6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)"

Transcrição

1 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de

2 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem apresentar este 6º Relatório dos Serviços para relatar à COPEL sobre as atividades realizadas e resultados verificados na 6ª campanha de campo dos Serviços de Monitoramento de Taludes da UHE Mauá, correspondente ao 2 o Relatório de Inspeção durante o enchimento (Marco Contratual MC04 / Evento Contratual EC08), realizada por via fluvial na cota OBJETIVOS Objetivo do Programa: O objetivo deste Programa é monitorar e avaliar as condições de estabilidade das margens do reservatório a ser formado, em face da implantação e operação da UHE Mauá, visando a subsidiar ações para evitar, mitigar ou compensar eventuais impactos negativos Objetivo do 6º Relatório de Atividades Este Relatório visa a dar continuidade ao monitoramento dos taludes da UHE Mauá, o que permitirá acompanhar a evolução dos processos de instabilização em pontos determinados ou o surgimento destes em novos locais, permitindo correlacionar ou não, a ocorrência de processos erosivos com a instalação e operação do empreendimento em apreço. Assim, este 6º Relatório de Atividades apresenta à COPEL os serviços e metodologias utilizadas, bem como os resultados obtidos na 6ª campanha de campo do Programa de Monitoramento de Taludes da UHE Mauá correspondente à 2 a Inspeção durante o enchimento, realizada por via fluvial na cota

3 3 Atividades realizadas: 3.1 Inspeção de campo por via fluvial Cumprindo a programação do Plano de Trabalho, foi realizada vistoria entre os dias 19 a 21 de julho de 2012, ao longo das margens esquerda e direita do rio Tibagi, e em ambas margens do rio Barra Grande, por via fluvial, percorrendo o leito normal e áreas já alagadas das margens destes dois rios. Nestes trechos foram identificadas, descritas, fotografadas, determinadas as medidas de controle e georeferenciadas diversas áreas de potencial instabilidade dos solos, como: a) Locais com solos ou formações superficiais mais espessos; b) Locais com potencial para eventos de movimentação de massa; c) Locais com inclinação do terreno superior ao ângulo de estabilidade natural do talude em condições subaquáticas; d) Locais com escorregamentos e processos de erosão preexistentes; e) Locais onde o solo estará exposto por ocasião do estabelecimento do lago; f) Outros locais que apresentassem características/propriedades geotécnicas potencialmente críticas, como áreas submetidas à gênese e evolução de processos erosivos, superfícies de solo em exposição, pontos de concentração de drenagem pluvial decorrente do pastoreio intensivo, estradas, trilhas e extração mineral, bem como áreas associadas a obras de infra-existentes ou planejadas, pontes e estradas a serem relocadas, outras áreas geologicamente instáveis, cascalheiras e áreas de empréstimo de material terroso, dentre outras. 3

4 3.2 - Fichas de campo A seguir são apresentadas as Fichas de Campo dos Pontos de Monitoramento Temporário identificadas na 6ª campanha. Estes pontos foram sistematicamente identificados em fichas de campo padronizadas com as informações referentes à natureza do processo, gênese, tendência de evolução, medidas de controle, ocupação do entorno, data de visita, coordenada geográfica em UTM (Datum SAD 69), referência de localização, nome do profissional responsável, grau de risco e nível de prioridade de execução. 4

5 FICHA CADASTRAL DOS PONTOS DE MONITORAMENTO DA UHE MAUÁ FICHA NÚMERO 75 PONTO DE MONITORAMENTO 75 DATA 19/07/2012 PONTO GPS/ UTM 22J, / REFERENCIA DE CAMPO Cachoeirão PREENCHIDA POR: Arnaldo Coelho NATUREZA DO PROCESSO [ X ] Erosão [ ] Movimento de massa [ ] Escoamento em lençol [ ] Deslizamento rotacional [ ] Ravina [ ] Deslizamento translacional [ ] Voçoroca [ ] Fluxo de lama [ ] Solapamento [ X ] Outros (sulcamento) CARACTERIZAÇÃO DOS PARAMETROS [ X ] Vertente com alta declividade ( >35 ) [ ] Surgências localizada [ X ] Alteração da geometria da encosta [ ] Áreas saturadas [ X ] Desmate, cultura, mineração, cerca, pasto [ ] Estruturas residuais de rochas [ ] Deficiência de drenagem [ ] Contato entre materiais diferentes DIAGNÓSTICO DE CAMPO (Descrever mecanismos de ruptura ou de evolução da erosão, materiais envolvidos, dimensões principais, causas e agentes). Área onde as operações de supressão vegetal necessitaram da abertura de acessos que deixaram aterros remanescentes de pequeno porte, mas que não tem constituído risco significativo de aporte de sedimentos para o reservatório. A área não carece de continuidade de monitoramento, devido ao pequeno porte e potencial de agravamento reduzido, tendo em vista que deverá permanecer alagada. GRAU DE RISCO E NIVEL DE PRIORIDADE GRAU DE RISCO (ESCALA DE 1-5) NIVEL DE PRIORIDADE (ESCALA DE 1-3) 1 3 Grau de risco: 1 Muito baixo; 2 Baixo; 3 Médio; 4 Alto; 5 Elevado Nível de prioridade: 1 Imediato, rec. Complexos; 2 Imediato, rec. Convencionais; 3 Não imediato, rec. Simples 5

6 Foto 1: Vista geral da lateral esquerda do ponto 75 Foto 2: Vista geral da lateral direita do ponto 75 6

7 FICHA NÚMERO 76 PONTO DE MONITORAMENTO 76 DATA 20/07/2012 PONTO GPS/ UTM 22J, / REFERENCIA DE CAMPO Curva da bota PREENCHIDA POR: Arnaldo Coelho NATUREZA DO PROCESSO [ ] Erosão [ X ] Movimento de massa [ ] Escoamento em lençol [ ] Deslizamento rotacional [ ] Ravina [ ] Deslizamento translacional [ ] Voçoroca [ ] Fluxo de lama [ ] Solapamento [ ] Outros (sulcamento) CARACTERIZAÇÃO DOS PARAMETROS [ X ] Vertente com alta declividade ( >35 ) [ ] Surgências localizada [ ] Alteração da geometria da encosta [ X ] Áreas saturadas [ X ] Desmate, cultura, mineração, cerca, [ X ] Estruturas residuais de rochas pasto [ ] Deficiência de drenagem [ X ] Contato entre materiais diferentes DIAGNÓSTICO DE CAMPO (Descrever mecanismos de ruptura ou de evolução da erosão, materiais envolvidos, dimensões principais, causas e agentes). Área de contato solo-rocha presente em superfície de declividade acentuada, onde, ainda que em pequenas dimensões, desenvolve-se processo de movimentação de massa de solos, decorrente do embate de marolas durante o enchimento. A área não carece de continuidade de monitoramento, devido ao pequeno porte e potencial de agravamento reduzido, tendo em vista que deverá permanecer alagada.. GRAU DE RISCO E NIVEL DE PRIORIDADE GRAU DE RISCO (ESCALA DE 1-5) NIVEL DE PRIORIDADE (ESCALA DE 1-3) 2 3 Grau de risco: 1 Muito baixo; 2 Baixo; 3 Médio; 4 Alto; 5 Elevado Nível de prioridade: 1 Imediato, rec. Complexos; 2 Imediato, rec. Convencionais; 3 Não imediato, rec. Simples 7

8 Foto 3: Vista geral do ponto 76, onde se verifica processo de movimentação de pequenas massas de solos decorrentes do embate de marolas durante o enchimento. Foto 4: Vista geral do ponto 76. 8

9 FICHA NÚMERO 77 PONTO DE MONITORAMENTO 77 DATA 19/07/2012 PONTO GPS/ UTM 22J, / REFERENCIA DE CAMPO: PREENCHIDA POR: Arnaldo Coelho NATUREZA DO PROCESSO [ X ] Erosão [ ] Movimento de massa [ X ] Escoamento em lençol [ ] Deslizamento rotacional [ ] Ravina [ ] Deslizamento translacional [ ] Voçoroca [ ] Fluxo de lama [ ] Solapamento [ X ] Outros ( escavação) CARACTERIZAÇÃO DOS PARAMETROS [ X ] Vertente com alta declividade ( >35 ) [ ] Surgências localizada [ X ] Alteração da geometria da encosta [ ] Áreas saturadas [ X ] Desmate, cultura, mineração, cerca, pasto [ ] Estruturas residuais de rochas [ ] Deficiência de drenagem [ ] Contato entre materiais diferentes DIAGNÓSTICO DE CAMPO (Descrever mecanismos de ruptura ou de evolução da erosão, materiais envolvidos, dimensões principais, causas e agentes). Taludes de corte e aterro executados para as operações de limpeza do reservatório, onde verifica-se massas de solo pouco consolidadas e superfície de solo em exposição sujeita a ação de agentes erosivos em alguns pontos localizados. A área não carece de continuidade de monitoramento, devido ao seu médio porte e potencial de agravamento reduzido, tendo em vista que deverá permanecer alagada. GRAU DE RISCO E NIVEL DE PRIORIDADE GRAU DE RISCO (ESCALA DE 1-5) NIVEL DE PRIORIDADE (ESCALA DE 1-3) 2 3 Grau de risco: 1 Muito baixo; 2 Baixo; 3 Médio; 4 Alto; 5 Elevado Nível de prioridade: 1 Imediato, rec. Complexos; 2 Imediato, rec. Convencionais; 3 Não imediato, rec. Simples 9

10 Foto 5: Vista geral do ponto 77. Foto 6: Detalhe de superfícies de solo em exposição localizadas no ponto

11 FICHA NÚMERO 18 PONTO DE MONITORAMENTO 18 DATA 21/07/2012 PONTO GPS/ UTM 22J, / REFERENCIA DE CAMPO Ponte rio Barra Grande PREENCHIDA POR: Arnaldo Coelho NATUREZA DO PROCESSO [ X ] Erosão [ ] Movimento de massa [ ] Escoamento em lençol [ ] Deslizamento rotacional [ ] Ravina [ ] Deslizamento translacional [ ] Voçoroca [ ] Fluxo de lama [ ] Solapamento [ X ] Outros ( escavação) CARACTERIZAÇÃO DOS PARAMETROS [ X ] Vertente com alta declividade ( >35 ) [ ] Surgências localizada [ X ] Alteração da geometria da encosta [ ] Áreas saturadas [ X ] Desmate, cultura, mineração, cerca, pasto [ ] Estruturas residuais de rochas [ ] Deficiência de drenagem [ X ] Contato entre materiais diferentes DIAGNÓSTICO DE CAMPO (Descrever mecanismos de ruptura ou de evolução da erosão, materiais envolvidos, dimensões principais, causas e agentes). Ponte sobre o rio Barra Grande, erigida devido à relocação de estrada realizada em consequência do surgimento do reservatório. Mantendo tendência observada nas vistorias anteriores, os taludes junto aos pilares encontram-se estáveis, a despeito da presença de pequenos processos erosivos lineares e da declividade acentuada. Recomenda-se o monitoramento do local,e a proteção vegetal e a recuperação de todos os processos erosivos porventura existentes no local por ocasião do término do enchimento do reservatório da UHE Mauá. GRAU DE RISCO E NIVEL DE PRIORIDADE GRAU DE RISCO (ESCALA DE 1-5) NIVEL DE PRIORIDADE (ESCALA DE 1-3) 4 2 Grau de risco: 1 Muito baixo; 2 Baixo; 3 Médio; 4 Alto; 5 Elevado Nível de prioridade: 1 Imediato, rec. Complexos; 2 Imediato, rec. Convencionais; 3 Não imediato, rec. Simples 11

12 Foto 7: Vista geral do pilar junto a margem direita do rio Barra Grande, observa-se que a despeito das condições locais o talude encontra-se estável por ocasião do enchimento. Foto 8: Vista geral do talude a montante da margem direita do rio Barra Grande junto ao pilar da ponte, observam-se algumas falhas na vegetação introduzida. 12

13 FICHA NÚMERO 78 PONTO DE MONITORAMENTO 78 DATA 21/07/2012 PONTO GPS/ UTM 22J, / REFERENCIA DE CAMPO PREENCHIDA POR: Arnaldo Coelho NATUREZA DO PROCESSO [ X ] Erosão [ X ] Movimento de massa [ ] Escoamento em lençol [ X ] Deslizamento rotacional [ ] Ravina [ X ] Deslizamento translacional [ ] Voçoroca [ ] Fluxo de lama [ ] Solapamento [ X ] Outros (sulcamento) CARACTERIZAÇÃO DOS PARAMETROS [ X ] Vertente com alta declividade ( >35 ) [ ] Surgências localizada [ X ] Alteração da geometria da encosta [ ] Áreas saturadas [ X ] Desmate, cultura, mineração, cerca, pasto [ ] Estruturas residuais de rochas [ ] Deficiência de drenagem [ ] Contato entre materiais diferentes DIAGNÓSTICO DE CAMPO (Descrever mecanismos de ruptura ou de evolução da erosão, materiais envolvidos, dimensões principais, causas e agentes). Área alterada através de supressão vegetal e aberturas de acessos com movimentação de solo, deixando o local susceptível à erosão pluvial e por embate de marolas que foi constatada em atividade, tendo sido observado o carreamento de sedimentos para o futuro reservatório. Tendo em vista que a área deverá permanecer submersa por ocasião da operação do empreendimento, recomenda-se o monitoramento do local quando o N.A. do reservatório estiver entre as cotas 610 e 620, que constitui a faixa de risco pela ação do embate de ondas no local. No caso de agravamento, deverão ser adotadas medidas de controle de erosão por embate de ondas, constituidas pela execução de estruturas inertes (enrocamento, armações de madeira tipo crib wall, leiras de retentores orgânicos de sedimento) associadas à espécies tolerantes ao alagamento como: salgueiro, capim elefante, braquiária umidícola, dentre outras. 13

14 GRAU DE RISCO E NIVEL DE PRIORIDADE GRAU DE RISCO (ESCALA DE 1-5) NIVEL DE PRIORIDADE (ESCALA DE 1-3) 4 1 Grau de risco: 1 Muito baixo; 2 Baixo; 3 Médio; 4 Alto; 5 Elevado Nível de prioridade:1 Imediato, rec. Complexos; 2 Imediato, rec. Convencionais; 3 Não imediato, rec. Simples 14

15 Foto 9: Vista geral de um dos taludes do ponto 78, onde verifica-se movimentação de massa de solo de aproximadamente 20 metros cúbicos Foto 10: Detalhe de processo erosivo de solapamento de margem por embate de ondas, obervado no ponto 78 15

16 FICHA NÚMERO 79 PONTO DE MONITORAMENTO 79 DATA 21/07/2012 PONTO GPS/ UTM 22J, / REFERENCIA DE CAMPO PREENCHIDA POR: Arnaldo Coelho NATUREZA DO PROCESSO [ X ] Erosão [ ] Movimento de massa [ ] Escoamento em lençol [ ] Deslizamento rotacional [ ] Ravina [ ] Deslizamento translacional [ ] Voçoroca [ ] Fluxo de lama [ ] Solapamento [ X ] Outros (sulcamento) CARACTERIZAÇÃO DOS PARAMETROS [ X ] Vertente com alta declividade ( >35 ) [ ] Surgências localizada [ ] Alteração da geometria da encosta [ ] Áreas saturadas [ X ] Desmate, cultura, mineração, cerca, [ ] Estruturas residuais de rochas pasto [ ] Deficiência de drenagem [ ] Contato entre materiais diferentes DIAGNÓSTICO DE CAMPO (Descrever mecanismos de ruptura ou de evolução da erosão, materiais envolvidos, dimensões principais, causas e agentes). Área de características similares às do ponto 78, que foi alterada através de supressão vegetal e aberturas de acessos com movimentação de solo, deixando o local susceptível à erosão pluvial e por embate de marolas, o que pode ocasionar o carreamento de sedimentos para o futuro reservatório. Tendo em vista que a área deverá permanecer submersa por ocasião da operação do empreendimento, recomenda-se o monitoramento do local quando o N.A. do reservatório estiver entre as cotas 610 e 615, que constitui a faixa de risco pela ação do embate de ondas no local. No caso de agravamento, deverão ser adotadas medidas de controle de erosão por embate de ondas, constituidas pela execução de estruturas inertes (enrocamento, armações de madeira tipo crib wall, leiras de retentores orgânicos de sedimento) associadas à espécies tolerantes ao alagamento como: salgueiro, capim elefante, braquiária umidícola, dentre outras. 16

17 GRAU DE RISCO E NIVEL DE PRIORIDADE GRAU DE RISCO (ESCALA DE 1-5) NIVEL DE PRIORIDADE (ESCALA DE 1-3) 3 2 Grau de risco: 1 Muito baixo; 2 Baixo; 3 Médio; 4 Alto; 5 Elevado Nível de prioridade:1 Imediato, rec. Complexos; 2 Imediato, rec. Convencionais; 3 Não imediato, rec. Simples 17

18 Foto 11: Vista geral de talude da margem no ponto 79 onde evidencia-se a regeneração da vegetação Foto 12: Vista geral de talude da margem no ponto 79 onde evidencia-se exposição de solos e susceptibilidade ao embate de ondas 18

19 FICHA NÚMERO 80 PONTO DE MONITORAMENTO 80 DATA 20/07/2012 PONTO GPS/ UTM 22J, / REFERENCIA DE CAMPO Margem esquerda PREENCHIDA POR: Arnaldo Coelho NATUREZA DO PROCESSO [ X ] Erosão [ ] Movimento de massa [ ] Escoamento em lençol [ ] Deslizamento rotacional [ X ] Ravina [ ] Deslizamento translacional [ ] Voçoroca [ ] Fluxo de lama [ ] Solapamento [ ] Outros (sulcamento) CARACTERIZAÇÃO DOS PARAMETROS [ X ] Vertente com alta declividade ( >35 ) [ ] Surgências localizada [ ] Alteração da geometria da encosta [ ] Áreas saturadas [ X ] Desmate, cultura, mineração, cerca, [ ] Estruturas residuais de rochas pasto [ ] Deficiência de drenagem [ ] Contato entre materiais diferentes DIAGNÓSTICO DE CAMPO (Descrever mecanismos de ruptura ou de evolução da erosão, materiais envolvidos, dimensões principais, causas e agentes). Área alterada através de supressão vegetal e aberturas de acessos com movimentação de solo, deixando o local susceptível à erosão pluvial e por embate de marolas, o que pode ocasionar o carreamento de sedimentos para o futuro reservatório. Recomenda-se o monitoramento deste local, e em caso de agravamento, operações de reconformação de taludes e revestimento vegetal com geotêxteis orgânicos. GRAU DE RISCO E NIVEL DE PRIORIDADE GRAU DE RISCO (ESCALA DE 1-5) NIVEL DE PRIORIDADE (ESCALA DE 1-3) 3 3 Grau de risco: 1 Muito baixo; 2 Baixo; 3 Médio; 4 Alto; 5 Elevado Nível de prioridade: 1 Imediato, rec. Complexos; 2 Imediato, rec. Convencionais; 3 Não imediato, rec. Simples 19

20 Foto 13: Vista geral de taludes de margem no ponto 80 onde evidenciamse superfícies de solo em exposição Foto 14: Vista geral de taludes de margem no ponto 80, onde evidencia-se a regeneração da vegetação herbácea e superfícies de solo em exposição 20

21 FICHA NÚMERO 81 PONTO DE MONITORAMENTO 81 DATA 21/07/2012 PONTO GPS/ UTM 22J, / REFERENCIA DE CAMPO PREENCHIDA POR: Arnaldo Coelho NATUREZA DO PROCESSO [ X ] Erosão [ ] Movimento de massa [ ] Escoamento em lençol [ ] Deslizamento rotacional [ ] Ravina [ ] Deslizamento translacional [ ] Voçoroca [ ] Fluxo de lama [ ] Solapamento [ ] Outros (sulcamento) CARACTERIZAÇÃO DOS PARAMETROS [ X ] Vertente com alta declividade ( >35 ) [ ] Surgências localizada [ ] Alteração da geometria da encosta [ ] Áreas saturadas [ X ] Desmate, cultura, mineração, cerca, [ X ] Estruturas residuais de rochas pasto [ ] Deficiência de drenagem [ ] Contato entre materiais diferentes DIAGNÓSTICO DE CAMPO (Descrever mecanismos de ruptura ou de evolução da erosão, materiais envolvidos, dimensões principais, causas e agentes). Esta área foi alterada através de aberturas de acessos em época anterior à implantação do empreendimento, deixando o local susceptível à processos erosivos lineares e à erosão por embate de marolas, o que pode ocasionar o agravamento e o carreamento de sedimentos para o futuro reservatório. Tendo em vista que a área deverá permanecer submersa por ocasião da operação do empreendimento, recomenda-se o monitoramento do local quando o N.A. do reservatório estiver entre as cotas 610 e 613, que constitui a faixa de risco pela ação do embate de ondas no local. No caso de agravamento, deverão ser adotadas medidas de controle de erosão por embate de ondas, constituidas pela execução de estruturas inertes (enrocamento, armações de madeira tipo crib wall, leiras de retentores orgânicos de sedimento) associadas à espécies tolerantes ao alagamento como: salgueiro, capim elefante, braquiária umidícola, dentre outras. 21

22 GRAU DE RISCO E NIVEL DE PRIORIDADE GRAU DE RISCO (ESCALA DE 1-5) NIVEL DE PRIORIDADE (ESCALA DE 1-3) 3 3 Grau de risco: 1 Muito baixo; 2 Baixo; 3 Médio; 4 Alto; 5 Elevado Nível de prioridade:1 Imediato, rec. Complexos; 2 Imediato, rec. Convencionais; 3 Não imediato, rec. Simples 22

23 Foto 15: Área afetada às margens do rio Tibagi, localizada no ponto 81. Foto obtida do ponto 58. Foto 16: Área afetada às margens do rio Tibagi, localizada no ponto

24 4 Considerações finais Durante as cinco primeiras campanhas, realizadas ao longo das margens direita e esquerda do futuro reservatório, que precederam o do início de seu enchimento, verificou-se a existência de processos erosivos de dimensões pequenas e médias, e de impacto ambiental localizado e com baixo potencial de agravamento, em função deste enchimento. Esta segunda campanha de campo durante o período de enchimento - realizada por via fluvial - não observou a alteração destes padrões de gravidade, das dimensões, e do grau de risco dos processos encontrados localizados na cota 610. Das áreas vistoriadas, merece especial atenção o ponto 78 ainda que esta área deva permanecer submersa por ocasião do enchimento do futuro reservatório. Foi recomendado o seu monitoramento quando o N.A. esteja oscilando entre as cotas 610 e 615 m. Ressalta-se ainda, que conforme verificado na primeira vistoria por via fluvial, que interferências realizadas na zona de depleção do futuro reservatório durante as operações de supressão da vegetação - como a execução de cortes e aterros para acessos - promoveram a exposição de massas de solo com maior propensão à processos de mobilização de sedimentos. Essas áreas, mencionadas com maior detalhamento nas fichas 75, 77, 78, 79, 80 e 81, não constituem por ora, motivo de preocupação no tocante a agravamento de risco ambiental (a exceção do ponto 78 mencionado anteriormente), e em caso de agravamento, ser imediatamente trabalhadas conforme recomendações constantes nas fichas e de medidas de controle específicas a serem preconizadas pela Ingá Engenharia, caso a caso. O monitoramento das margens do futuro reservatório dever ser especialmente acurado nas áreas onde ocorreu supressão vegetal, sobre tudo onde as vias de acesso abertas e áreas de movimentação de terra coincidem com as cotas de variação normal esperada para o espelho d água. As áreas distribuídas nesta faixa são especialmente sujeitas à elevação da superfície freática (com redução da coesão aparente do solo) e ao embate de marolas, podendo estar sujeitas a processo erosivos e processos de movimentação de massa. 24

25 Equipe Técnica Arnaldo Teixeira Coelho CREA-MG: / D Diego Rodriguez CREA-MG: / D 25

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15)

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) 12 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ 4º RELATÓRIO

Leia mais

5 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 07)

5 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 07) 5 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 07) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

Programa de Monitoramento de Pontos Propensos à Instabilização de Encostas e Taludes Marginais

Programa de Monitoramento de Pontos Propensos à Instabilização de Encostas e Taludes Marginais Programa de Monitoramento de Pontos Propensos à Instabilização de Encostas e Taludes Marginais Preparado Por Preparado Para ICF Consultoria do Brasil Ltda Av. das Américas, nº 700, Bloco 6, sala 251 Barra

Leia mais

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Stefânia Moreira Alves Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil, stefaniamoreiraalves@yahoo.com.br Romero César Gomes Universidade

Leia mais

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos Carlos A. Nobre Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento - SEPED Ministério de Ciência, Tecnologia

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM Manaus 28 de Outubro de 2010 LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO CHIBATÃO MANAUS (AM) 1. INTRODUÇÃO Por solicitação do Ministério Público do Estado

Leia mais

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Introdução e Objetivos Anualmente inúmeros desastres decorrentes de eventos

Leia mais

5.4 Passivos Ambientais

5.4 Passivos Ambientais 5.4 Passivos Ambientais 5.4.1 Considerações Gerais Considerase Passivo Ambiental como toda a ocorrência decorrente de: Falha na construção, restauração ou manutenção de rodovia, capaz de atuar como fator

Leia mais

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos 2.6.12 O PCPE foi implementado com base no Plano Ambiental para Construção PAC a fim de proteger, estabilizar e mitigar as interferências na faixa de servidão, bota-foras, acessos, canteiro de obras e

Leia mais

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE Karl Terzaghi em seu discurso de abertura, referindo-se aos solos residuais brasileiros, disse que os nossos técnicos estavam em condições de pesquisar e experimentar nas

Leia mais

Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes

Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes Deslizamentos em SC - causas, consequências, medidas emergenciais e ações futuras Joinville SC 12/02/2009 Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes Luiz A. Bressani, PhD Departamento

Leia mais

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br)

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES: CAUSAS E SOLUÇÕES EM QUALQUER RAMO DA ATIVIDADE HUMANA VALE UMA LEI BÁSICA: A SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013

RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013 RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013 Porto Alegre, março de 2014 APRESENTAÇÃO Este documento visa atender a condicionante 8.5 das Licenças de Operação LO LO 7961/2012, concedida a Vêneto

Leia mais

6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8. 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8. 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8

6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8. 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8. 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8 2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8 6.3.3.2.1 - Objetivo Geral...

Leia mais

Proc. IPHAN nº 01450.007673/2011-16 - Portaria IPHAN nº 15, de 05 de maio de 2011

Proc. IPHAN nº 01450.007673/2011-16 - Portaria IPHAN nº 15, de 05 de maio de 2011 PROJETO ARQUEOLOGIA PREVENTIVA NAS ÁREAS DE INTERVENÇÃO DA UHE SANTO ANTONIO DO JARI, AP/PA Proc. IPHAN nº 01450.007673/2011-16 - Portaria IPHAN nº 15, de 05 de maio de 2011 LAUDO: 02/2011 SERVIÇO EXECUTADO:

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA

Leia mais

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS 1. Conceituação de passivo ambiental Na conceituação ambiental

Leia mais

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/derpr Especificações

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

Terraplenagem - cortes

Terraplenagem - cortes MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR:

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR: TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL E PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA PARQUES DE GERAÇÃO DE ENERGIAS ALTERNATIVA (SOLAR, EÓLICA E OUTRAS) 1. INTRODUÇÃO Este Termo de

Leia mais

SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO

SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO DEMARCAÇÃO LPM 1831 Departamento de Caracterização do Patrimônio/SPU 1 DEMARCAÇÃO DA LPM 1831 Manual de Regularização Fundiária. Instituto Pólis, Brasília. MPOG, 2007. 2 Demarcação: LPM de1831 TERRENOS

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Roberto Werneck Seara; Benedito de Souza Neto; Fabiano Rossini COPEL

Leia mais

NT-1805.R-1 - DESMATAMENTO E TERRAPLENAGEM EM TERRENOS E ACRESCIDOS DE MARINHA

NT-1805.R-1 - DESMATAMENTO E TERRAPLENAGEM EM TERRENOS E ACRESCIDOS DE MARINHA NT-1805.R-1 - DESMATAMENTO E TERRAPLENAGEM EM TERRENOS E ACRESCIDOS DE MARINHA Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 0244 de 29 de outubro de 1981. Publicada no DOERJ de 24 de novembro de 1981 1. OBJETIVO

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás,

Leia mais

2 INSTRUMENTAÇÃO E SEGURANÇA DE BARRAGENS

2 INSTRUMENTAÇÃO E SEGURANÇA DE BARRAGENS 2 INSTRUMENTAÇÃO E SEGURANÇA DE BARRAGENS 2.1. Introdução O interesse crescente pela segurança de barragens tem levado, em um número apreciável de países, à implementação de normas e critérios específicos

Leia mais

3. RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PELA EXECUÇÃO DO PRAD

3. RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PELA EXECUÇÃO DO PRAD 1. EMPRESA DE MINERAÇÃO RESPONSÁVEL PELA ÁREA Nome Oficial/Razão Social: COQUE CATARINENSE LTDA COCALIT CNPJ e Inscrição Estadual: 83.662.981/0001-60 250.012.383 Endereço da sede: Rua João Pessoa, 445/502

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

Geotecnologias no planejamento ambiental de trilhas em unidades de conservação

Geotecnologias no planejamento ambiental de trilhas em unidades de conservação Geotecnologias no planejamento ambiental de trilhas em unidades de conservação Msc. Hélio Beiroz Sistema LABGIS hbeiroz@labgis.uerj.br www.labgis.uerj.br Definições Geotecnologias Conjunto de tecnologias

Leia mais

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.1 Projeto de Monitoramento Batimétrico Revisão 00 NOV/2013 Coordenador da Equipe Carlos Eduardo Alencar Carvalho CRBio 37538/4-D

Leia mais

11º Relatório de Monitoramento Socioambiental

11º Relatório de Monitoramento Socioambiental Foto 01: A área de empréstimo teve a exploração de solo encerrada e passou a receber tratamento para encerramento e recuperação. A superfície do terreno foi reconformada, com a eliminação das cavas, pilhas

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 1 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 2 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO

Leia mais

12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA *MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail

12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA *MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail 1 12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA Definição: Alteração do percurso natural do corpo de água para fins diversos. O desvio em corpo d água pode ser parcial ou total. O desvio parcial consiste na preservação

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO FRC-RS-ERO-CON-0901-0A JANEIRO 2009 CONSILIU Meio Ambiente & Projetos Empreendimento:

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL 1 Largura das faixas de rolamento 2 - Larguras dos acostamentos (Bermas) 3 -Conformação e declividades (caimentos) da pista e dos acostamentos 4 - Canteiro central (Mediano) 5 -Taludes 6 -Faixa de domínio

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini.

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental Graduação em Engenharia Ambiental 5 - Poluição e Degradação do Solo Professor: Sandro Donnini Mancini Setembro, 2015 Solo camada

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

do substrato gnáissico.

do substrato gnáissico. 55 6.2 - Descrição de eventos locais Informações obtidas em campo possibilitaram a descrição de eventos locais que permitem caracterizar situações práticas relacionadas aos processos erosivos. A presença

Leia mais

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução ANÁLISE COMPARATIVA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS SAGRADO E MARUMBI: PRINCIPAIS CONDICIONANTES FÍSICOS PREDOMINANTES NA OCORRÊNCIA DE MOVIMENTOS DE MASSA¹ Universidade Federal do Paraná (UFPR) Juliana

Leia mais

Vistoria Cautelar de Vizinhança. Eng..o Civil José Fidelis Augusto Sarno

Vistoria Cautelar de Vizinhança. Eng..o Civil José Fidelis Augusto Sarno Eng..o Civil José Fidelis Augusto Sarno Apresentação dos principais tópicos da legislação que rege a matéria; Procedimentos para a realização da Vistoria; Tópicos do Relatório; Apresentação de casos práticos

Leia mais

ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014

ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014 ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014 1. INTRODUÇÃO O presente termo de referência visa subsidiar a análise dos impactos ambientais

Leia mais

Medição de vazão. Capítulo

Medição de vazão. Capítulo Capítulo 5 Medição de vazão V azão é o volume de água que passa por uma determinada seção de um rio dividido por um intervalo de tempo. Assim, se o volume é dado em litros, e o tempo é medido em segundos,

Leia mais

RETROANÁLISE DO MOVIMENTO DE MASSA DE TALUDE DE SOLO ESTUDO DE CASO

RETROANÁLISE DO MOVIMENTO DE MASSA DE TALUDE DE SOLO ESTUDO DE CASO RETROANÁLISE DO MOVIMENTO DE MASSA DE TALUDE DE SOLO ESTUDO DE CASO Flávia Aparecida Tavares Bonadeu (1), Adailton Antônio dos Santos (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)flaviabonadeu@hotmail.com,

Leia mais

SUBPROGRAMA 7.3 - MONITORAMENTO E CONTROLE DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS

SUBPROGRAMA 7.3 - MONITORAMENTO E CONTROLE DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS SUBPROGRAMA 7.3 - MONITORAMENTO E CONTROLE DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS EMPRESA CONTRATADA Ecossis Soluções Ambientais CONTEXTUALIZAÇÃO Em ambientes aquáticos construídos, como açudes e reservatórios de usinas

Leia mais

ASPECTOS SOBRE SISTEMAS DE DRENAGEM EM PEDREIRAS A CÉU ABERTO

ASPECTOS SOBRE SISTEMAS DE DRENAGEM EM PEDREIRAS A CÉU ABERTO ASPECTOS SOBRE SISTEMAS DE DRENAGEM EM PEDREIRAS A CÉU ABERTO Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A drenagem de águas superficiais é uma das operações auxiliares mais importantes nas pedreiras

Leia mais

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado Ferreira Jr, J. A., Mendonça, M. B. e Saramago, R. P. Terrae Engenharia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil RESUMO: A participação

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM UNDERSTANDING RISK SEÇÃO: CRESCIMENTO URBANO SEM RISCOS DE DESLIZAMENTOS Conhecimento, Prevenção, Preparação, Resposta e Mudança de Hábitos Belo Horizonte, novembro de

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS)

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) 1. DEFINIÇÃO 1.1. Licença Simplificada (LS) - concedida para a localização, instalação, implantação e operação

Leia mais

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo.

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo. 1 1. ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2. OBJETIVO Resolução nº 01 de 02/02/2004 do Conselho Nacional de Educação CNEC/CN/MEC. Proporcionar ao estudante oportunidade de desenvolver suas habilidades, analisar situações

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE GERENCIAMENTO AMBIENTAL DA USINA HIDRELÉTRICA ALZIR DOS SANTOS ANTUNES NONOAI - RS PERÍODO: OUTUBRO A DEZEMBRO/2015 -

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE GERENCIAMENTO AMBIENTAL DA USINA HIDRELÉTRICA ALZIR DOS SANTOS ANTUNES NONOAI - RS PERÍODO: OUTUBRO A DEZEMBRO/2015 - RELATÓRIO TRIMESTRAL DE GERENCIAMENTO AMBIENTAL DA USINA HIDRELÉTRICA ALZIR DOS SANTOS ANTUNES NONOAI - RS PERÍODO: OUTUBRO A DEZEMBRO/2015 - EMPREENDEDOR GESTÃO AMBIENTAL PORTO ALEGRE, DEZEMBRO DE 2015.

Leia mais

NORMA OPERACIONAL PARA O RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA LAVRA, REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE EXTRAÇÃO GRANITO - MÁRMORE ARGILA E SAIBRO.

NORMA OPERACIONAL PARA O RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA LAVRA, REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE EXTRAÇÃO GRANITO - MÁRMORE ARGILA E SAIBRO. 1 OBJETIVO Estabelecer parâmetros para orientar a elaboração do relatório trimestral de monitoramento da atividade de extração mineral, referente ao avanço de lavra, as medidas mitigadoras implantadas

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM Manaus 21 de Novembro de 2012 LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM 1. INTRODUÇÃO Por solicitação da Câmara dos Vereadores da cidade de Manaus,

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

EXTRATO DA INSPEÇÃO REGULAR DE BARRAGEM. Nome da Barragem: Segundo Nome da Barragem: Coordenadas - datum WGS-84: Latitude _ (S) Volume: m³ RPGA:

EXTRATO DA INSPEÇÃO REGULAR DE BARRAGEM. Nome da Barragem: Segundo Nome da Barragem: Coordenadas - datum WGS-84: Latitude _ (S) Volume: m³ RPGA: Nome do empreendedor EXTRATO DA INSPEÇÃO REGULAR DE BARRAGEM Modelo INEMA 2015 - Lei Federal 12.334/2010 I - Dados Gerais Nome da Barragem: Segundo Nome da Barragem: Coordenadas - datum WGS-84: Latitude

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDOS Turma 2013. Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDOS Turma 2013. Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDOS Turma 2013. Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 IMPACTOS AMBIENTAIS GERADOS POR RESÍDUOS DE OBRAS RODOVIÁRIAS DEPOSITADOS À MARGEM

Leia mais

Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ-002-01-14. Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Novembro/2013 e Janeiro/2014

Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ-002-01-14. Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Novembro/2013 e Janeiro/2014 Relatório Bimestral FCTY-RTB-ARQ-002-01-14 Referência: Programa de Monitoramento Arqueológico. Novembro/2013 e Janeiro/2014 At: Gerência de Sustentabilidade FCTY Janeiro de 2014 1 INTRODUÇÃO... 1 2 LOCALIZAÇÃO...

Leia mais

Avaliação de Processos Erosivos de Falésias em Pirangi do Norte, Parnamirim RN

Avaliação de Processos Erosivos de Falésias em Pirangi do Norte, Parnamirim RN Avaliação de Processos Erosivos de Falésias em Pirangi do Norte, Parnamirim RN Santos Jr., O. F. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal - RN, olavo@ct.ufrn.br Costa, Y. D. J. Universidade Federal

Leia mais

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO OCEÂNICA: OS CORDÕES ARENOSOS LITORÂNEOS. Pelo Geólogo Josué Barroso

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO OCEÂNICA: OS CORDÕES ARENOSOS LITORÂNEOS. Pelo Geólogo Josué Barroso USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO OCEÂNICA: 1-INTRODUÇÃO OS CORDÕES ARENOSOS LITORÂNEOS Pelo Geólogo Josué Barroso No extenso litoral brasileiro, o do Estado do Rio de Janeiro está entre os de maior concentração

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

Plano Verão 2014/2015

Plano Verão 2014/2015 Plano Verão 2014/2015 NOVO MODELO DE ESTÁGIOS OPERACIONAIS APLICATIVO OLHOS DA CIDADE AÇÕES PARA PREVENÇÃO DO IMPACTO DAS CHUVAS CENTRO DE OPERAÇÕES RIO Modelo atual com base em informações meteorológicas

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

DMA. Diretrizes para apresentação de projeto de licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS. Licença Prévia LP

DMA. Diretrizes para apresentação de projeto de licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS. Licença Prévia LP Diretrizes para apresentação projeto licenciamento Licença Prévia LP A documentação técnica abaixo relacionada ve servir para análise e posterior emissão ou inferimento Licença Prévia - LP. A documentação

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL)

ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL) ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL) Karla Regina Mendes Cassiano Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia karlamendes@inpa.gov.br Reinaldo Corrêa Costa Instituto Nacional

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA (Estudo Prévio) I. Tendo por base o Parecer Final da Comissão de Avaliação (CA), as Conclusões da Consulta

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM E GEOWEB PARA REFOÇO DE ATERRO E PROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE JACIARA MT

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM E GEOWEB PARA REFOÇO DE ATERRO E PROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE JACIARA MT UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM E GEOWEB PARA REFOÇO DE ATERRO E PROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE JACIARA MT Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Paulo Roberto Ferst EPP PERÍODO 2003

Leia mais

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco.

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Fonseca, E. C. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, evan@ufba.br

Leia mais

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA Clima urbano e qualidade socioambiental Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim João Lima Sant Anna Neto Este projeto tem como objetivo identificar como se processa a produção do clima urbano em cidades

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO AGMA

RELATÓRIO SEMESTRAL PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO AGMA RELATÓRIO SEMESTRAL PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO AGMA JULHO 2008 FRC-RS-ERO-CON-0807-0C CONSILIU Meio Ambiente

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO DRENOS SUB-SUPERFICIAIS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de drenos subsuperficiais,

Leia mais

Síntese ilha do Faial

Síntese ilha do Faial Síntese ilha do Faial Na ilha do Faial, foi identificada uma situação urgente, na Ribeira das Águas Claras, freguesia do Capelo. Na generalidade dos casos, são identificadas situações de instabilidade

Leia mais

DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE

DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE REFERÊNCIA ASSUNTO: DIRETRIZES DE PROJETO DE HIDRÁULICA E DRENAGEM DATA DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE -309- ÍNDICE PÁG. 1. OBJETIVO... 311 2. RUGOSIDADE EM OBRAS HIDRÁULICAS...

Leia mais

Estudos de sedimentologia a partir do emprego de protocolos do EMAP: contribuições para avaliação de impactos sobre pequenos cursos d'água

Estudos de sedimentologia a partir do emprego de protocolos do EMAP: contribuições para avaliação de impactos sobre pequenos cursos d'água Estudos de sedimentologia a partir do emprego de protocolos do EMAP: contribuições para avaliação de impactos sobre pequenos cursos d'água Hersília de Andrade e Santos Stéphanie Fernandes Cunha Aline Pimenta

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO MUNICIPIO DE ITIQUIRA PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE TURISMO E MEIO AMBIENTE

ESTADO DE MATO GROSSO MUNICIPIO DE ITIQUIRA PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE TURISMO E MEIO AMBIENTE LEI Nº. 535 de 07 de Abril de 2005. Institui o Plano Diretor Ambiental de Conservação e Uso do Entorno do Reservatório do Aproveitamento Hidroelétrico de Ponte de Pedra, localizado nos Municípios de Itiquira,

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA 1. OBJETIVO GERAL As instruções técnicas contidas no presente Termo de Referência objetivam estabelecer os procedimentos e os

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NA ESCADA DE DISSIPAÇÃO EM GABIÃO

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NA ESCADA DE DISSIPAÇÃO EM GABIÃO UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NA ESCADA DE DISSIPAÇÃO EM GABIÃO Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Ivo Corrêa Meyer Neto AGOSTO 1991 Revisado JANEIRO 2011-

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Drenagem Urbana

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente PROCESSO DE LICENCIAMENTO DOCUMENTOS MÍNIMOS NECESSARIOS PARA AQUICULTURA CARCINICULTURA LICENÇA PRÉVIA (LP) 1 Requerimento de LP; 2 Cadastro técnico; 3 Guia de recolhimento devidamente quitada; 4 Comprovação

Leia mais

V-045 - ESTUDO DO ASSOREAMENTO DE CORPOS D ÁGUA PELO MÉTODO GEOFÍSICO DE GEO-RADAR

V-045 - ESTUDO DO ASSOREAMENTO DE CORPOS D ÁGUA PELO MÉTODO GEOFÍSICO DE GEO-RADAR V-045 - ESTUDO DO ASSOREAMENTO DE CORPOS D ÁGUA PELO MÉTODO GEOFÍSICO DE GEO-RADAR Wagner França Aquino (1) Bacharel em Geofísica pelo Instituto Astronômico e Geofísico da Universidade de São Paulo (IAG/USP).

Leia mais

Resumo. Palavras-chave. Corrosão das armaduras; Reação álcali agregado; Patologia.

Resumo. Palavras-chave. Corrosão das armaduras; Reação álcali agregado; Patologia. Investigação dos Agentes Causadores de Corrosão nas Armaduras em Pontes de Concreto na Região do Curimataú Oriental Paraibano. Túlio Raunyr Cândido Felipe 1, Maria das Vitorias do Nascimento 2, Weslley

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

Localidade Data Ocorrência Providências Trânsito/situação atual

Localidade Data Ocorrência Providências Trânsito/situação atual 1 Emergências Chuvas Dezembro 2011/janeiro 2012 TABELA CONCESSÕES ANTT Atualização: 16/01/2012 09: 00 hs UF Rodovia/ Concessão Localidade Data Ocorrência Providências Trânsito/situação atual Jamapará próximo

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA 1 Trabalho Leitura e Interpretação de Cartas, separação em pranchas diferentes das informações contidas nas Cartas na escala 1:50.000, como: hidrografia, relevo, vegetação,

Leia mais

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Gerenciamento de riscos a escorregamentos em encostas Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Característica estrutural

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR

1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR ANEXO 7 - TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial para a elaboração do Relatório de Controle

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

SUMÁRIO: Projeto de recuperação de áreas degradadas. Instrução Normativa Nº. 08

SUMÁRIO: Projeto de recuperação de áreas degradadas. Instrução Normativa Nº. 08 SUMÁRIO: OBJETIVOS:... 2 I DAS DEFINIÇÕES:... 3 II DOS PROCEDIMENTOS:... 3 III INSTRUÇÕES:... 4 ANEXO 1... 6 EXEMPLO DE CROQUI DE REPRESENTAÇÃO DA ÁREA A SER RECUPERADA... 6 ANEXO 2... 7 ENDEREÇO DO DEPARTAMENTO

Leia mais

ISF 204: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS EXECUTIVOS DE FERROVIAS

ISF 204: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS EXECUTIVOS DE FERROVIAS ISF 204: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS EXECUTIVOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes dos Estudos Topográficos a serem desenvolvidos nos Projetos Executivos de Engenharia.

Leia mais

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA INTRODUÇÃO O presente Termo de Referência tem como objetivo

Leia mais