Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn"

Transcrição

1 45 4. FÁCIES SEDIMENTARES E AMBIENTES DEPOSICIONAIS Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn e Moraes (1989) como complexos turbidíticos canalizados, com base nos afloramentos desta formação. Entretanto, estes mesmos afloramentos foram reanalisados por d Avila et al. (2002), que apresentaram uma nova interpretação para estes sedimentos. Figura 9: Localização dos poços estudados, adaptado de Bruhn & Moraes, 1989.

2 46 Com base nas evidências de campo, d Avila et al. (2002) sugerem que os depósitos aflorantes da Formação Urucutuca tenham sido gerados pela escavação contínua do Cânion de Almada em direção ao continente, onde teria atingido um estuário. Segundo o estudo de d Avila et al. (2002), o cânion de Almada teria provocado uma escavação contínua em direção ao continente, onde teria atingido um embayment estuarino, no qual chegariam rios de montanha. Estes rios depositariam a carga sedimentar no estuário e esta seria posteriormente retrabalhada pela oscilação da maré, formando estruturas wavy, linsen, ripples, mud coupplets nos arenitos. A interpretação paleoecológica destas rochas indica um ambiente costeiro raso (Strohschöen & Dino; apud: d Avila, 2002). Estes sedimentos apresentam erosão por fluxos gravitacionais conglomeráticos canalizados, originados, possivelmente, por cheias fluviais dos rios que cortavam as montanhas em volta. Assim, o estuário, em meio aos altos do embasamento, agiria amplificando o efeito das marés e receberia os fluxos turbidíticos. A presença de paraconglomerados intercalados aos depósitos de marés indicaria que o relevo da região era relativamente acentuado. De acordo com os dados de Strohschöen & Dino (apud: d Avila et al., 2002), o contexto deposicional seria bastante raso na porção oeste do cânion (cabeceira), e a seção tornar-seia progressivamente mais profunda para leste, onde ocorrem turbiditos canalizados, associados a depósitos de slumps e debris flows. As amostras de arenito utilizadas neste estudo petrográfico são provenientes de testemunhos dos poços estratigráficos F1 (246,45 m), F2 (182,45 m) e F3 (177,90 m), de testemunhagem intercalada com uma broca descontínua, e obtidos pelo convênio UENF, PETROBRAS e UERJ (inseridos no projeto Estudo Geológico de Afloramentos Análogos aos Reservatórios Turbidíticos da Bacia de Campos ). Estes poços amostraram os sedimentos da Formação Urucutuca localizados na porção emersa da Bacia de Almada (Fig. 9).

3 47 Nestes poços foram distintos dois grupos de fácies sedimentares, o grupo que representa os depósitos de maré e o grupo que representa os depósitos turbidíticos, sendo que destes grupos, somente as fácies arenosas e conglomeráticas foram amostradas para o estudo de petrografia quantitativa. Depósitos de Maré: Arenitos com lentes de lama (All) Arenitos de tamanho de grão muito variado, desde muito finos, finos, médios e até grossos / muito grossos, com ripples e intercalações de lentes de lamas, comumente duplas (mud coupplets), (Fig. 10), compostas por lama e clastos intrabaciais, formando estruturas do tipo flaser (Fig. 10) e wavy (Fig. 12). Figura 10: Esquerda: arenitos com mud coupplets e ripples. Direita: Arenito com lentes de lama gerando a estrutura flaser. As ripples apresentam concentrações de minerais opacos na porção anterior, e na porção frontal formam-se planos com concentração de matriz deposicional e pequenos clastos intrabaciais (Fig. 11). Os grãos são moderadamente selecionados, subangulosos a subarredondados, com empacotamento aberto.

4 48 Figura 11: Esquerda: concentrações de opacos na porção anterior de ripple (4X- LN), Direita: concentração de intraclastos na porção frontal das ripples (4X- LN). Figura 12: Esquerda: Arenito com lentes de lama gerando a estrutura wavy, e com mud coupplets no topo. Direita: arenito com estrutura wavy e bioturbação associada. Esses arenitos comumente possuem matriz deposicional e apresentam icnofósseis do tipo Ophiomorpha (Fig. 13), que são icnitos de alimentação e habitação gerados pela ação de artrópodes crustáceos (Fernandes et al., 2002).

