OBJECTIVOS DA DISCIPLINA CORPO DOCENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBJECTIVOS DA DISCIPLINA CORPO DOCENTE"

Transcrição

1 OBJECTIVOS DA DISCIPLINA Realçar a importância dos fenómenos de transferência de calor. Estabelecer as equações fundamentais, as condições de fronteira e definir as hipóteses simplificativas adequadas para diferentes problemas típicos de condução, convecção e radiação. Descrever métodos de resolução desses problemas, utilizando exemplos práticos de engenharia, através de métodos rigorosos ou aproximados. CORPO DOCENTE Viriato Semião (Responsável) Aulas Teóricas Aula Prática Trabalho Computacional Laboratório

2 PROGRAMA DA DISCIPLINA Modos e mecanismos de transmissão de calor. Leis fundamentais da condução, convecção e radiação. Conceitos fundamentais de condução de calor. Equação de condução do calor. Condução unidimensional. Geração interna de energia. Alhetas. Condução em regime não estacionário. Corpos com gradientes internos de temperatura desprezáveis. Sólido semi-infinito. Placas planas, cilindros e esferas com gradientes internos de temperatura não desprezáveis. Problemas multidimensionais. Conceitos fundamentais de convecção de calor. Convecção forçada em escoamentos exteriores e interiores e convecção natural. Correlações empíricas para geometrias diversas. Radiação: conceitos fundamentais. Intensidade de radiação, poder emissivo, radiosidade, irradiação. Emissividade, absorsividade, reflectividade e transmissividade. Corpos negros e corpos cinzentos. Leis de Planck, Stefan- Boltzamann, Wien e Kirchhoff. Factores de forma. Trocas de calor por radiação entre superfícies em meios não participantes. Equações da radiosidade. Análogo eléctrico. Permutadores de calor: tipos e função. Coeficiente global de transmissão de calor. Método da média logarítmica da diferença de temperatura e do método ε-ntu.

3 BIBLIOGRAFIA F. P. INCROPERA, D. P. DeWITT, T. L. BERGMAN, A. S. LAVINE, FUNDAMENTALS OF HEAT AND MASS TRANSFER, 6 TH EDITION, JOHN WILEY & SONS, (A 5.ª EDIÇÃO DESTE LIVRO TAMBÉM PODE SER USADA). V. SEMIÃO - TRANSPARÊNCIAS DAS AULAS TEÓRICAS (página da disciplina) J. AZEVEDO ENUNCIADOS DE PROBLEMAS (página da disciplina) V. SEMIÃO MÉTODOS NUMÉRICOS EM DIFUSÃO (página da disciplina)

4 AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS A avaliação de conhecimentos da disciplina de Transmissão de Calor pode ser realizada por duas vias. A nota mínima em qualquer das provas obrigatórias é de 8,0 valores. O corpo docente reserva-se o direito de convocar qualquer aluno para uma oral, desde que assim o entenda.

5 AVALIAÇÃO CONTÍNUA 2 testes (T1 e T2) + trabalho laboratorial (TL) + trabalho especial (TC, opcional). O 1º teste (T1) versa sobre condução. Este teste será realizado na semana de 21 a 24 de Abril. O 2º teste (T2) versa sobre convecção forçada e natural, radiação e permutadores de calor. Este teste será realizado na data do 1º Exame. O trabalho laboratorial (TL), que é obrigatório, será realizado durante a 11ª semana de aulas (5 de Maio a 9 de Maio). A inscrição para a sua realização é obrigatória e realizar-se-á durante a 9ª semana de aulas. A entrega do relatório deve-se fazer no prazo 5 dias úteis após a realização do ensaio. A não realização do trabalho laboratorial significa a reprovação na disciplina. O Trabalho especial (TC) é opcional e será definido no início do semestre. A data limite de realização/entrega é o último dia de aulas. O trabalho especial terá a classificação de 0, 0.5 ou 1 valor, a somar à nota final. Existe a possibilidade de repescar apenas um dos testes. A data do teste de repescagem será a data do 2º Exame. A nota final é calculada por: NF = (0,3*T1 + 0,5*T2 + 0,2*TL) + 0/1valor (TC)

6 AVALIAÇÃO NÃO CONTÍNUA Exame (E) + trabalho laboratorial (TL) + trabalho especial (TC, opcional). O exame (E) versa sobre toda a matéria condução, convecção forçada, convecção natural, radiação e permutadores de calor e será realizado nas datas a marcar pelo SOP. O trabalho laboratorial (TL), que é obrigatório, será realizado durante a 11ª semana de aulas (5 de Maio a 9 de Maio). A inscrição para a sua realização é obrigatória e realizar-se-á durante a 9ª semana de aulas. A entrega do relatório deve-se fazer no prazo 5 dias úteis após a realização do ensaio. A não realização do trabalho laboratorial significa a reprovação na disciplina. O Trabalho especial (TC) é opcional e será definido no início do semestre. A data limite de realização/entrega é o último dia de aulas. O trabalho especial terá a classificação de 0, 0.5 ou 1 valor, a somar à nota final. Qualquer aluno que realizou o 1º exame pode realizar também o 2º exame. A nota final é calculada por: NF = (0,8*E + 0,2*TL) + 0/1valor (TC)

CONTEÚDOS PROGRAMADOS (Energia Solar - EEK508)

CONTEÚDOS PROGRAMADOS (Energia Solar - EEK508) (Energia Solar - EEK508) (Equipamentos de Processos - EEK524) (Fontes Alternativas de Energia - EEK525) (INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE - EEK 509) 1 Introdução Introdução ao controle de processos 2 2 - Controladores

Leia mais

Prof. Eduardo Loureiro, DSc.

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Transmissão de Calor é a disciplina que estuda a transferência de energia entre dois corpos materiais que ocorre devido a uma diferença de temperatura. Quanta energia é transferida

Leia mais

Enunciados de problemas de radiação e de permutadores de calor de Incropera e De Witt 5ª Edição

Enunciados de problemas de radiação e de permutadores de calor de Incropera e De Witt 5ª Edição Enunciados de problemas de radiação e de permutadores de calor de Incropera e De Witt 5ª Edição 12.6 - De acordo com a sua distribuição direccional, a radiação solar incidente sobre a superfície da terra

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Faculdade de Engenharia Licenciatura Engenharia Electrónica e Informática Unidade Curricular Teoria da Electricidade Semestre: 2 Nº ECTS: 6,0 Regente Rui Manuel

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DA DINÂMICA DE AQUECIMENTO EM CONCENTRADORES SOLARES

ESTUDO PRELIMINAR DA DINÂMICA DE AQUECIMENTO EM CONCENTRADORES SOLARES ESTUDO PRELIMINR D DINÂMIC DE QUECIMENTO EM CONCENTRDORES SOLRES L.. NDRDE, M.. S. BRROZO e L. G. M. VIEIR Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Química E-mail para contato: luizgustavo@feq.ufu.br

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

O raio crítico. Problema motivador 01: Problema motivador 02: Problema motivador 03: Portfolio de:

O raio crítico. Problema motivador 01: Problema motivador 02: Problema motivador 03: Portfolio de: Problema motivador 01: qual a função da camada de material polimérico colocada sobre fios elétricos de cobre ou de alumínio? Problema motivador 02: qual a espessura da camada de tijolos de uma parede de

Leia mais

3 conversão térmica da energia solar ÍNDICE

3 conversão térmica da energia solar ÍNDICE ÍNDICE balanço de energia -2 ganho térmico - perdas térmicas -4 aplicações -7 para saber mais... -8-1 balanço de energia A consiste na absorção de radiação numa superfície absorsora e na transferência

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL

ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL Mucio Pinto Guimarães Júnior 1 ; Jorge Recarte Henríquez Guerrero 2 1 Estudante do Curso de Engenharia

Leia mais

Exercícios Terceira Prova de FTR

Exercícios Terceira Prova de FTR Exercícios Terceira Prova de FTR 1) Existe uma diferença de 85 o C através de uma manta de vidro de 13cm de espessura. A condutividade térmica da fibra de vidro é 0,035W/m. o C. Calcule o calor transferido

Leia mais

SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL PARA A DISCIPLINA DE FÍSICA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 2014. Identificação e Conteúdo Programático

SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL PARA A DISCIPLINA DE FÍSICA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 2014. Identificação e Conteúdo Programático UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO - CEPAE ÁREA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E MATEMÁTICA SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL

Leia mais

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO 426 Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO Maria Teresa Cristina Coelho¹; Jailton Garcia Ramos; Joab Costa dos Santos;

Leia mais

EQUAÇÃO DE TRANSPORTE DE CALOR DE BOLTZMANN E AQUISIÇÃO DE DADOS DIGITAIS 1

EQUAÇÃO DE TRANSPORTE DE CALOR DE BOLTZMANN E AQUISIÇÃO DE DADOS DIGITAIS 1 EQUAÇÃO DE TRANSPORTE DE CALOR DE BOLTZMANN E AQUISIÇÃO DE DADOS DIGITAIS 1 ELUDKE, E. 2 ; ADORNES, A. G. R. 3 e BOHRER-ADORNES, R. 2 1 Trabalho de Ensino _UFSM 2 LAE - FÍSICA (UFSM), Santa Maria, RS,

Leia mais

11ºano MÓDULO 1. Material a utilizar: esferográfica preta ou azul, máquina de calcular

11ºano MÓDULO 1. Material a utilizar: esferográfica preta ou azul, máquina de calcular 11ºano MÓDULO 1 Matriz da Prova de Equivalência à Frequência (Decreto-lei nº 74/2004) PROVA ESCRITA E PRÁTICA DE FÍSICA E QUÍMICA APLICADA 11º E 12º anos Vertente Imagem Código da Prova 815 1ª Fase / 2ªFase

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Teoria Eletromagnética. CÓDIGO: MEE007 Validade: Carga Horária: 45 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Sistemas Elétricos / Formação Básica Ementa: Análise Vetorial. Equações

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR 1 PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA: TRANFERÊNCIA DE CALOR Departamento Engenharia Mecânica Curso: Engenharia Industrial Elétrica Carga Horária: 75H (Teórica: 45H Lab.: 30H Exerc.:00H ) Créditos: Pré-requisitos:

Leia mais

Fenômenos de Transporte

Fenômenos de Transporte Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Processos metalúrgicos 2012/2 Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Motivação O que é transporte? De maneira geral, transporte

Leia mais

Aquecedor Solar de Placas Planas. Carlos Leandro Veiga Felipe Santin Furlan

Aquecedor Solar de Placas Planas. Carlos Leandro Veiga Felipe Santin Furlan Aquecedor Solar de Placas Planas Carlos Leandro Veiga Felipe Santin Furlan Motivação Questões Econômicas e Ambientais Alta Radiação Solar Baixa Tecnologia Aquecedor Solar 2 Componentes Reservatório térmico

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA O desenvolvimento das sociedades tem sido também materializado por um progresso acentuado no plano científico e nos diversos domínios

Leia mais

UNIVRSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia. Transmissão de calor. 3º ano

UNIVRSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia. Transmissão de calor. 3º ano UNIVRSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia Transmissão de calor 3º ano 1 1. Introdução Relação entre termodinâmica e transmissão de calor Calor Específico Mecanismos Básicos de Transmissão de

Leia mais

MEEC, 2012/2013-2º Semestre. Electrónica

MEEC, 2012/2013-2º Semestre. Electrónica , 2012/2013-2º Semestre Electrónica Arquitecturas Avançadas de Computadores Electrónica Rápida Sensores e Actuadores Sistemas Electrónicos de Processamento de Sinal Sistemas Integrados Analógicos Sistemas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Curso (s) : Engenharia Mecânica Nome do projeto: INTRODUÇÃO AO SOFTWARE OPENFOAM

Leia mais

Palavras Chave: Conforto térmico. Caracterização térmica. Coeficiente de condutividade térmica k. Commelina. Desempenho térmico. ABNT 15220.

Palavras Chave: Conforto térmico. Caracterização térmica. Coeficiente de condutividade térmica k. Commelina. Desempenho térmico. ABNT 15220. CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE COBERTURAS VERDES DE BASE POLIMÉRICA Plínio de A. T. Neto¹ (M), Leôncio D. T. Câmara² Endereço institucional do(s) autor(es). Incluir o e-mail do autor designado para receber

Leia mais

Aula 23 Trocadores de Calor

Aula 23 Trocadores de Calor Aula 23 Trocadores de Calor UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Definição: Trocadores de Calor Os equipamentos usados para implementar

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR Curso Engenharia Informática Ano letivo 2012/13 Unidade Curricular Bases de Dados II ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 2º Semestre 1º sem Horas de trabalho globais Docente (s) José Carlos Fonseca Total 168

Leia mais

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES Nestes tipos de fechamento podem ocorrer três tipos de trocas térmicas: condução, convecção e radiação. O vidro comum é muito

Leia mais

1- OBJETIVO 2 - INTRODUÇÃO

1- OBJETIVO 2 - INTRODUÇÃO EXPERIMENTO DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR: Condução em Barras metálicas (aletas circulares) e Convecção Natural para o Ar 1- OBJETIVO Este experimento tem como objetivos: a determinação do perfil de temperatura

Leia mais

Transmissão de calor

Transmissão de calor UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia ransmissão de calor 3º ano Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Aula 5 * 3.Condução em regime permanente em uma parede plana Condução em regime permanente

Leia mais

Termómetros de radiação. Radiação. Termómetros de radiação. Instrumentação Aula 03. o Medidor de não contacto, mais especificamente

Termómetros de radiação. Radiação. Termómetros de radiação. Instrumentação Aula 03. o Medidor de não contacto, mais especificamente Instalações, Equipamentos e Instrumentação Aula 03 Medição da temperatura:. fundamentos da radiação. termómetros de radiação (não contacto). calibração Termómetros de radiação 2 o Medidor de não contacto,

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR UNIDIMENSIONAL: UM EXPERIMENTO DIDÁTICO

TRANSFERÊNCIA DE CALOR UNIDIMENSIONAL: UM EXPERIMENTO DIDÁTICO Proceedings of the 11 th Brazilian Congress of Thermal Sciences and Engineering -- ENCIT 26 Braz. Soc. of Mechanical Sciences and Engineering -- ABCM, Curitiba, Brazil, Dec. 5-8, 26 Paper CIT6-34 TRANSFERÊNCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Informática 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

EEE 335 Eletromagnetismo II

EEE 335 Eletromagnetismo II 0.6 J 0 J 1 0.4 J 2 J 3 0.2 0 0.2 0 2 4 6 8 10 Universidade Federal do Rio de Janeiro EEE 335 Eletromagnetismo II Prof. Antonio Carlos Siqueira de Lima Sobre as notações Vetores em negrito nos slides!

Leia mais

BANCADA PARA COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO DE DISSIPADORES DE CALOR por. Pablo Vinícius Bassani Paulo Vinicius Faria Pedro Vasata Sgarbi William Brusius Jr

BANCADA PARA COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO DE DISSIPADORES DE CALOR por. Pablo Vinícius Bassani Paulo Vinicius Faria Pedro Vasata Sgarbi William Brusius Jr UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA BANCADA PARA COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO DE DISSIPADORES DE CALOR por Pablo Vinícius Bassani Paulo Vinicius

Leia mais

AVALIAÇÃO DE AMBIENTE CONDICIONADO POR CÁLCULO DE BALANÇO TÉRMICO E SIMULAÇÃO CFD

AVALIAÇÃO DE AMBIENTE CONDICIONADO POR CÁLCULO DE BALANÇO TÉRMICO E SIMULAÇÃO CFD UNIJUÍ - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul DCEEng - Departamento de Ciências Exatas e Engenharias Curso de Engenharia Mecânica Campus Panambi FERNANDO PETRY AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Introdução à Programação B 2007/08

Introdução à Programação B 2007/08 Introdução à Programação B 2007/08 Descrição e objectivos Bibliografia Descrição A disciplina visa introduzir os conceitos fundamentais de programação. Pretende-se o desenvolvimento dos processos mentais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de FÍsica, do 12ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

ESTUDO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM MOTORES

ESTUDO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM MOTORES ESTUDO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM MOTORES José Eduardo Mautone Barros José Guilherme Coelho Baêta JEMB & JGCB - Fevereiro de 2006 - Prancha 1 Sumário Cap. 1 Transferência de calor Cap. 2 Balanço térmico

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág. Física Setor B Prof.: Índice-controle de Estudo Aula 9 (pág. 102) AD TM TC Aula 10 (pág. 102) AD TM TC Aula 11 (pág. 104) AD TM TC Aula 12 (pág. 106) AD TM TC Aula 13 (pág. 107) AD TM TC Aula 14 (pág.

Leia mais

FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS

FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS Profª. Angela Emilia de Almeida Pinto Departamento de

Leia mais

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Luiz Felipe da S. Nunes Fábio P. de Araújo Paulo Renato G. de Souza Resumo O presente trabalho consiste em análise computacional do sistema

Leia mais

Solar Térmico: Uso de paineis solares para águas quentes sanitárias. Luis Roriz

Solar Térmico: Uso de paineis solares para águas quentes sanitárias. Luis Roriz Solar Térmico: Uso de paineis solares para águas quentes sanitárias Luis Roriz Aproveitamento do calor Sistemas de aquecimento de águas sanitárias e ambiente de edifícios: a radiação solar captada (absorvida

Leia mais

Datas: Curso: 20, 21, 27 e 28 de Março de 2015 Exame: 19 de Junho de 2015 (exame mundial agendado pelo Passivhaus Institut)

Datas: Curso: 20, 21, 27 e 28 de Março de 2015 Exame: 19 de Junho de 2015 (exame mundial agendado pelo Passivhaus Institut) oficial do Passivhaus Institut. Permite o reconhecimento como Certified Passive House Tradesperson. Local: Coimbra - Departamento de Arquitectura da FCTUC Datas: : 20, 21, 27 e 28 de Março de 2015 Exame:

Leia mais

Estudo de eficiência energética de extrusoras tipo ram para polietileno de ultra-alto peso molecular

Estudo de eficiência energética de extrusoras tipo ram para polietileno de ultra-alto peso molecular Estudo de eficiência energética de extrusoras tipo ram para polietileno de ultra-alto peso molecular Gefferson Lysyk 1 Michel Brondani 2 Flávio Dias Mayer 3 Ronaldo Hoffmann 4 Resumo: A obtenção de chapas

Leia mais

6 colectores solares térmicos ÍNDICE

6 colectores solares térmicos ÍNDICE ÍNDICE constituição e tipologias -2 armazenamento de energia -3 termossifão -4 avaliação de desempenho -5 experiência 1 - experiência 2-7 experiência 3-8 para saber mais... -9-1 constituição e tipologias

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Licenciatura em Engenharia Electrotécnica Ano Lectivo 2014/2015 Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular ELECTROMAGNETISMO Ramo(s) Formação Comum Área Científica Física Natureza Curricular Ciências

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

ENSINANDO FENÔMENOS DE TRANSPORTE EM UM AMBIENTE COMPUTACIONAL INTERATIVO USANDO O MAPLE

ENSINANDO FENÔMENOS DE TRANSPORTE EM UM AMBIENTE COMPUTACIONAL INTERATIVO USANDO O MAPLE ENSINANDO FENÔMENOS DE TRANSPORTE EM UM AMBIENTE COMPUTACIONAL INTERATIVO USANDO O MAPLE Fabiana Vassallo Caldas, fvcaldas@terra.com.br Rosenir Rita de Cassia Moreira da Silva, rosenir@vm.uff.br Arlindo

Leia mais

1 Descrição do Trabalho

1 Descrição do Trabalho Departamento de Informática - UFES 1 o Trabalho Computacional de Algoritmos Numéricos - 13/2 Métodos de Runge-Kutta e Diferenças Finitas Prof. Andréa Maria Pedrosa Valli Data de entrega: Dia 23 de janeiro

Leia mais

Difusão. Introdução Histórica

Difusão. Introdução Histórica Estas notas de aula estão fortemente baseadas no livro de T. F. Weiss (2 vols.) indicado na bibliografia. Difusão A difusão pode ser definida como o processo pelo qual uma população de partículas é transportada

Leia mais

Biofísica Bacharelado em Biologia

Biofísica Bacharelado em Biologia Biofísica Bacharelado em Biologia Prof. Dr. Sergio Pilling PARTE A Capítulo 4 Luz como uma onda, refração, polarização, difracão e interferência. Formação de imagens e instrumentos óticos. Objetivos: Nesta

Leia mais

PROBLEMAS INVERSOS EM TRANSFERÊNCIA DE CALOR COM MUDANÇA DE FASE

PROBLEMAS INVERSOS EM TRANSFERÊNCIA DE CALOR COM MUDANÇA DE FASE 17º Simpósio do Programa de Pós-graduação em Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica PROBLEMAS INVERSOS EM TRANSFERÊNCIA DE CALOR COM MUDANÇA DE FASE Ana

Leia mais

UMA NOVA METOLOGIA PARA O ENSINO DAS DISCIPLINAS DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE

UMA NOVA METOLOGIA PARA O ENSINO DAS DISCIPLINAS DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE UMA NOVA METOLOGIA PARA O ENSINO DAS DISCIPLINAS DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE Ligia Damasceno Ferreira Marczak - ligia@enq.ufrgs.br Isabel Cristina Tessaro - isabel@enq.ufrgs.br Nilo Sérgio Medeiros Cardozo

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO Capítulo 2 do livro Manual de Conforto Térmico NESTA AULA: Trocas de calor através de paredes opacas Trocas de calor através de paredes translúcidas Elementos de proteção

Leia mais

LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória. Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII

LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória. Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII Ficha de Unidade Curricular (FUC) Curso LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII Opcional Área Científica ENGENHARIA CIVIL Classificação

Leia mais

Aplicativo visual para problemas de transferência de calor 1

Aplicativo visual para problemas de transferência de calor 1 Artigos Aplicativo visual para problemas de transferência de calor 1 Lin Chau Jen, Gerson Rissetti, André Guilherme Ferreira, Adilson Hideki Yamagushi, Luciano Falconi Coelho Uninove. São Paulo SP [Brasil]

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

FÍSICA: CONCEITOS E EXERCÍCIOS DE FÍSICA TÉRMICA

FÍSICA: CONCEITOS E EXERCÍCIOS DE FÍSICA TÉRMICA FÍSICA: CONCEITOS E EXERCÍCIOS DE FÍSICA TÉRMICA 1 SOBRE Apanhado de exercícios sobre física térmica selecionados por segrev. O objetivo é que com esses exercícios você esteja preparado para a prova, mas

Leia mais

Eduardo Filipe de Carvalho Almeida Falcão

Eduardo Filipe de Carvalho Almeida Falcão UMinho 2014 Eduardo Filipe de Carvalho Almeida Falcão Modelação Térmica de Placas de Circuito Impresso Universidade do Minho Escola de Engenharia Eduardo Filipe de Carvalho Almeida Falcão Modelação Térmica

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

DISCIPLINA: Finanças Empresariais II Ano Lectivo: 2011/2012 3º ANO - 2º Semestre

DISCIPLINA: Finanças Empresariais II Ano Lectivo: 2011/2012 3º ANO - 2º Semestre DISCIPLINA: Finanças Empresariais II Ano Lectivo: 2011/2012 3º ANO - 2º Semestre PROGRAMA Área Científica (Secção): Finanças Coordenador: Gualter Couto Docente: Gualter Manuel Medeiros do Couto, Ph.D,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE PESQUISA E ANÁLISE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS, PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO E TRABALHO

Leia mais

g= 10 m.s c = 3,0 10 8 m.s -1 h = 6,63 10-34 J.s σ = 5,7 10-8 W.m -2 K -4

g= 10 m.s c = 3,0 10 8 m.s -1 h = 6,63 10-34 J.s σ = 5,7 10-8 W.m -2 K -4 TESTE DE FÍSICO - QUÍMICA 10 º Ano Componente de Física A Duração do Teste: 90 minutos Relações entre unidades de energia W = F r 1 TEP = 4,18 10 10 J Energia P= t 1 kw.h = 3,6 10 6 J Q = mc θ P = U i

Leia mais

2. Duração da Prova: - Escrita: 90 min (+30 minutos de tolerância) - Prática: 90 min (+30 minutos de tolerância)

2. Duração da Prova: - Escrita: 90 min (+30 minutos de tolerância) - Prática: 90 min (+30 minutos de tolerância) ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES Física 12º ano CÓDIGO 315 (1ª e 2ª Fases ) INFORMAÇÃO PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Alunos do Decreto-Lei nº 74/2004 Formação Específica Ano Letivo:

Leia mais

REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA NO CILINDRO DE PLASTIFICAÇÃO NUMA MÁQUINA INJETORA DE PLÁSTICOS

REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA NO CILINDRO DE PLASTIFICAÇÃO NUMA MÁQUINA INJETORA DE PLÁSTICOS VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil REDUÇÃO

Leia mais

onde Gr é o número de Grashof e Pr é o número de Prandtl que são definidos da forma: ; Re = UH ν ; X x

onde Gr é o número de Grashof e Pr é o número de Prandtl que são definidos da forma: ; Re = UH ν ; X x - mcsilva@fem.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP/Faculdade de Engenharia Mecânica - FEM Departamento de Energia - DE Campinas - SP - Brasil Caixa Postal 6122 CEP 13088-970 - carlosav@fem.unicamp.br

Leia mais

107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa

107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa 107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2015 E. S. Tognetti (UnB) Controle de processos

Leia mais

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS PROCEDIMENTOS E REGRAS A ADOPTAR PARA A FIXAÇÃO DOS CRÉDITOS A OBTER EM CADA ÁREA CIENTÍFICA E A ATRIBUIR POR CADA UNIDADE CURRICULAR (de acordo com Dec.- Lei nº 42/2005)

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM UMA SANDUICHEIRA

TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM UMA SANDUICHEIRA Universidade Federal Fluminense Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Alunos: Helena Fuly de Resende Pinto; Luana Britto Pinto; Sofia Claudia Martagão Gesteira. Professores: Arlindo de Almeida

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

Abstract. R. F. Brito 1, S. R. de Carvalho 2, S. M. M. de L. e Silva 3

Abstract. R. F. Brito 1, S. R. de Carvalho 2, S. M. M. de L. e Silva 3 Estimativa Do Fluxo De Calor Em Uma Ferramenta De Corte Durante Um Processo De Usinagem Com O Uso Do Software COMSOL Multiphysics E De Técnicas De Problemas Inversos R. F. Brito 1, S. R. de Carvalho 2,

Leia mais

Estudo da Aplicabilidade de um Arrefecedor a Ar de Ponto de Orvalho a Climas Portugueses

Estudo da Aplicabilidade de um Arrefecedor a Ar de Ponto de Orvalho a Climas Portugueses Estudo da Aplicabilidade de um Arrefecedor a Ar de Ponto de Orvalho a Climas Portugueses Marcos André Moreira da Silva Relatório da Dissertação do MIEM Orientador Armando Carlos Figueiredo Coelho de Oliveira

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Departamento de Gestão de Empresas SUMÁRIO: I - OBJECTIVOS DA DISCIPLINA II - PROGRAMA III - AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS

GESTÃO FINANCEIRA. Departamento de Gestão de Empresas SUMÁRIO: I - OBJECTIVOS DA DISCIPLINA II - PROGRAMA III - AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS Departamento de Gestão de Empresas GESTÃO FINANCEIRA SUMÁRIO: I - OBJECTIVOS DA DISCIPLINA II - PROGRAMA III - AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS IV - LOCAL E HORÁRIO DE APOIO AOS ALUNOS V - BIBLIOGRAFIA O Docente

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDICIONADOR DE AR E VERIFICAÇÃO DO USO DE SEU CALOR REJEITADO PARA AQUECIMENTO DE PISCINA

DIMENSIONAMENTO DE CONDICIONADOR DE AR E VERIFICAÇÃO DO USO DE SEU CALOR REJEITADO PARA AQUECIMENTO DE PISCINA DIMENSIONAMENTO DE CONDICIONADOR DE AR E VERIFICAÇÃO DO USO DE SEU CALOR REJEITADO PARA AQUECIMENTO DE PISCINA Eduardo Gus Brofman eduardobrofman@hotmail.com Paulo Otto Beyer paulo.beyer@ufrgs.br Universidade

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE PALMEIRINHA - E.F.M. RUA: ARTHUR MOREIRA 160 PALMEIRINHA GUARAPUAVA/PR DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2ºC

COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE PALMEIRINHA - E.F.M. RUA: ARTHUR MOREIRA 160 PALMEIRINHA GUARAPUAVA/PR DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2ºC COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DE PALMEIRINHA - E.F.M. RUA: ARTHUR MOREIRA 160 PALMEIRINHA GUARAPUAVA/PR PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2014 DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2ºC PROFESSOR: CARLOS ALBERTO RAMOS DA SILVA

Leia mais

ESTUDO EXPERIMENTAL E NUMÉRICO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR NO CONGELAMENTO DO PURÊ DE CENOURA

ESTUDO EXPERIMENTAL E NUMÉRICO DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR NO CONGELAMENTO DO PURÊ DE CENOURA Proceedings of the 11 th Brazilian Congress of Thermal Sciences and Engineering -- ENCIT 2006 Braz. Soc. of Mechanical Sciences and Engineering -- ABCM, Curitiba, Brazil, Dec. 5-8, 2006 Paper CIT06-0284

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular REDES DE ENERGIA ELÉCTRICA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular REDES DE ENERGIA ELÉCTRICA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular REDES DE ENERGIA ELÉCTRICA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS ANÁLISE DA EFICIÊNCIA TÉRMICA DE ISOLAMENTOS EM AQUECIMENTO E RESFRIAMENTO

Leia mais

MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS MECÂNICA ESPACIAL E CONTROLE MESTRADO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS Seminário de Dinâmica Orbital I CMC-203-0 Prof. Dr. Mário

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET)

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Preâmbulo A criação de oportunidades de formação para públicos diversos, com necessidades específicas, tem sido, desde sempre, uma

Leia mais

C.(30 20) + 200.1.(30 20) + 125.0,2.(30 130) = + 2000 2500 =

C.(30 20) + 200.1.(30 20) + 125.0,2.(30 130) = + 2000 2500 = PROVA DE FÍSIA 2º ANO - AUMULATIVA - 1º TRIMESTRE TIPO A 1) Assinale verdadeiro (V) ou falso (F) para as seguintes afirmativas. (F) Os iglus, embora feitos de gelo, possibilitam aos esquimós neles residirem,

Leia mais

Vidros de controle solar

Vidros de controle solar Vidros de controle solar ARQ5658 Eficiência Energética e Sustentabilidade em Edificações Prof. Fernando Simon Westphal fernandosw@arq.ufsc.br 1 PROPRIEDADES IMPORTANTES FATOR SOLAR E RESISTÊNCIA TÉRMICA

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 11.02.2010

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 11.02.2010 Teste Intermédio de Física e Química A Teste Intermédio Física e Química A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 11.02.2010 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA E FENÔMENOS DE TRANSPORTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA E FENÔMENOS DE TRANSPORTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA E FENÔMENOS DE TRANSPORTE CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE MOSTO

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE TÉCNICA REFERENTE À IMPLANTAÇÃO DO ISOLAMENTO TÉRMICO DA TUBULAÇÃO DE ÁGUA REFRIGERADA DA UNIDADE DE PRODUÇÃO DA SPAR

ANÁLISE DA VIABILIDADE TÉCNICA REFERENTE À IMPLANTAÇÃO DO ISOLAMENTO TÉRMICO DA TUBULAÇÃO DE ÁGUA REFRIGERADA DA UNIDADE DE PRODUÇÃO DA SPAR ANÁLISE DA VIABILIDADE TÉCNICA REFERENTE À IMPLANTAÇÃO DO ISOLAMENTO TÉRMICO DA TUBULAÇÃO DE ÁGUA REFRIGERADA DA UNIDADE DE PRODUÇÃO DA SPAR LAISE NASCIMENTO SANTANA (UFBA ) lay_iti@hotmail.com CRISTIANO

Leia mais

Janine Coutinho Canuto

Janine Coutinho Canuto Janine Coutinho Canuto Termologia é a parte da física que estuda o calor. Muitas vezes o calor é confundido com a temperatura, vamos ver alguns conceitos que irão facilitar o entendimento do calor. É a

Leia mais

Unidade Curricular: Desenho Técnico Assistido por Computador. Ano Semestre Carga Horária (aulas) 1 Tipo ECTS 1º 1º 15 T + 30 TP Obrigatório 3

Unidade Curricular: Desenho Técnico Assistido por Computador. Ano Semestre Carga Horária (aulas) 1 Tipo ECTS 1º 1º 15 T + 30 TP Obrigatório 3 UNIVERSIDADE DO ALGARVE - INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLOGICA TECNICOS ESPECIALISTAS INSTALAÇÕES SOLARES ANO LECTIVO 2013/2014 Unidade Curricular: Desenho Técnico Assistido

Leia mais

DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5

DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5 DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: Turismo, Hotelaria e Restauração Área Científica: Hotelaria CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5 CURSO: Licenciatura em Restauração e Catering Ano: 1º Semestre:

Leia mais

CONTEÚDO HABILIDADES INSTRUÇÕES

CONTEÚDO HABILIDADES INSTRUÇÕES Prova Oficial de Física 1 Trimestre/2013 Data: Professor: Leandro Nota: Valor : [0,0 5,0] Nome do(a) aluno(a): Nº Turma: 2 M Ciência do responsável: CONTEÚDO Escalas Termométricas; Conversão entre escalas;

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

Universidade de Évora

Universidade de Évora Universidade de Évora ELECTRÓNICA I 2010-2011 2011 Semestre Par Engenharia Mecatrónica Física Prof. Fernando Janeiro Universidade de Évora Electrónica I 2010/2011 1 Docentes: Informação Prof. Fernando

Leia mais

EDITAL Nº 191 DE 31 DE OUTUBRO DE 2014

EDITAL Nº 191 DE 31 DE OUTUBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA

Leia mais

INTRODUÇÃO À BIOMECÂNICA

INTRODUÇÃO À BIOMECÂNICA 1 Ano Lectivo 2009/10 Licenciatura em Condição Física e Saúde no Desporto PROGRAMA UNIDADE CURRICULAR INTRODUÇÃO À BIOMECÂNICA Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br 1 a estrutura I-S (água) ion central moléculas de água orientadas interações ion - dipolo

Leia mais

Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Departamento de Engenharia Marítima

Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Departamento de Engenharia Marítima Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Departamento de Engenharia Marítima Hidrodinâmica e Propulsão Questões e Exercícios Outubro 2013 2 Questão/Exercício 1 Um modelo com 6 m de um navio de 180 m

Leia mais