Neoplasias sólidas de ovário: análise sistematizada e ensaio iconográfico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Neoplasias sólidas de ovário: análise sistematizada e ensaio iconográfico"

Transcrição

1 Neoplasias sólidas de ovário: análise sistematizada e ensaio iconográfico / D Ippolito G et al. Ensaio Iconográfico Neoplasias sólidas de ovário: análise sistematizada e ensaio iconográfico Giuseppe D Ippolito 1, Ana Carolina Mori Lima 2, Luís Pecci Neto 2, Roberta Morgado Ferreira 3, Luís Ronan Marquez Ferreira de Souza 4 Descritores: Neoplasias ovarianas; Ovário; Ultra-sonografia; Tomografia computadorizada; Ressonância magnética. Resumo Com o objetivo de restringir o número de diagnósticos diferenciais das neoplasias ovarianas sólidas, apresentamos uma análise racional e sistematizada, levando-se em consideração fatores epidemiológicos, relevância clínica e aspectos radiológicos, através de revisão bibliográfica e análise retrospectiva de casos. Os critérios utilizados foram: a) faixa etária; b) quadro clínico e laboratorial; c) unilateralidade ou bilateralidade; d) homogeneidade/heterogeneidade; e) comportamento de realce; f) comportamento de sinal na ressonância magnética; g) sinais associados. Foram considerados, entre os diagnósticos diferenciais, os seguintes tumores de ovário: a) teratoma; b) tumor de Brenner; c) disgerminoma; d) fibroma/fibrotecoma; e) tumor de células da granulosa; f) tumor estromal esclerosante; g) tumores metastáticos. Ao se avaliar uma lesão sólida de ovário, é possível propor algumas alternativas diagnósticas pertinentes, fundamentadas em uma análise sistemática dos principais aspectos epidemiológicos e de imagem do tumor. Os tumores ovarianos são mais freqüentemente císticos ou com componente cístico predominante. Quando se apresentam com aspecto sólido nos diversos métodos de imagem, podemos restringir as hipóteses diagnósticos a um grupo menor de neoplasias [1]. O objetivo deste estudo foi apresentar uma análise racional e sistematizada das neoplasias de ovário levando-se em consideração fatores epidemiológicos, relevância clínica e aspectos radiológicos. DESCRIÇÃO DO MATERIAL Recebido para publicação em 17/7/2006. Aceito, após revisão, em 25/7/2006. Trabalho realizado na Scopo Diagnóstico Serviço de US, TC e RM do Hospital São Luiz, São Paulo, SP. 1 Professor Adjunto Doutor do Departamento de Diagnóstico por Imagem da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Médico Radiologista Responsável pelo Setor de US/TC/RM do Hospital São Luiz. 2 Médicos Residentes do Setor de US/TC/RM do Hospital São Luiz. 3 Graduanda em Medicina da Universidade de Marília, SP. 4 Professor Assistente Doutor da Disciplina de Radiologia e Diagnóstico por Imagem da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Correspondência: Prof. Dr. Giuseppe D Ippolito. Rua Doutor Alceu de Campos Rodrigues, 95 (Centro Diagnóstico), Vila Nova Conceição. São Paulo, SP, Através de revisão bibliográfica e análise retrospectiva de casos com diagnóstico de neoplasia de ovário e apresentação predominantemente sólida nos exames de imagem ultra-sonografia (US), tomografia computadorizada (TC) e ressonância magnética RM), propomos uma metodologia de propedêutica da imagem que permita estreitar as alternativas diagnósticas. Os critérios utilizados foram os seguintes: a) faixa etária; b) quadro clínico e laboratorial; c) unilateralidade ou bilateralidade; d) homogeneidade/heterogeneidade; e) comportamento de realce; f) comportamento de sinal na ressonância magnética; g) sinais associados. Foram considerados, entre os diagnósticos diferenciais, os seguintes tumores de ovário: a) teratoma; b) tumor de Brenner; c) disgerminoma; d) fibroma/fibrotecoma; e) tumor de células da granulosa; f) tumor estromal esclerosante; g) tumores metastáticos. Não abordamos, nesta revisão, lesões císticas de ovário que podem simular tumores sólidos, por exemplo, cistos hemorrágicos e endometriomas. 165