5 49 Figura 13: Esquerda: Detalhe de bioturbação do tipo Ophiomorpha. Direita: Arenito com estrutura sedimentar destruída pela sobreposição da bioturbação. Folhelhos: lamitos friáveis, com fissilidade, de cor cinza escura a preta, compostos por lama argilosa, micas e matéria orgânica. Apresentam-se intercalados com lentes arenosas (linsen) delgadas (Fig. 14). Esta feição sugere a ação das marés ao longo do cânion. Possuem também algumas concreções carbonáticas com fraturas características de septárias. Possuem porções milimétricas de silte e areia fina. Apresentam bioturbações do tipo Chondrites. Lamito Maciço: lamitos cinza escuros a pretos compostos por lama argilosa, micas, matéria orgânica e fósseis (Fig. 14). Apresentam localmente intercalações de lentes de areia média e grânulos dispersos. Também ocorrem bioturbações horizontais. Possuem localmente nódulos calcíferos. Siltito Maciço: siltitos de cor cinza, maciço. Ocorrência restrita.

6 50 Figura 14: Esquerda: Folhelho com lentes de areia gerando estrutura do tipo linsen. Direita: lamito maciço com fóssil. Fácies Turbidíticas: Arenito com estratificação plano paralela (App) Arenitos médios a grossos com estratificação plano-paralela (Fig. 15), cor cinza clara, com pequenas variações internas para tamanhos grânulo e seixo. Estas rochas têm seleção boa, apresentando níveis de grânulos de intraclastos e fragmentos de rocha. Os grãos são subangulosos a subarredondados, com empacotamento aberto, sendo a maioria dos contatos grão/cimento ou pontuais. Arenito Maciço (Am) Arenitos médios a grossos e maciços (Fig. 15). São moderadamente selecionados, apresentando grânulos de intraclastos e fragmentos de rocha. Os grãos são subangulosos a subarredondados, com empacotamento aberto.

7 51 Figura 15: Esquerda: arenito com estratificação plano-paralela. Direita: Arenito maciço. Conglomerado Seixoso Maciço com Intraclastos (Csmi) Conglomerados seixosos, maciços, com matriz de arenito grosso a muito grosso, contendo pequenas quantidades de grãos intrabaciais. A quantidade de matriz varia, sendo que algumas rochas apresentam-se totalmente suportadas pelos grãos enquanto outras são suportadas pela matriz arenosa (Fig. 16). A composição dos seixos é dominantemente de rochas plutônicas, com alguns fragmentos de rochas gnássicas subordinados, e eles têm forma arredondada a subarredondada. A seleção é muito pobre e os grãos da matriz são subangulosos (observações em grãos de quartzo), o empacotamento é aberto, sendo a maioria dos contatos grão/cimento ou grão/não grão ou ainda pontuais.

8 52 Figura 16: Esquerda: conglomerado com baixo teor de matriz arenosa, com poros secundários gerados pela dissolução de alguns componentes (indicados por setas). Foram também descritos lamitos deformados, característicos de depósitos de slump. Estes lamitos possuem as mesmas características composicionais dos demais lamitos in situ, porém, apresentam-se bastante deformados por dobramentos. Segundo Walker (1992), o termo slump é usado para descrever grupos de camadas deformadas, muito dobradas, geradas pela queda, ou deslocamento de sedimentos previamente depositados (já um pouco consolidados), devido a uma situação de instabilidade, que pode ser gerada pela carga excessiva ou pelo tectonismo na bacia. Ocorrem, freqüentemente associados aos conglomerados, depósitos de diamictitos com arcabouço formado por grânulos e seixos de composição variada, desde quartzo e fragmentos plutônicos até intraclastos lamosos, bioclastos e concreções carbonáticas. A matriz é composta por uma mistura de lama, silte e areia.

9 53 Figura 17:Esquerda: Lamito deformado, provavelmente devido a um processo de slump. Direita: Diamictito provavelmente resultante da ação de fluxos de detritos dentro da bacia. Segundo Walker (1992), os depósitos de diamictitos podem também ser chamados de lamitos seixosos e podem ser gerados por fluxos de detritos (debris flows) dentro da bacia. Estes fluxos remobilizam sedimentos pouco consolidados, que são ricos em lama misturada com água e possuem coesão. Assim esta lama suporta os clastos mais grossos durante o episódio de transporte e deposição.

