso e a implantação do Sistema de Gestão Ambiental nas indústrias nucleares será mandatória, para que estas indústrias e de seus produtos sejam aceitos. Este fato provocará uma atitude positiva das empresas com relação à qualidade do meio ambiente, o que só irá corroborar com a atuação da CNEN, facilitando e simplificando o processo do licenciamento nuclear e do controle ambiental. REFERÊNCIAS 1. ISO-DIS Environmental Management System. International Organization for Standardization, ISO/DIS Environmental Management Systems - General guidelines on principles, systems and supporting techniques. International Organization for 3. ISO/DIS Guidelines for Environmental Auditing - General Principles of Environmental Auditing. International Organization for 4. ISO/DIS Guidelines for Environmental Auditing - Audit procedures part 1: Environmental Management System. International Organization for 5. ISO/DIS Guidelines for Environmental Auditing - Audit procedures part 2: Compliance Audits. International Organization for Standardization, Valle, Cyro Eyer. QUALIDADE AMBIENTAL. Livraria Pioneira Editora, S. PAULO, Merril Eisenbud; Environmental Radioactivity from natural, industrial, and military sorces; Academic Press, INC; CNEN, Comissão Nacional de Energia Nuclear. Licenciamento de Instalações Nucleares, CNEN-NE- 1.04, S.K.Mehta. Siting of Nuclear Power Plants. INSAG-95, Bhabha Atomic Research Center, Bombay, USNRC, Environmental Technical Specification for Nuclear Power Plant. USNRC Regulatory Guide CNEN, Comissão Nacional de Energia Nuclear. Diretrizes Básicas de Radioproteção - CNEN-NE-3.01, 129p, Christina Gyllander, Olof Karlberg, Maria Lüning, Calr- Magnus Larsson and Gunnar Johansson. International Survey Of Environmental Programmes. SSI-rapport 95-30, Swedish Radiation Protection Institute. 70p, ABSTRACT As concern grows for maintaining and improving the quality of the environment and protecting human health, all the world is turning its attention to the potential environmental impact of their industrial activities. One of the most important contribution in that way is the International Standard ISO series. In the utilization of nuclear energy, right from the inception, the safety of personnel, environment and the population has been the basic consideration. Over the years well established licenses criteria have been proposed to limit and control the environmental impact of the plant operation and emergencies situation. In this paper are discussed some specific requirements for implementation of the environmental management system specified by ISO compared to the environmental requirements for nuclear licensing.

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Revista Intellectus Ano VIII Nº. 19

Revista Intellectus Ano VIII Nº. 19 GESTÃO DE REQUISITOS LEGAIS E CONFORMIDADE AMBIENTAL UTILIZANDO O MÉTODO ZOPP Legal requirements and environmental compliance management through Zopp method RIGOLETTO, Ivan de Paula Centro Universitário

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

NORMAS SÉRIE ISO 14000

NORMAS SÉRIE ISO 14000 NORMAS SÉRIE ISO 14000 O que é a ISO? Organização Internacional para Padronização História e Filosofia da ISO A ISO foi fundada em 1947, tem sede em Genebra (Suíça) e é uma federação mundial de organismos

Leia mais

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL FACENS / IAT Instituto de Aperfeiçoamento Tecnológico Curso de Pós-Graduação MBA Lato-Sensu em: Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Disciplina: Gerenciamento e Controle Ambiental Carga horária: 24h Prof.

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE PARA A SEGURANÇA DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES

GARANTIA DA QUALIDADE PARA A SEGURANÇA DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Norma CNEN NN 1.16 Portaria CNEN 17/00 Abril / 2000 GARANTIA DA QUALIDADE PARA A SEGURANÇA DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Resolução CNEN 15/99 Publicação: DOU 21.09.1999 Portaria CNEN 17/00

Leia mais

VALEC POLÍTICA AMBIENTAL. Título: POLÍTICA AMBIENTAL Identificador: POL 5.03.01.16-001. Proponente: DIPLAN. Folha: 1 / 12.

VALEC POLÍTICA AMBIENTAL. Título: POLÍTICA AMBIENTAL Identificador: POL 5.03.01.16-001. Proponente: DIPLAN. Folha: 1 / 12. POL 5.3.1.16-1 1 / 12 POL 5.3.1.16-1 2 / 12 POL 5.3.1.16-1 3 / 12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. DA VALEC S.A.... 6 3. OBJETIVOS PROPOSTOS E METAS PARA O PRIMEIRO ANO... 7 4. NORMAS AMBIENTAIS PROPOSTAS...

Leia mais

Resíduos de Serviços de Saúde

Resíduos de Serviços de Saúde Programa de Gerenciamento dos Serviços de Saúde no Brasil Resíduos de Serviços de Saúde PGRSS PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Responsabilidade civil: Art. 3 da Lei de Introdução

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental ISO 14001 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental ISO 14001 Existem duas normas bastante difundidas para orientação da implantação de um Sistema de Gestão

Leia mais

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Ana Carolina Oliveira Santos Carlos Eduardo Sanches Da Silva Resumo: O sistema de custos

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E SELEÇÃO DE INDICADORES. Centro de Tecnologia e Geociência (CTG) da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E SELEÇÃO DE INDICADORES. Centro de Tecnologia e Geociência (CTG) da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE GIA/003 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XI GRUPO DE ESTUDOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL E SELEÇÃO DE INDICADORES Ricardo Cavalcanti Furtado 1,

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Sociedade & Natureza Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados e atribuídos

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR

PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR Joel Tauchen (1); Luciana Londero Brandli (2); Marcos Antonio Leite Frandoloso (3) Felipe de Brito Rodrigues (4)

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Proposta de Indicadores para Sistemas de Gestão de Saúde e Segurança do Trabalho em Conformidade ao Sistema de Gestão da Qualidade

Proposta de Indicadores para Sistemas de Gestão de Saúde e Segurança do Trabalho em Conformidade ao Sistema de Gestão da Qualidade Proposta de Indicadores para Sistemas de Gestão de Saúde e Segurança do Trabalho em Conformidade ao Sistema de Gestão da Qualidade Neilson Carlos do Nascimento Mendes (Faculdade Metropolitana) neilsonmendes@bol.com.br

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

América Latina Logística Malha Sul ALL

América Latina Logística Malha Sul ALL América Latina Logística Malha Sul ALL Capítulo 25 Programa de Auditoria Ambiental Rio Grande do Sul Junho/2010 Revisão 0 25.1 INTRODUÇÃO O presente programa consolida-se como instrumento para aferição

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Gestão da Qualidade. Profa. Maria do Carmo Calado

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Gestão da Qualidade. Profa. Maria do Carmo Calado FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Gestão da Qualidade Profa. Maria do Carmo Calado Aula 3 O surgimento e a importância das Normas ISO Objetivos: Esclarecer como se deu o processo

Leia mais

4 Produção Limpa e SGA

4 Produção Limpa e SGA 4 Produção Limpa e SGA 1. ISO 14001 2. O sistema de gestão ambiental (SGA) baseado na norma internacional ISO 14001 e a Produção mais Limpa (P+L) 3. Pontos Fracos das metodologias P+L e P2 para ISO14001

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ParasalvaroeBookemseucomputador,aproxime o mouse do quadrado vermelho clique no ícone 0 INTRODUÇÃO 1 OBJETIVO PROGRAMA 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL POSIÇÃO REGULATÓRIA 3.01/008:2011 PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL 1. REQUISITO DA NORMA SOB INTERPRETAÇÃO Esta Posição Regulatória refere se ao requisito da Norma CNEN NN 3.01 Diretrizes

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA).

Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA). Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA). Programas de Certificação Ambiental HOJE EM DIA as empresas estão VIVNCIANDO um ambiente de incertezas e sofrem pressões constantes

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ISO 9001 - UMA ESTRATÉGIA PARA ALAVANCAR A GESTÃO OPERACIONAL NA ELETRONORTE

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ISO 9001 - UMA ESTRATÉGIA PARA ALAVANCAR A GESTÃO OPERACIONAL NA ELETRONORTE SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP - 23 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IX GRUPO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP ISO 9001 - UMA ESTRATÉGIA

Leia mais

CESA Comitê de Advocacia Comunitária e Responsabilidade Social Questões de Consumidores Junho, 2010.

CESA Comitê de Advocacia Comunitária e Responsabilidade Social Questões de Consumidores Junho, 2010. CESA Comitê de Advocacia Comunitária e Responsabilidade Social Questões de Consumidores Junho, 2010. Introdução Objetivos: - Elaborar o Guia do Advogado Sustentável (Boas Práticas de Responsabilidade Socioambiental

Leia mais

Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores

Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores QSP Informe Reservado Nº 58 Maio/2006 Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO

QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO O QUE É A QUALIDADE? É o grau de satisfação de requisitos (necessidade ou expectativa expressa, geralmente implícita ou obrigatória), dado por um conjunto de características (elemento

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS.

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. As novas versões das normas ABNT NBR ISO 9001 e ABNT NBR ISO 14001 foram

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

SGI, SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO. INTEGRANDO SGA, SGQ, SGRS E OHSAS EM BUSCA DA SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA.

SGI, SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO. INTEGRANDO SGA, SGQ, SGRS E OHSAS EM BUSCA DA SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA. SGI, SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO. INTEGRANDO SGA, SGQ, SGRS E OHSAS EM BUSCA DA SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA. Felippe Pires de Araujo, Paulo R. C. Leone n Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Engenharias,

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-2 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 10 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 08/06/29 Emissão Inicial OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO ELABORAÇÃO Nome

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL 7.1. PROGRAMA DE PROTEÇÃO DO TRABALHADOR E SEGURANÇA DO AMBIENTE DE TRABALHO

7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL 7.1. PROGRAMA DE PROTEÇÃO DO TRABALHADOR E SEGURANÇA DO AMBIENTE DE TRABALHO 7. PLANO DE CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL O plano de controle e monitoramento técnico e ambiental tem como objetivo propor soluções para controlar e/ou atenuar os impactos ambientais adversos gerados

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2.

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2. Aprovado ' Elaborado por Renata Filardi/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Verificado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Aprovado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 ÁREA DGL Tipo MANUAL Número

Leia mais

Modernização de Operações

Modernização de Operações Modernização de Operações O CAMINHO MAIS CLARO PARA PROTEGER O FUTURO Colocando Você no Caminho para a Modernização de Operações Valor Se você está lindando atualmente com problemas de obsolescência, ou

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1. OBJETIVO A gestão de risco para a NexFuel é uma ferramenta pela qual são analisados e monitorados os riscos estratégicos, operacionais e financeiros bem como aqueles atrelados

Leia mais

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Débora Noronha¹; Jasmin Lemke¹; Carolina Vergnano¹ ¹Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Diretoria Técnica de Estudos, Projetos

Leia mais

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Conteúdo da apresentação Breve contexto Indutores da Gestão da Sustentabilidade Gestão

Leia mais

Resumo. Wagner de Souza Pereira 1,2, Horst Monken Fernandes 3, Carlos Eduardo Veloso 2

Resumo. Wagner de Souza Pereira 1,2, Horst Monken Fernandes 3, Carlos Eduardo Veloso 2 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 Gestão ambiental em uma

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E INTEGRIDADE DE FORNECEDORES

CÓDIGO DE CONDUTA E INTEGRIDADE DE FORNECEDORES SUMÁRIO 1. Introdução... 04 2. Abrangência... 04 3. Objetivo... 04 4. Princípios Éticos... 05 5. Preconceitos e Discriminação... 05 6. Respeito à Legislação e Integridade nos Negócios... 05 7. Documentos,

Leia mais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais Fl. 2 MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais PORTARIA CARF Nº 64, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos do Conselho Administrativo de Recursos

Leia mais

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Série ISO 14000 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental A questão ambiental empresarial encontrase em fases distintas nos diversos países do mundo: De

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO

REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO Fevereiro de 2012 1 SUMÁRIO 1. Dos Princípios e Objetivos 2. Dos Fundamentos do Programa 3. Da Estrutura do Programa 4. Da Documentação de Referência

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

Padrão de Desempenho 6 V2

Padrão de Desempenho 6 V2 Introdução 1. O Padrão de Desempenho 6 reconhece que a proteção e a conservação da biodiversidade, a manutenção dos serviços dos ecossistemas e o manejo sustentável dos recursos naturais vivos são fundamentais

Leia mais

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Índice Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Prefácio --------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

PREVENÇÃO é a razão de nossa presença no mercado.

PREVENÇÃO é a razão de nossa presença no mercado. PREVENÇÃO é a razão de nossa presença no mercado. QUEM SOMOS A CeTAP é uma empresa de consultoria criada com o objetivo de assistir a organizações de serviços e produção para que atinjam os mais altos

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA Política de SAÚDE E SEGURANÇA Política de SAÚDE E SEGURANÇA A saúde e a segurança dos nossos funcionários fazem

Leia mais

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Versão 5.0 dezembro 2010 Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Sumário 1. Objetivos 2. Conceitos 3. Referências 4. Princípios 5. Diretrizes

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores 00 12/02/2015 Original Natalia Simões Araujo (Coordenadora Funções Corporativas e Compliance) Antonio Ferreira Martins (Vice- Presidente Jurídico e

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais

MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS

MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes, os princípios e a estrutura a serem considerados no processo de gerenciamento de riscos do Magazine

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 5.0 06/12/2010 Sumário 1 Objetivos... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 6 Responsabilidades... 6 7 Disposições

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 Alexandre Nixon Soratto, Msc. (INMETRO) ansoratto@inmetro-sc.gov.br Gregório Varvakis, PhD. (UFSC) grego@egc.ufsc.br Resumo

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

3 Congresso Internacional de Radioproteção Industrial 23 a 25 de Setembro de 2002 - São Paulo/SP APRESENTAÇÕES

3 Congresso Internacional de Radioproteção Industrial 23 a 25 de Setembro de 2002 - São Paulo/SP APRESENTAÇÕES E-Ocl.L.- 00 3 Congresso Internacional de Radioproteção Industrial 23 a 25 de Setembro de 2002 - São Paulo/SP APRESENTAÇÕES ABF.NnF - Rih' ioteca To~u~ Ll~ssificaçào c' \- ~.-..J./"- Data Horário Auditório

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

Comitês do Banco BMG. Comitês Existentes

Comitês do Banco BMG. Comitês Existentes Comitês do Banco BMG Introdução Os Comitês representam coletivamente os interesses do Banco BMG, nos diversos segmentos de sua organização. É política do Banco BMG, manter o controle permanente de seus

Leia mais

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO -CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Sistema Sicoob A Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional abaixo visa dar conformidade ao que dispõe a Resolução n 3.380/2006, do Conselho Monetário

Leia mais

BM&FBOVESPA. Política de Risco Operacional. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013.

BM&FBOVESPA. Política de Risco Operacional. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013. BM&FBOVESPA Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo Página 1 Última Revisão: março de 2013 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. CONCEITOS...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO IFSUL

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO IFSUL POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO IFSUL 1 OBJETIVO A Política de Segurança da Informação do Instituto Federal Sul-rio-grandense estabelece as diretrizes para a segurança da informação, visando preservar

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO INTEGRADA

POLÍTICA DE GESTÃO INTEGRADA Conteúdo 1. OBJETIVO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. SGI-AMAZUL... 3 4. SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE... 3 5. QUALIDADE... 4 6. DOCUMENTAÇÃO... 5 6. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 6 7. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA...

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental Certificação ambiental A certificação dos sistemas de gestão atesta a conformidade do modelo de gestão de fabricantes e prestadores de serviço em relação a requisitos normativos. Os sistemas clássicos

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

8.1 Planejar o Gerenciamento da Qualidade SAÍDAS

8.1 Planejar o Gerenciamento da Qualidade SAÍDAS Plano de Gerenciamento da Qualidade Descreve como as políticas de qualidade de uma organização serão implementadas. Como a equipe de gerenciamento do projeto planeja cumprir os requisitos de qualidade

Leia mais

ECONTEXTO. Auditoria Ambiental e de Regularidade

ECONTEXTO. Auditoria Ambiental e de Regularidade Auditoria Ambiental e de Regularidade Organização Internacional das Entidades Fiscalizadoras Superiores - INTOSAI Grupo de Trabalho sobre Auditoria Ambiental - WGEA ECONTEXTO Este artigo é um resumo do

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Cássio Eduardo Garcia (SENAC) cassiogarcia@uol.com.br Resumo Um dos principais instrumentos que uma organização pode utilizar para

Leia mais

DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000

DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000 DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000 Aprova as Diretrizes Básicas e o Regulamento Técnico para apresentação e aprovação do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde no Município de Belo

Leia mais

Em caso de serviços específicos possui equipes diferenciadas para cada atendimento.

Em caso de serviços específicos possui equipes diferenciadas para cada atendimento. A ROMEC é conhecida por sua experiência em assessoria e consultoria em Segurança do Trabalho e Meio Ambiente. Conta com uma equipe multidisciplinar de profissionais altamente capacitados e oferecemos assessoria

Leia mais