2 D Ippolito G et al. / Neoplasias sólidas de ovário: análise sistematizada e ensaio iconográfico Tumores sólidos ovarianos mais freqüentes Teratoma O teratoma cístico benigno ou maduro é a neoplasia ovariana mais freqüente entre mulheres jovens. Representa, aproximadamente, 40% a 50% de todos os tumores do ovário até os 40 anos de idade [2,3]. É, indiscutivelmente, a neoplasia germinativa mais freqüente. Representa 10% a 20% de todos os tumores ovarianos. Apresenta bilateralidade em 20% a 25% dos casos em adultos (Fig. 1), e nas crianças 90% a 100% são unilaterais. Seu aspecto à US, TC e RM varia desde puramente cístico, também denominado cisto dermóide, até heterogêneo com componente sólido, gordura e calcificação (Fig. 2), sendo estes dois componentes os que respondem pelo seu aspecto patognomônico aos exames de imagem [4]. À US os teratomas podem ser hipo Fig. 1 Teratoma bilateral. A TC demonstra duas massas anexiais com componente de gordura (e diferentes densidades) e calcificações periféricas. ou hiperecogênicos (Figs. 3 e 4), dependendo da sua composição. Apresentam aspectos ultra-sonográficos típicos como o promontório (nódulo dermóide), que tem aspecto de massa hiperecóica na parede cística sem fluxo ao Doppler colorido, além do conteúdo com aspecto espesso. Na TC, a medida de densidade (ROI) negativa é característica na maior parte dos exames. No estudo de RM, os teratomas maduros apresentam hipersinal em T1 com queda nas seqüências com saturação de gordura ( fat sat ) [3]. Geralmente, os teratomas apresentam realce tênue pelo contraste. Fibroma/fibrotecoma São tumores benignos que acometem mulheres pré- e pós-menopausadas. Apesar de benignos, podem estar associados a ascite, caracterizando a síndrome de Meigs, em até 40% dos casos [5]. O seu abundante componente fibrocolagenoso confere um aspecto típico de hipossinal homogêneo em T1 e T2, com pouco ou nenhum realce após a injeção de contraste (Fig. 5). À US e TC apresentam aspecto sólido homogêneo e inespecífico, podendo simular lesão maligna e apresentando calcificações com freqüência [6]. Tumor de Brenner Representa cerca de 2% a 3% dos tumores de ovário, é raramente maligno e mede, geralmente, menos que 2,0 cm, podendo alcançar até mais de 10 cm de diâmetro [7]. Pode estar associado a outras massas ovarianas em até 30% dos casos. O tumor de Brenner apresenta-se geralmente como pequena Fig. 2 Teratoma em ovário esquerdo (setas), paciente de 36 anos. Nódulo hiperintenso em T1 (a) e T2 (b), com queda de sinal na seqüência de supressão de gordura (c) e sem realce após a injeção de contraste (d). 166

3 Neoplasias sólidas de ovário: análise sistematizada e ensaio iconográfico / D Ippolito G et al. Fig. 3 Teratoma, paciente de 81 anos. Massa heterogênea, predominantemente hipoecogênica à US (setas em a). A TC (b) demonstra massa com diferente densidade de gordura (UH: 36/ 136). Nota-se plug dermóide, como nódulo no interior da massa. Fig. 4 Teratoma, paciente de 29 anos. Nódulo hiperecogênico à US (setas em a) e com densidade de gordura na TC (b). É interessante notar como a mesma densidade na TC pode correlacionar-se com imagens hipo ou hiperecogênicas à US (ver Fig. 3). lesão sólida e homogênea [8], cujo componente fibroso confere hipossinal nas imagens de RM ponderadas em T2 e calcificações na TC, que o tornam indistinguível do fibroma/fibrotecoma, exceto pelo fato de apresentar maior realce após o contraste. Disgerminoma É tumor relativamente raro, sendo a neoplasia maligna mais freqüente em pacientes jovens e crianças. Apresenta-se, geralmente, como massa volumosa e com septos fibrovasculares proeminentes que se realçam após o contraste e confere um aspecto bastante característico à lesão (Figs. 6 e 7). Assim como o teratoma, o tumor de Brenner e o fibroma/fibrotecoma, também pode conter calcificações [1,5]. Tumor de células da granulosa É o tumor de ovário produtor de estrógeno mais comum e por isto freqüentemente associado a hiperplasia de endométrio, pólipos ou carcinoma. A maior parte dos casos ocorre em mulheres acima de 40 anos de idade, sendo unilateral em 85% dos casos [9]. Apresenta aspecto bastante variável e atípico, devendo-se suspeitar desse diagnóstico na presença de volumosa massa de ovário associada a alterações endometriais. Tumor estromal esclerosante É tumor benigno raro, mais comum em jovens da segunda e terceira décadas de vida. Apresenta aspecto típico que se caracteriza por intenso realce periférico e centrípeto após a injeção do contraste, com realce prolongado na região central devido à presença de fibras de colágeno [7,10]. O tumor de células de Sertoli-Leydig apresenta aspectos Fig. 5 Fibroma em ovário esquerdo (setas), paciente de 40 anos. Nódulo sólido calcificado (a), com discreto realce após a injeção de contraste. Isointenso em T1 (b), hipointenso em T2 (c) em virtude do componente fibroso e nitidamente destacado do útero. Diagnóstico diferencial com leiomioma uterino subseroso pediculado. Os miomas uterinos costumam apresentar intenso realce. 167

4 D Ippolito G et al. / Neoplasias sólidas de ovário: análise sistematizada e ensaio iconográfico Fig. 6 Disgerminoma, paciente de 29 anos. Grande massa sólida e heterogênea e com realce após a injeção do contraste (a). A massa é hipointensa em T1 (b), hipo e hiperintensa em T2 (c) e com nítido plano de clivagem com o útero, no plano sagital (d). Notam-se septos no interior do tumor, o que é bastante característico deste tipo de lesão (ver também a Fig. 7). Fig. 7 Disgerminoma, paciente de 19 anos. Grande massa hipointensa em T1 (a), discretamente hiperintensa em T2 (b), sem queda de sinal na supressão de gordura (c) e realce após a injeção de contraste (d). Notam-se septos no interior do tumor (setas). 168