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

A macroporosidade representa o somatório da porosidade primária e da porosidade

A macroporosidade representa o somatório da porosidade primária e da porosidade 108 5. 3. MACROPOROSIDADE A macroporosidade representa o somatório da porosidade primária e da porosidade secundária, ou seja, a porosidade total da amostra, desconsiderando a porosidade não observável

Leia mais

A Geologia no litoral do Alentejo

A Geologia no litoral do Alentejo A Geologia no litoral do Alentejo Manuel Francisco Pereira (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Carlos Ribeiro (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Cristina Gama (Prof.ª Auxiliar da Universidade

Leia mais

Dissertação de Mestrado Cardoso, F. M. C. 59

Dissertação de Mestrado Cardoso, F. M. C. 59 Dissertação de Mestrado Cardoso, F. M. C. 59 A presença de depósitos de preenchimento de canais fluviais, com níveis gerados por fluxos torrenciais e a ausência de depósitos de planície de inundação, permitem

Leia mais

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas:

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas: O que são rochas? Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na natureza para atender as necessidades da humanidade.

Leia mais

GEOLOGIA PARA ENGENHARIA CIVIL SEDIMENTOS E PROCESSOS SEDIMENTARES: DO GRÃO À ROCHA SEDIMENTAR

GEOLOGIA PARA ENGENHARIA CIVIL SEDIMENTOS E PROCESSOS SEDIMENTARES: DO GRÃO À ROCHA SEDIMENTAR GEOLOGIA PARA ENGENHARIA CIVIL SEDIMENTOS E PROCESSOS SEDIMENTARES: DO GRÃO À ROCHA SEDIMENTAR Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender onde e como se formam os grãos Como ocorre o transporte

Leia mais

Rochas e minerais. Professora Aline Dias

Rochas e minerais. Professora Aline Dias Rochas e minerais Professora Aline Dias Os minerais São substâncias químicas, geralmente sólida, encontradas naturalmente na Terra. São compostos pela união de vários tipos de elementos químicos (silício,

Leia mais

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS Renato de Lima Hingel 1;3 ; Mônica dos Santos Marçal 2 ; Telma Mendes da Silva 2 rengeografia@yahoo.com.br;

Leia mais

Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Exatas Departamento de Geociências. Capítulo 11:

Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Exatas Departamento de Geociências. Capítulo 11: Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Exatas Departamento de Geociências Geologia Capítulo 11: Movimento de Massa Clauzionor Lima da Silva Movimento de Massa Inclui todos os processos

Leia mais

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo Geologia da Bacia do Paraná Antonio Liccardo A Bacia do Paraná Localização das bacias fanerozóicas no Brasil Bacia sedimentar Região recebe aporte de material por estar abaixo do nível regional, acumulando

Leia mais

Área Conceição da Barra

Área Conceição da Barra Área Conceição da Barra Aviso importante A utilização desses dados e informações é de responsabilidade exclusiva de cada usuário, não podendo ser imputada à Agencia Nacional do Petróleo, Gás Natural e

Leia mais

Silva, M. G. 1999 Dissertação de Mestrado

Silva, M. G. 1999 Dissertação de Mestrado 51 5.4 - Processos Atuantes Apesar dos minerais pesados serem indicadores sensitivos da composição mineralógica da área fonte, a composição da assembléia de minerais pesados é afetada por uma variedade

Leia mais

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS Aracy Losano Fontes¹; Aracy Losano Fontes Correia²; Neise Mare de Souza Alves³; Débora Barbosa da Silva 4 aracyfontes@yahoo.com.br

Leia mais

Tipos de intemperismo

Tipos de intemperismo INTEMPERISMO Conjunto de processos que transformam rochas maciças e tenazes em materiais friáveis solos DESEQUILÍBRIO Tipos de intemperismo Intemperismo físico (desintegração) Processos físicos fragmentação

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO Gilvonete Maria Araujo de Freitas 1 ; Max Furrier 1 gilvonetefreitas@bol.com.br

Leia mais

Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil

Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil ISSN 1678-5975 Outubro - 2004 Nº 2 25-39 Porto Alegre Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil N. O. Horn Filho¹; É. P. Filho² &

Leia mais

A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5. Pelo Geólogo Josué Barroso

A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5. Pelo Geólogo Josué Barroso A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5 Pelo Geólogo Josué Barroso No Artigo 3 e no Artigo 4, fez-se breves descrições sobre a formação das rochas que estruturam

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS

CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS CAPÍTULO 4 TIPOLOGIA DE SOLOS Valdenira Ferreira dos Santos Antônio Tebaldi Tardin 4.1 INTRODUÇÃO Este trabalho faz parte do Projeto Zoneamento Ecológico- Econômico do Setor Costeiro Estuarino do Estado

