Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A"

Transcrição

1 Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Marina Silva Araújo Universidade Federal de Uberlândia Vinícius Borges Moreira Universidade Federal de Uberlândia INTRODUÇÃO: Segundo Marques (1994) as formas de relevo compõem o objeto de estudo da geomorfologia, sendo que estes constituem a base da sobre as quais se fixam as comunidades humanas e por onde são desenvolvidos suas atividades. Outros autores também, define-o como sendo a base e o sustento de toda a porção biótica do planeta, a partir deste raciocínio o estudo das questões geomorfológicas se justificam. Os estudo sobre a evolução do relevo bem sendo cada vez mais estudados na ciência geográfica e podem auxiliar em questão de planejamento territorial, ambiental, dentre outros. Partindo do estudos destes componentes da paisagem é possível compreender a dinâmica da paisagem contribuindo pata o desdobramento das interpretações ambientais e suas condições. De modo a auxiliar nessas interpretações da evolução do relevo há algum tempo (não muito bem mesurado) no contexto geográfico o uso dos Sistemas de Informações Geográficas (SIG) que veem auxiliando cada vez mais nos estudos geomorfológicos, geológicos, climáticos, pedológicos, dentre outros. A facilidade de obtenção de dados confiáveis e o cruzamentos dos mesmos nos permite realizar trabalhos complexos de praticamente todo o território brasileiro, inclusive da área aqui estudada.

2 Estas análises são comumente denominadas de análises geomorfométricas e constituem o estudo quantitativo das formas geomorfológicas. Para seu desenvolvimento utilizou-se além dos SIGs, bases digitais constituídas em Modelos Digitais de Elevação (MDE), e constituindo sempre um acervo de dados geológicos para auxiliar nas interpretações. O trabalho em questão tem como objetivo realizar a compartimentação do relevo em táxons segundo os pressupostos de Ross (1992), estruturando a questão das morfoestruturas e das morfoesculturas. Ressalta-se por tanto de se tratar em uma etapa inicial de um trabalho ainda em desenvolvimento, região de Franca, utilizando como recorte de área a folha SF-23-V-A. A escolha desta área de estudo se deu a complexidade e diversidade da mesma por encontrarem-se em meios a depressões, planaltos, planícies e serras, como será representado mais adiante neste trabalho. Além de estar dividida entre os estados de São Paulo e Minas Gerais, onde o primeiro constitui um relevo compartimento em poucas estruturas, enquanto minas encontra-se uma diversidade imensa de estruturas e composições geológicas e geomorfológicas diferenciadas. A figura 1 demostra o mapa de localização da área em questão estudada.

3 Figura 1: Mapa de localização Folha SF-23-V-A A área de estudo em questão é composta parte pelo estado de Minas Gerais (porção sudoeste) e parte pelo estado de São Paulo (próximo a região de Franca, porção sul do estado), estando posicionadas sobre diversas grandes Unidades Geologica, dentre elas, Bacia Sedimentar Cenozóica, Bacia Sedimentar do Paraná, Cráton do São Francisco e Província Tocantins, sendo que cada uma detas unidades compões diferenças litológicas e de idade muitas vezes demasiadamente discrepantes. Um exemplo disso são as coberturas Cenozóicas datas com aproximadamente 1,6 milhões de anos, coabitando com unidades datadas 3200 milhões de anos como do Cráton do São Francisco representando rochas do mesoarqueano. Sustentando unidades menores como as formações, grupos e subgrupos, acima destas unidades encontram-se a Formação Aquidauana, Grupo Araxá, Formação Botucatu, Complexo Campos Gerais 2, Coberturas Detríticas, Coberturas Detrito- Lateríticas Ferruginosas, Depósitos Aluvionares, Formação Itaqueri, Formação Marília,

4 Subgrupo Paraopeba, Formação Pirambóia, Formação Serra Geral, dentre outros, como fica exposto da figura 2, segundo dados fornecidos pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM,2003). Figura 2: Unidades Geológicas As altitudes nessa região variam entre 450m a 1489m, sendo composta por planícies e terraços fluviais, depressões, planaltos, escarpas, planaltos dissecados, dentre outros. Sua vegetação segundos dados da CPRM e Zoneamento Ecológico Econômico (ZZE) está localizada basicamente na região do bioma cerrado, variando entre campos limpos, campos sujos, matas latifoliadas, campo rupestre, dentre outros. Ainda de acordo com dados do CPRM, seus solos variam entre latossolos, podzólicos, litólicos, dentre outros. OBJETIVOS:

