Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução"

Transcrição

1 ANÁLISE COMPARATIVA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS SAGRADO E MARUMBI: PRINCIPAIS CONDICIONANTES FÍSICOS PREDOMINANTES NA OCORRÊNCIA DE MOVIMENTOS DE MASSA¹ Universidade Federal do Paraná (UFPR) Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos Introdução Para que se possa entender a dinâmica do relevo, é importante partir o estudo da menor unidade do relevo, a vertente (CASSETI, 2010). E sta exerce um papel fundamental em relação à evolução têmporo-espacial do modelado. Uma categoria de processo que ocorre nas vertentes são os movimentos de massa. Conforme RODRIGUES (2002), os movimentos de massa são influenciados por um conjunto de fatores, dentre os quais, pode-se incluir a litologia, hidrogeologia, vegetação, topografia, clima e a aceleração gravitacional. A Serra do Mar, localizada no Litoral Paranaense, é considerada como uma área de fragilidade ambiental e importante fonte de sedimentos (BIGARELLA et al, 1978), o que pode contribuir com o assoreamento de áreas estuarinas e de baías (BOLDRINI et al 2008). É caracterizada por apresentar relevo acidentado, solos rasos, elevados índices pluviométricos e densa cobertura vegetal, o que acarreta uma geodinâmica de evolução de encostas. Neste contexto, situam-se as Bacias Hidrográficas dos Rios Marumbi e Sagrado (Figura 1), ambas apresentam movimentos de massa como processo geomorfológico predominante. Estudo realizado a partir de imagens (2 005) das bacias, feito por MIKOSIK (2009) e UBER (2010), permitiu identificar 20 cicatrizes de movimentos de massa na área da Bacia do Marumbi, e nove na Bacia do Sagrado. Visto que as bacias são contíguas e que apresentam diferença no número de cicatrizes, o objetivo da presente pesquisa foi realizar a análise comparativa entre as bacias para identificar a influência dos principais condicionantes do meio físico atuantes na ocorrência dos movimentos de massa. 1 Laboratório de Biogeografia e Solos (LABS), Departamento de Geografia, Setor de Ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

2 Figura 1 Mapa de localização das Bacias Hidrográficas dos Rios Sagrado e Marumbi, Morretes (PR).

3 Materiais e métodos Após revisão bibliográfica, baseando-se na metodologia aplicada por de KOZCIAK (2005), foram escolhidos os condicionantes físicos utilizados na análise: declividade, solos, cobertura vegetal, compartimento geológico e geomorfológico, disponível em MIKOSIK (2009) e UBER (2010). Também foi inserida a orientação e a curvatura das vertentes, utilizando a ferramenta Topo ToRaster(3D Analyst) do ArcMap 9.3(do software ArcGIS 9.2), baseados em um MDT (Modelo Numérico do Terreno) cuja resolução espacial é 10m. O MDT obtido tem como característica gerar um modelo hidrologicamente corrigido, ou seja, contém os dados de fluxo de direção, assim como as propriedades de drenagem. A orientação da vertente, expressa em relação ao Norte Geográfico, representa a medida de ângulo horizontal da direção do escoamento superficial, ou seja, é a direção azimutal do vetor da declividade (FLORENZANO, 2008). Foi dividida em oito pontos cardeais e colaterais: norte, sul, leste, oeste, nordeste, sudeste, noroeste e sudoeste. Para realizar a correlação entre os condicionantes do meio físico com as cicatrizes das duas bacias, foram utilizados os Mapas Inventários das Cicatrizes. Segundo MIKOSIK (2009) E UBER (2010), pa ra a confecção destes aplicou-se a técnica da análise visual em imagens de satélite (2005), utilizando a visão monocular com o intuito de identificar e classificar as cicatrizes. As imagens de satélitetiveram origem pelo SPOT 5, cuja resolução espacial é de 5 metros, e foram adquiridas pelo Governo do Estado do Paraná. Por fim, em ambiente SIG (Sistema de Informações Geográficas), realizou-se a interrelação entre os dados do meio físico, as cicatrizes e a base cartográfica. Em estudos realizados anteriormente por BOLDRINI et al (2009) e UBER (2010), ficou disponível um banco de dados com a ficha descritiva de cada cicatriz, contendo algumas características referentes ao meio físico e de localização: código, localização, coordenadas UTM, ano de identificação, compartimento geológico e geomorfológico, amplitude da altitude e declividade, tipo de vertente, natureza do movimento, solos, cobertura vegetal e tipo de movimento e massa (Tabela 1).

