COMPOSIÇÃO DE CUSTOS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPOSIÇÃO DE CUSTOS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES COMPOSIÇÃO DE CUSTOS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: TT-048 INFRAESTRUTURA VIÁRIA PROFESSORES: Djalma Martins Pereira Eduardo Ratton Gilza Fernandes Blasi Márcia de Andrade `Pereira Wilson Küster Filho M JUNHO/2010

2 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 2 Sumário 1 INTRODUÇÃO COMPOSIÇÃO DE CUSTOS UNITÁRIOS DE SERVIÇOS Elaboração da Planilha de Custo Horário de Utilização de Equipamentos Custo de Aquisição dos Equipamentos e Veículos Vida Útil do Equipamento Depreciação Custo de Oportunidade do Capital - Juros Seguros e Impostos Custo de Manutenção Custos de Operação Custo Horário do Equipamento Planilha de Custo Horário de Utilização dos Equipamentos Elaboração da Planilha de Produção das Equipes Mecânicas Preenchimento e Calculo da Planilha de Produção das Equipes Mecânicas Elaboração da Planilha de Cálculo do Custo Unitário dos Serviços Preenchimento e Calculo da Planilha de Custo Unitário dos Serviços BDI - BENEFÍCIOS E DESPESAS INDIRETAS Considerações Iniciais Metodologia para o Cálculo do BDI ORÇAMENTO Introdução Método de Preparação de Orçamentos para Projetos Estudo Preliminar Planejamento de Execução da Obra Inspeção de Campo Listagem dos Custos Unitários a Compor Seleção dos Principais Fatores de Produção Orçamento Final EXEMPLOS BIBLIOGRAFIA... 79

3 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 3 1 INTRODUÇÃO A execução de uma obra rodoviária de engenharia pode ser entendida como o somatório de diversas etapas de serviços, utilizando-se equipamentos e materiais específicos, trabalhados de forma racional através de certa quantidade de mão-de-obra. Se conseguirmos subdividir e quantificar cada tarefa ou etapa, considerando a avaliação dos custos dos materiais, equipamentos, mão-de-obra e encargos sociais, estaremos aptos a avaliar o custo de cada serviço, individualmente. Sobre os custos diretos calculados, deve-se adicionar uma bonificação de despesas indiretas - BDI, que corresponde aos custos administrativos, custos financeiros, impostos, e a própria margem de lucro que cada empresa deva perceber pela execução de determinado serviço. Portanto, a base do orçamento de uma obra reside no conhecimento minucioso do custo de cada uma de suas etapas ou serviços, individualmente. Para tal, deve-se conhecer a composição dos custos unitários de cada serviço. 2 COMPOSIÇÃO DE CUSTOS UNITÁRIOS DE SERVIÇOS Para a elaboração da composição do custo unitário de qualquer serviço de engenharia, notadamente aos que se referem à execução de obras viárias, é necessário que se conheça basicamente o seguinte: a) a composição dos custos de utilização dos equipamentos envolvidos na execução da tarefa (Planilha de Custo Horário de Utilização dos Equipamentos) ; b) a composição ou dimensionamento de cada equipe mecânica formada para execução do serviço, sua produção horária na unidade da composição do custo unitário do serviço que se pretende avaliar e os percentuais produtivos e improdutivos de utilização dos equipamentos envolvidos (Planilha de Produção da Equipe Mecânica); c) o custo de aquisição dos materiais básicos envolvidos na execução dos serviços; d) os custos da mão-de-obra envolvida, com respectiva escala salarial, e os correspondentes encargos sociais da categoria; e) os custos unitários dos transportes, seja local, comercial, ou específico tal como o transporte de material asfáltico; f) elaboração da Planilha de Custo Unitário do Serviço.

4 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias Elaboração da Planilha de Custo Horário de Utilização de Equipamentos O custo horário de utilização do equipamento é o custo que decorre da posse ou uso do equipamento, medido no intervalo de 1(uma) hora e para a quantificação do seu custo horário, é necessário que se estabeleçam os seguintes itens: a) o custo de aquisição do equipamento; b) a vida útil em anos (tempo de amortização); c) horas trabalhadas por ano; d) depreciação; e) juros; f) custo de manutenção; g) custos de operação (material + mão-de-obra); h) custos horários produtivos e improdutivos Custo de Aquisição dos Equipamentos e Veículos É definido em função de pesquisa de mercado, a partir da qual elabora-se uma planilha denominada PLANILHA DE CUSTOS DE AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS, na qual devem figurar o código do veículo, a denominação do equipamento, a potência (em HP ou kw), a vida útil (em anos) o número de horas trabalhadas por ano (catálogo do fabricante) e o custo de aquisição. Esta pesquisa deve ser feita de forma a ser obter: a) Valor de aquisição do equipamento; b) Incidência de impostos (ICMS e IPI) e despesas de transporte (frete), embalagem e eventualmente de importação Vida Útil do Equipamento É definido como sendo o período de tempo iniciado no momento de sua aquisição e início de funcionamento, até a data de sua retirada de serviço. Este conceito é meramente econômico e pode ser entendido como o período entre o inicio de sua operação (em numero de anos) até o momento em que o custo de reparos para mantê-lo em condições de funcionamento torna-se maior que o valor residual do equipamento. A vida útil varia conforme o tipo de equipamento e quanto às condições de serviço (Leve, Média e Pesada Quadro 2.1). Os valores sugeridos pelos fabricantes e adotados pelo DNIT encontram-se na Tabela 2.1 a seguir.

5 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 5 Quadro 2.1: Condições de Serviço

6 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 6 Tabela 2.1 Potência, Tipo de Combustível, Vida Útil e Horas Trabalhadas por Ano de Equipamentos

7 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 7 cont. Tabela 2.1 Potência, Tipo de Combustível, Vida Útil e Horas Trabalhadas por Ano de Equipamentos

8 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 8 cont. Tabela 2.1 Potência, Tipo de Combustível, Vida Útil e Horas Trabalhadas por Ano de Equipamentos

9 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 9 cont. Tabela 2.1 Potência, Tipo de Combustível, Vida Útil e Horas Trabalhadas por Ano de Equipamentos

10 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 10 cont. Tabela 2.1 Potência, Tipo de Combustível, Vida Útil e Horas Trabalhadas por Ano de Equipamentos Depreciação Conceitualmente a depreciação de um equipamento é devida a três fatores: Depreciação física: perda de valor de mercado devido ao desgaste, não somente devido ao uso como também devido as intempéries. Depreciação econômica: perda de valor decorrente do decréscimo da capacidade de produção do equipamento devido a exaustão física ou da obsolência do mesmo. Depreciação contábil: corresponde a uma estimativa da perda do valor sofrido pelo equipamento para fins de registro contábil..

11 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 11 De qualquer forma, a depreciação pode ser resumida como sendo a perda do valor venal de um equipamento ao longo do tempo. O DNIT utiliza o método linear (ou da linha reta) para o calculo do valor horário da depreciação, conforme a seguinte expressão: CD = VA R n.hta onde, CD = custo de depreciação horária (em R$/h) VA = valor de aquisição do equipamento (em R$) R = valor residual do equipamento (em R$) = VA. r(%) r(%) = (Tabela 2.2); 100 n = vida útil (em anos), Tabela 2.1; HTA = número de horas trabalhadas por ano, Tabela 2.1; Obs.: Valor Residual do Equipamento (R): valor de venda do equipamento ao final de sua vida útil. Os percentuais r - de valores de aquisição (VA) para representar o valor residual - R - dos equipamentos são os constantes da Tabela 2.2.

12 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 12 Tabela 2.2 Percentuais de Valores de Aquisição para Representar o Valor Residual dos Equipamentos (r%)

13 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias Custo de Oportunidade do Capital - Juros Dentre os diferentes itens tradicionais que compõem a estrutura de custos de construção encontram se os juros sobre o capital imobilizado para o desenvolvimento da atividade. Eles representam o custo, incorrido pelo empresário, pelo fato de aplicar num negócio específico, seu capital próprio ou o capital captado de terceiros. No que diz respeito aos juros relativos ao capital aplicado em equipamentos, existem duas alternativas de imputação: a) tradicionalmente, onde eles são imputados diretamente no cálculo do custo horário do equipamento; b) ou computar seu valor agregado ao resultado da operação global, ou seja, remetê-los ao BDI Bonificação e Despesas Indiretas (item 3.0), onde a margem de lucro prevista é que deve remunerar o custo do capital investido em equipamento de construção. A taxa de juros assinalada deverá incidir sobre o valor médio do investimento (Vm) em equipamento, durante sua vida útil (n), que é fornecido pela fórmula: Vm = [(n+1) x VA] 2.n Obtendo-se a valor horário dos juros (CJ) pela expressão: CJ = Vm. i HTA Onde: CJ = custo horário dos juros (em R$/h) VA = valor de aquisição do equipamento (em R$) i = taxa de juros anual; HTA = horas trabalhadas por ano, Tabela 2.1; Vm = Valor médio do equipamento: n = vida útil em anos, Tabela 2.1;

14 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 14 Portanto, deve-se avaliar o custo horário de depreciação (CD) e o custo horário dos juros do capital investido (CJ), separadamente Seguros e Impostos Para complementar o custo de propriedade, resta considerar os custos oriundos de impostos e seguros. Devido ao alto custo envolvido, os grandes frotistas de equipamentos não fazem seguro de todos seus equipamentos em companhias seguradoras, a não ser em casos especiais. Eles próprios bancam os riscos, representados principalmente por avarias, já que os roubos de equipamentos de maior porte são raros. Já com relação aos veículos o procedimento é distinto. A percentagem dos que são segurados tende a crescer, mas é muito variável de empresa para empresa. Considera-se, a título de Seguros e Impostos, somente o IPVA e o Seguro Obrigatório necessário para a regularização do veículo. O IPVA, (Imposto de Propriedade de Veículos Auto Motores), imposto estadual relativo a licenciamento de veículos varia com a idade do mesmo, segundo regras próprias para cada Estado, além do Seguro Obrigatório, ligado a ele, seriam os únicos valores a serem considerados nessa rubrica, totalizando incidência total de 2,5% sobre o investimento médio em veículos. Seu valor é calculado pela aplicação da seguinte fórmula: IS = (n + 1). VA x 0,025 2.n. HTA IS = custo horário relativo a Impostos e Seguros (somente para os veículos) VA = valor de aquisição do veículo HTA = quantidade de horas de trabalho por ano, Tabela 2.1; n = vida útil, Tabela 2.1; 0,025 = taxa média sugerida. Obs: Esta parcela de IS não está sendo considerada na composição do Custo Horário de Utilização dos Equipamentos apresentada nesta apostila

15 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias Custo de Manutenção Denomina-se manutenção o conjunto de operações que são necessárias para manter um equipamento em perfeitas condições de uso. Estes custos englobam: a) reparos em geral, incluindo materiais, peças e acessórios de reposição, gastos de oficina e mão-de-obra necessária, com seus respectivos encargos sociais; b) reapertos, regulagens, limpeza, pintura, lavagem e outros custos; c) material rodante, pneus, câmeras de ar, lâminas, cantos, parafusos, correias, esteiras, rodas motrizes e demais peças de desgaste efetivo durante a operação. A quantificação destes custos é bastante variada e, portanto, adota-se um método aproximado que vincula as reservas destinadas à manutenção com o custo de aquisição do equipamento. Portanto, o custo horário de manutenção dos equipamentos pode ser determinado pela seguinte expressão: Onde, CM = VA. K n. HTA CM = custo horário de manutenção VA = valor de aquisição do equipamento n = vida útil (em anos), Tabela 2.1; HTA = horas trabalhadas por ano, Tabela 2.1; K = coeficiente de proporcionalidade, Tabela 2.3;

16 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 16 Tabela 2.3 Coeficientes de Proporcionalidade para Manutenção (K)

17 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias Custos de Operação São os custos decorrentes da utilização do equipamento, portanto, necessários para o funcionamento e operação dos mesmos, ou seja: materiais e mão-de-obra necessários para a operação. A - Materiais Previstos para a Operação dos Equipamentos Como os custos das peças trabalhantes já foram previstos nos custos de manutenção, aqui são arrolados apenas os seguintes materiais: combustíveis; óleo lubrificante do carter; óleos lubrificantes para sistema, hidráulico, transmissào e comandos finais; graxa; filtros para combustíveis e lubrificantes. A quantificação destes gastos é baseada em dados médios de consumos horários de combustíveis e lubrificantes, fornecidos por ábacos e tabelas próprias e nas proporções entre os preços dos materiais e potência do equipamento, resultando os seguintes critérios para a determinação do custo horário de materiais para operação: a) equipamento a óleo diesel: custo horário do material ( CMA 1 ) = 0,18 x HP x custo de 1,0 litro de óleo diesel b) equipamentos a gasolina: custo horário do material ( CMA 2 ) = 0,245 x HP x custo de 1,0 litro de gasolina Seguindo-se a recomendação do DNIT, a potência dos equipamentos deve ser fornecida em kw, devendo-se, portanto, aplicar a seguinte conversão: 1 HP = 1,34044 kw

18 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 18 As formulas supra indicadas tornam-se: a.1) equipamentos a óleo diesel: custo horário do material (CMA 1 ) = 0,13428 x kw x custo de 1,0 litro de óleo diesel b 1)equipamentos a gasolina: custo horário do material (CMA 2 ) = 0,18277 x kw x custo de 1,0 de gasolina B - Mão-de-Obra Necessária à Operação dos Equipamentos Para fins de determinação do custo da mão-de-obra é válido utilizar a relação da Tabela 2.4 e Tabela 2.5, com as respectivas escalas salariais (K), isto é, o número de salários-mínimos percebidos em cada função, os quais variam entre as diversas regiões do país. B.1 - Salário Mínimo Horário Como é necessário calcular o custo horário da mão-de-obra de operação dos equipamentos, é necessário que tenhamos o salário mínimo vigente no país expresso em R$/h. Para isto, estabeleceu-se que um indivíduo exercendo qualquer das funções relacionada na Tabela 2.4, trabalha 220 horas mensais, portanto, temos que o salário mínimo horário é igual a: SMH = Salário Mínimo Vigente 220 horas de trabalho/mês B 2 - Encargos sobre a Mão-de-obra São os encargos sociais que devem ser acrescidos à remuneração mensal de cada trabalhador. Exemplo: FGTS, Férias, Repouso Semanal Remunerado, 13º. Salário, etc. A somatória destes encargos situa-se, atualmente (2005), em torno de 126,30%, conforme detalhamento do Quadro 2.2, podendo sofrer variações para mais ou para menos. É importante salientar que esta composição pode mudar em função da mudança das contribuições e legislações previdenciárias oficiais.

19 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 19 Quadro Demonstrativo da composição dos encargos sobre a mão de obra % % ÍTEM ENCARGOS PARCIAL ACUMULADA I. Encargos Sociais Básicos GRUPO A 36,80 I.1. INSS 20,00 I.2. SESI 1,50 I.3. SENAI 1,00 I.4. Salário Educação 2,50 I.5. Seguro contra acidente trabalho - INSS 3,00 I.6. INCRA 0,20 I.7. FGTS 8,00 I.8. SEBRAE 0,60 II. Encargos Sociais sem prestação de 50,61 Serviços GRUPO B II.1. Repouso semanal remunerado 17,80 II.2. Feriados e dias santificados 4,09 II.3. Férias 14,87 II.4. Auxilio enfermidade 1,86 II.5. Auxilio acidente 0,17 II salário 11,16 II.7. Licença paternidade 0,10 II.8. Faltas justificadas 0,56 III. Encargos Sociais Indenizatórios GRUPO C 19,93 III.1. Multa por rescisão sem justa causa 4,13 III.2. Aviso Prévio Indenizado 14,13 III.3. Indenização adicional 1,67 IV. Encargos Sociais de Incidência Indireta GRUPO D IV.1. Incidência do Grupo A sobre o B 18,62 IV.2. Incidência de multa do FGTS sobre o 13 0,34 18,96 TOTAL DE LEIS SOCIAIS 126,30 (%)

20 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 20 B.3 Custo Horário da Mão de Obra de Operação Para obtermos o custo horário da mão-de-obra de operação deve-se estabelecer o Salário Base, ou seja, o Salário Mínimo Horário acrescido dos Encargos sobre a Mão de Obra, conforme a expressão abaixo. Salário Base = SMH. [ 1 + Encargos sobre a mão de Obra(%) ] 100 então teremos: CMO = K. Salário Base SMH = Salário Mínimo Horário = Salário Mínimo Vigente 220 horas de trabalho/mês K = Escala Salarial, Tabela 2.4 CMO= Custo Horário da Mão de Obra de Operação

21 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 21 Tabela 2.4 Escala Salarial da Mão de Obra (K)

22 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 22 Tabela Categorias Profissionais da Mão de Obra de Operação Custo Horário do Equipamento A Custo Horário Produtivo È o custo horário do equipamento durante a sua operação efetiva e engloba os custos horários da depreciação, juros, manutenção e operação (material + mão de obra), ou seja: CHP = CD+CJ+CM+CMA+CMO B Custo Horário Improdutivo È o custo horário do equipamento durante o período em que o mesmo fica parado aguardando a operação de outro equipamento. Como a mão-de-obra é remunerada mesmo que não esteja sendo utilizada, e o equipamento continua a sofrer depreciação e juros quando parado, o custo da hora improdutiva engloba os custos horários da depreciação, juros, e mão de obra de operação, isto é: CHI = CD+CJ+CMO

23 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias Planilha de Custo Horário de Utilização dos Equipamentos Apresentamos a seguir o resumo (Quadro 2.3) da sistemática de cálculo do custo horário produtivo e improdutivo dos equipamentos e o modelo de Planilha de Custo Horário de Utilização de Equipamentos (Figura 2.1) a ser preenchida. Quadro 2.3: Resumo da Sistemática para Cálculo do Custo Horário Produtivo e Improdutivo dos Equipamentos Notação CD CJ CM CMA (1) CMA (2) CMO CHP CHI Custo Horário (R$/h) Depreciação Juros Manutenção Materiais de Operação (equipamento movido a diesel) Materiais de operação (equipamento movido a gasolina) Mão-de-obra de Operação Produtivo Improdutivo Fórmula CD = VA R R= VA. r(%) n. HTA 100 n e HTA = Tabela 2.1 r (%)= Tabela 2.2 CJ = Vm. i Vm = (n+1) x VA HTA 2.n n e HTA = Tabela 2.1 CM = VA. K n. HTA n e HTA = Tabela 2.1 K = Tabela 2.3 CMA(1) = 0,180 x HP x custo de 1 litro de diesel 1 HP = 1,34044 kw CMA(1) = 0,13428 x kw x custo de 1,0 litro de diesel CMA(2) = 0,245 x HP x custo de 1 litro de gasolina 1 HP = 1,34044 kw CMA(2) = 0,18277 x kw x custo de 1 litro de gasolina CMO = K. Salário Base K = Tabela 2.4 Salário Base=SMH. [1+ Encargos sobre a mão de Obra(%)] 100 SMH (Salário Mínimo Horário) = Salário Mínimo Vigente 220 horas CHP = CD + CJ + CM + CMA + CMO CHI = CD + CJ + CMO

24 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 24 Figura 2.1; Planilha de Custo Horário de Utilização de Equipamentos

25 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias Elaboração da Planilha de Produção das Equipes Mecânicas A elaboração da Planilha de Produção das Equipes Mecânicas (Figura 2.2) consiste em se determinar qual é a produção média de um serviço no espaço de uma hora pela Equipe Mecânica, isto é, pelo conjunto de equipamentos e veículos reunidos para execução conjunta de um dado serviço Preenchimento e Calculo da Planilha de Produção das Equipes Mecânicas Selecionam-se, inicialmente, os equipamentos que possibilitem a formação de equipes necessárias para execução de todos os serviços de terraplenagem, pavimentação, drenagem, etc. e estabelece-se o equipamento que comandará a equipe. Para os equipamentos selecionados, calcula-se as produtividades possíveis de serem obtidas na execução dos diferentes serviços, produtividades estas expressas em relação a quantidade de material movido ou produzido na unidade de tempo, sendo a hora utilizada como unidade padrão. A Planilha para o cálculo da Produção das Equipes Mecânicas é composta dos seguintes itens: A - Variáveis Intervenientes: são as variáveis que compõem as fórmulas necessárias ao calculo das produções horárias dos equipamentos cujas definições são as seguintes: a) Afastamento: distância entre os furos das minas no sentido transversal a frente de ataque do serviço. Utilizado nas extrações a fogo. b) Capacidade: medida que indica a dimensão do equipamento em termos de produção. Adota-se a capacidade nominal fornecida pelo fabricante do equipamento. c) Consumo: é o gasto que tem o equipamento para executar um serviço. Exemplo: uma perfuratriz de determinado tipo consome 3,3 m 3 /min. de ar comprimido. d) Distância: é a distancia média de transporte, ou o intervalo de lugar onde o equipamento esta atuando. e) Espaçamento: distância entre os furos das minas no sentido da frente de ataque do serviço. f) Espessura: alturas com que são executadas as diversas camadas de aterro na terraplenagem e da seção estrutural no pavimento. g) Fator de Carga: relação entre as capacidades efetiva e nominal do equipamento. Os valores adotados encontram-se nas faixas recomendadas pelos fabricantes e são os seguintes:

26 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 26 Material de 1ª. Categoria = 0,90 (menor dificuldade de carga) Material de 2ª. Categoria = 0,80 (dificuldade média de carga) Material de 3ª. Categoria = 0,70 (maior dificuldade de carga) h) Fator de Conversão: relação entre o volume do material no corte e o volume do material solto. São empregados geralmente os seguintes valores: Material de 1ª. Categoria: FC = 1,0/1,30 = 0,77 Material de 2ª. Categoria: FC = 1,0/1,39 = 0,72 Material de 3ª. Categoria: FC = 1,0/1,75 = 0,57 i) Fator de Eficiência: é a relação entre o tempo de produção efetiva e o tempo de produção nominal. Considera-se que em uma hora corrida de trabalho não se obtém 60 minutos de trabalho efetivo devido à fadiga do operador e manutenção no campo, ou seja: Fator de Eficiência = (50 min/60 min) = 0,83. j) Largura de operação: é a dimensão lateral em que o equipamento atua. l) Largura de superposição: é o recobrimento lateral necessário para se dar continuidade à execução do serviço. m) Largura de utilização: diferença entre as larguras de operação e de superposição, (j-l). n) Número de passadas: número de vezes que um equipamento tem que atuar num mesmo lugar para executar o serviço. o) Profundidade: penetração atingida pelo equipamento na execução do serviço. p) Tempo fixo: intervalo de tempo gasto pelo veículo com carga, descarga e manobras. q) Tempo de percurso (ida): intervalo de tempo gasto pelo veículo para ir carregado do ponto de carregamento ao ponto de descarga. r) Tempo de Retorno: intervalo de tempo gasto pelo veículo para retornar vazio do ponto de descarga ao ponto de carga. s) Tempo Total de Ciclo: é o somatório dos tempos fixos, de percurso e de retorno, (p+q+r).

27 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 27 t) Velocidade (ida) Média: relação da distância entre os locais de carga e descarga e o tempo de percurso. u) Velocidade de Retorno: relação da distância entre os locais de carga e descarga e o tempo de retorno. B - Fórmulas Nesta parte da planilha são colocadas as fórmulas utilizadas na determinação da produção horária do equipamento. C - Produção Horária Nesta parte é anotado o resultado do calculo da produção horária dos diversos equipamentos que compõem a equipe obtido através das Fórmulas, cujos componentes são as Variáveis Intervenientes. D - Número de Unidades O número de unidades de cada equipamento para compor a equipe é dimensionado a partir da produção horária dos mesmos em relação à produção horária e número de unidades do equipamento que comanda a equipe. E - Utilização Nesta parte são anotadas as utilizações produtivas e improdutivas de cada equipamento da equipe, isto é, quanto, no período de 1 (uma), hora o equipamento opera e quanto o mesmo fica parado. São calculadas da seguinte maneira: Utilização Produtiva = N p x P p N 1 x P 1 onde, N p = número de unidades do equipamento que comanda a equipe; P p = produção horária do equipamento que comanda a equipe; N 1 = numero de unidades do equipamento que se está calculando a utilização. P 1 = produção horária do equipamento que se está calculando a utilização. Utilização Improdutiva = 1,0 - Utilização Produtiva

28 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 28 F - Produção da Equipe Nesta parte se transcreve a produção horária da equipe, que é igual a produção do equipamento que comanda a equipe. Obs.: O DNIT recomenda que se considere a participação das motoniveladoras nos trabalhos de escavação carga e transporte, unicamente como responsáveis pela manutenção dos caminhos de serviço, portanto apresentando utilizações pré-fixadas pela observação de seus tempos de utilização em situações de distâncias médias de transporte diferenciadas (50-200m, m, m,...). Para facilitar tal entendimento é apresentada a Tabela 2.6, onde são fixadas as distancias médias de transporte e as respectivas utilizações produtivas e improdutivas para as motoniveladoras, as quais devem ser utilizadas nas composições dos serviços de escavação carga e transporte de materiais para terraplenegem Tabela 2.6 Utilizações de motoniveladoras nos serviços de escavação, carga e transporte de materiais para execução de terraplenagem DMT (m) UTILIZAÇÃO PRODUTIVA UTILIZAÇÃO IMPRODUTIVA ,05 0, ,11 0, ,14 0, ,18 0, ,22 0, ,25 0, ,30 0, ,33 0, ,36 0, ,40 0, ,50 0, ,78 0,22

29 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 29 Figura 2.2: Planilha de Produção das Equipes Mecânicas

30 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias Elaboração da Planilha de Cálculo do Custo Unitário dos Serviços A forma da planilha que normalmente se utiliza para a determinação do custo unitário de um serviço de engenharia é dada na Figura 2.3, a qual contém as seguintes subdivisões: Parte A Indicação dos equipamentos utilizados na execução do serviço, com as respectivas utilizações produtivas e improdutivas e números de unidades, obtidos no calculo da Planilha de Produção da Equipe Mecânica e custos horários produtivos e improdutivos calculados na Planilha de Custo Horário de Utilização de Equipamentos. Parte B Quantificação e qualificação da Mão-de-Obra Suplementar, ou seja, a mão-de-obra necessária para a execução do serviço. Parte C Indicação da Produção da Equipe Mecânica, isto é, a Produção Horária do Equipamento que Comanda a Equipe estabelecida na Planilha de Produção da Equipe Mecânica. Parte D Calculo do Custo Unitário de Execução, definido como o somatório dos custos horários (A) + (B), ou seja, equipamentos + mão-de-obra suplementar utilizados, dividido pela Produção da Equipe Mecânica (C). Parte E Especificação de todos os materiais envolvidos na execução do serviço com seus respectivos consumos e custos unitários. Obs.: os custos unitários dos materiais são obtidos através de pesquisa de mercado, que, obrigatoriamente, deve ser realizada na região em que se desenvolverão os serviços. Para o caso de aquisição de concreto asfáltico (CBUQ), a pesquisa deve ser feita diretamente nas usinas produtoras ou por composição auxiliar. Parte F O Custo Unitário sem Transporte é obtido pelo somatório do Custo Unitário de Execução (D) + Custo Unitário dos Materiais (E).

31 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 31 Parte G Indicar o custo do transporte dos materiais utilizados na execução dos serviços, em relação a DMT (distancia média de transporte), tipo do veículo de transporte e a qualidade de revestimento da estrada utilizada para o transporte. Para o cálculo dos custos de transporte adota-se a seguinte classificação: 1 - Transporte Local; é aquele que se desenvolve dentro do canteiro de serviço e decorre diretamente da execução da obra. 2 - Transporte Comercial; é aquele que, embora decorrente da execução da obra, tem sua origem fora do canteiro de serviço. Ele ocorre quando se traz para o canteiro de serviço materiais para serem aplicados na obra. 3 - Transporte de Material Asfáltico; é aquele realizado em veículos especiais e destinados a levar os diferentes materiais asfálticos necessários à obra da fonte de produção ao canteiro de serviço. O custo unitário de transporte será calculado pela expressão geral: Custo Unitário = Custo Horário Produtivo de Utilização do Veiculo de Transporte Produção Horária do Veículo Custo Horário Produtivo de Utilização do Veículo: obtido através da mesma metodologia que se utiliza para o cálculo do custo horário de utilização dos equipamentos, sendo que o veículo utilizado poderá ser o caminhão basculante ou o caminhão carroceria (Transporte Local e Comercial), e o caminhão para transporte de material asfáltico. O custo a ser considerado é o produtivo, uma vez que se admite que numa equipe pode-se sempre ter um número de caminhões tal que praticamente não existam horas ociosas. Produção Horária do Veículo: é a Produção Horária do veículo destinado ao transporte, determinada pela seguinte fórmula geral: onde, P = c. E X + T V P = produção em m 3 /h ou ton/h

32 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 32 c = capacidade do veículo em m 3 ou toneladas E = eficiência de operação V = velocidade média em km/h, de acordo com o tipo da rodovia, isto é, Rodovias Pavimentadas Rodovias Não Pavimentadas T = tempo de espera, em horas. X = distância média de transporte, em km. A partir do tipo de veículo utilizado para o transporte (caminhão basculante, caminhão carroceria ou caminhão para material asfáltico), e de sua capacidade (m 3 ou toneladas), obtém-se qual é a produção horária por tipo de veículo e por tipo de rodovia (pavimentada ou não pavimentada), em função da distância média de transporte em km (DMT). 1 - Parâmetros para o cálculo da Produção Horária do veículo destinado ao Transporte Local Rodovias pavimentadas Rodovias não Pavimentadas V = 45 km/h V = 35 km/h Eficiência (E) = 45/60 da hora Tempo de Espera (T) = 5 minutos em 1 hora = 5/60 da hora 2 - Parâmetros para o cálculo da Produção Horária do veículo destinado ao Transporte Comercial Rodovias pavimentadas Rodovias não Pavimentadas V = 60 km/h V = 40 km/h Eficiência (E) = 50/60 da hora Tempo de Espera (T) = Parâmetros para o cálculo da Produção Horária do veículo destinado ao Transporte de Material Asfáltico Rodovias pavimentadas Rodovias não Pavimentadas V = 60 km/h V = 40 km/h Eficiência (E) = 55/60 da hora Tempo de Espera (T) = 0

33 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 33 Parte H Indicação do Custo Unitário Direto Total: somatório do custo unitário sem transporte (F) e do custo unitário de transporte (G). Parte I Indicação do percentual de BDI (Benefícios e Despesas Indiretas) - Detalhado no item 3.0. É o resultado da aplicação de um percentual multiplicativo que deve majorar o custo unitário direto total (H), para bonificar e remunerar despesas indiretas não incidentes na composição (custos administrativos, custo financeiro, impostos, lucro) Parte J Indicação do Custo Unitário Total; soma do custo unitário direto (H) e do BDI (I), representando o custo unitário total, ou seja, o valor de venda do serviço.

34 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias Preenchimento e Calculo da Planilha de Custo Unitário dos Serviços O preenchimento da planilha de cálculo do custo unitário de um determinado serviço utiliza os dados as Planilhas de Custo Horário de Utilização dos Equipamentos e de Produção das Equipes Mecânicas, bem como algumas tabelas acessórias, como se pode concluir no detalhamento do preenchimento da mesma. O roteiro explicativo é o dado na sequência: Serviço: escrever o nome do serviço cujo custo unitário está sendo composto. Unidade: escrever a unidade em que o custo unitário do serviço esta sendo composto. Exemplo: R / m 3 Custo Horário dos Equipamentos (Equipe) - Parte A: é calculada a parcela do custo unitário de serviço correspondente à equipe de máquinas utilizada na sua execução. Esta parte é preenchida da seguinte maneira: Coluna 1 Equipamento: colocar os tipos dos equipamentos que compõem a equipe de execução serviço. Coluna 2 Quantidade: colocar o número de unidades de cada equipamento na formação da equipe, obtido na Planilha de Produção das Equipes Mecânicas. Coluna 4 e 5 Utilização: colocar as utilizações produtivas e improdutivas dos equipamentos, obtidas na Planilha de Produção das Equipes Mecânicas. Coluna 6 e 7 - Custos Operacionais: colocar os custos horários produtivo e improdutivo de utilização do equipamento, obtidos na Planilha de Custo Horário de Utilização dos Equipamentos. Coluna 8 - Custo Horário: o custo horário de cada equipamento é obtido da seguinte forma: Custo horário =[ coluna (3) x coluna (5) + coluna (4) x coluna (6) ] x coluna (2) Custo Horário da Mão-de-Obra Suplementar - Parte B: a mão-de-obra referente à operação dos equipamentos já foi considerada no custo horário de utilização dos mesmos. Nesta parte considera-se somente a mão-de-obra suplementar direta necessária à execução do serviço, composta se mão-deobra de encarregados, profissionais em geral, serventes, etc. Esta parte da planilha deve ser preenchida da seguinte maneira:

35 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 35 Coluna 1 - Mão-de-obra suplementar: colocar os nomes das funções (encarregado, servente, etc...). Coluna 2 (K): indicar a escala salarial da mão-de-obra suplementar (Tabela 2.4). Coluna 3 - (Q): indicar a quantidade de horas da mão-de-obra por hora de serviço. Exemplo: se há necessidade de 5 serventes num determinado serviço, na coluna (3) se escreve 5, significando que são gastas 5 horas de servente por hora de serviço. Coluna 4 - Salário Base: indicar o Salário Base, calculado de acordo com o item Coluna 5 - Custo Horário: o custo horário da mão-de-obra suplementar será: Custo horário = coluna (2) x coluna (3) x coluna (4) Produção da Equipe - Parte C: indicar a produção horária da equipe, obtida na Planilha de Produção das Equipes Mecânicas, a qual é igual a produção do equipamento que comanda a equipe. Custo Horário Total: é a somatória dos custos horários dos equipamentos (Parte A) e da mão-de-obra suplementar (Parte B) Custo Horário Total = (A) + (B) Custo Unitário de Execução - Parte D: o custo unitário de execução é obtido dividindo-se o Custo Horário Total pela Produção Horária da Equipe Custo Unitário de Execução = (A + B ) C Custo Unitário dos Materiais - Parte E: nesta parte são calculados os custos dos materiais utilizados no serviço, devendo ser preenchido da seguinte maneira: Coluna 1 Materiais: indicar os nomes dos materiais necessários a execução do serviço. Coluna 2 Unidade: indicar as unidades métricas em que os materiais são medidos. Exemplo: a areia é medida em m 3.

36 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 36 Coluna 3 Custos: indicar os custos unitários dos materiais referentes às unidades indicados na coluna (2). Exemplo: Areia - Custo = R$ /m 3. Coluna 4 Consumo: indicar os consumos dos materiais referidos às unidades obtidas na coluna 2. Exemplo: Brita Consumo = 1,15 m 3 /m 3, ou seja, consome-se 1,15 m 3 de brita para execução de 1m 3 de serviço. Coluna 5 - Custo Unitário Custo Unitário = coluna (3) x coluna(4) Custo Unitário sem Transporte - Parte F: o custo unitário sem transporte é a soma dos custos unitários de execução e materiais: Custo Unitário sem Transporte = (D + E) Custo Unitário dos Transportes - Parte G Coluna 1 Transporte: nesta coluna escreve-se a natureza do transporte. Exemplo: LOCAL - Solo para Usina Coluna 2 - Distancia Média de Transporte (DMT): indicar as distâncias médias de transporte, em km, dos materiais utilizados nos serviços. Coluna 3 Custo: indicar os custos unitários de transporte dos diversos materiais utilizados, calculados de acordo com o item 2.3. Coluna 4 Consumo: indicar as quantidades de material transportado por unidade de serviço, isto é, os consumos de materiais referidos à unidade em que foram compostos os custos de transporte (Coluna 3), por unidade de serviço. Exemplo: ton/m 3. Coluna 5 - Custo Unitário Custo Unitário: coluna (3) x coluna (4)

37 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 37 Custo Unitário Direto Total - Parte H: é obtido pela soma do custo unitário sem transporte (F) com o custo unitário dos transportes (G). Custo Unitário Direto Total = (F + G) Bonificação (BDI) - Parte I: conhecendo-se o custo direto total da construção e calculados os custos indiretos, determina-se o percentual que representa a soma desses últimos custos sobre o primeiro. Detalhado no item 3.0. Custo Unitário Total - Parte J: é a soma do Custo Unitário Direto Total e a parcela correspondente ao B.D.I.

38 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 38 Figura 2.3: Planilha de Custo Unitário dos Serviços

39 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 39 3 BDI - BENEFÍCIOS E DESPESAS INDIRETAS 3.1 Considerações Iniciais O orçamento de uma obra ou serviço pode ser dividido em dois conjuntos: das Despesas Diretas; dos Benefícios e Despesas Indiretas. As despesas diretas, como o próprio nome indica, são as que se referem diretamente à execução de um serviço ou conjunto de serviços que compõem uma obra. Caracterizamse pelo fato de poderem ser avaliadas através da medição das quantidades consumidas (materiais, mão-de-obra, etc) durante a realização dos serviços. Entende-se por Benefícios e Despesas Indiretas - BDI, o conjunto de despesas com pessoal, materiais e encargos diversos, necessário ao planejamento, organização, direção, orientação e controle da execução de uma obra ou serviço, acrescido das despesas financeiras, riscos e imprevistos, lucro líquido e impostos. A obtenção do valor correspondente ao BDI para o orçamento de uma obra ou serviço, que somado as despesas diretas irá permitir avaliação do preço global, constitui-se numa das tarefas mais difíceis para uma empresa construtora que não esteja devidamente estruturada para esse fim. Nos orçamentos, é de uso corrente expressar a dimensão do BDI por uma porcentagem relativa ao total das despesas diretas, no sentido de se ter uma noção de seu montante em relação àquelas despesas. Dentre os fatores que afetam não somente as despesas diretas, mas também o BDI, podem ser citados os seguintes: a dimensão da obra; a forma (superfícies planas ou curvas); a quantidade e diversidade de serviços; a heterogeneidade dos materiais a empregar; as maiores ou menores dificuldades locais e de seus acessos; a situação e condições do lençol freático; a influência nos serviços a céu aberto pela maior ou menor incidência de chuva; a eventual necessidade de redução da jornada de trabalho;

40 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 40 o sistema administrativo da empresa (em geral dinâmico e variável de empresa para empresa); a quantidade de oferta de trabalho para as empresas na época de elaboração do orçamento e inúmeros outros fatores econômico-conjunturais. Alguns administradores e dirigentes, por falta de conhecimento sobre o assunto, chegam ao equívoco de empregar BDI como sinônimo de lucro. Por outro lado, existem também aqueles empresários que, receando prejuízos à sua organização ou repercussões desfavoráveis à sua imagem, apresentam seus orçamentos com uma porcentagem de BDI mais baixa, embutindo a parte complementar, de forma disfarçada, nas despesas diretas dos serviços a realizar. Tudo isso é devido, em grande parte, à falta quase que absoluta de conhecimento sobre o assunto e à omissão dessa matéria no ensino. 3.2 Metodologia para o Cálculo do BDI Sempre que possível, poderá ser adotado o método que chamaremos de Método por Comparação, por ser o mais simples e o mais rápido. Consiste no seguinte: 1. Compara-se o orçamento das despesas diretas da obra pretendida com o de outra obra, preferencialmente já concluída e avaliada, e que apresente condições semelhantes e características análogas (dimensões, formas, heterogeneidade de materiais, localização e outras variáveis); 2. Adota-se a porcentagem de BDI da obra que serviu de referência, se esta for confiável, efetuando-se os ajustes que eventualmente se mostrem necessários. Este é o método ideal pela facilidade e economia de tempo que oferece. Porém, enquanto não se dispuser da composição do BDI com o cálculo estimativo dos custos indiretos e benefícios de certo número de obras em diversas condições, tal método não pode ser utilizado. Nesse caso, cabe adotar um método mais específico, denominado de Método de Cálculo do BDI, o qual pressupõe, logicamente, a realização prévia de: 1. Uma pesquisa de preços de mão-de-obra, materiais, serviços de terceiros e outros encargos, com especificidade própria, ou seja, abrangendo ítens distintos, e até de outra natureza daqueles utilizados na pesquisa de preços para a obtenção das despesas diretas. 2. O cálculo da porcentagem de encargos sociais que deverá incidir sobre o custo de mão-de-obra indireta. Os dados obtidos por esta pesquisa de preços e pelo cálculo da porcentagem de encargos sociais são fundamentais e indispensáveis ao método de cálculo do BDI.

41 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 41 em: Para um melhor entendimento do cálculo de BDI, dividem-se as Despesas Indiretas 1 - Custos da Administração Local (na própria obra): Para a previsão dos custos da administração local, estima-se inicialmente, sempre em função do tempo (meses) de execução da obra os seguintes elementos: a estrutura de pessoal de direção e técnico-administrativo que ficará locado na obra; consumo de material para atender a essa estrutura; a possível necessidade de serviços de terceiros encargos locais. Esta estimativa deve ser feita com base em experiências adquiridas em outras obras, complementadas com as simulações que se fizerem aconselháveis. Estimadas as quantidades e conhecidos seus respectivos custos unitários, facilmente se encontrará o custo total deste ítem. 2 - Custos da Administração Central: Representam os custos de direção e apoio técnico-administrativo da empresa, cuja obtenção segue os mesmos moldes dos custos da administração local. No entanto, deve-se observar que, em condições normais, uma empresa sempre executa simultaneamente mais de uma obra. Isso implica tomar apenas parte deste custo para a formação do orçamento de uma obra. Para esse fim, o critério mais prático é o de ratear (distribuir proporcionalmente) o custo total da administração central entre as obras a cargo de uma empresa. A determinação deste custo é relativamente fácil para uma empresa que disponha de um controle de custos razoável ou de um plano de contas contábil adequado a essa finalidade 3 - Impostos 4 - Custos Financeiros ou de Financiamento O Benefício (para a empresa) refere-se ao LUCRO.

42 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 42 4 ORÇAMENTO 4.1 Introdução O orçamento de uma obra deve ser detalhado o tanto quanto possível, permitindo que se identifiquem todos os custos de materiais, mão-de-obra, equipamentos, transporte, etc... Conforme já visto anteriormente, a separação dos custos de uma obra deve ser realizada sob a forma de serviços de uma mesma natureza, para os quais se organizam as composições de custos unitários. É importante ressaltar que um mesmo serviço pode ter custos unitários diferentes, em função de fatores que possam intervir na sua composição ao longo da obra (Ex. época, distância de transportes, equipamentos utilizados,...), sendo portanto necessária a realização de um planejamento prévio que permita a visualização de cada fase executiva da obra, com todas suas particularidades. 4.2 Método de Preparação de Orçamentos para Projetos Estudo Preliminar Nesta fase, os técnicos envolvidos no projeto tomaram conhecimento dos problemas específicos que envolvem a obra, os quais refletirão na estrutura dos custos a serem compostos. A composição de custos, propriamente dita, é precedida de um estudo preliminar onde são estabelecidas as linhas gerais do Plano de Execução da Obra Planejamento de Execução da Obra O modo como uma determinada obra será executada influi diretamente em seu custo. Por esta razão, a composição orçamentária e o planejamento de sua execução têm que caminharem interligados. Este planejamento se desenvolve em 4 etapas distintas: A - Plano de Ataque ou Plano de Execução da Obra É a etapa em que se organiza uma seqüência racional do conjunto de atividades importantes que constituem a obra e se estabelece as seguintes definições: 1. época do início dos trabalhos; 2. período de execução; 3. conseqüências da localização e tipo de obra: aspectos geográficos;

43 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 43 aspectos geológicos e geotécnicos; aspectos climáticos; 4. plano de execução propriamente dito. B - Cronograma de Utilização dos Equipamentos Consiste em uma apresentação ordenada dos equipamentos, mostrando suas necessidades em termos de tipo e quantidade ao longo do período de execução da obra. Baseado neste cronograma elabora-se a Relação de Equipamento Mínimo. C - Cronograma Físico-Financeiro O cronograma físico é a representação gráfica do Plano de Execução da Obra, o qual cobre todas as fases de execução (da mobilização até a desmobilização), e sua evolução ao longo do tempo. O cronograma financeiro é a representação financeira do Cronograma Físico, sendo o resultado do somatório dos produtos dos quantitativos pelos preços unitários. D - Dimensionamento e layout do Canteiro de Administração e das Instalações Industriais Conhecidos o prazo de execução, o tipo e a quantidade de cada serviço e a relação do equipamento mínimo, define-se a(s) localização(ões) do canteiro de administração e das instalações industriais, bem como dimensiona-se e elabora-se o Layout dessas instalações Inspeção de Campo As observações feitas nos itens anteriores mostram a necessidade do engenheiro de custos percorrer o local da obra antes de iniciar os serviços de composição orçamentária, visto que as observações locais da dificuldade de execução condicionam o tipo de equipamento a ser utilizado, fatores que devem ser considerados no estabelecimento de um sistema de custos reais Listagem dos Custos Unitários a Compor O conhecimento dos diversos serviços necessários a realização da obra, dá ao engenheiro de custos condições de estabelecer a lista dos custos unitários que deverão ser compostos para a formação do orçamento Seleção dos Principais Fatores de Produção Uma vez estabelecida a listagem dos custos unitários a compor, faz-se uma relação de equipamentos, materiais e mão-de-obra a serem utilizados nas composições dos custos unitários dos serviços, e em seguida inicia-se a fase de composição orçamentária propriamente dita com uma pesquisa de mercado destes elementos.

44 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias Orçamento Final Após o conhecimento dos quantitativos de todos os serviços, elaborados nas respectivas composições unitárias em função do planejamento da obra, pode-se estabelecer o orçamento final da obra (Figura 4.1). Resumidamente, o orçamento final é composto pela lista de serviços, com seus respectivos custos unitários e quantidades de forma que o somatório global venha exprimir o custo final ou total da obra. Dependendo do tipo de obra, quando a diversidade dos serviços é importante, é usual se elaborar uma segunda planilha, denominado orçamento sintético (Figura 4.2), onde são resumidos os custos parciais das principais etapas, permitindo uma visualização mais imediata dos itens de maior importância na composição do orçamento global.

45 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 45 Figura 4.1: Planilha de Composição de Orçamento

46 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 46 Figura 4.2: Planilha de Resumo de Orçamento RESUMO DO ORÇAMENTO Rodovia: Trecho: Data: Subtrecho: Custos (em R$) ÍTEM Discriminação Parciais Totais 1 Terraplenagem 2 3 Pavimentação Drenagem 4 Sinalização Obras de Arte Correntes Obras de Arte Especiais Obras Complementares Mobilização Administração Eventuais Impostos Lucros TOTAL

47 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 47 5 EXEMPLOS

48 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias Composição do Custo Unitário Total do Serviço de: Desmatamento, destocamento e limpeza de áreas c/ arvores até 0,15 m. Dados: o Óleo Diesel: R$ 1,56/litro o Salário Mínimo: R$ 300,00/mês o Encargos sobre a Mão-de-Obra: 141,67% o Taxa de Juros: 12% ao ano o B.D.I.: 35,6% Equipamento Valores de K p/ manutenção Tabela 2.3 Valores de K p/ mão-de-obra Tabelas 2.4 e 2.5 Combustível Tabela 2.1 Trator de Esteiras c/ Lâmina 1,0 Operador de Equipamento Pesado = 3,5 Diesel

49 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 49

50 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 50

51 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 51

52 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias Composição do Custo Unitário Total do Serviço de: Escavação, Carga e Transporte de material de 1ª categoria - DMT 50 a 200m. Dados: o Óleo Diesel: R$ 1,56/litro o Salário Mínimo: R$ 300,00/mês o Encargos sobre a Mão-de-Obra: 126,30% o Taxa de Juros: 10% ao ano o B.D.I.: 32,30% Equipamento Valores de K p/ manutenção Tabela 2.3 Trator de Esteiras c/ Lâmina 1,0 Motoscraper 0,9 Motoniveladora 0,9 Valores de K p/ mão-de-obra Tabelas 2.4 e 2.5 Operador de Equipamento Pesado = 3,5 Operador de Equipamento Pesado = 3,5 Operador de Equipamento Especial = 3,7 Combustível Tabela 2.1 Diesel Diesel Diesel

53 DTT/UFPR Composição de Custos para Obras Rodoviárias 53

COMPOSIÇÃO DE CUSTOS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS

COMPOSIÇÃO DE CUSTOS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES COMPOSIÇÃO DE CUSTOS PARA OBRAS RODOVIÁRIAS CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: TT-401 - TRANSPORTES A PROFESSORES: Djalma

Leia mais

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1.1- INTRODUÇÃO Para a elaboração de orçamentos consistentes de serviços de engenharia, entende-se que algumas premissas devam prevalecer.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A relevância do orçamento detalhado no cumprimento do prazo de execução de contratos de obras públicas Bruno Lima Caldeira de Andrada* Orlando Celso Longo** Resumo: O presente artigo

Leia mais

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO 1. APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros para as projeções econômico-financeiras. Os modelos dos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística e Distribuição

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece a metodologia de Cálculo, Revisão e Ajuste do tarifário para o serviço de Transporte Colectivo

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

Endria Rayana da Silva Costa (UEAP) endria_rayana@hotmail.com Wylckson Machado Costa (UEAP) wylckson93@gmail.com

Endria Rayana da Silva Costa (UEAP) endria_rayana@hotmail.com Wylckson Machado Costa (UEAP) wylckson93@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA COM CONCRETO BETUMINOSO USINADO A QUENTE E AREIA ASFALTO USINADO A QUENTE A CUSTOS DE MACAPÁ Endria Rayana da Silva Costa (UEAP) endria_rayana@hotmail.com

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

De acordo com o nível de Governo, os órgãos rodoviários classificam-se em: Federais, Estaduais e Municipais.

De acordo com o nível de Governo, os órgãos rodoviários classificam-se em: Federais, Estaduais e Municipais. 2. A ORGANIZAÇÃO RODOVIÁRIA De acordo com o nível de Governo, os órgãos rodoviários classificam-se em: Federais, Estaduais e Municipais. Esfera Federal de Governo DNIT - Departamento Nacional de Infra-estrutura

Leia mais

3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014

3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014 3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014 PERGUNTA 01: O ANEXO D.9 Saúde e Segurança (pag. 99) do ANEXO D SERVIÇOS RELATIVOS AO ATENDIMENTO AMBENTAL do ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS

ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS ESTUDO PARA CÁLCULO DE ENCARGOS SOCIAIS I APRESENTAÇÃO Este relatório tem por finalidade fornecer subsídios a empresas construtoras e órgãos contratantes sobre o método de cálculo do percentual de encargos

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO

MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO Í N D I C E APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS METAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

UFMS - CCET - DEC CURSO: ENGENHARIA CIVIL Prof: Engº. Civil Wagner Augusto Andreasi Disciplina: Planejamento de Obras MEMÓRIA DE CÁLCULO TAXAS DE

UFMS - CCET - DEC CURSO: ENGENHARIA CIVIL Prof: Engº. Civil Wagner Augusto Andreasi Disciplina: Planejamento de Obras MEMÓRIA DE CÁLCULO TAXAS DE UFM - CCET - DEC CURO: ENGENHARIA CIVIL Prof: Engº. Civil Wagner Augusto Andreasi Disciplina: Planejamento de Obras MEMÓRIA DE CÁLCULO TAXA DE LEI OCIAI E RICO DO TRABALHO NO CUTO DA CONTRUÇÃO PARA MENALITA*

Leia mais

(OBRIGATÓRIO TRANSCREVER TODO O CONTEÚDO DESTA MINUTA) ANEXO 04 CARTA-PROPOSTA. Ref.: CONCORRÊNCIA CONSÓRCIO DATACENTER Nº 2009/001 Carta- Proposta

(OBRIGATÓRIO TRANSCREVER TODO O CONTEÚDO DESTA MINUTA) ANEXO 04 CARTA-PROPOSTA. Ref.: CONCORRÊNCIA CONSÓRCIO DATACENTER Nº 2009/001 Carta- Proposta (OBRIGATÓRIO TRANSCREVER TODO O CONTEÚDO DESTA MINUTA) ANEXO 04 CARTA-PROPOSTA CONSÓRCIO DATACENTER Prezados Senhores, Ref.: CONCORRÊNCIA CONSÓRCIO DATACENTER Nº 2009/001 Carta- Proposta Apresentamos nossa

Leia mais

QUESTIONAMENTO 03 Vide Respostas abaixo

QUESTIONAMENTO 03 Vide Respostas abaixo QUESTIONAMENTO 03 Vide Respostas abaixo Seguem os pontos para os quais foram solicitados esclarecimentos: Referente ao CGC: 1) CGC item 1.13 Quanto ao item 1.13 do CGC, a alínea (a) informa que o CONTRATANTE

Leia mais

ESTUDO DO CASO TORNEXATA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO INTEGRAL POR ABSORÇÃO

ESTUDO DO CASO TORNEXATA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO INTEGRAL POR ABSORÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

ANEXO_II ANEXO 2 PLANILHA DE CUSTOS DETALHADA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

ANEXO_II ANEXO 2 PLANILHA DE CUSTOS DETALHADA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS ANEXO_II ANEXO 2 PLANILHA DE CUSTOS DETALHADA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Nº Processo Licitação Nº Dia / / às : horas Discriminação dos Serviços A Data de apresentação da proposta (dia/mês/ano)

Leia mais

Resolução nº, de 2015

Resolução nº, de 2015 Resolução nº, de 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros. O Diretor-Geral

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA

ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA Ao ANEXO VI MODELO DE PROPOSTA BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S/A COMISSÃO DE LICITAÇÃO COLIC Ref. PREGÃO ELETRÔNICO N. 2013/ Prezados Senhores, Apresentamos em atendimento ao Edital do Pregão em epígrafe

Leia mais

CUSTOS DE URBANIZAÇÃO: CONCEITOS E PARÂMETROS

CUSTOS DE URBANIZAÇÃO: CONCEITOS E PARÂMETROS CUSTOS DE URBANIZAÇÃO: CONCEITOS E PARÂMETROS RESUMO Evandro José da Silva Eloy (1); Luis Reynaldo Azevedo Cardoso (2) (1) Engenheiro Civil e-mail: eng.evandro@yahoo.com.br (2) Departamento de Engenharia

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS REGULAMENTO DE HONORÁRIOS CAPÍTULO I OBJETIVO Art. 1º - Este regulamento estabelece as normas gerais concernentes aos trabalhos técnicos de Avaliação e Perícia de Engenharia. Art. 2º - As normas aqui estabelecidas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE OBRAS DE ARTE EM CONCRETO ARMADO OU PROTENDIDO

INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE OBRAS DE ARTE EM CONCRETO ARMADO OU PROTENDIDO INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE PROJETOS ESTRUTURAIS DE OBRAS DE ARTE EM CONCRETO ARMADO OU PROTENDIDO Aprovada pelo Sr. Superintendente nos autos nº 97.024/DER/1962-5º Provº em

Leia mais

Encargos Sociais, BDI e Curva ABC

Encargos Sociais, BDI e Curva ABC Senai Dendezeiros Área de Construção Civil Encargos Sociais, BDI e Curva ABC Unidade Curricular: Orçamento de Obras e Controle de Custos Emanuele Cristian Fer Senai Dendezeiros Área de Construção Civil

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Entrada de Dados 1.1 Dados de Oferta Sem Ociosidade Ociosidade PMM (Frota Efetiva) 7.691,99 4% 7.999,67 HVM (Frota Efetiva) 380,89 FROTA PATRIMONIAL 759 FROTA OPERACIONAL 738 1.2. Parâmetros 1.2.1 Combustível

Leia mais

REGULAMENTO DO BDI METODOLOGIA DE CÁLCULO DO ORÇAMENTO DE EDIFICAÇÕES T COMPOSIÇÃO DO CUSTO DIRETO E DO BDI

REGULAMENTO DO BDI METODOLOGIA DE CÁLCULO DO ORÇAMENTO DE EDIFICAÇÕES T COMPOSIÇÃO DO CUSTO DIRETO E DO BDI REGULAMENTO DO BDI METODOLOGIA DE CÁLCULO DO ORÇAMENTO DE EDIFICAÇÕES T REGULAMENTO COMPOSIÇÃO DO CUSTO DIRETO E DO BDI O presente Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do INSTITUTO DE ENGENHARIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros A Diretoria da Agência Nacional

Leia mais

Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI)

Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 11ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI) Ref: - Acórdão

Leia mais

Lucro Operacional Bruto - 8.767.839 8.947.255 9.128.309 7.066.187 7.297.611 8.060.677 8.971.905 9.855.915 10.786.663 11.778.658 R$ 275.054.

Lucro Operacional Bruto - 8.767.839 8.947.255 9.128.309 7.066.187 7.297.611 8.060.677 8.971.905 9.855.915 10.786.663 11.778.658 R$ 275.054. 2.794.785,52 ao mês FLUXO DE CAIXA DESCONTADO (CENÁRIO BASE) 4 1,00 2,00 4,00 4 5 10 15 20 25 30 COMPONENTES / FLUXO DE CAIXA ANO 0 ANO 1 ANO 2 ANO 3 ANO 4 ANO 5 ANO 10 ANO 15 ANO 20 ANO 25 ANO 30 TOTAL

Leia mais

Contabilidade Decifrada

Contabilidade Decifrada Contabilidade Decifrada Depreciação / Amortização / Exaustão Luiz Eduardo Santos Depreciação / Amortização / Exaustão Roteiro Geral Depreciação Conceito Definições necessárias ao cálculo da depreciação

Leia mais

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau.

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau. FUNÇÃO DE 1º GRAU Veremos, a partir daqui algumas funções elementares, a primeira delas é a função de 1º grau, que estabelece uma relação de proporcionalidade. Podemos então, definir a função de 1º grau

Leia mais

Cronograma Físico e de Preço

Cronograma Físico e de Preço Especificação da Construção Capítulo 7 Cronograma Físico e de Preço 7.1 Introdução Ao longo de todo o curso, inserimos uma mensagem alertando para a diferenciação entre os termos preço e custo, que dizia

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI

INSTITUTO FEDERAL SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de MG Câmpus São João del-rei Diretoria de Administração e Planejamento ANEXO IV Modelo de Planilha de Custos e Formação

Leia mais

LOCAL DA ELABORAÇÃO: Aeroporto Internacional Tancredo Neves Confins, MG CFMA-2 / CFMA. 25 de setembro de 2008

LOCAL DA ELABORAÇÃO: Aeroporto Internacional Tancredo Neves Confins, MG CFMA-2 / CFMA. 25 de setembro de 2008 TÍTULO: CONTRAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS DE ENGENHARIA, PARA ASSESSORAMENTO E APOIO TÉCNICO À EQUIPE DA INFRAERO NO GERENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO DA OBRA DE REFORMA

Leia mais

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE CUSTO

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia -5,12% em Maio O Índice Nacional da Construção

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

11. Premissas e Critérios Adotados para Mobilização e Desmobilização e para o Projeto de Canteiro de Obra e dos Acampamentos

11. Premissas e Critérios Adotados para Mobilização e Desmobilização e para o Projeto de Canteiro de Obra e dos Acampamentos 217 11. Premissas e Critérios Adotados para Mobilização e Desmobilização e para o Projeto de Canteiro de Obra e dos Acampamentos 218 11.1 Critérios Adotados para o Projeto do Canteiro de Obras e do Acampamento

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA SINDICATO DOS ENGENHEIROS NO ESTADO DE SANTA CATARINA APRESENTAÇÃO Tem sido grande o esforço de diversas Entidades de Classe,

Leia mais

PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CARGA GERAL SINDICATO DOS CONDUTORES AUTÔNOMOS DE PARANAGUÁ

PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CARGA GERAL SINDICATO DOS CONDUTORES AUTÔNOMOS DE PARANAGUÁ PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CARGA GERAL SINDICATO DOS CONDUTORES AUTÔNOMOS DE PARANAGUÁ Dezembro de 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CARACTERÍSTICAS DO SERVIÇO DE TRANSPORTE... 4 2.1.

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 38/2013 Serviços de Limpeza da Federação: Mato Grosso Data

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR CUSTOS DOS PRODUTOS I NOÇÕES GERAIS 1. CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Existem diversas classificações de custos, as quais variam em função das finalidades a que se destinam. As principais classificações são:

Leia mais

Orientações para Elaboração de Projetos Gerência Técnica Outubro/2014

Orientações para Elaboração de Projetos Gerência Técnica Outubro/2014 s 1 I Introdução Um projeto compreende a utilização coordenada de recursos humanos, financeiros e materiais dentro de um período de tempo para alcançar objetivos definidos. Elaborar um projeto é visualizar

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 09/2013 Serviços de Limpeza da Federação: Pará Data de início

Leia mais

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula:

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula: Este trabalho foi realizado a pedido da Pró-Reitoria de Administração e Planejamento e trata-se de um estudo com base no Manual de Orientação para Preenchimento da Planilha de Custo e Formação de Preços,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RISCO DO INVESTIMENTO NO SEGMENTO DA CONSTRUÇÃO

AVALIAÇÃO DO RISCO DO INVESTIMENTO NO SEGMENTO DA CONSTRUÇÃO SUPRICON AVALIAÇÃO DO RISCO DO INVESTIMENTO NO SEGMENTO DA CONSTRUÇÃO INSTRUÇÕES PARA LEITURA DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO INVESTIMENTO 1/9 Supricon-Sistemas Construtivos Ltda www.supricon.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria

Leia mais

DEPRECIAÇÃO E OBSOLÊNCIA

DEPRECIAÇÃO E OBSOLÊNCIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ESCONÔMICO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL

Leia mais

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 Sumário 1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 2. CENÁRIO... 3 2.1 Localização da Fábrica... 4 2.2 Produtos... 4 2.3 Demanda... 5 2.4 Eventos...

Leia mais

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I:

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I: Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo Unidade I: 0 Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo 1. Introdução à Disciplina Aspectos Gerais 1. 1. Orçamento de Capital As empresas efetuam investimentos

Leia mais

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa,

Leia mais

ESTATÍSTICA. Prof. Ari Antonio, Me. Ciências Econômicas. Unemat Sinop 2012

ESTATÍSTICA. Prof. Ari Antonio, Me. Ciências Econômicas. Unemat Sinop 2012 ESTATÍSTICA Prof. Ari Antonio, Me Ciências Econômicas Unemat Sinop 2012 1. Introdução Concepções de Estatística: 1. Estatísticas qualquer coleção consistente de dados numéricos reunidos a fim de fornecer

Leia mais

Orientação para Composição de Preços de Estudos e Projetos de Arquitetura e Engenharia

Orientação para Composição de Preços de Estudos e Projetos de Arquitetura e Engenharia Orientação para Composição de Preços de Estudos e Projetos de Arquitetura e Engenharia Apresentação pág. 2 Componentes do orçamento pág. 3 Quantificação dos recursos pág. 5 Preços pág. 7 Aferição do orçamento

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Saramelli

Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade II CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Me. Alexandre Saramelli Basketball - 1962 Alexander Alexandrovich Deyneka Contabilização dos custos DRE Receita de vendas $ ( - ) Custo dos Produtos Vendidos (CPV)

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

2º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers

2º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers OBS: Exercícios selecionados do livro de exercícios de Contabilidade de Custos dos autores Eliseu Martins e Welington Rocha publicado em 2007 pela Editora Atlas. 1. Observar as sentenças a seguir: I O

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA PROJETOS, ASSESSORIA TÉCNICA E CONSULTORIA EM SISTEMAS DE AR CONDICIONADO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO MECÂNICA

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA PROJETOS, ASSESSORIA TÉCNICA E CONSULTORIA EM SISTEMAS DE AR CONDICIONADO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO MECÂNICA REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA PROJETOS, ASSESSORIA TÉCNICA E CONSULTORIA EM SISTEMAS DE AR CONDICIONADO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO MECÂNICA Rev.02(2011) ÍNDICE ITEM 1. APRESENTAÇÃO 2. ATRIBUIÇÕES DOS PROJETISTAS

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos )

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) DECOPE/NTC A planilha referencial de granéis sólidos foi elaborada pelo DECOPE/NTC&LOGÍSTICA sob supervisão

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A.- CERON PROGRAMA LUZ PARA TODOS. Anexo I - Planilha Orçamentária - Composição de Custos -DOC/DOCA

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A.- CERON PROGRAMA LUZ PARA TODOS. Anexo I - Planilha Orçamentária - Composição de Custos -DOC/DOCA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A.- CERON PROGRAMA LUZ PARA TODOS Anexo I - Planilha Orçamentária - Composição de Custos -DOC/DOCA Objeto: Referência: PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

função de produção côncava. 1 É importante lembrar que este resultado é condicional ao fato das empresas apresentarem uma

função de produção côncava. 1 É importante lembrar que este resultado é condicional ao fato das empresas apresentarem uma 90 6. CONCLUSÃO Segundo a teoria microecônomica tradicional, se as pequenas empresas brasileiras são tomadores de preços, atuam nos mesmos mercados e possuem a mesma função de produção, elas deveriam obter

Leia mais

SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA AUTORIDADE PORTUÁRIA

SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA AUTORIDADE PORTUÁRIA CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTES A SERVIÇOS DE REFORMA PARA ELIMINA- ÇÃO DE PONTOS DE ABRIGO DE POMBOS, NO PRÉDIO SEDE DA CODEBA, LOCALIZADO NO PORTO ORGANIZADO DE SALVADOR-BA.

Leia mais

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL Dados complementares para composição dos custos referentes

Leia mais

Acordo de Participação nos Resultados das empresas Telemar Norte Leste S/A - Filial AM, TNL PCS S/A - Filial AM e Brasil Telecom S/A - Filial AM

Acordo de Participação nos Resultados das empresas Telemar Norte Leste S/A - Filial AM, TNL PCS S/A - Filial AM e Brasil Telecom S/A - Filial AM Acordo de Participação nos Resultados das empresas Telemar Norte Leste S/A - Filial AM, TNL PCS S/A - Filial AM e Brasil Telecom S/A - Filial AM PLACAR 2011 Acordo Coletivo de Participação nos Resultados

Leia mais

BDI CRÍTICO: CRITÉRIO PARA INEXEQUIBILIDADE DE OBRAS PÚBLICAS

BDI CRÍTICO: CRITÉRIO PARA INEXEQUIBILIDADE DE OBRAS PÚBLICAS Encontro Técnico Nacional de Auditoria de Obras Públicas ENAOP - Palmas/TO, 202 BDI CRÍTICO: CRITÉRIO PARA INEXEQUIBILIDADE DE OBRAS PÚBLICAS Erieldon Bezerra Leão / Caixa Econômica Federal /erieldon@bol.com.br

Leia mais

ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO

ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO PÁGINA 1 DE 13 SUMÁRIO PARTE I DA ALOCAÇÃO DOS RISCOS... 3 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 2. SEÇÃO 1: DOS RISCOS DO PODER CONCEDENTE... 3 3. SEÇÃO 2:

Leia mais

CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA. Kelly Amichi

CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA. Kelly Amichi CUSTO UNITÁRIO DE MÃO-DE-OBRA Kelly Amichi O custo de mão-de-obra refere-se ao montante das despesas dos serviços prestados pelos funcionários à empresa. É o segundo maior custo no segmento de refeições

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Comportamento dos Custos Resumo Lei 12.619 Produtividade no TRC Possíveis Impactos da Lei Sustentabilidade uma forma de aumentar os Lucros contribuindo

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS

ILUSTRÍSSIMO SENHOR SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS ILUSTRÍSSIMO SENHOR SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS AUDIÊNCIA PÚBLICA N.º 140/2013 CONSTRUTORA ANDRADE GUTIERREZ S.A., pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

MODELO DE PROJETO BÁSICO AUDITORIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO DO IFAM [Subtítulo do documento]

MODELO DE PROJETO BÁSICO AUDITORIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO DO IFAM [Subtítulo do documento] Página: 1 de X Objeto: Elaborado por: Equipe X Y Z Aprovado por: Unidade Requisitante Autoridade máxima do órgão Página: 2 de X 1. Definição do Objeto Indicação do que se está pretendendo licitar com a

Leia mais

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias.

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias. Metodologia A Pesquisa CNT de Rodovias propõe-se a avaliar a situação das rodovias brasileiras a partir da perspectiva dos usuários da via. As características - pavimento, sinalização e geometria - são

Leia mais

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 1.0

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 1.0 Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilân ncia e limpeza no âmbito da Administraçãoo Pública Federal Caderno Técnico 43/2014 Serviços de Limpez za da Federação: ES Data de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M)

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M) MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIA A APRESENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E OS RESULTADOS DOS ENSAIOS REALIZADOS EM CADA ETAPA DOS SERVIÇOS, CONFORME EXIGÊNCIAS DO DNIT Departamento Nacional

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

RESPOSTA AOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO

RESPOSTA AOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO Referência: PA Nº 4419AD/2015 CONCORRÊNCIA Nº 03/2015 Interessado: Procuradoria-Geral de Justiça do Maranhão Assunto: Parecer acerca de esclarecimentos ao Edital da Concorrência nº 03/2015 Objeto: A presente

Leia mais

1 Demonstrações Obrigatórias - Lei das S/A x Pronunciamentos Técnicos CPC

1 Demonstrações Obrigatórias - Lei das S/A x Pronunciamentos Técnicos CPC Sumário 1 Demonstrações Obrigatórias - Lei das S/A x Pronunciamentos Técnicos CPC... 1 1.1 Base Normativa... 1 1.2 Balanço Patrimonial... 2 1.3 Demonstração do Resultado, e do Resultado Abrangente... 4

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO Prof. Marcos Fergütz Março/2014 O CHOQUE ELÉTRICO OCORRE POR Fonte: www.google.com.br/imagem Fonte: SIEMENS Efeitos do Choque Elétrico

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

ANEXO 1 - TERMO DE REFERÊNCIA Substituição das telhas de alumínio da marquise frontal do prédio sede da Justiça Federal ES

ANEXO 1 - TERMO DE REFERÊNCIA Substituição das telhas de alumínio da marquise frontal do prédio sede da Justiça Federal ES 1 ANEXO 1 - TERMO DE REFERÊNCIA Substituição das telhas de alumínio da marquise frontal do prédio sede da Justiça Federal ES 1 OBJETO: 1.1 Contratação de empresa para substituição de telhas de alumínio

Leia mais

ACT-1997/1998. Cláusula Segunda - POLÍTICA DE CONCESSÃO DE ADICIONAIS, VANTAGENS E BENEFÍCIOS

ACT-1997/1998. Cláusula Segunda - POLÍTICA DE CONCESSÃO DE ADICIONAIS, VANTAGENS E BENEFÍCIOS ACT-1997/1998 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COMPLEMENTAR que entre si estabelecem, de um lado Centrais Elétricas do Sul do Brasil S.A. - ELETROSUL, neste ato representada por seu Diretor Presidente e Diretor

Leia mais

Correções em reajustes nos contratos da Construção Pesada em virtude da Desoneração da Folha de Pagamentos. José Pastore

Correções em reajustes nos contratos da Construção Pesada em virtude da Desoneração da Folha de Pagamentos. José Pastore Correções em reajustes nos contratos da Construção Pesada em virtude da da Folha de Pagamentos José Pastore Setembro de 2014 Custos do Trabalho Mudança de Cálculo Alterações legais Lei nº 13.043/2014 (MP651/2014)

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA O que o executivo precisa saber Definição e cálculo de salários, encargos e benefícios

ASPECTOS RELEVANTES DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA O que o executivo precisa saber Definição e cálculo de salários, encargos e benefícios UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 39 ASPECTOS RELEVANTES DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA O que o executivo precisa saber Definição e cálculo de salários, encargos e benefícios Dr. Oscar Azevedo (info@azevedoguedes.adv.br)

Leia mais

Orientação Técnica Nº IBEC-04/2011

Orientação Técnica Nº IBEC-04/2011 Orientação Técnica Nº IBEC-04/2011 Elaboração de Orçamentos de Referências de Obras Públicas Versão para Órgãos Contratantes (Versão provisória em consulta pública) O IBEC é membro do Conselho Internacional

Leia mais

PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CONTAINER VAZIO (CONTRATO ESPECÍFICO)

PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CONTAINER VAZIO (CONTRATO ESPECÍFICO) PREÇO DE VENDA DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE CONTAINER VAZIO (CONTRATO ESPECÍFICO) SINDICATO DOS CONDUTORES AUTÔNOMOS DE PARANAGUÁ Dezembro de 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CARACTERÍSTICAS DO SERVIÇO

Leia mais

SERVIÇOS: De limpeza conservação de forma contínua prédio da Anatel-PI

SERVIÇOS: De limpeza conservação de forma contínua prédio da Anatel-PI ANEXO II PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA SERVIÇOS: LIMPEZA E CONSERVAÇÃO PREDIAL - ANATEL - PI PA 03/2006-ER09 - UO9.2 Fls.01/06 LOCAL: AVENIDA FREI SERAFIM Nº 2786 - CENTRO - TERESINA-PI

Leia mais

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL 1 Largura das faixas de rolamento 2 - Larguras dos acostamentos (Bermas) 3 -Conformação e declividades (caimentos) da pista e dos acostamentos 4 - Canteiro central (Mediano) 5 -Taludes 6 -Faixa de domínio

Leia mais