8º SEMINÁRIO INTERNACIONAL, ARQUITETURA, URBANISMO E DESIGN: MENSAGENS E PRODUTOS PARA AMBIENTES SUSTENTÁVEIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8º SEMINÁRIO INTERNACIONAL, ARQUITETURA, URBANISMO E DESIGN: MENSAGENS E PRODUTOS PARA AMBIENTES SUSTENTÁVEIS"

Transcrição

1 CONTRIBUIÇÃO DA ANÁLISE AMBIENTAL AO USO E OCUPAÇÃO DA UFPB COSTA, Angelina D. L.(1); LIMA, Eduardo R. V. de (2); SANTOS, Joel S. dos (3); LEME, Neusa Paes (4) CEVADA, Caroline M.(5); LIRA, Rayssa A. de (5) (1) Arquiteta, Profª. Dra. do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), (2) Geólogo, Profº. Dr. do Departamento de Geociências da UFPB, (3) Geógrafo, Profº Msc. do Departamento de Meio Ambiente da UFPB, (4) Física, Dra. Pesquisadora do CRN-INPE, (5) Estudantes do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFPB, RESUMO Este artigo é fruto de uma pesquisa desenvolvida na Universidade Federal da Paraíba e objetiva subsidiar o planejamento urbano e as decisões de ocupação para a instituição. Tem como objeto de estudo o Campus I localizado em João Pessoa, ainda sem plano diretor aprovado, e em constante expansão de área construída, com grande volume de obras em andamento. O Campus tem uma área total de 180 ha, entre áreas edificadas e grandes massas arborizadas, distribuídas ao longo de sua extensão, o que constitui-se em grande potencial termo-regulador. A metodologia foi baseada em Katzschner (1997) e Costa (2007) e dividiu-se em três etapas. Na primeira, foram confeccionados mapas gerais do Campus: topografia, uso do solo, cobertura vegetal, tipo de revestimento das superfícies horizontais e gabarito das edificações; seguidos por posterior análise do entorno de cada ponto medido. Na segunda, foram coletados os dados de variáveis climáticas (temperatura do ar e umidade relativa do ar) no verão e no inverno, utilizando-se de equipamentos tipo loggers (armazenadores) com medições em 06 pontos fixos, representativos de condições edificadas distintas: amplamente pavimentadas com diferentes materiais e localizados em área de vegetação remanescente. O registro de dados foi realizado de 01h em 01h, durante 12 dias em março e junho de 2010, possibilitando análise quantitativa estatística e o cruzamento das informações (etapa 03). Foram detectados microclimas diferenciados, reflexos da ocupação do solo encontrada nos pontos. Por fim traçaram-se algumas diretrizes na busca pela sustentabilidade ambiental. ABSTRACT This research paper focuses on the urban planning and organisation of the Federal University of Paraíba in João Pessoa. The University does not have formal planning recognised by the University, with surrounding areas still expanding where new buildings are being constructed. The University is 180 hectares of urban and green areas that provide good weather all over the University. The research methodology is based on Katzschner (1997) and Costa (2007) and is divided into three steps. The first step is the design and analysis of plants about topography, earth, green areas and building materials. The second step is the measurement of the weather (temperature and humidity of the air) using instruments in six different places all over the University. The measurements were performed during a period of 01h to 01h for twelve days

2 during the Summer of After taking the measurements, the third level is to organise and analyse the results. As a result of the research, it was determined that the weather was different in all the points due to different types of vegetation, earth and the land. The next level of this research is to provide sustainable alternatives for the University as it plans for future expansion. 1. INTRODUÇÃO A maneira desordenada com que as construções ocorrem dentro de uma determinada área tem sido fator determinante nas alterações microclimáticas e com isso, na qualidade de vida de seus usuários. Para garantir o conforto ambiental humano, faz-se necessário planejar a ocupação do solo e dessa forma os estudos de clima tem se tornado cada vez mais importantes ferramentas para a arquitetura e o planejamento urbano (KATZSCHNER, 1997). Esse trabalho tem como objetivo apresentar as características morfológicas do Campus I da UFPB e conhecer de que maneira o uso e ocupação do solo vem influenciando no microclima local, propondo diretrizes de planejamento urbano que possam minimizar as alterações climáticas. 1.2 OBJETO DE ESTUDO O Campus I da UFPB localiza-se na área central da cidade de João Pessoa, capital do Estado da Paraíba, geograficamente situada a 7 08 S e W e abrange uma área de 180ha, distribuídas em áreas edificadas que encontra-se em constante crescimento e áreas arborizadas com resquícios de Mata Atlântica. A cidade apresenta, segundo Silva (1999), clima com temperaturas do ar e umidades relativas medias anuais relativamente altas, com estação úmida definida e regime pluviométrico ocorrendo durante os meses de maio, junho e julho. Além disso, o autor enfatiza a predominância dos ventos no quadrante Sudeste durante quase a totalidade do ano, com alteração do direção no sentido Leste e Nordeste durante os meses mais quentes. 2. METODOLOGIA A metodologia adotada foi dividida em três etapas baseada em Katzschner (1997) e Costa (2007) que avaliam o clima urbano através de descrições fisicas do espaço estudado aliadas à medições in loco. Foram confeccionados e analisados mapas temáticos (etapa 01) de cada um dos seis pontos de medição (Figura 01) das variáveis ambientais (temperatura e umidade relativa do ar etapa 02) durante 12 dias do período de verão (março/2010) e 12 dias do período de inverno (maio e junho de 2010) no intervalo de 1h em 1h por meio de equipamentos tipo loggers Hobo (armazenadores). Após o registro e coleta dos dados, foi feita a análise quantitativa (estatística) dos mesmos (etapa 03) gerando diretrizes de planejamento urbano para o solo do Campus I da UFPB.

3 Figura 01: Mapa do Campus I com a localização dos pontos de medição e das massas arborizadas mais densas. 2.1 DESCRIÇÃO QUALITATIVA E ANÁLISE DOS MAPAS A análise do uso e ocupação do solo como referência para as diretrizes a serem propostas para o plano diretor do Campus foi feita baseada na metodologia proposta por OKE (2004), KATZSCHENER; BOSCH; ROTTEGEN (2002) e complementada por COSTA (2007) em que é determinado para a unidade climática local um raio de 150m da localização do ponto de coleta, nas direções Norte e Oeste (KATZSCHENER; BOSCH; ROTTEGEN, 2002) e um raio de 350m nas direções Leste e Sul, de maneira que se obtivesse um valor total de 500m que correspondesse à medida de 0,5Km defendida por OKE (2004) com o objetivo de analisar a importância da ventilação como um elemento de controle climático para o clima local estudado, predominantemente Sudeste. Esse procedimento determinou a analise numa área total de 0,21Km² no entorno de cada ponto, detalhada a composição da área através da figura 02.