5 Neoplasias sólidas de ovário: análise sistematizada e ensaio iconográfico / D Ippolito G et al. semelhantes, porém está mais freqüentemente associado a síndromes virilizantes. Tumores metastáticos Representam aproximadamente 5% das neoplasias ovarianas. Os tumores que mais freqüentemente enviam metástases para o ovário são os de estômago e cólon, seguidos de mama, pulmão e ovário contralateral. As metástases ovarianas de adenocarcinomas mucinosos intestinais são denominadas tumor de Krukenberg [11,12]. Os tumores metastáticos podem ser indistinguíveis dos tumores primários de ovário. A bilateralidade, apesar de freqüente, é observada com prevalência semelhante nos tumores primários. Um aspecto considerado bastante característico consiste em uma volumosa massa, predominantemente sólida, com múltiplos cistos de permeio, lembrando um cacho de uva (Fig. 8). A identificação da lesão primária ajuda a definir o diagnóstico (Fig. 9). O trato geniturinário está raramente acometido pelo linfoma, e quando isto ocorre, é geralmente por disseminação sistêmica do tipo não-hodgkin. Raramente ocorre infiltração primária e ainda menos nos ovários, que são os órgãos mais raramente acometidos. A infiltração linfomatosa dos ovários apresenta aspecto indiferenciável do tumor de Krukenberg ou de outros tumores sólidos de ovário (Fig. 10). A presença de extensa linfonodomegalia retroperitoneal e hepatoesplenomegalia pode sugerir este diagnóstico. Na Tabela 1 apresentamos os principais diagnósticos diferenciais das neoplasias sólidas de ovário em função das características de imagem. Fig. 8 Tumor de Krukenberg por adenocarcinoma de apêndice, paciente de 39 anos. Grande massa sólida e heterogênea com cistos de permeio (setas), caracterizada à US (a) e à RM (b e). T1 (c); T2 (b,d); fase pós-contraste (e). Fig. 9 Tumor de Krukenberg por adenocarcinoma de sigmóide, paciente de 44 anos. Paciente com tumor de sigmóide (setas em a), ascite e grande massa pélvica heterogênea (asterisco em b). 169

6 D Ippolito G et al. / Neoplasias sólidas de ovário: análise sistematizada e ensaio iconográfico Fig. 10 Linfoma primário de ovário bilateral. Presença de grandes massas sólidas pélvicas (M), em projeção anexial (a), acompanhadas de linfonodomegalia retroperitoneal (seta em B) e ascite (asterisco). TABELA 1 Diagnósticos diferenciais das neoplasias sólidas de ovário em função de suas características de imagem. Associação com alteração endometrial Hipersinal em T1 e redução na saturação de gordura Hipossinal em T2 Calcificação Realce intenso CONCLUSÃO Carcinoma endometrióide Tumor das células da granulosa Tecoma/fibrotecoma Teratoma Fibroma/fibrotecoma Tumor de Brenner Teratoma Tumor de Brenner Fibroma/fibrotecoma Tumor de Krukenberg Tumor estromal esclerosante Tumor de células de Sertoli- Leydig Ao se avaliar uma lesão sólida de ovário, é possível propor alternativas diagnósticas pertinentes, fundamentadas em uma análise sistemática dos principais aspectos epidemiológicos e de imagem do tumor. REFERÊNCIAS 1. Jung SE, Lee JM, Rha SE, Byun JY, Jung JI, Hahn ST. CT and MR imaging of ovarian tumors with emphasis on differential diagnosis. RadioGraphics 2002;22: Outwater EK, Siegelman ES, Hunt JL. Ovarian teratomas: tumor types and imaging characteristics. RadioGraphics 2001;21: Guinet C, Buy JN, Ghossain MA, et al. Fat suppression techniques in MR imaging of mature ovarian teratomas: comparison with CT. Eur J Radiol 1993;17: Souza LRMF, Faintuch S, Goldman SM, Louveira MH, Ajzen SA, Szejnfeld J. Avaliação por ressonância magnética de massas pélvicas. Rev Imagem 2003;25: Brown DL, Zou KH, Tempany CM, et al. Primary versus secondary ovarian malignancy: imaging findings of adnexal masses in the Radiology Diagnostic Oncology Group Study. Radiology 2001;219: Souza LRMF, Caetano S, Faintuch S, et al. Bilateral ovarian fibroma with extensive calcification. J Women s Imaging 2005; 7: Outwater EK, Marchetto B, Wagner BJ. Virilizing tumors of the ovary: imaging features. Ultrasound Obstet Gynecol 2000;15: Moon WJ, Koh BH, Kim SK, et al. Brenner tumor of the ovary: CT and MR findings. J Comput Assist Tomogr 2000;24: Morikawa K, Hatabu H, Togashi K, Kataoka ML, Mori T, Konishi J. Granulosa cell tumor of the ovary: MR findings. J Comput Assist Tomogr 1997;21: Scoutt L, McCarthy S, Lange R, Bourque A, Schwartz P. MR evaluation of clinically suspected adnexal masses. J Comput Assist Tomogr 1994;18: Ha HK, Baek SY, Kim SH, Kim HH, Chung EC, Yeon KM. Krukenberg s tumor of the ovary: MR imaging features. AJR Am J Roentgenol 1995;164: Outwater EK, Dunton CJ. Imaging of the ovary and adnexa: clinical issues and applications of MR imaging. Radiology 1995; 194:1 18. Abstract. Solid ovarian tumors: iconographic essay. With the objective to substantially narrow the number of differential diagnosis of solid ovarian tumors, we present a rational and systematical analysis, based on epidemiological findings, clinical relevance and radiological features, guided by bibliographical revision and retrospective analysis of the cases. The criteria used have been: a) age; b) clinical and laboratorial findings; c) unilateral or bilateral; d) homogeneity/heterogeneity; e) enhancement; f) signal behavior in magnetic resonance imaging; g) associated findings. The following ovary tumors have been considered in the differential diagnosis: a) teratoma; b) Brenner tumor; c) dysgerminoma; d) fibroma/fibrothecoma; e) granulosa cell tumor; f) esclerosing estromal tumor; g) metastatic tumors. During the evaluation of a solid ovary tumor, it is possible to consider some important diagnostic alternatives, based on a systematic analysis of the main epidemiological and imaging findings. Keywords: Ovarian neoplasms; Ovary; Ultrasound; Computed tomography; Magnetic resonance imaging. 170

Avaliação por ressonância magnética das massas pélvicas

Avaliação por ressonância magnética das massas pélvicas valiação por ressonância magnética das massas pélvicas / Souza LRMF et al. rtigo Original valiação por ressonância magnética das massas pélvicas Luís Ronan Marquez Ferreira de Souza 1, Salomão Faintuch

Leia mais

NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011

NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011 NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011 Gynecologic Imagin Reporting Dr. Ayrton Roberto Pastore Livre-Docente do Departamento de Radiologia da Faculdade de Medicina da USP Coordenador do Setor

Leia mais

Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 -

Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 - Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 - Prof. Dr. Giuseppe D Ippolito Dr. Lucas Torres Dra. Elisa Brentas Departamento de Diagnóstico por Imagem www.unifesp.br/ddi/abdome Métodos de Diagnóstico por Imagem

Leia mais

Neoplasias Renais e das Vias Excretoras. Dr.Daniel Bekhor

Neoplasias Renais e das Vias Excretoras. Dr.Daniel Bekhor Neoplasias Renais e das Vias Excretoras Dr.Daniel Bekhor CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Diagnóstico por imagem Neoplasias benignas Neoplasias malignas Sugestão de algoritmo de exames ANATOMIA Gore RM et al. The

Leia mais

SUSPEITA DE MASSAS ANEXIAIS

SUSPEITA DE MASSAS ANEXIAIS Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR SUSPEITA DE MASSAS ANEXIAIS Painel de Especialistas em Imagem Ginecológica: Marcela Böhm-Vélez, Médica 1 ; Ellen Mendelson, Médica 2 ; Robert

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS AUTOR Dr.

Leia mais

PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA

PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA Métodos de Diagnóstico por Imagem 1. Detecção de Lesões 2. Benigno vs. Maligno 3. Conduta (Cx, Seguimento...) Iyer VR et al. AJR 2010;194:311-321 Métodos

Leia mais

Difusão por Ressonância Magnética

Difusão por Ressonância Magnética Difusão por Ressonância Magnética A difusão é definida basicamente como o movimento aleatório pelo qual as moléculas de um soluto migram em direção a um gradiente mais baixo de concentração da solução.

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

NEURORRADIOLOGIA DOS TUMORES DO ADULTO

NEURORRADIOLOGIA DOS TUMORES DO ADULTO NEURORRADIOLOGIA DOS TUMORES DO ADULTO ARNOLFO DE CARVALHO NETO (arnolfo@ufpr.br) Quando, num exame de imagem do encéfalo, pensamos em neoplasia, temos que estar atentos a 3 aspectos da lesão suspeita:

Leia mais

Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar

Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar Definição Nódulo pulmonar é uma estrutura circular de margens definidas, de 2 a 30 mm de diâmetro. Micronódulo menos de

Leia mais

XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br

XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br Caso 1 Paciente T. F. R. M., 56 anos, sexo feminino. História prévia: - Câncer de mama com metástase pleural. - Mastectomia

Leia mais

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS Pedro Cordeiro de Sá Filho Videoendoscopia Ginecológica Retorno as atividades Tempo cirúrgico Complicações Custos Cirurgia convencional X Videolaparoscopia Estética Pós-operatório

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 45 Maio 2013

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 45 Maio 2013 NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 45 Maio 2013 COMO AVALIAR TUMORES ANEXIAIS RELATO DE CASO COMO AVALIAR TUMORES ANEXIAIS Relato de Caso AUTOR: FERNANDO GUASTELLA INSTITUIÇÃO: CETRUS Centro de Ensino em

Leia mais

Manejo do Nódulo Pulmonar

Manejo do Nódulo Pulmonar Manejo do Nódulo Pulmonar Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e INSCER PUC/RS Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS brunohochhegger@gmail.com Manejo do Nódulo Pulmonar

Leia mais

Avaliação ultra-sonográfica da paciente no climatério

Avaliação ultra-sonográfica da paciente no climatério Avaliação ultra-sonográfica da paciente no climatério Marco Aurélio Martins de Souza Unimontes-MG Tiradentes MG SOGIMIG 2008 Introdução Climatério é um evento fisiológico Deve ser considerado sob uma perspectiva

Leia mais

3º Imagem da Semana: Ultrassonografia da Tireoide

3º Imagem da Semana: Ultrassonografia da Tireoide 3º Imagem da Semana: Ultrassonografia da Tireoide Paciente 23 anos, sexo feminino, compareceu ao endocrinologista devido a histórico familiar de tireoidite Hashimoto. Ao exame físico, palpou-se um nódulo

Leia mais

46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Direto ao ponto 24 a 26 de abril 2013

46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Direto ao ponto 24 a 26 de abril 2013 46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Direto ao ponto 24 a 26 de abril 2013 Mesa redonda 6 (G): tumores ovarianos em situações especiais. Walquiria Quida S. Pereira Primo (DF)

Leia mais

04/06/2012 OBJETIVOS. Biópsia Aspirativa Transbrônquica por Agulha Guiada pela Ultrassongrafia Endobrônquica (EBUS-TBNA) ECOBRONCOSCOPIA

04/06/2012 OBJETIVOS. Biópsia Aspirativa Transbrônquica por Agulha Guiada pela Ultrassongrafia Endobrônquica (EBUS-TBNA) ECOBRONCOSCOPIA Biópsia Aspirativa Transbrônquica por Agulha Guiada pela Ultrassongrafia Endobrônquica (EBUS-TBNA) ECOBRONCOSCOPIA Mauro Zamboni, MD, FCCP, MSc Pneumologista, Coordenador do Grupo de Oncologia Torácica

Leia mais

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR?

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? JP Coutinho Borges, A Santos, A Carvalho, J Mesquita, A Almeida, P Pinheiro Serviço de Ginecologia e Obstetrícia ULSAM Viana do Castelo OBJETIVO Apresentação

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO EM RM DAS LESÕES ANEXIAIS INDETERMINADAS EM ECOGRAFIA

CLASSIFICAÇÃO EM RM DAS LESÕES ANEXIAIS INDETERMINADAS EM ECOGRAFIA ACTA RADIOLÓGICA PORTUGUESA Maio-Agosto 2016 nº 108 Volume XXVIII 37-47 Artigo de Revisão / Review Article CLASSIFICAÇÃO EM RM DAS LESÕES ANEXIAIS INDETERMINADAS EM ECOGRAFIA MRI CLASSIFICATION OF THE

Leia mais

ADENOCARCINOMA DE SIGMOIDE AVANÇADO: RELATO DE CASO

ADENOCARCINOMA DE SIGMOIDE AVANÇADO: RELATO DE CASO ADENOCARCINOMA DE SIGMOIDE AVANÇADO: RELATO DE CASO Guth, G. Z. 1 ; Martins, J. F. F. 2 ; Lourenço, L. A. 3 ; Ataíde, L. O. 4 ; Richwin, N. J. 5 ; Oliveira, J. M. X. 6 ; 1 Diretor do Departamento de Cirurgia

Leia mais

Diagnóstico por imagem no Câncer de Próstata: Ênfase em Ressonância Magnética

Diagnóstico por imagem no Câncer de Próstata: Ênfase em Ressonância Magnética Edição Especial Edição Edição Especial Especial Divulgação Diagnóstico por imagem no Câncer de Próstata: Ênfase em Ressonância Magnética Os principais métodos e as técnicas convencionais e funcionais na

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

Introdução Os meningeomas estão entre os tumores cerebrais mais comuns, respondendo por um quarto a um terço de todas as neoplasias intracranianas primárias. Podem ser divididos em três tipos, típicos,

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

Fat in the liver: diagnosis and characterization

Fat in the liver: diagnosis and characterization Fat in the liver: diagnosis and characterization Carlos Valls et al Eur Radiol (on line 14 February 2006) João Filipe Costa Clínica Universitária de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra Director:

Leia mais

PADRÕES DE CAPTAÇÃO DE CONTRASTE DO ÚTERO EM TC E RM

PADRÕES DE CAPTAÇÃO DE CONTRASTE DO ÚTERO EM TC E RM ACTA RADIOLÓGICA PORTUGUESA Maio-Agosto 2015 nº 105 Volume XXVII 43-51 Artigo de Revisão / Review Article PADRÕES DE CAPTAÇÃO DE CONTRASTE DO ÚTERO EM TC E RM UTERUS CONTRAST ENHANCEMENT PATTERNS AT CT

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM)

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem 01. Radiografia anteroposterior do terço proximal da perna esquerda. Imagem 02. Ressonância magnética do mesmo paciente, no plano coronal

Leia mais

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br REUNIÃO DE CASOS www.digimaxdiagnostico.com.br RAPHAEL SALGADO PEDROSO Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) Nome: I. G. A. B.; Idade: 28 anos; Sexo: Feminino; CASO Queixa: Atraso menstrual há 45 dias.

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

TÍTULO: CÂNCE DE OVÁRIO :ABORDAGEM TEÓRICA COM ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

TÍTULO: CÂNCE DE OVÁRIO :ABORDAGEM TEÓRICA COM ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM TÍTULO: CÂNCE DE OVÁRIO :ABORDAGEM TEÓRICA COM ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

1 Introdução maligno metástase

1 Introdução maligno metástase 1 Introdução Câncer é o nome dado a um conjunto de doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010.

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010. UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010 USG Geral SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE OVÁRIO

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE OVÁRIO Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR RASTREAMENTO DO CÂNCER DE OVÁRIO Painel de Especialistas em Imagem Ginecologia: Marcela Böhm-Vélez, Médica 1 ; Ellen Mendelson, Médica 2 ;

Leia mais

Lesões simuladoras de malignidade na RM

Lesões simuladoras de malignidade na RM Objetivo Lesões simuladoras de malignidade na RM Fabiola Procaci Kestelman Através da discussão de casos avaliar causas frequentes de lesões simuladoras de malignidade na RM Tipo de mama Qualidade do exame

Leia mais

Cavernomas: O Diagnóstico em Imagens

Cavernomas: O Diagnóstico em Imagens Cavernomas: O Diagnóstico em Imagens Prof. Dr. Emerson L. Gasparetto Professor Adjunto de Radiologia da UFRJ Dr. Diogo Goulart Correa Mestrando em Radiologia pela UFRJ Julho, 2014 Conhecendo o Cavernoma

Leia mais

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas. Data: 10/04/2013

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas. Data: 10/04/2013 Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Setor Abdome Journal Club Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Data: 10/04/2013

Leia mais

Nódulo Adrenal Incidental: Benigno ou Maligno?

