A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA"

Transcrição

1 A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA Galeazzi, Leiza 1 Deggeroni, Ariane Fátima 1 Rosalen, Camila 1 Hillesheim, Adriana Cristina 2 Resumo: Introdução: O Planejamento Estratégico Situacional (PES) é um modelo de planejamento que abrange quatro momentos: o explicativo, normativo, estratégico e o tático operacional. O PES é uma ferramenta que viabiliza a identificação das potencialidades e dificuldades locais do espaço de atuação da equipe de saúde, o enfoque situacional garante a participação efetiva dos diferentes atores envolvidos no processo. Objetivo: Relatar a utilização do PES como ferramenta de planejamento e organização em saúde, servindo como norteador das ações auxiliando na gerência local. Metodologia: Este relato de experiência parte da realização do estágio curricular supervisionado I do curso de enfermagem, num Centro de Saúde da Família (CSF) durante o segundo semestre de 2010, onde os acadêmicos foram divididos onde cada grupo realizou dois momentos distintos do PES. No momento explicativo, para obtenção das informações foram envolvidos diferentes atores, além do reconhecimento do território, já no momento normativo estabeleceram- se os objetivos de minimização dos problemas priorizados. Resultados: No local da prática foram empregados os recursos de elaboração do PES contemplando os quatro momentos: explicativo, normativo, estratégico e tático-operacional. A partir do levantamento das potencialidades e dificuldades, primeiramente priorizou-se o déficit de ações de educação permanente, mostrando que ainda há dificuldades relacionadas à efetivação da Política de Permanente. Já no momento normativo discutimos/elegemos como objetivo incentivar o reconhecimento da importância de ações de educação permanente, propondo estratégias de ações para solucionar o problema, que foram consideradas durante a elaboração dos dois momentos seguintes pelo grupo que deu continuidade a atividade de elaboração do PES. Considerações Finais: O Planejamento Estratégico situacional nos fez refletir sobre as questões administrativas, educativas e assistenciais do processo de trabalho do enfermeiro, que busca atuar de forma generalista nos diversos campos da área da saúde, desenvolvendo ações de promoção, proteção e recuperação da saúde. Palavras Chave: Permanente. Planejamento Estratégico Situacional. Enfermagem. 1 Acadêmicas do curso de Enfermagem da Unochapecó, Chapecó, Santa Cataria, Brasil. 2 Enfermeira Especialista em Saúde da Família, Docente do curso de Enfermagem da Unochapecó, Santa Catarina, Brasil.

2 1. Introdução O ato de planejar é de fundamental importância no processo do trabalho gerencial, pois serve de importante ferramenta facilitadora nos momentos de escolhas e elaboração de planos, que auxiliam no enfrentamento dos processos de mudança. O planejamento possibilita a interação com a realidade, além de ser uma forma de programar as estratégias e ações, a fim de obter o alcance dos objetivos e metas anteriormente estabelecidos (MELLEIRO, TRONCHINI, CIAMPONE, 2005). O uso do planejamento nas ações gerenciais do profissional enfermeiro enquanto membro da equipe de Estratégia Saúde da Família e gerente de Centro de Saúde da Família (CSF) viabiliza o alcance de resultados positivos, quando necessário solucionar os problemas identificados na área de atuação da equipe (KURCGANT; TEIXEIRA, 2004; MELLEIRO, TRONCHINI, CIAMPONE, 2005). As ações realizadas por meio de planejamento segundo Gelbcke e colaboradores (2006) podem auxiliar no processo de consolidação do Sistema Único de Saúde - SUS, pois este sistema visa reorientar a forma com que ocorre a atenção a saúde em todos os níveis de assistência. Mantendo ainda o foco sobre o planejamento, neste relato citamos o Planejamento Estratégico Situacional - PES, modelo este criado pelo economista chileno Carlos Matus (TEIXEIRA, 2004). O PES segundo Melleiro, Tronchini e Ciampone (2005, p.166), surgiu na área das políticas públicas a partir da rejeição da idéia até então aceita de uma só racionalidade (econômica), e também para solucionar questões políticas e sociais relacionadas ao [...] reconhecimento da pluralidade de atores sociais em conflito numa realidade complexa e dinâmica. O enfoque situacional prevê uma maior flexibilidade durante todo o processo de gerenciamento, e busca possibilitar a liberação das capacidades críticas e criativas de todos os sujeitos envolvidos (TEIXEIRA et al, 1995). O modelo de planejamento criado por Matus, define no seu desenvolvimento quatro distintos momentos, o explicativo: descrição e análise da realidade; normativo: objetivos são identificados e definidos; estratégico:

3 verificar se as ações são viáveis para alcançar os objetivos; e o tático operacional: ocorre a definição das metas e como iremos avaliar a execução e alcance dos resultados (MELLEIRO, TRONCHINI, CIAMPONE, 2005; TEIXEIRA et al, 1995). Dentre os diferenciais do PES destaca-se a possibilidade de participação de forma efetiva dos diversos atores sociais. Diante dos problemas de saúde da população além de identificar as ameaças e problemas, também prevê identificar as oportunidades que decorrem destes, sendo estas, possibilidades abertas (TEIXEIRA et al, 1995). Temos como objetivo neste artigo, relatar a utilização do Planejamento Estratégico Situacional como ferramenta para a gerência, servindo como meio norteador para as ações de planejamento e organização em saúde. 2. Materiais e métodos O curso de enfermagem da Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECO - propõe formar enfermeiros habilitados profissionalmente para atuar de forma generalista nos diversos campos da área da saúde, desenvolvendo ações de promoção, proteção e recuperação da saúde. Como proposta da 8ª fase do curso denominado núcleo 15: vivenciando a interação ensino serviço: estágio curricular supervisionado I, está o desenvolvimento de atividades de gestão e gerência conforme o Projeto Político Pedagógico (2007). Tais atividades foram realizadas em ambiente hospitalar (Associação Hospitalar Lenoir Vargas) e na rede de atenção básica (Centro de Saúde da Família, CSF - Eldorado) do município de Chapecó. Os discentes como em semestres anteriores foram separados em grupos, enquanto uns estavam na rede hospitalar outros estavam na saúde pública, desenvolvendo cada grupo os dois primeiros momentos do PES dentre outras ações previstas. Cada grupo tinha um determinado período de inserção em cada espaço, e após concluído este tempo, os grupos trocavam os locais onde realizavam as atividades, repassando aos colegas as informações levantadas nos dois primeiros momentos, com a proposta de dar continuidade ao PES, com a finalização dos dois seguintes momentos.

4 Nosso grupo realizou os dois primeiros momentos, o explicativo e o normativo, no CSF Eldorado e o momento estratégico e tático operacional na Associação Hospitalar Lenoir Vargas, utilizando como instrumento de estudo as tabelas elaboradas por Teixeira (1995) e que foram readequadas pelos docentes do curso e a nós disponibilizadas. Neste relato abordaremos somente os dois primeiros momentos construídos por nós no CSF Eldorado. Para obtenção das informações necessárias para construção do PES voltada para a realidade local, foram envolvidos vários atores, equipe da Estratégia de Saúde da Família, comunidade, docente e acadêmicas. 3. Resultado e discussão Na primeira etapa do PES - momento explicativo, segundo Teixeira e colaboradores (1995) devemos descrever a realidade por meio da identificação dos problemas, para em seguida priorizar e analisá-los. Identificamos 23 problemas, estes relacionados com problemas de saúde da população, déficit da equipe e estrutura física. Em seguida priorizamos 01 um destes problemas, déficit de ações de educação permanente. A priorização requer que cada problema seja avaliado de acordo com sua magnitude, transcendência, vulnerabilidade e custos, e por meio desta avaliação o(s) problemas prioritários são definidos (TEIXEIRA et al, 1995). Com o problema definido de acordo com a priorização, de acordo com a autora supracitada, devemos identificar a rede explicativa e quais as soluções necessárias cabíveis para sua resolução de acordo com cada esfera do poder. Esta etapa foi por nós realizada, segundo consta na tabela 1 e 2. Tabela 1- problema priorizado, seus descritores e a rede explicativa do mesmo. Rede explicativa Problemas Descritores Fatos Processo condicionant e Determinante s estruturais

5 Déficit nas ações de Permanente permanente de forma esporádica; Não abordagem da Permanente nos momentos de reunião Desconhecime nto dos profissionais em relações as ações de educação permanente; Não iniciativa de desenvolver as atividades de educação permanente Desconhecime nto da importância de desenvolver essas ações; Modelo assistencial Formação profissional; Desconhecime nto da importância da Política Nacional de Permanente e da (Portaria 1996 de 20 de agosto de 2007) O fato de entre todos os problemas identificados, por meio da priorização destacar-se o déficit de ações de educação permanente, mostra que ainda há dificuldades relacionadas à efetivação da Política de Permanente (PEP) instituída pelo Ministério da Saúde (MS) em 13 de fevereiro de 2004, e alterada recentemente em 20 de agosto de 2007 (BRASIL, 2007). A PEP é uma estratégia do MS para fortalecer o SUS por meio de ações de educação (BRASIL, 2007) e de acordo com Ceccim e Ferla (2006) a educação permanente significa a produção de conhecimentos no cotidiano das instituições de saúde, a partir da realidade vivida pelos atores envolvidos, tendo os problemas enfrentados no dia-a-dia do trabalho e as experiências desses atores como base de interrogação da mudança. Segundo Marandola, et al (2009) a educação permanente foca na estratégia de reestruturação dos serviços, transformação das práticas no momento em que elas acontecem, por meio da problematização, da aprendizagem significativa e da articulação entre os atores envolvidos no quadrilátero serviço/gestão/academia/controle social (MARANDOLA, et al, 2009). Tabela 2- problema priorizado, seus descritores e as soluções necessárias sob perspectiva de cada esfera de poder. Soluções necessárias Problemas Descritores Sob controle da unidade Sob controle do SUS Extra SUS

6 Déficit nas ações de educação Permanente permanente de forma esporádica; Não abordagem da Permanente nos momentos de reunião Promover a discussão sobre a educação permanente na reunião de equipe; Promover ações de Permanente; Buscar parcerias para realização de EB. Portaria 1996 de Permanente; Portaria 648; Pró Saúde; PET- Saúde UNA SUS Universidade aberta do SUS PNH; CIES Buscar parcerias (Universidade s; SDR e etc.) Como sugere o PES, todos os momentos devem ser socializados com os diferentes sujeitos envolvidos. Sendo assim, na reunião de equipe validamos este primeiro momento, desde a coleta de informações ao problema priorizado. Outro ponto abordado foram as potencialidades encontradas no local, pois de acordo com Matus, não devemos apenas olhar os problemas, pois acabamos enfraquecendo o que esta bom (TEIXEIRA et al, 1995). Foram levantadas ao todo dez potencialidades no CSF, algumas citadas pela própria equipe, citadas a seguir: equipe de saúde da família abrange 100% da população; ações de promoção da saúde (caminhada orientada, dia adolescente, dia do idoso); 100% de cobertura da população pelo trabalho do ACS Membros da equipe da saúde participando do PET- Saúde; ações intersetoriais com a rede escolar da área de abrangência (coleta de preventivo - CP para matricular as crianças); inserção de ensino e serviço (acadêmicos da UNOCHAPECO de diferentes cursos); reunião de equipe semanalmente; efetividade do Conselho local de saúde; comprometimento da equipe com o ESF (visita domiciliar) e interesse da equipe em participar de capacitações. Após concluir a primeira etapa do PES, demos continuidade às atividades desenvolvidas no cenário de prática/csf e abordamos com a equipe de saúde sobre a necessidade da elaboração do segundo momento, o normativo.

7 O momento normativo refere-se à definição dos objetivos, identificando os cenários no qual não se tem controle e que podem interferir no planejamento das ações. Exige análise de informações de natureza política, econômica e social, e a previsão de cenários favoráveis e desfavoráveis (TEIXEIRA et al, 1995). Por meio do desenho da situação-objetivo há a identificação dos nós críticos da rede sobre os quais atuará o planejador e que se tornarão os pontos de ação futura. Após a elaboração dos objetivos outro passo a ser dado no PES nesse momento é identificar a coerência interna e coerência-externa (TEIXEIRA et al, 1995). Neste momento destacamos alguns dos resultados a que chegamos. Um dos nós críticos identificados é o desconhecimento acerca da legislação, causando dificuldade de planejamento e organização entre a equipe e formação profissional. Por meio desta informação citamos como objetivo incentivar o reconhecimento da importância de ações de educação permanente, onde como estratégia utilizamos expor objetivos da política de EP e os benefícios provenientes desta, para a equipe e comunidade e a ação que seria realizada por meio das reuniões de equipe expor de forma dialogada e expositiva os objetivos e benefícios da EP. Citamos como autores envolvidos neste processo a equipe de ESF e profissional capacitado (disponibilizado por exemplo, da Secretaria de Desenvolvimento Regional) e o período de realização da ação seria no 2º trimestre de Para a organização deste momento, seguimos como base a coerência interna, citada por Teixeira e colaboradores (1995), a qual leva-se em conta as perspectivas da equipe. Avaliamos que a equipe deve promover a discussão sobre a educação permanente na reunião de equipe; promover ações de Permanente e buscar parcerias para realização de Permanente, pois como acima citamos, ações de EP são previstas pelo MS mostrando assim que recursos são destinados para tal finalidade. A coerência externa por sua vez acontece por meio de ações extra SUS e é favorecida/possibilitada pela intersetorialidade (TEIXEIRA et al, 1995). No caso do nosso problema levantado, um dos determinantes estruturais é a formação profissional, assim para evitar a reincidência de tal problema no futuro, o ideal seria propor estratégias e ações juntamente ao setor da

8 educação para avaliar a possibilidade de alteração nos currículos de graduação. O MS já realizou tal proposta por meio da Proposta Integrada de Reorientação da Formação Profissional em Saúde (Pró-Saúde) e Programa de pelo Trabalho para a Saúde (Pet-Saúde), que inseridos nas universidades buscam fortalecer o SUS por meio da integração de profissionais atuantes na rede e acadêmicos da área da saúde e promover a reorientação curricular dos cursos de graduação envolvidos na atenção a saúde. A critério de informação citamos que o terceiro momento, o estratégico, tem como foco a análise da viabilidade, onde todos os atores, cooperativos ou não, são listados e avalia-se que tipo de controle dos recursos fundamentais para a realização do plano cada ator detém. O momento tático operacional consiste no momento de implementação das ações propostas e na adequação às situações apresentadas (MELLEIRO, TRONCHINI, CIAMPONE, 2005, p. 167). 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS O Planejamento Estratégico situacional nos fez refletir sobre as questões administrativas, educativas e assistenciais do processo de trabalho do enfermeiro, que busca atuar de forma generalista nos diversos campos da área da saúde, desenvolvendo ações de promoção, proteção e recuperação da saúde. Ao realizarmos o Planejamento estratégico Situacional obtivemos um olhar crítico acerca das atividades desenvolvidas pela equipe de saúde, identificando problemas, ameaças e oportunidades. Através dessa ferramenta observamos que o déficit de Permanente ocorre por dificuldade de planejamento por parte da enfermeira coordenadora, pois na medida em que a mesma planejar suas ações diárias terá tempo, tanto para as questões administrativas quanto para o as ações de cuidado. Assim este instrumento além de organizar as atividades diárias, nos faz refletir sobre as questões administrativas, educativas e assistenciais do processo de trabalho do enfermeiro.

9 5. REFERÊNCIAS BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria de atenção à saúde. Clínica ampliada e compartilhada. Política nacional de humanização da atenção e gestão do SUS. Brasília, BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes operacionais: Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Série Pactos pela Saúde, v. 1, Brasilia: MS, BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério da. Programa de educação pelo trabalho para a saúde Pet-Saúde. Brasília, Disponível em: Acessado em: 17/10/10. BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério da. Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde Pró-Saúde : objetivos, implementação e desenvolvimento potencial. Brasília: Ministério da Saúde, Disponível em: Acessado em: 23/09/10. BRASIL. Ministério da Saúde. Política de Permanente. Portaria nº 1996, de 20 de agosto de Dispõe sobre as diretrizes para a implantação da Política Nacional de Permanente em saúde e dá outras previdências, Brasília BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de atenção básica: Portaria nº 648/GM de 28 de março de Brasília, BRASIL. Senado Federal. Constituição de GELBCKE, et al. Planejamento estratégico participativo: um espaço para conquista da cidadania profissional. Rev. Texto e Contexto em Enferm. v. 15, n. 3, p , LEOPARDI, Maria Tereza; GELBCKE, Francine Lima; RAMOS, Flávia Regina S. Cuidado: Objeto de trabalho ou objeto epistemológico da Enfermagem? Texto & Contexto. Enferm. Florianópolis, v. 10, n. 1, p , MARANDOLA, T. R. et al. permanente em saúde: conhecer para compreender. Rev. Espaço para a Saúde. v. 10, n. 2, p MELLEIRO, M.M.; TRONCHIN, D.M.R.; CIAMPONE, M.H.T. O planejamento estratégico situacional no ensino do gerenciamento em enfermagem. Acta Paul. Enferm., v. 18, n. 2, p , 2005.

10 TEIXEIRA, C. F. Formulação e implementação de políticas públicas saudáveis: desafios para o planejamento e gestão das ações de promoção da saúde nas cidades. Saúde e Sociedade, v.13, n.1, p.37-46, TEIXEIRA, C. et al. Planejamento e programação situacional em distritos sanitários: metodologia e organização. In: MENDES, E. V.(org). Distrito sanitário: o processo social de mudança das práticas de saúde do SUS. 3 ed. São Paulo: Hucitec, 1995.

Caminhos na estratégia. de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos

Caminhos na estratégia. de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos Caminhos na estratégia de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos Erica Rosalba Mallmann: Escola de Enfermagem - UFRGS Lenice Ines Koltermann: Enfermeira Supervisora da Saúde da Família da

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS Lizyanne Saldanha Soares 1, Natalia Máximo Souza Lima 2, Raquel Gusmão Oliveira

Leia mais

nos princípios norteadores da saúde com equidade, eficácia, eficiência e efetividade 2. Inicialmente,

nos princípios norteadores da saúde com equidade, eficácia, eficiência e efetividade 2. Inicialmente, O TRABALHO DA ENFERMAGEM NA GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Jarbas Ribeiro de Oliveira I, Célia Alves Rozendo II A principal estratégia do Ministério da Saúde para reorganizar da atenção

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS DESAFIOS COTIDIANOS DAS AGENTES COMUNITARIAS DE SAÚDE DE UMA EQUIPE DE ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA PARTICIPANTE DO PET- SAÚDE

UMA ABORDAGEM SOBRE OS DESAFIOS COTIDIANOS DAS AGENTES COMUNITARIAS DE SAÚDE DE UMA EQUIPE DE ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA PARTICIPANTE DO PET- SAÚDE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UMA ABORDAGEM

Leia mais

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER Autores RESUMO LIMA 1, Matheus OCCHIUZZO 2, Anna Rosa Centro de Ciências da Saúde Departamento de Enfermagem Psiquiatria

Leia mais

Formação em Saúde Mental (crack, álcool e outras drogas) para agentes comunitários de saúde e auxiliares/técnicos de enfermagem da Atenção Básica

Formação em Saúde Mental (crack, álcool e outras drogas) para agentes comunitários de saúde e auxiliares/técnicos de enfermagem da Atenção Básica Formação em Saúde Mental (crack, álcool e outras drogas) para agentes comunitários de saúde e auxiliares/técnicos de enfermagem da Atenção Básica Introdução O projeto de formação de Agentes Comunitários

Leia mais

Integrando saberes para um novo fazer em saúde, a experiência do PET- SAUDE-Natal-RN.

Integrando saberes para um novo fazer em saúde, a experiência do PET- SAUDE-Natal-RN. Integrando saberes para um novo fazer em saúde, a experiência do PET- SAUDE-Natal-RN. Autores: Antonio Medeiros Júnior, Jonia Cybelle Santos Lima, Francisca Nazaré Líberalino, Nilma Dias Leão Costa, Maria

Leia mais

Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20. Componente Curricular: SAÚDE DA FAMÍLIA. Pré-requisito: Nenhum

Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20. Componente Curricular: SAÚDE DA FAMÍLIA. Pré-requisito: Nenhum C U R S O D E E N F E R M A G E M Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: SAÚDE DA FAMÍLIA Código: ENF - 204 CH Total: 60 horas Pré-requisito:

Leia mais

LEI Nº 1.087, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2013.

LEI Nº 1.087, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2013. PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO ALEGRE MG Praça Nestor Daniel de Carvalho, 129 Centro São José do Alegre MG CEP: 37.510-000 Tel/Fax: (35) 3645-1222 CNPJ: 18.025.999/0001-99 LEI Nº 1.087, DE 10 DE DEZEMBRO

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: VIGILÂNCIA EM SAÚDE Código: ENF-224 Pré-requisito: - Nenhum Período Letivo:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG As atividades do Pró-Saúde para o primeiro ano de desenvolvimento

Leia mais

Experiências de Formação de Nutricionistas para o Sistema Único de Saúde

Experiências de Formação de Nutricionistas para o Sistema Único de Saúde Experiências de Formação de Nutricionistas para o Sistema Único de Saúde CASO 9: PRÁTICAS INTEGRADORAS Introdução Neste Caso Didático será relatada a experiência do curso de graduação em Nutrição do Centro

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO EM UMA ESTRTÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

O PAPEL DO ENFERMEIRO EM UMA ESTRTÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 O PAPEL DO ENFERMEIRO EM UMA ESTRTÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 SOUZA, Daiane Fagundes de 2 ; SCHIMITH, Maria Denise 2 ; SEGABINAZI, Aline Dalcin 3 ; ALVES, Camila Neumaier 2 ; WILHELM,

Leia mais

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil ID 1676 SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil Dutra, Laís; Eugênio, Flávia; Camargo, Aline; Ferreira

Leia mais

A atuação do Assistente Social na Atenção Básica Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 102 A PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE ENTRE CRIANÇAS POR MEIO DA RISOTERAPIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Profa. Esp. Andréa Savietto (UNIANCHIETA)

Leia mais

Modelo de Atenção às. Coordenação de Informação

Modelo de Atenção às. Coordenação de Informação Modelo de Atenção às Condições Crônicas Nilza Teresinha Faoro Coordenação de Informação É uma aliança voluntária entre duas ou mais entidades legais, entendidas como pessoas físicas, morais ou jurídicas

Leia mais

PROMOVENDO SAÚDE NA ESCOLA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA¹ BRUM,

PROMOVENDO SAÚDE NA ESCOLA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA¹ BRUM, PROMOVENDO SAÚDE NA ESCOLA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA¹ BRUM, Barbara Leão de²; GUEDES, Camila Custódio²; MUNHOZ, Cloris Ineu²; QUADROS, Jacqueline Silveira de²; RAMOS, Catiane Pacheco²; SCHMITT, Ana Carmen

Leia mais

SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO

SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO SER MONITOR: APRENDER ENSINANDO Vanessa Torres dos Santos (vanessa.torres@live.com)¹ Emelynne Gabrielly de Oliveira Santos (nellynha_15@hotmail.com)¹ Izaac Batista Lima (izaac-15@hotmail.com)¹ Marília

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA TEXTO 3 O REORDENAMENTO DO SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS - SCFV: AS MUDANÇAS NA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA Neste terceiro momento do nosso estudo iremos aprofundar as mudanças

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 A enfermagem atuando na prevenção da saúde do adolescente propondo a redução das DST Doenças Sexualmente Transmissíveis e Minimizando os números de Gravidez na Adolescência. Mostra

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

Bacharelado em Educação Física

Bacharelado em Educação Física Bacharelado em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular possivelmente seja uma das mais ricas experiências do acadêmico que optou pelo Curso de Bacharelado em Educação Física. As situações

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE Coordenação Geral de Educação em Saúde e Gestão Subsecretaria de Gestão do Trabalho e da Educação

Leia mais

ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES

ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES FACULDADE DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SENA AIRES P R O F E S S O R F R A N C I S C O D E A S S I S B A T I S T A D A S I L V A M E S T R E E M E D U C A Ç Ã

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL COM ÊNFASE EM ONCO-HEMATOLOGIA

ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL COM ÊNFASE EM ONCO-HEMATOLOGIA ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL COM ÊNFASE EM ONCO-HEMATOLOGIA Leila Maria de Abreu Jaggi 1 Simone Travi Canabarro 2 Rita Catalina Aquino Caregnato 3 RESUMO A formação

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA O Regulamento da Comissão Própria de Avaliação CPA foi aprovado pelo CONSUP mediante a Resolução nº 012/2013 data de 26 de novembro de 2013. E foram revisados

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIA E SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Objeto:

Leia mais

A Educação Permanente na articulação de uma rede de cuidado integral à saúde: A experiência da Estratégia Saúde da Família na AP 3.

A Educação Permanente na articulação de uma rede de cuidado integral à saúde: A experiência da Estratégia Saúde da Família na AP 3. Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Atenção Primária, Coordenação de Área Programática 3.2 Estratégia Saúde da Família na AP 3.2 Coordenadoria de Educação Permanente SPDM A Educação

Leia mais

Curso de Graduação em Medicina

Curso de Graduação em Medicina Curso de Graduação em Medicina 1. Disciplina: Humanização da Atenção à Saúde 2. Coordenador: Profa. Vice-Coordenador: Profa. MS. Maria das 3. Carga Horária: 24 horas 4. Justificativa: As Diretrizes Nacionais

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica Programa 0011 PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER E ASSISTÊNCIA ONCOLÓGICA Objetivo Indicador(es) Promover a prevenção, a detecção precoce dos tipos de câncer prevalentes e a assistência à população para reduzir

Leia mais

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Andréa Pereira de Souza Gestora da Formação Permanente na Secretaria Municipal de Educação do município de Mogi das Cruzes. Cintia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENFERMAGEM ALFREDO PINTO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENFERMAGEM ALFREDO PINTO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENFERMAGEM ALFREDO PINTO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS ESTÁGIO CURRICULAR CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DA ESCOLA

Leia mais

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Willian Henrique Martins Faculdade de Ciência e Tecnologia UNESP Email: willteenspirit@hotmail.com

Leia mais

Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco

Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco Relato de experiência sobre uma formação continuada para nutricionistas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco Introdução As ações educativas de promoção da saúde nas escolas remontam ao século passado,

Leia mais

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. NOME DA PRÁTICA OU IDÉIA INOVADORA Projeto De Volta Pra Casa - Linha de Cuidado Aplicada à Assistência Social - Fortalecendo a Convivência Familiar

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE LOGÍSTICA - BARREIRO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE LOGÍSTICA - BARREIRO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE LOGÍSTICA - BARREIRO 1. Perfil do Curso O curso visa atender a demanda do mundo do trabalho por formação na área de gestão da logística em nível superior de ensino.

Leia mais

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO E AVALIAÇÃO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NO PRONTO SOCORRO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CAJURU, CURITIBA (PR)

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO E AVALIAÇÃO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NO PRONTO SOCORRO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CAJURU, CURITIBA (PR) PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO E AVALIAÇÃO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NO PRONTO SOCORRO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CAJURU, CURITIBA (PR) 1 Aline Cecilia Pizzolato 1 Em fevereiro de 2003 a nova equipe

Leia mais

O Processo de Trabalho do ACS no cuidado à Pessoa com Doença Falciforme. Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes ana.chagas@medicina.nupad.ufmg.

O Processo de Trabalho do ACS no cuidado à Pessoa com Doença Falciforme. Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes ana.chagas@medicina.nupad.ufmg. O Processo de Trabalho do ACS no cuidado à Pessoa com Doença Falciforme Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes ana.chagas@medicina.nupad.ufmg.br Integração e Integralidade Portaria GM 3252 Art. 4º A Vigilância

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

ARTICULAÇÃO INTERSETORIAL ENTRE ATENÇÃO BÁSICA E EDUCAÇÃO: A ESCOLA COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DE SAÚDE

ARTICULAÇÃO INTERSETORIAL ENTRE ATENÇÃO BÁSICA E EDUCAÇÃO: A ESCOLA COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DE SAÚDE 1 ARTICULAÇÃO INTERSETORIAL ENTRE ATENÇÃO BÁSICA E EDUCAÇÃO: A ESCOLA COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DE SAÚDE Thaísa Teixeira Closs * Aline Garcia Collioni ** Larissa Slongo Faccioli *** Laura Baptista Lewgoy

Leia mais

EdUECE- Livro 1 03430

EdUECE- Livro 1 03430 OS SABERES E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Maria Irene Miranda Universidade Federal de Uberlândia RESUMO O trabalho aborda o Curso de Pedagogia

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPITAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPITAL CENTRO UNIVERSITÁRIO CAPITAL PROJETO COMPLEMENTAR LICENCIATURA. CURSO: PSICOLOGIA COORDENAÇÃO PROF. MS. IVANI TEIXEIRA MENDES 2015 PROJETO PEDAGÓGICO COMPLEMENTAR DE FORMAÇÃO DE PROFESORES DO CURSO DE

Leia mais

IMPLANTANDO O ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE ESTADUAL DE ENSINO

IMPLANTANDO O ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE ESTADUAL DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA A GARANTIA DO PERCURSO ESCOLAR DO ALUNO NA CONVIVÊNCIA DOS DOIS REGIMES DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL COM DURAÇÃO DE OITO ANOS E ENSINO FUNDAMENTAL COM DURAÇÃO DE NOVE ANOS. IMPLANTANDO

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família com Ênfase na Implantação das Linhas de Cuidado. Edital de Seleção

Curso de Especialização em Saúde da Família com Ênfase na Implantação das Linhas de Cuidado. Edital de Seleção UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Curso de Especialização em Saúde da Família com Ênfase na Implantação das Linhas de Cuidado APRESENTAÇÃO Edital

Leia mais

RESPONSABILIDADES NO PBA 2012 PREFEITURAS E SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

RESPONSABILIDADES NO PBA 2012 PREFEITURAS E SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESPONSABILIDADES NO PBA 2012 PREFEITURAS E SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Quando da adesão municipal ao programa suas atribuições são: Indicar e/ou selecionar o coordenador de turmas junto à Seduc;

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos)

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos) Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos) 2012-2013 1 Prezado (a) estagiário (a), O presente manual visa orientá-lo (la) quanto à realização do Estágio

Leia mais

junto a Comissão Gestora Local. 3 Professora do departamento de Ciências Farmacêutica da UFPB, vice-coordenadora do curso Graduação em

junto a Comissão Gestora Local. 3 Professora do departamento de Ciências Farmacêutica da UFPB, vice-coordenadora do curso Graduação em O PRO-SAÚDE II E A REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE DA UFPB: AVANÇOS NA FORMAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA, FARMACEUTICO, NUTRICIONISTA E EDUCADOR FÍSICO Lenilma Bento de Araújo Meneses 1 Walter

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Artes Visuais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Artes Visuais ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Artes Visuais São as seguintes as disciplinas de Estágio Supervisionado do Curso de Artes Visuais (licenciatura): Estágio Supervisionado I (ART30049) 120 horas Propõe

Leia mais

CURSO BÁSICO de VIGILÂNCIA em SAÚDE do TRABALHADOR

CURSO BÁSICO de VIGILÂNCIA em SAÚDE do TRABALHADOR CURSO BÁSICO de VIGILÂNCIA em SAÚDE do TRABALHADOR Vinculado ao Chamamento Nº 5 Projeto ENSP-006-FIO-15 Estudos e Pesquisas voltados para capacitação profissional do SUS e do Controle Social relacionados

Leia mais

Pesquisa ação: Um Instrumento utilizado por uma equipe multiprofissional em saúde para capacitação de professores na educação infantil.

Pesquisa ação: Um Instrumento utilizado por uma equipe multiprofissional em saúde para capacitação de professores na educação infantil. Pesquisa ação: Um Instrumento utilizado por uma equipe multiprofissional em saúde para capacitação de professores na educação infantil. Aline Alessandra Irano Anaí Ramos Vieira Francielli Viana Mota Laura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM BACHARELADO EM SAÚDE COLETIVA. Socorro Maria de Souza Lima

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM BACHARELADO EM SAÚDE COLETIVA. Socorro Maria de Souza Lima UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM BACHARELADO EM SAÚDE COLETIVA Socorro Maria de Souza Lima RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR ÁREA DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE:

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS APRESENTAÇÃO DO CURSO Caracterização geral do Curso de Ciências Econômicas da Unemat: Denominação

Leia mais

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA Naiane Novaes Nogueira 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB n_n_nai@hotmail.com José

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010.

RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010. RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010. Revoga a Resolução de nº 05, de 16 de junho de 2010, que define as atribuições do cargo de Pedagogo da rede municipal de ensino de Governador Valadares e as

Leia mais

SEMESTRE: 2006.2 DEPARTAMENTO DE SAÚDE PLANO DE ENSINO COMPONENTE CURRICULAR EMENTA

SEMESTRE: 2006.2 DEPARTAMENTO DE SAÚDE PLANO DE ENSINO COMPONENTE CURRICULAR EMENTA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Autorizada pelo Decreto Federal Nº 77.496 de 27/04/76 Reconhecida pela Portaria Ministerial Nº 874/86 de 19/12/86 PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CURSO ENFERMAGEM

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE

A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE Raquel Silva Borges, Bolsista PET (Re) Conectando Saberes - UFU Ana Paula de Assis, Bolsista PIBID- Subprojeto

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE

COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE 1 COMO AVALIAR UM CURSO DE EAD EM SAÚDE? UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ NA ÁREA DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE São Paulo - SP 05/2015 Vitória Kachar Unidade de Educação a Distância

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA COM ÊNFASE EM SAÚDE DA FAMÍLIA

SAÚDE PÚBLICA COM ÊNFASE EM SAÚDE DA FAMÍLIA SAÚDE PÚBLICA COM ÊNFASE EM SAÚDE DA FAMÍLIA DISCIPLINA: Políticas de Saúde CARGA-HORÁRIA: 30 horas EMENTA: Retrospectiva Histórica. Estado e políticas sociais. Mudanças econômicas e políticas de saúde

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA

ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA Este documento se propõe a estabelecer normas de inserção e execução de estágio em Serviço Social no Projeto Viva a Vida, de acordo com a Resolução 533/2008

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA Objetivo estratégico do MS relacionado ao envelhecimento

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Superior em Administração FORMA/GRAU: ( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado ( )

Leia mais

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR Este projeto visa investir na melhoria da infraestrutura escolar, por meio de construção, ampliação e reforma, bem como dotá-las com equipamentos e mobiliários

Leia mais

Maiêutica - Serviço Social

Maiêutica - Serviço Social A CIDADANIA NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES INTEGRADOS NO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PETI: ABORDANDO A COOPERAÇÃO, RESPEITO, DIÁLOGO E SOLIDARIEDADE NA CONVIVÊNCIA

Leia mais

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Informática Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel Belo Horizonte - MG Outubro/2007 Síntese

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil Carmen Teresa Kaiber kaiber@ulbra.br ULBRA/RS, Brasil Modalidade:

Leia mais

INTREGRAPE PROJETO APE

INTREGRAPE PROJETO APE INTREGRAPE PROJETO APE Ações Preventivas na Escola Atua no fortalecimento e desenvolvimento do Eixo-Saúde no Programa Escola da Família, sistematizando ações de organização social, que qualifique multiplicadores

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

A importância da educação permanente como competência e habilidade para os profissionais de saúde

A importância da educação permanente como competência e habilidade para os profissionais de saúde A importância da educação permanente como competência e habilidade para os profissionais de saúde Pontifícia Universidade Católica de Campinas Pró-Reitoria de pesquisa e Pós-Graduação Marina Peduzzi (EEUSP)

Leia mais

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/AIDS E ATENÇÃO BÁSICA O Sistema Único de Saúde ( SUS ) preconiza a descentralização,hierarquização e territorialização

Leia mais

Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção na Área de Saúde da Mulher

Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção na Área de Saúde da Mulher PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Implantação da linha de cuidado em Saúde da Mulher na USF Hidrolândia Área temática Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

file://o:\concurso\174 - PREF SAPUCAIA DO SUL\Legislação\Lei_3275-10 - EFS d...

file://o:\concurso\174 - PREF SAPUCAIA DO SUL\Legislação\Lei_3275-10 - EFS d... Page 1 of 13...: LEIS MUNICIPAIS :... Leis Ordinárias Decretos FORMATAÇÃO Fonte: Fonte 1 6 PESQUISA GERAL Lei Ordinária de Sapucaia do Sul-RS, nº 3275 de 15/12/2010 Tamanho: Média 6 Atenção: - a palavra-chave

Leia mais

DOCUMENTO NORTEADOR PARA COMISSÕES DE AUTORIZAÇÃO E RECONHECIMENTO DE CURSO DE PEDAGOGIA

DOCUMENTO NORTEADOR PARA COMISSÕES DE AUTORIZAÇÃO E RECONHECIMENTO DE CURSO DE PEDAGOGIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DO ENSINO DE PEDAGOGIA

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE ENFERMAGEM

PÓS-GRADUAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE ENFERMAGEM PÓS-GRADUAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE ENFERMAGEM Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução- CNE-CES 1-2001 Resolução- CNE-CES 1-2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano)

Leia mais

PARECER COREN-SP 007/2014 CT PRCI nº 099.152/2012 Tickets nº 277.202, 277.242, 281.850, 284.033, 290.514 e 302.667

PARECER COREN-SP 007/2014 CT PRCI nº 099.152/2012 Tickets nº 277.202, 277.242, 281.850, 284.033, 290.514 e 302.667 PARECER COREN-SP 007/2014 CT PRCI nº 099.152/2012 Tickets nº 277.202, 277.242, 281.850, 284.033, 290.514 e 302.667 Ementa: Solicitação de exames por Enfermeiro e avaliação de resultado. 1. Do fato Enfermeiras

Leia mais

A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES

A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES Alana da Silva SIQUIÉRI 1 Dayana Klebis da SILVA 2 RESUMO:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ministério da Saúde II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO, DESAFIOS E POSSIBILIDADES Brasília, 25 de setembro de

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CAÇADOR

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CAÇADOR FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CAÇADOR CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 7 de 14 de janeiro de 2009, publicada no DOU em 26 de janeiro de 2009. Diretor da Faculdade: Fabiano Battisti Archer Coordenador

Leia mais