4 ATRIBUTO DESCRIÇÃO Localização Município de Morretes - Paraná Coordenada UTM X ,644 e Y ,754 Ano de identificação 2005 Compartimento Geológico Complexo Gnáissico-Migmatítico Compartimento Geomorfológico Serras Amplitude Altitude Amplitude Declividade 30-40% Tipo de vertente Convexa Orientação da vertente Sudeste Natureza do movimento Natural Pedologia NeossoloLitólico Vegetação Floresta Ombrófila Densa Submontana Tipo Potencial de Movimento de Massa Escorregamento Translacional Tabela 1 Exemplo da Ficha Descritiva das cicatrizes referente à Bacia do Marumbi. Resultados A partir da correlação entre os dados do meio físico, as cicatrizes e a base cartográfica em ambiente SIG, obteve-se uma síntese com as principais características das cicatrizes, o que pode ser observado no Quadro 1.

5 CICATRIZES ATRIBUTOS IDENTIFICADAS EM 2005 MARUMBI SAGRADO Muito Alta (acima de 30%) 16 7 Declividade Alta (20 a 30%) 4 2 Média (12 a 30%) - - Suíte Alcali-Granitos 9 - Complexo Gnáissico- Migmatítico 9 - Comp. Geológico Sedimentos Recentes 2 - Formação Guaratubinha - - Granito Serra de Igreja - 7 Complexo Granítico-Gnáissico - 2 Comp. Geomorfológico Serra 20 9 Planalto Ondulado - - Fase Inicial da Sucessão 3 - Fase Interm. da Sucessão 2 - F. O. D. Montana 8 7 Cobertura Vegetal F. O. D. Submontana 7 - F. O. Mista Montana - - F.O. Alto Montana - 2 F.O. Montana - - Leste 1 - Sudeste 8 - Sul 5 - Sudoeste - - Orientação Oeste - - Vertente Noroeste - - Norte 1 5 Nordeste 5 4 Tipo Côncava - 5 Convexa 20 4 NeossoloLitólico 14 3 CambissoloHáplico 1 Solo CambissoloHáplico associado a solos NeossoloLitólico CambissoloHáplico associado a Latossolo Vermelho-Amarelo CambissoloHáplico associado a Argissolo Vermelho-Amarelo Quadro 1 Síntese da correlação das cicatrizes das duas bacias hidrográficas com os condicionantes do meio físico

6 Nas duas bacias as cicatrizes aparecem relacionadas aos NeossolosLitólico, CambissolosHáplico associado aos NeossolosLitólico, compartimento geomorfológico de Serra, declividade acima de 30% e cobertura vegetal do tipo Floresta Ombrófila Densa Montana. O mesmo não foi constatado nos condicionantes compartimento geológico, orientação e tipo de vertente. Enquanto que na Bacia do Marumbi as cicatrizes estão associadas à orientação leste, vertentes convexas e compartimento geológico do tipo Complexo Gnáissico-Migmatítico e Suíte-Álcali Granitos, na Bacia do Sagrado verificou-se, respectivamente, orientação norte, forma côncava e compartimento geológico Granito Serra de Igreja. Como o condicionante físico orientação da vertente demonstrou-se qualitativamente diferente nas duas bacias, sugere-se que as vertentes onde estão inseridas as cicatrizes apresentam incidência de energia solar e comportamento hidrológico distintos. Quanto à curvatura da vertente, pôde-se constatar que enquanto na Bacia do Sagrado os perfis das vertentes identificados tinham a forma côncava, na Bacia do Marumbi eram convexas. No primeiro, o fluxo hídrico atua de forma convergente, enquanto que em perfis convexos o fluxo ocorre de forma difusa. Outra característica comum identificada é no que tange à forma da vertente: segundo MIKOSIK (2010), ainda não há consenso entre os autores qual é a forma de vertente com maior suscetibilidade à ocorrência de movimentos de massa. Como as cicatrizes foram identificadas em formas de vertente diferentes nas duas bacias, esta pesquisa contribui para fomentar a discussão. Considerações Finais A metodologia demonstrou-se satisfatória. Os condicionantes físicos que são encontrados predominantemente nos movimentos de massa das Bacias do Sagrado e Marumbi foram identificados. Pode ser observado, que, conforme confirma outras bibliografias, os condicionantes do meio físico que estão presentes predominantemente nas cicatrizes analisadas são solos rasos, relevo acidentado, declividades elevadas, presença de densa cobertura vegetal. Segundo FERNANDES et al., (2001), é a partir do estudo da forma da vertente que se pode compreender a dinâmica de processos erosivos, como movimentos de massa. Neste contexto, como os condicionantes físicos orientação e forma das vertentes apresentaram