Nódulo Adrenal Incidental: Benigno ou Maligno? Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Nódulo Adrenal Incidental: Benigno ou Maligno? Fernando Ferreira R3 Incidentaloma Nódulos descobertos

Leia mais

Imuno-histoquímica - aplicações

Imuno-histoquímica - aplicações Imuno-histoquímica - aplicações diagnóstico diferencial entre neoplasias indiferenciadas pela histopatologia - casos nos quais a morfologia não permite conclusão da diferenciação do tumor Ex.: carcinoma

Leia mais

Neoplasias Hepáticas: Caracterização pela. US, TC e RM

Neoplasias Hepáticas: Caracterização pela. US, TC e RM Artigo de revisão 12/2011 1 Neoplasias Hepáticas: Caracterização pela US, TC e RM Sebastião Oliveira Alcântara Resumo: Ocorre uma variedade de tumores malígnos e benígnos no fígado. A caracterização de

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 1. Tomografia computadorizada do abdômen, nível andar superior, após a injeção intravenosa de meio de contraste iodado hidrossolúvel, tendo havido ingestão

Leia mais

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR MÓDULO ABDOME AULA 2 AVALIAÇÃO INTESTINAL POR TC E RM Prof. Mauricio Zapparoli Neste texto abordaremos protocolos de imagem dedicados para avaliação do intestino delgado através

Leia mais

Alta morbidade e mortalidade nas cirurgias pancreáticas

Alta morbidade e mortalidade nas cirurgias pancreáticas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem LESÕES CÍSTICAS DE PÂNCREAS 02/07/2009 Matheus Gonzalez Lopes R3 Contexto Atual Prevalência crescente

Leia mais

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual Fisiologia O ciclo menstrual para ocorrer depende de uma série de intercomunicações entre diversos compartimentos femininos. Todo o ciclo menstrual

Leia mais

TUMORES RENAIS. Benignos. Malignos. Angiomiolipoma; Oncocitoma. Adenocarcinoma renal (90%); Tumor de Wilms; Carcinomas uroteliais da pelve renal.

TUMORES RENAIS. Benignos. Malignos. Angiomiolipoma; Oncocitoma. Adenocarcinoma renal (90%); Tumor de Wilms; Carcinomas uroteliais da pelve renal. Benignos Angiomiolipoma; Oncocitoma. Adenoma papilar renal; Fibroma renal ou hamartoma; Malignos TUMORES RENAIS Adenocarcinoma renal (90%); Tumor de Wilms; Carcinomas uroteliais da pelve renal. Prof. Fabricio

Leia mais

CHUC Clínica Universitária de Radiologia

CHUC Clínica Universitária de Radiologia CHUC Clínica Universitária de Radiologia Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Mafalda Magalhães 04/03/2013 Introdução Ecografia: 1º exame a ser realizado em mulheres com suspeita de doença pélvica

Leia mais

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA Tomografia: diagnóstico stico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica nica; Objetivo da aula; TC Helicoidal X Multi slice Limitações do método. *Ajustes das

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS RADIOLOGIA 21. A localização mais comum dos leiomiomas é: a) Subseroso. b) Submucoso. c) Intramural. d) Ligamento largo. 22. Um paciente de 45 anos, do sexo feminino,

Leia mais

CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE RADIOLOGIA HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DIRECTOR: PROF. DOUTOR FILIPE CASEIRO ALVES

CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE RADIOLOGIA HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DIRECTOR: PROF. DOUTOR FILIPE CASEIRO ALVES CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE RADIOLOGIA HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DIRECTOR: PROF. DOUTOR FILIPE CASEIRO ALVES Moderadora: Dr.ª Cristina Marques Catarina Fontes Ruivo 2 de Fevereiro de 2011 Massas

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem 01. Ressonância Margnética do Abdomen Imagem 02. Angiorressonância Abdominal Paciente masculino, 54 anos, obeso, assintomático, em acompanhamento

Leia mais

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório.

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório. OUTUBRO ROSA 25 de outubro Mais detalhes sobre o câncer de mama no Brasil 1. Exames clínicos de mama são tão importantes quanto as mamografias. Mamografias a partir de 40 anos de idade são cruciais (Deve

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Ultra-sonografia na condução de massas pélvicas

Ultra-sonografia na condução de massas pélvicas Ultrasonography in the management of pelvic masses At u a l i z a ç ã o Abstract Resumo O uso da morfologia do ultra-som da escala de cinzas tem a finalidade de caracterizar uma massa pélvica. Uma massa

Leia mais

Caso Clínico para Site SBM

Caso Clínico para Site SBM Caso Clínico para Site SBM 18/03/13 Primeira consulta Paciente 35 anos Feminino Parda Casada Brasileira Natural de Pacatuba-CE Queixa Principal: Nódulo doloroso em MAMA DIREITA há 2 meses. Refere Ultrasonografia

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães Ciro José Sousa de Carvalho 1, Sâmmya Roberta Barbosa 2, Francisco Assis Lima Costa 3, Silvana Maria Medeiros

Leia mais

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1)

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) Reunião de casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) CASO 1 História Clínica Identificação: RN de E. B., 2º dia de vida História fisiológica: RNAT; AIG; cesareana

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br 01. Sabe-se que a esteatose hepática é resultante de depósito intracelular de triglicerídeo no hepatócitos e seu aspecto ultra-sonográfico já é bastante conhecido. Qual das questões abaixo é a mais correta

Leia mais

Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.;

Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.; VALOR DO 99m Tc-SESTAMIBI EM PACIENTES COM MELANOMA MALIGNO Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.; Braga, Helton M.; Moraes, Renata F.; Rezende,Marta O.;

Leia mais

Tumores Odontogênicos

Tumores Odontogênicos Karla Mayra Rezende Marcelo Bönecker Tumores Odontogênicos Introdução Tumores odontogênicos compreendem grupos de neoplasias que tem como origem os tecidos formadores dos dentes. O clinico tem como responsabilidade

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DA PNEUMATIZAÇÃO DO SEIO ESFENOIDAL EM RELAÇÃO À GLÂNDULA HIPÓFISE

TÍTULO: ANÁLISE DA PNEUMATIZAÇÃO DO SEIO ESFENOIDAL EM RELAÇÃO À GLÂNDULA HIPÓFISE Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE DA PNEUMATIZAÇÃO DO SEIO ESFENOIDAL EM RELAÇÃO À GLÂNDULA HIPÓFISE CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário VIII Congresso de Pneumologia e Tisiologia do Estado do Rio de Janeiro Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Ciências Médicas Hospital Universitário

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Neoplasias testiculares: aspectos ultra-sonográficos com correlação anatomopatológica

Neoplasias testiculares: aspectos ultra-sonográficos com correlação anatomopatológica Neoplasias testiculares: aspectos ultra-sonográficos com correlação anatomopatológica / Souza LRMF et al. Artigo de Revisão Neoplasias testiculares: aspectos ultra-sonográficos com correlação anatomopatológica

Leia mais

ARTIGO CIENTÍFICO. Aplicabilidade da Sequência de Difusão no Diagnóstico do Câncer de Próstata

ARTIGO CIENTÍFICO. Aplicabilidade da Sequência de Difusão no Diagnóstico do Câncer de Próstata CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM ANATOMIA FUNCIONAL E CLINICA ARTIGO CIENTÍFICO Aplicabilidade da Sequência de Difusão no Diagnóstico do Câncer de Próstata Rafael Aguillar Amaral Aplicabilidade da sequência de

Leia mais

INDICA-SE PELO RISCO DE NEO

INDICA-SE PELO RISCO DE NEO Benigno x maligno SINTOMÁTICA ASSINTOMÁTICA ASSINTOMÁTICA INDICA-SE PELO RISCO DE NEO 56 % dos cistos tem resolução espontânea Ehrlich, et al. (2007) 57 a 60 % dos TU Malignos ovarianos componente cístico

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher.

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher. Cistos de Ovário Os ovários são dois pequenos órgãos, um em cada lado do útero. É normal o desenvolvimento de pequenos cistos (bolsas contendo líquidos) nos ovários. Estes cistos são inofensivos e na maioria

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia. Imagem: Radiografia simples tóraco-abdominal em incidência ântero-posterior

Imagem da Semana: Radiografia. Imagem: Radiografia simples tóraco-abdominal em incidência ântero-posterior Imagem da Semana: Radiografia Imagem: Radiografia simples tóraco-abdominal em incidência ântero-posterior Imagem: Radiografia contrastada de esôfago, estômago e duodeno (REED) em incidência ântero-posterior.

Leia mais

12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna

12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna 12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna Enunciado Paciente do sexo feminino, 34 anos, G1P1A0, hígida, está no terceiro mês pós-parto vaginal sob analgesia peridural, que transcorreu sem intercorrências.

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA Protocolo de Pesquisa Joselma Lira Alves Maisa Homem de Mello Romeu Carillo Jr Clínica de Homeopatia do HSPM-SP LEIOMIOMA UTERINO Sinonímia

Leia mais

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária como Fator de Risco SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária na Mamografia RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de primeiro grau com CA de mama

Leia mais

CARACTERÍSTICAS IMAGIOLÓGICAS DO OSTEOSSARCOMA PRIMÁRIO

CARACTERÍSTICAS IMAGIOLÓGICAS DO OSTEOSSARCOMA PRIMÁRIO Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra CARACTERÍSTICAS IMAGIOLÓGICAS DO OSTEOSSARCOMA PRIMÁRIO Subtipos Convencional e não Convencionais Rui Alves Costa 30/03/2015 Tumor maligno caracterizado pela

Leia mais

Avaliação das hérnias discais lombares pela ressonância magnética *

Avaliação das hérnias discais lombares pela ressonância magnética * VLIÇÃO DS HÉRNIS DISCIS LOMRES PEL RESSONÂNCI MGNÉTIC valiação das hérnias discais lombares pela ressonância magnética * GUILERTO MINGUETTI 1, JORGE HUMERTO GUDELO FRNCO 2, VINICIUS ITTENCOURT LUDWIG 3

Leia mais

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina Citopatologia mamária Puberdade: crescimento das mamas em função do desenvolvimento glandular e da deposição aumentada de tecido adiposo. Mulheres durante o ciclo menstrual: aumento do volume mamário em

Leia mais

São Paulo receberá o XV Congresso Brasileiro de Ultrassonografia da SBUS

São Paulo receberá o XV Congresso Brasileiro de Ultrassonografia da SBUS c início b Ano 14 nº 85 fevereiro de 2011 São Paulo receberá o XV Congresso Brasileiro de Ultrassonografia da SBUS Café com professor será a grande novidade desta edição De 21 a 24 de setembro de 2011

Leia mais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ Departamento de Ginecologia Residência Médica Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Alberto Tavares Freitas Tania da Rocha Santos Abril de 2010 Introdução Representam

Leia mais

Massa de mediastino posterior em paciente HIV positivo. Bernardo Maranhão 1. Carla Cristina de Almeida 2. Giovani Antonio Marsico 3

Massa de mediastino posterior em paciente HIV positivo. Bernardo Maranhão 1. Carla Cristina de Almeida 2. Giovani Antonio Marsico 3 Massa de mediastino posterior em paciente HIV positivo Bernardo Maranhão 1 Carla Cristina de Almeida 2 Giovani Antonio Marsico 3 Gustavo Modesto Leal 4 Heitor Paiva 5 1. TE SBPT, Coordenador Comissão de