Leia mais

XX Encontro Anual de Iniciação Científica EAIC X Encontro de Pesquisa - EPUEPG

XX Encontro Anual de Iniciação Científica EAIC X Encontro de Pesquisa - EPUEPG IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FÁCIES AMBIENTAL NO PLANALTO DE PALMAS/ÁGUA DOCE: O CASO DA HS1 Leandro Oliveira (PIBIC/CNPq/UNIOESTE), Júlio César Paisani (Orientador), e-mail: julio.paisani@unioeste.br

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA: BOCAS DE MINAS ABANDONADAS ÁREA DE ESTUDO 3: METROPOL

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA: BOCAS DE MINAS ABANDONADAS ÁREA DE ESTUDO 3: METROPOL 2010 PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA: BOCAS DE MINAS ABANDONADAS ÁREA DE ESTUDO 3: METROPOL Projeto de recuperação de área degradada bocas de minas abandonadas Metropol 2 LISTA DE FIGURAS Figura

Leia mais

2 Correntes de Turbidez

2 Correntes de Turbidez 2 Correntes de Turbidez Correntes de turbidez são correntes de densidades subaquosas e turbulentas, em que a diferença de densidade é causada por sedimentos em suspensão. Essas correntes transportam os

Leia mais

3 Área de estudo e amostragem

3 Área de estudo e amostragem 3 Área de estudo e amostragem 3.1. Meio Físico Os aspectos discutidos no Capítulo 2 tornam clara a importância de um estudo experimental de um perfil de solo residual observando a evolução das diversas

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS AS UNIDADES SILICICLÁSTICAS DA SUB-BACIA DE PERNAMBUCO: UMA REVISÃO LITO-ESTRATIGRÁFICA* Liliane Rabêlo Cruz 1,2, Mário Ferreira Lima Filho 3, Virgínio

Leia mais

Depósitos e Evolução de Encostas a partir do Pleistoceno Superior no Sul do Segundo Planalto do Paraná

Depósitos e Evolução de Encostas a partir do Pleistoceno Superior no Sul do Segundo Planalto do Paraná Depósitos e Evolução de Encostas a partir do Pleistoceno Superior no Sul do Segundo Planalto do Paraná Gisele Pietrobelli Wellington Barbosa da Silva 2012 Gisele Pietrobelli; Wellignton Barbosa da Silva

Leia mais

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir.

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir. ANEXO 5.3 - CARACTERIZAÇÃO DO RELEVO DAS ÁREAS DO PNSB E ZONA DE AMORTECIMENTO A copartientação geoorfológica regional na qual insere-se os tipos de relevo das áreas do PNSB e Zona de Aorteciento é apresentada

Leia mais

NIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CONVÊNIO UFRGS/ANP UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS

NIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CONVÊNIO UFRGS/ANP UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS 1 U INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE GEOLOGIA DO PETRÓLEO CONVÊNIO UFRGS/ANP AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO Programa de Geologia do Petróleo Convênio PRH-ANP/MME/MCT n.º 12 Relatório de Pesquisa Projeto:

Leia mais

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia A Península Ibérica é essencialmente constituída por um fragmento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «21. As rochas selantes devem mostrar propriedades como impermeabilidade e plasticidade para manter sua condição de selante mesmo após ser submetida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOLOGIA JAIME PEREIRA DE SOUZA JUNIOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOLOGIA JAIME PEREIRA DE SOUZA JUNIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOLOGIA JAIME PEREIRA DE SOUZA JUNIOR SISTEMA DEPOSICIONAL DAS FORMAÇÕES AÇURUÁ E TOMBADOR NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE BARRA DA ESTIVA,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVRA DA PEDRA MORISCA DA REGIÃO DE CASTELO DO PIAUÍ NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVRA DA PEDRA MORISCA DA REGIÃO DE CASTELO DO PIAUÍ NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS RESUMO UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DA LAVRA DA PEDRA MORISCA DA REGIÃO DE CASTELO DO PIAUÍ NA CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS SILVEIRA, Leonardo 1 ; MELO, Marcus 2 ; LUZ, Adão 3 1 Centro de Tecnologia Mineral CETEM

Leia mais

DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA)

DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA) DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA) Silvio Eduardo Matos Martins 1 ; Iran C. Staliviere Corrêa 2 ; Amilcar Carvalho Mendes 3 eduardomm@ufpa.br 1 Universidade

Leia mais

O CONTATO ENTRE AS FORMAÇÕES PIRAMBÓIA E BOTUCATU NA ÁREA DE RIBEIRÃO PRETO (SP)

O CONTATO ENTRE AS FORMAÇÕES PIRAMBÓIA E BOTUCATU NA ÁREA DE RIBEIRÃO PRETO (SP) O CONTATO ENTRE AS FORMAÇÕES PIRAMBÓIA E BOTUCATU NA ÁREA DE RIBEIRÃO PRETO (SP) Marcos MASSOLI 1 & Maria Rita CAETANO-CHANG 2 (1) Departamento Estadual de Proteção dos Recursos Naturais, Secretaria do

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

A alternativa que contêm a afirmação que pode ser comprovada pelo texto é:

A alternativa que contêm a afirmação que pode ser comprovada pelo texto é: Disciplina: Geografia Atividade: Exercícios de revisão 1ª Série do Ensino Médio Professor: Roberto B. Reusing Data: / / 2011 Aluno (a): Nº: Turma: 1) Observe. Sobre as dobras pode-se afirmar que: A) São

Leia mais

PETROGRAFIA DAS ROCHAS SILICICLÁSTICAS DA FORMAÇÃO URUCUTUCA, BACIA DE ALMADA / PORÇÃO EMERSA - BA

PETROGRAFIA DAS ROCHAS SILICICLÁSTICAS DA FORMAÇÃO URUCUTUCA, BACIA DE ALMADA / PORÇÃO EMERSA - BA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FACULDADE DE GEOLOGIA - FGEL PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS DA ANP PARA O SETOR PETRÓLEO E GÁS CONVÊNIO ANP/ MCT/ UERJ/ FGEL PRH-17 PETROGRAFIA DAS ROCHAS

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica 1. De acordo com as condições atmosféricas, a precipitação pode ocorrer de várias formas: chuva, neve e granizo. Nas regiões de clima tropical ocorrem

Leia mais

MARCIO IVAN CARVALHO MOREIRA & LEONARDO BORGHI

MARCIO IVAN CARVALHO MOREIRA & LEONARDO BORGHI Revista Brasileira de Geociências 29(3):419-428, setembro de 1999 FÁCIES SEDIMENTARES E SISTEMAS DEPOSICIONAIS DAS FORMAÇÕES ALTO GARÇAS E VILA MARIA NA REGIÃO DE CHAPADA DOS GUIMARÃES (MT), BORDA NOROESTE

Leia mais

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia do Paraná: Rochas e solos Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia Hidrográfica do Rio Paraná versus Bacia Sedimentar do Paraná = Bacia do

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 16 Ação Geológica do Vento Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Stanley Breeden/DRK Ação Geológica do vento

Leia mais

GEOLOGIA E GEOMORFOLOGIA COSTEIRA DA FOLHA SOMBRIO, SC

GEOLOGIA E GEOMORFOLOGIA COSTEIRA DA FOLHA SOMBRIO, SC GEOLOGIA E GEOMORFOLOGIA COSTEIRA DA FOLHA SOMBRIO, SC MUDAT, J.E., MELO, A.T., RIBEIRO, D., SOUZA, D.R., NEVES, J., DI PIETRO FILHO, J.E., KITAHARA, M.V., HORN FILHO, N.O., OLIVEIRA, U.R. Programa de

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS

CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS O que são rochas? São produtos consolidados, resultantes da união natural de minerais. Diferente dos sedimentos, como por exemplo a areia da praia (um conjunto

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS PRIMÁRIAS EM DEPÓSITOS GERADOS EM LABORATÓRIO E SUA RELAÇÃO COM A DINÂMICA DAS CORRENTES TURBIDÍTICAS DE BAIXA DENSIDADE.

ANÁLISE DE ESTRUTURAS PRIMÁRIAS EM DEPÓSITOS GERADOS EM LABORATÓRIO E SUA RELAÇÃO COM A DINÂMICA DAS CORRENTES TURBIDÍTICAS DE BAIXA DENSIDADE. Copyright 2005, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria I Revisão do Plano Director Municipal de Caracterização biofísica Leiria Volume II 2004 1. ECOZONAS Ao percorrer o concelho de Leiria de Norte para Sul e de Este para Oeste a paisagem varia. Uma imagem

Leia mais

Ambientes tectônicos e sedimentação

Ambientes tectônicos e sedimentação Rochas Sedimentares Ambientes tectônicos e sedimentação Intemperismo físico e químico de rochas sedimentares, ígneas e metamórficas Erosão Transporte Deposição Diagênese e litificação (compactação ) =

Leia mais

PRIMEIROS ANOS. GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini

PRIMEIROS ANOS. GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini PRIMEIROS ANOS GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange

Leia mais

BASENG Engenharia e Construção LTDA

BASENG Engenharia e Construção LTDA RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GEOLÓGICO- GEOTÉCNICA: SONDAGEM A PERCUSSÃO LT2 ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO CONTRUÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO HOSPITAL E MATERNIDADE Praia de Boiçucanga São Sebatião / SP

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM ESTRATIGRAFIA, PROVENIÊNCIA E IDADE MÁXIMA DE SEDIMENTAÇÃO DO GRUPO CANASTRA NA REGIÃO DE SÃO GOTARDO, MG*. Paulo H. A. Dias 1,2, Antônio C. Pedrosa- Soares 2, Hildor J.

Leia mais

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES.

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. Larissa Cristina Alves 1 ; Marcelo Renato Lamour 1 ; larialves_oceano@ufpr.br 1 Centro

Leia mais

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra O que é relevo? O relevo terrestre pode ser definido como as formas da superfície do planeta,

Leia mais

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 A crosta, o manto e o núcleo da Terra A estrutura do planeta A Terra é esférica e ligeiramente achatada nos polos, compacta e com um raio aproximado de 6.370 km. Os

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS FÁCIES SEDIMENTARES GRAVITACIONAIS E DEFORMACIONAIS DA FORMAÇÃO MARACANGALHA EM AFLORAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NA EXPLORAÇÃO DA BACIA DO RECÔNCAVO Gabriel

Leia mais

Reconhecer as diferenças

Reconhecer as diferenças A U A UL LA Reconhecer as diferenças Nesta aula, vamos aprender que os solos são o resultado mais imediato da integração dos processos físicos e biológicos na superfície da Terra. A formação e o desenvolvimento

Leia mais

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA 47 CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA Este capítulo se refere ao estudo das estruturas geológicas rúpteis e do resultado de sua atuação na compartimentação morfoestrutural da área. Para tanto, são

Leia mais

ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS

ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS 4 o PDPETRO, Campinas, SP 1.1.0100 1 ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS Júnia Casagrande 1 (UFRGS ANP PRH12),

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA I N S T IT U T O D E G E O C I Ê N C I A S - U N IV E R S I D A D E FE D E R A L D A BA H IA CAMPUS ONDINA - SALVADOR (BA) - CEP 40210-340 TEL: (71) 3203 8534 - FAX:

Leia mais

Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,***

Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,*** Departamento de Geologia Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,*** *Professora Associada do Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto **Reitoria da Universidade

Leia mais

Figura 1 Fragmentação e evolução dos continentes desde a Pangeia até à atualidade: A Pangeia à 225 milhões de anos, B Continentes na atualidade.

Figura 1 Fragmentação e evolução dos continentes desde a Pangeia até à atualidade: A Pangeia à 225 milhões de anos, B Continentes na atualidade. 1. Dinâmica interna da Terra 1.1. Deriva dos Continentes e Tectónica de Placas 1.1.1. Teoria da Deriva Continental Esta teoria foi apresentada por Wegener em 1912, e defendia que os continentes, agora

Leia mais

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites.

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. 1. Comparação entre as Classificações do Relevo Brasileiro

Leia mais

Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina.

Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina. Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina. Marcio Fernandes Leão UFRJ e UERJ, Rio de Janeiro, Brasil, marciotriton@hotmail.com RESUMO: Em terrenos estudados na

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil. Antonio Liccardo

Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil. Antonio Liccardo Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil Antonio Liccardo ESCOPO As Bacias Sedimentares Brasileiras As bacias costeiras do Sul e Sudeste Importância econômica e disponibilidade de

Leia mais

www.geoturismobrasil.com Geoturismo em Tibagi Antonio Liccardo DEGEO - UEPG

www.geoturismobrasil.com Geoturismo em Tibagi Antonio Liccardo DEGEO - UEPG www.geoturismobrasil.com Geoturismo em Tibagi Antonio Liccardo DEGEO - UEPG Relação da população com a natureza e território Geoturismo Atividade multidisciplinar Forte subsídio para turismo cultural,

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS. Aracy Losano Fontes

Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS. Aracy Losano Fontes Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS META Apresentar os conceitos relacionados às planícies e lagunas costeiras, fatores de formação e características principais. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno

Leia mais

Classificação de Aroldo de Azevedo

Classificação de Aroldo de Azevedo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo O relevo brasileiro apresenta grande variedade morfológica (de formas), como serras, planaltos, chapadas, depressões, planícies e outras, - resultado da ação, principalmente,

Leia mais

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade.

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade. CARACTERIZACÃO AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SANGUE, JAURU - MT, VISANDO O LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Aldo Max Custódio (1) ; Ms. Juberto Babilônia de

Leia mais

OBJETIVOS Substituir por métodos científicos os métodos empíricos aplicados no passado.

OBJETIVOS Substituir por métodos científicos os métodos empíricos aplicados no passado. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL DISCIPLINA: MECÂNICA DOS SOLOS I PROFESSORA : AGDA C.T.GUIMARÃES AULA 1 1. INTRODUÇÃO AO CURSO 1.1 DEFINIÇÃO

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM Manaus 21 de Novembro de 2012 LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM 1. INTRODUÇÃO Por solicitação da Câmara dos Vereadores da cidade de Manaus,

Leia mais

Rochas sedimentares. Os estágios e fenômenos geológicos que levam a formar as rochas sedimentares são:

Rochas sedimentares. Os estágios e fenômenos geológicos que levam a formar as rochas sedimentares são: Rochas sedimentares Sedimentos cobrem a maior parte da superfície terrestre. São divididos em três grandes grupos: - o dos sedimentos gerados pelo intemperismo continental, o dos gerados por organismos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS Lima, V. (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA) ; Furrier, M. (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA) RESUMO O presente trabalho aborda alguns

Leia mais

Geomorfologia. Professor: Cláudio custódio. www.espacogeografia.com.br

Geomorfologia. Professor: Cláudio custódio. www.espacogeografia.com.br Geomorfologia Professor: Cláudio custódio A um quilometro dali havia um morro com um grande desbarrancado a barreira, como se dizia lá no sítio. O Visconde levo-os para lá. Diante da barreira, parou e

Leia mais

Geografia Geral: Econômica Vestibulares 2015-2011 - UNICAMP

Geografia Geral: Econômica Vestibulares 2015-2011 - UNICAMP Geografia Geral: Econômica Vestibulares 2015-2011 - UNICAMP 1. (Unicamp 2015) a) Apresente dois fatores explicativos para a difusão das zonas francas no mundo contemporâneo. b) Mencione a principal Zona

Leia mais

MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ. TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com.

MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ. TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com. MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com.br ROBAINA, L. E. S. 2 ³ Universidade Federal de Santa Maria / lesro@hanoi.base.ufsm.br

Leia mais

A Granito; B Gnaisse (embasamento); R Dique de Diabásio; S Derrame; P Falha

A Granito; B Gnaisse (embasamento); R Dique de Diabásio; S Derrame; P Falha UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA GEOMORFOLOGIA II FLG - 1252 EXERCÍCIO 1 Diurno e Noturno- Quintas Feiras das 14 às 18 hs e 19:30 às

Leia mais

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 ANEXO 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 2 Anexo 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do PEC Foto

Leia mais

Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela

Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela - são testemunhos dos processos geológicos que ocorreram no passado; - são habitualmente estratificadas e fossilíferas Reflectem as alterações ambientais que ocorreram na Terra Contam a história evolutiva

Leia mais

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra I - OS SOLOS SOB O PONTO DE VISTA DA ENGENHARIA CIVIL 1) Definição de solo, sob o ponto de vista da Engenharia A palavra solo, na expressão Mecânica dos Solos, não tem um significado intuitivo imediato.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ.

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ. AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ. Priscila Lourenzi, Janaina Lewandowski, Gustavo Simão, Wolfgang Kalkreuth.

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o BIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o BIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o BIMESTRE DE 2012 PROF. FERNANDO NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL)

ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL) ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL) Karla Regina Mendes Cassiano Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia karlamendes@inpa.gov.br Reinaldo Corrêa Costa Instituto Nacional

Leia mais

SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC.

SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC. SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC. De Oliveira, A.O 1 ; Calliari, L.J 2 ; Griep, G. 2 ; Corrêa, I.C.S 3 ; Goulart, E. 2 ; Veiga, F. 2. e Albergone, E. 2.

Leia mais

CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 009/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE.01.01.0065/2014 ANEXO V LAUDO DE SONDAGEM

CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 009/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE.01.01.0065/2014 ANEXO V LAUDO DE SONDAGEM CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 00/0 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE.0.0.00/0 ANEXO V LAUDO DE INTRODUÇÃO Neste documento estão relacionados os resultados obtidos na execução de Sondagem à Percussão tipo T em

Leia mais

Corte ou piso de estrada

Corte ou piso de estrada Dupla: Pedrosa-Soares e Flávia Estação: Córrego Alegre Ponto: MP 1 UTM E: 363476 UTM N: 7998163 Altitude: 159 Toponímia: Faz. São Francisco conglomerático Planalto Costeiro. Provavelmente. Dupla: Pedrosa-Soares

Leia mais

O grau interior da Terra é medido através do grau geotérmico com média de 1ºc a cada 30-35m.

O grau interior da Terra é medido através do grau geotérmico com média de 1ºc a cada 30-35m. A FORMAÇÃO DA TERRA E SUA ESTRUTURA O planeta Terra se formou a cerca de 4,5 bilhões de anos, formado por vários materiais incandescentes que foram se resfriando ao longo do tempo, o material mais pesado

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

Um mergulho em Penha Garcia

Um mergulho em Penha Garcia Um mergulho em Penha Garcia # Houve Mar em Penha Garcia A origem dos quartzitos de Penha Garcia remonta há 490 milhões de anos, quando os continentes se encontravam unidos no Pólo Sul, formando o supercontinente

Leia mais

Principais texturas e rochas metamórficas Os fenómenos metamórficos provocam modificações na textura das rochas iniciais. A textura depende da dimensão dos cristais, forma e arranjo dos diferentes minerais,

Leia mais

A Terra, um planeta único a proteger. Introdução

A Terra, um planeta único a proteger. Introdução A Terra, um planeta único a proteger Introdução A Terra não é apenas o nosso planeta, ela constitui a nossa única possibilidade de vida, ela é a herança para os nossos filhos e netos. A Terra, com a sua

Leia mais

ROCHAS E MINERAIS. Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais

ROCHAS E MINERAIS. Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais ROCHAS E MINERAIS Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais A crosta terrestre é basicamente constituída de rochas. A rocha é produto

Leia mais

Mostrar como a água se infiltra e circula abaixo da superfície sólida da terra, constituindo parte importante do Ciclo Hidrológico.

Mostrar como a água se infiltra e circula abaixo da superfície sólida da terra, constituindo parte importante do Ciclo Hidrológico. ÁGUA SUBTERRÂNEA META Mostrar como a água se infiltra e circula abaixo da superfície sólida da terra, constituindo parte importante do Ciclo Hidrológico. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

Propriedades das partículas do solo

Propriedades das partículas do solo 1 Propriedades das partículas do solo 1 - Natureza das partículas 2 - Peso específico das partículas 3 - Densidade relativa das partículas 4 - Densidade real das partículas no laboratório 5 - Formas de

Leia mais

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA Segunda 18 às 20h Quarta 20 às 22h museu IC II Aula 15 Ambientes de transição Deltas Turma: 2016/01 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Retrogradante Progradante Retrogradante

Leia mais

Interpretação e Correlações Estratigráficas da Seqüência Transicional

Interpretação e Correlações Estratigráficas da Seqüência Transicional Cruz, L. R. 2008 Tese de Doutorado PPGG/UFRN 95 CAPÍTULO V Interpretação e Correlações Estratigráficas da Seqüência Transicional 5.1 Caracterização Sismoestratigráfica das Seqüências Deposicionais na SBSE

Leia mais

Ficha Geoespeleológica

Ficha Geoespeleológica 1-GERAL Ne da Cavidade: N5SM1-0007 Responsável pelo Registro: Augusto Auler Data: Dia: 16 Mês: 03 Ano: 2011 No. de níveis de desenvolvimento: Indiviso 2 3 4 Mapa base: 2C 5D Condição Climática da Coleta:

Leia mais

FÁCIES SEDIMENTARES DA SUPERSEQUÊNCIA GONDWANA I NA BORDA LESTE DA BACIA DO PARANÁ, REGIÃO DE ALFREDO WAGNER/SC

FÁCIES SEDIMENTARES DA SUPERSEQUÊNCIA GONDWANA I NA BORDA LESTE DA BACIA DO PARANÁ, REGIÃO DE ALFREDO WAGNER/SC Grupo de Análise de Bacias - UFSC FÁCIES SEDIMENTARES DA SUPERSEQUÊNCIA GONDWANA I NA BORDA LESTE DA BACIA DO PARANÁ, REGIÃO DE ALFREDO WAGNER/SC Zielinski, J. P. T.1; Nascimento, M. S.1 1Universidade

Leia mais