7 características diferentes nas duas bacias, esta pesquisa ajudou a contribuir com a discussão de como eles podem influenciar na ocorrência de movimentos de massa. Referências Bibliográficas BIGARELLA, J. J. A SERRA do mar e a porção oriental do Estado do Paraná: um problema de segurança ambiental e nacional; contribuições à geografia, geologia e ecologia regional. Curitiba: SEPL/ADEA, p., il. Inclui bibliografia. BOLDRINI, E. B.; PAULA, E. V. O Programa CAD (Contaminantes, Assoreamento e Dragagem no Estuário de Paranaguá/PR) e a recuperação de bacias hidrográficas para mitigar o processo de assoreamento. In: BOLDRINI, E. B.; SORAES, C. R.; PAULA, E. V.(Orgs.). Dragagens Portuárias no Brasil: Engenharia, Tecnologia e Meio Ambiente. Antonina: ADEMADAN; UNIBEM; MCT CASSETI, V. Geomorfologia. Disponível em: Acesso em julho de FERNANDES, N. F.; GUIMARÃES, R. F.; GOMES, R. A. T.; VIEIRA, B. C.; MONTGOMERY, D. R.; GREENBERG, H. M. Condicionantes geomorfológicos dos deslizamentos nas encostas: teoria, evidências de campo e aplicação de modelo de previsão de áreas susceptíveis. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 2, n. 1, p , KOZCIAK, Simone; FIORI, Alberto Pio. Análise determinística da estabilidade de vertentes na Bacia do Rio Marumbi - Serra do Mar - Paraná. Tese - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciencias da Terra, Programa de Pós-Graduaçao em Geologia. Defesa: Curitiba, MARÉS MIKOSIK, A. P.; Espacialização das cicatrizes de movimento de massa na bacia hidrográfica do rio Sagrado (Morretes/PR): Subsídios para a delimitação das áreas prioritárias à recuperação ambiental. Curitiba, 2009.

8 MARÉS MIKOSIK, A. P.; Influência Da Curvatura Das Vertentes Na Ocorrência De Escorregamentos Translacionais Na Sub-Bacia Do Rio Sagrado (Morretes/Pr). Curitiba, UBER, J. A.; Espacialização das cicatrizes de movimento de massa na bacia hidrográfica do rio Marumbi (Morretes/PR): Subsídios para a delimitação das áreas prioritárias à recuperação ambiental. Curitiba: RODRIGUES, B.B. Proposta de sistemática para a tomada de decisão relativa a movimentos de massa gravitacionais: aplicação em Ouro Preto (MG) Tese de Doutorado Escola Estadual Paulista Instituto de geociências e Ciências Exatas. São Paulo: 2002.

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

ESTUDO DE EROSÃO DOS SOLOS NA ÁREA DO MÉDIO ALTO CURSO DO RIO GRANDE, REGIÃO SERRANA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ESTUDO DE EROSÃO DOS SOLOS NA ÁREA DO MÉDIO ALTO CURSO DO RIO GRANDE, REGIÃO SERRANA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DE EROSÃO DOS SOLOS NA ÁREA DO MÉDIO ALTO CURSO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Júnior, W. 2 ; Calderano, S.B. 3 ; Guerra, A.J.T. 4 ; Polivanov, H. 5 ; 1 EMBRAPA_CNPS Email:bccalder@gmail.com;

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Rafael KÖENE e Mário Sérgio de MELO Universidade Estadual de Ponta Grossa A região de Piraí da Serra é um representante remanescente

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO DE JANEIRO

DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO DE JANEIRO DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO Oliveira, P.M.F. 1 ; Silveira, J.L.C. 2 ; Seabra, V.S. 3 ; 1 UERJ-FFP Email:pris.mathias@hotmail.com;

Leia mais

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Marina Silva Araújo Universidade Federal de Uberlândia marinas.araujo@hotmail.com Vinícius Borges Moreira Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO Alessandro de Araújo Cardoso 1,4, Erivelton Campos Cândido 2,4, Daisy Luzia Caetano do Nascimento 2,4, Homero Lacerda 3,4

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA.

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA. CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO Avelino, E. 1 ; 1 IFBAIANO, CAMPUS CATU Email:ed.avelino@hotmail.com; RESUMO: Esta pesquisa tem o objetivo de mapear as unidades geomorfológicas do município

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ/RO

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ/RO ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ/RO Jéssica Cristina Carreira ¹ Graduanda em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Rondônia - UNIR, Campus de Ji-Paraná. Curso técnico/ profissionalizante

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA FOLHA ITAPOROROCA, NA BORDA ORIENTAL DO ESTADO DA PARAÍBA

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA FOLHA ITAPOROROCA, NA BORDA ORIENTAL DO ESTADO DA PARAÍBA CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA FOLHA ITAPOROROCA, NA BORDA ORIENTAL DO ESTADO DA PARAÍBA Wesley Ramos Nóbrega¹, Alexandre dos Santos Sousa¹, Diego Nunes Valadares¹, Max Furrier¹ wesjppb@gmail.com ¹Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO Gilvonete Maria Araujo de Freitas 1 ; Max Furrier 1 gilvonetefreitas@bol.com.br

Leia mais

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade.

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade. CARACTERIZACÃO AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SANGUE, JAURU - MT, VISANDO O LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Aldo Max Custódio (1) ; Ms. Juberto Babilônia de

Leia mais

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites.

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. 1. Comparação entre as Classificações do Relevo Brasileiro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS Lima, V. (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA) ; Furrier, M. (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA) RESUMO O presente trabalho aborda alguns

Leia mais

Mapa-mundo 7. o ANO. Geografia. Planos ARINDA RODRIGUES. Professor

Mapa-mundo 7. o ANO. Geografia. Planos ARINDA RODRIGUES. Professor Mapa-mundo 7. o ANO Geografia Planos aula de ARINDA RODRIGUES Professor ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 4 PLANIFICAÇÃO ANUAL... 5 CALENDARIZAÇÃO DAS AULAS DO 1. O PERÍODO... 6 CALENDARIZAÇÃO DAS AULAS DO 2. O PERÍODO...

Leia mais

Modelos de Previsão de Áreas Sujeitas a Deslizamentos: Potencialidades e Limitações

Modelos de Previsão de Áreas Sujeitas a Deslizamentos: Potencialidades e Limitações Modelos de Previsão de Áreas Sujeitas a Deslizamentos: Potencialidades e Limitações Nelson F. Fernandes Depto. de Geografia, Inst. de Geociências UFRJ nelsonff@acd.ufrj.br PREVISÃO Timbé do Sul, SC (1995)

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 6 o ano Unidade 4

Sugestões de avaliação. Geografia 6 o ano Unidade 4 Sugestões de avaliação Geografia 6 o ano Unidade 4 5 Nome: Data: Unidade 4 1. Associe as formas de relevo às suas características. (A) Montanhas (B) Planaltos (C) Planícies (D) Depressões ( ) Superfícies

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ

O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ O SENSORIAMENTO REMOTO NA PESQUISA GEOMORFOLÓGICA: APLICAÇÕES NO MUNICÍPIO DE ANTONINA, PARANÁ Julio Manoel França da Silva Universidade Federal do Paraná juliosilva.geografo@gmail.com Leonardo José Cordeiro

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS.

UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS. UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS. Luiz Antônio de Oliveira Andréa dos Santos Vieira Luiz Antônio de Oliveira. Professor adjunto. Laboratório de Climatologia

Leia mais

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO Régia Estevam ALVES (UFG/Campus Jataí - E-mail: regiaestevam@gmail.com). Raquel Maria de OLIVEIRA (Profa.

Leia mais

Geração do Fator Topográfico (LS) da EUPS para Modelagem Erosiva de Bacia Hidrográfica

Geração do Fator Topográfico (LS) da EUPS para Modelagem Erosiva de Bacia Hidrográfica VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 Geração do Fator Topográfico (LS) da EUPS para Modelagem Erosiva

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

CIRCULAR 102/2007 Paranaguá, 22 de junho de 2007. Ref.: PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO SÓCIO-AMBIENTAL PORTUÁRIA

CIRCULAR 102/2007 Paranaguá, 22 de junho de 2007. Ref.: PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO SÓCIO-AMBIENTAL PORTUÁRIA Sindicato dos Operadores Portuários do Estado do Paraná Av. Coronel José Lobo, 734 Fone:(41) 3422.8000 Fax: (41) 3423.2834 Paranaguá - PR E-mail: sindop@sindop.org.br - www.sindop.org.br CIRCULAR 102/07

Leia mais

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006.

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006. CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLOGICA E PA COSTEIRA DE PANAQUATIRA, MUNICIPIO DE SÃO JOSÉ DE RIBAMAR-MA SOUZA, U.D.V¹ ¹NEPA/UFMA, e-mail: ulissesdenache@hotmail.com PEREIRA, M. R. O² ²UFMA, e-mail: mayrajany21@yahoo.com.br

Leia mais

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem RESUMO FRANCISCO F. N. MARCUZZO SGB / CPRM Ministério de Minas e Energia

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: UMA ABORDAGEM NO CONTEXTO DO POLO REGIONAL DE GUANAMBI-BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: UMA ABORDAGEM NO CONTEXTO DO POLO REGIONAL DE GUANAMBI-BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: UMA ABORDAGEM NO CONTEXTO DO POLO REGIONAL DE GUANAMBI-BAHIA Olieira Junior, I. 1 ; Vale, R.M.C. 2 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Email:iojjunior@gmail.com;

Leia mais

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda

Leia mais

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS Aracy Losano Fontes¹; Aracy Losano Fontes Correia²; Neise Mare de Souza Alves³; Débora Barbosa da Silva 4 aracyfontes@yahoo.com.br

Leia mais

Classificação de Aroldo de Azevedo

Classificação de Aroldo de Azevedo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo O relevo brasileiro apresenta grande variedade morfológica (de formas), como serras, planaltos, chapadas, depressões, planícies e outras, - resultado da ação, principalmente,

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Mudanças ocorridas no uso do solo No Quadro 11 são apresentadas as exatidões dos mapas temáticos gerados a partir do processamento digital das imagens do sensor Landsat 5

Leia mais

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS Passos, N.O. (UFBA) ; Melo, D.H.C.T.B. (UFBA) RESUMO Apresenta-se os principais resultados obtidos na

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA SENSORIAMENTO REMOTO E SIG NA ANÁLISE AMBIENTAL DA MICROBACIA DO RIO PURAQUEQUARA MANAUS, AM BRASIL Antonio da Mata Pequeno Filho

Leia mais

Curso de Engenharia Ambiental - FAJ Manejo de Solos - Aula Prática Descrição de trincheiras

Curso de Engenharia Ambiental - FAJ Manejo de Solos - Aula Prática Descrição de trincheiras Curso de Engenharia Ambiental - FAJ Manejo de Solos - Aula Prática Descrição de trincheiras 1. Objetivo: Reconhecer, em campo, as feições morfológicas e físicas do solo, como suporte ao entendimento de

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73.

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73. 1 de 27 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA PROJETO: GERENCIAMENTO INTEGRADO DE AGROECOSSISTEMAS EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORTE-NOROESTE FLUMINENSE - RIO RURAL/GEF

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE FEIÇÕES FLUVIAIS DO RIO SAGRADO (MORRETES/PR): PARÂMETRO PARA O MAPEAMENTO DOS ESTILOS FLUVIAIS

IDENTIFICAÇÃO DE FEIÇÕES FLUVIAIS DO RIO SAGRADO (MORRETES/PR): PARÂMETRO PARA O MAPEAMENTO DOS ESTILOS FLUVIAIS IDENTIFICAÇÃO DE FEIÇÕES FLUVIAIS DO RIO SAGRADO (MORRETES/PR): PARÂMETRO PARA O MAPEAMENTO DOS ESTILOS FLUVIAIS Kleina, M. (UFPR) RESUMO Os rios são os principais agentes de transporte de sedimentos,

Leia mais

MAPEAMENTO DAS UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS DOS MUNICÍPIOS DE CASTELO DO PIAUÍ E JUAZEIRO DO PIAUÍ, PIAUÍ, BRASIL

MAPEAMENTO DAS UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS DOS MUNICÍPIOS DE CASTELO DO PIAUÍ E JUAZEIRO DO PIAUÍ, PIAUÍ, BRASIL MAPEAMENTO DAS UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS DOS MUNICÍPIOS DE dos Santos, F.A. 1 ; 1 IFPI / UFPI Email:francilio.amorim@ifpi.edu.br; RESUMO: O estudo objetivou identificar as características geoambientais

Leia mais

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA INTRODUÇÃO O presente Termo de Referência tem como objetivo

Leia mais

Relatório de Campo (operação II)

Relatório de Campo (operação II) Relatório de Campo (operação II) Referente a Definição de Áreas Prioritárias para Conservação do Estado de Goiás, Brasil Consórcio Imagem - WWF Brasil NOVEMBRO DE 2004 1 SUMÁRIO 1.0 Objetivos... 3 2.0

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DO ESTADO DO PARANÁ * OKA-FIORI, C. 1 1 Universidade Federal do Paraná, Professora Doutora, chisato@ufpr.br.

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DO ESTADO DO PARANÁ * OKA-FIORI, C. 1 1 Universidade Federal do Paraná, Professora Doutora, chisato@ufpr.br. RESUMO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DO ESTADO DO PARANÁ * OKA-FIORI, C. 1 1 Universidade Federal do Paraná, Professora Doutora, chisato@ufpr.br. SANTOS, L. J. C. 2 2 Universidade Federal do Paraná,

Leia mais

MUDANÇAS SÓCIO-ESPACIAIS DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DA HIDRELÉTRICA DO FUNIL (MG)

MUDANÇAS SÓCIO-ESPACIAIS DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DA HIDRELÉTRICA DO FUNIL (MG) MUDANÇAS SÓCIO-ESPACIAIS DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DA HIDRELÉTRICA DO FUNIL (MG) MÁRIA BRUNA PEREIRA RIBEIRO¹, CASSIANO GUSTAVO MESSIAS² MARTA FELICIA MARUJO FERREIRA 3 mariabruna9@yahoo. com.br, cassiano_lavras@hotmail.com,

Leia mais

LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO DE DETALHE COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO EVOLUTIVO DE PROCESSOS EROSIVOS LINEARES

LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO DE DETALHE COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO EVOLUTIVO DE PROCESSOS EROSIVOS LINEARES LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO DE DETALHE COMO SUBSÍDIO AO Mathias, D.T. 1 ; Nunes, J.O.R. 2 ; 1 FCT - UNESP PRESIDENTE PRUDENTE Email:denertm@yahoo.com.br; 2 FCT - UNESP PRESIDENTE PRUDENTE Email:joaosvaldo@fct.unesp.br;

Leia mais

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS Renato de Lima Hingel 1;3 ; Mônica dos Santos Marçal 2 ; Telma Mendes da Silva 2 rengeografia@yahoo.com.br;

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, DIVISA ENTRE OS ESTADOS DO RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO

CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, DIVISA ENTRE OS ESTADOS DO RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, Ferraz, D. 1 ; Cronemberg, F. 2 ; Vicens, R. 3 ; 1 UFF Email:debora.ferraz93@gmail.com; 2 UFF Email:felipecron@gmail.com; 3 UFF Email:rsvicens@gmail.com;

Leia mais

AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL

AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL Ana Valéria Freire Allemão Bertolino Departamento de Geografia/FFP - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil

Leia mais

Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo

Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo Resumo Alessandra G. Soares (alessandra.soares@usp.br)* Daniela Luz Carvalho

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental CARTA DE SUSCETIBILIDADE A MOVIMENTOS GRAVITACIONAIS DE MASSA E INUNDAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BOM JESUS DO NORTE - ES Marcely Ferreira Machado

Leia mais

ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO MODELO SINMAP À RESOLUÇÃO DO MDT NA SIMULAÇÃO DE DESLIZAMENTOS NA BACIA DO RIO SAGRADO SERRA DO MAR PARANAENSE

ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO MODELO SINMAP À RESOLUÇÃO DO MDT NA SIMULAÇÃO DE DESLIZAMENTOS NA BACIA DO RIO SAGRADO SERRA DO MAR PARANAENSE ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO MODELO SINMAP À RESOLUÇÃO DO MDT NA SIMULAÇÃO DE DESLIZAMENTOS NA BACIA DO RIO SAGRADO SERRA DO MAR PARANAENSE Moura Bueno, K.E. (UFPR) ; Santos, I. (UFPR) ; Bauer Schultz,

Leia mais

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição de Plantas PRINCÍPIOS BÁSICOS 1. Classificação Técnica: diferenciações

Leia mais

ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO

ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO Ana Karolina de Oliveira Sousa (1); Antônio Sávio Magalhaes de Sousa (2); Maria Losângela Martins de Sousa (3); Eder

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Dois trópicos e dois círculos Polares Tipos de Escalas Gráfica Numérica 1 : 100.000 Principais projeções cartográficas Cilíndrica Cônica Azimutal ou Plana

Leia mais

SOLOS EM ÁREA DE RELEVO SUAVE ONDULADO A ONDULADO DA BACIA DO RIBEIRÃO CHIQUERIRO, GOUVEIA-MG. (1)

SOLOS EM ÁREA DE RELEVO SUAVE ONDULADO A ONDULADO DA BACIA DO RIBEIRÃO CHIQUERIRO, GOUVEIA-MG. (1) SOLOS EM ÁRE DE RELEVO SUVE ONDULDO ONDULDO D BCI DO RIBEIRÃO CHIQUERIRO, GOUVEI-MG. (1) RESUMO SILV, S. M. (2) ;OLIVEIR, C. V. (3) ; BRBOS,. F. (5) Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas

Leia mais

SUSCETIBILIDADE A EROSÃO DO SOLO NA CIDADE DE SALVADOR BAHIA

SUSCETIBILIDADE A EROSÃO DO SOLO NA CIDADE DE SALVADOR BAHIA SUSCETIBILIDADE A EROSÃO DO SOLO NA CIDADE DE SALVADOR BAHIA Guimarães, T. (UEFS) ; Vale, R.M.C. (UEFS) RESUMO O presente trabalho pretende identificar, a partir de parâmetros físicos as áreas mais suscetíveis

Leia mais

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS OBJETIVOS: Atualização do mapeamento de riscos associados a escorregamentos de encostas; Indicação de tipologias de intervenções

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA Sabendo-se que a erosão pode comprometer até mesmo o volume de água de uma bacia hidrográfica, o presente

Leia mais

Questão 25. Questão 26 Questão 27. alternativa D. alternativa A

Questão 25. Questão 26 Questão 27. alternativa D. alternativa A Questão 25 De modo geral, os espaços geográficos cujo clima é influenciado pela maritimidade apresentam a) menor amplitude térmica anual. b) chuvas escassas e mal distribuídas durante o ano. c) maior amplitude

Leia mais

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Introdução e Objetivos Anualmente inúmeros desastres decorrentes de eventos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DO MÉDIO E BAIXO CURSO DO RIO ACARAÚ-CEARÁ-BRASIL

CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DO MÉDIO E BAIXO CURSO DO RIO ACARAÚ-CEARÁ-BRASIL CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DO MÉDIO E BAIXO CURSO DO RIO ACARAÚ-CEARÁ-BRASIL SUCUPIRA, P.A.P. 1 Mestre em Geografia, Universidade Estadual do Ceará UECE, psucupira@gmail.com PINHEIRO, L. DE S. 2 Prof

Leia mais

Suscetibilidade à erosão dos solos ao longo da RJ-165 (Estrada Paraty-Cunha) e na sua área de influência

Suscetibilidade à erosão dos solos ao longo da RJ-165 (Estrada Paraty-Cunha) e na sua área de influência Suscetibilidade à erosão dos solos ao longo da RJ-165 (Estrada Paraty-Cunha) e na sua área de influência Silva, L.F.T.C. (UFRJ) ; Martins, M.B. (UFRJ) ; Guerra, A.J.T. (UFRJ) RESUMO Um dos conflitos existentes

Leia mais

VULNERABILIDADE NATURAL DOS SOLOS À EROSÃO

VULNERABILIDADE NATURAL DOS SOLOS À EROSÃO VULNERABILIDADE NATURAL DOS SOLOS À EROSÃO A formação dos solos num determinado ambiente envolve um complexo de agentes e processos dentre os quais destacam-se a alteração física e química da rochaque

Leia mais

ZONEAMENTO AMBIENTAL NA FAZENDA DA BANDEIRA MUNICÍPIO DE CAMPO BELO/MG COM USO DE FERRAMENTAS DE SIG E SENSORIAMENTO REMOTO

ZONEAMENTO AMBIENTAL NA FAZENDA DA BANDEIRA MUNICÍPIO DE CAMPO BELO/MG COM USO DE FERRAMENTAS DE SIG E SENSORIAMENTO REMOTO 46 ZONEAMENTO AMBIENTAL NA FAZENDA DA BANDEIRA MUNICÍPIO DE CAMPO BELO/MG COM USO DE FERRAMENTAS DE SIG E SENSORIAMENTO REMOTO Elisângela Assis Resende (elisangela.resende@sga.pucminas.br)¹ Mariana Gontijo

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - ETAPAS DE TRABALHO

1 - INTRODUÇÃO 2 - ETAPAS DE TRABALHO 14º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental MAPEAMENTO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO DA ESTRADA DE CASTELHANOS, ILHABELA (SP) Flávio Henrique Rodrigues 1 ; José Eduardo Zaine 2 Resumo O presente

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA CIVIL PÓS GRADUAÇÃO

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA CIVIL PÓS GRADUAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA CIVIL PÓS GRADUAÇÃO Evolução da mancha urbana em Caraguatatuba no período de 1986 2008 e impactos das mudanças climáticas no litoral norte de

Leia mais

POTENCIALIDADE DE OCORRÊNCIA DE QUEIMADAS NO MACIÇO DA TIJUCA/RJ: UMA ABORDAGEM UTILIZANDO GEOPROCESSAMENTO

POTENCIALIDADE DE OCORRÊNCIA DE QUEIMADAS NO MACIÇO DA TIJUCA/RJ: UMA ABORDAGEM UTILIZANDO GEOPROCESSAMENTO POTENCIALIDADE DE OCORRÊNCIA DE QUEIMADAS NO MACIÇO DA TIJUCA/RJ: UMA ABORDAGEM UTILIZANDO GEOPROCESSAMENTO Manoel do Couto Fernandes 1/2, Reiner Olíbano Rosas 1/3 e Ana Luiza Coelho Netto 1. 1 - UFRJ

Leia mais

Análise de um evento de chuva intensa no litoral entre o PR e nordeste de SC

Análise de um evento de chuva intensa no litoral entre o PR e nordeste de SC Análise de um evento de chuva intensa no litoral entre o PR e nordeste de SC Entre o dia 11 de março de 2011 e a manhã do dia 13 de março de 2011 ocorreram chuvas bastante intensas em parte dos Estados

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS FERNANDES, Marianne Durães 1 Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES mari170191@yahoo.com.br

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (SIG) Oficina - Overlay e Obtenção do Mapa de Suscetibilidade à Erosão

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (SIG) Oficina - Overlay e Obtenção do Mapa de Suscetibilidade à Erosão SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (SIG) Responsável: MARIA ISABEL C DE FREITAS Oficina - Overlay e Obtenção do Mapa de Suscetibilidade à Erosão O objetivo desta oficina é oferecer aporte à geração de mapa

Leia mais

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG.

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. Resumo Cristina Silva de Oliveira¹ (UFJF³, chrisoliveira.jf@gmail.com) Daiane Evangelista

Leia mais

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO META Apresentar perfis topográficos, mostrando as principais formas geomorfológicas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar os principais

Leia mais

FITOECOLOGIA DOS BREJOS DE ALTITUDE DO SERTÃO PARAIBANO

FITOECOLOGIA DOS BREJOS DE ALTITUDE DO SERTÃO PARAIBANO FITOECOLOGIA DOS BREJOS DE ALTITUDE DO SERTÃO PARAIBANO Ailson de Lima Marques (1); Júlia Diniz de Oliveira (2); Douglas Cavalcante de Araújo (3) Anna Raquel Dionísio Ramos (4) Universidade Federal de

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão 3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão R egião localizada à NE do Estado, com características muito próprias, devido à sua estreita ligação e proximidade

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71)

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 22/2013 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação em Geografia (Mestrado e Doutorado). CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo

Leia mais

Fatores de formação do solo

Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Clima Organismos Relevo Solo Tempo Material de Origem Fatores de formação do solo: clima Temperatura, precipitação e deficiência e excedente hídrico

Leia mais

Gabriela Nogueira Ferreira da SILVA 1 José Vicente Granato de ARAÚJO. Escola de Engenharia Civil (EEC) gabriela.nfs@gmail.com jvgranato@yahoo.com.

Gabriela Nogueira Ferreira da SILVA 1 José Vicente Granato de ARAÚJO. Escola de Engenharia Civil (EEC) gabriela.nfs@gmail.com jvgranato@yahoo.com. DEFINIÇÃO DE HIDROGRAMA DE PROJETO CONSIDERANDO O MÉTODO TEMPO-ÁREA COM O USO DO GEOPROCESSAMENTO. ESTUDO DE CASO DA MICROBACIA DO CÓRREGO BOTAFOGO EM GOIÂNIA INTRODUÇÃO Gabriela Nogueira Ferreira da SILVA

Leia mais

Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba

Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba Município de Santana de Parnaíba Plano Diretor 2005/2006 (para o período 2006/2013) ANEXO A.02 SANTANA DE PARNAÍBA DADOS GERAIS Referência em: Art. 8º 0 SANTANA

Leia mais

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG)

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG) USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Junior, W. 2 ; Prado, R.B. 3 ; Calderano, S.B. 4 ; 1 EMBRAPA - CNPS Email:braz.calderano@embrapa.br; 2 EMBRAPA- CNPS Email:waldir.carvalho@embrapa.br;

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

A paisagem rural e a atividade turística: aplicação da cartografia temática na representação visual da zona rural de Pelotas, RS

A paisagem rural e a atividade turística: aplicação da cartografia temática na representação visual da zona rural de Pelotas, RS A paisagem rural e a atividade turística: aplicação da cartografia temática na representação visual da zona rural de Pelotas, RS Rafael Cruz da Silva 1 Resumo O turismo representa uma atividade de grande

Leia mais

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING.

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. RODRIGUES, Caroline Gomes 1, COSTA, Bruno Lopes ², CORREIA, Mariana Ribeiro³ 1 Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental CARACTERIZAÇÃO DO RISCO GEOLÓGICO DAS FAVELAS EM ENCOSTAS DA ILHA DO GOVERNADOR, RIO DE JANEIRO/RJ Luiz José R. O. Brandão da Silva 1 ; José

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás, Tecnólogo em Geoprocessamento, Especialista em Perícia Ambiental,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK Relatório Metodológico do Mapeamento de Uso do Solo

Leia mais

PROF. TOMÁZ PESSOA 1

PROF. TOMÁZ PESSOA 1 1. Entendendo que as setas do esquema significam a água entrando na superfície, ou dela saindo, os nomes LIVRE, SUSPENSO, CONFINADO e COSTEIRO referem-se a uma determinada estrutura líquida do planeta

Leia mais

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA Clima urbano e qualidade socioambiental Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim João Lima Sant Anna Neto Este projeto tem como objetivo identificar como se processa a produção do clima urbano em cidades

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM COLÉGIO FRANCO-BRASILEIRO NOME: N : TURMA: PROFESSOR(A): ANO: 9º DATA: / / 2014 LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM 1. Analise a figura e o texto apresentados a seguir. Atualmente existem três categorias

Leia mais

DANÇANDO COM A ROSA DOS VENTOS

DANÇANDO COM A ROSA DOS VENTOS DANÇANDO COM A ROSA DOS VENTOS Juliana Alves Dias Universidade do Estado do Amazonas Bolsista Pibid de Geografia/CAPES alves-juliana@outlook.com Marcela Vieira Pereira Mafra Universidade do Estado do Amazonas

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN Resumo expandido - Avaliação e Estudos de Impactos Ambientais Manoel Cirício Pereira Neto

Leia mais

IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO ARAQUÁ (SÃO PEDRO SP)

IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO ARAQUÁ (SÃO PEDRO SP) IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO Ribeiro, D.F. 1 ; Cunha, C.M.L. 2 ; 1 UNESP Email:dani_ferry@msn.com; 2 UNESP Email:cenira@rc.unesp.br; RESUMO: As atividades mineradoras causam

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA E GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA SALSA, LITORAL SUL DO ESTADO DA PARAÍBA/BRASIL

ANÁLISE MORFOMÉTRICA E GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA SALSA, LITORAL SUL DO ESTADO DA PARAÍBA/BRASIL ANÁLISE MORFOMÉTRICA E GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA SALSA, LITORAL SUL DO ESTADO DA PARAÍBA/BRASIL RESUMO Barbosa, Mª E. F. Nascimento, J. J de S. Furrier, M. Departamento de Geociências

Leia mais