LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA"

Transcrição

1 LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e a Avenida Iraí. GEOLOGIA REGIONAL A área em questão, esta localizada, na maior parte sobre os sedimentos da Bacia de Curitiba, ou seja, a Formação Guabirotuba, formada sob condições de clima variando do semiárido ao úmido, provavelmente durante o Pleistoceno (BIGARELLA, SALAMUNI, 1958). A Formação Guabirotuba é representada por sedimentos argilosos de coloração cinzaesverdeada, com grânulos de quartzo e feldespato. Nestes sedimentos ocorrem intercalações de lentes centimétricas a métricas de arcósio sendo interpretados como fácies de leque anastomosado. Sobre esses sedimentos, foram acumulados depósitos de planície de inundação e os baixos terraços do rio Iguaçu (BIGARELLA, et al), podendo também estar depositados sobre as rochas do Embasamento GnáissicoMigmatítico. Os sedimentos aluvionares da Formação Guabirotuba são compostos de cascalho e areias, intercalados com argilas plásticas. GEOLOGIA LOCAL A região de Guarituba é composta por sedimentos aluvionares ( cerca de 90%), por argilas e arcósios (15%) e gnaissesmigmatito (5%). Vide mapa geológico. Os gnaissesmigmatitos que formam o embasamento da Formação Guabirotuba, afloram na parte leste da área, formando pequenos morros arredondados sobressaindo topograficamente dos sedimentos aluvionares que os cercam. Esses gnaissesmigmatitos são compostos de horblenda gnaisses e

2 biotita hornblenda gnaisses, com intercalações de composição quartzofeldspática. A estrutura predominante é bandada. As argilas e arcósios ocorrem intercaladas, sendo que o arcósio apresenta lentes centimétricas a métricas, com granulometria média a grossa, composta de quartzo e feldspato. Esses sedimentos ocorrem numa área topograficamente mais alta da região, com forma tabular (aqui denominada de plataforma tabular), e direção NW. Apresenta uma inclinação forte para o norte, leste e oeste com declividades acima de 30% e, escarpada, praticamente vertical na vertente sul, e o topo é levemente ondulado. Os sedimentos aluvionares podem ser divididos em aluviões recentes e terraço aluvionar. Os sedimentos aluvionares recentes (aqui denominadas de várzeas) estão representados por depósitos assentados sobre o embasamento gnáissicomigmatítico. São compostos de cascalhos arenosos e areias de granulometria média as grossas, com seixos subarredondados e subangulosos de quartzo. Nos níveis superiores ocorrem camadas de argila plástica de cor cinza e finas camadas de turfa. O terraço aluvionar, apresenta a mesma constituição dos aluviões recentes, porém, só que situase em posição topográfica elevada em relação a estes, e inferiores as elevações constituídas pelos gnaissesmigmatitos que ocorrem a leste da área. Ocorrem níveis de argila de terraço sobre a plataforma tabular que é a parte mais alta da área em questão. GEOTECNIA A área foi dividida em três compartimentos (vide mapa síntese em anexo): várzea terraço plataforma tabular. A área considerada de várzea compreende uma faixa que vai do rio Iguaçu/canal extravasor, cota 872 m até a cota 880 m cercando parcialmente o terraço. O perfil típico deste compartimento compreende do topo para a base: Solo de cor negra, argiloso, poroso, muito rico em matéria orgânica. A espessura varia de 0,20 m a 1,0 m. A profundidade do nível d água médio é de 0,50 m (dados medidos nos meses de setembro/outubro de 2005 através de poços cacimba e de furos à trado alto índice pluviométrico vide mapa síntese).

3 Argila cinza escura a negra, resistência a penetração é mole a muito mole, textura siltosa por vezes arenosa, com níveis turfosos, a espessura de 1,0 m a 5,0 m. O argilo mineral é a caulinita (1:1) e em menores proporções esmectita e ilita (2:1). Sotoposto e interdigitado com a argila acima descrita encontramse corpos lenticulares de areia com espessuras variando de 1,0 a 3,0 m. A areia é de cor cinza esbranquiçada, fofa a medianamente compacta, porosa, granulometria fina a grossa contendo seixos e matacões de quartzo (vide fotos 1,2,3 e fig.2). Foto 1 Perfil típico da área de várzea mostrada através de uma cava de areia próxima a PR415. O embasamento gnáissico aflorando (cor verde). Em branco areia e acima. Argilas e solo de cores negra, por vezes turfosos. Fonte: MINEROPAR, 1994.

4 Foto 2 Aspecto do contato entre areias e cascalho dos aluviões. Com o embasamento gnáissicomigmatítico. Detalhe da foto 1. Fonte: MINEROPAR, Foto 3 Argila plástica de cor branca a cinza, com recobrimento de solo rico em matéria orgânica. Fonte: MINEROPAR, 1994.

5 O terraço a partir da curva de nível 880 m apresenta uma rampa formando um novo patamar de 2,0 m a 5,0 m acima da área de várzea. O perfil típico deste desse terraço é idêntico ao da várzea. Neste compartimento encontramse algumas porções de terreno mais altas que a média deste nível, devido a diferenciação da erosão e, portanto, áreas um pouco mais secas como por exemplo as áreas situadas na parte leste composta por gnaisse migmatitos e na área 11. Enquanto o nível de d água no terraço apresenta uma profundidade média de 0,5 m, o lençol freático nessas partes mais altas esta abaixo de 1,0 m (medidas feitas em setembro/outubro de 2005). Foto 4 Argila do terraço recoberta por solo marrom com muita matéria orgânica. Fonte: MINEROPAR, O perfil típico do gnaissemigmatito compreende do topo para a base: Solo transportado, apresentando cor negra. São argilosos, lateríticos, permeabilidade média e espessura entre 0,5 m. a 1,5 m. Linha de seixos com espessura centimétrica esta linha separa o solo transportado do solo residual.

6 Solo residual, argiloso, poroso, laterítico, com espessura inferior a 1,0 m, o argilo mineral é a caulinita (1:1) e com consistência média a alta. Saprólito apresentando ainda estruturas da rocha original e presença esporádica de matacões. O argilo mineral predominante é a caulinita. Apresenta comportamento laterítico A plataforma tabular apresenta as maiores altitudes da região de Guarituba, de sua base até a sua porção mais alta é de 20,0 m acima do terraço. O perfil típico compreende do topo para a base: Solo transportado, argiloso, poroso de cor negra e espessuras centiméticas a métricas. Apresenta comportamento laterítico. Linha de seixos com espessura centimétrica. Alternância centiméticas a métricas de argila e arcósio. A argila é de cor cinza esverdeada, textura franco argilosa, consistência média a alta, argilo mineral predominante é a esmictita (2:1). O arcósio apresenta a cor cinza por vezes variegada, forma lenticular, consistência alta. Não possuem comportamento laterítico. A profundidade do nível d água é superior a 1,5 m, podendo chegar a 4,0 m conforme foi verificado pela Mineropar em 1995 onde as condições climáticas eram normais. No entanto o nível freático é normalmente regulado pelos níveis de arcósio que são pequenos aqüíferos confinados.

7 Foto 5 Vista panorâmica da área 5, tendo em primeiro plano o terraço, e ao fundo a plataforma tabular. Notar o desnível mesmo no terraço. Nesse compartimento, no topo, ocorre sedimento típico do terraço (vide mapa geológico em anexo), portanto o perfil nesse local compreende: Solo de cor negra, argiloso, poroso, espessura de 1,0 m. Argila cinza clara, consistência mole a pouco compacta, comportamento não laterítico e argilo mineral caulinita (1:1). A espessura é superior a 3,0 m. Passando esta argila, o perfil é o mesmo descrito anteriormente (vide foto 4).

8 Foto 5a Aspecto das alternâncias centimétricas das argilas e arcósios que ocorrem na plataforma tabular. Fonte: MINEROPAR AVALIAÇÃO A área de várzea apresenta uma inclinação suave que, da cota mais baixa do rio Iguaçu até o início do terraço é de 8,0 m (872 m 880 m). O terraço está de 2,0 m a 5,0 m acima da parte mais alta da várzea. Portanto, de 10,0 m a 13,0 m do rio Iguaçu. A plataforma tabular está entre 5,0 m a 20,0 m acima do terraço o que vale dizer que o desnível até o rio Iguaçu vai de 15,0 m a 33,0 m. Portanto, o terraço mais a plataforma tabular formam um morro isolado com desnível topográfico de 2,0 m a 25 m em relação a várzea. No que pese a profundidade do nível d água, medindo nos meses de setembro a outubro de 2005, época com índice pluviométrico acima do normal, ser de 0,5 m tanto na várzea como no terraço, em períodos normais de chuva, o lençol freático é mais baixo, conforme medidas obtidas pela Mineropar em janeiro de 1994 (vide tabela 1) no mapeamento geológico geotécnico do Alto Iguaçu, onde a presente área esta inclusa.

9 Tabela1 Unid. Geológica Prof. Média do NA no medidas Aluviões 0,90 m 23 Terraços 2,60 m 21 Formação Guabirotuba. 3,80 m 171 GnaisseMigmatítico. 4,50 m 25 Conforme podese observar, o lençol freático apresenta uma variação no nível d água de 0,5 m a mais de 1,0 m.de acordo com o nível topográfico. As áreas 3,5,6 e 11 selecionadas (vide mapa síntese em anexo), estão inseridas no terraço, onde é possível a implantação de loteamentos residenciais, melhor ainda se forem tomadas algumas medidas de correção e implantação de infraestruturas. A correção mais importante a se fazer na área é o sistema de drenagem. Devido o terraço estar de 2,0 m a 5,0 m. acima da várzea, e esta ter um desnível de até 8,0 m em relação ao rio Iguaçu, forma parte de um morro isolado onde implantando um sistema eficiente de drenagem, haverá uma grande melhoria no escoamento superficial, evitando o encharcamento do solo em épocas chuvosas e com possibilidade de um leve rebaixamento do nível d água. Este escoamento superficial e o rebaixamento do NA, se dará na área do terraço como um todo, e não só nas áreas selecionadas, tornandoas mais secas e conseqüentemente havendo grande melhoria no que diz respeito à consistência do solo. Esta melhoria se dara em menores proporções até na área de várzea. Mesmo com rebaixamento do lençol freático, a profundidade do NA não será suficiente para a construção de fossas individuais. Por esse motivo, há a necessidade também de implantação de um sistema de coleta e tratamento de esgoto, bem como de um traçado de quadras e do sistema viário adaptado a área para evitar a estagnação de águas pluviais ou de coleta de esgoto. As faixas de alta declividade (>30%) existentes nas áreas são de preservação permanente. Havendo o rebaixamento do NA, este deverá ser controlado visando manter a argila úmida para evitar o desequilíbrio natural da mesma. Outro fator que contribuiu para esta seleção é o valor da terra.

10 As outras áreas altas no local, como as de ocorrência dos gnaissesmigmatitos, não foram selecionadas devido já estarem totalmente urbanizadas, não havendo áreas livres para a realocação A plataforma tabular que é sem dúvidas a melhor área na região de Guarituba para implantação de loteamentos, não foi selecionada em função do alto valor da terra. A área 2 que também esta inserida no terraço não foi indicada por solicitação da COMEC para não induzir novas invasões naquele setor. S.M.J Rogério da Silva Felipe Geólogo CREA 6386D

11 Foto 6 Notar escoamento d água em valeta aberta perpendicular as curvas de níveis do terraço para a várzea.

12 Foto 7 Notar a água estagnada na valeta aberta paralelamente as curvas de níveis.

13 Foto 8 Poço cacimba aberto em uma residência situada no terraço. Notar o nível d agua.

14 Foto 9 Poço cacimba, aberto em uma residência localizada no terraço. Notar nível d água, profundidade 0,5m.

15 Foto 10 Haste de ferro com 3,0 m de comprimento usada para medir espessura do solo e a consistência do solo.

16 Foto 11 Detalhe mostrando que a haste é cravada com as mãos, indicando também que a consistência do solo é muito mole.

17 Foto 12 Notar vacas atoladas no brejo, curral na área de várzea, próxima ao canal extravassor.

18 Foto 13 Em primeiro plano do lado esquerdo área 5, e do direito área 4. Em segundo plano, em frente ao pinheiro área 11. Notar desnível.

19 Foto 14 vista panorâmica da área 5. Ao fundo plataforma tabular(mata)

20 Foto15 Passagem da área de várzea para oterraço. Podemos observar pequena rampa do terraço perpendicularmente a rua na altura do portão verde (lado direito).

3 Área de estudo e amostragem

3 Área de estudo e amostragem 3 Área de estudo e amostragem 3.1. Meio Físico Os aspectos discutidos no Capítulo 2 tornam clara a importância de um estudo experimental de um perfil de solo residual observando a evolução das diversas

Leia mais

ASPECTOS GEOLÓGICOS DA FORMAÇÃO GUABIROTUBA

ASPECTOS GEOLÓGICOS DA FORMAÇÃO GUABIROTUBA Capítulo 2 ASPECTOS GEOLÓGICOS DA FORMAÇÃO GUABIROTUBA 2.1 Introdução e Contexto Regional Para uma compreensão mais aprofundada das propriedades geotécnicas da Formação Guabirotuba, assume particular importância

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn

Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn 45 4. FÁCIES SEDIMENTARES E AMBIENTES DEPOSICIONAIS Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn e Moraes (1989) como complexos turbidíticos canalizados, com base nos

Leia mais

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma COBRAMSEG 00: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 00 ABMS. Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos

Leia mais

Formas de representação:

Formas de representação: 1 Formas de representação: Curvas de Nível Perfil Topográfico Carta Hipsométrica Maquete de Relevo 2 CURVAS DE NÍVEL São isolinhas de altitude, ou seja linhas que representam todos os pontos de igual altitude

Leia mais

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 ANEXO 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 2 Anexo 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do PEC Foto

Leia mais

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 ANEXO 1 DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 Foto 1 Vista do local de execução da sondagem a trado ST-01 (km353). Foto 2- Vista dos tipos de materiais ocorrentes no local da sondagem

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade.

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade. CARACTERIZACÃO AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SANGUE, JAURU - MT, VISANDO O LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Aldo Max Custódio (1) ; Ms. Juberto Babilônia de

Leia mais

CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS

CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS Valdenira Ferreira dos Santos Antônio Tebaldi Tardin 4.1 INTRODUÇÃO Este trabalho faz parte do Projeto Zoneamento Ecológico- Econômico do Setor Costeiro Estuarino do Estado

Leia mais

PLURAL/OLIVEIRA DAS NEVES/BIODESIGN ANEXOS. Revisão do PDM de Vagos

PLURAL/OLIVEIRA DAS NEVES/BIODESIGN ANEXOS. Revisão do PDM de Vagos ANEXOS Revisão do PDM de Vagos ANEXO I CARACTERIZAÇÃO LITOLÓGICA, GEOTÉCNICA E PEDOLÓGICA (Plano Director Municipal de Vagos..., Gabinete de Apoio Técnico de Aveiro) Revisão do PDM de Vagos CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE ÁGUA & MINÉRIO SONDAGENS DE SOLO LTDA SONDAGENS DE SIMPLES RECONHECIMENTO - SPT NBR 6484 e NBR 8036 da ABNT INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS IBIRAMA Rua Getúlio Vargas, 3006 Bela Vista Furos F-1 a

Leia mais

ESTUDO MORFOLÓGICO DA TOPOSSEQUÊNCIA FAZENDA CANGUIRI, PR: SUBSÍDIO PARA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOLO / RELEVO. RAKSSA, M. L. 1 SANTOS, L. J. C.

ESTUDO MORFOLÓGICO DA TOPOSSEQUÊNCIA FAZENDA CANGUIRI, PR: SUBSÍDIO PARA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOLO / RELEVO. RAKSSA, M. L. 1 SANTOS, L. J. C. ESTUDO MORFOLÓGICO DA TOPOSSEQUÊNCIA FAZENDA CANGUIRI, PR: SUBSÍDIO PARA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOLO / RELEVO. RAKSSA, M. L. 1 1 Universidade Federal do Paraná. Mestrando do Programa de Pós Graduação

Leia mais

7.0 PERMEABILIDADE DOS SOLOS

7.0 PERMEABILIDADE DOS SOLOS 7.0 PERMEABILIDADE DOS SOLOS 7.1 Introdução A permeabilidade é a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento da água através s dele. O movimento de água através s de um solo é influenciado

Leia mais

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra I - OS SOLOS SOB O PONTO DE VISTA DA ENGENHARIA CIVIL 1) Definição de solo, sob o ponto de vista da Engenharia A palavra solo, na expressão Mecânica dos Solos, não tem um significado intuitivo imediato.

Leia mais

Relatório de Campo (operação II)

Relatório de Campo (operação II) Relatório de Campo (operação II) Referente a Definição de Áreas Prioritárias para Conservação do Estado de Goiás, Brasil Consórcio Imagem - WWF Brasil NOVEMBRO DE 2004 1 SUMÁRIO 1.0 Objetivos... 3 2.0

Leia mais

Tipos de intemperismo

Tipos de intemperismo INTEMPERISMO Conjunto de processos que transformam rochas maciças e tenazes em materiais friáveis solos DESEQUILÍBRIO Tipos de intemperismo Intemperismo físico (desintegração) Processos físicos fragmentação

Leia mais

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA 47 CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA Este capítulo se refere ao estudo das estruturas geológicas rúpteis e do resultado de sua atuação na compartimentação morfoestrutural da área. Para tanto, são

Leia mais

SONDAGEM A TRADO INICIO PERFIL INDIVIDUAL INTERCEPTOR DE ESGOTO Córrego Brejo Alegre - Araguari / MG TECMINAS ENGENHARIA

SONDAGEM A TRADO INICIO PERFIL INDIVIDUAL INTERCEPTOR DE ESGOTO Córrego Brejo Alegre - Araguari / MG TECMINAS ENGENHARIA FN. (017) 334-334 - CEP. 02-080 CLIENTE 0,39 /08/2014 TÉRMINO /08/2014 ATERRO DE AREIA FINA, ARGILOSA, MARROM ACINZENTADA. 903,090 ST.01 AREIA FINA, MUITO ARGILOSA, AMARELA ACINZENTADA. 2,63 cinza ARGILA

Leia mais

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra O que é relevo? O relevo terrestre pode ser definido como as formas da superfície do planeta,

Leia mais

PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA MCC1001 AULA 5. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a. Carmeane Effting.

PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA MCC1001 AULA 5. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a. Carmeane Effting. PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA MCC1001 AULA 5 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM Manaus 28 de Outubro de 2010 LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO CHIBATÃO MANAUS (AM) 1. INTRODUÇÃO Por solicitação do Ministério Público do Estado

Leia mais

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Ivan Grandis IGR Engenharia Ltda. Jaime Domingos Marzionna ENGEOS Engenharia e Geotecnia S/S Ltda. Escola Politécnica da USP Twin Cities 1 Evolução das

Leia mais

Classificação de Aroldo de Azevedo

Classificação de Aroldo de Azevedo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo O relevo brasileiro apresenta grande variedade morfológica (de formas), como serras, planaltos, chapadas, depressões, planícies e outras, - resultado da ação, principalmente,

Leia mais

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão 3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão R egião localizada à NE do Estado, com características muito próprias, devido à sua estreita ligação e proximidade

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

RELATORIO COMPLEMENTAR - ÁREA DE FAZENDA RIO GRANDE ASPECTOS LITOLOGICOS, HIDROGEOLOGICOS E GEOTÉCNICOS

RELATORIO COMPLEMENTAR - ÁREA DE FAZENDA RIO GRANDE ASPECTOS LITOLOGICOS, HIDROGEOLOGICOS E GEOTÉCNICOS RELATORIO COMPLEMENTAR - ÁREA DE FAZENDA RIO GRANDE ASPECTOS LITOLOGICOS, HIDROGEOLOGICOS E GEOTÉCNICOS SUMÁRIO 1.0 - ASPECTOS GEOMORFOLÓGICOS, GEOLOGICOS E GEOTÉCNICOS LOCAL... 1 1.2 SONDAGENS A PERCUSSÃO...

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 5 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ.

Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ. Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ. Aline Nogueira Costa e Helena Polivanov Departamento de Geologia de Engenharia e Ambiental, Universidade

Leia mais

Dissertação de Mestrado Cardoso, F. M. C. 59

Dissertação de Mestrado Cardoso, F. M. C. 59 Dissertação de Mestrado Cardoso, F. M. C. 59 A presença de depósitos de preenchimento de canais fluviais, com níveis gerados por fluxos torrenciais e a ausência de depósitos de planície de inundação, permitem

Leia mais

CONTEXTO GEOTÉCNICO EM SÃO PAULO E CURITIBA. José Maria de Camargo Barros IPT

CONTEXTO GEOTÉCNICO EM SÃO PAULO E CURITIBA. José Maria de Camargo Barros IPT CONTEXTO GEOTÉCNICO EM SÃO PAULO E CURITIBA José Maria de Camargo Barros IPT 2 Sumário Argilas cinza-esverdeadas de São Paulo x Formação Guabirotuba Solos residuais de São Paulo x Solos residuais de Curitiba

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO

ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO ESTUDO DAS PROPRIEDADES HIDRÁULICAS DE SOLOS DE ENCOSTA DO RIO DE JANEIRO Alunos: Breno Verly Rosa e Alexandre da Rocha Rodrigues Orientador: Eurípides Vargas do Amaral Junior João Luis Teixeira de Mello

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO Gilvonete Maria Araujo de Freitas 1 ; Max Furrier 1 gilvonetefreitas@bol.com.br

Leia mais

Reconhecer as diferenças

Reconhecer as diferenças A U A UL LA Reconhecer as diferenças Nesta aula, vamos aprender que os solos são o resultado mais imediato da integração dos processos físicos e biológicos na superfície da Terra. A formação e o desenvolvimento

Leia mais

ZONEAMENTO DE EXPLOTAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA CIDADE DO RECIFE - PE

ZONEAMENTO DE EXPLOTAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA CIDADE DO RECIFE - PE ZONEAMENTO DE EXPLOTAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA CIDADE DO RECIFE - PE Waldir Duarte Costa 1, João Manoel Filho 2, Almany Costa Santos 2, Waldir Duarte Costa Filho 3, Adson Brito Monteiro 2 e Francisco

Leia mais

Jonathan Kreutzfeld RELEVO BRASILEIRO E FORMAS

Jonathan Kreutzfeld RELEVO BRASILEIRO E FORMAS Jonathan Kreutzfeld RELEVO BRASILEIRO E FORMAS RELEVO BRASILEIRO FORMAS DO RELEVO BRASILEIRO Escudos cristalinos: 36% Bacias sedimentares: 64% Escudos Cristalinos - Armazenamento de jazidas minerais -

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

Projeto Final de Engenharia

Projeto Final de Engenharia REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente Fundação do Meio Ambiente - FATMA Instituto Brasileiro do Meio Ambiente

Leia mais

Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil

Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil ISSN 1678-5975 Outubro - 2004 Nº 2 25-39 Porto Alegre Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil N. O. Horn Filho¹; É. P. Filho² &

Leia mais

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS Renato de Lima Hingel 1;3 ; Mônica dos Santos Marçal 2 ; Telma Mendes da Silva 2 rengeografia@yahoo.com.br;

Leia mais

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia A Península Ibérica é essencialmente constituída por um fragmento

Leia mais

TEXTURA E GRANULOMETRIA DOS SOLOS

TEXTURA E GRANULOMETRIA DOS SOLOS TEXTURA forma e tamanho das partículas GRANULOMETRIA medida dos tamanhos das partículas COMPORTAMENTO MECÂNICO TEXTURA PROPRIEDADES HIDRÁULICAS CLASSIFICAÇÃO TEXTURAL Quanto ao tamanho dos grãos solos

Leia mais

HIDRÁULICA DE POÇOS. Prof. Marcelo R. Barison

HIDRÁULICA DE POÇOS. Prof. Marcelo R. Barison HIDRÁULICA DE POÇOS Prof. Marcelo R. Barison Infiltração e Escoamento - as zonas de umidade do solo - Aqüífero Livre; Aqüífero Confinado. TIPOS DE AQÜÍFEROS Representação Esquemática dos Diferentes Tipos

Leia mais

A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5. Pelo Geólogo Josué Barroso

A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5. Pelo Geólogo Josué Barroso A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5 Pelo Geólogo Josué Barroso No Artigo 3 e no Artigo 4, fez-se breves descrições sobre a formação das rochas que estruturam

Leia mais

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir.

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir. ANEXO 5.3 - CARACTERIZAÇÃO DO RELEVO DAS ÁREAS DO PNSB E ZONA DE AMORTECIMENTO A copartientação geoorfológica regional na qual insere-se os tipos de relevo das áreas do PNSB e Zona de Aorteciento é apresentada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA SENSORIAMENTO REMOTO E SIG NA ANÁLISE AMBIENTAL DA MICROBACIA DO RIO PURAQUEQUARA MANAUS, AM BRASIL Antonio da Mata Pequeno Filho

Leia mais

Boletim de campo para sondagem/ poço de monitoramento

Boletim de campo para sondagem/ poço de monitoramento Sigla SP1 Data de início 21/12/2009 Data de término 21/12/2009 UTM - N (m) 7.382.650 Diâmetro da perfuração 4 UTM - E (m) 327.753 Diâmetro da Instalação - Altitude do terreno (m) Prof. total do poço (m)

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica

MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica OUTUBRO DE 2012 T E R R E S T R E. empresa sedeada em Itu/SP fornece consultas, projetos, ensaios especiais e serviços na área de geotecnia, drenagem, pavimentação,

Leia mais

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE - ESPECIFICAÇÕES GERAIS Revisão n.º 1 2 3 4 5 7 Data 18/03/11 Responsável Heber 1/14 INDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ELEMENTOS

Leia mais

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações 1. MÉTODOS DIRETOS Os métodos diretos englobam todas as investigações que possibilitam a visualização do perfil e retirada de amostra. Os procedimentos de investigação são bem definidos nas normas ABNT

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS Nº 01/2015 ANEXO I-E SONDAGEM DE SOLO DO TERRENO

TOMADA DE PREÇOS Nº 01/2015 ANEXO I-E SONDAGEM DE SOLO DO TERRENO SEÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS Rua Deodoro da Fonseca, 7 Centro Natal/RN CEP:.0-00. Fone: () - Fax: () -1 TOMADA DE PREÇOS Nº 01/ ANEXO I-E SONDAGEM DE SOLO DO TERRENO Tomada de Preços nº 01/ PRRN RELATÓRIO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS.

UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS. UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS. Luiz Antônio de Oliveira Andréa dos Santos Vieira Luiz Antônio de Oliveira. Professor adjunto. Laboratório de Climatologia

Leia mais

Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo

Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo Resumo Alessandra G. Soares (alessandra.soares@usp.br)* Daniela Luz Carvalho

Leia mais

Área Conceição da Barra

Área Conceição da Barra Área Conceição da Barra Aviso importante A utilização desses dados e informações é de responsabilidade exclusiva de cada usuário, não podendo ser imputada à Agencia Nacional do Petróleo, Gás Natural e

Leia mais

PORQUE CAEM AS BARREIRAS

PORQUE CAEM AS BARREIRAS PARTE B PORQUE CAEM AS BARREIRAS CAPÍTULO 3 Risco Geológico CAPÍTULO 4 Processos que Causam Acidentes CAPÍTULO 3 Risco Geológico Conceitos 3. 1 Elementos de risco 3. 2 Classes de risco 3. 3 Fatores de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente.

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002 (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL. Marcelo Ricardo de Lima

UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL. Marcelo Ricardo de Lima Uma análise das classificações de solo utilizadas no ensino fundamental Projeto Solo na Escola - UFPR 1 UMA ANÁLISE DAS CLASSIFICAÇÕES DE SOLO UTILIZADAS NO ENSINO FUNDAMENTAL Marcelo Ricardo de Lima Professor

Leia mais

Prof. Dr. Sérgio Murilo Santos de Araújo. Universidade Federal de Campina Grande UFCG

Prof. Dr. Sérgio Murilo Santos de Araújo. Universidade Federal de Campina Grande UFCG Prof. Dr. Sérgio Murilo Santos de Araújo Universidade Federal de Campina Grande UFCG Paisagens marcadas pela Bacia Sedimentar do Araripe (Jurássico, Cretáceo, etc.) e pela Depressão Periférica (Pré-Cambriano)

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

Mapeamento Temático Digital: Ferramenta de Apoio à Análise de Erosão em Encostas Cabo de Santo Agostinho/ PE.

Mapeamento Temático Digital: Ferramenta de Apoio à Análise de Erosão em Encostas Cabo de Santo Agostinho/ PE. Mapeamento Temático Digital: Ferramenta de Apoio à Análise de Erosão em Encostas Cabo de Santo Agostinho/ PE. Everaldo Paulo da Silva, MSc. e Roberto Quental Coutinho, Pós-D.Sc. Departamento de Engenharia

Leia mais

BASENG Engenharia e Construção LTDA

BASENG Engenharia e Construção LTDA RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GEOLÓGICO- GEOTÉCNICA: SONDAGEM A PERCUSSÃO LT2 ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO CONTRUÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO HOSPITAL E MATERNIDADE Praia de Boiçucanga São Sebatião / SP

Leia mais

AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO

AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO Av. JC-15, com R.BF-25 e BF-23, Jd. Curitiba Cidade: Goiânia GO Goiânia, 11 de outubro de 2011. AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES

Leia mais

Prof. (m) Areia fina siltosa marrom. Areia fina marrom. Areia siltosa com pedregulhos variegada (amarela) Areia fina variegada (amarela)

Prof. (m) Areia fina siltosa marrom. Areia fina marrom. Areia siltosa com pedregulhos variegada (amarela) Areia fina variegada (amarela) Cliente: Sondagem: RS 1735 SP-01 Obra: Campus Experimental Folha: 01/03 Local: Jazida Mineração Veiga Cota do Furo: +0.27 m Município: Araquari SC Na: -2.55 m 01 siltosa marrom 08 02 marrom 09 03 marrom

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA E QUÍMICA DO SOLO NO CEMITÉRIO SÃO JOSÉ - ITUIUTABA.

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA E QUÍMICA DO SOLO NO CEMITÉRIO SÃO JOSÉ - ITUIUTABA. ANÁLISE GRANULOMÉTRICA E QUÍMICA DO SOLO NO CEMITÉRIO SÃO Pereira, L. 1 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Email:lucasbpgeo@yahoo.com.br; RESUMO: Este trabalho apresenta uma análise do solo do cemitério

Leia mais

DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA)

DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA) DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA) Silvio Eduardo Matos Martins 1 ; Iran C. Staliviere Corrêa 2 ; Amilcar Carvalho Mendes 3 eduardomm@ufpa.br 1 Universidade

Leia mais

MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ. TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com.

MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ. TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com. MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com.br ROBAINA, L. E. S. 2 ³ Universidade Federal de Santa Maria / lesro@hanoi.base.ufsm.br

Leia mais

TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303

TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 Sérgio Cortizo 1 5 de agosto de 2.007 RESUMO: É apresentada uma interpretação matemática da Resolução CONAMA nº 303 no que diz respeito à demarcação das Áreas de

Leia mais

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA.

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA. CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO Avelino, E. 1 ; 1 IFBAIANO, CAMPUS CATU Email:ed.avelino@hotmail.com; RESUMO: Esta pesquisa tem o objetivo de mapear as unidades geomorfológicas do município

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Mecânica dos Solos 1

Mecânica dos Solos 1 Mecânica dos Solos 1 Aula 1 Origem e Formação dos Solos 2º semestre/2012 Bibliografia CAPUTO, H. P. Mecânica dos Solos e suas Aplicações. Volumes 1 (1996), 2 (1995) e 3 (1994). Editora: LTC. PINTO, C.

Leia mais

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição de Plantas PRINCÍPIOS BÁSICOS 1. Classificação Técnica: diferenciações

Leia mais

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução ANÁLISE COMPARATIVA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS SAGRADO E MARUMBI: PRINCIPAIS CONDICIONANTES FÍSICOS PREDOMINANTES NA OCORRÊNCIA DE MOVIMENTOS DE MASSA¹ Universidade Federal do Paraná (UFPR) Juliana

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM Vitória, 19 de junho de 201 RELATÓRIO DE SONDAGEM CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KENNEDY OBRA/LOCAL: SANTA LUCIA - PRESIDENTE KENNEDY CONTRATO: ETFC.0..1.00 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...02 PERFIL

Leia mais

ANEXO A RELATÓRIO GEOTÉCNICO. 1. Introdução. 2. Trabalhos realizados

ANEXO A RELATÓRIO GEOTÉCNICO. 1. Introdução. 2. Trabalhos realizados ANEXO A RELATÓRIO GEOTÉCNICO 1. Introdução O presente estudo refere-se a uma faixa de terreno com forma aproximadamente rectangular com cerca de 170m de comprimento e 20m de largura, correspondente à área

Leia mais

OBJETIVOS Substituir por métodos científicos os métodos empíricos aplicados no passado.

OBJETIVOS Substituir por métodos científicos os métodos empíricos aplicados no passado. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL DISCIPLINA: MECÂNICA DOS SOLOS I PROFESSORA : AGDA C.T.GUIMARÃES AULA 1 1. INTRODUÇÃO AO CURSO 1.1 DEFINIÇÃO

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais (Setor de Geotecnia)

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais (Setor de Geotecnia) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais (Setor de Geotecnia) MECÂNICA DOS SOLOS I e II Exercícios Autores: Sandro Lemos Machado e Miriam de Fátima

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS Aracy Losano Fontes¹; Aracy Losano Fontes Correia²; Neise Mare de Souza Alves³; Débora Barbosa da Silva 4 aracyfontes@yahoo.com.br

Leia mais

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade É a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento de água através dele. (todos os solos são mais ou menos permeáveis)

Leia mais

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE Karl Terzaghi em seu discurso de abertura, referindo-se aos solos residuais brasileiros, disse que os nossos técnicos estavam em condições de pesquisar e experimentar nas

Leia mais

- Consultoria Geoambiental Ltda

- Consultoria Geoambiental Ltda -------- Mensagem original -------- Assunto: APP de topo Data: Tue, 21 Oct 2008 09:45:29-0200 De: Dirceu Pagotto Stein Para: dominique.louette@mma.gov.br Caros membros do Conselho

Leia mais

Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina.

Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina. Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina. Marcio Fernandes Leão UFRJ e UERJ, Rio de Janeiro, Brasil, marciotriton@hotmail.com RESUMO: Em terrenos estudados na

Leia mais

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Raquel Cristina Borges Lopes de Albuquerque Escola Politécnica, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo É a forma da superfície terrestre, que apresenta variação de nível de um local para outro. Tem uma influência pesada em outros fenômenos, como a urbanização e as atividade

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.1 INTRODUÇÃO Vários materiais sólidos empregados em construção normalmente resistem bem as tensões de compressão, porém têm uma capacidade bastante limitada

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

Volume I. RIMA - Relatório de Impacto Ambiental IECOMPERJ/IESTC. Revisão A Jan/2010

Volume I. RIMA - Relatório de Impacto Ambiental IECOMPERJ/IESTC. Revisão A Jan/2010 Estudo de Impacto Ambiental (EIA) de píer e via especial de acesso para o transporte dos grandes equipamentos do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro - COMPERJ. RIMA - Relatório de Impacto Ambiental

Leia mais

Terraceamento. Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi.

Terraceamento. Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi. Terraceamento Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi 1 Ricardo Barossi Conceito É uma prática conservacionista de caráter mecânico.

Leia mais

Rochas e minerais. Professora Aline Dias

Rochas e minerais. Professora Aline Dias Rochas e minerais Professora Aline Dias Os minerais São substâncias químicas, geralmente sólida, encontradas naturalmente na Terra. São compostos pela união de vários tipos de elementos químicos (silício,

Leia mais

GEOLOGIA PARA ENGENHARIA CIVIL SEDIMENTOS E PROCESSOS SEDIMENTARES: DO GRÃO À ROCHA SEDIMENTAR

GEOLOGIA PARA ENGENHARIA CIVIL SEDIMENTOS E PROCESSOS SEDIMENTARES: DO GRÃO À ROCHA SEDIMENTAR GEOLOGIA PARA ENGENHARIA CIVIL SEDIMENTOS E PROCESSOS SEDIMENTARES: DO GRÃO À ROCHA SEDIMENTAR Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender onde e como se formam os grãos Como ocorre o transporte

Leia mais

EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO

EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO redução da resistência ao cisalhamento em superfícies potenciais de ruptura devido à poropressão ou mesmo a mudanças no teor de umidade do material; o aumento das forças

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO Alessandro de Araújo Cardoso 1,4, Erivelton Campos Cândido 2,4, Daisy Luzia Caetano do Nascimento 2,4, Homero Lacerda 3,4

Leia mais

Fatores de formação do solo

Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Clima Organismos Relevo Solo Tempo Material de Origem Fatores de formação do solo: clima Temperatura, precipitação e deficiência e excedente hídrico

Leia mais

Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915)

Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915) ESTRUTURA GEOLÓGICA Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915) - Harry Hess (1960) Teoria da Tectônica de Placas Sismos A conseqüência do choque entre placas tectônicas são chamadas de abalos

Leia mais

III-097- AVALIAÇÃO DE ÁREA PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO ESTUDO DE CASO

III-097- AVALIAÇÃO DE ÁREA PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO ESTUDO DE CASO III-097- AVALIAÇÃO DE ÁREA PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO ESTUDO DE CASO 1 III-097- AVALIAÇÃO DE ÁREA PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO ESTUDO DE CASO Maria Odete Holanda Mariano (1) Engenheira

Leia mais

Tópicos Especiais de Engenharia Civil ALBUQUERQUE SOBRINHO, E. J. (2010)

Tópicos Especiais de Engenharia Civil ALBUQUERQUE SOBRINHO, E. J. (2010) Tópicos Especiais de Engenharia Civil ALBUQUERQUE SOBRINHO, E. J. (2010) Introdução Investigações diretas e indiretas Qual sua importância e aplicação? Quais as técnicas empregadas nas investigações diretas

Leia mais