4 Figura 02: Composição da área de análise de cada ponto de coleta. Com base na análise preliminar dos mapas, associados a imagens aéreas do local e visitas in loco, foram definidas classes temáticas para os tipos de recobrimentos do solo como representativas da realidade de cada área de 0,21Km² em: áreas verdes, edificações, solo permeável areia, solo permeável grama, solo impermeável pedra/calçamento, solo impermeável revestimento asfáltico, solo impermeável concreto. Os resultados da classificação para a ocupação do solo são apresentados por pontos como segue: P01 BIOTÉRIO Encontra-se situado em meio a uma área de grande e densa cobertura vegetal justamente no caminho do vento (Sudeste) e com edificações em cobertura cerâmica próximas no lado Oeste do quadrante. Na sua área de abrangência, na parte externa do Campus, encontra-se uma rua com pavimentação asfáltica de fluxo médio, porém localizada ao lado de uma reserva de Mata Atlântica. O solo é permeável com cobertura em areia e a topografia dessa área é bastante acidentada em declive, com relação a toda a área do Campus. P02 CENTRO DE TECNOLOGIA (CT) Localiza-se numa área pavimentada com tijolo cerâmico e cercada por edificações com cobertura em telha cerâmica e telha metálica. Dentro do Campus, uma pequena massa de cobertura vegetal é observada na direção Leste e o recobrimento do solo é em sua maioria impermeável. Esse ponto encontra-se próximo da via de acesso principal a Universidade, com cobertura asfáltica e fluxo intenso de veículos durante todo o dia. P03 CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS (CCS) O ponto está localizado numa área com recobrimento do solo em pedra (calçamento) com proximidades de duas grandes áreas arborizadas do Campus, onde uma dessas áreas (na direção SO) é onde se encontra localizado o P01 (Biotério). Na direção Leste, observa-se uma grande área de edificações com vários tipo de cobertura (telha metálica e telha cerâmica), sendo o Hospital Universitário (HU), destacado pelo seu gabarito (07 pavimentos). O solo possui quatro tipos de revestimento: areia, pedra/calçamento, asfalto e concreto. P04 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO (HU) O quadrante do ponto 04 (HU) engloba pequenas áreas arborizadas nas direções Oeste e Norte. Esse ponto encontra-se cercado de grandes áreas de edificações com cobertura em telha cerâmica e metálica; e

5 destaca-se por está bem próximo do Hospital Universitário que é a edificação com maior gabarito encontrado no Campus, em uma área de muito movimento. O solo é recoberto por areia, pedra/calçamento, asfalto e concreto. P05 GINÁSIO Localiza-se ao lado do ginásio poliesportivo do Campus, uma grande cobertura metálica. Esse é o quadrante menos edificado da análise e é composto por uma grande área permeável com recobrimento em grama (o campo de futebol). Possui áreas arborizadas na direção Sul e Nordeste e pequena concentração de edificações no sentido Leste e Sudoeste. P06 REITORIA O ponto da Reitoria está inserido numa área de recobrimento do solo em areia ao lado de uma rua com pavimentação asfáltica. Nas direções Noroeste, Oeste e Sul é observada uma grande área de cobertura vegetal e nas direções Leste e Sudeste área edificada com cobertura em telha cerâmica e metálica. Na seqüência são apresentados os mapas de classificação para cada ponto de medição (Figuras 03 a 08). Figura 03: Mapa de classificação P01 (Biotério). Figura 04: Mapa de classificação P02 (CT). Figura 05: Mapa de classificação P03 (CCS). Figura 06: Mapa de classificação P04 (HU).

6 Figura 07: Mapa de classificação P05 (Ginásio). Figura 08: Mapa de classificação P06 (Reitoria). 2.2 DESCRIÇÃO QUANTITATIVA E ANÁLISE DE DADOS De acordo com o tratamento estatístico dos dados, no período medido a variação média térmica foi de 1,2ºC no verão e 0,9 C no inverno; e Umidade Relativa cerca de 11% no verão e 6% no inverno (Tabela 1); resultados significativos mediante a baixa amplitude térmica da região. O P01 apresentou as melhores médias em relação ao conforto ambiental; contrariamente aos P 02, P04 e P06, que tiveram as médias maiores na temperatura do ar e médias menores na umidade relativa em ambos os períodos. Tabela 01 Temperatura Média do Ar e Umidade Relativa Média por Ponto no Período Pontos Temperatura Média do Ar Umidade Relativa Média Verão Inverno Verão Inverno P01 28,0 C 26,3 C 80 % 89 % P02 29,1 C 27,2 C 74 % 83 % P03 28,8 C 26,9 C 77 % 86 % P04 29,2 C 26,8 C 76 % 87 % P05 29,0 C 27,0 C 73 % 83 % P06 29,1 C 26,8 C 78 % 88 % A verificação das máximas e mínimas da temperatura do ar (Figuras 09 e 10) reafirmou as melhores condições do P01, com os menores valores, provavelmente devido à sua localização numa mata densa, com baixo índice de impermeabilização e alto índice para a quantidade de massa vegetal. Em contrapartida, o P04 - que dispõe de situação antônima de alto adensamento, com ocorrência de edificações com pavimentos suficientes para interferir na massa de ar do Sudeste e recobrimento do solo praticamente impermeável - obteve a maior temperatura avaliada no período, bem como a maior amplitude.

7 Figuras 09 e 10 - Gráficos Indicativos das Temperaturas Máxima e Mínima por Ponto no Período e Gráfico da Temperatura Média do Ar por Ponto no Período Observou-se também que o nível de umidade é influenciado diretamente pelas zonas mais arborizadas, ressaltando os resultados do P 01, como o de maior umidade. Observa-se ainda que a presença de uma grande cobertura metálica pode ter influenciado o resultado do P 05. Os gráficos abaixo apontam o comportamento dessas variáveis nas suas medidas máxima, mínima e média por ponto (Figuras 11 e 12). Figuras 11 e 12 - Gráfico Indicativo da Umidade Relativa do Ar Máxima e Mínima por Ponto no Período e Gráfico da Umidade Relativa do Ar Média por Ponto no Período Ao reputar os dados organizando-os sob a forma da média-horária (Figura 13 e 14), foi possível identificar que os valores das médias da temperatura e da umidade são parecidos em todos os pontos: a situação diária mais confortável ocorre no período das 20-06h e começa a ficar muito desconfortável aproximadamente entre as 10-14h. Figura 13 - Gráfico Comparativo de Média-Horária de Temperatura do Ar por Ponto, Verão e Inverno

8 Figura 14 - Gráfico Comparativo de Média-Horária de Umidade Relativa por Ponto, Verão e Inverno Nota-se que o ponto 01, com mais vegetação, proporciona ainda uma menor amplitude térmica diária, evidenciada pela não elevação da temperatura do ar nos horários mais quentes. O que reitera a importância da manutenção das áreas verdes. 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS Como conclusões da pesquisa, primeiramente, determinou-se o grau de interferência de inúmeros fatores no conforto ambiental, depois, motivados pela análise de cada ponto, foi possível identificar áreas semelhantes no Campus e enfim, traçar algumas diretrizes para a aplicação do crescimento urbano no local. 4.1 FATORES RELEVANTES NO RESULTADO BIOCLIMÁTICO Foram detectadas com maior relevância as seguintes características: a. tipo de recobrimento do solo e de coberturas: materiais naturais ou mais permeáveis repercutiram em temperaturas mais amenas, como nos pontos P01 e P04; b. densidade de massa construída: áreas densamente construídas a exemplo dos pontos P02 e P05 tiveram temperaturas mais elevadas e menores umidades relativas, constituíram-se em barreiras à ventilação predominante; c. presença de áreas verdes: comprovado em todos os dados referentes; a presença de massas vegetais - árvores amenizaram a temperatura do ar local e mantiveram bons índices de umidade relativa, como ocorreu no ponto P ZONAS EXISTENTES NO CAMPUS Embora o Campus ainda ofereça um espaço privilegiado pela quantidade expressiva de massa verde (na maior parte resquícios da Mata Atlântica), sabe-se do impacto gerado pela produção do espaço urbano: substituindo ou isolando o cenário expressivo da cobertura vegetal a bolsões e tornando-as cada vez mais rarefeitas entre os edifícios. Com a expansão física da Universidade, e a necessidade por área edificável, essas massas tendem a diminuir, aumentando também a densidade construída no Campus; portanto, torna-se imprescindível a proteção desses espaços de forma a não perdê-los. Tendo em mente a configuração atual do Campus, podem-se traçar três tipos de zonas:

9 Figura 15 - Gráfico Mapa Síntese a. áreas a serem melhoradas: constituem-se frações distintas, densamente construídas e ocupadas com edificações térreas ou verticalizadas (primeiro andar). São nestes locais que se encontram as temperaturas mais elevadas do Campus e a menor quantidade de área verde. Nesta área, propõe-se que sejam criados pequenos bolsões verdes nas regiões mais áridas - em geral, nos estacionamentos; b. áreas a serem observadas: são espaços que possuem vazios que merecem atenção, dada a possibilidade de mudança do uso do solo e consequente alteração nos níveis de conforto do lugar. Estes terrenos fazem menção ainda à probabilidade de serem em parte classificados por zonas indicadas para a verticalização do Campus, que está em intenso período de expansão física. c. áreas a serem preservadas: áreas que mantém quantidade expressiva de áreas verdes (maior parte resquícios da Mata Atlântica) dado que reflete diretamente na amenização climática. Com a expansão física da Universidade, torna-se imprescindível a proteção desses espaços de forma a não perdê-los. 4.3 DIRETRIZES GERAIS SUGERIDAS AO PLANEJAMENTO DA OCUPAÇÃO DO CAMPUS A regulamentação com vistas à preservação das áreas verdes remanescentes torna-se urgente, com o intuito de preservá-las. Além disso, é necessário definir normativas urbanas próprias para a área, como

10 recuos, gabaritos e áreas de expansão; garantindo não apenas o adequado funcionamento do espaço urbano, mas seu necessário conforto ambiental; É imprescindível identificar áreas passíveis de serem verticalizadas - embasadas em estudos técnicos específicos para cada novo empreendimento com vistas a quantificar e qualificar o impacto que causará e a proposição de medidas mitigadoras. Não se deve deixar de aplicar recuos generosos entre as edificações que permitam a circulação da ventilação e a penetração (indireta) da luz natural no ambiente interno aumentando assim seu nível de iluminamento e diminuindo a necessidade de se optar por ventilação e iluminação artificiais; Observação do entorno e principalmente a adequação da arquitetura ao clima com suas peculiaridades locais, para todo novo projeto, seja através da orientação correta da construção (menor no sentido L-O), emprego de materiais com baixa capacidade de absorção, dimensionamento e proteção das aberturas; E por fim, a necessidade de se abordar o Campus como importante elemento compositor do espaço urbano da cidade, sabendo-se que as decisões tomadas para este perímetro gerará reflexos nos espaços circunvizinhos 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COSTA, A. D. L.. Análise bioclimática e investigação do conforto térmico em ambientes externos: uma experiência no bairro de Petrópolis em Natal/RN f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, COSTA, A. D. L.. O revestimento de superfícies horizontais e sua implicação microclimática em localidade de baixa latitude com clima quente e úmido f. Tese de Doutorado (Programa de Pós Graduação da Faculdade de Engenharia Civil) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, GIVONI, B.. Comfort, climate analysis and building design guidelines. Energy and Building, Amsterdam, v. 18, KATZSCHNER, L.. Urban climate studies as tools for urban planning and architecture. IN: ENCONTRO NACIONAL DE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 4, 1997, Salvador. Anais... Salvador: ANTAC,1997, p KATZSCHNER, Lutz; BOSCH, Ulrike; ROTTGEN, Mathias. Behaviour of people in open spaces in dependency of thermal comfort conditions. In: INTERNACIONAL CONFERENCE ON PASSIVE AND LOW ENERGY ARCHITECTURE PLEA, 19, France, Procedings France: James & James Ltd., 2002, p OKE, T.R. Initial guidance to obtain representative meteorological observations at urban sites. IOM Report, TD. in press, World Meteorological Organization, Geneva, SILVA, F. de A. G. O vento Como ferramenta no desenho do ambiente construído: uma aplicação ao nordeste brasileiro f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) FAUUSP, São Paulo, 1999.

COMPORTAMENTO TÉRMICO EM UMA FRAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS.

COMPORTAMENTO TÉRMICO EM UMA FRAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS. COMPORTAMENTO TÉRMICO EM UMA FRAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS. Juliano Souza Vasconcelos (*), Léa Cristina Lucas de Souza*, Bernardo Arantes do Nascimento Teixeira* *UFSCar, Universidade Federal

Leia mais

INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO DO SOLO NO MICROCLIMA: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL DO AÇÚCAR, EM MACEIÓ - ALAGOAS

INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO DO SOLO NO MICROCLIMA: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL DO AÇÚCAR, EM MACEIÓ - ALAGOAS INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO DO SOLO NO MICROCLIMA: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL DO AÇÚCAR, EM MACEIÓ - ALAGOAS S. C. Christopoulos, C. G. S. Prado, P. C. F. Barros, R. V. R. Barbosa RESUMO A pesquisa objetivou

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA

CONFORTO TÉRMICO EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA CONFORTO TÉRMICO EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA Lígia Parreira Muniz (1) ; Claudia Cotrim Pezzuto (2) (1) Graduanda da Faculdade de Engenharia Civil, PUC Campinas, e-mail: lpm_max@hotmail.com

Leia mais

ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA

ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA CLIMA E ARQUIETURA >>> Como a arquitetura pode contribuir na redução do consumo energético de uma edificação mantendo suas condições de conforto? Estratégias de projeto arquitetônico

Leia mais

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO ANEXO 5.2 - CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO PNSB E DA ZONA DE AMORTECIMENTO A 5.2.1 REGIME PLUVIOMÉTRICO O regime pluviométrico das áreas do PNSB e de sua Zona de Amortecimento foi avaliado com base nos dados

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS RESULTADOS DE SIMULAÇÕES TERMOENERGÉTICAS DE EDIFICAÇÕES SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ENTRADA DAS PROPRIEDADES DOS VIDROS

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS RESULTADOS DE SIMULAÇÕES TERMOENERGÉTICAS DE EDIFICAÇÕES SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ENTRADA DAS PROPRIEDADES DOS VIDROS http://doi.org/10.17012/entac2014.33 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS RESULTADOS DE SIMULAÇÕES TERMOENERGÉTICAS DE EDIFICAÇÕES SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ENTRADA DAS PROPRIEDADES DOS VIDROS SORGATO, Marcio

Leia mais

TÍTULO: A RELAÇÃO DA VEGETAÇÃO NO MEIO URBANO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: A RELAÇÃO DA VEGETAÇÃO NO MEIO URBANO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A RELAÇÃO DA VEGETAÇÃO NO MEIO URBANO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

Leia mais

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto ESTUDO DE CASO: CENPES II DA PETROBRAS NO RIO DE JANEIRO Uma atitude ambiental inovadora na arquitetura brasileira Joana Gonçalves jocarch@usp.br Arquiteta Dra. Profa. FAU USP Pesquisadora do LABAUT/ FAU

Leia mais

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Debora Cristina LOPES Universidade Federal do Paraná A questão da cobertura vegetal em áreas urbanas possui cada

Leia mais

Fonte: KAWAKAMI (2009)

Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) 4 LEED s no Brasil

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Ventilação Urbana. AUT 225 Conforto Ambiental em Espaços Urbanos Abertos

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Ventilação Urbana. AUT 225 Conforto Ambiental em Espaços Urbanos Abertos Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo AUT 225 Conforto Ambiental em Espaços Urbanos Abertos Profa. Dra. Denise Helena Silva Duarte Sumário Introdução Impactos em diferentes climas

Leia mais

PREDOMINÂNCIA DO VENTO NA REGIÃO DE TABULEIROS COSTEIROS PRÓXIMO A MACEIÓ AL. Roberto Lyra ABSTRACT

PREDOMINÂNCIA DO VENTO NA REGIÃO DE TABULEIROS COSTEIROS PRÓXIMO A MACEIÓ AL. Roberto Lyra ABSTRACT PREDOMINÂNCIA DO VENTO NA REGIÃO DE TABULEIROS COSTEIROS PRÓXIMO A MACEIÓ AL Roberto Lyra UFAL/CCEN/Dpto. de Meteorologia 5772-97 Maceió AL e-mail: rffl@fapeal.br ABSTRACT A survey of the wind predominance

Leia mais

O PAPEL DA INÉRCIA TÉRMICA COMO TÉCNICA DE RESFRIAMENTO PASSIVO PARA RESIDÊNCIAS EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS.

O PAPEL DA INÉRCIA TÉRMICA COMO TÉCNICA DE RESFRIAMENTO PASSIVO PARA RESIDÊNCIAS EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS. O PAPEL DA INÉRCIA TÉRMICA COMO TÉCNICA DE RESFRIAMENTO PASSIVO PARA RESIDÊNCIAS EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS. RESUMO Solange Goulart Environmental & Energy Studies Programme

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO NO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP (MACAPÁ-AP) João Paulo Nardin Tavares 1, Ana Maria da Silva Pantoja 1

CONFORTO TÉRMICO NO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP (MACAPÁ-AP) João Paulo Nardin Tavares 1, Ana Maria da Silva Pantoja 1 CONFORTO TÉRMICO NO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP (MACAPÁ-AP) João Paulo Nardin Tavares 1, Ana Maria da Silva Pantoja 1 1 Centro de Ensino Superior do Amapá CEAP Macapá, AP Brasil jpnt25@gmail.com,

Leia mais

ATMOSFERA é o nome dado à camada gasosa que envolve os planetas. No caso da atmosfera terrestre ela é composta por

ATMOSFERA é o nome dado à camada gasosa que envolve os planetas. No caso da atmosfera terrestre ela é composta por ATMOSFERA é o nome dado à camada gasosa que envolve os planetas. No caso da atmosfera terrestre ela é composta por inúmeros gases que ficam retidos por causa da força da gravidade e do campo magnético

Leia mais

A TEMPERATURA E A UMIDADE DO AR EM NOVA ANDRADINA/MS EM AGOSTO DE 2008 ÀS 20h 1

A TEMPERATURA E A UMIDADE DO AR EM NOVA ANDRADINA/MS EM AGOSTO DE 2008 ÀS 20h 1 A TEMPERATURA E A UMIDADE DO AR EM NOVA ANDRADINA/MS EM AGOSTO DE 2008 ÀS 20h 1 Janaína Lopes Moreira janainamoreira1991@hotmail.com UNESP- Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e Tecnologia,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA TEMPERATURA DO AR NA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO DO PIÇARRÃO

DISTRIBUIÇÃO DA TEMPERATURA DO AR NA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO DO PIÇARRÃO DISTRIBUIÇÃO DA TEMPERATURA DO AR NA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO DO PIÇARRÃO Bárbara Campregher Prata Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC babi_prata@hotmail.com Resumo: Diversas pesquisas

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO DAS ÁREAS EXTERNAS DE DOIS CONJUNTOS HABITACIONAIS EM TERESINA/BRASIL

ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO DAS ÁREAS EXTERNAS DE DOIS CONJUNTOS HABITACIONAIS EM TERESINA/BRASIL ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO DAS ÁREAS EXTERNAS DE DOIS CONJUNTOS HABITACIONAIS EM TERESINA/BRASIL Profª Ana Lucia R. C. da Silveira (1); Profª Dra Marta A. B. Romero (2); (1) Departamento de Construção

Leia mais

Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas

Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C. J. de Oliveira 5

Leia mais

Tr a b a l h o On l in e

Tr a b a l h o On l in e Tr a b a l h o On l in e NOME: Nº: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: FELIPE VENTURA 1ºANO Ens.Médio TURMA: 3º Bimestre DATA: / / Nota: 1. Por que a altitude interfere na temperatura? 2. Por que uma cidade

Leia mais

Com base nos pontos foram determinadas direções intermediárias, conhecidas como. pontos : nordeste (NE), (NO), sudeste (SE) e (SO).

Com base nos pontos foram determinadas direções intermediárias, conhecidas como. pontos : nordeste (NE), (NO), sudeste (SE) e (SO). PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Complete as

Leia mais

Kaline Abrantes Guedes

Kaline Abrantes Guedes 1 Espaço Cultural José Lins do Rego(1982) Sérgio Bernardes(1919-2002) Kaline Abrantes Guedes 2 por que citar o Espaço Cultural como um exemplar representativo da arquitetura moderna paraibana? Por que

Leia mais

Passive House examples around the world

Passive House examples around the world Passive House examples around the world Camille Sifferlen www.passiv.de camille.sifferlen@passiv.de Passive House Worldwide Passive House Institute Climate No Region Heating climate Cooling climate 1 Arctic

Leia mais

Aula 5. Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações

Aula 5. Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 06.05.2015 CONFORTO AMBIENTAL: CLIMA Aula 5 Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações Profª Mª Claudete Gebara J. Callegaro claudete.callegaro@ibirapuera.edu.br

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia no Funchal Madeira

Dossier Promocional. Moradia no Funchal Madeira Dossier Promocional Moradia no Funchal Madeira 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6. Contactos

Leia mais

Duas dessas massas de ar são formadas nas proximidades do Equador:

Duas dessas massas de ar são formadas nas proximidades do Equador: GEOGRAFIA DO BRASIL Massas de ar Além da importância dos fatores climáticos estáticos (latitude e altitude), deve-se destacar também a atuação dos fatores dinâmicos sobre os climas encontrados no território

Leia mais

AVALIAÇÃO MULTIDISCIPLINAR

AVALIAÇÃO MULTIDISCIPLINAR 2º Tempo / única Nome: Nº: Ensino Fundamental AVALIAÇÃO MULTIDISCIPLINAR Data: / /2016 SUB Ano: 6 o Bimestre: 2 o Código da Prova: 1606204254 NOTA: 1) Três navios fazem viagens pelos portos. O primeiro

Leia mais

TEMPERATURA E FATORES MICROCLIMÁTICOS DE SÍTIOS EM SALVADOR

TEMPERATURA E FATORES MICROCLIMÁTICOS DE SÍTIOS EM SALVADOR TEMPERATURA E FATORES MICROCLIMÁTICOS DE SÍTIOS EM SALVADOR Jussana Maria Fahel Guimarães Nery Telma Cortes Quadro Andrade Tereza Maria Moura Freire Cleide Bittencourt de Sousa (Bolsista PIBIC) Universidade

Leia mais

Introdução aos serviços climáticos no contexto da União Europeia

Introdução aos serviços climáticos no contexto da União Europeia Workshop Horizonte 2020 Oportunidades e desafios na temática dos Serviços Climáticos Introdução aos serviços climáticos no contexto da União Europeia Tiago Capela Lourenço (FCUL) Faculdade de Ciências

Leia mais

22ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA 3º PRÊMIO TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO METROFERROVIÁRIOS CATEGORIA 2 DE VAZÃO DE ESCOAMENTODE ÁGUA DE CHUVA

22ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA 3º PRÊMIO TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO METROFERROVIÁRIOS CATEGORIA 2 DE VAZÃO DE ESCOAMENTODE ÁGUA DE CHUVA 22ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA 3º PRÊMIO TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO METROFERROVIÁRIOS CATEGORIA 2 TELHADO VERDE: ESTUDO DE CASO DO METRÔ DE LONDRES PARA REDUÇÃO DE VAZÃO DE ESCOAMENTODE ÁGUA

Leia mais

EXPERIMENTOS METEOROLÓGICOS DO PROGRAMA REVIZEE A BORDO DO NAVIO OCEANOGRÁFICO ANTARES NA ÁREA DO OCEANO ATLÂNTICO TROPICAL SUL

EXPERIMENTOS METEOROLÓGICOS DO PROGRAMA REVIZEE A BORDO DO NAVIO OCEANOGRÁFICO ANTARES NA ÁREA DO OCEANO ATLÂNTICO TROPICAL SUL EXPERIMENTOS METEOROLÓGICOS DO PROGRAMA REVIZEE A BORDO DO NAVIO OCEANOGRÁFICO ANTARES NA ÁREA DO OCEANO ATLÂNTICO TROPICAL SUL Manoel F. Gomes Filho Mário de Miranda Leitão Vicente de Paula S. Filho Edglay

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE DIFUSIVIDADE TÉRMICA DO SOLO EM SÃO JOÃO DO CARIRI-PB. Adma Raia Silva (1); Tantravahi V. Ramana Rao; Vajapeyam S.

DETERMINAÇÃO DE DIFUSIVIDADE TÉRMICA DO SOLO EM SÃO JOÃO DO CARIRI-PB. Adma Raia Silva (1); Tantravahi V. Ramana Rao; Vajapeyam S. DETERMINAÇÃO DE DIFUSIVIDADE TÉRMICA DO SOLO EM SÃO JOÃO DO CARIRI-PB Adma Raia Silva (1); Tantravahi V. Ramana Rao; Vajapeyam S. Srinivasan (1) Bolsista - REENGE - CCT - UFPB ABSTACT Soil temperature

Leia mais

O EFEITO DA AMPLITUDE DIÁRIA DA TEMPERATURA DO AR EXTERIOR E DO RESFRIAMENTO NOTURNO NA INÉRCIA TÉRMICA DE HABITAÇÃO

O EFEITO DA AMPLITUDE DIÁRIA DA TEMPERATURA DO AR EXTERIOR E DO RESFRIAMENTO NOTURNO NA INÉRCIA TÉRMICA DE HABITAÇÃO O EFEITO DA AMPLITUDE DIÁRIA DA TEMPERATURA DO AR EXTERIOR E DO RESFRIAMENTO NOTURNO NA INÉRCIA TÉRMICA DE HABITAÇÃO CASTRO, Guilherme Molnar (1); BRITO, Adriana Camargo de (2); AKUTSU, Maria (3); VITTORINO,

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade Parte 1 - Conforto higrotérmico dirigido à concepção arquitetônica (continuação) Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc. DTC PROARQ FAU/UFRJ Roteiro O conforto,

Leia mais

Butterflies are cool!

Butterflies are cool! Text 1 1 What do you know about butterflies? Butterflies are cool! Hi! My name s Cláudia Valéria. I m 37 years old and a psychologist. I love butterflies. They are my favorite animals. My favorite butterfly

Leia mais

UMA PROPOSTA DE NORMA TÉCNICA BRASILEIRA SOBRE DESEMPENHO TÉRMICO DE HABITAÇÕES POPULARES

UMA PROPOSTA DE NORMA TÉCNICA BRASILEIRA SOBRE DESEMPENHO TÉRMICO DE HABITAÇÕES POPULARES UMA PROPOSTA DE NORMA TÉCNICA BRASILEIRA SOBRE DESEMPENHO TÉRMICO DE HABITAÇÕES POPULARES Maurício Roriz (1) ; Enedir Ghisi (2) ; Roberto Lamberts (3) (1) Universidade Federal de São Carlos Departamento

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Arquitetura e Urbanismo Café com Pesquisa SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Service quality in restaurants: an experimental analysis performed in Brazil

Service quality in restaurants: an experimental analysis performed in Brazil . XIII INTERNATIONAL CONFERENCE ON INDUSTRIAL ENGINEERING AND OPERATIONS MANAGEMENT Energy that moves production: a dialogue among integration, project and sustainability 09-11 October 2007 Service quality

Leia mais

O EFEITO DA INÉRCIA TÉRMICA DE PAREDES NO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES

O EFEITO DA INÉRCIA TÉRMICA DE PAREDES NO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES O EFEITO DA INÉRCIA TÉRMICA DE PAREDES NO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES Maria Akutsu (1); Adriana Camargo de Brito (1); Marcelo de Mello Aquilino (1); Adolfo dos Reis Filho (2); Wesley Santos

Leia mais

COMPORTAMENTO DE ALGUNS ELEMENTOS CLIMÁTICOS EM RELAÇÃO À COBERTURA DO SOLO NUMA AREA URBANA NO MUNICÍPIO DE ANANINDEUA - PA

COMPORTAMENTO DE ALGUNS ELEMENTOS CLIMÁTICOS EM RELAÇÃO À COBERTURA DO SOLO NUMA AREA URBANA NO MUNICÍPIO DE ANANINDEUA - PA COMPORTAMENTO DE ALGUNS ELEMENTOS CLIMÁTICOS EM RELAÇÃO À COBERTURA DO SOLO NUMA AREA URBANA NO MUNICÍPIO DE ANANINDEUA - PA Margarete Marizi Oliveira Mardock (*), Bianca Barreto Monteiro, Andrea de Souza

Leia mais

A VARIABILIDADE DOS ELEMENTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS AO FENÔMENO EL NIÑO NA CIDADE DE MACAPÁ-AP

A VARIABILIDADE DOS ELEMENTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS AO FENÔMENO EL NIÑO NA CIDADE DE MACAPÁ-AP A VARIABILIDADE DOS ELEMENTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS AO FENÔMENO EL NIÑO NA CIDADE DE MACAPÁ-AP Edmir dos Santos Jesus Tv. Mulato Florindo Qd300 Cs07 Vl dos Cabanos cep: 68447-000 Barcarena-PA edjesus@ufpa.br

Leia mais

O papel do planejamento, do desenho urbano e do projeto de edifícios na adaptação à mudança do clima na microescala

O papel do planejamento, do desenho urbano e do projeto de edifícios na adaptação à mudança do clima na microescala O papel do planejamento, do desenho urbano e do projeto de edifícios na adaptação à mudança do clima na microescala Contribuições a uma abordagem interdisciplinar Auxílio à pesquisa regular 2016/02825-5

Leia mais

Fatores Climáticos CLIMA

Fatores Climáticos CLIMA CLIMA Fatores Climáticos Os fatores climáticos são os responsáveis pelas características ou modificações dos elementos do clima e devem ser analisados em conjunto: uma localidade, por exemplo, pode estar

Leia mais

SUBTROPICAL (SÃO GABRIEL - RS)

SUBTROPICAL (SÃO GABRIEL - RS) PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Analise as imagens.

Leia mais

INFLUÊNCIA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO AMBIENTE INTERNO: ESTUDO EXPERIMENTAL EM CÉLULAS DE TESTE

INFLUÊNCIA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO AMBIENTE INTERNO: ESTUDO EXPERIMENTAL EM CÉLULAS DE TESTE INFLUÊNCIA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO AMBIENTE INTERNO: ESTUDO EXPERIMENTAL EM CÉLULAS DE TESTE Grace T. C. de Seixas; Francisco Vecchia INTRODUÇÃO O presente artigo procura mostrar de forma experimental

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFÍCIO HABITACIONAL EM TERESINA / BRASIL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFÍCIO HABITACIONAL EM TERESINA / BRASIL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFÍCIO HABITACIONAL EM TERESINA / BRASIL Profª Ana Lucia R. C. da Silveira (1); Profª Dra Marta A. B. Romero (2); (1) Departamento de Construção Civil e Arquitetura

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Renato Rodrigues de Lyra Desempenho de Alianças Estratégicas Análise de Modelos e Construtos DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural

Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + Importância + Ocorrência dos ventos + Implantação e orientação + Mecanismos + Diferenças de

Leia mais

Fernanda Batista Silva 1,4, Edilson Marton 2, Gustavo Bodstein 3, Karla Longo 1

Fernanda Batista Silva 1,4, Edilson Marton 2, Gustavo Bodstein 3, Karla Longo 1 ESTUDO DE ILHA DE CALOR NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO: ASPECTOS DAS CIRCULAÇÕES LOCAIS COM A UTILIZAÇÃO DO MODELO ATMOSFÉRICO BRAMS ACOPLADO AO ESQUEMA DE ÁREA URBANA Fernanda Batista Silva

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Ivan Sanchez Malo Rossiti (1); Léa Cristina Lucas de Souza (2) (1) Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, e-mail:

Leia mais

SAZONALIDADE TERMOHIGROMÉTRICA EM CIDADES DE DIFERENTES DIMENSÕES NO ESTADO DO PARÁ

SAZONALIDADE TERMOHIGROMÉTRICA EM CIDADES DE DIFERENTES DIMENSÕES NO ESTADO DO PARÁ SAZONALIDADE TERMOHIGROMÉTRICA EM CIDADES DE DIFERENTES DIMENSÕES NO ESTADO DO PARÁ Antonio Carlos Lôla da Costa (1); Paulo Wilson Uchôa (2). João de Athayde Silva Júnior (3); José Raimundo Abreu(4); 1-Universidade

Leia mais

Saneamento Urbano TH419

Saneamento Urbano TH419 Universidade Federal do Paraná Arquitetura e Urbanismo Saneamento Urbano TH419 Aula 06 Declividade e estruturação viária Profª Heloise G. Knapik 1 Traçado de vias e Curvas de Nível Estrada em serra francesa

Leia mais

O POTENCIAL DOS CAPTADORES DE VENTO PARA INCREMENTAR A VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFICAÇÕES LOCALIZADAS EM CLIMAS QUENTES E ÚMIDOS

O POTENCIAL DOS CAPTADORES DE VENTO PARA INCREMENTAR A VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFICAÇÕES LOCALIZADAS EM CLIMAS QUENTES E ÚMIDOS O POTENCIAL DOS CAPTADORES DE VENTO PARA INCREMENTAR A VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFICAÇÕES LOCALIZADAS EM CLIMAS QUENTES E ÚMIDOS BITTENCOURT, Leonardo S. (1); LÔBO, Denise G. F. (2) (1) Arquiteto, Doutor

Leia mais

ATIVIDADE AVALIATIVA

ATIVIDADE AVALIATIVA Climatologia 2. Atmosfera Terrestre ATIVIDADE AVALIATIVA Valor: 1,0 Tempo para responder: 15min 1) Qual a importância da concentração dos gases que compõe a atmosfera terrestre, em termos físicos e biológicos?

Leia mais

ANÁLISE SAZONAL DO CONFORTO TÉRMICO HUMANO NA CIDADE DE SÃO PAULO/SP

ANÁLISE SAZONAL DO CONFORTO TÉRMICO HUMANO NA CIDADE DE SÃO PAULO/SP ANÁLISE SAZONAL DO CONFORTO TÉRMO HUMANO NA CIDADE DE SÃO PAULO/SP Nedel, A. 1 ; Gonçalves, F. L. T. 1 ; Cardoso M.R.A 2 ; Equipe do Projeto Chiado 2 RESUMO: Este estudo teve por objetivo analisar o Conforto

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE ELEMENTOS BIOCLIMÁTICOS EM ESTUDO DE CASOS DA ARQUITETURA MODERNA EM BLUMENAU

CARACTERIZAÇÃO DE ELEMENTOS BIOCLIMÁTICOS EM ESTUDO DE CASOS DA ARQUITETURA MODERNA EM BLUMENAU CARACTERIZAÇÃO DE ELEMENTOS BIOCLIMÁTICOS EM ESTUDO DE CASOS DA ARQUITETURA MODERNA EM BLUMENAU Silvia Odebrecht (1) ; João Francisco Noll (2) ; Lisandra de Souza (3) (1) Universidade Regional de Blumenau

Leia mais

OXIRREDUÇÃO EM SOLOS ALAGADOS AFETADA POR RESÍDUOS VEGETAIS

OXIRREDUÇÃO EM SOLOS ALAGADOS AFETADA POR RESÍDUOS VEGETAIS OXIRREDUÇÃO EM SOLOS ALAGADOS AFETADA POR RESÍDUOS VEGETAIS Rogério Oliveira de Sousa (Engenheiro Agrônomo) OXIRREDUÇÃO EM SOLOS ALAGADOS AFETADA POR RESÍDUOS VEGETAIS Autor: Rogério Oliveira de Sousa

Leia mais

R.: R.: 03- A latitude quadro: R.: R.:

R.: R.: 03- A latitude quadro: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========== =========== ============ =========== =========== =========== =========== =========== =========== ==

Leia mais

ANÁLISE DE ARQUIVOS CLIMÁTICOS PARA A SIMULAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICODE EDIFICAÇÕES

ANÁLISE DE ARQUIVOS CLIMÁTICOS PARA A SIMULAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICODE EDIFICAÇÕES ANÁLISE DE ARQUIVOS CLIMÁTICOS PARA A SIMULAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICODE EDIFICAÇÕES Camila Scheller Márcio José Sorgato Ana Paula Melo Roberto Lamberts Florianópolis, abril de 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

55 - Parâmetros Bioclimáticos para Avaliação de Conjuntos Habitacionais na Região Tropical Subúmida do Brasil

55 - Parâmetros Bioclimáticos para Avaliação de Conjuntos Habitacionais na Região Tropical Subúmida do Brasil 55 - Parâmetros Bioclimáticos para Avaliação de Conjuntos Habitacionais na Região Tropical Subúmida do Brasil Bioclimatic Parameters For The Evaluation Of Housing Projects In The Subhumid Region Of Brazil

Leia mais

EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS EM BRASÍLIA, UMA ANÁLISE BIOCLIMÁTICA

EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS EM BRASÍLIA, UMA ANÁLISE BIOCLIMÁTICA EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS EM BRASÍLIA, UMA ANÁLISE BIOCLIMÁTICA Alexandra A. Maciel (1), Roberto Lamberts (2) (1) LabEEE, Departamento de Engenharia Civil/UFSC, end: UFSC, c. postal 476, Florianópolis- SC-

Leia mais

E. M. A. Almeida, L. M. T. D. Costa e G. M. Barbirato RESUMO

E. M. A. Almeida, L. M. T. D. Costa e G. M. Barbirato RESUMO TRANSFORMAÇÕES MORFOLÓGICAS URBANAS E SUA RELAÇÃO COM ASPECTOS MICROCLIMÁTICOS: ESTUDO NO CENTRO HISTÓRICO E DE SERVIÇOS DA CIDADE DE MACEIÓ-AL, BRASIL E. M. A. Almeida, L. M. T. D. Costa e G. M. Barbirato

Leia mais

Ventilação natural. Profa. Dra. Denise Helena Silva Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro AUT DESEMPENHO TÉRMICO, ARQUITETURA E URBANISMO

Ventilação natural. Profa. Dra. Denise Helena Silva Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro AUT DESEMPENHO TÉRMICO, ARQUITETURA E URBANISMO Ventilação natural Profa. Dra. Denise Helena Silva Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro 1. Introdução 2. Ventilação Natural 3. Procedimentos de Cálculo 4. Exemplos Projetuais e Aplicações 5. Considerações

Leia mais

Dinâmica Climática. Capítulo 7

Dinâmica Climática. Capítulo 7 Dinâmica Climática Capítulo 7 Definições TEMPO (atmosférico) é o estado momentâneo da atmosfera num determinado lugar devido a combinação da temperatura, umidade, ventos e nebulosidade. Esta em constante

Leia mais

Estudo de Periodicidade dos Dados de Poluição Atmosférica na Estimação de Efeitos na Saúde no Município do Rio de Janeiro

Estudo de Periodicidade dos Dados de Poluição Atmosférica na Estimação de Efeitos na Saúde no Município do Rio de Janeiro Carla Fernandes de Mello Estudo de Periodicidade dos Dados de Poluição Atmosférica na Estimação de Efeitos na Saúde no Município do Rio de Janeiro Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito

Leia mais

SAZONALIDADE DO CONFORTO TÉRMICO NA ILHA DO MARAJÓ PA

SAZONALIDADE DO CONFORTO TÉRMICO NA ILHA DO MARAJÓ PA SAZONALIDADE DO CONFORTO TÉRMICO NA ILHA DO MARAJÓ PA Priscilla Nascimento Barreto¹; Antonio Carlos Lôla da Costa¹;Selma Maria Castro de Menezes¹;Hildo Jiuseppe Garcia Caldas Nunes¹;Heloisa Márcia dos

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DE BARREIRAS ACÚSTICAS EM ESTÁDIOS. ESTUDO DE CASO: ESTÁDIO DO ITAQUERÃO EM SÃO PAULO

TÍTULO: ANÁLISE DE BARREIRAS ACÚSTICAS EM ESTÁDIOS. ESTUDO DE CASO: ESTÁDIO DO ITAQUERÃO EM SÃO PAULO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE DE BARREIRAS ACÚSTICAS EM ESTÁDIOS. ESTUDO DE CASO: ESTÁDIO DO ITAQUERÃO EM SÃO PAULO

Leia mais

Coleta de dados pelo programa SITRAD para análise dos ambientes: Áreas de guarda de coleções e laboratórios da Biblioteca Nacional.

Coleta de dados pelo programa SITRAD para análise dos ambientes: Áreas de guarda de coleções e laboratórios da Biblioteca Nacional. 1 Rio de Janeiro, 11 de julho de 2016 Diagnóstico Climatológico Biblioteca Nacional Coleta de dados pelo programa SITRAD para análise dos ambientes: Áreas de guarda de coleções e laboratórios da Biblioteca

Leia mais

Análise Térmica e Energética da Aplicação de Isolante Térmico em Fachadas e Cobertura de um Edifício Comercial

Análise Térmica e Energética da Aplicação de Isolante Térmico em Fachadas e Cobertura de um Edifício Comercial Análise Térmica e Energética da Aplicação de Isolante Térmico em Fachadas e Cobertura de um Edifício Comercial Ana Paula Melo Engenheira Civil, Pós-doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Saneamento Urbano I TH052

Saneamento Urbano I TH052 Universidade Federal do Paraná Arquitetura e Urbanismo Saneamento Urbano I TH052 Aula 07 Declividade e estruturação viária aplicados ao saneamento urbano Profª Heloise G. Knapik 1 Traçado de vias e Curvas

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês 1 Os exercícios deverão ser feitos no caderno. Resgatando conteúdos textos e exercícios diversificados,

Leia mais

TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR NA ESTAÇÃO SECA EM DIFERENTES USOS DO SOLO NO CAMPUS CUIABÁ - BELA VISTA DO IFMT

TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR NA ESTAÇÃO SECA EM DIFERENTES USOS DO SOLO NO CAMPUS CUIABÁ - BELA VISTA DO IFMT 18 TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR NA ESTAÇÃO SECA EM DIFERENTES USOS DO SOLO NO CAMPUS CUIABÁ - BELA VISTA DO IFMT Nadja Gomes Machado Professora do Instituto Federal de Mato Grosso/IFMT, Doutoranda

Leia mais

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ÚMIDAS MECANISMOS

Leia mais

NOVO AEROPORTO DE LISBOA ESTUDO DE RUÍDO

NOVO AEROPORTO DE LISBOA ESTUDO DE RUÍDO NOVO AEROPORTO DE LISBOA ESTUDO DE RUÍDO 43.50.Lj J. L. Bento Coelho, M. J. Palma, A. M. Almeida CAPS Instituto Superior Técnico Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal The planning of a new Airport

Leia mais

FAIXAS DE CONFORTO TÉRMICO EM FUNÇÃO DA IDADE DOS FRANGOS

FAIXAS DE CONFORTO TÉRMICO EM FUNÇÃO DA IDADE DOS FRANGOS ANAIS - 203 - FAIXAS DE CONFORTO TÉRMICO EM FUNÇÃO DA IDADE DOS FRANGOS A COLDEBELLA; PG DE ABREU; JI DOS SANTOS FILHO* Pesquisadores da Embrapa Suínos e Aves ABSTRACT Currently, small incremental gains

Leia mais

Metodologia da Calculadora Economize o Planeta

Metodologia da Calculadora Economize o Planeta A Calculadora do Economize o Planeta é uma calculadora online que permite que pessoas físicas calculem as suas emissões de gases de efeito estufa (GEE), ou seja, a sua pegada de carbono. Este documento

Leia mais

R.: R.: R.: d) A região central do Brasil possui duas estações bem definidas, uma seca e outra chuvosa. R.: R.:

R.: R.: R.: d) A região central do Brasil possui duas estações bem definidas, uma seca e outra chuvosa. R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Muitas pessoas

Leia mais

Fatores climáticos importantes, Climas e vegetações da América Latina:

Fatores climáticos importantes, Climas e vegetações da América Latina: Fatores climáticos importantes, Climas e vegetações da América Latina: O que são os fatores climáticos? Os fatores climáticos são responsáveis pela formação dos climas. Portanto, são eles que fazem o clima

Leia mais

Colaborar: Missão impossível? Lições da área da saúde mental. José Miguel Caldas de Almeida 17 de Janeiro de 2017

Colaborar: Missão impossível? Lições da área da saúde mental. José Miguel Caldas de Almeida 17 de Janeiro de 2017 Colaborar: Missão impossível? Lições da área da saúde mental José Miguel Caldas de Almeida 17 de Janeiro de 2017 Mental disorders require new models of collaborative care Collaborative care model is the

Leia mais

A cellular automata intra-urban model with prices and income-differentiated actors

A cellular automata intra-urban model with prices and income-differentiated actors A cellular automata intra-urban model with prices and income-differentiated actors Economics and Politics Research Group (CNPq) UnB Brasília, 27 novembro 2013 Bernardo Alves Furtado Diretoria de Estudos

Leia mais

Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética

Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética Prof. Dr. Fernando Simon Westphal Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Arquitetura e Urbanismo Laboratório de Conforto

Leia mais

Questões estruturais e conjunturais dos loteamentos em São Paulo: o caso do Village Campinas

Questões estruturais e conjunturais dos loteamentos em São Paulo: o caso do Village Campinas Questões estruturais e conjunturais dos loteamentos em São Paulo: o caso do Village Campinas Viviane Candoletta Arquitetura e Urbanismo CEATEC vivi_candoletta@ puc-campinas.edu.br Manoel Lemes da Silva

Leia mais

COMPORTAMENTO MICROCLIMÁTICO URBANO: ESTUDO DE CASO DE UM RECORTE URBANO EM JOÃO PESSOA PB

COMPORTAMENTO MICROCLIMÁTICO URBANO: ESTUDO DE CASO DE UM RECORTE URBANO EM JOÃO PESSOA PB R e v i s t a C a m p o d o S a b e r I S S N 2447-5017 P á g i n a 58 COMPORTAMENTO MICROCLIMÁTICO URBANO: ESTUDO DE CASO DE UM RECORTE URBANO EM JOÃO PESSOA PB RESUMO Manuela de Luna Freire Duarte Bezerra

Leia mais

CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS. GEOGRAFIA Prof. João Rafael Ferreira

CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS. GEOGRAFIA Prof. João Rafael Ferreira CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS GEOGRAFIA Prof. João Rafael Ferreira PRINCIPAIS CLIMAS MUNDIAIS PRINCIPAIS CLIMAS MUNDIAIS Tefe 3º 22 S 28 Thiruvanantha 8º 29 N 28 24 24 2 2 Temperaturas médias mensais sempre

Leia mais

COBERTA COM TELHA ECOLÓGICA FABRICADA COM TETRAPACK RECICLADA

COBERTA COM TELHA ECOLÓGICA FABRICADA COM TETRAPACK RECICLADA AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DE INSTALAÇÃO RURAL COBERTA COM TELHA ECOLÓGICA FABRICADA COM TETRAPACK RECICLADA Juliano Fiorelli (1); José Antonio Barroca Morceli (2) (1) Campus Experimental de Dracena

Leia mais

E S TA R S O C I A L PRAÇA MAJOR JOAQUIM DE QUEIROZ

E S TA R S O C I A L PRAÇA MAJOR JOAQUIM DE QUEIROZ E S TA R S O C I A L PRAÇA MAJOR JOAQUIM DE QUEIROZ UFRGS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO INTRODUÇÃO AO PROJETO ARQUITETÔNICO I LINGUAGENS GRÁFICAS I LUÍSA BERTUOL KOGLER TURMA C 2014/2 A P R E

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 4: Avaliação bioclimática

Desempenho Térmico de edificações Aula 4: Avaliação bioclimática Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts Parque Explora Medellín, Colômbia ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + importância + problemas + estratégias na prática + normais climatológicas +

Leia mais

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico Iluminação natural zenital Conforto ambiental lumínico Objetivos Visibilidade no plano de trabalho Eficiência energética Uso das paredes Satisfação do usuário Introdução A ILUMINAÇÃO ZENITAL (IZ) é uma

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO ATRAVÉS DE IMAGENS METEOSAT-8

DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO ATRAVÉS DE IMAGENS METEOSAT-8 DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO ATRAVÉS DE IMAGENS METEOSAT-8 BARBOSA, H. A. 1 ; ACCIOLY FILHO, J. B. P. 2 ; MELCÍADES, W. L. B. 3 ; MELLO, N. G. S. 4 ; SOUZA, J. M. DE 5 RESUMO: Neste trabalho, o

Leia mais

Mapas altimétricos do estado de Pernambuco utilizando dados SRTM e dados altimétricos provenientes da Base de Dados do Estado de Pernambuco

Mapas altimétricos do estado de Pernambuco utilizando dados SRTM e dados altimétricos provenientes da Base de Dados do Estado de Pernambuco Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.3666 Mapas altimétricos do estado de Pernambuco utilizando dados SRTM e dados

Leia mais

MICROCLIMA URBANO: UM ESTUDO DE CASO NO ESPAÇO INTRA-URBANO DO CAMPUS I DA UFPB RESUMO

MICROCLIMA URBANO: UM ESTUDO DE CASO NO ESPAÇO INTRA-URBANO DO CAMPUS I DA UFPB RESUMO MICROCLIMA URBANO: UM ESTUDO DE CASO NO ESPAÇO INTRA-URBANO DO CAMPUS I DA UFPB Anne Falcão de Freitas 66 Joel Silva dos Santos 67 Rita Baltazar de Lima 68 RESUMO Este artigo analisa o subsistema termodinâmico,

Leia mais

Caracterização da variabilidade anual de índices de conforto térmico humano e comparação entre estes, para o Estado de São Paulo

Caracterização da variabilidade anual de índices de conforto térmico humano e comparação entre estes, para o Estado de São Paulo Caracterização da variabilidade anual de índices de conforto térmico humano e comparação entre estes, para o Estado de São Paulo Rafael Jonas Righi Batista 1, Gláuber Camponogara 2, Fábio L. T. Gonçalves

Leia mais

Edifício São Marcos REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA

Edifício São Marcos REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA A cidade de João Pessoa, na Paraíba, possui bastantes obras modernas importantes e interessantes, mas que não foram levantadas devidamente, para fins acadêmicos.

Leia mais

Introdução. 4.2 Trabalhos premiados 604.

Introdução. 4.2 Trabalhos premiados 604. 604. 4.1 60 4.2 Trabalhos premiados Introdução Coleção Habitare - Habitações de Baixo Custo Mais Sustentáveis: a Casa Alvorada e o Centro Experimental de Tecnologias Habitacionais Sustentáveis 4. 4.1 Introdução

Leia mais

Geografia Prof. Eduardo Henriques

Geografia Prof. Eduardo Henriques Geografia Prof. Eduardo Henriques As CORRENTES MARÍTIMAS correspondem às massas de água que migrem distintos rumos ao longo dos oceanos e mares. As massas de água que se locomovem não interagem com as

Leia mais

City of Curitiba Institute for Research and Urban Planning of Curitiba

City of Curitiba Institute for Research and Urban Planning of Curitiba City of Curitiba Institute for Research and Urban Planning of Curitiba Cléver Ubiratan Teixeira de Almeida President Energy Efficiency in Cities: Curitiba s Green Line World Bank s Energy Week April 2009

Leia mais

PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE

PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE O objetivo da Parte I é a apresentação das técnicas que permitem ao projetista entender, antes que a edificação seja projetada, como o prédio provavelmente usará a energia,

Leia mais

AGRADECIMENTOS. Agradeço à Prof. Dr.ª Rute Matos que se disponibilizou para ser minha orientadora deste relatório, pelo apoio e paciência.

AGRADECIMENTOS. Agradeço à Prof. Dr.ª Rute Matos que se disponibilizou para ser minha orientadora deste relatório, pelo apoio e paciência. AGRADECIMENTOS Expresso aqui o meu sincero agradecimento à Arq. Paisagista Andrea Morgenstern e ao Pedro Duarte pela oportunidade que me proporcionaram no Atelier Jardins do Sul, não só pela experiência

Leia mais

Revista Mundo Antigo Ano II, V. 2, N 04 Dezembro 2013 ISSN Revista Mundo Antigo. Normas de Publicação. Guidelines for publication

Revista Mundo Antigo Ano II, V. 2, N 04 Dezembro 2013 ISSN Revista Mundo Antigo. Normas de Publicação. Guidelines for publication Revista Mundo Antigo Normas de Publicação Guidelines for publication 225 226 Normas de Publicação / Guidelines for publication REVISTA MUNDO ANTIGO ARTIGO - NORMAS DE PUBLICAÇÃO EXEMPLO INICIAL DE ARTIGO

Leia mais

USP/SRF/GIM Gestão de Imóveis

USP/SRF/GIM Gestão de Imóveis Av. D. João II, lote 1.12.03 8º Parque das Nações 1999-001 Lisboa +351 210471516 SANTO ALEIXO DA RESTAURAÇÃO Rua Lopo Sancas, nº 14 Santo Aleixo da Restauração, Rua Lopo Sancas nº 14 1 / 5 1. OBJECTIVO

Leia mais