Leia mais

Tumores Odontogênicos. Humberto Brito R3 CCP

Tumores Odontogênicos. Humberto Brito R3 CCP Tumores Odontogênicos Humberto Brito R3 CCP Avelar, 2008; Rodrigues, 2010 INTRODUÇÃO Neoplasias que afetam a maxila e a mandíbula A maioria acomete a mandíbula 2/3 (principalmente a região posterior) Grupo

Leia mais

Aspectos Radiológicos Típicos e Atípicos dos Teratomas do Ovário

Aspectos Radiológicos Típicos e Atípicos dos Teratomas do Ovário Acta Radiológica Portuguesa, Vol.XVI, nº 64, pág. 53-60, Out.-Dez., 2004 Aspectos Radiológicos Típicos e Atípicos dos Teratomas do Ovário Typical and Atypical Radiologic Features of Ovary Teratoma Carlos

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 01. Tomografia computadorizada da pelve após injeção endovenosa de meio de contraste iodado, tendo havido ingestão prévia do mesmo produto. Paciente,

Leia mais

Tumores anexiais na adolescência

Tumores anexiais na adolescência 48 ARTIGO ORIGINAL Luiz Augusto Giordano 1 Mario Vicente Giordano 1 Ricardo Oliveira e Silva 1, 2 Adnexal tumors in adolescents Resumo A abordagem dos tumores anexiais é tarefa difícil para o ginecologista,

Leia mais

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 10 - Junho/2010

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 10 - Junho/2010 NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 10 - Junho/2010 ANGIOSSONOGRAFIA TRIDIMENSIONAL NOS TUMORES GINECOLÓGICOS Dr. Ayrton Roberto Pastore Mestrado pelo Departamento de Obstetrícia da FMUSP em 1984 Doutorado

Leia mais

Avaliação de Epilepsia por Neuroimagem Estrutural. Protocolos Henrique Carrete Júnior*

Avaliação de Epilepsia por Neuroimagem Estrutural. Protocolos Henrique Carrete Júnior* 94 ARTIGO Henrique Carrete Júnior RESUMO O objetivo principal deste artigo é fornecer os protocolos utilizados na UNIPETE/UNIFESP-EPM para o estudo de ressonância magnética nas epilepsias focais. Unitermos:

Leia mais

Rastreamento do câncer de pulmão

Rastreamento do câncer de pulmão Rastreamento do câncer de pulmão Arthur Soares Souza Jr. Professor livre docente da FAMERP Membro do Ultra X Diagnóstico por Imagem São José do Rio Preto - SP Rastreamento do câncer de pulmão Estamos familiarizados

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DE NEOPLASIAS DE PELE EM CÃES, NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM-PA, NO PERÍODO DE 2013 A 2014. RENZO BRITO LOBATO¹, ADRIANA MACIEL DE CASTRO CARDOSO¹, BRENO COSTA DE MACEDO¹, KARINA

Leia mais

Perfil epidemiológico da neoplasia mamária canina em Araçatuba: uma abordagem estatística

Perfil epidemiológico da neoplasia mamária canina em Araçatuba: uma abordagem estatística Perfil epidemiológico da neoplasia mamária canina em Araçatuba: uma abordagem estatística Walter Bertequini Nagata 1 Sílvia Helena Venturoli Perri 2 Flávia de Rezende Eugênio 3 Maria Gisela Laranjeira

Leia mais

TUMORES CERVICAIS GIGANTES, NO PERIODO NEONATAL CAUSAS CIRÚRGICAS E TRATAMENTO

TUMORES CERVICAIS GIGANTES, NO PERIODO NEONATAL CAUSAS CIRÚRGICAS E TRATAMENTO 1 TUMORES CERVICAIS GIGANTES, NO PERIODO NEONATAL CAUSAS CIRÚRGICAS E TRATAMENTO RESUMO Os autores apresentam uma série de patologias do ponto de vista cirúrgico, as quais entram no diagnóstico diferencial

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 CAIO FERNANDO GIMENEZ 1, TATIANE MORENO FERRARIAS 1, EDUARDO FERNANDES BONDAN 1 1 Universidade

Leia mais

Torção ovariana: ensaio iconográfico com enfoque em achados de ressonância magnética e tomografia computadorizada *

Torção ovariana: ensaio iconográfico com enfoque em achados de ressonância magnética e tomografia computadorizada * Torção ENSAIO ovariana: ICONOGRÁFICO enfoque em achados ICONOGRAPHIC de RM e TC ESSAY Torção ovariana: ensaio iconográfico com enfoque em achados de ressonância magnética e tomografia computadorizada *

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

L u iz F elip e N o b re. luizfelipenobresc@gmail.com

L u iz F elip e N o b re. luizfelipenobresc@gmail.com NÓDULO PULMONAR os Dez Mandamentos CNAP / SBPT São Paulo, 2013 L u iz F elip e N o b re luizfelipenobresc@gmail.com NÓDULO PULMONAR Def. Opacidade relativamente esférica com diâmetro

Leia mais

VISMED. Diagnóstico de Nódulo Pulmonar. Aluno : Aristófanes Corrêa Silva. Professor : Paulo Cezar Carvalho

VISMED. Diagnóstico de Nódulo Pulmonar. Aluno : Aristófanes Corrêa Silva. Professor : Paulo Cezar Carvalho Aluno : Aristófanes Corrêa Silva Professor : Paulo Cezar Carvalho Setembro/2001 Tópicos 1ª Fase Projeto VISMED Estimativa de Volume Pulmonar 2ª Fase Aquisição da Imagem Tomografia computadorizada Dicom

Leia mais

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA Gabriel Jara

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais