A TEORIA DA CAUDA LONGA E AS RELAÇÕES PÚBLICAS: RELACIONAMENTOS E APROXIMAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TEORIA DA CAUDA LONGA E AS RELAÇÕES PÚBLICAS: RELACIONAMENTOS E APROXIMAÇÕES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS MARLON MAIOLI A TEORIA DA CAUDA LONGA E AS RELAÇÕES PÚBLICAS: RELACIONAMENTOS E APROXIMAÇÕES Caxias do Sul 2014

2 MARLON MAIOLI A TEORIA DA CAUDA LONGA E AS RELAÇÕES PÚBLICAS: RELACIONAMENTOS E APROXIMAÇÕES Monografia de conclusão do Curso de Comunicação Social, Habilitação em Relações Públicas, da Universidade de Caxias do Sul, apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de bacharel. Orientadora: Profa. Ms. Maria Lúcia Bettega Caxias do Sul 2014

3 AGRADECIMENTOS Agradeço a meus pais, Ademar Alberto Maioli (em memória) e Iria Maria Maioli, por todo o apoio, por embasar minhas conquistas nesta e em outras trajetórias e por serem meus modelos de vida e perseverança, sempre. À minha namorada Bruna, pela paciência e pelo companheirismo no auxílio da produção deste trabalho. Aos meus amigos dos quais não cito nomes para não deixar ninguém no esquecimento por estarem presentes neste momento tão importante de minha vida. Aos professores, pelos conhecimentos construídos comigo no decorrer da minha vida acadêmica e, em especial, à minha orientadora, Professora Maria Lúcia Bettega, pela paciência, atenção, conforto e apoio, sem os quais não teria alcançado sistematizar ideias e transpassá-las ao papel. Aos compradores das empresas Cnova, Lojas Colombo, Lojas TaQi e Movelaria On-line que cordialmente responderam minhas perguntas e me auxiliaram na constituição da pesquisa.

4 RESUMO O contexto mundial no qual vivemos exige profissionais dinâmicos e preparados para viver as mudanças comportamentais decorrentes das transformações tecnológicas que acontecem continuamente. As novas mídias sociais forçaram a adaptação das empresas a um mercado mais veloz, entendendo que hoje não existem mais fronteiras físicas e que as oportunidades mercadológicas estão ao alcance de todos, bastando, para isso, que tenham alguma tecnologia da informação e da comunicação disponível. O estudo aqui desenvolvido objetiva analisar a teoria da Cauda Longa e como utilizá-la no campo das relações públicas. Trata, também, sobre a internet e seus consumidores, entendendo como clientes se relacionam no ambiente virtual. Na web surgem formas de fomentar o comércio eletrônico e, com isso, nasce, pelas mãos de Anderson, a teoria da cauda longa: modalidade de venda onde empresas disponibilizam produtos sem tê-los fisicamente estocados em suas lojas virtuais. Essa teoria é vista, para Anderson (2006), como sendo vários sistemas mediáticos que visam alcançar os nichos que se encontram em comunidades virtuais. Para efetivar nossa reflexão, utilizamos o método qualitativo, consultando base de dados científicos argumentativos somados a entrevistas com profissionais que atuam diretamente com operações comerciais virtuais e fazem da cauda longa modo para interagir com clientes. Como resultado, crê-se que o profissional de Relações Públicas pode ser mediador das informações entre lojista e cliente final, absorvendo as informações colhidas com consumidores e transformando-as em oportunidades de negócio. Através desta pesquisa foi possível perceber, ainda, que a teoria é utilizada por diversos canais de venda online, mas que cada empresa possui uma forma específica de trabalhar este modelo de comércio, tendo seus alicerces ainda fundados na cultura da empresa. Palavras-chave: Tecnologia, Internet, Cauda Longa, Relações Públicas, Consumidores, Ambiente online.

5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL CULTURA e A CULTURA ORGANIZACIONAL A cultura na construção da imagem A GESTÃO DA COMUNICAÇÃO GESTÃO DA COMUNICAÇÃO QUE AGREGA A TEORIA DA CAUDA LONGA RELAÇÕES PÚBLICAS CONCEITOS E DEFINIÇÕES COMPORTAMENTO E ATIVIDADES PÚBLICOS E CONSUMIDORES NA CAUDA LONGA Comportamento dos públicos consumidores do sistema online A WEB: BREVE HISTÓRIA A INTERNET DOS PRIMÓRDIOS À ATUALIDADE MÍDIAS DIGITAIS: DO FACEBOOK AO E-COMMERCE A TEORIA DA CAUDA LONGA METODOLOGIA E APRECIAÇÃO DE RESULTADOS A COLETA DE DADOS INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS AMOSTRA Resumo da Amostra ANÁLISE DE RESULTADOS A cauda longa e o mix de produtos As relações elaboradas pelo Cauda Longa A interatividade das plataformas de vendas Relações entre lojista e consumidor O poder do consumidor no espaço virtual... 71

6 6 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS ANEXO A Questionários ANEXO B Correspondências eletrônicas ( s) ANEXO C PROJETO TCC

7 1 INTRODUÇÃO A tecnologia de informação tem mostrado uma sucessão de avanços que permitem que a sociedade seja favorecida pela ampliação das notícias disseminadas sobre várias áreas do conhecimento, pelas relações que visam aproximar pessoas e pela busca de bens e serviços. Para Anderson (2006), a internet pode ser vista como a responsável pelos avanços tecnológicos de forma a permitir que as empresas entrelacem melhorias com adoção de meios tradicionais e tecnológicos. Esse dinamismo encontra uma sincronia com o comércio virtual, já que as vendas online ganharam força e necessitam de um ambiente onde a exposição de produtos possa ter espaços ilimitados, fazendo com que o cliente tenha opções variadas. Neste sentido, empresas voltadas ao varejo buscaram formas de migrar os produtos, que em lojas físicas não estavam atraindo clientes, para nichos virtuais, onde internautas podem acessar e interagir com os produtos durante o tempo que lhes convém. Embora o termo The Long Tail (Cauda Longa) seja comum em textos estatísticos, seu uso popular deve-se a Chris Anderson (STEVENS; RIVAS RODRIGUES, 2007). Em 2004, Anderson utilizou o termo na revista Wired para se referir, sob uma perspectiva genérica, a economia da abundância o que acontece quando os gargalos que se interpõem entre a oferta e a demanda em nossa cultura começam a desaparecer e tudo se torna disponível para todos. (ANDERSON, 2006, p. 11). Neste viés, a Cauda Longa se apresenta como uma forma de comunicação de nicho, beneficiada com a internet, que tem sua força nos relacionamentos que cria e (re)cria com públicos que buscam a comodidade de pesquisar e comprar em ambientes virtuais. A Teoria da Cauda Longa, criada por Anderson (2006), iniciou com os nichos de músicas, livros, filmes e se expandiu para outros segmentos e, hoje, é muito usada em vendas de eletrodomésticos, sempre trabalhada no sentido de criar sucessos de aceitação pelo maior número possível de pessoas, para entrar para o gosto popular. A Cauda Longa, em síntese, nada mais é que a cultura sem os filtros

8 8 da escassez econômica (ANDERSON, 2006, p. 51). Para Anderson (2006), quase todas as categorias de produtos se incluem na economia da Cauda Longa. Fisicamente, as lojas só podiam ter em suas prateleiras os itens mais populares (hits), pois precisavam de espaços físicos e pessoas interessadas geograficamente perto de seu negócio e que desejavam adquirir algum produto. Com isso, a internet alterou essa cultura popular de sucessos, fazendo com que as pessoas pudessem localizar itens menos populares, fora da loja física, permitindo a interação com uma gama maior de produtos e uma vasta variedade em cores e padrões diferenciados. A expansão do comércio virtual pode ser muito maior do que se imagina e esse fato se deve às formas de comunicação adotadas neste meio. Ou seja, há forças que levam as pessoas a seguir nichos de mercados virtuais e adquirir produtos com a comodidade de não precisar sair de casa. Mesmo que se saiba que ainda é baixo o número de pessoas que acreditam no meio virtual, como um espaço de negócios, acredita-se que o lucro exista nesses produtos de aceitação de público restrito, formando aldeias de interesses peculiares, ou seja, o espaço virtual permite a construção de relações entre grupos que se identificam ou possuem afinidades no modo de pensar. Isso é possível porque a internet alcança poderes geográficos, concentrando interesses em ambientes virtuais, como inserções de um número expressivo de modelos e cores em locais que não ocupam espaço, como é o caso da loja física. Com base nestes argumentos, o presente trabalho se volta ao estudo do papel do profissional de Relações Públicas na utilização da teoria da cauda longa, visando explorar como este conceito pode ser aplicado dentro do mercado online, com o uso de meios e ferramentas de comunicação para potencializar ações que levam mais pessoas a usufruir do mercado virtual. A atuação de Relações Públicas tem sua gênese nos relacionamentos e sua atuação, tanto no âmbito das organizações, com na sociedade, está em constante mutação, uma vez que os cenários se apresentam em um contexto complexo, tendo com isso buscado formas de criar elos diferenciados, para acompanhar a evolução das organizações e dos negócios. Os modelos estruturais e tecnológicos apresentam novos paradigmas e com isso os profissionais precisam elaborar uma nova postura, tanto nos estilos pessoais quanto profissionais, voltados a uma realidade emergente.

9 9 Pretende-se, desta forma, entender se, na web, é o consumidor quem decide o que é importante ou é a gestão da corporação que traça as formas de estabelecer relacionamentos entre as partes. Ou, até mesmo, qual o alcance destas forças, quando em interrelação. A elaboração dos objetivos deu-se no ato de buscar responder a questão que norteou todo o trabalho, qual seja: busca-se saber como estabelecer relacionamentos com clientes e futuros clientes utilizando a teoria da cauda longa no âmbito das Relações Públicas. Assim, os objetivos traçados para esta investigação buscam descrever as mudanças provocadas pela internet nas atividades de Relações Públicas, especialmente com o uso da teoria da cauda longa, além de tentar mostrar que a internet redefiniu a relação entre gestores da comunicação de corporações e consumidores (Stakeholders). A busca pela resposta da questão norteadora demandou a elaboração do objetivo geral, ou seja, busca-se analisar a teoria da Cauda Longa e como utilizá-la no campo das relações públicas. Ainda, formularam-se os objetivos específicos, como: i) descrever as mudanças provocadas pela internet nas atividades de Relações Públicas; ii) mostrar que a internet redefiniu a relação entre gestores da comunicação de corporações e consumidores (stakeholders) e iii) entender se na web é o consumidor quem decide o que é importante ou é a gestão da corporação. Para responder aos questionamentos e alcançar os objetivos propostos, utilizase, neste estudo, de uma pesquisa qualitativa aplicada a profissionais que atuam como compradores de cinco grandes empresas do País e estão presentes no varejo online. Para sustentar e orientar teoricamente este trabalho monográfico, principalmente na concepção da teoria da cauda longa, apoia-se a pesquisa, basicamente, no conceito da comunicação de mercado, a partir dos estudos realizados, entre outros, por Anderson (2006) e Pinho (2001). O estudo Anderson na teoria da cauda longa aponta para o controle de estoque e à formação dos mercados de nichos, especialmente pela Internet, visando o sortimento de produtos nos catálogos de vendas, sem a dependência de investimento em espaço físico. Em Pinho (2001), tem-se a visão de um consumidor diferenciado que quer adquirir produtos ou serviços, sem necessidade de ir até o ponto de venda.

10 10 A segunda parte do trabalho, de base empírica, se volta à interpretação e análise das respostas obtidas com os entrevistados a partir de questionários enviados por meio eletrônico [ ]. Além da análise de conteúdo dos questionários aplicados, serão analisadas as ideias extraídas através do levantamento bibliográfico, na intenção de interrelacionar conceitos e argumentos dos autores da área com as respostas dos entrevistados. Para que se pudesse responder à questão/problema de modo cientificamente sistematizado, o trabalho necessitou de uma divisão em forma de capítulos. Assim, o primeiro capítulo trata de mostrar como a comunicação acontece e de que forma ela pode criar relações e vínculos. Evidencia-se, neste ponto, a cultura organizacional e como ela pode modelar ou influenciar a gestão da comunicação, sobretudo em uma organização onde a inovação se faz presente com o uso da teoria da cauda longa. O segundo capítulo fala das relações públicas, trazendo definições sobre a profissão e relacionando as atividades que o profissional pode exercer, principalmente aquelas voltadas às formas de criar e (re)criar relacionamentos com públicos de interesse, sabendo como tratá-los e entendendo que os stakeholders potencializam produtos que estão disponíveis no sistema cauda longa, pois eles são os principais divulgadores da marca ou da loja na internet. O capítulo seguinte fala da web e das redes sociais, tendo como pano de fundo algo da história desde o seu surgimento até os dias atuais e mostrando como os relacionamentos na web influenciam os consumidores virtuais através da troca de informação entre os internautas. Além disso, será conceituada a teoria da cauda longa, mostrando exemplos de marcas e lojas que utilizaram esse conceito para definição dos seus produtos. Também será abordado o tema internet, onde se fala de seu surgimento, marcado na década de 70 e sua evolução até os dias de hoje. Na continuidade, o capítulo quatro pretende mostrar a metodologia usada para elaboração do trabalho, trazendo a análise dos resultados feitos em pesquisas no campo empírico, onde levantamos cinco questões junto a entrevistados representativos, indagando se os mesmos conhecem a teoria da cauda longa e se utilizam esta teoria para definir o seu mix de produtos. E, por fim, são tecidas considerações finais que buscam trazer os resultados obtidos com a pesquisa, sistematizando conhecimentos adquiridos, tanto no campo científico argumentativo, como no campo empírico.

11 2 COMUNICAÇÃO Este capítulo visa abordar a comunicação no âmbito organizacional, buscando explicitar elos entre a comunicação que segue uma determinada cultura a partir de meios e formas que a organização adota para se relacionar com seus públicos de interesse. Busca, ainda, entender a teoria da cauda longa e como ela pode ser adotada, enquanto ferramenta de comunicação para a construção da imagem institucional. Assim, a proposta segue de forma a conceituar a comunicação no nível organizacional e mostrar que ela é importante não só para o crescimento de pessoas, mas para que as organizações possam crescer mercadologicamente e se destacar a partir de meios que as fazem diferentes perante seus clientes e fornecedores, sobretudo, em uma era em que as vendas de produtos e serviços são feitas, cada vez mais, em meios virtuais. Sabe-se que só ocorre comunicação onde existem pessoas, pois ela é fator de transformação do meio social. Neste sentido, Bordenave (1982, p. 17) diz que: Sociedade e comunicação são uma coisa só. Não poderia existir comunicação sem sociedade, nem sociedade sem comunicação. A comunicação não pode ser melhor que sua sociedade, nem esta melhor que sua comunicação. Outra forma de mostrar o que é comunicação vem de Marcondes (2007, p.37 apud MARCHIORI, 2008, p.30), onde diz que ela é a combinação de múltiplos vetores (sociais, históricos, subjetivos, temporais e culturais), que se dá pelo atrito dos corpos e das expressões, algo que ocorre num ambiente. Ou seja, comunicação pode ser tomada como toda informação que norteia a empresa. Já, Lima (2011, p.140), que explica as ideias de Freire sobre comunicação, define-a como [...] uma relação social, ou seja, um processo de interação entre sujeitos em diálogo. Não existe comunicação sozinha. Ela necessita de um interlocutor e de um receptor, não sendo necessário mesmo nível intelectual para que o diálogo exista [...]. Ou seja, a comunicação é que dá sentido às relações interpessoais e que permite que as pessoas criem laços e se desenvolvam, culturalmente e intelectualmente. 2.1 A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

12 12 Toda organização necessita de comunicação, seja ela com público interno, seja com público externo. A comunicação é fator imprescindível para que empresa exista, cresça e se destaque no meio em que está inserida. É impossível imaginar uma organização que não tenha sua comunicação alinhada em todos os níveis hierárquicos tendo sucesso e sendo lucrativa. Para isso, a ideia de Marchiori (2008, p. 28) é oportuna neste contexto, pois ele diz que: As organizações devem preocupar-se com o monitoramento das informações e a abertura do diálogo com seus diferentes grupos de interesse, entendendo que seu comportamento deve ir muito além do repasse de informações. Com base nos autores como Marchiori, Marcondes, Lima e outros, começamos a montar nosso raciocínio. Muitas das organizações possuem sua cultura muito enraizada em fórmulas e meios de comunicação já ultrapassados. Tradicionalmente, a comunicação sempre se mostrou unilateral, onde o proprietário dava ordens e os subordinados acatavam e executavam suas ações sem questionamento. Isso gerava uma pressão sobre o funcionário, fazendo com que este sempre trabalhasse sem questionar se estava certo ou errado e deixando-o acuado, pois a possibilidade de perder o emprego, caso questionasse ou fizesse algo errado, era muito grande e, além disso, o indivíduo não expressava seus desejos e ideias para melhorar o seu desempenho. Hoje, este pensamento está mudando, pelo menos nas empresas que focam a qualidade no atendimento e no produto, preocupando-se mais com os seus públicos, do que exclusivamente com os lucros. Empresas preocupadas em passar as informações para os seus públicos transmitem uma postura tática em sua comunicação organizacional. Estas empresas criam valores, tornando-as conhecidas para o seu público interno, buscando o comprometimento do seu público para com a organização. Entendemos que a empresa deve instigar seu funcionário a querer expressar suas aspirações, opiniões e insatisfações referentes à forma como é tratado, o jeito como as informações chegam até ele (se chegam) e o que ele imagina que representa para a organização. Como diz Marchiori (2007, p. 42), [...] é na dificuldade ou na diferença de opiniões e de ideias ambíguas que, muitas vezes, surge a luz. Sem troca de ideias e sem as sugestões dos funcionários, que vivem os problemas do dia-a-dia, é, no nosso entender, impossível pensar na melhora da organização.

13 13 A partir do momento que a organização cria essa cultura, ou como diz Marchiori (2007, p.42), quando gera sentido, ela deve se comprometer em passar o feedback 1 para o funcionário numa linguagem que ele possa compreender e conseguir explicar para quem achar necessário, não esquecendo que este funcionário é o porta-voz da organização, fora dela. Assim, os líderes não são mais meros repassadores de informação e sim os principais instigadores das opiniões dos públicos, tanto interno como externo, colhendo suas ideias e buscando atender as necessidades da empresa. Portanto, dentro de uma empresa, a comunicação organizacional e a cultura andam juntas, pois é impossível pensar em uma sem entender a outra. Para melhor expressamos o que se entende por cultura e cultura organizacional, o item a seguir se volta a conceituar esses termos. 2.2 CULTURA e A CULTURA ORGANIZACIONAL Como enfatiza Cuche (1999), as culturas nascem de relações sociais que são sempre relações desiguais. E, como as relações sociais se estabelecem, na maioria das vezes, por relações de afinidade, existe então uma hierarquia de fato entre as culturas que resulta da hierarquia social. Nessa mesma concepção, pensar que não há hierarquia entre as culturas seria supor que as culturas existem independentemente umas das outras, sem relação umas com as outras, o que não corresponde à realidade (Idem). Constata-se, então, que a cultura não é biológica, mas aprendida no contexto em que o cidadão desenvolve atividades. Quer seja no âmbito pessoal ou no âmbito profissional, [...] cultura é a expressão da totalidade da vida social do homem. Ela se caracteriza por sua dimensão coletiva. Enfim, a cultura é adquirida e não depende da hereditariedade biológica (CUCHE, 1999, p. 35). Conforme enfatizou Cuche, a cultura é a expressão da totalidade da vida, ela pode nos acompanhar desde o nosso nascimento. Ela é sim adquirida, e pode ser mudada e moldada conforme nossas necessidades e também conforme as influências que recebemos das pessoas que estão ao nosso redor. O coletivo influencia totalmente na cultura de cada um, pois nossos comportamentos estão 1 Feedback: processo de controle pelo qual o resultado do desempenho de um sistema é programado para atuar sobre impulso alimentador. [...] o feedback estabelece a comunicação biunívoca, fazendo prosseguir o fluxo de mensagens. (RABAÇA & BARBOSA, 1987, p. 260).

14 14 ligados aos de nossos colegas e familiares. Normalmente, pegamos determinados hábitos e costumes de pessoas que convivem muito próximas de nós. E as relações que se dão entre pessoas que convivem próximas são estabelecidas pela comunicação e por uma linguagem que é comum entre as mesmas. Assim, é importante considerar que é impossível separar a comunicação organizacional da cultura organizacional. Considerando que a expressão total de vida pode se chamar de cultura, para Geertz (2001, p.5 apud MARCHIORI 2008,p.70), ela incorpora um sistema de concepções expressas herdadas em formas simbólicas por meio das quais o homem comunica, perpetua e desenvolve seu conhecimento sobre atitudes para a vida. Para o autor, a cultura se cria e se molda com o propósito de impor seu significado para o mundo (Idem), de modo a disseminar valores e crenças que interferem e impactam no comportamento das pessoas, no desempenho econômico e nos processos de mudança organizacional. Já, a cultura organizacional, segundo Barbosa (2002, p. 21): [...] é um sistema de regras informais que diz como as pessoas devem se comportar a maior parte do tempo, diminuindo o grau de incerteza da vida cotidiana e fornecendo-lhes um norte e uma identidade, fazendo as sentirem melhores acerca do que fazem. Barbosa fala como as pessoas dentro de uma organização devem se comportar. É, portanto, na normatização de comportamentos que podemos começar a identificar onde inicia a cultura da organização. O funcionário pode trazer, para dentro da empresa, todos os tipos de meios e formas de comportamentos que lhe são próprios, mas ao se deparar com o modo de a organização trabalhar e se movimentar, ele acaba tendo que se moldar e entender que é desta forma que ele terá que agir. Pode até ser que as formas como este funcionário executava as suas funções anteriormente seja melhor do que a utilizada na empresa, mas ele não conseguirá impor esta sua cultura de forma imediata. Ele terá que trabalhar aos poucos e tornar a sua ideia aceitável para o mais alto nível hierárquico, para que este possa incluir o seu modo de pensar na cultura da empresa. Esta ideia é encontrada em Schein (apud BARBOSA, 2002, p.18), quando fala que: Cultura organizacional é o conjunto de pressupostos básicos que um grupo inventou, descobriu ou desenvolveu ao aprender como lidar com os problemas de adaptação externa e integração interna e que

15 15 funcionaram bem o suficiente para serem considerados válidos e ensinados a novos membros como a forma correta de perceber, pensar e sentir em relação a estes problemas. A cultura organizacional é o DNA 2 da empresa, que se constrói a partir do conjunto de elementos que caracterizam os costumes, os valores e as crenças e que constitui o arcabouço da cultura organizacional ou empresarial. Nele estão inseridas as formas como a empresa trata seus clientes, funcionários e, principalmente, a imagem que a empresa transmite para a população em geral. Empresas com cultura mais forte, sempre são levadas como exemplo, pois são normalmente, as mais bem estruturadas e lembradas no mercado de trabalho. Mas nem sempre a imagem de empresa forte passada para o público em geral é a ideal, nem mesmo significa que apenas a ideia do proprietário da empresa seja suficiente para se criar a cultura da organização. Para Lima (2011 p.141), citando a ideia de Freire, cultura é toda criação humana [...] um produto da atividade transformadora do homem sobre o mundo [...] o universo simbólico e abrangente. Ou seja, é a forma como as pessoas que trabalham na empresa impõem suas ideias. São as atitudes e ações destas pessoas que transformam e enraízam a cultura da organização. Mas, para que as pessoas possam colocar o seu DNA 3 junto ao da empresa, elas devem estar dispostas a explanar suas ideias e a empresa deve estar aberta a receber estas opiniões e ser receptiva aos problemas passados pelos seus clientes internos, caso contrário, estes colaboradores estarão sujeitos à cultura do silêncio, onde a sua opinião não é válida para empresa ou não se sentem à vontade para expressar seus sentimentos por determinados assuntos. Lima (2011, p.141) comenta que: O homem oprimido que se torna alienado pela introjeção de mitos da cultura do silêncio serve de mediador nessa sobredeterminação. Ou seja, ele é apenas um ouvinte dos problemas da instituição. Para ocorrer uma transformação ou criação da cultura organizacional, é necessário que o homem esteja engajado com os ideais da empresa e disposto a ouvir críticas construtivas, da mesma forma que deve estar disposto a expressar suas opiniões sobre a empresa. 2 O grifo é nosso. DNA: Segundo Harrison e Frakes, é o fator biológico, ou seja, os genes que herdamos de nossos familiares. Nem sempre somos iguais aos nossos familiares, eles podem pular gerações e nem sempre suas personalidades são idênticas, elas se modificam, pois cada um aprendeu coisas diferentes e seus genes irão se expressar também de maneiras diferentes (HARRISON E FRAKES, 2007, p. 22). 3 O grifo é nosso.

16 16 Complementando o enfoque dado à cultura e cultura organizacional, busca-se trazer uma nova dimensão de cultura, ou seja, a cibercultura. Ela se caracteriza pela relação que se estabelece entre as tecnologias de comunicação e da informação com a cultura, campos emergentes a partir da convergência informatização-telecomunicação, iniciada na década de Trata-se de uma nova relação entre tecnologias e sociabilidade, configurando a cultura contemporânea (LEMOS, 2002). Com crescimento das relações no ambiente on-line, a cultura acaba se moldando conforme acontecem as suas relações coletivas, transformando as ideias das pessoas e modificando a forma como interagem, nos diversos ambientes de seu convívio. Para Levy (1999, p. 17), a cibercultura é o conjunto de técnicas (materiais e intelectuais), de práticas, de atitudes, de modos de pensamentos e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço. Isso reforça o pensamento de que a cultura pode ser moldada conforme o meio em que se vive. Na maioria das vezes, as opiniões emitidas são baseadas nas ideias e pensamentos muitas vezes absorvidos de outras pessoas, que se encontram em nosso convívio. Para Britto, a cibercultura tem o significado do coletivo. A troca de experiências entre os usuários faz com que estes mudem suas opiniões e coloquem seus conteúdos e ideias no ambiente para serem debatidos e interpretados. Ele entende que, devido a essas mudanças que acontecem no ciberespaço, muda também a cultura do relacionamento entre as pessoas. As discussões referentes aos mais diversos assuntos agora acontecem no ciberespaço, criando novas línguas e novas formas de se comunicar. A cibercultura tem como germe uma cultura mais interativa, mais coletiva, mais participativa, ou seja, ela é um convite para o agir, o optar, o escolher. (BRITTO, 2009, p. 168). Britto diz ainda que a cibercultura é uma cultura contemporânea, pois ele acredita que a cultura se modifica com o passar do tempo e conforme as novas tecnologias se apresentam no nosso cotidiano, ela simplesmente utiliza o ciberespaço para se manifestar. Assim: [...] a definição de cibercultura não seria somente de uma cultura especificamente produzida em termos do ciberespaço, mas de uma dimensão da cultura contemporânea que encontra no ciberespaço seu lugar de manifestação (BRITTO, 2009, p. 168 o grifo é nosso).

17 17 Isso posto, firmamos o entendimento de que a construção da imagem da empresa é um fazer diário, que passa pelos mais diversos públicos da organização e que tem influência do ambiente em que está inserida, podendo ser moldada conforme seus interesses, suas mudanças de planejamento e suas convicções, tendo no ciberespaço uma de suas principais fontes de captação de novas informações A cultura na construção da imagem Desde a década de 60, empresas brasileiras já se preocupavam com a forma de comunicação com os seus públicos utilizando campanhas de cidadania para melhorar a sua imagem perante seus públicos de interesse. Essas formas de comunicação buscavam solidificar a cultura organizacional. E, nessa comunicação com os públicos, é que se forma também a imagem institucional. Nassar e Figueiredo, ao falar da imagem de uma organização, dizem que ela é a responsável pelo sucesso e pela perpetuação da mesma no mercado. [...] Na construção da mãe de todas as imagens a imagem institucional -, as empresas precisam manter uma comunicação competente em todas as suas frentes de batalha. De nada adianta uma excelente propaganda, realizada pelos mais brilhantes gurus do mercado publicitário, se o lado cidadão, ético, da empresa vai muito mal. (NASSAR E FIGUEIREDO, 1995, p.23). No dizer dos autores, empresas preocupadas somente com o lucro nem sempre buscam a construção de uma imagem positiva e sólida, ou seja, uma cultura alicerçada em relações entre a empresa e os públicos de interesse e com aqueles que possam vir a ser de interesse. Ou seja, a imagem de uma organização perante a sociedade tem tanto valor quanto as vendas que são feitas por ela. Podemos dizer que vender a imagem para um público é uma das melhores formas de publicidade que as empresas podem fazer, pois mostram uma preocupação com a sociedade, com a educação das crianças, com o meio ambiente e com o futuro que vão deixar para as próximas gerações. Por isso, o trabalho de elaboração da imagem deve ser levado a sério, pois envolve muito mais que o reconhecimento de uma marca por meio da aquisição de um produto.

18 18 Baldissera fala em imagem-conceito e diz que é preciso compreender que ela é muito mais que um processo comunicacional. É uma relação complexa que envolve todo o processo de construção de relações entre pessoas ou organizações. A imagem-conceito não é uma questão de verdade ou de coerência. Nem o de transparência ou de ética. Tampouco se reduz à comunicação. Antes, transcendendo a essas questões isoladas, constrói-se na/sobre a significação que resulta da complexidade relacional entre as entidades (materiais, fantasiosas, virtuais e/ou oníricas) e suas alteridades (sujeitos/públicos). Dessa relação dialética/dialógico-recursiva irrompe em associações, expurgos, transformações, transposições e tudo mais que a competência semiótica do sujeito/público permitir e puder realizar (BALDISSERA, 2004, p. 283). Constata-se, então, que não existe imagem correta; o que existe é uma imagem que é passada por determinada empresa, a partir do conjunto de relações que é criado e mantido entre grupos distintos. A imagem da empresa é aquilo que seus públicos acham dela. Por mais correta e transparente que uma empresa possa ser, a impressão que seus públicos possuem dela, é o que será passado para a comunidade em geral. A não preocupação com a imagem e com a cultura local de onde a empresa está instalada pode levar ao fracasso. Nassar e Figueiredo (Idem) comentam alguns casos em que empresas preocupadas com o seu público interno utilizam a política da boa vizinhança para conquistar o seu espaço perante a população/comunidade, ajudando na promoção de eventos locais. Isso gera uma imagem sólida e preocupada, fazendo com que as pessoas que nela trabalham tenham orgulho de fazer parte da mesma. E as empresas que não se preocupam somente com o ambiente interno, criam relações amistosas com o entorno, contribuindo assim para que outras pessoas queiram fazer parte do seu quadro de funcionários e, ainda, cativam famílias de funcionários que ao terem uma boa imagem, acabam sendo defensoras da empresa. 2.3 A GESTÃO DA COMUNICAÇÃO É impossível falar de comunicação sem focar sua importância na gestão organizacional. Por mais que os estudos realizados mostrem a necessidade de as organizações possuírem uma gestão alicerçada em meios e formas de comunicação que contemple todos os setores, sempre teremos algo a descobrir no que diz

19 19 respeito à comunicação. Até porque é através dela que começamos a compreender o mundo, as pessoas, as nossas atitudes e tudo mais que necessite de compreensão e fomento das relações interpessoais. Na atualidade, a gestão da comunicação está intimamente ligada ao planejamento estratégico, tático e operacional da empresa. De acordo com Kunsch (2008), o planejamento estratégico interliga todos os demais planos e está no topo da pirâmide organizacional. Ele é feito a longo prazo e deve estar afinado com o ambiente da organização. Já o tático, é mais restrito. Tem seu foco nas demandas diárias e busca resolver os problemas em curto prazo, auxiliando nas metas traçadas no planejamento organizacional. E o operacional, segundo a autora (Idem), é responsável pela demanda diária, pela formalização das etapas feitas em documentos e metodologias a serem aplicadas. Ainda, nas palavras de Kunsch (2008, p. 108) [...] o planejamento deve ser entendido como um processo técnico, racional, lógico e político como um ato de inteligência, em suma. Ou seja, ele necessita de profissionais especializados, com conhecimento de diversas áreas, para que seja bem implantando, monitorado e executado. Não temos como imaginar uma organização bem estruturada sem um planejamento estratégico, tendo em vista que o mercado está, a cada dia, mais acirrado e disputado. Considera-se que empresas conduzidas por planejamentos que abranjam todas as áreas e etapas, devem obter os resultados projetados. Assim, a gestão da comunicação, além de se orientar por um planejamento que integre as atividades de comunicação, em função do fortalecimento do conceito institucional, mercadológico e corporativo junto a toda a sociedade, deve ainda incorporar a ideia de uma comunicação globalizante, que ajude a compreender e acompanhar o ritmo acelerado das mudanças no Brasil e no mundo (KUNSCH, 2008). Outro fator importante da gestão comunicacional é o mapeamento dos públicos. Fazer o mapeamento é o primeiro passo, mas o importante é entender e considerar a percepção dos públicos, seja eles internos ou externos à empresa, desenvolvendo assim um relacionamento que contribua para a melhora dos produtos e serviços, retendo e alcançando, se necessário, novos clientes para o seu mercado. Lesly (apud FRANÇA, 2004, p. 34) comenta que a aproximação a um determinado grupo de publico deve ter uma razão, um objetivo, uma vez que [...] é a

20 20 aproximação de ação que vê os públicos como alvos dos próprios interesses da organização. Entende-se que o que interliga o público a empresa são os interesses que eles possuem em comum. Ou seja, o papel do agente de relações públicas é o de interligar interesses dos públicos com a empresa, fazendo com que esta relação agregue valor e colabore para o desenvolvimento do mercado e dos negócios. Ainda, nesta mesma visão mercadológica, Andrade (2003, p. 20) diz que cabe às Relações Públicas a importante tarefa da formação de públicos junto às empresas ou instituições [...], facilitando a discussão à procura de uma opinião ou decisão coletiva, tendo em vista o interesse social. Percebe-se que a gestão da comunicação deve ser vista a partir de um elo estratégico, com ações que promovam o relacionamento entre a empresa e seus stakeholders [públicos estratégicos], formando assim uma rede de comunicação, voltada a relacionamentos formais e informais. Os relacionamentos formais são as expressões oficiais e manifestações de poder organizacional, importantes na perpetuação e prosperação do negócio; as informais são criadas e cultivas pelas relações que se estabelecem com os públicos de forma a criar elos, não somente profissionais, mas de amizade. As relações informais possibilitam a criação de credibilidade, fruto de relacionamentos informais. Nessa perspectiva, o ponto a seguir vai abordar a questão dos relacionamentos que são criados pelo espaço virtual. Diante da inevitável utilização do serviço de como principal canal de comunicação entre as pessoas, pela web, as empresas foram atraídas pela oportunidade de promoção de seus produtos e da sua marca, surgindo assim a teoria da cauda longa GESTÃO DA COMUNICAÇÃO QUE AGREGA A TEORIA DA CAUDA LONGA 5 4 O grifo é nosso. 5 A expressão teoria da Cauda Longa é de Chris Anderson e consta da obra A nova dinâmica de marketing e vendas: como lucrar com a fragmentação dos mercados, publicada no Rio de Janeiro, em A expressão, segundo o autor, serve para dizer que nossa cultura e economia estão mudando do foco de um relativo pequeno número de hits (produtos que vendem muito no grande mercado) no topo da curva de demanda, para um grande número de nichos na cauda. Como o custo de produção e distribuição caíram, especialmente nas transações online, agora é menos necessário massificar produtos em um único formato e tamanho para consumidores. Em uma era sem problema de espaço nas prateleiras e sem gargalos de distribuição, produtos e serviços segmentados podem ser economicamente tão atrativos quanto produtos de massa.

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

PERFIL DO CORRETOR DE IMÓVEIS:

PERFIL DO CORRETOR DE IMÓVEIS: PERFIL DO CORRETOR DE IMÓVEIS: O QUE É PRECISO PARA SER UM CORRETOR DE SUCESSO gerenciador e site imobiliário Introdução O perfil do corretor de imóveis de sucesso Aprimorando os pontos fracos Conclusão

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING ELETRÔNICO

PLANEJAMENTO DE MARKETING ELETRÔNICO Instituto FA7 IBMEC MBA em Marketing Disciplina: Professor: Turma: Equipe: Marketing Eletrônico Renan Barroso Marketing II - Fortaleza Ana Hilda Sidrim, Ana Carolina Danziger PLANEJAMENTO DE MARKETING

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE RÁDIO EM MEIOS DIGITAIS APLICADOS NA EDUCAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO.

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE RÁDIO EM MEIOS DIGITAIS APLICADOS NA EDUCAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO. 986 ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE RÁDIO EM MEIOS DIGITAIS APLICADOS NA EDUCAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO. Ricardo Fadul Domingues - Regional Uni-FACEF Silvio Carvalho Neto - Uni-FACEF INTRODUÇÃO O

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK APRENDA AS ÚLTIMAS DICAS E TRUQUES SOBRE COMO DAR UM TAPA 3.0 NA SUA LOJA VIRTUAL. www.rakutencommerce.com.br E-BOOK propósito desse ebook é muito simples: ajudar o varejista on-line a dar um tapa 3.0

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL 1 A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL Jaqueline Kelly Stipp 1 Jéssica Galindo de Souza 2 Luana Alves dos Santos Lemos 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Esse artigo tem como objetivo

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa]

E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa] E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa] 1 Sumário O Surgimento do Analista de Redes Sociais... 2 O que é um Analista de Redes Sociais?... 5 Qual é o Perfil do Analista

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br Desde 2008 Mídia Kit 2015 encontrasãopaulo www.encontrasaopaulo.com.br Introdução O Mídia Kit 2015 do guia online Encontra São Paulo tem o objetivo de contextualizar a atuação do site no segmento de buscas

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

A grande verdade é que a maioria das empresas está perdendo muito dinheiro tentando criar um negócio online.

A grande verdade é que a maioria das empresas está perdendo muito dinheiro tentando criar um negócio online. Você gostaria de aprender o que os negócios campeões em vendas online fazem? Como eles criam empresas sólidas na internet, que dão lucros por vários e vários anos? A grande verdade é que a maioria das

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja.

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja. Com a consolidação do comércio eletrônico no Brasil e mundo, fica cada vez mais claro e a necessidade de estar participando, e mais a oportunidade de poder aumentar suas vendas. Mas é claro que para entrar

Leia mais

Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178

Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178 Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178 INDICE INTRODUÇÃO DIFINIÇÃO COMO FUNCIONA AS ETAPAS HISTORIA RELACIONAMENTO PRATICAS REDES SOCIAS EXEMPLOS VANTAGEM INTRODUÇÃO Comumente pode se entender

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

F-COMMERCE A REVOLUÇÃO DAS LOJAS VIRTUAIS NO FACEBOOK

F-COMMERCE A REVOLUÇÃO DAS LOJAS VIRTUAIS NO FACEBOOK F-COMMERCE A REVOLUÇÃO DAS LOJAS VIRTUAIS NO FACEBOOK Com o crescimento das mídias sociais, uma modalidade de vendas online que vem ganhando força é o F-commerce, termo usado para definir o comércio eletrônico

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais Os desafios do Bradesco nas redes sociais Atual gerente de redes sociais do Bradesco, Marcelo Salgado, de 31 anos, começou sua carreira no banco como operador de telemarketing em 2000. Ele foi um dos responsáveis

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000).

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000). Comércio Eletrônico É a compra e a venda de informações, produtos e serviços por meio de redes de computadores. (Kalakota, 1997) É a realização de toda a cadeia de valor dos processos de negócios em um

Leia mais

Os serviços de Campanha Digital são oferecidos pelo Portal BRASIL POSTOS COMERCIO DE MAQUINAS E EQUIPAMENTOS LTDA ME. CNPJ : 08.242.

Os serviços de Campanha Digital são oferecidos pelo Portal BRASIL POSTOS COMERCIO DE MAQUINAS E EQUIPAMENTOS LTDA ME. CNPJ : 08.242. 1 2 Apresentação O Portal Brasil Postos é uma plataforma digital desenvolvida para a geração de negócios, relacionamento e informação para o segmento de postos de combustíveis, lubrificação e Lojas de

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

O guia completo para uma presença. online IMBATÍVEL!

O guia completo para uma presença. online IMBATÍVEL! O guia completo para uma presença online IMBATÍVEL! Sumário Introdução 3 Capítulo 1 - Produção de Conteúdo: Por que e Como produzir 5 Capítulo 2 - Distribuição e Divulgação 8 Capítulo 3 - Monitoramento

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR RESUMO Este artigo defende a idéia de que na nova economia as empresas precisam incorporar a experiência do cliente a seus

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA.

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. 1 MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. Profa. Arlete Embacher MiniWeb Educação S/C Ltda webmaster@miniweb.com.br Resumo Este relato descreve como surgiu

Leia mais

Como cultivar leads do Comitê de TI

Como cultivar leads do Comitê de TI BRASIL Como cultivar leads do Comitê de TI O marketing está ajudando ou atrapalhando? Confiança + Credibilidade devem ser CONQUISTADAS O profissional de marketing moderno conhece a importância de cultivar

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO CORPORATIVA E A FIDELIZAÇÃO DE SEUS PÚBLICOS ESTRATÉGICOS Vitor Roberto Krüger Gestão da Comunicação Empresarial e Relações

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

A ERA DIGITAL E AS EMPRESA

A ERA DIGITAL E AS EMPRESA A ERA DIGITAL E AS EMPRESA Em 1997 o Brasil já possuia 1,8 MILHÕES de usuários Brasil O 5 Maior país em extensão territorial Brasil 5 Vezes campeão do Mundo Brasil O 5 Maior país em número de pessoas conectadas

Leia mais

SUA EMPRESA VAI RESISTIR A EVOLUÇÃO DIGITAL?

SUA EMPRESA VAI RESISTIR A EVOLUÇÃO DIGITAL? SUA EMPRESA VAI RESISTIR A EVOLUÇÃO DIGITAL? A EVOLUÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO A evolução dos Meios de Comunicação 1990 2000 telex e-mail internet notebook e hoje?? celular MMS TV aberta TV a cabo DVD

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Introdução às Mídias Sociais O que fazer com as mídias sociais Tipos de ações As principais mídias sociais Dicas e considerações finais Autor Felipe Orsoli 1 SUMÁRIO 1

Leia mais

KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais

KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais INTRODUÇÃO Em plena era 2.0 é imprescindível que as empresas estejam presentes na

Leia mais