5 Teve-se objetivo principal desta pesquisa realizar diagnóstico inicial do contexto geomorfológico da carta SF-23-V-A, na região de Franca, através da compartimentação do relevo. A partir desta caracterização inicial é possível interpretar a evolução geomorfológica do local, auxilia no entendimento da dinâmica desta paisagem. A partir disto traçou-se os objetivos específicos elaborar mapas temáticos da área, como mapas de declividade, mapas hipsométricos, de localização, levantamento pedológico, e por fim a compartimentação do relevo que nos resulta na caracterização morfoestrutural e morfoescultural. METODOLOGIAS: O artigo está baseado principalmente na metodologia de ROSS (1992) onde as formas de relevo são classificadas de acordo com táxons. Aqui escolhemos trabalhar apenas com o os dois primeiros táxons, sendo eles as morfoestruturas e as morfoesculturas Para que o trabalho em questões fosse desenvolvido optou-se por sua elaboração em ambiente digital, onde utilizamos os softwares Arcgis 9.3 e Envi 4.3. Do mesmo modo foram levantados dados auxiliares para elaboração e interpretação dos mapas, como por exemplo, dados geológicos e hidrológicos oferecidos pelo CPRM. Foram usados também Modelos Digitais de Elevação (MDE) oferecidos pela EMBRAPA, no modelo SRTM, com resolução de 90 metros. A princípio na etapa de montagem dos dados geológicos, foi necessário recortalos para a área de trabalho (uma vez que estes dados foram baixados para todos o estado de Minas e São Paulo), para esta etapa utilizamos a ferramenta Clip do software Arcgis 9.3, em sequência foram escolhidos as categorias de análise que eram interessantes para a análise das compartimentações. A partir disto foram elaborados A partir disto iniciou-se então a etapa de tratamento da imagem SRTM, retirando todas as informações contidas na mesma de nosso interesse. O primeiro dado retirado foram as curvas de nível, as quais são necessárias para a realização do comando TIN, que é composta de uma grade triangular de onde obtemos dados de altimetria e

6 declividade. Ainda utilizando a imagem SRTM foi gerado o relevo sombreado, que consiste em uma imagem articulada a partir de o azimute selecionado, onde suas sombras nos auxiliam em uma visualização mais nítida do relevo. Esta imagem supracitada foi gerada no software ENVI 4.3 e posteriormente exportada para o software Arcgis 9.3. Também foram gerados os dados hidrológicos, também extraídos da imagem SRTM. RESULTADOS PRELIMINARES: A primeira analise consistente para a evolução do trabalho foi a interpretação do contexto geológico resultando no mapa de morfoestruturas, no qual contatou-se as seguintes morfoestruturas: Bacia Sedimentar Cenozóica, Bacia Sedimentar do Paraná, Cráton do São Francisco e Província Tocantins. Ressalta-se portanto que segundo (ROSS, 1992) essas feições representam as maiores formar do relevo estritamente relacionadas as questões litológicas e estruturais do contexto geológico. Estas morfoestruturas ficam expostas no figura 3.

7 Figura : Unidades Morfoestruturais Em sequência para que fossem compartimentadas as unidades morfoesculturais foram utilizados os modelos digitais de elevação de onde foram retirados dados relacionados à análise quantitativa do relevo, como já citado. Os dados hipsométricos (figura 4) demostram a altimetria local definindo patamares de relevo da área de estudo, neste contexto os valores mais elevados encontram-se posicionados na Província Tocantins, na região da Serra da Canastra, e os pontos mais baixos encontram-se na região que se refere a Bacia Sedimentar do Paraná.

8 Figura 4: Mapa Hipsométrico em metros. Já as declividades (figura 5) maiores encontram-se nas regiões escarpadas, também na Serra da Canastra. Juntamente com estes dados foram analisados e correlacionada as imagem sombreada que tem como função a diferenciação da sombra e de rugosidade também associados à perfis topográficos que demostram os padrões

9 altimétricos. Figura 5: Mapa de Declividades em graus. A partir da correlação destes dados foi gerado a compartimentação do contexto geomorfológico em unidades morfoesculturais. Nesta análise classifica-se as morfoestruturas em feições menores de acordo com os dados supracitados. O resultado foi a divisão da Bacia Sedimentar Cenozóica em Coberturas Cimeiras e Planícies e Terraços Fluviais; a Província Tocantins em Depressão do Rio Grande, Planalto Dissecado do Alto Araguari e Serra da Canastra; a Bacia Sedimentar do Paraná em Cuestas Basalticas e Planalto Ocidental Paulista e por fim o Cráton do São Francisco em Planalto dissecado do Centro-Sul. Estes dados foram especializados na figura 6, sendo o objetivo inicial deste trabalho.

10 Figura 6: Unidades Morfoesculturais. A partir disso obtém-se uma importante ferramenta para futuras análises geomorfológicas na área. Além de que observou-se que as técnicas de geoprocessamento empregadas foram de extrema utilidade e relevância, possibilitando obter informações que nos permitem caracterizar as feições geomorfológicas e interpretar seu contexto de gênese, dinâmica e evolução. BIBLIOGRAFIA: Argento, M. S. F. Mapeamento Geomorfológico. In: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. da. (Org.).Geomorfologia: Uma Atualização de Bases e Conceitos. 10. ed. Rio de Janeiro: BertrandBrasil, p Borges, M. E. S. et al. Emprego do processamento digital dos parâmetros morfométricos no mapeamento geomorfológico da bacia do Rio Preto. Espaço & Geografia, Brasilia, v. 10, n. 2, 401 p

11 CPRM - COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS Disponível em: <http://geobank.sa.cprm.gov.br/> Acesso em: 10 mar EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Brasil em Relevo. Disponível em: <http://www.relevobr.cnpm.embrapa.br/>. Acesso em: 10 mar Florenzano, T. G. Sensoriamento Remoto para Geomorfologia. In:. (Org.) Geomorfologia: conceito e tecnologias atuais. São Paulo: Oficina de Textos, cap. 2, p Cartografia. In:.. São Paulo: Oficina de Textos, cap. 4, p INPE INSTITUTO DE PESQUISAS ESPACIAIS. Disponível em: <http://www.dgi.inpe.br/cdsr/>.acesso em: 15 mai PLANO DE MANEJO DA SERRA DA CANASTRA Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/imgs-unidades coservacao /PM _PNSC_Resumo_Executivo.PDF>. Acesso em: 20 mai INDICAÇÃO DO ESTÁGIO DA PESQUISA: Em Andamento

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, DIVISA ENTRE OS ESTADOS DO RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO

CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, DIVISA ENTRE OS ESTADOS DO RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, Ferraz, D. 1 ; Cronemberg, F. 2 ; Vicens, R. 3 ; 1 UFF Email:debora.ferraz93@gmail.com; 2 UFF Email:felipecron@gmail.com; 3 UFF Email:rsvicens@gmail.com;

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO Alessandro de Araújo Cardoso 1,4, Erivelton Campos Cândido 2,4, Daisy Luzia Caetano do Nascimento 2,4, Homero Lacerda 3,4

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO DE JANEIRO

DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO DE JANEIRO DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO Oliveira, P.M.F. 1 ; Silveira, J.L.C. 2 ; Seabra, V.S. 3 ; 1 UERJ-FFP Email:pris.mathias@hotmail.com;

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS.

UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS. UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS. Luiz Antônio de Oliveira Andréa dos Santos Vieira Luiz Antônio de Oliveira. Professor adjunto. Laboratório de Climatologia

Leia mais

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA.

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA. CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO Avelino, E. 1 ; 1 IFBAIANO, CAMPUS CATU Email:ed.avelino@hotmail.com; RESUMO: Esta pesquisa tem o objetivo de mapear as unidades geomorfológicas do município

Leia mais

Classificação de Aroldo de Azevedo

Classificação de Aroldo de Azevedo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo O relevo brasileiro apresenta grande variedade morfológica (de formas), como serras, planaltos, chapadas, depressões, planícies e outras, - resultado da ação, principalmente,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA SENSORIAMENTO REMOTO E SIG NA ANÁLISE AMBIENTAL DA MICROBACIA DO RIO PURAQUEQUARA MANAUS, AM BRASIL Antonio da Mata Pequeno Filho

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

GEOGRAFIA. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÕES: Bacharelado e/ou Licenciatura Noturno. PRAZOS PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

GEOGRAFIA. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÕES: Bacharelado e/ou Licenciatura Noturno. PRAZOS PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos GEOGRAFIA 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÕES: Bacharelado e/ou Licenciatura Noturno GRAUS ACADÊMICOS: Bacharel em Geografia e/ou Licenciado em Geografia PRAZOS PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: UMA ABORDAGEM NO CONTEXTO DO POLO REGIONAL DE GUANAMBI-BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: UMA ABORDAGEM NO CONTEXTO DO POLO REGIONAL DE GUANAMBI-BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: UMA ABORDAGEM NO CONTEXTO DO POLO REGIONAL DE GUANAMBI-BAHIA Olieira Junior, I. 1 ; Vale, R.M.C. 2 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Email:iojjunior@gmail.com;

Leia mais

NOTAS TÉCNICAS DO BANCO DE DADOS DO ATLAS DIGITAL GEOAMBIENTAL QUADRILÁTERO FERRÍFERO

NOTAS TÉCNICAS DO BANCO DE DADOS DO ATLAS DIGITAL GEOAMBIENTAL QUADRILÁTERO FERRÍFERO NOTAS TÉCNICAS DO BANCO DE DADOS DO ATLAS DIGITAL GEOAMBIENTAL QUADRILÁTERO FERRÍFERO Segunda versão: 21 de maio de 2015 Elaboração INSTITUTO PRISTINO Apoio SOBRE AS NOTAS TÉCNICAS DO BANCO DE DADOS DO

Leia mais

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING.

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. RODRIGUES, Caroline Gomes 1, COSTA, Bruno Lopes ², CORREIA, Mariana Ribeiro³ 1 Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE TERRAÇOS FLUVIAIS NO RIO ITAPICURU (BA) POR MEIO DE DIFERENTES PRODUTOS DE SENSORES REMOTOS

IDENTIFICAÇÃO DE TERRAÇOS FLUVIAIS NO RIO ITAPICURU (BA) POR MEIO DE DIFERENTES PRODUTOS DE SENSORES REMOTOS IDENTIFICAÇÃO DE TERRAÇOS FLUVIAIS NO RIO ITAPICURU (BA) POR Lima, K.C. 1 ; Perez Filho, A. 2 ; 1 UNICAMP Email:kleberlima@ige.unicamp.br; 2 UNICAMP Email:archi@ige.unicamp.br; RESUMO: Identificamos os

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA FOLHA ITAPOROROCA, NA BORDA ORIENTAL DO ESTADO DA PARAÍBA

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA FOLHA ITAPOROROCA, NA BORDA ORIENTAL DO ESTADO DA PARAÍBA CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA FOLHA ITAPOROROCA, NA BORDA ORIENTAL DO ESTADO DA PARAÍBA Wesley Ramos Nóbrega¹, Alexandre dos Santos Sousa¹, Diego Nunes Valadares¹, Max Furrier¹ wesjppb@gmail.com ¹Universidade

Leia mais

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem RESUMO FRANCISCO F. N. MARCUZZO SGB / CPRM Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites.

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. 1. Comparação entre as Classificações do Relevo Brasileiro

Leia mais

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução ANÁLISE COMPARATIVA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS SAGRADO E MARUMBI: PRINCIPAIS CONDICIONANTES FÍSICOS PREDOMINANTES NA OCORRÊNCIA DE MOVIMENTOS DE MASSA¹ Universidade Federal do Paraná (UFPR) Juliana

Leia mais

NOTAS TÉCNICAS DO BANCO DE DADOS DO ATLAS DIGITAL GEOAMBIENTAL BACIA DO SANTO ANTÔNIO

NOTAS TÉCNICAS DO BANCO DE DADOS DO ATLAS DIGITAL GEOAMBIENTAL BACIA DO SANTO ANTÔNIO NOTAS TÉCNICAS DO BANCO DE DADOS DO ATLAS DIGITAL GEOAMBIENTAL BACIA DO SANTO ANTÔNIO Terceira versão: 03 de julho de 2015 Elaboração INSTITUTO PRISTINO institutopristino.org.br Apoio SOBRE AS NOTAS TÉCNICAS

Leia mais

Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO.

Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO. Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO. Marcos Vinícius Alexandre da SILVA Instituto de Estudos Sócio-Ambientais - IESA/UFG Mestrando em Geografia marcosalexandregeo@gmail.com

Leia mais

MUDANÇAS SÓCIO-ESPACIAIS DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DA HIDRELÉTRICA DO FUNIL (MG)

MUDANÇAS SÓCIO-ESPACIAIS DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DA HIDRELÉTRICA DO FUNIL (MG) MUDANÇAS SÓCIO-ESPACIAIS DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DA HIDRELÉTRICA DO FUNIL (MG) MÁRIA BRUNA PEREIRA RIBEIRO¹, CASSIANO GUSTAVO MESSIAS² MARTA FELICIA MARUJO FERREIRA 3 mariabruna9@yahoo. com.br, cassiano_lavras@hotmail.com,

Leia mais

Análise do Relevo do Litoral Norte Paulista (Brasil) Através da Cartografia Geomorfológica

Análise do Relevo do Litoral Norte Paulista (Brasil) Através da Cartografia Geomorfológica Análise do Relevo do Litoral Norte Paulista (Brasil) Através da Cartografia Geomorfológica Cleberson Ernandes de Andrade 1 Cenira Maria Lupinacci da Cunha 2 1 Graduando em Geografia, bolsista CNPq/PIBIC

Leia mais

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 PIAZZA, Eliara Marin 2 ; GONSALVEZ, Lilian Mariano 2 ; BREUNIG, Fábio Marcelo

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS FERNANDES, Marianne Durães 1 Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES mari170191@yahoo.com.br

Leia mais

Módulo 4. Uso do GPS voltado para coleta de dados e a práticas educacionais.

Módulo 4. Uso do GPS voltado para coleta de dados e a práticas educacionais. UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Licenciatura Plena em Geografia Disciplina: Cartografia B Carga Horária: 60hs Teórica: 32hs Prática: 28hs Semestre: 2013.2 Professor: Antonio Marcos dos

Leia mais

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA Clima urbano e qualidade socioambiental Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim João Lima Sant Anna Neto Este projeto tem como objetivo identificar como se processa a produção do clima urbano em cidades

Leia mais

NOTAS TÉCNICAS DO BANCO DE DADOS DO ATLAS DIGITAL GEOAMBIENTAL VALE DO PEIXE BRAVO

NOTAS TÉCNICAS DO BANCO DE DADOS DO ATLAS DIGITAL GEOAMBIENTAL VALE DO PEIXE BRAVO NOTAS TÉCNICAS DO BANCO DE DADOS DO ATLAS DIGITAL GEOAMBIENTAL VALE DO PEIXE BRAVO Terceira versão: 03 de julho de 2015 Elaboração INSTITUTO PRISTINO institutopristino.org.br Apoio SOBRE AS NOTAS TÉCNICAS

Leia mais

IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO ARAQUÁ (SÃO PEDRO SP)

IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO ARAQUÁ (SÃO PEDRO SP) IMPACTOS DE ATIVIDADES DE MINERAÇÃO NA DINÂMICA FLUVIAL DO Ribeiro, D.F. 1 ; Cunha, C.M.L. 2 ; 1 UNESP Email:dani_ferry@msn.com; 2 UNESP Email:cenira@rc.unesp.br; RESUMO: As atividades mineradoras causam

Leia mais

Modelagem Digital do Terreno

Modelagem Digital do Terreno Geoprocessamento: Geração de dados 3D Modelagem Digital do Terreno Conceito Um Modelo Digital de Terreno (MDT) representa o comportamento de um fenômeno que ocorre em uma região da superfície terrestre

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DO ESTADO DO PARANÁ * OKA-FIORI, C. 1 1 Universidade Federal do Paraná, Professora Doutora, chisato@ufpr.br.

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DO ESTADO DO PARANÁ * OKA-FIORI, C. 1 1 Universidade Federal do Paraná, Professora Doutora, chisato@ufpr.br. RESUMO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO PRELIMINAR DO ESTADO DO PARANÁ * OKA-FIORI, C. 1 1 Universidade Federal do Paraná, Professora Doutora, chisato@ufpr.br. SANTOS, L. J. C. 2 2 Universidade Federal do Paraná,

Leia mais

Nesta 2º Circular divulgamos as seguintes informações

Nesta 2º Circular divulgamos as seguintes informações 2ª Circular Nesta 2º Circular divulgamos as seguintes informações 1. Prazos e Normatizações dos EDP s (Espaços de Diálogos e Práticas) 2. Prazos e Normatizações das Oficinas e Mini-Cursos 3. Valores de

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ/RO

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ/RO ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ/RO Jéssica Cristina Carreira ¹ Graduanda em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Rondônia - UNIR, Campus de Ji-Paraná. Curso técnico/ profissionalizante

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

Prof. Tiago Badre Marino Geoprocessamento Departamento de Geociências Instituto de Agronomia - UFRRJ. Aquisição de dados cartográficos a partir da Web

Prof. Tiago Badre Marino Geoprocessamento Departamento de Geociências Instituto de Agronomia - UFRRJ. Aquisição de dados cartográficos a partir da Web Exercício Objetivo Aplicativos Entrar nas diferentes fontes de dados cartográficos e imagens de sensoriamento remoto existentes no Brasil e executar os procedimentos para download destes dados disponíveis

Leia mais

O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB

O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB Erbeth Yuri dos Santos Nascimento¹, Antônio Pereira

Leia mais

Caracterização de subambientes costeiros com base na análise de superfície de tendência: exemplo do delta do rio Doce

Caracterização de subambientes costeiros com base na análise de superfície de tendência: exemplo do delta do rio Doce Caracterização de subambientes costeiros com base na análise de superfície de tendência: exemplo do delta do rio Doce Polizel, S.P. (INPE) ; Cremon, E.H. (INPE) ; Rossetti, D.F. (INPE) RESUMO Esse trabalho

Leia mais

O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS

O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS Raony Moreira Gomes Yamaciro Geógrafo raony.shiro@gmail.com Abstract. The present study aimed

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade.

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade. CARACTERIZACÃO AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SANGUE, JAURU - MT, VISANDO O LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Aldo Max Custódio (1) ; Ms. Juberto Babilônia de

Leia mais

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL*

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* BOLFE, É. L. 1 I. INTRODUÇÃO A necessidade de conhecer os modelos atuais de uso da terra e as modificações

Leia mais

Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo

Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo Resumo Alessandra G. Soares (alessandra.soares@usp.br)* Daniela Luz Carvalho

Leia mais

ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO

ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO Ana Karolina de Oliveira Sousa (1); Antônio Sávio Magalhaes de Sousa (2); Maria Losângela Martins de Sousa (3); Eder

Leia mais

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Murilo R. D. Cardoso Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/GO

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

Relatório de Campo (operação II)

Relatório de Campo (operação II) Relatório de Campo (operação II) Referente a Definição de Áreas Prioritárias para Conservação do Estado de Goiás, Brasil Consórcio Imagem - WWF Brasil NOVEMBRO DE 2004 1 SUMÁRIO 1.0 Objetivos... 3 2.0

Leia mais

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS Passos, N.O. (UFBA) ; Melo, D.H.C.T.B. (UFBA) RESUMO Apresenta-se os principais resultados obtidos na

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA E ANÁLISE DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO NIOAQUE UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

CARACTERIZAÇÃO DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA E ANÁLISE DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO NIOAQUE UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS CARACTERIZAÇÃO DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA E ANÁLISE DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO NIOAQUE UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS MSc. Emerson Figueiredo Leite 1 Dr. Roberto Rosa 2 1 Doutorando

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE Neise Mare de Souza Alves 1,2 ; Débora Barbosa da Silva 1,2 ; Aracy Losano

Leia mais

I Encontro Brasileiro de usuários QGIS

I Encontro Brasileiro de usuários QGIS I Encontro Brasileiro de usuários QGIS Uso do QGIS no Processamento Digital de Imagens de Sensoriamento Remoto Jorge Santos jorgepsantos@outlook.com www.processamentodigital.com.br Dicas, tutoriais e tudo

Leia mais

Mapeamento Geomorfológico a partir de dados SRTM: Município de Teresina, Piauí

Mapeamento Geomorfológico a partir de dados SRTM: Município de Teresina, Piauí Mapeamento Geomorfológico a partir de dados SRTM: Município de Teresina, Piauí Maria Valdirene Araújo Rocha Moraes 1 Iracilde Maria de Moura Fé Lima 2 1 Universidade Federal do Piauí UFPI/DGH valdirene@ufpi.edu.br

Leia mais

Centro Universitário de Belo Horizonte- UNIBH EDUCAÇÃO AMBIENTAL: BIODIVERSIDADE E URBANIZAÇÃO DO PARQUE AGGEO PIO SOBRINHO/BURITIS, BELO HORIZONTE/MG

Centro Universitário de Belo Horizonte- UNIBH EDUCAÇÃO AMBIENTAL: BIODIVERSIDADE E URBANIZAÇÃO DO PARQUE AGGEO PIO SOBRINHO/BURITIS, BELO HORIZONTE/MG Centro Universitário de Belo Horizonte- UNIBH EDUCAÇÃO AMBIENTAL: BIODIVERSIDADE E URBANIZAÇÃO DO PARQUE AGGEO PIO SOBRINHO/BURITIS, BELO HORIZONTE/MG Cleane Fernandes Britis¹; Denílson Martins Sabino

Leia mais

Anexo II - Termo de Referência

Anexo II - Termo de Referência Aneo II - Termo de Referência 1. Antecedentes O projeto BRA/11/001 tem como objetivo cooperar, por meio de suporte técnico ao Ministério do Meio Ambiente, para a implementação dos dispositivos da Convenção

Leia mais

Geração do Fator Topográfico (LS) da EUPS para Modelagem Erosiva de Bacia Hidrográfica

Geração do Fator Topográfico (LS) da EUPS para Modelagem Erosiva de Bacia Hidrográfica VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 Geração do Fator Topográfico (LS) da EUPS para Modelagem Erosiva

Leia mais

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI UTILIZAÇÃO DO GEOPROCESSAMENTO PARA ESTUDOS ECOLÓGICOS DA REGIÃO DA SUB-BACIA DO RIO CAPIVARI-BA NOS MUNICÍPIOS DE CRUZ DAS ALMAS, MURITIBA E SÃO FÉLIX. Autor: Gabriel Barbosa Lobo Instituição: Escola

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA 47 CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA Este capítulo se refere ao estudo das estruturas geológicas rúpteis e do resultado de sua atuação na compartimentação morfoestrutural da área. Para tanto, são

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS EMENTAS DO CURSO DE GEOGRAFIA CURRÍCULO NOVO, A PARTIR DE 2011 NÍVEL I 15359-04 Epistemologia da Geografia Introdução ao campo teórico da Geografia. Construção de uma Base Teórica e Epistemológica dos

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES DE RELEVO DO ESTADO DO PARÁ

MAPEAMENTO DE UNIDADES DE RELEVO DO ESTADO DO PARÁ MAPEAMENTO DE UNIDADES DE RELEVO DO ESTADO DO PARÁ Furtado, A.M.M. (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ) ; Ponte, F.C. (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ) RESUMO Este trabalho é uma análise sumária do mapeamento geomorfológico

Leia mais

A DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO TRÁFICO DE DROGAS EM BELO HORIZONTE E SUAS CORRELAÇÕES ESPACIAIS

A DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO TRÁFICO DE DROGAS EM BELO HORIZONTE E SUAS CORRELAÇÕES ESPACIAIS 66 A DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO TRÁFICO DE DROGAS EM BELO HORIZONTE E SUAS CORRELAÇÕES ESPACIAIS Resumo Nina Ferraz Tolentino 1 Orientador: Alexandre Magno Alves Diniz 2 O aumento da violência ao longo

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS NA BACIA DO RIO TAPEROÁ, REGIÃO SEMIÁRIDA DA PARAÍBA, UTILIZANDO MODELO DIGITAL DE ELEVAÇÃO (MDE) TOPODATA

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS NA BACIA DO RIO TAPEROÁ, REGIÃO SEMIÁRIDA DA PARAÍBA, UTILIZANDO MODELO DIGITAL DE ELEVAÇÃO (MDE) TOPODATA MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS NA BACIA DO RIO Xavier, R.A. 1 ; Seabra, V.S. 2 ; Damasceno, J. 3 ; Dornellas, P.C. 4 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA Email:xavierra@uol.com.br; 2 FFP/UERJ Email:vinigeobr@yahoo.com.br;

Leia mais

Escola Secundária de São João da Talha Geologia 2º Período. Trabalho realizado por: Joana Pires e Ludmila 12ºB

Escola Secundária de São João da Talha Geologia 2º Período. Trabalho realizado por: Joana Pires e Ludmila 12ºB Escola Secundária de São João da Talha Geologia 2º Período Trabalho realizado por: Joana Pires e Ludmila 12ºB Estabeleça a diferença entre carta topográfica e carta geológico. A carta topográfica é uma

Leia mais

Sites de produtos gratuitos utilizados no curso de ArcGis

Sites de produtos gratuitos utilizados no curso de ArcGis Sites de produtos gratuitos utilizados no curso de ArcGis Sites visitados em 01/10/09 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Link: http://www.ibge.gov.br/home/ O IBGE disponibiliza alguns

Leia mais

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar Nº 20080901 Setembro - 2008 Maria Luiza Furtado de Mendonça, Luiz Roberto

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto

2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto 2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto 2.1. Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens entende-se como a manipulação de uma imagem por computador de modo que a entrada

Leia mais

Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; Email:natachaaleixo@yahoo.com.br;

Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; Email:natachaaleixo@yahoo.com.br; SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA APLICADAS À ANÁLISE DA Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; 1 UEA Email:nsacj@hotmail.com; 2 UEA Email:joaokandido@yahoo.com.br; 3 UEA Email:natachaaleixo@yahoo.com.br;

Leia mais

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG)

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG) USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Junior, W. 2 ; Prado, R.B. 3 ; Calderano, S.B. 4 ; 1 EMBRAPA - CNPS Email:braz.calderano@embrapa.br; 2 EMBRAPA- CNPS Email:waldir.carvalho@embrapa.br;

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2

Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2 Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2 1. Um pesquisador visitou as cidades de Salvador, Brasília e Manaus para caracterizar o compartimento geomorfológico de cada uma delas. Ao final do trabalho

Leia mais

MARCELO DA SILVA GIGLIOTTI

MARCELO DA SILVA GIGLIOTTI ecaracterização DA COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - SP A PARTIR DO USO DE IMAGEMS LANDSAT 7 ETM+ E ANÁLISE MORFOMÉTRICA EM SIG MARCELO DA SILVA GIGLIOTTI Mestrando

Leia mais

ANEXO II: Resumo do Projeto

ANEXO II: Resumo do Projeto ANEXO II: Resumo do Projeto A- PROJETO 1-Título: Aplicação de Geoprocessamento Visando Controle e Contenção de Desmoronamentos e Deslizamentos dos Morros no Município de Jaboatão dos Guararapes - PE: Uma

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ JULIA S. MELLO 1 ; DANIEL de C. VICTORIA 2 Nº 10505 RESUMO Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são importantes ferramentas

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: CARTOGRAFIA E TOPOGRAFIA CÓDIGO: CRT003 CLASSIFICAÇÃO: Obrigatória PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA : 30 horas

Leia mais

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG.

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. Resumo Cristina Silva de Oliveira¹ (UFJF³, chrisoliveira.jf@gmail.com) Daiane Evangelista

Leia mais

Geral : Geração de Modelo Digital de Terreno (MDT) da bacia do ribeirão Taquarussu no município de Palmas /TO.

Geral : Geração de Modelo Digital de Terreno (MDT) da bacia do ribeirão Taquarussu no município de Palmas /TO. TERMO DE REFERENCIA SERVIÇO DE GERAÇÃO DO MODELO DIGITAL DE TERRENO (MDT) DA BACIA DO RIBEIRÃO TAQUARUSSU NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TO A. BACKGROUND A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins

Leia mais

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais.

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Bruno Alves Nobre Bolsista da FAPEMIG bruno.nobre13@gmail.com Marcos Esdras Leite Professor Dr. Dep. de

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO Gilvonete Maria Araujo de Freitas 1 ; Max Furrier 1 gilvonetefreitas@bol.com.br

Leia mais

Daniela de Azeredo França Delano Menecucci Ibanez Nelson Jesus Ferreira

Daniela de Azeredo França Delano Menecucci Ibanez Nelson Jesus Ferreira Detecção de mudanças e elaboração de cartas de unidades de paisagem e de uso do solo a partir de imagens TM-LANDSAT: o exemplo de São José dos Campos - SP Daniela de Azeredo França Delano Menecucci Ibanez

Leia mais

BASE DE DADOS GEORREFERENCIADOS DAS CAVIDADES NATURAIS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

BASE DE DADOS GEORREFERENCIADOS DAS CAVIDADES NATURAIS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE BASE DE DADOS GEORREFERENCIADOS DAS CAVIDADES NATURAIS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Jocy CRUZ *; Solon R. de ALMEIDA NETTO **; Carlos Rostand F. MEDEIROS ***; Uílson CAMPOS * * - cecav.rn@ibama.gov.br

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E MORFOESTRUTURA DA CARTA JACUMÃ, ESTADO DA PARAÍBA, REGIÃO NORDESTE DO BRASIL

GEOMORFOLOGIA E MORFOESTRUTURA DA CARTA JACUMÃ, ESTADO DA PARAÍBA, REGIÃO NORDESTE DO BRASIL GEOMORFOLOGIA E MORFOESTRUTURA DA CARTA JACUMÃ, ESTADO DA PARAÍBA, REGIÃO NORDESTE DO BRASIL Max Furrier 1 ; Mª Emanuella F. Barbosa 1, 2 mariaemanuellaf@gmail.com 1 Universidade Federal da Paraíba (UFPB);

Leia mais

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM SPRING 5.0 1 O objetivo deste tutorial é apresentar de forma simples e prática como construir, no Spring, mapa de declividade a partir de dados do SRTM.

Leia mais

Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares.

Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares. Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares. Nome do Autor 1: Wagner Santos de Almeida Universidade de Brasília,

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA E GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA SALSA, LITORAL SUL DO ESTADO DA PARAÍBA/BRASIL

ANÁLISE MORFOMÉTRICA E GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA SALSA, LITORAL SUL DO ESTADO DA PARAÍBA/BRASIL ANÁLISE MORFOMÉTRICA E GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA SALSA, LITORAL SUL DO ESTADO DA PARAÍBA/BRASIL RESUMO Barbosa, Mª E. F. Nascimento, J. J de S. Furrier, M. Departamento de Geociências

Leia mais

USO DO SOFTWARE LIVRE gvsig NA ANALISE AMBIENTAL PARA REATIVAÇÃO DE UMA MICROCENTRAL HIDRELÉTRICA

USO DO SOFTWARE LIVRE gvsig NA ANALISE AMBIENTAL PARA REATIVAÇÃO DE UMA MICROCENTRAL HIDRELÉTRICA USO DO SOFTWARE LIVRE gvsig NA ANALISE AMBIENTAL PARA REATIVAÇÃO DE UMA MICROCENTRAL HIDRELÉTRICA Francienne Gois Oliveira; Maria Jorgiana F. Dantas; Odivaldo José Seraphim UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Leia mais

16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas

16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas 16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas A carta topográfica é um documento cartográfico que pode ser utilizado para inúmeros fins, como elaboração de bases cartográficas

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ÁREAS VEGETADAS PARA A ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR: UM ESTUDO DE CASO DOS BAIRROS BENFICA E CENTRO, JUIZ DE FORA MG.

LEVANTAMENTO DAS ÁREAS VEGETADAS PARA A ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR: UM ESTUDO DE CASO DOS BAIRROS BENFICA E CENTRO, JUIZ DE FORA MG. LEVANTAMENTO DAS ÁREAS VEGETADAS PARA A ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR: UM ESTUDO DE CASO DOS BAIRROS BENFICA E CENTRO, JUIZ DE FORA MG. Resumo Débora Couto de Assis Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

Municípios de Minas Gerais figuram no topo do ranking de desmatamento da Mata Atlântica nos últimos 15 anos

Municípios de Minas Gerais figuram no topo do ranking de desmatamento da Mata Atlântica nos últimos 15 anos Municípios de Minas Gerais figuram no topo do ranking de desmatamento da Mata Atlântica nos últimos 15 anos Fundação SOS Mata Atlântica lança nesta semana o hotsite Aqui Tem Mata, que mostra de forma interativa

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS SOLOS DA BACIA DO CÓRREGO DO CEMITÉRIO, MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

CARACTERIZAÇÃO DOS SOLOS DA BACIA DO CÓRREGO DO CEMITÉRIO, MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. CARACTERIZAÇÃO DOS SOLOS DA BACIA DO CÓRREGO DO CEMITÉRIO, MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. DIOGO OLIVETTI¹ e RONALDO LUIZ MINCATO² di_olivetti@hotmai.com, rlmincato@uol.com.br ¹ Graduando do curso de Geografia

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

MAPEAMENTO DAS UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS DOS MUNICÍPIOS DE CASTELO DO PIAUÍ E JUAZEIRO DO PIAUÍ, PIAUÍ, BRASIL

MAPEAMENTO DAS UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS DOS MUNICÍPIOS DE CASTELO DO PIAUÍ E JUAZEIRO DO PIAUÍ, PIAUÍ, BRASIL MAPEAMENTO DAS UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS DOS MUNICÍPIOS DE dos Santos, F.A. 1 ; 1 IFPI / UFPI Email:francilio.amorim@ifpi.edu.br; RESUMO: O estudo objetivou identificar as características geoambientais

Leia mais

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS V Co ló qu i o B ra si l ei ro d e Ci ên ci a s Geo d ési ca s ISSN 1981-6251, p. 910-914 ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA. 1.1 Introdução

1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA. 1.1 Introdução TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA, PESSOA FÍSICA, NA ÁREA DE MAPEAMENTO GEOLÓGICO E GEOPROCESSAMENTO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE ALERTA PRECOCE DE SECA E DESERTIFICAÇÃO. 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais