A DECLARAÄÅO ANUAL DO IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÇSICA EXERCÇCIO 2012/ANO CALENDÑRIO 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DECLARAÄÅO ANUAL DO IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÇSICA EXERCÇCIO 2012/ANO CALENDÑRIO 2011"

Transcrição

1 A DECLARAÄÅO ANUAL DO IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÇSICA EXERCÇCIO 2012/ANO CALENDÑRIO 2011 OLIVEIRA, Gisele Moreira de 1 OBERSTEINER, Maria Isabel Della Valle 2 RESUMO: O Brasil vive um momento de crescimento na demanda por mño de obra em todos os setores do mercado e consequentemente a remuneraéño dos profissionais aumenta. Com esse aumento, o governo consegue arrecadar mais tributos, sendo um deles o imposto de renda cobrado das pessoas fösicas atravâs de uma alöquota que pode variar de 7,5% atâ 27,5% sobre os rendimentos. Durante o ano de 2012, quem auferir renda mensal maior do que R$ 1.637, 11 deve ter uma retenéño que varia de 7,5% a 27,5% sobre seu rendimento, ou seja, as fontes pagadoras dos salärios cobram o imposto de renda antecipado aos cofres do governo, porâm, existe a possibilidade deste valor retornar ao contribuinte durante o ano de Para que se consiga reaver este valor, o contribuinte, em 2013, deverä elaborar a DeclaraÉÑo Anual de Imposto de Renda e apresentä-la sem erros a Receita Federal do Brasil. Este artigo tem como objetivo divulgar parte dos resultados de uma pesquisa qualitativa que culminou na elaboraéño de uma monografia. Aqui apresentaremos a revisño bibliogräfica a respeito do tema DeclaraÉÑo de Imposto de Renda. PALAVRAS-CHAVE: Imposto, Renda, Pessoa FÖsica, DeclaraÉÑo, Profissional da Contabilidade e Contribuinte. INTRODUÄÅO O interesse por este assunto â devido a vontade de entender a legislaéño e constatar como funciona a declaraéño do imposto de renda da pessoa fösica e poder atender futuros clientes que necessitem do meu serviéo. O imposto de renda pertence ã competüncia da UniÑo Federal, conforme a ConstituiÉÑo Federal em seu art. 153, inciso lll, e o Cådigo Tributärio Nacional, art. 43. Este tributo, muito embora conhecido apenas por imposto de Renda, tem a denominaéño tâcnica de Imposto sobre a renda e proventos de qualquer natureza. Conforme a legislaéño vigente, tanto a pessoa fösica quanto a jurödica tem a obrigaéño de apresentar anualmente a DeclaraÉÑo do Imposto de Renda. Essa 1 Graduada em CiÜncias Contäbeis pela Faculdade de CiÜncias Sociais Aplicadas do Vale do SÑo LourenÉo EDUVALE. 2 Professora especialista do curso de CiÜncias Contäbeis da Faculdade de CiÜncias Sociais Aplicadas do Vale do SÑo LourenÉo EDUVALE. 1

2 declaraéño constitui-se em um ato complexo que exige do contribuinte atenéño redobrada para a realizaéño de uma declaraéño segura e correta. ç do conhecimento páblico que a Receita Federal disponibiliza, via internet, um programa que pode ser preenchido pelo pråprio contribuinte. Mas så isso nño â suficiente para a seguranéa da declaraéño. A DeclaraÉÑo Anual do Imposto de Renda â o resultado da ocorrüncia de inámeros eventos tributados ou nño e, portanto, a assessoria de um Contador se faz necessäria. Consta que a cada ano aumenta consideravelmente o námero de pessoas fösicas que sño obrigadas a apresentar a DeclaraÉÑo Anual do Imposto de Renda. A Receita Federal do Brasil divulgou que foram entregues no ano de 2012, mais de 25 milhées de declaraéées de Imposto de Renda da Pessoa FÖsica referente ao calendärio Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributärio (IBPT), no ano de 2011 foram arrecadados mais de 250 bilhées com imposto de renda em geral, ou seja, de pessoas fösicas e jurödicas, porâm, pode se estimar que uma grande parte deste valor â referente a pessoa fösica. Com o grande volume de declaraéées e expressivos valores arrecadados, sempre hä risco de ocorrüncia de equövocos do contribuinte na declaraéño das informaéées para a Receita Federal. Sem dávida a DeclaraÉÑo Anual relativa ao tributo em anälise, para a maioria dos contribuintes, representa uma grande preocupaéño jä que se trata de um ato complexo, que exige conhecimento e habilidade do declarante. Pretende-se apresentar uma pesquisa acerca da DeclaraÉÑo Anual do Imposto de Renda da Pessoa FÖsica, com o objetivo de demonstrar a imprescindibilidade do profissional da contabilidade no processo de consultoria de dávidas do contribuinte no decorrer do ano-calendärio, na elaboraéño, apresentaéño e monitoramento da declaraéño atâ a anälise final pela Receita Federal. 2

3 SURGIMENTO DO IMPOSTO DE RENDA No mundo O Imposto de Renda nasce no sâculo XVI na Inglaterra por causa da guerra. A Inglaterra estava precisando de recursos para bancar a Guerra contra NapoleÑo Bonaparte. O nome nño era o atual, mas foi chamado de emprâstimo de lealdade. O modelo inicial arrecadava 10% sobre a renda do ano acima de 60 libras, conforme o site da Receita Federal do Brasil: [...] taxa era de 10% para renda total no ano acima de 60 libras. Podia ser paga em atâ seis quotas. Em 1802 o imposto foi suspenso e em 1803 voltou a vigorar sendo suspenso novamente em 1816 pelo final da guerra retornando somente em 1842 devido a falta de recursos da Inglaterra. Conforme citado no site da Receita Federal do Brasil: No final do sâculo XVIII, a Inglaterra estava ameaéada por NapoleÑo Bonaparte e necessitava angariar recursos para o financiamento da guerra. [...] Em 1802, o imposto sobre a renda foi suprimido, nño por causa da demissño de Pitt, que ocorrera pouco antes, mas como conseqëüncia da paz transitåria entre Inglaterra e FranÉa. Um ano apås, as hostilidades recomeéaram. Novamente, o imposto sobre a renda foi lembrado como fonte de recursos. Addington, que sucedera a Pitt, restabeleceu o imposto em 1803, com uma sârie de aperfeiéoamentos: [...] Em junho de 1815, NapoleÑo Bonaparte foi derrotado em Waterloo, Bâlgica. Terminava a guerra. Apesar do excelente resultado, o imposto sobre a renda havia sido instituödo como forma de angariar receita para financiar a guerra. NÑo havia clima polötico para mantü-lo e foi novamente suprimido em O governo inglüs foi obrigado a buscar outras fontes de renda. [...] Inglaterra passou por um peröodo de crises e dâficits oréamentärios. Em Robert Peel, que chefiava o governo nos primeiros anos da era vitoriana, restabeleceu o imposto sobre a renda, apesar de, em outras âpocas, ter sido feroz crötico e adversärio intransigente desse tributo. Estes sño os principais pontos do inöcio do Imposto de Renda no mundo. 3

4 No Brasil No ano de 1843, surgiu a primeira versño do imposto de renda com o nome de Imposto Progressivo e as mudanéas e adaptaéées foram ocorrendo durante todos estes anos. Conforme citado no site da Receita Federal, o imposto vigorou por dois anos, com a funéño de formar a receita e fixar a despesa perante os cofres páblicos: A primeira disposiéño no Brasil sobre o imposto de renda, nño especificamente com este nome, surgiu no inöcio do segundo reinado com a Lei ní 317 de 21 de outubro de 1843, que fixou a despesa e oréou a receita para os exercöcios de e O artigo 23 estabeleceu um imposto progressivo sobre os vencimentos percebidos pelos cofres páblicos e vigorou por dois anos. Assemelhava-se a uma tributaéño exclusiva na fonte. Em 1867 iniciou-se uma movimentaéño para aprovaéño do Imposto de Renda e em 1898 o projeto do Imposto de Renda foi aprovado pela ComissÑo de OrÉamento, porâm, na Assemblâia, o mesmo nño foi aprovado. Os deputados viram värios pontos, sendo um deles o de que os contribuintes nño estavam preparados para estas mudanéas. Conforme art. 31 da Lei ní de 31 de dezembro de 1922, ficou instituöda a obrigaéño do pagamento do Imposto por Pessoa FÖsica e JurÖdica dentro de territårio nacional: Art.31. Fica instituödo o imposto geral sobre a renda, que serä devido, annualmente, por toda a pessoa physica ou juridica, residente no territorio do paiz, e incidirä, em cada caso, sobre o conjunto liquido dos rendimentos de qualquer origem. I. As pessoas nño residentes no paiz e as sociedades com sede no estrangeiro pagarño o imposto sobre a renda liquida, que lhes for apurada dentro do territårio nacional. II. ç isenta do imposto a renda annual inferior a 6:000$ (seis contos de reis), vigorando para a que exceder dessa quantia a tarifa que for annualmente fixada pelo Congresso Nacional. III. serä considerado liquido, para o fim do imposto, o conjunto dos rendimentos auferidos de qualquer fonte, feitas as deducéées seguintes: a. impostos e taxas; b. juros de dövidas, por que responda o contribuinte; c. perdas extraordinarias, provenientes de casos fortuitos ou foréa maior, como incündio, tempestade, naufrägio e accidentes semelhantes a 4

5 esses, desde que taes perdas nño sejam compensadas por seguros ou indenizaéées; d. as despezas ordinärias realizadas para conseguir assegurar a renda. I. Os contribuintes de renda entre 6:000$ (seis contos de reis) e 20:000$ (vinte contos de reis) terño deducéño de 2% (dous por cento) sobre o montante do imposto devido por pessoa que tenha a seu cargo, nño podendo exceder, em caso algum, essa deducéño a 50% (cincoenta por cento) da importìncia normal do imposto. II. O imposto serä arrecadado por lanéamento, servindo de base a declaraéño do contribuinte, revista pelo agente do fisco e com recurso para autoridade administrativa superior ou para arbitramento. Na falta de declaraéño o lanéamento se farä ex-officio. A impugnaéño por parte do agente do fisco ou o lanéamento ex-officio terño de apoiar-se em elementos comprobatorios do montante de renda e da taxa devida. III. A cobranéa do imposto serä feita cada anno sobre a base do lanéamento realizado no anno immediatamente anterior. IV. O Poder Executivo providenciarä expedindo os precisos regulamentos e instrucéées, e executando as medidas necessarias, ao lanéamento, por forma que a arrecadaéño do imposto se torne effectiva em V. Em o regulamento que expedir o Poder Executivo poderä impor multas atâ o Maximo de 5:000$ (cinco contos de râis). (RECEITA FEDERAL, 2008) Em 1922, o imposto sobre a renda passou a fazer parte da sociedade brasileira, incidindo somente sobre a renda. Esse peröodo foi de grandes mudanéas e ajustes para os brasileiros e governo tambâm. No ano de 1923 foi criada uma classificaéño dos rendimentos em quatro categorias, conforme art. 3î da Lei 4783: Art. 3í: O imposto sobre a renda creado pelo art. 31 da Lei ní 4625 de 31 de dezembro de 1922, recahirä sobre os rendimentos rendimentos produzidos no paiz e derivados das origens seguintes: 1. categoria Comercio e qualquer exploraéño industrial, exclusive agröcola; 2. categoria CapitÑes e valores mobiliarios; 3. categoria Ordenados páblicos e particulares, subsödios, emolumentos, gratificaéées, bonificaéées, pensées e remuneraéées sob qualquer tötulo e forma contractual; 4. categoria ExercÖcio de profissées nño comerciaes e nño comprehendidas em categoria anterior. ï 6í As pessoas physicas e jurödicas que pagarem rendimentos produzidos no paiz serño obrigadas a prestar os esclarecimentos solicitados pelos agentes fiscaes quanto ãs pessoas que os receberem e as importancias pagas. ï 8í As taxas do imposto recahido sobre os rendimentos de cada uma das categorias referidas neste artigo, serño as constantes da seguinte tabella: Atâ 10:000$ e 20:000$, isentos; Entre 20:000$ e 30:000$, 1% (um por cento); Entre 30:000$ e 60:000$, 2% (dous por cento); Entre 60:000$ e 100:000$, 3% (tres por cento); 5

6 Entre 100:000$ e 200:000$, 4% (quatro por cento); Entre 200:000$ e 300:000$, 5% (cinco por cento); Entre 300:000$ e 400:000$, 6% (seis por cento); Entre 400:000$ e 500:000$, 7% (sete por cento); Acima de 500:000$, 8% (oito por cento). Este modelo de apuraéño â parecido com a atual e muito moderna para âpoca. Neste peröodo, os agentes fiscais nño podiam solicitar os documentos para a contabilidade, conforme a informaéño no site da Receita Federal do Brasil: Nos termos do artigo 3í parägrafo 7í da Lei ní de 31 de dezembro de as declaraéées dos contribuintes estavam sujeitas ã revisño dos agentes fiscais, que nño podiam solicitar a exibiéño de livros de contabilidade, documentos de natureza reservada ou esclarecimentos, devassando a vida privada Neste peröodo tambâm aconteceram fatos legais como a aprovaéño do primeiro regulamento do imposto de renda, a obrigaéño de apresentaéño da declaraéño de rendas, primeiros modelos de formulärios, isenéées de impostos e primeiro adiamento no prazo de entrega. Importante destacar em resumo, os principais acontecimentos sobre o Imposto de Renda na histåria a A InstituiÉÑo do Imposto de Renda no Brasil 1925 A As Primeiras Reformas 1930 A A AdaptaÉÑo do Imposto 1940 A O Imposto de Renda AlcanÉa o Primeiro Lugar em ArrecadaÉÑo 1944 A A ConsolidaÉÑo do Imposto 1964 A A Reforma Tributäria 1968 A ComeÉa a Era da Secretaria da Receita Federal 1982 a O LanÉamento por HomologaÉÑo e o Sistema de Bases Correntes 1991 a ComeÉa a InformatizaÉÑo no Preenchimento da DeclaraÉÑo 1997 a O avanéo tecnolågico: seguranéa, rapidez e facilidade no preenchimento e na entrega da declaraéño 2007 a 2009 ConsolidaÉÑo da Receita Federal do Brasil 6

7 CONCEITO DE IMPOSTO DE RENDA O Imposto de Renda â um tributo de competüncia da UniÑo Federal, conforme art. 153, inciso lll da ConstituiÉÑo Federal (CF) e art. 43 do Cådigo Tributärio Nacional (CTN). Segundo o art. 153 do CTN, inciso III diz: Compete ä UniÑo instituir impostos sobre: III renda e proventos de qualquer natureza [...] ï 2í O imposto previsto no inciso III: I serä informado pelos critârios da generalidade, da universalidade e da progressividade, na forma da lei. O Tributo em anälise visa servir de instrumento de redistribuiéño de renda no paös para manter em equilöbrio o desenvolvimento económico das regiées Brasileiras objetivando reduzir as desigualdades inter-regionais. O Imposto de Renda incide sobre a renda, ou seja, o produto de capital e do trabalho e de proventos de qualquer natureza, isto â, o acrâscimo patrimonial nño â compreendido no conceito de renda, pois â tratado como ganho de capital. Conforme art. 44 do CTN, A base de cälculo do imposto â o montante, real, arbitrado ou presumido, da renda ou dos proventos tributäveis. Por tratar-se de tributo sobre a renda, â imprescindövel conceituar a renda, assim, Baleeiro diz em seu livro (1973, p. 323): Renda â atributo quase sempre periådico da fonte permanente da qual promana, como elemento novo criado e que com ela nño se confunde. Machado (2006, p. 327) diz: [...] podemos afirmar que o ìmbito material de incidüncia do imposto de renda â a aquisiéño da disponibilidade económica ou jurödica de renda. O imposto de renda pessoa fösica â cobrado sobre os rendimentos do capital e do trabalho. SÑo os salärios, comissées, demais proventos e ganhos obtidos com aplicaéées de capital, financeira e alugueis. A base de cälculo â computada com as despesas (deduéées) e com os pagamentos e os rendimentos ocorridos durante o ano anterior ao da entrega da declaraéño. IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 7

8 O imposto de renda da pessoa fösica para ser arrecadado aos cofres páblicos deve ter um fato gerador, um sujeito passivo e tambâm uma funéño para o governo, pois ele incide sobre uma renda percebida pelo contribuinte. ç um tributo cobrado sobre os rendimentos da pessoa fösica durante o decorrer do ano calendärio e â passövel de restituiéño ao bolso do contribuinte no ano seguinte, desde que seja elaborada uma declaraéño que prove tal possibilidade. Fato gerador O fato gerador do imposto de renda â o momento quando ocorre a movimentaéño da situaéño económica que por lei â exigido o Imposto, por exemplo, no momento do recebimento de um salärio ou remuneraéño, do aumento de bens, da compra, da venda de imåveis. Veja o art. 3î do RIR/99: Art. 3º A renda e os proventos de qualquer natureza percebidos no PaÖs por residentes ou domiciliados no exterior ou a eles equiparados, conforme o disposto nos arts. 22, ï 1í, e 682, estño sujeitos ao imposto de acordo com as disposiéées do Livro III (Decreto-Lei ní 5.844, de 1943, art. 97, e Lei 7.713, de 22 de dezembro de 1988, art. 3í, ï 4í). Função e aplicação Entende-se que a funéño do Imposto de Renda â subsidiar os gastos com o funcionamento das estruturas do governo e ainda espera-se que boa parte destes recursos sejam aplicados em beneföcios da populaéño como um todo. O pagamento do imposto â um dever do cidadño. ç tambâm um dever do Estado informar para onde vño os recursos recolhidos. O dinheiro que paga-se em imposto â utilizado diretamente pelo Governo Federal. SÑo destinados ã saáde, ã educaéño, aos programas de transferüncia de renda e de estömulo ã cidadania, como o Fome Zero e o Bolsa FamÖlia. Parte dos recursos obtidos com impostos destina-se aos programas de geraéño de empregos e inclusño social, tais como: - plano de reforma agräria; 8

9 - crâdito rural para a expansño da agricultura familiar; - plano de construéño de habitaéño popular; - saneamento e reurbanizaéño de äreas degradadas nas cidades. - construéño e recuperaéño de estradas; - investimentos em infraestrutura; - construéño de portos, aeroportos; - incentivos para a produéño agröcola e industrial; - seguranéa páblica; - estömulo ã pesquisa cientöfica, ao desenvolvimento de ciüncia e tecnologia; - cultura e esporte, e - defesa do meio ambiente. Contribuinte O contribuinte â a pessoa fösica ou jurödica que realiza movimentaéées que por Lei sño exigidos Tributos e ContribuiÉées sobre as mesmas, â o sujeito passivo. A pessoa fösica recebe, paga, compra, vende, ou seja, realiza diversas operaéées que sño ou nño tributadas conforme a lei, tributos e contribuiéées que a pessoa fösica contribui conforme exigido. O RIR/99 (Regulamento do Imposto de Renda) fala sobre quem â o contribuinte em seu art. 2î: Art. 2º As pessoas fösicas domiciliadas ou residentes no Brasil, titulares de disponibilidade económica ou jurödica de renda ou proventos de qualquer natureza, inclusive rendimentos e ganhos de capital, sño contribuintes do imposto de renda, sem distinéño da nacionalidade, sexo, idade, estado civil ou profissño (Lei ní 4.506, de 30 de novembro de 1964, art. 1í, Lei ní 5.172, de 25 de outubro de 1966, art. 43, e Lei ní 8.383, de 30 de dezembro de 1991 art. 4í). Sabe-se que todas as pessoas fösicas sño contribuintes, queira ou nño, por que toda a tributaéño recolhidas para se produzir, vender e revender värios produtos e serviéos â sempre o consumidor final que paga. 9

10 OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAR A DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA EstÑo obrigados a elaborar e a apresentar a declaraéño de ajuste anual do Imposto de Renda Pessoa FÖsica do ano base 2011, os contribuintes que se enquadram nas seguintes situaéées: - Rendimentos tributäveis superiores a R$ ,15 (vinte e trüs mil, quatrocentos e noventa e nove reais e quinze centavos). - Rendimentos isentos, nño tributäveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ ,00 (quarenta mil reais); - Obteve, em qualquer müs, ganho de capital na alienaéño de bens ou direitos, sujeito ã incidüncia do imposto, ou realizou operaéées em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas; Relativamente ã atividade rural: a. obteve receita bruta em valor superior a R$ ,75 (cento e dezessete mil, quatrocentos e noventa e cinco reais e setenta e cinco centavos); b. pretenda compensar, no ano-calendärio de 2011 ou posteriores, prejuözos de anos-calendärio anteriores ou do pråprio anocalendärio de 2011; Teve, em 31 de dezembro, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ ,00 (trezentos mil reais); Passou ã condiéño de residente no Brasil em qualquer müs e nesta condiéño se encontrava em 31 de dezembro; Optou pela isenéño do imposto sobre a renda incidente sobre o ganho de capital auferido na venda de imåveis residenciais, cujo produto da venda seja destinado ã aplicaéño na aquisiéño de imåveis residenciais localizados no PaÖs, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias contados da celebraéño do contrato de venda, nos termos do art. 39 da Lei ní , de 21 de novembro de O RIR/99 cita em seu Livro lv, capötulo l e art. 787 sobre a obrigatoriedade de 10

11 apresentaéño: Art As pessoas fösicas deverño apresentar anualmente declaraéño de rendimentos, na qual se determinarä o saldo do imposto a pagar ou o valor a ser restituödo, relativamente aos rendimentos percebidos no anocalendärio (Lei ní 9.250, de 1995, art. 7í). A seguir vamos esclarecer o objetivo de se apresentar a declaraéño do Imposto de Renda. O OBJETIVO DE APRESENTAR A DECLARAÇÃO A DeclaraÉÑo de Ajuste Anual â uma das obrigaéées que o brasileiro Pessoa FÖsica tem em relaéño ã Receita Federal, em que se verifica o imposto declarado pelo contribuinte com o realmente devido. Caso o contribuinte tenha imposto a pagar pode ser parcelado em atâ oito vezes mensais (atâ o ano de 2005, eram seis), desde que o valor de cada parcela nño seja inferior a R$ 50,00 (cinquenta reais). Ao dividir os valores a pagar ou a restituir, cobra-se acrâscimos de 1% em cada parcela e o pagamento tambâm pode ser feito por meio de dâbito automätico na conta bancaria do contribuinte. Se o contribuinte tiver imposto a restituir, a Receita Federal farä a devoluéño do dinheiro a partir de quinze de junho de cada ano, em lotes definidos e tambâm corrigidos pela taxa SELIC do peröodo. EntÑo o objetivo principal da declaraéño do imposto de renda pessoa fösica â o controle do património e movimentaéño de cada brasileiro em cada ano para que a Receita saiba e tenha o controle dos valores a entrar e sair dos cofres páblicos. CONSIDERAÇÕES FINAIS Observa-se com este trabalho que, tanto o profissional contäbil quanto o contribuinte, tem sua parcela de responsabilidade com relaéño ã declaraéño do imposto de renda da pessoa fösica, pois, sem um acompanhamento pelo profissional e sem informaéées nño consegue-se realizar uma declaraéño segura para ser entregue ã Receita Federal do Brasil. 11

12 Faz-se necessärio o contribuinte consultar um profissional da contabilidade durante o ano-calendärio com finalidade de acompanhar suas movimentaéées financeiras e patrimoniais para evitar problemas com a prestaéño de contas com a Receita Federal. O profissional contäbil deve saber que cada contribuinte tem uma situaéño especöfica. ç necessäria uma anälise dos documentos e uma entrevista com o contribuinte para identificar cada situaéño e declarä-la de maneira segura ã Receita Federal, pois, nño basta baixar o programa da declaraéño do imposto de renda e preencher os campos. A cada dia, novas pessoas que antes nño eram contribuintes passam a ser e isto se deve ao aumento da remuneraéño das pessoas fösicas, remuneraéño esta que acaba ultrapassando o teto da tabela progressiva do imposto de renda do anocalendärio. Observou-se que o årgño governamental que cuida da anälise das declaraéées â a Receita Federal e a legislaéño que rege o imposto de renda â o Decreto de 26 de maréo de Ainda entende-se onde surgiram os primeiros sinais do imposto de renda no mundo, pois, que foram na Inglaterra no sâculo XVl para financiar guerras. Identificou-se um grande volume de entrega anual de declaraéées de imposto de renda de pessoa fösica que neste ano foram mais de 25 milhées de declaraéées entregues, e alguâm precisa orientar e fazer a declaraéño destes contribuintes. Conclui-se que o profissional contäbil â especial neste processo de declaraéño de imposto de renda de pessoa fösica, pois, â capacitado para assessorar o contribuinte a prestar contas com o governo de uma maneira correta e com a finalidade de conseguir uma restituiéño corretamente e ainda minimizar os riscos fiscais, como, entrega de declaraéño em atraso, sofrer multas, pagar imposto a mais e ainda ser cobrado pela Receita Federal a prestar informaéées sobre suas movimentaéées. 12

13 REFERÖNCIAS BALEEIRO, Aliomar. Uma IntroduÜáo à Ciância das FinanÜas. 9 ediéño Rio de Janeiro: editora Firenze, BRASIL. ConstituiÜáo da Repäblica Federativa do Brasil. EdiÉÑo administrativa do texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alteraéées adotas pelas Emendas Constitucionais nî 1/1992 a 68/2011, pelo Decreto Legislativo 186/2008 e pelas Emendas Constitucionais de RevisÑo nî 1 a 6/1194. BrasÖlia, DF, BRASIL. Decreto n , de 26 de marüo de 1999 (Regulamento do imposto de Renda RIR 99), Regulamenta a tributaéño, fiscalizaéño, arrecadaéño e administraéño do Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza. PresidÜncia da Repáblica, Casa Civil, Subchefia para Assuntos JurÖdicos, 26 de maréo de 1999.DisponÖvel em:<https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3000.htm> BRASIL. Lei n , de 25 de outubro de 1966 (Cãdigo Tributårio Nacional CTN). Dispée sobre o Sistema Tributärio Nacional e institui normas gerais de direito tributärio aplicäveis ã UniÑo, Estados e MunicÖpios. PresidÜncia da Repáblica, Casa Civil, Subchefia para Assuntos JurÖdicos, 25 de outubro de DisponÖvel em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5172.htm> CASSONE,Vittorio. Direito Tributårio : Fundamentos constitucionais da tributaéño. 21.ed. SÑo Paulo:Atlas, LATORRACA, Nilton. Direito Tributårio Imposto de Renda das Empresas.15.ed. SÑo Paulo: editora Atlas, MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributårio. 31.ed.SÑo Paulo: Malheiros Editores,

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO Instrução Normativa RFB Nº 1246 DE 03/02/2012 (Federal) Data D.O.: 06/02/2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício de 2012, ano-calendário

Leia mais

DIRPF 2015 - REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/02/2015. Sumário:

DIRPF 2015 - REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/02/2015. Sumário: DIRPF 2015 - REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/02/2015. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO 2.1 - Quanto à Renda 2.2 - Ganho

Leia mais

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011 IRPF Imposto de Renda da Pessoa Física Nathália Ceia Março 2011 Programa Aula 1 1. Princípios Gerais 2. Fato Gerador 3. Características 4. Contribuinte e Responsável Programa Aula 2 5. Alíquotas e Formas

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Quais são os limites de rendimentos que obrigam (pessoa física) a apresentação da Declaração de Ajuste Anual relativa ao ano-calendário de 2014, exercício de 2015? A

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 Perguntas e Respostas 1. QUAL CONDIÇÃO TORNA A PESSOA FÍSICA OBRIGADA A APRESENTAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA? Está obrigado a apresentar a declaração,

Leia mais

A IMPORTÄNCIA DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÅÇO NA ADMINISTRAÅÇO PÉBLICA ESTUDO DE CASO NO MUNICÖPIO DE JACIARA-MT

A IMPORTÄNCIA DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÅÇO NA ADMINISTRAÅÇO PÉBLICA ESTUDO DE CASO NO MUNICÖPIO DE JACIARA-MT A IMPORTÄNCIA DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÅÇO NA ADMINISTRAÅÇO PÉBLICA ESTUDO DE CASO NO MUNICÖPIO DE JACIARA-MT JESUS, Esdras Warley Nunes de 1 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 2 GAVILAN, Jálio Câsar

Leia mais

ANÁLISE DOS DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR E DO EMPREGADO NA CELEBRAÇÃO E NA EXTINÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO DE UMA TRANSPORTADORA DE JACIARA - MT

ANÁLISE DOS DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR E DO EMPREGADO NA CELEBRAÇÃO E NA EXTINÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO DE UMA TRANSPORTADORA DE JACIARA - MT ANÁLISE DOS DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR E DO EMPREGADO NA CELEBRAÇÃO E NA EXTINÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO DE UMA TRANSPORTADORA DE JACIARA - MT GASPARINI, Renata Yanaga Shibukawa 1 OBERSTEINER, Maria

Leia mais

O FLUXO DE CAIXA NO PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA OBTENÄÅO DE RESULTADOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE LATICÇNIOS DE DOM AQUINO MT

O FLUXO DE CAIXA NO PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA OBTENÄÅO DE RESULTADOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE LATICÇNIOS DE DOM AQUINO MT O FLUXO DE CAIXA NO PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA OBTENÄÅO DE RESULTADOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE LATICÇNIOS DE DOM AQUINO MT ANDRADE, Crislaine Barcelo 1 OLIVEIRA, Braz da Silva 2 JESUS, Esdras

Leia mais

1º Fica dispensada de apresentar a Declaração de Ajuste Anual, a pessoa física que se enquadrar:

1º Fica dispensada de apresentar a Declaração de Ajuste Anual, a pessoa física que se enquadrar: SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.246,DE 3 DE FEVEREIRO DE 2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício

Leia mais

Imposto de Renda - Pessoa Física 2011 Perguntas e Respostas

Imposto de Renda - Pessoa Física 2011 Perguntas e Respostas Imposto de Renda - Pessoa Física 2011 Perguntas e Respostas Escolha um dos assuntos a seguir: OBRIGATORIEDADE DE ENTREGA 001 a 011 DESCONTO SIMPLIFICADO 012 a 019 'RENDIMENTOS RECEBIDOS ACUMULADAMENTE

Leia mais

Orientações gerais. Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE

Orientações gerais. Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE Orientações gerais Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE Exercício 2016 Ano base 2015 Exercício É o ano de apresentação da declaração Ano-Base

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Graduado em Sistemas de InformaÉÑo pela Faculdade de CiÜncias Sociais Aplicadas do Vale do SÑo LourenÉo EDUVALE.

SOFTWARE LIVRE. Graduado em Sistemas de InformaÉÑo pela Faculdade de CiÜncias Sociais Aplicadas do Vale do SÑo LourenÉo EDUVALE. SOFTWARE LIVRE MACHADO, Gilmar Damacena 1 AMADIO, Renato Arnaut 2 GAVILAN, Jálio Câsar 3 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 4 RESUMO: Com o crescimento da quantidade de computadores existentes nos lares, empresas

Leia mais

ANÁLISE DAS CAUSAS DE EXTINÇÃO DE CONTRATOS DE TRABALHO POR PRAZO INDETERMINADO

ANÁLISE DAS CAUSAS DE EXTINÇÃO DE CONTRATOS DE TRABALHO POR PRAZO INDETERMINADO ANÁLISE DAS CAUSAS DE EXTINÇÃO DE CONTRATOS DE TRABALHO POR PRAZO INDETERMINADO OLIVEIRA, Luciana Aparecida Augusta 1 OBERSTEINER, Maria Isabel Della Valle 2 RESUMO: Durante toda a nossa vida, dedicamo-nos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

A INCLUSÃO DE PORTADORES COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NO ENSINO REGULAR

A INCLUSÃO DE PORTADORES COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NO ENSINO REGULAR A INCLUSÃO DE PORTADORES COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NO ENSINO REGULAR BORBA, Lucimar Alves de 1 GOMES, Verânica Pereira 2 RESUMO: O estudo teve como objetivo promover uma sensibilizaéño dos profissionais

Leia mais

O PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA PRINCIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TRANSPORTADORA EM JACIARA MT

O PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA PRINCIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TRANSPORTADORA EM JACIARA MT O PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA PRINCIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TRANSPORTADORA EM JACIARA MT SOUSA, CÖntia Gomes 1 OLIVEIRA, Braz da Silva 2 JESUS, Esdras Warley Nunes de 3 RESUMO: A

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL: MUDANÇAS ESTRUTURAIS DO PASSADO AO PRESENTE RUMO AO PROCESSO DE CONVERGÊNCIA AS NORMAS IFRS NO BRASIL

BALANÇO PATRIMONIAL: MUDANÇAS ESTRUTURAIS DO PASSADO AO PRESENTE RUMO AO PROCESSO DE CONVERGÊNCIA AS NORMAS IFRS NO BRASIL BALANÇO PATRIMONIAL: MUDANÇAS ESTRUTURAIS DO PASSADO AO PRESENTE RUMO AO PROCESSO DE CONVERGÊNCIA AS NORMAS IFRS NO BRASIL OLIVEIRA, Amauri GonÉalves de 1 SILVA, Denis Rodrigues 2 RESUMO: O processo de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 DOU de 7.4.2010 Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos e ganhos líquidos auferidos nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

Índice 1. Obrigatoriedades... 3. 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4. 2.1 Formas de entrega... 4. 2.2 Prazo de entrega...

Índice 1. Obrigatoriedades... 3. 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4. 2.1 Formas de entrega... 4. 2.2 Prazo de entrega... Índice 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais

IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 09/2012 São Paulo, 10 de Fevereiro de 2012. IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2011 Prezado cliente, No dia 06 de Fevereiro de 2012 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 13/2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015. IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2014 Prezado cliente, No dia 03 de fevereiro de 2015 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÄÅO NA LOGÇSTICA DA COOPERATIVA MISTA AGROPECUÉRIA DE JUSCIMEIRA MT

A TECNOLOGIA DA INFORMAÄÅO NA LOGÇSTICA DA COOPERATIVA MISTA AGROPECUÉRIA DE JUSCIMEIRA MT A TECNOLOGIA DA INFORMAÄÅO NA LOGÇSTICA DA COOPERATIVA MISTA AGROPECUÉRIA DE JUSCIMEIRA MT CARDOSO, Kize Tamy 1 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 2 GAVILAN, Jálio Câsar 3 AMADIO, Renato Arnaut 4 RESUMO: O

Leia mais

SAFRAS & CIFRAS. IMPOSTO DE RENDA 2014, 20 questões que o produtor rural precisa saber!

SAFRAS & CIFRAS. IMPOSTO DE RENDA 2014, 20 questões que o produtor rural precisa saber! SAFRAS & CIFRAS IMPOSTO DE RENDA 2014, 20 questões que o produtor rural precisa saber! * Enio B. Paiva *Lizandra Blaas * Ana Paiva Em clima de imposto de renda, alguns profissionais da Safras & Cifras

Leia mais

Orientações Gerais Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF E Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE

Orientações Gerais Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF E Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE Orientações Gerais Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF E Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE Exercício 2013 Ano base 2012 I. DIRPF - Obrigatoriedade de Apresentação da Declaração

Leia mais

IRPF 2012 Cartilha IR 2012

IRPF 2012 Cartilha IR 2012 IRPF 2012 Cartilha IR 2012 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Centro de Economia e Administração. Faculdade de Ciências Contábeis

Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Centro de Economia e Administração. Faculdade de Ciências Contábeis Pontifícia Universidade Católica de Campinas Centro de Economia e Administração Faculdade de Ciências Contábeis OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO Renda Recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste

Leia mais

IMPOSTO SOBRE A RENDA

IMPOSTO SOBRE A RENDA IMPOSTO SOBRE A RENDA CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO IBDT TRIBUTAÇÃO

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR Muito embora não seja uma novidade, já que a maioria das pessoas estejam obrigadas a entregar a Declaração de Imposto de Renda, trazemos aqui alguns

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

O GRAU DE CONHECIMENTO DOS COLABORADORES DE UMA UNIVERSIDADE QUANTO AOS DESCONTOS FISCAIS E PREVIDENCIÁRIOS

O GRAU DE CONHECIMENTO DOS COLABORADORES DE UMA UNIVERSIDADE QUANTO AOS DESCONTOS FISCAIS E PREVIDENCIÁRIOS O GRAU DE CONHECIMENTO DOS COLABORADORES DE UMA UNIVERSIDADE QUANTO AOS DESCONTOS FISCAIS E PREVIDENCIÁRIOS ISSN 1984-9354 Fernanda Piccinin Michelin, Janis Elisa Ruppenthal, Norberto Arend Aviles (Universidade

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF?

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Sim. A legislação da DIRF, Instrução Normativa n 1.406, de 23 de outubro de 2013, coloca como pessoa jurídica

Leia mais

O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física

O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física O QUE É DAA? É a Declaração de Imposto de Renda Anual Denominada - Declaração de Ajuste Anual ÓRGÃOS REGULADORES Receita Federal do Brasil Procuradoria

Leia mais

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015 ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2015 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE COMPROVANTE ANUAL DE RENDIMENTOS PAGOS OU CREDITADOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 19 - Data 25 de fevereiro de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF PRECATÓRIO. CESSÃO

Leia mais

Cartilha Imposto de Renda 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3

Cartilha Imposto de Renda 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3 CARTILHA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3 2. FORMA DE ELABORAR A DECLARAÇÃO DE IRPF 2014...4 2.1 FORMAS DE ENTREGA...4 2.2 PRAZO DE ENTREGA...4 2.3 MULTA

Leia mais

* V. Instrução Normativa SRF 422/2004 (Incidência, apuração e exigência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico).

* V. Instrução Normativa SRF 422/2004 (Incidência, apuração e exigência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico). LEI 10.336, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2001 Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e seus derivados,

Leia mais

Ajuda do Programa IRPF 2015

Ajuda do Programa IRPF 2015 / Índice / Índice Ajuda do Programa IRPF 2015 Índice Índice... 2 Declaração de Ajuste Anual... 4 Declaração de Final de Espólio... 15 Declaração de Saída Definitiva do País...27 Situações Individuais...

Leia mais

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência.

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência. Especial IRPF 2011 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência - Março de 2011 Chegou a hora de declarar o IRPF2011 Fique atento! Não descuide do

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE FERRAMENTE PARA OFICINA MECÂNICA

SISTEMA DE CONTROLE DE FERRAMENTE PARA OFICINA MECÂNICA SISTEMA DE CONTROLE DE FERRAMENTE PARA OFICINA MECÂNICA SOUZA, Marco Antânio 1 RHEINNHEMER, Maico Luiz 2 ARAäJO, Fãbio de Paula 3 RESUMO: Esse artigo divulga os resultados parciais de uma pesquisa que

Leia mais

IRPF 2012. Principais Novidades. Março 2013. Elaborado por: Wagner Mendes. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

IRPF 2012. Principais Novidades. Março 2013. Elaborado por: Wagner Mendes. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I Lei do Audiovisual I - FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Criado pela Lei 8.685, de 20.07.93 Regulamentação através do Decreto nº 974, de 08.11.93 Limite para Pessoa Jurídica deduzir do Imposto de Renda alterado de 1%

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015 Até dia Obrigação 3 IRRF Salário de Agosto de 2015 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.08.2015, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra

Leia mais

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40.

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40. Vitória/ES, 23 de fevereiro de 2013. ORIENTAÇÕES PARA DECLARAÇÃO DO IRPF 2013 A partir do dia 1º março a Receita Federal começa a receber a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física.

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015 Até dia Obrigação 5 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.10.2015,

Leia mais

Guia Personnalité IR 2011

Guia Personnalité IR 2011 Guia Personnalité IR 2011 Índice Imposto de Renda 2011... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais

CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais ÍNDICE 1 Obrigatoriedade de entrega 4 2 Formas e prazo de entrega 5 3 Multa por atraso na entrega 8 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO 8

Leia mais

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1 ÍNDICE 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2014... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais

IRRF/ 2014. Instalar o programa da Receita Federal. WWW.receita.fazenda.gov.br. Nova. Após abrir declaração (importação/nova)

IRRF/ 2014. Instalar o programa da Receita Federal. WWW.receita.fazenda.gov.br. Nova. Após abrir declaração (importação/nova) IRRF/ 2014 Instalar o programa da Receita Federal WWW.receita.fazenda.gov.br Nova Tenho Anterior Após abrir declaração (importação/nova) Durante a importação o programa 2013 traz também os pagamentos efetuados.

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011 Até dia Obrigação Histórico 3 IRRF Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.01.2011,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14 Cálculo proporcional do INSS e dedução do IRRF na folha após férias de 30 dias 16/05/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

Obrigatoriedade na declaração

Obrigatoriedade na declaração A declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física 2010 aparece com algumas novidades, especialmente em relação aos parâmetros que definem a obrigatoriedade da apresentação, o que deverá fazer com que diminua,

Leia mais

Perguntas Frequentes - Tributação

Perguntas Frequentes - Tributação 1. Tributação do Ganho de Capital Perguntas Frequentes - Tributação 1.1 - Como é feita a tributação dos ganhos obtidos com a alienação de ações? A tributação é feita em bases mensais, ou seja: o ganho

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Altera a legislação tributária federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Imposto sobre a Renda. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Imposto sobre a Renda. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Imposto sobre a Renda Objetivos O presente curso tem por objetivo apresentar um estudo sobre o Imposto sobre a Renda, características, conceito, competência, fato gerador, sujeito ativo e passivo, base

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO: LEGISLAÇÃO FISCAL CONCEITOS GERAIS LUCRO REAL CTN [art. 43]: Aquisição da Disponibilidade Econômica ou Jurídica de Renda* ou Proventos de qualquer natureza**.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.383, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1991. Vide Lei nº 10.192, de 2001 Vide Lei nº 10.522, de 2002 (Mensagem de veto) Texto compilado

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Da não-tributação das verbas decorrentes de indenizações trabalhistas 1

Da não-tributação das verbas decorrentes de indenizações trabalhistas 1 Da não-tributação das verbas decorrentes de indenizações trabalhistas 1 Flávia K. Miyasato 2 Resumo Embora a Constituição ou as leis infraconstitucionais que tratam sobre o Imposto sobre a Renda de Pessoas

Leia mais

CIRCULAR Medida Provisória 252/05

CIRCULAR Medida Provisória 252/05 CIRCULAR Medida Provisória 252/05 A Medida Provisória 252/05, publicada no Diário Oficial em 16 de junho de 2005, instituiu regimes especiais de tributação, alterou parte da legislação de Imposto de Renda,

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015 Até dia Obrigação 4 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.01.2015,

Leia mais

DOENÇA DA CONTEMPORANEIDADE: DEPRESSÃO INFANTIL

DOENÇA DA CONTEMPORANEIDADE: DEPRESSÃO INFANTIL DOENÇA DA CONTEMPORANEIDADE: DEPRESSÃO INFANTIL BORBA, Lucimar Alves de 1 RESUMO: Durante um peröodo a depressño infantil era uma doenéa sem muita importância, era algo negativo, tanto para a sociedade

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 14 Data Tributos Descrição 03 03 IOF COMPROVANTE MENSAL DE RETENÇÃO DA PARA O PIS/PASEP E DA COFINS - AUTOPEÇAS 03 IR/FONTE 06 SALÁRIOS

Leia mais

Pessoas obrigadas a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do IRPF 2015

Pessoas obrigadas a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do IRPF 2015 Pessoas obrigadas a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do IRPF 2015 Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício de 2015, a pessoa física

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT. Claudio Yano 20 de maio de 2014

Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT. Claudio Yano 20 de maio de 2014 Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT Claudio Yano 20 de maio de 2014 DIPJ 2014 Prazo de entrega Programa Gerador aprovado pela IN RFB 1.463/14; Prazo para entrega:

Leia mais

Cartilha Declaração de Imposto de Renda 2016

Cartilha Declaração de Imposto de Renda 2016 CARTILHA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2016 1 SUMÁRIO 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO... 4 1.1. Pessoas obrigadas à apresentação da Declaração de Ajuste Anual IRPF 2016... 4 1.2. Pessoas dispensadas

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES FISCAIS. Período de 01.01 a 31.01.2016

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES FISCAIS. Período de 01.01 a 31.01.2016 033 18/12/2015 1 de 14 DIA 04 1.ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Recolhimento do ICMS/ Substituição Tributária correspondente a fatos geradores ocorridos no mês de outubro/2015 pelas empresas cujas autopeças,

Leia mais

CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE SER RENDA;

CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE SER RENDA; DOS IMPOSTOS (CONTINUAÇÃO) IMPOSTO SOBRE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA ENCONTRA-SE PREVISTO NO ARTIGO 153, INCISO III, DA C.F.. CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA E A RECICLAGEM DO LIXO ORGÂNICO

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA E A RECICLAGEM DO LIXO ORGÂNICO A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA E A RECICLAGEM DO LIXO ORGÂNICO OLIVEIRA, Malvina da Silva 1 OLIVEIRA, Braz da Silva 2 VILELA, Maria Cristiana da Silva 3 CASTRO, Tânia Aparecida Almeida 4

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.306, DE 16 DE MAIO DE 2006 Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2006. O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO A OCB/TO é formada por cooperativas singulares, federações e centrais de todos os ramos. Pela Lei 5.764/71, ainda em vigor, todas

Leia mais

Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem.

Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem. Guia IR 2012 No Banrisul, o leão não assusta. Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem. O Banrisul antecipa

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONSIDERAÇÕES INICIAIS É crescente o percentual da carga tributária no Brasil em relação ao Produto Interno Bruto - PIB; Também são crescentes os custos para controle e gestão

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.482, DE 31 DE MAIO DE 2007. Mensagem de veto Conversão da Mpv nº 340, de 2006 Efetua alterações na tabela do imposto de renda

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Juros e multa da dívida ativa tributária e a sua inclusão na base de cálculo do repasse ao legislativo municipal Alberto Jatene I - Relatório Trata-se de questionamento acerca da

Leia mais

A Análise do Aspecto Temporal do Imposto de Renda das Pessoas Físicas e Jurídicas à Luz das Limitações Constitucionais do Poder de Tributar

A Análise do Aspecto Temporal do Imposto de Renda das Pessoas Físicas e Jurídicas à Luz das Limitações Constitucionais do Poder de Tributar A Análise do Aspecto Temporal do Imposto de Renda das Pessoas Físicas e Jurídicas à Luz das Limitações Constitucionais do Poder de Tributar *Eduardo Morais da Rocha Por razões de ordem prática e teórica,

Leia mais

VALOR JUSTO APLICADO AOS INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS POR BANCOS PÚBLICOS HABILITADOS PARA ATUAR NO MERCADO DE CÂMBIO: A REALIDADE BRASILEIRA

VALOR JUSTO APLICADO AOS INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS POR BANCOS PÚBLICOS HABILITADOS PARA ATUAR NO MERCADO DE CÂMBIO: A REALIDADE BRASILEIRA VALOR JUSTO APLICADO AOS INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS POR BANCOS PÚBLICOS HABILITADOS PARA ATUAR NO MERCADO DE CÂMBIO: A REALIDADE BRASILEIRA OLIVEIRA, Amauri GonÉalves de 1 RESUMO: Com a expansño

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

IRPF IMPOSTO DE RENDA

IRPF IMPOSTO DE RENDA Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÕES

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÕES SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÕES FERNANDES-JUNIOR, Valtoir Josâ 1 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 2 GAVILAN, Jálio Câsar 3 AMADIO, Renato Arnaut 4 RESUMO: O trabalho apresenta alguns elementos

Leia mais