AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO DE UMA INDÚSTRIA MADEIREIRA: ESTUDO DE CASO DE UMA SERRARIA NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO DE UMA INDÚSTRIA MADEIREIRA: ESTUDO DE CASO DE UMA SERRARIA NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO."

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO DE UMA INDÚSTRIA MADEIREIRA: ESTUDO DE CASO DE UMA SERRARIA NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Ana Carolina Boa, Elizabeth Neire da Silva, Pedro Lício Loiola, Nilton Cesar Fiedler, Marcos Oliveira de Paula Universidade Federal do Espírito Santo/Departamento de Ciências Florestais e da Madeira, Av. Gov. Lindemberg, 316, Centro, CEP , Jerônimo Monteiro, ES, Brasil, Resumo- Além de permitir a redução dos riscos de acidentes, a aplicação dos conceitos de segurança no trabalho está relacionada a certificações a serem obtidas pelas empresas e também com a redução de custos, já que acidentes de trabalho causam ao empregador perdas pessoais e materiais. Este estudo teve como objetivo apresentar um estudo qualitativo descritivo de caso da segurança do trabalho em uma empresa florestal do Espírito Santo. Observou-se que a presença de medidas de prevenção dos acidentes de trabalho, como a adoção de EPI s (equipamentos de proteção individual) e EPC s (equipamentos de proteção coletiva) é observada em maior escala em grandes empresas. Os proprietários de pequenas serrarias, a exemplo da avaliada neste estudo, apresentam maior resistência à adoção destes equipamentos. A indústria avaliada neste estudo foi uma pequena serraria localizada no Sul do Estado do Espírito Santo que, além de não apresentar uso de equipamentos de proteção, apresenta características em sua estrutura que são favoráveis a ocorrência de acidentes. Palavras-chave: Serraria. Segurança no Trabalho. Acidentes de trabalho. Equipamentos de proteção. Área do Conhecimento: Engenharias. Introdução A segurança no trabalho pode ser entendida como sendo o conjunto de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade e a capacidade de trabalho do trabalhador (SILVA, 2008). O impacto da Revolução Industrial na Europa, no século XIX, proporcionou ganho na importância da proteção do trabalhador no seu ambiente de trabalho, sendo que o primeiro médico de fábrica surgiu na Escócia, em 1842, para cuidar da saúde de mulheres e crianças trabalhadoras (CAMARGO; SOUZA, 2008). No Brasil apenas em meados do século XIX foi iniciada a preocupação pelos perigos de certas instituições, como cemitérios, matadouros, hospitais, presídios e fábricas. Neste período se observou a necessidade de maior intervenção do estado sobre a saúde pública, onde as medidas de higiene já não eram suficientes, tornando-se necessário o atendimento das condições de trabalho. No ano de 1919 surgiram as primeiras Leis sobre Acidentes do Trabalho através do Decreto Legislativo nº de 15 de janeiro de Por meio da criação do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio no ano de 1934 foram nomeados os primeiros inspetores do trabalho, que eram responsáveis por inspeção nos locais de trabalho e estudos sobre acidentes e doenças profissionais. O estudo da Medicina do Trabalho nos cursos médicos brasileiros foi iniciado na década de 50 e em 1968 foi criada a Associação Nacional de Medicina do Trabalho ANAMT e originado o Instituto Nacional de Previdência Social (INPS). E, em 1969, foi a Fundação Centro Nacional de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho FUNDACENTRO, com o surgimento das Normas Regulamentadoras NR s, que totalizam um número de 33 atualmente, em 1978 (CAMARGO; SOUZA, 2008). Atualmente a conscientização sobre a segurança do trabalhor, em função dos acidentes e das doenças do trabalho e seus malefícios para o trabalhador e para o empregador, permite a melhoria da qualidade de vida do trabalhado, sendo, inclusive, item importante na certificação de empresas. Segundo Lacerda (2007) existem três conceitos de acidentes de trabalho, sendo eles do ponto de vista geral, legal e técnico. Do ponto de vista geral o acidente de trabalho é um evento casual, danoso para a vida ou para a capacidade laborativa do empregado, e relacionado com o trabalho. Legalmente o acidente de trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho, a serviço da empresa, que provoque lesão corporal, perturbação funcional, ou doença, que cause a morte, ou perda ou redução, temporária ou permanente, da capacidade ao trabalho. Já do ponto de vista técnico é toda 1

2 ocorrência, inesperada ou não, que interfere no andamento normal do trabalho, e que cause perda de tempo e/ou danos materiais e/ou lesão no trabalhador, ou as três coisas, simultaneamente (LACERDA, 2007). As atividades da indústria madeireira, quando não realizadas de maneira correta, criam impacto não só na natureza, mas também na qualidade de vida do homem. Os agentes ambientais originados por essas atividades englobam todos os grupos de risco: físicos, químicos, biológicos, ergonômicos, e acidentes. A execução destas atividades, desde a extração até o beneficiamento da madeira, está associada os mais variados tipos de acidentes e, desta forma, pode-se observar que se apresenta como atividade de risco (SOBIERAY et al., 2007). Segundo Sobieray et al (2007) é necessário saber as condições de trabalho enfrentadas pelos operários da indústria madeireira e quais as máquinas e instrumentos manuseados pelos trabalhadores que são perigosos, de forma a definir os principais riscos de acidentes que podem ocorrer. É função dos proprietários das madeireiras orientar os trabalhadores quanto às necessidades, quais os cuidados e quais os equipamentos de proteção necessários a serem utilizados neste setor. Lacerda (2007) apresenta, em ordem de maior ocorrência, como as principais causas de acidentes nas indústrias de conversão mecânica da madeira: 1- Falta de atenção ou pressa no trabalho; 2- Procedimento errado no trabalho; 3- Ambiente inseguro; 4- Equipamentos e máquinas com defeito ou inadequados; 5- Falta de EPI ou seu uso incorreto; 6- Manter equipamentos ligados, na manutenção; 7- Uso incorreto de ferramentas; 8- Acidente de trajeto; 9- Outras causas. O autor apresenta como locais de principal ocorrência de acidentes as mãos, em segundo lugar estão os olhos e o tórax, seguidos dos braços. Na Figura 1 é ilustrada a ocorrência de acidentes nas indústrias de conversão mecânica da madeira para as partes do corpo humano. Figura 1 Partes do corpo humano atingidas na indústria de conversão mecânica da madeira. Fonte: LACERDA (2007). O presente estudo teve como objetivo avaliar uma pequena serraria localizada no Sul do Estado do Espírito Santo e identificar as máquinas que oferecem maiores riscos de acidentes no trabalho e o ambiente de trabalho, identificando as adequações que atendam as necessidades de segurança do trabalho. Metodologia Esta pesquisa trata-se de um estudo qualitativo descritivo que visou avaliar e identificar as máquinas que oferecem maiores riscos de acidentes no trabalho, o uso de equipamentos de proteção individual e coletiva e a estrutura de uma pequena serraria localizada no Sul do Estado do Espírito Santo. As análises na serraria foram realizadas por meio da observação das condições das máquinas, do ambiente de trabalho, do layout do processo produtivo e dos trabalhadores desta empresa. Resultados Caracterização da área de processamento da empresa A área de processamento da empresa é constituída por um galpão coberto, dividido em duas partes; e uma área externa como ilustrado na Figura 2. Figura 2 Área de processamento da empresa. 2

3 A área externa apresenta o local de armazenagem de matéria prima (1) e também é o local onde são dispostos os resíduos gerados no processo, que não apresentam área determinada para armazenamento. No galpão 1 se encontram as máquinas do desdobro principal, a serra fita (2), a serra circular de resserra (3) e a serra circular destopadeira (4). Já no galpão 2 são encontradas as máquinas de usinagem de acabamento, a tupia (5), a serra circular de bancada (6) e a serra fita (7), a área de armazenamento de peças acabadas (8) e o escritório (9). A inclinação do terreno onde esta localizada a serraria predispõe este local a grande risco de ocorrência de acidentes, assim como a área de armazenamento de matéria-prima (Figuras 3 e 4). circular de resserra; utilizada para reduzir a espessuras das peças originadas do desdobro principal (Figura 6); uma serra circular destopadeira, utilizada para diminuir e,ou homogeneizar o comprimento das peças (Figura 7); e as serras que são utilizadas para usinagem de acabamento, uma tupia, uma serra circular de bancada e uma serra fita. Figura 5 Serra fita do desdobro principal. Figura 3 Área inclinada entre o local de armazenamento de matéria prima e a serra de fita de desdobro. Figura 6 Serra circular de resserra. Figura 4 Toras na área de armazenamento de matéria prima. Maquinário da empresa As máquinas utilizadas no processamento de materiais da empresa são uma serra fita, utilizada no desdobro principal (Figura 5); uma serra Figura 7 Serra circular detopadeira. Funcionários da empresa 3

4 Os funcionários da empresa não apresentaram uso de nenhum equipamento de proteção individual, bem como não possuíam nenhum equipamento de proteção coletiva a seu dispor. Alguns funcionários se encontravam sem sapato adequado para as execuções das tarefas de uma serraria, muitas vezes com o uso de chinelo. Quanto as vestimentas utilizadas, poucos utilizavam calça jeans. Em maioria se apresentava de bermuda e com camiseta, sendo que havia presença de funcionários sem camisa manuseando materiais e máquinas. Um dos funcionários estava com um protetor auricular, porém este não estava em uso, pois era mantido pendurado no bolso da camisa deste funcionário. Resíduos gerados no processamento da madeira Os resíduos gerados no processamento da serraria não apresentam local adequado de armazenamento (Figuras 8, 9 e 10). São dispostos em espaços entre as máquinas e na área externa. Apresentam grande risco de causa de incêndio e também podem ser abrigo para animais que são perigosos a saúde humana. Figura 9 Disposição dos resíduos na serraria. Figura 9 Disposição dos resíduos na serraria. Discussão Área de processamento da empresa Em toda a área de processamento o piso não é revestido, o que em dias de chuva causa problemas na movimentação dos funcionários e da matéria prima. O piso torna-se escorregadio e propenso à queda de funcionários, que podem atingir as lâminas das serras durante a queda ou sofrerem acidentes com as toras que são utilizadas para o desdobro. O terreno entre a área de armazenamento da matéria prima (1) e a serra fita de desdobro principal (2) é inclinado e os funcionários precisam rolar as toras até o carro porta toras da serra. As toras são de grande volume, como ilustrado na Figura 3, e caso atinjam um funcionário podem ocasionar alguma lesão a este, através do impacto do choque ou da propensão deste em direção á serra fita de destopo. Maquinário da empresa Figura 8 Disposição dos resíduos na serraria. Observou-se que as máquinas da empresa são obsoletas e não são dispostas de forma a promover segurança aos trabalhadores. As instalações elétricas destas máquinas se apresentam de forma inadequada, com fios expostos, alguns desencapados e outros cobertos de serragem e pó de madeira. A manutenção das máquinas não é realizada, apenas é realizada a manutenção das serras por meio de afiação. As maquinas são cobertas de pó de madeira e apresentam ajustes inadequados que são dispostos para facilitar a execução das tarefas dos trabalhadores. Resíduos Quando são formandos grandes volumes de resíduos sólidos, estes são vendidos a padarias 4

5 ou pizzarias para a queima. Já os resíduos de menores dimensões, como o pó de serra, não possuem destinação e se encontram dispostos no chão da serraria e sobre as máquinas. como prevenção de acidentes em indústrias madeireiras de Mato Grosso. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. v.18, p , Conclusão Após a realização deste trabalho as seguintes conclusões puderam ser inferidas: As pequenas indústrias apresentam maior dificuldade de implantação de segurança no trabalho, devido aos custos relacionados a implantação e as dificuldades de acesso a informações. A pavimentação do pátio desta empresa seria indicada para a redução de possibilidade de ocorrência de acidentes. É necessária a implantação de manutenção nas maquinas desta empresa, que ocasionaria a redução de riscos de acidente e, também, o aumento da produção. A empresa deve fornecer e exigir aos funcionários o uso de equipamentos de proteção individual, como calçado e vestimentas adequado e protetor auricular. A empresa deve utilizar equipamentos de proteção coletiva, como mapas de risco, identificação das máquinas e seus riscos de acidentes, extintor de incêndio e isolamento da área das máquinas. Os resíduos gerados pela empresa devem possuir melhor disposição, de forma a reduzir o risco de incêndios. Referências - CAMARGO, M.; SOUZA, H. E. L. Segurança do trabalho: um estudo de caso de uma empresa madeireira. Revista Eletrônica Lato Sensu UNICENTRO. Edição 06, p.2-15, LACERDA, E. A segurança do trabalho na indústria de conversão mecânica da madeira - 3.ed. manual. Curitiba: UFPR. Setor de Ciências Agrárias. Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal, 2007, 34 p. - SILVA, G. M. Introdução à segurança do trabalho. Apostila. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais/CEFT-MG p. Disponível em: oducao-a-seguranca-no-trabalho Acesso em: 20 out SOBIERAY, T. N. C.; NOGUEIRA, M. C. de J. A.; DURANTE, L. C.; LAMBERT, J. A. Um estudo sobre o uso de equipamentos de proteção coletiva 5

Saúde é um dos direitos fundamentais do ser humano. Muito mais do que a ausência de doenças, ela pode ser definida como qualidade de vida.

Saúde é um dos direitos fundamentais do ser humano. Muito mais do que a ausência de doenças, ela pode ser definida como qualidade de vida. AULA 1 INTRODUÇÃO E O que é SAÚDE? Saúde é o que toda a pessoa tem quando está com todo o organismo saudável e se sentindo completamente bem em relação a doenças ou a qualquer indisposição física. Saúde

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro Saúde e segurança marceneiro. A preocupação com o bem-estar, a saúde e a segurança do marceneiro no trabalho, vem crescendo no decorrer dos últimos anos, pois, quando o trabalho representa apenas uma obrigação

Leia mais

SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

SEGURANÇA EM LABORATÓRIO SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1 Portaria nº 3.214, de 08 de Junho de 1978 O Ministro de Estado, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto no Artigo 200, da Consolidação das Leis do Trabalho,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI 0 FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Concórdia- SC 2014 1 EDICLÉIA KARINE

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS. Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP. Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP

INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS. Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP. Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP 2014 1. INTRODUÇÃO Com o decorrer do tempo e os avanços tecnológicos tornando

Leia mais

Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho. Paulo Gama Engº de Segurança a do Trabalho

Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho. Paulo Gama Engº de Segurança a do Trabalho Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho Paulo Gama Engº de Segurança a do Trabalho SUPERNORTE - 2011 O que é Higiene, Segurança a e Saúde no Trabalho? Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho pode ser entendida

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

Higiene e segurança no trabalho

Higiene e segurança no trabalho Higiene e segurança no trabalho Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com O que é higiene no trabalho? Higiene do trabalho é um conjunto de normas e procedimentos que

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO

SEGURANÇA DO TRABALHO GESTÃO DE PESSOAS EM UAN / UPR SEGURANÇA DO TRABALHO Profª Celeste Viana TREINAMENTO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Portaria 3.214/78, NR nº9, subítem 9.5.2: Os empregadores deverão informar aos trabalhadores, de

Leia mais

FUNDAMENTOS DA HIGIENE E SEGURANÇA

FUNDAMENTOS DA HIGIENE E SEGURANÇA FUNDAMENTOS DA HIGIENE E SEGURANÇA INTRODUÇÃO A indústria sempre teve associada a vertente humana, nem sempre tratada como sua componente preponderante. Até meados do século 20, as condições de trabalho

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Introdução à Segurança do Trabalho Desde seu aparecimento na Terra, o homem convive com situações de risco e por não ter controle sobre elas, esteve sempre sujeito a todo tipo de acidentes. Com o passar

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Conjunto de medidas educacionais, técnicas, médicas e psicológicas adotadas com o objetivo de prevenir acidentes. As causas de um acidente: a) condição insegura: Tal condição

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O PCMAT DE UMA OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA-SC COM A NR 18 - ESTUDO DE CASO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O PCMAT DE UMA OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA-SC COM A NR 18 - ESTUDO DE CASO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O PCMAT DE UMA OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA-SC COM A NR 18 - ESTUDO DE CASO RESUMO Lucas Vaz Franco Crispim (1), Clovis Norberto Savi (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Procedimento para Bancada de Serra Circular Elétrica

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Procedimento para Bancada de Serra Circular Elétrica Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1) OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos e condições mínimas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança

Leia mais

Filmes. Filmes. Gestão de RH. Medicina e segurança no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi

Filmes. Filmes. Gestão de RH. Medicina e segurança no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi Gestão de RH Prof. Rafael Marcus Chiuzi Medicina e segurança no trabalho Filmes Vídeo humorístico sobre segurança no trabalho. Duração: 3 20 Filmes Sequência de vídeos de acidente de trabalho. Duração:

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1967 - direito do

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO

LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO Fernando A. Ishida Tharik Honda Luan Felipe

Leia mais

CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17

CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17 CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17 Comissão: Alynne Obermüller Carolina Amaral Gabriela Silva Mariana Ribeiro Colaboração: Teresa Mate Ergonomia na prática: CARPINTEIRO 4 SUMÁRIO Apresentação...

Leia mais

Regulamentação das serrarias portátis. proposta de Instrução Normativa elaborada pelo Projeto Floresta Viva

Regulamentação das serrarias portátis. proposta de Instrução Normativa elaborada pelo Projeto Floresta Viva Regulamentação das serrarias portátis proposta de Instrução Normativa elaborada pelo Projeto Floresta Viva Projeto Floresta Viva - Dezembro de 2006 INDICE Contexto 3 Objetivos perseguidos 3 Dois pontos

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal

Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal Autores Angelo Casali de Moraes - Eng. Florestal - UFV (angelo.moraes@ufv.br) Luciano José Minette - Eng. Florestal UFV (minette@ufv.br)

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA FUNCIONAMENTO DE EMPRESAS DE DESINSETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO

NORMA TÉCNICA PARA FUNCIONAMENTO DE EMPRESAS DE DESINSETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO NORMA TÉCNICA PARA FUNCIONAMENTO DE EMPRESAS DE DESINSETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO Portaria nº 0021/SES 04/01/1996 Dispõe sobre normas e técnicas para funcionamento de empresas de Desinsetização e Desratização.

Leia mais

Aula 8. Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual META DA AULA OBJETIVOS

Aula 8. Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual META DA AULA OBJETIVOS Aula 8 Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual META DA AULA Compreender os aspectos essenciais de Combate a Incêndio e os Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual. OBJETIVOS Ao final desta

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

Acidentes do Trabalho

Acidentes do Trabalho 01 coletanea de acidentes.mp4 Consequências dos acidentes por mínimas que eles sejam, sempre requerem cuidados especiais no tocante à readaptação do homem ao trabalho e, num sentido mais amplo, dependendo

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E LAYOUT DE MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS

DIMENSIONAMENTO E LAYOUT DE MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS DIMENSIONAMENTO E LAYOUT DE MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS COSTA FILHO, UFPB, Professor Orientador, Aluisio, Aluisio@ct.ufpb.br. NEVES, UFPB, Discente bolsista, Ana Marília Andrade, contato@anamarilia.com.br.

Leia mais

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Revisão: 00 Folha: 1 / 10 1. Definição CIPA Acidente 2. Objetivo A CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR Normas Regulamentadoras Relativas à SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (Capítulo V, Título II, da CLT) NR-1 à NR-36 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ N869 6.

Leia mais

Higiene do Trabalho. José Carlos Marques Centro de Química da Madeira Departamento de Química Universidade da Madeira. marques@uma.

Higiene do Trabalho. José Carlos Marques Centro de Química da Madeira Departamento de Química Universidade da Madeira. marques@uma. Higiene do Trabalho José Carlos Marques Centro de Química da Madeira Departamento de Química Universidade da Madeira Uma 2004 marques@uma.pt http://www.uma.pt/jcmarques Plano Princípios Plano / bibliografia

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL. Indústria da Panificação

SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL. Indústria da Panificação SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Indústria da Panificação PROGRAMAÇÃO: Palestra Segurança Geral - SESI - Segurança do Trabalho; - Riscos Ambientais e Acidentes do Trabalho; - PPRA/PCMSO; - Normas regulamentadoras;

Leia mais

17APOSTILA INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES

17APOSTILA INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES 17APOSTILA INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES Caros Colegas, Apresentamos a XVIl apostila da nossa Olimpíadas de Segurança, cujos temas são: Investigação e Análise de Acidentes. A Investigação ou Análise

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE ROTULAGEM NA NUTRIÇÃO ANIMAL

OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE ROTULAGEM NA NUTRIÇÃO ANIMAL OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE ROTULAGEM NA NUTRIÇÃO ANIMAL Adriana Franciele Moreira - 040.174.499-05 Alexandre Vidal da Costa - 023.768.729-10 Fábio Locatelli - 059.798.029-24 Matias Simon - 055.367.269-00

Leia mais

Texto para a questão 4

Texto para a questão 4 CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES 1. Assinale o nome que se dá para o conjunto de regras que trata dos Direitos e Deveres dos funcionários públicos civis do Município de Ponte Alta/SC: a. Constituição do

Leia mais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais RISCOS LABORAIS São agentes presentes nos ambientes de trabalho, decorrentes de precárias condições que, se não forem detectados e eliminados a tempo, provocam os Acidentes de Trabalho e as Doenças Ocupacionais.

Leia mais

SISTEMÁTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OCUPACIONAL DE ATIVIDADE DE INSTALAÇÃO DE CALHAS EM TELHADOS - ESTUDO DE CASO

SISTEMÁTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OCUPACIONAL DE ATIVIDADE DE INSTALAÇÃO DE CALHAS EM TELHADOS - ESTUDO DE CASO ISSN 1984-9354 SISTEMÁTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OCUPACIONAL DE ATIVIDADE DE INSTALAÇÃO DE CALHAS EM TELHADOS - ESTUDO DE CASO Vinicius Lange Firetti (UTFPR) Rodrigo Eduardo Catai (UTFPR) Adriano Mello

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. São atitudes corretas de atendimento ao público, EXCETO: A) Ser cortês. B) Tratar bem o cliente. C) Favorecer um ambiente agradável. D) Não dar a mínima importância ao problema

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO: ANÁLISE COMPARATIVA DOS RUÍDOS EM UMA OFICINA MECÂNICA E RECAPAGEM EM FORMIGA-MG MARCELO CARVALHO RAMOS 1, FERNANDA MOREIRA LOPES ASSUMPÇÃO 2, JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE S AMBIENTAIS Importância PPRA O PPRA é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores;

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO EM SANTA CATARINA NO PERÍODO ENTRE 2003 E 2013.

ACIDENTES DE TRABALHO EM SANTA CATARINA NO PERÍODO ENTRE 2003 E 2013. ACIDENTES DE TRABALHO EM SANTA CATARINA NO PERÍODO ENTRE 2003 E 2013. Autores : Geice Zago HAUS, Soyara Carolina BIAZOTTO, Giordana Ferreira Oliveira CARAMORI, João Victor Gonçalvez Padilha BATISTA Identificação

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos Segurança Ocupacional

Gerenciamento de Resíduos Segurança Ocupacional Gerenciamento de Resíduos Segurança Ocupacional Maio / 2016 Eng. Jose Arnaldo Acidentes envolvendo produtos químicos Em 2014, ocorreram: Mais de 83.000 óbitos e 7,4 milhões de trabalhadores feridos decorrentes

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA

PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA Sugestão elaborada pela equipe do Programa de Agroindústria do MDA: José Adelmar Batista Leomar Luiz Prezotto João Batista da

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos Tinta pó Branco Evereste -Pág. 01/06 Este produto atende a classificação para Cal de pintura

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos Tinta pó Branco Evereste -Pág. 01/06 Este produto atende a classificação para Cal de pintura Tinta pó Branco Evereste -Pág. 01/06 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. Nome do Produto: Tinta pó Branco Evereste Código Interno de Identificação do Produto: Indicação: A Tinta em Pó Super Refinada

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO NR 01 RISCOS FÍSICOS QUÍMICOS BIOLÓGICOS ERGONOMICOS ACIDENTES. Micro Organismo Patogênicos Doenças Infectocontagiosas

ORDEM DE SERVIÇO NR 01 RISCOS FÍSICOS QUÍMICOS BIOLÓGICOS ERGONOMICOS ACIDENTES. Micro Organismo Patogênicos Doenças Infectocontagiosas Ordem de Serviço Logo da empresa ORDEM DE SERVIÇO NR 01 N de Registro xxx/xx Data de Atualização xx/ xx/ xxxx Função: Técnico em Radiologia Área de Aplicação: Toda área hospitalar RISCOS FÍSICOS QUÍMICOS

Leia mais

Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração

Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração Suelem Correia Garcia 1, Lohanne Oliveira Rodrigues 1, Rutiele Tamara Januário Rodrigues 1, Camilla

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Serviços Preliminares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 2 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br A obra de construção de edifícios tem seu início propriamente dito, com a implantação do canteiro de obras.

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE

ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE NÚMEROS ALARMANTES São 160 milhões de trabalhadores no mundo. Não essa não é uma estatística sobre um mega evento comemorativo ou o número de vagas disponíveis no Mercado

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

MAPA DE RISCOS DOS LABORATÓRIOS DA ENGENHARIA CIVIL DO IDT/ IPARQUE/ UNESC

MAPA DE RISCOS DOS LABORATÓRIOS DA ENGENHARIA CIVIL DO IDT/ IPARQUE/ UNESC MAPA DE RISCOS DOS LABORATÓRIOS DA ENGENHARIA CIVIL DO IDT/ IPARQUE/ UNESC Nídia Vaneide Monteiro Sebastião (1), Clóvis Norberto Savi (2) RESUMO UNESC Universidade do Etremo Sul Catarinense (1) nidia109@hotmail.com,

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT

Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT Secretaria de Estado da Saúde - SES/GO SESMT Juliana A. Nepomuceno Eng. de Seg. do Trabalho Cood. SESMT/SES SESMT O que é? Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho EQUIPES

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS DE ACIDENTES EM MARMORARIAS DO MUNICÍPIO DE BETIM

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS DE ACIDENTES EM MARMORARIAS DO MUNICÍPIO DE BETIM ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS DE ACIDENTES EM MARMORARIAS DO MUNICÍPIO DE BETIM Thais D Eleuterio Costa (PUC) artigoleanpuc@gmail.com SAMUEL LARA RESENDE ALVES PINTO (PUC) SAMUCAIN@HOTMAIL.COM Helio Henrique

Leia mais

LEI 984/2012. A Câmara Municipal de Pinhalão, Estado do Paraná aprovou, e, Eu, Claudinei Benetti, Prefeito Municipal sanciono a seguinte lei:

LEI 984/2012. A Câmara Municipal de Pinhalão, Estado do Paraná aprovou, e, Eu, Claudinei Benetti, Prefeito Municipal sanciono a seguinte lei: LEI 984/2012 Súmula: Dispõe sobre a constituição do serviço de inspeção municipal e os procedimentos de inspeção sanitária de estabelecimentos que produzam bebidas e alimentos de consumo humano de origem

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DE EDUCANDOS REFERENTE À TEMÁTICA DO LIXO ELETRÔNICO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DE EDUCANDOS REFERENTE À TEMÁTICA DO LIXO ELETRÔNICO EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DE EDUCANDOS REFERENTE À TEMÁTICA DO LIXO ELETRÔNICO Elaine Patrícia Araújo (1); Jussara Cristina Firmino da Costa (2); Edcleide Maria Araújo (1) (1) Universidade

Leia mais

TRABALHADOR NA ORDENHA MANUAL

TRABALHADOR NA ORDENHA MANUAL TRABALHADOR NA ORDENHA MANUAL CONSELHO DELIBERATIVO DO SENAR Presidente do Conselho Deliberativo João Martins da Silva Júnior Secretário Executivo Daniel Klüppel Carrara Chefe do Departamento de Educação

Leia mais

Plano de Estágio do Curso Técnico em Segurança do Trabalho

Plano de Estágio do Curso Técnico em Segurança do Trabalho Centro Estadual de Educação Profissional de Ponta Grossa Rua Júlia da Costa, 229. Colônia Dona Luiza. Ponta Grossa/ PR CEP: 84001-970 Plano de Estágio do Curso Técnico em Segurança do Trabalho 1. Identificação

Leia mais

Comentário: OPÇÃO CORRETA. Está de acordo com os precitos da NR 06.

Comentário: OPÇÃO CORRETA. Está de acordo com os precitos da NR 06. Questão 11 - GABARITO OPÇÃO (D) Conforme a Norma Regulamentadora 06, que trata sobre Equipamento de Proteção Individual EPI, marque a alternativa INCORRETA. (A) Constitui-se de exemplo de EPI para proteção

Leia mais

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 1 de 7 PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 2 de 7 PROCESSO CONSTRUTIVO 1. EECUÇÃO DE PINTURAS Esta actividade consiste nos trabalhos de pinturas nas paredes simples

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Gerência de Pesquisa e Pós-Graduação ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES C1 OBJETIVOS DA CIPA Prevenção de Doenças e Acidentes de Trabalho, mediante o controle dos Riscos presentes: no ambiente nas condições e na organização do

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ) Página: 1/7 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Código do produto: F-503, F-505 E F-534 Aplicação: Proteção anticorrosiva e anti-ruído Fornecedor Nome: Maxi-Rubber Endereço: Av. Luigi Papaiz, 843 Telefone:

Leia mais

III-064 - ESTUDO PRELIMINAR DOS ATERROS DE ENTULHO DE CAMPO GRANDE

III-064 - ESTUDO PRELIMINAR DOS ATERROS DE ENTULHO DE CAMPO GRANDE III-064 - ESTUDO PRELIMINAR DOS ATERROS DE ENTULHO DE CAMPO GRANDE Jesner Marcos Escandolhero (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Mestrando em Tecnologias Ambientais pela

Leia mais

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Variável: Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Participantes do Aprofundamento da Variável: Coordenador: Mário Vinícius Bueno Cerâmica Betel - Uruaçu-Go Colaboradores: Juarez Rodrigues dos

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL MARCELO DADAMO VIEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Aplicação da ecologia na engenharia

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S TR A U

Leia mais

QUALIDADE DA CONSERVAÇÃO, MANIPULAÇÃO E HIGIENIZAÇÃO DOS PEIXES COMERCIALIZADOS NOS BOXES DO MERCADO PÚBLICO DE SÃO JOSÉ EM RECIFE-PE.

QUALIDADE DA CONSERVAÇÃO, MANIPULAÇÃO E HIGIENIZAÇÃO DOS PEIXES COMERCIALIZADOS NOS BOXES DO MERCADO PÚBLICO DE SÃO JOSÉ EM RECIFE-PE. QUALIDADE DA CONSERVAÇÃO, MANIPULAÇÃO E HIGIENIZAÇÃO DOS PEIXES COMERCIALIZADOS NOS BOXES DO MERCADO PÚBLICO DE SÃO JOSÉ EM RECIFE-PE. Aldicélia Prazeres, Ângela Gondim, Érica Souza, Maria Eduarda Andrade,

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR EM EMPRESAS DE IBICARÉ E TANGARÁ, SANTA CATARINA, EM 2015

IMPORTÂNCIA DO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR EM EMPRESAS DE IBICARÉ E TANGARÁ, SANTA CATARINA, EM 2015 IMPORTÂNCIA DO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR EM EMPRESAS DE IBICARÉ E TANGARÁ, SANTA CATARINA, EM 2015 Autores : João Victor Gonçalves Padilha BATISTA, Geice Zago HAUS, Natiele

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Carpinteiro de Obras CBO 7155-25 COD-SGE 013.541 MODALIDADE Qualificação Profissional Básica Área Tecnológica Construção Civil CARGA HORÁRIA 220 horas ITINERÁRIO Regional

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. Erica Cristina Possoli Técnica em Segurança do Trabalho

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. Erica Cristina Possoli Técnica em Segurança do Trabalho EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Erica Cristina Possoli Técnica em Segurança do Trabalho Norma Regulamentadora 06 Segundo a NR 06, EPI é: todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais 1ª edição 2006 2ª edição, autor 2006 3ª edição 2011 4ª edição 2013 5ª edição janeiro, 2014 6ª edição outubro, 2014

Leia mais

Rede Nacional de Certificação Profissional e Formação Inicial e Continuada -

Rede Nacional de Certificação Profissional e Formação Inicial e Continuada - Rede Nacional de Certificação Profissional e Formação Inicial e Continuada - PROGRAMA INTERINSTITUCIONAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM SONDADOR Grupo de Trabalho da Rede CERTIFIC: Wilson Consciani -

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 3 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS Aspectos Técnicos e Juridicos que Impactam as Empresas. Dr. M.Sc. Engº Ricardo de Gouveia WTS ENGENHARIA

PASSIVOS AMBIENTAIS Aspectos Técnicos e Juridicos que Impactam as Empresas. Dr. M.Sc. Engº Ricardo de Gouveia WTS ENGENHARIA PASSIVOS AMBIENTAIS Aspectos Técnicos e Juridicos que Impactam as Empresas Dr. M.Sc. Engº Ricardo de Gouveia WTS ENGENHARIA Legislação O gerador é responsável a menos que a área contaminada seja adquirida.

Leia mais

CADERNO DE PROTEÇÕES COLETIVAS

CADERNO DE PROTEÇÕES COLETIVAS Quando edificares uma casa nova, farás um parapeito, no eirado, para que não ponhas culpa de sangue na tua casa, se alguém de algum modo cair dela. Moisés (1473 A.C.). Deuteronômio 22.8 CADERNO DE PROTEÇÕES

Leia mais

PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL VOLTADAS AOS RESIDUOS SOLIDOS DE UMA UNIDADE ESCOLAR DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PARÁ

PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL VOLTADAS AOS RESIDUOS SOLIDOS DE UMA UNIDADE ESCOLAR DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PARÁ PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL VOLTADAS AOS RESIDUOS SOLIDOS DE UMA UNIDADE ESCOLAR DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA PARÁ Fabiana Bassani (1) Tecnóloga Ambiental Universidade Tecnológica Federal do Paraná; Mestre

Leia mais

Editora Gráficos Burti Ltda. Unida Itaquaquecetuba ACIDENTE DO TRABALHO GESTÃO 2012/2013

Editora Gráficos Burti Ltda. Unida Itaquaquecetuba ACIDENTE DO TRABALHO GESTÃO 2012/2013 SIPAT ACIDENTE DO TRABALHO MÓDULO II SEGURANÇA DO TRABALHO DEFINIÇÃO O que é Segurança do Trabalho? Segurança do trabalho é o conjunto de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes de trabalho,

Leia mais

MANUAL MEIO AMBIENTE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO

MANUAL MEIO AMBIENTE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO MANUAL MEIO AMBIENTE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO PVP SOCIEDADE ANÔNIMA Fundada em 1962 1 Índice Introdução...... 04 Política de Saúde e Segurança do Trabalho... 06 1. Prevenção e Controle de Riscos...

Leia mais

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho CEUNES / UFES Prof. Manuel Jarufe Introdução à Segurança do Trabalho O que é a função Segurança do Trabalho? Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS ÍNDICES DE ACIDENTES COM AMPUTAÇÕES EM INDÚSTRIAS DE PROCESSAMENTO DA MADEIRA NA REGIÃO DO ENTORNO DE JERÔNIMO MONTEIRO-ES

LEVANTAMENTO DOS ÍNDICES DE ACIDENTES COM AMPUTAÇÕES EM INDÚSTRIAS DE PROCESSAMENTO DA MADEIRA NA REGIÃO DO ENTORNO DE JERÔNIMO MONTEIRO-ES LEVANTAMENTO DOS ÍNDICES DE ACIDENTES COM AMPUTAÇÕES EM INDÚSTRIAS DE PROCESSAMENTO DA MADEIRA NA REGIÃO DO ENTORNO DE JERÔNIMO MONTEIRO-ES Vinicius Peixoto Tinti, Rômulo Maziero 2, Wendel Pianca Demuner

Leia mais

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 1 pág de 16 Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 2 pág de 16 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO CAPÍTULO 4 PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO Planejamento da Exploração 43 APRESENTAÇÃO A localização e o tamanho dos pátios de estocagem, a posição dos ramais de arraste e a direção de queda das árvores são

Leia mais

Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA

Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA JANEIRO / 2014 DADOS DA EMPRESA Razão Social: MOBRA SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA LTDA. CGC: 87.134.086/0001-23, Endereço:

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS NA CONSTRUÇÃO DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL, EM RECIFE/PE

LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS NA CONSTRUÇÃO DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL, EM RECIFE/PE Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS NA CONSTRUÇÃO DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL, EM RECIFE/PE Maria Monize de Morais¹ Graduada em Gestão Ambiental pelo Instituto Federal

Leia mais

AUTOR(ES): ANDRÉ DOS SANTOS JANUÁRIO GARCIA, PAULO HENRIQUE DOS SANTOS

AUTOR(ES): ANDRÉ DOS SANTOS JANUÁRIO GARCIA, PAULO HENRIQUE DOS SANTOS TÍTULO: APP UM ESTUDO EXPLORATÓRIO NA MICRO REGIÃO DE AURIFLAMA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): ANDRÉ DOS

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil LUCIANO DINIZ MENDONÇA LIMA Efacec do Brasil Ltda. luciano.diniz@efacecenergy.com.br

Leia mais

cintiademarcosantos@gmail.com

cintiademarcosantos@gmail.com ECOEFICIÊNCIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA CONSTRUÇÃO DE UM CONJUNTO DE CASAS DE ALTO PADRÃO NA CIDADE DE PELOTAS/RS Cíntia de Marco Santos Instituto Federal Sul-rio-grandense,

Leia mais

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 40 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM SERRA CIRCULAR DE BANCADA

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 40 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM SERRA CIRCULAR DE BANCADA LISTA DE CHECAGEM DE SERRA CIRCULAR DE BANCADA 1 AUTOR DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de construções:

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ de Produto Químico - FISPQ PRODUTO: FITA DE POLIPROPILENO PARA ARQUEAÇÃO Página 1 de 10 Seção 1 Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Fita de Polipropileno para arqueação Fornecedor Nome:

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Quimico

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Quimico Referência:FISPQ n 005 Emissão:01/02/2007 Revisão :00 SULFATO DE ALUMINIO ISENTO DE FERRO 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Sulfato de Alumínio Isento de Ferro Sólido Nome da Empresa:

Leia mais

O homem transforma o ambiente

O homem transforma o ambiente Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O homem transforma o ambiente Vimos até agora que não dá para falar em ambiente sem considerar a ação do homem. Nesta aula estudaremos de que modo as atividades humanas

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. O Ministério do Meio Ambiente, em junho de 2009, lançou campanha para o consumo consciente de sacolas plásticas, que já atingem, aproximadamente,

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO 1. Passo Receber o Pedido de Desligamento para execução de trabalhos de manutenção em linhas de distribuição, da área de manutenção e outras áreas da CEB-D, FURNAS, CELG, METRÔ, CAESB, CEB) GERAÇÃO, CORUMBÁ

Leia mais

V FORUM - NR 32. São Paulo 09.06.2010. Noeli Martins. auditora fiscal do trabalho médica do trabalho

V FORUM - NR 32. São Paulo 09.06.2010. Noeli Martins. auditora fiscal do trabalho médica do trabalho V FORUM - NR 32 São Paulo 09.06.2010 Noeli Martins auditora fiscal do trabalho médica do trabalho PORTARIA MTE 3214/78-33 Normas Regulamentadoras NR 01 Disposições Gerais NR 02 Inspeção Prévia NR 03 Embargo

Leia mais

Avaliação da segurança e saúde do trabalho (SST) na atividade de serraria no município de Cerro Grande do Sul

Avaliação da segurança e saúde do trabalho (SST) na atividade de serraria no município de Cerro Grande do Sul Avaliação da segurança e saúde do trabalho (SST) na atividade de serraria no município de Cerro Grande do Sul Cristiane Paim da Cunha Orientador: Prof. Dr. Rubens Müller Kautzmann Novembro de 2013 Introdução

Leia mais

Megaplasma Comercial Ltda

Megaplasma Comercial Ltda . Rua Dom Joaquim de Melo, 274 - Moóca CEP 03122-050 - São Paulo - SP - Brasil Fone: (11) 2601-5502 - Fax: (11) 2601-0512 megaplasma@megaplasma.com.br www.megaplasma.com.br P Utilizado nos sistemas de

Leia mais